DESAFIOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA AMBIENTALIZAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESAFIOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA AMBIENTALIZAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA"

Transcrição

1 DESAFIOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA AMBIENTALIZAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA Resumo Este artigo busca refletir sobre quais os desafios colocados para a implementação da educação ambiental como ambientalização do curso de Pedagogia em uma instituição particular de ensino de Curitiba. Como objetivo, buscou se indicar estes desafios para implementar a educação ambiental. As referências teóricas são a educação ambiental, interdisciplinaridade, currículo e gestão escolar. Resgata se a trajetória de construção da Deliberação de Educação Ambiental para o Sistema Estadual de Ensino do Paraná para a educação básica e ensino superior. A pesquisa teve como fontes: a própria pesquisadora, como conselheira do Conselho Estadual de Educação na elaboração desta Deliberação; os técnicos das instituições governamentais participantes e de documentos produzidos nesta trajetória. Conclui se que os desafios estão relacionados a necessária ambientalização da universidade com readequação do Plano de Desenvolvimento Institucional e Projeto Pedagógico deste curso, tendo como foco o planejamento e cronograma para a execução de ações no âmbito do espaço físico, na gestão e na organização curricular. A construção de uma práxis interdisciplinar ambiental na perspectiva de transformação e emancipação na formação do pedagogo como responsável pela formação das futuras gerações. Universidade Tuiuti do Paraná Palavras chave: Educação Ambiental. Pedagogia. Diretrizes Curriculares. Ambientalização. Ensino Superior X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.1

2 1 INTRODUÇÃO As diretrizes curriculares de educação ambiental e sua implementação no ensino superior coloca se como temática deste artigo. A reflexão trata sobre quais os desafios a serem enfrentados na implantação da educação ambiental como ambientalização do curso de Pedagogia 1 em uma instituição particular de ensino de Curitiba? Como objetivo, buscou se indicar estes desafios na para esta ambientalização do referido Curso. Os conceitos teóricos de referências no artigo são a educação ambiental, sustentabilidade, interdisciplinaridade, gestão escolar e currículo. Esta reflexão está assentada, enquanto campo empírico e de pesquisa, na trajetória de construção da Deliberação de Educação Ambiental para o Sistema Estadual de Ensino do Paraná, a ser implementado no âmbito da educação básica e ensino superior, no caso o curso de Pedagogia. Quanto aos aspectos metodológicos, considerase a abordagem qualitativa, sendo fontes de pesquisa: a participação desta pesquisadora como aluna, também, como docente deste curso e como conselheira do Conselho Estadual de Educação, tendo atribuições na elaboração desta Deliberação; dos técnicos das instituições governamentais participantes e de documentos produzidos nesta trajetória. O trabalho esta estruturado em quatro partes, a primeira trata das referências de educação ambiental, considerando duas tendências conversadora e emancipatória; da interdisciplinariedade e currículo. A segunda trata das Diretrizes Curriculares Nacionais de Educação Ambiental e da Deliberação para o Sistema Estadual de Ensino do Paraná. A terceira trata dos desafios da educação ambiental como ambientalização do curso de Pedagogia e, a última parte, trata das considerações finais do trabalho, com a indicação dos desafios a serem enfrentados. 1 Por questões éticas não será mencionada a Instituição de Ensino em que está vinculado este curso de Pedagogia, sendo a referência adotada o curso de Pedagogia de uma instituição particular de ensino de Curitiba. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.2

3 2 ASPECTOS TEÓRICOS O atual cenário de concepção da educação ambiental, constitui se como campo em construção teórica, marcada, segundo Lima (2002, p. 7) pela diversidade de ações e leituras teóricas fundamentadas numa ampla variedade de posturas políticas e visões de mundo, que mobiliza o debate e as disputas pela hegemonia em relação às orientações teórico metodológicas desta área de conhecimento e de atuação política. Considera se como referências para este trabalho, a reflexão desenvolvida por Lima(2002), que aborda a educação ambiental no contexto da crise ambiental, da cidadania e dos desafios da sustentabilidade emancipatória. Também, Loureiro ao tratar das principais orientações teórico metodológicas na constituição da educação ambiental, tendo como referencial a tradição crítica e dialética histórica. E, Jacobi(2005) ao considerar a educação ambiental como desafio na construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo, destacando o papel estratégico e decisivo do educador no cotidiano escolar, ao buscar qualificar o aluno diante da crise socioambiental na perspectiva de transformação de hábitos, práticas sociais e construção de uma cidadania ambiental. Busca se, com estes autores, situar as delimitações de um campo de abordagem da educação ambiental, considerando que, quando se trata da educação ambiental escolar os estudos, a esse respeito, são escassos, quase que inexistem. Fato que indica um campo de investigação a ser construído e pesquisa. fortalecido como objeto de estudo e Com a implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais de Educação Ambiental e a Deliberação de Educação Ambiental para o Sistema Estadual de Ensino do Paraná, espera se que se estabeleça um espaço favorável com dinâmica diferenciada na atuação dos educadores e pesquisadores. Mobilizar as atividades de ensino, pesquisa e extensão, visando à construção de práticas de pesquisa e formação que possam contribuir na superação dos desafios da educação ambiental, coloca se como eixo norteador a ser perseguido na perspectiva de transformação destas práticas em uma práxis socioambiental comprometida com a formação das futuras gerações para a sustentabilidade da vida no planeta. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.3

4 Para tanto, Lima( 2002) sistematiza dois campos de posturas políticas e visões de mundo que expressam os aspectos teóricos que fundamentam a educação ambiental e que será utilizado para localizar o campo de referência em que se situam estas Diretrizes e, também, esta pesquisadora. Ciente dos limites presentes nesta classificação, o autor indica duas grandes concepções político culturais que atribuem e estruturam o debate em torno da sustentabilidade e da educação ambiental, contribuem para localizar e identificar as múltiplas propostas teórico práticas de educação ambiental (LIMA, 2002, p. 11). Estas duas concepções/tendências estão expressas por polaridades como sendo conservadora e emancipatória. Loureiro(2006, p. 133), adota a sistematização feita por Lima(2002) e acrescenta novos elementos na identificação de que dois grandes blocos político pedagógicos começaram a se definir e disputar hegemonia no campo de formulações teóricas, na academia, nas articulações internas às redes de educadores ambientais e na definição da política nacional com vertentes internas e interfaces complexas e diferenciadas. Este autor, também, reconhece as limitações deste tipo de estruturação ao considerar la como uma possível forma de explicitar os macroeixos norteadores que historicamente alcançaram maior destaque no cenário da educação ambiental. Assim, Lima(2002, p.11) concebe a tendência conservadora como aquela que foca seu interesse na conservação da presente estrutura social com todas as suas características e valores econômicos, políticos, éticos e culturais, sendo complementado por Loureiro(2006) que denominou este bloco como conversador ou comportamentalista, a partir das seguintes características: a conservação naturalista e conservacionista da crise ambiental; educação entendida em sua dimensão individual, baseada nas vivências práticas; despolitização do fazer educativo ambiental, apoiando se em pedagogias comportamentalistas ou alternativas de cunho místico; baixa problematização da realidade e pouca ênfase em processos históricos; foco na redução do consumo de bens naturais, descolando esta discussão do modo de produção que a define e situa; diluição da dimensão social na natural, faltando entendimento dialético da relação sociedade natureza(sociedade como realização coletiva e subjetiva da X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.4

5 natureza humana, ou melhor, como realização e exigência para a sobrevivência da espécie humana Morin, 2002b); responsabilidade pela degradação posta em um homem genérico, fora da história, descontextualizado social e politicamente (LOUREIRO, 2006, p. 133) A outra polaridade, segundo Lima(2002, p. 11) constitui se como tendência emancipatória de educação ambiental e se define pelo compromisso de transformação da ordem social vigente, de renovação plural da sociedade e sua relação com o meio ambiente, sendo complementada por Loureiro(2006) ao abordá la como o bloco transformador, crítico e emancipatório que se expressa com as características de: busca da realização de autonomia e liberdades humanas em sociedade, redefinindo o modo como nos relacionamos com a nossa espécie, com as demais espécies e com o planeta; politização e publicização da problemática ambiental em complexidade; convicção de que a participação social e o exercício da cidadania são práticas indissociáveis da educação ambiental; preocupação concreta em estimular o debate e o diálogo entre ciências e cultura popular, redefindo objetos de estudo e saberes; indissociação no entendimento de processos como: produção e consumo; ética, tecnologia e contexto sócio histórico; interesses privados e interesses públicos; busca de ruptura e transformação dos valores e práticas sociais contrários ao bem estar público, à equidade e à solidariedade.( LOUREIRO, 2006, p. 134) Assim, estes autores demarcam os diferentes campos ambientais em disputa que perpassam as práticas sociais dos profissionais, gestores públicos e educadores ambientais, como também os espaços institucionais e governamentais de formulação e gestão de políticas públicas. Outro aspecto relevante neste debate diz respeito à concepção de interdisciplinaridade. Sendo um dos desafios centrais a ser enfrentado no debate da educação ambiental e que segundo Jacobi (2005) as experiências interdisciplinares são recentes e incipientes no âmbito da educação e pode se expressar combinando várias áreas de conhecimento que pressupõe o desenvolvimento de metodologias interativas, configurando a abrangência de enfoques e contemplando uma nova articulação das conexões entre as ciências naturais, sociais e exatas. Cabe ressaltar que o contexto epistemológico da educação ambiental permite um X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.5

6 conhecimento aberto, processual e reflexivo, a partir de uma articulação complexa e multirreferencial (JACOBI, 2005, p. 246) Para Jacobi(2005, p. 247) os problemas ambientais transcendem o campo das disciplinas, sendo importante que um conjunto de disciplinas internalize um saber ambiental para que seja construído um campo de conhecimento com capacidade de captar as multicausalidades e as relações de interdependência dos processos de ordem natural e social que determinam as estruturas e mudanças socioambientais. Para o autor, aprofundar o conhecimento disciplinar e ampliá lo entre as disciplinas, coloca se como um significativo avanço diante da complexidade expressa pela atual realidade socioambiental, uma vez que o desafio da interdisciplinariedade é enfrentado como um processo de conhecimento que busca estabelecer cortes transversais na compreensão e explicação do contexto de ensino e pesquisa, buscando a interação entre as disciplinas e superando a compartimentalização científica provocada pela excessiva especialização (JACOBI, 2005, p. 247) Para Loureiro a interdisciplinaridade permeia os dois blocos teórico metodológico de educação ambiental, sendo portanto, necessário considerar os componentes ontológicos e históricos da intervenção humana no ambiente, cabendo aos processos de educação ambiental crítica refletir sobre a dinâmica da relação sociedade natureza, os quais, sem esta dimensão tornam o debate ambiental simplificado, fragmentado e despolitizado pela negação da materialidade e das contradições contidas nas relações sociais.frente a tal perspectiva de educação ambiental e as críticas realizadas à ciência moderna, apontamos que a opção epistemológica e metodológica materialista dialética torna se compatível ao paradigma complexo, dialético, histórico, transformador e libertário onde a interdisciplinaridade é incorporada a visão emancipatória na educação ambiental (LOUREIRO; COSTA, 2013, p. 19). Para Loureiro e Costa (2013, p. 17) a práxis interdisciplinar não se considera resolvida apenas com a realização de trabalhos de equipes, com o movimento interior de descoberta ou com atividades de parcerias. Esta práxis busca superar o conhecimento disciplinar e fragmentado, sendo a expressão da divisão social do trabalho, em que X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.6

7 ocorre a expropriação do sujeito conhecer a integridade do processo produtivo e criativo em que está inserido, valorizando a especialização como condição de aumento da eficiência competitiva. Há que se superar a postura ingênua de que a interdisciplinaridade acontece pela aproximação, ao se buscar resolver problemas, a partir da união direta de conceitos, teoria e método não havendo compromisso com a transformação da realidade social. Neste sentido, destaca se a função do currículo como elementos articulador e instrumento operacional das disciplinas, como um elemento que consolida a divisão social do conhecimento, na medida que a seleção de saberes esta relacionada às relações de poder. Considera se que os desafios para se implementar uma práxis interdisciplinar, passam pelo debate em torno das concepções de currículo no âmbito da gestão escolar, a partir da construção social do projeto político pedagógico da escola, incluindo a participação da comunidade escolar. Nas teorias crítica e pós crítica de currículo de que trata Silva (2011, p. 149) fica evidenciado o papel do currículo na formação humana e das futuras gerações, tendo como base as formas diferenciadas de relação de poder na seleção dos saberes, uma vez que o conhecimento é parte inerente do poder. A teoria crítica do currículo tem como perspectiva de análise as relações econômicas e de classes sociais do capitalismo, sendo o poder centralizado no Estado. A teoria pós crítica considera o aluno como sujeito de direito no enfoque do multiculturalismo, que para Silva (2011, p ) o poder é ampliado para incluir os processos de dominação centrados na raça, na etnia, no gênero e na sexualidade, o pode se espalha por toda a rede social. Embora, estas teorias, estabeleçam contrapontos teórico metodológicos entre si, uma vez que a teoria crítica esta se apoiada na objetividade dos determinantes econômicos para a análise dos processos educacionais e a teoria pós crítica na subjetividade desses processos, considerando o aluno como sujeito de direito na sua trajetória de aprendizagem, identifica se um traço entre as teorias. Fica evidente que ambas reafirmam o currículo como instrumento de conhecimento dos saberes X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.7

8 disciplinares. Não se encontra indicativos de proposta para modificar a organização curricular vigente no processo de aquisição de conhecimento e formação de identidade. Tais teorias não superam a fragmentação e compartimentalização do conhecimento praticada pelo currículo de forma emancipatória e libertadora. Neste contexto a interdisciplinaridade contribui para o avanço na compreensão do currículo construído na perspectiva do espaço com possibilidade de se reescreve as práticas pedagógicas e o conhecimento escolar. Reescrever e resignificar o papel do currículo, tendo a práxis interdisciplinar como premissa na organização e gestão da escola. A gestão democrática e participativa da escola requer conhecimento, habilidades e procedimentos práticos que para Libânio, Oliveira e Toschi (2012, p ) deve considerar seis áreas de atuação como: a) o planejamento e o projeto pedagógico curricular; b) a organização e o desenvolvimento do currículo; c) a organização e o desenvolvimento do ensino; d) as práticas de gestão técnico administrativas e pedagógicocurriculares; e0 desenvolvimento profissional; f) avaliação institucional e da aprendizagem (LIBÂNIO; OLIVEIRA; TOSCHI, p. 481). Para tanto, coloca se como necessário que os gestores da escola mudem os modos de pensar e agir. A formação inicial e continuada é premissa, com destaque para o pedagogo como especialista que atua em várias instâncias na gestão da escola. É o profissional que cuida da formação humana onde ela é realizada de forma intencional e sistemática e contribui significativamente nas ações desenvolvidas no espaço escolar. Os autores enfatizam a importância de construção de uma comunidade democrática de aprendizagem na escola como instrumento para garantir a participação dos professores, alunos e do pedagogo. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.8

9 3 EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS E A DELIBERAÇÃO PARA O SISTEMA ESTADUAL DE ENSINO DO PARANÁ Em 2012, no contexto dos preparativos deste evento foi aprovada 2 pelo Conselho Nacional de Educação as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Ambiental, a serem cumpridas pelos sistemas de ensino e suas instituições de Educação Básica e de Educação Superior, que dispõe sobre a Educação Ambiental EA e institui a Política de Educação Ambiental PNEA. Destaca se que o texto que deu origem a estas Diretrizes foi resultado de intensos debates realizados em diversos fóruns e coletivos de educadores e gestores ambientais em todo o país. Havia uma grande expectativa destes, que aguardavam a aprovação da referida regulamentação. Estas Diretrizes, no item que trata das considerações iniciais, destacam que o atributo ambiental não específica um tipo de educação, mais estrutura um campo político de valores e práticas, mobilizando atores sociais comprometidos com a prática político pedagógica transformadora e emancipatória capaz de promover à ética e a cidadania ambiental (BRASIL, 2012). A abordagem de educação ambiental presente neste documento, deixa evidente o seu compromisso com o enfoque da educação ambiental transformadora. Enfatiza segundo Loureiro (2004, p. 81) a educação enquanto processo permanente, cotidiano e coletivo pelo qual agimos e refletimos transformando a realidade de vida. Tais compromissos estão detalhados no capítulo que trata do objeto da Diretriz, quanto aos preceitos na formação humana de sujeitos concretos que vivem em determinado meio, contexto histórico e sociocultural, com condições físicas, emocionais, intelectuais, culturais ; do estimulo a reflexão crítica e propositiva da educação ambiental em projetos institucionais e pedagógicos no sistema de ensino, sendo a educação ambiental integrante do currículo e dos cursos de formação de docentes para a educação básica. 2 Resolução CNE/CP n.º 02/12 em 15/06/12. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.9

10 Os demais artigos deste capítulo tratam sobre a construção do conhecimento na perspectiva de habilidades, atitudes e valores, comprometidos com as comunidades de vida, a justiça e, a equidade ambiental, a proteção ambiental natural e construída. Ainda, trata da responsabilidade cidadã construída na reciprocidade das relações dos seres humanos entre si e com a natureza ; da dimensão política pedagógica da educação ambiental e da superação pelas instituições de ensino quanto a abordagem despolitizada, acrítica, ingênua e naturalista presente nas práticas pedagógicas destas em relação à educação ambiental. Os princípios e objetivos tratados nesta Diretriz reafirmam às práticas comprometidas com a construção de sociedade justas e sustentáveis a partir de valores da liberdade, igualdade, solidariedade, democracia, justiça social, responsabilidade, sustentabilidade e educação como direito, a serem concretizados de acordo com cada fase, etapa, modalidade e nível de ensino. O terceiro título da Diretriz trata da organização curricular, composto por três artigos que tratam dos projetos institucionais e pedagógicos da educação básica e ensino superior; da inserção dos conhecimentos da educação ambiental nos currículos e do planejamento curricular e gestão da instituição de ensino. Também, trata da constituição de espaços educadores sustentáveis, como referências educativas de sustentabilidade socioambiental no território em que estão localizadas, integrando currículo, gestão e edificações de forma equilibrada com o meio ambiente. Tais espaços dever ter asseguradas suas condições de funcionamento pelos sistemas de ensino. A formação para a educação ambiental é destacada nas Diretrizes a partir dos cursos de formação inicial e continuada de professores, gestores, coordenadores, especialistas e outros profissionais que atuam na educação básica, com objetivo de qualificar a atuação escolar e acadêmica. A Deliberação de Educação Ambiental estabelece os aspectos operações das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental DCNEA a ser cumprido pelo Sistema Estadual de Ensino no âmbito da educação básica e ensino superior em todas as X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.10

11 etapas, níveis e modalidades de ensino em três eixos o espaço físico, a gestão democrática e a organização curricular. Este texto expressa avanços importantes em relação ao estabelecido pelas Diretrizes Nacionais, considerando o cuidado e conservação das comunidades de vida, como sujeitos de direto e buscando: à integração da educação ambiental formal e não formal, a partir da Lei da Política Estadual de Educação Ambiental; a territorialidade da bacia hidrográfica para integração das ações de política publica; a articulação de ações entre a educação básica e ensino superior; fortalecimento do papel da escola; participação e controle social no monitoramento dos resultados das políticas públicas; constituição de redes socioambientais para divulgação e socialização ações. Estes princípios orientadores deverão constar nos Projetos Político Pedagógicos e Planos de Curso da Educação Básica e Profissional, bem como nos Planos de Desenvolvimento Institucional e nos Projetos Pedagógicos de cursos da educação superior (PARANÁ, 2013) Os objetivos estabelecidos nesta Deliberação tratam da implementação dos princípios norteadores, acima elencados, visando garantir a interdisciplinaridade e intersetorialidade de ações na bacia hidrográfica, tendo a escola como liderança social relevante a partir de três instâncias de organização das ações: Grupo Gestor de Educação Ambiental formado pelas Secretarias do Estado de Educação e Ciência e Tecnologia, Comitês Escolares de Educação Ambiental e o Coletivo de Bacia Hidrográfica. O Grupo Gestor de Educação Ambiental constituído pelas Secretarias do Estado de Educação e Ciência e Tecnologia terá a atribuição de planejar e realizar as ações integradas da educação básica e ensino superior. São atribuições deste Grupo Gestor atuar de forma articulada ao Órgão Gestor Estadual de Educação Ambiental, estabelecido pela Lei Estadual nº /13, responsável pela política de educação ambiental. Incentivar a formação dos Comitês Escolares de Educação Ambiental organizados por escolas e universidades e seus campus, assim como normatizar o seu funcionamento. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.11

12 O Coletivo da Bacia Hidrográfica terá como atribuições a articulação do espaço das ações formais e não formais de educação ambiental a partir da perspectiva de que toda escola esta localizada no território de uma bacia hidrográfica. Esta orientação de inserção da escola visa fortalecer a metodologia estruturante de ação a partir da bacia hidrográfica como referencial ambiental a ser cuidado, preservado e recuperado através do exercício de boas práticas de sustentabilidade. Este Coletivo terá como funções a articulação de todos os Comitês Escolares de Educação Ambiental existentes na bacia hidrográfica; buscar estabelecer o diálogo e integração entre estes Comitês e os segmentos sociais e governamentais que atuam neste território; estabelecer relações com o Grupo Gestor e Comitês e monitorar os resultados das ações de políticas públicas para a melhoria das condições socioambientais e de sustentabilidade local e regional. Os Comitês Escolares de Educação Ambiental terão como atribuições assegurar a atuação local por escola, universidades e seus campus e estabelecer relações com a comunidade em que estejam inseridos. Cabe ainda de acordo com a Deliberação as atribuições, visando executar ações em três eixos de atuação: qualidade do espaço físico, gestão democrática e organização curricular; articular se instâncias colegiadas já existentes na escola; garantir a interdisciplinaridade e transversalidade nos conteúdos e ações de Educação Ambiental; reunir se com os Comitês Escolares de Educação Ambiental existentes no território da bacia hidrográfica para planejar, integrar e acompanhar os resultados das ações de políticas públicas; efetuar cadastro no site a ser disponibilizado pelo Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental (PARANÁ, 2013). A Deliberação considera que a educação ambiental como integrante curricular terá que superar a fragmentação e compartimentalização dos saberes disciplinares, na perspectiva crítica e propositiva da inserção da Educação Ambiental na formulação, execução e avaliação das ações das instituições de ensino (PARANÁ, 2013). Destaca se neste contexto o desafio da inserção da educação ambiental na dimensão curricular. Este aspecto é central do debate em torno da educação ambiental X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.12

13 escolar e formal, tendo em vista, trata se do paradigma filosófico educacional que dá suporte modelo de sistema de educação e de suas práticas. Este aspecto é um campo em disputas, sendo que o texto desta Deliberação não colocava como pretensão resolver e encerar este debate. Assim, a educação ambiental deve ser inserida na organização curricular para a educação básica: na interdisciplinaridade e transversalidade dos temas socioambientais; como conteúdo dos componentes curriculares/disciplinas na dimensão socioambiental; na inserção dos conteúdos relacionados à integração de diferentes áreas de políticas públicas; nos conteúdos multidisciplinares e interdisciplinares, sendo a escola como referência de liderança socioambiental no espaço geográfico da bacia hidrográfica; nas práticas educativas ambientais em áreas de conservação ambiental; nas ações socioambientais, elencadas em seus Projetos Político Pedagógicos, e/ou em seus Planos de Trabalho Docente (PARANÁ,2013) Para o ensino superior a educação ambiental deverá: ser conteúdo nos componentes curriculares/disciplinas, em todos os cursos de graduação e pós graduação, podendo, em casos específicos, também se constituir em componente curricular/disciplina; tratada nos conhecimentos, saberes e práticas relacionados aos temas socioambientais como conteúdos, quando a Educação Ambiental for tratada como componente curricular/disciplina; ser transversal, com a inserção de temas ou com a combinação entre transversalidade e componentes curriculares/disciplinas (PARANÁ, 2013). Destaca o texto que, são admitidas outras formas de inserção da educação ambiental na organização curricular no âmbito da educação profissional técnica de nível médio e do ensino superior, considerando a natureza destes cursos. Esta Deliberação trata com destaque a necessária articulação entre a pesquisa e a formação como determinantes para o êxito na implantação da Política Estadual de Educação Ambiental no âmbito do Sistema Estadual de Ensino. Para tanto, indica este texto que as atividades de pesquisa devem estar vinculadas a Rede Paranaense de Educação Ambiental. Também, que os órgãos públicos de fomento e financiamento à X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.13

14 pesquisa busquem apoiar os projetos de pesquisa nesta área, visando, em especial, o desenvolvimento de tecnologias mitigadoras de impactos negativos ao meio ambiente e a saúde. Ainda, que o Sistema Estadual de Ensino do Paraná deve realizar a formação continuada de professores e gestores a partir de suas práticas educativas como instrumento pedagógico e metodológico na perspectiva da sustentabilidade socioambiental. Destaca o papel das Instituições Estaduais de Ensino Superior, como promotoras desta formação e articulação com a educação básica e órgãos governamentais, visando aprimorar a prática discente e docente no âmbito do ensino da pesquisa e da extensão. Em síntese, esta Deliberação de Educação Ambiental para o Sistema Estadual de Ensino deve garantir paramentos para que as instituições educacionais constituam se em espaços educadores sustentáveis, integrando currículos, gestão e edificações em relação equilibrada com o meio ambiente, tornando se referência para seu território da bacia hidrográfica(paraná, 2013). 4 POLO EMPÍRICO NA AMBIENTALIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE E SEUS DESAFIOS O CURSO DE PEDAGOGIA Este item busca estabelecer o exercício teórico prático, considerando que o curso de Pedagogia estabelece uma ponte significativa entre a educação básica e ensino superior. A formação do pedagogo repercute na educação básica, tendo em vista suas atribuições na gestão escolar. Aborda se os aspectos que se constituem em desafios para a ambientalização do curso de Pedagogia, que após leitura do seu Projeto Pedagógico e na avaliação desta pesquisadora, requer revisão no sentido de adequação às Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental como também, à própria Instrução Normativa 03/2012 da Universidade. Considera se ambientalização do curso a implantação de ações indicadas pelas Diretrizes Nacionais de Educação Ambiental ao considerar que a educação ambiental X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.14

15 deverá ser encaminhada nas dimensões do espaço físico da instituição, na gestão democrática e através do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI e do Plano Pedagógico de Curso PPC e na organização curricular. Destaca se que a ambientação das instituições de ensino e de seus cursos terá necessariamente que acontecer, tendo em vista que se constitui como um dos indicadores para o sistema de avaliação institucional, sendo válido, também, para a avaliação de cursos. A Instrução Normativa 03/2012 desta instituição de ensino, representa um instrumento de avanço significativo para o processo de implantação da ambientalização, mas não se faz suficiente. Não expressa o planejamento de ações necessárias para sua execução, visando a ambientalização no âmbito do espaço físico, da gestão democrática e da organização curricular dos cursos a partir de cronograma de metas de curto, médio e longo prazo. Considera se que este é um dos principais desafios institucionais no processo de ambientalização da instituição em questão, visando atender as Diretrizes nacionais. Para o curso de Pedagogia os desafios, embora articulados aos desafios de ambientalização da instituição, estão relacionados ao Projeto Pedagógico do curso. Assim, a referida Instrução Normativa, coloca se como um instrumento significativo para reafirmar a necessária atuação no curso, a partir de uma abordagem articulada das questões ambientais, garantindo o contínuo projeto educativo e fortalecimento da consciência crítica sobre a problemática ambiental e social(paraná, 2012). Neste sentido, a leitura realizada por esta pesquisadora no texto do Projeto Pedagógico do curso, indicou que há necessidade de rever aspectos na sua missão e seus objetivos para o curso Este texto trata da concepção de formação do pedagogo a partir da estrutura do curso em três eixos: pesquisa, docência e gestão. Constata se que os aspectos de ambientalização não são identificados nesta concepção. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.15

16 A educação ambiental no curso de Pedagogia é inserida na organização curricular, com a disciplina de Educação Socioambiental, primeiro semestre do curso com carga horária de 72 horas. Também, nas ações de extensão relacionadas ao Fórum da Agenda 21, como programa vinculado à Pró Reitoria de Promoção Humana; ao Projeto de Extensão Permanente: Educação Meio Ambiente e Cultura EMAC, vinculada à Linha de Pesquisa Práticas Pedagógicas: Elementos Articuladores, do Programa de Pós Graduação em Educação. Estas atividades inseridas no Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia, constituise como iniciativa relevante destacada por Jacobi(2005) ao afirmar que a restrita presença do debate ambiental, seja como disciplina, seja como eixo articulador nos currículos dos cursos de formação de professores (MEC, 2000), é um bom indicador do desafio de internalização da educação ambiental nos espaços educativos. Isto coloca a necessidade de uma permanente sensibilização dos professores, educadores e capacitadores como transmissores de um conhecimento necessário para que os alunos adquiram uma base adequada de compreensão dos problemas e riscos socioambientais, do seu impacto no meio ambiente global e local, da interdependência dos problemas e da necessidade de cooperação e diálogo entre disciplinas e saberes (JACOBI, 2005, p. 247). Constata se que a abordagem interdisciplinar permeia a concepção deste curso de Pedagogia e como desafio na ambientalização do curso indica se a relevância de se construir uma práxis interdiciplinar ambiental na perspectiva de superação da compartimentalização dos saberes e do conhecimento na formação do pedagogo, reafirmando se pela complexidade de que trata Lima (2002, p. 6) que o desafio da construção de teoria e prática interdisciplinares, com toda a complexidade que o assunto evoca Libânio e Pimenta(1999) ao tratarem da reflexão sobre a formação de profissionais da educação a partir de visão crítica na perspectiva de mudança, indicam elementos que contribuem para a avaliação do papel do pedagogo com profissional da educação. Em síntese, a leitura realizada por esta pesquisadora a partir de tais referências, indica a necessidade de revisão do Projeto Político pedagógico do referido curso de Pedagogia. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.16

17 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho buscou desenvolver uma reflexão em torno dos desafios a serem enfrentados para a ambientalização do curso de Pedagogia, considerando as Diretrizes Nacionais de Educação Ambiental em vigor. Tais desafios estão relacionados à necessária decisão institucional, quanto as condições para a implantação das ações previstas Poe estas Diretrizes, a serem planejadas para execução destas ações de intervenção no espaço físico, para atender os princípios de sustentabilidade; na gestão democrática, com a readequação do Plano de Desenvolvimento Institucional e nos Propostas Pedagógicas de Curso, com a readequação destas em cada um dos cursos da universidade na organização curricular, atendendo que a educação ambiental seja tratada como conteúdo nos componentes curriculares em todos os cursos desta universidade. Os desafios colocados para o curso de Pedagogia estão articulados aos desafios para implementar a ambientalização do conjuntos de ações na instituição de ensino como um todo. Assim, como um primeiro passo coloca se a necessária readequação do Projeto Pedagógico do curso. A dimensão ambiental como conteúdo, deve ser incorporada e abordada em todos os componentes curriculares do curso, fortalecendo as ações de educação ambiental atualmente já desenvolvidas neste curso. Considera se como desafio prioritário a necessária construção de uma práxis interdisciplinar ambiental na perspectiva da transformação e emancipação na formação humana como princípio de concepção na formação do pedagogo. Pois, este profissional, pelas suas atribuições na gestão escolar, poderá atuar de forma ativa e privilegiada na formação das futuras gerações. O pedagogo tem a possibilidade de exercer, de acordo com Silva(2011, p. 54) ao citar Giroux, o papel de intelectual transformador, com poder de voz garantido pela participação e atuação no espaço escolar enquanto expressão de esfera pública. Estes conceitos são centrais e contribuím para que o currículo e a pedagogia desempenhem um papel emancipador e libertador da escola. Neste contexto a abordagem de Loureiro X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.17

18 (2006) encontra ressonância quando trata da tendência emancipatória da educação ambiental. Assim a escola poderá ser o espaço inovador portador de práticas pedagógicas e sociais que estejam adequadas às demandas da realidade econômica, social e ambiental diante da atual crise e riscos ambientais do planeta. Para tanto, esta perspectiva terá que ser incorporada no processo de formação do pedagogo, sendo um dos desafios a ser considerado para a ambientalização do curso de Pedagogia. Destaca se que será este profissional que atuará, prioritariamente, nas instituições escolares da educação básica para implementar as Diretrizes Nacionais e Deliberação Estadual de Educação Ambiental. Assim, reafirma se o desafio diante da necessária preocupação com a formação inicial do profissional de educação que atuará de forma decisória na educação básica com a responsabilidade em suas mãos de formar o futuro cidadão que atuará na sociedade. A articulação entre o ensino superior e a educação básica, coloca se como pressuposto para a implantação desta Deliberação. REFERÊNCIAS JACOBI, Pedro. Educação Ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. In: Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p , maio/ago LIBÂNIO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira de; TOSCHI; Mirza Seabra. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. 10. ed. São Paulo: Cortez, LIBÂNIO, Jose Carlos; PIMENTA, Selma Garrido. Formação de profissionais da educação: visão crítica e perspectiva de mudança. In: Educação e Sociedade. n. 68, p , São Paulo: Campinas, dezembro X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.18

19 LIMA, Gustavo Ferreira da Costa. Crise ambiental, educação e cidadania: os desafios da sustentabilidade emancipatória. In: LAYRARGUES, P. P.; Castro, R. S; LOUREIRO, C. F. B. (orgs.) Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania, São Paulo: Cortez, LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Complexidade e dialética: contribuições à práxis política e emancipatória em educação ambiental. In: Educação e Sociedade, v. 27, n. 94, p , jan./abr Disponível em: Acesso em: 26 nov.13. PARANÁ, Governo do Estado. Lei nº 17505, de 11 de janeiro de Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras providências. Disponível em: PARANÁ, Conselho Estadual de Educação. Deliberação nº 04/13, de 12 de novembro de Estabelece as Normas estaduais para a Educação Ambiental no Sistema Estadual de Ensino do Paraná. Disponível em: PARANÁ, Universidade Tuiuti. Instrução Normativa 03/2012. Conselho Universitário, 11 set PARANÁ, Universidade Tuiuti. Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia. Coordenadora Maria Iolanda Fontana. Curitiba: UTP, SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3.ed. Belo Horizonte: Autentica, X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.19

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 15 DE JUNHO DE 2012 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 15 DE JUNHO DE 2012 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 15 DE JUNHO DE 2012 (*) Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. O Presidente do

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Política Nacional de Educação Ambiental

Política Nacional de Educação Ambiental Política Nacional de Educação Ambiental Diretoria de Educação Ambiental Secretaria Executiva Coordenação da PNEA Ministério do Meio Ambiente Órgão Gestor da PNEA Ministério da Educação Diretoria de Educação

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA Disciplina: ESTÁGIO I Carga Horária: 90h Teórica: Prática: 80h Semestre: 2013.2 Professora: Claudia Mara Soares

Leia mais

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES

POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA PPNFES SECRETARIA NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA MTE/SENAES FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO/EDUCAÇÃO EM ECONOMIA SOLIDÁRIA POR UMA POLÍTICA PÚBLICA NACIONAL DE FORMAÇÃO EM

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR FABIA GRAVINA VIEIRA ROCHA Colégio e Faculdade Modelo do Paraná- Curitiba/PR fabiagravina@hotmail.com RESUMO Sensível à necessidade de reflexão sobre as relações dos seres

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e

Leia mais

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde NOTA TÉCNICA 16 2013 Política Nacional de Educação Popular em Saúde Brasília, 20 de maio de 2013 INTRODUÇÃO A Política Nacional de Educação Popular em Saúde PNEP-SUS foi apresentada e aprovada no Conselho

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Versão final do Workshop 09/07/2010 PROJETO DE LEI ESTADUAL - PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

PROJETO DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

PROJETO DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA 1. Introdução Desnecessário discorrer sobre a importância da iniciação científica para a formação acadêmica e seus benefícios

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALVES, Ana Paula PUCPR SAHEB, Daniele PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 02/2015-CEE/PR. Dispõe sobre as Normas Estaduais para a Educação em Direitos Humanos no Sistema Estadual de Ensino do Paraná.

DELIBERAÇÃO Nº 02/2015-CEE/PR. Dispõe sobre as Normas Estaduais para a Educação em Direitos Humanos no Sistema Estadual de Ensino do Paraná. DELIBERAÇÃO Nº 02/2015-CEE/PR Dispõe sobre as Normas Estaduais para a Educação em Direitos Humanos no Sistema Estadual de Ensino do Paraná. Curitiba Abril de 2015 EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DELIBERAÇÃO

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 CHAMADA DE ARTIGOS do SUPLEMENTO TEMÁTICO A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE No dia 16 de novembro último, durante o 10o Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, realizado em Porto

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Meta e Estratégias. Meta

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Meta e Estratégias. Meta EDUCAÇÃO AMBIENTAL Meta e Estratégias Meta Universalizar a educação socioambiental em todos os níveis e modalidades de ensino, como uma prática inter, multi e transdisciplinar, contínua e permanente nos

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Outubro de 2008 1 INTRODUÇÃO A Política de Desenvolvimento Social formaliza e orienta o compromisso da PUCRS com o desenvolvimento social. Coerente com os valores e princípios

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Estabelece Normas Operacionais Complementares em conformidade com o Parecer CNE/CEB nº 06/2010, Resoluções CNE/CEB nº 02/2010

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS O processo de avaliação institucional foi desenvolvido pela comunidade acadêmica da Faculdade Atenas, com o intuito

Leia mais

Linha 2- Desenvolvimento e Conflitos Sociais:

Linha 2- Desenvolvimento e Conflitos Sociais: UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL Edital 01/2014 CREDENCIAMENTO DE DOCENTES 1. PREÂMBULO A Coordenação do Programa

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS TELÊMACO BORBA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA Telêmaco Borba,

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DEPENDE DA OUSADIA DOS SEUS AGENTES, DA OUSADIA DE CADA INSTITUIÇÃO EM ASSUMIR-SE COMO TAL, PARTINDO DA CARA QUE TEM, COM O SEU COTIDIANO E O SEU

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais