Degravação. BC 40 anos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Degravação. BC 40 anos"

Transcrição

1 Degravação BC 40 anos *Participação do presidente do FED-NY, Timothy Geithner na palestra Perspectivas da Política Monetária e de Bancos Centrais e do gerente-geral do BIS, Malcolm Knight na explanação Características de Bancos Centrais Efetivos: Algumas Lições da Década Passada Timothy: "É uma honra muito grande estar aqui para celebrar o quadragésimo aniversário do Banco Central do Brasil. Eu gostaria de começar reconhecendo aqui o trabalho de alguém que está sentado à frente e que fez mais do que qualquer outro formulador de política nos bancos centrais americanos. Como falamos sobretudo de mercados emergentes essa é a pessoa que realmente ajudou a nos orientar de maneira geral no rumo de um suporte, um apoio maior a países por exemplo como o Brasil. Estamos aqui diante de um grupo muito distinto de pessoas, numa combinação do que há de melhor em termos de sofisticação econômica, de conhecimento de mercado e de talento político também. Essa combinação portanto e essa sofisticação econômica, por assim dizer, com esse toque de mercado e essa sensibilidade política é exatamente aquilo que forma a base crítica e fundamental da política econômica. Nós já ouvimos aqui hoje o quanto a confiança parte portanto dos indivíduos, os indivíduos que trabalham nos bancos centrais e nas instituições, por assim dizer, qualquer banco central do mundo teria ficado agraciado e muito satisfeito com a qualidade e a liderança que vocês tiveram a oportunidade e a sorte de ter aqui no Brasil também. Acredito que a principal conquista é o amplo reconhecimento de que não há num programa político uma agenda com vista a igualdade cobrindo todo o espectro de receitas. Nenhum arranjo dessa natureza é possível sem estabilidade de preços, sem essa estabilidade de preços estaremos indo além da possibilidade de controle de qualquer governo. Estamos vivendo uma época muito boa pra se ser um banqueiro envolvido com o Banco Central. Ao longo dos últimos vinte anos, a inflação vem caindo significativamente em todo o mundo. Nas economias industrializadas, entre 1980 e 1984, a inflação desceu aproximadamente nove pontos percentuais. Mais tarde essa queda foi muito mais pronunciada, entre 2000 e O corpo global desse fenômeno se estende portanto à redução da inflação e hoje em dia nós temos muitas reflexões sendo feitas em relação às fontes, à origem dessas melhorias. Ao que parece há diversos fatores que dão suporte a essas tendências. Há um aumento na integração econômica mundial que leva à maior concorrência. Há também reformas que produzem metas mais flexíveis no que diz respeito aos mercados financeiros de trabalhos e de produtos também. E há outras melhorias específicas, noções de melhorias no que diz respeito a capacidade de resistir aos choques. Esses fatores se tornaram a arte do Banco Central mais fácil e alguns sentidos, mas ainda parece um pouco insuficiente para explicar todo esse sucesso. Há uma outra parte significativa dessa melhoria, eu estou falando das políticas monetárias que serão, claro, sempre determinantes na sustentabilidade futura dos ganhos alcançados. As fontes desses ganhos também são muito variadas e complexas, algumas delas têm a ver com a melhoria da própria dinâmica da inflação e também com o conhecimento de outros mecanismos sobre os quais residem a política monetária. Há também uma mudança fundamental na tolerância dos indivíduos em relação à altas taxas de inflação e isso tudo mudou muito o contexto com o qual operam os bancos centrais. Nós temos aí algumas conseqüências de ações individuais e também, portanto, a qualidade da liderança é crucial aqui. E também tivemos muitas mudanças de arranjos institucionais,

2 esses arranjos ao qual eu me refiro e sobre os quais falarei hoje são muito relevantes para a credibilidade da política monetária e para a competência dessa autoridade monetária, envolve autonomia, envolve a independência do Banco Central, envolve o próprio design dos objetivos do Banco Central e também do regime no qual opera o Banco Central. Envolve toda a estrutura do processo decisório e envolve todo grau de transparência por assim dizer, e de clareza na comunicação desses objetivos. Eu quero hoje falar de todo esse apanhado institucional e vou falar, em grande parte, da história do Federal Reserve dos Estados Unidos. Nós estamos aqui para falar sobretudo da independência do Banco Central que é um aspecto fundamental para credibilidade de um banco central. Essa independência pode vir sobre várias formas, algumas formas são mais importantes que outras, muito embora sejam difíceis de discernir. Na verdade, a independência somente não basta. Há muitos bancos centrais com boa independência e que também podem tomar decisões mal tomadas. E há outros bancos sem tanta independência que tomam decisões muito acertadas, levando a resultados sustentáveis. Então, como é que sabemos o que é essa independência, como podemos identificá-la e por que ela é de fato tão importante. A independência é a liberdade de buscar os objetivos definidos na política econômica sem consideração de interesses políticos ou privados, e sem qualquer temor de subordinação dessa política a esses interesses, ou seja estamos falando do poder e da liberdade de buscar os melhores mecanismos para alcançar as nossas metas, sobretudo de reduzir a inflação, de manter a estabilidade de preços e levar ao crescimento econômico e uma combinação desses fatores. Não estamos falando aqui da liberdade de não ter que prestar contas, isso pode até comprometer a nossa independência. Também não estamos falando de independência total em relação aos legisladores, ou independência para escolher livremente os objetivos, não. Os bancos centrais têm que ter alguma independência mas não, por exemplo, a independência de definir autonomamente os rumos do seu trabalho. Mas por que então a independência é desejável? A lógica básica é de que é preciso uma credibilidade maior no nosso compromisso com a estabilidade de preços e claro há também sempre uma certa parcialidade no que diz respeito ao crescimento quando se trata do governo. Há aí uma tentação de certa monta de se utilizar uma política monetária para se levar a curto prazo a inflação à taxas muito inferiores e portanto inconsistentes com o crescimento econômico. Nós temos em alguns casos um legado de crises muito grandes, derivadas da tendência de se seguir essas tentações. Mas hoje, na verdade, há uma consideração um pouco maior dos custos da alta inflação e, portanto, os esforços devem se transformar no futuro. O banco central está sempre diante dessa tentação, mas precisa, claro, reduzir a sua suscetibilidade a essa tentação para não piorar as coisas. Portanto, estamos aqui tratando de uma argumentação pragmática em torno da independência e autonomia do Banco Central e que é válida, na verdade, independente da circunstância econômica em que se encontra qualquer país. Pode se aplicar muito bem àqueles países que tem o desafio de reduzir uma inflação persistentemente alta, mas também em outros contextos. É importante em países industrializados, é importante em nações emergentes, é importante, portanto, independentemente do regime econômico ou da própria natureza do Banco Central. A adoção, por exemplo, de metas de inflação e coisas dessa natureza podem ajudar à aumentar a credibilidade de um banco central que não seja independente, mas a credibilidade será ainda maior, por exemplo, para aqueles bancos centrais que adotam as metas de inflação e ainda assim são independentes. Os benefícios da independência são de certa forma universais, o que não significa que são equivalentes na sua magnitude em todos os países. A credibilidade é algo muito vulnerável também, sobretudo naqueles casos onde há história de inadimplência, e nesses casos, é claro, que precisa haver uma regulamentação ainda mais forte para independência do Banco Central. Acredito que estamos tratando de algo que vemos na

3 literatura, é muito defendido por todos os autores, me refiro novamente à independência, o certo é que os bancos centrais independentes costumam fazer um trabalho mais bem feito de redução de inflação, de controle da estabilidade de preços e levando à uma situação de economia menos instável. Entretanto, na verdade, nunca em detrimento de crescimento econômico. A credibilidade deve reduzir a incerteza, deve levar a um menor controle da inflação e portanto reduzir de maneira geral a volatilidade. A independência do banco central, portanto, é uma necessidade para a condução da correta autoridade monetária, muito embora não seja suficiente. É preciso ter uma combinação de flexibilidades e limitações também dentro de um mandato específico do banco central e também confiando na qualidade das decisões das pessoas que estão a frente desse esforço. Muito importante também é saber como eficientemente o Banco Central é capaz de comunicar a suas decisões políticas. A nossa experiência no Banco Central tem a ver com o Fed, Banco Central Americano. Agora vou falar alguns minutos sobre a história do nosso Banco Central. O Fed foi estabelecido em 1914 e, desde então, tem havido uma grande estabilidade econômica de maneira geral nos Estados Unidos. Agora é claro que a performance no que diz respeito a controle de inflação nessas nove décadas variou bastante. O Fed foi estabelecido com um grande mandato independente, quando isso era muito raro entre os bancos centrais. Inicialmente esse mandato era muito amplo e nossos precursores tinham basicamente a responsabilidade de criar "uma moeda elástica" e também mecanismos de descontos de papéis comerciais. E, mais tarde, alguém nos disse que era conveniente criar instituições que diversifiquem essa perspectiva de independência quando de uma decisão final. É por razão idêntica, por exemplo, que os países e os governos preferem confiar as políticas monetárias a comitês e não a indivíduos. Portanto, nós conseguimos alcançar um bom equilíbrio entre interesses públicos e privados. Temos um banco que se espalha por todo o país e com isso nós evitamos concentrar muito o poder em Washington ou em Nova Iorque. Nós temos então um corpo decisor de políticas monetárias que reúne sete governadores que são indicados pelo presidente e mais tarde confirmados pelo senado. Cinco deles são chamados governadores e além deles temos o secretário do tesouro e um chamado controlador da moeda. Posteriormente se agregam aí também doze governadores de outros bancos. Nós temos a presidência do Banco em Washington, e que portanto deu uma confiabilidade um pouco maior no nosso trabalho de controle da economia e que nos deu praticamente a garantia de lidar com aquilo que seriam os mais altos interesses da nação também. Esses bancos estavam distribuídos em todo país estabelecidos como entidades corporativas com diretorias corporativas individuais, a maioria dos quais eleitos pelos acionistas dos bancos. Nos primeiros anos do Fed, o princípio da política monetária não estava centralizada em Washington, mas conduzida pelos bancos individuais que determinavam a taxa de desconto para seus bancos e conduzir operações no mercado. Também no começo, o Fed foi criado com independência financeira e não dependia de qualquer dotação anual do congresso. O capital era fornecido por bancos participantes e os recursos vinham principalmente de ganhos sobre os ativos e serviços oferecidos aos bancos participantes. A estrutura formal, então do Fed, nos deu no começo um grau bastante grande tanto de independência de objetivos e independência de instrumentos e a estrutura do mandato inicial pode fornecer uma moeda elástica e deu ao Fed uma amplitude para decidir que objetivos deveriam guiar a política monetária e o Fed tinha total independência para como seguir esses objetivos. Tinha tanto independência para definir, quanto para executar a política monetária. Essa independência foi qualificada na prática no começo do Fed pelos requisitos do "goldstan" e pelas exigências da guerra. Mas ainda além desses limites, o Fed tinha menos independência do governo do que parecia em sua estrutura. Nas primeiras duas décadas do Fed, a presença do secretário do tesouro e o

4 controlador da moeda estavam presentes na diretoria dos governadores e deu ao governo um grau grande de influência em relação à política monetária. Em 1935, o congresso tirou os representantes do governo da diretoria de governadores e permitiu que o comitê de mercado aberto assumisse a forma que funciona hoje. Na independência, nas próximas décadas, o tesouro teve um papel principal na política monetária que geralmente estava direcionada para acomodar os interesses da administração de taxas de juros mais baixas e taxas de empregos mais altas. E apenas em 1951, o Fed e a administração deram um passo maior em relação à independência, e ficou conhecido como o acordo entre o Tesouro e o Fed. O Tesouro concordou em sair um pouco de campo e dar ao Fed mais liberdade para conduzir a política e os anos de relativa baixa inflação e alto crescimento seguiram por um tempo que pareciam mostrar a consciência da escolha. Mesmo depois do acordo a política monetária foi caracterizada pela dominância de períodos de menor déficit fiscal. O Fed tinha pressão de acomodar os objetivos da administração e taxas de juros baixas e sustentar a inflação baixa. Até em 1969, o presidente Nixon disse a A. Burns, da diretoria do Banco Central: "eu sei que é um mito do Fed autônomo e essa percepção e a restrição política no Banco complicou o que já era um trabalho difícil de discernir o que estava por trás da inflação nos Estados Unidos e como controlá-la e na maior parte da década de 70 houve uma nuvem negra na vontade do Fed de agir para reverter esse aumento da inflação. Essa nuvem em parte refletiu uma versão política bastante ampla do custo da inflação. Se lessem as memórias de representantes do executivo do acordo do Tesouro e Fed em 1951, poderiam ver a influência que teve nas decisões. Até 1978 todos esse esforços foram direcionados para limitar a capacidade do Fed de aumentar a taxa de juros e não incentivá-lo a fazer isso. Em 1978 o congresso aprovou a lei de The Humphrey-Hawkins Act que definiu o máximo emprego e preços estáveis e taxas de juros moderadas a longo prazo e esse é o mandato que governa hoje o Fed. Nesse período de continuidade ampla na estrutura legal do Fed teve bons momentos e momentos piores. O grau de dependência legal que tivemos no começo não foi concretamente diferente mesmo no começo dos anos 70 do que víamos no final da década. A estrutura institucional para a tomada de decisões formais era mais ou menos a mesma. Em 78 o mandato formal foi modificado, acrescentando-se a referência explícita entre a estabilidades de preços, mas também os resultados da política monetária nas últimas duas décadas e meia era uma estrutura que não era suficiente por si só para produzir um padrão consistente de decisões de política monetária positivas na década de 70 não pode ser dada simplesmente por melhorias substanciais na política monetária. Em 79, claro, umas das coisas que mudou foi a liderança do Fed e as ações de Paul Volcker e seus colegas nos anos seguintes trouxe o fim da grande inflação e mudou a história da política monetária dos Estados Unidos. O Fed foi auxiliado nesse desafio com a maior consciência pública dos custos da alta inflação e uma melhoria na consciência entre os formadores de políticas e acadêmicos em relação à dinâmica da inflação e como a política monetária pode ser direcionada para atingir os objetivos de crescimentos sustentáveis para a estabilidade de preços. Como o professor acabou de dizer, a tecnologia do trabalho do Banco Central e o conhecimento melhorou bastante nesse período e isso foi também resultado do que aconteceu. Também as conquistas nos anos 80 de taxas de inflação mais baixas foram basicamente conquistas do Fed. E as boas decisões de política monetária sob a liderança de Alan Greenspan deve também devem ser em parte crédito do registro do padrão de desempenho da economia nos Estados Unidos. A estrutura legal do Banco Central americano não mudou desde 78. Mas a condução da política monetária e a forma como o Fed se comunica ou informa a política monetária mudou bastante. Algumas das principais mudanças podemos notar aqui rapidamente. Em 94, a FOMC começou a anunciar a meta da taxa dos fundos do Fed e explicar a base de qualquer

5 mudança nessa meta. Antes de 94, o mercado discernia essa meta a partir dos sinais dados pelas operações de mercado. Em 99, o Fed adaptou as declarações pós-reuniões para informar mais sobre o cenário da economia, as decisões de política monetária e também abrindo o que se chamava de um viés. Em dezembro de 2004, a FOMC decidiu liberar a ata três semanas depois da reunião ou então fazendo isso de forma mais imediata mostrando os motivos das decisões tomadas, a visão das perspectivas econômicas e das implicações da política monetária para o futuro. Em janeiro de 2005, a FOMC acrescentou um ano a sua previsão pública semi-anual da visão das expectativas de crescimento da inflação, dando ao mercado maior percepção também das preferências de inflação dos membros do comitê. Essas mudanças na transparência da condução de política monetária nos Estados Unidos foram motivadas, claro, por uma avaliação de que a política monetária funciona melhor se o Banco Central for mais explícito em relação aos seus objetivos, sua visão da perspectiva de crescimento da inflação e como define as suas escolhas de política. A política monetária opera não apenas nas taxas interbancárias overnight mas nas expectativas também do curso futuro dessa taxa e os outros preços de ativos. Tão maior a abertura sobre as previsões do Fed e os motivos de suas visões, podem ajudar também a refletir os preços de mercado e assim ajudar a tornar a política monetária mais eficaz. Maior transparência, dessa forma, não pode eliminar a incerteza da política mas pode reduzir o nível de incerteza nos mercados e trazê-los mais próximo ao que os membros de fato enfrentam. Junto com essas mudanças na condução da política monetária, o Fed hoje opera com uma deferência maior do Executivo. Os membros do Executivo não comentam publicamente sobre a política monetária e hoje não seria comum ver um representante do Tesouro ou da Casa Branca admitir que quer influenciar as ações do diretor ou do FOMC. As melhorias no grau de independência das operações do Fed são resultado de mudanças de comportamento na prática do Executivo. Não estão definidas na lei mas ajudaram as melhorias na política monetária, a transparência e também os resultados do Fed nos últimos anos. É um reconhecimento de que a credibilidade da política monetária depende, em grande parte, da independência do Banco Central. Mudanças na prática com base no conhecimento e no aprendizado talvez sejam tão importantes quanto o que está definido na legislação, em contribuir para a independência do Banco Central. É interessante notar, baseado no que estão passando, que tivemos uma independência de jure antes de termos uma autonomia de facto. E tivemos isso muito antes de outros bancos centrais. E uma autonomia de facto é um fenômeno bastante recente. Os arranjos institucionais de bancos centrais em todo o mundo mudaram bastante nas últimas décadas do que aqueles que regulam o FED. A independência do Banco Central hoje é muito mais distribuída, muito mais popular, e onde isso ainda não se deu há muito apoio e esforços tangíveis também no sentido de fazer isso acontecer. Além dessa evolução os bancos centrais em toda parte também se tornaram um pouco mais transparentes nos seus objetivos e no que diz respeito ao arcabouço que adotam na condução de suas políticas monetárias a despeito da ampla convergência no que diz respeito a um modelo prevalente de gestão de Banco Central. O Fed ainda permanece diferente no que diz respeito aos arranjos fundamentais que foram alterados em grandes economias e muitas economias do mundo. Há duas coisas, em particular, que distinguem o regime no qual nós operamos hoje nos Estados Unidos. Em primeiro lugar, o escopo da nossa responsabilidade no que diz respeito à nossa estabilidade financeira e também ao nosso regime de política monetária. Na maior parte das outras economias, temos ainda a integração como acontece aqui, de responsabilidades pelos principais instrumentos de manutenção da estabilidade financeira, instrumentos monetários, instrumentos de emprestador de último recurso e também a supervisão do sistema de pagamento. Isso de certa forma era verdade no começo do Fed também nos Estados Unidos. E até hoje há uma certa

6 lógica para tudo isso que tem a ver com dois julgamentos principais. Em primeiro lugar, o fato de que nós acreditamos que as políticas monetárias devem partir de informações e de conhecimento da economia e do sistema e portanto deve incluir também a responsabilidade de supervisão do mercado. Há uma segunda crença que sustenta esse modelo. A crença é de que o banco central precisa agir com agilidade e com força para mitigar os efeitos das crises financeiras. E que essa capacidade é significativamente maior se a responsabilidade pela política monetária e pelos instrumentos de emprestador de último recurso estiverem combinados com a supervisão também de um sistema de pagamentos. A confiança para fazer julgamentos rápidos na época de liquidez e da solvência. Julgamentos que sejam centrais. A eficiência dos bancos centrais é significativamente aumentada pelo envolvimento direto da supervisão e das instituições centrais, por assim dizer, que formam o sistema financeiro. É preciso, portanto, ter boa capacidade de responder às crises sistêmicas e econômicas e portanto é preciso ter também um bom controle sobre o risco total do capital circulante na economia. Isso naturalmente vai aumentar a nossa capacidade de lidar com qualquer perturbação dessa ordem. Então nós temos lá regime monetário em íntima proximidade à definição que damos às nossas responsabilidades, por assim dizer. Muitos bancos centrais adotaram meta de inflação e esse regime, nesses casos, algum avanço foi feito. Mas nós, no Fed, mantivemos o nosso mandato global. Não cedemos à tentação de lidar com esse aspecto de maneira mais curta. E quando nós vemos as ações do Fed nos últimos vinte anos e o resultado daí derivado, nós vemos que houve um período prolongado de baixa inflação e de significativa redução nas expectativas inflacionárias, também. E sobretudo uma redução da volatilidade em geral. Estamos aqui falando das principais medidas de credibilidade e nesse sentido estamos muito bem, se comparados pelo menos a outros bancos centrais do mundo, no que diz respeito às metas de inflação soft e hard e a outras formas de regimes que aí vemos no mundo. Esse tipo de escolha do regime é fundamentalmente uma escolha de como preservar aquilo que nos permite manter controle sobre a política monetária em função de eventuais choques e tudo aquilo que eles representam na economia. Temos que preservar essa capacidade dentro de um sentido maior de flexibilidade, sem comprometer a nossa credibilidade. Há o framework, ou seja, o arcabouço da política monetária americana, precisa, naturalmente, ter em mente que sempre a estabilidade de preços e também a necessidade de mantermos o crescimento econômico e tão próximos quanto possível mantermos também o pleno emprego. É lógico que há ainda uma grande diversidade nos regimes sob os quais operam os diferentes bancos centrais no mundo. Mas, na média, e ao longo do tempo, as ações dos bancos centrais em quase toda parte do mundo, hoje, refletem uma consideração muito maior que se dá hoje que à questão da estabilidade de preços e a estabilidade financeira e a importância, portanto, de se manter o crescimento econômico e dos instrumentos também necessários para isso. Nós, no nosso início, fomos apoiados por muitos mecanismos institucionais mas também não é por sorte ou por diversas outras ações que contribuíram para uma integração econômica maior que foi acompanhada de certa flexibilidade que permitiu que a nossa economia se adaptasse. E essas mudanças, é claro, todas contribuíram para as melhorias e os maiores resultados que obtivemos. A política econômica, é claro, tem desempenhado um papel fundamental nos Estados Unidos e isso, é claro, é um reflexo das melhorias de cunho institucional que nós fomos capazes de gerar no modelo do Banco Central. A credibilidade dos bancos centrais é algo que leva tempo para se construir mas pode ser erodida com muita facilidade. Deriva daquilo que você diz mas muito mais daquilo que você faz ao longo do tempo sustentadamente e também do resultado das suas ações. Depende, importantemente da coragem e da competência daqueles que estão à frente dos bancos centrais. Da capacidade dessas pessoas de serem flexíveis e de responderem

7 agilmente aos desafios que temos hoje no mundo. Depende também da nossa capacidade de responder agilmente diante de incertezas. A credibilidade começa com o fortalecimento do aspecto institucional do Banco Central, livrando-o de pressões políticas que podem querer comprometer a estabilidade financeira a curto prazo. Nós temos uma taxa de crescimento que será sempre maior e mais estável, mais durável naqueles casos onde o Banco Central mantém a sua independência e a sua autonomia livre de qualquer desafio. Muito obrigado pela oportunidade."

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira +

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Fernando Ferrari Filho * e Luiz Fernando de Paula ** A recente crise financeira internacional mostrou que a estratégia nacional para lidar

Leia mais

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 1. Nós, os Ministros da Fazenda e Diretores dos Bancos Centrais do G-20, realizamos nossa décima reunião anual

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais

Características de Bancos Centrais Efetivos Algumas Lições da Década Passada

Características de Bancos Centrais Efetivos Algumas Lições da Década Passada Malcom Knight Características de Bancos Centrais Efetivos Algumas Lições da Década Passada Presidente Henrique Meirelles, antigos presidente do Banco Central. É para mim uma honra muito grande falar para

Leia mais

São Paulo, 09 de agosto de 2013.

São Paulo, 09 de agosto de 2013. São Paulo, 09 de agosto de 2013. Discurso do Presidente Alexandre Tombini no VIII Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária. Senhoras e senhores: É com grande satisfação

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI

Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI São Paulo, 31 de Outubro de 2011. Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI Prezado Hélio Duarte, presidente da Associação

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015.

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na abertura do X Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária.

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

A Reforma no Seguro de Depósitos nos Estados Unidos

A Reforma no Seguro de Depósitos nos Estados Unidos Comentários de Martin J. Gruemberg, Vice Presidente, FDIC Quinta Conferência Anual da Associação Internacional de Seguradores de Depósito Rio de Janeiro, Brasil 16 de novembro de 2006 Boa tarde. Obrigado

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos Como as taxas de juros dos Estados Unidos afetam os mercados financeiros das economias emergentes 15 de maio de 2014 Alexander Klemm, Andre Meier e Sebastián Sosa Os governos da maioria das economias emergentes,

Leia mais

Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e Confederação Nacional das. Pronunciamento do Presidente do Banco Central do Brasil, Ministro Alexandre

Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e Confederação Nacional das. Pronunciamento do Presidente do Banco Central do Brasil, Ministro Alexandre São Paulo, 24 de novembro de 2011. Jantar Anual dos Dirigentes de Bancos Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e Confederação Nacional das Instituições Financeiras (CNF) Pronunciamento do Presidente

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 3 Política Monetária

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 3 Política Monetária Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor Coordenador: José Luiz Pagnussat Professor da Aula 3: Flávio A. C. Basilio Período: 11 a

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Latin American Shadow Financial Regulatory Committee Comité Latino Americano de Asuntos Financieros Comitê Latino Americano de Assuntos Financeiros

Latin American Shadow Financial Regulatory Committee Comité Latino Americano de Asuntos Financieros Comitê Latino Americano de Assuntos Financeiros Latin American Shadow Financial Regulatory Committee Comité Latino Americano de Asuntos Financieros Comitê Latino Americano de Assuntos Financeiros Declaração No. 28 Deixa rolar os bons tempos? Os riscos

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

UMA PARCERIA DE SUCESSO!

UMA PARCERIA DE SUCESSO! RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Parceria Santa Dorotéia e Junior Achievement de Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO! 1 SUMÁRIO 1. Resultados Conquistados... 3 2. Resultados 2013... 4 3. Resultados Pesquisas...

Leia mais

Desculpe, Sérgio, eu não sei se eu falei saúde, a minha pergunta é sobre automóveis.

Desculpe, Sérgio, eu não sei se eu falei saúde, a minha pergunta é sobre automóveis. Iago Whately, Banco Fator: Eu tenho duas perguntas. A primeira é a respeito da sinistralidade no seguro de saúde. A sinistralidade da SulAmérica no 1T ficou bem abaixo da média do mercado segurador. Eu

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO 1 ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO SILVA, A. T.O.C. 1 LIMA, C.C.O. 2 VILLANI, C.J. 3 FRIZERO NETO, K. 4 GRAVINA, L.M. 5 SANTOS, F.A.A. 6 Este artigo tem

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

Inteligência. Emocional

Inteligência. Emocional Inteligência Emocional Inteligência Emocional O que querem os empregadores?? Atualmente, as habilitações técnicas específicas são menos importantes do que a capacidade implícita de aprender no trabalho

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

São Paulo, 22 de maio de 2014. Discurso do Presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, na inauguração do novo escritório da Bloomberg

São Paulo, 22 de maio de 2014. Discurso do Presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, na inauguração do novo escritório da Bloomberg São Paulo, 22 de maio de 2014 Discurso do Presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, na inauguração do novo escritório da Bloomberg Senhoras e senhores É com satisfação que participo hoje da inauguração

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV DATA CENTER VIRTUAL - DCV Em entrevista, Pietro Delai, Gerente de Pesquisa e Consultoria da IDC Brasil relata os principais avanços

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

CARTA AOS ACIONISTAS JULHO 2012

CARTA AOS ACIONISTAS JULHO 2012 CARTA AOS ACIONISTAS JULHO 2012 (Esta página foi intencionalmente deixada em branco) Este material tem o único propósito de divulgar informações e dar transparência à gestão executada pela Nebraska Capital,

Leia mais

Para White, há bolhas de ativos em todos os lugares

Para White, há bolhas de ativos em todos os lugares Para White, há bolhas de ativos em todos os lugares 21/07/2014 Há bolhas de ativos em todos os lugares, alerta William White, ex-economista-chefe do Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2013 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEGMENTOS DE ASSOCIADOS Joel Queiroz 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO INSTRUMENTO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA Associação voluntária de pessoas para satisfação de necessidades econômicas,

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado

Um exemplo prático. Como exemplo, suponha que você é um recémcontratado pessoas do grupo. Não basta simplesmente analisar cada interpretação possível, é preciso analisar quais as conseqüências de nossas possíveis respostas, e é isso que proponho que façamos de forma racional.

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE D E T E R M I N A N T E S, I M PA C TOS E I M P L I C A Ç Õ E S D E P O L Í T I C A E D UARDO N E VES J OÃO Quais são os determinantes das taxas de câmbio? Os

Leia mais

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO João Ricardo Santos Torres da Motta Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Índice Fora da sombra da área administrativa 3 Como atingir o equilíbrio financeiro 4 O Financeiro encontra várias barreiras até

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Pedro de Albuquerque Seidenthal TAXA DE JUROS FUTURA: SIMULAÇÃO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS São Paulo 2012 Pedro de Albuquerque

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 50 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

Brasília, 06 de maio de 2013.

Brasília, 06 de maio de 2013. Brasília, 06 de maio de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no Seminário Internacional sobre Regimes de Resolução no Sistema Financeiro Brasileiro Senhoras

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 Antes de começar, ressalto apenas que as opiniões que estarei expressando aqui hoje refletem a minha

Leia mais

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano

Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Parceria RH & Coaching: Soluções à organização pessoal e profissional Marcia Toscano Socióloga - Consultora em Gestão de Pessoas - Personal & Professional Coach 1. Cenários organizacionais: Como delimitar

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

Regime de Metas para a Inflação no Brasil. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.

Regime de Metas para a Inflação no Brasil. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress. Regime de Metas para a Inflação no Brasil Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ O que é regime de metas para a inflação? O regime de metas para

Leia mais

Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio.

Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio. Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio. Separadas, XL e Catlin eram duas empresas fortes e inovadoras. Juntas, somos ainda mais fortes. Conteúdo Conheça a XL Catlin Pessoas

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo Construindo um RH estratégico para hoje e para o futuro ado o crescente foco executivo no capital humano, o RH tem uma oportunidade sem precedentes de se posicionar como um verdadeiro parceiro estratégico

Leia mais

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral:

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral: 7. Conclusão A conclusão do trabalho de pesquisa, exposto através desta dissertação, perpassa por duas vertentes. A primeira está relacionada aos objetivos traçados no início do desenvolvimento da pesquisa,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança 03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança Render 5 Vezes Mais por Leandro Sierra Índice Apresentação...03 Introdução... 04 Passo 1...05 Passo 2... 08 Educação Financeira para a Segurança do seu Investimento...

Leia mais

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa EUROPA: RESULTADOS DA INVESTIGAÇÃO Elaborado por Research em colaboração com a SAP Patrocinado por O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa LÍDERES FINANCEIROS PRONUNCIAM-SE SOBRE A SUA MISSÃO

Leia mais

Passar o bastão - Desenvolver parcerias

Passar o bastão - Desenvolver parcerias CAPÍTULO VI CONSTRUINDO A VISÃO DA QUALIDADE TOTAL... não fui desobediente à visão celestial Apóstolo Paulo Como já vimos anteriormente, as empresas vivem num cenário de grandes desafios. A concorrência,

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

5. Tendências na Gestão de Pessoas *

5. Tendências na Gestão de Pessoas * 5. Tendências na Gestão de Pessoas * Trabalho há mais de dez anos como coach e consultora de desenvolvimento humano e organizacional. Minha formação acadêmica é em Engenharia Eletrônica, e antes da grande

Leia mais

Painel da Indústria Financeira - PIF

Painel da Indústria Financeira - PIF Painel da Indústria Financeira - PIF Agenda Desintermediação Bancária nas Operações de Créditos Relacionamento com Instituições não Bancárias As Razões de Uso do Sistema Financeiro, segundo as Empresas:

Leia mais

Respostas Erradas para Perguntas Difíceis

Respostas Erradas para Perguntas Difíceis Carta do Gestor Respostas Erradas para Perguntas Difíceis Caros Investidores, Ao longo das últimas semanas, continuamos a observar a piora dos fundamentos da economia brasileira. Os problemas que surgem

Leia mais

Solução Accenture RiskControl

Solução Accenture RiskControl Solução Accenture RiskControl As rápidas transformações econômicas e sociais que marcaram a primeira década do século XXI trouxeram novos paradigmas para a gestão empresarial. As organizações ficaram frente

Leia mais

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Para suportar as intensas mudanças nos próximos 10 anos, Aprendizes do Futuro compreendem que é necessário criar

Leia mais

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL Aluno: Carolina Machado Orientador: Márcio G. P. Garcia Introdução A liquidez abundante no mercado financeiro internacional e

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

São Paulo (SP), 20 de julho de 2015.

São Paulo (SP), 20 de julho de 2015. São Paulo (SP), 20 de julho de 205. Discurso do Diretor de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos, Tony Volpon, no Encontro com Investidores promovido pela CM Capital Markets. Gostaria

Leia mais

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Existem sete níveis bem definidos de liderança, que correspondem aos sete níveis de consciência organizacional. Cada nível de liderança se relaciona com a satisfação

Leia mais

2 nd Regulatory Summit

2 nd Regulatory Summit 2 nd Regulatory Summit Gestão de Riscos - a avaliação e estratégias para mitigá-los, como processo essencial da boa Governança e de vantagem competitiva Setembro de 2014 Contexto Global A crise de 2008

Leia mais

FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS

FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS 28 de novembro de 2013 ABORDAGEM FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS Contexto! Mundo! Organizações Ser Humano! Quem é? Liderança! Que liderança precisamos?! Como desenvolvê-la? CONTEXTO:

Leia mais

Gestão Estratégica de Pessoas

Gestão Estratégica de Pessoas Gestão Estratégica de Pessoas MBA FGV 1 Grandes Decisões sobre Pessoas Fatores que Garantem o Resultado As Tendências e Perspectivas de Gestão de Pessoas em Saúde Gestão de Pessoas e o Balanced Score Card

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 97 Discurso no banquete oferece/do

Leia mais

17/07/2013 ALTA PERFORMANCE ALTA PERFORMANCE ALTA PERFORMANCE. CEOLIN Representante Interior Bahia. SILVA Representante Interior Pernambuco

17/07/2013 ALTA PERFORMANCE ALTA PERFORMANCE ALTA PERFORMANCE. CEOLIN Representante Interior Bahia. SILVA Representante Interior Pernambuco 17/07/2013 Ser Humano para SUPERAÇÃO DE METAS Transformação Pessoal Sonhos A Jornada é mais importante que o Destino Decisão Onde Vamos Viver? 1 Imprevisibilidade Mudanças constantes. Sem estabilidade

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Proatividade Uma questão de escolha

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Proatividade Uma questão de escolha - GUIA DO EMPRESÁRIO - Proatividade Uma questão de escolha Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/7 Proatividade Uma questão de escolha Você chega sempre atrasado

Leia mais