Fernando Amaro Pessoa Ricardo Borges da Silva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fernando Amaro Pessoa fap_rj@hotmail.com Ricardo Borges da Silva ricardogeo10@hotmail.com"

Transcrição

1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE GEOGRAFIA: O CASO DO ESTÁGIO DOCENTE NO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO Fernando Amaro Pessoa Ricardo Borges da Silva INTRODUÇÃO O trabalho de educação ambiental ganha cada vez mais importância como área de atuação dos jardins botânicos, cujo espaço diferenciado de lazer tem a capacidade de despertar a curiosidade sobre as plantas, criando condições próprias à implementação de ações que promovam, junto aos visitantes, grupos escolares e comunidades locais, a percepção dos impactos da ação humana sobre o meio ambiente e a consciência sobre os efeitos negativos da perda da biodiversidade, motivando-os a participarem de um ciclo de desenvolvimento sustentável. Assim, partindo da diferenciação proposta por Fávero (apud SAÍSSE, 2003) entre educação formal (altamente institucionalizada, cronologicamente gradual, hierarquicamente estruturada, englobando desde a escola pré-primária até os mais altos níveis universitários), não formal (qualquer tentativa educacional organizada e sistemática que se realiza fora dos quadros do sistema formal de ensino para fornecer determinados tipos selecionados de aprendizagem a subgrupos específicos da população, tanto de adultos como de crianças) e informal (processo permanente pelo qual qualquer pessoa adquire e acumula conhecimentos, habilidades, atitudes e perspicácia, através de experiência diária e contato com o meio ambiente em casa, no trabalho, no lazer...), o presente relatório vem tratar da importância cada vez maior da educação não-formal para a educação escolar.

2 Para isso, foi escolhido o Núcleo de Educação Ambiental do Rio de Janeiro, principalmente por sua abordagem sustentada na Educação Ambiental Crítica, que certamente possui uma forte ligação com a Geografia. Assim, será apresentado um pequeno histórico da instituição onde foi realizado o Estágio e uma discussão teórica sobre a Educação Ambiental Crítica. Por fim, serão relatadas algumas experiências vivenciadas no Estágio e suas relações com a Geografia. 1. O Jardim Botânico do Rio de Janeiro e seu Núcleo de Educação Ambiental - um breve histórico: O embrião do que mais tarde viria a se constituir como Jardim Botânico foi fundado por Aristóteles ( a.c.), no mesmo período dos liceus, em Atenas. Nesse local, ensinava-se aos estudantes a observação e a classificação das plantas. A partir daí, das práticas medicinais monásticas da Idade Média, essa cultura chega às universidades européias no século XVI, originando os jardins botânicos modernos, instituições de educação e de pesquisa sobre o mundo vegetal (SAÍSSE, 2008). Com isso, através do cultivo e da arborização das espécies com potenciais terapêuticos, buscava-se identificar e comprovar suas propriedades. Formaram-se assim, as primeiras coleções de plantas para fins científicos. Desde então, os jardins botânicos ampliaram seu escopo de atuação, porém não abandonaram sua vocação inicial, a pesquisa sobre a flora. Em Portugal, desde a metade do século XVIII, a identificação e o estudo dos vegetais originários das colônias estiveram a cargo, principalmente, do Jardim Botânico de Ajuda, em Lisboa, onde seu principal objetivo era investigar plantas que tivessem potencial econômico. Assim, o primeiro horto botânico oficial da colônia foi criado em 1796, na capitania do Pará, visando o estabelecimento dos viveiros e da educação das plantas. O Jardim Botânico do Rio de Janeiro não foi criado com o intuito de conservar a biodiversidade. A exemplo de outros jardins botânicos estabelecidos nos trópicos, sua criação teve por objetivo aclimatar especiarias do Oriente (baunilha, canela, pimenta e outras) e introduzir novas plantas na colônia. Com isso, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro foi criado nos moldes do Jardim Botânico do Grão-Pará, no ano de O local selecionado para o jardim de aclimatação foi a Fazenda da Lagoa Rodrigo de Freitas, situada nos arredores da cidade, onde em maio daquele mesmo ano (1808) havia

3 sido instalada a Fábrica de Pólvora e Fundição de Artilharia, que ali permaneceria em funcionamento até 1826 (COSTA & PEREIRA, 2008). No ano de 1819, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro foi anexado ao Museu Real, atual Museu Nacional e, no mesmo ano, seus portões foram abertos ao público. Entre as espécies aclimatadas, o governo de D. João decidiu estimular o plantio de Camellia Sinensis, da qual se produz o chamado chá preto. Para adquirir conhecimentos sobre a cultura do chá, o príncipe regente trouxe chineses para o Brasil, por serem eles detentores de saberes milenares acerca da cultura e do beneficiamento do produto. O Jardim Botânico do Rio de Janeiro foi escolhido como local de plantação do chá e centralizou as etapas de produção até a fase de consumo. Nas décadas de 1820 e 1830, ali colhiam-se anualmente cerca de 340 kg da folha, Porém, o principal objetivo na implantação dessa cultura era o estudo e a produção de sementes e mudas com o intuito de distribuí-las entre as províncias do Império, incentivando o plantio com vistas à exportação (BEDIAGA et al., 2008). Em 1829, por conta de diversas mudanças na política econômica do país, o que resultou em períodos de falta de verba e certo abandono da instituição, gerando uma crise, o governo cedeu por 29 anos ( ) o Jardim Botânico do Rio de Janeiro ao Imperial Instituto Fluminense de Agricultura (IIFA), organização de caráter privado que buscava modernizar as atividades rurais. O acordo entre o governo e o IIFA previa que o espaço deveria permanecer aberto à visitação pública, e os terrenos adjacentes poderiam ser destinados às outras atividades. Após esse período, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro se destaca através da importância atribuída à pesquisa botânica, característica forte ainda nos dias de hoje. Sobre estes aspectos, vários foram os pesquisadores que se destacaram, no presente relatório merece destaque a atuação de Antônio Pacheco Leão ( ), o qual residiu na casa que, décadas mais tarde se tornaria sede do Núcleo de Educação Ambiental do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. A partir da década de 1980, concomitantemente à pesquisa botânica, influenciado pelo fato de que a exemplo do que já havia acontecido com outros países, o Brasil incorpora a questão ambiental na esfera das políticas públicas. Assim, em 1985, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro já possuía um Programa de Educação Ambiental, onde o papel educativo do Jardim Botânico também se ligava ao aprimoramento do uso público no parque, baseado na idéia de que educar o público resultaria em melhor manutenção de sua área.

4 Com isso, uma equipe, formada em grande parte por pesquisadores, foi composta para atuar no Museu Botânico, ao qual a educação estava vinculada. O trabalho prioritário era o atendimento às escolas, para as quais se elaborou um roteiro básico e prático, visando abordar o valor histórico-científico do Jardim e os conhecimentos da Ciência Botânica. E foi justamente esta atividade, iniciada em 1986, a precursora do Treinamento para Visitação Didática desenvolvido pelo Núcleo de Educação Ambiental a partir de 1992, que ainda hoje é oferecido ao professores que visitam o Jardim Botânico, atividade esta que foi acompanhada durante o estágio ali realizado, e que será melhor abordada mais adiante. Por fim, em 1992, o IBAMA criou os Núcleos de Educação Ambiental, a fim de implementar por todo país ações preventivas e conscientizadoras, de acordo com as orientação nacionais e internacionais, resultantes tanto da Constituição de 1988, como da Conferência Intergovernamental de Tbilisi, de 1977 (SAÍSSE, 2008). Ainda segundo esta autora, como representante de uma instituição vinculada ao Ministério do Meio Ambiente (MMA), o Núcleo de Educação Ambiental do Jardim Botânico participa da gestão da política de educação ambiental através de órgãos colegiados, como a CISEA Comissão Intersetorial de Educação Ambiental do MMA, e o Grupo Interdisciplinar de Educação Ambiental do estado do Rio de Janeiro GIEA, bem como de ações demandadas pelo Ministério da Educação. Atualmente, as atividades de Educação Ambiental ali desenvolvidas estão agrupadas nas linhas de ação: Pesquisa, Formação de Educadores Ambientais, Formação de Multiplicadores, Divulgação Científica, Produção Científica, Educação para Gestão Ambiental, e Extensão, esta última na supervisão e orientação de projetos em áreas de abrangência para além dos limites do Jardim Botânico, buscando atender demandas socioambientais e permitindo ao Jardim Botânico ser um espaço cada vez mais vivo (SAÍSSE, 2008). Para finalizar tal breve histórico aqui apresentado, torna-se importante destacar algumas características administrativas de tal instituição. O Jardim Botânico do Rio de Janeiro passou a integrar a estrutura do IBDF Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal a partir de sua criação, em Por conseguinte, o IBDF foi substituído pelo Instituto Brasileiro de Recursos Naturais e Renováveis IBAMA, em 1989, e o Jardim Botânico tornou-se superintendência do novo Instituto. Aproximadamente nove anos depois, em 1998, foi publicada lei que transferia diretamente ao MMA a competência para administrar o Jardim Botânico.

5 Em 2001, uma outra lei criou o Instituto de Pesquisas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, uma autarquia federal vinculada ao MMA. Autarquia significa poder próprio, é um ente autônomo, com patrimônio e receita próprios para executar atividades típicas da administração pública com o objetivo de atingir um melhor funcionamento e gestão descentralizada. Além disso, tal instituição também é tombada como Monumento Nacional pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), e também definido pela UNESCO como Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, sendo referência nacional e internacional em jardins botânicos. Atualmente, para a comemoração de seus 200 anos, foi instalado, em setembro de 2007, o Conselho dos 200 anos do Jardim Botânico, grupo formado por autoridades, cientistas, empresários e artistas, resultando na promoção de vários eventos comemorativos, em que alguns serão provisórios e outros se tornarão permanentes. 2. A Educação Ambiental: Analisando o termo Educação Ambiental, podemos observar que ele é composto de um substantivo, Educação, que irá definir a existência e a reflexão sobre as práticas pedagógicas necessárias à construção do conhecimento (qualquer que seja a natureza e origem deste conhecimento), e do adjetivo Ambiental, anunciando o contexto desta prática educativa e designando uma classe de características que qualificam essa orientação diante da crise ambiental que o mundo vive. Assim, Educação Ambiental, um termo construído ao longo da história e dos debates em torno da questão ambiental, vai nomear uma qualidade especial que diferencia uma determinada prática educativa das demais existentes (LAYRARGUES, 2004). Assim, a Educação Ambiental também pode ser considerada como um campo de conhecimento em construção e que se desenvolve na prática cotidiana dos que realizam o processo educativo (GUIMARÃES, 1995). Várias foram as classificações e denominações que surgiram ao longo dos estudos e debates realizados em torno da Educação Ambiental. Todo esse mundo de classificações e denominações tinha (e tem) como motivação tornar claras as concepções filosóficas que embasam cada um dos diversos discursos existentes na Educação Ambiental. Isso quer dizer que, atualmente, não é mais possível apenas falar em uma atuação na área de Educação Ambiental, apesar de o termo conter um significado mínimo, quando se quer diferenciá-lo do fazer educativo mais amplo.

6 Porém, é necessário dar a este termo um sentido maior, visto que as práticas e discursos em Educação Ambiental não são idênticos, o que fortalece a idéia de deixar claro quais são as suas identidades, os seus pressupostos teóricos e metodológicos, bem como suas semelhanças e diferenças. Com isso, a abordagem tratada durante o Estágio e que será apresentada no presente relatório trata da Educação Ambiental Crítica Educação Ambiental Crítica: Partindo do pressuposto de que a Educação Ambiental deve privilegiar o componente reflexivo crítico, esta acaba por promover uma articulação maior entre o mundo natural e social e transcende a perspectiva da abordagem de conteúdos biologizantes das ciências naturais à medida que engloba os aspectos sócio-econômicos, políticos e culturais das ciências sociais e humanas. Importa-se tanto pelas conseqüências como pelas causas dos problemas ambientais. Para a ampliação dessa concepção, torna-se importante a referência ao documento de Tbilisi, onde a Educação Ambiental aparece relacionada ao exercício da cidadania e estabelece o compromisso com a formação da cultura democrática (SAÍSSE, 2003). Algumas denominações atuais que aparecem nos debates da Educação Ambiental estão ligadas, em sua base, às formulações da Teoria Crítica com fortes influências das idéias de Karl Marx. São referências, nestas vertentes, as obras e idéias de Paulo Freire, Milton Santos, Edgar Morin, dentre outros. Este modo de pensar a Educação Ambiental parte da perspectiva de que se devem analisar as relações entre homem/sociedade/natureza a partir das suas realidades concretas. Para esta vertente, é extremamente importante a análise dos conflitos, das relações de poder e da influência hegemônica do modelo econômico capitalista. Outro fator importante nessa vertente é o uso da dialética, principalmente a originada a partir de Marx (materialismo históricodialético), como característica metodológica. A explicitação do que seja dialética não é o propósito do presente estudo, mas, para que fique mais clara, torna-se importante o trecho a seguir de Loureiro (2004), para um maior esclarecimento sobre o assunto: O modo de pensar dialógico, genericamente, consiste em que quaisquer pares podem estar em contradição e/ou serem complementares. Permite entender a unidade na diversidade, a superação do contraditório pela síntese que estabelece outras

7 contradições, num contínuo movimento de transformação esta foi a inovação de Hegel em relação à dialética antiga, posteriormente adotada criticamente por Karl Marx. (LOUREIRO, 2004) Portanto, nessas vertentes, os contextos sociais, econômicos e políticos são partes integrantes dos debates e discussões em torno da questão ambiental. Muitas são as denominações que se inscrevem nesse grupo ligado à teoria crítica: Educação Ambiental Crítica, Emancipatória, Popular, Transformadora, Ecopedagogia, dentre outras, sendo estabelecidas entre elas apenas algumas nuances ou uma maior atenção a um determinado contexto teórico-metodológico. Não cabe aqui explicitar cada uma dessas nuances. Porém, esse aprofundamento é necessário para aqueles que desejam se aprofundar no assunto para melhor entender a dinâmica da Educação Ambiental. Situar as referidas denominações, estabelecendo as fontes teóricas em que se inserem, é o suficiente para refletir sobre suas relações com outros discursos no âmbito da Educação Ambiental. Esse grande grupo tem, segundo Loureiro (2004), o mérito de estimular o diálogo democrático, qualificado e respeitoso entre todos os educadores ambientais ao promover o questionamento às abordagens comportamentalistas, reducionistas ou dualistas no entendimento da relação cultura-natureza. Sendo assim, a Educação Ambiental Crítica se propõe a desvelar a realidade, para, inserindo o processo educativo nela, contribuir na transformação da sociedade atual, assumindo de forma inalienável a sua dimensão política. Portanto, na educação formal, certamente esse processo educativo não se basta dentro dos muros de uma escola, o que explicita a interface entre a Educação Ambiental e a Educação Popular (GUIMARÃES, 2004). Concordando com esta idéia, ressaltamos a importância de tais abordagens como uma forma de interface entre educação formal e não-formal, um dos grandes objetivos do Estágio realizado na disciplina... Tal abordagem é contemplada pelo Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA), o qual diz que A Educação Ambiental deve ter como base o pensamento crítico e inovador, em qualquer tempo ou lugar, em seus modos formal, não-formal e informal, promovendo a transformação e a construção da sociedade (ProNEA, 1999). Por fim, é importante destacar que o forte viés político destas vertentes sofre, em geral, críticas por parte de outros autores.

8 3. Atividades realizadas no Estágio e suas relações com o conhecimento geográfico: O Estágio se focou basicamente em duas etapas, onde na primeira etapa participamos do Projeto Conhecendo Nosso Jardim, e na segunda do Projeto Tecendo Redes. Além disso, uma parte considerável da carga horária foi cumprida através de leituras sobre os temas aqui abordados, o que foi de muito valor não só para o acompanhamento do Estágio, como também para enriquecimento do conhecimento pessoal. No caso da primeira atividade acompanhada, esta já existe no Jardim Botânico a aproximadamente 15 anos, portanto uma atividade consolidada e bem estruturada, onde apenas acompanhamos seu funcionamento. Já em relação à segunda atividade, esta se focou em um projeto para a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia de 2008, como o tema da Semana muda a cada ano, pudemos acompanhar toda a elaboração das atividades propostas para este ano. Desta forma, serão apresentados a seguir os principais aspectos relacionados a cada atividade (seu funcionamento, aplicabilidade,...), e a contribuição da Geografia para tais. Isto será feito de uma forma geral, evitando a pura descrição das atividades acompanhadas Projeto Conhecendo Nosso Jardim Treinamento para Visitação Didática ao Instituto de Pesquisas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro: O treinamento para professores faz parte do Projeto Conhecendo Nosso Jardim que foi concebido para oferecer aos professores informações necessárias à implantação da prática da Educação Ambiental, através do uso de roteiros didáticos pertinentes ao arboreto do Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ). Sua intenção era uniformizar o atendimento às escolas e transformar o professor em parceiro/multiplicador dessas informações em substituição aos tradicionais guias de instituições similares. O treinamento acontece duas vezes por semana (quarta pela manhã e quinta pela tarde, com um máximo de 15 pessoas), em que quando o professor procura o Jardim Botânico para agendar sua visita, é informado da existência de tal treinamento. Porém, o treinamento não é condição obrigatória para agendar a visita, mas garante ao professor a gratuidade do ingresso quando for acompanhando escolas e o material do projeto relativo ao Roteiro Básico.

9 Durante o Estágio foi possível acompanhar dois treinamentos, um com uma turma de graduandos em Pedagogia na Faculdade de Formação de Professores da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ FFP), e outra com um grupo mais heterogêneo, com alguns professores da rede Estadual e do Colégio Pedro II, porém nenhum de Geografia. Foi possível observar uma clara diferença de interesse, sendo o segundo grupo muito mais interessado que o primeiro. Durante todo o percurso, é ressaltada a importância da Educação Ambiental, com ênfase em sua transdisciplinaridade, ou seja, todas as disciplinas deveriam abordar tal tema. Com isso, o percurso também se torna muito transdisciplinar, e até mesmo multidisciplinar, onde cada professor, de acordo com sua formação pode se aprofundar mais em certos aspectos do que em outros. Um grande exemplo é que a estagiária que media o percurso é graduanda em História, o que fica claro em sua abordagem, tornando-a muito interessante. Durante todo o roteiro, aspectos da Geografia podem ser trabalhados, sendo o principal a Biogeografia, através de aspectos relacionados à aclimatação das espécies, uma das primeiras funções do Jardim Botânico. Além deste, também merece destaque a oportunidade de se trabalhar com o tema Biomas, tendo em vista uma certa organização interna do JBRJ (caminho da Mata Atlântica, área da Amazônia...) e seu processo de devastação. O Roteiro Básico termina no Núcleo de Educação Ambiental, onde lhes é apresentado o Laboratório Didático (porém, este se encontra inativo e não pudemos acompanhar suas atividades). Os professores recebem os cadernos do roteiro, a declaração de participação e preenchem o cadastro onde também avaliam a atividade. Tentou-se acompanhar a visita de alguns desses professores com suas turmas, porém não foi possível por diversos problemas ocorridos. Porém, de uma forma geral, tais professores afirmam que a atividade atende aos objetivos para as visitas, que as informações são aplicáveis para acompanhamento das turmas e que contribui para seu conhecimento sobre Educação Ambiental. Assim, é possível observar a importância da educação não-formal como complementar à formal. Tendo em vista que os objetivos das visitas escolares possuem diferentes aspectos, pois dizem respeito ao conteúdo das disciplinas, à construção de um projeto, às práticas metodológicas, à aquisição de capital cultural e às dificuldades no ambiente escolar, tais atividades se apresentam como de grande importância para todos os professores de uma forma geral, e aos professores de Geografia, em particular.

10 3.2. Projeto Tecendo Redes: O governo brasileiro institui em 2004 a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia para fins de popularização da ciência e mobilização social para a temática. A fim de tornar essa oportunidade menos pontual e mais reflexiva, setores educativos das instituições científicas Fundação Oswaldo Cruz, Museu de Astronomia e Jardim Botânico do Rio de Janeiro se uniram para criar uma rede junto às escolas públicas de suas áreas de abrangência que gerasse um trabalho mais participativo por parte das escolas, mais problematizador das questões científicas e mais coletivo entre instituições formais e não formais da educação (SAÍSSE et al., 2007). Ainda de acordo com Saísse (2007), o projeto Tecendo Redes por um Planeta Terra Saudável se constituiu como ação colaborativa de Educação Ambiental construída entre instituições científicas, escolas públicas e órgãos gestores da educação formal promovendo a popularização da ciência. Visa realizar atividades de educação e a popularização da ciência de forma continuada e refletir com os estudantes a situação socioambiental do planeta e os instrumentos necessários para se intervir na realidade. Em relação ao Tecendo Redes no JBRJ, este possui como perspectiva de fundo a Biodiversidade e questões decorrentes, constituintes de sua missão institucional. Neste ano, 2008, o tema escolhido para a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia foi Evolução e Diversidade, tendo em vista a comemoração dos 150 anos da Teoria da Evolução, proposta por Charles Darwin ( ). Assim, o Tecendo Redes se propôs a discutir tal tema de forma que permita a reflexão sobre o uso que a ideologia dominante faz do argumento da competição como um tipo de relação que justifica a exclusão social; favoreça a compreensão da diferença entre a diversidade, que deve ser valorizada, e a desigualdade, que deve ser combatida; sejam desenvolvidas ações educativas estimuladoras das trocas de idéias diferenciadas, do compartilhamento dos diferentes modos de ver e de estar no mundo sustentando a diversidade e a colaboração; e permita a reflexão sobre a relação entre degradação ambiental e a ameaça a biodiversidade e suas conseqüências. É importante destacar que todos os assuntos aqui apresentados são temas de estudo da Geografia, onde deve ser ressaltada a contribuição que tal ciência pode dar a este projeto. Para a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (20 a 26 de outubro de 2008), foi elaborado um roteiro sobre Evolução e Diversidade pelo Projeto Tecendo Redes, com a participação de escolas do entorno do Jardim Botânico. Desta forma, as escolas que participaram da elaboração do roteiro o utilizam em suas visitações. O roteiro

11 apresentava uma lógica a partir do tema proposto para a Semana, onde eram apresentados pontos de parada e discussão com temas essencialmente geográficos. Assim, o novo roteiro apresentava as seguintes propostas de discussão e seus respectivos locais: 1 Da pesquisa ao plantio a importância do JBRJ para a preservação da biodiversidade. (Herbáreo); 2 Tratar a diversidade de espécies em pontos específicos. (Bromeliário); 3 Diversidade dentro do Bioma. (Caminho da Mata Atlântica); 4 Mapeamento de algumas espécies vegetais a fim de tratar a evolução; 5 Cycas, uma planta do tempo dos Dinossauros; 6 Ninféia, planta com flores evolução vegetal, Angiospermas; 7 Relação sociedade e natureza através das plantas medicinais; 8 Problematização sobre os transgênicos. Junto à elaboração do novo roteiro, também foi criada uma caixa contendo materiais didáticos do Núcleo de Educação Ambiental. Após a Semana, esta caixa percorreria as escolas que fazem parte do projeto, onde cada uma deveria acrescentar algum material desenvolvido com a participação dos alunos à caixa. Foi possível o acompanhamento de uma visitação escolar da Escola Municipal Capistrano de Abreu ao Jardim Botânico, que por mais que fizesse parte do Tecendo Redes, não participou da elaboração do novo roteiro, porém participou da atividade com a caixa desenvolvida por tal projeto. A não participação da escola na elaboração do novo roteiro deveu-se ao fato do envolvimento da escola no processo eleitoral municipal. Com isso, a escola realizou um pequeno roteiro próprio com muito pouca mediação dos professores. Esta foi a primeira visitação que a escola estava realizando este ano, porém, foi relatado que em anos anteriores o número de visitas foi bem maior. A data da visitação da escola mencionada coincidiu com a semana em que a caixa estava na nesta. O material foi utilizado de diferentes formas, tendo em vista que o tema abordado é muito amplo e de difícil compreensão para as turmas iniciais e o material da caixa muito diversificado, dentre elas: - Utilização dos filmes referentes sobre Evolução e Diversidade. Um filme era sobre o Jardim Botânico, o qual foi trabalhado em todas as turmas; e o outro tratava do tema através de bonecos de massa, o qual foi trabalhado apenas nas séries iniciais, com destaque para o 1º ano;

12 - Devido ao fato das crianças demonstrarem maior interesse aos jogos contidos na caixa, a escola adicionou a esta um dominó, desenvolvido pelos alunos a partir das gravuras do cartaz da Semana; - A turma do 5º ano desenvolveu um painel contendo as principais observações do filme sobre o Jardim Botânico; - O 4º ano trabalhou o tema no laboratório de Informática, pesquisando sobre Evolução e Diversidade. A principal dificuldade relatada em relação à utilização da caixa foi o reduzido tempo de permanência da caixa na escola, dificultando o estudo do material e a elaboração de uma atividade. Tal fato foi intensificado pelo fato da escola não ter participado das discussões que resultaram em tais atividades. Também foi realizada uma visita à Escola Municipal Julio de Castilho (1º segmento do Ensino Fundamental), a qual participou da elaboração do novo roteiro e estava utilizando a caixa naquela semana. Lá foi possível observar que, mesmo a caixa estando disponível para todas as turmas, muitas não a utilizam por não se sentirem contempladas pelo projeto. Assim, nesta escola apenas as turmas do 3º ano (antiga segunda série) a utilizaram, totalizando três turmas. Estas turmas realizaram uma visita ao JBRJ com o novo roteiro durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, a qual foi muito proveitosa segundo as professoras, porém, uma das grandes dificuldades foi o fato do roteiro ser muito extenso. Considerações Finais: A oportunidade de realizar este estágio veio, de forma resumida, a ressaltar a importância da educação não formal. Com isso, uma grande questão a ser levantada é a de que os professores passem a aproveitar melhor as visitas a estes espaços para discutir temas diversos, relacionando sempre a visita ao conteúdo dado em sala de aula, fazendo com que tal visita seja mais do que um simples passeio. Em relação à Geografia, o espaço do Jardim Botânico se mostrou indispensável para o melhor aprendizado de tal disciplina e a abordagem da Educação Ambiental Crítica indissociável do papel da Geografia na formação de cidadãos conscientes a partir do processo educativo. Desta forma, o Estágio foi importantíssimo para a minha formação acadêmica.

13 Por fim, cabe ressaltar que, apesar do fato de estágios em instituições de educação não-formal ser algo novo, este se mostrou muito importante, sendo uma ótima oportunidade de ampliar seus conhecimentos, principalmente pelo grande reconhecimento e importância de todas as instituições oferecidas para a realização do Estágio. Referências Bibliográficas: BEDIAGA, Begonha; LIMA, Haroldo C.; MORIM, Marli P.; BARROS, Claudia Franca. Da Aclimatação à Conservação: as atividades científicas durante dois séculos. In Jardim Botânico do Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas do JBRJ (org.) Ministério do Meio Ambiente, COSTA, Maria Lúcia & PEREIRA, Tânia Sampaio. Conservação da Biodiversidade: atuação dos jardins botânicos. In Jardim Botânico do Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas do JBRJ (org.) Ministério do Meio Ambiente, GUIMARÃES, Mauro. A dimensão ambiental na educação. Rio de Janeiro: Papirus Editora, Educação Ambiental Crítica. In Identidades da Educação Ambiental Brasileira. Brasília, LAYRARGUES, P. P.; Educação Ambiental com responsabilidade social. In: Senac e Educação Ambiental, 13 (3):50, set,/dez., LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. São Paulo: Ed. Cortez, Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNEA), 1999.

14 SAÍSSE, Maryane Vieira. A escola vai ao Jardim e o Jardim vai à escola: a dimensão educativa do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da PUC-RJ SAÍSSE, M.; BOTTINO, C.; RUEDA, M.; WENZEL, M.; GOULART, M. Tecendo Redes no Jardim Botânico do Rio de Janeiro: estudantes e educadores refletindo sobre Ciência, Ambiente e Sociedade SAÍSSE, Maryane Vieira. Educação no Jardim: da botânica ao ambiente. In Jardim Botânico do Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas do JBRJ (org.) Ministério do Meio Ambiente, 2008.

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Unidade II EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Profa. Lucy Almeida

Unidade II EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Profa. Lucy Almeida Unidade II EDUCAÇÃO AMBIENTAL Profa. Lucy Almeida Ecocidadania e movimentos sociais Crise ambiental do mundo globalizado: A crise ambiental do mundo globalizado trouxe a necessidade de se desenvolver a

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

PROPOSTA DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE TUPI

PROPOSTA DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE TUPI EIXO TEMÁTICO: Ciências Sociais PROPOSTA DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE TUPI Pedro Lemos Marques 1 Maria Luísa Bonazzi Palmieri 2 RESUMO: A Estação Experimental de Tupi

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Nilson Duarte Rocha 1 Lúcio Jorge Hammes 2 Resumo Este artigo apresenta a epistemológica para a efetivação de uma educação ambiental transformadora do sujeito-aluno

Leia mais

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN 1 A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN Heraldo Simões Ferreira 1 José Jackson Coelho Sampaio 2 Laryssa Sampaio Praciano 3 RESUMO Este artigo possui como objetivo trazer

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB

ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB ENSINO-APRENDIZAGEM PARA A CIDADANIA: EXPERIÊNCIA DO PROJETO AGROECOLÓGICO EM ESCOLAS PÚBLICAS EM POMBAL/PB Introdução Marcos Antonio Lopes do Nascimento Universidade Federal da Paraíba marcosal99@yahoo.com.br

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO DE QUÍMICA: CONTEXTUALIZAÇÃO EM ESCOLAS NA CIDADE DE BELÉM-PA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO DE QUÍMICA: CONTEXTUALIZAÇÃO EM ESCOLAS NA CIDADE DE BELÉM-PA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO DE QUÍMICA: CONTEXTUALIZAÇÃO EM ESCOLAS NA CIDADE DE BELÉM-PA Ana Alice Pimentel MARINHO 1 - analice.pimentel@hotmail.com Fernando Santana RODRIGUES 1 - fsantanarodrigues@hotmail.com

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Proponente: Sociedade de Amigos do Museu de Biologia Mello

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

PROJETO CHICO MENDES: Ciclos da vida: ambiente, saúde e cidadania

PROJETO CHICO MENDES: Ciclos da vida: ambiente, saúde e cidadania 2010 PROJETO CHICO MENDES: Ciclos da vida: ambiente, saúde e cidadania Mogi Guaçu/SP PROJETO CHICO MENDES CICLOS DA VIDA: AMBIENTE, SAÚDE E CIDADANIA Equipe FMPFM Prof. Ms. Glauco Rogério Ferreira Desenvolvimento

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

REGULAMENTO SEMANA UEMG

REGULAMENTO SEMANA UEMG REGULAMENTO SEMANA UEMG Belo Horizonte, abril de 2015 0 SUMÁRIO CAPÍTULO I DA SEDE, DATA E DA INSTITUIÇÃO PROMOTORA... 2 CAPÍTULO II DA ABRANGÊNCIA DA SEMANA UEMG... 2 CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS... 2 CAPÍTULO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

iniciais: relato de uma experiência de parceria

iniciais: relato de uma experiência de parceria A formação do professor de ciências para as séries iniciais: relato de uma experiência de parceria Profa. Dra. Maria Candida Muller Professora dos cursos de Pedagogia e Análise de Sistemas Centro Universitário

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

A Fundação Espaço ECO

A Fundação Espaço ECO www.espacoeco.org Sustentabilidade que se mede A Fundação Espaço ECO (FEE ) é um Centro de Excelência em Educação e Gestão para a sustentabilidade, que mede e avalia a sustentabilidade por meio de metodologias

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

DESTINO CONSCIENTE: UM ESTUDO ACERCA DO TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE A COLETA DE LIXO NA ZONA RURAL DE TAPEROÁ-PB.

DESTINO CONSCIENTE: UM ESTUDO ACERCA DO TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE A COLETA DE LIXO NA ZONA RURAL DE TAPEROÁ-PB. DESTINO CONSCIENTE: UM ESTUDO ACERCA DO TRABALHO DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE A COLETA DE LIXO NA ZONA RURAL INTRODUÇÃO DE TAPEROÁ-PB. Janaina Ferreira de Aquino (UEPB) 1 Janainaferreira86@hotmail.com Glauciene

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PERMEIA MUDANÇAS DE ATITUDES NA SOCIEDADE

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PERMEIA MUDANÇAS DE ATITUDES NA SOCIEDADE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PERMEIA MUDANÇAS DE ATITUDES NA SOCIEDADE INTRODUÇÃO José Izael Fernandes da Paz UEPB joseizaelpb@hotmail.com Esse trabalho tem um propósito particular pertinente de abrir

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007. Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG

ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007. Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007 Karla Ferreira DIAS 1 ; Dr. Agustina Rosa ECHEVERRÍA 2 1,2 Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG

Leia mais

ANÁLISE DOCENTE SOBRE O TEMA MONUMENTO NATURAL VALE DOS DINOSSAUROS, NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DE SOUSA-PB.

ANÁLISE DOCENTE SOBRE O TEMA MONUMENTO NATURAL VALE DOS DINOSSAUROS, NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DE SOUSA-PB. ANÁLISE DOCENTE SOBRE O TEMA MONUMENTO NATURAL VALE DOS DINOSSAUROS, NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DE SOUSA-PB. Mariana Moreira Torres Gadelha [marianamtgadelha@gmail.com] Marcus José Conceição

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania

EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...3 2 OBJETIVOS DO PROJETO:...5 3 METAS PARA A SUSTENTABILIDADE...6 4 JUSTIFICATIVAS...6 4.1-

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO SUDOESTE DO PARANÁ

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO SUDOESTE DO PARANÁ EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NO SUDOESTE DO PARANÁ Eliangela Palharini de Carvalho (Discente Licenciatura em Ciências Naturais UFFS Realeza/PR Bolsista extensão

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2º/2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE 1 PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE Resumo O presente trabalho procura vincular a Educação formal aos princípios da Educação Ambiental

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

META Possibilitar ao aluno uma reflexão sobre os aspectos teóricos e práticos da Educação Ambiental.

META Possibilitar ao aluno uma reflexão sobre os aspectos teóricos e práticos da Educação Ambiental. TEORIA E PRÁTICA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL META Possibilitar ao aluno uma reflexão sobre os aspectos teóricos e práticos da Educação Ambiental. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Compreender os

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA *

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * Ana Rosa Salvalagio 1 Clarice Ana Ruedieger Marise Waslawosky Christmann Neida Maria Chassot INTRODUÇÃO: A educação ambiental se constitui numa forma abrangente de educação,

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES Com a crescente produção de conhecimento e ampliação das possibilidades de atuação profissional, o curso proporciona atividades extra curriculares

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Programa Institucional de Bolsa a Iniciação a Docência do Curso de Educação Física Licenciatura da Universidade Federal de Santa

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO PARA CONSERVAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL CASOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL NA BAHIA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso:

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso: Com carga horária de 720 horas o curso Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL Fábio Martinho da Silva (1); Maria Janoelma França Gomes (2); Nahum Isaque dos S. Cavalcante (3); Rafael Trindade

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Gilvan Charles Cerqueira de Araújo 1 INTRODUÇÃO Este

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE Ilma Passos Alencastro Veiga 1 Edileuza Fernandes da Silva 2 Odiva Silva Xavier 3 Rosana César de Arruda Fernandes 4 RESUMO: O presente

Leia mais