ALOPECIA E OS TRATAMENTOS DE TRANSPLANTE E PRÓTESE CAPILAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALOPECIA E OS TRATAMENTOS DE TRANSPLANTE E PRÓTESE CAPILAR"

Transcrição

1 1 ALOPECIA E OS TRATAMENTOS DE TRANSPLANTE E PRÓTESE CAPILAR Ana Flávia Erbs¹ - Acadêmica do curso de Cosmetologia e Estética da Universidade Vale do Itajaí - UNIVALI, Balneário Camboriú, Santa Catarina. Mariele Muniz Mocelin² - Acadêmica do curso de Cosmetologia e Estética da Universidade Vale do Itajaí - UNIVALI, Balneário Camboriú, Santa Catarina. Marli Machado³ - Orientadora, Bibliotecária e Professora do Curso de Cosmetologia e Estética da Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, Balneário Camboriú, Santa Catarina. Denise Kruger Moser 4 - Co-orientadora, Professora do Curso de Cosmetologia e Estética da Universidade do Vale do Itajapi UNIVALI, Balneário Camboriú, Santa Catarina. Contatos ¹ ² ³ 4 Resumo: Alopecia é a perda ou ausência de folículos pilosos na cabeça. Pode ser classificada em cicatriciais ou não cicatriciais, tendo tratamento diferenciado para cada uma. A alopecia androgenética carateriza-se como não cicatricial, seus sintomas aparecem após a puberdade em decorrência da produção dos andrógenos e quando há a existência de fatores pré-dispostos geneticamente, ou pelo próprio processo de envelhecimento, o qual ocorre geralmente após os cinquenta anos, principalmente no homem e na mulher após a menopausa. Este estudo tem como objetivo buscar na literatura os recursos estéticos disponíveis para a reposição dos cabelos, melhorando com isso a auto estima e consequentemente a qualidade de vida do indivíduo. A pesquisa se caracterizou como bibliográfica e descritiva, pois buscou-se na literatura informações sobre a alopecia androgenética, tendo como resultado a descrição de duas alternativas, o transplante e a prótese capilar. Este estudo poderá contribuir para pesquisas futuras por interessados da área, promovendo a interdisciplinaridade curricular. Palavras-chave: Alopecia. Alopecia androgenética. Implantes capilares. Próteses capilares. 1 INTRODUÇÃO O pelo serve para muitas finalidades, ele é envolvido na comunicação sexual e social pela construção de adornos como a juba do leão ou a barba do macho humano, ou pela ajuda na dispersão de odores secretados por complexos de glândulas sebáceas ou

2 2 apócrinas, ou ainda pela bela exibição dos cabelos por muitas mulheres, com auxilio cosmético. Não é de hoje a constante preocupação que o homem tem com seus cabelos. Em algumas culturas, o aspecto dos cabelos pode ser questão de diferenças sociais ou profissionais, religiosas ou políticas. O cabelo tem um grande peso na aparência pessoal, para muitos perdê-lo é um desfiguramento grave, afetando sua auto estima. Muitas pessoas são acometidas por disfunções quantitativas com relação aos cabelos, ou seja, a perda dos mesmos. São várias patologias que podem estar associadas à perda definitiva ou temporária dos cabelos. Classificam-se em dois grandes grupos a chamada perda de cabelo ou alopecia, que do grego (alopekia) significa sarna de raposa. As alopecias cicatriciais e as não cicatriciais. A alimentação, medicação, hormônios, gravidez, cuidados inadequados com o cabelo, stress, doenças, herança genética e outros fatores podem levar ao desencadeamento da alopecia não cicatricial. Por isso muitas pessoas, em grande parte o público masculino, tem buscado tratamentos para a alopecia tentando recuperar sua aparência estética, a auto-estima e até mesmo o antienvelhecimento. Para o desenvolvimento desta pesquisa foi escolhido um tipo de alopecia específica que está correlacionada à predisposição genética existente e ao androgênio masculino: a testosterona, denominada de Alopecia Androgenética Masculina/Feminina. Diante do exposto, este trabalho pretende apresentar conhecimentos sobre a anatomia do folículo piloso, a etiopatogenia da alopecia androgenética e a descrição dos recursos utilizados para recuperação dos fios do couro cabeludo: o transplante capilar e quando não existir a possibilidade da recuperação dos mesmos a utilização das próteses capilares. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Anatomia do folículo piloso O cabelo é uma estrutura epidermal, que consiste de raiz, dentro da derme e uma haste que projeta acima da superfície. É uma estrutura morta, composta de células queratinizadas e unidas, crescendo em tubo que atravessa a epiderme por meio do folículo piloso. Existem dois tipos de pelo: o velus, que é fino e claro que substitui o lanugo, após o nascimento, e o terminal que é mais espesso e pigmentado, como o encontrado nos cabelos (KUREBAYASHI; LEONARDI; BEDIN, 2008).

3 3 Os pelos crescem de folículos que são invaginações semelhantes a uma meia do epitélio superficial, cada um dos quais envolve na sua base uma pequena área de derme conhecida como a papila dérmica. Ela consiste em um grupo altamente ativo de células, que possuem a capacidade de induzir o desenvolvimento do folículo a partir da epiderme e a produção da haste ou fibra do pelo. (DAWBER; NESTE, 1996). O folículo piloso é invisível aos olhos, pois fica interno à pele. Nessa estrutura existe a raiz do cabelo, sua única parte viva, formada pela papila dérmica, pelo bulbo capilar e também por glândulas sebáceas que são as responsáveis pela produção da oleosidade natural do cabelo (GOMES, 1999). A haste do cabelo (parte visível), de acordo com o raciocínio de Kurebayashi; Leonardi; Bedin (2008) é formada de fora para dentro por três partes principais: medula, córtex e cutícula. Medula - a parte mais interna, que situa-se na parte central do fio. Cortex camada em volta da medula, que ocupa a maior parte da área do cabelo e é formada por células mortas alongadas, responsáveis pela elasticidade e pela resistência do fio de cabelo, ricas em melanina, pigmento responsável pela cor que os cabelos apresentam. Cutícula - situa-se na parte mais externa do fio capilar e é formada por células ricas em queratina anucleadas e achatadas, que se encaixam umas nas outras, podendo formar de cinco a dez camadas de placas oferecendo maior proteção. Em circunstâncias normais, a produção do cabelo em cada folículo ocorre de maneira cíclica, passando por três fases que serão descritas no próximo item. 2.2 Fases ou ciclos de crescimento do pelo O fio de cabelo passa por três fases ao longo de seu ciclo vital, o qual é constituído das fases anágena, catágena e telógena (KUREBAYASHI; LEONARDI; BEDIN, 2008). A fase anágena é aquela em que o cabelo está realmente crescendo, ela dura de três a seis anos no couro cabeludo e cresce de 12 a 15 cm por ano. Cerca de 80% a 90 % de cabelo estão nessa fase (GOMES, 1999). A fase catágena ou fase de regressão a atividade das células-matrizes cessa, assim como a melanogênese. O bulbo se afina, sua parte baixa se destrói progressivamente, a bainha epitelial externa desaparece, a base do pêlo toma

4 4 forma de bastão, o pêlo se separa da matriz e sobe para o folículo piloso, a papila só é unida ao folículo piloso por um fino cordão de células epiteliais. Esta fase dura de duas a três semanas. (HERNANDEZ; MERCIER-FRESNEL, c1999) A fase telógena é a fase de repouso do pêlo. Nesta fase a matriz para de proliferar gradualmente, fica muito mais lenta, cessando completamente e descola-se em sentido da superfície da pele. A bainha interna do pelo, que normalmente se desintegra no folículo anágeno no nível do ducto sebáceo, está totalmente ausente no folículo telógeno e a parte externa se afina e passa a envolver totalmente o pelo. O folículo torna-se uma estrutura de âncora para o desenvolvimento de um novo folículo, o bulbo continua a sua ascensão até a superfície, pressionado por outro, logo abaixo, em fase anágena. Com uma duração de 100 dias, cerca de 20% dos cabelos devem estar nesta fase (MANSUR; GAMONAL, 2004) De acordo com o pensamento de Pereira (2001) a queda normal diária de cabelos tem uma relação direta com o número total de cabelos, e também com a duração da fase anágena. Ele supõe que uma pessoa com 100 mil fios de cabelo, com uma fase anágena de três anos, terá uma queda média de cem fios por dia. Se ela tiver 200 mil fios com fase anágena de três anos, terá uma queda de 200 fios por dia. Uma pessoa com 100 mil fios com fase anágena de oito anos terá uma queda de 34 fios diários. Ressalta que a perda diária é variável entre os indivíduos. Normalmente um fio de cabelo cresce em média 0,33mm por dia, ainda segundo concepção de Pereira (2001). Se uma pessoa tiver fios de cabelos no couro cabeludo, 80% deles estarão na fase anágena, ou seja, fios estarão crescendo. De acordo com a literatura são várias as doenças inflamatórias, infecciosas, hereditárias, neoplásicas, metabólicas, entre outras, que podem afetar o folículo piloso, seja em sua estrutura anatômica, ou em sua atividade fisiológica. Tendo diversas conseqüências sobre os cabelos, como: mudança de cor, estrutura, consistência, aspecto, queda e até destruição total do folículo piloso. Sendo a queda dos cabelos, objeto de estudo desta pesquisa, será vista de forma mais detalhada. 2.3 Alterações quantitativas ou alopecias

5 5 Segundo Raffa; Rawls; Beyzarov (2006) a alopecia é a perda ou ausência de pelos ou cabelos, tendo uma perda maior na cabeça devido à decorrência de certas doenças, medicamentos e distúrbios endócrinos. A queda de cabelo pode ocorrer a qualquer momento em que o ciclo do crescimento é perturbado. No couro cabeludo uma perda importante de folículos pilosos ocorre comumente em ambos os sexos e progride após os 20 anos, mas tendo um diagnóstico diferenciado para cada indivíduo (AVRAM et al., 2008). As calvícies podem ser definitivas (também chamadas de cicatriciais) ou transitórias (também chamadas de não cicatriciais). Dependendo do tipo de calvície, o tratamento é totalmente diferente. A alopecia cicatricial seria um grupo com as mais diversas etiologias e patogêneses que tem como característica a irreversibilidade no crescimento dos cabelos, devido à destruição das células tronco, ou seja, uma destruição do folículo piloso durante a vida, como por exemplo, uma queimadura, lesões graves ou radioterapia (PEREIRA, 2001). As Alopecias temporárias ou não cicatriciais são aquelas em que a perda de cabelo não é definitiva. Com ou sem tratamento o cabelo irá voltar. Este fenômeno também pode ser chamado de eflúvio telogênico. Qualquer processo que acometa a saúde pode levar a este fenômeno, entre eles desnutrição, febre, anemia, doenças da tireóide, pós-operatórios de qualquer cirurgia, stress, quimioterapia, medicações, emagrecimento, entre outros. O tratamento é o controle da doença ou estabilização da alteração orgânica que levou à queda dos cabelos (por exemplo, tratar a anemia ou a doença da tireóide fará o cabelo voltar a crescer normalmente). Nestes casos, é totalmente contra indicado qualquer procedimento cirúrgico. Tratamentos com medicações locais como o minoxidil ou o laser de baixa freqüência podem acelerar o crescimento do cabelo, mas somente devem ser prescritos por um médico. Tratamentos estéticos como próteses de cabelo também podem ser utilizados nestes casos (CLINICA SANDRO SALANITRI, 2010). Qualquer área afetada pela alopecia, independente de sua origem, pode apresentar as seguintes possibilidades tricológicas, de acordo com os estudos de Pereira (2001) 1. Ausência total de qualquer tipo de pelo; 2. Apresentar vários pelos tipo velo; 3. Presença de velos com alguns pelos terminais;

6 6 4. Ausência de velos, porém com raros pelos terminais, e 5. Em qualquer das possibilidades, exceto a primeira, pode-se também observar a presença de pequenos pelos anágenos, que seriam pelos refazendo a área alopecia. Para um melhor entendimento, a alopecia androgênica, objeto deste estudo será abordada de forma mais profunda nos próximos itens Alopecia Androgenética A calvície, conhecida na medicina como alopecia androgenética, andro por causa dos andrógenos, que são hormônios masculinos e genética obviamente pela condição genética, também pode ser chamada de calvície comum, alopecia em padrão masculino, alopecia em padrão feminino e alopecia dependente de androgênio. Representam entre 3% e 8% das primeiras consultas dermatológicas, em que o paciente mais comum é um homem jovem que consulta por alopecia androgenética (ZEVALLOS, 2009). A alopecia é uma das patologias mais freqüentes em homens de diversas faixas etárias. De acordo com Sampaio e Rivitti (2007), 50% dos homens e 40% das mulheres na faixa dos cinqüenta anos sofrem dessa doença. O desenvolvimento da calvície pode ser associado ao encurtamento da fase anágena do ciclo do folículo e como conseqüência um aumento da proporção de cabelos telógenos, podendo ser detectado em tricogramas da região frontovertical, antes da aparição da calvície (DAWBER; NESTE, 1996). É uma doença extremamente comum, afetando tanto homens como mulheres. A incidência geralmente é maior no sexo masculino do que no feminino (FEINSTEIN, 2009). Ela pode ser classificada de duas formas de acordo com Rutowitsch (2004): Alopecia androgenética (AA) no homem ou calvície masculina; Alopecia androgenética (AA) na mulher Em ambos os sexos na alopecia androgenética a região da nuca não é afetada. Esta calvície é a mais comum no ser humano. A calvície androgenética, tanto no homem como na mulher somente ocorre após a puberdade, período de grandes alterações hormonais. Após este período, pode ocorrer em qualquer fase da vida. Na mulher, porém geralmente inicia em idades mais avançadas que o homem, piorando no período da menopausa. Tem caráter evolutivo, porém pode variar de intensidade. A história

7 7 familiar da calvície de um indivíduo pode dar um prognóstico de como ela poderá evoluir. Com o processo da alopecia androgenética, há um aumento dos cabelos que estão na fase telogênica ou de morte e diminuição da fase dos cabelos no ciclo de crescimento, portanto geralmente este tipo de calvície é progressiva. A alopecia androgenética pode ser tratada com tratamento clínico, cirúrgico ou cosmético (CLINICA SANDRO SALINITRI, 2010). Historicamente, a calvície sempre foi um atributo predominante masculino, mas que também, pode atingir o sexo feminino. Aparições e causas podem diferenciar uma da outra AA masculina A alopecia androgenética envolve vários fatores de ordem genética e hormonal, mas é caracterizada por ocorrer uma alteração nos folículos geneticamente propensos após a exposição aos androgênios na puberdade. Conseqüentemente o folículo sofre ciclos de extensão decrescente, produzindo gradativamente pelos cada vez mais finos, curtos e despigmentados até que ocorra mudança completa para o velus (DAWBER; NESTE, 1996). No homem a alopecia se manifesta com a presença do hormônio masculino, a testosterona (T) (WILKINSON; MOORE, 1990). É o andrógeno de maior concentração, dentre suas várias transformações, a sua conversão para diidrotestosterona é importante para entender o processo da AAG (RUTOWITSCH, 2004). A enzima citoplasmática chamada 5-alfa-redutase converte a testosterona em diidrotestosterona, a DHT que provoca a redução progressiva dos folículos pilosos geneticamente suscetíveis encurtando sua fase de crescimento (BAUMANN, 2004). Após a administração da testosterona, a calvície desenvolve-se naqueles que são geneticamente predispostos (DAWBER; NESTE, 1996). A AA masculina de pode necessitar apenas tratamento clínico, cirúrgico ou ambos, dependendo do grau da calvície. Geralmente a calvície se inicia pelas entradas, com um afinamento dos fios de cabelo e por fim com a queda progressiva destes e a substituição por fios cada vez mais finos até chegar a uma fina penugem. No homem, o couro cabeludo acometido é o da frente e o de cima da cabeça como mostra a classificação de Hamilton Norwwood (CLINICA SANDRO SALINITRI, 2010).

8 8 Figura 1: Classificação de Hamilton Norwwood Fonte: Clinica Sandro Salitri (2010) A calvície, que já incomoda bastante os homens, quando acomete as mulheres pode ser causa de grande ansiedade e sofrimento emocional. Normalmente é acompanhada de um quadro depressivo associado. Os cabelos têm grande importância na estética feminina e são muito valorizados como característica deste sexo. A perda deles traz enorme significado em relação à auto-estima sendo motivo frequente de busca de tratamento AA feminina Para a mulher, esse problema deve ser enfrentado como uma patologia que pode ser tratada, e ser encarada com bastante atenção pelo médico. Pois, além de ser um problema médico e estético, pode gerar um problema de ordem psicológica. Para Filippo (2004) as pessoas observam as mulheres com poucos cabelos, como mais velhas do que elas são e menos atrativas tanto física quanto socialmente. O autor comenta ainda que, a grande maioria das pessoas com mais de 30 anos sofre dessa doença. Já o padrão feminino é enumerado por diversas causas. A AA feminina pode surgir em qualquer época da vida, é uma condição genética comum,

9 9 causada por um gene único, autossômico dominante com penetrância reduzida no sexo feminino. Pode estar associada ou não às endocrinopatias androgênicas. Em mulheres adultas é apresentada uma alteração em relação ao padrão de cabelos pré-puberal. A alteração máxima ocorre após a menopausa, quando as concentrações de estrogênios declinam e existe um ambiente mais androgênico (DAWBER; NESTE, 1996). Segundo Avram et al (2008), a alopecia androgenética, no caso de um padrão feminino de perda de cabelo, os primeiros sinais são notados a partir de um afinamento difuso dos cabelos na parte média do couro cabeludo mantendo a linha do cabelo na região frontal ou também pode se apresentar através da queda dos cabelos bilateralmente nas regiões temporais. Filippo (2004) em seus estudos ressalta que um indivíduo com fator genético para calvície apresenta no folículo piloso a 5-alfa-redutase tipo II, uma enzima que transforma a testosterona em diidrotestosterona (DHT) e este, através de receptores específicos androgênicos situados na membrana nuclear, penetra no interior do núcleo e altera o DNA. O RNA mensageiro, dessa forma, modifica a síntese de proteínas nas células da matriz, levando às alterações no metabolismo do folículo piloso, podendo levar tanto ao hirsutismo, como a alopecia androgenética feminina. A alopecia é um dos temas mais discutidos e pesquisados no mundo da dermatologia. Cada vez mais, produtos cosméticos e farmacêuticos são lançados em busca da resolução desta disfunção (LEONARDI, 2008) A classificação da AA feminina realizada por Ludwig, possui três graus: Grau I para casos de rarefação leve, mais visível "na risca" do cabelo. Depois há o grau II, onde é possível observar uma certa transparência do cabelo que permite visualizar o couro cabeludo. Já o grau III são casos avançados nos quais uma calvície de fato já está instalada, embora muito raramente as mulheres chegam a um ponto em que ficam completamente sem cabelos. Figura 2: Classificação de Ludwig Fonte: Pereira (2010)

10 10 Diferente dos homens, que perdem seus cabelos na totalidade, a perda das mulheres é parcial. A área mais crítica das mulheres é a região superior frontal da cabeça. Outra diferença é que, nas mulheres, os cabelos das regiões laterais e posterior da cabeça também podem estar afetadas, fato incomum nos homens. A maioria das mulheres com calvície tende a preservar os cabelos da linha frontal, enquanto os homens desenvolvem as entradas. Este quadro pode se tornar mais intenso se a mulher apresentar alterações hormonais, como a síndrome do ovário policístico ou na menopausa. Em algumas mulheres, a AA só começa a se manifestar após a menopausa quando ocorre uma diminuição da produção dos hormônios femininos. Em outros, já pode ser detectada após a puberdade. O afinamento dos fios, dificuldade de crescimento e a rarefação frontal são características na fase inicial da alopecia androgenética feminina (PEREIRA, 2010). Como visto, a alopecia acomete tanto homens como mulheres, afetando sua autoestima e em alguns casos provocando crises de depressão, ansiedade e sofrimento emocional, pois os cabelos têm grande importância na estética de ambos os sexos. Para resolver tais problemas, homens e mulheres procuram por procedimentos cirúrgicos, como técnicas de transplante e próteses capilares, os quais serão detalhados a seguir. 2.4 Técnicas de transplante e prótese capilar Como complemento estético do homem e da mulher, o cabelo desempenha importante papel na proteção contra o frio, calor e raios solares. Sinônimo de juventude plena e vitalidade são importantes para autoafirmação do individuo. Atualmente o mercado oferece várias técnicas de tratamentos capilares, dentre elas cita-se nesse trabalho os transplantes de folículos pilosos e as próteses capilares, que possibilitam ao individuo um aspecto de cabelo natural e sem cicatriz Transplante O Transplante capilar é a transferência das unidades foliculares (raízes) colhidas nas regiões não afetadas pela genética da alopecia (área doadora), para as regiões afetadas. Esse cabelo nasce, cresce normalmente e dura a vida toda. (PEREIRA, 2010). Em relação à técnica de transplante, Sobral (2008) observa que ela pode ser realizada fio a fio ou por meio da enxertia, e as conceitua:

11 11 Fio a fio os cabelos são implantados um a um nas primeiras linhas da cabeça, e agrupadas em 3 ou 4 na parte posterior da cabeça; Enxertia transplantes de unidades foliculares, na qual enxertos retirados do couro capilar do paciente são reimplantados em regiões onde não há folículos. A técnica do transplante de cabelo com fio a fio, corresponde à separação folicular de cada fio por meio de lentes de aumento, empregando tecnologia em materiais de microcirurgia, aliada à competência do profissional. Em relação ao transplante capilar pela técnica fio a fio o Grupo Médico Massino Cesana (2010) indica: Homens Calvície androgenética de qualquer tipo ou grau, desde as pequenas entradas até calvícies extensas. Falha ou falta de pêlos na região axilar, genital, peitoral (por exemplo, para esconder marcas de cicatrizes de ginecomastia) e labial (por exemplo, na reconstrução do bigode nos portadores de lábio leporino). Cicatrizes no couro cabeludo devido a acidentes, queimaduras ou cirurgias. Pacientes insatisfeitos com cirurgias anteriores, por ficarem com aspecto tipo "cabelo de boneca" ou implantação baixa da linha do cabelo. Mulheres Pequena quantidade de cabelo na região frontal com característica de queda do tipo padrão masculino. Falta de sobrancelhas (perdas por depilação contínua, acidente, queimadura, foliculites e outras patologias dermatológicas, ausência congênita, esconder tatuagem definitiva, após cirurgias de tumores ou radiações) e cílios. Falha ou falta de pêlos na região genital feminina (por exemplo para esconder cicatrizes de cesárea). Falhas ou falta de cabelo devido à cirurgia plástica de face (Ritidoplastia), cicatrizes por acidentes, infecções, tumores ou queimaduras. Nos anos 30 e 40, médicos japoneses já utilizavam pequenos enxertos de cabelos para preencher a área calva. Nos anos 90 as unidades foliculares já eram utilizadas em larga escala, combinadas com os enxertos tradicionais. Hoje, de acordo com a Clinica

12 12 Muricy (2010) técnicas muito mais modernas e precisas são utilizadas, tais como: megatransplante, supermega sessão e giga sessão. Para Avram et al (2008), os folículos pilosos mantêm seu destino genético onde quer que eles cresçam no couro cabeludo. O cabelo transplantado do couro cabeludo posterior crescerá por tanto tempo quanto foi geneticamente programado para crescer. Para a grande maioria dos homens, o cabelo transplantado crescerá durante décadas. O autor ainda comenta que o transplante de cabelos para homens e mulheres utiliza as mesmas técnicas de coleta na região doadora e de criação de enxertos, os mesmos instrumentos, anestesia, e tratamento pré-operatório e pós-operatório. O cabelo cresce naturalmente em feixes de 1 a 4 folículos pilosos. O implante de cabelos contemporâneo utiliza um grande número de enxertos de 1 a 4 fios, resultando numa aparência natural do cabelo implantado. A região preferida como área doadora é a occipital, local onde os folículos apresentam dominância com relação à área receptora, e cuja camada germinativa apresenta grande durabilidade (LATTANAND & JOHNSON, 1975 apud LE VOCI, 2004). O cabelo é retirado da área doadora (região posterior da cabeça, occipital) de forma simples e rápida, no formato de uma fina faixa do couro cabeludo. As bordas são aproximadas lado a lado e suturadas em dois planos, sendo um profundo e outro superficial, bem delicado, de forma a deixar apenas um traço imperceptível. A grande importância da sutura profunda é reter a tensão, impedindo que a sutura alargue após serem retirados os pontos. Estes pontos internos serão reabsorvidos após 6 semanas. O resultado é uma linha cicatricial de 1 mm de largura, imperceptível, pois fica encoberta pelo cabelo, mesmo curto, ainda com os pontos o cabelo cobre o local, deixando geralmente inaparente (TYKOCINSKI MEDICAL GROUP, 2010). Segundo os estudos de Le Voci (2004), uma série de fatias de, aproximadamente, 2 a 3 mm são seccionadas de maneira perpendicular, tomando-se o cuidado de manter a mesma dos folículos e não seccionados o bulbo, o que inutiliza o enxerto. É removido o tecido adiposo do subcutâneo, deixando quantidade suficiente de gordura importante para sua proteção, embebição e nutrição do bulbo piloso. Após é preparado os micro e minienxertos e as unidades foliculares, utilizando lupas especiais e microscópios próprios para esta finalidade. Na área receptora é feita inicialmente o desenho da linha de implantação de forma a se evitar um aspecto muito regular, que é esteticamente indesejado. Após a

13 13 anestesia, múltiplas incisões puntiformes são realizadas com lâminas de bisturi ou com microbisturi ou ainda agulhas com pontas cortantes e procede-se à colocação dos enxertos (LE VOCI, 2004). Os minienxertos (MICs) são colhidos na região occipital, transplantados para a região calva e sofrem o mesmo processo de involução, latência e germinação. Há um crescimento aparente de mais ou menos meio centímetro nas primeiras três semanas, continuando a ocorrer a queratinização e o alongamento do folículo capilar e posteriormente passando por todas as fases do crescimento do folículo (UEBEL, 2006). Figura 3: Área doadora Fonte: Pereira (2010) Figura 4: Divisão e separação dos folículos para visão estereoscópia Fonte: Pereira (2010) Figura 5: Implante dos folículoss Fonte: Pereira (2010)

14 14 No final de todo o procedimento, é feito um curativo que é retirado no pósoperatório de 24 horas, quando o paciente terá seus cabelos lavados. O tempo da cirurgia é de 4 e 5 horas em média. O número de sessões varia. Normalmente duas sessões são o suficiente. Há casos extremos, em que uma terceira sessão é necessária. Os fios transplantados caem nas duas primeiras semanas, mas a raiz permanece. No período de dez a doze semanas, após todo o procedimento cirúrgico, os novos cabelos voltam a crescer e, como são cabelos naturais, eles podem ser penteados sem a necessidade de qualquer cuidado adicional (CLINICA MURICY, 2010). O pós-cirúrgico depois da remoção das saturas, é possível retornar as atividades esportivas após 1 semana depois da cirurgia, 2 semanas depois é possível passar tintura de cabelo. É feita uma revisão inicial 6 meses depois da cirurgia, e revisões subseqüentes a cada 3 meses, até 15 meses. O resultado estético completo é de 9 a 15 meses depois da cirurgia (AVRAM et al., 2008). Além do transplante capilar existe a prótese capilar que será visto a seguir, onde não é necessário nenhum tipo de cirurgia Prótese Capilar As próteses são compostas por uma base de pele sintética hipoalérgica na qual é implantado o cabelo natural. Feita de um polímero desenvolvido com exclusividade, tem textura semelhante à pele humana e adapta-se perfeitamente ao formato e à temperatura do couro cabeludo. A prótese exige manutenção, mais ou menos de três a quatro semanas (CORREIO DO POVO, 2009). Podem ser colados com adesivos antialérgicos, clipes resistentes ou mesmo entrelaçadas ao próprio cabelo do cliente, permitindo uma fixação perfeitamente segura (CLINICA SANDRO SALINITRI, 2010). Figura 6: Prótese capilar Figura 7: Prótese capilar Fonte: Adeus Calvicie (2010) Fonte: Maluf (2010)

15 15 Para se colocar uma prótese é necessária a ajuda de um profissional, assim o paciente será auxiliado e poderá escolher o tom do cabelo que seja de seu agrado. É recomendado de três a quatro semanas voltar ao especialista para a manutenção, pois a prótese começa a descolar. O especialista retira a cola e outra camada é aplicada (MALUF, 2010). Cuidados com a prótese Lavar a cabeça com shampoo sem sal realizando movimentos verticais ou horizontais, nunca movimentos circulares. Usar produtos como: pomadas, mousse, gel e produtos do gênero sem álcool são recomendados. Quanto ao uso de secador usar sempre com uma certa distância da cabeça e para pentear, escovas de madeira com cerdas arredondadas. Caso haja coceira usar a ponta dos dedos e não as unhas (ADEUS CALVICIE, 2010). METODOLOGIA Este trabalho fez uso da pesquisa bibliográfica, que de acordo com o Cruz e Ribeiro (2004) é: visar um levantamento dos trabalhos realizados anteriormente sobre o mesmo assunto que está sendo estudado, pode identificar e selecionar os métodos e técnicas a serem utilizados, além de fornecer subsídios para a redação da introdução e revisão da literatura do trabalho, leva ao aprendizado sobre uma determinada área. Pesquisas realizadas em materiais já elaborados como em livros de autores citados durante o trabalho, textos de sites retirados da internet, artigos científicos, foram essenciais para a elaboração deste artigo. No trabalho também foi utilizado a pesquisa descritiva que tem como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou, então, o estabelecimento de relações entre variáveis (GIL, 2002, p. 42). CONSIDERAÇOES FINAIS Na alopecia androgenética ocorre um encurtamento da fase anágena do ciclo do folículo e como conseqüência um aumento da proporção de cabelos telógenos, ou seja, são produzidos folículos cada vez mais finos, curtos e até despigmentados.

16 16 Uma das causas é a manifestação através dos hormônios masculinos androgênicos, a testosterona, tendo sinais a partir da puberdade nos homens e da menopausa nas mulheres além da pré-disposição genética da doença. Muitos dos casos existe a recuperação por meio da aplicação tópica de medicamentos ou o uso oral para a melhora e recuperação dos folículos, porém dependendo do grau a suspensão do uso dos medicamentos num período de 3 a 4 meses a queda do cabelo volta a se instalar. Um dos recursos utilizados pela medicina estética são os transplantes capilares, os quais tiveram uma evolução muito grande em suas técnicas, deixando o paciente com resultados extremamente naturais. Os transplantes capilares foram experiências utilizadas pelos japoneses nas décadas de 30 e 40 tendo um resultado muito artificial tipo cabelo de boneca, porém com o avanço da medicina os transplantes atuais utilizando as técnicas de microenxertia e o transplante fio a fio deixam uma aparência totalmente natural, recuperando totalmente a auto estima do indivíduo. Dentre os vários meios estéticos existentes para a alopecia, este trabalho estudou técnicas cirúrgicas de transplante e colocação de prótese capilar que auxiliam no tratamento da queda. Depois de estudado separadamente sobre cada uma, foi concluído que a técnica de transplante tem um resultado melhor, pois conforme o raciocínio de Pereira (2010) o cabelo transplantado nasce, cresce e dura a vida toda. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADEUS A CALIVICIE. Prótese capilar. Disponível em: <http://www.adeusacalvice.com.br/protese.php>. Acesso em: 22 abr AVRAM, Marc R. et al. Atlas colorido de dermatologia estética. Rio de Janeiro: McGraw-Hill, BAUMANN, Leslie. Dermatologia cosmética: princípios e prática. Rio de Janeiro: Revinter, CLINICA MURICY (Curitiba). Tratamento cirúrgico: a evolução da técnica. Disponível em: < Acesso em: 27 abr CLINICA SANDRO SALANITRI (São Paulo). Calvície ou alopecia: o que é calvície ou alopecia? Ela é definitiva ou temporária?. Disponível em: < Acesso em: 05 abr

17 17 CORREIO do Povo. Perda de cabelos tem solução. Porto Alegre, n.469, p.2, 22 ago Disponível em: <http://www.cpovo.net/jornal/vitrine/n469/pdf/vit02.pdf>. Acesso em 05 abr CRUZ, Carla; RIBEIRO, Uirá. Metodologia científica: teoria e prática. 2. ed. Rio de Janeiro: Axcel Books do Brasil, DAWBER, Rodney; NESTE, Dominique Van. Doenças dos cabelos e do couro cabeludo. São Paulo: Manole, FILIPPO, Alexandre de Almeida. Alopecia Androgenética Feminina. In: KEDE, Maria Paulina Villarejo; SABATOVICH, Oleg. Dermatologia estética. São Paulo: Atheneu, p FEINSTEIN, Robert. Alopecia androgenética Disponível em: < Acesso em 18 mar GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, GOMES, Álvaro Luiz. O uso da tecnologia cosmética no trabalho do profissional cabeleireiro. São Paulo: SENAC, GRUPO MÉDICO MASSINO CESANO (São Paulo). Técnica. Disponível em: <http://www.folicular.com.br/tecnica.htm>. Acesso em 19 abr HERNANDEZ, Micheline; MERCIEL-FRESNEL, Marie-Madeleine. Manual de cosmetologia. 3. ed. Rio de Janeiro: Revinter, c1999. KUREBAYASHI, Alberto Keidi ; LEONARDI, Gislaine Ricci ; BEDIN, Valcenir. Cabelos. In: LEONARDI, Gislaine Ricci. Cosmetologia aplicada. 2. Ed. São Paulo: Santa Isabel, Cap.3, p LE VOCI, Francisco. Transplante de cabelos. In: KEDE, Maria Paulina Villarejo; SABATOVICH, Oleg. Dermatologia estética. São Paulo: Atheneu, p MALUF, Vladimir. Prótese capilar: sem peruca, sem cirurgia, Disponível em: <http://estilo.ig.com.br/noticia/2009/04/14/protese+capilar+sem+peruca+sem+cirurgia html>. Acesso em 20 abr, MANSUR, Cristina; GAMONAL, Aloísio. Cabelo normal. In: KEDE, Maria Paulino Villarejo; SABATOVICH, Oleg. Dermatologia estética. São Paulo: Atheneu, Cap. 7.1, p PEREIRA, José Marcos. Propedêutica das doenças dos cabelos e do couro cabeludo. São Paulo: Atheneu, PEREIRA, João Carlos. Classificação da calvíce feminina. Disponível em:< Acesso em 05 abr

18 18 PEREIRA, João Carlos. Técnicas atuais. Disponível em: <http://www.jcpereira.com.br/transplante-capilar/index/pt-br/52/transplante-capilartecnicas-atuais/>. Acesso em: 13 abr RAFFA, R. B. ; RAWLS, SCOTT, M. ; BEYZAROV, E. P. Atlas de farmacologia de Netter. Porto Alegre: Artmed, RUTOWITSCH, Marcio. Alopecia Androgenética Masculina. In: KEDE, Maria Paulino Villarejo; SABATOVICH, Oleg. Dermatologia estética. São Paulo: Atheneu, Cap. 7.4, p SAMPAIO, Sebastião; RIVITTI, Evandro. Dermatologia. 3. ed. São Paulo: Artes Médicas, SOBRAL, Marcella. O fio da meada, Disponível em: <http://www.cabelo.med.br/banco_img/clipping/2008/globo.pdf>. Acesso em: 05 abr TYKOCINSKI MEDICAL GROUP (São Paulo). Transplante folicular coronal: a restauração capilar hoje. Disponível em: <http://www.cabelo.med.br/restauracaocapilar/evolucao-do-transplante-capilar>. Acesso em: 22 abr UEBEL, Carlos Oscar. Ação do plasma rico em plaquetas e seus fatores de crescimento na cirurgia de microimplantes capilares f. Tese (Doutorado em Medicina) Sul. Porto Alegre, WILKINSON, J, B; MOORE, R.J. Cosmetologia de Harry. Madrid: Ediciones Diaz, c1990. ZEVALLOS, Pablo. Alopecia: queda de cabelo nos bebés e crianças Disponível em: < Acesso em 02 mar

ARTIGO CIENTÍFICO. Princípios ativos cosméticos utilizados no tratamento da alopecia.

ARTIGO CIENTÍFICO. Princípios ativos cosméticos utilizados no tratamento da alopecia. 1 ARTIGO CIENTÍFICO Princípios ativos cosméticos utilizados no tratamento da alopecia. 1 Carlos Manoel Pereira - Acadêmico do Curso de em Cosmetologia e Estética, da Universidade do Vale do Itajaí, Balneário

Leia mais

Afecções capilares/procedimento/práticas assistenciais.

Afecções capilares/procedimento/práticas assistenciais. Tricologia Afecções capilares/procedimento/práticas assistenciais. Anexo da pele Anatomia do couro cabeludo Doenças de couro cabeludo Protocolo Definições patológicas Tratamento patológicos Matérias e

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema tegumentar. Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR. Prof. Me. Fabio Milioni. Conceito Estruturas. Pele Anexos.

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro Sistema tegumentar. Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR. Prof. Me. Fabio Milioni. Conceito Estruturas. Pele Anexos. ANATOMIA HUMANA II Enfermagem SISTEMA TEGUMENTAR Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema tegumentar Conceito Estruturas Pele Anexos Funções 1 CONCEITO Estudo Microscópico Maior orgão do corpo humano Proporciona

Leia mais

Secos, mistos, oleosos. Qual o seu tipo de cabelo? Você cuida bem de seus cabelos? Confira algumas dicas da dermatologista Dra. Andréa Botto.

Secos, mistos, oleosos. Qual o seu tipo de cabelo? Você cuida bem de seus cabelos? Confira algumas dicas da dermatologista Dra. Andréa Botto. Secos, mistos, oleosos. Qual o seu tipo de cabelo? Você cuida bem de seus cabelos? Confira algumas dicas da dermatologista Dra. Andréa Botto. CONTEÚDO HOMOLOGADO Nesta entrevista ao isaúde Bahia, a médica

Leia mais

Cesar Borges Machado Filho ALOPÉCIA ANDROGENÉTICA MASCULINA: REVISÃO E ATUALIZAÇÃO EM TRATAMENTOS

Cesar Borges Machado Filho ALOPÉCIA ANDROGENÉTICA MASCULINA: REVISÃO E ATUALIZAÇÃO EM TRATAMENTOS Cesar Borges Machado Filho ALOPÉCIA ANDROGENÉTICA MASCULINA: REVISÃO E ATUALIZAÇÃO EM TRATAMENTOS Trabalho apresentado ao curso de Pós-Graduação de Medicina Estética da Universidade Tuiuti do Paraná sob

Leia mais

Inovação e Tecnologia

Inovação e Tecnologia Inovação e Tecnologia AnaGain TM INCI: Pisum Sativum (Pea) Sprout Extract (and) Phenoxyethanol (and) Sodium Benzoate (and) Aqua / Water AnaGain é um ativo originado do broto de ervilha orgânico, capaz

Leia mais

TEGAN (Alfaestradiol) Libbs Farmacêutica Ltda. Solução Tópica 0,25 mg/ml

TEGAN (Alfaestradiol) Libbs Farmacêutica Ltda. Solução Tópica 0,25 mg/ml (Alfaestradiol) Libbs Farmacêutica Ltda. Solução Tópica 0,25 mg/ml TEGAN alfaestradiol APRESENTAÇÕES Solução tópica capilar contendo 0,25 mg de alfaestradiol por ml de produto. Embalagem contendo 1 frasco

Leia mais

TEGAN alfaestradiol Solução tópica (capilar) 0,25 mg/ml

TEGAN alfaestradiol Solução tópica (capilar) 0,25 mg/ml TEGAN alfaestradiol Solução tópica (capilar) 0,25 mg/ml USO TÓPICO USO ADULTO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução tópica capilar contendo 0,25 mg de alfaestradiol. Embalagem com 1 frasco plástico

Leia mais

Alopecia Feminina: Uma abordagem do processo e tratamentos não convencionais aplicados a esta patologia.

Alopecia Feminina: Uma abordagem do processo e tratamentos não convencionais aplicados a esta patologia. ARTIGO CIENTÍFICO Alopecia Feminina: Uma abordagem do processo e tratamentos não convencionais aplicados a esta patologia. Ana Paula Santos¹: Acadêmica do Curso de Tecnologia em Cosmetologia e Estética,

Leia mais

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado.

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. Histórico A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. A pele bronzeada tornou-se moda, sinal de status e saúde. Histórico

Leia mais

AVICIS alfaestradiol 0,025% Solução Capilar FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO

AVICIS alfaestradiol 0,025% Solução Capilar FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO MODELO DE BULA (COMPLETA) AVICIS alfaestradiol 0,025% Solução Capilar FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO Solução para uso tópico no couro cabeludo. Embalagens com 1 frasco plástico

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

CALVÍCIE FEMININA: CLASSIFICAÇÃO PROPOSTA

CALVÍCIE FEMININA: CLASSIFICAÇÃO PROPOSTA ARTIGO ORIGINAL Basto Jr FT CALVÍCIE FEMININA: CLASSIFICAÇÃO PROPOSTA Female baldness: proposal classification FERNANDO TEIXEIRA BASTO JÚNIOR 1 RESUMO O autor apresenta uma nova sugestão para classificar

Leia mais

newsletter IFD Cabelos cuidados Outubro 2012 Informação Técnica para Profissionais de Saúde SANINTER GRUPO INSTITUTO DE FORMAÇÃO DERMOCOSMÉTICA

newsletter IFD Cabelos cuidados Outubro 2012 Informação Técnica para Profissionais de Saúde SANINTER GRUPO INSTITUTO DE FORMAÇÃO DERMOCOSMÉTICA newsletter Outubro 2012 Cabelos cuidados Informação Técnica para Profissionais de Saúde IFD SANINTER GRUPO INSTITUTO DE FORMAÇÃO DERMOCOSMÉTICA 1. O cabelo e a sua fisiologia O cabelo é formado por duas

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Agudo tem em geral a duração de dois a seis meses, sendo seguido, freqüentemente, por recuperação completa, sem necessidade de intervenção

Agudo tem em geral a duração de dois a seis meses, sendo seguido, freqüentemente, por recuperação completa, sem necessidade de intervenção QUEDA DE CABELO QUEDA DE CABELO Alopecia cicatricial Eflúvios Anágeno Telógeno (agudo / crônico) Alopecia areata Alopecia androgenética Alopecia cicatricial Perda de cabelo causada por acidentes, cirurgias

Leia mais

... Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 15

... Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 15 ...... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 15 1. As mulheres e o cabelo: um caso de amor eterno... 19 2. O eflúvio telógeno... 23 3. Distúrbios alimentares e queda de cabelo... 51 4. A alopecia androgenética...

Leia mais

LUZ INTENSA PULSADA FOTOREJUVENESCIMENTO. Princípios Básicos - P arte II. Dra Dolores Gonzalez Fabra

LUZ INTENSA PULSADA FOTOREJUVENESCIMENTO. Princípios Básicos - P arte II. Dra Dolores Gonzalez Fabra LUZ INTENSA PULSADA Princípios Básicos - P arte II FOTOREJUVENESCIMENTO Dra Dolores Gonzalez Fabra O Que é Fotorejuvescimento? Procedimento não ablativo e não invasivo. Trata simultaneamente hiperpigmentações,

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

O que é Depilação com Laser?

O que é Depilação com Laser? O que é Depilação com Laser? Autor Prof. Dr. Miguel Francischelli Neto Clínica Naturale Av. Moema, 87 cj 51-52, Moema, São Paulo - SP, Brasil Fone 11 50511075 Clínica Naturale 2008 Pêlos indesejáveis são

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE REMOÇÃO DOS PELOS NA REGIÃO AXILAR COM OS MÉTODOS: CERA DE MEL E A FIO

ANÁLISE COMPARATIVA DE REMOÇÃO DOS PELOS NA REGIÃO AXILAR COM OS MÉTODOS: CERA DE MEL E A FIO 1 ANÁLISE COMPARATIVA DE REMOÇÃO DOS PELOS NA REGIÃO AXILAR COM OS MÉTODOS: CERA DE MEL E A FIO Resumo Daiane Schmidt 1 Jadnara de Souza 2 Silmara Mendes Hoepers 3 A remoção de pelos consiste em retirar

Leia mais

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata O Câncer de Próstata O câncer de próstata é o segundo tumor mais comum no sexo masculino, acometendo um em cada seis homens. Se descoberto no início, as chances de cura são de 95%. O que é a Próstata A

Leia mais

1. Quais são as causas para a queda de cabelo?

1. Quais são as causas para a queda de cabelo? ? 1. Quais são as causas para a queda de cabelo? A queda de cabelo tem as causas mais diversas. Dentre as mais comuns, estão as deficiências nutricionais (por exemplo, anemia) e alterações na tireóide

Leia mais

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG).

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). Cintia Tosoni Leonardo Ribeiro (*) Monia Luci Pawlowski (*) Tatiane Costa de Sousa (*) (*) Acadêmicas do CST em Estética

Leia mais

CAPYLA HAIR (finasterida)

CAPYLA HAIR (finasterida) CAPYLA HAIR (finasterida) EMS SIGMA PHARMA LTDA Comprimido Revestido 1 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Capyla-hair finasterida APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 1 mg de finasterida acondicionados

Leia mais

PREVENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO E ATENUAÇÃO DE LINHAS DE EXPRESSÃO PELO AUMENTO DA SÍNTESE DE COLÁGENO RESUMO

PREVENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO E ATENUAÇÃO DE LINHAS DE EXPRESSÃO PELO AUMENTO DA SÍNTESE DE COLÁGENO RESUMO PREVENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO E ATENUAÇÃO DE LINHAS DE EXPRESSÃO PELO AUMENTO DA SÍNTESE DE COLÁGENO MACIEL, D. 1 ; OLIVEIRA, G.G. 2. 1. Acadêmica do 3ºano do Curso Superior Tecnólogo em Estética

Leia mais

CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA TRICOLOGIA & ONICOPATIAS

CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA TRICOLOGIA & ONICOPATIAS CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA TRICOLOGIA & ONICOPATIAS Período de Seleção 10 de outubro a 07 de novembro de 2014 Taxa de Inscrição R$ 100,00 Taxa de Matrícula R$ 400,00 Mensalidade R$ 724,00 Forma(s)

Leia mais

A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR

A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR A EFETIVIDADE DO PEELING DE ÁCIDO MANDÉLICO NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR INTRODUÇÃO Zeferina Alexandra Trizotti da Silva Talita de Oliveira da Silva A acne é uma das alterações cutâneas mais comuns, sua

Leia mais

A água rompe facilmente as pontes de hidrogênio de estrutura helicoidal da cadeia de aminoácidos alongando o cabelo e quando ocorre secamento as

A água rompe facilmente as pontes de hidrogênio de estrutura helicoidal da cadeia de aminoácidos alongando o cabelo e quando ocorre secamento as Shampoo Cabelo Responsável por 70% da nossa aparência. Mas para que serve?? Nada/ Alguns dizem proteção... Nosso organismo é inteligente: nutrientes vão primeiro para onde mais precisa. A água rompe facilmente

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

MENOPAUSA E PELE. Dra Cintia Lima Procopio

MENOPAUSA E PELE. Dra Cintia Lima Procopio MENOPAUSA E PELE Dra Cintia Lima Procopio Graduação em Medicina pela Universidade de Cuiabá- UNIC. Pós-graduação em Dermatologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro- UFRJ Titulo de Especialista

Leia mais

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO A Estética da Mama A estética da mama responde a costumes étnicos, sociais e culturais. Há não muitos anos, no Brasil as mulheres solicitavam a diminuição do volume do seio, quando a aspiração do inconsciente

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

TRANSPLANTE CAPILAR: INCISÃO SAGITAL VERSUS CORONAL

TRANSPLANTE CAPILAR: INCISÃO SAGITAL VERSUS CORONAL ARTIGO ORIGINAL Franco T et al. TRANSPLANTE CAPILAR: INCISÃO SAGITAL VERSUS CORONAL Hair transplantation: sagittal versus coronal incision JOSÉ CANDIDO MURICY 1, MARIA ANGÉLICA MURICY 2 RESUMO A cirurgia

Leia mais

CARTA DE INFORMAÇÕES

CARTA DE INFORMAÇÕES Caro(a) paciente, CARTA DE INFORMAÇÕES É objetivo tanto do paciente e de familiares como também de seu cirurgião plástico que tudo dê certo com a cirurgia. Para que o paciente não se depare com surpresas,

Leia mais

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA A mastoplastia (mastoplastia) redutora é uma das cirurgias mais realizadas em nosso país, abrangendo uma faixa etária a mais variada possível, desde a adolescência até

Leia mais

CABELO 3/4/2013. Podemos classificar os cabelos, ou couro cabeludo em: oleosos normais secos danificados mistos

CABELO 3/4/2013. Podemos classificar os cabelos, ou couro cabeludo em: oleosos normais secos danificados mistos CABELO Os cosméticos são utilizados para o tratamento da pele, cabelo e unhas, assim como permanentes, apliques e perucas e design de sobrancelhas.. Grupos de risco Risco nível 1 Risco mínimo. Exemplos:

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Tecidos Epiteliais Glandulares GLÂNDULAS EXÓCRINAS. 4. Acinos mucosos e mistos ou sero-mucosos na glândula salivar sublingual. GLÂNDULAS ENDOCRINAS

Tecidos Epiteliais Glandulares GLÂNDULAS EXÓCRINAS. 4. Acinos mucosos e mistos ou sero-mucosos na glândula salivar sublingual. GLÂNDULAS ENDOCRINAS Tecidos Epiteliais Glandulares GLÂNDULAS EXÓCRINAS 1. Glândula sudorípara na pele grossa. 2. Glândula sebácea + sudorípara na pele fina. 3. Acinos serosos + ductos na parótida 4. Acinos mucosos e mistos

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

RECONSTRUÇÃO CAPILAR POR NANOQUERATINIZAÇÃO EM PRÁTICAS SUPERVISIONADAS DE CAPILAR DO CURSO DE ESTÉTICA E COSMÉTICA RELATO DE CASO

RECONSTRUÇÃO CAPILAR POR NANOQUERATINIZAÇÃO EM PRÁTICAS SUPERVISIONADAS DE CAPILAR DO CURSO DE ESTÉTICA E COSMÉTICA RELATO DE CASO RECONSTRUÇÃO CAPILAR POR NANOQUERATINIZAÇÃO EM PRÁTICAS SUPERVISIONADAS DE CAPILAR DO CURSO DE ESTÉTICA E COSMÉTICA RELATO DE CASO ESCOBAR Sabrina Batista 1, MORALEZ Joceane Mate 1, FRITZ Flávio 2 Palavras-Chave:

Leia mais

DOENÇA DE PEYRONIE. François Gigot de la Peyronie. Dr. Carlos Augusto Cruz de Araujo Pinto CREMESP 54.779

DOENÇA DE PEYRONIE. François Gigot de la Peyronie. Dr. Carlos Augusto Cruz de Araujo Pinto CREMESP 54.779 DOENÇA DE PEYRONIE François Gigot de la Peyronie Dr. Carlos Augusto Cruz de Araujo Pinto CREMESP 54.779 Julho/2011 Doença de Peyronie O diagnóstico de Peyronie ou a idéia de poder existir o problema atrapalha

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS 1. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Os métodos contraceptivos são utilizados por pessoas que têm vida sexual ativa e querem evitar uma gravidez. Além disso, alguns

Leia mais

APOSTILA TÈCNICA 18 K

APOSTILA TÈCNICA 18 K 1 APOSTILA TÈCNICA 18 K Colori preziosi A ESTRUTURA DO CABELO O cabelo é composto de três partes: Cutícula, Córtex e Medula. Os principais componentes da fibra capilar são proteínas (Queratina), lipídios,

Leia mais

Ciências 2015 Materiais: Apostila e PPT

Ciências 2015 Materiais: Apostila e PPT Ciências 2015 Materiais: Apostila e PPT A adolescência é uma fase da vida em que acontecem muitas mudanças; Na adolescência o processo de amadurecimento biológico, psicológico, sexual e social é muito

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA Esclerodermia significa pele dura. O termo esclerodermia localizada se refere ao fato de que o processo nosológico está localizado na pele. Por vezes o termo

Leia mais

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015 Sistema Tegumentar Sistema Tegumentar É constituído pela pele, tela subcutânea e seus anexos cutâneos Recobre quase toda superfície do corpo Profa Elaine C. S. Ovalle Arquitetura do Tegumento Funções do

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino SISTEMA REPRODUTOR A reprodução é de importância tremenda para os seres vivos, pois é por meio dela que os organismos transmitem suas características hereditariamente e garantem a sobrevivência de suas

Leia mais

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO PROCEDIMENTO PARTE 1 Determinação dos genótipos dos pais 1.1. Observar a aparência

Leia mais

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE Bianca Emanuelle Silva Constâncio Acadêmica do curso de Fisioterapia do Centro Universitário de João Pessoa UNIPÊ, email: biancaemanuelle@live.com

Leia mais

DE PÓS - GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU

DE PÓS - GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU DERMATOLOGIA TRICOLOGIA MEDICINA ESTÉTICA GESTÃO DE PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ANTIENVELHECIMENTO MEDICINA DO TRABALHO PERÍCIA MÉDICA MEDICINA

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Prohairin Novo Peptídeo Biomimético para Estímulo do Crescimento Capilar

Prohairin Novo Peptídeo Biomimético para Estímulo do Crescimento Capilar Novo Peptídeo Biomimético para Estímulo do Crescimento Capilar Estimula o Crescimento de Novos Fios Após 6 Semanas Aumenta a Produção de Proteínas de Ancoragem Reduz a Oleosidade do Couro Cabeludo em 23%

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

- CURSO DE MAQUIAGEM -

- CURSO DE MAQUIAGEM - - CURSO DE MAQUIAGEM - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). A PELE CONHECENDO

Leia mais

1) O que é preciso levar em conta antes de se submeter a uma ritidoplastia?

1) O que é preciso levar em conta antes de se submeter a uma ritidoplastia? Arquivo de teste RITIDOPLASTIA Dúvidas frequentes 1) O que é preciso levar em conta antes de se submeter a uma ritidoplastia? A cirurgia de face lift pode deixar a aparência mais jovem ao tornar o semblante

Leia mais

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br Anatomia da pele Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br SISTEMA TEGUMENTAR: PELE E FÁSCIA Funções: proteção regulação térmica sensibilidade Sua espessura varia de 0.5mm nas

Leia mais

Câncer de Pele. Os sinais de aviso de Câncer de Pele. Lesões pré câncerigenas. Melanoma. Melanoma. Carcinoma Basocelular. PEC SOGAB Júlia Käfer

Câncer de Pele. Os sinais de aviso de Câncer de Pele. Lesões pré câncerigenas. Melanoma. Melanoma. Carcinoma Basocelular. PEC SOGAB Júlia Käfer Lesões pré câncerigenas Os sinais de aviso de Câncer de Pele Câncer de Pele PEC SOGAB Júlia Käfer Lesões pré-cancerosas, incluindo melanoma, carcinoma basocelular e carcinoma espinocelular. Estas lesões

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC no 433 de 21/10/11 DOU de 24/10/11

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC no 433 de 21/10/11 DOU de 24/10/11 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC no 433 de 21/10/11 DOU de 24/10/11 Componente Curricular: Estética Facial Código: -- Pré-requisito: -- Período Letivo:

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA III

FISIOLOGIA HUMANA III FISIOLOGIA HUMANA III UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Profª Drª Silvia Aparecida Pieta Interação dos sistemas nervoso e endócrino Os sistemas nervoso e

Leia mais

ALOPÉCIA ANDROGENÉTICA NA MULHER JOVEM ESTUDO DE CASO COM ÊNFASE NO TRATAMENTO

ALOPÉCIA ANDROGENÉTICA NA MULHER JOVEM ESTUDO DE CASO COM ÊNFASE NO TRATAMENTO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA ALOPÉCIA ANDROGENÉTICA NA MULHER JOVEM ESTUDO DE CASO COM ÊNFASE NO

Leia mais

A Utilização da Vitamina C e do Peeling de Diamante no Tratamento do Melasma Facial: um estudo comparativo

A Utilização da Vitamina C e do Peeling de Diamante no Tratamento do Melasma Facial: um estudo comparativo A Utilização da Vitamina C e do Peeling de Diamante no Tratamento do Melasma Facial: um estudo comparativo The Use of Vitamin C and Peeling Diamond in the Treatment of Facial Melasma: a comparative study

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

A INSERÇÃO DOS SERVIÇOS DE TERAPIAS CAPILARES NOS SALÕES DE BELEZA: A BUSCA POR UM NOVO NICHO DE MERCADO.

A INSERÇÃO DOS SERVIÇOS DE TERAPIAS CAPILARES NOS SALÕES DE BELEZA: A BUSCA POR UM NOVO NICHO DE MERCADO. 1 A INSERÇÃO DOS SERVIÇOS DE TERAPIAS CAPILARES NOS SALÕES DE BELEZA: A BUSCA POR UM NOVO NICHO DE MERCADO. Cintia Karina Scheid ¹ - Acadêmica do Curso de Cosmetologia e Estética da Universidade do Vale

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Análise de produtos cosméticos com apelo de fotoproteção capilar

Análise de produtos cosméticos com apelo de fotoproteção capilar 1 Análise de produtos cosméticos com apelo de fotoproteção capilar Monique T. Machado¹ Acadêmica do Curso de Cosmetologia e Estética da Universidade do Vale do Itajaí-UNIVALI, Balneário Camboriú, Santa

Leia mais

PÓS- GRADUAÇÃO DERMOESTÉTICA

PÓS- GRADUAÇÃO DERMOESTÉTICA PÓS- GRADUAÇÃO DERMOESTÉTICA Programa Científico Módulo I A) Aspectos essenciais no exercício da Dermoestética 1. Exercício profissional e relações com outras especialidades 2. Ética Médica 3. Psicologia

Leia mais

O QUE É E COMO FAZER A ESCOVA EM GEL KERAPROF

O QUE É E COMO FAZER A ESCOVA EM GEL KERAPROF LIBERDADE TOTAL A escova progressiva em gel é um processo de alisamento de longa duração, desenvolvido para tratar dos seus cabelos dando um resultado imediato já na primeira aplicação em qualquer tipo

Leia mais

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP INTRODUÇÃO Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP Desde que os cirurgiões ortopédicos começaram a utilizar câmeras de vídeo, chamadas artroscópios, para visualizar, diagnosticar e tratar problemas dentro da

Leia mais

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br Hipogonadismo O que é Hipogonadismo? Hipogonadismo é uma doença na qual as gônadas (testículos nos homens e ovários nas mulheres) não produzem quantidades adequadas de hormônios sexuais, como a testosterona

Leia mais

Nome Nº Turma Data / /20. Avaliação NS S SB EX

Nome Nº Turma Data / /20. Avaliação NS S SB EX Teste Avaliação Ciências Naturais 9º Ano Nome Nº Turma Data / /20 Classificação Competências Conhecimento Raciocínio Comunicação (Língua Materna) Avaliação NS S SB EX Cotação % Professor(a) Enc. de Educação

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide Lipodistrofia Ginóide Estria Discromia Distúrbios inestéticos O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000)

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Puberdade PUBERDADE Transição entre a infância e a vida adulta Transformações físicas e psíquicas complexas Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Desenvolvimento

Leia mais

Posso fazer a barba?

Posso fazer a barba? A UU L AL A Posso fazer a barba? Você estudou na Aula 6 as transformações que acontecem durante a puberdade feminina. Agora chegou a hora de falarmos da puberdade masculina. Para os meninos, a puberdade

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

Extração de Unidades Foliculares

Extração de Unidades Foliculares Capítulo 18 Extração de Unidades Foliculares Antonio Ruston O que é extração de unidades foliculares? A extração de unidades foliculares (FUE, follicular unit extraction) é um método de obter cabelo da

Leia mais

ALOXIDIL. Theraskin Farmacêutica Ltda. Solução capilar 5% Minoxidil 50 mg/ml

ALOXIDIL. Theraskin Farmacêutica Ltda. Solução capilar 5% Minoxidil 50 mg/ml ALOXIDIL Theraskin Farmacêutica Ltda. Solução capilar 5% Minoxidil 50 mg/ml Aloxidil minoxidil 50mg/mL SOLUÇÃO CAPILAR 5% USO ADULTO EXCLUSIVO PARA USO MASCULINO USO TÓPICO APRESENTAÇÃO Frasco plástico

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

Cirurgia nas mamas. Mamas femininas

Cirurgia nas mamas. Mamas femininas Cirurgia nas mamas Mamas femininas As mamas são glândulas que sofrem transformações fisiológicas ao longo da vida, em resposta a estímulos hormonais. Na juventude, têm consistência mais firme, forma mais

Leia mais

TERAPIA CAPILAR PARA O TRATAMENTO DA ALOPECIA ANDROGENÉTICA MASCULINA E ALOPECIA AREATA.

TERAPIA CAPILAR PARA O TRATAMENTO DA ALOPECIA ANDROGENÉTICA MASCULINA E ALOPECIA AREATA. 1 TERAPIA CAPILAR PARA O TRATAMENTO DA ALOPECIA ANDROGENÉTICA MASCULINA E ALOPECIA AREATA. Elaine Amorim da Silva 1 Maiane Espindola Patricio 2 Vandressa Bueno de Paula 3 Resumo A alopecia é um tipo de

Leia mais

Gomagem e Esfoliação. Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Corporal I Profª. Mayara L. Vareschi

Gomagem e Esfoliação. Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Corporal I Profª. Mayara L. Vareschi Gomagem e Esfoliação Métodos e Técnicas Aplicadas à Estética Corporal I Profª. Mayara L. Vareschi Membrana que recobre toda a superfície corpórea Maior órgão do corpo humano (2m² e 4kg) Resistente e flexível

Leia mais

finasterida Comprimido revestido 1mg

finasterida Comprimido revestido 1mg finasterida Comprimido revestido 1mg MODELO DMODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE finasterida Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Comprimido revestido 1mg Embalagens contendo

Leia mais

Hormônio do Crescimento

Hormônio do Crescimento Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hormônio do Crescimento O Hormônio do Crescimento Humano é um dos muitos hormônios que tem sua produção

Leia mais

CONFIDENCIAL BULA. Regaine 5% (minoxidil) PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Nome comercial: Regaine 5% Nome genérico: minoxidil

CONFIDENCIAL BULA. Regaine 5% (minoxidil) PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Nome comercial: Regaine 5% Nome genérico: minoxidil BULA Regaine 5% (minoxidil) PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Regaine 5% Nome genérico: minoxidil Forma farmacêutica: solução tópica Via de administração: TÓPICA Apresentação comercializada:

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

ALOXIDIL. Theraskin Farmacêutica Ltda. Solução capilar 5% Minoxidil 50 mg/ml

ALOXIDIL. Theraskin Farmacêutica Ltda. Solução capilar 5% Minoxidil 50 mg/ml ALOXIDIL Theraskin Farmacêutica Ltda. Solução capilar 5% Minoxidil 50 mg/ml Aloxidil minoxidil 50mg/mL SOLUÇÃO CAPILAR 5% USO ADULTO EXCLUSIVO PARA USO MASCULINO USO TÓPICO APRESENTAÇÃO Frasco plástico

Leia mais

DOENÇAS DA TIRÓIDE. Figura nº1 Localização da Tiróide e da Hipófise

DOENÇAS DA TIRÓIDE. Figura nº1 Localização da Tiróide e da Hipófise DOENÇAS DA TIRÓIDE O que é a Tiróide? A Tiróide é uma glândula situada na base do pescoço imediatamente abaixo da maçã de Adão (fig.nº1) e é constituída por dois lobos unidos por uma parte central chamada

Leia mais