Proposta de Regulamento de Fardamento e Equipamento de Proteção Individual

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de Regulamento de Fardamento e Equipamento de Proteção Individual"

Transcrição

1 Proposta de Regulamento de Fardamento e Equipamento de Proteção Individual Recursos Humanos Setor de Higiene e Segurança

2 PREÂMBULO A elaboração do Regulamento de Fardamento e Equipamento de Proteção Individual resulta da necessidade de definição de regras de harmonização e procedimentos relacionados com a segurança, higiene e saúde no trabalho. Ao sistematizar os aspetos mais importantes no presente regulamento pretende-se clarificar e orientar os serviços e os trabalhadores sobre os aspetos relacionados com o regime jurídico do enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho e as prescrições mínimas relativas ao fardamento e à utilização de equipamento de proteção individual por forma a compatibilizar a atividade profissional com o funcionamento e a adequação aos princípios referidos. A adoção de equipamentos de trabalho ajustados às necessidades individuais que permitam uma gestão responsável do fardamento e do equipamento contribuirá para elevar o nível de qualidade de vida com repercussões no relacionamento interpessoal e na produtividade. Devemos ter presente que, para uma boa prestação de trabalho, é fundamental o empenhamento pessoal numa perspetiva de aproveitamento do tempo de trabalho nas condições mais favoráveis ao seu bom funcionamento. Neste âmbito a legislação em vigor relativa a esta matéria definiu as obrigações dos empregadores no que se refere aos Equipamentos de Proteção Individual e a regulamentação do seu uso e funcionamento, bem como o leque de competências, nomeadamente do serviço com responsabilidade nos domínios da Higiene e Segurança no Trabalho (HST), justificando um tratamento privilegiado desta matéria por parte das unidades orgânicas municipais face à gestão deste tipo de equipamentos. O presente regulamento inscreve-se nas competências previstas na Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro, que estabelece o quadro de competências e funcionamento dos órgãos municipais e concretiza o disposto na Lei n.º 59/2008, de 11 de Setembro, sobre esta matéria. 1/12

3 Regulamentam-se ainda as responsabilidades da Entidade Empregadora, Chefias, Trabalhadores e seus Representantes e do Serviço com responsabilidade em matéria de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho. 2/12

4 CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1.º (Objeto) 1. O Regulamento de Fardamento e Equipamento de Proteção Individual e respetivos anexos estabelecem um conjunto de normas e procedimentos técnicos devidamente adaptados às exigências das atividades dos trabalhadores dos Serviços Municipalizados de Loures (SML), com a finalidade de proteger os trabalhadores dos riscos profissionais, assegurado pelo fardamento e equipamento de proteção individual, que não podem ser evitados por medidas de proteção coletiva. 2. O presente regulamento estabelece procedimentos que disciplinam o processo de distribuição, utilização e manutenção do fardamento e equipamento de proteção individual, assim como a sua duração, princípios e características. 3. O presente regulamento complementa o Regulamento Municipal de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho da Câmara Municipal de Loures e Serviços Municipalizados de Loures. Artigo 2.º (Âmbito de Aplicação) 1. O Regulamento de Fardamento e Equipamento de Proteção Individual aplica-se aos trabalhadores com as funções constantes nos anexos I e II, relativos aos Mapas de Atribuição de Fardamento e Equipamento de Proteção Individual. 2. O presente regulamento contempla o fardamento adequado ao exercício das funções, em quantidade suficiente, sem prejuízo de eventuais alterações. 3. Os SML fornecem aos seus trabalhadores equipamento de proteção individual adequado às funções que o justifiquem. 3/12

5 Artigo 3.º (Noção e descrição técnica de Fardamento e Equipamento de Proteção Individual) 1. Entende-se por Fardamento todo o artigo de vestuário fornecido pelos SML para utilização obrigatória dos seus trabalhadores, no desempenho da sua atividade, de acordo com as funções mencionadas no presente regulamento. 2. Entende-se por Equipamento de Proteção Individual todo o equipamento, bem como qualquer complemento ou acessório destinado a ser utilizado pelo trabalhador para se proteger dos riscos, para a sua segurança e para a sua saúde, excecionando-se aqui o vestuário vulgar de trabalho e uniformes não destinados à proteção da segurança e da saúde do trabalhador. 3. As características técnicas do equipamento de proteção individual, bem como as atividades e sectores de atividade para os quais é necessário, são o constante da legislação. Artigo 4.º (Princípios e características do Fardamento e Equipamento de Proteção Individual) 1. O fardamento e o equipamento de proteção individual são gratuitos aos trabalhadores, de uso pessoal e intransmissível, utilizados somente em serviço e no exercício das funções, ressalvando as situações pontuais que venham a ser determinadas. 2. O fardamento e o equipamento de proteção individual devem: a. Estar previstos sempre que se pretenda proteger o trabalhador, identificar a sua atividade e promover a imagem dos SML; b. Obedecer às prescrições de segurança e saúde em conformidade com a legislação aplicável e devidamente certificados, não podendo ser alterados temporária ou permanentemente, se tal alteração implicar redução ou anulação da sua capacidade de proteção; c. Oferecer bem-estar e proteção aos trabalhadores, através de um desenho e confeção adequados e apresentar uma boa resistência à tração e ao rasgamento, permitindo uma correta liberdade de movimentos, permeabilidade à transpiração e proteção contra os agentes físicos, químicos e biológicos existentes no meio de trabalho; 4/12

6 d. Ser mantidos em bom estado de higiene e conservação, conforme as indicações referidas no manual de informação do fabricante (recomendações relativas à utilização, limpeza e conservação), para o qual deve estar redigido em Português. 3. O fardamento deve: a. Ser, dentro do possível, adequado à época do ano em que é utilizado; b. Prever as exigências de envelhecimento relativas aos efeitos prejudiciais, alteração da cor, limpeza, conservação, variações dimensionais e os níveis de desempenho; c. Estar em conformidade com as preocupações de qualidade; d. Estar identificado através do design, cor, logotipo. 4. O equipamento de proteção individual deve: a. Ser adequado aos riscos a prevenir e às condições existentes no local de trabalho, sem constituir, por si próprio, um aumento de risco; b. Atender às exigências ergonómicas e de saúde do trabalhador; c. Ser adequado ao seu utilizador, ao tipo de trabalho e compatível com outros equipamentos de proteção individual que sejam necessários utilizar simultaneamente; d. O capacete deve estar identificado com cor, de acordo com a função e apresentar o logótipo dos SML e identificação pessoal (nome). CAPITULO II RESPONSABILIDADES Artigo 5.º (Da Entidade Empregadora) 1. Assegurar o cumprimento da legislação aplicável, bem como o presente regulamento e anexos, na perspetiva do bem-estar dos trabalhadores e do melhor desempenho dos serviços. 2. Garantir aos trabalhadores o fornecimento gratuito do fardamento e equipamento de proteção individual necessários às suas funções e a sua substituição, conforme definido no presente regulamento e anexos. 5/12

7 3. Assegurar condições para que os trabalhadores executem as suas funções com o respetivo fardamento e equipamento de proteção individual. 4. Implementar medidas de informação e formação sobre a necessidade de utilização, limpeza e conservação do fardamento e equipamento de proteção individual pelos trabalhadores, assim como dos riscos do incumprimento das regras de segurança e das normas constantes no presente regulamento. 5. Prever a dotação de verba, em rubrica orçamental própria, adstrita à Divisão responsável pelas Compras, referente ao fardamento e equipamento de proteção individual. 6. Assegurar a consulta e participação dos representantes dos trabalhadores para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho nas questões relevantes do fardamento e equipamento de proteção individual, escolha do equipamento de proteção individual, disponibilizando os elementos e a informação técnica por eles solicitada, tendo em vista a aplicação da lei e do presente regulamento. Artigo 6.º (Das Chefias) 1. Assegurar que os trabalhadores utilizem na sua atividade o fardamento e equipamento de proteção individual constante no regulamento e verificar o cumprimento das regras de utilização, limpeza e conservação. 2. Agir disciplinarmente, de acordo com as normas constantes do Estatuto Disciplinar dos Funcionários e Agentes da Administração Pública ou do Código do Trabalho, sempre que se verifique o não cumprimento do ponto anterior, quer sobre o infrator, quer sobre o responsável direto. 3. Providenciar a substituição do fardamento e equipamento de proteção individual sempre que se verifique alguma deficiência após a entrega ou antes do tempo previsto. Nestes casos, a substituição deverá ser feita mediante entrega das peças a substituir, através de informação dirigida à unidade orgânica com responsabilidades em matéria de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho. 6/12

8 4. Informar, nas situações de admissão de pessoal, o fardamento e equipamento de proteção individual devendo fornecer todos os dados necessários à unidade orgânica com responsabilidades em matéria de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho, a fim de identificar e atribuir o equipamento a que o trabalhador tem direito. 5. Informar a unidade orgânica com responsabilidades em matéria de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho sempre que o fardamento e equipamento de proteção individual se encontrem inadequados ou da existência de riscos não identificados, de forma a permitir a sua atualização. 6. Disponibilizar, para consulta dos trabalhadores, o manual de informação em português do fabricante relativo ao equipamento de proteção individual. 7. Informar os trabalhadores dos riscos a que estão expostos e a forma de utilizar corretamente o equipamento de proteção individual e/ou, ainda, assegurar a formação sobre a utilização destes, organizando, se necessário, exercícios de segurança. 8. Propor ao serviço com responsabilidade em matéria de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho a inclusão de funções não previstas no presente regulamento. Artigo 7.º (Dos Trabalhadores) 1. Apresentar-se, obrigatoriamente, no seu local de trabalho com o fardamento e equipamento de proteção individual que lhes for fornecido, salvo parecer fundamentado pela unidade orgânica com responsabilidade em matéria de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho e desde que autorizado superiormente. 2. Ser responsabilizados disciplinarmente pelo não uso ou uso indevido, desaparecimento e inutilização dolosa, incluindo qualquer tipo de modificação do fardamento e equipamento de proteção individual. 7/12

9 3. Verificar a integridade do fardamento e equipamento de proteção individual no momento da entrega e dar conhecimento, até 10 (dez) dias, ao respetivo superior hierárquico de qualquer deficiência suscetível de diminuir o seu nível de proteção. 4. Comunicar à chefia a necessidade de substituição do fardamento e equipamento de proteção individual, sempre que se verifique desgaste ou deterioração que prejudique os seus fins, devendo nestes casos a substituição ser feita mediante a entrega do equipamento a substituir. 5. Efetuar a devolução do fardamento e equipamento de proteção individual (EPI s) que seja de utilização coletiva, sempre que se verifiquem situações de carácter temporário, de aposentação ou qualquer outra alteração de vínculo contratual. 6. Cumprir as normas de utilização, limpeza e conservação de forma a preservar o fardamento e o equipamento de proteção individual nas devidas condições. 7. Utilizar equipamento de proteção individual adequado e desde que possível descartável, sempre que se verifiquem riscos de contaminação química e/ou biológica. 8. Participar nas ações de informação e formação específicas sobre as exigências da sua atividade, bem como das características, normas e procedimentos de utilização, limpeza e conservação correspondente ao fardamento e ao equipamento de proteção individual. 9. Colaborar com a unidade orgânica com responsabilidade em matéria de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho sempre que solicitado. Artigo 8.º (Dos Representantes dos Trabalhadores para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho) 1. Apreciar e supervisionar o funcionamento do constante no presente regulamento. 2. Analisar as situações de não cumprimento do constante no regulamento e propor as devidas recomendações. 8/12

10 3. Recomendar medidas e ações que entendam convenientes para uma correta aplicação do regulamento bem como propor as alterações necessárias. 4. Pronunciar-se quanto à atualização do regulamento sempre que surjam novas atividades com exigências específicas ou se verifiquem mudanças técnicas e tecnológicas que o justifique. Artigo 9.º (Do Serviço com Responsabilidades em Matéria de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho) 1. Proceder à avaliação das exigências organizacionais, numa perspetiva de prevenção de riscos profissionais e promoção da segurança, saúde e bem-estar no trabalho, para o qual concorrem o fardamento e equipamento de proteção individual. 2. Definir os princípios e características do fardamento e equipamento de proteção individual, tendo em consideração os riscos e as exigências das atividades. 3. Avaliar, concertadamente, o fardamento e equipamento de proteção individual, com trabalhadores, chefias e representantes dos trabalhadores para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho. 4. Emitir parecer sobre as propostas dos fornecedores apresentadas em sede de aquisição. 5. Acompanhar a evolução dos conhecimentos técnicos e científicos do fardamento e equipamento de proteção individual, relativamente a normas e recomendações de qualidade, assim como, promover a sua atualização e aperfeiçoamento. 9/12

11 CAPÍTULO III PROCEDIMENTOS Artigo 10.º (Requisição e Distribuição) 1. A aquisição e gestão de stock de fardamento são da inteira responsabilidade da unidade orgânica responsável pela gestão do processo de aquisição. 2. As divisões dos SML fornecerão à unidade orgânica responsável pela gestão do processo de aquisição os elementos necessários à aquisição do fardamento e equipamento de proteção individual em conformidade com o estipulado nos mapas anexos ao presente regulamento. Salienta-se a necessidade de informar as admissões, alterações de função, bem como os casos de trabalhadores que não realizem as atividades inerentes às funções. 3. Cabe a essa divisão promover a abertura de consulta ao mercado, para fornecimento e aquisição de fardamento, tendo por base as respetivas dotações orçamentais e o stock adequado à população trabalhadora. 4. A distribuição do fardamento e calçado de segurança é assegurada pela unidade orgânica responsável pela gestão do processo de aquisição, sendo que o trabalhador faz a sua confirmação na respetiva Ficha Individual, constante do Anexo III. 5. A unidade orgânica com responsabilidade pela gestão do processo de aquisição deve disponibilizar às chefias o manual de informação, em português, do fabricante no que concerne ao equipamento de proteção individual. 6. Cabe à unidade orgânica com responsabilidade pela gestão do processo de aquisição informar os serviços do período em que decorre a distribuição de fardamento. 7. O fardamento e equipamento de proteção individual são substituídos mediante informação fundamentada, com apresentação e entrega do danificado, caso se verifique dano sem dolo. 10/12

12 Artigo 11.º (Utilização) 1. O fardamento e o equipamento de proteção individual são de uso estritamente pessoal, sendo proibida a sua partilha ou troca com outro trabalhador, à exceção do previsto no n.º 2 do presente artigo. 2. Nos casos devidamente justificados, o equipamento de proteção individual pode ser utilizado por mais que um trabalhador, devendo, neste caso, ser tomadas medidas apropriadas para salvaguarda das condições de higiene e saúde dos diferentes utilizadores (incluem-se aqui equipamentos que sejam utilizados sobre a roupa como aventais, manguitos, perneiras, etc, ou outros, como por exemplo máscaras, óculos, viseiras, cintos de segurança, arnês, equipamento de respiração autónoma, etc). 3. As condições de utilização do equipamento de proteção individual são determinadas em função da gravidade do risco, da frequência da exposição ao mesmo e das características do posto de trabalho. 4. O equipamento de proteção individual deve ser usado de acordo com o manual de informação em português do fabricante. 5. A utilização do equipamento de proteção individual adequado é obrigatória sempre que existam riscos que ameacem a segurança e saúde dos trabalhadores e sempre que aqueles não possam ser evitados ou suficientemente limitados por meios técnicos de proteção coletiva ou por medidas, métodos ou processos de organização do trabalho. 6. Os trabalhadores que tenham direito à distribuição de colete de proteção de alta visibilidade devem, obrigatoriamente, apresentar-se com este acessório sempre que haja necessidade de assinalarem a sua presença (por exemplo, nas situações em que utilizem apenas pólo/t-shirt). 11/12

13 CAPÍTULO IV DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 12.º (Divulgação) O regulamento é divulgado a cada trabalhador no momento de cada primeira entrega do fardamento. Artigo 13.º (Casos Omissos) Os casos não previstos no presente regulamento devem ser remetidos ao Serviço com responsabilidades em matéria de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho para análise e sujeitos à consideração superior, após consulta dos Representantes dos Trabalhadores para a Higiene e Segurança no Trabalho. Artigo 14.º (Entrada em Vigor) O presente regulamento entra em vigor no dia seguinte à sua aprovação. 12/12

14 Anexo I (Mapas de Atribuição do Fardamento por Função)

15 Ficha N.º 01 Ficha N.º 02 Ficha N.º 03 Ficha N.º 04 Ficha N.º 05 Ficha N.º 06 Ficha N.º 07 Ficha N.º 08 Ficha N.º 09 Ficha N.º 10 Ficha N.º 11 Ficha N.º 11 A Ficha N.º 12 Ficha N.º 13 Ficha N.º 14 Ficha N.º 15 Ficha N.º 16 Ficha N.º 17 Ficha N.º 18 Ficha N.º 19 Ficha N.º 20 Ficha N.º 21 Ficha N.º 22 Ficha N.º 23 Ficha N.º 24 Ficha N.º 25 Ficha N.º 26 Ficha N.º 27 Ficha N.º 28 Ficha N.º 29 Ficha N.º 30 Ficha N.º 31 Ficha N.º 32 Ficha N.º 33 Ficha N.º 34 Ficha N.º 35 Ficha N.º 36 Ficha N.º 37 Ficha N.º 38 Ficha N.º 39 Ficha N.º 40 Ficha N.º 41 Ficha N.º 42 Ficha N.º 43 Ficha N.º 44 Ficha N.º 45 Ficha N.º 46 LISTAGEM DA ATRIBUIÇÃO DO FARDAMENTO POR FUNÇÃO Asfaltador Assistente Técnico de Atendimento Auxiliar Administrativo Cabouqueiro Calceteiro Canalizador Cantoneiro de Limpeza Carpinteiro Carregador Chefe de Serviço de Higiene e Limpeza Condutor de Máquinas Pesadas e Veículos Especiais Condutor de Máquinas Pesadas e Veículos Especiais (Grua) Cozinheiro Eletricista-Auto Encarregado/Encarregado Geral/Encarregado Brigada Serviço de Limpeza/Encarregado Serviço de Higiene e Limpeza e Encarregado de Transportes Enfermeiro/Médico e Enfermeiro/Médico do Trabalho Engenheiro (com função em obra) Engenheiro Mecânico/Engenheiro Técnico de Máquinas Engenheiro Químico Fiel de Armazém Fiscal Leituras e Cobranças/Leitor Cobrador de Consumos Fiscal Serviço Água e Saneamento Funções em Laboratório Jardineiro Limpa coletores Lubrificador Marteleiro Mecânico Mecânico Eletricista Mecânico de Instrumentos de Precisão/Canalizador afeto à montagem de contadores Motorista de Veículos Pesados (adstrito a viaturas ligeiras) Motorista de Veículos Pesados (com função em obra) Operador Estações Elevatórias Tratamento/Depuradoras Pedreiro Pessoal afeto a atividades relacionados com imagem e comunicação Pessoal de apoio às instalações Pintor Porta-Miras Porteiro Soldador/Serralheiro Civil Técnico de Higiene e Segurança do Trabalho Técnico Profissional de Gestão de Ambiente e Recursos Naturais Topógrafo Torneiro Trolha Vigilante Vulcanizador

16 Ficha N.º 01 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Asfaltador VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) b) 4 Azul-escuro 1 ano Blusão a) b) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

17 Ficha N.º 02 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Assistente Técnico de Atendimento VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor Duração Gravata (homem) 2 b) 2 anos Lenço (senhora) 2 b) 2 anos Camisa de manga comprida (homem) a) 5 Branco 2 anos Pólo de manga curta (homem) a) 5 Azul claro 2 anos Camisa de manga comprida (senhora) a) 5 Branco 2 anos T-shirt (senhora) a) 5 Azul claro 2 anos Casaco de malha (homem) a) 2 Azul-escuro 2 anos Casaco de malha (senhora) a) 2 Azul-escuro 2 anos Obs.: a) Com logótipo. b) Padrão e cores a designar, utilizando a conjugação das cores do logotipo dos SML.

18 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO Ficha N.º 03 FUNÇÃO: Auxiliar Administrativo VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor Duração Gravata (homem) 2 b) 2 anos Lenço (senhora) 2 b) 2 anos Blazer (homem) a) 2 Cinzento 2 anos Blazer (homem) a) 2 Azul-escuro 2 anos Casaco (senhora) a) Cinzento 2 anos Casaco (senhora) a) 2 Azul-escuro 2 anos Calça (homem) a) 3 Cinzento 2 anos Calça (homem) a) 3 Azul-escuro 2 anos Saia/Calça (senhora) a) 3 Cinzento 2 anos Saia/Calça (senhora) a) Azul-escuro 2 anos Obs.: a) Com logótipo. b) Padrão e cores a designar, utilizando a conjugação das cores do logotipo dos SML. Nota: continuação na página seguinte

19 Ficha N.º 03 (cont.) MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Auxiliar Administrativo - continuação VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor Duração Camisa de manga comprida (homem) a) 5 Camisa de manga curta (homem) a) 3 Branco 2 anos Camisa de manga comprida (senhora) a) 5 Camisa de manga curta (senhora) a) 3 Branco 2 anos Pólo de manga curta (homem) a) 2 Azul claro 2 anos T-shirt (senhora) a) 2 Azul claro 2 anos Casaco de malha (homem) a) 2 Azul-escuro 2 anos Casaco de malha (senhora) a) 2 Azul-escuro 2 anos Obs.: a) Com logótipo. b) Padrão e cores a designar, utilizando a conjugação das cores do logotipo dos SML.

20 Ficha N.º 04 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Cabouqueiro VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) b) 4 Azul-escuro 1 ano Blusão a) b) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

21 Ficha N.º 05 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Calceteiro VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) b) 4 Azul-escuro 1 ano Blusão a) b) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

22 Ficha N.º 06 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Canalizador VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) b) 4 Azul-escuro 1 ano Blusão a) b) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

23 Ficha N.º 07 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Cantoneiro de Limpeza VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) b) 4 Azul-escuro 1 ano Blusão a) b) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

24 Ficha N.º 08 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Carpinteiro VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 1 ano Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

25 Ficha N.º 09 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Carregador VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 2 anos T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 2 anos Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

26 Ficha N.º 10 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Chefe de Serviço de Higiene e Limpeza VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 2 anos Pólo de manga curta a) 5 Azul claro 2 anos Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 2 anos Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor.

27 Ficha N.º 11 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Condutor de Máquinas Pesadas e Veículos Especiais VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) b) 3 Azul-escuro 1 ano Blusão a) b) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

28 Ficha N.º 11A MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Condutor de Máquinas Pesadas e Veículos Especiais (Grua) VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) b) 4 Azul-escuro 1 ano Blusão a) b) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

29 Ficha N.º 12 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Cozinheiro* VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno/Verão Quantidade Cor Duração Calças e Jaleca a) 5 peças de cada Branco 2 anos Avental em algodão a) 3 Branco 2 anos Obs.: a) Com logótipo. *Ou outras funções desde que afetas ao Refeitório

30 Ficha N.º 13 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Eletricista-Auto VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 1 ano Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

31 Ficha N.º 14 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Encarregado/Encarregado Geral/Encarregado Brigada Serviço de Limpeza/Encarregado Serviço de Higiene e Limpeza e Encarregado de Transportes VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 2 anos Pólo de manga curta a) 5 Azul claro 2 anos Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 2 anos Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor.

32 Ficha N.º 15 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Enfermeiro/Médico VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor Duração Obs.: a) Com logótipo. Bata de manga comprida a) 3 Branco 5 anos FUNÇÃO: Enfermeiro do Trabalho/Médico do Trabalho VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor Duração Bata de manga comprida a) 3 Branco 5 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor.

33 Ficha N.º 16 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Engenheiro (com função em obra) VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor Duração Panamá impermeável a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro Degradação Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

34 Ficha N.º17 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Engenheiro Mecânico/Engenheiro Técnico de Máquinas VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor Duração Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor.

35 Ficha N.º 18 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Engenheiro Químico VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor Duração Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor.

36 Ficha N.º 19 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Fiel de Armazém VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 2 anos T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 2 anos Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor.

37 Ficha N.º 20 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Fiscal Leituras e Cobranças/Leitor Cobrador de Consumos VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor Duração Colete a) 1 Azul-escuro Degradação Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor.

38 Ficha N.º 21 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Fiscal Serviço Água e Saneamento VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor Duração Panamá impermeável a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro Degradação Colete a) 1 Azul-escuro Degradação Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor.

39 Ficha N.º 22 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Funções em Laboratório VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor Duração Obs.: a) Com logótipo. Bata de manga comprida a) 3 Branco 5 anos

40 Ficha N.º 23 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Jardineiro VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 1 ano Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

41 Ficha N.º 24 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Limpa Coletores VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) b) 4 Azul-escuro 1 ano Blusão a) b) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

42 Ficha N.º 25 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Lubrificador VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 1 ano Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

43 Ficha N.º 26 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Marteleiro VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) b) 4 Azul-escuro 1 ano Blusão a) b) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

44 Ficha N.º 27 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Mecânico VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 1 ano Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

45 Ficha N.º 28 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Mecânico Eletricista VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 1 ano Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

46 Ficha N.º 29 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Mecânico Instrumentos de Precisão/Canalizador afeto à montagem de contadores VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 1 ano Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

47 Ficha N.º 30 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Motorista de Veículos Pesados (adstrito a viaturas ligeiras) VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 2 anos T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 2 anos Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor.

48 Ficha N.º 31 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Motorista de Veículos Pesados (com função em obra) VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) b) 3 Azul-escuro 1 ano Blusão a) b) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

49 Ficha N.º 32 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Operador Estações Elevatórias Tratamento/Depuradoras VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 1 ano Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

50 Ficha N.º 33 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Pedreiro VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) b) 4 Azul-escuro 1 ano Blusão a) b) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

51 Ficha N.º 34 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Pessoal afeto a atividades relacionadas com imagem e comunicação VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Obs.: a) Com logótipo. Fato macaco a) 1 Azul-escuro Degradação

52 Ficha N.º 35 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Pessoal de apoio às instalações VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 2 anos T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 2 anos Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

53 Ficha N.º 36 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Pintor VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 1 ano Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

54 Ficha N.º 37 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Porta-Miras VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor Duração Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

55 Ficha N.º 38 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Porteiro VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 2 anos T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 2 anos Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

56 Ficha N.º 39 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Soldador/Serralheiro Civil VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 1 ano Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

57 Ficha N.º 40 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Técnico de Higiene e Segurança do Trabalho VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor Duração Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor.

58 Ficha N.º 41 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Técnico Profissional de Gestão de Ambiente e Recursos Naturais VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor Duração Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor.

59 Ficha N.º 42 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Topógrafo VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor Duração Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

60 Ficha N.º 43 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Torneiro VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 1 ano Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

61 Ficha N.º 44 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Trolha VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Gorro a) 1 Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) b) 4 Azul-escuro 1 ano Blusão a) b) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

62 Ficha N.º 45 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Vigilante VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 2 anos T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 2 anos Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

63 Ficha N.º 46 MAPA DE ATRIBUIÇÃO DE FARDAMENTO FUNÇÃO: Vulcanizador VESTUÁRIO DE PROTEÇÃO Inverno Quantidade Verão Quantidade Cor base Duração Boné a) 1 Azul-escuro 2 anos Pólo de manga comprida a) 3 Azul claro 1 ano T-shirt a) 5 Branco 1 ano Polar a) 2 Azul-escuro 2 anos Calças com bolsos de alforges a) 3 Azul-escuro 1 ano Blusão a) 1 Azul-escuro 3 anos Cinto em lona 1 Azul-escuro 2 anos Parka impermeável a) b) 1 Azul-escuro Degradação Fato impermeável a) c) d) 1 Amarelo Degradação Obs.: a) Com logótipo. b) Vestuário de alta visibilidade, classe 2 (amarelo fluorescente com fita refletora), de acordo com a norma em vigor. c) Vestuário de alta visibilidade, classe 3, de acordo com a norma em vigor. d) Respirável.

64 Anexo II (Mapas de Atribuição do Equipamento de Proteção Individual por Função)

Regulamento Interno de Fardamento e Equipamentos de Proteção Individual

Regulamento Interno de Fardamento e Equipamentos de Proteção Individual Regulamento Interno de Fardamento e Equipamentos de Proteção Individual GQ/SRHE Castelo Branco - novembro/204 ÍNDICE Preâmbulo... 4 CAPÍTULO I... 5 DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 Artigo.º Objeto... 5 Artigo 2.º

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FARDAMENTO E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DO NORDESTE PREÂMBULO

REGULAMENTO INTERNO DE FARDAMENTO E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DO NORDESTE PREÂMBULO REGULAMENTO INTERNO DE FARDAMENTO E EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DO NORDESTE PREÂMBULO A existência de condições de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho constitui

Leia mais

Câmara Municipal de São Pedro do Sul

Câmara Municipal de São Pedro do Sul Regulamento A elaboração do presente regulamento resulta da necessidade de definir regras e harmonizar os procedimentos relacionados com a duração e organização do tempo de trabalho, conforme impõe o definido

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice REGULAMENTO INTERNO Índice Preâmbulo...... 3 Artigo 1º - Âmbito de aplicação........ 3 Artigo 2º - Definição......... 3 Artigo 3º - Princípios enquadradores do voluntariado...... 4 Artigo 4º - Perfil do

Leia mais

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES Direito à prestação de trabalho em condições de Segurança e Saúde O direito de todos os/as trabalhadores/as à prestação do trabalho em condições de Segurança e Saúde encontra-se

Leia mais

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Considerando: A importância do voluntariado no exercício ativo de cidadania, traduzido na relação solidária com o próximo; A sua relevância cultural

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO

REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO REGULAMENTO DE CONSTITUIÇÃO E REGULARIZAÇÃO DE FUNDOS DE MANEIO Em conformidade com a Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro e Decreto-Lei n.º 127/2012, de 21 de junho Aprovado na reunião ordinária da Câmara

Leia mais

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Dezembro de 2012 INTRODUÇÃO As fundações são instituições privadas sem fins lucrativos que visam contribuir para o bem comum, para o desenvolvimento

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO Preâmbulo As Autarquias Locais são os órgãos que, devido à sua proximidade com a população, mais facilmente podem criar condições para uma efetiva

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno

REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno REGULAMENTO INTERNO 1 Capítulo I Natureza, Âmbito de Aplicação e Objetivos Natureza, Denominação e Morada 1. A Conquista Contínua, Lda Serviços de Apoio Domiciliário, adiante designada por + Cuidados é

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

R E G I M E N T O. Preâmbulo

R E G I M E N T O. Preâmbulo R E G I M E N T O Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de outubro, com a redação que lhe foi dada pela Lei n.º 115/97, de 19 de setembro) e de acordo com as alterações introduzidas

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas Preâmbulo Enquanto autarquia local, a Câmara Municipal deve promover a participação dos seus munícipes nas decisões relativas ao destino do

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE Município de Soure 2014 1 Nota justificativa É hoje inquestionável a transversalidade das políticas públicas dirigidas à juventude. São inegáveis as vantagens

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DO BARREIRO NOTA JUSTIFICATIVA A organização de campos de férias destinados a crianças e jovens tem apresentado um aumento significativo nos últimos tempos.

Leia mais

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Regulamento de horário de trabalho aplicável aos trabalhadores da DGCI que prestam serviço no Edifício Satélite 1 - Em conformidade com o disposto

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

HORTA PEDAGÓGICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE

HORTA PEDAGÓGICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE Conselho de Gestão do IPP 21-01-2013 00 HORTA PEDAGÓGICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE Preâmbulo A atividade agrícola de subsistência, materializada sob a forma de hortas, é uma atividade que

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 Considerando que nos termos do disposto na Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas o empregador público deve elaborar regulamentos

Leia mais

Regimento Interno de Educação Física

Regimento Interno de Educação Física Aspectos Gerais Regimento Interno de Educação Física 2013/14 Ponto 1 - As instalações desportivas destinam-se à realização das aulas de Educação Física e Atividades de Complemento Curricular. Qualquer

Leia mais

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ESCOPO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 3.1. EPI S... 2 3.2 UNIFORMES... 2 3.3 FICHA DE CONTROLE DE EPI S E UNIFORMES... 2 3.4 GESTORES... 2 3.5 ASSOCIADOS... 2 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DE LISBOA Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 15/07/2008, 30/01/2012 e 8/08/2012 SAÚDE (LISBOA) ENTRADA EM VIGOR DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

Mapa do Pessoal do Município de Celorico de Basto 2015

Mapa do Pessoal do Município de Celorico de Basto 2015 Departamento Planeamento e Serviços Sócio-Culturais Mapa do Pessoal do Município de Celorico de Basto 2015 (art.º 29º da LGTFP) Atribuições Competências Atividades Área de formação académica ou profissional

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS - PROCEDIMENTOS INTERNOS - Divisão Administrativa Serviço de Segurança e Higiene no Trabalho Índice CÂMARA Nota Prévia...2 1. Legislação Aplicável...2 2. Âmbito...3 3. Conceitos...3

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO INTERNA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO INTERNA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO DE FORMAÇÃO INTERNA DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Qualquer processo formativo de qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que garantam desempenhos de excelência e correções

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social O Conselho de Ação Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, atento à

Leia mais

LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELA DIRETORA, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR PARA

LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELA DIRETORA, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR PARA CONSELHO GERAL LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELA DIRETORA, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR PARA 2015 O regime jurídico dos apoios concedidos pelo Estado no âmbito da

Leia mais

Regulamento. Cartão. Giae. Pag. 1

Regulamento. Cartão. Giae. Pag. 1 Regulamento Cartão Giae Pag. 1 Regulamento Cartão GIAE I Objecto e Âmbito O presente documento define e regula o funcionamento do Sistema de Gestão Integrada para a Administração Escolar, designado de

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

O presente regulamento justifica-se pela necessidade de prevenção de riscos profissionais e a promoção da saúde do trabalhador.

O presente regulamento justifica-se pela necessidade de prevenção de riscos profissionais e a promoção da saúde do trabalhador. NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento justifica-se pela necessidade de prevenção de riscos profissionais e a promoção da saúde do trabalhador. É do conhecimento geral que o consumo excessivo de álcool

Leia mais

5ª Edição do Prémio SIC Esperança Escola Solar Regulamento

5ª Edição do Prémio SIC Esperança Escola Solar Regulamento A SIC Esperança promove anualmente a entrega de um prémio a um projeto inovador ainda não implementado, que tenha como objetivo a melhoria da qualidade de vida, em particular de pessoas socialmente desfavorecidas.

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU PROPOSTA DE REGULAMENTO 1 Preâmbulo Uma sociedade que quer preparar o futuro tem que criar condições para se proporcionar aos jovens o acesso a uma formação educativa,

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO Atendendo a que a atribuição de apoios a entidades ou instituições que contribuam para o desenvolvimento do concelho de S. Pedro do Sul

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

Município de Valpaços

Município de Valpaços Município de Valpaços Regulamento Municipal de Atribuição de Apoios às Freguesias Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

Regulamento Interno. Voluntariado

Regulamento Interno. Voluntariado Regulamento Interno Voluntariado Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/novembro 2012 Aprovado por/data Direção/14.11.2012 Revisto por/data Índice Capitulo I... 4 Disposições Gerais...

Leia mais

REGULAMENTO CAMPOS DE FÉRIAS 2015 OBJETIVO

REGULAMENTO CAMPOS DE FÉRIAS 2015 OBJETIVO REGULAMENTO CAMPOS DE FÉRIAS 2015 OBJETIVO É objetivo dos Campos de Férias do Pony Club do Porto proporcionar iniciativas exclusivamente destinadas a crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 12

Leia mais

REGULAMENTO DA II CREDIART FEIRA INTEGRADA DE CRÉDITO E ARTESANATO

REGULAMENTO DA II CREDIART FEIRA INTEGRADA DE CRÉDITO E ARTESANATO REGULAMENTO DA II CREDIART FEIRA INTEGRADA DE CRÉDITO E ARTESANATO A Superintendência de Fundos, Investimentos e Incorporações (SFI), no uso de suas atribuições conferidas pelo Regimento Interno, bem como

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Banco de Livros Escolares de Azambuja

Banco de Livros Escolares de Azambuja Banco de Livros Escolares de Azambuja Associações de Pais e Encarregados de Educação Município de Azambuja 1 PREÂMBULO O Banco de Livros Escolares de Azambuja, tem como propósito o fomento da partilha

Leia mais

REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES

REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES A Câmara Municipal de Alpiarça, com a criação do presente Regulamento, pretende definir e clarificar procedimentos no âmbito dos Transportes Escolares, nomeadamente

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento aplica se a todos os cursos ministrados no ISEP, podendo existir casos em

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE APRECIAÇÃO E CONTROLO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E PREVENÇÃO DE SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSES

REGULAMENTO SOBRE APRECIAÇÃO E CONTROLO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E PREVENÇÃO DE SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSES REGULAMENTO SOBRE APRECIAÇÃO E CONTROLO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E PREVENÇÃO DE SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSES DOS CTT - CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. ENQUADRAMENTO A criação do presente

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Preâmbulo De acordo com a atual legislação, nomeadamente, a alínea f), do

Leia mais

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO IRMANDADE DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO Regulamento Interno para o Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA O VOLUNTARIADO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 127/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 127/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 127/XII Exposição de Motivos A Lei n.º 63-A/2008, de 24 de novembro, que estabelece medidas de reforço da solidez financeira das instituições de crédito no âmbito da iniciativa para

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE QUINTA DA LOMBA ESCOLA BÁSICA 2+3 DE QUINTA DA LOMBA. Regulamento de utilização do cartão eletrónico - GIAE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE QUINTA DA LOMBA ESCOLA BÁSICA 2+3 DE QUINTA DA LOMBA. Regulamento de utilização do cartão eletrónico - GIAE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE QUINTA DA LOMBA ESCOLA BÁSICA 2+3 DE QUINTA DA LOMBA Regulamento de utilização do cartão eletrónico - GIAE OBJETO E ÂMBITO O Agrupamento de Escolas de Quinta da Lomba implementou,

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas ANEXO IV Referente ao Edital de Pregão nº. 010/2015 Especificações Técnicas 1. OBJETIVO 1.1. A presente licitação tem como objeto a prestação de serviços para realização de cursos para os colaboradores

Leia mais

REGULAMENTO DAS FEIRAS URBANAS DE ARTESANATO, COLECIONISMO E ANTIGUIDADES. Preâmbulo

REGULAMENTO DAS FEIRAS URBANAS DE ARTESANATO, COLECIONISMO E ANTIGUIDADES. Preâmbulo REGULAMENTO DAS FEIRAS URBANAS DE ARTESANATO, COLECIONISMO E ANTIGUIDADES Preâmbulo A realização das feiras urbanas, como aquelas a que respeita o objeto do presente regulamento é já uma realidade em todo

Leia mais

PROCEDIMENTO DE GESTÃO

PROCEDIMENTO DE GESTÃO Página: 1 de 7 ÍNDICE 1. OBJECTIVO 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. DEFINIÇÕES 2 4. REFERÊNCIAS 2 5. RESPONSABILIDADES E MODOS DE PROCEDER 2 5.1. Cuidados em Situação de Emergência 2 5.2. Cuidados de Saúde

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar,

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, no Município de São Paulo, como um direito constitucional

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015 DISPÕE SOBRE AS ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS DA FROTA DE VEÍCULOS E NOS EQUIPAMENTOS PESADOS,

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelo artigo 241.º, da Lei Constitucional, devem os municípios

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO

PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO REGULAMENTO INTERNO PROGRAMA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES EDUCATIVAS - 2ºCICLO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. FILIPA DE LENCASTRE Artigo 1º Finalidade O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer as

Leia mais

GIAE SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO ELETRÓNICO

GIAE SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO ELETRÓNICO AGRUPMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO I BAIXA DA BANHEIRA GIAE SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO CARTÃO ELETRÓNICO A Escola dos 2.º e 3.º Ciclos D. João I dispõe

Leia mais

II Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

II Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho II Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho A responsabilidade civil e criminal no âmbito da SHST Luís Claudino de Oliveira 22/maio/2014 Casa das Histórias da Paula Rego - Cascais Sumário 1.

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS Documento aprovado por deliberação do Conselho Superior em 16 de julho de 2014 P á g i n a 0 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORIZAÇÃO PROFISSIONAIS

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI 1. FINALIDADE: Regulamentar a utilização do Equipamento de Proteção Individual EPI, no âmbito do DEMLURB, a fim de proporcionar melhores

Leia mais

Relatório. de Conclusões/ Recomendações

Relatório. de Conclusões/ Recomendações Relatório de Conclusões/ Recomendações AUDITORIA: Operacional, Orientada e Ocasional Divisão de Valorização dos Recursos Humanos (DVRH) Cascais, Novembro de 2013 3 Índice 1. Conclusões e Recomendações...

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa O Município de Mirandela tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO DE EMPRÉSTIMO DE MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DO BANCO DE EMPRÉSTIMO DE MANUAIS ESCOLARES REGULAMENTO DO BANCO DE EMPRÉSTIMO DE MANUAIS ESCOLARES 1 PREÂMBULO Sendo a aposta na educação uma estratégia fundamental para o desenvolvimento do concelho de Vendas Novas, é lançado o Banco de Empréstimo

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química

Regulamento dos Laboratórios de Física e Química Regulamento dos Laboratórios de Física e Química 1 Missão Os Laboratórios de Física e de Química são essencialmente um lugar de aprendizagem, onde se encontram todo o tipo de materiais, devidamente organizados

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei nº 65/XIII-1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei nº 65/XIII-1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei nº 65/XIII-1.ª Aprova medidas para a criação de uma rede de centros de recolha oficial de animais e para a modernização dos serviços municipais

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 115/12 Jornal Oficial da União Europeia 27.4.2012 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 363/2012 DA COMISSÃO de 23 de fevereiro de 2012 respeitante às normas processuais

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objecto definir a natureza, o conteúdo e os termos em que é desenvolvido o trabalho voluntário no Hospital

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

Regulamento de Transportes Escolares. Preâmbulo

Regulamento de Transportes Escolares. Preâmbulo Regulamento de Transportes Escolares Preâmbulo O presente regulamento tem por objectivo definir e clarificar procedimentos no âmbito dos Transportes Escolares, nomeadamente, no que concerne aos apoios

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS Preâmbulo Considerando: As competências previstas nos artigos 112º e 241º da Constituição da República Portuguesa; O regime previsto no Decreto-Lei

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P.

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aplica-se às bolsas atribuídas pelo Instituto Português do Mar

Leia mais

REGULAMENTO de. do MUNICÍPIO DE VIZELA TRANSPORTES ESCOLARES MUNICÍPIO DE VIZELA

REGULAMENTO de. do MUNICÍPIO DE VIZELA TRANSPORTES ESCOLARES MUNICÍPIO DE VIZELA REGULAMENTO de TRANSPORTES ESCOLARES do MUNICÍPIO DE VIZELA MUNICÍPIO DE VIZELA ÍNDICE Preâmbulo 2 Artigo 1.º Lei habilitante 3 Artigo 2.º Princípios gerais 3 Artigo 3.º Âmbito 3 Artigo 4.º Organização

Leia mais

Regulamento das Praias Fluviais do Concelho da Sertã

Regulamento das Praias Fluviais do Concelho da Sertã Aprovado Câmara Municipal 30-05-2012 Aprovado Assembleia Municipal 30-06-2012 Entrada em vigor 15-08- 2012 Regulamento das Praias Fluviais do Concelho da Sertã Proposta de Regulamento das Praias Fluviais

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Conselho Geral DEFINIÇÃO DAS LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELO DIRETOR, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR (2013-14) De acordo com o Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I.

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. Âmbito e Objetivo A Comissão de Auditoria ( CAUD ) no exercício das

Leia mais

REGULAMENTO DA FEIRA DE VIATURAS USADAS DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DA FEIRA DE VIATURAS USADAS DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DA FEIRA DE VIATURAS USADAS DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 28 de Junho de 2011. Publicado pelo Edital n.º 118/2011. Em vigor desde 19

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA Aprovado em Câmara Municipal a 26 de fevereiro de 2015 Aprovado em Assembleia Municipal a 30 de abril 2015 Projeto de Regulamento

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Entre: Primeiro Outorgante: Centro de Promoção Social (CPS), Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede em Carvalhais São

Leia mais

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO I - Formalização e Aceitação do Pedido 1.1 - O Aceite será automático caso o fornecedor não faça uma recusa parcial ou total, Por escrito no prazo de 2(dois) após o recebimento

Leia mais

FESTIVAL DA RAINHA II feira medieval de Estremoz

FESTIVAL DA RAINHA II feira medieval de Estremoz FESTIVAL DA RAINHA II feira medieval de Estremoz CONDIÇÕES GERAIS DE PARTICIPAÇÃO Artigo 1.º Organização 1. O Município de Estremoz e a Escola Secundária da Rainha Santa Isabel de Estremoz (Curso Técnico

Leia mais

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO A disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro de 1998 Bases do enquadramento jurídico do voluntariado A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 161.º, alínea c), do

Leia mais

LEI Nº 740, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009.

LEI Nº 740, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009. LEI Nº 740, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009. Consolida a Legislação Municipal sobre Alimentação Escolar, no Município de Chapadão do Sul-MS, como um direito Constitucional dos Escolares e Dever do Estado, e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA PROFISSONAL da

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA PROFISSONAL da CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA PROFISSONAL da INDICE Página 1 Objectivos do Código de Ética..3 2 Missão e valores.3 3 Âmbito de aplicação 3 4 Publicação e actualizações..3 5 - Normas de conduta 3 5.1 - Lealdade

Leia mais