Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/CNPq/IBMEC-RJ. Relatório Final

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/CNPq/IBMEC-RJ. Relatório Final"

Transcrição

1 Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/CNPq/IBMEC-RJ Relatório Final Aluno: Mariana Macêdo Fernandes da Silva Curso: Direito Orientador responsável: Jorge Luís Rocha da Silveira Professor Doutor Título do Projeto: O Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro & a Ditadura Militar: memórias. Três palavras-chave: Memória, Justiça, Ditadura. Julho

2 I - Introdução Para lidar com o que diversos estudiosos da cultura jurídica brasileira já associaram a um colapso na produção do sistema legal apresentou-se ao PIBIC, há pouco mais de um ano, um projeto de pesquisa sobre um dos mais controversos períodos da história brasileira, foco de polêmicas e interpretações díspares: a chamada Ditadura Militar, que perdurou formalmente de 1964 a O resultado da pesquisa é apresentado nesta oportunidade. O Judiciário nacional sob seu jugo experimentou os devastadores efeitos de atos jurídicos extremamente antidemocráticos, como o Ato Institucional n.º 2, de 27 de outubro de Tal documento afetou especialmente esse Poder cujas atividades não interessavam ao bloco que assumira o controle do poder político do país (CASTRO: 2010, 535). Afinal, formado por membros concursados oriundos do seio da sociedade civil em geral, este órgão tem como principal objetivo a manutenção da lei e do Estado de Direito. O objetivo final deste trabalho de pesquisa foi apontar os múltiplos reflexos do período que vai de 1965 a 79 sobre o Poder Judiciário e dos homens e mulheres que o compõem e lidam com ele. Para tal debruçou-se sobre a história de vida daqueles que vivenciaram essa conturbada fase da história brasileira para ouvir suas versões dos acontecimentos e reapresentá-las à sociedade. Sua memória está se perdendo pelo desaparecimento de seus protagonistas e o sobrepor-se de lembranças nem sempre leiais àquele evento. A pesquisa se concentrou primeiramente sobre os magistrados e, à medida que os depoimentos se sucediam, outros agentes foram incluídos; como os advogados. Com isso se construiu um panorama rico e sinuoso que procurou sempre fugir do saber formalista ou das formulações obscuras (WOLKMER: 2012, 19) que certas áreas de investigação histórico-jurídicas cultivam com seu discurso conservador e dogmático que pode-se assim dizer - visa apenas justificar a ordem social e jurídica existente. Ordem que tal arenga tenta provar que está imersa na tradição, no espírito nacional ou que resulta de um paulatino progresso do espírito humano (HESPANHA: 1978, 11).

3 II Objetivos Como já se adiantou o objetivo maior desta pesquisa foi apresentar um novo viés à interpretação de importantes acontecimentos históricos relacionados à Ditadura Civil- Militar que se instalou em nosso país, entre , e seus múltiplos reflexos sobre o Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro e seus membros, no período de Além de tudo, o que se intentou, mais especificamente, foi recuperar um pouco da história de vida daqueles que viveram essa fase da história brasileira; ouvir suas versões dos acontecimentos e reapresentá-las à sociedade. A memória desse período está sendo perdida pelo desaparecimento de seus protagonistas. A história da Ditadura Militar é complexa e muito variada, com discussões e polêmicas impares que precisam ser mais bem definidas pelos que se debruçam sobre elas. Principalmente, quando o foco são as relações locais. Assim, é natural que o estudo se prolongue e abranja diferentes pontos de vista. Principalmente para aqueles que, iniciando suas atividades acadêmicas, ainda não têm experiência para abordar estes mesmos debates. Por isso, o consideramos apenas uma primeira etapa de um empreendimento muito maior. Espera-se, assim, ter contribuído para o enriquecimento do processo de conhecimento do passado recente da história política e social do país e do Estado fluminense, ao mesmo tempo em que se tenha acrescentado novas perspectivas às técnicas e métodos da pesquisa histórica das instituições jurídicas do país.

4 III - Metodologia utilizada Fontes Ciro Cardoso recomendava como uma das condições de realização da pesquisa histórica a sua viabilidade (1983, 74). O aspecto, talvez, mais difícil da pesquisa ora proposta - a tomada de depoimentos dos atores das passagens a serem abordadas -, já se encontra realizada. Em 1998, o Museu da Justiça do Estado do Rio de Janeiro lançou o Programa de História Oral & Visual com o objetivo de resgatar e preservar a memória história da Justiça estadual. Este programa criou um acervo com mais de cento e cinquenta depoimentos. Do acervo constituído a partir das entrevistas daquele programa (MUSEU DA JUSTIÇA: 2000), mais de uma centena de depoimentos têm o tema da Ditadura Militar entre seus tópicos. São magistrados, advogados, funcionários e políticos que testemunharam os acontecimentos relativos a ela e deixaram suas opiniões e lembranças. Nos chamaram a atenção setenta e cinco destas pela sua qualidade. Outras fontes importantes são constituídas por documentos oficiais como os livros de atas das sessões do Tribunal Pleno e do Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro e das associações de magistrados, que podem nos oferecer um panorama dos conflitos. Além disso, temos, também, diversos órgãos da Imprensa como O Fluminense, O Globo, o Correio da Manhã e o Jornal do Brasil. Através deles é possível acompanhar os acontecimentos mais gerais. Procedimentos À exemplo da pesquisa realizada pela historiadora Marly Silva da Motta, utilizou-se as noções de enquadramento da memória e de memória dividida. Tais conceitos estão baseados nas propostas de Michael Pollak (1992) e Alessandro Portelli (FERREIRA & AMADO: 2002). Segundo estes, a memória coletiva é um campo de disputa e, assim, a necessidade de enquadrar e manter a memória enquanto quadro de referência capaz de estabelecer a coesão e a identificação de um grupo. Com este

5 parâmetro se pretende orientar a abordagem que se fará aos documentos orais em busca dos efeitos da Ditadura Militar sobre o Judiciário estadual. No entanto, apesar de ser extremamente rica, a metodologia da história oral é insuficiente para dar conta de todas as necessidades da pesquisa proposta. Por isso, se confrontará o discurso dos entrevistados com as informações advindas da análise dos documentos que demonstram as ações dos agentes históricos - decisões, acórdãos, atas etc. Como já afirmou o historiador francês Jacques Le Goff (1996, 547), os documentos são resultado de uma colagem, consciente ou não, da história, da época, da sociedade que os produziram, mas também das épocas sucessivas durante as quais continuou a viver (...). Assim sendo, a subjetividade não é característica exclusiva da história oral, pois também está presente nas fontes escritas, iconográficas e tantas outras. Isto não deve ser encarado como obstáculo ao conhecimento. Pelo contrário, ao desvendarmos o código que constitui essa subjetividade, os esquecimentos, os silêncios, dos entrevistados tornar-se-ão - eles mesmos -, fonte de novos conhecimentos. Acreditamos que, ao lançar mão de novos enfoques e metodologias, foi possível romper por um lado com os pressupostos tradicionais que orientam as pesquisas histórico-jurídicas sobre a Ditadura. Por outro, ajudar a construir uma abordagem que permitiu ampliar o entendimento do sistema jurídico brasileiro como um produto cultural; ligado ao processo histórico, econômico e social.

6 IV Desenvolvimento da pesquisa Meses Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março Abril Junho Julho Correções e adaptações no projeto Coleta e crítica de dados Redação do relatório parcial Atividades Nova coleta e crítica de dados Correções gerais e avaliação da pesquisa Redação do relatório final O cronograma apresentado foi seguido com alguns ajustes que se fizeram necessários para comportar outras atividades correlatas à pesquisa. No final pode se considerar que o mesmo foi satisfatoriamente cumprido. Foram analisadas, como fontes primárias: a) Entrevistas do Programa de História Oral & Visual do Poder Judiciário. Museu da Justiça. Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. b) Entrevistas do Programa de História Oral. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Fundação Getúlio Vargas. Rio de Janeiro. c) Coleção de jornais. Seção de periódicos. Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro. Já como fontes secundárias: a) ALBERTI, Verena. História oral: a experiência do CPDOC. Rio de janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, b) ARANTES, Rogério. Ministério público e política no Brasil. São Paulo: Sumaré/Educ, 2002, 327 p. c) ARAÚJO, Rosalina C. O estado e o poder judiciário no Brasil. 2.ª ed. Rio de janeiro: Lúmen Júris, 2004.

7 d) CASTRO, Flávia L. História do direito: geral e do Brasil. 8.ª Ed. Rio de Janeiro; Editora Lúmen Júris, e) FERREIRA, Jorge & DELGADO, Lucilia A. N. (org.) O tempo da ditadura: regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. 2.ª Ed. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, f) HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Nova Centauro, g) MEIHY, José C. S. B. Manual de história oral. 2.ª Ed. São Paulo: Ed. Loyola, h) PEREIRA, Antony W. Ditadura e repressão: o autoritarismo e o estado de direito no Brasil, no Chile e na Argentina. São Paulo: Paz & Terra, i) HESPANHA, António M. A história do direito na história social. Lisboa: Livros Horizonte, j) LE GOFF, Jacques. História e memória. 4.ª ed. São Paulo: Ed. UNICAMP, k) POLLAK, Michel. Memória e identidade social. Em: Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro: S/ed., 1992, n.º 3, p l) SKIDMORE, Thomas E. Brasil: de Castelo a Tancredo. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1988.

8 V Resultados alcançados Ao lado dos cinquenta depoimentos de magistrados analisados juntaram-se outros vinte e cinco de advogados. Assim se percebeu os elos de relação entre os diferentes grupos que viveram a Ditadura Militar e como, cada um, construiu suas memórias. Os documentos, quer escritos quer orais, foram examinados em conjunto, de forma sistemática. Pois, nenhum documento vale por si mesmo: ele só tem sentido para o pesquisador quando este os relaciona entre si e com as análises conjunturais sobre a época abordada. Somente assim, e travando um diálogo constante com os pressupostos teóricos que deram alicerces à construção de seu objeto, estaremos contribuindo para a criação de novos conhecimentos acerca do tema. Acreditamos que, ao lançar mão de novos enfoques e metodologias, é possível romper por um lado com os pressupostos tradicionais que orientam as pesquisas histórico-jurídicas sobre a Ditadura. Por outro, ajuda a construir uma abordagem que permita ampliar o entendimento do sistema jurídico brasileiro como um produto cultural; ligado ao processo histórico, econômico e social. Foram encontradas dificuldades diversas relacionadas a extração de informações relevantes sobre a Ditadura Militar dos entrevistados, pois muitos falaram sobre a sua trajetória profissional, mas não responderam as questões atinentes ao que realmente estava sendo perguntado. Outro ponto relevante foi à dificuldade em realizar uma pesquisa sobre um tema tão complicado para a História do Brasil sem perder o objetivo de trazer um enfoque atual e crítico para a pesquisa. Percebemos também que seria de fundamental importância à inclusão de outros operadores do Direito, como o Ministério Público, pois desta forma conseguiríamos obter diversos enfoques sobre a Ditadura Militar. Talvez em outra oportunidade. O resultado final que se pretendeu atingir com a pesquisa foi a elaboração de um texto monográfico que reunisse, sobre o período focado, tanto a discussão conceitual como a histórica. Um material que destacasse a memória dos que participaram dos eventos mencionados, no âmbito dos chamados operadores do Direito. Apresentar os reflexos da arbitrariedade na vida dos indivíduos que compunham a Justiça, resgatando através das memórias dos mesmos, as lembranças desse período.

9 Nossa democracia sempre excluiu do poder amplos contingentes da população brasileira, através de mecanismos excludentes e autoritários: patrimonialismo, clientelismo, racismo (ARAÚJO, 2006, 153).

10 VI - Conclusão Para estudar como as memórias coletivas são montadas, desmontadas e remontadas é preciso considerar o processo de enquadramento das memórias de seus agentes e suas linhas concretas. Ou seja, é forçoso entender os mecanismos que conduziram certos indivíduos, e consequentemente suas memórias, a se adaptarem aos de outros. Essa questão, embora tenha limites impostos pelas relações humanas, que estabelecem fronteiras à reprodução do grupo e do próprio sistema social, alimenta a formação da história que se quer contar. O Poder Judiciário, como toda organização política, por exemplo, propaga seu próprio passado e as imagens que forja de si. Esta memória veiculada envolve a identidade individual e do grupo judiciário, mas é criada pela negociação, através da hegemonia. Alessandro Portelli (2002, 12) argumentou que a pressão da memória coletiva sobre a individual se materializa no domínio social, na pressão para não esquecer e para extrair memórias de um único grupo. O poder da noção de pertencimento como elemento formador da lembrança, não deve ser menosprezado. Ecleá Bosi (op. cit., 462) afirmou: a identificação nasce de uma comunidade afetiva e ideológica entre indivíduos e o grupo local dominante, comunidade que a ação conjunta só poderia reforçar. A partir da presente pesquisa realizada por meio de livros e, principalmente, fichamentos das entrevistas, chega-se a conclusão que, de maneira geral, para os integrantes do Poder Judiciário e os operadores do Direito - ainda hoje - falar sobre o período da Ditadura Militar é praticamente um tabu. É um assunto que requer cautela, e exatamente por isso, certos esquecimentos se fazem necessários. Poderia parecer pretensioso fazer tal afirmação. No entanto, quando nos deparamos com o material da pesquisa e o analisamos percebemos que o mesmo, apesar de precioso para a história, pode-se acreditar, num primeiro momento, na falsa ideia que tratar-se de depoimentos superficiais. Ao lidarmos com o passado, ainda mais através da história oral, se faz crucial saber ler nas entrelinhas. Faz-se imperioso saber relacionar o discurso com o autor, e estar atento para o lugar de onde se diz o discurso o correlacionando com o contexto dos fatos. Por isso, diante de tudo o que foi pesquisado

11 pode se afirmar que não haveria Ditadura Militar se não tivesse existido o apoio de diversas áreas da sociedade civil, entre elas a área jurídica. Até porque o regime tinha ao seu dispor um aparato de mecanismos legais discricionários para reprimir quem o contestasse. Isto pode ser exemplificado quando da edição do AI n.º 5, em treze de dezembro de Sob o pretexto do recrudescimento dos movimentos de resistência ao regime político imposto uma ditadura sem disfarces foi implantada no país. Seguido de mais seis atos institucionais e diversos complementares, o documento legal permitia ao presidente fechar os poderes legislativos federal, estaduais e municipais, intervir nos estados e municípios e nomear interventores, confiscar bens, suspender a garantias constitucionais etc. (ROCHA: 2004, 29). Mesmo quando, durante o governo do general Ernesto Geisel, o Brasil passou a experimentar um período de pretensa distensão política, os instrumentos jurídicos repressivos estavam a seu dispor respaldavam a ação dos aparelhos de Estado - e a lembrança das ações interventivas e punitivas perpetradas ainda estavam vívidas. Um exemplo, disto foi a Lei de Anistia, decretada pelo governo sem discussão e sem permitir que os militares envolvidos na repressão fossem julgados (SILVA: 2007, 270). Esta pesquisa foi fundamental para esclarecer se existiu ou não resistência ao Golpe Militar por parte do Poder Judiciário. Parte das entrevistas analisadas eram de pessoas relativamente autônomas do Poder Judiciário. Tal fato trouxe para a pesquisa outro olhar: a visão de quem não é representante do Estado e não se confundi com o próprio. Existiram magistrados e advogados contrários a Ditadura Militar, porém hoje tais vozes estão silenciadas pelo discurso, outrora vencedor e criador de uma estrutura que se mantém até os dias atuais sem maiores modernizações de comando. Vemos que de todas as estruturas, a mais fechada para mudanças sejam elas estruturais, ideológicas ou políticas, é o Poder Judiciário, que é o mesmo desde a Ditadura Militar. Logicamente, algumas mudanças, ainda não tão significativas, já vêm ocorrendo no Poder Judiciário e espera-se que, cada vez mais, boas ideias tomem espaço e voz dentro do mundo jurídico. A entrevista do desembargador Abeylard Pereira Gomes (1998) pode ser considerada curiosa pelo fato dele dizer que, na época da Ditadura Militar, tinha independência para julgar. Tanto que chegou a condenar um general do Exército. Disse que não tinha relação com os militares, mas admitiu que, aconselhado por um colega,

12 foi uma vez à residência de um oficial da Marinha que queria informações sobre o famoso esquadrão da morte. Termina dizendo que em sua vida não houve interferência direta dos militares. A questão da independência funcional do magistrado também foi mencionada pelo juiz aposentado Carlos Augusto Lopes Filho (2003): Eu nunca recebi pressão para nada, nunca. Nem como promotor, nem como juiz. Não sei... Tem um ditado que diz que as pessoas encostam e sabem em quem podem encostar... Não é? Eu sei que comigo nunca encostaram para fazer: "olha, eu quero que você faça isso. Eu quero que você faça aquilo. Pedido se recebe sempre. Aceita-se, atende-se ou deixa-se de atender. Esse é outro problema, mas pressão eu nunca recebi. Olha que eu peguei uma época até meia... A palavra é vulgar, mas eu acho que é a que melhor define: meiobraba. Ao ler esta entrevista pode-se pensar que, talvez, a Ditadura Militar não tivesse pressionado tanto assim as pessoas influentes da época para apoiá-la. Mas, sim, tenha juntado os que, antes mesmo do Golpe, já a apoiavam. É um dado curioso o fato se considerar que há liberdade em uma Ditadura. Ainda nesse sentido, a entrevista do Desembargador Dalmo Silva (1998) é bastante reveladora da interferência militar nas atividades profissionais do magistrado: Eu disse, anteriormente, que essa foi a parte mais marcante, porque acho que o cerne da dignidade da magistratura repousa na independência do juiz. Aí é que está tudo. Sem independência não há magistratura. E, não havendo magistratura boa, não há nem democracia... Bom, um temperamento como o meu, de juiz independente, como tantos colegas bons que tem por aí... Mas eu me tinha como um juiz dos mais independentes a vida inteira. Com isso, tive que dar um tropeço, um esbarrão com os militares, evidentemente. Porque eu não admitia que se intrometessem na minha independência, no meu livre convencimento. E eles quiseram se intrometer no meu livre convencimento. Para mim é tudo - a independência do juiz. Aí eu tive que dar uma trombada, eu tive que ser chamado até para depor. Evidentemente que, para mim, o período militar não foi bom, porque dei uma trombada. Mas me saí muito bem, porque eles não tiveram como me pegar. Eu fui até o final. Tudo bem. O entrevistado foi um dos poucos a dizer que sofreu interferência em sua vida profissional por parte dos militares. Em razão de uma sentença desfavorável aos militares, inclusive, chegou a ser chamado para depor: É, o problema é que tinha dado uma sentença contra um oficial da Marinha ligado ao CENIMAR. Ele era um homem de prestígio, o irmão era Secretário de Estado. Eu fui chamado a depor. Eu passei a ser acompanhado - vamos dizer... - por um funcionário que era do serviço secreto dos militares.

13 Então, me chamaram para depor e lá cheguei e fiquei revoltado de ver um juiz, porque deu uma sentença contrária a um oficial da Marinha, ser tratado daquela maneira. Tratado daquela maneira, não. Eles me respeitaram, mas querendo me colocar no CENIMAR e até, possivelmente, me cassar... Eu sei lá o que eles queriam? Porque eu tinha dado uma sentença e na sentença eu citei um grande juiz - que se chamava Aguiar Dias. Eles disseram que esse grande juiz era comunista e que eu era comunista também. Tem umas coisas que acontecem na vida da gente! Aquilo lá me irritou. Eu fui encima desse comandante Baltazar, que foi o autor da denúncia... Esse Comandante Baltazar era Secretário e deu uma denúncia anônima. Eles permitiam, eu soube no CENIMAR, que eles permitiam o anonimato na época da Revolução. Até isso aconteceu. Eu, então, entrei com uma representação no Conselho da Magistratura contra esse Comandante, dizendo que ele tinha envergonhado a farda, pedindo que a conclusão dessa apuração fosse levada à Marinha; para ele ser cassado na Marinha. Lá tem outro termo que eles usam, né? Mas aconteceu isso e acabou que não houve nada comigo e ele teve que arranjar um pistolão para não perder a patente na Marinha. Graças a Deus, também nessa eu me saí bem, defendendo a dignidade da magistratura. É também a opinião do desembargador Luiz Fernando Withaker Tavares da Cunha (2002), que em seu depoimento destacou: Foi um período difícil, porque as garantias da Magistratura foram suspensas e outras garantias constitucionais foram suspensas. Os juízes foram cassados injustamente como o Aguiar Dias, como o Carlos Aroldo Porto Carreiro de Miranda... E então, evidentemente, lutamos contra esse período de exceção... Depois tinha uma coisa: essas cassações não eram produtos de reflexão, de pesquisas. Às vezes eram vinganças pessoais, não é? Muitos políticos foram cassados por vinganças pessoais! Evidentemente, as acusações contra o Porto Carreiro, que era um homem admirável. (...) Era professor de Economia Política, livre docente da Faculdade Nacional de Direito, autor de livros importantíssimos! Eu tive a honra, quando ele voltou à Magistratura, de recebê-lo no Tribunal de Alçada... Evidentemente, em período de exceção todos nós sofremos perigo do alfanje, do facciosismo em cima de nossas cabeças. Eu, várias vezes, estive ameaçado de ser cassado. Inclusive, quando absolvi o jornalista Hélio Fernandes de um crime de grande repercussão, crime contra a honra. Mas... É como dizia um poeta: "ao juiz, não importa a posteridade, importa é a sua consciência. O julgamento dos pósteros para ele pouco interessa. Nós julgamos no momento histórico, nós julgamos numa época. Se tem nas mãos a rosa da consciência não interessa nada. Não interessa o julgamento do futuro ou do presente ou até de pessoas que não compreendem isso. Já a percepção do golpe e do regime por alguns magistrados pode ser exemplificada pelo trecho do depoimento que se segue: Olha, eu teria que abordar a coisa sob dois aspectos: político e jurídico. Quero dizer, a influência política e a jurídica. No ponto de vista político, eu realmente me envergonho muito dessa fase da história do Brasil. Eu lecionei nessa época na faculdade e vi, eu soube, não assisti fisicamente, mas vi muito aluno ser tirado de sala de aula porque havia militares ou alguns traidores denunciantes dentro da sala de aula e que fazia com que esses colegas que eventualmente tivessem se manifestado contra o regime militar, fossem

14 afastados, presos, execrados e por isso mesmo antidemocraticamente atingida a faculdade. Eu tenho duas lembranças muito fortes que posso relatar: uma de magistrado, quando foi preso o juiz da vara criminal, Porto Carreiro, que era considerado comunista e foi preso em casa e o presidente do tribunal, o (...) Murta Ribeiro, foi procurado pelos colegas para dar apoio moral e jurídico e o Murta Ribeiro, lamentavelmente, se esquivou dizendo que o problema não era do tribunal, mas era problema pessoal das ideias dele e deixou vilmente o desembargador, aliás, na época não era desembargador era juiz ou magistrado, ficar acorrentado numa jaula da polícia política e social sem dar a ele o menor socorro, a menor atenção, o menor apoio. Foi um ato de extrema covardia, não só da parte da polícia como da parte do próprio presidente do tribunal (...) Mas eu realmente do ponto de vista institucional, eu tenho pra mim que a revolução foi altamente danosa pra todos, sobretudo porque nós estamos vendo agora e essas eleições, mais uma, refletem bem isso. Ela ceifou da geração toda uma liderança política. Hoje nós não temos líderes políticos, quem são nossos líderes políticos que estão aí nas eleições? Há uma defasagem entre os antigos e os novíssimos. Você vê Antônio Carlos Magalhães e outros estão lá na estratosfera da antiguidade e outros novíssimos como Aécio Neves e outros de vinte e poucos anos de idade que estão surgindo agora. Então, nesse interregno, nesse entremeio, não existem líderes políticos formados na labuta, na liderança diária, na movimentação diária da política, porque eles foram mortos pela revolução. Eu acho que a revolução fez muito mal a esse país (MAGALHÃES: 2002).

15 VII - Referências bibliográficas usadas ALBERTI, Verena. Ouvir contar: textos em história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, BOSI, Ecleá. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 10.ª ed. São Paulo: Cia. das Letras, CARDOSO, Ciro F. Uma introdução à história. 3.ª Ed. São Paulo: Brasiliense, CASTRO, Flávia L. História do direito: geral e do Brasil. 8.ª Ed. Rio de Janeiro; Editora Lúmen Júris, CUNHA, Luiz F. W. T. Depoimento Prestado ao Programa de História Oral & Visual do Poder Judiciário. Rio de Janeiro: Museu da Justiça, 12 de ago Entrevista n.º 84. FERREIRA, Marieta M. & AMADO, Janaína (org.) Usos & abusos da história oral. 5.ª Ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, HESPANHA, António M. A história do direito na história social. Lisboa: Livros Horizonte, LE GOFF, Jacques. História e memória. 4.ª ed. São Paulo: Ed. UNICAMP, LOPES FILHO, Carlos A. Depoimento Prestado ao Programa de História Oral & Visual do Poder Judiciário. Rio de Janeiro: Museu da Justiça, 16 de abr Entrevista n.º 95. MAGALHÃES, Jorge M. Depoimento Prestado ao Programa de História Oral & Visual do Poder Judiciário. Rio de Janeiro: Museu da Justiça, 10 de out Entrevista n.º 86. MUSEU DA JUSTIÇA. Subsídios para a história da justiça do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Gráfica do TJERJ, POLLAK, Michel. Memória e identidade social. Em: Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro: S/ed., 1992, n.º 3, p PORTELLI, Alessandro. O massacre de Civitella Val di Chiana (Toscana, 29 de junho de 1944): mito, política, luto e senso comum. Em: AMADO, J. & FERREIRA, M. M. Usos e abusos da história oral. 5.ª ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2002, pp ROCHA, Jorge L. História da Defensoria Pública e da Associação dos Defensores Públicos do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2004.

16 SILVA, Dalmo Silva. Depoimento Prestado ao Programa de História Oral & Visual do Poder Judiciário. Rio de Janeiro: Museu da Justiça, 31 de ago Entrevista n.º 16. SILVA, Evandro L. O salão dos passos perdidos. São Paulo: Nova Fronteira, WOLKMER, Antônio C. História do direito no Brasil. 5.ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/CNPq - IBMEC-RJ Relatório Final 2012/2013 Título do Projeto: O Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro & a Ditadura Militar: memórias.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA 1 Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA No equilíbrio entre as várias partes do livro, dei maior peso à fase que se inicia nos fins do século XIX e vai até

Leia mais

MUNICÍPIO DE CUIABÁ) Excelentíssimo Senhor Presidente do. Supremo Tribunal Federal, Doutor Professor Gilmar Ferreira

MUNICÍPIO DE CUIABÁ) Excelentíssimo Senhor Presidente do. Supremo Tribunal Federal, Doutor Professor Gilmar Ferreira O SR. JOSÉ ANTÔNIO ROSA (PROCURADOR-GERAL DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ) Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal, Doutor Professor Gilmar Ferreira Mendes, na pessoa de quem cumprimento todos

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA Aluna: Tatiana de Alemar Rios Orientador: Magda Pischetola Introdução A partir do estudo realizado pelo Grupo

Leia mais

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Arquivo Público do Estado de São Paulo Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina: O(s) Uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Ditadura Militar e Anistia (1964 a 1985). Anos de Chumbo no Brasil. Ieda Maria Galvão dos Santos 2º

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

MEMÓRIAS DOS APOSENTADOS CARLOS EDSON MARTINS PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO NA ENTRÂNCIA ESPECIAL

MEMÓRIAS DOS APOSENTADOS CARLOS EDSON MARTINS PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO NA ENTRÂNCIA ESPECIAL MEMÓRIAS DOS APOSENTADOS CARLOS EDSON MARTINS PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO NA ENTRÂNCIA ESPECIAL Início na carreira A bem da verdade nunca havia sonhado em ser promotor. Foi na faculdade, sob a influência

Leia mais

Apresentação no Conselho da Justiça Federal

Apresentação no Conselho da Justiça Federal Apresentação no Conselho da Justiça Federal CUMPRIMENTOS E AGRADECIMENTOS SLIDE UM - INTRODUÇÃO O painel que eu vou apresentar para os senhores hoje faz parte da minha tese de doutorado em Ciências Jurídicas

Leia mais

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8 Capacitação em Educação em Direitos Humanos FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8 1 FUNDAMENTOS HISTÓRICO-FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Direitos Humanos: sua origem e natureza

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

DEFESA DOS CARENTES "O que decidem no mensalão torna-se norte para juízes" Por Marcos de Vasconcellos

DEFESA DOS CARENTES O que decidem no mensalão torna-se norte para juízes Por Marcos de Vasconcellos Revista Consultor Jurídico, 14 de outubro de 2012 DEFESA DOS CARENTES "O que decidem no mensalão torna-se norte para juízes" Por Marcos de Vasconcellos Enquanto, na última semana, os ministros do Supremo

Leia mais

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO AQUI TEM HISTÓRIA : LUGARES DE MEMÓRIA Adriely M. de Oliveira (C. Sociais UEL/ Bolsista IC/Fundação Araucária). Orientadora: Ana Cleide Chiarotti Cesário. Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso.

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II Pág. 1 Caracterização Curso: LICENCIATURA EM HISTÓRIA Ano/Semestre letivo: 01/1 Período/Série: 6 Turno: ( ) Matutino ( X ) Vespertino ( ) Noturno Carga horária semanal: 3h (4 aulas) Carga horária total:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS CPI - GRUPOS DE EXTERMÍNIO NO NORDESTE EVENTO: Reunião ordinária

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE Gerson Luiz Martins PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE A contribuição da Reportagem, Assessorias e Agências para a formação do jornal diário. Equipe

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

AS FIANDEIRAS DE JATAÍ: UMA MEMÓRIA SE PERDENDO NO TEMPO

AS FIANDEIRAS DE JATAÍ: UMA MEMÓRIA SE PERDENDO NO TEMPO AS FIANDEIRAS DE JATAÍ: UMA MEMÓRIA SE PERDENDO NO TEMPO Simone Aparecida Borges Dantas 1 Adriano Freitas Silva 2 Esta comunicação é fruto do projeto de pesquisa As fiandeiras de Jataí: Uma memória se

Leia mais

MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997

MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997 MEMPORIAS DOS APOSENTADOS JOSÉ CARLOS ORTIZ PROMOTOR DE JUSTIÇA APOSENTADO ENTRÂNCIA ESPECIAL INÍCIO E SAÍDA DO MPSP: 01/12/1978 A 08/08/1997 APMP: Como surgiu a ideia de prestar concurso para o MP? Desde

Leia mais

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA.

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. Autora: Mestra Rosicleide Henrique da Silva Universidade Federal de Campina

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 97 Discurso no banquete oferece/do

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Para atender ao objetivo geral descrito, apontamos o seguinte objetivo específico:

Para atender ao objetivo geral descrito, apontamos o seguinte objetivo específico: 14 1. INTRODUÇÃO Como a comunicação é utilizada para mobilização social e captação de recursos na ONG Visão Mundial? (Terceiro Setor). O estudo tem como principal objetivo entender a dinâmica da comunicação

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA Camila Nicola Boeri Universidade de Aveiro Portugal camilaboeri@hotmail.com Márcio Tadeu Vione IFMT - Campus Parecis - MT mtvione@gmail.com

Leia mais

Só o governo pode garantir o desenvolvimento.

Só o governo pode garantir o desenvolvimento. ENTREVISTA Só o governo pode garantir o desenvolvimento. O ministro Eros Grau PERFIL INFORMAÇÕES PESSOAIS NOME COMPLETO Eros Roberto Grau DATA DE NASCIMENTO 19 de agosto de 1940 LOCAL DE NASCIMENTO Santa

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO SEM SUPERVISÃO

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO SEM SUPERVISÃO CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS CPI - SIVAM EVENTO: N : 0528/02 DATA: 04/06/02 INÍCIO: 15h35min TÉRMINO:

Leia mais

Valentim e mais 23 arguidos vão a Julgamento

Valentim e mais 23 arguidos vão a Julgamento Valentim e mais 23 arguidos vão a Julgamento Fonte: anti-corrupcao.150m.com e Correio da Manhã O juiz Pedro Miguel Vieira validou as mais de 16 mil horas de escutas do caso Apito Dourado e decidiu levar

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Miracy Gustin * Responsabilidade Social do Operador Jurídico é um tema muito importante. Primeiro, porque nós não estamos chamando o operador

Miracy Gustin * Responsabilidade Social do Operador Jurídico é um tema muito importante. Primeiro, porque nós não estamos chamando o operador Miracy Gustin * A verdade é que quando recebi o convite, sendo uma associação de advogados de trabalhadores rurais, fiquei muito emocionada. E pensei: eu tenho que levar o melhor. O que vale mesmo é eu

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Boa tarde! Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Chediek, e a toda sua equipe, pela oportunidade em participar desse importante

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

Antônio Carlos Bento Ribeiro

Antônio Carlos Bento Ribeiro Antônio Carlos Bento Ribeiro Acredito que a Academia pode e deve participar do processo de renovação do Direito do Trabalho no Brasil. Centrada essencialmente nas transformações que têm afetado o mundo

Leia mais

Felippe Augusto de Miranda Rosa

Felippe Augusto de Miranda Rosa Acervo do Museu da Justiça Diretoria-Geral de Comunicação e de Difusão do Conhecimento Um dos pioneiros da difusão da Sociologia do Direito no Brasil, presidiu o 1º Tribunal de Alçada do Estado do Rio

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO Eugênia Augusta Gonzaga Fávero

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO Eugênia Augusta Gonzaga Fávero EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO Eugênia Augusta Gonzaga Fávero (A autora deste artigo é procuradora da República. Como mãe de duas crianças que freqüentam a educação infantil, e como profissional na área

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71?

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? Entrevista com Cecília Coimbra (CRP 05/1780), psicóloga, professora da UFF e presidente do Grupo Tortura Nunca Mais/RJ. 1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? No Brasil, de 1970 a 1974,

Leia mais

coleção Conversas #15 - NOVEMBRO 2014 - eg o. m r e é r q Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #15 - NOVEMBRO 2014 - eg o. m r e é r q Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. o coleção Conversas #15 - NOVEMBRO 2014 - Sou d advoga Será a que e é nã p o r consigo e q u e sou n m pr eg r eg o a?. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça!

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Tânia Miranda * A memória histórica constitui uma das mais fortes e sutis formas de dominação. A institucionalização da memória oficial

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 29 Discurso na cerimónia de premiação

Leia mais

LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS

LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS CAIADO, Katia Regina Moreno Docente da Faculdade de Educação da Puc-Campinas Doutoranda na Faculdade de Educação da USP. INTRODUÇÃO

Leia mais

MEMÓRIAS DOS APOSENTADOS ANTONIO PAULO COSTA DE OLIVEIRA E SILVA. Procurador de Justiça aposentado. APMP: Por que escolheu ser promotor de Justiça?

MEMÓRIAS DOS APOSENTADOS ANTONIO PAULO COSTA DE OLIVEIRA E SILVA. Procurador de Justiça aposentado. APMP: Por que escolheu ser promotor de Justiça? MEMÓRIAS DOS APOSENTADOS ANTONIO PAULO COSTA DE OLIVEIRA E SILVA Procurador de Justiça aposentado APMP: Por que escolheu ser promotor de Justiça? Sendo bem franco, creio que ponderável razão para que eu

Leia mais

O Regime de Exceção 1964/67 e o AI-5

O Regime de Exceção 1964/67 e o AI-5 O Regime de Exceção 1964/67 e o AI-5 O REGIME DE EXCEÇÃO (64/67) E A GÊNESE DO AI-5 O GOVERNO CASTELO BRANCO, O REGIME DE EXCEÇÃO (64/67) E A GÊNESE DO AI-5 Reiteradamente caracterizado como "legalista"

Leia mais

Olhos nos olhos. Qual é o impacto da utilização da videoconferência no processo penal e a interferência dessa medida no trabalho do advogado?

Olhos nos olhos. Qual é o impacto da utilização da videoconferência no processo penal e a interferência dessa medida no trabalho do advogado? Olhos nos olhos Se o interrogatório O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, atua em Brasília há 30 anos e é um dos mais respeitados criminalistas do país. Tendo a liberdade como fator preponderante

Leia mais

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA Ires de Oliveira Furtado Universidade Federal de Pelotas iresfurtado@gmail.com

Leia mais

A INCORPORAÇÃO DE RELATOS ORAIS COMO FONTES NA PESQUISA HISTÓRICA

A INCORPORAÇÃO DE RELATOS ORAIS COMO FONTES NA PESQUISA HISTÓRICA A INCORPORAÇÃO DE RELATOS ORAIS COMO FONTES NA PESQUISA HISTÓRICA Carla Monteiro de Souza* Em todos os tempos existem homens, eles existem no seu tempo e continuarão a existir enquanto alguém contar a

Leia mais

- Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas

- Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas - Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas curiosidades. Se quiseres, depois deixo-te ler. - Tu sabes

Leia mais

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU NOME LUIS FILIPE PERTENCENTE A ALGUMA ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL? ESTADO MUNICÍPIO RIO DE JANEIRO (RJ) NOVA FRIBURGO DESCRIÇÃO DO CASO QUALIFICAÇÃO SEXO MASCULINO IDADE 22 25 COR GRAU DE INSTRUÇÃO

Leia mais

Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos do novo quadro legal

Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos do novo quadro legal RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS Arbitragem voluntária tem nova lei a boleia da troika Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos

Leia mais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais 1 Fernando Correia Fernando António Pinheiro Correia nasceu em Coimbra em 1942. Jornalista. Docente universitário, com o grau de Professor Associado Convidado. Investigador em Sociologia, História e Socioeconomia

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS PROJETO DE PESQUISA SUBMETIDO AO INGRESSO NO GRUPO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS PROJETO DE PESQUISA SUBMETIDO AO INGRESSO NO GRUPO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS PROJETO DE PESQUISA SUBMETIDO AO INGRESSO NO GRUPO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REFLEXOS JURÍDICOS ACERCA DAS INOVAÇÕES NO DIVÓRCIO E SEPARAÇÃO OCASIONADAS PELA LEI 11.441/07

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL Por: Daniela Borges Lima de Souza1 e Bruno Mourão Paiva2 Francês, nascido em 1924, o professor Pierre Weil é escritor, educador e psicólogo

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

DISCURSO DE HOMENAGEM DA ENTREGA DA COMENDA ORLANDO GOMES AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO CESAR ASFOR ROCHA

DISCURSO DE HOMENAGEM DA ENTREGA DA COMENDA ORLANDO GOMES AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO CESAR ASFOR ROCHA DISCURSO DE HOMENAGEM DA ENTREGA DA COMENDA ORLANDO GOMES AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO CESAR ASFOR ROCHA Magnífica Reitora da insigne Universidade Federal da Bahia, Profa. Dra. Dora Leal Rosa. Ilustríssimo

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS

SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS SEGURANÇA PÚBLICA ASSUNTO DE TODOS Minhas áreas de atuação são, pela ordem de número de eventos: Gestão de Projetos; Gestão de Ativos; Gestão de Segurança Industrial e Gestão Estratégica de empresas. Considero-me,

Leia mais

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' Lewandowski critica voto secreto no Congresso Para ministro do Supremo, "esse modo de pensar é incompatível com a Constituição" 'Sessão secreta não é compatível

Leia mais

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #6 Eu Posso com a s fazer próprias justiça mãos? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito CARIACICA-ES ABRIL DE 2011 FACULDADE ESPÍRITO SANTENSE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Pesquisa direcionada a alunos egressos dos cursos

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Os Direitos Humanos no debate parlamentar da Câmara dos Deputados nos anos da ditadura militar (1964-1985)

Os Direitos Humanos no debate parlamentar da Câmara dos Deputados nos anos da ditadura militar (1964-1985) RÓBINSON TAVARES DE ARAÚJO Os Direitos Humanos no debate parlamentar da Câmara dos Deputados nos anos da ditadura militar (1964-1985) Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor,

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 66 Discurso na solenidade de comemoração

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

A importância de ler Paulo Freire

A importância de ler Paulo Freire A importância de ler Paulo Freire Rodrigo da Costa Araújo - rodricoara@uol.com.br I. PRIMEIRAS PALAVRAS Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) o educador brasileiro que via como tarefa intrínseca da educação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

O JUDICIÁRIO DE RONDÔNIA NO PERÍODO MILITAR * THE JUDICIARY OF RONDÔNIA DURING THE MILITARY PERIOD NILZA MENEZES **

O JUDICIÁRIO DE RONDÔNIA NO PERÍODO MILITAR * THE JUDICIARY OF RONDÔNIA DURING THE MILITARY PERIOD NILZA MENEZES ** O JUDICIÁRIO DE RONDÔNIA NO PERÍODO MILITAR * THE JUDICIARY OF RONDÔNIA DURING THE MILITARY PERIOD NILZA MENEZES ** Resumo O presente artigo apresenta uma reflexão do comportamento dos magistrados dos

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

MÉTODO DE APROVAÇÃO 2.0

MÉTODO DE APROVAÇÃO 2.0 MÉTODO DE APROVAÇÃO 2.0 Os 3 Passos Estratégicos para ser Aprovado em Concursos Priorizando os temas do Edital Gerson Aragão Ex-Defensor Público VERSÃO 2.1 Atualizado 12.11.2015 Índice Apresentação.. 03

Leia mais

ETAPA DO CONHECIMENTO FINANCEIRO

ETAPA DO CONHECIMENTO FINANCEIRO 1 Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Curso de Administração DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO FINANCEIRA PROF. ELISSON DE ANDRADE TEXTO 2: ETAPA DO CONHECIMENTO FINANCEIRO Estrutura do texto 1

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA Entrevista realizada em: 5.6.2013 Hora: 16h30min. Local: Sala do prof. Almir Bueno CERES Caicó/RN

Leia mais