A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM DIADEMA ATRAVÉS DOS ARQUIVOS ESCOLARES: O CASO DA E.E JOÃO RAMALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM DIADEMA ATRAVÉS DOS ARQUIVOS ESCOLARES: O CASO DA E.E JOÃO RAMALHO"

Transcrição

1 A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM DIADEMA ATRAVÉS DOS ARQUIVOS ESCOLARES: O CASO DA E.E JOÃO RAMALHO Reginaldo Alberto Meloni UNIFESP - Giseli de Oliveira Cardoso UNIFESP - Mara Regina Prata Walério UNIFESP - Palavras-Chave Diadema, Arquivos Escolares, Ensino de Ciências Naturais Introdução Este trabalho é o resultado parcial de um projeto que está sendo desenvolvido pelo grupo de pesquisa em História da Educação da UNIFESP/Campus Diadema que tem como meta verificar as concepções e a prática do ensino de Ciências Naturais e Química na educação básica entre os anos 1945 e Parte dessa investigação foi realizada tendo como objeto de estudo a instituição de educação básica chamada Escola Estadual João Ramalho, na cidade de Diadema. Esse texto apresentará o trabalho realizado nessa escola até o momento. Objetivos O Objetivo deste trabalho foi verificar a prática de ensino de Ciências Naturais e Química desenvolvida na EE João Ramalho no período compreendido entre os anos 1949 e O recorte temporal inicia-se com a fundação da escola e termina com a criação nesse estabelecimento de ensino do curso de 2º grau. A hipótese a ser testada é que a apropriação do conhecimento ocorre de forma específica em função do local e do tempo de acordo com os usos que são feitos (CERTEAU, 2003) das ideias e das propostas para a educação. Foi com essa perspectiva que foi escolhido como objeto de estudo o município de Diadema do período entre os anos sessenta e oitenta do século passado e, particularmente, a EE João Ramalho. Por que foi escolhido o município de Diadema?

2 Ao longo dos caminhos que os primeiros jesuítas trilharam para subir a Serra do Mar vindos da Vila de São Vicente a caminho de fundarem a Vila de São Paulo de Piratininga, foram fundados muitos pequenos povoados, dos quais boa parte desapareceu. Diadema sobreviveu e muito bem. As avenidas Antônio Piranga e Piraporinha, próximas ao centro da cidade, por exemplo, são remanescentes das trilhas que os primeiros e poucos moradores fizeram, ao se fixar na região, vindos de São Paulo através de uma via de ligação que existiu entre a então Freguesia de São Bernardo e a Vila de Santo Amaro. Até o final dos anos 1950, a região era composta por vilas, povoados e bairros pertencentes à cidade de São Bernardo do Campo. O processo de emancipação levou anos, mas em primeiro de janeiro de 1960, Diadema tornou-se o mais novo município da Grande São Paulo. O desenvolvimento do novo município ganhou força com a instalação de grandes indústrias multinacionais ao longo da Via Anchieta e a instalação de pequenas e médias empresas nacionais fornecedoras das grandes montadoras. Diadema viveu um crescimento vertiginoso em suas duas primeiras décadas de existência. A cidade tinha 12 mil habitantes em 1960, 79 mil em 1970 e 228 mil em No início, a maior parte de sua população era formada por famílias de trabalhadores migrantes pouco qualificados que vieram em busca dos empregos oferecidos pelas indústrias da região e fixaram-se na cidade por encontrarem nela terrenos baratos e acessíveis, porém desprovidos de qualquer infraestrutura urbana. Até a década de cinquenta, as poucas salas de aula que havia estavam dispersas e mal equipadas, embora quase sempre dirigidas por professoras bem intencionadas como, por exemplo, a escola de Vila Conceição que será tratada mais a frente. Além das metalúrgicas, as indústrias químicas também tiveram um grande desenvolvimento na região. Ao todo, o número de vagas nas empresas aumentou de 628 em 1959 para em 1969 (Diadema Jornal). No entanto, a maior parte dessas vagas não era ocupada pelos trabalhadores residentes na região devido à baixa instrução e, consequentemente, era necessário que trabalhadores qualificados viessem de outras regiões do país e até do exterior. É nesse contexto de demanda por trabalhadores com conhecimentos básicos e técnicos, que se torna propício investigar o desenvolvimento da educação em Ciências Naturais e Química nesse município. O desenvolvimento da educação em Diadema Desde o inicio havia muitos problemas na organização da educação de Diadema, pois a demanda era muito grande, os prédios existentes não comportavam o grande número de

3 alunos, e o número de escolas estava muito aquém da necessidade, o que exigia alguns rearranjos para suprir a demanda. Um exemplo clássico é o prédio da Antonio Piranga que foi utilizado por várias instituições diferentes: o primeiro grupo escolar, o primeiro ginásio estadual, o primeiro colégio estadual, a primeira escola Estadual de primeiro e segundo graus e, atualmente, uma escola municipal. Nessa época, o governo estadual propôs aos municípios uma parceria para a construção de novas escolas, mas a prefeitura de Diadema não aceitou essa parceria alegando considerar o município cidade dormitório. Além da carência de espaços, a maioria das escolas era de madeira e flutuava nas enchentes nos períodos de chuva. Ainda em 1972 havia mais de crianças fora das escolas e os que conseguiam fazer suas matrículas estudavam em prédios que de modo geral ofereciam sérios riscos (Diadema Jornal, 1972). Um exemplo dessa situação caótica é o prédio onde funcionava o Grupo Escolar João Ramalho onde muitas vezes era impossível ministrar aulas em virtude das enchentes. Para aumentar o número de vagas muitas escolas ofereciam apenas duas horas de aulas, mas isso ainda era insuficiente e o legislativo municipal sugeriu diminuir os períodos para apenas uma hora de aula (Diadema Jornal, 1972). Em 1975 Diadema possuía dois estabelecimentos de ensino de 2 grau totalizando 519 alunos distribuídos da seguinte forma: 45 na 1ª série no Ginásio Estadual do bairro de Piraporinha e 474 na EE Senador Filinto Muller sendo 211 na 1ª série, 146 na 2ª série e 117 na 3ª série. No primeiro grau estavam matriculados alunos em 22 escolas. Nessa época na EEPG João Ramalho estudavam alunos divididos em quatro períodos (67 classes), sendo duas especiais com 28 alunos (Diadema Jornal, 1975). EE João Ramalho: apontamentos sobre sua história A EE João Ramalho, assim como Diadema, também é uma sobrevivente, pois a maioria das escolas que foram criadas na mesma época foi fechada quando suas professoras não puderam mais ministrar as aulas. O primeiro indício da existência da escola data de 1922 e se resume a uma sala na Rua Maria Eugenia s/n, com o nome de Escola da Vila Conceição (anexo 1) (ESQUÍVEL, 1988) Por volta de 1928 essa escola foi transferida para Rua Antônio Piranga, s/n, vestiário do campo de futebol do clube Vila Conceição (anexo 2), onde funcionavam duas salas mistas multi seriadas. Nessa época a escolinha conseguiu sua primeira ampliação. Dona. Silvia diretora da escola pediu ao empresário da ELNI, Sr. Evaristo Gomes Fernandes, que lhe

4 doasse mais duas salas porque ela não estava mais conseguindo atender a demanda de crianças e o empresário pediu a ela que fizesse um esboço do que ela necessitava (ESQUIVEL, 1988). Conta-se que Dona Élida, esposa do empresário, não aceitou que construíssem apenas quatro salas de aulas e propôs uma planta que foi plenamente aceita pelo empresário, na qual era previsto um prédio com dois andares contendo seis salas em cada um deles. Pensando estar tudo acertado a diretora foi até a secretaria de educação pedir a liberação para construção, o que não foi possível, pois o terreno não era de propriedade da prefeitura. Somente após descobrir o proprietário do terreno, o Sr. Artur de Sampaio Moreira da usina Vigor e conseguir deste a doação, foi possível a construção do prédio. Durante os oito meses em que se deu à construção da nova escola as aulas foram ministradas em salas cedidas pela população local e a nova escola foi inaugurada em 1950, como Grupo Escolar João Ramalho (anexo 3) (Decreto N de 10 de janeiro de 1951) ou como era chamado Grupo Estadual (ESQUÍVEL, 1988). Em 1954, quando Diadema foi elevado a distrito, trezentos estudantes do Grupo Estadual participaram das festividades (Folha do Povo, 1954). É curioso observar que a Diretoria de Ensino da Região de Diadema informa que o decreto de criação da escola é o de N de 14 de janeiro de No entanto, o referido decreto é de 26 de novembro de 1947 e trata da aprovação da consolidação das leis sobre educação determinada pelo então governador do Estado Adhemar de Barros, em maio desse mesmo ano e não da criação da escola de Diadema. Ou seja, ainda há contradições em algumas informações básicas sobre a história dessa escola. Em 1961 foi publicado o decreto de criação do Ginásio Estadual de Diadema (Lei N , de 28 de setembro de 1961). Em 1962 começou a funcionar a parte administrativa (anexo 4), mas as aulas só se iniciaram em 1963 e como o Ginásio não possuía prédio próprio, aconteciam no período noturno em salas cedidas pelo Grupo Estadual (Diadema Jornal, 1963). Em 1962 foi aprovada a desapropriação de um imóvel no centro da cidade para a construção do Grupo Escolar (Decreto N , de 5 de fevereiro de 1962), mas somente em 1968 foi inaugurado oficialmente o novo espaço cujo endereço atual é Rua Manoel da Nóbrega. Em 1970 foram criadas salas de aula para alunos do Ginásio Estadual no prédio onde funcionava o Grupo Escolar João Ramalho para facilitar o acesso das crianças à escola. Em

5 maio de 1971 os alunos do curso Ginasial participaram da XI Feira de Ciências da cidade de São Paulo (Diadema Jornal, 1971). Em 1973 o Grupo Escolar foi unificado com o Ginásio Estadual e a escola passou a ser denominada Unidade Integrada de Ensino João Ramalho 2. Dois anos depois (1975) o Grupo Escolar e o Ginásio Estadual fora integrados e a escola passou a chamar-se Escola Estadual de Primeiro Grau João Ramalho (Decreto N de 19 de fevereiro de 1975) e, finalmente, em 1979, para Escola Estadual de Primeiro e Segundo Graus João Ramalho. Assim, as principais informações sobre a trajetória dessa instituição são as seguintes: Ano Informações 1922 Escola da Vila Conceição localizada na Rua Maria Eugenia s/n A escola passou a ter duas salas de aula e foi transferida para o vestiário do campo de futebol do clube Vila Conceição, localizado na Rua Antonio Piranga, s/n Inauguração do Grupo Escolar João Ramalho. O novo prédio foi construído em um terreno doado pelo Sr. Artur de Sampaio Moreira da usina Vigor à Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. As obras foram custeadas pelo Sr. Evaristo Gomes Fernandes, a pedido da primeira diretora do grupo escolar, Dona Sylvia Ramos Esquivel Decreto de criação do Ginásio Estadual de Diadema (Lei N , de 28 de setembro de 1961) Imóvel cedido para construção do prédio do Grupo Escolar João Ramalho no centro de Diadema. Início das atividades do Ginásio Estadual de Diadema Inauguração do prédio do Grupo Escolar na Rua Manoel da Nóbrega, onde funciona atualmente a EE João Ramalho Criação das salas de aula para alunos do Ginásio Estadual no prédio onde funcionava o Grupo Escolar João Ramalho O Grupo Escolar foi unificado com o Ginásio Estadual e a escola passou a ser denominada Unidade Integrada de Ensino João Ramalho 1975 A escola passou a chamar-se Escola Estadual de Primeiro Grau João Ramalho 1979 A partir desse ano a escola passou a denominar-se Escola Estadual de Primeiro e Segundo graus João

6 Ramalho Em resumo, por ser uma das mais tradicionais instituições de ensino do município de Diadema, a EE João Ramalho é um ótimo ponto de partida para se entender o percurso da educação em Ciências Naturais nesta região do Estado de São Paulo. A elaboração e o desenvolvimento desse projeto de História da Educação O projeto começou a ser organizado no inicio de 2011, pelo grupo de pesquisa em História da Educação organizado com alunos do curso de Licenciatura Plena em Ciências da Universidade Federal de São Paulo/Campus Diadema. O primeiro passo foi estabelecer o contato com a instituição de ensino, visando apresentar o projeto para direção da escola, bem como verificar as possibilidades para o desenvolvimento do trabalho, ou seja, se havia material para a realização da pesquisa e se a escola apoiaria o projeto. O segundo passo foi apresentar o projeto também aos professores para a discussão e aprovação pela comunidade escolar. A apresentação foi feita por todo o grupo de pesquisa 3 durante as reuniões de ATPC, uma no período da tarde e outra no período da noite. Durante a apresentação os professores demonstraram interesse pelo projeto ressaltando que tal iniciativa nunca havia ocorrido na escola e que resgatar a memória da escola seria de extrema importância para os alunos, funcionários e professores já que geraria uma identificação entre a escola e a comunidade. Durante as reuniões alguns professores colaboraram com as suas memórias, informando inclusive que no ano de 2012 a escola comemoraria 50 anos e que o projeto colaboraria para as comemorações. É importante ressaltar que esses 50 anos referem-se ao inicio das atividades do Ginásio Estadual de Diadema e ao decreto de desapropriação do atual terreno da escola para a construção da mesma, dados esses obtidos durante a pesquisa, pois muitos desconheciam a história da escola anterior a esse período. Como esses contatos foram feitos no final do 1º semestre, os trabalhos foram iniciados no semestre seguinte. Metodologia O trabalho iniciou-se com o levantamento do material existente na escola. Foi verificado que havia um conjunto pequeno de materiais para o ensino das Ciências Naturais

7 em uma sala isolada sem uso e, no subsolo, um conjunto de documentos antigos armazenados em dois armários e um arquivo. O grupo decidiu que o mais urgente era a organização dessa documentação, pois só a partir dela poderíamos pesquisar os outros materiais encontrados e aprofundar a investigação sobre o ensino de ciências que era o principal objetivo. O primeiro passo foi estudar as técnicas de manuseio desse material e desenvolver uma metodologia de trabalho. Esse processo foi feito a partir do estudo do Manual de Trabalho em Arquivos Escolares do Centro de Referência Mario Covas e dos textos desenvolvidos pelo grupo Civilis da Faculdade de Educação da Universidade de Campinas (MENEZES, 2009 e MENEZES, 2011) que vem desenvolvendo trabalho semelhante nas escolas mais antigas dessa cidade. Após essa etapa, no segundo semestre de 2011, iniciou-se o trabalho com os documentos. No primeiro contato foi verificado que em sua maioria tratava-se de cadernos e livros com conteúdos pedagógicos e administrativos. Todos os documentos estavam encapados e acondicionados em dois armários e um arquivo. No geral a documentação apresentava bom estado de conservação. Alguns estavam com a lombada deteriorada. Organização do arquivo Para identificar e catalogar os documentos, foi utilizado como modelo a ficha desenvolvida pelo grupo Civilis (MENEZES, 2011, pp. 107 a 112). O conjunto de documentos foi chamado de Fundo Escolar João Ramalho. No item Grupo foram colocadas as diferentes denominações da escola. Em Sub Grupo, foi descrita a característica do documento, ou seja, se o mesmo era administrativo ou pedagógico. Em Titulo foi colocado o titulo que era encontrado no documento. A Data se refere à data em que o documento foi iniciado e encerrado. Em Nível todos os documentos encontrados nessa fase da pesquisa são classificados como item documental. Em Dimensão além de serem preenchidas as medidas do documento foi especificado também o número de páginas de cada documento bem como quantas páginas foram utilizadas e em Estado de conservação as condições de conservação do documento, especificando as avarias encontradas. Em Conteúdo foi descrito o conteúdo do documento e em Nota qualquer outra informação adicional, bem como os anexos e os adendos.

8 A catalogação foi realizada em duplas da seguinte forma: um lia e analisava os documentos e o outro fazia as anotações. Durante esse processo muitas informações sobre a escola foram encontradas. Os documentos já catalogados eram separados por grupo e por data e, no final da catalogação do acervo, foram acondicionados em caixas de arquivo morto. Uma das principais dificuldades encontradas durante esse período foi em relação a organização, pois os documentos estavam no subsolo da secretaria da escola onde também estavam os documentos em uso, e por varias vezes tiveram que ser organizados novamente pois após serem catalogados, foram encontrados desorganizados. Analise dos documentos encontrados Foram catalogados 256 documentos que se referem ao período de 1949 a 1990 e estão divididos conforme tabela abaixo: Fundo Escolar João Ramalho Documentos Administrativos Documentos Pedagógicos Escola da Vila Conceição 01 0 Grupo Escolar João Ramalho Ginásio Estadual de Diadema Unidade Integrada de Ensino João Ramalho Escola Estadual de Primeiro Grau João Ramalho Escola Estadual de Primeiro e Segundo Graus João Ramalho Dos documentos catalogados 82% são documentos com conteúdos administrativos, que se dividem entre Livros de ponto, Memorandos, Livros de matriculas, Despesas médicas, Livros de correspondências, Livros de atas, Inventário de materiais existentes, entre outros. Apenas 18% são de conteúdos pedagógicos divididos entre Atas de exames, Registro de resultados finais, Registros de notas, Atas de conselhos de série e classe e Atas de reuniões pedagógicas. O único documento encontrado da Escola da Vila Conceição é um Livro de registro de correspondências, que abrange o período de 1949 a Tal como acontece em boa parte dos acervos escolares, a maioria dos documentos encontrados é do tipo administrativo. Além desses, há nove documentos nos quais o Grupo não foi identificado e por isso ainda não foram incluídos na análise.

9 A análise preliminar dos documentos encontrados contribuiu para a sistematização da história da escola. Com o objetivo de resgatar a memória escolar, o grupo foi convidado a expor esta história, em um evento, Revivendo Décadas, provido pela instituição de ensino, que contou com o envolvimento dos alunos e docentes. Foi encontrado neste acervo indícios que comprovam um movimento para construção de um laboratório e compra de equipamentos como, por exemplo, uma nota de compra de microscópios. Em conversa informal com ex-alunos constatou-se que houve um espaço onde eram feitos experimentos de ciências naturais. Catalogo Digital Assim que se começa a trabalhar com qualquer tipo de acervo surge à necessidade de organizar esses materiais de forma sistemática e isso não foi diferente para o caso dos documentos encontrados na EE João Ramalho. Além do catálogo com suporte em papel, o grupo decidiu organizar também um catálogo digital. A iniciativa de se organizar um catálogo digital se justificava por vários motivos, dentre eles, a facilidade em se analisar o acervo. O catalogo digital torna a consulta mais cômoda e o trabalho mais rápido e eficaz. Mas essa não foi a única motivação. Desde o inicio houve a preocupação em como a comunidade da EE João Ramalho poderia realmente se apropriar dessa material, ou seja, conhecer o teor e reconhecer sua importância, já que esses documentos revelam sua história como instituição de ensino. Nesse sentido, o catalogo digital facilita o acesso de um número maior de pessoas da comunidade. O primeiro passo foi a escolha de um sistema de gerenciamento de banco de dados (SGBD) e diversos fatores tiveram que ser analisados como acessibilidade, custo, design interativo, opções de consultas e relatórios e uma biblioteca pré-incorporada de modelos de aplicativos de rastreamento, que permitam rastreamentos funcionais sem exigir um profundo conhecimento em banco de dados. Ao final optou-se pelo Microsoft Office Access, que fornece um conjunto de ferramentas, que permite que qualquer pessoa comece rapidamente a rastrear, relatar e compartilhar informações em um ambiente gerenciável. Foi criada então uma tabela para o armazenamento dos dados básicos de cada documento semelhante à tabela criada para catalogar os documentos manualmente e durante a análise dos primeiros documentos foi inserido um campo de observações onde informações relevantes para a pesquisa foram descritas.

10 Todas as informações contidas na ficha manual foram repassadas ao Catalogo Digital o que facilitará futuras pesquisas, bem como o andamento do projeto. Com o catálogo digital é possível fazer uma pesquisa previa do conteúdo do documento sem manusear o mesmo garantindo a sua preservação e organização. Considerações finais Desde os primeiros passos, verificou-se que somente seria possível fazer uma aproximação da escola em tempos passados se o acervo documental e de materiais pedagógicos fosse recuperado. Com isso, o grupo de pesquisa decidiu em paralelo ao estudo das características socioculturais do município e do levantamento da legislação educacional do período, identificar e catalogar os documentos do período em estudo. Esse trabalho vem recuperando uma fonte de pesquisa inestimável para a compreensão da educação na região do ABCD paulista e, especialmente, para preservação de uma das mais tradicionais instituições de ensino daquele município. Nesse momento o projeto já cumpriu com o primeiro objetivo, que consistia em terminar a organização dos documentos e disponibilizar a documentação e o Catálogo Digital para a escola e toda a comunidade. Após essa fase, a prioridade será a de traçar o desenvolvimento do ensino das Ciências Naturais e Química na região, no período de 1960 a 1980 a partir do acervo da escola, da legislação da época e dos materiais didáticos encontrados na EE João Ramalho. Finalmente, o grupo de pesquisa tem como objetivo identificar os professores de Ciências Naturais e Química e os alunos do período em estudo, a partir dos documentos encontrados e desenvolver um trabalho de história oral sobre a educação em ciências nessa região. Notas 1 Esse projeto recebe o apoio da FAPESP 2 Os dados relativos aos anos setenta foram obtidos no Arquivo da EE João Ramalho 3 Nesse momento o grupo de pesquisa contava com os alunos Danilo Aparecido Marcelino e Larissa Pereira Inácio, além dos autores desse artigo. Bibliografia

11 CERTEAU, M. de, A Invenção do Cotidiano, Petrópolis: Vozes, 2003; LOPES, A. C., A Disciplina Química: currículo, epistemologia e história, in LOPES, Alice Casimiro, Currículo e Epistemologia, Ijuí: Unijuí, 2007; Manual de Trabalho em Arquivos Escolares do Centro de Referência Mario Covas; MENEZES, M.C. (coord.) et al. Inventário Histórico Documental. Escola Normal de Campinas ( ). De Escola Complementar a Instituto de Educação. Campinas: FE/UNICAMP, 2009; MENEZES, M.C., Descrever os documentos construir o inventário preservar a cultura material escolar. Revista Brasileira de História da Educação, SBHE, Campinas-SP: Editora Autores Associados,V.11, n.1 (25), pp , 2011; RAMOS ESQUIVEL, Sylvia, Diadema : sua história, São Paulo: João Scortelli Editora, 1988; SANTOS, Wanderley dos, História do Município de Diadema, in memorian (1951/1996); Folha do Povo, 1922 a Centro de memória de São Bernardo do Campo; A Vanguarda, 1958 a Centro de memória de São Bernardo do Campo; Diadema Jornal, 1960 a 1967 e 1971 a Centro de Memória de Diadema; Diário do Grande ABC (artigos de Ademir Médici); Diadema Jornal, 1968 a Câmara Municipal de Diadema; Entrevista com o Memorialista Walter Carreiro; Referências na web São Paulo. Decreto N de 10 de janeiro de Dá denominação a Grupo Escolar. Disponível em <(http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/1951/decreto%20n ,%20de% htm)>. Acesso em: 15/10/2012; São Paulo. LEI N , de 28 de setembro de Dispõe sobre a criação de um ginásio estadual no Município de Diadema.Disponível em <(http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/1961/lei%20n.6.342,%20de% htm)>. Acesso em 15/10/2012;.

12 São Paulo. Decreto N , de 5 de fevereiro de Dispõe sobre a desapropriação de imóvel situado no distrito e município de Diadema, comarca de São Bernardo do Campo, necessário à construção do Grupo Escolar do Centro. Disponível em <(http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/1962/decreto%20n ,%20de% htm)>. Acesso em 15/10/2012. São Paulo. Decreto N , de 19 DE fevereiro de Dispõe sobre integração e denominação de unidades escolares. Disponível em <(http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/1975/decreto%20n.5.637,%20de% htm)>. Acesso em 05/02/2013. Anexo 1. Escola da Vila Nova Conceição Anexo 2. Ao fundo o vestiário onde funcionavam as salas de aula.

13 Anexo 3. Foto do novo prédio do Grupo Escolar João Ramalho Anexo 4. Foto do local onde funcionava a parte administrativa do Ginásio Estadual de Diadema e do Grupo Escolar João Ramalho.

RELATÓRIO DO ESTÁGIO NO NÚCLEO DE PESQUISA EM HISTÓRIA

RELATÓRIO DO ESTÁGIO NO NÚCLEO DE PESQUISA EM HISTÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA ESTÁGIO PRELIMINAR NÚCLEO DE PESQUISA EM HISTÓRIA ALEXANDRA CODA HELENA CANCELA CATTANI RAFAEL

Leia mais

TRAJETÓRIA EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE TROMBUDO CENTRAL: educação, sociedade e memórias. Cleverton Hoffmann 1 ; Solange Aparecida Zotti 2

TRAJETÓRIA EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE TROMBUDO CENTRAL: educação, sociedade e memórias. Cleverton Hoffmann 1 ; Solange Aparecida Zotti 2 TRAJETÓRIA EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE TROMBUDO CENTRAL: educação, sociedade e memórias Cleverton Hoffmann 1 ; Solange Aparecida Zotti 2 INTRODUÇÃO A pesquisa em história da educação ganha mais força a

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO (1958-1971) Inês Velter Marques Mestranda em Educação /Linha História, Memória e Sociedade/Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)/Programa

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 79 Memória Institucional - Documentação 17 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

1/5. Parecer CME/THE Nº017/2007

1/5. Parecer CME/THE Nº017/2007 PARECER CME/THE Nº. 017/2007 CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA Rua Lizandro Nogueira, 1536 - Centro. Telefone: (0xx86)3215-7639 CEP.: 64.000-200 - Teresina - Piauí E-Mail: semec.cme@teresina.pi.gov.br

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

Profissionais Qualificados

Profissionais Qualificados Profissionais Qualificados Em 1910 foram criadas as primeiras escolas profissionais públicas na cidade de São Paulo, como parte de um projeto de constituir um mercado de mão de obra qualificada. Essas

Leia mais

Boletim Informativo da Coordenação do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Binacional - UNIFAP

Boletim Informativo da Coordenação do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Binacional - UNIFAP Boletim Informativo da Coordenação do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Binacional - UNIFAP COGEO/CAMBINACIONAL/UNIFAP A Coordenação do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Binacional

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Escola Estadual Helen Keller

Escola Estadual Helen Keller Anexo 2 Pré projeto de pesquisa - Biológicas Tema 1: Perfil da Escola Estadual Helen Keller Título: Contextualizando o Universo Escolar e Institucional Justificativa O Programa Institucional de Bolsa de

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Código: 031 Município: Marília Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Auxiliar Técnico de Nível Médio em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA IV REGIÃO (SP) COMISSÃO DE ENSINO TÉCNICO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE PARA CURSOS TÉCNICOS DA ÁREA QUÍMICA CRITÉRIOS PARA A RECERTIFICAÇÃO VERSÃO 1 - NOVEMBRO DE 2010 WWW.CRQ4.ORG.BR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/03/2006. Portaria MEC nº 772, publicada no Diário Oficial da União de 24/03/2006. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo

Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo Cursos superiores e cursos livres de dança: relações e influências - um estudo de caso no estado de São Paulo Márcia Strazzacappa Laborarte/Unicamp Artista da dança, professora e pesquisadora Resumo: O

Leia mais

Pedagogia LICENCIATURA

Pedagogia LICENCIATURA CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Portaria de Reconhecimento nº. 286 de 21 de dezembro de 2012 ROTEIRO DE ORGANIZAÇÃO DO CADERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I EDUCAÇÃO INFANTIL Pedagogia LICENCIATURA CURSO

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO 1 Processo CME 05/2015 Interessada: Secretaria Municipal de Educação Assunto: Projeto de Lei nº 18/2015- Construção de Unidade Escolar no Portal São Francisco Relatores: Cons.º. José Helio da Silva Cons.º.

Leia mais

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2013 DE ACORDO COM O MODELO DO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES/INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO Cabedelo - PB Página 1 de 9 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA - FESP, PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com

MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com Resumo Historicamente o ensino da Matemática passou por diversas transformações e entre

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES TIERRE OTIZ ANCHIETA 1 MÔNICA HEITLING 2 TAINAN SILVA DO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final

Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final www.aciaanapolis.com.br Nova sede Documento de doação do terreno entra para a fase final De 1º a 07 de Fevereiro de 2014 - Ano 09 - Nº 224 - Diretoria 2013/2015 Diretoria da Associação Comercial e Industrial

Leia mais

446, 23/01/2014, 24/01/2014 PARECER CEE/PE Nº 143/2013-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM

446, 23/01/2014, 24/01/2014 PARECER CEE/PE Nº 143/2013-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM INTERESSADA: UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO - FCAP ASSUNTO: RENOVAÇÃO DO RECONHECIMENTO DO CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional INTERESSADA: Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA EMENTA: Renova o reconhecimento do Curso de Graduação Tecnológica em Marketing, ofertado pela Universidade Estadual Vale do Acaraú, com vigência até

Leia mais

MANUAL DO ALUNO SISTEMA DE AVALIAÇÃO

MANUAL DO ALUNO SISTEMA DE AVALIAÇÃO MANUAL DO ALUNO No presente Manual você encontrará uma síntese de procedimentos pedagógicos adotados pela Instituição e conhecerá as instalações e departamentos de apoio ao aluno. SISTEMA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO Atualmente a FIBRA encontra-se em novas instalações contando com 33 salas de aula climatizadas, com instalações de equipamentos de multimídia, auditório climatizado com

Leia mais

ESCOLA RURAL VALENTIM BERTO Édine Berto 1 Graziela Vitória Donin 2

ESCOLA RURAL VALENTIM BERTO Édine Berto 1 Graziela Vitória Donin 2 ESCOLA RURAL VALENTIM BERTO Édine Berto 1 Graziela Vitória Donin 2 Resumo Nosso artigo trata da Escola Rural Valentim Berto, criada com o Decreto N 13.482 de 25/04/1962 na época pertencente ao município

Leia mais

Encontro de alunos EaD e presencial da UFRRJ. A educação a distancia no Consórcio CEDERJ: Alguns dados

Encontro de alunos EaD e presencial da UFRRJ. A educação a distancia no Consórcio CEDERJ: Alguns dados Encontro de alunos EaD e presencial da UFRRJ A educação a distancia no Consórcio CEDERJ: Alguns dados Masako Oya Masuda Vice-Presidente de Educação a Distância O que é o Consórcio CEDERJ? Consórcio das

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

CARTA COMPROMISSO DA FETEMS AOS CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. Debate com os Candidatos a Governador/Setembro/2014

CARTA COMPROMISSO DA FETEMS AOS CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. Debate com os Candidatos a Governador/Setembro/2014 CARTA COMPROMISSO DA FETEMS AOS CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Debate com os Candidatos a Governador/Setembro/2014 Os sonhos devem ser ditos para começar a se realizarem. E como

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Elaine Aparecida Ramos elaineramos89@gmail.com Taison Luiz de Paula Braghiroli taisonbrag@gmail.com Resumo:

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I- DA EXIGÊNCIA - Resolução CNE/CP 1/ 2002, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura,

Leia mais

Ata de Reunião Análise Crítica do Sistema de Gestão da Qualidade da FDSM

Ata de Reunião Análise Crítica do Sistema de Gestão da Qualidade da FDSM FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS Av. Dr. João Beraldo, 1075 Centro Pouso Alegre MG Fone: (35) 3449-8100 Fax: (35) 3499-8102 Rev.: 00 / / Form.: Aprov.: Pág 1 de 1 Ata de Reunião Crítica do Sistema

Leia mais

PROJETO ACERVO: INFORMAÇÕES HOSPITAIS COLÔNIAS. 1 - Nome da Instituição: Hospital Colônia Itapuã (HCI) 2 - Histórico:

PROJETO ACERVO: INFORMAÇÕES HOSPITAIS COLÔNIAS. 1 - Nome da Instituição: Hospital Colônia Itapuã (HCI) 2 - Histórico: PROJETO ACERVO: INFORMAÇÕES HOSPITAIS COLÔNIAS 1 - Nome da Instituição: Hospital Colônia Itapuã (HCI) 2 - Histórico: Inaugurado em 11 de maio de 1940 no distrito de Itapuã, o Hospital Colônia foi construído

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/04/2005 (*) Portaria/MEC nº 1.112, publicada no Diário Oficial da União de 06/04/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Programa de Bolsa de Iniciação à Gestão - BIG 2014 Repúblicas Unifesp Diadema. Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema

Programa de Bolsa de Iniciação à Gestão - BIG 2014 Repúblicas Unifesp Diadema. Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema REALIZAÇÃO: APOIO: REALIZAÇÃO Adriana Rosa da Silva Rodrigues - Enfermeira do Núcleo de Apoio ao Estudante - NAE. Érika Correia Silva - Psicóloga

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

EDITAL N 03/2014 SELEÇÃO DE BOLSISTAS SUPERVISORES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/CAPES/FAPE

EDITAL N 03/2014 SELEÇÃO DE BOLSISTAS SUPERVISORES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/CAPES/FAPE EDITAL N 03/2014 SELEÇÃO DE BOLSISTAS SUPERVISORES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/CAPES/FAPE A Direção da Faculdade de Presidente Epitácio, conjuntamente com a Coordenação

Leia mais

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola.

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO DE HISTÓRIA/LICENCIATURA MANUAL DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO EM HISTÓRIA Apresentação O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. SUMÁRIO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO INICIAL... 1 CAPÍTULO II DA NATUREZA E FINALIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA... 2 CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS... 2 CAPÍTULO IV DOS REQUISITOS... 3 CAPÍTULO V DO REGULAMENTO...

Leia mais

EDITAL FAHUD n. 001. 2. Objetivos do Projeto

EDITAL FAHUD n. 001. 2. Objetivos do Projeto EDITAL FAHUD n. 001 Abertura de inscrições para o Projeto de Extensão em EAD: Do que as crianças brincam? Brincadeiras tradicionais e culturas: imaginação, territórios e infâncias. A Universidade Metodista

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Código: 031 Município: Marília Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnico de Nível Médio em Segurança do Trabalho Qualificação: Técnico

Leia mais

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Art. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 10/2015 Criar e aprovar o Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Empreendedora

Leia mais

PANORAMA QUILOMBOLA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: TERRA, EDUCAÇÃO E CULTURA.

PANORAMA QUILOMBOLA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: TERRA, EDUCAÇÃO E CULTURA. PANORAMA QUILOMBOLA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: TERRA, EDUCAÇÃO E CULTURA. Alunas: Alessandra Pereira. Camila de Souza Ferreira. Orientador: José Maurício Arruti. Introdução O campo semântico em torno

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

O PIBID E AS PRÁTICAS EDUCACIONAIS: UMA PERSPECTIVA PARA A FORMAÇÃO INICIAL DA DOCÊNCIA EM GEOGRAFIA

O PIBID E AS PRÁTICAS EDUCACIONAIS: UMA PERSPECTIVA PARA A FORMAÇÃO INICIAL DA DOCÊNCIA EM GEOGRAFIA O PIBID E AS PRÁTICAS EDUCACIONAIS: UMA PERSPECTIVA PARA A FORMAÇÃO INICIAL DA DOCÊNCIA EM GEOGRAFIA Larissa Alves de Oliveira 1 Eixos Temáticos 4. Educação Superior e Práticas educacionais Resumo O Programa

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Página 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes básicas pertinentes ao tratamento e manutenção de acervos arquivísticos ou bibliográficos, sejam administrativos, técnicos ou especializados nas instalações

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

Centro de Memória Escolar: A importância da história da educação

Centro de Memória Escolar: A importância da história da educação 126 Centro de Memória Escolar: A importância da história da educação Carlos Alberto Xavier Garcia Prof. de História no Ensino Médio e Técnico em Assuntos Educacionais na Unipampa Campus São Gabriel cxaviergarcia@yahoo.com.br

Leia mais

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011 Curso Direito Código INEP Código UFLA 592 Nível (Bacharelado, Turno Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas Processo e-mec- Tipo Autorização Número Data 201111874 24-08-2011 Despacho

Leia mais

Eixo-temático: Avaliação e Gestão Educacional

Eixo-temático: Avaliação e Gestão Educacional Eixo-temático: Avaliação e Gestão Educacional AVALIAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO LUGARES DE APRENDER: A ESCOLA SAI DA ESCOLA DO PROGRAMA CULTURA É CURRÍCULO DA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO ESTADO

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 UMA ANÁLISE DA PERSPECTIVA DOS GRADUANDOS DO CURSO DE MATEMÁTICA DAS MODALIDADES DE LICENCIATURA E BACHARELADO DA UFRN SOBRE A FORMAÇÃO CONTINUADA STRICTO SENSU Claudianny Noronha Amorim Universidade Federal

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conselho de Educação do Distrito Federal

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Conselho de Educação do Distrito Federal Homologado em 4/8/2015, DODF nº 150, de 5/8/2015, p. 27. Portaria nº 130, de 5/8/2015, DODF nº 151, de 6/8/2015, p. 6. PARECER Nº 117/2015-CEDF Processo nº 084.000063/2013 Interessado: Centro Educacional

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002/2011, DE 11 DE AGOSTO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 002/2011, DE 11 DE AGOSTO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 002/2011, DE 11 DE AGOSTO DE 2011. Aprova o Manual de Procedimentos para o Projeto de Conclusão do Curso Técnico em Mecânica, na modalidade subsequente, do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado

A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado Por ISRAEL GONÇALVES CARDOSO A área de conhecimento educacional responsável pela reflexão no que diz respeito à realidade da educação dos

Leia mais

ANEXO II PLANO DE TRABALHO

ANEXO II PLANO DE TRABALHO ANEXO II PLANO DE TRABALHO Objetivo: Inaugurado em 14 de março de 1877, o Centro Cultural José Bonifácio foi o primeiro colégio público da América Latina. Construído por ordem de D. Pedro II para a educação

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores OFICINA DE ESTUDOS: O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA FAAC

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL Danilo Coutinho da Silva Bacharel e Licenciado em Geografia - UFPB danilogeog@hotmail.com INTRODUÇÃO A Educação Ambiental (EA) deve

Leia mais

Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS

Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS PRÁTICA 1) TÍTULO Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: O Hotsite da Carta de Serviços ao Cidadão do MDS foi um projeto realizado pela Ouvidoria

Leia mais

PROCESSO Nº 702/06 PROTOCOLO Nº 8.894.983-8 PARECER Nº 203/06 APROVADO EM 14/07/06

PROCESSO Nº 702/06 PROTOCOLO Nº 8.894.983-8 PARECER Nº 203/06 APROVADO EM 14/07/06 PROTOCOLO Nº 8.894.983-8 PARECER Nº 203/06 APROVADO EM 14/07/06 CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INTERESSADA: FACULDADE UNILAGOS MUNICÍPIO: MANGUEIRINHA ASSUNTO: Pedido de reconhecimento do curso de graduação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CARTA CONSULTA SEGMENTO COMUNITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CARTA CONSULTA SEGMENTO COMUNITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CARTA CONSULTA SEGMENTO COMUNITÁRIO Título do Projeto: (nome do centro de Educação profissional

Leia mais

PORTFÓLIO DO IMÓVEL DA IPESU / FADISC SÃO CARLOS ALIENAÇÃO POR INICIATIVA PARTICULAR. 18 de DEZEMBRO de 2014

PORTFÓLIO DO IMÓVEL DA IPESU / FADISC SÃO CARLOS ALIENAÇÃO POR INICIATIVA PARTICULAR. 18 de DEZEMBRO de 2014 PORTFÓLIO DO IMÓVEL DA IPESU / FADISC SÃO CARLOS ALIENAÇÃO POR INICIATIVA PARTICULAR 18 de DEZEMBRO de 2014 Propostas deverão ser formalizadas por escrito e endereçadas à 1ª Vara do Trabalho de São Carlos

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE SETEMBRO DE 2012 EREM LUIZ DELGADO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE SETEMBRO DE 2012 EREM LUIZ DELGADO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA JOÃO PAULO M. DE SOUZA MÔNICA SANTOS RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE SETEMBRO DE 2012 EREM LUIZ DELGADO RECIFE

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente.

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente. REPENSANDO O PLANEJAMENTO DIDÁTICO PARA UMA PRÁTICA INOVADORA EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE. Cecilia Gaeta Universidade Federal de São Paulo UNIFESP (professora convidada) Martha Prata-Linhares Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL

GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL Camila Petrucci dos Santos Rosa. Eliana Marques Zanata. Antônio Francisco Marques. UNESP/Bauru. CAPES/PIBID. camilinha_rosa@hotmail.com. eliana@fc.unesp.br.

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO E OS TEMAS GERADORES

18º Congresso de Iniciação Científica EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO E OS TEMAS GERADORES 18º Congresso de Iniciação Científica EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO E OS TEMAS GERADORES Autor(es) TALINE MELEGA TOME Orientador(es) IDA CARNEIRO MARTINS 1. Introdução Segundo Cury (1997) o Ensino Médio

Leia mais

EDITAL NÚMERO 01 DE 10 DE ABRIL DE 2009 Programa de Iniciação Científica Seleção 2009

EDITAL NÚMERO 01 DE 10 DE ABRIL DE 2009 Programa de Iniciação Científica Seleção 2009 Associação Diocesana de Ensino e Cultura de Caruaru Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Caruaru Reconhecida pelo Decreto 63990 de 15.01.69 D.O 17-01-69 Núcleo de Pesquisa EDITAL NÚMERO 01 DE 10

Leia mais

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1. Das Disposições Preliminares Art. 1 o. Este Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 2 OBJETIVOS

1 INTRODUÇÃO 2 OBJETIVOS TÍTULO: PROJETO SALA DE LEITURA DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO AUTORES: Abinadá de Caldas da Silva e Ângela Cardoso Ferreira Silva e-mail: ângelacardoso@ligbr.com.br INSTITUIÇÃO: Universidade Federal da

Leia mais

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos.

Entrevistas de moradores e familiares das comunidades sobre a localização e existência de um local onde se faziam enterros de escravos. 4.3.3 Programa de Monitoramento Arqueológico O Programa de Monitoramento Arqueológico, conforme consta no Plano Básico Ambiental prevê a catalogação de amostras nas áreas de construção da Estrada Parque,

Leia mais

Edital EDITAL Nº 001/2011 PROGEPE/CDP/UCAP PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO

Edital EDITAL Nº 001/2011 PROGEPE/CDP/UCAP PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS UNIDADE DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAS Edital EDITAL Nº 001/2011 PROGEPE/CDP/UCAP

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 A Direção de Ensino do câmpus Curitiba, compreendendo todas as suas seções, com a finalidade

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

Pedagogia LICENCIATURA

Pedagogia LICENCIATURA CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Portaria de Reconhecimento nº. 286 de 21 de dezembro de 2012 ROTEIRO DE ORGANIZAÇÃO DO CADERNO DE ESTÁGIO III GESTÃO ESCOLAR Pedagogia LICENCIATURA CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

I CIPPEB - CONGRESSO INTERNACIONAL DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RELATO DE EXPERIÊNCIA

I CIPPEB - CONGRESSO INTERNACIONAL DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA SEMANA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA Mestranda Rita Aparecida Nunes de Souza da Luz PROGEPE UNINOVE Resumo O objetivo desse trabalho é relatar a experiência

Leia mais

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Dayana da Silva Souza 1 ; Luana de Oliveira F. Crivelli 1 ; Kerly Soares Castro 1 ; Eduardo Machado Real 2 ; André

Leia mais

EDITAL PROGRAD 06/2014 PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS ESTRUTURANTES DE LABORATÓRIOS PARA O ENSINO DE GRADUAÇÃO 2015 / 2017.

EDITAL PROGRAD 06/2014 PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS ESTRUTURANTES DE LABORATÓRIOS PARA O ENSINO DE GRADUAÇÃO 2015 / 2017. EDITAL PROGRAD 06/2014 PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS ESTRUTURANTES DE LABORATÓRIOS PARA O ENSINO DE GRADUAÇÃO 2015 / 2017. I - OBJETIVO DO PROGRAMA 1. O Programa objetiva apoiar a estruturação dos laboratórios

Leia mais

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Andreza Olivieri Lopes Carmignolli1 UNESP Eva Poliana Carlindo2 UNESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não

Leia mais

A POLÍTICA PÚBLICA DE OFERTA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO PARANÁ: UMA EXPERIÊNCIA EXITOSA

A POLÍTICA PÚBLICA DE OFERTA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO PARANÁ: UMA EXPERIÊNCIA EXITOSA A POLÍTICA PÚBLICA DE OFERTA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO PARANÁ: UMA EXPERIÊNCIA EXITOSA PRENDIN, Cristiane SEED/PR prendacristi@pr.gov.br GREGORIO, Ana Nelly de Castro - SEED/PR ananelly@pr.gov.br MACHADO,

Leia mais

(Favor digitar ou preencher com letra de forma.) Como soube deste programa de assistência?... ... ... (1) Nome da organização:... (2) Endereço:...

(Favor digitar ou preencher com letra de forma.) Como soube deste programa de assistência?... ... ... (1) Nome da organização:... (2) Endereço:... ASSISTÊNCIA A PROJETOS COMUNITÁRIOS E DE SEGURANÇA HUMANA FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO (Favor digitar ou preencher com letra de forma.) SOBRE O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DO GOVERNO DO JAPÃO Como soube deste

Leia mais

Nome do Projeto: Compartilhando Livros por mais Cultura e Cidadania na Escola e na Comunidade

Nome do Projeto: Compartilhando Livros por mais Cultura e Cidadania na Escola e na Comunidade A escola é o lugar privilegiado da aprendizagem, planejado para educar pessoas mais participativas, solidárias, produtivas e felizes. GUIOMAR NAMO DE MELLO Diretora da EBRAP Escola Brasileira de Professores

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOMETRIA NAS AVALIAÇÕES DA APRENDIZAGEM NO COLÉGIO ESTADUAL DO PARANÁ, NAS DÉCADAS DE 60 E 70.

CONTEÚDOS DE GEOMETRIA NAS AVALIAÇÕES DA APRENDIZAGEM NO COLÉGIO ESTADUAL DO PARANÁ, NAS DÉCADAS DE 60 E 70. CONTEÚDOS DE GEOMETRIA NAS AVALIAÇÕES DA APRENDIZAGEM NO COLÉGIO ESTADUAL DO PARANÁ, NAS DÉCADAS DE 60 E 70. Ana Célia da Costa Ferreira Resumo: A cada ano, educadores matemáticos tentam encontrar soluções

Leia mais

Breve histórico da profissão de tradutor e intérprete de Libras-Português

Breve histórico da profissão de tradutor e intérprete de Libras-Português O TRABALHO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LIBRAS-PORTUGUÊS NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS. Resumo Autores: Sônia Aparecida Leal Vítor Romeiro Isabella Noceli de Oliveira Carla Couto de Paula Silvério

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Código: 031 Município: Marília Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Auxiliar Técnico de Nível Médio em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITARANTIM ESTADO DA BAHIA Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITARANTIM ESTADO DA BAHIA Gabinete do Prefeito PORTARIA nº 147/2015 Em 02 de fevereiro de 2015 Estabelece normas para a doação e descarte de livros didáticos e outros materiais bibliográficos adquiridos e distribuídos à Secretaria Municipal de Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO. Política de Desenvolvimento de Coleções

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO. Política de Desenvolvimento de Coleções UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO Política de Desenvolvimento de Coleções Porto Alegre 2013 2 1 APRESENTAÇÃO A Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo

Leia mais