A TIPIFICAÇÃO DO CRIME POLÍTICO DURANTE A DITADURA MILITAR BRASILEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TIPIFICAÇÃO DO CRIME POLÍTICO DURANTE A DITADURA MILITAR BRASILEIRA"

Transcrição

1 A TIPIFICAÇÃO DO CRIME POLÍTICO DURANTE A DITADURA MILITAR BRASILEIRA Felipe dos Santos Lopes (IC) e Regina Célia Pedroso (Orientadora) Apoio: PIBIC Mackenzie/MackPesquisa Resumo Este trabalho tem como tema central o estudo de alguns processos crimes que tramitaram durante o regime militar brasileiro. Trata-se de processos cujos réus foram enquadrados como criminosos políticos e/ou presos políticos ao longo da Ditadura Militar brasileira ( ). Busca-se compreender esse período da recente história de nosso país, por meio da análise de processos que tramitaram na Justiça Militar Brasileira, os quais são fontes de informação que mostram as ações e reações que o então sistema vigente praticava contra os indivíduos que contrariavam a ordem. Para tanto escolhemos seis processos contra militares objetivando observar a tipologia do crime político cometido por militares da ativa. Cabe mencionar o fato de que embora o Ministério Público promovesse as ações, aparentemente os acusados tinham todos os direitos processuais assegurados, vale dizer, ocorria devido processo legal, pois havia citação, intimação, ampla defesa, contraditório, requerimento de laudos periciais, entre outras. Ou seja, o Poder Judiciário garantia direitos aos indivíduos, possibilitando um processo justo e imparcial. Estes processos tramitaram pela Justiça Militar, cabe agora saber se o respeito a essas garantias está ligado à ordem vigente ou se ocorreu um corporativismo entre os militares que julgavam seus colegas de quartel devidamente, enquanto a justiça comum não garantia aos cidadãos as mesmas garantias e submetiam estes a uma justiça parcial, inclinada a favorecer os interesses do governo instituído. Palavras-chave: Ditadura Militar, presos políticos, legalidade autoritária Abstract This work is focused on the study of some cases crimes processed during the Brazilian military regime. These are processes whose defendants were framed as "political criminals" and / or "political prisoners" during the Brazilian military dictatorship ( ). We seek to understand this period of recent history of our country, through the analysis of cases handled in the Brazilian Military Justice, which are sources of information that show the actions and reactions that the then existing system practiced against individuals who spoke against the order. We chose six cases against the military aimed to observe the typology of political crimes committed by active duty military. It is worth mentioning the fact that although the prosecutor filed the cases, the defendants apparently had all the procedural rights guaranteed, ie, due process occurred because there was subpoena, legal defense, contradictory, application of expert reports, among other. That is, the Judiciary guarantee rights to individuals, enabling a fair and impartial process. These proceedings before the military justice system, it is now about whether these guarantees are linked to the existing order or if there was a corporatism in the military who thought his colleagues duly barracks, while the common law does not guarantee citizens the same assurance and subjected such a partial justice, inclined to favor the interests of the established government. Key-words: Military Dictatorship, political prisoners, authoritarian legality 1

2 VII Jornada de Iniciação Científica INTRODUÇÃO Este artigo tem como tema central um estudo geral acerca dos tipos de crimes cometidos pelos indivíduos enquadrados como criminosos políticos e/ou presos políticos ao longo da Ditadura Militar brasileira, especificamente militares que foram processados a partir da legislação vigente. Foi realizado um levantamento qualitativo dos tipos de crimes cometidos contra o Estado - enquadrados a partir da Lei de Segurança Nacional de 1967 e que vigorou até o final da Ditadura. Assim, a relação entre legislação e práticas criminais será visualizada ao longo do texto principal. Esse corpo documental processos crimes além de nos fornecer o enquadramento legal da subversão, também nos fornece a sentença proferida pelo Poder Judiciário o que também é de nosso interesse visto que a maior parte dos presos políticos foi submetida ao quadro de legalidade da época. Com essa pesquisa vamos discutir como pano de fundo o que se passou no Brasil durante o regime militar focando principalmente na legislação de segurança desta época e do estado de exceção que ocorreu. Muitos dos direitos que temos hoje, principalmente na esfera jurídica e política, não se tinham durante a ditadura, assim pretendemos em um nível comparativo posterior, observar as infrações políticas modernas com as infrações estabelecidas naquele período obscuro de nossa história. Objetiva-se com esse estudo detido aos processos da justiça Militar a compreensão da lógica do crime e seu enquadramento na legislação de época, bem como a sentença aplicada. Cabe ressaltar que essa compreensão é primordial para a análise que se pretende fazer posteriormente acerca do crime político na Ditadura Militar brasileira. A história da repressão política no Brasil ainda é um tema tabu e que tem no pesquisador deste início de século o trabalho prioritário de resgatar as facetas desses momentos políticos, que relegaram ao cidadão sua exclusão da política e por extensão uma cidadania de segundo plano, uma vez que seus direitos políticos foram cassados. Compreender o funcionamento das instituições da violência que deram o suporte da repressão política pode conduzir a compreensão do funcionamento do Estado repressivo a mostrar suas entranhas e artimanhas. REFERENCIAL TEÓRICO Após o Golpe de 64, instaurou-se no Brasil o chamado Regime Militar, ou seja, uma Ditadura dirigida e governada pelos oficiais militares brasileiros. O regime perdurou entre os anos de 1964 até Os presidentes da república militares, a saber, foram: Humberto de Alencar Castello Branco ( ), Arthur da Costa e Silva ( ), Junta Militar (08/ /1969), Emílio Garrastazu Médici ( ), Ernesto Geisel ( ), 2

3 João Batista de Oliveira Figueiredo ( ). Segundo Gusson (2010) durante esses anos o regime combateu os militantes contrários ao governo vigente. O movimento estudantil teve grande representação nas lutas políticas e sociais, nesse contexto, tornou-se importante nos quadros de oposição. Em resposta a esta ação estudantil, o governo fez uso de diversos aparatos para combater os estudantes, tais como a instrução de processos judiciais contra manifestações estudantis consideradas subversivas. Reportando-se ao período, lembramos que se tratava de Guerra Fria e instalada a Ditadura era necessário mecanismos legais para garantir seu funcionamento repressivo. Logo o meio mais eficaz para isso foi a Legislação, diante de leis é que se tornam possíveis e legais a prática de determinados atos pelo Governo. O Poder Público só pode praticar atos que a lei lhe atribua e permita (princípio da legalidade). Justifica-se o mencionado pelos dizeres de Barros (2010), após a 2ª Guerra Mundial pairou-se um sentimento de proteger a paz mundial e proporcionar avanço do progresso da humanidade. Com isso criaram-se leis a fim de garantir isso. No Brasil sentimos tal tendência com a Lei de Segurança Nacional, a qual no regime militar atribuiu à justiça militar a competência para processar e julgar militares e civis pela pratica de crimes referidos na lei. Em 1967 foi editado o Decreto-Lei nº 314, este dispositivo reformou a então legislação vigente, porém apesar da reforma, esta não se fez suficiente para os objetivos desejados pelo regime, logo em 1969, o Decreto-Lei nº 898, revogou o dispositivo de 1967 e em seu artigo 3º assim definiu a Segurança Nacional compreende, essencialmente, medidas destinadas à preservação da segurança externa e interna, inclusive a prevenção e repressão da guerra psicológica adversa a da guerra revolucionária ou subversiva. De acordo com Barros (2010), este decreto inseriu no ordenamento jurídico as penas de morte e prisão perpétua, sanções estas previstas em quinze infrações ditadas pela Lei de Segurança Nacional. Sem dúvida, este foi mais um dos instrumentos legislativos utilizados na ditadura com o intuito de fortalecer seu poder e fazer da repressão mecanismo para conquistar respeito da sociedade. Este decreto ainda vedou o sursis (suspensão condicional da pena) para os crimes que atentavam contra a Segurança Nacional (artigo 75) e incluiu no rol de crimes contra a Segurança Nacional, os delitos de assalto, roubo e depredação de estabelecimento de crédito ou financiamento. No entanto esta lei não foi suficiente, então sucessivamente foram editados Atos Institucionais (AI), o pico da legislação repressiva ocorreu com o AI-5 em 1968, entre uma das garantias suprimidas por esta lei, foi a proibição de habeas corpus. Para Cademartori (2010), a edição do AI-5 inaugura uma fase em que o princípio jurídico absoluto passa a ser a defesa da segurança nacional, o que requer a neutralização de um grande número de normas até então em vigor. Com a proibição do habeas corpus, a inexistência de 3

4 VII Jornada de Iniciação Científica comunicação de prisão e de prazo para a conclusão de inquérito, o preso político ficava entregue sem defesas aos órgãos de segurança. Permaneceria ali, submetido a torturas até confessar o que seus interrogadores quisessem, momento em que seria comunicada sua prisão à Justiça Militar. Como o ambiente em 1968 era desfavorável ao governo militar, este editou o AI-5, que concentrou o poder nas mãos do Poder Executivo, o Presidente da República passou a gozar de grandioso poder uma vez que ele podia até mesmo legislar. Segue as implicações do AI-5: suspensão dos direitos políticos e cassação de mandatos por 10 anos, intervenção nos estados e municípios, suspensão das garantias constitucionais quanto à vitaliciedade e inamovibilidade, podendo demitir e reformar militares, aposentar funcionários e juízes, decretação de estado de sítio e sua prorrogação, estendendo prazo de vigência, confisco de bens resultantes de enriquecimento ilícito, suspensão de habeas corpus, recesso do congresso e das assembléias por prazo indeterminado, entre outras. Desta forma, como menciona Martins (1999), o AI-5 acentuou a militarização do regime e resultou de uma série de manifestações de várias frentes de oposição à ditadura que vinham se avolumando desde o início de Ainda segundo o mesmo autor, este instrumento arbitrário de poder suspendeu todas as garantias civis em nome da guarda e do respeito a Segurança Nacional e, para completar, concedeu ao Poder Executivo o direito de legislar. Diante de tais informações, fica evidente a gravidade do que se estabeleceu durante esses anos de regimes políticos fortes da história do Brasil, no qual os direitos humanos não faziam parte da mentalidade governista, e nem mesmo o direito a liberdade contra abusos de autoridade era assegurado aos cidadãos brasileiros, caracterizava-se sem dúvida um estado de exceção, no qual o único direito assegurado era obediência a ordem mandante. Para Rizzo de Oliveira (apud ROUQUIÉ, 1980) no governo Geisel, a Justiça Militar foi transformada num dos principais focos de contradições do regime, baseada em uma legislação contraditória, rígida e repressiva. Embora sejam evidentes a repressão e a inexistência de direitos, em entrevista ao programa Dossiê da emissora Globo News ( ), o General Leônidas Pires Gonçalves, excomandante do DOI-CODI do Rio de Janeiro, alega que no Brasil não houve exílios durante a Ditadura Militar, e afirma que todos aqueles que se dizem exilados, são na verdade fugitivos e assustados, cita entre eles até o ex Presidente da República Fernando Henrique Cardoso. Menciona também que alguns desses fugitivos foram se preparar militarmente para promover revolução no Brasil. O regime militar de 1964 possuiu um quadro de complexidade e sofisticação se compararmos com a Ditadura de Getúlio Vargas ( ). Getúlio Vargas alicerçou sua estrutura repressiva na repressão policial. Fato notório que bem ilustra o momento varguista foi o caso de Olga Benário Prestes que foi 4

5 deportada para a Alemanha. Este acontecimento é bem ilustrado por Moraes Godoy (2007), mulher que lutou e morreu por seus ideais, judia e comunista. Olga foi entregue grávida ao governo alemão, acusada de vínculo com o comunismo, seus julgadores foram Carlos Maximiliano (maior especialista em interpretação do direito no Brasil), Francisco Campos (jurista mineiro, serviu as ditaduras, autos da Constituição de 1937 e do AI-2 de 1964) e Vicente Rao (advogado e professor de Direito, autor da lei de Segurança Nacional que enquadrou Olga). Portanto podemos afirmar que o regime militar após ser instalado de imediato atuou legislando sob normas já existentes e normas que tornasse possível e legal seus atos repressivos e ditatoriais. A Ditadura Militar utilizou-se do arcabouço repressivo varguista. MÉTODO A documentação preponderante para a realização desta pesquisa está no Fundo Brasil Nunca Mais, composto por uma gama de documento acerca da repressão política durante a Ditadura Militar. São mais de 700 processos de presos políticos brasileiros durante a Ditadura Militar, além de documentos reproduzidos relativos à material encontrado em posse dos militantes políticos e anexados aos processos como prova do crime político. A partir desse corpo documental foi instituída a pesquisa qualitativa com enfoque para a análise dialética do fato jurídico. Com relação ao trato com o documento, foi realizada a leitura e sistematização das informações contidas nos processos judiciais da alçada da Justiça Militar, em fichas padronizadas que foram utilizadas para a redação dos resultados e discussão neste artigo científico e para a formação de um futuro banco de dados sobre o período em questão (futuramente prevê-se, outros projetos em continuidade a este para a composição de um banco de dados de acesso livre). Nosso método qualitativo de pesquisa prevê a análise dos documentos anexos aos processos (geralmente são as provas incriminatórias) buscando a lógica/traços da violência simbólica, violência moral ou violência física; e a detecção de documentos que apontem para o crime ou para a sentença judicial. RESULTADOS E DISCUSSÃO Seguirá agora a apresentação de seis peças processuais que tramitaram na Justiça Militar durante o período da Ditadura Militar. Visa-se com este estudo, demonstrar o que exatamente ocorria, quais as garantias asseguradas dentro desta esfera do Poder em nosso país. Iniciamos com o processo 263. Pelo exame dos autos verificamos a história do réu, José Anselmo dos Santos, o qual foi indiciado pelo Ministério Público (MP), por extraviar armas 5

6 VII Jornada de Iniciação Científica de um quartel. Segundo consta, no dia , o acusado retirou do Serviço de Material Bélico de Corpo de Fuzileiros Navais, os fuzis FS nº 6506 e 6713, bem como 1500 cartuchos, seguindo ordens do ex-vice-alm Aragão. Na denúncia, o MP afirma que o armamento foi entregue ao denunciado, por cautela rubricada, pelo ex-mg-fn Ary da Frota Roque. Depois de recolher as armas, ao chegar ao prédio dos Correios, José entregou uma delas a um colega ignorado e ficou com a outra. Após a vitória da Revolução de 1964, o réu fez desaparecer o fuzil que ficou em sua posse. Segundo relatos, ele havia atirado a arma dentro do rio D Ouro, no Estado do Rio de Janeiro. Diante disso, o MP requereu a condenação do réu ao artigo 265, do Código Penal Militar de 1944 (CPM). Apresentada tal denúncia pelo MP, o réu foi citado, no entanto não se apresentou; em seguida, foi citado por edital, ainda assim não apareceu. Desta forma, foi decretada revelia e nomeou-se um curador. Como havia um possível envolvimento de oficias generais no caso, a pedido do MP, o processo foi ao Superior Tribunal Militar (STM). Contudo, o STM remeteu os autos novamente a Auditoria da Marinha, pois Aragão não tinha mais direito a foro do STM, pois fora demitido da Marinha. Instaurada a ação na Marinha, em suas alegações finais, o MP afirmou que a denúncia estava inteiramente provada, visto que a assinatura do réu confirma que ele realmente retirou as armas. O testemunho de Alexandre Souber também confirma o delito cometido por José; Jair Baptista Lopes, também testemunha, responsabiliza o denunciado pelo extravio das armas, pois ele recebeu o material no dia Ary da Frota Roque afirma que entregou as armas a José, e alega que o acusado é de alta periculosidade, devendo ser condenado a pena máxima. Por outro lado, a defesa diz que a única prova existente nos autos, é uma fotocópia referente às citadas armas, e serve apenas de indício; não é conclusivo e é inequívoco sobre a responsabilidade penal do denunciado. As provas testemunhais são apenas um terreno de presunções, além do mais, no processo não estão indenes de dúvidas relativas à autoria do crime. Logo, a defesa pede improcedência da acusação e absolvição do réu. Na sentença, a Auditoria disse que extraviar, só é crime, quando praticado dolosamente, sendo assim, por inexistência de provas do ato voluntário do acusado, no sentido de extraviar a arma que receberá como militar, a denúncia não pode ser considerada procedente. Por unanimidade, o Conselho Permanente de Justiça decidiu absolver José, pois além do acima exposto, os depoimentos não encontram nenhuma outra confirmação nos autos, portanto, não produz certeza no espírito do julgador e não serve de suporte a uma sentença condenatória. Diante de tal decisão, o MP apelou junto ao STM, pelas seguintes razões: as provas documentais e testemunhais não deixam dúvidas da culpabilidade do acusado, a fotocópia 6

7 referente à entrega das armas, comprova pela assinatura do réu, que ele de fato retirou o material. Alexandre Soubre afirma que, José lhe disse no DOPS, ter jogado o fuzil no rio, sendo assim, não resta dúvida de que o acusado extraviou as armas dolosamente e, diante disso, a sentença deve ser reformada para condenar José. A defesa por seu turno alegou que a sentença era de melhor direito, e que deveria ser mantida pelo Tribunal. A Procuradoria Militar da 1ª Auditoria de Marinha da 1ª Circunscrição Judiciária Militar em seu parecer, afirmou que o enquadramento deveria ser o artigo 214 do CPM de 1944, e não o artigo 265 do CPM de 1969, pois ao tempo do crime era essa a legislação vigente para tal fato. Diante das provas apresentadas, tal órgão requereu a manutenção da sentença, não autorizando desta forma a condenação, pois existem apenas indícios e não há nada conclusivo e inequívoco sobre a responsabilidade penal do réu. Por tal pedido, coube ao STM confirmar a sentença apelada, foi mantida por unanimidade no citado Tribunal, sendo assim, José foi absolvido das acusações a ele dirigidas. No processo 276, o réu, José Eduardo Pinto da Silva, foi indiciado porque em 1964 tentou aliciar militares (colegas de farda) para a prática de crimes. José também pertencia a uma organização de caráter internacional que foi dissolvida por força de dispositivo legal. Quando depôs no Inquérito Policial Militar (IPM), José afirmou que pertenceu ao Partido Comunista (PC) e que se afastou do mesmo quando entrou no Exército, sua entrada no partido ocorreu no dia 01/05/1963, por lá trabalhou no setor cultural dando aulas teóricas sobre o Comunismo. Concluído o IPM, foi declarado que José: afirmou abertamente ser comunista, no Exército iniciou um trabalho de aliciar elementos para construir um grupo com o fim de se apossar do aquartelamento, o soldado estava muito ligado a elementos civis pertencentes ao PC. Diante do exposto, houve crime militar porque o réu tentou aliciar seus colegas com as seguintes finalidades: a) por ocasião de uma formatura da divisão, pretendia tumultuar o desfile de sua unidade, comprometendo-lhe o bom nome; b) desejava tomar o aquartelamento, colocando-o a serviço do PC. A prova de tal conclusão são as declarações do indiciado e o depoimento de testemunhas. Desta forma, o Ministério Público (MP) com fundamento nos autos do IPM, denunciou José nos artigos 133 e 134 do Código Penal Militar de Requereu também a prisão preventiva do soldado, pedido este que foi deferido em 09/02/1965. Após a denúncia, a 3ª Auditoria da 1ª Região Militar, citou legalmente José, seu advogado requereu um exame pericial a fim de avaliar a sanidade do réu, o pedido foi deferido e pelo laudo constatou-se que se tratava de uma personalidade não social e incapaz, definitivamente, para o serviço no Exército. 7

8 VII Jornada de Iniciação Científica Em 27/04/1965 a defesa pediu o arquivamento do processo alegando que, José não tinha agido com dolo, e também foi requerido que ele fosse entregue a custódia dos pais. No dia 04/05/1965 o réu foi solto mais não ocorreu o arquivamento do processo. Nas alegações finais, o MP argumentou que a condenação deveria ocorrer, pois a denúncia foi integralmente provada com a confissão do acusado e confirmada pela prova testemunhal. Afirmou ser o réu reincidente. A defesa contestou, dizendo que José sofre de uma moléstia bastando ver a vida pregressa dele pra se constatar isto. Além do mais o laudo da perícia também provou a falta de sanidade do acusado. Pediu a absolvição e alegou para tanto que o réu nunca declarou ser comunista, era apenas uma conversa e que não pretendia aliciar ninguém e que não ficou provado o contrário nos autos. O Conselho Permanente de Justiça da 3ª Auditoria da 1ª Região Militar sentenciou improcedente a denúncia, argumentando para isso que não foi praticado atos que se enquadrem nos artigos 133 e 134 do Código Penal Militar. Afirmou ainda que, declarar-se comunista não torna possível uma condenação, porque a Constituição Federal vigente aquele tempo garantia a livre manifestação de pensamento, além do mais, jurisprudências do Superior Tribunal Militar (STM) assim também entendiam. Desta forma o réu foi absolvido por 4 votos a 1. A Promotoria discordou da sentença e apelou junto ao STM afirmando que houve confissão clara e expressa, a ação do soldado pretendia atrapalhar a ação de sua Cia, aliciou militares, incitou seus colegas a desobediência e por fim o laudo pericial lhe conferiu responsabilidade penal. A Procuradoria Geral requereu a condenação à luz do artigo 134 do Código Penal Militar, pois devido o réu ser um militar, ele levou a efeito em sua unidade a prática de tal crime. Esse mesmo órgão reconheceu que não era possível a condenação pelo artigo 133 porque faltava ao réu condição de liderança e capacidade para aliciar elementos de sua unidade. O STM ao julgar, entendeu que José não tinha capacidade para influir o suficiente pra aliciar e incitar, e os autos demonstram que o soldado não foi levado a sério por seus colegas, assim sendo, os fatos não se enquadram nos artigos da denúncia e por isso a corte mantém a sentença apelada e absolve o réu. No processo 285 do Fundo Brasil Nunca Mais encontramos a história de José Arimathea Coradello Lima. Verificamos que o réu era militante do Partido Comunista do Brasil (PC) e entregou um livro chamado Eu, Gregório Bezerra Acuso a um amigo, esse levou o livro ao quartel, pois lhe foi pedido que após ler deveria indicar a amigos e assim o fez, levou a obra até o Quartel do Estabelecimento Central de Transportes onde servia como soldado. O livro acabou sendo apreendido, visto que é uma publicação subversiva, incita à subversão da 8

9 ordem política social, desobediência coletiva às leis, animosidade entre as forças armadas e a classe civil, isso consta na página 5 do processo. Uma das testemunhas afirmou em depoimento que encontrou o livro em uma gaveta da mesa do Coronel da Guarda, leu, mais não contou a ninguém que havia feito. Reinaldo dos Neves Ferreira, quem levou o livro ao quartel e o recebeu de José, em seu depoimento afirmou que José entregou o livro a pai de Raimundo e que este o repassou, o depoente ficou entusiasmado com José pois este lhe prometeu que se tornaria um dos grandes do país. Outra testemunha disse ter encontrado o livro por um acaso, leu, sabia que o livro era de Reinaldo, porque este havia lhe dito pra ler o livro, no entanto achou a obra subversiva mais não suficiente para induzir a enveredar por tal caminho. Depois de realizado o inquérito policial, o Ministério Público (MP) pediu a condenação de José, com vistas aos depoimentos das testemunhas, nos artigos 33 e 34 do Decreto Lei nº 314 de José foi devidamente citado por edital, no entanto não compareceu e tornouse revel. O Conselho Permanente da 2ª Auditoria da 1ª Região Militar absolveu José, fundamentou sua decisão no fato de faltar tipicidade, fato este que ficou devidamente provado pelas provas dos autos. Realmente podemos ver pelo processo que a acusação do MP não tem muito fundamento, por outro lado, de acordo com os artigos o crime era possível, tanto é que o MP fez a acusação. Diante de tal absolvição, o MP recorreu, alegou que a decisão tratava-se de uma aberração jurídica, devido ao fato de que ficou claro que José entregou o livro e que afirmar a inexistência disso é demonstrar a não leitura dos autos. A defesa de José por sua vez alegou que a sentença devia ser mantida porque faltam provas do crime e a denúncia não preenche as exigências do artigo 188 do Código de Justiça Militar. Em pró réu também foi alegado ausência da vontade de delinqüir para integrar o dolo, elemento este que é consubstancialmente do delito. A Procuradoria Geral da Justiça Militar da 2ª Auditoria da 1ª Região Militar pediu a condenação de José. Após as alegações, o STM decidiu condenar José a 18 meses de detenção à luz dos artigos 33, I, II, III, IV, único e 34 do Decreto Lei nº 314 de A fundamentação da sentença afirmou que José quis catequizar Reinaldo e que, portanto é o vilão da história e por isso merece a condenação. No dia 30/05/1969 saiu o mandado de prisão, no entanto José não foi encontrado, logo não ocorreu à prisão. Posto isso, em 16/07/1975 foi declarada extinta a punibilidade pela prescrição da pena (artigo 126 e 125 do Código de Processo Penal Militar). Em 24/04/1975 o advogado de José requereu que fosse recolhido o mandado de prisão expedido, visto que a pena havia prescrito. No dia 20/06/1975 foi reconhecida a prescrição da pena, desta forma verificou-se que neste processo embora tenha ocorrido à condenação o réu não cumpriu a pena, pois não foi encontrado pelo Poder Público. 9

10 VII Jornada de Iniciação Científica Já no processo 319, pela leitura dos autos verificamos o caso de José Ferreira de Souza, 3º Sargento Q.S.T.A, (quadro de soldados Taifeiros da Aeronáutica) além de seu cargo militar ele também era Presidente do Clube de Taifeiros da Aeronáutica. Pela gestão em tal cargo ele foi acusado de praticar diversas ações ilegais, tais como: incitar colegas à indisciplina, propaganda de idéias comunistas nos boletins do clube (esses eram de sua responsabilidade), corrupção e favorecimento junto a ministros, perseguições aos contrários a direção do clube e a presença de livros comunistas na biblioteca da instituição por ele presidida. Apesar das diversas suspeitas o Ministério Público (MP) centrou a denúncia nos seguintes fatos e dizeres: Durante o período em que ocupou o cargo de Presidente do Clube dos Taifeiros da Aeronáutica, praticou o crime de incitamento de seus colegas à indisciplina, por intermédio de seus discursos e boletins do Clube do Taifeiros da Aeronáutica, conforme confessou em seu depoimento serem de sua inteira responsabilidade (folhas 2). Feita a denúncia o processo teve seu tramite legal respeitado, houve sorteio e compromisso do conselho, citação do réu, consulta a antecedentes do réu, qualificação, inquirição de testemunhas e interrogatório do réu. Nas alegações finais junto à 1ª Auditoria, o MP centrou-se nos seguintes pontos: a) nos boletins haviam teses incompatíveis com a disciplina militar ( reivindicações da classe, incitamento à indisciplina); b) depoimento de Francisco Antonio de Souza, que diz: que é de seu conhecimento que por intermédio do Boletim do Clube dos Taifeiros da Aeronáutica era feito o incitamento à indisciplina ; c) testemunha na página 58 declara: o TM Joel constantemente afirmava que o Clube dos Taifeiros era o sindicato dos taifeiros, em outras palavras, era o veículo que levava às autoridades constituintes às renvindicações dos taifeiros; d) TM-Q-TA-Co Jarbas Ribeiro declarou: que a responsabilidade pela matéria publicada nos Boletins da Associação dos Taifeiros da Aeronáutica era do Presidente do Clube ; e) no Inquérito Policial Militar (IPM) Joel disse que era o responsável pelas matérias publicadas nos boletins. Não havendo nunca o caso de publicação de matéria, em boletim, sem seu conhecimento. A defesa por sua vez limitou-se a afirmar que o crime não ocorreu e desta forma pleiteava a absolvição de Joel. Posto isso, o Conselho Permanente de Justiça da 1ª Auditoria da Aeronáutica, por maioria de votos absolveu Joel, fundamentou a decisão no fato de que verificando os boletins não é possível atribuir ao acusado intenção de incitamento a indisciplina pela autorização das publicações, logo não se encontrou no processo, elementos de convicção que autorizem o reconhecimento de sua responsabilidade criminal. 10

11 Insatisfeito com a sentença o MP apelou ao Superior Tribunal Militar (STM), na apelação argumentou que o depoimento de Francisco Antonio de Souza e as teses dos boletins que eram de responsabilidade do acusado estavam evidentes e eram motivos suficientes para condenação do réu as penas previstas do parágrafo único do artigo 134 do Código Penal Militar. A defesa pediu a manutenção da sentença apelada afirmando que o recurso não encontra amparo nas provas dos autos, o acusado não praticou qualquer ato capaz de justificar a denúncia e as testemunhas afirmaram unanimemente que Joel não incitava seus companheiros à prática de insubordinação, indisciplina. A Procuradoria Geral por sua vez pediu a reforma da sentença e a condenação do réu, pois as provas testemunhais e documentais comprovam o delito praticado. Citou um trecho de um dos boletins, tal era: repetindo, sentimo-nos força operante, mercê da combatividade dos colegas, coesos e disciplinados para obtenção do ideal mais discutido de todos os tempos a condição igualitária de todos os entes humanos, a Procuradoria afirma que tal trecho, princípio basilar da filosofia comunista, é prova do delito. Feitas as alegações de defesa e acusação o STM manteve a sentença apelada, segundo o Tribunal, verificando o andamento do processo é possível notar que o réu sequer foi punido administrativamente, porque a Comissão de Investigação Sumária não conseguiu enquadrálo no artigo 7º do AI-I. Logo as provas também não bastam para condená-lo. No processo 471 o senhor Jocelyn Barreto Brasil da Lima, segundo consta nos autos, estava seriamente comprometido na sublevação contra o regime democrático brasileiro, tinha propósito de atentar contra a segurança do Estado e sua ordem Política e Social. O Ministério Público (MP) alegou que o Coronel foi preso por determinação do Exm Sr. Comandante da Primeira Zona Aérea, Brigadeiro do Ar. Armando Serra de Menezes porque queria o réu submeter o Brasil ao jugo comunista, valendo-se das classes operárias e estudantis. Além do mais, compareceu a inúmeras reuniões políticas e culturais de caráter comunista e nelas pregava a subversão à ordem pública. Também confessou o acusado, que viajou para o nordeste e norte pregando a inadiabilidade das reformas de base e diz ser um elemento atuante e fanático entregue totalmente a subversão. Desta forma o MP requereu a condenação aos artigos 12 e 33, I e IV do decreto lei nº 314 de Estes autos passaram por uma história interessante, logo após o Inquérito Policial Militar, foram remetidos a Justiça Comum de Belém do Pará, a promotoria ai ofereceu denúncia. O processo foi para a Auditoria da 8ª Região Militar, e o MP atuante em tal região também ofereceu denúncia, mas faltaram juízes para compor o Conselho, seguiram os autos até a Auditoria da 10ª Região Militar (Fortaleza) e novamente faltou juiz. Foi remetido o processo para a Auditoria da 7ª Região Militar (Recife), nova denúncia do MP e mais uma vez faltou juiz. Vai até a Auditoria da 6ª Região Militar (Salvador), ausência de juízes, ai chegou os 11

12 VII Jornada de Iniciação Científica autos a 1ª Auditoria da Aeronáutica em Guanabara, o MP ofereceu denúncia, porém a Auditoria suscitou conflito de negativo de jurisdição devido à demissão do acusado do quadro de oficiais, no entanto o Superior Tribunal Militar julgou improcedente. Assim sendo, formou-se finalmente o Conselho Especial de Justiça, seis testemunhas foram inquiridas, algumas delas por carta precatória inquiritória na 8ª Região Militar. Nas alegações finais o MP limitou-se ao já dito na denúncia e requereu a condenação as penas descritas nos dispositivos legais mencionados acima. A defesa, por sua vez, requereu a absolvição afirmando que a denúncia é inepta. Feito isso, a Auditoria procedeu ao julgamento. Afirmou ser defeso ao Estado disciplinar, restringir e até proibir o mau uso da liberdade de agir. Confessar-se comunista é uma das formas de externar sua convicção ideológica, sendo assim, convicções de caráter doutrinário só será crime se alterar, perturbar ou subverter a Ordem Política ou Social vigente no país ou a sua segurança interna e externa. Ficou claro que o MP não conseguiu provar os fatos, pois apontamentos encontrados em poder do réu quando foi preso são anotações sem qualquer significado subversivo, as testemunhas nada afirmaram sobre agitação de massa, divulgar doutrina comunista ou modificação do regime constituído. Logo as provas não autorizam concluir pela responsabilidade do réu nos dispositivos da Lei de Segurança Nacional. E desta forma, por unanimidade de votos foi considerada improcedente a denúncia. O MP insatisfeito com tal veredicto apelou junto ao STM, todavia, a Procuradoria Geral da Justiça Militar da 1ª Auditoria da Aeronáutica entendeu que a sentença não merece reforma, porque é manifesta a insuficiência de elementos probatórios capazes de levar o intérprete a concluir pela condenação, visto que é necessária a plena convicção do comportamento delitivo do apelado. Das provas utilizadas, a documental (manuscrito do réu) não tem sentido de subversão, apenas é uma pesquisa eleitoral. A prova testemunhal esfumaçou-se, pois as testemunhas não afirmaram ter havido coação, inculparam o réu e perderam-se em evasivas. Posto isso, a insuficiência de provas, afirma que o acusado não praticou crime e o MP nada apresenta de concreto no recurso, desta forma, deve se manter a sentença apelada. Feitas tais alegações o STM negou provimento à apelação e confirmou a sentença, visto que, não resultou provada nos autos a existência de qualquer crime cometido pelo réu, parecer este que combina com o pedido da Procuradoria. E, no processo 569 ocorreu o caso do soldado Jarbas da Silva que fazia parte do corpo da Polícia Militar de Porto Alegre. Segundo apurou-se, ele elaborava planos subversivos e para isso buscava o apoio de seus colegas de corporação, seu desejo era promover insurreição 12

13 armada e tentar subverter a ordem e a estrutura social vigente no Brasil. Além do mais era tido a difamar o Presidente da República, enaltecia figuras políticas cassadas e militares expurgados. Afirmava participar de um movimento que estabeleceria guerrilhas (o movimento liderado por Leonel Brizola, de que trata o processo 501 do Fundo Brasil Nunca Mais). Pra piorar, o soldado ainda promoveu a criação e divulgação de um panfleto, que segundo os órgãos de acusação, eram contra a ordem e a disciplina. Por tais feitos, que se verificam pelo Inquérito Policial Militar (IPM) feito, o Ministério Público enquadrou Jarbas nos artigos: 23, 36, 45 e 49 do Decreto Lei nº 898 de 29/09/1969 e artigo 214 do Código Penal Militar de A história da participação no plano da guerrilha não era verdade, como informou o IPM, por isso o soldado acabou sendo acusado de ter caluniado oficiais das Forças Armadas, pois em sua história citou nomes de tais profissionais. Em relação ao panfleto, segue uma cópia abaixo que foi copiada da folha 18 do volume 2 do processo hora estudado: Soldados Unidos, vide nossas famílias na miséria : Nós que deveríamos ser bem remunerados pela missão árdua e cheia de perigos que desempenhamos. Enquanto que extermineis a vossa pouca saúde, pela precária alimentação, os senhores oficiais com suas mesas fartas, suas esposas bem trajadas e seus filhos nos melhores colégios riem as nossas custas, sem o pobre PM, portanto conclamamos a união de nossa valorosa classe na:- reivindicação de melhores salários e - maior amparo para nossas famílias, que também são gente. No seu depoimento, no processo, Jarbas afirmou que conversava sobre política com seu chefe de corporação, disse que viam as ações de Carlos Lamarca como corretas devido aos fins que pretendiam, no entanto tais conversas ocorriam em jantares regados a vinho e que por isso a língua afrouxava. Diante de tal situação, a Brigada Militar solucionou o caso da seguinte maneira: por ter agido de contrário a Legislações Nacionais, ele foi expulso da Brigada sendo o fundamento legal a letra b do art. 34 do decreto nº 8835 de 23/02/1942. Após a expulsão, o Ministério Público (MP) requereu a prisão do soldado à luz do art. 255, a, b e c; art. 254, a e b do Código de Processo Penal Militar. O processo estava em andamento na Justiça Militar do Estado, no entanto, após o requerimento do MP os autos foram remetidos a 1ª Auditoria da 3ª Região Militar do Exército Nacional. Mas os autos voltaram a já citada Justiça Estadual devido dúvidas a respeito da competência. Oferecida a denúncia pela Procuradoria, a Justiça Federal entendeu que não poderia aceitar visto que a Justiça do Estado deveria ter aceitado a denúncia do MP ou suscitado conflito negativo de jurisdição, pois a Justiça Militar Federal já havia declinado de 13

14 VII Jornada de Iniciação Científica sua competência anteriormente. Os autos foram a Justiça da Brigada Militar estadual onde foi requerido o conflito negativo de jurisdição junto ao Tribunal Federal de Recursos que entendeu ser a Justiça Militar Federal a competente, pois os delitos são violações a Lei de Segurança Nacional, ou seja, lei federal. Feito isso, o réu foi devidamente citado pela 1ª Auditoria da 3ª Circunscrição Judiciária Militar. No depoimento o soldado assumiu serem verdadeiros os fatos constantes na denúncia, porém afirmou que tudo não se passava de brincadeira. Nas alegações finais a Procuradoria pediu a condenação, pois considera procedentes as denúncias visto que o depoimento de Jarbas (a folha 532 do processo) e as provas testemunhais. A defesa por sua vez, alegou ser o réu inocente, como se verifica pelas provas colhidas nos autos. No dia 03/05/1973 em Porto Alegre, o Tribunal designado ao caso, absolveu por unanimidade de votos o réu das denúncias contra ele oferecidas devido à falta de tipicidade (art. 439, b, do Código de Processo Penal Militar). Na fundamentação da sentença foi dito que embora Jarbas tenha feito os panfletos e os distribuídos, eles não ferem o art. 23 do Decreto Lei nº 898/69, pois não tinha cunho subversivo. O movimento revolucionário era pura fantasia do réu, logo se torna impossível atribuir a ele os art. 36, 45 e 49 do decreto a cima já citado. Em relação a calunia, faltou publicidade ao ato, portanto inaplicável é o art. 214 do Código Penal Militar ao caso. Além do mais o soldado já foi punido, foi expulso da corporação, puni-lo novamente seria uma condenação muito rigorosa. Descontente com a decisão o MP apelou ao Superior Tribunal Militar (STM) embasado no argumento de que ficaram provadas nos autos as acusações, a defesa rebateu afirmando estar à sentença de acordo com a justiça. O Tribunal ao julgar a apelação, apesar de considerar Jarbas um péssimo militar (era um bêbado), manteve a sentença apelada e assim fez coisa julgada, sendo o réu absolvido das denúncias. Pela análise destes seis processos, podemos afirmar a existência de legislação repressiva intensa atuando contra qualquer movimento que demonstrasse um mínimo de contrariedade ao regime, constatamos isso porque a maioria das denúncias se tratava de crimes subversivos, desordem e insurreição militar. Esse quadro institucionalizado da legislação de exceção atuou na edificação da legalidade autoritária conceito amplamente utilizado para entender o posicionamento das instituições do direito frente às arbitrariedades do regime militar. Os processos foram escolhidos dentre aqueles movidos contra militares, com o intuito de observarmos a lógica da suspeição e incriminação dentro dos quadros das forças armadas. Dos réus julgados, no entanto, houve cinco absolvições e apenas uma condenação, e está 14

15 ainda só ocorreu no Superior Tribunal Militar, na primeira instância o réu fora absolvido. Diante disto, fica claro que o Ministério Público, embora agindo dentro da legalidade, tornouse um dos pilares da repressão, uma vez que oferecia denúncia a qualquer fato mínimo, exemplo disto é o processo de número 285 do Fundo Brasil Nunca Mais, no qual o réu foi condenado por ter indicado a leitura de uma obra literária a um amigo. Fica clara a fragilidade das acusações, as provas eram normalmente testemunhais e alguma anotação sem muita importância do acusado, logo a maioria dos processos foram julgados improcedentes justamente pela falta de prova conclusiva sobre a culpabilidade do indivíduo. Cabe aqui uma observação, apesar de não ter ocorrido nenhuma menção a tortura nos autos, é pertinente o fato de que em todas as peças, a grande prova da acusação eram depoimentos testemunhais, mesmo amigos dos acusados, davam depoimentos no qual imputavam ao colega de farda, total culpabilidade, e estavam sempre de acordo com as alegações do Ministério Público. Destacamos aqui os depoimentos testemunhais que ocorreram no Processo de nº 319, na página 306, Francisco Antonio de Souza afirma que é do seu conhecimento que por intermédio do Boletim do Clube dos Taifeiros da Aeronáutica era feito o incitamento a indisciplina. O TM-Q-TA-Co Jarbas Ribeiro na página 22 da mesma ação declara que a responsabilidade pela matéria publicada nos Boletins da Associação dos Taifeiros da Aeronáutica era do Presidente do Clube, ou seja, de Joel Ferreira de Souza (o réu deste processo). No Processo de nº 263 verificamos o testemunho de Jair Baptista Lopes, página 300, no qual responsabilizou o denunciado pelo extravio das armas, pois o mesmo as recebeu no dia Em todos esses depoimentos ficou bastante claro que os testemunhos estavam sempre de acordo e eram as bases centrais das acusações feitas pelo Ministério Público. Será isso apenas coincidência? Ficamos com a posição de que estes depoimentos testemunhais eram tirados mediante uso de coerção. A respeito disso temos um importante comentário de Fico (2007) no qual o autor diz, a responsabilidade pela tortura já ficou atestada na declaração do ex- presidente da República Ernesto Geisel sobre a necessidade dela, no entanto caberia apenas levá-la a efeito sem dar na vista, de modo clandestino. Este mesmo autor menciona que dos 50 mil presos durante o Regime Militar no Brasil, cerca de 20 mil foram torturados. Cabe aqui também mencionar o fato de que embora o Ministério Público promovesse as ações, aparentemente os acusados tinham todos os direitos processuais assegurados, vale dizer, ocorria devido processo legal, pois havia citação, intimação, ampla defesa, contraditório, requerimento de laudos periciais, entre outras. Ou seja, o Poder Judiciário garantia direitos aos indivíduos, possibilitando um processo justo e imparcial. Estes processos tramitaram pela Justiça Militar, cabe agora saber se o respeito a essas garantias 15

16 VII Jornada de Iniciação Científica está ligado à ordem vigente ou se ocorreu um corporativismo entre os militares que julgavam seus colegas de quartel devidamente, enquanto a justiça comum não garantia aos cidadãos as mesmas garantias e submetiam estes a uma justiça parcial, inclinada a favorecer os interesses do governo instituído. CONCLUSÃO Diante do estudo realizado, verificamos que a Ditadura Militar ocorrida no Brasil tratou-se de um período que comportou legislação e práticas de execução de extrema exceção, que marcou a história de nosso país, pois ocorreram diversos atos ilegais, tais como: tortura, quebra de direito civis e políticos, parcialidade no judiciário, perseguições políticas etc. Como afirma Pereira (2010): organizou-se a partir do Golpe de 1964 uma caça às bruxas a supostos comunistas na sociedade e instaurou uma ditadura, que se tornaria cada vez mais repressiva nos anos que se seguiria. O regime militar brasileiro, que terminou em 1985, foi um dos precursores para um novo tipo de autoritarismo na América Latina. Por meio da afirmação do citado autor e verificando o período, a partir dos processos estudados torna-se evidente o fato de que estes acontecimentos embora sejam de responsabilidade do governo que vigorou durante estes anos, tem forte influência americana, pois era de interesse dos Estados Unidos a repressão ao comunismo, que se fazia um forte inimigo na busca da hegemonia mundial intentada por esta nação com forte cunho imperialista. Todo um arcabouço foi montado para garantir a vigência do governo autoritário, exemplo disso foi: Legislação repressiva, propaganda ideológica em prol do regime, aparelhos policias de repressão, sistemas de informações sigilosas, censura na imprensa e caça aos revolucionários comunistas. Recentemente o General Leônidas Pires Gonçalves afirmou que pagou 150 mil a um integrante do comitê central do Partido Comunista do Brasil (PC do B) para obter informações de uma reunião dos integrantes do partido que ocorreria em São Paulo. Até mesmo o Poder Judiciário não ficou isento de participação nesta estrutura, embora sempre agindo na legalidade proclamada. O Superior Tribunal Militar, condenou um indivíduo a 18 meses de detenção pelo fato de ter indicado a um jovem militar a leitura de uma obra que o regime então vigente julgava ser de cunho subversivo. Os crimes políticos durante a ditadura no Brasil incidiam na militância em organização partidária proibida, participação em ação violenta armada, manifestação de idéias inclusive por meios legais, participação em diferentes postos do governo deposto em 1964, além da simples identificação política com ele. Assim podemos afirmar que a tipificação do crime 16

17 político recaiu sobre o universo da propagação das idéias políticas oposicionistas. O suspeito era aquele que professava a ideologia comunista. Logo, pela análise dos processos e do estudo doutrinário a respeito destes anos fortes de nossa pátria, ficamos com a conclusão de que a estrutura montada para defender e manter vigente o regime militar atingiu todos os setores e com a força militar impôs-se por 20 anos um governo autoritário no Brasil que tinha como principal meta erradicar o comunismo e tornar-se cada vez mais capitalista e defensor dos ideais norte americanos na América, afinal o continente é para os americanos, mesmo que isto custe marginalização de direitos humanos e do regime democrático. Esse é o nosso legado. REFERÊNCIAS Fontes BRASIL. Processo nº263. José Anselmo dos Santos. Fundo Brasil Nunca Mais. Arquivo Edgard Leuenroth. Unicamp BRASIL. Processo nº 276. José Eduardo Pinto da Silva. Fundo Brasil Nunca Mais. Arquivo Edgard Leuenroth. Unicamp BRASIL. Processo nº 285. José Arimathea Coradello Lima. Fundo Brasil Nunca Mais. Arquivo Edgard Leuenroth. Unicamp BRASIL. Processo nº 319. José Ferreira de Souza. Fundo Brasil Nunca Mais. Arquivo Edgard Leuenroth. Unicamp BRASIL. Processo 471. Jocelyn Barreto Brasil de Lima. Fundo Brasil Nunca Mais. Arquivo Edgard Leuenroth. Unicamp BRASIL. Processo 569. Jarbas da Silva. Fundo Brasil Nunca Mais. Arquivo Edgard Leuenroth. Unicamp Legislação Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº1, de 09 de abril de Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº2, de 27 de outubro de Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº3, de 05 de fevereiro de Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº4, de 07 de dezembro de Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº5, de 13 de dezembro de Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº6, de 01 de fevereiro de Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº7, de 26 de fevereiro de

18 VII Jornada de Iniciação Científica Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº8, de 02 de abril de Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº9, de 25 de abril de Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº10, de 10 de maio de Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº11, de 14 de agosto de Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº12, de 01 de setembro de Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº13, de 05 de setembro de Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº14, de 05 de setembro de Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº15, de 11 de setembro de Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº16, de 14 de outubro de Coleção de Leis do Brasil. Ato Institucional nº17, de 14 de outubro de COLEÇÃO DE LEIS DO BRASIL. Lei de Segurança Nacional. Decreto nº898, de 27 de setembro de Livros, artigos e teses BARROS, Marco Antonio de. A Lei de Segurança Nacional e a Legislação Penal Militar. Disponível em: <www.justitia.com.br/artigos/4714cb.pdf>. Acesso em: 03 de outubro de CADEMARTORI, Daniela M.L.. O Julgamento dos Crimes Políticos no Brasil: o direito numa estrutura política autoritária ( ). Disponível em: <http://www.buscalegis.ufsc.br/revistas/index.php/buscalegis/article/viewfile/12172/11737>. Acesso em: 17 de julho de CONSTANTE MARTINS, Ricardo. Ditadura Militar e Propaganda Política: a revista Manchete durante o governe Médici. Dissertação de Mestrado apresentada a Faculdade de Ciências Sociais do Centro de Educação e Ciências Humanas da Universidade Federal de São Carlos, ENTREVISTA. Dossiê Globo News, Rio de Janeiro: Globo News, 04 abr Programa de TV. FICO, Carlos. Como Eles Agiam: os Subterrâneos da Ditadura Militar, Espionagem e Polícia Política. Record, GASPARI, Elio. As Ilusões Armadas: a ditadura escancarada. 2ª Reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras,

19 GUSSON, Claudia Maria. Movimento Estudantil e Repressão Judicial: o regime militar e a criminalização dos estudantes brasileiros Disponível em:< Acesso em: 20 de setembro de PEDROSO, Regina Célia. Estado autoritário e Ditadura Militar. São Paulo: Humanitas, PEREIRA, Anthony W. Ditadura e Repressão: o Autoritarismo e o Estado de Direito no Brasil, no Chile e na Argentina. 1ª Edição. São Paulo: Paz e Terra, ROUQUIÉ, Alain. Conflitos Militares e Decisões Políticas Sob a Presidência do General Geisel APUD Os Partidos Políticos Militares no Brasil, Rio de Janeiro: Paz e terra, VOLPATO CURI, Isadora. Juristas e Regime Militar : a atuação de Victor Nunes Leal no STF e de Raymundo Faoro na OAB. São Paulo: Dissertação de Mestrado apresentada a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, Contato: e 19

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Competência da Justiça Militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* A Justiça Militar é um dos órgãos do Poder Judiciário, com previsão constitucional e Lei de Organização Judiciária que

Leia mais

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º PROCEDIMENTO DA AUTORIDADE POLICIAL DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS CONHECIMENTO DA NOTITIA CRIMINIS delegado deve agir de acordo comoart.6º e 7º do CPP, (não exaustivo

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

MODELO QUEIXA-CRIME. (especificar a Vara de acordo com o problema)

MODELO QUEIXA-CRIME. (especificar a Vara de acordo com o problema) Disciplina Processo Penal Aula 10 Professora Beatriz Abraão MODELO DE PETIÇÃO DE INTERPOSIÇÃO E RAZÕES DE APELAÇÃO EM CASO DE CONDENAÇÃO POR CRIME COMUM Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da...

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (11) 3256-1321 abraidi@abraidi.com.br www.abraidi.com.br 1ª. Edição 2014 REGIMENTO

Leia mais

APELAÇÃO CRIMINAL Nº 599295-2 DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA 11ª VARA CRIMINAL APELANTE 1: APELANTE

APELAÇÃO CRIMINAL Nº 599295-2 DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA 11ª VARA CRIMINAL APELANTE 1: APELANTE APELAÇÃO CRIMINAL Nº 599295-2 DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA 11ª VARA CRIMINAL APELANTE 1: CLEBER ALVES APELANTE 2: MARCELO FABRÍCIO PRESTES AMÉRICO APELADO: MINISTÉRIO

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RC 1-30.2013.6.21.0068 PROCEDÊNCIA: FLORES DA CUNHA RECORRENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL RECORRIDO: JONATAN DE OLIVEIRA -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil

BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil DIALOGANDO SOBRE JUSTICIA MILITAR BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil 1. De acordo com as leis de seu País, qual

Leia mais

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa

As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa As interceptações telefônicas como prova cautelar e os princípios do contraditório e da ampla defesa Evandro Dias Joaquim* José Roberto Martins Segalla** 1 INTRODUÇÃO A interceptação de conversas telefônicas

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0 RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL GUILHERME COUTO DE CASTRO APELANTE : UNIAO FEDERAL APELADO : JOSÉ RODRIGUES PINHEIRO ADVOGADO : SONIA REGINA DALCOMO PINHEIRO ORIGEM : QUARTA VARA FEDERAL DE VITÓRIA (200050010111940)

Leia mais

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010.

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010. 1/7 CONSIDERANDO a Lei de Execução Penal 7.210/1984, a partir da redação em vigor dada pela Lei 10.792/2003, especificamente no que diz respeito ao Exame Criminológico; CONSIDERANDO a Súmula Vinculante

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Número de Ordem Pauta Não informado Registro: 2011.0000029051 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0010102-10.2007.8.26.0302, da Comarca de Jaú, em que é apelante ROMILDO SEGUNDO

Leia mais

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA * Luis Fernando da Silva Arbêlaez Júnior ** Professora Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A Constituição Federal

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL (Processo n 001.2008.024234-8/001) RELATOR: Desembargador Luiz Silvio

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

Monitoramento de mídia digital Tribunal de Justiça de Pernambuco. Assunto: Veículo: Jornal do Commercio Data: 27/11/2012

Monitoramento de mídia digital Tribunal de Justiça de Pernambuco. Assunto: Veículo: Jornal do Commercio Data: 27/11/2012 Assunto: Veículo: Jornal do Commercio Data: 27/11/2012 Editoria: Caderno C Dia a Dia Assunto: TJPE nomeia novos servidores Veículo: diariodepernambuco.com.br Data: 08/01/2013 Editoria: TJPE nomeia novos

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS ICP nº 1.18.000.002374/2011-31 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, com fundamento no art. 17 da Lei nº 8.429/92 e com base nas

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL AÇÃO PENAL PÚBLICA tem início através de uma peça que se chama denúncia. Essa é a petição inicial dos crimes

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA IX DIREITO PENAL II TEMA: MEDIDA DE SEGURANÇA E REABILITAÇÃO PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS MEDIDA DE SEGURANÇA 1. Conceito: sanção penal imposta pelo Estado, na execução de uma sentença, cuja finalidade

Leia mais

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. LEONARDO P. DE CASTRO, advogado inscrito na OAB sob o nº 4.329, com escritório nesta Comarca, na Avenida

Leia mais

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL SINDICÂNCIA PATRIMONIAL A sindicância patrimonial, assim como os demais procedimentos investigativos, conforma um procedimento inquisitorial, sigiloso, não contraditório e não punitivo, que visa colher

Leia mais

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMENTÁRIOS DA PROVA Questões da prova de Oficial de Justiça PJ-H/2014 Questão 48 (art. 325) Questão 47 (art. 312 parágrafo segundo) QUESTÃO 48 - GABARITO: D QUESTÃO 47 - GABARITO: C CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01 REGIMENTO INTERNO O presente Regimento Interno, dirigido aos associados da ONG Brigada 1, inscrita no CNPJ 05.840.482/0001-01 e previsto no Art. 4º do Capítulo II do Estatuto da Instituição, visa estabelecer

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) Altera os arts. 161, 162, 164, 165, 169 e 292 do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941- Código

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito Efeito suspensivo O RESE, como regra, não tem efeito suspensivo. Terá, apenas, quando a lei prever. O art. 584 do CPP 1 prevê 05 hipóteses

Leia mais

Cidadão com Segurança. Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia

Cidadão com Segurança. Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia Cidadão com Segurança Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público e Procurador-Geral da República Roberto Monteiro Gurgel Santos Comissão do Sistema Prisional,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS CPI - GRUPOS DE EXTERMÍNIO NO NORDESTE EVENTO: Reunião ordinária

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

Chile: Cronologia processo contra Augusto Pinochet

Chile: Cronologia processo contra Augusto Pinochet Chile: Cronologia processo contra Augusto Pinochet Julho de 1996 São apresentadas as primeiras queixas criminais contra Augusto Pinochet, com acusações de genocídio e terrorismo no Supremo Tribunal de

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS PROCESSUAL CIVIL P/ TCU 3º SIMULADO DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL P/ TCU! PROFESSOR: RICARDO GOMES

PONTO DOS CONCURSOS PROCESSUAL CIVIL P/ TCU 3º SIMULADO DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL P/ TCU! PROFESSOR: RICARDO GOMES 3º SIMULADO DE DIREITO! AVISOS: Estamos ministrando os seguintes CURSOS: ORGANIZAÇÃO DO MPE/RJ DIREITO PROCESSUAL PARA O TCU TEORIA E EXERCÍCIOS REGIMENTO INTERNO DO TSE TODOS OS CARGOS (TEORIA E EXERCÍCIOS)

Leia mais

Principais questões jurídicas: SUMÁRIO

Principais questões jurídicas: SUMÁRIO Processo n.º 7 / 2010 Recurso de Decisão Jurisdicional em Matéria Administrativa Data da conferência: 18 de Junho de 2010 Recorrente: Secretário para a Segurança Recorrido: A Principais questões jurídicas:

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 492/92 - Segunda Câmara - Ata 37/92 Processo nº TC 005.648/88-2 Responsáveis: JOÃO JOSÉ LAMARQUE e IVANEI CANHOLA DE SOUZA Órgão: Superintendência Regional

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br AULA 01 O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Conflito de interesses - duas pessoas possuem interesse sobre o mesmo bem

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE BARRA DO GARÇAS GABINETE DA SEGUNDA VARA CRIMINAL S E N T E N Ç A

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE BARRA DO GARÇAS GABINETE DA SEGUNDA VARA CRIMINAL S E N T E N Ç A Código: 170741 Autor: Ministério Público Estadual Réu: Eldo Barbosa S E N T E N Ç A 1. Relatório O Ministério Público estadual ofereceu denúncia, fls. 05/08, contra Eldo Barbosa, por supostamente ter infringido

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente) e CLAUDIO GODOY.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente) e CLAUDIO GODOY. fls. 133 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000597809 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2120157-80.2014.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante EMPRESA FOLHA DA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS Órgão : Segunda Turma Criminal Classe : Apelação Criminal Nº Processo : 1999 04 1 000829-4 Apelante : JOÃO AMARO FERNANDES Apelada : A JUSTIÇA PÚBLICA Relator : Des or GETULIO PINHEIRO Delito de trânsito.

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Direito Processual Penal 2ª Fase OAB/FGV Professora Beatriz Abraão MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da... Vara Criminal da Comarca... (especificar

Leia mais

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO 1 - RELATÓRIO Nos presentes autos de processo comum, com intervenção do Tribunal Singular, o Ministério Público deduziu acusação contra Maria Silva, nascida a 11 de Setembro de 1969, natural de Coimbra,

Leia mais

A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES

A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES Tiago Ghellar Fürst A nova Lei de Falências e Recuperação Judicial, que entrou em vigor no dia 09.06.2005 (Lei 11.101/2005, publicada no DOU

Leia mais

RESULTADO DO JULGAMENTO. DENUNCIADA: Equipe TCC/UNITAU/UNIMED/TARUMÃ-TAUBATE

RESULTADO DO JULGAMENTO. DENUNCIADA: Equipe TCC/UNITAU/UNIMED/TARUMÃ-TAUBATE RESULTADO DO JULGAMENTO Processo nº 05/2012 DENUNCIADA: Equipe TCC/UNITAU/UNIMED/TARUMÃ-TAUBATE Aos cinco dias do mês de novembro de dois mil e doze, reuniu-se a Comissão Disciplinar do Superior Tribunal

Leia mais

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1 EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR Por Cid Sabelli 1 INTRODUÇÃO Fato tormentoso na vida do cidadão diz respeito às informações lançadas em sua folha de antecedentes

Leia mais

Hugo Nigro Mazzilli AD V OG AD O OAB - SP n. 28.656

Hugo Nigro Mazzilli AD V OG AD O OAB - SP n. 28.656 As investigações do Ministério Público para fins penais (Artigo publicado na Revista APMP em Reflexão Ano 1, n. 4, p. 12, São Paulo, APMP, 2005) Hugo Nigro Mazzilli Advogado e consultor jurídico Procurador

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11 Capítulo I PROVAS... 13 1. Introdução... 13 2. Das provas aspectos gerais (arts. 155 a 157 do CPP)... 13 3. Ônus da prova, provas antecipadas e provas de ofício... 14 4. Prova

Leia mais

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO

SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO SIMULADO 2ª FASE EXAME DE ORDEM DIREITO PENAL CADERNO DE RASCUNHO Leia com atenção as instruções a seguir: Você está recebendo do fiscal de sala, além deste caderno de rascunho contendo o enunciado da

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro RELATÓRIO O Senhor DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO: Cuida-se de apelação criminal interposta pelo Ministério Público Federal contra sentença proferida pelo MM. Juízo da 37ª Vara de Pernambuco, na

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes).

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). RESUMO: O principal objetivo deste artigo é apresentar os problemas relacionados

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito de associação do servidor público militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* Constituição Federal vigente rompeu com o Estado até então existente e que era regido pela Constituição

Leia mais

1. RECURSO DE APELAÇÃO

1. RECURSO DE APELAÇÃO 1. RECURSO DE APELAÇÃO 1. 1 HIPÓTESES DE CABIMENTO - Sentença condenatória. - Sentença absolutória. - Sentença de absolvição sumária no âmbito do Tribunal do Júri, nos termos do art. 415 do CPP. - Decisão

Leia mais

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo SEM REVISÃO O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo Ary César Hernandez (*) Promotor de Justiça SP SUMÁRIO: 1 Generalidades. 1.1 O poder disciplinar. 1.2 Requisitos da aplicação de

Leia mais

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11.

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro Recentemente publicamos um artigo no qual

Leia mais

AUTOR : ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL/OAB SEÇÃO DE PE E OUTRO. Objetos: 01.04.08.07 Telefonia Concessão/Permissão/Autorização Serviços Administrativo

AUTOR : ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL/OAB SEÇÃO DE PE E OUTRO. Objetos: 01.04.08.07 Telefonia Concessão/Permissão/Autorização Serviços Administrativo 0019828 49.2011.4.05.8300 Classe: 1 AÇÃO CIVIL PÚBLICA AUTOR : ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL/OAB SEÇÃO DE PE E OUTRO ADVOGADO: PAULO HENRIQUE LIMEIRA GORDIANO RÉU: TIM NORDESTE TELECOMUNICACOES S.A. E

Leia mais

LEI Nº 1704, DE 15 DE JANEIRO DE 1953 ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA MILITAR

LEI Nº 1704, DE 15 DE JANEIRO DE 1953 ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA MILITAR 1 LEI Nº 1704, DE 15 DE JANEIRO DE 1953 ORGANIZA A JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS Faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º LEI N.º 10/91 A Assembleia Nacional no uso das atribuições que lhe são conferidas ao abrigo da alínea d) do artigo 87º. Da Constituição, aprova a seguinte Lei: ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA (P 3 )

PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA (P 3 ) PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA (P 3 ) CESPE/UnB STM/2012 Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso deseje, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva o texto para o CADERNO

Leia mais

COMENTÁRIOS A POSSE E O PORTE ILEGAL DE ARMAS E SUAS PREVISÕES LEGAIS E JURISPRUDENCIAIS

COMENTÁRIOS A POSSE E O PORTE ILEGAL DE ARMAS E SUAS PREVISÕES LEGAIS E JURISPRUDENCIAIS COMENTÁRIOS A POSSE E O PORTE ILEGAL DE ARMAS E SUAS PREVISÕES LEGAIS E JURISPRUDENCIAIS Ricardo Benevenuti Santolini 1 Resumo:A sociedade brasileira repudia qualquer tipo de delito que possa causar grande

Leia mais

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho Lei nº 06/2004 de 17 de Junho Havendo necessidade de introduzir mecanismos complementares de combate à corrupção, nos termos do n.º 1 do artigo

Leia mais

Direito Processual Penal - Inquérito Policial

Direito Processual Penal - Inquérito Policial Direito Processual Penal - Inquérito Policial O inquérito policial é um procedimento administrativo préprocessual, de caráter facultativo, destinado a apurar infrações penais e sua respectiva autoria.

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

Vistos, etc. Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Vistos, etc. Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer Vistos, etc. Recebo a denúncia. Cite-se, designado o dia 12.06.08, às 08h30min, para o interrogatório, e às 14h30min, para as duas primeiras testemunhas do rol. Acolho as declinações postuladas ao final

Leia mais

ESTADO CONDENADO POR PRISÃO E PROCESSO ILEGAL CONTRA VIGILANTE E PROPRIETÁRIO DA EMPRESA, POR PORTE DE ARMA

ESTADO CONDENADO POR PRISÃO E PROCESSO ILEGAL CONTRA VIGILANTE E PROPRIETÁRIO DA EMPRESA, POR PORTE DE ARMA ESTADO CONDENADO POR PRISÃO E PROCESSO ILEGAL CONTRA VIGILANTE E PROPRIETÁRIO DA EMPRESA, POR PORTE DE ARMA Desembargador diz que obrigação de delegado e promotor é conhecer a lei Segue abaixo, com partes

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

BRASIL. (tradução não oficial para o português)

BRASIL. (tradução não oficial para o português) Distr. GERAL CCPR/C/BRA/CO/2 2 de Novembro 2005 Original: Inglês Comitê de Direitos Humanos 85ª Sessão CONSIDERAÇÃO DE RELATÓRIOS ENVIADOS POR ESTADOS PARTES SOB O ARTIGO 40 DO PACTO Observações finais

Leia mais

Autor: Ministério Público do Estado de Mato Grosso. Réu: Evanderly de Oliveira Lima. Vistos.

Autor: Ministério Público do Estado de Mato Grosso. Réu: Evanderly de Oliveira Lima. Vistos. Fl..---- --- ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE ALTO ARAGUAIA Tribunal do Júri Vistos. O Ministério Público estadual ofereceu denúncia contra o réu Evanderly de Oliveira Lima, por ter infringido

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia.

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia. Justiça Militar estadual e Justiça de Transição Justiça Militar no Império Conselho Supremo Militar e de Justiça Decreto de 1º de abril de 1808. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL:

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL: TRF 2 COMPETÊNCIA PENAL - PROCESSO PENAL - DECISÃO QUE REJEITA EXCEÇÃO DE INCOMPETÊNCIA - INEXISTÊNCIA DE RECURSO - APELAÇÃO CRIMINAL NÃO CONHECIDA - PEDIDO RECEBIDO COMO HABEAS CORPUS - REDUÇÃO À CONDIÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2009

PROJETO DE LEI N o, DE 2009 PROJETO DE LEI N o, DE 2009 (Do Sr. NELSON GOETTEN) Altera o Decreto-Lei nº 3.689, de 1941 Código de Processo Penal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta lei altera o Decreto-Lei nº 3.689, de 1941

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

O oficial deve declarar no registro o número da DNV e arquivar essa via no cartório.

O oficial deve declarar no registro o número da DNV e arquivar essa via no cartório. Registro Civil das Pessoas Naturais temas práticos parte 2 Temas práticos de registro civil das pessoas naturais Priscila de Paula, registradora civil em Cajamar Vamos tratar de alguns aspectos relacionados

Leia mais

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO MEMORIAIS (OAB/SP 133 - ADAPTADO) Pedro foi acusado de roubo qualificado por denúncia do Promotor de Justiça da comarca, o dia 1 de julho de 2006. Dela constou que

Leia mais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais ENUNCIADOS Suspensão Condicional do Processo Enunciado nº 01 (001/2011): Nos casos de crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher não se aplica a suspensão condicional do processo. (Aprovado

Leia mais

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Período da realização da correição: de 23 de maio a 13 de junho de 2014. Juiz de Direito Titular:

Leia mais

Adendo F LIVROS DO OFÍCIO CRIMINAL ADENDO 1-F REGISTRO DE PROCESSOS CRIMINAIS

Adendo F LIVROS DO OFÍCIO CRIMINAL ADENDO 1-F REGISTRO DE PROCESSOS CRIMINAIS CÓDIGO DE NORMAS 1 Adendo F LIVROS DO OFÍCIO CRIMINAL ADENDO 1-F REGISTRO DE PROCESSOS CRIMINAIS N.º de ordem N.º distribuição Data Nome Filiação Artigo Apreensão Fiança recebimento da denúncia suspensão

Leia mais

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos os autos.

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos os autos. ADMINISTRATIVO. CONCURSO PÚBLICO. VALORA- ÇÃO DE TÍTULOS. ENTIDADE PRIVADA. REMUNERA- ÇÃO PAGA PELO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS). ADMISSIBILIDADE. 1. Admite-se a valoração, em concurso público do Município

Leia mais

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 Dispõe sobre a criação de Comissão de Ética de Enfermagem Institucional. CONSIDERANDO o disposto no artigo 8º, I, da Lei 5.905/73, que possibilita ao COFEN aprovar seu regimento

Leia mais

FENAJ - Federação Nacional dos Jornalistas REGIMENTO INTERNO DAS COMISSÕES DE ÉTICA DOS SINDICATOS DOS JORNALISTAS

FENAJ - Federação Nacional dos Jornalistas REGIMENTO INTERNO DAS COMISSÕES DE ÉTICA DOS SINDICATOS DOS JORNALISTAS FENAJ - Federação Nacional dos Jornalistas REGIMENTO INTERNO DAS COMISSÕES DE ÉTICA DOS SINDICATOS DOS JORNALISTAS RESOLUÇÃO CNE Nº 01/2009 DE 05/05/2009 Título I - Do Regimento Art. 1º Este Regimento

Leia mais

SENTENÇAS, E JURISPRUDÊNCIA ACÓRDÃO

SENTENÇAS, E JURISPRUDÊNCIA ACÓRDÃO SENTENÇAS, E JURISPRUDÊNCIA CRIME AMBIENTAL. ARTIGO 60, CAPUT, LEI 9605/98. SENTENÇA CONDENATÓRIA MANTIDA. Restando comprovadas a materialidade e a autoria delitiva, impõe-se a manutenção da sentença condenatória.

Leia mais

Curso de Compliance: A Nova Lei Anticorrupção Efeitos Práticos

Curso de Compliance: A Nova Lei Anticorrupção Efeitos Práticos Curso de Compliance: A Nova Lei Anticorrupção Efeitos Práticos Módulo: Aspectos Criminais e Investigação Interna 20 de fevereiro de 2014 Luciano Tosi Soussumi A Corrupção no Mundo: fonte site Transparency

Leia mais