Editorial. São passados apenas 4 meses desde que N.º 28 JUL/DEZ 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Editorial. São passados apenas 4 meses desde que N.º 28 JUL/DEZ 2009"

Transcrição

1 N.º 28 JUL/DEZ 2009 Editorial São passados apenas 4 meses desde que tomámos posse até ao momento em que escrevo estas linhas. E, fiéis ao lema dar continuidade concluímos satisfatoriamente a realização XI Feira Alentejana, a edição da Revista Cultural nº 22 e o evento cultural dos IX Jogos Florais -falando apenas das mais relevantes - tarefas iniciadas pela anterior Direcção, cujo apoio aqui desejamos enaltecer e agradecer bem como o dos grupos culturais, Cantadeiras, Cavaquinhos e Sevilhanas da Alma Alentejana, sempre disponíveis para trazer alegria, arte e boa disposição onde e quando necessários. Porém, nada disto seria possível sem o apoio e colaboração dos muitos sócios amigos e trabalhadores da Alma Alentejana e do Poder Local Democrático sempre presente em toda a nossa actividade, seja ela de carácter cultural ou no apoio social que prestamos aos idosos, nossos utentes. Permitam que lembre aqui o artigo primeiro dos nossos estatutos: A Alma -Alentejana Associação para o Desenvolvimento, Cooperação e Solidariedade Social é uma instituição particular de solidariedade social. E porque assim é, para cumprirmos os nossos compromissos com a sociedade envolvente, distribuídos por dois centros de dia, dois centros de convívio e um serviço de apoio domiciliário este último com um novo protocolo alterando o apoio estatal de 10 para 20 utentes - também tivemos que assumir responsabilidades para com os Cerimónia de Entrega de Prémios dos IX Jogos Florais

2 2 alma alentejana que aqui trabalham para que no fim de cada mês possam levar para casa o seu parco salário. Quero com isto dizer que a Associação Alma Alentejana, com os seus mais de vinte trabalhadores, para além de tudo o que dela já conhecemos, cultural e socialmente, é uma pequena empresa cuja gestão não se pode ficar pela dedicação dum grupo familiar ou de meia dúzia de carolas reformados, sem formação específica de gestão. Por certo, de entre os cerca de milhar e meio de associados, alguns hão-de haver que neste capítulo poderiam dar um valioso contributo na melhoria dos processos de gestão desta já considerável nau. É necessária uma maior participação dos sócios na vida da nossa Alma Alentejana porque os seus êxitos ou fracassos não serão pertença apenas de uns quantos que aceitaram responsabilidades de direcção mas sim de todos os que a constituem. A omissão é um acto tão responsável quanto a acção. Por isso, participar é, para além dum direito o dever de zelar pelo bom nome, prosperidade e prestígio da Associação - alínea c) do artigo 11.º dos Estatutos. Estamos em fase de elaboração do orçamento e programa de acção para Eis pois uma ocasião soberana para trazer à participação, fazendo uso dos seus direitos, todos os sócios que tenham sugestões ou propostas visando uma melhor realização dos fins da Associação. Participem Ficamos á espera. Por último, apesar da crise económica geral e em particular daquela em que os últimos governos mergulharam este país, e porque o tempo voa, quero aproveitar a ocasião para desejar a todos Feliz Natal e um Novo Ano o melhor possível. António Oliveira Presidente da Alma Alentejana ÍNDICE EDITORIAL... 1 ACTUALIDADE Reflexão sobre Associativismo... 3 Nós, o Fisco e a Segurança Social... 5 Estado-Providência: Modelo Escandinavo e Modelo Português. Algumas diferenças... 7 XI FEIRA DO ALENTEJO CORPOS SOCIAIS BIÉNIO 2009/ IX JOGOS FLORAIS...14 NOTÍCIAS DA ALMA Espectáculo de Viola Campaniça em Lisboa...18 Avis: Exposição Alentejo com Alma Terras com História Novas escolas em Almada Feira do Artesanato da Trafaria Borba: Visita à Festa da Vinha e do Vinho.. 19 Multiusos da Sobreda Lançamento no novo CD das Cantadeiras da Alma Alentejana O Alentejo não tem fim PLANO DE ACTIVIDADES PARA PARA RIR... E LEVAR A SÉRIO PASSATEMPOS CONTACTOS SEDE: Av. Prof. Ruy Luis Gomes, 13 r/c - Laranjeiro Telef/Fax: C. D. LARANJEIRO: Praceta Luis de Sá, 8 B - Laranjeiro Telef/Fax: C. D. PRAGAL: Travessa Moinhos Ed. Polivalente - Pragal Telef/Fax: C. C. COVA PIEDADE: Largo 5 Outubro, 18 - C. Piedade Telef/Fax: C. C. Trafaria: Av. Liberdade, 9 - Trafaria Telef/Fax: FichaTécnica Edição: Alma Alentejana, Associação para o Desenvolvimento, Cooperação e Solidariedade Social Coordenação: José Rabaça e José Moutela Director Editorial: António Oliveira Colaborador Técnico: Hélio Heitor Produção Gráfica: Tipografia Lobão, Lda. A Alma Alentejana não se responsabiliza pelas opiniões expressas pelos seus colaboradores

3 José Moutela boletim informativo Reflexão sobre Associativismo Levamos já muitos anos de movimento associativo. Todos eles de grande realização pessoal. De grandes aprendizagens. Também de grandes vivências no plano da solidariedade e da amizade, pois este é um mundo onde estes valores, associados a outros como a honestidade, a fidelidade, a amizade e um objectivo comum que é contribuir com trabalho, ideias e disponibilidade de tempo, por vezes roubado à família, aos amigos e Actualidade ao lazer e descanço, nos realiza como pessoas. Estivemos alguns anos na área da Educação como membros e dirigentes de Associações de Pais, andámos pelo Movimento Associativo Popular, como dirigentes de uma colectividade com Banda e Escola de Música, entre outras actividades, e estamos nesta fase, na Alma Alentejana. Nas AP s o trabalho incidia, sobretudo, na dinamização dos pais para que participassem com maior intensidade na vida escolar dos seus filhos, no apoio aos professores, fazendo sentir a uns e outros que a Escola não é dissociada da família, não é um depósito de crianças ou jovens. Já a actividade desenvolvida na Colectividade foi diferente, pois a mesma para além de Centenária, tinha na Banda o seu grande património, cultural e histórico, palco de formação de gerações de músicos, de homens e mulheres cultas, e, na primeira metade do século vinte 3

4 4 alma alentejana era nestas casas que muita gente aprendia a ler e a escrever. E foram também locais que permitiram a descoberta em muitos do que era ser cidadão pleno, dos valores da liberdade. Aqui tentámos adapar ao nosso tempo as vivências, tão diferentes, já que a evolução da própria vida exige que nos mesmos espaços se criem novas actividades, que sejam atractivas, que levem as pessoas até à Sociedade para um café, uma conversa, um espectáculo, etc. É dificil de concretizar esta ideia, já que o ritmo de vida, frenética, stressante, e sobretudo muito individualista, leva a que as pessoas se mantenham em casa dezenas de canais TV, internet, etc. Esta fase da nossa vida, apesar de tudo, foi muito rica em termos de realização pessoal. E chegámos aqui, à Alma Alentejana. A primeira reacção foi de grande emoção, pois nunca tinhamos estado tão próximo desta realidade que é a terceira idade. No Centro de Dia do Pragal despertámos para este facto que é a nova Escola. Já não são os pais que levam os filhos à Escola. Inverteu-se, de certa forma, a situação. Mas também é verdade que os Centros de Dia, têm condições para substituir, digo antes, complementar a assitência e a responsabilidade da família para com os seus idosos. Temos estado todos os dias a aprender a lidar com esta actividade social de um relevância enorme para a qualidade de vida dos nossos pais e avós. Há aspectos de natureza legal e de apoio do estado que ainda não dominamos, que ainda questionamos a sua justeza, quantificamos os apoios, não temos ainda noção das necessidades, logo não podemos ter uma opinião definitiva sobre esta questão. Já em relação à equipa de colaboradores (empregados) da Alma Alentejana, desde o Director Técnico à Auxiliar dos Serviços Gerais, temos constatado um grande profissionalismo, uma grande dedicação, um grande espírito de solidariedade e carinho para com os utentes que nos tem deixado agradávelmente surprendidos e felizes. Estamos a sentir um prazer enorme em estar aqui, em poder ajudar a concretizar sonhos, que não se ficam por aquilo que fazemos hoje, mas também pelo muito que queremos fazer, em equipa, esta Direcção e todos os sócios. É premente o trabalho que, na área social estamos a desenvolver, mas não queremos esquecer um dos pontos fundamentais que estiveram na génese da criação da Alma: O Alentejo e os Alentejanas na Margem Sul do Tejo. Nesta grande Metrópole que é Lisboa e que tantos alentejanos alberga. m

5 José Assunção boletim informativo Nós, o Fisco e a Segurança Social Ultrapassado que está o empecilho legal que desde há vários anos vinha obstando a que as instituições particulares de solidariedade social ( e outras) pudessem usufruir de uma parcela - 0,5% - do imposto sobre o rendimento das pessoas singulares liquidado com base nas declarações anuais dos sujeitos passivos que assim o desejassem, esta instituição requereu já, a quem de direito, tal beneficio fiscal, referente ao IRS que vier a ser liquidado no ano de 2010, com referência aos rendimentos do ano de 2009, fazendo prova da obtenção do reconhecimento pelo Governo da prossecução dos seus fins relevantes para efeitos de aplicação da Lei da Liberdade Religiosa; Considerando que a alteração da Lei - afastamento da exigência de não pedido de reembolso do IVA suportado na aquisição de certos bens - ocorreu em Agosto último, entende esta instituição estar claramente dentro do espírito da mesma e dentro dos prazos referidos na Portaria que decorreu daquela Lei; Actualidade Assim e para que a Alma Alentejana possa vir a ser contemplada com a consignação fiscal em causa, basta agora que todos os nossos associados, em particular, e mais generalizadamente todos os nossos amigos, no momento da apresentação da sua Declaração de IRS respeitante aos rendimentos do ano de que será suposto vir a acontecer em Março/Abril/Maio de em suporte de papel ou utilizando os meios informáticos - façam constar do campo 9 do Anexo H ( assim foi na Declaração respeitante aos rendimentos do ano de 2008 ) conforme quadro que reproduzimos no fim da página. Também aqui se falou, recentemente, da criação do novo Código da Segurança Social; Ele já saiu. Vertido que foi na Lei n.º 110/2009, de nasceu o Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social; A Alma Alentejana contribui para o orçamento da Segurança Social - beneficiando já de um regime de excepção por se tratar de uma empregadora sem fins lucrativos - a título de prestação pecuniária destinada à efectivação do direito à segurança social, com 19,6% do montante das remunerações que mensalmente atribui aos seus trabalhadores; Tal montante será elevado no ano de 2010 para 20%, aumentando sucessiva e anualmente 0,4% até ao ano de 2016 em que se fixará em 22,3%; Partindo do pressuposto que as IPSS não aceitam pagar mais para a Segurança Social sem 5

6 6 alma alentejana contrapartidas e ( ) atendendo ao contexto de crise internacional e suas repercussões na nossa sociedade está previsto o acréscimo à percentagem de actualização anual das comparticipações da segurança social - de uma actualização extraordinária correspondente a 0,4%, a qual deve manter-se pelo mesmo período em que se verifique a actualização gradual da taxa contributiva; estaremos cá para ver o impacto efectivo no ano civil anterior, do aumento da taxa social única e o montante da comparticipação financeira da segurança social a que corresponderá a actualização extraordinária de 0,4%, tendo, nomeadamente - mas não só - em atenção o alargamento da base de incidência contributiva - vide Abono para Falhas. Estaremos atentos. Junta de Freguesia de Laranjeiro Pela passagem de mais uma época natalícia, a Junta de Freguesia de Laranjeiro saúda com amizade e total estima, toda a população do Laranjeiro da qual faz parte toda a Comunidade Alentejana, desejandolhes um NATAL MUITO ALEGRE e para o ANO DE 2009, as maiores virtudes, acompanhadas de muita saúde, progresso e paz.

7 Paulo Mota boletim informativo Estado-Providência: Modelo Escandinavo e Modelo Português. Algumas diferenças. O desenvolvimento dos Estados-Providência na Europa está intimamente associado aos processos de desenvolvimento das nações. Por outras palavras, desde o advento da Revolução Industrial, e de todos os processos daí resultantes como o êxodo rural e consequente expansão urbana das grandes Metrópoles, acompanhado de maiores desequilíbrios na redistribuição da riqueza, formaram um terreno fértil para o aparecimento dos Estados-Providência. Porém, para que esses mesmos Estados-Providência saiam mais reforçados, é necessário que um conjunto de indivíduos possa lutar por ele e que o torne forte e estável. Na Escandinávia esse terreno foi sendo p r e p a r a d o logo em finais do Século XIX. A primeira confederação sindical surgiu na Suécia Actualidade em Um ano depois, os vizinhos noruegueses seguiram-lhes as pisadas. Já no Século XX, mais concretamente em 1907 e em 1916, surgiram as primeiras estruturas sindicais na Finlândia e Islândia, respectivamente. Actualmente, estes países têm taxas de sindicalização muito superiores, quando comparados com os seus congéneres europeus. Senão observe-se os valores do quadro a seguir indicado: País Taxa de sindicalização Islândia 85% Finlândia 85% Suécia 81% Noruega 57% A base cedo foi lançada. O grande desenvolvimento verificou-se nas décadas que se seguiram ao final da Segunda Guerra Mundial e que dotou estas nações de sistemas de protecção dos seus cidadãos, ao nível da saúde, da educação e de apoio social, sendo aos olhos de todos como um modelo a seguir. Contudo este estado de paz social sentiu os primeiros abalos no final dos anos 70 e 7 Estocolmo

8 8 alma alentejana Oslo inícios da década de 80, do Século XX, quando no Mundo Ocidental se assistiu à ofensiva dos Governos Neo-Liberais e Neo-Conservadores, com a senhora Tatcher e o presidente norte-americano Ronald Reagan, à cabeça. Todavia, os países escandinavos sentiram as influências (aumento do desemprego, diversificação do movimento sindical e internacionalização das economias de mercado), mas não claudicaram! Tendo inclusive saído desta crise de uma forma airosa, criando as bases para o estabelecimento de uma economia forte e próspera, como são disso exemplo as empresas de telecomunicações. Ao nível do Estado-Providência, veja-se o caso dinamarquês em que todos os recém-nascidos, a partir dos 6 meses, têm lugar garantido nas Creches, ou onde os cuidados prestados aos idosos nos seus domicílios é generalizado, a saúde é grátis e os jovens durante cinco anos têm direito a um subsídio de estudo, mais um ano sabático para descobrirem o mundo ou aquilo que é mais frequente para se prepararem para o exame de admissão à Universidade. Com a entrada no novo Século, assistimos a uma nova crise mundial e que a todos afecta, sendo por isso designada de global. Hoje a economia sofre dos dissabores da globalização, da ameaça dos Fundamentalismos Religiosos, das flutuações dos preços dos combustíveis e da redução ou não dos impostos. Daqui resulta uma dificuldade em unir os indivíduos em torno de um objectivo comum. Isto é, a defesa dos direitos adquiridos. E assim se propicia o terreno ideal para os políticos de direita conservadora e populista, e em alguns casos para a extrema-direita, angariarem mais eleitorado (veja-se o caso do CDS-PP, que nas últimas legislativas teve quase 11% dos votos dos portugueses). Com este avanço da direita a privatização de sectores chave (saúde, educação e segurança social) de um verdadeiro Estado-Providência, podem ser uma grave consequência. Deste modo caminhamos pois para uma lógica mercantilista, onde a lei da oferta e da procura, permite às grandes empresas entrarem, na maioria das vezes, com o consentimento dos governos nacionais, na gestão do sector público, preparando-se para efectivar o desmantelamento do modelo social europeu, e consequentemente o fim do Estado-Providência. No nosso país, só após a Revolução de 25 de Abril de 1974, é que se verificou o aparecimento (tardio) de um sistema de protecção Copenhaga

9 boletim informativo 9 social para todos os cidadãos e que se caracteriza pelo seu vasto leque de abrangência, isto é, protecção na doença, maternidade, paternidade, desemprego, velhice, invalidez e sobrevivência. Porém, esta protecção é apenas válida para aqueles que se encontram bem integrados no mercado de trabalho, deixando de lado todos os que se encontram em situações atípicas de emprego, como por exemplo os trabalhadores independentes. Para Sílvia Ferreira (Socióloga do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra) o sistema de Segurança Social Português é ao nível da União Europeia, o mais ineficaz no combate à pobreza, na redistribuição dos rendimentos e na redução das desigualdades sociais. Os últimos governos do Partido Socialista, em Portugal, têm preparado o caminho, para a privatização dos serviços públicos, utilizando para tal Reformas Legislativas, que em nada favorecem os cidadãos, no que aos seus direitos constitucionais dizem respeito. Estamos a falar de saúde, educação e protecção social universal e gratuita. Têm sido efectivados incentivos à iniciativa privada, como sendo meios complementares da Segurança Social, ficando apenas a cargo Reykjavik do Estado um nível mínimo de apoios sociais. Há estudiosos desta matéria, como Alfredo Bruto da Costa, que defendem a ideia que o financiamento do Estado-Providência, depende do contexto económico, mas sobretudo do grau de solidariedade que cada um de nós está disposto a dar, sendo que os primeiros de todos nós deverão ser os nossos governantes, que deverão ter vontade política para mudar o rumo da situação que se avizinha cada vez mais negra. Em jeito de conclusão, podemos afirmar que o nosso país está ainda a anos-luz de uma realidade que já foi a melhor na Escandinávia, mas que esperamos venha a mudar. Para tal é necessário que os nossos governantes, abandonem a ideia de desresponsabilização do Estado para suprimirem disfuncionamentos sociais existentes e que se prendem sobretudo com o envelhecimento da população e o seu consequente financiamento das pensões de reforma, e com o crescente desemprego, provocado pelo desmantelamento de grandes empresas transnacionais, que procuram noutros continentes, fontes de mão de obra mais barata e obviamente o aumento dos seus lucros. Helsínquia

10 10 alma alentejana XI Feira do Alentejo... A XI Feira do Alentejo decorreu, durante 10 dias (24/Julho a 2 de Agosto), com uma grande participação de visitantes. O programa cultural cativou a atenção de todos, quer visitantes quer os próprios grupos que actuaram. Todas as noites e tardes o pavilhão da Escola Secundária Cacilhas Tejo esteve com muito público para adquirir produtos alentejanos (Paios, chouriços, queijos, doces, mel e artesanato) e para assistir, por vezes com muita emoção, à exibição dos grupos vindos do Alentejo. Foi um voltar às origens, foi um reviver vidas e memórias dum tempo passado e nunca esquecido. Foi também ponto de encontro de muitos alentejanos, que apesar de viverem nos concelhos de Almada e Seixal, só se encontram nestes momentos. Revêem amigos e retomam conversas sempre inacabadas. Deixamos aqui um agradecimento muito sentido a todos os que colaboraram e ajudaram à realização deste evento, que por razões do seu sucesso anual é já uma referência cultural na Margem Sul do Tejo. É o Alentejo vivo na grande Metrópole Lisboeta. Pró ano voltamos a ver-nos, na XII Feira do Alentejo.

11 boletim informativo 11

12 12 alma alentejana Corpos Sociais - B Presidente António Oliveira Vice-Presidente José Rabaça Vice-Presidente José Moutela Tesoureiro José Assunção 2º Tesoureiro Lurdes Silva Secretário Vítor Navalho 2º Secretário José Revés Vogal Felismina Santo Vogal Maria Coutinho Vogal Ermelinda Franco Vogal Rui Carvalho Domicilia Costa Joaquim Biga Fátima Amiguinho Fátima Moisão Florinda Mareco Leonor Silva Francisco Fernandes Maria Gonçalves Higino Santos Francisco Rebeca

13 boletim informativo iénio 2009/ Presidente Carlos Almeida Vice-Presidente António Cristo Secretário Armindo Rosado Virgínia Oliveira Joaquim Parrinha Presidente António Pombeiro Vice-Presidente Manuel Viegas Secretário Brás Borges Maria Viegas Barbara Petronilha

14 14 alma alentejana IX Jogos Florais da Alma Alentejana No passado domingo dia 25 de Outubro, em Almada no Fórum Romeu Correia no Auditório Lopes Graça, realizou-se a Gala de Encerramento e entrega de prémios dos IX Jogos Florais da Alma Alentejana. Como patrono tivemos José Manuel Maia, figura bem conhecida e querida na margem Sul do Tejo. Na mesa estiveram presentes o Patrono dos Jogos José Manuel Maia, Dra. Natália Pinto, Manuel Fernandes, Joaquim Avó, poetisa Rosa Dias, José Ferreira e o Vice Presidente e Presidente da Alma Alentejana, Prof. José Rabaça e António Oliveira, respectivamente. O Presidente da Alma Alentejana, saudou os presentes dando início à sessão. Joaquim Avó fez a apresentação da Mesa, dando a palavra ao Prof. José Rabaça que por várias vezes parou para suster a lágrima, tal a emoção que sentia. Dando de seguida a palavra ao patrono do evento, que nos iria presentear com passagens do seu interessante percurso de vida. Rosa Dias, com sua veia poética, leu de sua autoria o que lhe ia na alma acerca do amigo Maia, do qual deixamos um pequeno extracto. Há homens, que embora mortais Farão sempre parte da verdadeira história Como homens raros, homens especiais Irão permanecer na nossa memória Não fora esse Dom com que nascem, dar sinal Duma dimensão incrivel, p ra lá do amor Passariam despercebidos, ao vulgar mortal Que olha com indiferença, o seu real valor Mas lá estão os poetas, eternos poetas Esquadrinhando a vida, em seu pormenor Castelos fechados, janelas abertas Com olhares atentos mirando em redor O valor do homem é um valor de vida Vive em cada frase dum vulgar poema. ( )

15 boletim informativo... IX Jogos Florais da Alma Alentejana Obras Distinguidas 15 Categoria Quadra 1.º Prémio Maria Amélia Brandão de Azevedo Natural de Vila Nova de Famalicão (pseudónimo Papoila) Vi a Cegonha singela A voar sobre a Cidade Era a imagem mais bela Dum sonho de Liberdade. Categoria Poesia 1.º Prémio e Prémio Absoluto Maria Cecília Sobral Santos Franco de Sousa Natural de Lisboa (pseudónimo Euridíce) NO SILÊNCIO Quando o som do silêncio sai da flauta E se tinge o horizonte de vermelho Sinto uma segurança quase incauta, Olho céu e mar e vejo-me ao espelho. A representação da vida pára. O pano cai no fim, sem ovações, E tudo à minha volta é coisa rara, Mundo de sonhos, doces ilusões. Nesse silêncio, escuto a poesia Doutras flautas tocando para mim, Solta-se no ar pó de fantasia, Arabescos, perfumes de jardim. O meu silêncio é cântico das aves, Inspiração que chega de mansinho, Transparentes palavras que são chaves Abrindo as portas brancas dum caminho. Categoria Conto 1.º Prémio Maria de Fátima da Silva Santos de Mendonça Natural de Ferreira do Alentejo (pseudónimo Maria do Povo) O CENTRO DE DIA - Comadre Chica! gritou Ludovina Tromba- Rija, assomando ao portão do quintal. Vossemecê está em casa? Chica Júlia, limpando o nariz ao lenço amarrotado, respondeu: - Cá estou, comadre Ludovina! Então que novidades me traz hoje? -Olhe, eu não sei se lhe deva contar ou não aquilo que me disseram. Vossemecê sabe que o Zé Felizardo, que é agora o presidente da Junta, anda a magicar numa ideia? Veja lá para o que lhe havia de dar! O rapaz não está bom da cabeça!... Anda pensando em fazer um Centro de Dia para os mais velhos - O quê, comadre? Um assento de dia? replicou Chica Júlia, sem perceber bem Mas o que vai essa gente toda para lá fazer? E onde comem? E onde se sentam? E em que sítio podem fazer isso?... Ludovina Tromba-Rija estava em pulgas para lhe contar tudo o que sabia, mas a comadre Chica podia pensar que era mentirosa, que as coisas não eram assim, que ela estava era a inventar como das outras vezes Arrepanhou o avental e começou a torcê-lo, como se fizesse uma sogra para pôr o cântaro à cabeça, medindo as palavras. Ainda não tinha percebido bem as ideias daquela mulher!... Nas conversas, além das intrigas e mexericos, ela nunca se descosia! Tão depressa dizia bem dos camaradas da Junta de Freguesia

16 16 alma alentejana... IX Jogos Florais da Alma Alentejana Obras Distinguidas e da Câmara, como levantava o vozeirão, numa exaltação sem controle, para exclamar: - Outro Salazar é que a gente precisava cá!... É tudo a mesma corja!... Só querem é encherse!... Ludovina distorceu o avental e sentando-se num mocho, ao pé da porta, recomeçou: - Pois é, comadre!... A nossa aldeia está metida nestes corgos Os presidentes que aí estiveram, até agora, fizeram o que puderam: arranjaram trabalho às pessoas nas alturas de maior crise, calcetaram as ruas, ergueram um depósito para a água Esse foi o Manel da Tia Engrácia!... Coitado, nem se lembrou que o poço não dava água suficiente!... Tiveram que fazer o furo!...depois, os da Câmara, nesse tempo, eram d outro partido só olhavam para quem tinha de seu Ainda bem que a gente escolheu o Zé Felizardo!... Ele é um rapaz novo, já ouviu e viu muita coisa, sabe falar bem Já as cantou lá nas Casas da Câmara e disse que têm que fazer aqui um Centro de Dia!... Chica Júlia ouvia a comadre e pensava Na sua cabeça corria uma espécie de filme: o tempo em que a monda e a ceifa eram feitas a toque de caixa Aquele dia em que ouviu o marido falar de um tal 25 de Abril sem perceber muito bem o que se tinha passado Ele fora à taberna da Aldegundes e viera de lá com essa novidade! Só depois percebera que as coisas tinham mudado, que o regime era outro, que se estava numa desmocarcia ou lá o que era, que havia liberdade e todos tinham os mesmos direitos... Recordava as esperanças que tinha alimentado a partir do dia em que aparecera um médico na aldeia, depois dessa tal revolução. Agora é que era! Ela também tinha direito a ter um filho e ele é que lho ia arranjar!... O doutor ainda veio algumas vezes mas logo foi espaçando as visitas e deixou de aparecer O filho, esse, nunca chegou a vir!... O apelo do marido, clamando da cozinha, arrancou-a aos pensamentos. A trombose deixara-o inutilizado, preso à cadeira de rodas mas consciente, o bastante para reconhecer a desgraça. Ficara desensofrido e não permitia

17 boletim informativo... IX Jogos Florais da Alma Alentejana Obras Distinguidas 17 que ela se ausentasse ou entretivesse muito tempo. - Já lá vou!...- respondeu em jeito de consolação. Ludovina continuava a falar, a falar, mas ela dificilmente acompanhava o raciocínio da outra. Voltou aos seus pensamentos: as ruas de terra batida que haviam sido alcatroadas ou calcetadas, as obras para meterem os canos da água, as escavações no chão para porem os canos largos que passaram a levar os despejos que antes eram lançados na estrumeira, ao canto do quintal Quem estava na Junta e na Câmara pensava muito bem!... Até a saúde estava diferente!... Vinha a médica à Casa da Junta Os remédios tinham descontos e alguns, os angelcos até já eram de graça!... - Comadre, que me diz à ideia?... barafustou Ludovina vendo-a alheada. Chica Júlia abriu os olhos da cor do mar com que sonhava mas nunca tinha visto da cor do céu que a tapava todos os dias entre o Sol e as estrelas, da cor do pezinho destacado na cal branquinha da parede da sua casa Abriu os olhos e sorriu Um sorriso enigmático mas confiante Afinal, ela e o marido até tinham um pensão cada um, agora que os males apertavam e lhes traziam tanto sofrer Olhando Ludovina que não sabia como interpretar a sua mudez, exclamou: - Sim senhora, comadre, tenho a certeza de que o Zé Felizardo vai conseguir o que traz na ideia! Temos mas é que ajudar o rapaz!... E se fizéssemos uma venda como a quermesse da igreja?... Eu tenho ali umas rendinhas, uns taleigos Ludovina despediu-se apressada mas feliz com a lembrança. Era melhor ir falar com ele! Pelos vistos, podia contar com todos! Até com a comadre Chica!... Zé Felizardo era um homem honesto e cheio de ideias, um empreendedor, que fazia da Vida um pronto-socorro! O Presidente da Câmara já o tinha chamado de humanista quando inaugurara o tanque para a lavagem da roupa, que substituira as idas à ribeira O Centro de Dia ergueu-se no Casarão da Quinta, com a sua vontade, a colaboração da Autarquia e a ajuda do povo. Houve festa com foguetes, no dia da inauguração!... Os velhotes que moldavam a sua solidão nas esquinas das ruas ou nas soleiras das portas, por não terem outro poiso, viram de repente abrir-se uma luz! O Centro de Dia era uma nova casa onde tomavam as refeições, onde podiam conversar jogar às cartas entreter-se Chica Júlia e o marido integraram o grupo. Pagavam qualquer coisa, mas pouco! Um dia Zé Felizardo lembrou-se de levar, quem podia, a ver o mar. A excursão partiu bem cedo, que a distância era grande e o autocarro da Câmara só podia dispor daquele tempo. Chica Júlia não tinha espaço nos vidros para tanta paisagem!... Mas, quando pôs os pés na areia, os seus olhos espraiaram-se na distância e ganharam um azul muito puro, entre safira e turquesa Abraçando Zé Felizardo, chorou de alegria, as lágrimas em fio, sem parar, como a pedir-lhe desculpa O Presidente da Junta limpou, sem ela ver, os olhos que também estavam marejados e prometeu, mais uma vez, a si próprio, que cumpriria o espírito do 25 de Abril (uma data que, estando àquem do seu nascimento, permanecia inteira no seu coração), enquanto tivesse um pingo de senso. Levando Tia Chica pela mão, ajudou-a a arregaçar a saia e, molhando os pés, riram ambos sem saberem bem de quê

18 18 alma alentejana Notícias da Alma Espectáculo de Viola Campaniça em Lisboa Artesão e tocador, Pedro Mestre é responsável por oficinas e workshops de música tradicional alentejana. Procurando revitalizar a viola campaniça, executa as próprias violas que toca, com o objectivo de preservar os usos e costumes do concelho de Castro Verde. Actuou, com o Mestre Manuel Bento, no passado dia 18 de Outubro, no auditório do Grupo Desportivo do BES, em Lisboa, onde a Direcção da Alma Alentejana e muitos sócios marcaram presença, assistindo a um fantástico espectáculo de música e estórias. A ternura de Mestre Bento (84 anos) e a arte do jovem Pedro Mestre, emocionaram a plateia durante cerca de 2 horas duma tarde de domingo. Foi bonito, pá. Obrigado. Novas escolas. Inovação em Almada Almada cidade educadora inaugurou, no início deste ano lectivo sete novas Escolas básicas. Assistimos a algumas destas inaugurações e registamos a qualidade arquitectónica e funcional das mesmas, no nosso entender do melhor e mais bonito que temos visto. E porque entendemos o investimento na educação essencial e prioritário, aqui deixamos a notícia. Multiusos da Sobreda O artesão alentejano, de Safara, Francisco Lampreia representou a Alma Alentejana, mais recentemente numa iniciativa levada a cabo pela Junta de Freguesia da Sobreda. Trabalhando ao vivo durante a feira tem sido alvo da atenção dos visitantes, cativados pela sua arte. Borba Visita à Festa da Vinha e do Vinho No passado dia 15 de Novembro, a Alma alentejana esteve de visita a Borba. O grupo teve a oportunidade de visitar a Adega Marcolino Sebo onde fomos recebidos pelo Empresário. A sua filha Sónia orientou uma visita guiada a toda a estrutura da Adega, desde a produção ao engarrafamento do vinho e posterior expedição. Terminou a visita com um licoroso de honra. A seguir ao almoço, visitámos o Lar de Idosos onde as Cantadeiras e os Cavaquinhos fizeram uma pequena actuação. Terminámos na Feira do Vinho e da Vinha.

19 boletim informativo... notícias da Alma 19 AVIS Exposição Alentejo com Alma, Terras com História Integrado nas Jornadas Europeias do Património e a convite da Câmara Municipal de Avis, a nossa exposição fotográfica Alentejo com Alma Terras com História esteve patente até final de Outubro, no Auditório Municipal Ary dos Santos. A Direcção da Alma Alentejana esteve presente na inauguração da exposição, sendo recebidos pela Coordenadora do Auditório e pelo vereador da Cultura. Feira do Artesanato da Trafaria Estivemos presentes com bancas de artesanato e produtos alentejanos no Passeio Ribeirinho da Trafaria, no passado mês de Agosto, dando ao evento um toque da cultura e gastronomia alentejana. Gravação do novo CD das Cantadeiras da Alma Alentejana O Alentejo não tem fim... O Grupo As Cantadeiras da Alma Alentejana vai gravar o seu 2º CD, que terá o título Alentejo não tem fim e que será o corolário lógico de centenas de actuações por toda a área Metropolitana de Lisboa e também pelo Alentejo. Estas actuações têm merecido os mais rasgados elogios e carinho, quer pela qualidade e rigor do cante, quer pela extraordinária mensagem cultural que transmitem do nosso Alentejo e das suas gentes. Estamos a fazer a promoção e divulgação deste nosso objectivo junto dos sócios e amigos da Alma e também junto das Autarquias do Alentejo e da Margem Sul, estando neste momento a registar uma boa recepção destas que nos têm manifestado a intenção de comprar CD s. A todos os sócios lançamos um apelo para que divulguem também esta iniciativa. As Cantadeiras irão actuar durante a época natalícia nos seguintes locais: Lar de Vale Figueira (5/12); Associação de Socorros Mútuos 1º Dezembro (9/12); Mercado Amigo da Terra (12/12); Lar de S. Tiago (16/12); Colégio o Palhaço (18/12; Escola Tecn. Naval do Alfeite (18/12); Jardim Infância 1º Maio (04/01); Lar da Esperança (05/01); Igreja N. Srª Fátima (06/01) e Junta de Freguesia do Feijó (06/01). Junta de Freguesia da Cova da Piedade A Junta de Freguesia da Cova da Piedade vem saudar toda a população, bem como toda a comunidade alentejana, aqui residente, desejando-lhes um FELIZ NATAL e UM ANO NOVO com muita paz e progresso social

20 20 alma alentejana Plano de Actividades para o ano 2010 Síntese do Plano de Actividades para 2010 Publicamos, nesta edição do nosso Boletim (última deste ano), uma síntese do Plano de Actividades para o Ano de 2010 que iremos submeter à aprovação dos Sócios na Assembleia Geral, convocada para o dia 12 de Dezembro, cumprindo assim o que determinam os Estatutos da nossa Associação. 1º ACÇÕES DE PROMOÇÃO Continuaremos a realizar acções de promoção, da Alma Alentejana e do Alentejo, com a realização, periódica e em diversos locais da Margem Sul, dos tradicionais Fins-de-semana Alentejanos. Esta é uma iniciativa que nos permite, a par de divulgação cultural, a angariação de fundos através da venda de artesanato e produtos alentejanos. Vamos também aproveitar as parcerias existentes com a Câmara Municipal de Almada, Juntas de Freguesia do Concelho e outras Associações Culturais e integrar iniciativas, por estas promovidas, onde podemos realizar alguns dos nossos objectivos. Estas parcerias estão em fase de expansão ao Concelho do Seixal, havendo já alguns contactos para uma maior participação da Alma em eventos neste Concelho. 2º XII FEIRA ALENTEJANA É já uma referência cultural do Alentejo na Margem Sul. É também uma iniciativa que acarreta um grande esforço de quem tem a responsabilidade da sua organização. Nesse sentido, queremos repensar o seu planeamento, quer no aspecto de venda de produtos, gastronomia e tempo de duração, sendo ponto assente que a Feira é um ex-libris da Alma Alentejana e a sua continuidade um ponto de honra. 3º ACTIVIDADES CULTURAIS As comemorações do 14º Aniversário da Alma Alentejana e o 5º das Cantadeiras, a realização de Debates, almoços temáticos de homenagem a figuras ilustres do Alentejo e os X Jogos Florais, serão acções a levar a efeito durante o ano de A gravação de um CD pelas Cantadeiras é também um objectivo do Grupo das Cantadeiras e da Direcção. Estão já em curso iniciativas visando a cativação de apoios e a divulgação do mesmo. Além destas iniciativas é nossa intenção dar o maior apoio possível a todos os nossos Grupos para que cumpram os objectivos que levaram à sua criação. As visitas culturais a terras do Alentejo serão também efectuadas, havendo neste aspecto que fomentar uma maior participação dos Sócios e amigos da Alma. 4º ALMAJOTA É nossa intenção criar actividades que permitam cativar a juventude, em especial, no âmbito da área cultural. A presença nas Escolas, através da intervenção dos Grupos da Alma Alentejana em festas e iniciativas das Associações de Pais e Associações de Estudantes. Já em curso uma parceria com a CMA no sentido de levar o Cante e outras tradições, através dos nossos Grupos, às Escolas de Almada. 5º EXPOSIÇÕES É nossa intenção continuar a levar as nossas Exposições Alentejo com Alma Terras com História e Futebol com Humor a sítios para onde forem solicitadas. 6º REVISTA E BOLETIM São os nossos elos de ligação com sócios e po-

21 boletim informativo 21 pulação em geral. Gostaríamos de ter a participação dos sócios, com artigos de opinião, notícias, imagens e estórias de vida. Vamos fomentar esta ideia. 7º PÁGINA NA NET Vai ser renovada e tornada mais atractiva para que todos tenham nesta moderna ferramenta toda a informação actualizada sobre as actividades da Alma e também sobre o Alentejo. 8º Centro de Estudos Alentejanos Na sequência de uma experiência realizada no ano 2006 / 2007 com uma Cadeira de Estudos sobre o Alentejo, em parceria com a USALMA, (Universidade Sénior de Almada), vamos tentar criar um Centro de Documentação e Estudos para recolha, arquivo, estudo, divulgação e promoção de documentos (nas diversas formas de registo do escrito ao áudio visual) relacionados com os valores culturais do Alentejo. Por exemplo organizar e catalogar espólio de Victor Paquete e outros ) em articulação (em rede) com Autarquias e Associações do Alentejo e núcleos com marcada presença de alentejanos, como a/s Casa/s do Alentejo Em estudo a possibilidade de criar um curso regular para os mais interessados. Neste campo a organização da Biblioteca da Alma Alentejana, terá de merecer uma atenção especial para a qual poderemos ter de recorrer a parcerias pontuais com o pessoal e os serviços das Bibliotecas locais, como por exemplo a Biblioteca Municipal.

22 22 alma alentejana Para rir... e levar a sério 9 Mandamentos para destruir uma Associação Aqui tem alguns mandamentos que fazem com que a associação literalmente vá se destruindo. A finalidade dele é alertar para que tal facto não aconteça em nenhuma Associação, entidade ou similar. 1. Não frequente a Associação, mas quando lá for, procure sempre algo para reclamar. Se comparecer a qualquer actividade, encontre apenas falhas nos trabalhos. 2. Nunca aceite uma incumbência. Lembre-se de que é mais fácil criticar do que realizar. Se a Direcção pedir sua opinião sobre um assunto impor-tante, responda que não tem nada a dizer e depois, espalhe entre os sócios, como se deveriam fazer as coisas. 3. Não se empenhe. Quando os Directores estiverem a trabalhar com boa vontade e interesse para que tudo corra bem, afirme que, afinal, a sua Associação está dominada por um grupinho. 4. Não leia as publicações da Associação e muito menos os comunicados. Afirme que ambos não publicam nada de interessante, ou, melhor ainda, diga que não tem nada para colaborar e que não recebe nada regu-larmente. 5. Se for contactado para ocupar qualquer cargo, recuse, alegando falta de tempo e depois critique com afirmações do tipo: Este grupo o que quer é ficar nos cargos para sempre Quando tiver divergências com um Director, procure com toda a inten-sidade, vingar-se na Associação. Faça ameaças de abrir processo ético e envie cartas ao quadro social com acusações pesadas à Direcção. 7. Sugira, insista e exija a realização de cursos e palestras. Quando a entidade os realizar, não se inscreva. Nem compareça. 8. Se receber um questionário a solicitar sugestões, não preencha e se a Direcção não adivinhar as suas ideias e pontos de vista, critique e conte a toda a gente que é sempre ignorado. 9. Após toda esta colaboração espontânea e insistente, quando cessarem as publicações, as reuniões, o lazer e todas as demais actividade, enfim, quando a sua Associação desaparecer, encha o peito e afirme aos quatro ventos, com orgulho: «Eu bem dizia!!!» Junta de Freguesia do Seixal O Executivo da Junta de Freguesia do Seixal, deseja a toda a comunidade Seixalensem, um Bom Natal e um Feliz Ano de 2010.

23 boletim informativo 23 Passatempos Sudoku Sopa de Letras Descubra 15 palavras da relacionadas com o 25 de Abril Descubra as diferenças SOLUÇÕES: Sopa de Letras: Abril, Canções, Carmo, Cravos, Liberdade, Lisboa, Maia, Marcello, Militares, Otelo, Povo, Regime, Revolução, Santarém, Spínola. Descubra as Diferenças: Foguete, Pau da Bandeira, Bandeira, Chão, Raquete, Pássaro, Casa, Rato

24 24 alma alentejana

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS lano de Activida e es Orçamento PPI 2012 À INTRODUCÃO Para cumprimento do disposto na alínea a) do n 2 do artigo 34 da lei n 169/99 de 18 de Setembro, na redacção que lhe

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto.

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto. Boa tarde a todos, para quem não me conhece sou o Ricardo Aragão Pinto, e serei o Presidente do Concelho Fiscal desta nobre Fundação. Antes de mais, queria agradecer a todos por terem vindo. É uma honra

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO JUNTA DE FREGUESIA DE S. JOÃO DO CAMPO EDITORIAL SUMÁRIO ANO 7 BOLETIM Nº 27 2012 JULHO AGOSTO SETEMBRO EDITORIAL

BOLETIM INFORMATIVO JUNTA DE FREGUESIA DE S. JOÃO DO CAMPO EDITORIAL SUMÁRIO ANO 7 BOLETIM Nº 27 2012 JULHO AGOSTO SETEMBRO EDITORIAL ANO 7 BOLETIM Nº 27 2012 SUMÁRIO BOLETIM INFORMATIVO EDITORIAL JULHO AGOSTO SETEMBRO A Rua principal, a Dr Jaime Cortesão tem estado cortada EDITORIAL MANIFESTAÇÃO EM LISBOA POSTO MÉDICO ao trânsito, devido

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004 APD- DELEGAÇÃO LOCAL DE MEM MARTINS RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ANO DE 2004 INTRODUÇÃO O ano de 2004 ficou marcado por alguns acontecimentos relevantes, sinal de que, apesar do passar dos anos, a Delegação

Leia mais

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA NOME OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA ESTABELEÇO RELAÇÕES DE PARENTESCO : avós, pais, irmãos, tios, sobrinhos Quem pertence à nossa família? Observa as seguintes imagens. Como podes observar, nas imagens estão

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

6 Estimular a Criatividade

6 Estimular a Criatividade OZARFAXINARS N.2 DEZEMBRO 2005 121 6 Estimular a Criatividade Como aspecto menos valorizado pela Escola, a criatividade pode estimular novas formas de o jovem se relacionar com o mundo, desenvolvendo atitudes

Leia mais

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal MOÇÃO/DELIBERAÇÃO. (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais)

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal MOÇÃO/DELIBERAÇÃO. (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais) MOÇÃO/DELIBERAÇÃO (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais) Uma cooperativa é uma associação autónoma de pessoas que se unem, voluntariamente, para satisfazer aspirações

Leia mais

Ano VI N.º 22. Boletim Informativo da Junta de Freguesia da Ribeira Quente. Quinta-Feira 28 de Julho de 2011

Ano VI N.º 22. Boletim Informativo da Junta de Freguesia da Ribeira Quente. Quinta-Feira 28 de Julho de 2011 Ano VI N.º 22 Boletim Informativo da Junta de Freguesia da Ribeira Quente Quinta-Feira 28 de Julho de 2011 Bandeira Azul Hasteada na Ribeira Quente A Praia do Fogo da Ribeira Quente recebeu no dia 28 de

Leia mais

Lic. Marketing e Publicidade. Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral

Lic. Marketing e Publicidade. Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral Lic. Marketing e Publicidade Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral Trabalho realizado por: Maria Marques, 7005 Docente: Dr. Fernando Gaspar SANTARÉM Licenciatura em Marketing & Publicidade 1 de 10 2007/2008

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

N E W S L E T T E R A P A O M A

N E W S L E T T E R A P A O M A A P A O M A E D I Ç Ã O 4 F I S C A L I D A D E N E W S L E T T E R A P A O M A O U T U B R O 2 0 1 0 A G R A D E C I M E N TO N E S T A E D I Ç Ã O : A G R A D E C I M E N T O F I S C A L I D A D E P

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE CAPITULO I ENQUADRAMENTO Artigo 1º. Denominação No âmbito das actividades e ao abrigo dos antigos estatutos sociais da S.R.L.S., foi fundado e organizado

Leia mais

CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS. Artigo 1.º

CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS. Artigo 1.º - - CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo 1.º A Fundação P.e Félix, criada por iniciativa da Comunidade Católica de São Bernardo em 1989, na comemoração dos vinte e cinco anos da actividade pastoral

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

MUNICÍPIO DO CARTAXO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Acta n.º3/2004

MUNICÍPIO DO CARTAXO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Acta n.º3/2004 MUNICÍPIO DO CARTAXO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Acta n.º3/2004 Aos dez dias do mês de Maio do ano de 2004, no Auditório Municipal da Quinta das Pratas, reuniu o Conselho Municipal de Educação do Concelho

Leia mais

Declaração Política. (Falta cumprir o 25 de Abril nos Açores)

Declaração Política. (Falta cumprir o 25 de Abril nos Açores) Declaração Política (Falta cumprir o 25 de Abril nos Açores) Nasci em 1968, o ano em que o Dr. Salazar caiu da cadeira. Não vivi assim, pelo menos de forma consciente, as agruras da ditadura. No entanto

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I FUNCIONAMENTO 1. Natureza O presente Regulamento aplica-se ao Serviço de Apoio Domiciliário da Liga de Amigos do Hospital Garcia de Orta.

Leia mais

A meio do mandato autárquico 2013-2017, e criada que foi uma expetativa enorme com este novo executivo, é hora de fazer o balanço.

A meio do mandato autárquico 2013-2017, e criada que foi uma expetativa enorme com este novo executivo, é hora de fazer o balanço. Sr. Presidente da Assembleia Municipal, Srª Presidente da Câmara Exºs membros do executivo, Membros desta Assembleia Público presente, A meio do mandato autárquico 2013-2017, e criada que foi uma expetativa

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado

Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado LAHUC LIGA DOS AMIGOS DOS HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LAHUC Gabinete de Serviço Social O MELHOR DA VIDA TODOS OS DIAS Regulamento de Funcionamento do Grupo de Voluntariado Preâmbulo O Voluntariado

Leia mais

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos:

Dados Pessoais. Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - E - mail: Outros contactos: Errata Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E - mail: Outros contactos: 1 Edição Instituto da Segurança Social, I.P. Coordenação e Supervisão Técnica Departamento

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT)

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) AJUDA DE MÃE APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) Objectivos: Informar, apoiar, encaminhar e acolher a mulher grávida. Ajudar cada

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto.

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. <Os Inovadores> <Escola Profissional Atlântico> NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Dezembro de 2011 1 A

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé MÚSICAS Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé Hino da Praznik Do Fá Gosto de aqui estar Sol Do E contigo brincar E ao fim vou arranjar

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho o príncipe lá de casa Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho e talvez queira outra vez um marido. Mas quando se tem um filho e já se teve um marido, um homem não nos serve exatamente para

Leia mais

Festas em honra da Nossa Senhora da Piedade Póvoa de Sta. Iria. Procissão fluvial nocturna - Barcos Avieiros benzidos no Tejo

Festas em honra da Nossa Senhora da Piedade Póvoa de Sta. Iria. Procissão fluvial nocturna - Barcos Avieiros benzidos no Tejo FOLHA INFORMATIVA Nº 23-2010 Festas em honra da Nossa Senhora da Piedade Póvoa de Sta. Iria Procissão fluvial nocturna - Barcos Avieiros benzidos no Tejo No dia 4 de Setembro de 2010, às 22 horas, realizou-se

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE. Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006. Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr.

JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE. Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006. Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr. JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006 Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr.ª Guadalupe Tel. e Fax: 266 781 165 Tel.: 266 747 916 email: jfguadalupe@mail.evora.net

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CORAÇÕES COM COROA ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO CORAÇÕES COM COROA ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO CORAÇÕES COM COROA ESTATUTOS Estatutos aprovados em Acta de fundação em 4 de Janeiro de 2012 Alterações estatutárias aprovadas em 28 de Fevereiro de 2012 Publicados e disponíveis no site publicacoes.mj.pt

Leia mais

Estatutos da Fundação Spes

Estatutos da Fundação Spes Estatutos da Fundação Spes Por testamento de 24 08 1977, o Senhor D. António Ferreira Gomes, Bispo do Porto, declarou ser sua última vontade criar a Fundação SPES como instituição particular perpétua de

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

NOTÍCIAS À SEXTA 02.10.2015 INFORMAÇÕES DA CNIS

NOTÍCIAS À SEXTA 02.10.2015 INFORMAÇÕES DA CNIS INFORMAÇÕES DA CNIS Fonte: Estudo sobre o Acesso e a qualidade nos cuidados de saúde mental, Entidade Reguladora da Saúde, set.2015 REPRESENTAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E OBJECTO Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

DIGITALMAISTV DIGITALMAISTV

DIGITALMAISTV DIGITALMAISTV DIGITALMAISTV A DIGITALMAISTV é um canal de televisão online que procura divulgar a região do Algarve no país e no mundo através da Internet, apostando na diversidade de conteúdos e numa vasta oferta de

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

MEMORANDO N.º 06/2010

MEMORANDO N.º 06/2010 JOAQUIM FERNANDO DA CUNHA GUIMARÃES Licenciado em Gestão de Empresas (U. Minho) Mestre em Contabilidade e Auditoria (U. Minho) Revisor Oficial de Contas n.º 790 Técnico Oficial de Contas n.º 2586 Docente

Leia mais

Tomada de posse dos Órgãos Sociais da União Distrital das. Instituições Particulares de Solidariedade Social de Castelo

Tomada de posse dos Órgãos Sociais da União Distrital das. Instituições Particulares de Solidariedade Social de Castelo Tomada de posse dos Órgãos Sociais da União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social de Castelo Branco (UDIPSSCB) Triénio 2006/2008 6 de Janeiro de 2006 Exma. Senhora Governadora

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

Aldeia de Santa Margarida

Aldeia de Santa Margarida Aldeia de Santa Margarida Agenda Cultural Cultural Edição Especial - Nov Dez 2013 Agenda Cultural Propriedade: Junta de Freguesia de Aldeia de Santa Margarida Edição Especial Nov. Dez. 2013 Distribuição

Leia mais

Comunicar PAPA. Jornal. Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano. Administração Pública. www.governo.cv

Comunicar PAPA. Jornal. Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano. Administração Pública. www.governo.cv Jornal Comunicar Administração Pública Governo de Cabo Verde Edição Gratuita Mensal nº18 Setembro de 2010 Edição Especial www.governo.cv www.governo.cv PAPA Bento XVI recebe José Maria Neves no Vaticano

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DAS ALDEIAS DE CRIANÇAS S.O.S. DE PORTUGAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DAS ALDEIAS DE CRIANÇAS S.O.S. DE PORTUGAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DAS ALDEIAS DE CRIANÇAS S.O.S. DE PORTUGAL (Aprovados em Assembleia-Geral de 3 de Outubro de 2015) PREÂMBULO (Declaração de Princípios) As Aldeias de Crianças S.O.S. nasceram na

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai.

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai. Conto de Natal Já um ano havia passado desde o último Natal. Timóteo estava em pulgas para que chegasse o deste ano. Menino com cara doce, uma tenra idade de 10 aninhos, pobre, usava roupas ou melhor,

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 986/XII/4.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Lei n.º 986/XII/4.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Lei n.º 986/XII/4.ª Criação da Freguesia do Pragal, no Concelho de Almada, Distrito de Setúbal A freguesia do Pragal tem 2,27 km² de área e 7.156

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org WEBSITES: Serviço de Voluntariado Europeu: http://www.sve.pt http://www.facebook.com/l.php?u=http%3a%2f%2fwww.sve.pt%2f&h=z

Leia mais

Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010

Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010 A Fábrica do Inglês: reabilitação do património industrial corticeiro Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010 Sumário: O Museu da Cortiça da Fábrica

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009

CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009 CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009 PRESIDÊNCIA: DR. FRANCISCO RODRIGUES DE ARAÚJO VEREADORES PRESENTES: DR. JOÃO MANUEL DO AMARAL ESTEVES

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

NEWSLETTER. Nesta Edição. Não pode haver maior dom do que o de dar o próprio tempo e energia para ajudar os outros, sem esperar nada em troca.

NEWSLETTER. Nesta Edição. Não pode haver maior dom do que o de dar o próprio tempo e energia para ajudar os outros, sem esperar nada em troca. A R O NEWSLETTER BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME - COIMBRA JANEIRO 2014 Após algum tempo, reaparece hoje o órgão de informação do Banco Alimentar Contra a Fome Coimbra, A BROA. Tendo em conta a generalização

Leia mais

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

DTIM Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira

DTIM Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira DTIM Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Plurifundos da Região Autónoma da Madeira (POPRAM

Leia mais

Centro de Transição para a Vida Adulta e Activa JORNAL VIDA ACTIVA. A equipa de jornalistas

Centro de Transição para a Vida Adulta e Activa JORNAL VIDA ACTIVA. A equipa de jornalistas Centro de Transição para a Vida Adulta e Activa JORNAL VIDA ACTIVA A equipa de jornalistas Da esquerda para a direita e de cima para baixo: Tiago Videira, Albino Silva, Mafalda Celeste, Maria do Carmo

Leia mais

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento.

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento. DISCURSO DE POSSE Boa Noite a todos! Cumprimento o ex-diretor presidente Sebastião Calais, o Prefeito Leris Braga, o vice-prefeito Alcemir Moreira, o presidente da Câmara de Vereadores Juarez Camilo, o

Leia mais

Estatutos da Associação de Estudantes da Escola Secundária Emídio Navarro

Estatutos da Associação de Estudantes da Escola Secundária Emídio Navarro Estatutos da Associação de Estudantes da Escola Secundária Emídio Navarro A verde o que queremos acrescentar ou rectificar e a vermelho o que queremos retirar. A Associação de Estudantes da Escola Secundária

Leia mais

CARTA ABERTA DO VOLUNTARIADO OURIQUE 2012

CARTA ABERTA DO VOLUNTARIADO OURIQUE 2012 CARTA ABERTA DO VOLUNTARIADO OURIQUE 2012 Vindos a Ourique no passado dia 14 de Abril de 2012, no âmbito do Encontro Distrital de Voluntariado, promovido pelo ORIKA-TE Contrato Local de Desenvolvimento

Leia mais

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Arruda Dos Vinhos PLANO DE ACTIVIDADES CENTRO DE RECURSOS

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Arruda Dos Vinhos PLANO DE ACTIVIDADES CENTRO DE RECURSOS EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Arruda Dos Vinhos PLANO DE ACTIVIDADES CENTRO DE RECURSOS 2006 / 2009 Setembro 2006 PROJECTO DE TRABALHO DO CENTRO DE RECURSOS - 2006/09 PLANO NACIONAL DE LEITURA Identificação

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro CADERNO APFN 5 Apostar na Família Construir o Futuro Fevereiro 2002-1 - DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA APFN Acreditamos que: 1. A vida humana deve ser respeitada, reconhecida e protegida desde o momento da

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA XIII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP A extensão da Protecção Social

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural Pacto Social Constituída por escritura pública a 09 de Novembro de 2001 Capítulo I Denominação, Natureza, Sede, Objecto, Missão e Objectivos Artigo 1.º - Denominação

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E REGULAMENTO MUNICIPAL DE CEDÊNCIA DE VIATURAS MUNICIPAIS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO, AGENTES CULTURAIS, SOCIAIS E INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO CONCELHO Aprovado na 3.ª Reunião Ordinária

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

Semana Missionária Salesiana II Manda-me, Senhor!

Semana Missionária Salesiana II Manda-me, Senhor! 2ª feira, 23 de fevereiro: Empenho missionário de D. Bosco Bom dia! Hoje iremos aprofundar uma das cenas que será representada na cerimónia de abertura dos jogos nacionais salesianos. Vamos falar sobre

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X Benefícios fiscais relativos ao mecenato Artigo 61.º Noção de donativo Para efeitos fiscais, os donativos constituem entregas em dinheiro ou em espécie, concedidos,

Leia mais

PRAÇA DA REPÚBLICA jardim público

PRAÇA DA REPÚBLICA jardim público PRAÇA DA REPÚBLICA jardim público Com o objetivo de celebrar e promover as flores, os jardins e espaços verdes, a produção e o comércio locais de flores, assim como as tradições e festividades associadas

Leia mais

Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas. desde 1896

Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas. desde 1896 Em defesa do Sector da Hotelaria, Restauração e Bebidas desde 1896 Quem Somos? Instituição de Utilidade Pública Restauração Pastelarias e Cafés Mais de um século de existência Empreendimentos Turísticos

Leia mais

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196. 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.916,00 1 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E DO 1º CICLO 116.500,00 93.625,00 100.574,00 103.487,00 1 Apoios e subsídios CM 13 18 5 05-06-02-03-99 1.000,00 1.030,00 2.122,00

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS

DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS DIVISÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E COESÃO SOCIAL SETOR SERVIÇOS EDUCATIVOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 I APRESENTAÇÃO A educação pré-escolar contribui de forma significativa para o desenvolvimento

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O

R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO COMUNICAÇÃO E DESPORTO R E L A T Ó R I O D E E S T Á G I O RICARDO JORGE MARCELO ALMEIDA RELATÓRIO PARA A OBTENÇÃO DO DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que:

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Declaração ao país António José Seguro 19 de Julho de 2013 Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Não houvesse mais cortes nas reformas e nas pensões Não houvesse mais despedimentos na função

Leia mais

CONVÍVIO. M a r ç o 2 0 1 4. N ú m e r o 5 7. Associação de Apoio Social Nossa Senhora das Neves - IPSS NESTA EDIÇÃO:

CONVÍVIO. M a r ç o 2 0 1 4. N ú m e r o 5 7. Associação de Apoio Social Nossa Senhora das Neves - IPSS NESTA EDIÇÃO: CONVÍVIO N ú m e r o 5 7 M a r ç o 2 0 1 4 Associação de Apoio Social Nossa Senhora das Neves - IPSS Praceta da Saudade, 22 Manique de Baixo 2645-614 Alcabideche Telefones: 21 444 12 34 21 445 80 94 E-mail:

Leia mais

(Só faz fé a versão proferida)

(Só faz fé a versão proferida) Exmo. Senhor Presidente do Centro Desportivo e Cultural de Londres, Exmo. Senhor Embaixador, Exmo. Senhor Cônsul Geral, Exmo. Senhor Adido Social, Exmo. Senhor Conselheiro das Comunidades Madeirenses,

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Centro de Cultura e Desporto dos Trabalhadores do Município de Ponte de Lima PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO

Centro de Cultura e Desporto dos Trabalhadores do Município de Ponte de Lima PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2014 MISSÃO 2014 Renovar a imagem da associação Melhorar a qualidade dos serviços prestados Restabelecer as ações de carácter cultural, desportivo e recreativo Promover

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação)

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação) PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO (Denominação) O Agrupamento adopta a denominação de Monte - Desenvolvimento Alentejo Central,

Leia mais