Luiz Eduardo Cotta Monteiro (UVA) Paulo Cesar Ribas (UVA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Luiz Eduardo Cotta Monteiro (UVA) ledmontero@hotmail.com Paulo Cesar Ribas (UVA) pcribas@yahoo.com.br"

Transcrição

1 MODELO MATEMÁTICO PARA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E MAXIMIZAÇÃO DOS LUCROS EM UMA FÁBRICA DE CERVEJA: UMA TINA DE MOSTURA E MÚLTIPLOS TANQUES DE FERMENTAÇÃO E MATURAÇÃO Luiz Eduardo Cotta Monteiro (UVA) Paulo Cesar Ribas (UVA) Este trabalho utiliza os conhecimentos da Pesquisa Operacional para elaborar um modelo matemático para a otimização da produção e maximização dos lucros em uma fábrica de cerveja que produz oito tipos diferentes de produtos e utiliza em sua linha de produção múltiplos tanques de fermentação e maturação e uma única tina de mostura. São projetados três cenários com diferentes valores de capital para investimento na produção e as soluções são obtidas utilizando-se a interface open source Gusek. Palavras-chave: Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional. Fábrica de Cerveja. Otimização. Maximização.

2 1. Introdução A Kirin Brewery University, instituição internacional dedicada a pesquisa do mercado cervejeiro em âmbito mundial, divulgou um estudo no final de 2014 em que revela que a produção mundial de cerveja em 2013 foi de 192,94 milhões de quilolitros, um aumento de 0,7% com relação ao ano anterior, registrando o vigésimo sétimo aumento anual consecutivo da produção mundial. Ainda segundo esse estudo, no ranking dos maiores produtores de cerveja do mundo em 2013, o Brasil ocupou a terceira posição com produção anual de 13,56 milhões de quilolitros, atrás somente da China que registrou 46,54 milhões de quilolitros produzidos e Estados Unidos com 22,43 milhões, e na frente da Alemanha que produziu 9,44 milhões de quilolitros naquele ano (KIRIN BREWERY UNIVERSITY, 2014). A Associação Brasileira da Indústria da Cerveja publicou em 2014 o primeiro anuário do setor cervejeiro no Brasil em que indica que o setor responde por 2% do PIB brasileiro e 7,8% do PIB da indústria de transformação do país, mobiliza cerca de 12 mil fornecedores de bens e serviços e recolhe mais de R$ 21 bilhões em tributos por ano (CERVBRASIL, 2014). No mercado cervejeiro do Brasil o segmento de cervejas especiais e artesanais vem ganhando grande destaque nos últimos anos. Matéria publicada na revista Exame em setembro de 2014 revela que o consumo de cervejas especiais no Brasil aumentou 36% nos últimos três anos segundo dados da consultoria britânica Mintel (ARANHA, 2014). Segundo a Associação Brasileira de Bebidas (ABRABE, 2014), existem cerca de 200 microcervejarias no Brasil, são caracterizadas como microindústrias de origem familiar com modestas instalações e este segmento tem grande tendência de crescimento. Esse artigo tem como objetivo principal analisar o processo industrial de produção de cerveja em uma fábrica de pequeno porte e elaborar um modelo matemático que promova a otimização da produção e maximização dos lucros da fábrica. Este trabalho é também a evolução de uma abordagem simplificada do problema, publicado em artigo apresentado no XVIII Simpósio de Pesquisa Operacional e Logística da Marinha (AMORIM; MONTEIRO; RIBAS, 2015). 2. Pesquisa Operacional e o Uso de Modelos Matemáticos 2

3 A Pesquisa Operacional surgiu durante a Segunda Guerra Mundial ao reunir grupos multidisciplinares de cientistas com o objetivo de desenvolver e encontrar soluções para problemas complexos de estratégia e logística. Esses grupos alcançaram ótimos resultados e com o fim da guerra o desenvolvimento da pesquisa operacional teve seguimento tanto no meio acadêmico como no meio civil, com aplicações em grandes empresas e indústrias (PHILLIPS; RAVINDRAN; SOLBERG, 1976). Segundo Bronson, a Pesquisa Operacional é tanto uma arte como uma ciência, sendo a arte relacionada com a habilidade de exprimir os conceitos de eficiente e de escasso por meio de um modelo matemático bem definido para uma determinada situação e a ciência consiste na dedução de métodos computacionais para solucionar tais modelos (BRONSON, 1985). No livro Operations Research: Principles and Practice, os autores apontam que a essência da pesquisa operacional reside na construção e uso de modelos e destacam algumas razões consideráveis para o uso de modelos substituindo situações reais: motivações econômicas (economizar dinheiro, tempo ou algum recurso valioso); evitar riscos associados com a situação real; ajudar na comunicação e entendimento de um problema muito complexo (PHILLIPS; RAVINDRAN; SOLBERG, 1976). O modelo mais utilizado nas situações gerenciais são os modelos matemáticos em que as grandezas são representadas por variáveis de decisão e as relações entre as mesmas por expressões matemáticas, e, por essas características, os modelos matemáticos necessitam de informações quantificáveis, com o cuidado para que os resultados atinjam suas necessidades e sejam consistentes com as informações disponíveis (LACHTERMACHER, 2002). 3. O Processo Industrial de Fabricação de Cerveja O processo de produção em uma fábrica de cerveja, de pequeno, médio ou grande porte, seguem etapas semelhantes. Alguns fatores como o tamanho do lote, a quantidade e tipos de ingredientes, a capacidade de tinas e tanques, os tipos de envase, podem apresentar variações, mas as características principais são padronizadas. O processo de produção industrial da cerveja em cervejarias de pequeno e médio porte é descrito detalhadamente nos artigos Fatores Importantes para a elaboração de uma cerveja de qualidade (REINOLD, 2008) e A Microcervejaria e seus equipamentos (REINOLD, 3

4 2009). Com base nesses artigos segue uma descrição resumida deste processo em suas principais etapas. Etapa 1: Moagem do malte e mostura. O processo é iniciado com a moagem dos maltes de cevada para expor o amido dos grãos. Em seguida, na tina de mostura, ocorre o processo de mosturação em que o malte moído é misturado com água cervejeira em temperaturas específicas de modo que ocorra a liberação de enzimas que quebram as cadeias de amido em cadeias menores de açúcares, como glicose e maltose. Etapa 2: Clarificação. A mostura é filtrada na tina de clarificação, onde se separa o bagaço do mosto. Etapa 3: Fervura. Na tina de mostura o mosto é levado à ebulição, fervido para eliminar substâncias indesejáveis e para que seja esterilizada, por um período aproximado de 60 a 120 minutos. Nessa etapa são adicionados ingredientes responsáveis pelo sabor e aroma da bebida, como por exemplo, o lúpulo. Etapa 4: Fermentação. O mosto límpido é bombeado por um resfriador de placas para o tanque de fermentação e maturação, é aerado e recebe uma dosagem de levedura cervejeira. São necessários alguns dias para que os açúcares do mosto sejam consumidos pela levedura e convertidos em álcool e CO2. Etapa 5: Maturação. É realizada no tanque de fermentação e maturação e a quantidade de dias necessários vai variar de acordo com a receita e tipo de cerveja. Na maturação, algumas substâncias ainda são transformadas pela levedura em suspensão na cerveja, além de haver separação da levedura (decantação), incorporação de CO2 e retirada de alguns gases. Etapa 6: Filtragem. Após a maturação a cerveja passa pelo filtro de cerveja sendo armazenada no Tanque de cerveja pronta. Alguns estilos de cervejas não passam por esta filtração. Etapa 7: Envasamento. A cerveja é normalmente envasada em barris, latas ou garrafas. O envasamento merece extremo cuidado para que não haja incorporação de oxigênio no interior do barril onde será acondicionado. As garrafas ainda podem passar pelo processo de pasteurização para garantir maior durabilidade. A crescente demanda por este tipo de produto exige que as fábricas realizem constantes modernizações tanto no maquinário como no controle de produção e de qualidade. 4

5 4. Análise da Fábrica e do Processo Produtivo A fábrica objeto desse estudo está situada no Estado do Rio de Janeiro e produz oito tipos diferentes de cerveja. Os ingredientes básicos na produção de cerveja consistem em água, maltes de cevada, lúpulos e leveduras. Cada estilo de cerveja tem sua receita própria, utiliza diferentes tipos e quantidades de ingredientes e tempos de processo específicos, o que vai gerar custos diferenciados. Durante as visitas técnicas à fábrica foram levantados dados com relação ao seu processo produtivo e realizadas estimativas e simplificações necessárias para a construção do modelo matemático para otimização da produção. O Quadro 1 mostra a estimativa de custos, demandas e lucro por litro produzido de cerveja. Tipo Quadro 1: Estimativas de custos, demandas e lucro por litro Custo de produção por litro Preço de venda por litro Demanda mínima por trimestre Demanda máxima por trimestre Custo Embalagem Lucro bruto (garrafa, rótulo por litro e tampa) Pilsen R$3,50 R$7,00 30 mil litros indefinido R$0,50 R$3,00 Pilsen Premium R$4,00 R$8,00 15 mil litros indefinido R$0,50 R$3,50 Weiss R$4,50 R$9,00 6 mil litros indefinido R$0,50 R$4,00 Belgian Pale Ale R$5,00 R$9,00 3 mil litros indefinido R$0,50 R$3,50 Irish Red Ale R$5,00 R$9,00 3 mil litros indefinido R$0,50 R$3,50 Schwarzbier R$4,50 R$8,00 5 mil litros indefinido R$0,50 R$3,00 Imperial IPA R$8,50 R$16,00 3 mil litros indefinido R$0,50 R$7,00 Imperial Russian Stout R$13,50 R$27,00 2 mil litros indefinido R$0,50 R$13,00 Outros dados importantes relativos à produção obtidos nas visitas foram: a) A demanda pelos oito tipos de cervejas produzidas é maior do que a capacidade de produção da fábrica; b) As cervejas do tipo pilsen e pilsen premium tem a maior demanda e correspondem a pelo menos 50% da produção total da fábrica; c) A produção da cerveja tipo pilsen premium não deve ser maior que 50% da produção da cerveja tipo pilsen; d) O mix de produtos é fator importante para o marketing da empresa e é fundamental a produção mínima dos oito diferentes tipos de cervejas. Analisando o processo produtivo da fábrica podemos identificar os principais fatores limitadores da produção: a etapa de mostura e fervura que é realizada na Tina de 5

6 Mostura, a etapa de clarificação que é realizada na Tina de Clarificação e a etapa de fermentação e maturação que acontece nos Tanques de Fermentação e Maturação. Dessa forma, as capacidades dos recursos produtivos responsáveis por essas etapas serão consideradas importantes restrições na construção do modelo matemático. A planta industrial da fábrica conta em sua estrutura com: uma única tina de mostura com capacidade de 2000 litros; uma única tina de clarificação com capacidade de 2000 litros; cinco tanques de fermentação e maturação com capacidade de litros; oito tanques de fermentação e maturação com capacidade de litros; dois tanques de fermentação e maturação com capacidade de litros. Os tanques de fermentação e maturação tem o fundo cônico e a temperatura controlada. O tempo de processamento nas etapas de mostura, fervura, clarificação, fermentação e maturação para produção de cada tipo de cerveja apresenta variações descritas no Quadro 2. Quadro 2 Tempo de processamento para cada tipo de cerveja Tipos de Cerveja Lote de produção Mostura Clarificação Fervura Fernentação Maturação Pilsen 2 mil litros 2h 2h30 min 1h15min 5 a 6 dias 25 dias Pilsen Premium 2 mil litros 2h 2h30 min 1h15min 5 a 6 dias 25 dias Weiss 2 mil litros 2h30 min 3h30 min 1h15min 3 a 4 dias 20 dias Belgian Pale Ale 2 mil litros 2h30 min 3h30 min 1h15min 3 a 4 dias 45 dias Irish Red Ale 2 mil litros 2h30 min 3h00 min 1h15min 3 a 4 dias 25 dias Schwarzbier 2 mil litros 2 h 3h30 min 1h15min 5 a 6 dias 25 dias Imperial IPA 1 mil litros 2h30 min 4h 1h30min 3 a 4 dias 55 dias Imperial Russian Stout 1 mil litros 2h30 min 4h 1h20min 3 a 4 dias 60 dias Para a construção do modelo matemático podemos separar o processo produtivo em duas etapas principais: primeiro a mostura, clarificação e fervura que ocorrem na Tina de Mostura e na Tina de Clarificação e em seguida a etapa de fermentação e maturação que acontece nos Tanques de Fermentação e Maturação. Considerando lotes de produção de dois mil litros, os dados descritos no Quadro 2 podem ser sintetizados em duas etapas, conforme descrito no Quadro 3. Quadro 3 Síntese dos tempos de mostura/clarificação e fermentação/maturação para os oito tipos de cervejas produzidas 6

7 Tipo LOTE / TEMPO MOSTURA E CLAR. TEMPO FERM / MATURAÇÃO Pilsen 2 mil litros / 5 horas e 45 min. 31 DIAS Pilsen Premium 2 mil litros / 5 horas e 45 min. 31 DIAS Weiss 2 mil litros / 7 horas e 15 min. 24 DIAS Belgian Golden Ale 2 mil litros / 7 horas e 15 min. 49 DIAS Irish Red Ale 2 mil litros / 6 horas e 45 min. 29 DIAS Schwarzbier 2 mil litros / 6 horas e 45 min. 31 DIAS Imperial IPA 2 X 1 mil litros / 8:00 X 2 = 16 horas 59 DIAS Imperial Russian Stout 2 X 1 mil litros / 7:50 X 2 = 15 horas e 40 min. 64 DIAS Mais alguns detalhes apurados nas visitas técnicas sobre o processo produtivo devem ser considerados para a modelagem matemática: a) Os dois tanques de fermentação e maturação de maior capacidade, 10 mil litros cada, são utilizados somente para as cervejas de maior demanda do tipo pilsen e pilsen premium. b) As cervejas do tipo Imperial IPA e Imperial Russian Stout utilizam em seu processo de fermentação e maturação somente os tanques com capacidade de 2 mil litros. Como essas cervejas apresentam maiores custos de ingredientes, lotes menores reduzem os riscos de grandes perdas caso aconteça alguma falha de produção em um dos lotes. Com esses dados podemos construir o Quadro 4 com as quantidades de lotes de mostura necessários para cada tipo de cerveja de acordo com cada tanque de fermentação e maturação. Quadro 4 Quantidade de lotes de mostura necessários para cada tipo de cerveja de acordo com cada tanque de fermentação e maturação Tipo Tamanho do lote para cada processo de mostura Quantidade de lotes para tanque ferm Litros Quantidade de lotes para tanque ferm Litros Quantidade de lotes para tanque ferm Litros Pilsen 2 mil litros Pilsen Premium 2 mil litros Weis 2 mil litros Belgian Golden Ale 2 mil litros Irish Red Ale 2 mil litros Schwarzbier 2 mil litros Imperial IPA 1 mil litros Imperial Russian Stout 1 mil litros

8 5. Descrição do Problema e Modelagem Matemática Considerando os dados levantados e as restrições identificadas no processo produtivo da fábrica o problema consiste em utilizar a ferramenta da Pesquisa Operacional para encontrar os valores ótimos de produção de cada tipo de cerveja com o objetivo de maximizar os lucros da fábrica em um período de três meses de funcionamento. Serão feitas projeções em 3 cenários diferentes: Cenário 1: A fábrica não possui restrição de capital para compra de matéria prima; Cenário 2: A fábrica possui restrição mensal de capital no valor de 150 mil reais para compra de matéria prima; Cenário 3: A fábrica possui restrição mensal de capital no valor de 200 mil reais para compra de matéria prima. A modelagem matemática do problema, com seus parâmetros e variáveis estão definidos a seguir. A) Variáveis de decisão x1 quantidade de lotes de 2000 litros de cerveja Pilsen a ser produzida x2 quantidade de lotes de 2000 litros de cerveja Pilsen Premium a ser produzida x3 quantidade de lotes de 2000 litros de cerveja Weiss a ser produzida x4 quantidade de lotes de 2000 litros de cerveja Belgian Golden Ale a ser produzida x5 quantidade de lotes de 2000 litros de cerveja Irish Red Ale a ser produzida x6 quantidade de lotes de 2000 litros de cerveja Schwarzbier a ser produzida x7 quantidade de lotes de 2000 litros de cerveja Imperial IPA a ser produzida x8 quantidade de lotes de 2000 litros de cerveja Imperial Russian Stout a ser produzida B) Função Objetivo: maximizar o lucro máx 3 x1 + 3,5 x2 + 4 x3 + 3,5 x4 + 3,5 x5 + 3x6 + 7x x8 8

9 C) Restrições Considerar: - O total de horas disponíveis para o processo de Mostura, Clarificação e Fervura em 3 meses, funcionando 12 horas por dia e 5 dias por semana é igual a 720 horas (12h/dia 20 dias/mês 3 meses = 720 horas). - O total de horas disponíveis para o processo de fermentação e maturação em 3 meses, funcionando 24 horas por dia, é igual a 90 dias. C1) Restrição total de tempo para processo de mostura, clarificação e fervura, usando como referência os dados dos quadros 3 e 4: 5,45 x1 + 5,45 x2 + 7,15 x3 + 7,15 x4 + 6,45 x5 + 6,45 x6 +16 x7 + 15,4 x8 720 C2) Restrição total de tempo para processo de fermentação e maturação em 90 dias (usando como referência os dados dos quadros 3 e 4), considerando que: - Nos 5 tanques com capacidade de 2000 litros (x1 a x8 podem ser produzidos) temos a restrição de tempo de 450 dias (1 lote 5 tanques 90 dias = 450 dias); - Nos 8 tanques com capacidade de 4000 litros (x1 a x6 podem ser produzidos) temos a restrição de tempo de 1440 dias (2 lotes 8 tanques 90 dias = 1440 dias); - Nos 2 tanques com capacidade de litros (x1 e x2 podem ser produzidos) temos a restrição de tempo de 900 dias (5 lotes 2 tanques 90 dias = 900 dias). Somando as restrições de tempo para o processo de fermentação e maturação em todos os tanques temos a restrição total para essa etapa (considerando de x1 a x8): 31 x x x x x x6 +59 x x C3) Restrição de tempo para processo de fermentação e maturação em 90 dias para x7 e x8 que utilizam somente os 5 tanques com capacidade de 2000 litros (1 lote 5 tanques 90 dias = 450): 59 x x

10 C4) Restrição de tempo para processo de fermentação e maturação em 90 dias para x3, x4, x5 e x6 que utilizam somente os 5 tanques com capacidade de 2000 litros (1 lote 5 tanques 90 dias = 450) e os 8 com capacidade de 4000 litros (2 lotes 8 tanques 90 dias = 1440): 24 x x x x C5) Restrição de atendimento a demanda mínima (de acordo com os dados do Quadro 1): x1 15 x2 8 x3 3 x4 2 x5 2 x6 3 x7 2 x8 1 C6) As cervejas do tipo pilsen e pilsen premium tem a maior demanda e correspondem a pelo menos 50% da produção total da fábrica: x3 + x4 + x5 + x6 + x7 + x8 x1 + x2 C7) A produção da cerveja tipo pilsen premium não deve ser maior que 50% da produção da cerveja tipo pilsen. x2 0,5 x1 C8) A produção das cervejas tipo Weiss, Belgian Pale Ale, Irish Red Ale, Schwarzbier, Imperial IPA e Imperial Russian Stout não deve ser maior que 25% da produção da cerveja 10

11 tipo pilsen. Essa restrição foi incluída para manter um equilíbrio entre as proporções dos diferentes tipos de cervejas produzidas quando comparadas ao volume do tipo pilsen. x3 0,25 x1 x4 0,25 x1 x5 0,25 x1 x6 0,25 x1 x7 0,25 x1 x8 0,25 x1 D) Projeção em três cenários com restrições de capital para compra de matéria-prima. D1) Cenário 1: A fábrica não possui restrição de capital para compra de matéria prima. Sem restrição. D2) Cenário 2: A fábrica possui restrição de capital no valor de 450 mil reais por trimestre para compra de matéria prima x x x x x x x x D3) Cenário 3: A fábrica possui restrição de capital no valor de 600 mil reais por trimestre para compra de matéria prima x x x x x x x x Resultados do Modelo Matemático e Uso da Interface Gusek A interface Gusek foi utilizada para a solução do modelo matemático. Gusek é uma interface que utiliza a linguagem GLPK - GNU Linear Programming Kit - para uso do solver open source GLP-Solve. O pacote GLPK tem o objetivo de resolver em larga escala problemas de programação linear e utiliza a linguagem MathProg modelling language 11

12 (BETTONI, 2015). A solução do problema com a interface Gusek foi obtida com sucesso e os valores ótimos encontrados para os três diferentes cenários estão descritos a seguir. Cenário 1: sem restrição de capital para a compra de matéria-prima. x1 = 36 (72 mil litros de Pilsen) x2 = 18 (36 mil litros de Pilsen Premium) x3 = 9 (18 mil litros de Weiss) x4 = 2 (4 mil litros de Belgian Pale Ale) x5 = 9 (18 mil litros de Irish red Ale) x6 = 3 (6 mil litros de Schwarzbier) x7 = 2 (4 mil litros de Imperial IPA) x8 = 5 (10 mil litros de Imperial Russian Stout) Função Objetivo = R$ ,00 Cenário 2: A fábrica possui restrição de capital no valor de 450 mil reais por trimestre para compra de matéria prima. x1 = 18 (36 mil litros de Pilsen) x2 = 8 (16 mil litros de Pilsen Premium) x3 = 4 (8 mil litros de Weiss) x4 = 2 (4 mil litros de Belgian Pale Ale) x5 = 2 (4 mil litros de Irish red Ale) x6 = 3 (6 mil litros de Schwarzbier) x7 = 2 (4 mil litros de Imperial IPA) x8 = 3 (6 mil litros de Imperial Russian Stout) Função Objetivo = R$ ,00 12

13 Cenário 3: A fábrica possui restrição de capital no valor de 600 mil reais por trimestre para compra de matéria prima. x1 = 25 (50 mil litros de Pilsen) x2 = 10 (20 mil litros de Pilsen Premium) x3 = 6 (12 mil litros de Weiss) x4 = 2 (4 mil litros de Belgian Pale Ale) x5 = 2 (4 mil litros de Irish red Ale) x6 = 3 (6 mil litros de Schwarzbier) x7 = 2 (4 mil litros de Imperial IPA) x8 = 5 (10 mil litros de Imperial Russian Stout) Função Objetivo = R$ ,00 Os valores ótimos encontrados devem ser analisados e comparados para proporcionar uma compreensão mais apurada de seus significados econômicos e financeiros. Nesse sentido será calculado o quê os resultados significam em termos de custos, receitas e lucro bruto para os três cenários projetados. Os dados calculados para os três cenários estão representados nos Quadros 5, 6 e 7.. Quadro 5 - Valores no Cenário 1: sem restrição de capital para compra de matéria-prima Tipos de Cerveja Quantidade ótima a ser produzida (em litros) Custo de produção por litro Preço de venda por litro Lucro bruto por litro vendido Custo de produção por tipo de cerveja Receita Bruta para cada tipo de cerveja Lucro bruto para cada tipo de Cerveja X R$4,00 R$7,00 R$3,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 X R$4,50 R$8,00 R$3,50 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 X R$5,00 R$9,00 R$4,00 R$90.000,00 R$ ,00 R$72.000,00 X R$5,50 R$9,00 R$3,50 R$22.000,00 R$36.000,00 R$14.000,00 X R$5,50 R$9,00 R$3,50 R$99.000,00 R$ ,00 R$63.000,00 X R$5,00 R$8,00 R$3,00 R$30.000,00 R$48.000,00 R$18.000,00 X R$9,00 R$16,00 R$7,00 R$36.000,00 R$64.000,00 R$28.000,00 X R$14,00 R$27,00 R$13,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Vol. Produzido Custo Total R$ ,00 Receita Bruta R$ ,00 Lucro Bruto R$ ,00 13

14 Quadro 6 - Valores no Cenário 2: com restrição de 450 mil reais para compra de matéria-prima Tipos de Cerveja Quantidade ótima a ser produzida (em litros) Custo de produção por litro Preço de venda por litro Lucro bruto por litro vendido Custo de produção por tipo de cerveja Receita Bruta para cada tipo de cerveja Lucro bruto para cada tipo de Cerveja X R$4,00 R$7,00 R$3,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 X R$4,50 R$8,00 R$3,50 R$72.000,00 R$ ,00 R$56.000,00 X R$5,00 R$9,00 R$4,00 R$40.000,00 R$72.000,00 R$32.000,00 X R$5,50 R$9,00 R$3,50 R$22.000,00 R$36.000,00 R$14.000,00 X R$5,50 R$9,00 R$3,50 R$22.000,00 R$36.000,00 R$14.000,00 X R$5,00 R$8,00 R$3,00 R$30.000,00 R$48.000,00 R$18.000,00 X R$9,00 R$16,00 R$7,00 R$36.000,00 R$64.000,00 R$28.000,00 X R$14,00 R$27,00 R$13,00 R$84.000,00 R$ ,00 R$78.000,00 Vol. produzido Custo Total R$ ,00 Receita Bruta R$ ,00 Lucro Bruto R$ ,00 Quadro 7 - Valores no cenário 3: com restrição de 600 mil reais para compra de matéria-prima Tipos de Cerveja Quantidade ótima a ser produzida (em litros) Custo de produção por litro Preço de venda por litro Lucro bruto por litro vendido Custo de produção por tipo de cerveja Receita Bruta para cada tipo de cerveja Lucro bruto para cada tipo de Cerveja X R$4,00 R$7,00 R$3,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 X R$4,50 R$8,00 R$3,50 R$90.000,00 R$ ,00 R$70.000,00 X R$5,00 R$9,00 R$4,00 R$60.000,00 R$ ,00 R$48.000,00 X R$5,50 R$9,00 R$3,50 R$22.000,00 R$36.000,00 R$14.000,00 X R$5,50 R$9,00 R$3,50 R$22.000,00 R$36.000,00 R$14.000,00 X R$5,00 R$8,00 R$3,00 R$30.000,00 R$48.000,00 R$18.000,00 X R$9,00 R$16,00 R$7,00 R$36.000,00 R$64.000,00 R$28.000,00 X R$14,00 R$27,00 R$13,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Vol. Produzido Custo Total R$ ,00 Receita Bruta R$ ,00 Lucro Bruto R$ ,00 7. Conclusões O modelo matemático foi elaborado e solucionado com sucesso e os resultados obtidos como valores ótimos são indicadores consistentes para o planejamento da produção e estabelecimento de metas da fábrica e alcançam o objetivo de maximização dos lucros e aumento da produtividade. 14

15 Os diferentes cenários projetados revelam que diferentes valores de capital para investimento na produção irão alterar significativamente os valores ótimos do modelo, alterando também a proporção e o volume de produção de cada tipo de produto. A interface Gusek mostrou-se uma excelente ferramenta para a resolução de problemas de programação linear, e por ser parte de uma plataforma livre, mostra-se também como uma opção acessível e eficiente para o estudante e o profissional que trabalha com esse tipo de problema. A Pesquisa Operacional contribuiu de forma significativa para a compreensão do processo produtivo da fábrica, revelando a importância da sistematização dos dados relativos á produção, de forma a enxergar de maneira mais clara as restrições e variáveis do sistema. Nesse sentido, para além dos valores ótimos de produção encontrados na solução do problema, o próprio método para construção do modelo matemático, com o levantamento e sistematização de dados, contribuiu para introduzir elementos de objetividade e racionalidade nos processos de tomada de decisão da empresa. Com relação ao funcionamento da fábrica de cerveja constatou-se uma alta mecanização da produção e foi possível analisar e mapear o processo produtivo de forma a identificar os principais gargalos do sistema, sendo estes as capacidades da Tina de Mostura, da Tina de Clarificação e dos Tanques de Fermentação e Maturação da planta industrial. Os dados coletados com relação ao mercado cervejeiro no Brasil aponta um mercado economicamente expressivo, com grande participação no mercado mundial, e é percebida uma forte tendência de crescimento no segmento de cervejas especiais, fabricadas em sua maioria por pequenas e médias empresas. Ao mesmo tempo, para o desenvolvimento competitivo dessas empresas, constatou-se a necessidade de aprimoramento no seu planejamento e controle da produção com a utilização de recursos tecnológicos para a gestão integrada da produção. 7. Referências AMORIM, C., MONTEIRO, L., RIBAS, P., Otimização de Recursos para Maximizar os Lucros em uma Fábrica de Cerveja: Utilização da Pesquisa Operacional para o Encontro de Valores Ótimos de Produção. Artigo apresentado no XVIII Simpósio de Pesquisa Operacional e Logística da Marinha (SPOLM), Rio de Janeiro, RJ,

16 ARANHA, Carla. Com o Copo Cheio. Revista Exame PME, São Paulo, Ed. 76, Disponivel em: <http://exame.abril.com.br/revista-exame-pme/edicoes/76/noticias/com-o-copo-cheio>. Acesso em: 15 fev ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CERVEJA (CERVBRASIL). Site da CERVBRASIL. Disponivel em: <http://cervbrasil.org.br>. Acesso em: 3 de Janeiro ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BEBIDAS (ABRABE). Site da ABRABE, Disponivel em: <www.abrabe.org.br>. Acesso em: 01 Outubro BETTONI, L. GUSEK. Site do GUSEK, Disponivel em: <http://gusek.sourceforge.net/gusek_ptbr.html>. Acesso em: 15 jan BRONSON, R. Pesquisa Operacional: 200 Problemas resolvidos, 180 problemas propostos. São Paulo: McGrawn-Hill, KIRIN BEER UNIVERSITY. Site da Kirin Beer University, Disponível em: <http://www.kirinholdings.co.jp/english/news/2014/1224_01.html >. Acesso em 08 fev LACHTERMACHER, G. Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões. 4ª reimpressão, Rio de Janeiro: Elsevier, PHILLIPS, Dom T., RAVINDRAN, A., SOLBERG, JAMES J. Operations Research: Principles and Practice. New York: John Wiley & Sons, REINOLD, M. R. Fatores Importantes para a elaboração de uma cerveja de qualidade. Indústria de Bebidas, São Paulo, Ano 07 nº 41, REINOLD, M. R. A Microcervejaria e seus equipamentos. Beer Life, São Paulo, n. Ano 2 nº 6,

VOCÊ QUER ABRIR UMA MICROCERVEJARIA? COMECE POR AQUI

VOCÊ QUER ABRIR UMA MICROCERVEJARIA? COMECE POR AQUI empreendendo com VOCÊ QUER ABRIR UMA MICROCERVEJARIA? COMECE POR AQUI ÍNDICE O MERCADO MUNDIAL 03 A SUA MARCA 05 ENTENDA A PRODUÇÃO 07 DISTRIBUIÇÃO 11 TERCEIRIZAÇÃO 13 INVESTIMENTO 14 EXIGÊNCIAS LEGAIS

Leia mais

Luiz Eduardo Cotta Monteiro Universidade Veiga de Almeida. Paulo Cesar Ribas Universidade Veiga de Almeida

Luiz Eduardo Cotta Monteiro Universidade Veiga de Almeida.   Paulo Cesar Ribas Universidade Veiga de Almeida OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS PARA MAXIMIZAR OS LUCROS EM UMA FÁBRICA DE CERVEJA: UTILIZAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL PARA O ENCONTRO DE VALORES ÓTIMOS DE PRODUÇÃO Carolina Passos Vitória Amorim Universidade Veiga

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DE SALVADOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG430 ENGENHARIA DO PRODUTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DE SALVADOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG430 ENGENHARIA DO PRODUTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DE SALVADOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG430 ENGENHARIA DO PRODUTO IVO SARAIVA CASTRO THIAGO POMBAL VITOR FERREIRA DE JESUS APLICAÇÃO DO MÉTODO

Leia mais

Fabricação de Bebidas Cerveja

Fabricação de Bebidas Cerveja Fabricação de Bebidas Cerveja Processos Químicos Industriais II 01/12/2011 1 Bebidas Fermentadas & Destiladas A fabricação de bebidas fermentadas evoluiu de uma concepção artesanal para um processo contendo

Leia mais

de Cerveja 0 processo de maltagem é concretizado em três passos - molha, germinação e secagem. Durante

de Cerveja 0 processo de maltagem é concretizado em três passos - molha, germinação e secagem. Durante fp PRODUÇÃO Produção de Cerveja ~ 0 Processo TEXTO JOÃO PAULO MENDES {sociedade central de cervejas e bebidas) ILUSTRAÇÃO FONTE: JORNAL PÚBLICO O rei Guilherme IV da Baviera definiu em 1516, na "Reinheitsgebot"

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Pesquisa Operacional na tomada de decisão Referencia LACHTERMACHER, Gerson. Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões: modelagem em Excel. 2ªed. Elsevier. 2004 Problemas

Leia mais

Plano de Negócio. Microcervejaria Rugbeer. Centro Universitário de Belo Horizonte - UNI-BH Curso de Processos Gerenciais Segundo Semestre/2009

Plano de Negócio. Microcervejaria Rugbeer. Centro Universitário de Belo Horizonte - UNI-BH Curso de Processos Gerenciais Segundo Semestre/2009 Plano de Negócio Microcervejaria Rugbeer Centro Universitário de Belo Horizonte - UNI-BH Curso de Processos Gerenciais Segundo Semestre/2009 Idealizadores André Sampaio Fábio Nogueira Gleidson Silva João

Leia mais

ACASC - Associação das Microcervejarias Artesanais de SC www.acasc.com.br

ACASC - Associação das Microcervejarias Artesanais de SC www.acasc.com.br Blumenau, SC, 22 de maio de 2015. À COORDENAÇÃO GERAL DE TRIBUTAÇÃO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL (COSIT) Ref.: Regulamentação da Lei nº 13.097/2015 (Tributação das Bebidas Frias), especialmente no Conceito

Leia mais

Processo de Fabrico da Cerveja

Processo de Fabrico da Cerveja Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura em Engenharia Alimentar PGA Processamento Geral de Alimentos Processo de Fabrico da Cerveja Turma 2 2009/2010 Introdução Como nos foi proposto estudar o

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS

CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS PRINCIPAIS ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA CERVEJA MATÉRIAS-PRIMAS ÁGUA MALTE CEREAIS (ARROZ E MILHO) LÚPULO EXTRATO DE ALTA MALTOSE AÇÚCAR ADITIVOS Água - Sabor - Odor - Cor

Leia mais

Como fazer cerveja COMO FAZER 25 LITROS DE CERVEJA ALE (ALTA FERMENTAÇÃO) Malte Château Pilsen. Lúpulo Spalt Select 5,4% Ácido Alfa

Como fazer cerveja COMO FAZER 25 LITROS DE CERVEJA ALE (ALTA FERMENTAÇÃO) Malte Château Pilsen. Lúpulo Spalt Select 5,4% Ácido Alfa Início Como fazer Kit Cervejeiro 30L Kit Cervejeiro até 60L Matérias-Primas Você está em: Página inicial > Como fazer Versão para impressão Envie por e-mail Solicite informações Fale conosco Como fazer

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 *

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR 1 Graduando Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * 2 Pesquisador - Orientador 3 Curso de Matemática, Unidade Universitária

Leia mais

Proposta Microcervejaria Dragon Bier

Proposta Microcervejaria Dragon Bier Proposta Microcervejaria Dragon Bier quinta-feira, 8 de janeiro de 2015 Dragon Bier produz para você Microcervejarias no Estado da Ciência e da Arte SUMÁRIO DA PROPOSTA 1. Descrição dos Equipamentos 2.

Leia mais

PRODUTO ELABORADO E ENVASADO NA ESPANHA

PRODUTO ELABORADO E ENVASADO NA ESPANHA PRODUTO ELABORADO E ENVASADO NA ESPANHA PRODUCTO ELABORADO E ENVASADO EM: CERVEJA SAGRA ESPANHA (Castilha La- Mancha) PREMIUM - PILSEN Cerveja Artesana Sagra 100% Malte - Premium Pilsen CAPACIDADE: 330ml

Leia mais

ACV DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DA CERVEJA

ACV DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DA CERVEJA ACV DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DA CERVEJA Michael Walter Trommer (UNIMEP ) michaeltrommer@terra.com.br Aparecido dos Reis Coutinho (UNIMEP ) arcoutin@unimep.br Resumo A busca pelo desenvolvimento sustentável

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA AGROINDUSTRIAL E SOCIOECONOMIA RURAL Coisas que você gostaria de saber sobre a nossa bebida favorita mas estava

Leia mais

Pesquisa Cervejas Artesanais Diretoria de Desenvolvimento Econômico Gerência de Pesquisa e Estatística Grupo Executivo de Agroindústria Setembro 2015

Pesquisa Cervejas Artesanais Diretoria de Desenvolvimento Econômico Gerência de Pesquisa e Estatística Grupo Executivo de Agroindústria Setembro 2015 Pesquisa Cervejas Artesanais Diretoria de Desenvolvimento Econômico Gerência de Pesquisa e Estatística Grupo Executivo de Agroindústria Setembro 2015 Objetivo Entender como os produtores de cervejas artesanais

Leia mais

Objetivo: Proporcionar ao pessoal não cervejeiro conhecimentos básicos sobre a elaboração da cerveja.

Objetivo: Proporcionar ao pessoal não cervejeiro conhecimentos básicos sobre a elaboração da cerveja. Objetivo: Proporcionar ao pessoal não cervejeiro conhecimentos básicos sobre a elaboração da cerveja. 1 Programa: História da Cerveja Matérias-primas Fabricação de mosto Fermentação/Maturação Filtração

Leia mais

Descritivo Como Fazer Cerveja em Casa

Descritivo Como Fazer Cerveja em Casa O prazer de fazer cerveja em casa Descritivo Como Fazer Cerveja em Casa Kit de preparo para Cerveja Caseira da Alquimia da Cerveja Extrato de Malte & Grãos de Malte (Partial Malt) Alquimia da Cerveja A

Leia mais

Em parceria com o. Lançam em Santa Catarina. Workshop Cervejeiro. Modalidade. ST IT Evento Técnico Bebidas

Em parceria com o. Lançam em Santa Catarina. Workshop Cervejeiro. Modalidade. ST IT Evento Técnico Bebidas Em parceria com o Lançam em Santa Catarina Workshop Cervejeiro Modalidade ST IT Evento Técnico Bebidas 1. OBJETIVO Fornecer aos participantes (cervejeiros e proprietários de cervejarias do sul do Brasil)

Leia mais

PROCESSO DE PRODUÇÃO DA CERVEJA

PROCESSO DE PRODUÇÃO DA CERVEJA PROCESSO DE PRODUÇÃO DA CERVEJA MARTINS, Izadora F. 1 ; FUZIOKA, Pâmela U. ¹;SILVA, Alexsandro M. 2 ¹Graduandas do Curso de Farmácia do Centro Universitário São Camilo, Campus Ipiranga, São Paulo, SP.

Leia mais

SUGESTÃO EDITORIAL. Sucos naturais impulsionam o mercado. SIG Combibloc. Produção natural, a chave do sucesso

SUGESTÃO EDITORIAL. Sucos naturais impulsionam o mercado. SIG Combibloc. Produção natural, a chave do sucesso SIG Combibloc SUGESTÃO EDITORIAL Sucos naturais impulsionam o mercado São Paulo, Maio de 2010. Graças aos novos hábitos de consumo, os sucos naturais estão se tornando um importante segmento de mercado.

Leia mais

Guia American Blonde Ale. by Cervisiam

Guia American Blonde Ale. by Cervisiam Guia American Blonde Ale by Cervisiam Índice História Estilos Receita Kit Básico Bibliografia História Blonde Ale É dificil traçar a origem precisa do termo Blonde Ale, mas sabemos que ela surgiu da grande

Leia mais

Cliente: Sindicerv Veículo: www.zerohora.com.br Data: 28-06-2010 Imagem Corporativa Poder de compra da nova classe média eleva consumo de cerveja no Brasil Taxa deve aumentar entre 10% e 12% este ano A

Leia mais

Bier Hoff. 7 maio, 2011 às 13:13 por Jussara Voss

Bier Hoff. 7 maio, 2011 às 13:13 por Jussara Voss Bier Hoff 7 maio, 2011 às 13:13 por Jussara Voss Achei inusitado, afinal não é todo dia que alguém me convida para conhecer uma microcervejaria. Para falar a verdade, foi a primeira vez, por isso, fiz

Leia mais

DESCRITIVO COMO FAZER CERVEJA. Stout. (All. Grain)

DESCRITIVO COMO FAZER CERVEJA. Stout. (All. Grain) DESCRITIVO COMO FAZER CERVEJA Stout (Stout Cerveja preta) Kit de Malte em Grãos da Alquimia da Cerveja (All Grain) Este documento está descrito sobre um kit de Malte em Grãos da Alquimia da Cerveja para

Leia mais

Sugestão de Receita American India Pale Ale

Sugestão de Receita American India Pale Ale Ingredientes 4kg de malte Pilsen 1kg de malte Munich 500g de malte Carared 200g de malte Caramunich 34 litros de água mineral 50g de lúpulo Chinook 55g de lúpulo Cascade 11,5g de levedura Fermentis US-05

Leia mais

Nem tudo que borbulha é ESPUMANTE.

Nem tudo que borbulha é ESPUMANTE. Nem tudo que borbulha é ESPUMANTE. Saiba qual a diferença entre o espumante e produtos substitutos. O que é um vinho espumante? O vinho espumante é resultante da fermentação da uva sã, fresca e madura,

Leia mais

2º Curso de Tecnologia Cervejeira e Prática Cervejeira SENAI

2º Curso de Tecnologia Cervejeira e Prática Cervejeira SENAI Em Parceria com Lançam em Santa Catarina 2º Curso de Tecnologia Cervejeira e Prática Cervejeira SENAI Modalidade ST IT Evento Técnico Bebidas Apoio Institucional 1 1. OBJETIVO Fornecer aos participantes

Leia mais

Cerveja brilhante. tecnologia bebidas y. Uma fonte de luz inserida na fase de fermentação acelera o metabolismo das leveduras e aumenta a produção

Cerveja brilhante. tecnologia bebidas y. Uma fonte de luz inserida na fase de fermentação acelera o metabolismo das leveduras e aumenta a produção tecnologia bebidas y Cerveja brilhante Uma fonte de luz inserida na fase de fermentação acelera o metabolismo das leveduras e aumenta a produção Marcos de Oliveira Chris Stein / getty images Ícones recentes

Leia mais

Descrição, análise e sugestão de melhorias do processo produtivo de uma empresa do seguimento de bebidas

Descrição, análise e sugestão de melhorias do processo produtivo de uma empresa do seguimento de bebidas Descrição, análise e sugestão de melhorias do processo produtivo de uma empresa do seguimento de bebidas Nathan José Mota Garcia (1) ; Rosiane Gonçalves dos Santos (1) ; Carlos Roberto de Sousa Costa (2)

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias 1 de 7 10/16/aaaa 10:34 Agroindústria Agroindústria: Processamento Artesanal de Frutas - Geléias Processamento Nome artesanal de frutas: Geléias Produto Informação Tecnológica Data Agosto -2000 Preço -

Leia mais

Problemas de Mistura. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 5 modelos

Problemas de Mistura. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 5 modelos Problemas de Mistura Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto 5 modelos Problemas de Mistura Problemas deste tipo consistem em combinar materiais obtidos na natureza

Leia mais

Lista sugerida de Equipamentos e Fornecedores para Produção de Cerveja Caseira

Lista sugerida de Equipamentos e Fornecedores para Produção de Cerveja Caseira Fogareiro médio cromado 12 caulings RG 35 cm 3 UNIDADE S Usados para aquecer as panelas durante a mostura, fervura e aquecimento da água para a lavagem/sparge. Balança digital balmak easy-5 5kg graduação

Leia mais

Cliente: Sindicerv Veículo: www.estadao.com.br Data: 23-02-2010 Imagem Corporativa Femsa traz 5 cervejas europeias do portfólio da Heineken SÃO PAULO - A Femsa está trazendo ao Brasil cinco cervejas europeias

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

MICROBIOLOGISTAS RESPONSÁVEIS: www.levedurasdryeast.com.br

MICROBIOLOGISTAS RESPONSÁVEIS: www.levedurasdryeast.com.br A DrYeast proporciona ao Cervejeiro Artesanal a experiência de usar leveduras de alta qualidade e capacidade fermentativa, através de um sistema tecnológico avançado, robusto e eficiente para o transporte,

Leia mais

1 SKU - Stock Keeping Unit: refere-se à unidade na qual o produto é estocado e comercializado.

1 SKU - Stock Keeping Unit: refere-se à unidade na qual o produto é estocado e comercializado. Introdução A grande competitividade entre as indústrias de bens de consumo gera a necessidade de se estar sempre pronto para atender a demanda com o menor custo, não importando o quão sazonal ela possa

Leia mais

PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO DO TEMPO DE MANOBRA DE NAVIOS COM O USO DE ÁREAS DE FUNDEIO:

PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO DO TEMPO DE MANOBRA DE NAVIOS COM O USO DE ÁREAS DE FUNDEIO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA/FURG II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO (II CIDESPORT) PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO DO TEMPO DE MANOBRA

Leia mais

Edição de Março. Caros amigos cervejeiros, esse mês comemoramos nosso 2o. mês do Clube com grande alegria em vista dos resultados alcançados.

Edição de Março. Caros amigos cervejeiros, esse mês comemoramos nosso 2o. mês do Clube com grande alegria em vista dos resultados alcançados. Edição de Março Caros amigos cervejeiros, esse mês comemoramos nosso 2o. mês do Clube com grande alegria em vista dos resultados alcançados. Selecionamos alguns rótulos que esperamos serem muito bem degustados

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM PLANO DE COMPRAS EM UMA PIZZARIA UTILIZANDO A PROGRAMAÇÃO LINEAR

DESENVOLVIMENTO DE UM PLANO DE COMPRAS EM UMA PIZZARIA UTILIZANDO A PROGRAMAÇÃO LINEAR DESENVOLVIMENTO DE UM PLANO DE COMPRAS EM UMA PIZZARIA UTILIZANDO A PROGRAMAÇÃO LINEAR Yvelyne Bianca Iunes Santos (UEPA) yvelyne@superig.com.br Fabiano Pereira Correa (UEPA) fabiano_pcorrea@hotmail.com

Leia mais

Cerveja de Trigo. Heffeweiss) (Heffeweiss

Cerveja de Trigo. Heffeweiss) (Heffeweiss DESCRITIVO COMO FAZER CERVEJA Cerveja de Trigo (Heffeweiss Heffeweiss) Kit de Malte em Grãos da Alquimia da Cerveja (All Grain) Este documento está descrito sobre um kit de Extrato de Malte e Grãos da

Leia mais

Portal Espresso - seu café com mais conteúdo

Portal Espresso - seu café com mais conteúdo Página 1 de 5 Para quem gosta de degustar Cervejas para todos os gostos: com diferentes teores alcoólicos, mais encorpadas, com sabores inusitados de frutas e outras essências. O responsável pela criação

Leia mais

Cliente: Sindicerv Veículo: www.parana-online.com.br Data: 19-10-2010 Imagem Corporativa Monopólio no setor de bebidas é alvo de críticas Helio Miguel Pequenas perdem espaço. A enorme concentração no setor

Leia mais

Edição de Abril. Aproveitando uma viagem a Buenos Aires, tive a oportunidade de conhecer algumas cervejas locais artesanais de nossos amigos hermanos.

Edição de Abril. Aproveitando uma viagem a Buenos Aires, tive a oportunidade de conhecer algumas cervejas locais artesanais de nossos amigos hermanos. Abril/12 Caros amigos cervejeiros, como havíamos divulgado na revista anterior, a OnBeer participou pela 1a. vez do Festival da Cerveja de Blumenau. Foram 4 dias muito legais, todos eles girando em torno

Leia mais

Cliente: Sindicerv Veículo: www.portugaldigital.com.br Data: 29-06-2010 Imagem Corporativa Consumo de cerveja no Brasil deve aumentar mais de 10% No ano passado, o consumo nacional de cerveja cresceu 10,9%,

Leia mais

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI CUSTOMER SUCCESS STORY Março 2014 AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI PERFIL DO CLIENTE Indústria: Manufatura Empresa: AT&S Funcionários: 7.500 Faturamento: 542 milhões

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Boletim. O mercado da cerveja em foco. O futuro está nas mãos do consumidor. A importância da cadeia produtiva da cerveja em debate

Boletim. O mercado da cerveja em foco. O futuro está nas mãos do consumidor. A importância da cadeia produtiva da cerveja em debate Boletim Setembro/2015 O mercado da cerveja em foco. ENTREVISTA O futuro está nas mãos do consumidor Renault Castro, presidente executivo da Abralatas, fala em entrevista sobre as mudanças em curso no mercado

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

REVISÃO A PRODUÇÃO DA CERVEJA NO BRASIL

REVISÃO A PRODUÇÃO DA CERVEJA NO BRASIL Vol. 1, No. 1, Outubro-Dezembro de 2011 REVISÃO A PRODUÇÃO DA CERVEJA NO BRASIL *Jéssica Francieli Mega 1, Etney Neves 2,3 e Cristiano José de Andrade 2,3 ¹ Acadêmica do Curso de Engenharia de Alimentos,

Leia mais

1) Preparando a Água:

1) Preparando a Água: Descritivo Como Fazer Cerveja Com Kit de Malte em Grã os da Alquimia da Cerveja (All grain) (Observação: Este documento está descrito sobre um kit de Extrato de Malte da Alquimia da Cerveja para fazer

Leia mais

Cursos Acerva Carioca 2013: BeerSmith 2. Página 1

Cursos Acerva Carioca 2013: BeerSmith 2. Página 1 Cursos Acerva Carioca 2013: BeerSmith 2 Página 1 Agenda 1. Por que usar um software? 2. O que o Beer Smith faz? 3. Configurações iniciais no Beer Smith 4. Adicionando ingredientes 5. Design de receitas

Leia mais

Bexi sem distância para seus negócios

Bexi sem distância para seus negócios Bexi sem distância para seus negócios A BEXI é uma empresa no ramo de importação, exportação e distribuição de diversos segmentos de produtos e países. Atua no comércio exterior e nacional há 9 anos. A

Leia mais

Linhas gerais da fabricação do saquê

Linhas gerais da fabricação do saquê Resultados da aprendizagem Linhas gerais do conhecimento de como fazer saquê. Consulte o Capítulo 8 para detalhes das diferenças entre os tipos. Conhecimento de Koji e seu papel Conhecimento de shubo /

Leia mais

I Encontro sobre produção, tecnologias e estudos de cervejas caseiras e industriais

I Encontro sobre produção, tecnologias e estudos de cervejas caseiras e industriais I Encontro sobre produção, tecnologias e estudos de cervejas caseiras e industriais Palestra Legislação para o Mercado Cervejeiro Eng. e Mestre Cervejeiro Evandro L. Bertollo Piracicaba, 25/04/15 Legislação

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Cervejas. 12 marcas testadas no laboratório e no copo. Aditivos nos alimentos. Cadastros de devedores O drama de ficar sem crédito

Cervejas. 12 marcas testadas no laboratório e no copo. Aditivos nos alimentos. Cadastros de devedores O drama de ficar sem crédito www.proteste.org.br Ano I Nº 4 Junho de 2002 Cervejas 12 marcas testadas no laboratório e no copo Aditivos nos alimentos Aromatizantes, edulcorantes, corantes... O que está por trás do que você come Cadastros

Leia mais

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 9º ano do Ensino Fundamental/1º ano do Ensino Médio Objetivo Vivenciar conceitos importantes sobre a classificação dos diversos tipos

Leia mais

Lucro ao invés de prejuízo

Lucro ao invés de prejuízo Lucro ao invés de prejuízo Como a inovadora tecnologia de separação ajuda a alavancar uma fonte extra de dinheiro Os descartes dos abatedouros continuam sendo uma séria preocupação para muitos. Mas, não

Leia mais

A Água Cervejeira - Dragon Bier institute

A Água Cervejeira - Dragon Bier institute A Água Cervejeira - Dragon Bier institute Ação Ions Hidrogênio e Hidroxila, estão sempre presentes, e o valor ph é decorrente da relação entre esses ions. Predominância de H+, resultado ácido, baixo ph

Leia mais

AULA 08 PROGRAMAÇÃO LINEAR INTEIRA. Eduardo Camargo de Siqueira PESQUISA OPERACIONAL TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

AULA 08 PROGRAMAÇÃO LINEAR INTEIRA. Eduardo Camargo de Siqueira PESQUISA OPERACIONAL TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 08 PROGRAMAÇÃO LINEAR INTEIRA Eduardo Camargo de Siqueira PESQUISA OPERACIONAL TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO Os problemas de Programação Linear Inteira podem ser entendidos

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

Prazo de Validade e indústria de alimento

Prazo de Validade e indústria de alimento Prazo de Validade e indústria de alimento Luiz Eduardo Carvalho Na Inglaterra uma cerveja em lata apresenta e prazo de validade nas tampas superior e inferior, bem como alerta no rótulo para que tal informação

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO E ANÁLISE DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO E DO FATURAMENTO DA VINICULTURA GAÚCHA 2009 (VERSÃO PRELIMINAR) Ibravin, UFSM, Sebrae/rs

CONSOLIDAÇÃO E ANÁLISE DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO E DO FATURAMENTO DA VINICULTURA GAÚCHA 2009 (VERSÃO PRELIMINAR) Ibravin, UFSM, Sebrae/rs CONSOLIDAÇÃO E ANÁLISE DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO E DO FATURAMENTO DA VINICULTURA GAÚCHA 2009 (VERSÃO PRELIMINAR) Ibravin, UFSM, Sebrae/rs OBJETIVOS Calcular os custos médios dos principais tipos de vinhos

Leia mais

Otimização no Octave. Minicurso de Economia e Estatística Computacionais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Semana Acadêmica da Economia 2012

Otimização no Octave. Minicurso de Economia e Estatística Computacionais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Semana Acadêmica da Economia 2012 Otimização no Octave Minicurso de Economia e Estatística Computacionais Universidade Federal do Rio Grande do Sul Semana Acadêmica da Economia 2012 Ronald Otto Hillbrecht Fabrício Tourrucôo Rodrigo Nobre

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE E3 PARA O CONTROLE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO ENZIMÁTICA NA NOVOZYMES

APLICAÇÃO DO SOFTWARE E3 PARA O CONTROLE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO ENZIMÁTICA NA NOVOZYMES APLICAÇÃO DO SOFTWARE E3 PARA O CONTROLE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO ENZIMÁTICA NA NOVOZYMES Este case apresenta a aplicação da solução Elipse E3 para automatizar e coletar mais informações sobre as etapas

Leia mais

Design graphic A www.marierio.com

Design graphic A www.marierio.com Design graphic A www.marierio.com LEVEDURA E FABRICAÇÃO DE CERVEJA 4 CARACTERÍSTICAS DA LEVEDURA 8 DICAS DE USO 10 GLOSSÁRIO 12 Levedura de Cerveja para fabricação caseira O segmento de fermentação caseira

Leia mais

Ingredientes: Água, malte, cereais não-maltados, carboidratos, lúpulo, antioxidante INS 316 e estabilizante INS 405.

Ingredientes: Água, malte, cereais não-maltados, carboidratos, lúpulo, antioxidante INS 316 e estabilizante INS 405. Produtos Cerveja Antarctica Cerveja Antarctica Cristal A cerveja Antarctica Cristal é a primeira cerveja brasileira com embalagem transparente, que foi especialmente desenvolvida para você legar para a

Leia mais

Concentração Mínima de Açúcar (g/l) N (normal) 2000 60 2 E (europeu fino) 1000. 80 1. Teor Máximo de Acidez (%)

Concentração Mínima de Açúcar (g/l) N (normal) 2000 60 2 E (europeu fino) 1000. 80 1. Teor Máximo de Acidez (%) FACULDADE LOURENÇO FILHO Revisão ENADE 2011 Disciplina: Pesquisa Operacional Profa. Danielle Abreu 17/096/2011 Questão 1 ENADE 2008 O gerente de planejamento e controle da produção de uma empresa de suco

Leia mais

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Lucélia Costa Oliveira¹; Mário Luiz Viana Alvarenga² ¹ Aluna do curso de Engenharia de Produção e bolsista do

Leia mais

Gestão da Qualidade por Processos

Gestão da Qualidade por Processos Gestão da Qualidade por Processos Disciplina: Gestão da Qualidade 2º Bimestre Prof. Me. Patrício Vasconcelos adm.patricio@yahoo.com.br Gestão da Qualidade por Processos Nas empresas, as decisões devem

Leia mais

CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE MOSTO DE CERVEJA

CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE MOSTO DE CERVEJA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENERGIA E FENÔMENOS DE TRANSPORTE CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO DE UM TROCADOR DE CALOR PARA RESFRIAMENTO DE MOSTO

Leia mais

Cliente: Sindicerv Imagem Corporativa Veículo: www.portalfator.com.br Data: 06-05-2010 Schornstein inaugura fábrica de cervejas artesanais em Holambra e promove festa beneficente O local será também a

Leia mais

MATÉRIAS-PRIMAS E ETAPAS DE PROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE CERVEJA. Silvane Schuh 1 ; Daiane Preci 2

MATÉRIAS-PRIMAS E ETAPAS DE PROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE CERVEJA. Silvane Schuh 1 ; Daiane Preci 2 MATÉRIAS-PRIMAS E ETAPAS DE PROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE CERVEJA Silvane Schuh 1 ; Daiane Preci 2 Palavras-Chaves: Matéria-prima, processos, qualidade. INTRODUÇÃO A cerveja é considerada uma bebida

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

Produção de cerveja artesanal com gengibre

Produção de cerveja artesanal com gengibre Produção de cerveja artesanal com gengibre Vanessa Schramm Ferreira (UTFPR) E-mail: vane_sf13@hotmail.com Pamella Karen Bernardelli Martins (UTFPR) E-mail: pam_dyamoy@hotmail.com José Luiz Ferreira da

Leia mais

Prêmio por um País s Melhor REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO

Prêmio por um País s Melhor REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO Prêmio por um País s Melhor REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO INTRODUÇÃO A Planta de Jundiaí, localizada numa região estratégica que proporciona o abastecimento da região com maior concentração de consumidores

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

LUBRIFICANTES CASSIDA SOLUÇÕES PARA A INDÚSTRIA DE BEBIDAS EM GERAL

LUBRIFICANTES CASSIDA SOLUÇÕES PARA A INDÚSTRIA DE BEBIDAS EM GERAL LUBRIFICANTES CASSIDA SOLUÇÕES PARA A INDÚSTRIA DE BEBIDAS EM GERAL LUBRIFICANTES DE GRAU ALIMENTÍCIO CASSIDA SOLUÇÕES PARA A INDÚSTRIA DE BEBIDAS EM GERAL Lubrificando a indústria de bebidas Na indústria

Leia mais

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR João Batista de Jesus FATEC-JAHU Célio Favoni 2 FATEC-JAHU Resumo Este trabalho expõe de maneira sintetizada as funcionalidades

Leia mais

2) A citação abaixo foi extraída do inciso V do artigo 24 da LDB 9394/96:

2) A citação abaixo foi extraída do inciso V do artigo 24 da LDB 9394/96: 1) A avaliação compreendida como parte do processo de ensino e aprendizagem e do planejamento em todas as suas etapas, ou seja, a avaliação formativa, parte dos seguintes pressupostos, exceto este: a)

Leia mais

Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral

Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral Imprensa São Paulo, 16 de junho de 2015 Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral O estudo foi baseado em uma pesquisa realizada

Leia mais

Problemas de Mistura. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto

Problemas de Mistura. Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto Problemas de Mistura Prof. Gustavo Peixoto Silva Departamento de Computação Univ. Federal de Ouro Preto Problemas de Mistura Problemas deste tipo consistem em combinar materiais obtidos na natureza (ou

Leia mais

Experimento 10: Fermentação. Docente Sala (lab) Grupo

Experimento 10: Fermentação. Docente Sala (lab) Grupo Experimento 10: Fermentação Docente Sala (lab) Grupo 1 Experimento 10: Fermentação Introdução A glicose é uma importante molécula utilizada no metabolismo de diversos organismos para gerar energia. Em

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PRODUTOS DE CERVEJARIA

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PRODUTOS DE CERVEJARIA MERCOSUL/GMC/RES. N 14/01 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PRODUTOS DE CERVEJARIA TENDO EM VISTA : O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 91/93, Nº 152/96 e Nº 38/98 do Grupo

Leia mais

O que é Água Filtrada?

O que é Água Filtrada? O que é Água Filtrada? Via Filtros Sistemas Filtrante 2015 Falar de água filtrada interessa a todos, afirmo isso porque eu mesmo já procurei muito sobre esse assunto e queria entender o porquê é importante

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

O negócio milionário das cervejas artesanais

O negócio milionário das cervejas artesanais O negócio milionário das cervejas artesanais Cada vez mais brasileiros adotam as cervejas especiais e alimentam um mercado que não para de crescer. Algumas empresas já faturam mais de R$ 10 milhões por

Leia mais

Processo produtivo da cerveja tipo Pilsen

Processo produtivo da cerveja tipo Pilsen Processo produtivo da cerveja tipo Pilsen Rayane Carla Scheffer 1 (UNESPAR/FECILCAM) rayane.scheffer@hotmail.com Edimar Nunes Dias 1 (UNESPAR/FECILCAM) dias_edimar@hotmail.com Bruno Kissik Lemes 1 (UNESPAR/FECILCAM)

Leia mais

PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL

PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL Escola Secundária do Padrão da Légua (402412) Curso Profissional de Técnico de Processamento e Controlo de Qualidade Alimentar (2010 / 2011) PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL TEMA Processamento e Fabrico de

Leia mais

Muitas têm sido usadas como: moeda em rituais religiosos como símbolos políticos como fonte de inspiração filosófica e artística

Muitas têm sido usadas como: moeda em rituais religiosos como símbolos políticos como fonte de inspiração filosófica e artística Chef André Leite Muitas têm sido usadas como: moeda em rituais religiosos como símbolos políticos como fonte de inspiração filosófica e artística 6 bebidas definem a história mundial: Cerveja Vinho Destilados

Leia mais

SISTEMA DE VISÃO INTELIGENTE. Segmento de Alimentos e Bebidas

SISTEMA DE VISÃO INTELIGENTE. Segmento de Alimentos e Bebidas SISTEMA DE VISÃO INTELIGENTE Segmento de Alimentos e Bebidas 1 Sistemas de Visão para Alimentos e Bebidas Sistemas de Visão são equipamentos automáticos que utilizam câmeras de vídeo para capturar imagens

Leia mais

Fabricação de Cerveja - Brassagem-

Fabricação de Cerveja - Brassagem- A primeira fase do processo de fabricação de cerveja é realizada na sala de brassagem, onde se fabrica o mosto, ou seja, o líquido que depois de fermentado dará origem à cerveja. O processo de brassagem

Leia mais

Gerenciamento de Projetos: Conceitos.

Gerenciamento de Projetos: Conceitos. ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS Aula 10: 1 1 O que é Projeto 2 Caracterização de um projeto 3 Processos e áreas do gerenciamento de projeto 4 Análise de viabilidade do projeto 5 O papel do gerente de

Leia mais

STC SAD Profº Daniel Gondim

STC SAD Profº Daniel Gondim STC SAD Profº Daniel Gondim Roteiro Sistemas de Trabalhadores do Conhecimento (STC) Conceitos Aplicações Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) Conceitos Aplicações Sistemas de Trabalhadores do Conhecimento

Leia mais