O ensino de algoritmos e programação mediado por um ambiente na Web

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ensino de algoritmos e programação mediado por um ambiente na Web"

Transcrição

1 O ensino de algoritmos e programação mediado por um ambiente na Web Lucia M. M. Giraffa, Sabrina S. Marczak i, Gláucio Almeida Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS Faculdade de Informática Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Caixa Postal Porto Alegre RS Brasil {giraffa, smarczak, Abstract. The aim of this paper is to describe the methodology used as uphold to design an educational environment named PROOGRAMA (under implementation). The system intends to support teaching/learning activities related to Algorithms and Programming domain. PROOGRAMA was modeled based on a framework supported by virtual tools. These tools must be considered as resources that teachers and students can use to exchange information and to build knowledge about the domain. We do not intend to show experimental results. We claim that in order to build educational environments is necessary to have a set of beliefs related to how people learn, and consequently, how we can teach them. Summarizing, we need a methodology to guide us. Resumo. Este artigo descreve a metodologia e o ambiente computacional para suporte ao processo de ensino-aprendizagem de Algoritmos e Programação denominado PROOGRAMA (em fase de implementação). O ambiente possui um conjunto de recursos chamados de ferramentas virtuais. Estas ferramentas têm por objetivo auxiliar na comunicação e gestão das informações relativas às atividades dos alunos e professores. Discute-se questões metodológicas envolvendo o ensino de programação de uma forma geral. Acredita-se que não é possível projetar-se bons ambientes educacionais sem um conjunto de premissas relacionados ao conjunto de crenças que o educador possui e professa a respeito de como se aprende e, por conseqüência, como se ensina. 1. Introdução O ensino de programação está fortemente vinculado ao ensino de Algoritmos e Estrutura de Dados, doravante apenas referenciado como Algoritmos. Existe uma crença na comunidade de Ciência da Computação: não se pode aprender a programar sem antes aprender a elaborar uma estratégia de solução, ou seja, um algoritmo. Logo, a disciplina de Algoritmos é fundamental. Espera-se que os alunos desenvolvam um i Pesquisa parcialmente financiada pelo Convênio Dell/PUCRS, através de recursos da Lei de Informática (Lei Federal Brasileira nº 8.248/91).

2 conjunto de habilidades cognitivas para que possam efetivamente aprender a resolver problemas utilizando o computador como ferramenta. A escolha da ferramenta influencia diretamente a forma de elaborar e estruturar a solução de um problema. Nem todos os problemas do cotidiano são passíveis de serem resolvidos por computador. O modelo de abstração utilizado para o ensino de Algoritmos e Programação é baseado no esquema E P S (Entrada-Processamento-Saída). Entretanto, este modelo é muito reducionista e simplificado. Ele serve como metáfora para os alunos entenderem a arquitetura da máquina e seus componentes. Os professores de Algoritmos e Programação devem se preocupar com questões mais amplas e complexas envolvendo diferentes estilos cognitivos e formas de resolução de um dado problema. Cada ser humano possui um conjunto de inteligências, as quais Gardner (1994) chama de Inteligências Múltiplas. Os alunos dos cursos de Ciência da Computação, Engenharia de Computação, Sistemas de Informação e cursos correlatos possuem a inteligência Lógico-Matemática mais desenvolvida ou potencialmente mais desenvolvida que as demais. O tipo de inteligência predominante num indivíduo não padroniza a forma com que ele raciocina ou soluciona problemas. No ensino de programação, e por conseqüência no ensino de Algoritmos, devese buscar condições para que o aluno intencionalmente conheça o seu estilo de raciocinar e solucionar problemas. O desafio do professor é auxiliá-lo a sistematizar e organizar a estratégia de solução para os problemas na forma de um algoritmo. A codificação deste algoritmo em uma dada linguagem de programação vai requerer adaptações em função da especificidade de cada linguagem e respectivo compilador. O aluno deve aprender a medir a complexidade inerente na solução que elaborou. Neste sentido é que se tem a necessidade dos conteúdos das disciplinas de Algoritmos I, II e III sugeridas nos currículos dos cursos da área de Computação. É difícil dizer que alguém ensina alguém a fazer algoritmos. Pode-se pensar em uma situação na qual o professor ensina algoritmos fazendo com que os alunos adquiram o estilo do professor. Esta abordagem proporciona possibilidades do aluno desenvolver habilidades baseadas nos seus estilos cognitivos e resolver problemas seguindo um conjunto de premissas que professor acredita serem as mais adequadas para aquela classe de problemas. Este é um grande problema no ensino de Algoritmos. Como ponderar entre a solução pragmática e organizada pelo professor (especialista) versus liberdade para o aluno construir soluções partindo da sua percepção do problema. Ou seja, trocar temporariamente a solução otimizada do professor pela solução do aluno. Mesmo que esta solução possua uma pseudo-organização que dificilmente poderá ser transformada em um bom algoritmo. Deve-se privilegiar a proposta do aluno e partir dela para explorar conceitos e diretivas para construção/elaboração de bons algoritmos. Busca-se com esta abordagem primeiro entender como o aluno percebeu e interpretou o problema, qual sua estratégia de solução e como ele organizou os passos a ela associados. Uma nova premissa surgiu na comunidade de Ciência da Educação: o aluno deve aprender em vez do professor ensinar. O que se pretende com esta nova abordagem? Esta abordagem busca alertar o professor para o fato de que o foco, ou seja, a parte principal do trabalho, esteja centrada nas escolhas do aluno. Deve-se buscar proporcionar ao aluno oportunidades para que ele construa sua aprendizagem. Só o indivíduo constrói seu conhecimento. Cabe ao professor o papel de mediador, de agente

3 que organiza a informação para que o aluno a transforme em conhecimento (Ausubel, 1980). Para que isto ocorra, o professor deve organizar suas aulas apoiando-se em metodologias e estratégias de ensino que possam promover tais condições. Estas metodologias e estratégias guiam o comportamento e o planejamento do professor. Nos dias de hoje, com o advento da Internet, das páginas Web, do uso do , listas de discussão, fórum, e outros, a aula puramente presencial está deixando de existir. Os recursos disponibilizados para Educação a Distância estão sendo, também, utilizados para enriquecer e ampliar os espaços da sala de aula tradicional. Desta forma, este artigo apresenta uma metodologia de ensino vinculada às disciplinas de Algoritmos e Laboratório de Programação, associada a um conjunto de recursos suportados por um ambiente virtual, denominado PROOGRAMA. O ambiente está em fase de implementação. Este artigo está organizado em 4 seções. Na Seção 2 apresenta-se a metodologia utilizada na condução das aulas de Algoritmos e Laboratório de Programação. Na Seção 3 apresenta-se o framework do ambiente de suporte às atividades de ensinoaprendizagem baseado nesta metodologia. Na Seção 4 apresenta-se as considerações finais. Ao final, apresenta-se as referências bibliográficas utilizadas para este texto. 2. Ampliando o espaço da aula presencial As dificuldades dos alunos iniciantes nos cursos de Ciência da Computação, Sistemas de Informação e Engenharia de Computação produzem como efeito imediato a elevação do índice de reprovação nas disciplinas de Algoritmos e Programação. As causas principais envolvem os hábitos de estudo centrados em memorização (heranças do ensino fundamental e médio) e a falta de pré-requisitos em conteúdos correlatos, principalmente nos conteúdos de Matemática. Pode parecer um contra-senso falar em falta destes conteúdos para alunos que acabam de ser aprovados em um concurso vestibular, o qual exige uma considerável dedicação do aluno por normalmente ser muito disputado. Este fato pode ser observado tanto em instituições públicas (onde o número de candidatos por vaga é bastante alto), como em instituições privadas (onde a concorrência é menor). Esta questão não será tratada neste artigo, mas é importante mencioná-la. A experiência como docente destas duas disciplinas (Algoritmos e Laboratório de Programação) soma 17 anos. Neste período, utilizou-se ferramentas associadas a paradigmas que hoje fazem parte da história da Computação como o caso do Fortran, do Basic e do Pascal. Logo, as considerações expressas buscam independência a uma determinada ferramenta ou paradigma. Esta experiência docente, aliada à formação específica em Educação (mestrado em Metodologia e Técnicas de Ensino), permitiu-nos trabalhar no desenvolvimento e consolidação de estratégias e táticas de ensino que busquem suportar o processo de aprendizagem dos alunos. Para melhor planejar as aulas da disciplina, organiza-se Mapas Conceituais (MCs) dos conteúdos a serem ministrados. MCs são representações gráficas semelhantes a diagramas, que indicam relações entre conceitos. Os conteúdos são colocados em nodos e as ligações expressam as relações entre estes nodos. Eles podem ser utilizados para organizar conceitos mais abrangentes até os menos inclusivos

4 (Ausubel, 1980). São utilizados para auxiliar a ordenação e a seqüênciação hierarquizada dos conteúdos de ensino, de forma a oferecer estímulos adequados ao aluno. Este mapa não precisa ser feito com auxílio de uma ferramenta para MCs, pode ser feito diretamente no papel, de forma rascunhada. A elaboração do mapa auxilia o professor a organizar os conteúdos da sua disciplina de forma a explicitar as suas interrelações. Ou seja, que conteúdo depende de outro, qual conteúdo deve ser apresentado antes, quais são os pré-requisitos que o aluno deve ter para entender este conteúdo (onde emergem a maioria dos problemas que se tem) e que outros tópicos da disciplina vão utilizar este conteúdo. Outro fator importante, e que auxiliaria muito aos professores, seria o departamento fazer um MC das disciplinas. Isto permitiria que os professores deslumbrassem quais disciplinas possuem conteúdos afins ou superposição de tópicos. Esta visão geral do curso permite ao professor trabalhar de forma mais integrada com seus colegas. O ideal seria organizar reuniões de níveis nas quais os professores possam fazer um planejamento interativo. Infelizmente, a estrutura de muitas universidades repletas de horistas (professores de tempo parcial, muitas vezes de baixa carga horária) impede a execução de tal plano. Depois dos conteúdos organizados nos MCs, faz-se a organização das aulas em função dos cronogramas do semestre. Tarefa padrão em qualquer disciplina. A questão desta dupla de disciplinas é tratada considerando que existe uma complementaridade do trabalho e uma divisão de tarefas entre elas. Ensinar a programar é uma atividade e ensinar a programar em C, por exemplo, é outra. O conjunto de habilidades cognitivas que o aluno deve desenvolver para aprender a programar não deve depender da ferramenta. A capacidade de resolver um problema e expressar a solução, via um algoritmo, vai requerer que o aluno saiba analisar o problema que recebeu e seja capaz de situá-lo dentro de um contexto onde existem diversas classes de problema. Depois disto, o aluno deve ser capaz de perceber os componentes que constituem aquele problema, ter bem claro qual a solução esperada, identificar os dados disponíveis para serem computados e, finalmente, organizar uma estratégia de solução baseada nos seus pré-requisitos. Podendo, também, complementar os dados iniciais fornecidos pelo enunciado, caso seja necessário. Esta etapa de pré-análise do problema pode ser feita de forma mais informal, motivando o aluno a explorar de forma mais livre o enunciado do problema, fazer conjecturas a respeito de sua interpretação, verificar se os colegas possuem a mesma percepção do problema e outras. Logo, é importante que se crie hábitos de leitura crítica dos enunciados. Isto é, os alunos invistam tempo em uma leitura criteriosa do enunciado que receberam. Para tal, o professor deve conduzir esta atividade lendo o enunciado ou solicitando a um dos alunos que o faça. O esquema das aulas se baseia em um conjunto de materiais disponibilizados de maneira prévia para os alunos, através da página Web da disciplina. Utilizou-se a experiência com salas de aula virtual para estender as atividades das salas de aula presencial. Tornado, assim, as atividades relativas à aprendizagem de Algoritmos e Programação semi-presenciais. Existem atividades mediadas presencialmente pelo professor (aula no mesmo espaço físico) e outras atividades nas quais o professor interage com os alunos de forma síncrona ou assíncrona. Os tipos de recursos utilizados para suporte às atividades não presenciais baseiam-se nos seguintes serviços:

5 Página WWW (incluso FTP) 1 : onde são disponibilizados os materiais das disciplinas, o que inclui conteúdos, agenda das atividades mês a mês, registro das interações, descrição das atividades extraclasse, materiais complementares, fórum para discussão de dúvidas e uma biblioteca virtual e digital, dentre outras; utilizado para esclarecimento de dúvidas e comunicação privada do professor com seus alunos e vice-versa; Lista de Discussão: criada para complementar o trabalho desenvolvido nos encontros síncronos e servir de espaço para as contribuições dos alunos, envio de tarefas complementares e informações do professor para o grupo e entre participantes do grupo. A metodologia utilizada na condução da disciplina baseia-se na resolução de problemas organizados em ordem crescente de complexidade. Toda a questão da leitura da teoria referente aos conteúdos fica por conta do aluno. A agenda disponibilizada na página permite ao aluno conhecer o cronograma da disciplina. Quando da adoção de algum livro, a seqüência de leitura para este recurso é disponibilizada. Cada aula inicia com um resumo dos principais pontos indicados para leitura e depois são desenvolvidas atividades práticas relacionadas com a lista de exercícios disponibilizada na página ou entregue durante a aula. Evita-se a resolução dos exercícios por parte do professor e busca-se uma postura menos diretiva por parte deste. O problema vai ser resolvido utilizando as contribuições dos alunos. Neste caso, o professor funciona como elemento mediador que coloca as informações no quadro e as disponibiliza para todos os alunos. Ou seja, o professor funciona como facilitador e não um guia que apresenta uma solução passo-a-passo. O professor deve incentivar os alunos a colocarem suas soluções (corretas ou não) para serem compartilhadas com os colegas. Desta forma, a turma pode constatar que não existe um modelo único de solução. Cada pessoa é um ser único no sentido de processar as informações. Cada um pode perceber os problemas de forma diferente. Logo, cada um elabora soluções diferentes. E, todas estas soluções podem estar atendendo ao problema. O que vai ocorrer é que algumas são mais otimizadas do que outras. Não se pode exigir que em uma fase inicial de construção de conhecimento, o aluno, além de conseguir elaborar o algoritmo, desenvolva-o de forma otimizada. A etapa de otimizar (melhorar o algoritmo já elaborado) é subseqüente ao processo de elaboração da primeira versão. Esta etapa é muito mais complexa e difícil para o aluno iniciante. Afim de reforçar o processo de construção de diferentes soluções para um mesmo problema, disponibiliza-se na página da disciplina (link devidamente etiquetado) vários exemplos de soluções construídas por outros alunos (até de turmas anteriores) e monitores. A monitoria desempenha um papel importante neste contexto. Os alunos têm oportunidade de conversar sobre suas dúvidas com outro colega mais experiente. Em muitas situações, outro colega com faixa etária mais próxima e mesmo curso (ou curso de mesma área do conhecimento) consegue promover a mediação melhor que o professor. A atividade da monitoria é supervisionada pelo professor. Pode-se, inclusive, delegar ao monitor a atualização da página da disciplina (com materiais elaborados pelo 1 WWW: World Wide Web FTP: File Transfer Protocol

6 monitor, alunos e professor) e a organização das discussões que ocorrem na lista e no fórum. Esta experiência com uso destes espaços virtuais como elementos de extensão e mediação das atividades da sala de aula presencial resultou em vários pontos positivos na condução da disciplina e no aproveitamento dos alunos. Esta abordagem vem sendo utilizada há seis semestres. A cada semestre foi-se refinando aspectos operacionais relativos ao uso dos recursos de apoio, distribuição das informações sobre a disciplina e outros. Os pontos onde foram feitas as maiores alterações são: Necessidade de existir um cronograma geral de atividades para todo o semestre. Para o aluno ter idéia do volume de trabalho (leituras, exercícios, pesquisas, tarefas práticas, etc.) a ser realizado; Disponibilização dos materiais de forma antecipada (no mínimo duas aulas à frente); Adequação da tecnologia associada aos recursos para encontros síncronos e assíncronos. Algumas delas foram se mostrando inadequadas ou obsoletas. Outras tiveram problemas com os provedores privados utilizados pelos alunos fora da universidade; Inclusão do monitor como se fosse um dos alunos da turma. Isto permite que ele vivencie as experiências dos alunos e tenha acesso às listas de discussões. Pode-se ressaltar como aspectos positivos desta metodologia o envolvimento dos alunos nas atividades de aula presencial; a mudança de postura dos alunos no que concerne o processo de busca e gestão das informações da disciplina; a melhoria das notas nas avaliações (que passaram a se constituir em pontos de verificação de etapas e não simplesmente encaradas como provas); e a participação dos alunos enviando materiais e soluções para serem compartilhadas com os colegas. A metodologia gera um volume enorme de informações que o professor e o aluno têm de gerenciar. A gestão da informação era feita de forma off-system. Isto é, manualmente pelo professor, porque não existia um ambiente para suporte às atividades. E sim, uma coleção de recursos ligados apenas pela metodologia e a praxis docente. Ou seja, o professor fazia o papel de ambiente integrador. Optou-se, por modelar e implementar um ambiente que integre os recursos e solucione o problema de controle e gestão das informações. O ambiente proprietário disponível na universidade não permitia que se fizesse uso de outras funcionalidades disponibilizadas por projetos de parceiros. Logo, resolveu-se criar um ambiente que permitisse: criar e fazer manutenção do acervo da disciplina (banco de exercícios, banco de exemplos, informações gerais, biblioteca virtual), um conjunto de ferramentas que permita a comunicação síncrona e assíncrona, um sistema de ajuda on-line (com uma base de perguntas mais freqüentes FAQ), um sistema de organização/classificação dos materiais enviados pelos alunos e suporte ao processo de avaliação da disciplina. A próxima seção (Seção 3) descreve o framework elaborado para atender estes requisitos e aspectos metodológicos. 3. O framework do PROOGRAMA O ambiente de suporte às atividades de ensino-aprendizagem de programação é constituído de um conjunto de ferramentas e funcionalidades para dar suporte às atividades de comunicação entre alunos e professores.

7 O ambiente, ora em implementação, possui funcionalidades e serviços diferenciados conforme o perfil do usuário. Foram definidos os perfis para aluno, professor, monitor e administrador do ambiente. O professor é responsável pela organização do material das aulas e do calendário das atividades, e por gerenciar as informações geradas pelas ferramentas assíncronas. Ele possui permissão de gerenciar todos os recursos associados a estas atividades. O monitor terá como principal função auxiliar os alunos, de forma on-line, no esclarecimento de dúvidas. Ele utilizará a ferramenta Moonline (apresentada mais adiante nesta Seção). O administrador tem como responsabilidade cuidar de questões relacionadas ao funcionamento do ambiente. Suas principais atividades são: prover acesso aos usuários, gerenciar suas contas de e- mail e as ferramentas e serviços a serem disponibilizados. Para acessar suas respectivas áreas de trabalho, os usuários deverão utilizar sua matrícula e senha de acesso. O professor poderá estruturar os conteúdos do curso (materiais, exercícios, descrições de tarefas, etc.) através da funcionalidade Plano de Aulas. Os documentos e materiais relacionados à disciplina, bem como das bibliografias e links indicados pelo professor serão organizados na Área de Download de Material. Aqueles materiais relacionados às aulas definidas no Plano de Aulas serão identificados pela data da aula, facilitando, assim, a sua localização. Já os documentos complementares e os links serão identificados por seus conteúdos. Todo o material instrucional utilizado estará organizado em uma base de dados. Além da área para disponibilização dos materiais, o ambiente oferece a funcionalidade de distribuição e controle de tarefas aos alunos. As atividades (exercícios, trabalhos ou avaliações) a serem desenvolvidas fora do período de aula e identificadas no Plano de Aulas terão, também, seus enunciados disponibilizados. Existirá um agente responsável por monitorar e gerenciar as informações no ambiente, denominado AMIGO. O AMIGO estará gerenciando a divulgação das atividades, os prazos de entrega e habilitando e desabilitando a opção de recebimento das soluções conforme as datas estabelecidas. O professor, ainda, poderá acompanhar o status da tarefa (recebida, em andamento, pronta para correção). Isto permitirá que o professor prorrogue o prazo de entrega de um determinado trabalho. Estas atividades também estarão organizadas em uma base de dados. Considerando-se que este é um ambiente de suporte às atividades de ensinoaprendizagem de programação, estão sendo disponibilizadas ferramentas para auxiliar a elaboração de programas. Serão disponibilizadas para download duas ferramentas: AMBAP AMBiente de Aprendizado de Programação (Almeida, 2002) e ILA Interpretador de Linguagem Algorítmica (Evaristo, 2000). As ferramentas serão disponibilizadas na Área de Download de Material. Segundo Almeida (2002), o AMBAP permite que o aluno escreva e execute seu programa em uma linguagem algorítmica. O ILA, o qual foi utilizado no desenvolvimento do AMBAP, não chega a constituir um ambiente em si, é um interpretador, pequeno e versátil, que permite o teste de algoritmos em um português estruturado (Evaristo, 2000).

8 Para a comunicação dos alunos com o professor e os demais colegas, são disponibilizados dois serviços de comunicação, chat e , definidos por Hansen (2003) através da tecnologia de Web services. 2 A Agenda de Compromissos e o Mural de Avisos permitem a comunicação de datas, atividades e eventos relacionados à disciplina, bem como a publicação de avisos, recados e novidades O mural, que será disponibilizado através da ferramenta desenvolvida por Ferreira (2002), membro integrante do grupo de pesquisa GAIA 3, apresenta os últimos anúncios (avisos, recados, mensagens, etc.) elaborados pelo professor. Os anúncios estarão organizados de forma cronológica (do mais recente para o mais antigo). Eles possuem tempo de disponibilidade limitado pelo professor. Para saber se há novidades, o usuário deve consultar periodicamente o mural, uma vez que não existe nenhum mecanismo que comunique automaticamente as novidades. A Agenda será disponibilizada através de uma ferramenta criada pelo grupo de pesquisa GAIA. A mesma permite que os alunos sejam informados de novos compromissos e/ou atividades. Os horários livres disponíveis na agenda particular de um aluno poderão ser exportados para a agenda de todo o grupo, para que novos compromissos sejam agendados para todos simultaneamente. Uma forma de comunicação comum entre os envolvidos na disciplina é feita pela lista de discussão, organizada pelo próprio professor através do gerenciador de e- mails proposto por Hansen (2003). Para auxiliar no suporte ao esclarecimento das dúvidas dos alunos, utilizar-se-á a ferramenta Moonline (Monitoria On-line), desenvolvida por Gava (2000). Seu principal objetivo é permitir que os indivíduos pertencentes a um mesmo ambiente de interação virtual possam interagir entre si, afim de esclarecer dúvidas. Para identificar a quem deve destinar as perguntas, a ferramenta Moonline utiliza os serviços de uma outra ferramenta, a QSabe. Esta ferramenta é capaz de identificar o conteúdo de uma pergunta e, através de técnicas de aprendizagem automática, aprender o perfil de cada colaborador/respondedor, automatizando o envio de perguntas e respostas (Menezes 2002). Além da ferramenta Moonline, disponibilizar-se-á um sistema de ajuda on-line. O ambiente oferece a oportunidade do aluno conferir os graus atribuídos a cada uma das suas avaliações, através da funcionalidade Expositor de Notas. Cada uma das notas estará vinculada a uma determinada atividade desenvolvida no decorrer da disciplina. No caso de ter sido uma tarefa desenvolvida na sala de aula, o professor deverá registrála no Expositor de Notas, para os demais casos, elas serão automaticamente criadas. O aluno poderá consultar o número de faltas que possui e contar com o alerta do ambiente quando estiver preste a atingir o limite estabelecido. 2 Segundo [Hansen 2003], Web Services são aplicações modulares que podem ser descritas, publicadas e invocadas sobre uma rede, geralmente a Web. Ou seja, são coleções de operações em formato XML (extensible Markup Language) padronizadas por um protocolo de comunicação da Web. 3 Grupo de Aplicação da Informática na Aprendizagem/Grupo de Aplicação da Inteligência Artificial. O GAIA está vinculado ao Departamento de Informática da UFES (Universidade Federal do Espírito Santo) e trabalha em parceria com o grupo de pesquisa das autoras deste artigo. Maiores detalhes sobre o GAIA podem ser obtidos em

9 4. Considerações finais Este projeto consolida a instância física de toda uma proposta de aprendizagem relacionada às disciplinas de Algoritmos e Programação desenvolvida ao longo de seis semestres. Parte-se do pressuposto que um ambiente computadorizado para suporte às atividades de ensino-aprendizagem (quer na Web ou fora dela) deve proporcionar condições para registro de todas as informações, restrições aos níveis de acesso em função dos objetivos educacionais, capacidade de gestão das informações por parte dos interessados, ferramentas para facilitar a comunicação entre os participantes dos grupos e subgrupos, e elementos para auxiliar na avaliação dos trabalhos realizados. Uma revisão bibliográfica realizada por Marczak (2002) permitiu-nos verificar que as propostas e ambientes disponibilizadas na comunidade acadêmica e no mercado atendem a praticamente todos estes aspectos em diferentes graus. AmCorA (Menezes, 1999), AulaNet (Fuks, 2001), LearningSpace (Lotus, 1999) e WebCT (2000) são exemplos de ambientes com funcionalidades variadas. Entretanto, observa-se que a questão envolvendo a gestão das informações associadas ao processo e avaliação dos alunos ainda se faz utilizando apenas a contabilização de entrega de trabalhos e a realização de provas. O processo de avaliação sempre foi e, ao nosso ver, continuará a ser, um dos grandes desafios quando se promovem mudanças metodológicas em Educação. Muda-se a forma de trabalhar os conteúdos, a abordagem, enriquecem-se as possibilidades do aluno construir o conhecimento. Porém, a forma de avaliar fica atrelada aos preceitos legais e formais das instituições. A proposta metodológica utilizada nas disciplinas de Algoritmos I e Programação I apresentada neste artigo, pode ser estendida para os níveis seguintes (Algoritmos II, Algoritmos III, Programação II, etc.). Com as tecnologias de comunicação hoje disponíveis, disponibilizar ou acessar informações não é mais problema. A dificuldade está justamente em trabalhar cooperativamente na resolução de problemas, na construção do conhecimento. Acredita-se que o grande desafio é fazer com que o aluno desenvolva um conjunto de habilidades cognitivas que o permita resolver problemas de forma criativa. No caso da programação, as soluções não podem ser totalmente dependentes de uma tecnologia. Espera-se que a solução modelada para resolver o problema possa ser adaptada a outro tipo de ferramenta porque ela é baseada em um modelo computável. Que, ao se mudar o paradigma de programação, o aluno possa fazer as devidas associações segundo os princípios da aprendizagem significativa de Ausubel (1980). Quanto ao ambiente, conforme mencionado anteriormente, este se encontra em fase de desenvolvimento. Sua arquitetura já foi definida e até o momento implementouse protótipos buscando integrar as ferramentas que serão adotadas, as quais foram desenvolvidas pelos grupos de pesquisa parceiros. Pretende-se finalizar em breve a modelagem do ambiente e do agente mencionado para partir-se à implementação do ambiente em sua totalidade.

10 Referências bibliográficas Almeida, E. et al, AMBAP: Um AMBiente de Apoio ao aprendizado de Programação, In: CONGRESSO NACIONAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO, 22, 2002, Florianópolis. Anais... Florianópolis: SBC, Ausubel, D. et al, Psicologia Educacional, Editora Interamericana, New York, Evaristo, J, Crespo, S., Aprendendo a Programar: Programando numa Linguagem Algorítmica Executável (ILA), Porto Alegre, Book Express, Ferreira, E., Mural Temática: Um site de apoio à aprendizagem cooperativa, Trabalho de Conclusão (Bacharelado em Engenharia da Computação) Departamento de Informática, UFES, Vitória, Fuks, H. et al, Sobre o Desenvolvimento e Aplicação de Cursos Totalmente a Distância na Internet, Revista Brasileira de Informática na Educação, [S.l.], n. 9, setembro 2001, Setembro, Gardner, H., Estruturas da mente: A teoria das inteligências múltiplas, Porto Alegre, Artes Médicas, Gava, T., Menezes, C., Moonline: Um Sistema Multiagentes Baseado na Web para Apoio a Aprendizagem, In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO, 11, 2000, Maceió, AL. Anais... Maceió: UFAL, Hansen, R., Crespo, S., GlueScript: Uma linguagem específica de domínio para composição de Web-Services. Dissertação (Mestrado em Computação Aplicada) CCET, UNISINOS, Porto Alegre, Lotus Corporation, Lotus LearningSpace Forum: Student s Guide, 3th. ed, Cambridge: Lotus Press, 1999, $File/fstudent.pdf, Outubro, Marczak, S., Giraffa, L., A Gerência de Informação em Ambientes de Ensino a Distância: Um Estudo Comparativo, Trabalho Individual II (Mestrado em Ciência da Computação) PPGCC, FACIN, PUCRS, Porto Alegre, Menezes, C. et al, AmCorA: Um Ambiente Cooperativo para a Aprendizagem Construtivista Utilizando a Internet, In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO, 10., 1999, Curitiba, PR. Anais... Curitiba: UFPR, Menezes, C. et al, QSabe Trocando Experiências sobre Informática Educativa em uma Rede de Educadores, Janeiro, WebCT, WebCT 3.0: Getting Started Tutorial. 2000, Setembro, 2002.

USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA AUTORIA DE CURSOS A DISTÂNCIA

USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA AUTORIA DE CURSOS A DISTÂNCIA USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA AUTORIA DE CURSOS A DISTÂNCIA Anderson Ricardo Yanzer Cabral Resumo Em instituições que trabalham com o desenvolvimento de cursos e treinamentos a distância um dos grandes desafios

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet 1 de 5 22/7/2008 17:14 Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet Adriana Soares Pereira Cláudio Fernando Resin Geyer adriana@inf.ufrgs.br Resumo Este trabalho apresenta uma proposta de desenvolvimento

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

TUTORIAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA

TUTORIAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA TUTORIAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA 1 O acesso a plataforma educacional do colégio kadima deverá ser feito através do endereço: http://edunote.com.br/kadima/ 2 Na tela que segue,

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 07 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 09 Edição do Perfil... 12 Acessando as Atividades... 14 Iniciando o Semestre...

Leia mais

Como ter sucesso na educação a distância

Como ter sucesso na educação a distância Metodologia Diferenciada Ambiente de Aprendizagem Moderno Inovação Continuada e Empreendedorismo Como ter sucesso na educação a distância 1 Regulamento 2 1 Como ter sucesso na educação a distância Para

Leia mais

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Adja F. de Andrade adja@inf.pucrs.br 1 Beatriz Franciosi bea@inf.pucrs.br Adriana Beiler 2 adrianab@inf.pucrs.br Paulo R. Wagner prwagner@inf.pucrs.br

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes na Plataforma MOODLE para Apoio às Atividades Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Parnaíba, 14 de Novembro de 2012

Leia mais

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem...

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 08 Edição do Perfil... 10 Ambiente Colaborar... 11 Iniciando

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC A história da construção do conhecimento pessoal é a história da vida de cada um de nós, pois construímos esse conhecimento de uma maneira específica e individual. A teoria a respeito dos Mapas Conceituais

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Técnico em Informática na Formação de Instrutores Carga Horária: 1000 horas Estágio Curricular:

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD!

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! MANUAL DO ALUNO MANUAL DO ALUNO Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! 1. APRESENTAÇÃO Preparado pela equipe da Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade

Leia mais

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO

A PRESENTAÇÃO SUMÁRIO SUMÁRIO Apresentação Como ter sucesso na educação à distância A postura do aluno online Critérios de Avaliação da aprendizagem do aluno Como acessar a plataforma Perguntas freqüentes A PRESENTAÇÃO O Manual

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça FAEG - Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone (14) 3407-8000

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Guia do Aluno da Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação

Guia do Aluno da Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação Guia do Aluno da Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação Prezado Aluno, Seja bem-vindo à Graduação Personalizada em Gestão da Tecnologia da Informação! Antes de dar início à sua graduação

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO NEAD - CESUMAR MANUAL DO ALUNO

PÓS-GRADUAÇÃO NEAD - CESUMAR MANUAL DO ALUNO PÓS-GRADUAÇÃO NEAD - CESUMAR MANUAL DO ALUNO MANUAL DO ALUNO PÓS-GRADUAÇÃO NEAD CESUMAR CURSOS OFERECIDOS Especialização em Administração Pública; Especialização em Atendimento Educacional Especializado

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Sumário Apresentação As Vantagens Dessa Moderna Sistemática do Ensino O Papel do Aluno Professor Tutor Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Dúvidas e Suporte

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação 1. Identificação PLANO DE ENSINO Curso: A INTERNET E SUAS FERRAMENTAS Disciplina: A Internet e suas Ferramentas Período Ministrado/Semestre- Bimestre- Mês/Ano: 03 de setembro a 08 de outubro/2º Semestre

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense

Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense Gerência da tutoria - o diferencial em uma plataforma on-line Luiz Valter Brand Gomes* Rosângela Lopes Lima* Filipe Ancelmo Saramago* Rodrigo Telles Costa* Instituto de Computação Universidade Federal

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

MANUAL - DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL SUMÁRIO

MANUAL - DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL SUMÁRIO MANUAL - DISCIPLINA SEMIPRESENCIAL SUMÁRIO APRESENTAÇÃO AMBIENTE VIRTUAL AS VANTAGENS DESSA MODERNA SISTEMÁTICA DO ENSINO SÃO: O PAPEL DO ALUNO PROFESSOR TUTOR AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ACESSO AO AMBIENTE

Leia mais

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Prezado(a) aluno(a); Este material que você está começando a ler trata-se do manual do aluno, referente às disciplinas que serão ministradas através

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO 2º SEMESTRE 205 ANEXO I - EDITAL Nº 5/205 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

Leia mais

MANUAL DO ALUNO ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LATINO AMERICANA INSTITUTO SUL-AMERICANO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO SETOR ACADÊMICO

MANUAL DO ALUNO ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LATINO AMERICANA INSTITUTO SUL-AMERICANO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO SETOR ACADÊMICO 2015 MANUAL DO ALUNO ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LATINO AMERICANA INSTITUTO SUL-AMERICANO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO SETOR ACADÊMICO Organizadores: Setor Acadêmico e Administrativo do ISPED Mmanmanual Página

Leia mais

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA 1 ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA Andréa Pereira de Castro Universidade de Cruz Alta UNICRUZ, Cruz Alta andreap@unicruz.edu.br Adriana Pereira Cocco Universidade

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: Graduados em nível superior que atuam ou pretendem atuar na docência em instituições de ensino superior.

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: Graduados em nível superior que atuam ou pretendem atuar na docência em instituições de ensino superior. A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

REQUISITOS PARA A MODELAGEM DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA: UMA PROPOSTA DA PUCRS VIRTUAL

REQUISITOS PARA A MODELAGEM DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA: UMA PROPOSTA DA PUCRS VIRTUAL REQUISITOS PARA A MODELAGEM DE AMBIENTES DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA: UMA PROPOSTA DA PUCRS VIRTUAL Adja F. de Andrade 1 Beatriz Franciosi Adriana Beiler 2 Paulo R. Wagner Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Ensino de Programação nas Escolas Públicas: Criando. Novos Gênios

Ensino de Programação nas Escolas Públicas: Criando. Novos Gênios Ensino de Programação nas Escolas Públicas: Criando Novos Gênios BELIZARIO, B. N; AFONSO JUNIOR, O. P; OLIVEIRA, J. V. S; 1 Ensino de Programação nas Escolas Públicas: Criando Novos Gênios Orlando Pereira

Leia mais

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul -

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL BANDEIRANTES MANUAL DO ALUNO

CENTRO EDUCACIONAL BANDEIRANTES MANUAL DO ALUNO CENTRO EDUCACIONAL BANDEIRANTES MANUAL DO ALUNO 1 SUMÁRIO INFORMAÇÕES GERAIS 03 QUEM PODE FAZER O CURSO DE EJA A DISTÂNCIA 04 MATRÍCULA 04 COMO FUNCIONA 05 CALENDÁRIO DOS CURSOS 06 AVALIAÇÃO E CRITÉRIOS

Leia mais

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 A LEGO Education tem o prazer de trazer até você a edição para tablet do Software LEGO MINDSTORMS Education EV3 - um jeito divertido

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Sumário Apresentação Ambiente Virtual As Vantagens Dessa Moderna Sistemática do Ensino O Papel do Aluno Professor Tutor Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur Unidade I TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM EAD Material Instrucional Profª Christiane Mazur Ensinar Ensinar é, também, a arte de estimular o desejo de saber. EAD - Brasil 1904: Correspondência impressos; 1923:

Leia mais

GUIA DO PÓS-GRADUANDO ON-LINE

GUIA DO PÓS-GRADUANDO ON-LINE GUIA DO PÓS-GRADUANDO ON-LINE UNIASSELVI-PÓS Programa de Pós-Graduação APRESENTAÇÃO Seja bem-vindo ao programa de pós-graduação UNIASSELVI-PÓS! Aqui você encontra, de forma simples e ágil, todas as orientações

Leia mais

MANUAL DO ALUNO - EJA SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO - EJA SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO - EJA SEMIPRESENCIAL Deliberação CEE 285 e 297 Estrutura e Organização As disciplinas serão ministradas aos sábados, por um professor/orientador acompanhado de um orientador da aprendizagem.

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Programa Cultura é Currículo Projetos: Lugares de Aprender: a escola sai da escola e Escola em Cena

Programa Cultura é Currículo Projetos: Lugares de Aprender: a escola sai da escola e Escola em Cena Programa Cultura é Currículo Projetos: Lugares de Aprender: a escola sai da escola e Escola em Cena Síntese da Orientação Técnica dos dias 6, 7 e 8/03/2012 com Supervisores de Ensino e Professores Coordenadores

Leia mais

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Abstract. This work shows the evolution of Intelligent Teaching Assistant SAE that include and provide

Leia mais

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013.

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013. Curso de atualização Educação Integral e Integrada Tutorial Moodle Belo Horizonte, 2013. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACESSANDO O AMBIENTE... 4 3. CONHECENDO O AMBIENTE... 5 3.1. CAIXAS DE UTILIDADES... 5 4.

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual)

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual) 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 04 Geração de Login e Senha... 05 Guia de Percurso... 07 Manual Acadêmico... 09 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 11 Edição do Perfil... 13 Ambiente Colaborar e

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Resolução 012/2010 da Pró-Reitoria de Graduação CAPÍTULO I - DO CONCEITO Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

FAI CENTRO DE ENSINO SUPERIOR EM GESTÃO, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Manual do Estágio Supervisionado

FAI CENTRO DE ENSINO SUPERIOR EM GESTÃO, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Manual do Estágio Supervisionado FAI CENTRO DE ENSINO SUPERIOR EM GESTÃO, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Manual do Estágio Supervisionado Santa Rita do Sapucaí-MG Janeiro/2011 Sumário 1. Introdução 3 2. O que é

Leia mais

Cartilha para utilização do software GRAPHMATICA no ensino de Funções Polinomiais do 1º grau no 9º ano do Ensino Fundamental.

Cartilha para utilização do software GRAPHMATICA no ensino de Funções Polinomiais do 1º grau no 9º ano do Ensino Fundamental. Cartilha para utilização do software GRAPHMATICA no ensino de Funções Polinomiais do 1º grau no 9º ano do Ensino Fundamental. Autores: Alessandro Marques Calil Carlos Vitor de Alencar Carvalho Janaína

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil...

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil... Sumário INTRODUÇÃO... 3 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4 2. Ferramentas e Configurações... 5 2.1 Ver Perfil... 5 2.2 Modificar Perfil... 6 2.3 Alterar Senha... 11 2.4 Mensagens... 11 2.4.1 Mandando

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

PONTOS CRÍTICOS DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROJETO DE E-LEARNING.

PONTOS CRÍTICOS DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROJETO DE E-LEARNING. PONTOS CRÍTICOS DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROJETO DE E-LEARNING. Boa comunicação e apoio da direção estão entre os pontos críticos na implantação do projeto de educação a distância. Uma estratégia bem fundamentada

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente

ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente Conceito ROTEIRO PARA TREINAMENTO DO SAGRES DIÁRIO Guia do Docente O Sagres Diário é uma ferramenta que disponibiliza rotinas que facilitam a comunicação entre a comunidade Docente e Discente de uma instituição,

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Guia Prático. Sistema EAD PRO-CREA

Guia Prático. Sistema EAD PRO-CREA Guia Prático Sistema EAD PRO-CREA Educação a Distância (EAD) Conheça a seguir algumas dicas de Netiqueta para uma convivência sociável e boas maneiras na web. Sugerimos fazer um teste para saber como você

Leia mais

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista:

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: A metodista é credenciada pelo MEC para o oferecimento de cursos a distância? Sim. A Universidade Metodista de São Paulo recebeu o credenciamento do

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL Gabriela Jurak de Castro UCPel gabriela.jurak@ucpel.tche.br Letícia Marques Vargas UCPel lvargas@ucpel.tche.br

Leia mais

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL A nossa meta é envolver alunos e professores num processo de capacitação no uso de ferramentas tecnológicas. Para isto, mostraremos ao professor como trabalhar as suas disciplinas (matemática, português,

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

GUIA PRA TICO DO ALUNO

GUIA PRA TICO DO ALUNO GUIA PRA TICO DO ALUNO Sistema de Avaliação, Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA e Portal ÚNICO Guia prático e de conhecimento do Sistema de Avaliação, utilização das ferramentas tecnológicas Ambiente

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais