Elemento de controle térmico, lumínico e acústico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elemento de controle térmico, lumínico e acústico"

Transcrição

1 Elemento de controle térmico, lumínico e acústico Egon Vettorazzi (1) Marcelo Langner (2) Odoni Ruschel Junior (3) Patrícia Soares Teixeira (4) (1) Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA, Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil. (2) Centro Universitário Dinâmica das Cataratas UDC, Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil. (3) Centro Universitário Dinâmica das Cataratas UDC, Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil. (4) Centro Universitário Dinâmica das Cataratas UDC, Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil. Resumo: Neste trabalho foi desenvolvido um dispositivo de controle da radiação solar direta que também tem a finalidade de melhorar o desempenho acústico, luminoso e a eficiência energética do ambiente ao qual é aplicado. Esse elemento pode ser instalado durante ou após a construção da edificação, sendo adaptado facilmente a maioria das janelas disponíveis no mercado. Além de bloquear os ruídos externos e a radiação solar excessiva, permite a entrada de iluminação e ventilação natural no interior das edificações, melhorando as condições internas de conforto ambiental ao mesmo tempo que contribui com a eficiência energética devido a diminuição do uso de ar condicionado. Para realização do trabalho foi construído um protótipo em escala real para testar o desempenho na redução de ruídos no interior de uma edificação. Para a avaliação do desempenho quanto à proteção da radiação solar e à iluminação natural, foram realizadas simulações com uso de programas computacionais. Os resultados demonstram uma redução entre 9,4 e 16,1 decibéis dos ruídos no interior da edificação, representando uma diminuição aproximada de três a cinco vezes na intensidade do som. Além disso, foi constatado que o elemento de proteção solar desenvolvido protege da radiação solar direta, ao mesmo tempo em que diminui a excessiva iluminação natural no interior da edificação. Palavras-chave: elemento de proteção solar; conforto acústico; ruído; poluição sonora. Abstract: We have developed a device to control direct solar radiation which also aims to improve the sound, light performance and energy efficiency of the environment to which it is applied. This element can be installed during or after construction of the building and is easily adapted to most of the windows available on the market. In addition to block outside noise and excessive solar radiation, allows the entry of natural lighting and ventilation inside the building, improving the internal conditions of environmental comfort while contributing to energy efficiency due to decreased use of air conditioning. To perform the job it was built a prototype to test the real performance in noise reduction inside a building scale. For the evaluation of the performance as the protection from solar radiation and daylighting simulations using computational programs were held. The results show a

2 reduction of between 9.4 and 16.1 decibels of noise within the building, representing an approximate decrease three to five times the sound intensity. Furthermore, it was found that the element of sun protection designed protect from direct sunlight, while it decreases the excessive natural light inside the building. Keywords: element of sun protection; acoustic comfort; noise; noise pollution. 1. INTRODUÇÃO O crescimento desordenado da população no meio urbano acarreta diversos problemas sociais, econômicos e ambientais. No Brasil, segundo o censo demográfico do IBGE (2010), cerca de 84% da população vive em meio urbano. Entre os problemas diagnosticados atualmente, a poluição sonora e o aumento de consumo de energia per capita são alvos de estudo, em virtude das dificuldades encontradas para o controle do problema. A poluição sonora, segundo dados publicados na revista Summa (2012), é considerada a terceira maior causa de poluição no planeta, atrás apenas do ar e da água, sendo um problema de saúde pública, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). A entidade estima que 800 milhões de pessoas sofram com a perda auditiva, e este número deverá aumentar para 1,1 bilhão até 2015, aproximadamente 16% da população mundial. Esses ruídos geralmente são originados por fontes que produzem sons excessivos, como indústrias, canteiros de obras, meios de transporte, áreas de recreação, atividades de lazer etc. Além disso, há relatos sobre a ocorrência de efeitos negativos em níveis moderados de ruído, uma vez que lentamente vão se instalando estresse, distúrbios físicos, mentais e psicológicos, insônia e problemas auditivos (MEDEIROS, 1999). Um fator que contribui para o aumento do consumo de energia elétrica é o desconforto causado à população pela exposição a níveis elevados de ruídos urbanos. Para se proteger dos ruídos, o usuário fecha as janelas, o que diminui a ventilação e a iluminação natural e muitas vezes, recorre ao uso de soluções artificiais de conforto térmico, como o uso do ar-condicionado. A OMS considera que, para não causar prejuízos ao ser humano, um som deve atingir um nível de até 50dB. A partir disso, começam a surgir os efeitos negativos. De acordo com Frota (1995), o conforto ambiental é considerado um dos principais objetivos da arquitetura, visando ao máximo o bem-estar do usuário. Sendo assim, é necessário agregar elementos arquitetônicos que auxiliem o conforto ambiental dos ambientes. Esses elementos não só devem promover o conforto, mas priorizar estratégias de ventilação e iluminação natural. Consequentemente, levam à redução do consumo de energia elétrica e fazem toda a diferença nas construções que agregam esses dispositivos. Para o desenvolvimento deste trabalho, adotou-se o brise, elemento arquitetônico de proteção solar, atribuindo-lhe uma nova função, o conforto acústico. Considerando os aspectos expostos, quanto à dificuldade de sanar a questão dos ruídos urbanos e a fatores referentes ao conforto térmico, associando diretamente esses problemas ao crescimento demográfico e ao consumo excessivo de energia elétrica, torna-se necessário o desenvolvimento de sistemas que busquem amenizar os impactos resultantes da terceira maior causa de poluição no planeta, a poluição sonora. O brise móvel acústico foi desenvolvido para amenizar as ondas sonoras nocivas à saúde da população. A tecnologia visa controlar a incidência direta de raios solares, diminuir os níveis de ruídos transmitidos para dentro dos ambientes sem afetar a ventilação natural e, consequentemente, reduzir o

3 uso de aparelhos condicionadores de ar. Diante dos dados apresentados sobre os problemas provenientes da poluição sonora, este trabalho procurou desenvolver uma nova tecnologia capaz de solucionar de maneira sustentável o problema, ou seja, promover a combinação de materiais acústicos com o brise. Nas dimensões corretas, essa combinação pode proporcionar uma redução significativa no nível dos ruídos externos, possibilitando a utilização das janelas abertas e, consequentemente, otimizando a ventilação e a iluminação natural, controlando a radiação solar direta no interior dos ambientes, de modo a aumentar o conforto térmico e diminuir o consumo de energia elétrica. 2. OBJETIVO O objetivo principal deste projeto é propor uma solução simples, e economicamente viável, para resolver problemas das edificações urbanas relacionados com o conforto térmico, acústico e lumínico. A proposta tem como foco primordial reduzir a entrada de ruídos urbanos no interior da edificação e, ao mesmo tempo, permitir a entrada de luz e ventilação natural, aumentando o nível de conforto e diminuindo o consumo de energia elétrica com o uso de ar-condicionado. 3. JUSTIFICATIVA Este trabalho se justifica pela necessidade do estudo de soluções que amenizem os problemas relativos a poluição sonora sem que, no entanto, prejudicar o conforto térmico e a eficiência energética dos ambientes devido ao fechamento das janelas e o impedimento da ventilação e iluminação natural. 4. MÉTODO EMPREGADO A metodologia do trabalho se divide em duas etapas principais: Projeto do brise móvel acústico (protótipo) e ensaios de desempenho: acústica, radiação solar e iluminação natural Projeto do brise móvel acústico As Figuras 1 e 2 mostram, em vista frontal e corte, as dimensões utilizadas no projeto do brise móvel acústico (L= 90cm H= 95cm P= 16cm) onde L é a largura, H a altura e P a profundidade. A Figura 3 mostra o detalhamento do corte para melhor compreensão e a Figura 4 simula por computação o brise móvel acústico aplicado em uma edificação. FIGURA 1 Vista frontal. FIGURA 2 Corte A.

4 FIGURA 3 Detalhe A: Lâmina. FIGURA 4 Brise móvel acústico aplicado em uma edificação. Nas Figuras 5 e 6 é demonstrado como o brise móvel acústico busca atender às necessidades de conforto térmico, lumínico e acústico, atenuando os ruídos provenientes do exterior, absorvendo a energia sonora quando esta passa do meio externo para o interno pela abertura, sem interromper a ventilação natural, e controlando a incidência da radiação direta no ambiente. FIGURA 5 Absorção sonora Ensaios: acústica, radiação solar e iluminação natural FIGURA 6 Controle da radiação solar. Para comprovação da eficiência do brise móvel acústico foram realizados ensaios acústicos, da radiação solar e de iluminação natural. Os ensaios acústicos foram efetuados com um protótipo real. Para facilitar o estudo em diversas latitudes e em diferentes períodos do ano, os ensaios de proteção contra a radiação solar e para a iluminação natural foram realizados por meio de simulação computacional. A simulação computacional possibilita simular em qualquer época do e em qualquer horário Ensaio de desempenho acústico Para execução dos ensaios acústicos foi desenvolvido e construído um protótipo do brise móvel acústico e um dispositivo de ensaio para testá-lo. O protótipo foi construído com os seguintes materiais: policloreto de vinila (PVC) expandido de 2mm; espuma acústica absorvente com 50mm de espessura; cola instantânea e impermeabilizante líquido. As figuras 7 e 8 apresentam fotos do protótipo.

5 FIGURA 7 Foto frontal do protótipo. FIGURA 8 Foto lateral do protótipo. O dispositivo de ensaio foi desenvolvido com uma caixa com materiais acústicos que simula a abertura de uma edificação. O dispositivo de ensaio consiste em uma caixa de camada dupla de laminado prensado com um material acústico absorvente entre as camadas. As figuras de 9 a 11 demonstram, respectivamente, a caixa externa, a caixa interna e o dispositivo completo, medindo externamente L= 100cm H= 100cm P= 100cm e internamente L= 80cm H= 80cm P= 90cm. A Figura 12 mostra a foto do dispositivo de ensaio sem o protótipo e a Figura 13 mostra a foto do protótipo do brise móvel acústico acoplado ao dispositivo de ensaio. FIGURA 9 Caixa externa. FIGURA 10 Foto do dispositivo de ensaio sem o protótipo. FIGURA 11 Todo do dispositivo de ensaio. Os ensaios acústicos foram desenvolvidos com o dispositivo de ensaio em com o fechamento em diferentes situações, conforme demonstrado na Figura 12: (a) dispositivo de ensaio aberto e fechado; (b) dispositivo de ensaio com o protótipo do brise móvel acústico com as lâminas na posição horizontal e com diferentes angulações em diferentes angulações: (c) na posição horizontal, (d) 25 graus interno, (e) 25 graus externo e (f) 40 graus interno, o que tornou possível determinar o ângulo das lâminas que apresenta o melhor desempenho acústico. (a) (b) (c) (d) (e) (f) FIGURA 12 Diferentes situações do dispositivo de ensaio para realização dos ensaios acústicos.

6 A fonte sonora ficou a uma distância de 230cm do dispositivo de ensaio e apresentou uma intensidade sonora de 76,5dB (Figura 13). Para os ensaios foi utilizado um decibelímetro digital modelo MSL 1351C, marca Minipa (Figura 14). FIGURA 13 Esquema do ensaio. FIGURA 14 Decibelímetro Ensaio de desempenho de proteção contra a radiação solar Para análise da eficiência térmica do brise móvel acústico nas edificações no território brasileiro foram feitas simulações nos programas computacionais Autodesk Revit versão 2014 e Brise.BR na cidade de Porto Alegre, latitude de 30 graus Sul, no estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Todos os ensaios foram realizados considerando a janela orientada para o Norte, em todos os horários e dias do ano, com as lâminas do brise móvel acústico na posição horizontal. Essa análise tornou possível verificar a incidência da radiação solar no interior da edificação com e sem o uso do brise móvel acústico Ensaio de iluminação natural Para análise da eficiência da iluminação natural do brise móvel acústico nas edificações no território brasileiro foram feitas simulações no programa computacional Velux Day Light versão 2.6.7, considerando para a análise na cidade de Porto Alegre, latitude de 30 graus Sul. Todos os ensaios foram realizados considerando a janela orientada para o Norte, ao meio-dia, e no dia de maior incidência solar do ano, no solstício de inverno (21 de junho). Essa análise tornou possível verificar a quantidade de iluminação natural (lux) no interior da edificação com e sem o uso de brise móvel acústico com as lâminas na posição horizontal. 5. RESULTADOS OBTIDOS Os resultados da aplicação do brise móvel acústico estão divididos em: análise do desempenho acústico, análise do desempenho da proteção contra a radiação solar e análise da capacidade de entrada de iluminação natural Análise do desempenho acústico A Tabela 1 demonstra os resultados encontrados da diferença de ruídos internos no ambiente (representado pelo dispositivo de ensaio) exposto a uma fonte sonora de 76,5dB, com e sem o uso do brise móvel acústico com as lâminas em diferentes angulações.

7 Dispositivo de ensaio com e sem o brise móvel acústico Ruído externo Ruído no interior do dispositivo de ensaio Redução (db) (db) (db) Aberto Fechado 76,5 76,5 0 76,5 56,2 20,5 Lâminas na Horizontal 76,5 65,4 10,3 Lâminas a 25 graus interno 76,5 66,3 9,4 Lâminas a 25 graus externo 76,5 65,9 9,8 Lâminas a 40 graus interno 76,5 59,6 16,1 TABELA 1 Resultado das medições acústicas. Segundo Costa (2004), o dobro da intensidade do som equivale a 3dB, ou seja, a cada 3dB ocorre um aumento de 100% na intensidade energética do som. O ambiente sem proteção, com a janela aberta, apresentou níveis de ruído iguais a 76,5dB, ou seja, sem redução do nível de ruído em comparação com o meio externo. O ambiente com o brise móvel acústico acoplado à janela e com as lâminas na posição horizontal apresentou níveis de ruído iguais a 65,4dB, reduzindo 10,3dB do ruído externo, o que, em média, representa uma redução de três vezes na intensidade do ruído. O ambiente com abertura acoplada de brise móvel acústico com as lâminas inclinadas a 25 graus interno apresentou níveis de ruído iguais a 66,3dB, reduzindo 9,4dB do ruído externo, o que, em média, representa uma redução de três vezes na intensidade do ruído. O ambiente com abertura acoplada de brise móvel acústico com as lâminas inclinadas a 25 graus externo apresentou níveis de ruído iguais a 65,9dB, reduzindo 9,8dB do ruído externo, o que, em média, representa uma redução de três vezes na intensidade do ruído. O ambiente com abertura acoplada de brise móvel acústico com as lâminas inclinadas a 40 graus interno (levemente fechados), sem vedação ou hermeticidade, apresentou níveis de ruído iguais a 59,6dB, reduzindo 16,1dB do ruído externo, o que, em média, representa uma redução de cinco vezes na intensidade do ruído. Para Bergund e Lindvall (1995) e Bergund, Lindvall e Schwela (1999), quando exposto durantes 8

8 horas diárias a níveis de ruídos de 75dB, o ser humano corre sérios riscos de perda de audição e, segundo a NBR (2000), o nível máximo de decibéis permitido é de 55dB em zonas residenciais e de 60dB em áreas mistas com vocação comercial e administrativa. Sendo assim, os resultados obtidos com o brise móvel acústico, de redução de 10,3 a 16,1 decibéis, o caracterizam como elemento arquitetônico que auxilia o bem-estar e o conforto ambiental, sem aumento do consumo de recursos naturais e energéticos Análise do desempenho da proteção contra a radiação solar A Figura 15 (a) torna possível avaliar a intensa exposição de um ambiente interno à radiação solar direta na cidade de Porto Alegre. No entanto, a Figura 15 (b) demonstra que com o uso do brise móvel acústico o ambiente fica protegido da radiação solar direta em todos os períodos do ano, em grande parte do dia. (a) Sem brise móvel acústico. (b) Sem brise móvel acústico. FIGURA 15 Radiação solar no interior de edificação em Porto Alegre sem e com brise móvel acústico Análise do desempenho quanto à iluminação natural Com base nos ensaios realizados no programa computacional Velux, foi constatado, de maneira geral, que o uso do brise móvel acústico promoveu redução da iluminância média no interior dos ambientes na cidade de Porto Alegre. Sem o uso do brise móvel acústico, a iluminância interna alcança valores muito altos (cerca de lux), ofuscando e prejudicando a realização de atividades no interior da edificação. Com a utilização do brise móvel acústico, a iluminação se distribuiu de maneira mais uniforme nas edificações das três cidades estudadas. A Figura 16 ilustra comparativamente os resultados da iluminação natural com o uso de uma janela convencional aberta e com a utilização do brise móvel acústico na cidade de Porto Alegre.

9 (a) Sem brise móvel acústico. (b) Cem brise móvel acústico. FIGURA 16 Iluminância (lux) no interior de edificação em Porto Alegre sem e com brise móvel acústico. Na figura 17 é possível analisar, esquematicamente, que uma edificação com janela convencional aberta, sem elementos de proteção, está exposta a radiação solar direta, ruídos externos e iluminação excessiva. É possível observar a tripla função do brise móvel acústico, que barra a radiação solar direta, diminui a intensidade do som e controla a iluminação, sem prejudicar a ventilação natural. (a) Sem brise móvel acústico. (b) com brise móvel acústico. FIGURA 17 Edificação sem e com brise móvel acústico. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS A utilização do brise remodelado como elemento de barragem do som, quanto a seu desempenho acústico, térmico e lumínico, demonstrou resultados satisfatórios, tendo em vista sua aplicabilidade em razão da facilidade de instalação e adaptação a diferentes situações. O brise móvel acústico apresenta flexibilidade de manejo e pode ser facilmente instalado em edificações novas, além de poder ser acoplado sobre janelas de edificações existentes. Outra característica marcante é o fato de poder ser produzido em larga escala, o que reduz seu custo final. Ao fim dos estudos e testes com o brise móvel acústico, foi constatada sua eficiência por meio da significativa diferença encontrada nos níveis de ruídos do ambiente interno com e sem o uso do dispositivo. Além disso, foi comprovada sua eficiência em barrar a radiação solar e na capacidade de controle da iluminação solar sem prejudicar a ventilação natural no interior das edificações. Conforme ressaltado neste trabalho, mais de 80% da população urbana é afetada por problemas relacionados com o ruído urbano. Para alcançar o conforto acústico dos ambientes, sem prejudicar o

10 conforto térmico e lumínico, o trabalho apresentado demonstra que o emprego do brise móvel acústico colabora efetivamente para o controle da radiação solar, diminuindo os gastos de energia elétrica com condicionamento térmico e auxiliando na iluminação e ventilação natural. Além de economicamente viável e correto do ponto de vista ambiental, o projeto agrega outros valores, proporcionando bem-estar, saúde e eficiência energética. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10151: Avaliação do ruído em áreas habitadas visando o conforto da comunidade. Rio de Janeiro, BERGUND, B.; LINDVALL, T. Community Noise WHO, Stockholm, BERGUND, B.; LINDVALL, T.; SCHWELA, D. H. Guidelines for Community Noise WHO, Stockholm, COSTA, E. C. Acústica técnica. São Paulo: Blucher, 2004 DIEZ, F. PROACUSTICA REVISTA SUMMA. Acústica arquitetônica e condicionamento de ar. Entrevista com Davi Akkerman, presidente da ProAcústica e Juan Frias, consultor técnico. ProAcústica Revista Summa, São Paulo, ed. 124, FROTA, A.; SCHIFFER, S. Manual de Conforto Térmico. São Paulo: Studio Nobel, IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo MEDEIROS, L. B. Ruído: Efeitos extra-auditivos no corpo humano (Especialização em Audiologia Clínica) Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica - CEFAC, OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Resumo das orientações das diretivas da OMS, relativas ao ruído no meio ambiente

Uso de elementos de proteção solar externo no quadrilátero central de Foz de Iguaçu - PR

Uso de elementos de proteção solar externo no quadrilátero central de Foz de Iguaçu - PR Uso de elementos de proteção solar externo no quadrilátero central de Foz de Iguaçu - PR Egon Vettorazzi (1); Marcelo Langner (2); Odoni Antonio Ruschel Junior (3); Patrícia Soares Teixeira (4); Roberta

Leia mais

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Priscila Besen (1) ; Fernando Simon Westphal (2) (1) Universidade

Leia mais

Construção Civil Linha PVC

Construção Civil Linha PVC Construção Civil Linha PVC Correr Abertura de 2 a 6 folhas que se movimentam mediante deslizamento horizontal. De fácil manuseio, podendo ser utilizada com persiana e tela mosquiteira. Permite ventilação

Leia mais

Artigo. Desempenho acústico de divisórias para escritórios

Artigo. Desempenho acústico de divisórias para escritórios Artigo Desempenho acústico de divisórias para escritórios Raros escritórios comerciais não possuem divisórias para definir ambientes. Trata-se de um elemento arquitetônico versátil, com boas opções de

Leia mais

Revista Eletrônica de Educação e Ciência (REEC) ISSN 2237-3462 - Volume 05 Número 01 2015

Revista Eletrônica de Educação e Ciência (REEC) ISSN 2237-3462 - Volume 05 Número 01 2015 DESENVOLVIMENTO DE BRISE VERTICAL COM POSICIONAMENTO AUTOMATIZADO ORIENTADO PELA MOVIMENTAÇÃO SOLAR Samara Martha Cavalcante Cuppari da Silva 1, João Paulo Crivellaro de Menezes 2 1 Centro Universitário

Leia mais

Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes

Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes Douglas Vaciliev Vacilikio 1 ; Luciano Fleischfresser 2 1 Aluno de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Tecnológica

Leia mais

Para melhorar o conforto acústico das edificações é essencial realizar estudos de avaliação prévia e utilizar produtos submetidos a ensaios

Para melhorar o conforto acústico das edificações é essencial realizar estudos de avaliação prévia e utilizar produtos submetidos a ensaios Esquadrias anti-ruídos Para melhorar o conforto acústico das edificações é essencial realizar estudos de avaliação prévia e utilizar produtos submetidos a ensaios Laboratório de acústica da Divisão de

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação INSOLAÇÃO EM EDIFICAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) ISABELA SABOYA PINTO LIMA Orientador(es) SUELI MANÇANARES LEME 1. Introdução O conforto térmico é um atributo necessário em edificações

Leia mais

O vidro na barreira do som

O vidro na barreira do som Maio 2015 O vidro na barreira do som OFERECIMENTO SUPLEMENTO 1 março CONCEITOS BÁSICOS E A EVOLUÇÃO DO USO DO VIDRO SUPLEMENTO 2 abril EXEMPLOS PRÁTICOS DO USO DO VIDRO ACÚSTICO SUPLEMENTO 3 maio ENSAIOS

Leia mais

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ILDO MENEGHETTI

Leia mais

cidades verdes OUTUBRO 2014

cidades verdes OUTUBRO 2014 cidades verdes ESPAÇOS DE QUALIDADE OUTUBRO 2014 Edifício Cidade Nova Universidade Petrobras 1987 Ano de Fundação Parque Madureira Rio+20 1999 2007 2010 Alinhamento com Agenda 21 1 o LEED NC Core & Shell

Leia mais

BLI16086003-Ekoglass_folder_A4.indd 1

BLI16086003-Ekoglass_folder_A4.indd 1 BLI16086003-Ekoglass_folder_A4.indd 1 9/18/14 3:16 PM Vidro duplo termoacústico É uma solução formada por duas placas de vidro plano paralelas, separadas por um espaçador, com as bordas hermeticamente

Leia mais

CATEGORIA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

CATEGORIA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CATEGORIA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ENSAIOS ACÚSTICOS NOS EMPREENDIMENTOS DA MELNICK EVEN APRESENTAÇÃO DA EMPRESA MELNICK EVEN APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Melnick Even, com 20 anos de atuação no mercado gaúcho

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL E SAÚDE EM SALAS DE AULA: A MELHORIA DO DESEMPENHO AMBIENTAL ATRAVÉS DO CONTROLE DA RADIAÇÃO SOLAR DIRETA NO IFSP-SP

ILUMINAÇÃO NATURAL E SAÚDE EM SALAS DE AULA: A MELHORIA DO DESEMPENHO AMBIENTAL ATRAVÉS DO CONTROLE DA RADIAÇÃO SOLAR DIRETA NO IFSP-SP ILUMINAÇÃO NATURAL E SAÚDE EM SALAS DE AULA: A MELHORIA DO DESEMPENHO AMBIENTAL ATRAVÉS DO CONTROLE DA RADIAÇÃO SOLAR DIRETA NO IFSP-SP Merielen Almeida 1 Erickson de Oliveira Ruiz 2 Valéria Azzi Collet

Leia mais

PROJETO DE BARREIRA ACÚSTICA EM RODOVIA PARA PROTEÇÃO DE CONDOMÍNIO RESIDENCIAL - RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROJETO DE BARREIRA ACÚSTICA EM RODOVIA PARA PROTEÇÃO DE CONDOMÍNIO RESIDENCIAL - RELATO DE EXPERIÊNCIA Acústica 2008 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra PROJETO DE BARREIRA ACÚSTICA EM RODOVIA PARA PROTEÇÃO DE CONDOMÍNIO RESIDENCIAL - RELATO DE EXPERIÊNCIA M. Holtz e D. Akkerman

Leia mais

Desempenho Acústico das Fachadas Envidraçadas. Eng. Luiz Barbosa

Desempenho Acústico das Fachadas Envidraçadas. Eng. Luiz Barbosa Desempenho Acústico das Fachadas Envidraçadas Eng. Luiz Barbosa Objetivo Mostrar, de forma conceitual, a aplicabilidade do vidro em fachadas, tendo ele, não somente excelente desempenho acústico, mas sendo,

Leia mais

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1);

4 Estudo de casos. Janelas: 1 gene para o percentual da largura total da parede que a janela irá ocupar (número entre 0 e 1); 4 Estudo de casos Este capítulo apresenta estudo de casos para averiguar a eficácia do modelo definido no capítulo 3. Para provar que os conceitos funcionam e que o método é viável, decidiu-se otimizar

Leia mais

Aula 7 : Desenho de Ventilação

Aula 7 : Desenho de Ventilação Aula 7 : Desenho de Ventilação Definições: NBR 10821:2001, Caixilho para edificação: Janela Caixilho, geralmente envidraçado, destinado a preencher um vão, em fachadas ou não. Entre outras, sua finalidade

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICIO ESCOLAR ATRAVES DO PROGRAMA ENERGYPLUS Luis Fernando Malluf Sanchez Faculdade de Engenharia Civil CEATEC luis.fms1@puccampinas.edu.br Claudia Cotrim Pezzuto Faculdade

Leia mais

C.GlassR. Ficha técnica. www.t2g.com.br

C.GlassR. Ficha técnica. www.t2g.com.br C.GlassR Ficha técnica Avenida Neyde Modesto de Camargo, 151 Sistema de Envidraçamento- C.Glass (Channel Glass) by T2G Descrição: O Sistema C.Glass é composto por per s de vidros autoportantes, e ao contrário

Leia mais

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica 1 Escopo da Recomendação: Esta Recomendação Técnica é uma iniciativa conjunta da Associação

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN Carmem

Leia mais

O vidro isolante para a tranquilidade e o conforto

O vidro isolante para a tranquilidade e o conforto O vidro isolante para a tranquilidade e o conforto Isolamento acústico e poupança de energia com o vidro cria propriedades de isolamento acústico e térmico para uma melhor qualidade de vida. Mais de 80%

Leia mais

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 1 Programa de Recuperação de Espaços Didáticos Pró-Reitoria de Graduação MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 2 1. INTRODUÇÃO Adotou-se um processo de trabalho convencional, de desenvolvimento

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA FORMA DO PEITORIL VENTILADO NA VENTILAÇÃO NATURAL DE ESCOLAS NO CLIMA QUENTE E ÚMIDO.

A INFLUÊNCIA DA FORMA DO PEITORIL VENTILADO NA VENTILAÇÃO NATURAL DE ESCOLAS NO CLIMA QUENTE E ÚMIDO. A INFLUÊNCIA DA FORMA DO PEITORIL VENTILADO NA VENTILAÇÃO NATURAL DE ESCOLAS NO CLIMA QUENTE E ÚMIDO. Thalianne de Andrade Leal (1); Leonardo Bittencourt (2); Christhina Cândido (3). (1) Graduação em Arquitetura

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR 1 ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VENTILAÇÃO NATURAL E DA INÉRCIA TÉRMICA DO ENVELOPE CONSTRUTIVO EM EDIFICAÇÃO VERTICAL MULTIFAMILIAR RESUMO Tiago Arent Longo (1); Luiz César de Castro (2) UNESC Universidade

Leia mais

LANÇAMENTO. Placo Phonique. Solução acústica para seu conforto e tranquilidade.

LANÇAMENTO. Placo Phonique. Solução acústica para seu conforto e tranquilidade. LANÇAMENTO Placo Phonique Solução acústica para seu conforto e tranquilidade. Ssshhh... o silêncio é ouro. O excesso de ruído é uma das principais queixas das pessoas num ambiente. Os ruídos, além de incomodarem,

Leia mais

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A Empresa - No mercado nacional desde 1993 - Localização: Com fábrica em Vale de Cambra (50 km a

Leia mais

Sistemas de perfis Softline 70 mm para janelas deslizantes

Sistemas de perfis Softline 70 mm para janelas deslizantes Sistemas de perfis Softline 70 mm para janelas deslizantes Descrição Técnica do Sistema Secção lateral janela Secção central janela Secção lateral porta Secção central porta O sistema de perfis EKOSOL

Leia mais

3 Modelo Evolucionário para Sustentabilidade Inteligente

3 Modelo Evolucionário para Sustentabilidade Inteligente 3 Modelo Evolucionário para Sustentabilidade Inteligente Este capítulo introduz um modelo evolucionário para a otimização dos parâmetros de uma construção de modo a minimizar o impacto da mesma sobre os

Leia mais

Estudo dos efeitos do ruído ferroviário no desempenho acústico de habitações no bairro Álvaro Weyne na cidade de Fortaleza, CE.

Estudo dos efeitos do ruído ferroviário no desempenho acústico de habitações no bairro Álvaro Weyne na cidade de Fortaleza, CE. Estudo dos efeitos do ruído ferroviário no desempenho acústico de habitações no bairro Álvaro Weyne na cidade de Fortaleza, CE. Daniela Maria de Sousa Martins a, Adeildo Cabral da Silva b a Estudante de

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

Soluções construtivas em aço. Steel framing estrutura em perfis galvanizados dobrados a frio. www.constructalia.com

Soluções construtivas em aço. Steel framing estrutura em perfis galvanizados dobrados a frio. www.constructalia.com Soluções construtivas em aço Steel framing estrutura em perfis galvanizados dobrados a frio www.constructalia.com Aplicações do aço Fundações e contenções Estruturas Coberturas Fechamentos Fachadas Foto:

Leia mais

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Conceito Poluição sonora é qualquer alteração nas características do som ambiente provocada por ruídos. Som e Ruído SOM É o resultado

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

ESQUADRIAS Resumo da aula

ESQUADRIAS Resumo da aula ESQUADRIAS Resumo da aula Os vãos têm como funções a vedação e a comunicação dos ambientes internos e externos do edifício. Ambos necessitam de obras e serviços, executadas com materiais, segundo determinadas

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Seminário: Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Arnoldo Wendler Sistema Construtivo Estudo de viabilidade Anteprojeto arquitetônico Comercialização

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA Orçamento Unidade Básica de Saúde - Fronteira Estrutura para o acesso e identificação do

Leia mais

Sistema softline Dupla Junta Arredondada 70 mm SL/DJ-R 70. Perfil de Calidad

Sistema softline Dupla Junta Arredondada 70 mm SL/DJ-R 70. Perfil de Calidad Sistema softline Dupla Junta Arredondada 70 mm SL/DJ-R 70 Perfil de Calidad Sl/DJ-R 70 Secção lateral Sistema de perfis de desenho suave e arestas arredondadas para janelas e portas de sacada de batente

Leia mais

Insolação no projeto de arquitetura

Insolação no projeto de arquitetura Insolação no projeto de arquitetura Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc DTC e PROARQ FAU/UFRJ www.fau.ufrj.br/proarq Barroso-krause@proarq.ufrj.br Conhecer as necessidades ambientais da atividade prevista

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL.

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL. Adeildo Cabral da Silva, Professor-Pesquisador, Construção Civil, Centro Federal de

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE PRATELEIRAS DE LUZ EM EDIFÍCIO DE PESQUISAS DA UFAL, MACEIÓ-AL

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE PRATELEIRAS DE LUZ EM EDIFÍCIO DE PESQUISAS DA UFAL, MACEIÓ-AL ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE PRATELEIRAS DE LUZ EM EDIFÍCIO DE PESQUISAS DA UFAL, MACEIÓ-AL Christhina Cândido (1); Simone Torres (2); Ricardo Cabús (3) (1) Bolsista CAPES, Mestrado em Dinâmicas do Espaço

Leia mais

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

Componentes para telhas Brasilit

Componentes para telhas Brasilit Componentes para telhas Brasilit Selamax Selante Selante elástico para elástico colagem para e vedação colagem e vedação SolarMaxxi Manta impermeável, térmica e acústica LitFoil e LitFoil Plus Mantas térmicas

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS Carlos Eduardo Rocha dos Santos, UNIBAN, carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

OS EFEITOS DA RADIAÇÃO SOLAR SOBRE OS FECHAMENTOS TRANSPARENTES EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS CLIMATIZADOS ARTIFICIALMENTE EM SANTA MARIA-RS

OS EFEITOS DA RADIAÇÃO SOLAR SOBRE OS FECHAMENTOS TRANSPARENTES EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS CLIMATIZADOS ARTIFICIALMENTE EM SANTA MARIA-RS OS EFEITOS DA RADIAÇÃO SOLAR SOBRE OS FECHAMENTOS TRANSPARENTES EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS CLIMATIZADOS ARTIFICIALMENTE EM SANTA MARIA-RS Giana da Rocha Zófoli (1) ; Joaquim C. Pizzutti dos Santos (1) ; Madalena

Leia mais

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES.

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. Arq. Cândida Maciel Síntese Arquitetura 61-34685613 candida@sintesearquitetura.com.br NBR 15575- EDIFÍCIOS HABITACIONAIS DE ATÉ

Leia mais

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho de Sustentabilidade da AsBEA, às vésperas de completar seu primeiro ano de

Leia mais

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO Uma APLICAÇÃO PARA CADA NECESSIDADE www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria A REABILITAÇÃO, UMA SOLUÇÃO COM SISTEMAS PARA O AQUECIMENTO E O ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES

Leia mais

A VERITAS. Evita que ventania, chuva, poluição, poeira e areia entre no ambiente:

A VERITAS. Evita que ventania, chuva, poluição, poeira e areia entre no ambiente: A VERITAS Desde 1954, a Mineoro vem trazendo ao mercado soluções inovadoras na área de segurança, controle de acesso e indústria. Com tecnologia e P&D 100% nacionais e na busca por apresentar novos produtos

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Arnoldo Wendler Sistema Construtivo 1 Sistema Construtivo 2 Sistema Construtivo Sistema Construtivo 3 Sistema Construtivo Comunidade da Construção DIRETRIZES

Leia mais

Sistema SOFTLINE Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70. Sistemas de ventanas de PVC

Sistema SOFTLINE Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70. Sistemas de ventanas de PVC Sistema SOFTLINE Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70 Sistemas de ventanas de PVC SL/DJ-70 Secção Lateral Sistema de perfis de desenho suave e arestas arredondadas para janelas e portas de sacada de batente ou oscilobatentes

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 09- Parte 8 - Desempenho Acústico de - Soluções Construtivas e Problemas típicos na Execução Reabilitação 09- Conteúdo da apresentação: Problemas típicos de soluções construtivas correntes

Leia mais

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE Casa Solar Acessível Caribenha ESCOLHA DA CASA PAÍS LATINO CLIMA TROPICAL CASA PERMEÁVEL POSSIVEL ALCANCE DE INTERESSE SOCIAL CASH HOME Slogan: Ser verde e acessível.

Leia mais

soluções do futuro para o seu presente

soluções do futuro para o seu presente soluções do futuro para o seu presente PORTFÓLIO conheça a solução com excelência para seu lar EMPRESA A JR ALUMINIUM é uma empresa especializada na criação, fabricação e instalação de Esquadrias de Alumínio

Leia mais

TÍTULO: ILUMINAÇÃO IDEAL DE UMA SALA DE AULA NO PERÍODO NOTURNO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: ILUMINAÇÃO IDEAL DE UMA SALA DE AULA NO PERÍODO NOTURNO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS TÍTULO: ILUMINAÇÃO IDEAL DE UMA SALA DE AULA NO PERÍODO NOTURNO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CURITIBA AUTOR(ES): PRISCILA

Leia mais

ADICIONANDO SUSTENTABILIDADE AO PROJETO ARQUITETONICO ECOLATINA- 19 DE OUTUBRO DE 2007

ADICIONANDO SUSTENTABILIDADE AO PROJETO ARQUITETONICO ECOLATINA- 19 DE OUTUBRO DE 2007 ADICIONANDO SUSTENTABILIDADE AO PROJETO ARQUITETONICO ECOLATINA- 19 DE OUTUBRO DE 2007 CURRICULUM Paulo Lisboa, arquiteto, formado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Mackenzie em 1981, com pós-graduação

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO DE UM AMBIENTE CORPORATIVO NATURALMENTE VENTILADO EM FLORIANÓPOLIS, SC

DESEMPENHO TÉRMICO DE UM AMBIENTE CORPORATIVO NATURALMENTE VENTILADO EM FLORIANÓPOLIS, SC DESEMPENHO TÉRMICO DE UM AMBIENTE CORPORATIVO NATURALMENTE VENTILADO EM FLORIANÓPOLIS, SC JEFFE, Ana Paula Magalhães (1); Westphal, Fernando Simon (2) (1) Universidade Federal de Santa Catarina, e-mail:

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura Introdução Movimentos da terra Diagramas solares Análises de proteções

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

COMPLEMENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO NOVO PAVILHÃO DO PEA - CAD. 590

COMPLEMENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO NOVO PAVILHÃO DO PEA - CAD. 590 COMPLEMENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO NOVO PAVILHÃO DO PEA - CAD. 590 QUESITOS PROPOSTOS PELA PROMOTORIA: 1) O que é Tbu Tbs TG UR e var fl. 6 Tbu temperatura de bulbo úmido Tbs temperatura de bulbo seco TG

Leia mais

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TODA DIFUSORES PARA LUMINÁRIAS O conjunto de difusão de ar completamente embutido, contribui para um visual leve e sem distorções. Sua flexibilidade própria,

Leia mais

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos Porto Alegre, 18 de junho de 2012. A Assembleia Legislativa do RS Porto Alegre, RS REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 Relatório técnico nº 00412 Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 SINDUSCON- Grande Florianópolis End.: Avenida Rio Branco,1051- Centro, Florianópolis, SC Contato:

Leia mais

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA Arq. Mario Fundaro Seminário internacional arquitetura sustentável São Paulo 2014 A CASA SUSTENTÁVEL Conceitos

Leia mais

Conforto Acústico em Escritórios Corporativos

Conforto Acústico em Escritórios Corporativos Primeiro Slide deverá: - Alinhar todo a direita - Se houver Logotipo alinhado a esquerda Conforto Acústico em Escritórios Corporativos Eng. Davi Akkerman Qualidade acústica = produzir mais e melhor Motivação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO NA AVENIDA COLOMBO EM MARINGÁ-PR.

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO NA AVENIDA COLOMBO EM MARINGÁ-PR. AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO NA AVENIDA COLOMBO EM MARINGÁ-PR. Laurence Damasceno de Oliveira 1, Camila Fernanda Giannini 2, Paulo José Moraes Monteiro

Leia mais

Desempenho Ambiental no Projeto de Arquitetura

Desempenho Ambiental no Projeto de Arquitetura Desempenho Ambiental no Projeto de Arquitetura SABESP 7ª Audiência de Sustentabilidade Construções Sustentáveis Profa. ROBERTA CONSENTINO KRONKA MÜLFARTH rkronka@usp.br LABAUT - Laboratório de Conforto

Leia mais

Avaliação do ambiente sonoro de espaços de informática educativa

Avaliação do ambiente sonoro de espaços de informática educativa Buenos Aires, 5, 6 y 7 de noviembre de 2008 Avaliação do ambiente sonoro de espaços de informática educativa Maria Fernanda de Oliveira Nunes (a), Bianca Polidoro de Oliveira Franco (b), Monika Maria Stumpp

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ BINS, Fernando Henrique²; TEIXEIRA, Laís³; TEIXEIRA, Marília 4 ; RIBEIRO, Mariana 5 1 Trabalho de pesquisa_unifra ² Acadêmico

Leia mais

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica NBR 15575:2013 Desempenho de edificações habitacionais Professora Dra. Maria

Leia mais

MOTORIZAÇÃO DE CORTINAS E PERSIANAS

MOTORIZAÇÃO DE CORTINAS E PERSIANAS MOTORIZAÇÃO DE CORTINAS E PERSIANAS INTRODUÇÃO Este catálogo oferece informações detalhadas sobre as soluções Somfy para automatização de cortinas e persianas em interiores. Estas soluções atendem às diversas

Leia mais

FlowGrid para Ventiladores Axiais e Centrífugos

FlowGrid para Ventiladores Axiais e Centrífugos FlowGrid para Ventiladores Axiais e Centrífugos Menos ruído - mais qualidade de vida A Escolha do Engenheiros Inovando para as pessoas. O FlowGrid foi desenvolvido para proteção eficiente contra o ruído

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

Iluminação de Escritórios

Iluminação de Escritórios a u l a r á p i d a Fotos: Capturas de apresentação da empresa Zumptobel Staff Pela revisão da norma EM 12.464, a iluminação será mais individualizada por tipo de tarefa desenvolvida. Iluminação de Escritórios

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves

O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves O conforto térmico como um processo de adaptação ambiental: repensando os padrões da habitação em São Paulo Joana Carla Soares Gonçalves O conceito mais atual de conforto térmico é aquele que relaciona

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

Prateleira de luz e brise: avaliação de desempenho para a cidade de São Paulo.

Prateleira de luz e brise: avaliação de desempenho para a cidade de São Paulo. Prateleira de luz e brise: avaliação de desempenho para a cidade de São Paulo. Erika Ciconelli De Figueiredo (1) e Maria Augusta Justi Pisani (2) (1)Mestranda da Universidade Presbiteriana Mackenzie, da

Leia mais

Qualidade ambiental em Shoppings Centers: uma análise dos Níveis de Pressão Sonora - NPS

Qualidade ambiental em Shoppings Centers: uma análise dos Níveis de Pressão Sonora - NPS Qualidade ambiental em Shoppings Centers: uma análise dos Níveis de Pressão Sonora - NPS Ademir Batista CASTORINO 1 ; Eguimar Felício CHAVEIRO 2 ; Juliana Ramalho BARROS 3 1 Instituto de Estudos Sócio

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º semestre EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º semestre EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: INFRAESTRUTURA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES FORMA/GRAU:( )integrado ( X ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

PROTEÇÃO SOLAR EM EDIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA BONIFICAÇÃO NO RTQ-R

PROTEÇÃO SOLAR EM EDIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA BONIFICAÇÃO NO RTQ-R PROTEÇÃO SOLAR EM EDIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA BONIFICAÇÃO NO RTQ-R Roberta Vieira Gonçalves de Souza 1 Ana Carolina de Oliveira Veloso 2 Thalita Reis de Mattos 3 1 Departamento de Tecnologia

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE PROTETORES SOLARES NA ILUMINAÇÃO NATURAL NO EDIFÍCIO SEDE DA COMPESA

A INFLUÊNCIA DE PROTETORES SOLARES NA ILUMINAÇÃO NATURAL NO EDIFÍCIO SEDE DA COMPESA A INFLUÊNCIA DE PROTETORES SOLARES NA ILUMINAÇÃO NATURAL NO EDIFÍCIO SEDE DA COMPESA Kamila Mendonça de Lima (1); Fábio Henrique Sales Nogueira (2); Isabela Cristina da Silva Passos (3); Silas da Silva

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

Experimento de medição da intensidade sonora em campo ON/OFF para ligar ou desligar o aparelho. DECIBELÍMETRO Microfone Escala: 35 a 130 db em 3 faixas Precisão: ± 5 db Resolução: 0.1 db C/A Seleciona

Leia mais

BRISA20 C a t á l o g o Té c n i c o 2 Conceito: Linha BRISA 20 BRISA20 As esquadrias de Alumínio são muito mais do que apenas uma designação genérica para portas e janelas, são verdadeiras molduras por

Leia mais

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO.

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. Flávia Previatto Baldini; Anderson Mendes de Oliveira; José Leonel Alves dos Santos. Sika Química Ltda. Rodovia Marechal Rondon,

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSORES Roberto Lamberts Deivis Luis Marinoski Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura introdução Tecnologias disponíveis

Leia mais

Gestão ambiental e poluição sonora

Gestão ambiental e poluição sonora Gestão ambiental e poluição sonora João Candido Fernandes (UNESP) jcandido@feb.unesp.br Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar os principais problemas causados pela poluição sonora, a forma

Leia mais

Projeto Racional de Fachadas

Projeto Racional de Fachadas Secretaria de Estado do Meio Ambiente Governo do estado de São Paulo Projeto Racional de Fachadas Projeto Racional de Fachadas Projeto de Desempenho: Conforto Ambiental de Edificações Desenvolvimento Racional

Leia mais

Instaladores de Janelas Eficientes

Instaladores de Janelas Eficientes Instaladores de Janelas Eficientes LNEG, 8 julho BUILD UP Skills FORESEE IEE/13/BWI 702/SI2.680177 BUILD UP Skills FORESEE September 2014 to February 2017 Carga horária 25 horas A. Teoria: Objetivos 1.

Leia mais