CONHECIMENTOS E HÁBITOS DA FOTOPROTEÇÃO INFANTIL 1 PROFILE AND EVALUATION OF KNOWLEDGE AND PHOTOPROTECTION CHILD HABITS RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONHECIMENTOS E HÁBITOS DA FOTOPROTEÇÃO INFANTIL 1 PROFILE AND EVALUATION OF KNOWLEDGE AND PHOTOPROTECTION CHILD HABITS RESUMO"

Transcrição

1 ARTIGO ORIGINAL CONHECIMENTOS E HÁBITOS DA FOTOPROTEÇÃO INFANTIL 1 PROFILE AND EVALUATION OF KNOWLEDGE AND PHOTOPROTECTION CHILD HABITS Camila dos Santos SÁ 2, Raísa Elena Tavares PINHEIRO 2, Ângela Cristina Ribeiro GUIMARÃES 3, Maria Suely Bezerra FER- NANDES 4 e Vera Regina da Cunha Menezes PALÁCIOS 5 RESUMO Objetivo: descrever o perfil socioeconômico e avaliar a prática da fotoproteção em crianças, a partir dos conhecimentos de seus responsáveis, comparando dois centros de atendimento pediátrico de Belém-PA, um público e outro particular. Método: estudo transversal com responsáveis de crianças de seis meses a doze anos de idade, no qual foram aplicados questionários com perguntas sobre dados socioeconômicos, conhecimentos sobre fotoproteção e hábitos de fotoproteção da criança. Foram utilizados os testes qui-quadrado e G com correção de Williams, sendo significante p<0,05. Resultados: das 191 crianças pesquisadas, foram 58,1% da instituição pública, onde prevaleceram, além das crianças faiodermas (40,3%), os responsáveis com escolaridade média (33,5%) e renda de 1 a 3 salários mínimos mensais (44,5%). Pais e/ou responsáveis que consideraram ser menos necessário o uso do protetor solar também prevaleceram no centro público (42,4%), bem como aqueles que foram informados pela primeira vez sobre o assunto por veículos de comunicação (22,5%). Ainda, foi observada maior frequência do uso do filtro solar no centro particular (19,9%), acrescida pela maior negligência de seu uso (34%) e aplicação de fator de proteção solar minimamente eficaz (21,5%) na instituição pública. Conclusão: não houve diferença estatística significativa entre os centros em conhecimentos sobre fotoproteção, entretanto, observou-se desigualdade na aplicação desses conceitos, possivelmente influenciada pela menor escolaridade e renda dos pais da instituição pública. DESCRITORES: perfil de saúde; avaliação em saúde; raios ultravioleta; agentes protetores; criança. INTRODUÇÃO A radiação ultravioleta (RUV), presente na luz do sol, é indispensável para o organismo humano, pois aumenta o sentimento geral de bem-estar, estimula a circulação sanguínea e atua na produção de vitamina D. Esta, por sua vez, induz maior absorção de cálcio e fósforo dos alimentos e desempenha importante função no desenvolvimento do esqueleto, sistema imune e formação de células sanguíneas 1. Porém, são comprovados os efeitos deletérios da exposição excessiva dos raios ultravioleta sobre a pele, provocando desde intensas queimaduras, fotoalergias, melasmas e envelhecimento precoce cutâneo, até o câncer de pele 2. 1 Trabalho realizado no Centro Saúde Escola do Marco e na Clínica Pediátrica do Pará. Belém. Pará. Brasil 2 Graduandas do Curso de Medicina da Universidade do Estado do Pará (UEPA). 3 Médica especialista em Cirurgia Geral pelo Hospital Ophir Loyola, Belém, Pará. 4 Médica especialista em Saúde Pública pela Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP). 5 Médica Dermatologista, doutoranda em Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários pela UFPA. Revista Paraense de Medicina - V.28 (2) abril-junho

2 Consoante a Organização Mundial da Saúde - OMS/ WHO 3, no Brasil, houve uma morte atribuída à RUV, bem como trinta e sete DALYs (Disability-Adusted Life Years) - representativamente, anos de inabilidade e/ou morbidade associados - por 100 mil habitantes, no ano de Tais coeficientes encontram-se abaixo dos observados nos Estados Unidos da América, de três mortes e de trinta e nove DALYs para o mesmo número de habitantes em Ainda, o efeito de maior risco para a saúde humana geralmente surge em longo prazo, o câncer de pele. Definido pela Sociedade Brasileira de Dermatologia 4 (SBD) como crescimento anormal e descontrolado das células da pele, o câncer cutâneo tem a exposição ao sol como sua principal causa. A radiação ultravioleta é um reconhecido carcinógeno de efeito cumulativo 5, que pode causar neoplasias cutâneas muitos anos após períodos de excessiva exposição ao sol 4. Existem dois grupos distintos de câncer de pele: o não melanoma, mais frequente e menos agressivo, e o melanoma, mais agressivo, porém menos frequente. O câncer cutâneo não melanoma (CCNM) figura como o tumor mais incidente no Brasil em ambos os sexos. Em 2012, foram estimados casos novos em homens e em mulheres, correspondendo a um risco estimado de 65 casos novos para cada 100 mil homens e 71 para o mesmo número de mulheres. Quanto ao melanoma, este possui letalidade elevada, porém sua incidência é baixa (3.170 casos novos em homens e em mulheres) 6. De acordo com a SBD 7, dados da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer de Pele de 2012, mostraram que, de 201 pacientes avaliados no município de Belém, 11,94% foram diagnosticado com câncer de pele e 89,05% não faziam uso de fotoprotetores. Cerca de 50% do total da radiação ultravioleta recebida em toda a vida ocorre nos primeiros 18 anos 8. Crianças e adolescentes se expõem ao sol por quase 3 horas diárias, representando aproximadamente o triplo da dose anual recebida por um adulto. Somam-se a isso as peculiaridades da pele infantil, caracterizada pela epiderme mais delgada, barreira cutânea imatura e limitada produção de melanina, o que a torna mais vulnerável à RUV, com maior propensão ao dano actínico agudo e crônico 9. É fundamental a proteção das crianças dos efeitos nocivos do sol. Fotoproteção é um conjunto de medidas destinadas a reduzir os efeitos danosos da radiação solar sobre a pele 10. São consideradas medidas fotoprotetoras: roupas, guarda-sóis, óculos escuros, sombras, ações educativas (fotoeducação) e fotoprotetores tópicos, sendo estes considerados os mais eficientes recursos 11. Os primeiros relatos sobre uso de filtros solares tópicos datam do início do século XX, nos Estados Unidos. Porém, somente a partir da década de 1980 surgiram estudos científicos sobre o benefício do uso desses protetores na prevenção do dano actínico crônico, particularmente na fotocarcinogênese. Foi demonstrado que a incidência do CCNM ao longo da vida poderia ser reduzida em 78% com uso de filtros solares com fator de proteção solar (FPS) acima de 15 durante os primeiros 18 anos de vida 12. Portanto, ao se entender que criar o hábito fotoprotetor na criança depende essencialmente dos conhecimentos e práticas repassados pelos seus cuidadores, este trabalho teve como objetivo descrever o perfil socioeconômico e avaliar a prática da fotoproteção em crianças, a partir dos conhecimentos de seus responsáveis, comparando dois centros de atendimento pediátrico de Belém-PA, um público e outro particular. OBJETIVO Descrever o perfil socioeconômico e avaliar a prática da fotoproteção em crianças, a partir dos conhecimentos de seus responsáveis, comparando dois centros de atendimento pediátrico de Belém-PA, um público e outro particular. MÉTODO Estudo transversal, observacional analítico, estatístico comparativo e de perfil populacional, realizado após aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade do Estado do Pará. Os sujeitos incluídos na pesquisa foram responsáveis de crianças na faixa etária de seis meses a 12 anos de idade, as quais estavam presentes nas instituições Centro Saúde Escola do Marco (pública) ou Clínica Pediátrica do Pará (privada) para atendimento médico ambulatorial. Os responsáveis assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). Considerando-se as duas instituições, foi utilizado para o cálculo do tamanho da amostra o número de crianças atendidas mensalmente: média de na pública e 700 na particular. Feito o cálculo da amostragem aleatória simples, com margem de erro de 5%, chegou-se ao tamanho 46 Revista Paraense de Medicina - V.28 (2) abril-junho 2014

3 amostral necessário de aproximadamente 324 crianças. Posteriormente, a amostragem estratificada proporcional indicou que 58,65% da amostra deveriam consistir de crianças da instituição pública e 41,35% da privada. O questionário foi elaborado pelas autoras, constando de perguntas objetivas sobre dados gerais da criança e do responsável, conhecimentos sobre fotoproteção e hábitos de fotoproteção da criança 13, 14, 15, 16, 17. Com a resolução do primeiro grupo de questões, foi possível traçar um perfil social das crianças participantes, através de dados referentes à idade, sexo e tipo de pele. No segundo grupo, foi delineado um perfil socioeconômico dos responsáveis das crianças envolvidas no estudo, através de dados relativos ao grau de parentesco, grau de escolaridade e renda familiar destes. Com o terceiro grupo, foi avaliado o grau de conhecimento dos responsáveis sobre fotoproteção. No quarto grupo, foram conhecidas as práticas de fotoproteção às quais as crianças eram submetidas. O processo de aplicação dos questionários ocorreu de janeiro a abril de 2013, obtendo-se, neste período, amostragem real de 191 crianças, 111 (58,1%) da instituição pública e 80 (41,9%) da privada. Os dados coletados foram inseridos no programa BioEstat 5.0, com suporte de gerenciamento do banco de dados do software Microsoft Office Excel De acordo com a natureza das variáveis, foram aplicadas as análises descritiva e inferencial do tipo quantitativa, sendo informado o nível de decisão para rejeição da hipótese nula (erro alfa de 0,05). Os testes de significância estatística foram baseados na distribuição dos dados segundo a amostra, a variável e o tipo de dado, de modo que, para os dados categóricos, utilizaram-se testes do tipo prova de aderência: não paramétrico do Qui-Quadrado e teste G com correção de Williams; e foi fixado em 5% (p < 0,05) o nível para rejeição da hipótese de nulidade. Finalmente, para a confecção e formatação de tabelas, gráficos e texto, utilizou-se o software Microsoft Office Word RESULTADOS Revista Paraense de Medicina - V.28 (2) abril-junho

4 DISCUSSÃO O CCNM é a neoplasia mais frequente no Brasil 18. Paradoxalmente, em grande parte dos casos, mostra-se passível de prevenção 19, haja vista os principais fatores de risco para a sua gênese já estarem bem definidos, incluindo fatores genéticos, história familiar de câncer de pele e exposição inadequada à radiação ultravioleta 20, destacando-se esta última pelo seu indiscutível potencial em ações preventivas. Diversos estudos vêm valorizando a necessidade de abrangência do público a que se destina o repasse de informações de caráter preventivo, com atenção redobrada à 48 Revista Paraense de Medicina - V.28 (2) abril-junho 2014

5 infância, período de imaturidade dos mecanismos cutâneos de proteção aos raios ultravioleta 21. Nesta pesquisa, quanto à distribuição segundo o tipo de instituição, houve significância estatística referente à de cunho público, com diferença justificada pela sua grande atuação diária em atendimento em saúde, até mesmo por ser um Centro Saúde Escola. Como dado geral da criança, foi observada distribuição estatística significativamente diferente no tipo de pele, entre os dois centros pesquisados. A maior parte das crianças se enquadrou na categoria faioderma, em ambos os locais, havendo predomínio percentual na instituição pública, em relação ao total nesta caracterização. Em contrapartida, mais da metade dos menores enquadrados como leucoderma corresponde ao centro particular, bem como todos os considerados melanoderma correspondem à instituição pública. No Brasil, em função da miscigenação marcante, encontra-se, comumente, importante proporção de faiodermas, como foi observado neste estudo. No entanto, também chama a atenção, aqui, o achado de distribuição em polos díspares entre os leucodermas e os melanodermas, o que remete a uma condição social dicotômica histórica em virtude das diferenças de cor. Nos dados gerais do responsável, foi constatada proporção estatística significativamente distinta na escolaridade concluída e na renda familiar entre as instituições avaliadas. Quanto à escolaridade, houve prevalência de pessoas com nível médio em ambos os centros, mas com maior percentual referente à instituição pública, considerando-se o total de indivíduos nesta caracterização. De outra forma, foi verificada distribuição majoritária dos pesquisados com ensino superior no centro particular, bem como a daqueles com ensino infantil ou fundamental no centro público. Foi aferido, também, predomínio de sujeitos pesquisados com renda entre um a três salários mínimos em ambos os centros; porém, no centro público, a distribuição foi cerca do dobro da encontrada no centro privado, ao se considerar o total de indivíduos neste intervalo. Além disso, todos os enquadrados na categoria menos de um salário correspondem à instituição pública, assim como aqueles distribuídos entre os intervalos de 4 a 6, de 7 a 9 e 10 ou mais salários foram predominando e aumentando, percentualmente e nesta ordem, no centro privado. Para Silva e Botelho 16, muitas vezes a renda familiar se relaciona à escolaridade. No presente trabalho, esta associação pode, de fato, ter contribuído para as particularizações identificadas na prática da fotoproteção infantil entre os dois centros; entretanto, de modo geral, não parece ter tido repercussão tão significativa na aquisição de conhecimentos acerca do assunto, comparativamente. Acerca dos fatores contribuintes ao desenvolvimento do câncer de pele, não houve diferença estatisticamente significativa entre os dois centros avaliados. Todavia, vale comentar que, embora grande parte dos pesquisados tenha referido fatores ambientais, independente da idade, nos dois centros - em proporção relativamente similar entre as instituições, ao se considerar o total de indivíduos nesta categoria -, foi encontrado, no centro público, percentual representativo dentre os que alegaram apenas a predisposição genética, assim como a totalidade dos que afirmaram não sei. Tal situação permite a confirmação de que algumas pessoas ainda acreditam na predisposição genética como único fator de risco às neoplasias cutâneas, elencando-se o tipo de pele, história familiar de câncer cutâneo e presença de lesões pré-cancerígenas. Ainda, preocupante é o fato de existirem aqueles que não têm noção alguma acerca destes fatores. Todos estes indivíduos estão mais sujeitos, então, à exposição solar inadequada. Em relação a quando se deve utilizar o protetor solar, as pessoas inquiridas, nas duas instituições, não apresentaram o mesmo entendimento sobre o assunto, havendo diferença estatisticamente significativa. A maioria dos participantes optou pela alternativa apenas durante o dia, o ano todo, em ambos os locais, com proporção maior no centro público, considerando-se o total de indivíduos nesta categoria. Contudo, foi encontrado percentual importante, no centro privado, dentre aqueles que informaram a opção qualquer hora, inclusive à noite, assim como na instituição pública, agora dentre os que acreditam em apenas durante o dia, no verão. Algumas fontes artificiais são, reconhecidamente, emissoras de radiação ultravioleta, como lâmpadas fluorescentes, dicroicas, mercuriais, telas de vídeo, clarões e faíscas de soldas 22. A mudança neste entendimento mostra-se, de certa forma, ainda incipiente, a ponto de 1 participante da instituição particular representar a totalidade daqueles que indicaram a opção não sei, denotando a dúvida ainda existente quanto ao assunto. De outra forma, no que diz Revista Paraense de Medicina - V.28 (2) abril-junho

6 respeito ao centro público, questiona-se sua atuação em prevenção, estendida aqui ao grupo pediátrico, à evidência de algumas pessoas acreditarem que a proteção solar deve ocorrer somente nos dias de veraneio. Ao questionamento de onde o responsável ouviu falar pela primeira vez sobre proteger a criança do sol, constatou-se percentual resposta diferente, estatisticamente, entre as instituições, isto é, as pessoas não apresentaram o mesmo posicionamento para esta questão nos locais avaliados. De tal forma, obteve-se a maior parte dos pesquisados referindo em veículos de comunicação, em ambos os locais, com proporção maior no centro público, considerando-se o total de indivíduos nesta categoria. Ademais, foi verificado predomínio do centro público, dentre os que afirmaram em campanhas nas ruas ou postos de saúde - em mais que o dobro da instituição particular - e dentre os que indicaram desconhecia o assunto, representando, neste último caso, a totalidade dos incluídos nesta categoria. Verifica-se, aqui, a potencial difusão de conhecimentos por meio de campanhas, ainda passíveis de ampliação - no tempo em se apresentam, no espaço em que se realizam, no público a que se dirigem, no enfoque a que se propõem -, a fim de se conscientizar a população e de se modificar a realidade de desconhecimento acerca do assunto. Quanto à frequência de aplicação do protetor solar na criança, foi encontrada percentual resposta diferente, estatisticamente, entre as instituições, isto é, as pessoas participantes não apresentaram o mesmo posicionamento a este questionamento nos locais avaliados. A maior parte dos entrevistados referiu sempre em lazer ao ar livre, particularmente na instituição privada, que apresentou, mesmo assim, participação percentual relativamente próxima em relação ao centro público, ao se considerar o total de indivíduos nesta categoria. Ainda, houve predomínio da instituição pública dentre os que afirmaram somente nas férias de verão, bem como deste mesmo local - com participação em cerca do triplo do centro particular - dentre os que informaram nunca apliquei na criança. Dessa forma, parte das crianças sob os cuidados dos responsáveis pesquisados, sobretudo no centro público, encontra-se sob maior risco de exposição solar inapropriada, tendendo-se a originar hábitos nocivos, muitas vezes, mantidos na vida adulta. Quanto ao que mais dificulta a aplicação diária do protetor solar na criança, foi encontrada proporção diferente, estatisticamente, entre as instituições, isto é, os participantes não apresentaram o mesmo posicionamento a este questionamento nos locais avaliados. Assim, o fator esquecimento mostrou-se preponderante, em ambos os locais, que apresentaram contribuição percentual relativamente próxima, ao se considerar o total de indivíduos nesta categoria. De outro modo, foi observada distribuição majoritária da instituição pública, dentre os que responsabilizaram o preço elevado do produto. Para Polonini, Raposo e Brandão 23, os órgãos competentes deveriam zelar pela profilaxia do câncer de pele. Contudo, no âmbito da Atenção Primária, o acesso a protetores solares não existe, o que fere a Lei Orgânica da Saúde (Lei 8.080), destinada a salvaguardar o direito de todo cidadão a medidas que previnam e promovam a saúde, estas devendo ser garantidas pelo Estado. A respeito do FPS usualmente utilizado na criança, foi verificada percentual resposta diferente, estatisticamente, entre as instituições, isto é, as pessoas não apresentaram o mesmo posicionamento a este questionamento nos locais estudados. A maior parte dos inquiridos informou fazer uso de produtos com fator entre 15 e 30, particularmente na instituição pública, a qual apresentou participação percentual pouco maior que o dobro da encontrada no centro particular, ao se considerar o total de indivíduos nesta categoria. Além disso, houve contribuição expressiva do centro público, dentre aqueles que indicaram o uso de fator até 15 e também dentre os que optaram por nunca usei na criança. Ao contrário, foi observada a majoritariedade da instituição particular, ao se considerar aqueles que afirmaram o uso de fator entre 30 e 60 e os que alegaram utilização de FPS acima de 60, representando, neste último caso, a totalidade dos incluídos nesta categoria. A partir destes achados, visualiza-se que alguns dos menores, sobretudo do centro público, estão fazendo uso de FPS de valor abaixo do padrão minimamente eficaz ou mesmo nunca utilizaram FPS e, portanto, o filtro solar. Chama a atenção o posicionamento de alguns participantes, ao admitirem que, na realidade, qualquer justificativa para tais achados - especialmente a do esquecimento - teria como motivo-base o fato de não enxergarem a necessidade de uso sistemático do protetor solar na criança, permitindo-se inferir que muitos ainda não estão plenamente conscientizados da importância profilática contida na fotoproteção infantil diária, para qualquer criança a partir dos 6 meses de idade. 50 Revista Paraense de Medicina - V.28 (2) abril-junho 2014

7 Conforme Bardini, Lourenço e Fissmer 24, a radiação ultravioleta é considerada um carcinógeno completo, ao iniciar o processo de malignização por meio de mutações no DNA e ao promover o desenvolvimento neoplásico por processo inflamatório inerente à exposição ultravioleta cumulativa. A valorização dos hábitos de proteção solar em crianças mostra-se incipiente, o que se confirma pelos poucos estudos acerca do assunto no Brasil 25. É perceptível que ainda há desconhecimento da população sobre o tema, além da falsa impressão de que a fotoproteção infantil é desnecessária. Importa o reforço de que o diagnóstico de câncer de pele em idade avançada remete, quase sempre, a um passado de descaso em termos de fotoproteção. De tal maneira, Bardini, Lourenço e Fissmer 24 explicam que prevenção primária inclui orientação quanto à associação entre o sol e o câncer da pele, reforçando-se medidas básicas de aplicação de protetor solar, de utilização associada dos agentes físicos, de limitação do tempo de exposição ao sol e de cuidados com as fontes artificiais de radiação ultravioleta. A prevenção primária, em nível de Atenção Básica, pode ser considerada primeira linha preventiva, fazendo-se necessário o incremento de campanhas, de veiculações na mídia e de explanações por parte de especialistas, assim como o direcionamento a crianças - como público-alvo -, independente de época do ano específica. Soma-se a indispensável garantia de acesso às medidas básicas de fotoproteção, já que os filtros solares são produtos de alto custo, não fornecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) 25 e, ainda, classificados como produtos cosméticos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) 23, o que dificulta a intenção maior de que a fotoproteção faça parte do dia-a-dia populacional. CONCLUSÃO Novos caminhos podem contribuir para a maior difusão dos protetores solares, que podem ser extraídos de espécies vegetais brasileiras 23, o que responderia, também, ao fomento da economia no país, se respeitada a primazia do acesso. Por fim, cabe destaque ao papel irrevogável de profissionais, especialmente da área da saúde, na educação correta sobre hábitos de fotoproteção que, para Schalka 21, se adequada desde a infância, torna-se referência para o indivíduo por toda a vida. Assim também cabe aos pais criar e sustentar o hábito fotoprotetor nos filhos, contribuindo para evitar que estes, quando adultos, adoeçam por males cutâneos relativos ao sol, que poderiam ter sido prevenidos desde a infância. SUMMARY PROFILE AND EVALUATION OF KNOWLEDGE AND PHOTOPROTECTION CHILD HABITS Camila dos Santos SÁ, Raísa Elena Tavares PINHEIRO, Ângela Cristina Ribeiro GUIMARÃES, Maria Suely Bezerra FERNANDES e Vera Regina da Cunha Menezes PALÁCIOS Objective: to describe the socioeconomic profile and evaluate the photoprotection practice in children, based on the knowledge of their parents, comparing two pediatric care centers from Belem-PA, one public and other private. Method: cross-sectional study with guardians of children of six months to twelve years old, in which questionnaires were applied with questions about socioeconomic data, knowledge about sunscreen and photoprotection habits of the child. It were used the chi-square and G with Williams correction tests, being significant p<0.05. Results: of the 191 children surveyed, 58.1% were of the public institution, where prevailed, besides brown-skin children (40.3%), the parents in mean educational level and income 1-3 minimum wages (44.5%). Parents and/or guardians who considered it be less necessary to use sunscreen also prevailed at the public center (42.4%), as well as those who were informed of the subject for the first time by communication vehicles (22.5%). Still, it was observed higher frequency the use of sunscreen in Revista Paraense de Medicina - V.28 (2) abril-junho

8 particular center (19.9%), increased by greatest neglect of its use (34%) and application sun protection factor minimally effective (21.5%) in the public institution. Conclusion: there was no significant statistical difference between the centers in knowledge of photoprotection, however, there was inequality in the application of these concepts, possibly influenced by lower educational and income of parents of public institution. Key-words: health profile; health evaluation; ultraviolet rays; protective agents; child. REFERÊNCIAS 1. WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Ultraviolet radiation and the INTERSUN programme: The known health effects of UV Disponível em: <http://www.who.int/uv/faq/uvhealtfac/en/index1.html>. Acesso em: 13 de agosto de Piazza FCP, Miranda MES. Avaliação do conhecimento dos hábitos de exposição e de proteção solar dos adolescentes do Colégio de Aplicação Univali de Balneário Camboriú (SC). [TCC - Graduação em Tecnologia em Cosmetologia e Estética]. Balneário Camboriú (SC): Universidade do Vale do Itajaí; WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. UV radiation: burden of disease by country Disponível em: <http://apps. who.int/gho/data/node.main.165?lang=em>. Acesso em: 28 de agosto de SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA - SBD. Câncer de Pele Disponível em: <http://www.sbd.org.br/ doenca/cancerpele.aspx>. Acesso em: 14 de agosto de Hora C, Guimarães PB, Martins S, Batista CVC, Siqueira R. Avaliação do conhecimento quanto à prevenção do câncer da pele e sua relação com exposição solar em frequentadores de academia de ginástica, em Recife. An. Bras. Dermatol. 2003; 78(6): Apud Silva, LR; Botelho, ACF. Proteção solar para crianças: estudo preliminar sobre conhecimentos e atitudes dos pais. Revista Ciência & Saúde. 2011; 4(1): INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER - INCA. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro, p. 7. SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA - SBD. Campanha Nacional de Prevenção contra o Câncer de Pele 2012: relatórios Disponível em: <http://sbd.tempsite.ws/capele/gestao/relatorios_lista.asp?cidade=belem&submit3=filtrar&campanha=7>. Acesso em: 28 de agosto de Godar E, Urbach F, Gasparro F. UV Doses of Young Adults. Photochemistry and Photobiology. 2003; 77: Apud Schalka, S. Fotoproteção na infância in. Sociedade Brasileira de Pediatria Disponível em: <http://www.sbp.com.br/pdfs/painel-jj-fasciculo-4.pdf>. Acesso em: 14 de agosto de Wesson KM, Silverberg NB. Sun protection education in the United States: What we know and what needs to be taught. Cutis. 2003; 71: Apud Schalka, S. Fotoproteção na infância in. Sociedade Brasileira de Pediatria Disponível em: <http:// Acesso em: 14 de agosto de Schalka S. Influência da quantidade aplicada de protetores solares no fator de proteção solar (FPS): avaliação de dois protetores solares com os mesmos ingredientes em diferentes concentrações. [Dissertação - Mestrado em Medicina]. São Paulo: Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina; Kullavanijya P, Lim HW. Photoprotection. J Am Acad Dermatol. 2005; 52: Apud Schalka, S. Fotoproteção na infância in. Sociedade Brasileira de Pediatria Disponível em: <http://www.sbp.com.br/pdfs/painel-jj-fasciculo-4.pdf>. Acesso em: 14 de agosto de Stern RS, Weinstein MC, Baker SG. Risk reduction for nonmelanoma skin cancer with childhood sunscreen use. Arch Dermatol. 1986; 122: Apud Criado, PR; Melo, JN; Oliveira, ZNP. Fotoproteção tópica na infância e na adolescência. Jorn. Pediat. 2012; 88(3): Castilho SD, Rached CR. Hábitos de exposição de lactentes ao sol. Rev. Ciênc. Méd. 2010; 19(supl. 1)(6): Lucena EES. Prevalência e fatores associados a lesões labiais e periorais decorrentes da exposição solar em trabalhadores de praias. [Dissertação - Mestrado em Odontologia]. Rio Grande do Norte: Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa de pós-graduação em Odontologia; Revista Paraense de Medicina - V.28 (2) abril-junho 2014

9 15. Marques DR, Duarte MC. A radiação solar e protectores solares: conhecimentos e práticas de alunos portugueses do 9º e 11º anos de escolaridade. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. 2008; 7(3): Silva LR, Botelho ACF. Proteção solar para crianças: estudo preliminar sobre conhecimentos e atitudes dos pais. Revista Ciência & Saúde. 2011; 4(1): Bisinella V, Simões NDP. Avaliação dos hábitos de exposição solar dos estudantes de uma cidade situada no interior do estado do Paraná. Rev. Bras. Terap. e Saúde. 2010; 1(1): INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER - INCA. Tipos de câncer Disponível em: <http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/ connect/tiposdecancer/site/home/>. Acesso em: 01 de agosto de Almeida AMPT, Nai GA. Câncer de pele e sua associação com dano solar. RBM Especial Dermatologia. 2010; 67: Castilho IG, Sousa MAA, Leite RMS. Fotoexposição e fatores de risco para câncer da pele: uma avaliação de hábitos e conhecimentos entre estudantes universitários. An Bras Dermatol. 2010; 85(2): Schalka S. Fotoproteção na infância in. Sociedade Brasileira de Pediatria Disponível em: <http://www.sbp.com.br/ pdfs/painel-jj-fasciculo-4.pdf>. Acesso em: 12 de julho de Oliveira RCS, José NK. Comparação do desempenho e comodidade visual entre lentes fotossensíveis e incolores. Arq Bras Oftalmol. 2004; 67(3): Polonini HC, Raposo NRB, Brandão MAF. Fotoprotetores naturais como instrumento de ação primária na prevenção do câncer de pele. Rev APS. 2011; 14(2): Bardini G, Lourenço D, Fissmer MC. Avaliação do conhecimento e hábitos de pacientes dermatológicos em relação ao câncer de pele. Arq. Catarin. Med. 2012; 41(2): Batista T, Fissmer MC, Porton KRB, Schuelter-Trevisol F. Avaliação dos cuidados de proteção solar e prevenção do câncer de pele em pré-escolares. Rev Paul Pediatr. 2013; 31(1): Endereço para correspondência Camila dos Santos Sá Passagem do Arame, 625. Pedreira, Belém PA. CEP: Telefone: (91) / Recebido em Aprovado em Revista Paraense de Medicina - V.28 (2) abril-junho

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Como considerações sobre a realização desse projeto, ficaram evidentes:

Como considerações sobre a realização desse projeto, ficaram evidentes: 1 Apresentação, em Banca, do projeto Ações Educativas e Preventivas Destinadas a um Grupo de Usuários do Programa de Prevenção aos Cânceres de Boca e de Pele do Centro de Saúde de Linhares Em coerência

Leia mais

Proteção solar para crianças: estudo preliminar sobre conhecimentos e atitudes dos pais

Proteção solar para crianças: estudo preliminar sobre conhecimentos e atitudes dos pais ARTIGO ORIGINAL Proteção solar para crianças: estudo preliminar sobre conhecimentos e atitudes dos pais Sun protection for children: preliminary study on the knowledge and attitudes of parents Luana Rosa

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

PROTETOR SOLAR. Priscila Pessoa, bolsista PIBID, Licenciatura em Química, IQ-UNICAMP

PROTETOR SOLAR. Priscila Pessoa, bolsista PIBID, Licenciatura em Química, IQ-UNICAMP PROTETOR SOLAR Priscila Pessoa, bolsista PIBID, Licenciatura em Química, IQ-UNICAMP É a fonte de energia essencial para a vida na terra e muitos são os benefícios trazidos pela luz solar para os seres

Leia mais

A SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) constatou por meio de uma pesquisa realizada em 2011 que 59,85% dos entrevistados se expõe à luz solar

A SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) constatou por meio de uma pesquisa realizada em 2011 que 59,85% dos entrevistados se expõe à luz solar A SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) constatou por meio de uma pesquisa realizada em 2011 que 59,85% dos entrevistados se expõe à luz solar sem qualquer proteção, enquanto apenas 34,31% usam protetor

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEMCAMT01-P CONHECIMENTO E PRÁTICA DOS DISCENTES DO QUARTO PERÍODO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SOBRE O AUTO-EXAME DAS MAMAS Ericka Vilar Brandão (1) ; Cleide Rejane Damaso de Araújo (3) Centro de Ciências

Leia mais

Fátima Cecilia Poleto Piazza * Maria Enói dos Santos Miranda **

Fátima Cecilia Poleto Piazza * Maria Enói dos Santos Miranda ** AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS HÁBITOS DE EXPOSIÇÃO E DE PROTEÇÃO SOLAR DOS ADOLESCENTES DO COLÉGIO DE APLICAÇÃO UNIVALI DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ (SC),2007. Fátima Cecilia Poleto Piazza * Maria Enói dos Santos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO

PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO PERCEPÇÃO DO CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO BÁSICA E ACOMPANHAMENTO DE ATIVIDADES VOLTADAS À SAÚDE DO COLETIVO Elidiane dos Santos CIRILO¹, Emilly Maria de Lima OLIVEIRA¹, Fábio José Targino

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

Programa Sol Amigo. Diretrizes. Ilustração: Programa Sunwise Environmental Protection Agency - EPA

Programa Sol Amigo. Diretrizes. Ilustração: Programa Sunwise Environmental Protection Agency - EPA Programa Sol Amigo Diretrizes Ilustração: Programa Sunwise Environmental Protection Agency - EPA 2007 CONTEÚDO Coordenador do programa... 3 Introdução... 4 Objetivos... 5 Metodologia... 6 Avaliação do

Leia mais

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA AGNES MERI YASUDA; Juliana Maria Marques Megale, Quitéria de Lourdes Lourosa; Aldaísa Cassanho Forster; Clarissa Lin Yasuda HOSPITAL

Leia mais

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica.

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica. PERFIL DOS CONSUMIDORES DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS DE TERESINA. Conceição de Maria Aguiar Carvalho Francisco Evaldo Orsano RESUMO: O aumento da oferta de suplementos

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL CIEVS- Centro de Informações Estratégicas em Saúde

VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL CIEVS- Centro de Informações Estratégicas em Saúde VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL CIEVS- Centro de Informações Estratégicas em Saúde Boletim de Alerta do VIGIAR Palmas 09 de setembro de 2014 RECOMENDAÇÕES PARA ENFRENTAR SITUAÇÕES DE A BAIXA UMIDADE RELATIVA

Leia mais

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL Protocolo Nº: 002-S. Unidade(s) de aprendizagem ou disciplina de referência: Diagnóstico Bucal ( Unidade de Aprendizagem); Patologia Buco Dental e Estomatologia I e II ( disciplina de referência) Ementa:

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB Fernanda Laísy Pereira de Sousa Graduanda do curso de Enfermagem; Bolsista do Programa de Educação pelo Trabalho

Leia mais

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC)

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) ISSN 1806-7727 Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) Evaluated the prevalence of dental caries

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ATENDIDOS EM UM PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL DA REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO DE RISCO André LUÍS RIBEIRO DOS SANTOS 1 ; Ricardo

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

Arquivos Catarinenses de Medicina. Avaliação do conhecimento e hábitos de pacientes dermatológicos em relação ao câncer da pele

Arquivos Catarinenses de Medicina. Avaliação do conhecimento e hábitos de pacientes dermatológicos em relação ao câncer da pele Arquivos Catarinenses de Medicina ISSN (impresso) 0004-2773 ISSN (online) 1806-4280 ARTIGO ORIGINAL Avaliação do conhecimento e hábitos de pacientes dermatológicos em relação ao câncer da pele Evaluation

Leia mais

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER Área Temática: Saúde Adriane de Castro Martinez Martins 1 (Coordenadora) Claudecir Delfino Verli 2 Aline Maria de Almeida Lara 3 Modalidade: Comunicação

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERFIL DAS

Leia mais

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO Título: AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA EM SAÚDE AO IDOSO NO MUNÍCIPIO DE ANÁPOLIS-EFETIVIDADE E RESOLUTIVIDADE Autores: Júlia Maria Rodrigues de OLIVEIRA, Marta Rovery de SOUZA. Unidade Acadêmica:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P.

CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS NEONATOS PREMATUROS NASCIDOS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ H.U.O.P. Luana Muriel Casarolli 1 Aneline Maria Ruedell Juliana Montijo Pinto Rosa Déborah

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA 1. Renata Emanuela de Queiroz Rêgo. Faculdade Santa Maria/FSM. Email: renata-emanuela@hotmail.com 2. Ankilma do Nascimento Andrade. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 ESTIMATIVA DA POPULAÇÃO CANINA E FELINA NOS ANOS 2010 E 2013 E PERCEPÇÃO DAS PESSOAS QUANTO A GUARDA RESPONSÁVEL NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS - BAIRRO GUATUPÊ LUCAS GALDIOLI 1, RAFAELA FURIOSO

Leia mais

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina.

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Plano de Trabalho: Avaliação das Percepções de Pacientes

Leia mais

EXAME CITOPATOLÓGICO: A NÃO ADESÃO E A OCORRÊNCIA DE CÂNCER DE COLO UTERINO ENTRE AS MULHERES PERTENCENTES À TERCEIRA IDADE

EXAME CITOPATOLÓGICO: A NÃO ADESÃO E A OCORRÊNCIA DE CÂNCER DE COLO UTERINO ENTRE AS MULHERES PERTENCENTES À TERCEIRA IDADE EXAME CITOPATOLÓGICO: A NÃO ADESÃO E A OCORRÊNCIA DE CÂNCER DE COLO UTERINO ENTRE AS MULHERES PERTENCENTES À TERCEIRA IDADE Lizandra de Farias Rodrigues Queiroz; Juliana Meira de Vasconcelos Xavier Universidade

Leia mais

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco IMPORTÂNCIA DO USO DE EPI S EM EMPRESAS INCINERADORAS DE LIXO HOSPITALAR: VISÃO DO TRABALHADOR Suênia Kátia Gonçalves 1 Lidiane Leite Nobre 1 Maria Aparecida de Freitas 1 Ana Cláudia Cavalcante Silva 1

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO TÍTULO: PRÁTICAS E ATITUDES DE ESTUDANTES DE UMA ESCOLA PÚBLICA RELACIONADOS AS DSTS/AIDS AUTORES: Aline Salmito Frota, Luciana Soares Borba, Débora Silva Melo, José Ueides Fechine Júnior, Viviane Chave

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

CÂNCER DA PELE PATROCÍNIO

CÂNCER DA PELE PATROCÍNIO Luizinho e Chiquinho CÂNCER DA PELE PATROCÍNIO SBD: DERMATOLOGISTA COM TÍTULO DE ESPECIALISTA CUIDANDO DE VOCÊ. Luizinho/Chiquinho e o câncer da pele Oi Luiz. NOssO país é privilegiado, pois temos sol

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

Nara Rubia Borges da Silva Vitória Maria Lobato Paes

Nara Rubia Borges da Silva Vitória Maria Lobato Paes CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde A PREVENÇÃO DA HEPATITE B ATRAVÉS DA IMUNIZAÇÃO EM CASO DE ACIDENTE COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO DOS TRABALHADORES

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS

INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS INVESTIGAÇÃO ACERCA DA PRINCIPAL FINALIDADE DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS COSTA, Eliene Pereira. Discente do curso de Enfermagem do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

SUN PROTECTION FACTOR: AWARENESS ABOUT THE RISK OF EXPOSURE TO THE SUN WITHOUT PROTECTION AND CORRECTLY AND EFFECTIVE USE OF GUARDS ABSTRACT

SUN PROTECTION FACTOR: AWARENESS ABOUT THE RISK OF EXPOSURE TO THE SUN WITHOUT PROTECTION AND CORRECTLY AND EFFECTIVE USE OF GUARDS ABSTRACT FATOR DE PROTEÇÃO SOLAR: CONSCIENTIZAÇÃO QUANTO AOS RISCOS DA EXPOSIÇÃO SOLAR SEM PROTEÇÃO E A FORMA CORRETA E EFICAZ DO USO DE PROTETORES L. R. L. Dias¹ e E. S. Sousa 2 ¹Graduando em Biologia, Campus

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 103 A IMPORTÂNCIA DA CONSULTA DE ENFERMAGEM NO PRÉ-NATAL, NA PERSPECTIVA DO ENFERMEIRO Enfa. Aryhadne Michelle Chimicoviacki Machado

Leia mais

Bastian Ignacio Olivares Flores ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER DO APARELHO DIGESTIVO

Bastian Ignacio Olivares Flores ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER DO APARELHO DIGESTIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CURSO DE ESTATÍSTICA Bastian Ignacio Olivares Flores ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER

Leia mais

Avaliação Atuarial de Banco de Dados

Avaliação Atuarial de Banco de Dados Avaliação Atuarial de Banco de Dados ASSOCIAÇÃO POLICIAL DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA - SP São José dos Pinhais, 12 de Junho de 2007. Índice 1. Introdução---------------------------------------------------------------------------------------------------3

Leia mais

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Juliana Campos Rodovalho 1 ; Lílian Fernanda Pacheco 2 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga

Leia mais

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO Roberta Kelle de Araújo Melo (FACENE) - robertakamelo@hotmail.com Morganna Guedes Batista (FACENE) - morganna_guedes@hotmail.com Rayra Maxiana

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR Maria Alice Nunes De Campos Monteiro 1 ; Flávia Ponzio Breda Dos Santos¹;

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO DE MOSSORÓ-RN SOBRE AS FUNÇÕES DO CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES PERCEPTION OF MOSSORÓ-RN POPULATION ON THE ROLE OF ZOONOSES CENTER VILCELÂNIA ALVES COSTA 1, NILZA DUTRA ALVES

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Promoção da Saúde do Trabalhador da Saúde: conscientização acerca do uso de luvas e higienização das mãos pelos

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP

TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

Avaliação e Conscientização Quanto a Prevenção do Câncer de Pele

Avaliação e Conscientização Quanto a Prevenção do Câncer de Pele Avaliação e Conscientização Quanto a Prevenção do Câncer de Pele Liliane de Sousa Silva¹, Valéria Rodrigues de Sousa¹, Naiara Maria de Sousa¹, Rosilane Fernanda de Faria¹, Elisângela Gomes Queiroz de Sá¹,

Leia mais

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3.

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. CONHECIMENTO ESPECÍFICO SOBRE O CÂNCER NÃO AUMENTA CONSCIENTIZAÇÃO. Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisadora Orientadora

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

INDICAÇÃO Nº, DE 2013 (Do Sr. Augusto Carvalho)

INDICAÇÃO Nº, DE 2013 (Do Sr. Augusto Carvalho) INDICAÇÃO Nº, DE 2013 (Do Sr. Augusto Carvalho) Sugere ao Ministério da Educação a adoção de providências para criação e implementação, em conjunto com o Ministério da Saúde, do Programa de Prevenção ao

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS Regina Lígia Wanderlei de Azevedo FIP regina.azevedo@gmail.com Josevânia da Silva UNIPÊ josevaniasco@gmail.com

Leia mais

Antes de falar sobre protetor solar vamos falar um pouco sobre a Radiação Solar.

Antes de falar sobre protetor solar vamos falar um pouco sobre a Radiação Solar. Proteção Solar PERFECT*SUN Antes de falar sobre protetor solar vamos falar um pouco sobre a Radiação Solar. A Radiação Solar é composta por diversos raios, com diferentes comprimentos de onda, conforme

Leia mais

Pesquisa Clínica: Conceitos e Aportes

Pesquisa Clínica: Conceitos e Aportes Pesquisa Clínica: Conceitos e Aportes Alexandre V. Schwarzbold Departamento de Clínica Médica Coordenação do Ambulatório de HIV/AIDS Simpósio Internacional de Ética em Investigação Fevereiro de 2008 Apresentação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1 AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1 MOURA, Deise Silva de 2 ; BLASI, Tereza Cristina²; BRASIL, Carla Cristina Bauermann 3 ; COSTA

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

Redações vencedoras I Concurso de Redação

Redações vencedoras I Concurso de Redação Redações vencedoras I Concurso de Redação 1 Lugar Aluno: Julia Stefani Moraes Professora: Regina M. Macedo de Melo Castro Informação: A melhor maneira de combater o câncer Penso que falar sobre este assunto

Leia mais

RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA E CÂNCER DE PELE

RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA E CÂNCER DE PELE UNIFESP UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIRURGIA PLÁSTICA REPARADORA Coordenadora e Professora Titular: Profa.Dra.Lydia Masako Ferreira RADIAÇÃO

Leia mais

OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS.

OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS. OS PADRÕES DE MOBILIDADE DAS MÃES DE FAMÍLIAS. Silva, Ligia M. da (1) ; Marchi, Maria Eugenia V. (1) ; Granja, Rafael C. (1) ; Waisman, J. (2) Escola Politécnica da USP, Av. Prof. Almeida Prado Travessa

Leia mais

II ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAFIPA EIC ANÁLISE DAS ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM EM UMA INSTITUIÇÃO HOSPITALAR PRIVADA DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ

II ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAFIPA EIC ANÁLISE DAS ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM EM UMA INSTITUIÇÃO HOSPITALAR PRIVADA DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ 61 II ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAFIPA EIC ANÁLISE DAS ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM EM UMA INSTITUIÇÃO HOSPITALAR PRIVADA DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ IMADO, Mayara Keiko (FAFIPA). DERENZO, Neide (Orientador),

Leia mais

MAUS TRATOS NA TERCEIRA IDADE: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA.

MAUS TRATOS NA TERCEIRA IDADE: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. MAUS TRATOS NA TERCEIRA IDADE: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. 1. Larice Costa Lourenço. Faculdade Santa Maria/FSM. E-mail: laricecostal@gmail.com. 2.Francisca Emikaelle Leite Lopes. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional

Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Vacinação contra a gripe em idosos não institucionalizados: estudo de base populacional Renata Maciulis Dip Prof. Dr. Marcos A. Sarria Cabrera Maíra O. Furlan Sara L. Rodrigues UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Campina Grande 2010 KÉTSIA MEDEIROS

Relatório de Pesquisa. Campina Grande 2010 KÉTSIA MEDEIROS Núcleo de Pesquisa e Extensão (Nupex) Curso: Fisioterapia Equipe: Professor coordenador/orientador: Kétsia Medeiros Alunos: Arélli Pâmella Brasileiro Chaves Lizandra de Farias Rodrigues Queiroz Mariana

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA 1 SAÚDE BUCAL NOS IDOSOS DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Elazi Gomes de Oliveira Chacar Lima 1 1 Cirurgiã-Dentista aluna do Curso de Pós-Graduação em Saúde da Família da Faculdade de Medicina de Campos RESUMO

Leia mais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Departamento DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br Maio/2014

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DO USO DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SANTA FELICIDADE, CASCAVEL PR.

EPIDEMIOLOGIA DO USO DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SANTA FELICIDADE, CASCAVEL PR. EPIDEMIOLOGIA DO USO DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SANTA FELICIDADE, CASCAVEL PR. Janaína Pelosi Bezerra (PIBIC/UNIOESTE/PRPPG), Vanessa Cristine Beck, Éverson Andrade, Ligiane de Lourdes Silva, Poliana Vieira

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico

A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIBIC A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico NOME DA BOLSISTA: Clarice de Sousa Silva ORIENTADOR (A) DO PROJETO: Ana Cristina

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS Scaleti Vanessa Brisch 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso RESUMO: Estudo sobre as causas de internações

Leia mais

O SR. IVO JOSÉ (PT-MG) pronuncia o seguinte. discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, convido

O SR. IVO JOSÉ (PT-MG) pronuncia o seguinte. discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, convido O SR. IVO JOSÉ (PT-MG) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, convido os Ilustres Congressistas a partilharem comigo a preocupação de oferecer uma legislação adequada aos

Leia mais

FICHA DE CADASTRO DE PROJETOS - PARTE 2 (FIP2)

FICHA DE CADASTRO DE PROJETOS - PARTE 2 (FIP2) FICHA DE CADASTRO DE PROJETOS - PARTE 2 (FIP2) Cadastro do Projeto - Parte 2 Autor Tatiane Franco - USF - Braganca Paulista - SP Comitê Local USF - Universidade São Francisco - Braganca Paulista - SP Criação

Leia mais

ANÁLISE DO CARÁTER E CÂNCER: UMA LEITURA DO HOMEM CONTEMPORÂNEO

ANÁLISE DO CARÁTER E CÂNCER: UMA LEITURA DO HOMEM CONTEMPORÂNEO 1 ANÁLISE DO CARÁTER E CÂNCER: UMA LEITURA DO HOMEM CONTEMPORÂNEO Angela Naccarato Jose Henrique Volpi RESUMO Anualmente as estimativas apontam para um aumento do número de pacientes vítimas de câncer,

Leia mais