Auto-avaliação da Escola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Auto-avaliação da Escola"

Transcrição

1 Auto-avaliação da Escola Primeiras imagens T e a RELATÓRIO SÍNTESE O presente documento é um relatório que sintetiza as primeiras imagens sobre o funcionamento e o desempenho do Agrupamento de Escolas Gil Vicente elaboaradas a partir de uma iniciativa de recolha de informação inserida num processo de auto-avaliação da organização escolar. No ano lectivo 2009/2010, respondendo ao desafio de desenvolver procedimentos de avaliação interna, identificado pela Avaliação Externa (IGE, 2007) e contemplado nas finalidades do Projecto Educativo, o Agrupamento de Escolas Gil Vicente constituiu uma equipa de avaliação e inscreveu no seu Plano Anual de Actividades a realização de um processo de auto-avaliação na escola. No desenvolvimento das suas actividades e após um movimento de divulgação dos pressupostos, princípios e finalidades subjacentes à avaliação, junto dos órgãos consultivos e de decisão da escola e dos vários actores educativos, a equipa de auto-avaliação elaborou e aplicou um questionário assente em três questões gerais: O que funciona bem?, Que problemas identifica? e Que propostas de resolução sugere?. É com base nos resultado da aplicação deste questionário, a docentes, a alunos do ensino secundário, a pessoal não docente, às associações de pais e encarregados de educação, no último trimestre escolar de 2009/2010, que a TEA elabora a presente leitura de pontos fortes, pontos críticos e sugestões de melhoria. Estas são as primeiras imagens de um processo introspectivo da organização; ainda que não decorram de uma recolha sistemática e exaustiva de informação, são um resultado a ter em consideração numa avaliação mais abrangente da organização e um passo seguro para a apropriação do valor da avaliação como instrumento de melhoria, por parte de todos os que nela trabalham, estudam ou depositam expectativas sobre a educação dos seus filhos. Nem todas as organizações reagem ou interpretam do mesmo modo os processos avaliativos. Por razões de cultura organizacional, história ou contexto, entre outras, cada organização tem o seu modo específico de acolher o processo avaliativo e os seus resultados. No Agrupamento de Escolas Gil Vicente, a TEA encontrou um trabalho cuidado e sustentado por estudo e entendimento sobre avaliação das organizações escolares, desenvolvido pela equipa de avaliação interna, que apostou, essencialmente, numa divulgação clara e fundamentada, junto dos diversos actores da organização escolar, da intenção e do valor da auto-avaliação. Este procedimento, além de contribuir para a transparência do processo, é um pilar estruturante que pode, em qualquer momento, satisfazer o desejo de informação de quem, seja qual for a razão que o mova, procure saber mais sobre o processo. É também um convite à participação de todos através da expressão das suas perpectivas e ideias sobre o funcionamento e o desempenho da escola e sobre como esta pode ser melhorada. Esta síntese das primeiras imagens é um desiderato do esforço de avaliação iniciado em 2009/2010 e da resposta que este mereceu por parte da comunidade educativa. Que outras razões não fossem, entre elas a pertinência de alguns dos resultados encontrados, o facto 1/12

2 de ter sido tomado com apreço por todos os que responderam aos questionários aplicados é suficiente para relevar a sua divulgação. Não se trata, contudo, de um relatório de avaliação da organização escolar; sendo uma síntese dos resultados dessa auscultação preliminar, deverá ser tomada como tal. O relatório de auto-avaliação será produto de uma avaliação sistemática e abrangente, actualmente em curso, e na qual se tomarão os resultados aqui identificados como parte da informação. Esta síntese está apresentada em quatro partes de modo a permitir aos seus utilizadores identificar o corpus da síntese elaborada; conhecer a análise a que foi submetida a informação; constatar os principais resultados, divididos em pontos fortes e aspectos a melhorar; e perpectivar algumas soluções de melhoria da escola pensadas pelos elementos da sua comunidades educativa. É com elevada expectativa sobre a utilidade deste documento, subsidiário de uma avaliação mais abrangente mas com valor próprio para poder influenciar algumas medidas de melhoria do funcionamento do Agrupamento de Escolas Gil Vicente e incentivar a participação e aceitação da avaliação como instrumento de melhoria, que a TEA apresenta as Primeiras Imagens da Auto-avaliação da Escola. Conceição Gonçalves 2/12

3 1. Corpus de análise Todas as afirmações sobre o funcionamento ou o desempenho do Agrupamento de Escolas Gil Vicente que constam desta síntese de resultados tiveram por base a informação gerada pela aplicação de um questionário aos seguintes grupos de actores educativos: docentes, pessoal não docente, alunos do ensino secundário e representantes das associações de pais e encarregados de educação. A técnica de inquérito por questionário foi utilizada pela equipa de avaliação da escola como meio de recolher a opinião dos diversos membros da comunidade educativa sobre a eficácia da actuação e organização [do agrupamento de escolas]. 1 e num formato de resposta aberta que deixa ao respondente a escolha de quais são os factores do funcionamento e desempenho da escola a que pretende dar relevo. No questionário, com quatro versões que variam apenas na designação dos seus destinatários, são três as questões propostas: (a) Pontos Fortes - O que funciona bem?, (b) Pontos Críticos Que problemas identifica? e (c) Sugestões de melhoria Que propostas de resolução sugere?. Sendo que para cada uma destas questões o respondente pode apresentar, no máximo, três testemunhos como resposta. São, portanto, as respostas a estas três questões, apresentadas por 67 docentes, 20 elementos do pessoal não docente, 226 alunos do ensino secundário e 5 representantes das associações de pais e encarregados de educação, que constituem o corpus desta síntese de resultados. No caso dos docentes, do pessoal não docente e das associações de pais e encarregados de educação o convite para responder ao questionário foi endereçado ao universo de potenciais respondentes, sendo a resposta voluntária. No caso dos alunos a aplicação foi feita por grupos/turma e também com carácter voluntário. A informação disponível é, pois, aquela que, no terceiro trimestre do ano lectivo de 2009/2010, os elementos da comunidade educativa disponibilizaram. As taxas de participação para docentes (35%) e pessoal não docente (48%) ficam aquém da metade do universo de potenciais respondentes, contudo, num processo de autoavaliação de escolas a finalidade da análise da informação não é a inferência estatística nem é a certificação da organização face a um conjunto de critérios, situações em que taxas elevadas de resposta estão na base de inferências sobre a organização. A finalidade, num processo interno de avaliação, é, sim, encontrar evidências que sustentem decisões que visem a melhoria da organização escolar. Certamente que quanto mais elevados forem os níveis de participação, em processos de auscultação por questionário, mais abrangentes poderão ser as conclusões geradas; contudo, porque todos os contributos voluntários recebidos são testemunhos de quantos no Agrupamento de Escolas Gil Vicente quiseram potenciar a melhoria da organização em que trabalham, estudam ou na qual depositaram a confiança para a educação dos seus filhos, a informação gerada é fiável e válida no contexto de um processo de auto-avaliação, portanto, passível de análise e interpretação. 1 in texto de introdução ao Questionário. 3/12

4 2. Tratamento da informação O Agrupamento de escolas Gil Vicente estabeleceu como objecto de avaliação a escola, tendo em consideração a partição do seu funcionamento e desempenho em função de cinco domínios resultados, prestação do serviço educativo, organização e gestão escolar, liderança e capacidade de auto-regluação e melhoria da escola os mesmos que são considerados no referencial de avaliação externa das escolas, da Inspecção Geral de Educação. Assim sendo, a leitura e interpretação dos dados foi organizada de modo a ser possível identificar em que domínios (e respectivos factores) se enquadram os resultados enunciados. Seguidamente enunciam-se as fases de tratamento da informação. Fase 1. Lançamento das respostas numa base de dados, separadas por tipo de respondente e por questão. A base de dados apresenta um total de 2862 células de entrada de informação de natureza qualitativa que descrevem o ponto forte, ponto fraco e sugestão de melhoria enunciados pelos respondentes. Fase 2. Análise de conteúdo da informação de modo a gerar categorias de análise que permitiram leituras agregadas dos pontos fortes, dos pontos críticos e das sugestões de melhoria. Procedeu-se a ajustamentos no conjunto de categorias utilizadas conforme o grupo de respondentes, pois, não tendo havido condicionamento a priori de domínios ou factores a mencionar nas respostas (o questionário é de resposta aberta, sendo que cada respondente selecciona os aspectos que considera relevantes), há grupos de respondentes que elegem aspectos da organização escolar que outros não os chegam a mencionar. Fase 3. Estabilizadas as categorias de análise foram feitas estatísticas descritivas elementares para identificação de tendências de resposta e identificação de pontos comuns aos diferentes grupos de respondentes. Fase 4. As categorias dominantes para pontos fortes, pontos críticos e sugestões de melhoria foram subordinadas aos domínios e factores do Quadro de Referência através de um instrumento organizador (Figura 1) que foi utilizado para juntar os pontos que permitiram definir as primeiras imagem de escola. Domínio Factor Pontos fortes Pontos críticos Sugestões de Melhoria Resultados Sucesso académico (registo) (registo) (registo) Participação e desenvolvimento cívico Comportamento e disciplina Valorização e impacto das aprendizagens (registo) (registo) (registo) (registo) (registo) (registo) (registo) (registo) (registo) Figura 1. Matriz de identificação de pontos fortes, pontos críticos e sugestões de melhoria por domínios e factores do Quadro de Referência. 4/12

5 Este instrumento foi, também, utilizado para gerar visões parciais da organização escolar; seleccionando domínios ou factores, geraram-se leituras por domínio (ou factor) que concentram o entendimento do funcionamento e desempenho da organização nos mesmos. A escola ao avaliar-se enquanto organização pode gerar informação sobre a qualidade do seu desempenho em várias dimensões de actividade e utilizar essa informação para sustentar decisões que venham a traduzir-se na melhoria do ensino, do funcionamento da organização, da liderança e dos resultados dos alunos. Tendo este pressuposto presente, a TEA procedeu ao tratamento e interpretação dos dados existentes e enunciou os resultados que a seguir se apresenta sob a designação de primeiras imagens 5/12

6 3. Primeiras imagens Nesta secção são enunciados os resultados que sustentam as primeiras imagens do Agrupamento de Escola Gil Vicente separados em pontos fortes e pontos críticos. Pontos Fortes A leitura que os diferentes actores fazem sobre quais são os pontos fortes do agrupamento de escola é variegada. Existem, contudo alguns vectores comuns como é o caso do reconhecimento do serviço prestados pela Biblioteca/Centro de Recursos, destacado por variados atributos, entre eles o funcionamento, a disponibilidade, e os projectos e actividades que promove. Professores e alunos mencionam-na como um bem que apoia o seu trabalho e o seu estudo (cf. Quadros 1 e 3). Outro vector comum, neste caso aos profissionais docentes e não docentes é o entendimento de si mesmos como profissionais competentes e dedicados: os docentes destacam o seu empenho, aliado à competência e dinamismo, como uma mais valia para o bom desenvolvimento das actividades escolares, salientam, ainda, a capacidade de coordenação a vários níveis de liderança e a colaboração; os não docentes referem-se à competência do seu desempenho e à sua disponibilidade como factores essenciais ao bom funcionamento da organização (cf. Quadros 1 e 2). Também os pais e encarregados de educação salientam como ponto forte da organização a competência dos professores a sua disponibilidade e a qualidade do ensino. Esta é uma percepção que alguns alunos do ensino secundário também consideram relevante destacar entre os pontos fortes da organização (cf. Quadro 3). Os Quadros que se seguem proporcionam uma leitura mais detalhada dos pontos fortes em função do grupos de actores educativos, sendo que para os Encarregados de Educação não faz sentido o tratamento das frequêncais tendo em conta que são 5 as Associações de Pais e encarregados de educação que apresentaram o seu testemunho e que todas elas mencionaram como ponto forte o desempenho dos docentes, já aqui referido. Quadro 1 Pontos fortes identificados por docentes categorias de resposta ordenadas por frequência relativa. Pontos fortes (O que funciona bem?) Coordenação. A coordenação das estruturas intermédias e de topo é destacada através do trabalho de coordenação dos directores de turma, elogiado pela sua estratégia de organização e de apoio, da coordenação das várias escolas, da direcção da escola, referida pela articulação e proximidade da coordenação do 1º ciclo, mas também pela liderança forte e gestão estratégica, boa articulação com outras estruturas de gestão e resposta aos problemas ou incentivo às iniciativas. % docentes 52% Colaboração entre docentes. Trabalho cooperativo, 1º ciclo, troca de experiências e materiais. Biblioteca. Este serviço da escola é mencionado entre os pontos fortes por uma variedade de atributos que incluem a qualidade do seu funcionamento e dos projectos e actividades que desenvolve, a competência dos seus funcionários ou o seu acervo. É vista como um espaço dinamizador de actividades e de difusão de cultura. 48% 32% 6/12

7 Empenho. Disponibilidade e empenho dos docentes para resolução das situações da vida da escola, incluindo a participação em projectos, mas também competência e dinamismo, concorrem para o bom desenvolvimento das actividades. 21% Ambiente educativo. Existe um bom relacionamento entre os vários actores educativos. 21% Espaços da escola. Seja explicitamente pelos melhoramentos introduzidos pelas obras, as salas são referidas como um espaço agradável e luminoso e os pátios e espaços lúdicos e as instalações desportivas são também mencionados entre os pontos fortes da escola. 17% Documentos estruturantes. O PAA é o documento de referência da condução da actividade do agrupamento mais referido entre os pontos fortes. O interesse das actividades que comporta e a participação de diferentes departamentos na sua concretização é igualmente objecto de destaque. 14% Tecnologia. O apetrechamento tecnológico das salas de aula com computadores, quadros interactivos e projectores é mencionado como bem à disposição de alunos e professores. 11% Papel dos auxiliares de acção educativa. Estão disponíveis para responder às solicitações e fazem-no em concertação com os docentes. 10% Potencialidades do agrupamento. Favorecimento da articulação entre as diferentes estruturas. 6% Educação especial. Existência de uma equipa de educação especial 5% Quadro 2 Pontos fortes identificados por pessoal não docente categorias de resposta ordenadas por frequências relativas. Pontos fortes (O que funciona bem?) Desempenho do pessoal não docente. A disponibilidade e o zelo que os funcionários colocam no cumprimento das tarefas que lhes são atribuídas são destacados pelos próprios como um contributo importante para o bom funcionamento da organização. % pessoal não docente 55% Relacionamento. O bom relacionamento entre funcionários e professores, entre os primeiros e os aluno se entre os próprios funcionários é uma dimensão positiva da vida e do trabalho na organização escolar. Serenidade nos corredores. O facto de os alunos não permanecerem nos corredores no período de aulas torna o ambiente mais calmo e facilita o controlo e a manutenção da limpeza. Direcção da escola. A direcção da escola é mencionada pela proximidade e pela coordenação do pessoal não docente. Colaboração entre os pares. Os funcionários ajudam-se na realização das suas tarefas, na resolução de problemas e na superação de dificuldades. 35% 35% 20% 10% Disponibilidade para apoiar professores e alunos. O facto de a limpeza ser assegurada por uma empresa liberta os funcionários deste tipo de tarefas permitindo-lhes maior disponibilidade para apoiar os professores e os alunos. 10% Escola como referência educativa. A escola destaca-se pela dimensão do espaço escolar, pelos recursos audiovisuais e pela multiculturalidade dos alunos. 5% 7/12

8 Quadro 3 Pontos fortes identificados por alunos do ensino secundário categorias de resposta ordenadas por frequências relativas. Pontos fortes (O que funciona bem?) Instalações desportivas. São visualmente agradáveis, amplas, com boas condições para a prática desportiva, seguras; isto tanto no que respeita ao ginásio como aos campos ao ar livre; os balneários também têm boas condições. % alunos 42% Biblioteca. É um espaço bonito e agradável, com bons recursos, incluindo o acesso a computadores; é um local de estudo sempre tranquilo; o atendimento é muito simpático e um apoio para os alunos. 36% Espaços da escola. A escola é descrita como mais bonita e com um design mais moderno e seja pela amplitude dos seus espaços, pela preservação de alguns espaços, seja porque as salas são um espaço agradável e luminoso ou os pátios e espaços lúdicos são agradáveis, ou ainda devido a espaços como a sala de teatro ou os laboratórios, as instalações são elogiadas pelos alunos. 35% Tecnologia. O apetrechamento tecnológico das salas de aula com computadores, quadros interactivos e projectores é mencionado como um bem à disposição de alunos e professores. 16% Professores. A sua competência, dedicação e apoio é reconhecida pelos alunos. 11% Oportunidades de aprendizagem. A variedade de iniciativas que vão sendo desenvolvidas na escola, incluindo exposições subordinadas a vários temas, actividades extracurriculares e de apoio a alunos, desporto escolar, constituem oportunidades que engrandecem a escola como espaço de aprendizagem. Associação de estudantes. O apreço pela sua existência e pelo papel que tem na representação dos alunos. Instalações sanitárias. Após as obras não só são em maior número como as suas condições de higiene são boas. 11% 8% 8% Segurança. O controlo das entradas aumenta a segurança na escola. 5% O espaço da escola merece destaque entre os pontos fortes, especialmente para os alunos. Não é assunto consensual quando se trata de fazer uma análise estética ou funcional, mas a amplitude e a modernização das instalações, acima de todas, das instalações desportivas, é matéria de apreço. Pontos Críticos (ou aspectos a melhorar) Na identificação de pontos críticos os docentes dão destaque à necessidade de colmatar necessidades de apoio especializado, enquanto os alunos e os assistentes operacionais se concentram em questões relacionadas com as instalações e os espaços. Os Quadros 4,5 e 6 proporcionam uma leitura da perspectiva dos vários actores. Na perspectiva dos encarregados de educação o que há a melhorar é a qualidade da alimentação fornecida na cantina e é o reforço da segurança dentro e fora do espaço escolar. 8/12

9 Quadro 4 Pontos críticos identificados por docentes categorias de resposta ordenadas por frequência relativa. Pontos críticos (O que precisamos melhorar?) Apoios especializados. A falta de recursos humanos faz-se sentir nos apoios especializados aos alunos com necessidades educativas especiais, nos SPO e no apoio aos alunos de Língua Portuguesa como Língua não materna. Instalações. Os espaços físicos e as instalações da escola são referidas entre os aspectos a melhorar pela precariedade dos materiais utilizados na sua construção, pela utilização que deles é feita (falta de espaços de convívio ou de brincadeira para os alunos mais jovens e a separação dos espaços de trabalho dos espaços de convívio) ou, ainda, por estarem pouco limpos. Liderança mais próxima. Os actores educativos desejam ter a direcção mais próxima do quotidiano da escola, concertada, e anseiam por um reforço da motivação e envolvimento de todos nas decisões da escola e na concepção de um rumo, de um projecto de escola. Recursos materiais. Os recursos materiais são mencionados pelo seu desgaste, por exemplo, no que respeita a canetas para quadros interactivos, ou à sua falta quando se trata de computadores, impressoras ou materiais didácticos. Articulação entre ciclos de ensino. Entre os aspectos a melhorar é mencionada a necessidade de estender o conhecimento e o entendimento da realidade do 1.º ciclo aos restantes ciclos e níveis de ensino do agrupamento e de reforçar o apoio aos alunos na transição entre ciclos. Recursos humanos. A falta de auxiliares de acção educativa ou a sobrecarga dos professores com inúmeras tarefas são causa apontada para a falta de capacidade de resposta a todas as tarefas por parte dos recursos humanos. Condições de trabalhos dos professores. A distribuição de serviço na OPTE, os horários das reuniões e a falta de uma sala de trabalho onde estejam disponíveis computadores e impressora são situações que os docentes gostariam de ver melhorar. Serviços de apoio. Reprografia, serviços administrativos, biblioteca funcionam em horários que não facilitam ou permitem o acesso a todos os seus utilizadores. Situações disciplinares. A complexidade dos procedimentos disciplinares dificulta a resolução célere dos problemas de indisciplina, o apelo à participação de todos na correcção de situações de mau comportamento é também visto como um aspecto a melhorar, a coexistência de regras diferentes no seio do agrupamento também deve ser revista. Alimentação. O bar e o refeitório poderiam disponibilizar alimentos mais saudáveis e o bar poderia alargar o seu horário de funcionamento de modo a abranger um período maior da actividade escolar. Os preços praticados no bar são também mencionados como elevados. Burocracia. Certos requisitos burocráticos são mencionados por dificultarem a actividade pedagógica ou por tomarem muito tempo aos professores (um exemplo mencionado são os requisitos necessários à realização de visitas de estudo). Segurança. O controlo do acesso à escola pode ser melhorado, assim como a vigilância dos espaços. % docentes 40% 35% 27% 25% 24% 21% 19% 17% 16% 16% 11% 6% 9/12

10 Quadro 5 Pontos críticos identificados por pessoal não docente categorias de resposta ordenadas por frequência relativa. Pontos críticos (O que precisamos melhorar?) Estrutura e dimensão da escola sede. Pela dimensão ou pela organização dos espaços as instalações da escola sede causam alguma dificuldade ao trabalho dos auxiliares. A escola é grande, o facto de um dos espaços de convívio dos alunos ser na entrada dificulta o atendimento do telefone ou de quem se dirige à recepção, a falta de espaços para recreio dos mais novos, a proximidade do refeitório acarreta barulho e concentração de cheiro a comida na biblioteca. % pessoal não docente 50% Falta de Assistentes Operacionais. No entender do pessoal não docente os Assistentes Operacionais são em número insuficiente para realizar todas as tarefas que há para executar, sendo difícil atender a todas as solicitações que podem surgir ao mesmo tempo. 40% Comportamento dos alunos. Alguns alunos têm um comportamento indisciplinado outros são desrespeitosos na relação com os assistentes operacionais e com os professores. 40% Comunicação. A necessidade de conhecimento por parte dos Assistentes Operacionais dos horários dos docentes, de iniciativas/eventos, de reuniões e de outros acontecimentos da vida da escola, para que possam realizar as suas tarefas, está na origem do desejo de um acréscimo de comunicação na organização escolar; incluindo da comunicação entre os assistentes operacionais e a Direcção. 40% Segurança. O controlo do acesso à escola pode ser melhorado, especialmente no que diz respeito à identificação de visitantes da escola. 20% Sujidade. Alguma sujidade é deixada pelos alunos, especialmente, no refeitório, outra deve-se à falta de competência do trabalho efectuado pela empresa que assegura a limpeza. 20% Liderança mais próxima. Os assistentes operacionais desejam ter a direcção mais próxima do quotidiano da escola, mais visível nos corredores. 20% Quadro 6 Pontos críticos identificados por alunos do ensino secundário categorias de resposta ordenadas por frequência relativa. Pontos Críticos (Que problemas identifica?) Instalações sanitárias. O facto de estarem fechadas, de haver controlo de papel higiénico por parte dos assistentes operacionais ou a falta de higiene em alguns casos, causam constrangimentos de acesso às instalações sanitárias. % alunos 23% Accionamento dos cartões. Existem algumas dificuldades como o número reduzido de locais de carregamento, as falhas dos equipamentos de registo, do sistema informático ou de luz, que condicionam a utilização dos cartões. 16% Questões com assistentes operacionais. Alguns desentendimentos sobre o modo ou o tom do discurso ou mesmo sobre a disponibilidade e simpatia dos assistentes operacionais são as razões que colocam a relação entre estes e os alunos entre os aspectos a melhorar, na perspectiva dos alunos. 14% Alimentação. As refeições servidas na cantina e os alimentos vendidos no bar da escola podiam ser melhoradas, na perspectiva dos alunos do ensino secundário; no primeiro caso especialmente porque as consideram mal confeccionadas ou pouco saborosas, no segundo por falta de variedade e preço elevado. 12% Numa sítese das primeiras imagens da organização escolar subordinada aos domínio do Quadro de Referência, destaca-se na Figura 2 os pontos fortes e os aspectos a melhorar mais relevantes. 10/12

11 + Relacionamento entre os actores + Colaboração entre docentes + Instalações desportivas + Biblioteca + Desempenho do Pessoal não docente 1 Resultados + Competência e disponibilidade dos docentes + Coordenação (nas estruturas intermédias e de topo) 2 Prestação do Serviço Educativo 3 Organização e Gestão 4 Liderança 5 Auto-regulação e Melhoria - Falta de Assistentes Operacionais - Apoios especializados - Instalações (materiais de construção) - Instalações sanitárias (acesso e condições de utilização) - Accionamento de cartões - Estrutura e dimensão da escola 1 Figura 2. Pontos fortes e aspectos a melhorar em cada domínio de avaliação da organização escolar (identificados respectivamente com os sinais + e -). 11/12

12 4. Sugestões de melhoria As sugestões de melhoria apresentadas (Figura 3) são as enunciadas pelos respondentes, sem que tenham sido sujeitas a elaborações estratégicas ou a considerações sobre a sua exequibilidade. Devem ser tomadas como um conjunto de ideias plausíveis que podem ser exploradas e transformadas em medidas ou pequenas intervenções que visem melhorar alguns dos aspectos apontados. Identificação das visitas - cartões de cores diferentes conforme a finalidade da visita Espaços de trabalho para professores equipados com computador e impressora. Celebração, reconhecimento e comunicação criar/reforçar oportunidades de manifestação de apreço e reconhecimento pelo trabalho de docentes e não docentes. Reparar equipamentos máquinas de accionar cartões, quadros interactivos Melhorar serviços rever horários de funcionamento, insistir numa alimentação saudável. Espaços de convívio abrir o espaço actualmente destinado à Associação de Estudantes, plantar árvores para criar sombras no espaço exterior. Aproximação à comunidade através das actividades do PAA, mas também de parcerias com instituições de ensino superior que possam proporcionar oportunidades de desenvolvimento profissional dos docentes Mais agrupamento reforçar as iniciativas que aprofundam a relação entre os vários ciclos de ensino Figura 3. Sugestões de melhoria. A auto-avaliação da escola convergirá num retrato da organização escolar quanto a vários domínios de desempenho Resultados, Prestação do Serviço Educativo, Organização e Gestão Escolar, Liderança e Capacidade de Auto-regulação e Melhoria da Escola. Identificará pontos fortes da actividade e das condições da escola e o que é preciso melhorar. As leituras deste retrato sustentarão a construção de uma visão de futuro para a escola. Por agora, com esta síntese, o Agrupamento de Escolas Gil Vicente dispõe de um conjunto de imagens sobre as quais pode reflectir e que pode utilizar para conceber algumas intervenções de melhoria. A auto-avaliação produz um retrato da escola, um alicerce para uma visão de futuro 12/12

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 1 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 1 - Preâmbulo O trabalho desenvolvido assentou no referencial 2006-2011 da Inspeção-Geral da Educação, nomeadamente o Quadro de referência para

Leia mais

António José Cardoso Pires da Silva

António José Cardoso Pires da Silva (PLANO DE INTERVENÇÃO APRESENTADO PELO DIRECTOR AO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO) Quadriénio 2010/2014 Director António José Cardoso Pires da Silva INTRODUÇÃO O conhecimento do Agrupamento Marquês de Pombal

Leia mais

Os equipamentos audiovisuais existentes nas salas de aulas funcionam bem

Os equipamentos audiovisuais existentes nas salas de aulas funcionam bem 106 As salas específicas estão adequadamente apetrechadas para as finalidades de ensino e aprendizagem Muito 29% Pouco Muito Na segunda pergunta, quando questionados sobre se as salas específicas (laboratórios,

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO

RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO 2010/2011 1. INTRODUÇÃO Nas escolas públicas portuguesas a procura da excelência é uma preocupação de longa data, uma vez que a estas compete a formação das mulheres

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Escola Secundária do Forte da Casa

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Escola Secundária do Forte da Casa Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola Escola Secundária do Forte da Casa Delegação Regional de Lisboa da IGE Datas da visita: 25 e 26 de Novembro de 2008 2 I INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA Avaliação Interna Questionário aos Pais Encarregados de Educação Reconhece-se a importância da família e da sua colaboração no processo educativo. Com este questionário

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender.

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. 2009-2010 Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. Paulo Freire 1 ÍNDICE Introdução... 3 Objectivos... 3 Actividades... 3 Localização... 4 Horário provável de funcionamento...

Leia mais

Modelo de Auto-avaliação. Biblioteca Escolar. * Actions, not positions; * Evidence, not advocacy. Ross Todd (2003)

Modelo de Auto-avaliação. Biblioteca Escolar. * Actions, not positions; * Evidence, not advocacy. Ross Todd (2003) Modelo de Auto-avaliação Biblioteca Escolar * Actions, not positions; * Evidence, not advocacy. Ross Todd (2003) Auto-avaliar a BE Porquê avaliar a Biblioteca? Quais são os objectivos da auto-avaliação?

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 Biblioteca Escolar GIL VICENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA GIL VICENTE EB1 CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 As atividades constantes do presente

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Plano de Desenvolvimento de Autonomia

Plano de Desenvolvimento de Autonomia Plano de Desenvolvimento de Autonomia O presente Plano de Desenvolvimento de Autonomia, produzido no âmbito do Contrato de Autonomia desta escola, celebrado com o Ministério da Educação em 10/9/2007, constitui-se

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão Índice Introdução Objectivos Metodologia de Trabalho Áreas de Trabalho/ Conclusões Estruturas Formais Estruturas FísicasF

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8A/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8B/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB Sem qualquer negociação, o Ministério da Educação anunciou, e está desenvolver, algumas medidas avulsas relacionadas com o 1º Ciclo do Ensino Básico.

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Natureza e objectivos Projecto de REGULAMENTO INTERNO ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Introdução Aliança Francesa do Porto sede: Rua Santa Isabel, 88 4050-536 Porto contribuinte nº 507864549 telefone nº 226098616

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2014/2017

PLANO DE ACÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2014/2017 PLANO DE ACÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO 2014/2017 1 O plano de ação que se apresenta teve por base as autoavaliações efetuadas durante os anos 2009-10; 2010-11;

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Agrupamento de Escolas D. Sancho I PONTÉVEL

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Agrupamento de Escolas D. Sancho I PONTÉVEL Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola Agrupamento de Escolas D. Sancho I PONTÉVEL Delegação Regional de Lisboa e Vale do Tejo da IGE Datas da visita: 4 a 6 de Março de 2009 I INTRODUÇÃO A Lei

Leia mais

ETPZP 1989-2014 [ANO LETIVO 2013/14]

ETPZP 1989-2014 [ANO LETIVO 2013/14] ETPZP Petroensino Ensino e Formação Profissional, Lda. Direção Geral Direção Pedagógica 1989-2014 Escola Tecnológica e Profissional da Zona do Pinhal [ANO LETIVO 2013/14] Sistema de Gestão da Qualidade.

Leia mais

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes 1 II Avaliação de desempenho 1. Introdução A adopção de um modelo de avaliação de desempenho de docentes pressupõe, para a FNE, a consideração

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 O apoio educativo abrange todos os ciclos, níveis de ensino e cursos do Agrupamento. No 1.º e 2.º ciclos o apoio educativo é

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Luísa Solla, ILTEC/ESE Setúbal e Fabíola Santos, ILTEC luisa.solla@sapo.pt fabiola.santos@iltec.pt

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO PLANO DE FORMAÇÃO 1 PLANO DE FORMAÇÃO Índice Introdução 4 Pressupostos teóricos 5 Enquadramento legal 7 Âmbito da formação (objetivos) 9 Docentes Não docentes Pais e encarregados de educação Levantamento

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo / Estabelecimento de Ensino: Agrupamento de Escolas: Nome: Data de Nascimento: Morada: Telefone: Nível de Educação ou Ensino: Pré-Escolar 1ºCEB 2º CEB 3ºCEB E.

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E AVALIAÇÃO EXTERNA OS PONTOS DE INTERSECÇÃO

AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E AVALIAÇÃO EXTERNA OS PONTOS DE INTERSECÇÃO in Azevedo, et al (2006). Relatório final da actividade do Grupo de Trabalho para Avaliação das Escolas. Lisboa: Ministério da Educação AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E AVALIAÇÃO EXTERNA OS PONTOS DE INTERSECÇÃO

Leia mais

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro 1.a. Descrição

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

E SCOLA SECUNDÁRIA F RANCISCO DE H OLANDA G UIMARÃES

E SCOLA SECUNDÁRIA F RANCISCO DE H OLANDA G UIMARÃES E SCOLA SECUNDÁRIA F RANCISCO DE H OLANDA G UIMARÃES Datas da visita: I Introdução A Lei n.º 31/2002, de 20 de Dezembro, aprovou o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação préescolar e dos

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Schulleiterbrief. Herbst 2010. Carta do Director

Schulleiterbrief. Herbst 2010. Carta do Director Schulleiterbrief Herbst 2010 Carta do Director Outono 2010 1 Índice: 1. Prefácio:... 3 2. Informações gerais... 4 2.1. Regulamento de entrada e controlo dos acessos... 4 2.2. Saída das instalações do colégio

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores

Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores Avaliação De Desempenho de Educadores e de Professores Princípios orientadores O Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário, recentemente aprovado,

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

Agrupamento de Escolas Sto. Onofre Escola Básica de Sto. Onofre - Caldas da Rainha Complemento ao plano de formação vocacional e pré profissional

Agrupamento de Escolas Sto. Onofre Escola Básica de Sto. Onofre - Caldas da Rainha Complemento ao plano de formação vocacional e pré profissional Agrupamento de Escolas Sto. Onofre Escola Básica de Sto. Onofre - Caldas da Rainha Complemento ao plano de formação vocacional e pré profissional PROJECTO (III) Ano Lectivo 2008/2009 (compostagem, horta,

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

ANEXOS APRESENTAÇÃO DA ACTIVIDADE

ANEXOS APRESENTAÇÃO DA ACTIVIDADE ANEXOS APRESENTAÇÃO DA ACTIVIDADE PREVISTA NO PAA (Plano Anual de Actividades) ADITAMENTO AO PAA Nº ACTIVIDADE / DESCRIÇÃO 1 OBJECTIVOS Visita de Estudo a Lisboa: Proporcionar uma abordagem estimulante

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2013-2014

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2013-2014 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2013-2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. CORREIA MATEUS RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO Realizada a Avaliação Externa nos dias 17 a 20 de fevereiro de 2014,

Leia mais

Índice. 2010/2011 Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres. Introdução... 3. Constituição da equipa... 4. Metodologia utilizada...

Índice. 2010/2011 Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres. Introdução... 3. Constituição da equipa... 4. Metodologia utilizada... Ano Lectivo 2010/2011 2010/2011 Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres Índice Introdução... 3 Constituição da equipa... 4 Metodologia utilizada... 4 Calendarização das etapas... 5 Actividades desenvolvidas...

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA

O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O PLANO DE COMUNICAÇÃO INTERNA O plano de Comunicação Interna è a tradução operacional da estratégia. É um instrumento de gestão cujo objectivo é traduzir a política de comunicação interna da empresa num

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA JULHO 2015 1 Abreviaturas AEAG Agrupamento de Escolas Dr. António Granjo CAF Common Assessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) AM - Ação de Melhoria

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

Escola Secundária da Baixa da Banheira Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011

Escola Secundária da Baixa da Banheira Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011 CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011 Clube da Ciência, Ano Lectivo 2010/2011 1 . Tempo de aplicação do projecto Os trabalhos a desenvolver no âmbito do Clube da Ciência serão realizados ao longo do ano

Leia mais

Relatório da Avaliação pela CPA

Relatório da Avaliação pela CPA 1 Relatório da Avaliação pela CPA 10 de outubro 2011 Visando atender a abrangência necessária no que tange à Avaliação Institucional da AJES, conforme Sistema elaborado pela CPA, este Relatório busca aliar

Leia mais