RESUMO SUMMARY AUTORES AUTHORS PALAVRAS-CHAVE KEY WORDS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO SUMMARY AUTORES AUTHORS PALAVRAS-CHAVE KEY WORDS"

Transcrição

1 Use of Malt Extracts in Brewing: Physico- Chemical and Sensory Evaluations AUTORES AUTHORS Muris SLEIMAN Faculdade de Ciências Agronômicas - UNESP Caixa postal 237, CEP: , Botucatu-SP, Brasil Waldemar Gastoni VENTURINI FILHO Faculdade de Ciências Agronômicas - UNESP Caixa postal 237, CEP , Botucatu-SP, Brasil RESUMO O objetivo deste trabalho foi comparar aspectos físico-químicos e sensoriais de cervejas produzidas com malte, extrato de malte na forma de xarope (EMX) e extrato de malte em pó (EMP). Os ensaios foram realizados com três repetições e seis tratamentos: malte, EMX e EMP, com e sem. Levedura de baixa fermentação foi usada como agente fermentativo. Nas cervejas, analisou-se o teor de extrato aparente e real, fermentabilidade aparente e real, ph, cor, amargor, acidez total, açúcares redutores, açúcares redutores totais, álcool, CO 2 e espuma. A análise sensorial foi realizada pelo método de escala hedônica. O EMX e o EMP apresentaram perfil de carboidratos semelhante ao mosto de malte, mas os resultados indicaram a presença de um agente inibidor da fermentação, resultando em cervejas com menor fermentabilidade. Mostos produzidos a partir dos extratos resultaram em cervejas escuras, mas quando associados ao, em cervejas claras. As cervejas apresentaram a mesma preferência para o painel sensorial. SUMMARY The purpose of this work was to compare the physico-chemical and sensory characteristics of beer, brewed using malt, malt extract syrup (MES) and malt extract powder (MEP). The experimental work was carried out with three repetitions and six treatments: malt, MES and MEP with and without powdered brewing maltose adjunct. Lager yeast was used as the fermentative agent. The beer was analysed for apparent extract, real extract, apparent fermentability, real fermentability, ph, colour, bitterness, total acidity, alcohol, CO 2, foam, reducing sugar* and total reducing sugar*. The sensory analysis was carried out using a hedonic scale. The MES and MEP products showed carbohydrate profiles similar to those of the malt wort products, but the presence of a fermentation inhibitor was noted in both extracts, producing beers with lower fermentability. Beers obtained from the MES and MEP worts were dark, but when the adjunct was added, they became pale. The sensory acceptance of the beers was not affected by the treatments. PALAVRAS-CHAVE KEY WORDS Bebida; Fermentação; Microcervejaria; Cerveja; Pilsen / Brew; Microbrewery; Fermentation; Beer; Pilsen. Braz. J. Food Technol., v.7, n.2, p , jul./dez., Recebido / Received: 15/10/2003. Aprovado / Approved: 22/07/2004.

2 1. INTRODUÇÃO O Brasil é o quarto maior produtor mundial de cerveja, atrás dos Estados Unidos, China e Alemanha (SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE CERVEJAS, 2002). A produção brasileira, em 2001, foi de 8,4 bilhões litros (SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE CERVEJAS, 2002) e nos últimos 5 anos, o setor cervejeiro brasileiro ofereceu mais de 130 mil postos diretos e indiretos de trabalho. O consumo per capita está em 50L/ano (SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE CERVEJAS, 1999), apresentando potencial de crescimento, quando comparado com o consumo per capita de 160L/ano na República Tcheca e 140L/ano na Alemanha (REINOLD, 1997). Com a globalização da economia, as empresas buscam cada vez mais estabelecerem-se e consolidarem-se num mercado mundial de competitividade e satisfação do cliente. Um dos aspectos fundamentais na busca da competitividade é a redução dos custos das empresas, sem comprometer a qualidade de seus produtos. A introdução de novas matériasprimas é uma das formas para se reduzir custos na fabricação de cerveja. Um exemplo clássico é a substituição do milho e do arroz por xarope de maltose, que, além de reduzir custos, simplifica operações, facilita o manuseio e confere uniformidade à matéria-prima (BRADEE, 1977). A maioria das microcervejarias não tem experiência ou recursos para analisar as matérias-primas cervejeiras devido à pequena escala de operação (PAIK et al., 1991). Devido à sua uniformidade e padronização, a utilização de extrato de malte * na fabricação de cerveja preenche esta lacuna. Segundo a legislação brasileira (BRASIL, 1997), extrato de malte é o resultado da desidratação total ou parcial do mosto de malte até o estado sólido ou pastoso, devendo apresentar as propriedades do mosto de malte, quando reconstituído. Atualmente, o consumidor está disposto a conhecer produtos diferenciados com novas características sensoriais. Acredita-se que as microcervejarias estão mais adaptadas para atender essa demanda de mercado (TSCHOPE, 2001). Fabricantes de extrato de malte vendem esta matéria-prima a produtores artesanais de cerveja e a microcervejarias norteamericanas e européias, como substituto para o tradicional malte (AMERICAN BREWMASTER, 1999). O uso de xarope de malte como substituto do malte em cervejaria foi proposto por SALMANOVA et al. (1989) e por THORBURN (1991). Diferentes tipos de extratos de malte vêm sendo usados intensamente em cervejarias artesanais (HOUGH, 1985) e microcervejarias (HICKENBOTTOM, 1996), por permitirem a produção de tipos diferentes de cervejas. O extrato de malte também pode ser adicionado em cervejas, após sua filtração, com o objetivo de ajustar coloração, corpo e paladar da bebida (REINOLD, 1999). * A palavra extrato neste trabalho tem dois significados: 1º) ~de malte: quando se referir ao produto derivado do próprio malte, através de processamento industrial, o qual pode se apresentar na forma de xarope e pó. 2º) ~real; ~aparente; ~primitivo: quando se referir à quantidade de sólidos solúveis presente na matéria-prima, no mosto ou na cerveja. Extratos de malte, produzidos nas formas de xarope e pó, possuem características químicas e sensoriais equivalentes (HICKENBOTTOM, 1996). Ambas apresentações podem conter sólidos solúveis oriundos do amido de milho, arroz, aveia, trigo, painço, centeio e sorgo utilizados como s. Além disso, os extratos de malte podem ser fabricados com maltes especiais que lhes conferem características diferentes de cor, de sabor, de aroma, de atividade enzimática e de concentração de sólidos. Os extratos de malte podem ser fabricados com ou sem lúpulo (REINOLD, 1997). O presente trabalho teve como objetivo produzir cervejas com extrato de malte em pó (EMP) e na forma de xarope (EMX), e compará-las físico-química e sensorialmente com cerveja fabricada a partir de malte. 2. MATERIAL E MÉTODOS 2.1 Matérias-primas, fermento e equipamentos As matérias-primas utilizadas na produção das cervejas foram: a) água, da rede pública filtrada em carvão ativo, b) malte, do tipo Cristal, c) extrato de malte na forma de xarope (EMX), d) extrato de malte em pó (EMP), e) lúpulo na forma de extrato, f) açucarado em pó, à base maltose. Foi adotado o em pó, devido à maior facilidade de manuseio em escala-piloto, quando comparado ao xarope correspondente. Utilizou-se a levedura cervejeira de baixa fermentação Saccharomyces cerevisiae, obtida de fermentadores industriais com cerveja em processo de maturação. As cervejas foram fabricadas em planta-piloto, cujos tanques de aço inoxidável são encamisados para permitir refrigeração e possuem a capacidade nominal de 50 litros. O aquecimento da tina de mosturação e da tina de fervura de mosto é feito por resistência elétrica. A tina de filtração de mosto apresenta fundo falso perfurado sobre o qual se forma a torta de filtração composta de casca de malte. Os fermentadores apresentam a forma cilindro-cônica e são dotados de sistema de refrigeração por solução hidroalcoólica. 2.2 Planejamento experimental Na produção das cervejas, seis formulações de matérias-primas foram utilizadas: a) malte, b) malte +, c) EMX, d) EMX +, e) EMP, f) EMP +. Assim, o experimento, inteiramente casualizado, constou de seis tratamentos com três repetições, perfazendo 18 parcelas experimentais. Em cada parcela, foram produzidos aproximadamente 20 litros de cerveja pelo processo descontínuo ou batelada. Os resultados das análises físico-químicas dos mostos e das cervejas foram submetidos ao teste de Tukey em nível de 5% de probabilidade. Braz. J. Food Technol., v.7, n.2, p , jul./dez.,

3 2.3 Protocolo de fabricação das cervejas No tratamento em que se usou malte em grãos, ele foi triturado a seco em moinho de dois rolos. Posteriormente, o malte moído foi adicionado à água, sendo a mosturação conduzida pelo processo de infusão, conforme a Figura 1. Ao final da mosturação, realizou-se o teste do iodo, para confirmação da sacarificação do amido. Em seguida, o mosto foi separado do bagaço de malte através de filtração convencional sob pressão atmosférica, usando a própria torta de malte como elemento filtrante. Ao final da filtração do mosto primário, a torta foi lavada com água na temperatura de 80 C, para a obtenção do mosto misto, o qual foi fervido sob pressão atmosférica, durante 60 minutos. O lúpulo foi adicionado aos 15 minutos do início da ebulição. Após a fervura, realizou-se a retirada da borra ou trub por decantação em whirlpool. Temperatura ( C) C 30 min 1 C/min 70 C 30 min Tempo (min) 80 C 2.4 Metodologia analítica No malte em grão, no EMX, no EMP e no foram realizadas as seguintes determinações para caracterização das matérias-primas: acidez total (AMERICAN SOCIETY OF BREWING CHEMISTS, 1958), turbidez (POLLOCK, 1981), ph, cor, umidade, matéria seca, teor de extrato, odor e fermentabilidade (EUROPEAN BREWERY CONVENTION, 1987). Além dessas análises, para o malte foram determinados também a velocidade de sacarificação, a velocidade de filtração e o poder diastático (EUROPEAN BREWERY CONVENTION, 1987). No mosto foram analisados o teor de extrato ( Brix), ph, cor, fermentabilidade, amargor (EUROPEAN BREWERY CONVENTION, 1987), turbidez (POLLOCK, 1981), acidez total (AMERICAN SOCIETY OF BREWING CHEMISTS, 1958), açúcares redutores (AR) e açúcares redutores totais (ART), baseados em CECCHI (1999). Na análise de ART, a hidrólise foi feita com 10mL de HCl concentrado, em banho-maria Dubnoff, sob fervura por 2 horas. As análises realizadas nas cervejas foram: extrato aparente, extrato real, fermentabilidade aparente, fermentabilidade real, álcool, ph, cor e amargor (EUROPEAN BREWERY CONVENTION, 1987), acidez total, CO 2 (AMERICAN SOCIETY OF BREWING CHEMISTS, 1958), estabilidade de espuma (DE CLERK, 1958), turbidez (POLLOCK, 1981), AR e ART (CECCHI, 1999). A partir dos valores de AR e ART, foram calculadas as percentagens de dextrinas presentes nas cervejas, através da Equação 1. D = ( ART AR) 0,9 (1) FIGURA 1. Processo de mosturação. O mosto clarificado foi resfriado a 8 C no próprio tanque fermentador, seu teor de extrato foi corrigido para 12 Brix através da adição de água. Em seguida, o mosto foi inoculado com 1g de levedura cervejeira centrifugada (1.413G) por 100g de mosto, o que corresponde a 0,2g de levedura seca / 100g de mosto. A fermentação foi conduzida na temperatura de 10ºC e transcorreu até o valor de 1 Brix acima da atenuação-limite. A cerveja verde foi engarrafada e mantida em freezer, na temperatura de 0 C por 14 dias, para a sua maturação e carbonatação. No 15º dia, iniciaram-se as análises. Nos tratamentos em que foram usados EMP ou EMX, estas matérias-primas foram diluídas em água à temperatura ambiente. Após a diluição, o mosto foi fervido, decantado, resfriado e inoculado, conforme a descrição anterior. Quando da utilização do, este também foi diluído em água à temperatura ambiente e entrou no processo no início da fervura do mosto. A proporção de em relação ao malte, EMX e EMP foi de 1 para 1 na base do extrato. Onde: D = dextrinas (% m/v), AR = açúcares redutores presentes na cerveja (% m/v) ART = açúcares redutores totais presentes na cerveja (% m/v) 0,9 = fator de correção dextrina/glicose As matérias-primas, os mostos e as cervejas foram analisados por cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE). O cromatógrafo usado nas análises foi da marca Varian, modelo Pro Star, com detetor de índice de refração (IR) e coluna da marca Bio Rad, Aminex HPX 42A. Como fase móvel empregou-se água deionizada e filtrada em membrana da marca Millipore Teflon de 0,22µm, com fluxo de eluente de 0,6mL/minuto, à temperatura de 80ºC. 2.5 Análise sensorial A análise sensorial das cervejas foi realizada através de teste de preferência (escala hedônica estruturada), conforme MORAES (1993). O painel sensorial foi composto por 9 provadores selecionados, de ambos os sexos. A seleção dos provadores foi feita através de teste triangular (MORAES, Braz. J. Food Technol., v.7, n.2, p , jul./dez.,

4 1993) usando duas marcas comerciais de cerveja tipo Pilsen. Os testes sensoriais foram conduzidos em cabines individuais, sob luz vermelha. As amostras foram apresentadas na temperatura de geladeira, em copo transparente de vidro e contendo aproximadamente 50mL de cerveja com espuma. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1 Análises das matérias-primas As matérias-primas utilizadas neste trabalho foram analisadas físico-quimicamente (Tabela 1). O valor de ph para o malte está próximo a 5,93, citado por VENTURINI FILHO (1993) e dentro da faixa citada por REINOLD (1995), que é de 5,5 a 6,0. Não foi encontrada na literatura consultada qualquer referência para a acidez total. A umidade de 9% para o malte está acima da faixa de 4-5% citada por HOUGH (1985) para maltes de cervejas de baixa fermentação. Esse valor elevado se deve ao fato do malte ter sido estocado em câmara fria, onde adquiriu umidade, porém não interferiu negativamente em sua qualidade tecnológica, não sofrendo decomposição microbiana ou ataque de insetos. REINOLD (1997) cita que o teor médio de extrato de maltes é de 80,5%, enquanto VENTURINI FILHO (2000) cita a faixa de 75,3 a 80,0%, na base seca. Esses valores estão abaixo do encontrado para o malte usado neste trabalho. O grau de fermentabilidade aparente encontrado no malte está acima dos valores citados por HOUGH (1991), entre 73,7 e 76,7%. A faixa de valor encontrada para a velocidade de sacarificação do malte está próxima à citada por REINOLD (1997), que é de 10 a 15 minutos e o valor de poder diastático próximo a 350WK, mencionado por REINOLD (1995). Quanto à cor do malte, o valor apresentado está dentro da faixa de 6,0 a 7,5 EBC citada por REINOLD (1995), característico do malte tipo Cristal. O e o EMP apresentaram teor de umidade abaixo de 3,5% (Tabela 1), o que garantiu a sua conservação fora de ambiente refrigerado. O EMP e o EMX tiveram fermentabilidade inferior e coloração superior aos do malte (Tabela 1). Para os demais resultados da Tabela 1, pode-se afirmar que o apresentou valores baixos de acidez total, umidade, cor e turbidez em relação ao malte, ao EMP e ao EMX. TABELA 1. Composição do malte, EMP, EMX e usados na fabricação de cerveja. Análise Malte EMP EMX ph 5,76 5,34 *** 5,33 *** 4,59 *** Acidez total (g ác. Láctico / 100 ml) bu* 0,17 0,14 *** 0,14 *** 0,01 *** Teor de extrato (ºBrix) bu* 85,0 99,0 *** 79,0 *** 97,75 *** Umidade (%) 9,0 3,40 25,11 3,45 Matéria seca (%) 91,0 96,60 74,89 96,55 Fermentabilidade aparente (%) 79,29 68,27 63,82 82,5***** Fermentabilidade real (%) 64,23 55,30 51,69 66,8***** Atenuação limite (ºBrix) 3,0 3,8 4,3 2,1***** Cor (EBC) 7,4 43,9 *** 39,0 *** 0,075 *** Turbidez (NTU) 13 15,5 *** 19 *** 1,05 *** Poder diastático (WK) bs** 338,46 **** **** **** Velocidade de sacarificação (min.) **** **** **** Velocidade de filtração Normal **** **** **** Odor Normal Característico * bu = base úmida; ** bs = base seca; *** análises realizadas com solução a 10% do produto; **** análises que não se aplicam aos extratos e ao ; ***** análises realizadas com mosto a 12ºBrix. de malte Característico de malte Isento Braz. J. Food Technol., v.7, n.2, p , jul./dez.,

5 Verifica-se, na Tabela 2, que o EMP, EMX e apresentaram concentração relativa de açúcares fermentescíveis entre 77,9 e 81,3%, com predomínio da maltose cuja concentração relativa esteve acima de 50%. Portanto, os perfis mostraram-se semelhantes à composição de açúcares do mosto de malte que apresenta teor 22,2% de dextrina e 77,8% de açúcares fermentescíveis, conforme HOUGH et al. (1971). 3.2 Análises dos mostos Os valores de extrato dos mostos para os seis tratamentos apresentaram-se semelhantes (Tabela 3). Esses resultados mostraram que o protocolo de fabricação foi eficiente no controle desse parâmetro durante a produção dos mostos. Cervejas fabricadas com mostos a 12 Brix são classificadas como comum pela legislação brasileira em vigor (BRASIL, 1997). Os valores encontrados para AR e ART também não diferiram para os seis tratamentos (Tabela 3), indicando que os mostos apresentaram perfis semelhantes de açúcares, conforme mostrado na Tabela 4. No mosto de malte sem, o valor da fermentabilidade de 74,57% estava no intervalo entre 73,7 a 76,7%, citado por HOUGH (1985), enquanto os mostos produzidos com EMP e EMX sem apresentaram valores inferiores. Quando utilizado, o forneceu açúcares fermentescíveis e nãofermentescíveis (Tabela 4), como previsto por HARDWICK (1995) e POLLOCK (1979). As diferenças de fermentabilidade e atenuação-limite dos mostos nos tratamentos sem, não foram constatadas nos tratamentos que fizeram uso do (Tabela 3). Para explicar esses resultados, levantou-se a hipótese de que haveria agente inibidor nos extratos de malte. Este agente inibidor seria oriundo da caramelização parcial dos açúcares ou teria se formado a partir de precursor durante a fermentação, através do metabolismo da levedura cervejeira. Nos tratamentos com, teria havido a diluição do referido inibidor em níveis que não comprometeram a fermentação. Na caramelização parcial dos açúcares são produzidos vários compostos, tais como ácidos orgânicos, aldeídos, cetonas, etc. (BOBBIO; BOBBIO, 1995), que podem afetar negativamente a fermentação, por meio de mecanismos de inibição da atividade metabólica da levedura. TABELA 2. Perfil de açúcares das matérias-primas analisadas por CLAE. Açúcares EMP (%) EMX (%) (%) Fermentescíveis Frutose 0,5 0,6 - Glicose 9,0 9,4 1,9 Maltose 55,6 53,7 51,2 Maltotriose 12,8 14,5 28,2 Infermentescíveis Dextrinas (outros) 22,1 21,8 18,7 Total TABELA 3. Caracterização físico-química dos mostos. Malte EMP EMX Malte + Letras diferentes na mesma linha indicam diferença estatística ao nível de 5% de probabilidade pelo teste de Tukey. EMP + EMX + Extrato ( Brix) 12,1 a 12,1 a 12,0 a 12,1 a 11,8 a 12,1 a AR (% m/v) 5,78 a 5,64 a 5,64 a 5,85 a 5,68 a 5,87 a ART (% m/v) 9,83 a 10,02 a 9,69 a 11,67 a 11,01 a 11,56 a Atenuação limite ( Brix) 3,1 b 4,3 a 4,6 a 2,7 b 2,9 b 3,3 b Fermentabilidade (%) 74,57 a 64,20 b 61,27 b 77,63 a 75,20 a 72,93 a ph 5,60 a 5,36 bc 5,19 d 5,48 ab 5,20 cd 5,11 d Acidez total (% m/v) 0,17 b 0,26 a 0,24 a 0,10 c 0,10 c 0,15 b Cor (EBC) 20,0 c 44,0 a 43,3 a 12,0 d 29,0 b 24,3 bc Amargor (UA) 18 a 21 a 23 a 18 a 25 a 21 a Braz. J. Food Technol., v.7, n.2, p , jul./dez.,

6 TABELA 4. Perfil de açúcares dos mostos analisados por CLAE. Tempo de Retenção (min) Malte EMP EMX Malte + EMP + EMX + Frutose (%) 20,3-21,0 0,1 0,5 0,5-0,3 0,0 Glicose (%) 18,9-19,7 8,3 7,1 8,0 4,6 5,0 4,0 Maltose (%) 16,5-17,2 64,8 64,4 62,0 62,0 60,3 61,8 Maltotriose (%) 14,8-15,5 11,1 9,2 10,6 17,9 18,3 20,5 Dextrinas (%) 6,8-14,0 15,4 18,8 18,8 15,5 16,1 13,7 Total 99,7 100,0 99,9 100,0 100,0 100,0 Notou-se que a proporção de dextrinas nos mostos fabricados com EMP e EMX foi reduzida quando se adicionou o, conforme é mostrado na Tabela 4. Isso se deve pelo fato do possuir menor quantidade de dextrina em relação aos extratos (Tabela 2). O mesmo aconteceu para o teor de glicose nos três mostos. Por outro lado, a quantidade de maltotriose elevou-se, devido a altos teores deste carboidrato no, enquanto as proporções de maltose praticamente não se alteraram (Tabela 2). Na Tabela 4, percebese um aumento da concentração de açúcares fermentescíveis nos mostos com em relação aos demais, em função da riqueza deste em maltotriose. Os valores de ph (Tabela 3) para mostos de malte estavam dentro das faixas de 5,0 a 6,0 conforme HARDWICK (1995) e 5,0 a 5,6 de acordo com HOUGH (1985). O ph de 44 mostos produzidos com diferentes extratos de malte estava dentro do intervalo de 4,60 a 5,70 citado por PAIK et al. (1991). Este parâmetro não sofre influência direta do teor de extrato do mosto (MEILGAARD, 1978). Para os mostos produzidos com o, os valores de ph e acidez total foram semelhantes. Os mostos produzidos com EMX e EMP apresentaram-se mais ácidos, provavelmente devido à presença de ácidos orgânicos formados durante a caramelização de seus açúcares (BOBBIO; BOBBIO, 1995), o que reforçaria a hipótese da presença de um fator inibidor nesses mostos. ROSE; HARRISON (1987) citaram a ação inibidora de ácidos orgânicos (acético, cítrico, láctico, graxos, etc.) sobre Saccharomyces cerevisiae, desde que presentes na forma não dissociada. Os mostos de EMP e EMX fabricados sem apresentaram maior intensidade de cor em relação àquele produzido com malte, devido à presença de açúcares caramelizados naquelas matérias-primas. Além da caramelização, a reação de Maillard promove o desenvolvimento de cor em extratos na forma de xaropes (ANDERSON, 1995). Por outro lado, BRADEE (1977) e VENTURINI FILHO (2000) afirmam que o uso de s resulta em mostos com menor intensidade de cor, fato também observado nos três tratamentos deste trabalho, quando comparados com os mostos que não fizeram uso do (Tabela 3). Com relação ao amargor, os mostos dos seis tratamentos foram iguais entre si, indicando que a matériaprima não interferiu na extração dos compostos amargos do lúpulo. 3.3 Análises das cervejas Verifica-se na Tabela 5 que as cervejas produzidas com EMP e com EMX, ambas sem, apresentam valores de extrato aparente e real maiores que o da cerveja de malte, porém somente este tratamento se encontra dentro dos limites de 2,0 3,1 e 3,7 4,8 Brix, respectivamente, citados por COMPTON (1978). Elevados valores de extrato aparente e real, são decorrentes de fermentabilidade aparente e real reduzidas. Menores valores de fermentabilidade nas cervejas produzidas com os extratos de malte poderiam ser devidos à presença de agente inibidor nos mostos ou resultante do processo fermentativo, conforme discutidos no item 3.2. Valores de extrato real elevados podem afetar cor, corpo e espuma da cerveja (COMPTON, 1978). A presença do na formulação reduziu a concentração do agente inibidor (ou seu precursor) presente nos mostos EMX e EMP, tornando suas fermentabilidades semelhantes a do mosto de malte, com a conseqüente redução das diferenças químicas (extrato, fermentabilidade, álcool, AR e ART) entre as respectivas cervejas. Como conseqüência, a fermentabilidade aparente e real da cerveja produzida com EMX aumentou, equiparandose àquela feita com malte. Por outro lado, para as cervejas de malte e EMP, notou-se que a introdução do não afetou as suas fermentabilidades. Como resultado da menor fermentabilidade, a cerveja sem que fez uso do EMX apresentou o menor teor alcoólico. Como a fermentabilidade aparente e real das cervejas de malte e EMP não sofreram influência do, suas concentrações de álcool mantiveram-se inalteradas. Houve um acréscimo de fermentabilidade somente na cerveja produzida com EMX, aproximando seu teor alcoólico aos demais tratamentos com. Esse aumento de fermentabilidade foi responsável pela diminuição do seu teor de extrato aparente e real (Tabela 5). Todos os tratamentos ficaram dentro da faixa de 2,5 5,0 GL, citada por HARDWICK (1995). A cerveja sem fabricada com EMX apresentou maior teor de AR e ART em relação à cerveja de malte, indicando que uma parcela dos açúcares fermentescíveis do xarope não foi metabolizado pela levedura cervejeira, refletindo na menor fermentabilidade dessa cerveja. Por outro lado, não se observou diferença na concentração de dextrina (não-fermentescível) nos três tratamentos sem, o que foi confirmado pela análise cromatográfica observada na Tabela 4. Na presença do, os valores de AR e ART foram iguais para os três tratamentos. Braz. J. Food Technol., v.7, n.2, p , jul./dez.,

7 TABELA 5. Caracterização físico-química das cervejas. Malte EMP EMX Malte + EMP + EMX + Extrato aparente ( Brix) 3,0 d 4,2 ab 4,7 a 3,3 cd 4,1 ab 3,8 bc Extrato real ( Brix) 4,5 c 5,5 ab 6,0 a 4,8 c 5,5 ab 5,1 bc Álcool ( GL) 4,6 a 4,1 ab 3,8 b 4,5 a 4,1 ab 4,3 ab AR (% m/v) 0,78 c 1,08 bc 1,27 ab 1,20 ab 1,46 a 1,23 ab ART (% m/v) 3,32 b 3,67 b 4,52 a 3,82 ab 3,92 ab 4,05 ab Dextrina (% m/v) 2,54 ab 2,59 ab 3,25 a 2,62 ab 2,46 b 2,82 ab Fermentabilidade ap. (%) 75,07 a 65,43 cd 60,72 d 72,92 ab 65,62 cd 68,79 bc Fermentabilidade real (%) 62,57 a 54,41 cd 50,13 d 60,22 ab 53,73 cd 57,74 bc ph 4,54 a 4,68 a 4,71 a 3,93 c 4,22 b 4,16 b Acidez total (% m/v) 0,19 abc 0,22 ab 0,24 a 0,14 d 0,17 bcd 0,17 bcd Cor (EBC) 10,8 cd 31,7 b 41,4 a 5,6 d 13,3 cd 19,0 c Amargor (UA) 13,0 ab 17,3 a 17,3 a 12,1 b 17,0 ab 14,3 ab Estabilidade de espuma (s) 102 cd 83 d 133 ab 147 a 122 abc 119 bc CO 2 (v/v) 3,4 a 3,1 a 3,4 a 2,4 ab 1,6 b 3,0 a Letras diferentes na mesma linha indicam diferença estatística ao nível de 5% de probabilidade pelo teste de Tukey. A faixa de ph para as cervejas de baixa fermentação é de 3,8 a 4,7 conforme observado por COMPTON (1978). Nos três tratamentos sem, os valores não diferiram significativamente e permaneceram dentro desses limites (Tabela 5). O ph da cerveja depende do ph do mosto, do poder tampão e da formação de ácidos durante a fermentação (REINOLD, 1997). Houve uma tendência de queda de ph para os tratamentos com em relação aos demais, devido ao baixo poder tamponante dessa matéria-prima. A cerveja produzida com malte e apresentou ph mais baixo entre todos os tratamentos. Os resultados de acidez total para os tratamentos sem, também revelaram-se semelhantes, porém acima da faixa de 0,09 a 0,15% mencionada por COMPTON (1978), para cervejas de baixa fermentação (lager). Observou-se uma tendência de elevação na acidez total em função da maior carbonatação e da ausência de na formulação (Tabela 5). O contribuiu para a diluição da acidez total que estava associada às matérias-primas à base de malte. O ácido carbônico, resultante da reação entre o CO 2 e a H 2 O, eleva a acidez da bebida (HARDWICK, 1995), podendo ser responsável pelo aumento da acidez nas cervejas mais carbonatadas. A maioria dos ácidos presentes na cerveja já existia no mosto, porém em proporções distintas, e suas concentrações variam em função da matéria-prima, da variedade do malte e das condições de maltagem (POLLOCK, 1981). Conforme REINOLD (1997), a produção de ácidos orgânicos durante a fermentação alcoólica é responsável pela queda de ph observada entre o mosto e a cerveja (Tabelas 3 e 5). Com relação à cor, as cervejas apresentaram coloração de diferentes intensidades, sendo que a cerveja de malte com foi a mais clara e a cerveja de EMX, a mais escura (Tabela 5). Percebe-se que nos tratamentos com malte sem e com EMP sem, a cor da cerveja diminuiu em relação ao seu respectivo mosto (Tabelas 3 e 5). Isto se deve à provável eliminação de material corante na espuma durante o processo fermentativo, ação redutora da levedura sobre as moléculas oxidadas de tanino e redução dos valores de ph (DE CLERK, 1957). A intensidade de cor é variável nas cervejas (HARDWICK, 1995), sendo que as cervejas que contêm até 20 unidades EBC são classificadas como claras e aquelas que apresentam coloração acima deste valor, como escuras (BRASIL, 1997). Portanto, nos tratamentos sem, a cerveja de malte foi classificada como clara enquanto as produzidas com EMX e EMP, como escuras. Extratos de malte que foram produzidos para cervejas de baixa fermentação resultaram em cervejas muito escuras (PAIK et al., 1991). Percebeu-se uma redução de cor nas cervejas com, sendo que os três tratamentos apresentaram cores menos intensas em relação às cervejas sem, conforme previsto por VENTURINI FILHO (2000). Nos tratamentos com, todas as cervejas foram consideradas claras segundo a legislação brasileira, pois suas cores estão abaixo de limite de 20EBC (BRASIL, 1997). Os valores de amargor para as cervejas de malte, EMX e EMP, sem, estavam dentro da faixa de 10 a 23UA, conforme cita COMPTON (1978). As cervejas apresentaram menos amargor em relação aos respectivos mostos nos seis tratamentos (Tabelas 3 e 5). Cerca de 30% das substâncias amargas são eliminadas na camada superior da espuma e com a levedura, durante o processo fermentativo (REINOLD, 1997). Os valores para os três tratamentos foram iguais entre si, na presença e na ausência do. Braz. J. Food Technol., v.7, n.2, p , jul./dez.,

8 Nos tratamentos sem, o tempo de retenção da espuma foi semelhante para as cervejas de malte e de EMP; porém inferiores ao valor da cerveja de EMX. É provável que o maior teor de sólidos solúveis desta cerveja tenha contribuído para melhorar a estabilidade de sua espuma (COMPTON, 1978). Cerveja é um sistema de duas fases, no qual há grande quantidade de substâncias coloidais, como os polipeptídeos, glicoproteínas, peptídeos, polifenóis e dextrinas (HARDWICK, 1995). Estas substâncias são arrastadas juntamente com bolhas de CO 2 e formam uma espuma estável na superfície da cerveja. A adição de contribuiu para melhorar a estabilidade de espuma das cervejas de malte e EMP, mas não interferiu no tratamento EMX. Esses resultados são de difícil explicação, pois o uso de diminui a concentração dos compostos que, segundo HARDWICK (1995), estabilizam a espuma. O teor de CO 2 na cerveja fabricada com EMP e indica que houve pouca produção de gás nesse tratamento durante a maturação, mas não foi encontrada uma justificativa para esse resultado. Exceção feita a este tratamento, todos os demais apresentaram-se semelhantes, porém acima da faixa de 2,4 a 2,8 volumes, conforme COMPTON (1978). As cervejas produzidas com malte, EMP e EMX, adicionadas ou não de, apresentaram características sensoriais (cor, sabor, aroma e corpo) nitidamente diferentes. Por isso, não se realizaram testes sensoriais de diferença, mas apenas o de preferência. Apesar das nítidas diferenças sensoriais entre as cervejas, o painel de provadores atribuiu notas semelhantes de preferência para os seis tratamentos (Tabela 6). Dessa forma, as diferenças observadas nos atributos sensoriais das bebidas não interferiram na sua preferência. TABELA 6. Teste de preferência das cervejas através do método de escala hedônica. Média por provador Provador Malte EMP EMX Malte + EMP + EMX + 1 4,67 1,67 1,33 3,00 2,67 2,67 2 4,00 4,67 4,00 4,33 3,67 5,67 3 6,33 6,00 4,33 6,00 4,33 4,67 4 2,67 4,67 3,67 4,00 4,00 4,67 5 7,00 7,33 6,00 7,33 7,00 7,00 6 4,00 3,00 1,67 5,67 4,67 3,33 7 2,00 3,50 3,00 7,67 5,33 3,33 8 7,00 7,00 6,67 5,67 2,33 6,00 9 6,33 6,33 5,67 6,33 5,00 5,00 Preferência 4,89a 4,91a 4,04a 5,56a 4,33a 4,70a Letras diferentes indicam diferença estatística ao nível de 5% de probabilidade pelo teste de Tukey. 4. CONCLUSÕES As conclusões seguintes são válidas para cervejas produzidas com malte e extratos de malte na forma de xarope (EMX) e de pó (EMP), que foram mosturadas pelo processo de infusão, fermentadas (10 C) pelo processo de batelada com levedura de baixa fermentação e maturadas (0 C) no interior de garrafas: O EMP e o EMX apresentam perfis de carboidratos semelhantes ao mosto de malte, confirmando sua potencialidade como matéria-prima cervejeira; porém, os resultados indicam que essas matérias primas possuem agente inibidor do processo fermentativo. Em relação ao malte, o EMP e o EMX alteram algumas características físicas e químicas do mosto cervejeiro: a coloração, a acidez e o teor de extrato são maiores, enquanto o ph e a fermentabilidade são menores. A presença do na formulação aumenta a fermentabilidade dos mostos que fizeram uso dos extratos de malte, provavelmente em função da diminuição da concentração do agente inibidor durante o processo de fermentação. Em todos os tratamentos, o uso do acarreta diminuição da cor e da acidez dos mostos. Da mesma forma que nos mostos, as cervejas fabricadas com EMP e EMX possuem menor fermentabilidade em relação àquela fabricada com malte. As cervejas produzidas com os extratos de malte apresentam maior intensidade de cor e seriam classificadas como escuras pela legislação brasileira. O uso do EMP e do EMX não altera o ph e a acidez total das cervejas, em relação à cerveja produzida com malte. A cerveja fabricada com EMX apresenta maior estabilidade de espuma. A utilização do melhora a fermentabilidade da cerveja fabricada com EMX, mas não altera a Braz. J. Food Technol., v.7, n.2, p , jul./dez.,

9 fermentabilidade das cervejas produzidas com o EMP e da cerveja fabricada com malte. O não interfere na cor da cerveja fabricada com malte, porém, diminui a coloração das cervejas fabricadas com EMP e EMX; todas seriam classificadas como claras pela legislação brasileira. O ph é menor para as cervejas fabricadas com. O uso do EMP e o do EMX na produção de cerveja não alteram a preferência dos provadores, quando comparadas com a cerveja de malte. AGRADECIMENTOS À Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP, pelo auxílio (processo 99/ ). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMERICAN BREWMASTER. In: <http:// AMERICAN SOCIETY OF BREWING CHEMISTS. Methods of analysis of the American Society of Brewing Chemists. Madison, 1958, 209p. ANDERSON, J. Malt the essential flavour. Confectionery production, v.61, n.3, p , BOBBIO, P.A.; BOBBIO, F.O. Química do processamento de alimentos. 2.ed. São Paulo:Varela, 1995, 151p. BRADEE, L.H. s. In: BRODERICK H.M. (Dir). El cervecero en la practica: un manual para la industria cervecera. 2 ed. Lima:Graficas SUR, 1977, p BRASIL. Decreto n , de 04 de setembro de Regulamenta a Lei n , de 14 de julho de1994, que dispõe sobre a padronização, a classificação, o registro, a inspeção, a produção e a fiscalização de bebidas. Boletim IOB, v.38, p.11-30, CECCHI, H.M. Fundamentos teóricos e práticos em análises de alimentos. Campinas: Unicamp, 1999, 212p. COMPTON, J. Beer quality and taste methodology. In: BRODERICK H.M. (Dir). El cervecero en la practica: a manual for the brewing industry. 2 ed. Madison:Impressions, 1978, p DE CLERK, J. A textbook of brewing. London:Chapman & Hall, v.1, 1957, 587p. DE CLERK, J. A textbook of brewing. London:Chapman & Hall, v.2, 1958, 650p. EUROPEAN BREWERY CONVENTION. Analytica EBC. 4.ed. Zurique:Brauerei und Getränke Rundschau, 1987, 271p. HARDWICK, W.A. Handbook of brewing. New York:Marcel Dekker, 1995, 714p. HICKENBOTTOM, J.W. Processing, types and uses of barley malt extracts and syrubs. Cereal Foods World, v.41, n.10, p , HOUGH, J.S. The biotechnology of malting and brewing. Cambridge:Cambridge University Press, 1985, 159p. HOUGH, J.S.; BRIGGS, D.E.; STEVENS, R. Malting and brewing science. London: Chapman and Hall, 1971, 677p. MEILGAARD, M. Wort Composition. In: BRODERICK H.M. (Ed). The practical brewer: a manual for the brewing industry. 2 ed. Madison:Impressions, 1978, p MORAES, M.A.C. Métodos para avaliação sensorial dos alimentos. 8 ed. Campinas:UNICAMP, 1993, 93p. PAIK, J.; LOW, N.H.; INGLEDEW, W.M. Malt extract: relationship of chemical composition to fermentability. Journal of the American Society of Brewing Chemists, v.49, n.1, p.8-13, POLLOCK, J.R.A. Brewing Science. London: Academic Press, v.2, 1981, 666p. REINOLD, M. R. O processo de elaboração do mosto. São Paulo: Aden, p. REINOLD, M.R. Manual prático de cervejaria. São Paulo: Aden, 1997, 214p. REINOLD, M.R. Como otimizar o uso das matérias-primas na fabricação de cerveja. Engarrafador Moderno, v.64, p.48-50, ROSE, A. H.; HARRISON, J. S. The Yeasts. London: Academic Press, v.2, 1987, 309p. SALMANOVA, L.S.; TERESHINA, E.V.; POLYAKOVA, L.F. Syrups as substitute for sugar and malt in brewing. Pishchevaya- Promyshlennost USSR, v.5, p.55-7, SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE CERVEJAS. Mercado brasileiro de cervejas por região. In: <http:// SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE CERVEJAS. Mercado. In: <http://www.sindicerv.com.br> THORBURN W, C. Malt extracts: a fresh approach. European- Food-&-Drink-Review. v.115, p.17-18, TSCHOPE, E.C. Microcervejarias e cervejarias: a história, a arte e a tecnologia. São Paulo: Aden, 2001, 223p. Fécula de mandioca como de malte na fabricação de cerveja. Botucatu, p. Tese (Doutorado em Agronomia/Energia na Agricultura) Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista. VENTURINI FILHO, W.G. Tecnologia de cerveja. Jaboticabal: Funep, 2000, 83p. Braz. J. Food Technol., v.7, n.2, p , jul./dez.,

Produção de cerveja utilizando cevada como adjunto de malte: análises físico-química e sensorial

Produção de cerveja utilizando cevada como adjunto de malte: análises físico-química e sensorial Braz. J. Food Technol., v. 12, n. 2, p. 106-112, abr./jun. 2009 DOI: 10.4260/BJFT2009800900004 Produção de cerveja utilizando cevada como adjunto de malte: análises físico-química e sensorial Beer production

Leia mais

HIDROLISADO DE FÉCULA DE MANDIOCA COMO ADJUNTO DE MALTE NA FABRICAÇÃO DE CERVEJA: AVALIAÇÃO QUÍMICA E SENSORIAL 1

HIDROLISADO DE FÉCULA DE MANDIOCA COMO ADJUNTO DE MALTE NA FABRICAÇÃO DE CERVEJA: AVALIAÇÃO QUÍMICA E SENSORIAL 1 HIDROLISADO DE FÉCULA DE MANDIOCA COMO ADJUNTO DE MALTE NA FABRICAÇÃO DE CERVEJA: AVALIAÇÃO QUÍMICA E SENSORIAL 1 Waldemar G. VENTURINI FILHO,2,*, Marney P. CEREDA 3 RESUMO Em virtude da progressiva substituição

Leia mais

Produção de cerveja utilizando cevada e maltose de milho como adjunto de malte: análises físico-química, sensorial e isotópica

Produção de cerveja utilizando cevada e maltose de milho como adjunto de malte: análises físico-química, sensorial e isotópica Braz. J. Food Technol., v. 11, n. 4, p. 279-287, out./dez. 2008 Produção de cerveja utilizando cevada e maltose de milho como adjunto de malte: Beer production using barley and corn maltose as malt adjuncts:

Leia mais

Fabricação de Bebidas Cerveja

Fabricação de Bebidas Cerveja Fabricação de Bebidas Cerveja Processos Químicos Industriais II 01/12/2011 1 Bebidas Fermentadas & Destiladas A fabricação de bebidas fermentadas evoluiu de uma concepção artesanal para um processo contendo

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS

CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS PRINCIPAIS ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA CERVEJA MATÉRIAS-PRIMAS ÁGUA MALTE CEREAIS (ARROZ E MILHO) LÚPULO EXTRATO DE ALTA MALTOSE AÇÚCAR ADITIVOS Água - Sabor - Odor - Cor

Leia mais

Produção de cerveja artesanal com gengibre

Produção de cerveja artesanal com gengibre Produção de cerveja artesanal com gengibre Vanessa Schramm Ferreira (UTFPR) E-mail: vane_sf13@hotmail.com Pamella Karen Bernardelli Martins (UTFPR) E-mail: pam_dyamoy@hotmail.com José Luiz Ferreira da

Leia mais

A Água Cervejeira - Dragon Bier institute

A Água Cervejeira - Dragon Bier institute A Água Cervejeira - Dragon Bier institute Ação Ions Hidrogênio e Hidroxila, estão sempre presentes, e o valor ph é decorrente da relação entre esses ions. Predominância de H+, resultado ácido, baixo ph

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU PRODUÇÃO DE CERVEJA UTILIZANDO CEVADA COMO ADJUNTO DE MALTE ROBERTO ABDALLAH CURI Tese apresentada

Leia mais

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA:

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PRODUTOS DE CERVEJARIA

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PRODUTOS DE CERVEJARIA MERCOSUL/GMC/RES. N 14/01 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PRODUTOS DE CERVEJARIA TENDO EM VISTA : O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 91/93, Nº 152/96 e Nº 38/98 do Grupo

Leia mais

TECNOLOGIA DA FABRICAÇÃO DE CERVEJA

TECNOLOGIA DA FABRICAÇÃO DE CERVEJA TECNOLOGIA DA FABRICAÇÃO DE CERVEJA Gabriela Prestes 1 ; Adriana Rute Cordeiro 2 1,2 Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ponta Grossa Brasil gabriela_prestes05@hotmail.com Resumo A cerveja

Leia mais

MATÉRIAS-PRIMAS E ETAPAS DE PROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE CERVEJA. Silvane Schuh 1 ; Daiane Preci 2

MATÉRIAS-PRIMAS E ETAPAS DE PROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE CERVEJA. Silvane Schuh 1 ; Daiane Preci 2 MATÉRIAS-PRIMAS E ETAPAS DE PROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE CERVEJA Silvane Schuh 1 ; Daiane Preci 2 Palavras-Chaves: Matéria-prima, processos, qualidade. INTRODUÇÃO A cerveja é considerada uma bebida

Leia mais

de Cerveja 0 processo de maltagem é concretizado em três passos - molha, germinação e secagem. Durante

de Cerveja 0 processo de maltagem é concretizado em três passos - molha, germinação e secagem. Durante fp PRODUÇÃO Produção de Cerveja ~ 0 Processo TEXTO JOÃO PAULO MENDES {sociedade central de cervejas e bebidas) ILUSTRAÇÃO FONTE: JORNAL PÚBLICO O rei Guilherme IV da Baviera definiu em 1516, na "Reinheitsgebot"

Leia mais

Considerando a necessidade de estabelecer a identidade e a qualidade dos produtos de cervejaria destinados ao consumo humano;

Considerando a necessidade de estabelecer a identidade e a qualidade dos produtos de cervejaria destinados ao consumo humano; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2001 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, SUBSTITUTO DO MINISTÉRIO DA

Leia mais

PROCESSO DE PRODUÇÃO DA CERVEJA

PROCESSO DE PRODUÇÃO DA CERVEJA PROCESSO DE PRODUÇÃO DA CERVEJA MARTINS, Izadora F. 1 ; FUZIOKA, Pâmela U. ¹;SILVA, Alexsandro M. 2 ¹Graduandas do Curso de Farmácia do Centro Universitário São Camilo, Campus Ipiranga, São Paulo, SP.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DE SALVADOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG430 ENGENHARIA DO PRODUTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DE SALVADOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG430 ENGENHARIA DO PRODUTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DE SALVADOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG430 ENGENHARIA DO PRODUTO IVO SARAIVA CASTRO THIAGO POMBAL VITOR FERREIRA DE JESUS APLICAÇÃO DO MÉTODO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO FERMENTATIVO DE CERVEJA PILSEN PELO USO DE DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE SACCHAROMYCES CEREVISIAE

AVALIAÇÃO DO PROCESSO FERMENTATIVO DE CERVEJA PILSEN PELO USO DE DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE SACCHAROMYCES CEREVISIAE ISSN 0103-4235 ISSN 2179-4448 on line Alim. Nutr., Araraquara v. 22, n. 3, p. 351-357, jul./set. 2011 AVALIAÇÃO DO PROCESSO FERMENTATIVO DE CERVEJA PILSEN PELO USO DE DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE SACCHAROMYCES

Leia mais

Nem tudo que borbulha é ESPUMANTE.

Nem tudo que borbulha é ESPUMANTE. Nem tudo que borbulha é ESPUMANTE. Saiba qual a diferença entre o espumante e produtos substitutos. O que é um vinho espumante? O vinho espumante é resultante da fermentação da uva sã, fresca e madura,

Leia mais

Fervura e Tratamento do Mosto

Fervura e Tratamento do Mosto Fervura e Tratamento do Mosto Jornada Cervejeira Módulo Brassagem Lígia Marcondes CTS Alimentos e Bebidas Fervura do mosto Objetivos: Evaporação da água excedente Floculação proteica (trub) Transferência

Leia mais

I Encontro sobre produção, tecnologias e estudos de cervejas caseiras e industriais

I Encontro sobre produção, tecnologias e estudos de cervejas caseiras e industriais I Encontro sobre produção, tecnologias e estudos de cervejas caseiras e industriais Palestra Legislação para o Mercado Cervejeiro Eng. e Mestre Cervejeiro Evandro L. Bertollo Piracicaba, 25/04/15 Legislação

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CERVEJA COM DIFERENTES TEORES ALCOÓLICOS ATRAVÉS DE PROCESSO ARTESANAL

ELABORAÇÃO DE CERVEJA COM DIFERENTES TEORES ALCOÓLICOS ATRAVÉS DE PROCESSO ARTESANAL ISSN 0103-4235 Alim. Nutr., Araraquara v.20, n.3, p. 369-374, jul./set. 2009 ELABORAÇÃO DE CERVEJA COM DIFERENTES TEORES ALCOÓLICOS ATRAVÉS DE PROCESSO ARTESANAL Andressa Einloft da SILVA* Elisângela COLPO*

Leia mais

Descritivo Como Fazer Cerveja em Casa

Descritivo Como Fazer Cerveja em Casa O prazer de fazer cerveja em casa Descritivo Como Fazer Cerveja em Casa Kit de preparo para Cerveja Caseira da Alquimia da Cerveja Extrato de Malte & Grãos de Malte (Partial Malt) Alquimia da Cerveja A

Leia mais

Como fazer cerveja COMO FAZER 25 LITROS DE CERVEJA ALE (ALTA FERMENTAÇÃO) Malte Château Pilsen. Lúpulo Spalt Select 5,4% Ácido Alfa

Como fazer cerveja COMO FAZER 25 LITROS DE CERVEJA ALE (ALTA FERMENTAÇÃO) Malte Château Pilsen. Lúpulo Spalt Select 5,4% Ácido Alfa Início Como fazer Kit Cervejeiro 30L Kit Cervejeiro até 60L Matérias-Primas Você está em: Página inicial > Como fazer Versão para impressão Envie por e-mail Solicite informações Fale conosco Como fazer

Leia mais

Objetivo: Proporcionar ao pessoal não cervejeiro conhecimentos básicos sobre a elaboração da cerveja.

Objetivo: Proporcionar ao pessoal não cervejeiro conhecimentos básicos sobre a elaboração da cerveja. Objetivo: Proporcionar ao pessoal não cervejeiro conhecimentos básicos sobre a elaboração da cerveja. 1 Programa: História da Cerveja Matérias-primas Fabricação de mosto Fermentação/Maturação Filtração

Leia mais

FÉCULA DE BATATA COMO ADJUNTO DE MALTE NA FABRICAÇÃO DE CERVEJA PALAVRAS-CHAVES: AMIDO DE MILHO; FÉCULA DE BATATA; MOSTURAÇÃO; CERVEJA.

FÉCULA DE BATATA COMO ADJUNTO DE MALTE NA FABRICAÇÃO DE CERVEJA PALAVRAS-CHAVES: AMIDO DE MILHO; FÉCULA DE BATATA; MOSTURAÇÃO; CERVEJA. FÉCULA DE BATATA COMO ADJUNTO DE MALTE NA FABRICAÇÃO DE CERVEJA DOMÊNICA ANDRADE DE MATOS* IRATAN JORGE DOS SANTOS** JANE SELIA REIS COIMBRA*** PAULO HENRIQUE ALVES DA SILVA*** O objetivo deste trabalho

Leia mais

ANALISE DE COMPARAÇÃO PAREADA ENTRE CERVEJAS COM DIFERENTES TEORES ALCOÓLICOS (2012) 1

ANALISE DE COMPARAÇÃO PAREADA ENTRE CERVEJAS COM DIFERENTES TEORES ALCOÓLICOS (2012) 1 ANALISE DE COMPARAÇÃO PAREADA ENTRE CERVEJAS COM DIFERENTES TEORES ALCOÓLICOS (2012) 1 RIGHI DA SILVA, Raquel 2 ; HELENA RYCHECKI HECKTHEUER, luisa 3 ; BERLESE SUERTEGARAY, Aline 4 ; FLORES, Douglas 4

Leia mais

Fabricação Artesanal de Produtos Derivados do Mel

Fabricação Artesanal de Produtos Derivados do Mel Fabricação Artesanal de Produtos Derivados do Mel Samir Moura Kadri Mestrando do Curso de Pós Graduação em Zootecnia Departamento de Produção Animal Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia UNESP

Leia mais

na Gestão Sensorial nas Cervejarias Kátia Jorge

na Gestão Sensorial nas Cervejarias Kátia Jorge na Gestão Sensorial nas Cervejarias Kátia Jorge Sensorial como Ferramenta Cerveja é Cultura Cerveja é Cultura Conhecendo a Cerveja Ingredientes???? Processo de fabricação???? De onde vêm os flavours????

Leia mais

Fabricação de Cerveja - Brassagem-

Fabricação de Cerveja - Brassagem- A primeira fase do processo de fabricação de cerveja é realizada na sala de brassagem, onde se fabrica o mosto, ou seja, o líquido que depois de fermentado dará origem à cerveja. O processo de brassagem

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES

DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICO DOS REFRIGERANTES Tiago Cavalcante dos Santos Graduando em Química Industrial / DQ / CCT / UEPB Rene Pinto da Silva Graduado em Química Industrial / DQ / CCT

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE)

EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE) Jéssica

Leia mais

Cerveja de Trigo. Heffeweiss) (Heffeweiss

Cerveja de Trigo. Heffeweiss) (Heffeweiss DESCRITIVO COMO FAZER CERVEJA Cerveja de Trigo (Heffeweiss Heffeweiss) Kit de Malte em Grãos da Alquimia da Cerveja (All Grain) Este documento está descrito sobre um kit de Extrato de Malte e Grãos da

Leia mais

ACV DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DA CERVEJA

ACV DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DA CERVEJA ACV DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DA CERVEJA Michael Walter Trommer (UNIMEP ) michaeltrommer@terra.com.br Aparecido dos Reis Coutinho (UNIMEP ) arcoutin@unimep.br Resumo A busca pelo desenvolvimento sustentável

Leia mais

VARIAÇÃO DE PH E SUA INFLUENCIA NA PRODUÇÃO DE CERVEJA ARTESANAL

VARIAÇÃO DE PH E SUA INFLUENCIA NA PRODUÇÃO DE CERVEJA ARTESANAL VARIAÇÃO DE PH E SUA INFLUENCIA NA PRODUÇÃO DE CERVEJA ARTESANAL Guilherme Augusto Perim 1 ; Murilo Barbosa de Andrade 2 ; Leandro Lopes Izidio 3 ; Gimerson Weigert Subtil 4 ; Tássia Rhuna Tonial dos Santos

Leia mais

Produção de Graspa. Jean Pierre Rosier. Eng. Agr. Dr. Em Enologia

Produção de Graspa. Jean Pierre Rosier. Eng. Agr. Dr. Em Enologia Produção de Graspa Jean Pierre Rosier Eng. Agr. Dr. Em Enologia Histórico Regiões montanhosas e frias Álcool >>>> medicamentos +/- 1.400 > Norte Itália >1 a produção Consumo: Com Café ou Pura Pela manhã

Leia mais

VOCÊ QUER ABRIR UMA MICROCERVEJARIA? COMECE POR AQUI

VOCÊ QUER ABRIR UMA MICROCERVEJARIA? COMECE POR AQUI empreendendo com VOCÊ QUER ABRIR UMA MICROCERVEJARIA? COMECE POR AQUI ÍNDICE O MERCADO MUNDIAL 03 A SUA MARCA 05 ENTENDA A PRODUÇÃO 07 DISTRIBUIÇÃO 11 TERCEIRIZAÇÃO 13 INVESTIMENTO 14 EXIGÊNCIAS LEGAIS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE BEBIDAS FERMENTADAS DE CIRIGUELA E CUPUAÇU: ESTUDO CINÉTICO, ANÁLISES CROMATOGRÁFICA E SENSORIAL.

DESENVOLVIMENTO DE BEBIDAS FERMENTADAS DE CIRIGUELA E CUPUAÇU: ESTUDO CINÉTICO, ANÁLISES CROMATOGRÁFICA E SENSORIAL. DESENVOLVIMENTO DE BEBIDAS FERMENTADAS DE CIRIGUELA E CUPUAÇU: ESTUDO CINÉTICO, ANÁLISES CROMATOGRÁFICA E SENSORIAL. L.P.S. OLIVEIRA 1 ; D. C. L. A. CAMPELO 1 ; I. J.CRUZ FILHO 1 ; O. M. MARQUES 1 1 Universidade

Leia mais

Processo de Fabrico da Cerveja

Processo de Fabrico da Cerveja Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura em Engenharia Alimentar PGA Processamento Geral de Alimentos Processo de Fabrico da Cerveja Turma 2 2009/2010 Introdução Como nos foi proposto estudar o

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

Linhas gerais da fabricação do saquê

Linhas gerais da fabricação do saquê Resultados da aprendizagem Linhas gerais do conhecimento de como fazer saquê. Consulte o Capítulo 8 para detalhes das diferenças entre os tipos. Conhecimento de Koji e seu papel Conhecimento de shubo /

Leia mais

DESCRITIVO COMO FAZER CERVEJA. Stout. (All. Grain)

DESCRITIVO COMO FAZER CERVEJA. Stout. (All. Grain) DESCRITIVO COMO FAZER CERVEJA Stout (Stout Cerveja preta) Kit de Malte em Grãos da Alquimia da Cerveja (All Grain) Este documento está descrito sobre um kit de Malte em Grãos da Alquimia da Cerveja para

Leia mais

Processo produtivo da cerveja tipo Pilsen

Processo produtivo da cerveja tipo Pilsen Processo produtivo da cerveja tipo Pilsen Rayane Carla Scheffer 1 (UNESPAR/FECILCAM) rayane.scheffer@hotmail.com Edimar Nunes Dias 1 (UNESPAR/FECILCAM) dias_edimar@hotmail.com Bruno Kissik Lemes 1 (UNESPAR/FECILCAM)

Leia mais

Luiz Eduardo Cotta Monteiro (UVA) ledmontero@hotmail.com Paulo Cesar Ribas (UVA) pcribas@yahoo.com.br

Luiz Eduardo Cotta Monteiro (UVA) ledmontero@hotmail.com Paulo Cesar Ribas (UVA) pcribas@yahoo.com.br MODELO MATEMÁTICO PARA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E MAXIMIZAÇÃO DOS LUCROS EM UMA FÁBRICA DE CERVEJA: UMA TINA DE MOSTURA E MÚLTIPLOS TANQUES DE FERMENTAÇÃO E MATURAÇÃO Luiz Eduardo Cotta Monteiro (UVA) ledmontero@hotmail.com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES. Unidade Curricular: Estudo e preparação do etanol a partir da mandioca

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES. Unidade Curricular: Estudo e preparação do etanol a partir da mandioca CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES Unidade Curricular: Estudo e preparação do etanol a partir da mandioca Eniz Conceição Oliveira Miriam Ines Marchi Vanessa Paula Reginatto Maicon Toldi 1 Programa de Pós-Graduação

Leia mais

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA PROFª ERIKA LIZ

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA PROFª ERIKA LIZ FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA PROFª ERIKA LIZ Fermentação Alcoólica Etanol Aplicado como combustível verde, em industrias de alimentos, perfumes, cosméticos e como insumo da industria química; Combustível potencialmente

Leia mais

Jéssica Dias. Desenvolvimento e avaliação de uma cerveja contendo Chá Amargo como substituinte de 50% do lúpulo.

Jéssica Dias. Desenvolvimento e avaliação de uma cerveja contendo Chá Amargo como substituinte de 50% do lúpulo. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA Jéssica Dias Desenvolvimento e avaliação de uma cerveja contendo Chá Amargo como substituinte de 50% do lúpulo. Lorena- 2014 Jéssica Dias Desenvolvimento

Leia mais

Design graphic A www.marierio.com

Design graphic A www.marierio.com Design graphic A www.marierio.com LEVEDURA E FABRICAÇÃO DE CERVEJA 4 CARACTERÍSTICAS DA LEVEDURA 8 DICAS DE USO 10 GLOSSÁRIO 12 Levedura de Cerveja para fabricação caseira O segmento de fermentação caseira

Leia mais

RECUPERAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS PROVENIENTES DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE FRUTAS NA PRODUÇÃO DE ETANOL

RECUPERAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS PROVENIENTES DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE FRUTAS NA PRODUÇÃO DE ETANOL RECUPERAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS PROVENIENTES DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE FRUTAS NA PRODUÇÃO DE ETANOL Hugo Perazzini 1*, Maisa Tonon Bitti 1 1. Graduado em Engenharia Química

Leia mais

PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL

PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL Escola Secundária do Padrão da Légua (402412) Curso Profissional de Técnico de Processamento e Controlo de Qualidade Alimentar (2010 / 2011) PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL TEMA Processamento e Fabrico de

Leia mais

1) Preparando a Água:

1) Preparando a Água: Descritivo Como Fazer Cerveja Com Kit de Malte em Grã os da Alquimia da Cerveja (All grain) (Observação: Este documento está descrito sobre um kit de Extrato de Malte da Alquimia da Cerveja para fazer

Leia mais

Processos Fermentativos

Processos Fermentativos CONCEITOS Reações químicas x Reações Bioquímicas Processos químicos: Realizado entre compostos químicos usando-se catalisadores químicos. Processos Enzimáticos: Transformação química realizada por catalisadores

Leia mais

Legislação de bebidas não alcoólicas a base de uva

Legislação de bebidas não alcoólicas a base de uva Legislação de bebidas não alcoólicas a base de uva Kelly Lissandra Bruch Assessora Jurídica Instituto Brasileiro do Vinho IBRAVIN Professora da Universidade Luterana do Brasil Assessora Técnica do IRGA

Leia mais

PROCESSAMENTO DE CERVEJA SEM ÁLCOOL. Érico Pereira Marum Jorge

PROCESSAMENTO DE CERVEJA SEM ÁLCOOL. Érico Pereira Marum Jorge UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA ENGENHARIA DE ALIMENTOS PROCESSAMENTO DE CERVEJA SEM ÁLCOOL Érico Pereira Marum Jorge Orientador: Profª MSc. Maria Isabel Dantas de Siqueira

Leia mais

PRODUÇÃO DE ETANOL COM CANA CRUA ARMAZENADA NO INÍCIO DE SAFRA ETHANOL PRODUCTION BY GREEN CANE IN BEGINNING OF THE SEASON

PRODUÇÃO DE ETANOL COM CANA CRUA ARMAZENADA NO INÍCIO DE SAFRA ETHANOL PRODUCTION BY GREEN CANE IN BEGINNING OF THE SEASON PRODUÇÃO DE ETANOL COM CANA CRUA ARMAZENADA NO INÍCIO DE SAFRA ETHANOL PRODUCTION BY GREEN CANE IN BEGINNING OF THE SEASON Resumo Bruna Nayara Jorge Viola () Josiene Rocha Teixeira () Rodrigo Vezzani Franzé

Leia mais

ACASC - Associação das Microcervejarias Artesanais de SC www.acasc.com.br

ACASC - Associação das Microcervejarias Artesanais de SC www.acasc.com.br Blumenau, SC, 22 de maio de 2015. À COORDENAÇÃO GERAL DE TRIBUTAÇÃO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL (COSIT) Ref.: Regulamentação da Lei nº 13.097/2015 (Tributação das Bebidas Frias), especialmente no Conceito

Leia mais

Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor

Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor A cachaça brasileira conta agora com uma alternativa segura para aumentar sua qualidade com diminuição dos custos de produção. Depois de testar

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL LABORATÓRIO NACIONAL AGROPECUÁRIO EM GOIÁS LABORATÓRIO DE ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE BEBIDAS E VINAGRES LABV/LANAGRO-GO Endereço: Rua da Divisa, s/n Bairro: Setor Jaó CEP: 74674-025 Cidade: Goiânia Fone:

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

Centro de Tecnologia de Alimentos e Bebidas Tecnologia Cervejeira Módulo: Adjuntos cervejeiros

Centro de Tecnologia de Alimentos e Bebidas Tecnologia Cervejeira Módulo: Adjuntos cervejeiros Centro de Tecnologia de Alimentos e Bebidas Tecnologia Cervejeira Módulo: Adjuntos cervejeiros SENAI / Vassouras Adjuntos Definição: Matéria-prima que substitui parcialmente o malte de cevada como fonte

Leia mais

Aproveitamento da água de umidificação de malte da moagem úmida como matéria prima na fabricação de cerveja 1

Aproveitamento da água de umidificação de malte da moagem úmida como matéria prima na fabricação de cerveja 1 1 de 10 24/09/2014 17:36 Food Science and Technology (Campinas) On-line version ISSN 1678-457X Ciênc. Tecnol. Aliment. vol.19 n.2 Campinas May/Aug. 1999 http://dx.doi.org/10.1590/s0101-20611999000200003

Leia mais

Cervejas. 12 marcas testadas no laboratório e no copo. Aditivos nos alimentos. Cadastros de devedores O drama de ficar sem crédito

Cervejas. 12 marcas testadas no laboratório e no copo. Aditivos nos alimentos. Cadastros de devedores O drama de ficar sem crédito www.proteste.org.br Ano I Nº 4 Junho de 2002 Cervejas 12 marcas testadas no laboratório e no copo Aditivos nos alimentos Aromatizantes, edulcorantes, corantes... O que está por trás do que você come Cadastros

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL SFDK LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE PRODUTOS Nome Empresarial: SFDK LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE PRODUTOS LTDA CNPJ: 55.953.079/0001-67 Endereço: Avenida Aratãs, 754 Bairro: Moema CEP: 04081-004 Cidade: São Paulo-SP

Leia mais

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento 87 Felipe Carlos Spneski Sperotto 1, Fernando João Bispo Brandão 1, Magnun Antonio Penariol

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

Análise físico-química de uvas e mostos. José Carvalheira EVB/LQE-DLAL

Análise físico-química de uvas e mostos. José Carvalheira EVB/LQE-DLAL Análise físico-química de uvas e mostos José Carvalheira EVB/LQE-DLAL Análise físico-química de uvas e mostos Objectivo Composição em açúcares: Composição em ácidos: Maturação fenólica: Estado sanitário:

Leia mais

Treinamento Conservas de frutas 382

Treinamento Conservas de frutas 382 Para que haja boa conservação dos alimentos é importante que os produtos conservados mantenham suas qualidades nutritivas, seu aroma, sabor e que se eliminem as causas das alterações. As várias maneiras

Leia mais

MARCOS DE BARROS VALADÃO

MARCOS DE BARROS VALADÃO Ministério da Abastecimento Atualização de dados gerais: Secretaria de Defesa Agropecuária SDA LABORATÓRIO ALAC Nome Empresarial: LABORATÓRIO ALAC LTDA. CNPJ: 94.088.952/0001-52 Endereço: Rua David Sartori,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CAMPUS DE BOTUCATU PRODUÇÃO DE CERVEJA COM MEL: CARACTERÍSTICAS FÍSICO- QUÍMICAS, ENERGÉTICA E SENSORIAL LUCIANA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA AGROINDUSTRIAL E SOCIOECONOMIA RURAL Coisas que você gostaria de saber sobre a nossa bebida favorita mas estava

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

Desenvolvimento de Cerveja Artesanal com Acerola (Malpighia emarginata DC) e Abacaxi (Ananas comosus L. Merril)

Desenvolvimento de Cerveja Artesanal com Acerola (Malpighia emarginata DC) e Abacaxi (Ananas comosus L. Merril) Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável http://www.gvaa.com.br/revista/index.php/rvads ARTIGO CIENTÍFICO DOI: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v10i4.3416 Desenvolvimento de Cerveja

Leia mais

Perguntas & Respostas

Perguntas & Respostas Perguntas & Respostas Perguntas & Respostas P1 Qual é a definição jurídica de saquê no Japão? Qualquer uma das seguintes bebidas alcoólicas com teor alcoólico inferior a 22%: a. O produto filtrado da fermentação

Leia mais

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 9º ano do Ensino Fundamental/1º ano do Ensino Médio Objetivo Vivenciar conceitos importantes sobre a classificação dos diversos tipos

Leia mais

Lista sugerida de Equipamentos e Fornecedores para Produção de Cerveja Caseira

Lista sugerida de Equipamentos e Fornecedores para Produção de Cerveja Caseira Fogareiro médio cromado 12 caulings RG 35 cm 3 UNIDADE S Usados para aquecer as panelas durante a mostura, fervura e aquecimento da água para a lavagem/sparge. Balança digital balmak easy-5 5kg graduação

Leia mais

Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa

Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa Sabrina Vargas MONTEIRO¹; Maria Alice NASCIMENTO ²; Adryze Gabrielle DORÁSIO²; Sonia de Oliveira Duque PACIULLI³. 1Estudantes do Curso Superior

Leia mais

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango Lays

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Decocção. Ricardo Rosa (Palestra na Biergarten da AcervA Carioca 16 de maio de 2009)

Decocção. Ricardo Rosa (Palestra na Biergarten da AcervA Carioca 16 de maio de 2009) Decocção Ricardo Rosa (Palestra na Biergarten da AcervA Carioca 16 de maio de 9) Introdução O que é decocção? Segundo o dicionário Merriam-Webster, decocção se refere ao processo de se extrair o sabor

Leia mais

PRODUÇÃO DE CERVEJA, UTILIZANDO MÉIS DE DIFERENTES ORIGENS BOTÂNICAS COMO ADJUNTOS

PRODUÇÃO DE CERVEJA, UTILIZANDO MÉIS DE DIFERENTES ORIGENS BOTÂNICAS COMO ADJUNTOS Campus de Botucatu PRODUÇÃO DE CERVEJA, UTILIZANDO MÉIS DE DIFERENTES ORIGENS BOTÂNICAS COMO ADJUNTOS Orientado: Alexandre Rodrigues Mansano Orientador: Waldemar Gastoni Venturini Filho BOTUCATU SP Novembro

Leia mais

Sugestão de Receita American India Pale Ale

Sugestão de Receita American India Pale Ale Ingredientes 4kg de malte Pilsen 1kg de malte Munich 500g de malte Carared 200g de malte Caramunich 34 litros de água mineral 50g de lúpulo Chinook 55g de lúpulo Cascade 11,5g de levedura Fermentis US-05

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO SENSORIAL DE UM NOVO PRODUTO: BOLINHO DE BATATA RECHEADO, PRÉ FRITO E CONGELADO VANESSA RIOS DE SOUZA 1, DANIELA PEREIRA LEÃO 2 ; JOSIANE GONÇALVES BORGES 3, PAULO AUGUSTO RIBEIRO

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

SELEÇÃO DE CLONES DE ELITE DE Stevia rebaudiana (Bert.) BERTONI COM ÊNFASE NO TEOR DO REBAUDIOSÍDEO A E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE

SELEÇÃO DE CLONES DE ELITE DE Stevia rebaudiana (Bert.) BERTONI COM ÊNFASE NO TEOR DO REBAUDIOSÍDEO A E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SELEÇÃO DE CLONES DE ELITE DE Stevia rebaudiana (Bert.) BERTONI COM ÊNFASE NO TEOR DO REBAUDIOSÍDEO A E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE Thatiane Rodrigues Mota

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

INTRODUÇÃO À DIETÉTICA

INTRODUÇÃO À DIETÉTICA INTRODUÇÃO À DIETÉTICA A Dietética é a disciplina que estuda as operações a que são submetidos os alimentos após a cuidadosa seleção e as modificações que os mesmos sofrem durante os processos culinários.

Leia mais

TESTES DE ACEITABILIDADE DE LICORES DE BANANA

TESTES DE ACEITABILIDADE DE LICORES DE BANANA TESTES DE ACEITABILIDADE DE LICORES DE BANANA ACCEPTABILITY TESTS OF BANANA LIQUEURS Luciano José Quintão Teixeira 1* Afonso Mota Ramos 2, José Benício Paes Chaves 3, Paulo César Stringheta 4 RESUMO Licor

Leia mais

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA RESUMO PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA Autores: Souza, Milena C.; França, Luiz F.; Corrêa, Nádia C. F.; Gomes, Lúcia F. A.; Universidade Federal do Pará. milenacosta26@yahoo.com.temática:

Leia mais

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Ciência Alimentar e Saúde Composição de Alimentos II Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Água Potável deve ser transparente, sem cor, sem odor, livre de microorganismos patogénicos (baixo em microorganismos

Leia mais

Desencolagem / Desengomagem

Desencolagem / Desengomagem Desencolagem / Desengomagem Encolagem - 1-5 1 - Encolagem: Tem por objetivo conferir maior resistência contra abrasão, proteger as fibras e evitar que estas se projetem para fora do fio/tecido. 1.1 - Pastas

Leia mais

Estudos para otimização da produção de Etanol

Estudos para otimização da produção de Etanol 2011 Estudos para otimização da produção de Etanol Mogi Guaçu/SP ESTUDOS PARA OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ETANOL Equipe da Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro João Alexandre Bortoloti Responsável técnico

Leia mais

PROPOSTA BRASILEIRA PARA OS PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE (PIQ) DOS PRODUTOS DE CERVEJARIA NO MERCOSUL

PROPOSTA BRASILEIRA PARA OS PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE (PIQ) DOS PRODUTOS DE CERVEJARIA NO MERCOSUL Portaria em consulta pública - ( Válida até 23/03/2014) MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 8, DE 17 DE JANEIRO DE 2014 Nota: Portaria em Consulta

Leia mais

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA DESENVOLVIMENTO E ANÁLISE SENSORIAL DE LICOR COM POLPA DE CUPUAÇU LAURA DUARTE MARÇAL 1, MARÍLIA CRIVELARI DA CUNHA 2, OLGA LÚCIA MONDRAGÓN BERNAL 3, JOSÉ GUILHERME LEMBI FERREIRA ALVES 4 RESUMO: O cupuaçu

Leia mais

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014.

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. 1- Prazeres, benefícios, malefícios, lucros cercam o mundo dos refrigerantes. Recentemente, um grande fabricante nacional anunciou que havia reduzido em 13

Leia mais

Caso utilize os dados desta palestra, favor mencionar a fonte.

Caso utilize os dados desta palestra, favor mencionar a fonte. Caso utilize os dados desta palestra, favor mencionar a fonte. Leveduras Personalizadas O Futuro da Fermentação Henrique V. Amorim Agosto/2013 Áreas PRODUÇÃO DE ETANOL BEBIDAS DESTILADAS INDÚSTRIAS DO

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais

ANÁLISE SENSORIAL DA POLPA E DO SUCO DE CAJÁ OBTIDOS PELA REIDRATAÇÃO DE CAJÁ EM PÓ

ANÁLISE SENSORIAL DA POLPA E DO SUCO DE CAJÁ OBTIDOS PELA REIDRATAÇÃO DE CAJÁ EM PÓ 1 ISSN 1517-8595 ANÁLISE SENSORIAL DA POLPA E DO SUCO DE CAJÁ OBTIDOS PELA REIDRATAÇÃO DE CAJÁ EM PÓ Yvson Costa Silva 1, Mario Eduardo R.M. Cavalcanti Mata 2, Maria Elita Martins Duarte 2, Anna Sylvia

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA FLOCULAÇÃO ENTRE AMIDO CATIÔNICO E AMIDO INTERLIGADO CATIÔNICO

ESTUDO COMPARATIVO DA FLOCULAÇÃO ENTRE AMIDO CATIÔNICO E AMIDO INTERLIGADO CATIÔNICO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais