UTILIZAÇÃO DA HIDROXIURÉIA EM PACIENTE COM ANEMIA FALCIFORME: ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UTILIZAÇÃO DA HIDROXIURÉIA EM PACIENTE COM ANEMIA FALCIFORME: ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 Artigo original UTILIZAÇÃO DA HIDROXIURÉIA EM PACIENTE COM ANEMIA FALCIFORME: ESTUDO DE CASO Hydroxyurea use in patients with sickle cell anemia: case study Denise Santos Colombo 1, Lidiane Meire Kohler 2* 1 Aluna do Curso de Farmácia da Faculdade do Futuro. 2 Docente do Curso de Farmácia da Faculdade do Futuro. *Endereço para correspondência: Rua Duarte Peixoto nº 259 Bairro Coqueiro Manhuaçu/ MG RESUMO A anemia falciforme é uma das doenças falciformes mais frequentes no Brasil. Esta síndrome apresenta predominância de eritrócitos com hemoglobina S (Hb S), originada de uma mutação no gene beta da hemoglobina, promovendo uma mudança irreversível na conformação dos eritrócitos que, sobre baixa tensão de oxigênio, passam a apresentar a forma de foice, comprometendo, dessa forma, a sua função. Esta alteração eritrocitária é responsável por episódios de vaso-oclusão, anemia hemolítica crônica, crises de dor, infartos, necroses e outras consequências. A hemoglobina fetal (Hb F) tem grande significado hematológico, pois inibe a polimerização da HbS e previne as alterações morfológicas dos eritrócitos. A terapia com o quimioterápico hidroxiuréia está diretamente relacionada com o aumento da hemoglobina fetal, promovendo uma considerável melhora do prognóstico do paciente, reduzindo os episódios de crises dolorosas, as hospitalizações em adultos e crianças, as crises de sequestro esplênico e as quantidades de transfusões de sangue. Dessa forma, o presente estudo teve por objetivo investigar a utilização do uso do quimioterápico hidroxiuréia e a influência desse tratamento na qualidade de vida de um paciente com anemia falciforme acompanhado pelo serviço de ambulatório do Núcleo Regional de Manhuaçu Fundação Hemominas-MG. Observou-se que o nível de Hb F elevou-se apenas no mês de janeiro de 2010 (10%), com nova redução em abril do mesmo ano (4%), variando de 2% a 4% durante os meses de junho de 2008 a julho de Ocorreu também uma redução no número absoluto de leucócitos no mês de agosto de 2009 (7.800/ mm 3 ), seguido de uma pequena elevação no mês de outubro do mesmo ano (8.200/ mm 3 ), com posterior redução em janeiro de 2010 (7.900/ mm 3 ). Observou-se também, um significativo aumento na qualidade de vida do paciente, não necessitando de transfusões, diminuindo os episódios e a frequência das crises vaso-oclusivas e as internações. Palavras-chave: anemia falciforme, uso terapêutico da hidroxiuréia, tolerabilidade. ABSTRACT Sickle cell anemia is a disease more common in Brazil. This syndrome has a predominance of red cells with hemoglobin S (Hb S), originated from a mutation in the beta globin gene, promoting an irreversible change in the conformation of erythrocytes that on low oxygen tension, will present an sickle, compromising thus its function. This change is responsible for erythrocyte episodes of vasoocclusion, chronic hemolytic anemia, pain crises, myocardial infarctions, necrosis and other consequences. Studies have shown that fetal hemoglobin (Hb F) has great significance hematologic because it inhibits HbS polymerization and prevents the morphological changes of erythrocytes. Therapy with hydroxyurea chemotherapy is directly related to the increase of fetal hemoglobin, promoting a considerable improvement in patient outcomes, reducing the episodes of painful crises, hospitalizations in adults and children, crises of splenic sequestration and the amount of transfusions blood. Thus, this study aimed to investigate the use of hydroxyurea use of chemotherapy and the influence of treatment on quality of life of a patient with sickle cell anemia accompanied by the outpatient service of the Regional Center of Manhuaçu - Foundation Hemominas-MG. It was observed that the level of Hb F rose in the month of January 2010 (10%), with further reduction in April of that year (4%), ranging from 2% to 4% during the months of June 2008 to July There was also a reduction in the absolute number of leukocytes in August of 2009 (7.800 / mm3), followed by a slight rise in October the same year (8,200 / mm3), with further reduction in January 2010 (7,900 / mm3). There was also a significant increase in quality of life of patients, not requiring transfusions, reducing the episodes and frequency of vaso-occlusive crises and hospitalizations. Keywords: sickle cell anemia, therapeutic use of hydroxyurea, tolerability. 72

2 INTRODUÇÃO A anemia falciforme é uma das doenças falciformes mais frequentes no Brasil, sendo que a população negra é a maior portadora deste gene. Esta síndrome apresenta predominância de eritrócitos com hemoglobina S (Hb S), podendo o indivíduo ser homozigoto (SS) ou heterozigoto (AS), sendo este assintomático por apresentar apenas o traço falciforme. O gene da hemoglobina S pode associar-se com outras anormalidades hereditárias das hemoglobinas, como a hemoglobina C e beta talassemia resultando em outras associações que em conjunto são patológicas, sendo chamadas de doenças falciformes (Portaria SAS/MS nº 872, 2002). A anemia falciforme se originou de uma mutação gênica na cadeia beta da hemoglobina A (Hb A), ocorrendo a mudança de um dos nucleotídeos que resultou na troca do aminoácido ácido glutâmico por valina na molécula da Hb S. Como consequência dessa mutação, tem-se a falcização dos eritrócitos, que é a alteração conformacional da célula sanguínea, e a polimerização anormal das moléculas de Hb S (Zago et al., 2004). Esses eritrócitos alterados não conseguem desempenhar com eficiência o transporte de oxigênio para as células do corpo (Rapaport, 1990). Outra possível consequência da falcização dos eritrócitos relaciona-se à obstrução de vasos sanguíneos, podendo ocasionar crises vasculares dolorosas, priapismo, infartos e episódios repetidos de necroses isquêmicas de órgãos como ossos e articulações, baço, pulmões e rins. Outras intercorrências são as síndromes torácicas agudas e as infecções bacterianas, que acompanhadas das crises dolorosas levam as internações hospitalares, comorbidades e óbito (Mousinho- Ribeiro et al., 2008). O tratamento convencional para anemia falciforme, ainda muito utilizado, se distingue conforme a crise pela qual o paciente falcêmico apresenta, podendo ser utilizado soro fisiológico 0,9% endovenoso para a hidratação, oxigênio e também analgésicos para controlar as dores, além das transfusões sanguíneas (Rapaport, 1990). Estudos tem sugerido que a terapia com o quimioterápico hidroxiuréia (HU) proporciona uma melhora significativa no tratamento de pacientes com anemia falciforme (Mousinho-Ribeiro et al., 2008), consistindo na indução acentuada da síntese Hb F, que é a responsável pela alteração nos sítios de contatos entre as moléculas de Hb S, de tal maneira a prejudicar a formação do polímero e 73

3 consequentemente ocasiona a redução do processo de falcização (Adekile & Huisman, 1993). Portanto, a Hb F é o maior inibidor da polimerização da desoxihbs, evitando a falcização das eritrócitos, a anemia hemolítica crônica, as crises dolorosas vaso-oclusivas, o infarto e a necrose de vários órgãos (Mousinho-Ribeiro et al., 2008). Em virtude da probabilidade dos riscos que uma transfusão sanguínea acarreta, do desconforto do tratamento convencional para os pacientes com anemia falciforme e da melhoria clínica e os efeitos benéficos da terapia com a hidroxiuréia, justificouse a viabilidade deste trabalho, consistindo em acompanhar o tratamento de um paciente em uso deste medicamento, fazendo uma análise detalhada das informações adquiridas por meio de seu prontuário e do preenchimento de questionário, antes do tratamento e após o mesmo. MATERIAIS E MÉTODOS O presente estudo foi realizado mediante a seleção de um prontuário médico de um paciente do sexo masculino, raça negra, com idade de 13 anos, portador de anemia falciforme cadastrado no ambulatório do Núcleo Regional de Manhuaçu Fundação Hemominas-MG, possuidor de protocolo definido para uso de hidroxiuréia. Este projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade do Futuro (CEP-FAF) e pelo Comitê do Núcleo Regional de Manhuaçu Fundação Hemominas-MG, sob os números de protocolo 0075/2009 e 262 respectivamente. Realizou-se um trabalho retrospectivo mediante o estudo e a análise do prontuário do paciente previamente selecionado, anterior ao tratamento com a hidroxiuréia, observando-se os parâmetros clínicos, tais como a ocorrência de crises vaso-oclusivas e síndromes torácicas agudas, dentre outros, os parâmetros hematológicos, tais como o hemograma completo, a contagem reticulocitária e a dosagem de Hemoglobina F (Hb F). Ainda foi aplicado um questionário (contendo 15 perguntas abertas) ao responsável pelo sujeito da pesquisa para avaliação de aspectos relacionados à qualidade de vida do paciente, tais como o número de internações, a necessidade de transfusões, regime de hipertransfusão sanguínea e as limitações/ benefícios impostas pelos tratamentos antes e depois à terapia com a hidroxiuréia. 74

4 RESULTADOS Paciente do sexo masculino, raça negra, com idade de 13 anos foi admitido pelo Núcleo Regional de Manhuaçu - Fundação Hemominas no dia 02/07/1998 com suspeita de ser portador de anemia falciforme, tendo em vista possuir dois irmãos com a patologia. Nesta data foi solicitado o exame de eletroforese de hemoglobina, tendo como resultado do exame 98% de Hb S e 2% de Hb A, confirmando a suspeita de portador da anemia falciforme. Em 03 de dezembro de 1998, o paciente retorna ao Núcleo com os sintomas de febre, dores abdominais, edema, rubor e calor em dedos das mãos (síndrome de mão-pé) além de lesão bacteriana no pé direito. Foi atendido por profissionais da saúde sendo feito curativo no local da lesão, administração de analgésicos por via oral e prescrição de benzilpenicilina (quatro frascos) de três em três dias. Em 23 de setembro de 1999, o paciente retorna à Fundação Hemominas com dores e edema de membros inferiores, recebendo hidratação oral farta e analgésicos. Em 15 de dezembro de 1999, o paciente foi novamente admitido na Hemominas com prostração, febre e com vômitos contendo Ascaris lumbricoides. O paciente foi devidamente tratado. Em 19 de janeiro de 2000, o paciente é internado devido ao desenvolvimento de pneumonia por Staphylococcus spp. Em 18 de agosto de 2001, o paciente esteve internado com dores ósseas migratórias recebendo o tratamento com antimicrobianos. Em 14 de novembro de 2003, ocorreu o primeiro registro de transfusão sanguínea do paciente no Núcleo Regional de Manhuaçu. Paciente O positivo recebeu 300 ml de concentrado de hemácias (CHM), 250 ml de soro fisiológico 0,9%, 1,4 ml de dipirona e um comprimido de dexclofeniramina. Em 05 de fevereiro de 2004, o paciente fez coleta de material sanguíneo para a fenotipagem sanguínea no Hemominas de Belo Horizonte. Em 18 de maio de 2004, o paciente se encontra internado com os sintomas de dores e febre. Em 16 de dezembro de 2005, o paciente compareceu ao Hemocentro de Manhuaçu apresentando-se debilitado. Após avaliação e prescrição médica foi enviado ao SUS para internação. 75

5 Em 15 de fevereiro de 2006, o paciente esteve internado na Santa Casa em Belo Horizonte tendo recebido três bolsas de sangue, devido à epistaxe intensa (sangramento nasal). Em 03 de abril de 2006, paciente comparece ao Núcleo para transfusão sanguínea fenotipada. Em 09 de maio de 2006, o paciente recebeu transfusão sanguínea fenotipada, não havendo nenhuma intercorrência durante o procedimento. Porém, o paciente chegou e saiu com o auxílio de muletas. Em 24 de julho, 18 de agosto e 14 de setembro de 2006, o paciente recebeu transfusão sanguínea com duração de três horas, não havendo nenhuma intercorrência durante o procedimento, porém, no último mês houve relato pela enfermeira da dificuldade de acesso venoso do paciente. Em 11 de outubro de 2006, o paciente comparece para transfusão sanguínea acompanhado do pai que relata ter ido à Belo Horizonte para avaliação cardíaca sendo prescrito para o paciente os seguintes medicamentos: captopril, digoxina e espirolactona. Em 07 e 28 de dezembro de 2006, o paciente recebeu transfusão sanguínea não havendo intercorrências durante o procedimento. Durante janeiro de 2007 até maio de 2008, o paciente foi submetido à vinte transfusões sanguíneas registradas no Hemocentro de Manhuaçu, não sendo mencionado nenhuma intercorrência durante os procedimentos. Em 15 de julho de 2008, exames realizados no Hemocentro de Belo Horizonte demonstraram esplenomegalia, com as demais estruturas dentro dos padrões da normalidade. O paciente faz controle periódico no serviço de Cardiologia da Santa Casa de Misericórdia em Belo Horizonte devido à doença reumática. Como complicação da anemia falciforme, o paciente apresenta necrose asséptica da cabeça do fêmur fazendo o controle ortopédico no Hemominas em Belo Horizonte (HBH). Em 28 de agosto de 2008, o paciente compareceu à consulta hematológica no Hemominas de Belo Horizonte devido ao histórico de crises vaso-oclusivas, internações e transfusões sanguíneas mensais; neste momento foi sugerido à mãe do paciente o uso da Hidroxiuréia com o acompanhamento do Hemominas de Belo Horizonte. Não houve relatos de acidente vascular encefálico (AVE). 76

6 Em 19 de novembro de 2008, o paciente realizou avaliação cardiológica tendo como resultado uma insuficiência mitral e aórtica reumática. Foi realizado raio X do tórax resultando em aumento da área cardíaca. Devido aos numerosos problemas de ordem social, internações e dificuldade de realização de exames o tratamento só foi iniciado em 08 de julho de 2009, sendo relatado pela médica do Hemominas-BH que a mãe do paciente se mostrou muito temerosa em assinar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido para o uso do medicamento devido aos possíveis efeitos adversos, contra-indicações e riscos. Os parâmetros hematológicos do paciente foram disponibilizados do mês de março de 2008 ao mês de abril de 2010, ressaltando que o tratamento com a hidroxiuréia foi iniciado em julho de A Tabela 1 demonstra os parâmetros hematológicos do paciente antes e após o início da HU. Tabela 1: Parâmetros hematológicos apresentados pelo paciente no período de março de 2008 a abril de 2010 Parâmetros Hematológicos Mar/08 Jun/08 Fev/09 Jul/09* Ago/09 Out/09 Jan/10 Abr/10 Hemoglobina (g %) 8,30 8,20 7,30 8,90 7,50 7,20 5,90 8,04 Hematócrito (%) 23,50% 24,50% 19,90% 26,70% 22,10% 20,80% -- 22,90% Leucócitos Global (mm 3 ) Plaquetas (mil/mm 3) Reticulócitos (%) -- 20% 19% -- 12% 25% 9,5% 30,1% Hb A (%) -- 31% Hb S (%) -- 64% 93,8% % 92,3% Hb F (%) -- 2% 3% 4% % 4% Hb A2 (%) -- 3% 3,2% % 3,6% VCM (u 3 ) ,00 83,00 81,55 81, ,90 HCM (pg) ,3 27,8 27,68 28, ,40 CHGM (%) ,94 34, ,10 *Início do tratamento com a hidroxiureia. A medicação inicialmente foi administrada diariamente por via oral, na concentração de 13mg/Kg, sendo orientado à mãe do paciente dissolver uma cápsula de hidroxiuréia de 500mg em aproximadamente 100 ml de água filtrada ou fervida e utilizar 5 ml desta preparação e desprezar o restante (para ajuste da dose 77

7 conforme o peso do paciente), sendo este procedimento realizado durante um mês. No mês seguinte houve o ajuste da dosagem para 20mg/Kg (uma cápsula por dia). Em 27 de abril de 2010 ocorreu novo ajuste de dose aumentando para 30mg/kg (duas cápsulas por dia). O paciente também fez uso associado de ácido fólico, pois como o uso da hidroxiuréia produz macrocitose, é recomendado o seu emprego como medida profilática. Por ter tido reação à benzilpenicilina, esta foi substituída por Pen-Ve-Oral profilático (fenoximetilpenicilina potássica). O nível de Hb F elevou-se apenas no mês de janeiro de 2010 (10%), com nova redução em abril do mesmo ano (4%), variando de 2% a 4% durante os meses de junho de 2008 a julho de Sobre as demais frações de hemoglobina, pode-se perceber que os níveis de HbS permaneceram elevados, mesmo com a introdução do tratamento com a HU, variando de 64% a 93,8% ao longo dos meses observados. Não foi possível a comparação de redução ou elevação da fração de HbA, pois só foram disponibilizados o valor do mês de junho de 2008 (31%), inviabilizando, dessa forma, maiores comparações. Observou-se uma redução no número absoluto de leucócitos no mês de agosto de 2009 (7.800/ mm 3 ), seguido de uma pequena elevação no mês de outubro do mesmo ano (8.200/ mm 3 ), com posterior redução em janeiro de 2010 (7.900/ mm 3 ). Esta redução é interessante, visto que ocorreu no mês subsequente ao início do tratamento com a hidroxiuréia, demonstrando uma resposta positiva do medicamento na proposta da redução dos valores de leucócitos retornando estes para à faixa dos valores de referência. Em abril de 2010, a contagem global tornou a elevar-se, com valores de / mm 3. A contagem de plaquetas se manteve dentro dos valores de referência, apresentando pequenas oscilações, porém não significativas. Os valores de reticulócitos antes do início do tratamento com a HU oscilavam de 19 a 20%. No mês de agosto de 2009, houve uma redução dos valores desse parâmetro (12%), seguido de aumento no mês de outubro (25%), nova redução no mês de janeiro de 2010 (9,5%) e novamente um aumento no mês de abril (30,1%). A variação dos valores de hemoglobina, hematócrito, VCM, HCM e CHGM não foi significativa. Antes da medicação, o paciente recebia, em média, uma a duas transfusões por mês, e nenhuma após o início do tratamento com HU. 78

8 Há relatos de melhorias por parte dos profissionais do Hemominas de Manhuaçu que acompanharam o paciente no período das transfusões realizadas na unidade. O paciente encontra-se bem disposto, até o presente momento, ao contrário do observado nos tratamentos anteriores, quando muitas vezes apresentava-se debilitado e prostrado. Também há relatos da mãe do paciente que este passa bem, não apresentando nenhuma crise de dor após o uso da hidroxiuréia, relatando apenas uma perda leve de cabelos, já prevista como possível efeito adverso. DISCUSSÃO Diversos estudos em pacientes com doença falciforme vem demonstrando a grande importância da elevação dos níveis de Hb Fetal (HbF) como prevenção das sérias complicações clínicas da doença, como os eventos de falcização e vasooclusão (Bandeira et al., 2004; Silva e Shimauti, 2006; Figueiredo, 2007; Cançado et al., 2009). Dessa forma, a hidroxiureia (HU), um fármaco inicialmente utilizado para o tratamento de neoplasias hematológicas, e posteriormente, para o tratamento de pacientes com leucemia mieloide crônica, psoríase e policitemia vera, emerge como alternativa terapêutica aos tratamentos convencionais, por induzir o aumento da síntese de HbF, dentre outros efeitos fisiológicos, com impacto positivo na qualidade de vida de pacientes com a doença falciforme, reduzindo os episódios de dor intensa, hospitalização, número de transfusões e síndrome torácica aguda (Figueiredo, 2007; Cançado et al., 2009). Neste estudo, o principal objetivo foi acompanhar o tratamento de um paciente em uso da HU, fazendo uma análise detalhada das informações adquiridas por meio de seu prontuário e do preenchimento de questionário, antes do tratamento e após o mesmo, e saber se este medicamento provocava variações significativas nos parâmetros hematológicos. Houve dificuldades na obtenção de informações mais completas do prontuário do paciente, visto que há uma fragmentação deste, sendo que uma parte foi disponibilizada pelo Hemocentro de Manhuaçu e a outra pelo Hemocentro de Belo Horizonte. Além disso, não houve uma padronização dos exames realizados pelo 79

9 paciente. Observa-se uma falta de uniformidade de dados coletados, justificando assim a impossibilidade de comparação dos resultados obtidos. Outro problema encontrado foi a não adesão total do paciente ao tratamento, aspecto este compartilhado em outros relatos na literatura (Bandeira et al., 2004). Em entrevista com a mãe do paciente, a mesma relatou que com o aumento da dose do medicamento hidroxiuréia para dois comprimidos ao dia, esta estaria muito forte para seu filho e determinou que em três dias da semana, houvesse a ingestão de dois comprimidos prescritos, e que nos outros dias da semana, este tomaria apenas um comprimido. Esta intervenção materna na dose terapêutica pode justificar uma não obtenção de dados mais expressivos, haja vista interferência na farmacocinética e na farmacodinâmica do fármaco. A falta de informação ou esclarecimento por parte do responsável pelo paciente sugere a implantação de uma assistência farmacêutica para um melhor acompanhamento do paciente. Mas apesar da falta de adesão total ao tratamento e a falta de comprovação de melhora de acordo com os parâmetros hematológicos, o paciente apresentou significativo aumento na sua qualidade de vida, não necessitando de transfusões, diminuindo as crises vaso-oclusivas e internações, mas pelo pouco tempo de tratamento, não se sabe se houve influência positiva no crescimento e no desenvolvimento, físico e mental do paciente, conforme relatos de outros estudos (Silva et al., 2006; Figueiredo, 2007; Cançado et al., 2009). CONCLUSÃO Diante do exposto, pode-se concluir que a falta de padronização dos exames realizados pelo paciente e a não adesão total ao tratamento podem ter mascarado um resultado mais expressivo do quimioterápico hidroxiuréia. Porém, alguns dos benefícios esperados foram alcançados, tais como a diminuição na frequência dos episódios de dor, no número de internações e de transfusões sanguíneas. Diante da melhoria clínica do paciente e do pouco tempo de uso da medicação para se observarem resultados mais concretos, justifica-se a continuidade deste trabalho para fins de uma investigação mais cautelosa sobre a eficácia e a tolerabilidade do uso do quimioterápico hidroxiuréia em paciente com anemia falciforme. Ainda, para uma melhor análise dos parâmetros hematológicos, sugere-se a padronização dos exames laboratoriais realizados pelo paciente bem como a 80

10 introdução da atenção farmacêutica, a fim de esclarecer e orientar o responsável pelo paciente da importância da adesão total ao tratamento. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADEKILE, A. D.; HUISMAN, T. H. J. Hb F in sickle cell anemia. Experientia, v. 49, p , BANDEIRA, F. M. G. C., PERES, J. C., CARVALHO, E. J., BEZERRA, I., ARAÚJO, A. S., MELLO, M. R. B., MACHADO, C. Hidroxiuréia em pacientes com síndromes falciformes acompanhados no Hospital Hemope, Recife-PE. Rev. Bras. Hematol. Hemoter., v. 26, n. 3, p , CANCADO, R. D.; LOBO, C.; ÂNGULO, I. L.; ARAÚJO, P. I. C.; JESUS, J. A. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para uso de hidroxiureia na doença falciforme. Rev. Bras. Hematol. Hemoter., v. 31, n. 5, p , FIGUEIREDO, M. S. Agentes indutores da síntese de hemoglobina fetal. Rev. Bras. Hematol. Hemoter., v.29, n.3, p , MOUSINHO-RIBEIRO, R. C.; CARDOSO, G. L.; SOUSA, I. E. L.; MARTINS, P. K. C. Importância da avaliação da hemoglobina fetal na clínica da anemia falciforme. Rev. Bras. Hematol. Hemoter., v.30 n.2, p , PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS DOENÇA FALCIFORME. PORTARIA SAS/MS n 872, de 06 de novembro de < > Acesso Em: 22/10/09-16:35hs RAPAPORT, SAMUEL I. Hematologia: Introdução. 2.Ed. São Paulo: Roca, SILVA, M. C.; SHIMAUTI, E. L. T. Eficácia e toxicidade da hidroxiuréia em crianças com anemia falciforme. Rev. Bras. Hematol. Hemoter., v.28, n.2, p , ZAGO, M.A.; FALCÃO, R.P.; PASQUINI, R. Hematologia. Fundamentos e Prática. São Paulo. Editora Atheneu,

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

Glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos)

Glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos) Doença Falciforme Glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos) Fonte: BESSIS, M. - Corpuscules - essai sur la forme des globules rouges de l homme springer international - 1976 Hemoglobina Função: Captar

Leia mais

Doença de Células Falciformes

Doença de Células Falciformes Doença de Células Falciformes Pedro P. A. Santos Médico Oncologista - Hematologista Setor de Oncologia e Hematologia Hospital da Criança Conceição Porto Alegre RS Setembro 2015 Doença Falciforme Breve

Leia mais

Doença falciforme: Infecções

Doença falciforme: Infecções Doença falciforme: Infecções Célia Maria Silva Médica Hematologista da Fundação Hemominas celia.cmaria@gmail.com Eventos infecciosos Importância Incidência Faixa etária mais acometida (6m - 5a) Internações

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito do Traço Falcêmico

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito do Traço Falcêmico MANUAL DO PACIENTE - TENHO TRAÇO FALCÊMICO.... E AGORA? EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito do Traço Falcêmico Sabemos

Leia mais

Viviane da Silva Salve de Souza 1, Pedro Celso Braga Alexandre 2. Aluna do Curso de Graduação em Farmácia da Faculdade de Medicina de Campos 2

Viviane da Silva Salve de Souza 1, Pedro Celso Braga Alexandre 2. Aluna do Curso de Graduação em Farmácia da Faculdade de Medicina de Campos 2 Revista Científica da FMC - Vol. 10, nº 1, 2015 ARTIGO ORIGINAL Perfil da terapia farmacológica em crianças que fazem parte do Programa Municipal de atenção integral às pessoas com doença Falciforme e

Leia mais

Prevalência de hemoglobinopatias e talassemias em pacientes com anemia na cidade de São Carlos

Prevalência de hemoglobinopatias e talassemias em pacientes com anemia na cidade de São Carlos Prevalência de hemoglobinopatias e talassemias em pacientes com anemia na cidade de São Carlos Ana Paula Rodrigues RESUMO Com o objetivo de estabelecer a freqüência de hemoglobinas variantes e β-talassemias

Leia mais

CAPÍTULO 1 A DOENÇA DAS CÉLULAS FALCIFORMES

CAPÍTULO 1 A DOENÇA DAS CÉLULAS FALCIFORMES CAPÍTULO 1 1 A DOENÇA DAS CÉLULAS FALCIFORMES Fenótipos, genótipos e haplótipos A doença causada pelas células falciformes se caracteriza por um conjunto de sinais e sintomas provocados pela deformação

Leia mais

ANEMIAS parte IV. Profª Carolina Garrido Zinn

ANEMIAS parte IV. Profª Carolina Garrido Zinn ANEMIAS parte IV Profª Carolina Garrido Zinn Hemoglobinopatias Doenças hereditárias causadas por diminuição ou anomalia da síntese de globina Afetam cerca de 7% da população mundial Hemoglobina Proteína

Leia mais

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260 CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260 CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL. PRISCILA VICENTIN

Leia mais

CITOLOGIA DA TALASSEMIA ALFA

CITOLOGIA DA TALASSEMIA ALFA CITOLOGIA DA TALASSEMIA ALFA Foto 1: Talassemia Alfa Mínima em sangue periférico corado com azul de crezil brilhante. Comentários: A investigação laboratorial da talassemia alfa mínima se faz por meio

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DA ANEMIA FALCIFORME CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Kerlem Divina Alves Nogueira 1, Willy Deivson Leandro da Silva 2, Sabrina Guimarães Paiva 3

Kerlem Divina Alves Nogueira 1, Willy Deivson Leandro da Silva 2, Sabrina Guimarães Paiva 3 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DA ANEMIA FALCIFORME Kerlem Divina Alves Nogueira 1, Willy Deivson Leandro da Silva 2, Sabrina Guimarães Paiva 3 A Anemia Falciforme é uma doença caracterizada por uma mutação

Leia mais

Diagnóstico de hemoglobinopatias pela triagem neonatal

Diagnóstico de hemoglobinopatias pela triagem neonatal 1º Congresso Médico de Guarulhos Práticas Clínicas no SUS 5 a 7 novembro de 2015 Diagnóstico de hemoglobinopatias pela triagem neonatal Dra Christiane M. S. Pinto Hematologista Pediatrica HMCA Guarulhos

Leia mais

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Protocolo Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Embora a sobrevida dos pacientes com talassemia major e anemia falciforme (AF) tenha

Leia mais

ANEMIAS HEMOLÍTICAS. Hye, 2013 www.uff.br/hematolab

ANEMIAS HEMOLÍTICAS. Hye, 2013 www.uff.br/hematolab ANEMIAS HEMOLÍTICAS Hye, 2013 www.uff.br/hematolab Anemias Hemolíticas Destruição acelerada de eritrócitos; Podem ser destruídas na medula óssea, no sangue periférico ou pelo baço; drjeffchandler.blogspot.com

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC SOLICITANTE Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.706-3 DATA 26/03/2014 SOLICITAÇÃO Solicito parecer

Leia mais

Cuidados e indicações atuais

Cuidados e indicações atuais Hemotransfusão em Pediatria Cuidados e indicações atuais Priscila Cezarino Rodrigues Pediatra Hematologista e Hemoterapeuta Fundação Hemominas Grupo de Hematologia Pediátrica do HC UFMG Belo Horizonte

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU Salvador, 13 de abril de 2015 OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA: 3 a promotoria de Justiça de Dias D'Àvila / Dispensação

Leia mais

Meu bebê tem Doença Falciforme O que fazer?

Meu bebê tem Doença Falciforme O que fazer? Meu bebê tem Doença Falciforme O que fazer? Agência Nacional de Vigilância Sanitária 2 Guia Sobre Doenças Falciformes Diretor Presidente Gonzalo Vecina Neto Diretores Luiz Carlos Wandreley Lima Luiz Felipe

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE VELOCIDADE DE HEMOSSEDIMENTAÇÃO E PROTEÍNA C REATIVA EM UM GRUPO DE IDOSOS.

CORRELAÇÃO ENTRE VELOCIDADE DE HEMOSSEDIMENTAÇÃO E PROTEÍNA C REATIVA EM UM GRUPO DE IDOSOS. CORRELAÇÃO ENTRE VELOCIDADE DE HEMOSSEDIMENTAÇÃO E PROTEÍNA C REATIVA EM UM GRUPO DE IDOSOS. Autor: ANA LUIZADA SILVA Orientador: Sâmia Macedo Queiroz Mota Castellão Tavares Coautor(es): Ana Luiza da Silva,

Leia mais

CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 SANGUE

CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 SANGUE 1 CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 2 SANGUE 3 4 5 6 7 PATOLOGIA DO GLÓBULO RUBRO ANEMIAS POLICITEMIAS Valores de referência Hemoglobina g/dl recém-nascido

Leia mais

FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE RESUMO. CUIDADOS DE ENFERMAGEM A CRIANÇA COM ANEMIA FALCIFORME: RELATO DE EXPERIÊNCIA Glacylena Soares de Andrade Castro

FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE RESUMO. CUIDADOS DE ENFERMAGEM A CRIANÇA COM ANEMIA FALCIFORME: RELATO DE EXPERIÊNCIA Glacylena Soares de Andrade Castro FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE RESUMO ESCOLHA SUA OPÇÃO DE APRESENTAÇÃO: Título: Relator: Autores: CUIDADOS DE ENFERMAGEM A CRIANÇA COM ANEMIA FALCIFORME: RELATO DE EXPERIÊNCIA Glacylena Soares de Andrade

Leia mais

CASUÍSTICA DE HEMOGLOBINOPATIAS NA POPULAÇÃO DO HFF

CASUÍSTICA DE HEMOGLOBINOPATIAS NA POPULAÇÃO DO HFF CASUÍSTICA DE HEMOGLOBINOPATIAS NA POPULAÇÃO DO HFF Serviço Patologia Clínica 21 de Maio 2015 Elzara Aliyeva Sónia Faria OBJECTIVO Efectuar um estudo casuístico das hemoglobinopatias na população da área

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml.

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. ALIVIUM ibuprofeno Gotas FORMAS FARMACÊUTICAS/APRESENTAÇÕES: ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos Laboratório de Hemoglobinas e Genética das Doenças Hematológicas Departamento de Biologia Instituto de

Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos Laboratório de Hemoglobinas e Genética das Doenças Hematológicas Departamento de Biologia Instituto de Hemoglobinopatias e Talassemias Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos Laboratório de Hemoglobinas e Genética das Doenças Hematológicas Departamento de Biologia Instituto de Biociências, Letras e Ciências

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Doença Falciforme

Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Doença Falciforme Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Hidroxiuréia Portaria SAS/MS nº 872, de 06 de novembro de 2002. 1. INTRODUÇÃO A doença falciforme é uma das mais freqüentes doenças genéticas no Brasil 1. Caracteriza-se

Leia mais

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica NT 65 Data: 08/04/2014 Solicitante: Dr. Eduardo Soares de Araújo Juiz de Direito Especial da Comarca Pública de Andradas Número do Processo: 0016044-91.2014.8.13.0026 TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto

Leia mais

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma.

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma. Introdução O hemograma pode ser entendido como o exame do sangue periférico que permite fazer avaliação da série vermelha, série branca (leucócitos), e das plaquetas. Grosso modo, o sangue pode ser conceituado

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

HEMOGRAMA ANEMIA FERROPRIVA. Hemoglobina. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com. Ferro

HEMOGRAMA ANEMIA FERROPRIVA. Hemoglobina. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com. Ferro HEMOGRAMA Profª. Francis Fregonesi Brinholi fbrinholi@hotmail.com. Hb = 0,8 g/dl Microcítica VCM < 78fL VCM:? Dosagem de ferritina Baixa Normal Alta Microcítica VCM < 78fL Normocítica VCM: 78-98fL Macrocítica

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

Partes: CÉLIO FERREIRA DA CUNHA MUNICÍPIO DE COROMANDEL-MG

Partes: CÉLIO FERREIRA DA CUNHA MUNICÍPIO DE COROMANDEL-MG RESPOSTA RÁPIDA 208/2014 Assunto: Azacitidina para tratamento de mielodisplasia SOLICITANTE Juiz de Direito da comarca de Coromandeu NÚMERO DO PROCESSO 0193.14.001135-7 DATA 16/04/2014 Coromandel, 14/04/2014

Leia mais

TMO em Anemia Falciforme O cenário brasileiro

TMO em Anemia Falciforme O cenário brasileiro TMO em Anemia Falciforme O cenário brasileiro Belinda Pinto Simões Faculdade de Medicina Ribeirão Preto Universidade de São Paulo TMO em Anemia Falciforme O objetivo do TMO na anemia falciforme: Eliminar

Leia mais

Anemia Falciforme. Comunitários de Saúde Série A. Normas e Manuais Técnicos. Manual de. para Agentes

Anemia Falciforme. Comunitários de Saúde Série A. Normas e Manuais Técnicos. Manual de. para Agentes MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Especializada Manual de Anemia Falciforme para Agentes Comunitários de Saúde Série A. Normas e Manuais Técnicos Brasília DF 2006

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 Leucemia Mielóide Crônica Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica Data: 07/04/2014 NT/63 Solicitante: Dr. Eduardo Soares de Araújo Juiz de Direito Especial da Comarca Pública de Andradas Número do Processo: 0015970-37.2014.8.13.0026 TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto

Leia mais

Profs. Nolinha e Thomaz

Profs. Nolinha e Thomaz 1 TREINAMENTO DE QUESTÕES DISCURSIVAS () Profs. Nolinha e Thomaz QUESTÃO 01 Um pesquisador realizou um experimento para verificar a influência da bainha de mielina na velocidade de condução do impulso

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 92) Nos anos 40, o famoso cineasta Charlie ChapIin foi acusado de ser o pai de uma criança, fato que ele não admitia. Os exames de sangue revelaram que a mãe era do grupo A, a criança do grupo

Leia mais

Sumário. Data: 06/12/2013 NT 245 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Sumário. Data: 06/12/2013 NT 245 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NT 245 /2013 Solicitante: Ilmo Dr RODRIGO DIAS DE CASTRO Juiz de Direito Comarca de Campestre Data: 06/12/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0023168-04.2013.8.13.0110

Leia mais

Proposta de Dissertação de Mestrado

Proposta de Dissertação de Mestrado Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Departamento de Computação - DC Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação - PPGCC Proposta de Dissertação de Mestrado Aluna: Juliana Lilian Duque Orientador:

Leia mais

GUIA DE TRATAMENTO DESTINADO A MÉDICOS PRESCRITORES. Comprimidos revestidos por película ranhurados hidroxicarbamida

GUIA DE TRATAMENTO DESTINADO A MÉDICOS PRESCRITORES. Comprimidos revestidos por película ranhurados hidroxicarbamida SIKLOS na ANEMIA FALCIFORME GUIA DE TRATAMENTO DESTINADO A MÉDICOS PRESCRITORES Siklos 100 mg Comprimidos revestidos por película hidroxicarbamida Siklos 1000 mg Comprimidos revestidos por película ranhurados

Leia mais

Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas para a Doença Falciforme

Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas para a Doença Falciforme Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas para a Doença Falciforme Nº 151 Fevereiro/2015 1 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina GEAC UFV Grupo de Estudos de Animais de Companhia Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina Cecilia Sartori Zarif, Graduanda do 9 período de Medicina Veterinária da UFV Etiologia Anemia Infecciosa Felina

Leia mais

Manual do Agente de Saúde

Manual do Agente de Saúde Manual do Agente de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária 2 Guia Sobre Doenças Falciformes Introdução Segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde, a cada ano nascem no Brasil cerca de

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Doença Falciforme.

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Doença Falciforme. MANUAL DO PACIENTE - ANEMIA HEMOLÍTICA HEREDITÁRIA (DOENÇA FALCIFORME) EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Doença Falciforme.

Leia mais

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE Curso Avançado MBE ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br 1. Formação da pergunta 2. Busca de melhor evidência resposta 3. Avaliação crítica das

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

DO TERMO DE CONSENTIMENTO

DO TERMO DE CONSENTIMENTO : DO TERMO DE CONSENTIMENTO AO CHECK LIST E fªl i Li Enfª Luciana Lima Hospital Procardíaco Aliança Mundial para Segurança do paciente Cirurgias seguras salvam vidas Check list baseado nas recomendações

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

Passos para a prática de MBE Elaboração de uma pergunta clínica Passos para a prática de MBE

Passos para a prática de MBE Elaboração de uma pergunta clínica Passos para a prática de MBE Passos para a prática de MBE Elaboração de uma pergunta clínica Dr. André Deeke Sasse 1. Formação da pergunta 2. Busca de melhor evidência resposta 3. Avaliação crítica das evidências 4. Integração da

Leia mais

Interpretação do Hemograma

Interpretação do Hemograma Interpretação do Hemograma MD 758 Prof. Erich de Paula O Hemograma completo Permite avaliação indireta da hematopoiese 1 O hemograma normal Hemograma Principais parâmetros Concentração de Hb (g/dl) - Confirmação

Leia mais

HEMORIO HEMORIO HEMORIO HEMORIO HEMORIO HEMORIO HEMORIO HEMORIO AGENDA PARTE 1 Conceitos e Introdução Medicina baseada em evidências PARTE 2 Dor na Doença Falciforme Protocolo clínico na emergência PARTE

Leia mais

Meu bebê tem Doença Falciforme. O que fazer?

Meu bebê tem Doença Falciforme. O que fazer? HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Meu bebê tem Doença Falciforme. O que fazer? Um guia sobre Doença Falciforme para a família INTRODUÇÃO Este manual reflete a busca

Leia mais

PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME. Odete Aparecida de Moura

PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME. Odete Aparecida de Moura PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME Odete Aparecida de Moura Autores Odete Aparecida de Moura 1, Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes 2, José Nélio Januário

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 PROJETO: Curso Técnico em Hemoterapia DOCENTE DE CONCENTRAÇÃO Atribuições: ministrar aulas teóricas Habilitação

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL PULMONAR (CID 10: I27.0; I27.2; I27.8)

HIPERTENSÃO ARTERIAL PULMONAR (CID 10: I27.0; I27.2; I27.8) Guia de Orientação ao Usuário HIPERTENSÃO ARTERIAL PULMONAR (CID 10: I27.0; I27.2; I27.8) 1. Medicamento Sildenafila 20 mg comprimidos; Iloprosta 10 mcg ampola com 1 ml de solução para nebulização; Ambrisentana

Leia mais

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre ÍNDICE 1. O que é Leucemia Mieloide Crônica (LMC)?... pág 4 2. Quais são os sinais e sintomas?... pág 4 3. Como a LMC evolui?... pág 5 4. Quais são os tratamentos disponíveis para a LMC?... pág 5 5. Como

Leia mais

ESTUDO FÁRMACO-ECONÔMICO DO PERFIL DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS OFERTADOS PELO CAPS AD WALTER SARMENTO DA CIDADE DE SOUSA-PB

ESTUDO FÁRMACO-ECONÔMICO DO PERFIL DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS OFERTADOS PELO CAPS AD WALTER SARMENTO DA CIDADE DE SOUSA-PB ESTUDO FÁRMACO-ECONÔMICO DO PERFIL DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS OFERTADOS PELO CAPS AD WALTER SARMENTO DA CIDADE DE SOUSA-PB 1 Roosevelt Albuquerque Gomes, Faculdade Santa Maria, roosevelt.ag@gmail.com 2

Leia mais

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 56 PENICILINA ORAL PARA PROFILAXIA EM DOENÇA FALCIFORME

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 56 PENICILINA ORAL PARA PROFILAXIA EM DOENÇA FALCIFORME PENICILINA ORAL PARA PROFILAXIA EM DOENÇA FALCIFORME Demandante: Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados - Departamento de Atenção Especializada/Secretaria de Atenção à Saúde DAE/SAS/MS 1. A DOENÇA

Leia mais

BENDAMUSTINA PARA LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA. Data: 31/01/2013. Medicamento. Nota Técnica 07/ 2013. Material

BENDAMUSTINA PARA LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA. Data: 31/01/2013. Medicamento. Nota Técnica 07/ 2013. Material Data: 31/01/2013 Nota Técnica 07/ 2013 Número do processo: MANDADO DE SEGURANÇA nº 145120844231, impetrado por Luiz Ernesto Bernardino Alves Filho contra ato do Secretário de Saúde de Juiz de Fora Medicamento

Leia mais

Prova de revalidação de diplomas de graduação em Medicina obtidos no exterior 2013 Resposta aos recursos da prova teórica de Pediatria

Prova de revalidação de diplomas de graduação em Medicina obtidos no exterior 2013 Resposta aos recursos da prova teórica de Pediatria Prova de revalidação de diplomas de graduação em Medicina obtidos no exterior 2013 Resposta aos recursos da prova teórica de Pediatria Questão 80 Um escolar de 7 anos chega ao ambulatório, pois precisa

Leia mais

?respondaessa O que acontece com o corpo com anemia?

?respondaessa O que acontece com o corpo com anemia? 26 2 DOENÇAS DO SANGUE O sangue é um tecido fundamental à manutenção de todos os demais tecidos e órgãos do organismo humano. O equilíbrio entre o ritmo de produção e de destruição das células do sangue,

Leia mais

1. CANDIDATURA A UM DESEJO

1. CANDIDATURA A UM DESEJO 1. CANDIDATURA A UM DESEJO Dados da criança: (dd/mmm/aaaa i.e. 01Jan2000) Nome: Sexo: Masculino Feminino Doença: Data de Nascimento: Telefone: Morada actual: Idade: Desejo da Criança: Língua-materna: Já

Leia mais

Manual do Paciente. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Manual do Paciente. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária 2 Guia Sobre Doenças Falciformes Diretor Presidente Gonzalo Vecina Neto Diretores Luiz Carlos Wandreley Lima Luiz Felipe Moreira Lima Luiz Milton Veloso Costa Ricardo

Leia mais

RR 445/2014. Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da Retinopatia diabética

RR 445/2014. Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da Retinopatia diabética 03/08/2014 RR 445/2014 Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da Retinopatia diabética SOLICITANTE : Giovanna Elizabeth Costa de Mello Paiva.. Juiz de Direito da Comarca de Contagem/MG NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

Variação dos Custos Médicos Hospitalares VCMH/IESS Data-base - junho de 2010

Variação dos Custos Médicos Hospitalares VCMH/IESS Data-base - junho de 2010 Variação dos Custos Médicos Hospitalares VCMH/ Data-base - junho de 2010 O VCMH/ é uma medida da variação das despesas médico-hospitalares per capita das operadoras de planos e seguros de saúde. Mede-se

Leia mais

ASERCIT dacarbazina. Cada frasco-ampola de ASERCIT(dacarbazina) 200 mg contém: dacarbazina... 200 mg excipientes* q.s.p...

ASERCIT dacarbazina. Cada frasco-ampola de ASERCIT(dacarbazina) 200 mg contém: dacarbazina... 200 mg excipientes* q.s.p... Pó liófilo injetável FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: 100 mg. Embalagem com 1 frasco-ampola. 00 mg. Embalagem com 1 frasco-ampola. USO INTRAVENOSO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO:

Leia mais

PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS

PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS LIMEIRA/SP 215 RESUMO O estudo teve como objetivo descrever

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS

ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS MARTOS, Natália Martinez; HALBE, Ricardo natymm@gmail.com Centro de Pós-Graduação Oswaldo Cruz Resumo: O número

Leia mais

FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS

FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS Para uso de profissionais da saúde, hospitais, clínicas, farmácias

Leia mais

ANEMIA FALCIFORME, UMA DOENÇA CARACTERIZADA PELA ALTERAÇÃO NO FORMATO DAS HEMÁCIAS

ANEMIA FALCIFORME, UMA DOENÇA CARACTERIZADA PELA ALTERAÇÃO NO FORMATO DAS HEMÁCIAS ANEMIA FALCIFORME, UMA DOENÇA CARACTERIZADA PELA ALTERAÇÃO NO FORMATO DAS HEMÁCIAS Sickle Cell Anemia, a genetic disorder characterized by the change in shape of red blood cells Ana Carolina Borges Monteiro

Leia mais

Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas para a Doença Falciforme

Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas para a Doença Falciforme Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas para a Doença Falciforme Nº 151 Julho/2015 1 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 396/2013 Naprix, Vastarel, Lasix, Carvedilol, Atorvastatina, Aspirina

RESPOSTA RÁPIDA 396/2013 Naprix, Vastarel, Lasix, Carvedilol, Atorvastatina, Aspirina RESPOSTA RÁPIDA 396/2013 Naprix, Vastarel, Lasix, Carvedilol, Atorvastatina, Aspirina SOLICITANTE Dra. Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira. Juiza de Direito NÚMERO DO PROCESSO 13 007501-7 DATA 07/11/2013

Leia mais

ANEMIAS OBSTETRÍCIA DIAGNÓSTICO

ANEMIAS OBSTETRÍCIA DIAGNÓSTICO ANEMIAS OBSTETRÍCIA A anemia é definida como síndrome caracterizada por diminuição de massa eritrocitária total. Laboratorialmente, definimos anemia como hemoglobina menor que 12 g/dl em mulheres ou 13

Leia mais

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos Sugestões para o rol Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos S Procedimentos selecionados Cardiologia AngioTC de coronárias Escore de cálcio Cintilografia

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Estado de São Paulo. Histórias de sucesso no controle de infecção hospitalar: experiência de hospitais públicos, universitários e privados

Estado de São Paulo. Histórias de sucesso no controle de infecção hospitalar: experiência de hospitais públicos, universitários e privados Histórias de sucesso no controle de infecção hospitalar: experiência de hospitais públicos, universitários e privados Estado de São Paulo Cilmara Polido Garcia Surto de Mycobacterium spp em implantes mamários

Leia mais

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg GABARITO 1 - Sr José, 65 anos, apresenta dor abdominal intensa há dois meses. Após solicitação de ultrasonografia pelo médico assistente chegou-se ao diagnóstico de câncer de pâncreas. O tratamento proposto

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812.

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812. ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 08 /2014 - CESAU Salvador, 23 de janeiro de 2014. OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA:xxxPromotoria da Justiça de xxx/dispensação

Leia mais

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA Rotina da Agência Transfusional Mara Martins Bióloga HCI / INCA O ato transfusional é um delicado processo na assistência a saúde. No INCA são realizadas cirurgias de grande porte e também grande número

Leia mais

Abordagem ao Paciente Hematológico

Abordagem ao Paciente Hematológico Universidade Federal Fluminense Abordagem ao Paciente Hematológico Gilberto P Cardoso O objetivo de todo médico é prevenir doenças. Na impossibilidade, que possa reconhecer e intervir para evitar complicações.

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA /2014

RESPOSTA RÁPIDA /2014 RESPOSTA RÁPIDA /2014 SOLICITANTE Curvelo - Juizado Especial NÚMERO DO PROCESSO DATA 3/3/2014 SOLICITAÇÃO 0209 14001499-1 Solicito de Vossa Senhoria que, no prazo de 48 horas, informe a este juízo,acerca

Leia mais

Sistema do Ciclo do Sangue Fundação Hemominas HEMOTE Plus

Sistema do Ciclo do Sangue Fundação Hemominas HEMOTE Plus Sistema do Ciclo do Sangue Fundação Hemominas HEMOTE Plus A partir de 24 de Fevereiro de 2015 a Fundação HEMOMINAS (FH) substituirá o Sistema de informática do Ciclo do Sangue. Esta mudança permitirá melhoria

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram

No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram compatíveis. Descobriu, assim, a existência do chamado

Leia mais