O EXCESSO DE FERRO AUMENTA A INCIDÊNCIA DE CÂNCER, DE INFARTO DO MIOCÁRDIO E DE INFECÇÕES DE REPETIÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O EXCESSO DE FERRO AUMENTA A INCIDÊNCIA DE CÂNCER, DE INFARTO DO MIOCÁRDIO E DE INFECÇÕES DE REPETIÇÃO"

Transcrição

1 1 de 7 18/10/ :40 O EXCESSO DE FERRO AUMENTA A INCIDÊNCIA DE CÂNCER, DE INFARTO DO MIOCÁRDIO E DE INFECÇÕES DE REPETIÇÃO José de Felippe Junior O ferro é considerado um dos principais minerais do organismo e desta forma os médicos de uma maneira geral preocupam-se com sua deficiência. Apesar de abundante na natureza e estar presente habitualmente na dieta ocidental em quantidade cinco vezes superior às necessidades basais, nos países pobres a ingestão de ferro é precária provocando o aparecimento de anemia ferropriva em boa parte da população. Entretanto, se por um lado a falta de ferro provoca anemia, o seu excesso aumenta a probabilidade das pessoas adquirirem vários tipos de doenças tais como: câncer, infarto do miocárdio e infecção de repetição. A falta de ferro é mais comum nas crianças e na mulher que menstrua e o seu excesso acontece nos adultos, nos idosos e na menopausa. Atualmente cresce o número de trabalhos, muito bem elaborados, que mostram evidências concretas sobre o fato de que o aumento das reservas de ferro no organismo, realmente aumenta a incidência e a gravidade das doenças isquêmicas cardiovasculares, das neoplasias malignas, de infecções, de acidente vascular cerebral, artrites e de algumas doenças neonatais. Populações com maiores reservas corporais de ferro possuem maior probabilidade de morrer mais cedo, isto é, provavelmente o ferro acelere o envelhecimento. Estamos programados para viver até os 120 anos de idade sem doenças, porem chegamos apenas aos 80 anos com vários tipos de problemas do envelhecimento e uma das explicações para esse fato pode ser o aumento das reservas de ferro com o passar da idade. O interessante disso tudo é que o encontro de uma reserva aumentada de ferro hoje, aumenta a probabilidade de ocorrer câncer ou infarto passados alguns meses ou anos, porém, mais interessante ainda é que o contrário também é verdadeiro: diminuindo-se o ferro corporal diminui-se a incidência dessas doenças. Entretanto, porque é tão freqüente encontramos reservas elevadas de ferro nos adultos e idosos? Uma das explicações reside no fato de na evolução biológica do homem, o sistema de armazenamento do ferro ter se desenvolvido em condições de carência deste metal na natureza e assim o organismo não adquiriu mecanismos eficazes de excreção do ferro. A reserva corporal de ferro é que determina a sua taxa de absorção intestinal: quanto maior a reserva, menor a absorção. A quantidade de ferro absorvido por um homem adulto gira ao redor de 2,3 mg/dia. Quando o nível de atividade física é normal cerca de 1,0 mg/dia de ferro é perdido pelo suor, urina e trato gastrointestinal, isto é, balanço do ferro é positivo, acarretando o acumulo de 1,3 mg/dia e provocando o aumento das reservas corporais de ferro com o passar dos anos. Cada 1000 Kcal da dieta ocidental habitual possui 6 mg de ferro. Se o indivíduo consome 3000 Kcal/dia, ele estará ingerindo 18 mg de ferro ou quase o dobro das suas necessidades diárias, que é de 10 mg/dia ( absorção de 1-2 mg). Enquanto menstruam as mulheres necessitam de 18 mg de ferro por dia. Nesta fase da vida elas ingeren bem menos do que 3000 Kcal e assim mantém-se com as reservas de ferro sob controle ou até em níveis baixos, podendo apresentar anemia. A quantidade de ferro no organismo está ao redor de 50 mg/kg, sendo 70% sob a forma funcional (hemoglobina, mioglobina, varia enzimas) e 30% sob a forma armazenada (ferritina e hemossiderina). Um homem adulto normal com 70 Kg possui 3500 mg de ferro, sendo 2500 mg na forma funcional e 1000 mg armazenado. Cerca de 90% do ferro funcional está na hemoglobina, 5% no compartimento intracelular fazendo parte das hemonzimas (citrocromo oxidase, peroxidases e catalases) e o restante faz parte de cofatores de vários sistemas enzimáticos. Temos ainda os 4 mg de ferro plasmático transportado pela transferrina. O ferro é armazenado como ferritina e hemossiderina, no fígado, medula óssea, baço e músculos, sendo prontamente mobilizado quando necessário, principalmente aquele ligado a ferritina. A ferritina sérica possui um valor clínico imenso, porque ela reflete a reserva corporal total do ferro e a maioria dos laboratórios de analise estão capacitados na sua dosagem. Cook, em 1974, mediu em pessoas normais, as reservas de ferro pelo método da absorção intestinal de ferro radioativo e obteve alta correlação direta entre a ferritna sérica e a reserva corporal de ferro. Neste mesmo ano, Lipschitz verificou que os valores da ferritna sérica aumentavam progressivamente com o aumento concomitante do conteúdo de hemossiderina de medula óssea. Este estudo nos mostrou que nos pacientes com inflamação, moléstia hepática, e alto turnover de hemácias ( anemia hemolítica ), os níveis de ferritina sérica estão desproporcionalmente aumentados em relação à hemossiderina da medula óssea. De fato, em 39 pacientes com inflamação (sinais clínicos com vários dias de duração acrescido de um ou mais dos seguintes elementos: VHS (Westergreen) superior à 40 mm / primeira hora, número de leucócitos superior a / ml e temperatura superior à 37.8ºC, pelo menos por 48 horas), o nível médio da ferritina sérica foi de 305 ng/ml, com variação de 10 a 1650 ng/ml. Em 37 pacientes com moléstia hepática (evidências clínicas e laboratoriais de disfunção hepática com bilirrubinas superior à 1,2 mg% e com fosfatase alcalina superior à 100 unidades King Armstrong/ml), o nível médio da ferritina foi de 509 ng/ml, com variação de 25 a 3250 ng/ml. Em 15 pacientes portadores de anemia com aumento do turnover de hemácias com ou sem aumento de reticulócitos (anemia hemólitica, anemia megaloblástica), o nível médio da ferritina foi de 419 ng/ml, com variação de 60 a 3000 ng/ml. Desta maneira, qualquer diminuição da ferritina sérica pode ser interpretada como falta de fero, porém, o seu aumento não significa necessariamente o aumento das suas reservas; precisamos primeiramente afastar a presença de inflamação, moléstia hepática e o aumento do turnover das hemácias. Outros parâmetros que se relacionam com as reservas de ferro são a porcentagem de saturação da transferrina e a capacidade plasmática total de ligação do ferro (TIBC). Quanto maior a saturação da transferrina e menor a capacidade plasmática de ligação do ferro, maiores serão as reservas corporais de ferro. Agora que sabemos que a ferritina sérica se correlaciona com as reservas de ferro do organismo, vamos discutir à respeito dos seus valores normais. Ate hoje, aplicou-se para a ferritina aquilo que se faz com outros parâmetros da bioquímica do sangue: estudos de população consideradas normais. Considerou-se normal o mais freqüente e não o mais fisiológico e assim no caso da ferritina, não foi levado em consideração a inabilidade do organismo em excretar o ferro acumulado. Vamos rever dois trabalhos: Um deles foi realizado em 326 pessoas normais com o cuidado de se excluir a presença de anemia ferropriva (hemoglobina inferior à 13,0g% no homem e 12g% na mulher, saturação da transferrina inferior à 20% e protoporfirina da hemácia superior à 100 ng/100ml). Em 174 homens, a media geométrica da ferritina sérica foi de 94 ng/ml (27 a 329 ng/ml) e em 152 mulheres a media geométrica foi de 34 ng/ml (9 à 125 ng/ml). Outro estudo, avaliou o estado do ferro em 1564 pessoas clinicamente normais em Washington, medindo a ferritina sérica, a saturação da transferrina e a protoporfirina das hemácias. Das 1564 pessoas, 146 (9,3%) apresentavam diminuição da saturação da transferrina e aumento da protoporfirina, sendo que 65 (4,2%) delas apresentavam também anemia ferropriva (diminuição de saturação da transferrina, aumento da protoporfirina, acrescido de diminuição da hemoglobina). Tais pessoas foram excluídas da analise. O quadro 1 mostra os valores de ferritina sérica das pessoas consideradas normais onde podemos ver claramente a elevação da ferritina com o aumento da idade, isto é, está ocorrendo aumento das reservas corporais de ferro com o passar dos anos. No homem os níveis de ferritina aumenta quase 3 vezes entre os 15 e os 25 anos e após tal idade os valores continuam a aumentar a uma velocidade de 1,3 ng/ml por ano. Na mulher a ferritina permanece baixa até os 45 anos e depois começa a aumentar a uma velocidade de 1,8 ng/ml por ano. Temos aqui uma população normal, que durante a sua existência, constatou-se o aumento das reservas de ferro. Esta população considerada normal, continuará repetindo aquilo que vem acontecendo nas últimas décadas, isto é, continuará morrendo ao redor dos 80 anos, com toda sorte de doenças degenerativas da idade.

2 2 de 7 18/10/ :40 Quadro 1 Ferritina Sérica em 1564 pessoas normais de Washington Ferritina Crianças Adolescentes Adultos Adulto acima ng /ml 5 11 anos anos Homem / Mulher anos Homem / Mulher de 45 anos Homem / Mulher Mediana / / / 89 Faixa / / / O que precisamos realmente conhecer, são trabalhos que relacionem as reservas corporais de ferro com as doenças degenerativas: aterosclerose e câncer. Deveríamos considerar normal o valor da ferritina, onde a incidência dessas doenças fosse menor ou mesmo inexistente. Sabemos por exemplo, que a incidência da doença isquêmica do coração aumenta drasticamente quando a ferritina sérica ultrapassa os 80 ng/ml independente do sexo e que ele é praticamente inexistente em níveis inferiores á 25 ng/ml. Vamos rever alguns desses trabalhos, que procuram relacionar as reservas de ferro com os vários tipos de doenças. CÂNCER A literatura é rica em estudos experimentais que mostram a habilidade do ferro em aumentar o número de células tumorais ou a mortalidade por neoplasia. Robertson, em 1977, verificou que injeções intramusculares de ferro dextran, aumentava a incidência de sarcoma nos locais da injeção. Hoffbrand em 1976 e Fernandez em 1977 mostraram que os quelantes do ferro bloqueavam a mitose, na transição da fase G1 para a fase S, tanto in vivo como in vitro. Os quelantes testados foram: deferroxamina, ácido picolínico, tiosemicarbasonas e hidroxamatos. Em 1979, Stich mostrou que o ferro na presença de ascorbato, aumenta o número de lesões dos cromossomas e subseqüentemente aumenta o número de células neoplásicas, implicando o ferro no fenômeno da iniciação do câncer. Em 1985, Bergeron suplementou com ferro, camundongos injetados previamente com células L Quando a suplementação era de 24 ng/kg havia aumento do número de células tumorais, e quando a suplementação era de 250 ng/kg ocorria também um aumento evidente da mortalidade provocada pelo tumor. As doses menores de ferro encurtavam a sobrevida, porém, as doses maiores encurtavam mais ainda e os camundongos morriam 25% mais rapidamente. É muito interessante sabermos que as moléstias que induzem aumento das reservas de ferro estão freqüentemente associadas com o aumento da incidência de neoplasias malignas e o melhor exemplo é a hemocromatose idiopática onde a principal causa de morte é o câncer. Por outro lado, cada vez mais surgem trabalhos populacionais relacionandoo as reservas de ferro do organismo com o subseqüente risco de aquisição de vários tipos de neoplasias malignas. Já na década de 80, Burrows e Rosemberg alertavam para o perigo das transfusões de sangue no pós-operatório de cirurgias de extirpação de tumores malignos. Os autores verificaram aumento da incidência de recorrência ou de metástases nos pacientes que recebiam sangue no per operatório. Uma transfusão de 500 ml de sangue, possui 200 mg de ferro e aumenta em 60 ng/ml a ferritina sérica. Stevens, em estudo prospectivo envolvendo homens chineses, mostrou que a ferritina dosada de 3 à 79 meses antes, era 20% maior nos 192 homens que subseqüentemente morreram de câncer. O risco de morrer de câncer era 3 vezes maior nas pessoas com ferritina superior à 200 ng/ml quando comparada com as pessoas que apresentavam ferritina de 20 ng/ml. Os tipos de neoplasias, mais freqüentemente encontradas foram: carcinoma hepato celular, câncer de pulmão, estômago, boca, faringe, cólon, etc. Todos esses dados eram mais consistentes nas pessoas com idade superior à 50 anos. Neste estudo, nas 192 pessoas que morreram de câncer, encontrou-se também baixos níveis de hemoglobina e de albumina. Outro estudo, também prospectivo, agora nos EUA e envolvendo pessoas, mostrou que entre os 242 homens que subseqüentemente desenvolveram neoplasia maligna, a capacidade total de ligação do ferro (TIBC) foi significantemente menor e a saturação de transferrina maior do que os controles sem neoplasia, mostrando que o aumento das reservas de ferro se associou com o aumento do risco de desenvolver câncer. Os tipos de neoplasias mais freqüentemente encontrados foram: próstata, pulmão, cólon, esôfago e bexiga. Neste trabalho, de modo semelhante ao anterior, os níveis de ferritina foram significativamente maiores no inicio das observações. Selby, em 1988, também mostrou que altas reservas de ferro no organismo, aumenta a probabilidade das pessoas adquirirem câncer de pulmão e muito importante, a diminuição dessas reservas reduz significantemente o risco de contrair este tipo de neoplasia. INFECÇÕES Vejamos agora a relação do ferro com as infecções. Sabe-se há muito tempo que o hospedeiro coloca em ação mecanismo de emergência para conter o ferro quando ele é invadido por microorganismos patogênicos ou células neoplásicas: diminuí o ferro sérico e diminuía a absorção intestinal do ferro. Alguns trabalhos experimentais nos ajudam a compreender as razões desta verdadeira contenção de ferro. O crescimento de Cândida albicans no soro de camundongos, previamente injetados com endotoxina é somente 0,4% daquele observado nos controles. A adição de 10 micromoles de ferro ao soro, suprime complementamente o efeito anti micótico induzido pela endotoxina. A indução de hipoferremia em cobaias pela injeção de endotoxina de E. coli ou extrato de parede celular de Mycobacterium tuberculosis ou pelo BCG, mostrou que o soro das cobaias ganhavam atividade bacteriostática na proporção direta à perda do ferro. Esta atividade bacteriostática era perdida quando se restaurava a concentração de ferro ao normal. As reservas no organismo, devem permanecer dentro de limites estreitos, pois se por um lado a sua queda provoca diminuição da imunidade celular e humoral com o conseqüente aumento da incidência e da gravidade das infecções, por outro, o seu aumento provoca os mesmos efeitos por outros mecanismos.

3 3 de 7 18/10/ :40 Em 460 pessoas de uma tribo de nômades do Quênia, um grupo se alimentava basicamente com leite e outro com leite e peixe, sendo a única diferença entre os dois uma menor quantidade de ferro naqueles que apenas consumiam leite. Verificou-se que o grupo com maior quantidade de ferro no sangue (considerado normal pelas tabelas de normalidade atuais), apresentava maior número de episódios de febre e aumento da incidência de malária, brucelose, moluscum contagiosum, verruga comum e episódios de diarréia. Em crianças com Kwashiokor, aquelas com maiores níveis de ferritina é que morreram de infecção, e as crianças com infecções crônicas que recebem suplementos de ferro, pioram das infecções já existentes. Uma dieta hospitalar rica em ferro aumenta a probabilidade de desnutridos apresentarem reativação de tuberculose, brucelose e malária. Em 137 nômades da Somália, deficientes em ferro, verificou-se que o grupo que recebeu suplementação (900 mg de sulfato ferroso por 30 dias) apresentou 36 episódios de infecção comparado com apenas 6 episódios no grupo placebo que não recebeu ferro. Houve infecções agudas de diversas naturezas e reativação de tuberculose e malária latentes, que somente se tornaram clinicamente diagnosticáveis após os nômades deficientes em ferro, terem alcançado os níveis considerados atualmente normais em ferro. Este é mais um dos trabalhos mostrando a necessidade de revisão do conceito de normalidade do estado do ferro no organismo. Na mesma linha de trabalhos, verificou-se em componentes de uma tribo zulu, que a amebíase era de maior gravidade nas pessoas que ingeriam maior quantidade de ferro na alimentação. MORTALIDADE Trabalho muito relevante sobre ferro, infecção e mortalidade foi elaborado por Stevens, nas ilhas de Solomon em Durante um período de 8 a 12 anos ele estudou 105 pares de pessoas, semelhantes quanto à idade, sexo, subpopulação e sorologia para hepatite B e verificou que faleciam mais cedo as pessoas com níveis de ferritina mais elevados. Em outras palavras, a ferritina sérica das pessoas que faleceram neste período, era 20% maior quando comparada com a ferritina das pessoas que permaneciam vivas, do mesmo sexo, idade e subpopulação. O aumento de mortalidade era mais evidente nos portadores de hepatite tipo B. Este foi o primeiro trabalho que conseguimos levantar na literatura capaz de mostrar a relação entre o aumento das reservas corporais de ferro com o aumento da mortalidade. Neste mesmo ano, Casale na Itália, constatava que a mortalidade de 332 pessoas doadoras de sangue, com idade entre 50 e 70 anos era de apenas 33%, enquanto que a mortalidade de 339 controles, de mesma idade, sexo e subpopulação, porém, não doadora de sangue, atingia a cifra dos 60%. O autor constatou também uma correlação linear direta entre idade alcançada e a quantidade de sangue doado. É bem conhecido o papel da hipertensão arterial na diminuição da sobrevida média de uma população hipertensa, pois bem, foi muito interessante a observação de Zydek em 1985: 10% de redução da pressão sistólica, duas semanas após doação de sangue realizada em 15 hipertensos essenciais, resistentes ao tratamento habitual. É muito importante sabermos que a população mais idosa não apresenta maior incidência de reações ao doar sangue quando comparada com as populações mais jovens e segundo Pindyck não se pode aceitar que após os 65 anos se recuse o indivíduo com um doador em potencial. Em nosso País as pessoas com idade superior a 60 anos são proibidas de doar sangue ATEROSCLEROSE Vejamos agora a relação do ferro com as doenças isquêmicas do coração. Em 1992, Salonen, pesquisador finlandês, demonstrou claramente pela primeira vez a correlação inequívoca entre o aumento da ferritina sérica e o aumento da incidência do infarto do miocárdio. Foram selecionados 1931 homens com idade variando de 42 a 60 anos, sem sintomas de doença coronariana. Em 3 anos de estudo prospectivo, 51 deles apresentaram infarto do miocárdio e esta casuística foi comparada com um grupo controle ajustado para: idade, fumo, pressão sistólica, glicemia, número de leucócitos, triglicérides, LDL, apoliproteína B, cobre sérico e teste ergométrico. Constatou-se que os homens com ferritina igual ou superior à 200 ng/ml se encontravam em risco 2,2 vezes maior de apresentarem infarto do miocárdio, quando comparados aos controles com ferritina menor que 200 ng/ml. Esta correlação foi mais forte quando ao lado da ferritina superior à 200 ng/ml se encontrava a LDL superior à 193 mg%. Nestas condições, o risco de infarto era 4,7 vezes maior. Entretanto, somente 14 infartos apresentavam LDL superior à 193 mg%, nos 37 restantes ele era de menor valor. Colocando-se os valores da ferritina em termos de curva dose/resposta, verificou-se que incrementos de 1% na ferritina sérica, a partir de 80 ng/ml, associa-se à 2,4% de aumento do risco ajustado do indivíduo apresentar infarto do miocárdio. Muito interessante foi o encontro de correlação positiva significante entre o aumento da ferritina com o aumento da glicemia, ou aumento dos triglicérides, ou aumento da apoliproteína B, ou aumento da pressão sistólica, mostrando a relação entre o aumento das reservas de ferro e a\ alteração de outros sistemas do organismo. Observou-se ainda correlação inversa da ferritina com o HDL colesterol e com o consumo de oxigênio no pico do exercício, isto é, quando maior a ferritina, menor o HDL colesterol e o consumo de oxigênio no pico do exercício. Não houve correlação da ferritina com os níveis de hemoglobina ou hematócrito. O aumento da ingestão de ferro também associou-se ao aumento da incidência de infarto. Todos esses dados nos levam a concluir que o aumento das reservas de ferro, avaliada pela ferritina sérica, deve ser considerada como mais um fator de risco independente de infarto do miocárdio. Trabalhos experimentais já haviam mostrado que o ferro aumenta a susceptibilidade do coração de ratos à lesão por isquemia reperfusão, via produção de radicais livres de oxigênio; que o aumento da ferritina no soro se correlaciona com o aumento da peroxidação da LDL (a LDL peroxidada é captada mais facilmente pelos macrófagos do endotélio formando os ateromas); e que os agentes quelantes de ferro, diminuem a lesão por isquemia reperfusão e também diminuem a peroxidação lipídica, por induzirem menor geração de radicais hidroxila. Não é de hoje que os autores procuram correlacionar o ferro com as doenças cardiovasculares. No estudo de Framinghan, envolvendo 2873 mulheres observadas durante 24 anos, constatou-se aumento da incidência e da gravidade das doenças isquêmicas cardiovasculares, naquelas que apresentaram menopausa natural ou cirúrgica. Estes dados foram validos em todas faixas etárias, e nas menopausas cirúrgicas eles continuavam válidos quando se removiam ou não os ovários, sugerindo que a proteção contra doença cardiovascular era perdida após a histerectomia, apesar de se manter a produção de estrógenos pelos ovários. A menor incidência de moléstia isquêmica do coração na mulher na pré menopausa, se correlaciona com o menor conteúdo de ferro corporal, resultante da menstruação. Após a menopausa, a mulher começa gradativamente a acumular ferro e o risco de angina pectoris e infarto também aumenta gradativamente até alcançar os níveis verificados no homem. É interessante ressaltar que até atingir a menopausa, a mulher heterozigota para hipercolesteromia familial, possui menor incidência de infarto que os homens heterozigotos, apesar do colesterol elevado em ambos os sexos. Chegada a menopausa o risco se iguala, provavelmente pelo aumento das reservas de ferro. Outro fato interessante é que no homem a incidência de moléstia isquêmica aumenta com a idade e como já vimos a sua reserva corporal de ferro também aumenta com a idade. É curioso notar que o risco de moléstia cardíaca no homem é 4 vezes maior do que na mulher na faixa dos 18 aos 48 anos e pelo estudo de Washington a razão entre os valores da ferritina entre homens e mulheres desta mesma faixa etária é também de aproximadamente 4 vezes (95/25). Digno de ressaltar é que vários estudos mostram um aumento drástico da incidência de doenças cardíacas, independentemente do sexo, quando a ferritina ultrapassa os 80 ng/ml. Quando os níveis de ferritna estão em torno de 25 ng/ml, tanto as doenças cardiovasculares como as neoplasias malignas são encontradas em freqüência muito baixas. A reserva corporal de ferro na forma de ferritina não é essencial à fisiologia humana normal, ela é sim um poderoso promotor de lesão tissular. O estado normal do ferro seria a ausência de

4 4 de 7 18/10/ :40 reserva, sem anemia: ferritina sérica entre 10 e 25 ng/ml, com hemoglobina superior à 13 g% no homem e superior à 12 g% na mulher. O quadro 2 mostra os valores do estado do ferro no organismo de acordo com as tabelas vigentes, considerando-se como normal o mais freqüente, e de acordo com os conhecimentos atuais, considerando-se como normal o mais fisiológico Já vimos que a ferritina aumenta com o passar dos anos e que este aumento está relacionado com a maior incidência de infarto do miocárdio, neoplasias malignas, infecções e da própria mortalidade. Quadro 2 Estado do ferro no organismo de acordo com os conhecimentos atuais, considerando-se como normal o mais fisiológico, e os valores das tabelas vigentes onde se considera como normal o mais freqüente. Diminuição das reservas de ferro Valores Normais (mais freqüente) Parâmetro Valores Normais (mais fisiológico) Aumento das reservas de ferro < 10 H: M: Ferritina (nanograma/ml) > 25 > Capacidade total de ligação do ferro No plasma (TIBC) (microgramas %) < 200 < Transferrina (mg%) < Saturação da Transferrina (%) < 50 H: M: Ferro Sérico (microgramas %) NOTA: Aumento da ferritina, faz diagnóstico de aumento das reservas de ferro, na ausência de: inflamação, infecção, moléstia hepática e aumento do turnover de hemácias. Dois parâmetros de diminuição das reservas de ferro faz diagnóstico de deficiência de ferro. Deficiência de ferro com hemoglobina inferior à 13% no homem e 12% na mulher, faz diagnóstico de anemia ferropriva. H = homem M = mulher Vimos também que a diminuição das reservas de ferro faz reduzir a incidência do infarto, câncer e infecções, e ainda diminuir o índice de mortalidade, como verificado nos doadores de sangue de Lombardi. Agora devemos responder à pergunta por que trabalhos tão importantes ficaram esquecidos da comunidade cientifica por tanto tempo? Uma tentativa de resposta: É muito difícil considerar um nutriente tão importante como o ferro, que participa de tantas reações vitais, do transporte de oxigênio na hemoglobina e no transporte de elétrons na mitocôndria, como um elemento prejudicial. A luz chegou com a descoberta dos radicais livres de oxigênio, quando mostrou-se que o ferro é um dos principais metais de transição que catalisa a produção dos radicais hidroxila, um dos radicais livres mais tóxicos do organismo. Através da reação do Fenton o ferro aumenta a geração dos radicais hidroxila, os quais peroxidam a LDL, aceleram o desenvolvimento das placas de ateroma e obstruem as coronárias, aumentando a incidência e a gravidade da angina pectoris e do infarto do miocárdio. Se a artéria atingida for a carótida teremos o acidente vascular cerebral, e assim por diante. A produção de radicais hidroxila na intimidade do cromossomo, altera a molécula do DNA e dependendo da eficácia do sistema de reparo, podemos ter o desencadeamento do fenômeno da iniciação do câncer. Por outro lado, sabe-se que o próprio elemento (ferro) funciona como nutriente essencial e limitante para a célula cancerosa. A célula cancerosa adora o ferro. O excesso de radicais livres altera o funcionamento do sistema imunológico provocando diminuição da imunidade celular e humoral e desta forma aumenta a incidência e a gravidade das infecções. O ferro de modo análogo ao que acontece nas células neoplásicas, funciona como nutriente essencial para os microorganismos patogênicos. Desta forma, através da geração de radicais livres de oxigênio, explica-se grande parte dos efeitos do acumulo de ferro no organismo, entretanto, para promover a formação de radicais livres, o ferro deve ser liberado da ferritina e das hemeproteínas. O quadro 3 mostra alguns dos fatores que liberam o ferro da ferritina. Muito importante para nós clínicos, do ponto de vista pratico, é que cada vez mais cresce o número de trabalhos mostrando que a diminuição das reservas corporais de ferro in vivo, associa-se com a diminuição das lesões provocadas pelos radicais livres em vários tecidos e órgãos, abrindo portanto um novo campo para agirmos na prevenção de vários tipos de doenças a deficiência de ferro, diminui inflamação agudas e crônicas, incluindo a artrite reumatóide. A deficiência de ferro, diminui a fibrose pulmonar induzida pela bleomicina. A depleção de ferro ou a sua quelação, reduz o edema cerebral na isquemia / reperfusão. A depleção de ferro: aumenta a defesa antioxidante in vivo inibe a peroxidação lipídica diminui a lesão do coração submetido a isquemia / reperfusão. diminui área de infarto do coração diminui a incidência e a gravidade de arritmias cardíacas

5 5 de 7 18/10/ :40 diminui a incidência de insuficiência cardíaca Chegou agora o momento de verificarmos quais são as estratégias que podemos empregar para diminuir as reservas corporais de ferro. Quadro 3 Fatores que aumentam a liberação do ferro da ferritina: Radical hidroxila Radical superóxido Xantina oxidase Álcool Isquemia regional Isquemia global Pós parada cardíaca Pós isquemia: Miocárdio Renal Intestinal Aumento dos substratos da xantina oxidase: Adenosina Inosina Xantina Métodos para diminuir as reservas de ferro A taxa de absorção do ferro é influenciada pela forma e concentração do metal na dieta e pela composição da refeição na qual ele é consumido. O ferro na dieta está presente, metade como ferro heme e metade como não heme. O ferro heme é de origem animal e de alta disponibilidade, sendo a taxa de absorção de 10 a 20%. O ferro não heme é de origem vegetal e de baixa disponibilidade, sendo a sua taxa de absorção de apenas 1 a 5%. Os fatores que facilitam ou reduzem a absorção intestinal do ferro são mostrados no quadro 4. Quadro 4 Fatores que afetam a biodisponibilidade do ferro Facilitam a absorção Carne de vaca Carne de frango Peixe Laranja Limão Ácido ascórbico Ácidos: Cítricos Málico Succinico Lático Cisteína Reduzem a absorção chá mate café gema de ovo leite e derivados cálcio em grandes doses fosfatos proteínas da soja cereais vegetais fibras antiácidos Quando se acrescenta qualquer de carne (vaca, frango, peixe, porco, carneiro) à uma refeição vegetariana, aumenta-se a absorção do ferro não heme e acredita-se que o responsável por esse efeito seja a cisteína presente na carne. Proteínas de origem animal, tais como as do ovo, do leite, do queijo e proteínas vegetais, tal como as da soja, provocam efeito contrario, isto é, diminuem a absorção do ferro. Os fitatos, os polifenois e as fibras constituintes dos cereais reduzem a absorção do ferro presente nestes tipos de alimentos. É importante sabermos que a ingestão de um copo de leite ou de suco de laranja aumenta a absorção do ferro em 2,5 vezes. O ácido ascórbico, potente agente redutor, transforma o ferro férrico em ferroso, uma forma de mais fácil absorção. De valor prático e enorme é sabermos que o chá mate reduz em 70% à absorção do ferro e o café em 30%, se ingeridos até uma hora após uma refeição de carne. Assim durante um churrasco, devermos evitar matar a nossa sede com laranjada ou limonada e após a liberação carnal é conveniente a ingestão de café, chá ou chimarrão. Lembrar dos nossos irmãos gaúchos. Outro fator importante no balanço do ferro é o exercício físico. Quando a atividade física é normal perdemos pelo trato gastrointestinal, suor e urina, cerca de 1.0 mg de ferro ao dia. Se corremos longas distâncias podemos perder 2,3 mg de ferro ao dia e assim conseguimos zerar o balanço diário do ferro. Nestas condições acumularemos 1,3 mg de ferro ao dia e aumentamos as nossas reservas corporais do metal com o passar do tempo. Se BALANÇO aumentarmos DO FERROa nossa atividade física podemos perder esses 1,3 mg / dia e zerar o balanço. A doação de 500 ml de sangue 3 vezes ao ano faz perder 200 mg de ferro em cada doação, isto é, 600 mg ao ano ou 1,5 mg ao dia, e também conseguirá manter o balanço de ferro, zerado. A doação de sangue é uma das maneiras mais altruístas de se manter saudável.

6 6 de 7 18/10/ :40 Outra maneira de diminuirmos as reservas de ferro, é empregando substancias que aumentam a sua excreção urinaria. O quadro 5 mostra a eficácia de algumas dessas estratégias. Felippe Jr. administrou ferrum metalicum CH30, a 10 pacientes, na dose de 5 gotas sublingual ao dia, durante 3 dias. Observou aumento da excreção urinaria do ferro de 24 horas de 0,19 mg +- 0,1 mg para 0,5 mg +- 0,1 mg, o que equivale à um aumento de 140% na excreção urinaria do elemento. Em 3 à 6 meses de tratamento observamos também queda dos níveis da ferritina sérica. Este é um método simples, não dispendioso e livre de efeitos colaterais. Como a sua eficácia é menor que a dos outros métodos, o método "homeopático" é indicado para as pessoas saudáveis que apresentam ferritina elevada, isto é, presta-se muito bem na prevenção das doenças que acabamos de estudar. O uso de diluições infinitesimais, para aumentar a excreção urinaria de vários tipos de metais, encontra respaldo em vários trabalhos experimentais da literatura francesa. O EDTA na dose de 1,5 g administrado intravenosamente a 50 pacientes, aumentou a excreção urinaria do ferro de 0,42 mg +- 0,05 para 1,75 mg +- 0,18, isto é, provocou aumento de 320% na excreção do metal. Este método provoca queda mais rápida da ferritina sérica, é livre de efeitos colaterais quando administrado com a técnica adequada, sendo usado nos casos onde se quer efeitos mais rápidos. A deferroxamina aumenta drasticamente a excreção renal de ferro, porém os efeitos colaterais não permitem o seu emprego de rotina na prática médica. Atualmente, estão em desenvolvimento vários tipos de substancias que aumentam a excreção renal de ferro, sem contudo apresentar os efeitos colaterais da deferroxamina. Uma delas é a hidroxipiridinona ( substância L1) que aumenta a excreção urinaria de ferro para níveis de 16 a 53 mg / dia. Uma maneira eficaz e muito bondosa de se livrar do ferro é pela doação de sangue: 500 ml fazem perder 200 mg de ferro. Vale lembrar que a doação de pessoas com idade superior à 65 anos e isenta de perigo, quando se leva em consideração somente a idade. Resumindo, tomando-se cuidado com a nutrição e com a atividade física, podemos evitar o aumento gradativo das reservas de ferro com o passar da idade, e com as outras medidas aqui discutidas, podemos diminuir estas reservas e assim estaremos investindo na saúde, estaremos diminuindo a probabilidade da população adquirir câncer, infarto do miocárdio e infecção de repetição. Estaremos estabilizando cromossomos e trilhando um dos caminhos que nos levará aos 120 anos sem doenças Quadro 5 Eficácia de alguns métodos de retirada de ferro do organismo Procedimento Controle Ferrum metalicum CH30 EDTA ( 1,5 g) Deferroxamina Hidroxipiridinona Excreção Renal Ferro/24 horas 0,1 mg 0,5 mg 1,75 mg mg mg Nota: Doação de 500 ml de sangue equivale à perda de 200 mg de ferro. Conclusão: Inúmeros trabalhos nos mostram mais um caminho no sentido da prevenção das doenças degenerativas da idade. Aprendemos com eles que o aumento das reservas corporais de ferro, via geração de radicais hidroxila, aumentam a incidência e a gravidade das neoplasias malignas, do infarto do miocárdio, das infecções e também aumentam a mortalidade. Mais importante ainda, podemos diminuir tanto a incidência como a gravidade dessas doenças se mantivermos as reservas de ferro, não em níveis considerados normais pelas tabelas vigentes e sim em valores onde tais patologias possuam um risco muito pequeno de se desenvolverem. Tais valores, para a ferritina sérica, a qual reflete a reserva corporal total de ferro do organismo, gira em torno dos 25 ng / ml. Tenhamos sempre em nossas mentes que a reserva corporal total de ferro não é essencial para a vida ou para prevenir anemia, ela é sim uma poderosa promotora da lesão celular. A ferritina sérica deve ser mantida dentro de limites estreitos e seguros, possivelmente entre: 10 ng/ml e 25 ng/ml, o que se constitui em uma importante estratégia de estabilização de genes Referências Bibliográficas Bergeron RJ, et al: Influence of iron on in vivo proliferation and lethality of L 1210 cells. J. Nutr. 115: , Casale, G: Does blood donation prolong life expectancy? Vox Sang 45: , Cook J D, et al: Serum ferritin as a measure of iron stores in normal subjects. Am. J. Clin. Nutr. 27: , Cook J D, et al: Evolution of the iron status of a population. Blood 48(3): , FELIPPE Jr. J.: Radicais livres como mecanismo intermediário de moléstia em Pronto Socorro: Fisiopatologia Diagnóstico, Tratamento. Ed. Guanabara Koogan , Felipe Jr. J.: O que é medicina biomolecular. Revista da MBRL 1(1): 6-8, Lauffer, RB. Iron depletion and coronary disease Am. Heart J 119(6) 1448, Lemer, A and Ianbu, T.C: Advances in understanding the biovailability and absorption of iron. Gastrointest. Res 14: , Lipschitz D A. Cook JD and Finnch C.A,: A clinical evaluation of serum ferritin as an index of iron stores. N. Engl, J. Med 290: , Murray M J et al: An ecological interpendence of diet and disease? A study of infection in one tribe consuming two different diets.

7 7 de 7 18/10/ :40 Am. J. Clin. Nutr. 33: , Prindyck J et al: Blood donation by the elderly. Clinical and policy considerations. JAMA 257: , Rossander, C et al: Absorption of iron from breakfast meals. Am J. Clin. Nutr. 32: , Salomen J. T et al: High stored iron levels are associated with excess risk of myocardial infartion in Eastern Finnish men. Circulation 86: , Selby J U and Friedman G D: Epidemiologic evidence of an association between body iron store and risk of cancer. Int. J. Cancer 41: , Sullivan J. L: Iron and the sex difference in heart disease risk. Lancet 1: , Sullivan J. L: Stored iron and ischemic heart disease. Empirical support for a new paradign. Circulation 86: , Stervens R. G et al: Iron binding proteins, hepatitis B virus and mortality in the Solomon Islands Am. J. Epidemiology 18(4): , Stevens R. G et al: Iron biding proteins and risk of cancer in Taiwan. JNCI 76: , Stevens R. G ET AL: body iron stores and the risk of cancer. N. Engl. J. Med 319: , Stevens R. G. and Kalkawarf DR: Iron, radiation and cancer. Environmental Health Perspectives 87: , Weinberg ED: Iron Witlholding: a defense against infection and neoplasia. Physological Reviws 64 (1): , Wurmser L: Influence des doses infinitesimals sur la cinétique des Eliminations. Rev Homeopathie Françoise 72 (3 4): , Prof. Dr. José de Felippe Junior

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS CINÉTICA DO FERRO Danni Wanderson Introdução A importância do ferro em nosso organismo está ligado desde as funções imune, até as inúmeras funções fisiológicas, como

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 Introdução O cérebro humano representa apenas 2% do nosso peso total, mas usa aproximadamente 20% do oxigênio consumido por todo nosso corpo quando está em repouso. Ele é um órgão complexo que

Leia mais

ESTADO D O AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MAN AUS GABINETE VEREADOR JUNIOR RIBEIRO

ESTADO D O AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MAN AUS GABINETE VEREADOR JUNIOR RIBEIRO PROJETO DE LEI Nº. 253 / 2014 Dispõe sobre a obrigatoriedade do uso de equipamentos de Ionização de água potável em Unidades de Tratamento de doenças degenerativas da Rede Pública Municipal e de Organizações

Leia mais

Alimentação na Gestação

Alimentação na Gestação ESPAÇO VIDA Nut. Fabiane Galhardo Unimed Pelotas 2012 Alimentação na Gestação 1 GESTAÇÃO PERÍODO MÁGICO DE INTENSA TRANSIÇÃO, ONDE A NATUREZA MODIFICA O CORPO E A MENTE PARA TRANSFORMAR MULHER EM MÃE A

Leia mais

Pode ser velhice ou carência de B12

Pode ser velhice ou carência de B12 Por Jane E. Brodyre, The New York Times News Service/Syndicate Pode ser velhice ou carência de B12 Ilsa Katz tinha 85 anos quando sua filha, Vivian Atkins, começou a notar que ela estava ficando cada vez

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY FIBER Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por

Leia mais

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer Os estudos sobre mortalidade com freqüência enfatizam a importância das causas relacionadas às doenças

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

Kelly Chaves - Nutricionista

Kelly Chaves - Nutricionista Kelly Chaves - Nutricionista Alimentos Saudáveis e Funcionais Substâncias consideradas funcionais Alimentos mais consumidos Boas fontes alimentares de cálcio A Importância do Cálcio na Nutrição O que são

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

Entendendo a lipodistrofia

Entendendo a lipodistrofia dicas POSITHIVAS Entendendo a lipodistrofia O que é a lipodistrofia? Lipodistrofia é quando o corpo passa a absorver e a distribuir as gorduras de maneira diferente. Diminui a gordura nas pernas, braços,

Leia mais

Cranberry (Vaccinium macrocarpon) Tratamento e Prevenção da Infecção Urinária

Cranberry (Vaccinium macrocarpon) Tratamento e Prevenção da Infecção Urinária Cranberry (Vaccinium macrocarpon) Tratamento e Prevenção da Infecção Urinária Cranberry é uma planta nativa da América do Norte que apresenta em sua composição antocianidinas, flavonóides, proantocianidinas,

Leia mais

Coração Saudável! melhor dele?

Coração Saudável! melhor dele? As doenças cardiovasculares (DCV s) - incluem as doenças coronarianas e o acidente vascular cerebral (AVC) também conhecido como derrame afetam pessoas de todas as idades, até mesmo mulheres e crianças.

Leia mais

Desdobrável de informação ao paciente

Desdobrável de informação ao paciente Desdobrável de informação ao paciente Doença cardíaca coronária Secções para este tópico: Introdução Sintomas Causas Diagnóstico Tratamento Prevenção Hiperligações seleccionadas Introdução Para que funcione,

Leia mais

Atividade Física e Alimentação Protéica

Atividade Física e Alimentação Protéica Atividade Física e Alimentação Protéica Para obter um bom desempenho o atleta não necessita somente de um bom treinamento, precisa de uma dieta balanceada que contenha quantidades adequadas de proteína,

Leia mais

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008 Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL É Completa Fornece energia e todos os nutrientes essenciais

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol

Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol Conheça o lado bom e o lado ruim desse assunto. Colesterol COLESTEROL O nome colesterol vem do grego e significa cálculo biliar. Ele foi batizado pelo químico francês Michel Eugene Chevreul, em 1815.

Leia mais

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH)

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Nathália Krishna O que é? NAD+ está presente em quantidades somente catalíticas na célula e é um cofator essencial para a glicólise,dessa

Leia mais

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP Doenças Crônicas uma nova transição Paulo A. Lotufo Professor Titular de Clínica Médica FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP esclarecimentos O termo doença crônica pode

Leia mais

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Documento de posição do Comité Consultivo Científico da ENSA Introdução As proteínas são um importante nutriente necessário para o crescimento

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Coração saudável Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Qual a importância da doença cardiovascular? Milhões de Mortes* Mortalidade por doenças cardiovasculares em 1990 e 2020 Países desenvolvidos

Leia mais

O PAPEL DO FERRO SOBRE A NUTRIÇÃO E A SAÚDE

O PAPEL DO FERRO SOBRE A NUTRIÇÃO E A SAÚDE O PAPEL DO FERRO SOBRE A NUTRIÇÃO E A SAÚDE Introdução O ferro é um nutriente mineral encontrado em alimentos de origem vegetal e animal, e de grande importância para a saúde por seu papel como constituinte

Leia mais

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br Todo mundo quer viver muitos anos, não é mesmo? Mas você já se questionou se está somando mais pontos contra do que a favor na busca pela longevidade? Por isso mesmo, um estudo da Universidade da Califórnia,

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal

Leia mais

Prevenção da deficiência de ferro em doadores: opções, estratégias e soluções

Prevenção da deficiência de ferro em doadores: opções, estratégias e soluções Prevenção da deficiência de ferro em doadores: opções, estratégias e soluções Sheila Soares Silva Hemocentro Regional de Uberaba/Fundação Hemominas Universidade Federal do Triângulo Mineiro Belo Horizonte

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? TIPOS

O QUE É COLESTEROL? TIPOS O QUE É COLESTEROL? O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal (carne, leite integral, ovos etc.). Em nosso

Leia mais

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde?

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? DICAS DE SAÚDE 2 Promova a sua saúde. Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? Veja o gráfico : 53% ao estilo de vida 17% a fatores hereditários 20% a condições ambientais 10% à assistência médica

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

Dieta, Nutrição e Prevenção do Câncer. Instituto Adriana Garófolo IAG www.nutricancer.com.br

Dieta, Nutrição e Prevenção do Câncer. Instituto Adriana Garófolo IAG www.nutricancer.com.br Dieta, Nutrição e Prevenção do Câncer Instituto Adriana Garófolo IAG www.nutricancer.com.br Epidemiologia sexo masculino : pulmão, próstata, estômago, cólon e reto, boca e faringe, fígado, esôfago e bexiga

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde Saúde e Desporto Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra Relação do Desporto com a Saúde Dum modo geral aceita-se que o desporto dá saúde Contudo, o desporto também comporta malefícios

Leia mais

SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES

SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES Universidade de Évora Departamento de Química Vânia Pais Aluna do Curso de Mestrado em Química Aplicada SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES Com o passar dos anos, o aumento da

Leia mais

COLESTEROL DEFINIÇÃO

COLESTEROL DEFINIÇÃO COLESTEROL DEFINIÇÃO Colesterol é um esterol (álcool) que pode ser encontrado nas membranas celulares sendo transportado no plasma ligado à proteínas, pois é insolúvel em água e, conseqüentemente, insolúvel

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

O CENÁRIO As 3 Epidemias: Aterosclerose. Depressão. Neurose

O CENÁRIO As 3 Epidemias: Aterosclerose. Depressão. Neurose O CENÁRIO As 3 Epidemias: Aterosclerose Depressão Neurose A A maior doença a hoje, não é a lepra ou a tuberculose, mas a sensação de abandono, de não ser amado. Madre Tereza de Calcutá Infarto Agudo do

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

SPDEMOGRÁFICO Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo

SPDEMOGRÁFICO Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo SPDEMOGRÁFICO Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 5 nº 9 Maio 2004 A dimensão oculta e a precocidade da morte masculina por doenças hepáticas Estudos de mortalidade com freqüência

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/ FM/ UFF/ HU

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/ FM/ UFF/ HU DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Pesquisador: PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP Título da Pesquisa: O efeito da suplementação com L-carnitina na redução da agressão miocárdica provocada pela injúria de isquemia

Leia mais

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea.

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. BIO 10E aula 28 28.01. Para fazer a defesa do organismo, alguns leucócitos podem atravessar a parede dos vasos sanguíneos e atuar no tecido conjuntivo. Este processo é denominado diapedese. 28.02. A coagulação

Leia mais

Funções dos lípidos:

Funções dos lípidos: Gorduras ou Lípidos Os lípidos são componentes essenciais de todos os organismos podendo ser obtidos a partir da alimentação ou ser sintetizados pelo nosso organismo. Constituem um grupo heterogéneo de

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

O QUE SÃO ALIMENTOS FUNCIONAIS?

O QUE SÃO ALIMENTOS FUNCIONAIS? O QUE SÃO ALIMENTOS FUNCIONAIS? São alimentos que além de fornecerem energia para o corpo e uma nutrição adequada, produzem outros efeitos que proporcionam benefícios à saúde, auxiliando na redução e prevenção

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Cranberry. Tratamento e prevenção infecção urinária

Cranberry. Tratamento e prevenção infecção urinária Cranberry Tratamento e prevenção infecção urinária Nome científico: Vaccinium macrocarpon Família: Ericaceae Parte utilizada: fruto Ativos: antocianidinas, flavonóides, proantocianidinas, taninos condensados

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas As doenças crónicas não transmissíveis são responsáveis por 63% das causas de morte no mundo Fonte: WHO; Global status report on noncommunicable diseases, 2010 O

Leia mais

Beta-alanina. GAMMA COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO & EXPORTAÇÃO LTDA. Avenida Santa Catarina, 66 - Aeroporto- 04635-000 - São Paulo SP - Brasil

Beta-alanina. GAMMA COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO & EXPORTAÇÃO LTDA. Avenida Santa Catarina, 66 - Aeroporto- 04635-000 - São Paulo SP - Brasil Beta-alanina Fórmula Estrutural: Fórmula Molecular: C3H7NO2 / NH 2 CH 2 CH 2 COOH Peso Molecular: 89.09 g/mol CAS: 107-95-9 Sinonímia: β-ala; AI3-18470; beta-aminopropionic acid; 3-Aminopropanoic acid;

Leia mais

Hormônio do Crescimento

Hormônio do Crescimento Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hormônio do Crescimento O Hormônio do Crescimento Humano é um dos muitos hormônios que tem sua produção

Leia mais

ALIMENTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA

ALIMENTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA ALIMENTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA Maria Sylvia de Souza Vitalle (Texto extraído de Manual de atenção à saúde do adolescente. Secretaria da Saúde. Coordenação de Desenvolvimento de Programas e Políticas de Saúde

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Pesquisa revela uma das causas de morte prematura na Rússia: a vodca

Pesquisa revela uma das causas de morte prematura na Rússia: a vodca Pesquisa revela uma das causas de morte prematura na Rússia: a vodca Post 02 Fevereiro 2014 By UNIAD Revista Veja - Álcool Estudo concluiu que risco de morte entre homens russos com menos de 55 anos pode

Leia mais

Figura 1: peridrociclopentanofenantreno

Figura 1: peridrociclopentanofenantreno COLESTEROL A n a L a u r a B u e n o Esteróides são álcoois de alto peso molecular. São compostos lipossolúveis muito importantes na fisiologia humana. Os esteróis possuem uma estrutura básica chamada

Leia mais

4. Câncer no Estado do Paraná

4. Câncer no Estado do Paraná 4. Câncer no Estado do Paraná Situação Epidemiológica do Câncer Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Estado do Paraná Uma das principais causas de morte nos dias atuais, o câncer é um nome genérico

Leia mais

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Qualidade e valor nutricional da carne de coelho Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Vila Real, 25 de Novembro de 2011 Proteínas Funções das proteínas. Aminoácidos; aminoácidos essenciais. Valor

Leia mais

A Contribuição Da Carne Bovina Para Uma Alimentação Saudável

A Contribuição Da Carne Bovina Para Uma Alimentação Saudável A Contribuição Da Carne Bovina Para Uma Alimentação Saudável Nutricionista: Semíramis Martins Álvares Domene Profa. Titular da Faculdade de Nutrição PUC Campinas Nutrição e alimentação são assuntos cada

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER Próstata Sobre o Câncer Sintomas Diagnóstico e exame Tratamento Recomendações O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho

Leia mais

A contribuição da carne bovina para uma alimentação saudável

A contribuição da carne bovina para uma alimentação saudável A contribuição da carne bovina para uma alimentação saudável Por Semíramis Martins Ávares Domene 1 Nutrição e alimentação são assuntos cada vez mais abordados quando o tema é qualidade de vida e adoção

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC SOLICITANTE Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.706-3 DATA 26/03/2014 SOLICITAÇÃO Solicito parecer

Leia mais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Quem Sou? Carlos Ballarati : Formação Medicina: Formado em Medicina pela PUC-SP Sorocaba em 1988. Residência Médica: Clinica Medica Unicamp em 1989

Leia mais

Benefícios da Vitamina D no osso e em todo o organismo. A vitamina D tem um papel importante.

Benefícios da Vitamina D no osso e em todo o organismo. A vitamina D tem um papel importante. Saúde do Osso. Benefícios da Vitamina D no osso e em todo o organismo. A vitamina D desempenha, juntamente com o cálcio, um papel importante na saúde e na manutenção da estrutura óssea. Estudos recentes

Leia mais

HEMOGRAMA ANEMIA FERROPRIVA. Hemoglobina. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com. Ferro

HEMOGRAMA ANEMIA FERROPRIVA. Hemoglobina. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com. Ferro HEMOGRAMA Profª. Francis Fregonesi Brinholi fbrinholi@hotmail.com. Hb = 0,8 g/dl Microcítica VCM < 78fL VCM:? Dosagem de ferritina Baixa Normal Alta Microcítica VCM < 78fL Normocítica VCM: 78-98fL Macrocítica

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ Rita de Cássia Felix

Leia mais

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia).

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia). diabetes Quando Acidente a glicemia vascular (glicose cerebral no sangue) (tromboses), sobe, o pâncreas uma das principais O que Quais é a diabetes? as complicações associadas à diabetes? produz causas

Leia mais

COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES

COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES COLESTEROL E TRIGLICÉRIDES Muitas pessoas já ouviram falar deles. Algumas podem até imagine que colesterol e triglicérides sejam sinônimos de doença. Para desfazer a imagem de vilões que essas duas substâncias

Leia mais

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos.

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos. Doação de órgãos A doação de órgãos é um ato de caridade e amor ao próximo. A cada ano, muitas vidas são salvas por esse gesto altruísta. A conscientização da população sobre a importância da doação de

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais

ÇÃO O DE EXAMES LABORATORIAIS

ÇÃO O DE EXAMES LABORATORIAIS INTERPRETAÇÃ ÇÃO O DE EXAMES LABORATORIAIS TRANSAMINASES HEPÁTICAS (TGO/TGP) Everton José Moreira Rodrigues Transaminases: enzimas que catalisam a transferência de um grupo alfa-amino de um aminoácido

Leia mais

Metabolismo de Aminoácidos. Degradação de Proteínas a Aminoácidos. Degradação de Proteínas e Aminoácidos. - glicemia = de glucagon e TNF

Metabolismo de Aminoácidos. Degradação de Proteínas a Aminoácidos. Degradação de Proteínas e Aminoácidos. - glicemia = de glucagon e TNF Metabolismo de Aminoácidos Degradação de Proteínas e Aminoácidos - Degradação de aminoácidos em excesso na alimentação - Absorção pelo fígado, retirada grupo amino - Degradação espontânea de proteínas

Leia mais

Ômega 3: a gordura aliada do cérebro e do coração

Ômega 3: a gordura aliada do cérebro e do coração Ômega 3: a gordura aliada do cérebro e do coração Estes ácidos graxos também combatem a depressão, o diabetes e a obesidade Arenque é o peixe mais rico em ômega 3. Esses ácidos graxos são chamados de essenciais,

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Unidade 4 Funções da nutrição

Unidade 4 Funções da nutrição Sugestões de atividades Unidade 4 Funções da nutrição 8 CIÊNCIAS Nutrição. As proteínas, encontradas em alimentos como leite, ovos, carne, soja e feijão, são fundamentais para nossa saúde. Justifique essa

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais