A Função Manutenção e Seus Impactos no Desenvolvimento da Sustentabilidade Empresarial: Uma Reflexão Teórico-Analítica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Função Manutenção e Seus Impactos no Desenvolvimento da Sustentabilidade Empresarial: Uma Reflexão Teórico-Analítica"

Transcrição

1 A Função Manutenção e Seus Impactos no Desenvolvimento da Sustentabilidade Empresarial: Uma Reflexão Teórico-Analítica SOUZA, J. B. a*, SACOMANO, J. B. b a. Universidade Paulista, São Paulo PPGEP-UNIP b. Universidade Paulista, São Paulo PPGEP-UNIP * Resumo A preocupação da sociedade sobre a degradação ambiental global está levando muitas empresas à adoção de políticas ambientalmente conscientes, ou seja, empreender sustentabilidade empresarial. Nesse contexto, a função é uma estratégia utilizada na fase do ciclo de vida do produto com o propósito de prolongar a confiabilidade do sistema produtivo. Políticas proativas da função proporcionam uma vantagem competitiva, quando a meta é proteger o meio ambiente. Portanto, a filosofia da integração da função com a produção é importantes ações às empresas e academia na procura de ferramentas para avaliar os aspectos da sustentabilidade empresarial dos sistemas produtivos. Como principais resultados, este artigo apresenta uma abordagem reflexiva e objetiva para avaliar a importância da integração função e sistema produtivo, considerando a evolução das políticas da função, bem como as inter-relações dessa integração com as possibilidades do desenvolvimento da sustentabilidade empresarial (ecoeficiência) no contexto do modelo entrada-transformação-saída. Palavras-chave: Ambiental, Operações, Produção, Sustentabilidade. 1. Introdução Desde década 1990, nomeadamente, as empresas como protagonistas na sociedade têm sido pressionadas para mudar a forma de fazer negócios para integrar os princípios da sustentabilidade empresarial em suas práticas cotidianas e divulgar os seus impactos e contribuições para o desenvolvimento sustentável (KOLK et al. 2010). Assim, surgiram paradigmas alternativos para a maximização do lucro financeiro capturado em frases como o "triple bottom line", em que critérios econômicos, sociais e ecológicos de desempenho deverão ser integrados (HOPWOOD et al. 2010). A urgência e a magnitude das ameaças e riscos para a sustentabilidade global, junto com suas oportunidades, vão transformar a divulgação da sustentabilidade e transparência em um fator chave de sucesso para qualquer empresa (GRI, 2010). Com uma demanda social crescente da sustentabilidade empresarial, as empresas abraçam a importância estratégica de práticas de gestão ambiental para a vantagem competitiva (YANG et al.,

2 2 2010). Além disso, as empresas tendem a aumentar o seu valor de mercado quando eles anunciam que estão adotando sistemas de gestão ambiental como a ISO (JACOBS et al. 2010). A promoção da missão de desenvolvimento sustentável tem vindo a moldar a prática de todos os setores de atividade, por exemplo, incluindo o desenvolvimento de habitação para a prática sustentável, que trabalha para o equilíbrio entre o desempenho econômico, social e ambiental (XIAOLING ZHANG et al. 2011). Os estudos atuais indicam uma necessidade de integrar a gestão ambiental com a estratégia de fabrico, incluindo alguns temas, como a integração interfuncional, impacto ambiental e redução de resíduos (CHARBEL et al. 2011). Informações confiáveis sobre a disponibilidade operacional dos sistemas de produção é de grande importância para os usuários das instalações de produção complexas, especialmente quando tais instalações operam no limite da capacidade (MATTHIAS PUTZ e TINO LANGER 2012). Acompanhando as exigências das normas ambientais e o aumento da complexidade dos sistemas produtivos, ao longo das últimas décadas, a função evoluiu com o crescimento da tecnologia (ROSMAINI e SHAHRUL 2012). A função é definida como um conjunto de atividades ou tarefas utilizadas para restaurar um item para um estado em que ele pode desempenhar as suas funções designadas, com o mínimo de impacto negativo ao meio ambiente. Conforme Andrés et al. (2012), ecoeficiência é um motivo de preocupação no presente e está recebendo cada vez mais atenção nos meios políticos, acadêmicos e de negócios. Em linhas gerais, esse conceito refere-se à capacidade de criar mais bens e serviços com menor impacto sobre o meio ambiente e menos consumo de recursos naturais, envolvendo tanto o nível econômico quanto questões ecológicas. Embora as organizações tenham abraçado a retórica da sustentabilidade em seus discursos e relatórios externos, pouco se sabe sobre os processos pelos quais os sistemas de controle de gestão contribuíram para uma maior integração da sustentabilidade na estratégia organizacional (JEAN-PASCAL GOND et al. 2012). Mesmo mostrando alguma promessa, foi argumentado que o desafio da certificação é forçar as empresas a abraçar essencialmente as certificações (daí a internalizar as certificações na prática diária), não só a adotar certificações de forma simbólica (PAVEL CASTKA e DANIEL PRAJOGO 2013). Por exemplo, Ajukumar e Gandhi (2013) destacam que a qualidade dos trabalhos de e seu impacto ambiental são determinados pela utilização de energia e recursos, orientados por normas ambientais, bem como dependentes das políticas adotadas pela função e da experiência dos trabalhadores. Pesquisas sugerem que as motivações prévias para a certificação ISO podem ser um bom indicador da estratégia ambiental que uma empresa persegue. Além disso, a estratégia ambiental relaciona-se com os resultados de desempenho ambiental e práticas operacionais nas empresas (IURI GAVRONSKI et al. 2013), ou seja, o impacto das políticas proativas da função no sistema produtivo e, consequentemente, no meio ambiente são a incorporação de parâmetros ambientalmente benignos nos três níveis do modelo entrada-transformação-saida (AJUKUMAR e GANDHI 2013), portanto desenvolvendo a Sustentabilidade Empresarial. A crescente importância da do cenário industrial em evolução e os avanços tecnológicos, sobretudo os ambientais dos últimos anos, produziram o desenvolvimento de estratégias de modernas, como a baseada em condições e a preditiva (ENRICO ZIO e MICHELE COMPARE 2013). Uma questão principal de pesquisa orientou a construção deste artigo. Quais os atributos ambientais que orientam as políticas proativas da função para um mínimo impacto negativo do sistema produtivo ao meio ambiente? Ao responder a essa questão, este artigo contribui fornecendo evidências objetivas sobre como as políticas da função influenciam os resultados potenciais do sistema produtivo. Além disso, ela fornece novas evidências sobre os potenciais

3 3 benefícios econômicos, sociais e ambientais de esforços para o desenvolvimento da sustentabilidade empresarial. As outras seções do artigo encontram-se estruturadas da seguinte forma: na seção 2, uma discussão sobre a metodologia utilizada no estudo é apresentada; na seção 3, os resultados de uma análise reflexiva são revistos; na seção 4, uma breve discussão das principais conclusões é fornecida. O artigo finaliza com conclusões e recomendações para futuras pesquisas na seção Métodos O objetivo principal deste ensaio teórico é apresentar, por meio de uma reflexão teórico-analítica uma nova definição mais proativa para a Função Manutenção, baseada no contexto da Gestão do Conhecimento, Gestão de Risco, Gestão da Qualidade, Relações Intraorganizacionais e Responsabilidade Social Empresarial e analisar aspectos interligados ao surgimento e à evolução do paradigma desenvolvimento da Sustentabilidade Empresarial. O ensaio teórico parte de pressupostos que, desde a década de 1990, a sociedade e as empresas passam por profundas e significativas mudanças, pela preocupação por novas tendências econômicas, sociais e ambientais. Para a fundamentação do ensaio teórico, a pesquisa foi apoiada no mapeamento das principais referências bibliográficas e análise da interpretação de diferentes relatórios de sustentabilidade empresarial de diferentes empresas associadas ao Instituto Ethos. A Fig. 1 apresenta, de forma esquemática, o mecanismo utilizado realizar a pesquisa, bem como responder ao problema da pesquisa: Quais os atributos ambientais que orientam as políticas proativas da função para um mínimo impacto negativo do sistema produtivo ao meio ambiente? Pesquisa bibliográfica Análise interpretativa de Relatórios de Sustentabilidade Mapeamento das referências bibliográficas Coleta de dados: Empresas associadas ao Instituto Ethos Construção do artigo Setembro 2012 Janeiro 2013 Fonte: Adaptado com base em Claudia et al Fig. 1 Etapas gerais da pesquisa. Para classificar a pesquisa, foi tomada como base a taxonomia apresentada por Vergara (2000), que a qualifica em dois aspectos:

4 4 1. Quanto aos fins exploratória, porque o objetivo principal da pesquisa é esclarecer, a influência dos fatores organizacional e conceitual da integração do sistema produtivo e função na transferência de práticas de Sustentabilidade Empresarial, entendendo-se que existe pouco conhecimento acumulado e sistematizado sobre a referida integração estratégica. 2. Quanto aos meios - a pesquisa é classificada como documental e bibliográfica. Esta pesquisa se justifica pela necessidade atual e contínua da reflexão teórico-analítica no campo do gerenciamento da integração do sistema produtivo e função. Por um lado, porque o conceito teórico-analítico, aos processos do gerenciamento em questão, sobrepuja o simples conceito das práticas em campo, em primeiro plano, no entendimento do objeto de estudo, e em segundo plano, na construção da sua estrutura teórica; por outro lado; porque a integração do sistema produtivo e função consideram que o desenvolvimento da Sustentabilidade Empresarial tem um forte impacto da participação do capital intelectual, conforme (SVEIBY 1988), os colaboradores (pessoas) são em principio os agentes na organização. Todas as estruturas organizacionais tangíveis ou intangíveis, presentes nas empresas, são resultados das ações de seres humanos. Por conseguinte, todos dependem das ações dos seres humanos para sua existência. 3. Resultados e Discussões Busca-se de sistematizar e consolidar a revisão bibliográfica e reflexão teórico-analítica contextualizada, de maneira a ampliar o debate em curso e aprofundar o nascente campo de pesquisa. À luz desses pontos de vista divergentes, enquanto as organizações reconhecem que a sustentabilidade ambiental tem implicações para as suas posições competitivas, as empresas não são claras sobre os detalhes de implementação de práticas de gestão ambiental. Embora poucos atributos ambientais que orientam as políticas proativas da função têm sido sugeridos no mapeamento bibliográfico realizado, o artigo fornece evidências necessárias à utilização desses atributos na prática. A possibilidade de benchmarking é particularmente relevante para as empresas e organizações que operam nos mesmo setores, no mesmo país, sobretudo se estão associadas a alguma instituição ambiental com a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente responsável tornando-as parceiras na construção de uma sociedade sustentável e justa, por exemplo, Instituto Ethos. Apesar do debate em curso sobre as relações entre a gestão ambiental e desempenho financeiro, a pesquisa permite observar incoerência, deixando transparecer entre as sociedades, organizações e empresas a utopia. Ao identificar possível utopia entre o binômio desenvolvimento econômico versus desenvolvimento sustentável observam-se necessidades de trabalhar com esses conflitos subjacentes a fim de encontrar soluções justas e significativas para os problemas com que nos confrontamos. A avaliação dos resultados ajuda não só a escolher uma alternativa de projeto mais adequado para um conjunto específico de requisitos e políticas de com o mínimo impacto ambiental, como também a avaliar o nível em que os aspectos de políticas proativas da podem ser incorporados ao planejamento estratégico da empresa. Além disso, os processos de e procedimentos ambientalmente benignos também têm um papel maior a desempenhar na redução do impacto ambiental, em especial com os sistemas produtivos. Facilitar a interação das operações com sistemas de por meio de interfaces intuitivas é uma vantagem competitiva em termos de tempo e custos para a indústria. Portanto, é essencial identificar as características dos três níveis do modelo entrada-transformaçãosaída, bem como os fatores que facilitam a incorporação de políticas proativas da, projetando ações sistêmicas ao sistema produtivo.

5 5 Os requisitos necessários à prática de políticas e estratégias proativas de, ou seja, ambientalmente consciente projeto de equipamento / características e projeto de processos ambientalmente conscientes, são destaques nas Fig. 2 e 3. Requisitos necessários à prática de políticas proativas de, como sinergia, para o desenvolvimento da sustentabilidade empresarial. Projeto de sistema compatível com o meio ambiente Projeto do equipamento, incluindo características do projeto Layout da planta industrial Características de segurança Projeto de processo de ambientalmente compatível Capital intelectual Políticas e estratégias de Apoio organizacional Fonte: Adaptado com base em: Ajukumar e Gandhi Fig. 2 Requisitos necessários à prática de políticas e estratégias de proativas ambientalmente consistentes. Compreensão dos atributos ambientais que orientam as políticas proativas de tornou-se crítica, como projeto/sistema produtivo sustentável e operações eco-friendly que são atualmente a principal corrente entre as empresas e academia. A Fig. 3 mostra esses atributos, categorizados sob a forma de uma estrutura hierárquica. Todos os atributos, os quais são mostrados em retângulos sombreados na figura, podem ser cumpridos, se cuidados na fase de concepção do produto. Os outros atributos são os que podem ser cuidados durante a fase de operação de. Atributos necessários à prática de políticas proativas de, como sinergia, para o desenvolvimento da sustentabilidade empresarial.

6 6 Compatibilidade Ambiental Eficiência Energética Saúde humana e os riscos de segurança Lubrificantes biodegradáveis e agentes de limpeza Facilidade de Regras e regulamentos Prevenção de vazamentos Lubrificantes sintéticos derivados de recursos renováveis Ventilação e iluminação adequadas Mínimos problemas com aterro Material e lubrificantes com eficiência energética Tarefas de seguras e fáceis Adaptabilidade durante a Sistema de gestão da Utilização de lubrificantes não tóxicos e solventes Políticas de tratamento de resíduos Redução de viagens desnecessárias de fácil transporte Material com longevidade Fonte: Adaptado de: Ajukumar e Gandhi Fig. 3 Atributos necessários à prática de políticas e estratégias de proativas ambientalmente consistentes. 4. Conclusões e recomendações Interesses acadêmicos nos estudos da implementação de políticas proativas da função, sobretudo quando relacionadas ao desenvolvimento do paradigma sustentabilidade empresarial (ecoeficiência) aumentaram significativamente nos últimos anos. Implementação de políticas proativas da função em uma organização representa uma oportunidade competitiva para muitas empresas, que procuram ajustar os seus sistemas produtivos no contexto triple bottam line.

7 7 4th International Workshop Advances in Cleaner Production Academic Work Como salientamos no início cio do item 2 deste artigo, o objetivo foi apresentar, por meio de uma reflexão teórico-analítica, uma nova definição mais proativa para a Função Manutenção, baseada no contexto da Gestão do Conhecimento, Gestão de Risco, Gestão da Qualidade, Relações Intraorganizacionais e Responsabilidade Social Empresarial e analisar aspectos interligados ao surgimento surgime e à evolução do paradigma desenvolvimento da Sustentabilidade Empresarial, Empresarial, com a finalidade de contribuir para o debate teórico e orientar futuros trabalhos no campo da gestão integrada. A Fig. 4 apresenta a espiral da melhoria contínua, no que tange ao o desenvolvimento da sustentabilidade empresarial, por meio da integração função e processos. Análise Crítica Integração Manutenção Planejamento e Processos Verificação Melhoria Contínua & Sustentabilidade Empresarial Políticas proativas de Fonte: Adaptado pelos autores com base no no mapeamento da literatura pesquisada Fig. 4 Espiral da melhoria contínua por meio da integração e processos como sinergia para o desenvolvimento da sustentabilidade empresarial. empresarial Como conclusão, o artigo apresenta uma nova definição definição para a Função Manutenção: o desenvolvimento contínuo de tarefas sistemáticas, coordenadas, econômicas e com implementos mais proativos por meio da implementação das relações intraorganizacionais de modo a desenvolver a otimização nos três níveis do modelo entrada-transformação-saída. entrada No geral, este artigo contribui para uma abordagem reflexiva e objetiva no âmbito âmb da avaliação, no que tange à importância da implementação de políticas proativas proativas da função aos sistemas produtivos de diferentes empresas que buscam mitigar as degradações ao meio ambiente, gerando uma sinergia para o desenvolvimento da sustentabilidade empresarial. empresarial Este artigo ressalta que a estratégia para um projeto de produto não deve ser centrada apenas na funcionalidade, mas também deve levar em conta questão importante, importante como a compatibilidade STRATEGIES São Paulo Brazil May 22nd to 24th

8 8 ambiental, durante a escolha da política ótima de, além de avaliar a estratégica das operações relacionadas às exigências do posicionamento do mercado. Portanto, é necessário que durante a seleção de tarefas de, diretrizes ambientais sejam seguidas. Dessa forma, a política de habilitada e operações podem trazer consideráveis reduções no consumo de energia e geração de resíduos durante as tarefas de, o que ajudará no desenvolvimento de produtos sustentáveis permitindo a geração futura sobreviver e prosperar, ou seja, gera sinergia para o desenvolvimento da Sustentabilidade Empresarial (ecoeficiência). Enfim, considera-se que os pontos analisados foram capazes de subsidiar os autores deste artigo no que se refere à resposta da pergunta de pesquisa: Quais os atributos ambientais que orientam as políticas proativas da função para um mínimo impacto negativo do sistema produtivo ao meio ambiente? Nesse sentido, consideramos que o problema de pesquisa foi respondido. Com base nas reflexões apresentadas neste artigo, os autores sugerem os seguintes tópicos para futuros trabalhos, pois são inúmeras as possibilidades para futuras pesquisas nesta área. Por exemplo, pesquisas futuras podem ir além da análise de conteúdo dos relatórios independentes de sustentabilidade no contexto triple bottom line. A divulgação de indicadores sobre sites corporativos, em relatórios anuais, e em outras formas, poderia ser explorada. Mais pesquisas são necessárias para identificar as interações entre função e operações, no que tange ao desenvolvimento da sustentabilidade empresarial, a fim de estabelecer as relações causa-efeito, bem como investigar os pontos fortes do relacionamento que ajudam a manter ou melhorar a produtividade da empresa. Por fim, sugerimos um estudo nas pequenas empresas, pois elas não têm recebido atenção suficiente nem estão representadas em nosso estudo. Além disso, a integração entre sistema produtivo e função, no contexto da cultura organizacional e da sustentabilidade empresarial, vai exigir uma maior exploração no âmbito de uma pequena empresa. Referências Andrés J. Picazo-Tadeo, Mercedes Beltrán-Esteve, José A. Gómez-Limón Assessing ecoefficiency with directional distance functions. European Journal of Operational Research 220, Ajukumar V. N., Gandhi O. P Evaluation of green maintenance initiatives in design and development of mechanical systems using an integrated approach, Journal of Cleaner Production (2013), doi: /j.jclepro Charbel José Chiappetta Jabbour, Eliciane Maria da Silva, Ely Laureano Paiva, Fernando Cesar Almada Santos Environmental management in Brazil: is it a completely competitive priority? Journal of Cleaner Production xxx, 1-12.

9 9 Claudia de O. Melo; Daniela S. Cruzes; Fabio Kon; Reidar Conradi, Interpretative case studies on agile team productivity and management. Information and Software Technology 55, Enrico Zio, Michele Compare Evaluating maintenance policies by quantitative modeling and analysis. Reliability Engineering and System Safety 109, Gri, Sustainability reporting guidelines. Available in: Access in: Janeiro Instituto Ethos: acessado em 20/01/2013. Iuri Gavronski, Ely L. Paiva, Rafael Teixeira, Marta Cleia Ferreira de Andrade ISO certified plants in Brazil e taxonomy and practices. Journal of Cleaner Production 39, Jacobs, B. W., Singhal, V. R., Subramanian, R., An empirical investigation of environmental performance and the market value of the firm. Journal of Operations Management 28 (5), Jean-Pascal Gond, Suzana Grubnic, Christian Herzig, Jeremy Moon Configuring management control systems: Theorizing the integration of strategy and sustainability. Management Accounting Research 23 (2012) Kolk A. et al., CSR in China: analysis of domestic and foreign retailers sustainability dimensions. Business Strategy and the Environment 19, Matthias Putz, Tino Langer Determination of extended availability and productivity for assembly systems using existing data base. CIRP Annals - Manufacturing Technology 61, Pavel Castka, Daniel Prajogo The effect of pressure from secondary stakeholders on the internalization of ISO Journal of Cleaner Production (2013), doi: / j.jclepro Rosmaini Ahmad, Shahrul Kamaruddin An overview of time-based and condition-based maintenance in industrial application. Computers & Industrial Engineering 63, Sveiby, K. E. A nova riqueza das organizações: gerenciando e avaliando o patrimônio do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, Vergara, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, Xiaoling Zhang, Liyin Shen, Yuzhe Wu Green strategy for gaining competitive advantage in housing development: a China study. Journal of Cleaner Production 19, Yang, C. L., Lin, S. P., Chan, Y. h., Sheu, C., Mediated effect of environmental management on manufacturing competitiveness: an empirical study. International Journal of Production Economics 123 (1),

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

Lean Maintenance: perspectiva de manufatura competitiva e sustentável

Lean Maintenance: perspectiva de manufatura competitiva e sustentável Lean Maintenance: perspectiva de manufatura competitiva e sustentável Autores Dr. José Barrozo de Souza PPGEP-UNIP (Apresentação) Dr. José Benedito Sacomano PPGEP-UNIP Dr. Sérgio Luiz Kyrillos PPGEP-UNIP

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Relembrando conceitos de sustentabilidade Desenvolvimento Econômico Responsabilidade Social Maximização do retorno do

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Comissão Nacional de Energia Nuclear Instituto de Engenharia Nuclear Ministério da Ciência e Tecnologia Responsável: Isaac José Obadia - Coordenador-Geral

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo Conteúdo O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados.

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. 1 Conceituação, análise, estruturação, implementação e avaliação. 2 Metodologia é sempre válida: Proporcionando aos executivos

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Responsabilidade Social Empresarial Henry Ford: produto e preço - Gestão de Produto e Processo. Jerome McCarty e Philip Kotler: produto, preço, praça (ponto de venda) e promoção. - Gestão de Marketing.

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional

1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional 1. As Áreas Funcionais e Ambiente Organizacional Conteúdo 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora Atlas Administração - Teoria, Processo e Prática

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

Uma pesquisa sobre a conscientização quanto a CLEANER PRODUCTION INITIATIVES AND CHALLENGES FOR A SUSTAINABLE WORLD

Uma pesquisa sobre a conscientização quanto a CLEANER PRODUCTION INITIATIVES AND CHALLENGES FOR A SUSTAINABLE WORLD Uma pesquisa sobre a conscientização quanto a aspectos ligados à produção sustentável Para que surja uma visão mais integrada e holistica da realidade, tão necessária para enfrentar os graves problemas

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

O Ambiente Empresarial e a Sustentabilidade

O Ambiente Empresarial e a Sustentabilidade O Ambiente Empresarial e a Sustentabilidade Instrumentos de Gestão Empresarial: Buscando se inserir os princípios relacionados à sustentabilidade no âmbito e na realidade empresarial, diversos instrumentos

Leia mais

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro Avaliação do desempenho socioambiental de projetos com foco nos Princípios do Equador e Parâmetros de Desempenho do IFC Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro São Paulo,

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais Marco A. Silveira Dezembro, 2011 SUMÁRIO Introdução à sustentabilidade Cooperação Capital intelectual Cooperação e

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI

APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI APRENDIZAGEM E INFORMÁTICA: UMA ANÁLISE SOBRE OS ALUNOS USUÁRIOS DO NPI * Centro Universitário Filadélfia Unifil. mariana.munk@unifil.br Mariana Gomes Musetti Munck* Roberto Yukio Nishimura* Edison Sahd*

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 10.15 A FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL (FPTI-BR) torna público que serão recebidas as inscrições para o Processo Seletivo nº 10.15 sob contratação em regime

Leia mais

10 Passos para o Relatório de Sustentabilidade da sua Empresa

10 Passos para o Relatório de Sustentabilidade da sua Empresa Curso Prático para Elaboração de Relatório de Sustentabilidade GRI 4.0 Taubaté- São Paulo 10 Passos para o Relatório de Sustentabilidade da sua Empresa 10 Passos para o seu Relatório de Sustentabilidade

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Conteúdo da apresentação Breve contexto Indutores da Gestão da Sustentabilidade Gestão

Leia mais

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 IV Workshop de Implementadores W2-MPS.BR 2008 Marcello Thiry marcello.thiry@gmail.com Christiane von

Leia mais

Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores

Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores Sustentabilidade como diferencial competitivo na gestão de fornecedores Webinar DNV O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações 04/09/2013 Associação civil, sem fins

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Conhecimento em Tecnologia da Informação. CobiT 5. Apresentação do novo framework da ISACA. 2013 Bridge Consulting All rights reserved

Conhecimento em Tecnologia da Informação. CobiT 5. Apresentação do novo framework da ISACA. 2013 Bridge Consulting All rights reserved Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Apresentação do novo framework da ISACA Apresentação Este artigo tem como objetivo apresentar a nova versão do modelo de governança de TI, CobiT 5, lançado

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS Jorge Luis Nicolas Audy * A Universidade vem sendo desafiada pela Sociedade em termos de uma maior aproximação e alinhamento com as demandas geradas pelo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade?

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Meio acadêmico Sustentabilidade Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Além do maior foco na cadeia de valor e na materialidade, a quarta geração (G4)

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Sumário A Empresa - Petrobras A Exploração e Produção de Óleo e Gás Gestão Ambiental

Leia mais