Uma Abordagem de Classificação de Imagens de Satélites em uma Configuração de Grid Computacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma Abordagem de Classificação de Imagens de Satélites em uma Configuração de Grid Computacional"

Transcrição

1 Uma Abordagem de Classificação de Imagens de Satélites em uma Configuração de Grid Computacional Henrique Silva 1, MAR Dantas 2 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília (UNB) Caixa Postal Brasília DF Brasil 2 Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Caixa Postal Florianópolis SC Brasil Abstract. In this article we present an approach for classification of satellite images in a Grid Computing environment. In our research we used the Globus environment with MPICH-G2. This environment was our experimental configuration of Grid Computing, where the Euclidian Distance image classification algorithm was implemented. Our results show advantages in the use of the environment, in relation to other applications available today, for the classification of images of satellites. Resumo. Neste artigo é apresentada uma proposta para classificação de imagens de satélites, em um ambiente de Grid Computacional. Em nossa pesquisa utilizamos o ambiente Globus com o MPICH-G2, como uma configuração experimental de Grid computacional, onde foi implementado o algoritmo de classificação de imagens por Distância Mínima (Euclidiana). Nossos resultados indicam vantagens na utilização desse ambiente, em relação a outros aplicativos atualmente disponíveis, para a classificação de imagens de satélites. 1. Introdução O crescimento do desempenho das redes de computadores tem possibilitado a ampliação da capacidade computacional e de armazenamento de inúmeros ambiente computacionais. O paradigma conhecido como Grid Computacional tem evoluído no sentido do possibilitar um melhor compartilhamento e uso coordenado de recursos geograficamente distribuídos. Esse aumento na capacidade de processamento dos dispositivos computacionais despertou a idéia de acabar com o desperdiço (tempo e processamento) computacional. Grid computacional tem por objetivo acoplar recursos distribuídos, oferecendo acesso consistente e de baixo custo a esses recursos, independente da sua localização física, provendo acesso remoto, seguro e escalável a computação, dados, e outros recursos computacionais, que podem ser utilizados como um recurso unificado. A possibilidade de redução de custos e tempo, aumento de produtividade, compartilhamento de recursos e informações, gera um maior poder computacional, o que viabiliza a execução, com uma performance diferenciada, de uma série de aplicações. O processamento digital de imagens é um exemplo. Neste tipo de processamento, a manipulação com maior detalhe de uma imagem depende diretamente do desempenho computacional. A área de processamento digital de imagens tem atraído grande interesse nas últimas duas décadas. A evolução da tecnologia de computação digital, bem como o desenvolvimento de novos algoritmos para lidar com sinais multidimensionais está permitindo o desenvolvimento de uma gama de aplicações cada vez maior.

2 A classificação de imagens é o processo de extração de informação em imagens para reconhecer padrões e objetos homogêneos. Seu objetivo é obter informações suficientes para distinguir entre diferentes regiões de interesse. O objetivo principal deste artigo é apresentar uma abordagem de classificação de imagens de satélite, utilizando uma configuração de Grid Computacional. Nossa pesquisa visa apresentar novas soluções para problemas envolvendo a classificação de imagens, num ambiente aberto, sob o paradigma da computação distribuída paralela. O artigo é organizado como segue. Na seção 2, apresentamos a fundamentação sobre classificação de imagens de satélite, incluindo suas características, métodos e algoritmos de classificação. Na seção 3, mostramos nossa investigação sobre Grid computacional, destacando características, aplicações, arquiteturas e ambientes. A classificação de imagens no ambiente do Grid, considerando as características abordadas nas seções anteriores, é apresentado na seção 4. Na seção 5, destacamos o ambiente experimental e os resultados obtidos. Finaliza o artigo na seção 6 com as conclusões obtidas e as perspectivas para trabalhos futuros. 2. Classificação de Imagens A análise e interpretação de imagens de satélites abrangem inúmeras tarefas. Uma dessas principais tarefas é a classificação de imagens, ou seja, reconhecimento e separação em classes das feições nela presentes. Esse é um processo feito principalmente com a utilização de recursos computacionais e seu objetivo é obter informações suficientes para distinguir entre diferentes regiões de interesse. O processo de classificação digital transforma um grande número de níveis de cinza, em cada banda espectral da imagem, em um pequeno número de classes em uma única banda da imagem. A classificação consiste em associar cada pixel da imagem a uma classe específica de um conjunto de classes (água, areia, floresta, urbana, etc). O resultado final de um processo de classificação é uma imagem digital que constitui um mapa de pixels classificados, representados por símbolos gráficos ou cores Processamento de Imagens Por Processamento Digital de Imagens (PDI) entende-se a manipulação de uma imagem por computador de modo que a entrada e a saída do processo sejam imagens. Por comparação, na disciplina de reconhecimento de padrões, a entrada do processo é uma imagem e a saída constitui-se numa classificação ou descrição da mesma. e.g. [Gonzalez and Woods 2000] O objetivo de se usar processamento digital de imagens, é melhorar o aspecto visual de certas feições estruturais para o analista humano e fornecer outros subsídios para a sua interpretação, inclusive gerando produtos que possam ser posteriormente submetidos a outros processamentos Métodos de Classificação Os métodos de classificação são usados para mapear áreas da superfície terrestre que apresentam um mesmo significado em imagens digitais. Uma informação espectral específica de uma cena pode ser captada por um sensor e gerar uma respectiva imagem correspondente. Cada pixel de uma banda possui uma correspondência espacial com um outro pixel (pixels homólogos), em todas as outras bandas, ou seja, para uma imagem de K bandas, existem K níveis de cinza associados a cada pixel, sendo um para cada banda espectral. Os métodos de classificação dividem-se basicamente em duas categorias, quanto ao tipo da classificação: classificação não-supervisionada e a supervisionada, e em relação ao método empregado: classificação por região e classificação pixel a pixel. A seguir destacaremos apenas os métodos utilizados no projeto.

3 Classificação Supervisionada: envolve duas fases, a etapa de treinamento e a etapa de reconhecimento. Na fase de treinamento, o objetivo é definir amostras das classes de interesse da imagem. O usuário dispõe de informações que permitem a identificação de uma classe de interesse. Para um treinamento supervisionado o usuário deve identificar na imagem uma área representativa de cada classe. É importante que a área de treinamento seja uma amostra que inclua toda a variabilidade dos níveis de cinza da imagem a ser classificada. Na fase de reconhecimento, a classificação ocorre de acordo com os valores dos pixels das amostras, onde se atribui o valor aos pixels da imagem classificada, de acordo com a maior similaridade entre os valores dos pixels das amostras e da imagem original. Classificação Pixel a Pixel: utilizam apenas a informação espectral isoladamente de cada pixel para achar as regiões homogêneas. Estes classificadores podem ser ainda separados em métodos estatísticos (que utilizam regras da teoria de probabilidade) e determinísticos (que não o fazem). 3. Grid Computing O termo Grid foi concebido por volta da década de 90 para denotar uma proposta de uma infraestrutura de computação distribuída, a fim de integrar arquiteturas heterogêneas e não dedicadas, em diferentes organizações, para o processamento em larga escala e de alto desempenho. O Grid é uma infra-estrutura dinâmica de hardware e software. De uma forma generalizada, consistente, confiável e barata, interliga recursos heterogêneos e distribuídos, localizados em diversas organizações, que estejam conectadas. e.g. [Foster 2000] Percebe-se que esta infra-estrutura é complexa pelo fato de interligar recursos que estão dentro de instituições com configurações, softwares, políticas de acesso e propósitos específicos. O Grid tem que interligar estes recursos heterogêneos e fazer com que estes recursos trabalhem em conjunto de forma transparente aos usuários, como se todos enxergassem esta estrutura como um único supercomputador virtual. Fala-se em infra-estrutura de hardware, para conseguir a interconexão necessária para o acesso aos recursos, e de software para monitorar e controlar estes complexos recursos. Esta infra-estrutura deve permitir o acesso consistente aos recursos, através de serviços padronizados, com interfaces e parâmetros definidos. O maior desafio dessa padronização é encapsular a heterogeneidade dos recursos, sem comprometer o alto desempenho. Vale ressaltar que os recursos dos Grids computacionais podem ser acessíveis a partir de qualquer ponto, mas que a maneiras de limitar sua disponibilidade, assim como, controlar o acesso aos seus recursos. O Grid, como não tem limite de espaço físico, se apresenta como uma solução muito econômica. Sem ter limitação de espaço físico e recursos, o Grid pode usar quantos computadores forem possíveis de se conectar pela Internet Organização Virtual As pessoas, instituições e recursos que participam e utilizam o Grid para fazer o compartilhamento controlado de recursos computacionais formam as Organizações Virtuais. São grupos de atuação em um determinado tema, podendo estar geograficamente e institucionalmente dispersos. Para a operacionalidade de tais organizações precisamos de ambientes colaborativos, seja na elaboração e desenvolvimento de aplicações associadas, ou na utilização de outras aplicações. A proposta do Grid é que as organizações existentes no mundo disponibilizem seus recursos computacionais interligando-os. A quantidade de recursos é dinâmica, pois a qualquer hora uma nova organização pode querer participar ou sair do Grid. Como se pode perceber é preciso haver mecanismos de controle de acesso complexos para permitir que as organizações proprietárias de recursos estabeleçam como querem compartilhá-los. Além disso,

4 deve ser possível também que os usuários determinem como desejam acessar os recursos. E para garantir a integridade dos recursos e informações compartilhadas, os usuários devem estar devidamente autorizados Características Pelos objetivos a que se propõe atingir, um ambiente de Grid deve ser capaz de lidar com aspectos operacionais bem distintos dos até então presentes em outros sistemas distribuídos. Entre eles: Segurança: devido à dispersão dos recursos e à interação entre domínios administrativos distintos, passa a ser fundamental o emprego de tecnologias que garantam, por exemplo, a autenticação de usuários, o controle de acesso aos recursos, a privacidade e a integridade das informações trocadas; Escalabilidade: pela abrangência, que pode podem chegar a milhões de dispositivos, os algoritmos utilizados, principalmente para gerenciamento de recursos e funções de controle, deverão ser capazes de lidar com estas quantidades e de administrar sua distribuição geográfica; Heterogeneidade: a multiplicidade de tipos de recursos, e em ambientes diversificados; Distribuição Geográfica: os recursos poderão estar distribuídos, o que implica em características de desempenho para a rede de interconexão. Controle descentralizado: não há uma autoridade central que seja capaz de impor políticas operacionais ou que garanta a qualidade dos recursos. Confiabilidade: infraestrutura de tecnologia da informação: robusta, coordenada e eficaz Aplicações Apresentaremos a seguir exemplos de como a tecnologia do Grid pode ser útil e aplicável ao processo colaborativo de pesquisa e desenvolvimento. Supercomputação Distribuída: estas aplicações utilizam o Grid para agregar os recursos computacionais de que necessitam, tendo por objetivo maximizar sua performance absoluta, o que não seria possível em um único sistema; Computação de Alta Taxa de Rendimento: estas aplicações objetivam executar o maior número possível de tarefas por período de tempo, tendo uma grande quantidade de dados trafegando pela rede. Utilizam o Grid para escalonar essas tarefas fracamente acopladas e independentes, otimizando os ciclos de processamento; Computação Sob Demanda: permite o acesso a recursos especializados, cuja aquisição não é economicamente compensadora, e cujo uso é feito de forma infreqüente. As aplicações desta classe preocupam-se em maximizar a razão performance/custo. Computação Orientada a Dados: estas aplicações envolvem a síntese de informações a partir de um volume muito grande de dados que são mantidos em repositórios geograficamente distribuídos. Normalmente se faz uso intensivo de processamento e comunicação; Computação Colaborativa: objetivam permitir a interação entre pessoas e recursos computacionais, que estejam geograficamente distribuídas. Normalmente fazem uso de um espaço virtual compartilhado Arquitetura O Grid integra recursos computacionais heterogêneos e de propriedade de diversas. Os proprietários destes recursos têm plataformas, linguagens, ambientes de programação, políticas de utilização de recursos e de segurança distintos. Isso exige que sejam definidas regras para o compartilhamento destes recursos e é por isso que a arquitetura dele é construída a partir de um conjunto de protocolos.

5 A arquitetura do Grid, que proverá serviços de autenticação, autorização, controle de processos, alocação de recursos, mecanismos de proteção entre outros, foi dividia em cinco níveis, conforme apresentado na figura 1. Figura 1. Cinco níveis da arquitetura de grid. Fabric: controla os recursos a serem disponibilizados para os usuários, permitindo obter informações sobre a estrutura, o estado e as possibilidades dos recursos. Connectivity: constituída por protocolos de comunicação (troca de dados entre os recursos da camada Fabric) e autenticação (identificação e verificação segura dos usuários e recursos). Resource: baseia-se nos protocolos da camada Connectivity, para permitir a segurança na negociação, monitoramento, controle e outros detalhes referentes aos recursos individuais. Sua preocupação é a de oferecer informações sobre os recursos e permitir a especificação de políticas de uso de cada recurso. Collective: permite a utilização em conjunto dos recursos. Applications: compreende as aplicações dos usuários, que utilizarão as demais camadas existentes produzindo soluções específicas para as diversas organizações virtuais Projeto Globus O projeto Globus, feito em conjunto pelo Argonne National Laboratory e a University of Southern California s Information Sciences Institute, é o desenvolvimento de uma tecnologia necessária à construção do Grid Computacional. O núcleo deste projeto é o desenvolvimento da infra-estrutura básica para aplicações que integram sistemas geograficamente distribuídos. O Globus é composto por um conjunto integrado de serviços básicos de Grid. Este conjunto integrado de ferramentas e software facilita a criação de aplicações que podem explorar as capacidades avançadas de um Grid. As ferramentas Globus são desenvolvidas para permitir o alto desempenho. Os desafios técnicos do projeto Globus são: gerenciamento de recursos, serviços de comunicação, serviços de escalonamento, protocolos de segurança, serviços de informação, acessos a dados, serviços de tolerância à falhas e facilidade de acesso a dados remotos MPI Message Passing (MP) é o método de comunicação baseada no envio e recebimento de mensagens através da rede seguindo as regras do protocolo de comunicação entre vários processadores que possuam memória própria. O programador é responsável pela sincronização das tarefas. Message Passing Interface (MPI) é uma biblioteca de MP desenvolvida para ambientes de memória distribuída, máquinas paralelas, redes de computadores e redes heterogêneas. Define um conjunto de rotinas para facilitar a comunicação (troca de dados e sincronização) entre processos paralelos.

6 Mpich-G2 é uma implementação padrão do MPI para o Globus. Permite relacionar múltiplas máquinas, de arquiteturas diferentes, para executarem aplicações de MPI. 4. Classificação de Imagens no Ambiente do Grid O classificador de imagens satélites desenvolvido baseia-se no cálculo da distância mínima (Euclidiana), entre os valores dos pixels da imagem a ser classificada e de cada classe definida na coleta das amostras dessa imagem, para determinar a qual classe pertence cada pixel homólogo (pixels relacionados nas bandas da imagem). O método desenvolvido é um procedimento de classificação pixel a pixel, do tipo classificação supervisionada. A fase do treinamento, a qual define as classes, não é incorporada nesse projeto. Os valores médios dos pixels das classes em cada banda estão sendo obtidas num processo externo ao projeto apresentado. Vale ressaltar que os valores padrões (médios) dos pixels de cada classe são obtidos, após uma coleta e análise de amostras retiradas da imagem a ser classificada. Para cada imagem utilizada no experimento, foram colhidas quinze amostras de aproximadamente trezentos pixels cada. Das amostras colhidas, foram definidas seis classes (água, campo, cerrado, mata, cultura e urbano), a serem utilizadas no processo de classificação da imagem. A imagem a ser classificada possui três bandas espectrais. O classificador compara a distância do valor do pixel em cada banda à média de cada classe. Esse procedimento ocorre para todos os pixels de cada banda da imagem. O pixel será incorporado a classe que apresenta a menor distância euclidiana. Este procedimento é repetido até que toda a imagem seja classificada. A imagem classificada possuíra apenas uma banda, pois os três pixels homólogos (três bandas), serão representados por um pixel, cujo valor, estará relacionado a uma classe, de acordo com as rotinas do algoritmo desenvolvido. Todo o procedimento de classificação ocorre no ambiente experimental de Grid implementado. Vale ressaltar, que para efeito de testes e comparação dos resultados, esse procedimento também foi executado em outros ambientes. O classificador foi desenvolvido na linguagem C e utiliza a biblioteca MPI. O projeto desenvolvido recebe como dado de entrada os valores das amostras das classes pré-definidas e as informações (nº linha e nº colunas) da imagem original, além da imagem original bruta (sem cabeçalho), e gera como saída uma imagem classificada. A ferramenta utilizada para o gerenciamento e controle do Grid, assim como para a implementação do projeto foi o Globus + Mpich-G2. O algoritmo criado é compilado pelo Mpicc, que gera um arquivo executável. O projeto desenvolvido é executado a partir de chamadas ao Mpirun, programa disponível no Mpich-G2. Este programa recebe um arquivo criado, de extensão rsl, de Resource Specification Language, que é uma linguagem específica para o Globus. Esse arquivo instrui ao Globus que processos criar e em que máquinas. Assim, o Globus carrega todos os processos e depois permite que as trocas de mensagens com o MPI, cujas regras seguem as rotinas utilizadas no algoritmo desenvolvido, sejam executadas. Os processos são executados paralelamente nas máquinas do Grid, onde cada uma classifica uma parte da imagem. Ao final de todos os processos, temos a imagem classificada. Vale ressaltar, que o procedimento de classificação de imagem, pode ser iniciado a partir de qualquer nodo do Grid. 5. Ambiente Experimental e Resultados Obtidos O ambiente de Grid empregado no experimento está localizado no Laboratório de Sistemas Integrados e Concorrentes (LAICO), do Departamento de Ciência da Computação da UNB. Este

7 ambiente é composto por três máquinas com as seguintes configurações: Pentium IV 1,7GHz, 128MB de memória RAM com o sistema operacional Debian 3.0. A comunicação ocorre por uma rede de cabo par trançado, através de um HUB 10/100 Mbps. Para comparação e ilustração dos resultados, analisou-se o desempenho de outros programas disponíveis atualmente: Envi (software comercial) e Spring (software gratuito, desenvolvido pelo INPE). Ambos os programas não oferecem a classificação de imagens de satélite num ambiente distribuído, e foram testados em máquinas (estações de trabalho) com as mesmas configurações das máquinas do Grid, exceto por estarem com o sistema operacional Windows NT 4.0 e XP Professional. Na execução dos testes, foram utilizadas três imagens, de aproximadamente 150Mb, da cena do Distrito Federal, tiradas pelos satélites Landsat5, Landsat7 e Spot. Nossos resultados comprovam o ganho de performance esperado na classificação dessa imagem, quando executada no ambiente experimental de Grid proposto. Vale ressaltar que quanto maior a quantidade de amostras das classes da imagem, e o número de máquinas participando do Grid, o ganho de processamento, aumenta consideravelmente em relação aos outros programas comparados. Temos que destacar, que as máquinas com capacidade de processamento inferior as outras do Grid, retardam e prejudicam o resultado, caso não se tenha um balanceador de carga eficaz. Analisando a média dos tempos obtidos e as combinações possíveis de processamentos das imagens, num certo tempo e em certo host, veremos que, o Grid mostra-se superior na relação tempo x processamento, comparado ao resultado dos programas utilizados no experimento, quando executados nas três máquinas independentes (estações de trabalho). A figura 2 mostra um gráfico comparativo dos ambientes utilizados e os tempos de processamento gastos, na classificação das imagens utilizadas. Figura 2. Resultados obtidos (Tempo x Imagens). A figura 3 mostra um gráfico comparativo destacando a média da quantidade de imagens classificadas em certo tempo, nos ambientes do experimento. Figura 3. Resultados obtidos (Qtd Imagem x Tempo).

8 Convém destacar ainda outras vantagens de se utilizar o Grid, que foram ressaltadas no projeto desenvolvido. São elas: aproveitamento do tempo ocioso, participação em outros Grids, otimização dos processos de classificação e reserva de recursos. 6. Conclusões e Trabalhos Futuros Neste artigo apresentamos uma abordagem de classificação de imagens de satélites utilizando uma ambiente de Grid Computacional. Foi apresentado um embasamento teórico sobre os tópicos relevantes para um melhor esclarecimento do objetivo de se criar e implementar um algoritmo de classificação de imagens de satélites para um ambiente computacional distribuído paralelo. Convém ressaltar que o objetivo foi alcançado com sucesso, e destacar as vantagens que a utilização do ambiente de Grid pode apresentar em relação aos ambientes atualmente oferecidos para o procedimento de classificação de imagens, assim como para outras diversas aplicações. Como trabalhos futuros, seria interessante para uma melhor observação dos resultados o aumento do número de máquinas que integram o Grid, testando, também, ambientes de Grids abertos disponíveis na Internet. Outro caminho para extensão deste trabalho seria o desenvolvimento de outros algoritmos para outras fases do processamento de imagens. Um fator diferencial será o projeto de desenvolvimento de uma interface amigável (portal grid), onde o usuário poderia definir novas classes para classificação, monitorar todo o processo de classificação, assim como visualizar a imagem origem e a resultante desse processo. Referências BANNISTER, J.; FOSTER, I.; HWANG, S.; et al. The Quality of Service Component for the Globus Metacomputing System. Proc. IWQoS 98, pp , BAXEVANIDIS, K.; DAVIES, H.; FOSTER, I.; et al. Grids and Research Networks as Drivers and Enablers of Future Internet Architectures. Computer Networks, FOSTER, I. Grid Computing. Advance, 51-56, FOSTER, I. The Emergence of the Grid. Nature Yearbook of Science and Technology, Nature Publishing Group, FOSTER, I.; GEISLER, J.; GROPP, W.; et al. Wide-Area Implementation of the Message Passing Interface. Parallel Computing, 24(12): , FOSTER, I.; GROPP, W.; KARONIS, N.; et al. MPICH-GQ: Quality-of-Service for Message Passing Programs. Proceedings of the IEEE/ACM SC2000 Conference, November 4-10, FOSTER, I.; KARONIS, N. A Grid-Enabled MPI: Message Passing in Heterogeneous Distributed Computing Systems. Proc SC Conference, November, FOSTER, I.; KESSELMAN, C. Computational Grids. Chapter 2 of "The Grid: Blueprint for a New Computing Infrastructure", Morgan-Kaufman, FOSTER, I.; KESSELMAN, C. Globus: A Metacomputing Infrastructure Toolkit. Intl J. Supercomputer Applications, 11(2): , FOSTER, I.; KESSELMAN, C.; LEE, C.; et al. A Network Performance Tool for Grid Computations. Supercomputing 99, FOSTER, I.; KESSELMAN, C.; TUECKE, S. The Anatomy of the Grid: Enabling Scalable Virtual Organizations. International J. Supercomputer Applications, 15(3), GONZALEZ, R.; WOODS, R. Processamento de Imagens Digitais, tradução do original Digital Image Processing. Edgard Blucher, KACSUK, P.; KRANZLMULLER, D.; VOLKERT, J.; et al. Distributed and Parallel Systems: Cluster and Grid Computing. In Kluwer International Series in Engineering and Computer Science, 2002.

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Supercomputadores dominavam o mercado

Supercomputadores dominavam o mercado Clusters e Grids Introdução Supercomputadores dominavam o mercado Alto custo Requerem mão de obra muito especializada Desenvolvimento de microprocessadores poderosos a um baixo custo Desenvolvimento de

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail.

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail. GERAÇÃO DE MAPA DE USO E COBERTURA DE SOLO UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 8 PARA O SUPORTE AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ. Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³ 1 Universidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Década de 50 introdução dos

Leia mais

4 Computação Paralela 4.1. Introdução

4 Computação Paralela 4.1. Introdução 4 Computação Paralela 4.1. Introdução Nos últimos anos observa-se uma tendência cada vez maior do aumento da demanda computacional na resolução de grandes problemas. Exemplos de aplicações que exigem alto

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 1) Administração A palavra administração vem do latim

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciência da Computação 5ª série Sistemas Operacionais A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar

Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar Desempenho de um Cluster Virtualizado em Relação a um Cluster Convencional Similar David Beserra 1, Alexandre Borba¹, Samuel Souto 1, Mariel Andrade 1, Alberto Araujo 1 1 Unidade Acadêmica de Garanhuns

Leia mais

Xavantes: Structured Process Execution Support for Grid Environments

Xavantes: Structured Process Execution Support for Grid Environments Xavantes: Structured Process Execution Support for Grid Environments Fábio R. L. Cicerre 1, Edmundo R. M. Madeira 1, Luiz E. Buzato 1 1 Instituto de Computação Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens

Introdução ao Processamento de Imagens Introdução ao PID Processamento de Imagens Digitais Introdução ao Processamento de Imagens Glaucius Décio Duarte Instituto Federal Sul-rio-grandense Engenharia Elétrica 2013 1 de 7 1. Introdução ao Processamento

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Nesse capítulo, apresentamos os trabalhos relacionados ao GridFS, entrando em mais detalhes sobre os sistemas citados durante a introdução e realizando algumas considerações sobre

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Balanceamento de Carga

Balanceamento de Carga 40 4. Balanceamento de Carga Pode-se entender por balanceamento de carga uma política a ser adotada para minimizar tanto a ociosidade de utilização de alguns equipamentos quanto a super utilização de outros,

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Grades Computacionais: Uma Introdução Prática

Grades Computacionais: Uma Introdução Prática Grades Computacionais: Uma Introdução Prática Raphael Y. de Camargo Ricardo Andrade Departamento de Ciência da Computação Instituto de Matemática e Estatística Universidade de São Paulo, Brasil São Paulo,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos

Um Modelo de Virtualização em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Um Modelo de em Grades Computacionais para Inserção de Recursos Ociosos Apresentado por: Josiney de Souza e Rubens Massayuki Suguimoto CI853 - Tópicos em Redes de Computadores III Prof. Aldri Luiz dos

Leia mais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais Computação em Nuvem Computação em nuvem: gerenciamento de dados Computação em nuvem (Cloud Computing) é uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Computação em Grid e em Nuvem

Computação em Grid e em Nuvem Computação em Grid e em Nuvem Computação em Nuvem Molos 1 Definição Um grid computacional é uma coleção recursos computacionais e comunicação utilizados para execução aplicações Usuário vê o grid como

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Software em Sistemas Distribuídos Aplicativo ou Sistema Operacional Sincronismo Interação Controles Um sistema operacional moderno provê dois serviços fundamentais para o usuário

Leia mais

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede

} Monolíticas Aplicações em um computador centralizado. } Em Rede Aplicações com comunicação em rede. } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede Prof. Samuel Souza } Monolíticas Aplicações em um computador centralizado } Em Rede Aplicações com comunicação em rede } Distribuídas Comunicação e cooperação em rede } Aplicações que são funcionalmente

Leia mais

Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM

Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM Daniel Cândido de Oliveira 1, Yzaac Gonçalves da Silva 1, Madianita Bogo 1 1 Centro Universitário Luterano de Palmas Universidade Luterana do Brasil

Leia mais

Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho

Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho Márcio Parise Boufleur Guilherme Piegas Koslovski Andrea Schwertner Charão LSC - Laboratório de Sistemas de Computação UFSM - Universidade

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Tópico 4 Estrutura do Sistema Operacional Prof. Rafael Gross prof.rafaelgross@fatec.sp.gov.br FUNÇÕES DO NUCLEO As principais funções do núcleo encontradas na maioria dos sistemas

Leia mais

Otimização de Desempenho e Escalabildade do Sistema Falibras-Web com o uso de Grid Computing

Otimização de Desempenho e Escalabildade do Sistema Falibras-Web com o uso de Grid Computing Otimização de Desempenho e Escalabildade do Sistema Falibras-Web com o uso de Grid Computing João Paulo Ferreira da Silva e Patrick Henrique da Silva Brito Laboratório de Pesquisa e Extensão em Computação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry REDES DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Fundamentos em Informática Mundo Globalizado Acelerado desenvolvimento tecnológico

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Redundância e Alta Disponibilidade Redundância: Duplicação de um elemento da infraestrutura

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS SIG Profa.. Dra. Maria Isabel Castreghini de Freitas ifreitas@rc.unesp.br Profa. Dra. Andréia Medinilha Pancher medinilha@linkway.com.br O que é classificação? É o processo de

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Referência de cores Fiery

Referência de cores Fiery 2014 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. 11 de junho de 2014 Conteúdo 3 Conteúdo Introdução à referência de cores

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Sistemas Paralelos e Distribuídos Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Conceitos preliminares Paralelismo refere-se a ocorrência simultânea de eventos em um computador Processamento

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

Nível do Sistema Operacional

Nível do Sistema Operacional Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/1 Introdução Hardware Provê os recursos básicos

Leia mais

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas (Anexo IV) LINHAS TEMÁTICAS EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas Metodologia, blocos e ferramentas específicas de projeto que

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Objetos distribuídos e invocação remota Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Chamada de procedimento remoto Eventos e notificações Objetos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Turma de Redes AULA 06 www.eduardosilvestri.com.br silvestri@eduardosilvestri.com.br Estrutura do Sistema Operacional Introdução É bastante complexo a estrutura de um sistema operacional,

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Sistema de Banco de Dados Distribuídos e DataGrid

Sistema de Banco de Dados Distribuídos e DataGrid Sistema de Banco de Dados Distribuídos e DataGrid Leandro Melo de Sales Mário Hozano Lucas de Souza Trabalho para obtenção de nota da disciplina Banco de Dados Professor: Marcus Sampaio 25 de abril de

Leia mais

Aula 01 Introdução ao Gerenciamento de Redes

Aula 01 Introdução ao Gerenciamento de Redes Aula 01 Introdução ao Gerenciamento de Redes Leonardo Lemes Fagundes leonardo@exatas.unisinos.br São Leopoldo, 15 de outubro de 2004 Roteiro Apresentação da disciplina Objetivos Conteúdo programático Metodologia

Leia mais

Reconhecimento de Dados Biométricos em Larga Escala

Reconhecimento de Dados Biométricos em Larga Escala Reconhecimento de Dados Biométricos em Larga Escala Profa. Fabíola Gonçalves Pereira Greve DCC - UFBA Departamento de Ciência da Computação Grupo de Algoritmos e Computação Distribuída http:// Equipe Profa.

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Grids Computacionais. Marcelo Musci. musci@terra.com.br. Computação de Alto Desempenho. Jun/2004. Profa. DSc. Cristiana Bentes

Grids Computacionais. Marcelo Musci. musci@terra.com.br. Computação de Alto Desempenho. Jun/2004. Profa. DSc. Cristiana Bentes Grids Computacionais Marcelo Musci musci@terra.com.br Computação de Alto Desempenho Jun/2004 Profa. DSc. Cristiana Bentes Roteiro Conceituação Características de Grids Aspectos da Computação em Grid Soluções

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System

The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System O sistema Open Source de nuvens computacionais Eucalyptus Daniel Nurmi, Rich Wolski, Chris Grzegorczyk, Graziano Obertelli, Sunil Soman, Lamia Youseff,

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves 1 Aula 03 Redes Industriais Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Plano de aula Tópicos da aula: 1 Introdução 2 Benefícios na utilização de redes 3 Dificuldades na utilização de redes

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP

Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP Cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas - UnP Professor Nielsen Castelo Damasceno E-mail: nielsen.castelo@unp.br Web: http://ncdd.com.br Sala de Aula Online Curso Sistemas distribuídos (CH Total

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007 Roteiro Serviços Estrutura dos Sistemas Operacionais Funções do Sistema Operacional Chamadas do Sistema

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Anéis Ópticos em Backbone www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em 1980 foi formado o grupo de trabalho ANSI X3T9.5 com a finalidade de desenvolver

Leia mais

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital WHITEPAPER Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital Câmera IP ou câmera analógica? Se você está em dúvida sobre a aquisição de uma solução analógica

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc.

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc. Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software Prof. MSc. Hugo Souza Continuando nossas aulas relativas ao Módulo 1, veremos a seguir

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

UTFPR - Sistemas Distribuídos Prof. Cesar Augusto Tacla. Anotações. Copyright Cesar Augusto Tacla 2008 - 1 -

UTFPR - Sistemas Distribuídos Prof. Cesar Augusto Tacla. Anotações. Copyright Cesar Augusto Tacla 2008 - 1 - - 1 - - 2 - - 3 - Segundo (Garg, 2004), são sistemas compostos por múltiplos processadores conectados por uma rede de comunicação, sendo a rede de comunicação uma LAN (Ethernet) ou WAN (Internet). - 4

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

4 Um Exemplo de Implementação

4 Um Exemplo de Implementação 4 Um Exemplo de Implementação Neste capítulo será discutida uma implementação baseada na arquitetura proposta. Para tanto, será explicado como a arquitetura proposta se casa com as necessidades da aplicação

Leia mais