Desaparecimento de crianças e adolescentes em Belo Horizonte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desaparecimento de crianças e adolescentes em Belo Horizonte"

Transcrição

1 Desaparecimento de crianças e adolescentes em Belo Horizonte Cristiane Silva Lacerda Erica Cristina Silva Yuska Lima Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Este artigo é resultado de uma pesquisa sobre a rede de atenção ao desaparecimento de crianças e adolescentes no Brasil, focalizando Belo Horizonte e região metropolitana. Embora não se possua dados consolidados que traduzam a exata dimensão do fenômeno, estima-se, segundo a Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH) da Presidência da República, que aproximadamente ocorrências de desaparecimento de crianças e adolescentes sejam registradas anualmente nas delegacias de polícia de todo o País. Ainda que a grande maioria desses casos seja solucionada rapidamente, existe um percentual significativo de15%, em que crianças e adolescentes permanecem desaparecidos por longos períodos de tempo e, às vezes, jamais são reencontrados. Em Minas Gerais a situação do desaparecimento de crianças e adolescentes alcançou grande visibilidade a partir da Campanha Volta em 2006, que possibilitou, com o apoio da mídia, a circulação do tema em várias esferas da sociedade. Dessa forma entendemos que o desaparecimento de crianças e adolescentes é um fenômeno psicossocial importante, que deve ser estudado e compreendido por olhares do campo social. O aumento do número de registro de casos de desaparecimento de crianças e adolescentes demonstra a necessidade de se conhecer a questão para criar ações mais efetivas de prevenção e solução dos casos. Nosso objetivo foi conhecer a rede de atenção ao desaparecimento existente em Belo Horizonte, seu funcionamento e suas ações. Para este estudo nos referendamos às principais leis de proteção a criança e ao adolescente, defendidas pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA); à luta pelos Direitos Humanos e aos movimentos sociais. Para que se assegure os direitos fundamentais às crianças e aos adolescentes, o ECA institui princípios de proteção integral e de prioridade absoluta à criança e ao adolescente, colocando-os como preocupação central da sociedade e orientando a criação de políticas públicas em todas as esferas do governo. Diante das exigências do ECA foram criados órgãos especiais de execução para a efetivação das leis de proteção à criança e ao adolescente. Dentre os principais estão o Conselho Tutelar, as Delegacias de Proteção a Criança e ao Adolescente (DPCA) e a Secretaria de Proteção à Criança e ao Adolescente (SPCA). Assim, o ECA aponta os equipamentos sociais garantidos na lei que deveriam compor a rede de proteção à criança e ao adolescente. Na situação específica do desaparecimento, o ECA estabelece como uma das linhas de ação, políticas de atendimento à criança e ao adolescente desaparecido que engloba o serviço de identificação e localização de pais e responsáveis dos mesmos (ART.87). No Brasil, a luta pelos direitos humanos ganhou mais

2 visibilidade com os movimentos sociais em que ex-presos políticos, familiares de mortos e de desaparecidos políticos, cidadãos que se indignavam com a prática cotidiana e banalizada da tortura, lutavam por melhores condições de vida e por outras maneiras de construir a política dos direitos humanos (COIMBRA, 2002). Em Belo Horizonte a sociedade civil tem se organizado em defesa e garantia dos direitos da criança e do adolescente, como se observa no movimento social Onde estão nossas crianças e outros equipamentos públicos e sociais. Diante dessa questão, interessados em conhecer a rede de atenção ao desaparecimento, realizamos uma pesquisa qualitativa, utilizando como coleta de dados entrevista estruturada com o Jornal do ônibus; uma breve pesquisa de documentos sobre o Conselho Tutelar e Promotoria da Infância e da Juventude, e ainda, entrevistas semi-dirigidas com a Divisão de Referência à Pessoa Desaparecida e com o movimento social Onde estão nossas crianças, além da observação participante desse movimento. Este tem como objetivo, ampliar a divulgação das fotos de crianças e adolescentes desaparecidos de forma permanente, alcançar condições de uma busca mais efetiva e dar suporte às famílias durante as buscas e após o desfecho do caso. O movimento apresenta como conquistas de suas reivindicações a criação da Divisão de Referência a Pessoa Desaparecida e o funcionamento 24 horas da Divisão e do serviço de informação e denúncia (0800), além da instauração da CPI dos desaparecidos na Assembléia Legislativa de Minas Gerais. Segundo a delegada da Divisão de desaparecidos, a delegacia tem como função encontrar o paradeiro de pessoas desaparecidas e a identificação de cadáveres. O disque denúncia é exclusivo da delegacia e funciona desde a Campanha Volta. Para a delegada o disque denúncia é essencial, pois, a sociedade está mais próxima do desaparecido do que a própria delegacia, contribuindo para o aumento do número de localizações. A delegacia estabelece, como previsto na lei , um sistema de comunicação entre diversos órgãos para agilizar e facilitar o encontro do desaparecido. O Jornal do ônibus é também um importante instrumento na localização de crianças desaparecidas, através da divulgação das fotos demandada pela própria sociedade que solicita o serviço. Atualmente o Jornal do ônibus circula, com produção quinzenal, para 1,5 milhões de usuários do transporte coletivo da capital e região metropolitana, mantendo uma coluna fixa para a divulgação das fotos de pessoas desaparecidas. Já a Promotoria da Infância e da Juventude tem como função institucional assegurar os direitos fundamentais das crianças e dos adolescentes, exercendo atuação judicial e extrajudicial à busca da efetivação dos instrumentos e normas traçadas pelo ECA. Semelhante à Promotoria, o Conselho Tutelar é um órgão responsável em fiscalizar se os direitos previstos pelo ECA estão sendo cumpridos. Entre as principais contribuições do Conselho Tutelar estão: o atendimento de crianças e adolescentes e a aplicação de medidas de proteção, aconselhar pais e aplicar medidas previstas no estatuto, promover a execução de suas decisões podendo para isso requisitar serviços públicos. É importante lembrar que embora tenhamos descrito esses equipamentos separadamente, é

3 preciso compreender a rede e seu fluxo de funcionamento de forma integrada. Verificamos a partir desse estudo as dificuldades em relação ao funcionamento dessa rede devido ao desconhecimento de todos os equipamentos que a compõe e suas respectivas funções. Os órgãos não funcionam de forma integrada como é a proposto na lei , que apesar de ser conhecida pelos profissionais da delegacia, depende também da informação e responsabilização dos outros órgãos para ser cumprida. A fragmentação da rede pode ser justificada pelo fato de serem recentes os órgãos que lidam com o desaparecimento de crianças e adolescentes e com as novas leis que estão surgindo a esse respeito, além disso, os órgãos não são específicos para a atenção ao desaparecimento, e sim para atender crianças e adolescentes em todas as suas necessidades. Os registros são precários e as informações estatísticas disponíveis geram dúvidas por não haver padronização do significado dos tipos de desaparecimentos existentes. Sendo assim, pensar em ações que solucionem e previnam os casos de desaparecimento de crianças e adolescentes torna-se mais difícil, considerando que a interpretação dos diversos tipos é diferente por parte de cada ponta da rede. Essa ausência de padronização também pode explicar a falta de consenso entre os órgãos públicos e a sociedade civil organizada quanto às causas do desaparecimento. A delegacia acredita que a maioria das ocorrências de desaparecimento são causadas por conflitos familiares, já o movimento atribui o desaparecimento à carência de segurança pública (seqüestro, pedofilia, trafico para fins sexuais e para transplante de órgãos). Dessa forma é necessário que os órgãos trabalhem com maior clareza na compreensão, coleta e registro dos dados, organizando-os de forma sistematizada, difundindo melhor as causas do desaparecimento de crianças e de adolescentes, para, a partir disso, direcionar ações investigativas, punitivas e preventivas. Outro ponto é que o trabalho desenvolvido pela psicologia na Divisão da pessoa desaparecida é de caráter investigativo e preventivo apenas, não havendo um serviço de apoio psicológico aos familiares de crianças e de adolescentes desaparecidos. Esse serviço pode ser oferecido dentro de algum órgão da rede de proteção de crianças e de adolescentes oferecendo suporte familiar. A psicologia também pode oferecer leituras psicossociais e pesquisas para compreender esta temática que envolve conflitos familiares, negligências, abusos, violências, seqüestro e comércio sexual e de órgãos na tentativa de contribuir com o combate a prevenção destes casos. Palavras-chaves: Movimentos sociais, crianças e adolescentes, desaparecimento, rede de atenção. Eixo Temático: Política Introdução

4 Este artigo é resultado de uma pesquisa sobre a rede de desaparecimento de crianças e adolescentes em todo o Brasil, focalizando o Estado de Minas Gerais e sua capital. A situação do desaparecimento de crianças e adolescentes apresenta-se como um retrato da realidade social do país. As crescentes estatísticas demonstram que as discussões sobre os direitos da criança e do adolescente tem sido insuficientes para garantir a proteção e a manutenção dos direitos dos mesmos. O Brasil atualmente é o país que possui o estatuto mais avançado de legislação de proteção à criança e ao adolescente. O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) define criança como um ser em desenvolvimento, tendo dessa forma, primazia de receber proteção e socorro em quaisquer circunstâncias; precedência de atendimento nos serviços públicos ou relevância pública; preferência na formulação e na execução das políticas sociais públicas; destinação privilegiada de recursos públicos nas áreas relacionadas com a proteção à infância e à juventude 1. Assim, o Estado deve priorizar a criação e o cumprimento de políticas públicas que efetivem as leis defendidas pelo ECA, partindo da necessidade específica de cada Estado. Embora não se possua dado consolidado que traduzam a exata dimensão do fenômeno, estima-se, segundo a Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH) da Presidência da República, que aproximadamente ocorrências de desaparecimento de crianças e adolescentes sejam registradas anualmente nas delegacias de polícia de todo o País. Ainda que a grande maioria desses casos seja solucionada rapidamente, existe um percentual significativo de15%, em que crianças e adolescentes permanecem desaparecidos por longos períodos de tempo e, às vezes, jamais são reencontrados. Em Minas Gerais a situação do desaparecimento de crianças e adolescentes alcançou grande visibilidade a partir da Campanha Volta 2, que possibilitou, com o apoio da mídia, a circulação do tema em várias esferas da sociedade. De acordo com os dados da SEDH os casos de desaparecimento de crianças e adolescentes somam-se 988 em todo o país desde o ano de 2000 até 05 de setembro de Ao analisarmos os dados fornecidos pela SEDH, chegamos à soma de 995 desaparecidos, o que demonstra uma incoerência de dados. Os casos de desaparecimento de crianças e adolescentes estão em maior número, localizados na região centro-oeste, destacando-se o Distrito Federal com 19,3% e Goiás com 7,7% de casos. Em segundo lugar, encontramos a região sudeste onde se sobressaem os Estados do Rio de Janeiro com 13,4%, São Paulo com 7,7% e Minas Gerais com 6,2% dos casos. Na região Nordeste, Sergipe apresenta 3,6% de casos e o Maranhão 2,0%. O Pará representa a região Norte com 14,3% de 1 ECA art.4. 2 Campanha do governo do Estado de Minas Gerais, iniciada em Junho de 2006.

5 desaparecimentos de crianças e adolescentes, e o Paraná na região Sul, com 5,3 %. Os dados estão representados na tabela a seguir. TOTAL GERAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES DESAPARECIDOS NOS PRINCIPAIS ESTADOS BRASILEIROS Quantidade Encontrados Desaparecidos Estados Nº % Nº % Nº % Distrito Federal , , ,84 Pará , , ,19 Paraná 52 5, , ,62 Minas Gerais 62 6, , ,20 Goiás 77 7, , ,68 São Paulo 77 7, , ,59 Rio de janeiro , , ,09 Sergipe 36 3, , ,89 Maranhão 20 2, , ,00 Outros , , ,33 Total , , ,22 Fonte: Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH) da Presidência da República.05/09/2006 Podemos perceber que o Distrito Federal possui o maior número de ocorrências de desaparecimento de crianças e adolescentes e é o Estado com maior número de resoluções. A SEDH divide os casos de desaparecimento de crianças e adolescentes em diversos tipos: fuga do lar por conflitos familiares; conflitos de guarda (subtração de incapaz); suspeita de homicídio e extermínio; transferência irregular de guarda; fuga de instituição; tráfico para fins de exploração sexual; seqüestro; perda por descuido, negligência e desorientação; situação de abandono (situações de rua); vítima de acidente, intempérie, calamidade; rapto consensual (fuga com o namorado); outros tipos e não identificados. Os dados apresentados pela Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH) da Presidência da República demonstram-se frágeis, imprecisos, gerando dúvidas e dupla interpretação. Não é encontrado nenhum tipo de explicação sobre como é feita a contagem dos registros. Há a necessidade da criação de uma legenda com o significado de cada tipo de desaparecimento, para que haja uma leitura adequada dos dados apresentados. Além da discussão sobre informações referentes ao desaparecimento de crianças e adolescentes, consideramos relevante discutir e conhecer questões acerca da prevenção e solução dos casos. O desaparecimento de crianças e adolescentes é um fenômeno psicossocial importante, que deve ser estudado e compreendido por olhares do campo social. Dessa forma, nosso objetivo foi conhecer a rede de atenção ao desaparecimento existente em Belo Horizonte, seu funcionamento e suas ações. Realizamos uma pesquisa qualitativa, utilizando como coleta de dados entrevista estruturada com o Jornal do ônibus; uma breve pesquisa documental sobre o Conselho Tutelar e Promotoria da Infância e da Juventude, e ainda, entrevistas semi-dirigidas com a Divisão de Referência à Pessoa Desaparecida e com o movimento social Onde estão nossas crianças, além da

6 buscas. 3 Já o Conselho tutelar é o órgão responsável em fiscalizar se os direitos previstos no ECA observação participante desse movimento. Para a realização das mesmas seguimos as orientações de HAGUETTE. Apresentação e análise de dados Para melhor compreensão da rede de atenção ao desaparecimento de crianças e adolescentes, apresentaremos os dados coletados em duas categorias: os equipamentos públicos e a sociedade civil organizada. Na categoria dos equipamentos públicos estão a Divisão de Referência à Pessoa Desaparecida; Promotoria da Infância e da Juventude e o Conselho Tutelar. Na categoria sociedade civil organizada estão o Jornal do ônibus e o movimento social Onde estão nossas crianças. Equipamentos públicos Diante das exigências do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) foram criados órgãos especiais de execução para efetivação das leis de proteção a criança e ao adolescente. A Promotoria da Infância e da Juventude é um dos órgãos que compõe esta rede de atenção. Sua função institucional é assegurar os direitos fundamentais das crianças e dos adolescentes, exercendo atuação judicial e extrajudicial à busca da efetivação dos instrumentos e normas traçadas pelo ECA e pela a Constituição Federal. Para tal adota diversas providências, como propor ações de destituição ou suspensão do poder familiar; pedidos de guarda; tutela ou adoção; nomeação de tutor, curador e guardião; investigação de paternidade e outros. A promotoria apesar de não ser um órgão específico da rede de atenção ao desaparecimento, desempenha na mesma um importante papel, considerando que, segundo a SEDH, existe um alto percentual de desaparecimento por conflitos de guarda e fuga do lar. Além disso, a promotoria tem, entre outros, poderes de fiscalização dos Conselhos tutelares, dos Conselhos de Direitos da Criança e do Adolescente, das entidades de atendimento a crianças e adolescentes (abrigos, os programas de atendimento protetivos, casas de internação e outros). Nesse sentido existe um projeto de lei a ser aprovado que prevê a comunicação eficaz desses órgãos para agilizar os processos de busca de desaparecidos. O que se pode observar é que atualmente essa comunicação não existe a não ser entre os hospitais da rede pública e a delegacia, o que dificulta as estão sendo cumpridos. O Eca define que haja pelo menos um Conselho Tutelar em cada município e que este seja composto por cinco conselheiros, escolhidos pela comunidade, para um mandato de 3 anos. Estes serão os principais responsáveis em fazer valer os direitos e dar o encaminhamento necessário para a solução de problemas referente à infância e à adolescência. 3 Dados coletados durante a entrevista com a delegada da Divisão de referência a pessoa desaparecida em 26/03/2007.

7 Entre as principais contribuições do Conselho Tutelar estão: o atendimento de crianças e adolescentes e a aplicação de medidas de proteção, aconselhar pais e aplicar as medidas previstas no Estatuto, promover a execução de suas decisões podendo para isto requisitar serviços públicos, e assessorar o poder executivo local na elaboração de propostas orçamentárias para planos e programas de atendimento dos direitos da criança e do adolescente. A Divisão de Referência à Pessoa Desaparecida é um órgão específico em prestar serviços tanto às famílias de crianças e adolescentes quanto a adultos desaparecidos. Para entendermos o funcionamento desse órgão foram realizadas entrevistas com as psicólogas e a delegada do local 4. De acordo com a entrevista, a Campanha Volta intensificou ainda mais a procura pela delegacia porque a população. Com o aumento da demanda, viu-se a necessidade da criação de um departamento de psicologia e assistência social. De acordo com as psicólogas, a criação do departamento de desaparecidos não foi influência de reivindicações de movimentos sociais ou de ONGs. Essa declaração vai contra à que foi feita pela representante do Movimento social Onde estão nossas crianças, na qual apresenta como conquista de suas reivindicações a criação da Divisão de referência à pessoa desaparecidos. A função da Divisão é encontrar o paradeiro de pessoas desaparecidas e a identificação dos cadáveres. Para este trabalho, conta com agentes responsáveis pelas investigações, motoristas que auxiliam nesse serviço e o disque denúncia que funciona na própria divisão, em todos os turnos. Por meio do disque denúncia a Divisão recebe o contato da sociedade, que fornece dados sobre a localização e sobre o paradeiro do ausente. Para a delegada, isso facilita e agiliza a investigação, além de diminuir o sofrimento dos familiares de forma mais rápida. Podemos considerar o trabalho investigativo desempenhado pela Divisão, fruto de exigências feitas pelo ECA. Na situação específica do desaparecimento, o ECA- art. 87- estabelece como uma das linhas de ação, políticas de atendimento à criança e ao adolescente desaparecido que engloba o serviço de identificação e localização de pais e responsáveis dos mesmos. O setor de psicologia e assistência social possui como função, dentro da Divisão de Referência à Pessoa Desaparecida, acolher a família de desaparecidos no momento em que esta chega para fazer o pedido de providência.o trabalho das psicólogas é investigativo, porque as famílias tendem a registrar a queixa com os policiais e com as psicólogas se abrem mais, por possuírem uma escuta mais especializada, fornecendo dados como conflitos familiares, que podem ter motivado o desaparecimento. Essa informação pode ser confirmada pelos dados fornecidos pela SEDH, no qual o desaparecimento por fuga do lar tem o maior registro, com 372 casos somados em todo o Brasil. As psicólogas consideram que essa é uma questão que deve ser trabalhada para que a criança e adolescente encontre outras possibilidades de lidar com os conflitos, que não seja a fuga.

8 Após o retorno do desaparecido, o núcleo de psicologia o atende em uma sessão, objetivando entender o contexto psicológico e social desse sujeito, traçar o perfil do desaparecido e estabelecer estatísticas elaborando assim, um relatório exemplificando qual ou quais os motivos que estariam causando o desaparecimento. Se necessário, no caso de crianças e adolescentes, as psicólogas os encaminham para o Conselho Tutelar, Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente, Promotoria da Infância e da Juventude, Juizado, etc. Observa-se que todos esses órgãos são apontados pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) como equipamentos sociais garantidos na lei que devem compor a rede de proteção à criança e ao adolescente. O núcleo de psicologia e assistência social desenvolveu o Projeto conviver no primeiro semestre de 2007, como forma de prevenção ao desaparecimento de crianças e adolescentes. Este trabalha alguns temas que englobam quatro módulos, pretendendo formar multiplicadores desse projeto, pois preparando melhor o adulto ele terá melhor capacidade para proteger e trabalhar com as crianças temas interessantes sobre como se conhecer melhor e entender seus próprios sentimentos. Além destes projetos, está para ser implantado um outro, específico para crianças e adolescentes desaparecidos. Será construído um banco de dados, composto por cadastro de ossada não identificada de criança e adolescente e pelo cadastro de todos os DNAs de genitores que possuem entes desaparecidos. No momento a Divisão está colhendo o material para essa construção. Segundo a delegada os dados cadastrados neste projeto irão fazer parte da Rede Nacional de Identificação e Localização de Crianças e Adolescentes Desaparecidos (REDESAP), ligada ao Ministério da Justiça e coordenada pela SEDH em parceria com organismos públicos e organizações não governamentais. Com isto será possível o confronto de dados a nível estadual e nacional. As psicólogas entrevistadas consideram uma limitação não poderem atender às famílias das crianças e adolescentes desaparecidos em mais momentos, nem que fosse com uma psicoterapia breve. Consideram esse acompanhamento importante, porém não dentro da delegacia, pois a função própria da Divisão é investigar e encontrar aquele que desapareceu. 4 Entrevista realizada em 19/03/07 com as psicólogas e em 26/03/07 com a delegada.

9 Sociedade civil organizada Encontramos em Belo Horizonte o movimento social Onde estão nossas crianças, um movimento recente, criado por pais, familiares e amigos de crianças e adolescentes desaparecidos, que tem se constituído como uma importante ponta da rede de atenção ao desaparecimento. O movimento marca seu surgimento a partir do manifesto realizado no dia 30 de setembro de 2006, apesar de se mobilizarem de forma isoladas antes disso. O movimento onde estão nossas crianças tem como objetivo principal alcançar condições de uma busca mais efetiva, ampliando a divulgação das fotos dos desaparecidos, e chamado à atenção da sociedade e das autoridades sobre o que deve ser feito, sobretudo para o comprimento da lei em favor aos desaparecidos. Além disso, o movimento objetiva dar suporte às famílias durante as buscas e também após o desfecho do caso. O movimento apresenta como conquistas de suas reivindicações a criação da Divisão de Referência a Pessoa Desaparecida e o funcionamento 24 horas da Divisão e do serviço de informação e denúncia (0800), além da instauração da CPI dos desaparecidos na Assembléia Legislativa de Minas Gerais, o que tem demonstrado a importância do seu trabalho apesar do pouco tempo de existência. Em decorrência desse movimento, está sendo criada também uma ONG de apoio aos desaparecidos. Sob a idealização de uma das integrantes do movimento, tia de uma criança desaparecida. Segundo ela a ONG já se encontra registrada e com seu estatuto pronto. Como se observa tanto o surgimento do movimento, como as conquistas alcançadas por ele são muito recentes, o que nos remete a importantes questões. Antes disso não havia demanda? Ou os órgãos públicos eram suficientes para atendê-la? É sabido que os movimentos sociais e as ONGs surgem em sua maioria para contemplar uma demanda que deveria ser atendida pelos órgãos públicos, mas que por vários motivos não são. Segundo o relato das integrantes do movimento, o mesmo só ganhou força depois do desaparecimento de uma criança de classe média chamada Pedro Augusto Beltrão. Antes do desaparecimento do Pedro Augusto, já havia um alto percentual de ocorrências registradas em delegacias comuns, em sua maioria registradas por pessoas de classe social baixa. Esse relato se confirma na fala da delegada que acrescenta que muitas destas famílias preferem permanecer anônimas. Uma das justificativas apresentadas a este fato é que estas famílias não dispõem de recursos financeiros para a divulgação e nem de informações sobre seus direitos. Segundo COIMBRA (2002) os movimentos sociais e a luta pelos direitos humanos sempre caminharam juntos em defesa de melhores condições de vida, trabalho, moradia, pela democratização da sociedade, a favor dos pobres e miseráveis que historicamente ficaram à margem da sociedade. Segundo o movimento, a dor e o sentimento de solidão acabaram silenciando estas

10 pessoas. Assim o movimento se constituiu em um grito unificado, das famílias que antes sofriam em silêncio a falta de seus entes, para a comunidade e autoridades. O Jornal do ônibus é também um importante instrumento na localização de crianças desaparecidas, através da divulgação das fotos demandada pela própria sociedade que solicita o serviço. O jornal instituído há 12 anos para divulgar somente mensagens de interesse público iniciou, a partir de dezembro de 2001, a publicação de fotos de pessoas desaparecidas e isso ocorreram em função de demanda da própria sociedade. O serviço é procurado por todos, pela facilidade do contato, feito através do telefone da Central da BHTRANS ou contato direto. Com produção quinzenal, o Jornal do Ônibus circula as notícias para um público diário de 1,5 milhão de pessoas, usuários do transporte coletivo da capital e região metropolitana. As fotos podem ser vistas durante uma quinzena o que facilita a colaboração do usuário que é solidário a causa 5. De 2001 a maio de 2006, por exemplo, em 24 edições do Jornal, foram publicadas 39 fotos e mensagens de desaparecidos e seis deles foram encontrados. Há casos em que a localização ocorreu 24 horas depois da publicação da foto. Considerações finais É importante lembrar que embora tenhamos descrito esses equipamentos separadamente, é preciso compreender a rede e seu fluxo de funcionamento de forma integrada. Verificamos a partir desse estudo as dificuldades em relação ao funcionamento dessa rede devido ao desconhecimento de todos os equipamentos que a compõe e suas respectivas funções. Os órgãos não funcionam de forma integrada como é a proposto na lei , que apesar de ser conhecida pelos profissionais da delegacia, depende também da informação e responsabilização dos outros órgãos. A fragmentação da rede pode ser justificada pelo fato de serem recentes os órgãos que lidam com o desaparecimento de crianças e adolescentes e com as novas leis que estão surgindo a esse respeito.além disso, os órgãos não são específicos para a atenção ao desaparecimento, e sim para crianças e adolescentes, atendendo-os em todas as suas necessidades. Os registros são precários e as informações estatísticas disponíveis geram dúvidas por não haver padronização do significado dos tipos de desaparecimentos existentes. Sendo assim, pensar em ações que solucionem e previnam os casos de desaparecimento de crianças e adolescentes tornase mais difícil, considerando que a interpretação dos diversos tipos é diferente por parte de cada ponta da rede. Essa ausência de padronização também pode explicar a falta de consenso entre os 5 Dados obtidos durante a entrevista do Jornal do Ônibus em 20/04/2007

11 órgãos públicos e a sociedade civil organizada quanto às causas do desaparecimento. A delegacia acredita que a maioria das ocorrências de desaparecimento são causadas por conflitos familiares, já o movimento atribui o desaparecimento à carência de segurança pública (seqüestro, pedofilia, trafico para fins sexuais e para transplante de órgãos). Dessa forma é necessário que os órgãos trabalhem com maior clareza na compreensão, coleta e registro dos dados, organizando-os de forma sistematizada, difundindo melhor as causas do desaparecimento de crianças e de adolescentes, para, a partir disso, direcionar ações investigativas, punitivas e preventivas. Outro ponto é que o trabalho desenvolvido pela psicologia na Divisão da pessoa desaparecida é de caráter investigativo e preventivo apenas, não havendo um serviço de apoio psicológico aos familiares de crianças e de adolescentes desaparecidos. Esse serviço pode ser oferecido dentro de algum órgão da rede de proteção de crianças e de adolescentes oferecendo suporte familiar. A psicologia também pode oferecer leituras psicossociais e pesquisas para compreender esta temática que envolve conflitos familiares, negligências, abusos, violências, seqüestro e comércio sexual e de órgãos na tentativa de contribuir com o combate a prevenção destes casos.

12 Referências bibliográficas: CABRAL, Adilson. Movimentos sociais, as ONGs e a militância que pensa, logo existe. Disponível em: <http://www.comunicacao.pro.br/artcon/movsocong.htm>. Acesso em: 14 Out COIMBRA, C.; PASSOS, E.; BARROS, R. B. Direitos Humanos no Brasil e o Grupo Tortura Nunca Mais/RJ. In: Cristina Mair Rauter; Eduardo Passos; Regina Benevides de Barros (Org.). Clínica e Política: subjetividade e violação dos direitos humanos. Rio de Janeiro, 2002, v. 1, p HAGUETTE, Tereza Maria Frota. Metodologia qualitativa na sociologia. 8 ed. Petrópolis: Vozes,pp.61-69, MELLO, Sylvia leses de. Estatuto da criança e do adolescente: É possível torná-lo uma realidade psicológica. Disponível em: >> Acesso 29/09/06.

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100 Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças

Leia mais

Implantação de Rede de Identificação e Localização de Crianças e Adolescentes Desaparecidos

Implantação de Rede de Identificação e Localização de Crianças e Adolescentes Desaparecidos Programa úmero de Ações 12 0153 Promoção e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Objetivo Indicador(es) Promover a ampla defesa jurídico-social de crianças e adolescentes Taxa de Municípios com

Leia mais

Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente

Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Violação dos Direitos da Criança e do Adolescente Conceito Onde denunciar Procedimentos Renato Rodovalho Scussel Juiz de Direito Simone Costa Resende

Leia mais

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local Histórico Esta campanha tem sua origem no contexto do V Encontro Nacional da Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) em agosto de 2010 no Recife PE. Nessa ocasião, o enfoque do evento foi: Transformando

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015

PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015 PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015 Página 1 de 11 SUMÁRIO 1. Resumo do projeto... 3 2. Em que realidade

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A INFÂNCIA E A ADOLESCÊNCIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A INFÂNCIA E A ADOLESCÊNCIA Seminário de Vigilância e Prevenção da Violência e Promoção da Cultura da Paz SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A INFÂNCIA E A ADOLESCÊNCIA Secretaria Especial dos Direitos Humanos Subsecretaria de Promoção

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos / / Fique ligado Notícias / Especiais Promenino Fundação Telefônica 10/12/2012 Os desafios da fiscalização do trabalho infantil Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração

Leia mais

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social

Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social Os Atores do Sistema de Garantia aos Direitos da Criança e do Adolescente e o Significado do Controle Social INGRID CATARINA SOLEDADE CALASANS ingridcalasans@gmail.com ARYADNE MARTINS SOARES BOHRER aryadneadv@gmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA CONCEPÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS: UM UNIVERSO AINDA DESCONHECIDO

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA CONCEPÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS: UM UNIVERSO AINDA DESCONHECIDO EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA CONCEPÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS: UM UNIVERSO AINDA DESCONHECIDO Resumo SANTA CLARA, Cristiane Aparecida Woytichoski de- UEPG-PR cristianesclara@yahoo.com.br PAULA, Ercília Maria

Leia mais

Associação dos Assistentes Sociais e Psicólogos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo

Associação dos Assistentes Sociais e Psicólogos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Estudo sobre o Atendimento realizado pelos Assistentes Sociais e Psicólogos Judiciários admitidos a partir de junho de 2007 Conforme decidido em Assembléia Geral da AASPTJ-SP, em 08/08/09, diante da aprovação

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Carta Política Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Brasil - 2014 Nós, mulheres de diversas localidades e comunidades de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e São Paulo, que há muito

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS 1. Natureza e Finalidade O Fórum Regional de Educação Infantil do Alto Vale do Itajaí - FREIAVI é um espaço

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO ESTADO DE MINAS GERAIS 2011

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO ESTADO DE MINAS GERAIS 2011 T CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO ESTADO DE MINAS GERAIS

Leia mais

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Alfredo Kaefer) Autoriza o Poder Público a realizar a internação compulsória, para tratamento médico especializado, de crianças, adolescentes e adultos apreendidos em

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS CRESS SOBRE QUADRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS

LEVANTAMENTO DOS CRESS SOBRE QUADRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS LEVANTAMENTO DOS CRESS SOBRE QUADRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS Informações enviadas pelos CRESS: 1ª. PA; 2ª. MA; 5ª. BA; 6ª.-MG; 7ª. RJ; 10ª. RS; 11ª. PR; 12ª-SC; 13ª.

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR MITOSO

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR MITOSO PROJETO DE LEI Nº 051/2014 DISPÕE sobre a obrigatoriedade das empresas de comunicação que especifica a veicularem informações sobre crianças e adolescentes desaparecidos no Município de Manaus, passadas

Leia mais

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL -Principais serviços que a Assistência Social possui para atendimento de idosos: - Proteção Social Básica (atendimento preventivo) - Centro de Convivência do Idoso - atualmente

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes 1 Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO ÀS VIOLÊNCIAS CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Ponta Grossa Paraná 2013

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA

POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA NOVOS PARÂMETROS DO CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CONANDA) Carlos Nicodemos DOUTRINA DA INDIFERENÇA Até 1899: Ausência

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012.

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. Cria a Central de Atendimento Telefônico ao Idoso e Portador de Necessidades Especiais, no âmbito do Estado de Goiás. A Assembléia Legislativa do Estado de Goiás, nos

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário PROTEÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário Medidas Protetivas Lei 12.010 de 03/08/2009 Lei Nacional de Adoção Altera

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Intervenção do M. P. na investigação de paternidade, após a lei 8.560/92 Rodrigo Pacheco Marques* Nos termos do artigo 82, I, do Código de Processo Civil, é obrigatória a intervenção

Leia mais

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES Conselho Tutelar Órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente,

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária

Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária Manaus/AM 29 de Abril de 2014 Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

JUSTIÇA PARA O SÉCULO 21 PROTOCOLO DE INTENÇÕES

JUSTIÇA PARA O SÉCULO 21 PROTOCOLO DE INTENÇÕES JUSTIÇA PARA O SÉCULO 21 PROTOCOLO DE INTENÇÕES A 3ª Vara do Juizado Regional da Infância e da Juventude de Porto Alegre, a Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul AJURIS, o Conselho Municipal dos Direitos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Rede de Proteção. Criança e adolescente. Direitos Humanos. Violência

PALAVRAS-CHAVE Rede de Proteção. Criança e adolescente. Direitos Humanos. Violência 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA (X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR.

VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. VII JORNADA DE ESTAGIO DE SERVIÇO SOCIAL A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL DO MUNICIPIO DE CARAMBEÍ PR. Resumo: CARNEIRO, Alana Caroline 1. SIVEIRA, Adriane 2. SOUZA,

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. AREA TEMÁTICA: Saúde. COORDENADORA: Prof.ª Dr.ª Denise

Leia mais

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PERCEPÇÕES E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER 2009 PARCERIAS INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Planejamento e supervisão da pesquisa IBOPE INTELIGÊNCIA Campo

Leia mais

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE Márcia Regina Ribeiro Teixeira Promotora de Justiça de Salvador Agosto de 2014 VIOLÊNCIA:

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ATUAÇÃO DO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório I Seminário de Enfrentamento à Violência de Gênero no Município de Natal 26 e 27/03/2015 Local: Auditório do Conselho Regional

Leia mais

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos:

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos: LEI Nº. 1917 SÚMULA: Institui o Programa de Guarda Subsidiada de Crianças e Adolescentes, denominado "Programa Família Acolhedora e dá outras providências. A Câmara Municipal de Palmas, Estado do Paraná,

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

CMDCA PROJETOS COOPERAÇÃO CAPELINHA/MG

CMDCA PROJETOS COOPERAÇÃO CAPELINHA/MG PROJETOS COOPERAÇÃO A trajetória da infância e adolescência em Capelinha, ao longo dos anos, teve inúmeras variações, reflexos das diferentes óticas, desde uma perspectiva correcional e repressiva, visando

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012

CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012 CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012 Os participantes do I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE, representantes de Conselhos da Comunidade

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada

Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada LEI Nº..., DE... DE... DE... 1. Dispõe sobre Programa de Guarda Subsidiada para Crianças e Adolescentes em situação de risco social

Leia mais

Tendências dos direitos humanos na política de atendimento a crianças e adolescentes no município de Maceió.

Tendências dos direitos humanos na política de atendimento a crianças e adolescentes no município de Maceió. Tendências dos direitos humanos na política de atendimento a crianças e adolescentes no município de Maceió. Autores:Márcia Iara Costa da Silva Martha Daniella Tenório de Oliveira OBJETO DA PESQUISA: Crianças

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania

Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania 1) Curso de Educação para Agressores - ONG Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde. Visa a reconstrução comportamental da conduta dos homens, em atendimento

Leia mais

HOSPITAL GERAL DR. WALDEMAR ALCÂNTARA RUA PERGENTINO MAIA, 1559 BAIRRO: MESSEJANA FORTALEZA/CE CEP: 60.840 045 CNPJ: 05.268.526.

HOSPITAL GERAL DR. WALDEMAR ALCÂNTARA RUA PERGENTINO MAIA, 1559 BAIRRO: MESSEJANA FORTALEZA/CE CEP: 60.840 045 CNPJ: 05.268.526. NORMAS DE ATENDIMENTO AO PACIENTE SOB SUSPEITA DE NEGLIGÊNCIA, MAUS TRATOS OU VIOLÊNCIA DE QUALQUER NATUREZA. 1. AMBITO DE APLICAÇÃO: Todas as Unidades do HGWA. 2. OBJETIVO: Garantir a notificação compulsória

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

(II Conferência Nacional de Segurança Alimentar Nutricional, 2004)

(II Conferência Nacional de Segurança Alimentar Nutricional, 2004) 1 Segurança Alimentar e Nutricional Segurança alimentar é a realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 428/2014

LEI MUNICIPAL Nº 428/2014 LEI MUNICIPAL Nº 428/2014 Altera a Lei Complementar Municipal nº 008/2001 e recria o CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADO- LESCENTE CMDCA e dá outras providências.. O PREFEITO CONSTITUCIONAL

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

TERMO DE INTEGRAÇÃO OPERACIONAL PARA INSTITUIR O FÓRUM PERMANENTE DE PREVENÇÃO À VENDA E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES

TERMO DE INTEGRAÇÃO OPERACIONAL PARA INSTITUIR O FÓRUM PERMANENTE DE PREVENÇÃO À VENDA E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES TERMO DE INTEGRAÇÃO OPERACIONAL PARA INSTITUIR O FÓRUM PERMANENTE DE PREVENÇÃO À VENDA E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES CONSIDERANDO que o art. 227 da Constituição da República

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ESPORTES E DA JUVENTUDE SUBSECRETARIA DA JUVENTUDE

SECRETARIA DE ESTADO DE ESPORTES E DA JUVENTUDE SUBSECRETARIA DA JUVENTUDE Sugestão de projeto de lei para um CMJ Autor: Poder Executivo Cria o Conselho Municipal da Juventude CMJ e dá outras providências. O povo do Município de, por seus representantes, decreta e eu sanciono

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Dispõe sobre os Procedimentos e critérios para a aprovação de projetos a serem financiados com recursos

Leia mais