A Igreja Católica e o cinema: o caso da revista A Tôrre de Marfim Alessandra Souza Melett Brum

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Igreja Católica e o cinema: o caso da revista A Tôrre de Marfim Alessandra Souza Melett Brum"

Transcrição

1 A Igreja Católica e o cinema: o caso da revista A Tôrre de Marfim Alessandra Souza Melett Brum A cidade de Juiz de Fora repercute de maneira peculiar, nos anos 1950 e 1960, o processo acelerado de industrialização e urbanização das cidades brasileiras que modificaram substancialmente os costumes e os modos de vida da população. Pioneira no setor da indústria têxtil no país, Juiz de Fora a partir da década de 1930 vai perdendo seu papel de destaque no setor industrial no estado de Minas Gerais para a nova capital Belo Horizonte. A falta de investimentos no setor, aliado ao fim da segunda Guerra Mundial, quando às exportações sofrem uma queda vertiginosa, tornam a indústria têxtil local cada vez mais periférica e ainda mais vulnerável a nova realidade do mercado nacional e internacional (SILVA, 2011). É justamente nesse momento de investimentos pesados na industrialização do país, marca do governo de Juscelino Kubitschek ( ), que Juiz de Fora passará por um processo de transição econômica com forte impacto na sociedade local. Como afirma Christina Musse: Se o processo de "desindustrialização" já vinha acentuando desde a década de 40, se a cidade atravessa os anos 50, vendo ser reconfigurada a sua vocação, isto é, ela vai abandonando o mito de Manchester e assumindo paulatinamente o perfil de cidade terciária e prestadora de serviços, os anos 60 trazem o golpe de misericórdia, isto é, praticamente enterram uma cidade e recriam outra, à imagem e semelhança das novas elites que chegam ao poder. Ao mesmo tempo, de forma paradoxal, este período se caracteriza como um dos mais ricos e curiosos da produção cultural da cidade. (MUSSE, 2008: 137) Apesar desse processo de transição econômica, Juiz de Fora vive uma forte efervescência na área cultural, como a grande maioria das cidades brasileiras, que faz nascer na cidade grupos de teatro, música, cinema e poesia. Dentre essas manifestações culturais podemos incluir também a criação em 1960 da Universidade Federal de Juiz de Fora, marco importante para a nova configuração econômica da cidade. Figurando como importante mercado exibidor já na segunda metade do século XX, a cidade de Juiz de Fora possuía inúmeros cinemas de rua tais Professora Doutora do Bacharelado em Cinema e Audiovisual e do Programa de Pós-graduação em Artes, Cultura e Linguagens do Instituto de Artes e Design da Universidade Federal de Juiz de Fora; Coordenadora do Projeto Minas é cinema. Laboratório de pesquisas e banco de dados sobre as atividades cinematográficas e audiovisuais em Minas Gerais - Parte 1, financiada pela FAPEMIG e pelo CNPq.

2 como: Cine Palace, Cine Theatro Central, São Mateus, São Luíz, Excelsior, Cine Rex e Cine Theatro Popular, apenas para citar alguns 1. A força desse mercado exibidor pode ser constatado não apenas pelo grande números de salas de cinema em funcionamento na cidade na década de 1960, mas pela presença de salas em bairros periféricos e residenciais, como por exemplo, o cinema São Mateus, no bairro de mesmo nome, e o Cine Rex, no bairro Mariano Procópio. Os cinemas portanto, ocupam uma posição privilegiada na vida cultural da cidade de Juiz de Fora, o que explica de certo modo o fato de uma cidade do interior, fora do eixo Rio-São Paulo, ter acompanhado, mesmo que de forma tardia, a tendência das capitais brasileiras no que diz respeito a atividades cinematográficas. Citamos como exemplo a criação do cineclube Centro de Estudos Cinematográficos de Juiz de Fora (CECJF), entidade sem fins lucrativos criado em 1957 que organizava cursos, palestras, debates e exibições de filmes e contava com uma biblioteca especializada em cinema, com revistas nacionais e estrangeiras. Bem como, de criação de revistas de cinema, como a revista católica A Tôrre de Marfim, objeto deste artigo. Não é novidade que a Igreja Católica, desde as primeiras exibições do cinematográfo, não se mostrou indiferente a essa nova atividade cultural e social (LUDMANN, 1959). A Igreja tomará uma série de medidas no sentido de orientar seus fiéis frente às mensagens que as obras cinematográficas transmitiam. Dentre elas, destacamos a criação em 1928 do O.C.I.C - Office Catholique Internationale Du Cinéma, que tinha como objetivo ser um centro de estudos da linguagem cinematográfica, seguido pela criação, nos Estados Unidos, da Legion of Decency (Legião da Decência), bem como as Encíclicas Papais Vigilanti Cura em 1936 e Miranda Prorsus em 1957 que tratava da cotação moral dos filmes. A Igreja Católica no Brasil, orientada por essas medidas, incentivou e patrocinou a formação de cineclubes católicos, bem como a criação de revistas, e de um corpo crítico atuante (CHAVES, 2011). É nessa direção que surge em setembro de , na cidade de Juiz de 1 Desses cinemas apenas o cinema Palace resiste até hoje no centro da cidade, mas agora como Cineart Palace. 2 Nota-se que é apenas em 1953 que a Conferência dos Bispos do Brasil (CNBB) cria o Centro de Orientação Cinematográfica, tendo como presidente Pe. Guido Logger, demonstrando a precocidade da criação da revista A Tôrre de Merfim em Juiz de Fora. 2

3 Fora, a revista de orientação cinematográfica, A Tôrre de Marfim 3, desenvolvida no interior do Colégio Academia do Comércio, uma das mais importantes instituições de ensino da cidade, que era administrado e mantido pela Igreja Católica. O colégio Academia de Comércio foi fundado em 30 de março de 1891 pelo empreendedor Francisco Batista de Oliveira 4 com o objetivo de oferecer à comunidade local um ensino inspirado nos programas da Escola de Altos-Estudos Comerciais de Paris. Em 1901, por problemas técnico-administrativos, sua sede foi cedida à Congregação do Verbo Divino. A Congregação do Verbo Divino chega a Juiz de Fora a pedido do arcebispo de Mariana Dom Silvério que estava preocupado com o avanço do número de protestantes na cidade de Juiz de Fora 5. A Congregação verbita tem como prioridade, já em sua origem na Alemanha, o que o Pe. Arnaldo Janssen, fundador da congregação, denominou de uma tipografia missionária. Em suas palavras: Nos tempos que correm, a imprensa é uma potência. É comparável a uma espada, indispensável na luta espiritual em defesa da causa do bem. Entre uma tipografia própria e uma estranha há justamente esta diferença, de ser a segunda como uma espada emprestada ou alugada, disponível apenas por alguns dias ou certas emergências. Preferível é que se disponha de uma espada própria nossa, sempre pronta para servir, quando for necessário. (...) Naquele tempo não era conhecida a arte gráfica. Hoje ela é praticada. Também o demônio se serve dela para fazer o mal. Razão porque o servo de Cristo deve utilizá-la para fazer o bem. Como é poderosa a palavra impressa, multiplicada indefinidamente, hora por hora. (NOSSA HISTÓRIA, 2001: 56) 6 3 A coleta e organização do material da revista A Tôrre de Marfim foi realizada pela bolsista de Iniciação Científica da FAPEMIG, Fernanda Teixeira Mendes. 4 Francisco Batista de Oliveira foi um grande empreendedor responsável, entre outros, pela fundação do Banco de Crédito Real e da Academia de Comércio de Juiz de Fora. Com Bernardo Mascarenhas criou a Companhia Mineira de Eletricidade e construiu a primeira usina hidroelétrica do Brasil de 1889, a Usina Hidrelétrica de Marmelos em Juiz de Fora. 5 Em 1889, o Professor J. M. Lander fundou na cidade de Juiz de Fora a instituição de ensino Instituto Metodista Grambery. 6 Discurso do Pe. Arnaldo Janssen por ocasião da inauguração da 1ª tipografia missionária na Holanda. 3

4 Em Juiz de Fora a tipografia missionária da Congregação verbita é inaugurada ainda na década de 1920, denominada de Lar Católico. A Congregação chega a construir uma pequena hidroelétrica no Morro do Imperador em Juiz de Fora para abastecer de luz e força as oficinas tipográficas e o Colégio Academia do Comércio, independente da rede elétrica urbana da cidade. Segundo informações oficiais da Congregação, o parque gráfico chegou a ser o mais bem aparelhado do Brasil e a editora Lar Católico, na década de 1960, chegou a lançar edições de até exemplares. Acreditamos que a precocidade do surgimento de uma revista de cinema na cidade de Juiz de Fora em 1951, bem como sua longevidade - esteve presente por duas décadas na vida da cidade -, deve-se sobretudo a essa missão da Congregação Verbita 7. A revista A Tôrre de Marfim Os representantes do clérigo, leigos e estudantes do Colégio Academia, se reuniram no sentido de organizar e redigir uma revista que atendesse a um público em geral, mas tendo como foco principal o público jovem, interessado em assistir aos filmes exibidos na cidade 8. Surge então, em 1951, A Tôrre de Marfim. O título A Tôrre de Marfim no sentido religioso é símbolo de nobre pureza, magnitude e imagem imaculada, ou seja, através da escolha do título a equipe da revista procurava transmitir ao seu público seu ideal de cinema. Como a revista nasce no interior do Colégio sua circulação estava atrelada ao ano letivo do colégio, período que se estende de março a dezembro. 7 Vale lembrar que a conhecida e importante Revista de Cultura Cinematográfica de Belo Horizonte editada com o apoio da União dos Propagandistas católicos - UPC, data a sua criação de Em 1957 a cidade de Juiz de Fora contava com habitantes, tinha 172 igrejas católicas romanas com pessoas frequentando o culto católico. Para efeito de estudo comparativo a cidade apresentava nesse mesmo ano pessoas no culto protestante e pessoas frequentando o culto espírita. Fonte: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros Minas Gerais IBGE

5 Entre os números analisados (1960 a 1964), a revista contava com um corpo editorial composto por um diretor, um redador-chefe e um secretário. A Tôrre de Marfim tinha por objetivo educar e orientar seus leitores quanto ao conteúdo adequado dos filmes em exibição na cidade, de acordo com os valores éticos e morais estabelecidos pela Igreja Católica. Para isso, utilizavam uma tabela de cotação moral, conforme orientação do Serviço de Informações Cinematográficas (SIC), órgão responsável pela cotação moral dos filmes no Brasil que segue as diretrizes da Encíclica Vigilanti Cura. A cotação moral era publicada ao fim de cada sinopse e/ou crítica sobre um determinado filme em cartaz na cidade de Juiz de Fora, conforme a seguinte classificação: PARA TODOS Filmes que não oferecem inconvenientes a qualquer público. MENOS PARA CRIANÇAS Filmes que contém algumas restrições para o público infantil (menores de 14 anos), mas são inofensivos para adolescentes. PARA ADULTOS Filmes que contém algumas restrições para o público adolescente (menores de 18 anos), mas são inofensivos para o público adulto. PARA ADULTOS COM RESERVAS Filmes que exigem um público adulto esclarecido e de formação, visto apresentarem restrições morais mais ou menos sérias. PREJUDICIAL Filmes que trazem prejuízo moral e espiritual para a maioria do público, mesmo adulto. CONDENADO Filmes cuja assistência só poderá trazer malefícios a qualquer espécie de público. (?) ou CENSURA OFICIAL indicam os filmes sobre os quais não possuímos nenhuma referência. 'Livre' significa proibido até 5 anos. Serviço de informações cinematográficas Para melhor orientação do público e com o fim de estimular a produção de bons filmes, será apresentada a nota RECOMENDAVEL, adiante da classificação, aos filmes merecedores desta distinção. (A TÔRRE DE MARFIM, outubro de 1961: 17) Apesar dos editores da revista A Tôrre de Marfim se valerem da cotação moral para classificar a qualidade de um filme e consequentemente orientar seus leitores sobre os riscos de determinados filmes, o editorial da revista deixava claro que: 5

6 Não é nosso intuito (nunca foi e nunca será) proibir espetáculos. Seria ingênuo e até anedótico possuir tal pretensão. Nossa revista não é e nem pretende ser um boletim negativista e estreito que não concorde com qualquer forma de espetáculo cinematográfico. (A TÔRRE DE MARFIM, maio de 1960: 02) A revista A Tôrre de Marfim circulou em Juiz de Fora e toda a região da zona da mata mineira, chegando a circular fora do estado de Minas Gerais. A revista era mantida por meio da publicidade em suas páginas, pela venda de exemplares avulsos e pelas assinaturas. A difusão da revista contava ainda com o apoio dos pais dos alunos do Colégio Academia, muitos deles comerciantes locais. Era possível encontrar a revista em vários pontos do centro da cidade de Juiz de Fora tais como: a Agência Campos, a Barateza Confecções, Casa Cruzeiro, a Livraria Lar Católico, Livraria Viviani e Oásis. A revista era estruturada da seguinte forma: a rede exibidora da cidade informava ao editor da revista os filmes que seriam exibidos no mês. A partir dessa informação, o corpo editorial da revista montava a edição com um pequeno comentário sobre o filme e sua cotação moral. Eventualmente, a revista reservava algumas páginas à artigos sobre temas ligados à atividade cinematográfica, especiais sobre atores ou diretores, etc. Um dado importante sobre esses textos, artigos, sinopses e críticas publicadas na revista é que o recorrente era a reprodução de textos de outras revistas e publicações, sem citação direta da fonte e/ou autor, num exercício de copia e cola que atendesse aos interesses da orientação moral. As fontes eram informadas de forma genérica na contracapa da revista. As principais fontes de consulta são: Serviço de Informações cinematográficas da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Suplemento Semanal da Revista Família; Boletim Informativo da Ação Católica Brasileira; Publicação da Ação Social Diocesana; Seções de cinema dos seguintes jornais: O Diário (BH), O Globo, Tribuna da Imprensa, Jornal do Commercio e Correio da Manhã (Rio de Janeiro), Jornal do Dia (Porto Alegre).; Boletim Informativo da OME (Orientação Moral de Espetáculos); Revista de Cinema (Belo Horizonte); Revista UPC (União de Propagandistas Católicos) de Belo Horizonte. Além dos filmes em cartaz A Tôrre de Marfim procurava orientar os espectadores em relação ao seu comportamento diante dos filmes e do seu compromisso como cristão com os preceitos 6

7 da Igreja Católica frente ao cinema, desta forma, era comum encontrar nas páginas da revista uma série de recomendações ao seu fiel leitor, como destacamos abaixo: O conteúdo moral de um película é condição intrínseca para a obra cinematográfica alcance dignidade artística. (A TÔRRE DE MARFIM, outubro de 1961:15) Indo assistir a um filme não deixe de rezar um PAI NOSSO frisando as palavras 'e não nos deixeis cair em tentação'! (A TÔRRE DE MARFIM, outubro de 1961:15). Nunca é o assunto em si que torna o filme moral ou imoral. O bem e o mal fazem parte de nossa vida. Um filme não é imoral por apresentar o mal, mas por apresentá-lo sem o contraste com o bem. (A TÔRRE DE MARFIM, junho de 1962: 22). Importante ressaltar que a revista A Tôrre de Marfim possuía um corpo redacional composto basicamente por amadores e cinéfilos, que de algum modo estavam ligados à Igreja Católica, seja diretamente, como os padres, ou funcionários da Tipografia Lar Católico ou indiretamente como estudantes do Colégio Academia do Comércio. Cabia a eles a decisão de procurar nas publicações especializadas ou nas colunas jornalísticas críticas que atendessem a cotação moral estabelecida para cada filme. Essa pesquisa, mesmo que em fase preliminar, já nos revela que essa publicação, presente na cidade de Juiz de Fora por duas décadas, é uma importante fonte de pesquisa, podendo revelar traços importantes da vida cultural da cidade. Além de nos revelar a força e o poder de uma Instituição secular. 7

8 Referências Bibliográficas BRUM, Alessandra. Hiroshima Mon Amour e a recepção da crítica no Brasil. Campinas, Tese de doutorado, IA/Unicamp, CHAVES, Geovano Moreira. A tela imoral; aspectos do projeto da Igreja Católica para o cinema via encíclicas papais Vigilant Cura (1936) e Miranda Prorsus (1957). São Paulo: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História, julho de COUTINHO, Mário Alves & GOMES, Paulo Augusto. Presença do CEC: 50 anos de cinema em Belo Horizonte. Belo Horizonte: Crisálida, FIGUEIRÔA, Alexandre. Cinema Novo: a onda do jovem cinema e sua recepção na França. Campinas/SP: Papirus, FREITAS, José E.; MELO, Geraldo L. Murílio Hingel, o professor que fez escola. Juiz de Fora: INDEC, GOMES, Paulo Emílio Sales. Crítica de Cinema no Suplemento Literário. Rio de Janeiro: Paz e Terra, Vol. I e II, LUDMANN, René. Cinema, Fé e Moral. Lisboa: Editora Aster, MALUSÁ, Vivian. Católicos e Cinema em São Paulo: O Cine-clube do Centro Dom Vital e a Escola Superior de Cinema São Luis. Campinas, Dissertação de mestrado, IA/Unicamp, OLIVEIRA, Elysabeth Senra. Uma geração cinematográfica. Intelectuais mineiros da década de 50. São Paulo: Annablume, RIBEIRO, Brênio Peters; ARANTES, Haydêe Sant'Ana; MUSSE, Christina Ferraz. CEC - Centro de Estudos Cinematográficos: a memória do pioneirismo do cineclube em Juiz de Fora. Anais do VII Encontro Nacional de História da Mídia, Unicentro, Guarapuava, Paraná, RIBEIRO, José Américo. O cinema em Belo Horizonte. Do cineclubismo à produção cinematográfica na década de 60. Belo Horizonte: Editora UFMG,

9 SILVA, Alessandra Belo Assis. Trabalho, Justiça e Reestruturação Produtiva. Juiz de Fora, década de São Paulo: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH, julho SIMÕES, Inimá. Roteiro da Intolerância: a censura cinematográfica no Brasil. São Paulo: editora SENAC, Periódicos: A TÔRRE DE MARFIM - Revista de Orientação Cinematográfica. Do XI ao VX ano, do volume 77 ao 126, período de março de 1960 a dezembro de Tipografia Lar Católico e/ou Sociedade Propagadora Esdeva: Juiz de Fora, Minas Gerais. Biblioteca Municipal Murilo Mendes, Juiz de Fora, Minas Gerais. CEC-JF acervo depositado no Arquivo Histórico da Universidade Federal de Juiz de Fora UFJF, Juiz de Fora, Minas Gerais. DIÁRIO MERCANTIL, março de Acervo Biblioteca Municipal Murilo Mendes, Juiz de Fora, Minas Gerais. Sitiografia: Papa Pio XI. Apostolado Veritatis Splendor. Vigilanti Cura. Disponível em Acesso em 16 de abril de Papa Pio XII. Apostolado Veritatis Splendor. Miranda Prorsus. Disponível em Acesso em 16 de abril de

CINECLUBE FESP PROJETO PIPOCA E BALA PIPPER. Itamar da Silva Bonfim Idealizador e Coordenador do Projeto Pipoca e Bala Pipper

CINECLUBE FESP PROJETO PIPOCA E BALA PIPPER. Itamar da Silva Bonfim Idealizador e Coordenador do Projeto Pipoca e Bala Pipper CINECLUBE FESP PROJETO PIPOCA E BALA PIPPER INTEGRANTE Itamar da Silva Bonfim Idealizador e Coordenador do Projeto Pipoca e Bala Pipper Videocinegrafista desde 1980, quando começou a registrar, em imagens

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

PROJETO TÉCNICO. Associação ou federação comunitária Ponto de cultura

PROJETO TÉCNICO. Associação ou federação comunitária Ponto de cultura ANEXO IV CINE MAIS CULTURA BAHIA PROJETO TÉCNICO I. Identificação da Iniciativa 1. Nome da Proponente: 2. Esta ação é inscrita por: [Indique somente 1 (uma) alternativa] Organização da Sociedade Civil

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

h p://www.confabulefilmes.com.br/fes vais inscrições até junho/11

h p://www.confabulefilmes.com.br/fes vais inscrições até junho/11 1 de 5 21/06/2011 17:55 FESTIVAIS inscrições até junho/11 1ª MOSTRA DE VÍDEO UNIVERSITÁRIO DA UNICAP A 1ª Mostra de Vídeo Universitário da Unicap é uma atividade integrada à programação de comemoração

Leia mais

REGULAMENTO Festival Luz de Cinema 1º Festival de cinema latino-americano Curitiba, 20 a 24 de outubro de 2014

REGULAMENTO Festival Luz de Cinema 1º Festival de cinema latino-americano Curitiba, 20 a 24 de outubro de 2014 REGULAMENTO 1º Festival de cinema latino-americano Curitiba, 20 a 24 de outubro de 2014 1 ORGANIZAÇÃO O evento será realizado pela Escola de Comunicação e Artes da Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Leia mais

O 9 FESTIVAL DE CINEMA CURTA CABO FRIO, acontecerá no mês de outubro de 2015 na cidade de Cabo Frio - Região dos Lagos - Rio de Janeiro.

O 9 FESTIVAL DE CINEMA CURTA CABO FRIO, acontecerá no mês de outubro de 2015 na cidade de Cabo Frio - Região dos Lagos - Rio de Janeiro. O 9 FESTIVAL DE CINEMA CURTA CABO FRIO, acontecerá no mês de outubro de 2015 na cidade de Cabo Frio - Região dos Lagos - Rio de Janeiro. Nos meses posteriores ao Festival serão realizadas mostras itinerantes

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO FRANCISCO DE ASSIS BARBOSA

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO FRANCISCO DE ASSIS BARBOSA GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO FRANCISCO DE ASSIS BARBOSA Revisão e Atualização Diretoria de Arquivos Permanentes Diretoria

Leia mais

MEMOSTRA! Quatro anos de um espaço de exibição alternativo e permanente de filmes paranaenses

MEMOSTRA! Quatro anos de um espaço de exibição alternativo e permanente de filmes paranaenses MEMOSTRA! Quatro anos de um espaço de exibição alternativo e permanente de filmes paranaenses Fabiana Maria Moro van Abbema 1 Fae Centro Universitário / Universidade Tuiuti do Paraná ISSN-2175-6554 Referência:

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

3ª MOSTRA DE CINEMA AMADOR DO COLÉGIO CIVITATIS (CIVIFILMES) E 3º TROFÉU GRAÇA ARANHA DE CINEMA AMADOR REGULAMENTO

3ª MOSTRA DE CINEMA AMADOR DO COLÉGIO CIVITATIS (CIVIFILMES) E 3º TROFÉU GRAÇA ARANHA DE CINEMA AMADOR REGULAMENTO 3ª MOSTRA DE CINEMA AMADOR DO COLÉGIO CIVITATIS (CIVIFILMES) E 3º TROFÉU GRAÇA ARANHA DE CINEMA AMADOR REGULAMENTO O COLÉGIO CIVITATIS sediado na Rua Falchi Gianini, 842, no bairro da Vila Prudente, CEP:

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Castanho, Sandra Maria POLÍTICA E LUTAS

Leia mais

MUNICÍPIO DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS

MUNICÍPIO DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS 1 Missão da Biblioteca Os princípios orientadores da Biblioteca Municipal Simões de Almeida (tio) têm como base o Manifesto da UNESCO sobre as Bibliotecas Públicas, pelo que no cumprimento da sua missão

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

10º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET Produções Cinematográficas Patrocínio PETROBRAS. De 04 a 08 de novembro de 2015

10º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET Produções Cinematográficas Patrocínio PETROBRAS. De 04 a 08 de novembro de 2015 10º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET Produções Cinematográficas Patrocínio PETROBRAS De 04 a 08 de novembro de 2015 REGULAMENTO I DA DATA E LOCAL Art. 1º: O 10º ENCONTRO

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

PRÉ-PROJETO SOBRE RÁDIO EM JUIZ DE FORA: COMO TUDO COMEÇOU? Primeiro Período Noturno de Comunicação Social / Jornalismo Rodrigo Galdino Ferreira

PRÉ-PROJETO SOBRE RÁDIO EM JUIZ DE FORA: COMO TUDO COMEÇOU? Primeiro Período Noturno de Comunicação Social / Jornalismo Rodrigo Galdino Ferreira Faculdade Estácio de Sá Juiz de Fora Comunicação Social / Jornalismo Metodologia do Trabalho Acadêmico e Científico Professora Maria Bernardete Pita Guimarães PRÉ-PROJETO SOBRE RÁDIO EM JUIZ DE FORA: COMO

Leia mais

A tela imoral; aspectos do projeto da Igreja Católica para o cinema via encíclicas papais Vigilant Cura (1936) e Miranda Prorsus (1957)

A tela imoral; aspectos do projeto da Igreja Católica para o cinema via encíclicas papais Vigilant Cura (1936) e Miranda Prorsus (1957) A tela imoral; aspectos do projeto da Igreja Católica para o cinema via encíclicas papais Vigilant Cura (1936) e Miranda Prorsus (1957) GEOVANO MOREIRA CHAVES * As primeiras sessões do cinematógrafo já

Leia mais

Direitos autorais. Alessandro Woserow Pedro Balistiero Fattore Guilherme Yagui Otavio Humberto Guerra e Sahm

Direitos autorais. Alessandro Woserow Pedro Balistiero Fattore Guilherme Yagui Otavio Humberto Guerra e Sahm Direitos autorais Alessandro Woserow Pedro Balistiero Fattore Guilherme Yagui Otavio Humberto Guerra e Sahm Direitos autorais O que é? O direito autoral é o reconhecimento naturalmente concedido a uma

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA Prova com temas clássicos, dentro do programa, sem maiores complicações. Sentimos falta de questões que buscassem uma maior relação diacrônica (com exceção da questão 1),

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

OS RUMOS DA DIFUSÃO CIENTÍFICA DA UFV

OS RUMOS DA DIFUSÃO CIENTÍFICA DA UFV 1 OS RUMOS DA DIFUSÃO CIENTÍFICA DA UFV Geraldo Magela Braga * Resumo: Este trabalho tem a finalidade de contribuir com a discussão sobre a difusão da produção científica da Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

Do Jornalismo aos Media

Do Jornalismo aos Media Do Jornalismo aos Media Estudos sobre a realidade portuguesa Rogério Santos Universidade Católica Editora Índice Introdução 7 Parte I Elementos para a história dos media em Portugal Jornalismo português

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL Comissão Episcopal Pastoral para Comunicação

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL Comissão Episcopal Pastoral para Comunicação REGULAMENTO DOM HÉLDER CÂMARA I - DATA E LOCAL A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil CNBB organiza o 12º Prêmio Dom Hélder Câmara de Imprensa, que tem por objetivo premiar profissionais da mídia

Leia mais

Programa Petrobras Cultural 2007/2008 Projetos Contemplados

Programa Petrobras Cultural 2007/2008 Projetos Contemplados Programa Petrobras Cultural 2007/2008 Projetos Contemplados CURTA-SE VIII Festival Ibero-Americano de Curtas-Metragens de Sergipe Protocolo: 4 Proponente: Centro de Estudos Casa Curta-SE Estado do Proponente:

Leia mais

Juventude com Arte, Saúde e Cidadania Autores: Ellen da Silva Mourão; Giovanna Grasiane de Sousa; Preceptora de Serviço: Maria Regina de Paula Fagundes Netto; Preceptora Acadêmica: Lêda Maria Leal de Oliveira.

Leia mais

Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Professora Nair Fortes Abu-Merhy ALÉM PARAÍBA

Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Professora Nair Fortes Abu-Merhy ALÉM PARAÍBA ALÉM PARAÍBA Regulamento de Atividades Acadêmicas-Científico-Culturais Art.1º - O presente regulamento visa normatizar as Atividades Complementares ou Atividades Acadêmico-Científico-Culturais (AACC) dos

Leia mais

A imprensa de Belo Horizonte sob o olhar de Maria Ceres Pimenta Spínola. SILVA, Sandra Mara. JARDIM, Simonia Dias (UNIPAC MG).

A imprensa de Belo Horizonte sob o olhar de Maria Ceres Pimenta Spínola. SILVA, Sandra Mara. JARDIM, Simonia Dias (UNIPAC MG). A imprensa de Belo Horizonte sob o olhar de Maria Ceres Pimenta Spínola Castro SILVA, Sandra Mara. JARDIM, Simonia Dias (UNIPAC MG). Resumo O Presente artigo trata da autora Maria Ceres Pimenta Spínola

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação REGULAMENTO MICROFONE DE PRATA I - REGULAMENTO A inscrição implicará no acatamento das condições estabelecidas no presente Regulamento por parte dos produtores e realizadores dos programas. II - DA PROGRAMAÇÃO

Leia mais

1 REGISTRO, Tânia Cristina. O arranjo de fotografias em unidades de informação: fundamentos teóricos e

1 REGISTRO, Tânia Cristina. O arranjo de fotografias em unidades de informação: fundamentos teóricos e Michelle Cartolano de Castro Ribeiro. Catolicismo e Espiritismo: potenciais de pesquisa a partir do Fundo José Pedro Miranda (Centro Universitário Barão de Mauá pós-graduando) O espaço de estudo usado

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

6º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET e Pontão de Cultura Cultura Viva ao Alcance de Todos Patrocínio - PETROBRAS

6º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET e Pontão de Cultura Cultura Viva ao Alcance de Todos Patrocínio - PETROBRAS 1 6º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET e Pontão de Cultura Cultura Viva ao Alcance de Todos Patrocínio - PETROBRAS De 22 a 26 de novembro de 2011 Floriano - PI REGULAMENTO

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural. Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural

Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural. Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural 1 1. Apresentação // 4 2. Objetivos e metas // 8 3. Estratégia - Música e Economia criativa // 9 4. Temáticas // 9 5. Programas // 10 6. Projetos Especiais // 10 7. Conselho gestor // 11 1. Apresentação

Leia mais

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS Apresentação A JUVENTUDE MERECE ATENÇÃO ESPECIAL A Igreja Católica no Brasil diz que é preciso: Evangelizar, a partir de Jesus Cristo,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 6. EDUCAÇÃO E CULTURA Senhor Reitor:

Leia mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais diversificada A Lei 12.485/2011 destrava a concorrência no setor,

Leia mais

Amcham Brasil Projeto Escola Legal 2008. Projeto Piloto

Amcham Brasil Projeto Escola Legal 2008. Projeto Piloto Amcham Brasil Projeto Escola Legal 2008 Projeto Piloto Apresentação Amcham Fundada em 1919, na capital paulista, a Câmara Americana de Comércio é uma organização não-governamental, sem fins lucrativos,

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

Irmã Dulce Dados retirados de

Irmã Dulce Dados retirados de <http://www.irmadulce.org.br> Irmã Dulce Dados retirados de Irmã Dulce 1914-1992 DADOS BIOGRÁFICOS 1914 26 de maio - Nasce Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes,, no bairro do Barbalho, cidade de Salvador,

Leia mais

I FESTIVAL DE CINEMA DE CARUARU REGULAMENTO CONVOCATÓRIA FINAL

I FESTIVAL DE CINEMA DE CARUARU REGULAMENTO CONVOCATÓRIA FINAL REGULAMENTO CONVOCATÓRIA FINAL I. DAS FINALIDADES O é um espaço de difusão dos elementos culturais locais. Está em sintonia com o desenvolvimento econômico e acadêmico de Caruaru e região nas últimas décadas

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i Cássia Aparecida Sales M Kirchner ii Faculdade de Educação Unicamp

Leia mais

APOIO À PESQUISA NO INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM DA UNICAMP. Secretaria de Pesquisas e Projetos, Coordenação de Pesquisa & Direção do IEL

APOIO À PESQUISA NO INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM DA UNICAMP. Secretaria de Pesquisas e Projetos, Coordenação de Pesquisa & Direção do IEL APOIO À PESQUISA NO INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM DA UNICAMP Secretaria de Pesquisas e Projetos, Coordenação de Pesquisa & Direção do IEL O IEL Cursos de graduação (506 alunos): Letras diurno Letras

Leia mais

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO A inclusão é uma realidade mundial. Desde a Declaração de Salamanca em

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

Estruturas curriculares dos Cursos de Cinema e Audiovisual no Brasil

Estruturas curriculares dos Cursos de Cinema e Audiovisual no Brasil Estruturas curriculares dos Cursos de Cinema e Audiovisual no Brasil Encontro Estruturas Curriculares do Curso de Rádio, TV e Internet no Brasil SOCICOM São Paulo, fevereiro 2014 Luciana Rodrigues Presidente

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 25 de outubro de 2006. 1 Segundo Vergueiro (1989), a política de desenvolvimento de coleções é um instrumento

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUÍNTES EM 2014/1

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUÍNTES EM 2014/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Publicidade e Propaganda Rádio e Televisão Relações Públicas ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUÍNTES EM 2014/1 DEFINIÇÃO

Leia mais

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Introdução A Seção de Leitura da IFLA tem o prazer de apresentar algumas sugestões práticas para as bibliotecas

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES-ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS PROT/ /AACC/ ART / Data: / / Aluno: Matrícula:

REGISTRO DE ATIVIDADES-ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS PROT/ /AACC/ ART / Data: / / Aluno: Matrícula: UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - Formação Acadêmico-científico-cultural Requisito 1 Disciplina extracurricular cursada fora da, em IES com reconhecimento oficial 2 Realização de curso regular

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO Registro na Extensão Nº: Em / / FORMULÁRIO DE PROGRAMA DE EXTENSÃO 1 - Identificação: 1.1 - Título 1 : 1.2 - Área Temática Principal (assinalar apenas uma área temática, aquela que melhor define o problema

Leia mais

D. Virgílio Antunes no Centro Social do Senhor da Serra. Bispo de Coimbra na bênção oficial da Residência Cristo Redentor

D. Virgílio Antunes no Centro Social do Senhor da Serra. Bispo de Coimbra na bênção oficial da Residência Cristo Redentor D. Virgílio Antunes no Centro Social do Senhor da Serra Bispo de Coimbra na bênção oficial da Residência Cristo Redentor O bispo da diocese de Coimbra, D. Virgílio Antunes, procedeu à bênção oficial da

Leia mais

Fazendo cinema na escola

Fazendo cinema na escola Fazendo cinema na escola Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Alex Moletta FAZENDO CINEMA NA ESCOLA Arte audiovisual dentro e fora da sala de aula Copyright 2014 by Alex Moletta Direitos desta

Leia mais

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens A obra salesiana teve início em Turim, na Itália, onde Dom Bosco colocou em prática seus ideais de educação associados ao desenvolvimento

Leia mais

O Projeto. Polo Rio de Cine e Video Rua Carlos Machado, 155, 2º andar 21. 2439 3667 www.cineticafilmes.com.br

O Projeto. Polo Rio de Cine e Video Rua Carlos Machado, 155, 2º andar 21. 2439 3667 www.cineticafilmes.com.br O Projeto O Homem e a Bolsa é uma investigação documental a partir das principais bolsas de valores mundiais, incluindo-se aí a do Brasil. Em nossos levantamentos preliminares, buscamos as Bolsas de Nova

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

CONFERÊNCIA BRASILEIRA EM MÉTODOS ÁGEIS

CONFERÊNCIA BRASILEIRA EM MÉTODOS ÁGEIS CONFERÊNCIA BRASILEIRA EM MÉTODOS ÁGEIS DE 21 A 23 DE OUTUBRO DE 2015, PORTO DE GALINHAS, PE Briefing da Conferência e Oportunidades de Patrocínio PORTO DE GALINHAS, PE CRÉDITOS: SUMMERVILLE BEACH RESORT

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

O CINEMA ALÉM DO FILME: O PROJETO DA IGREJA CATÓLICA BRASILEIRA PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES CINEMATOGRÁFICOS VIA CINE- CLUBE BELO HORIZONTE

O CINEMA ALÉM DO FILME: O PROJETO DA IGREJA CATÓLICA BRASILEIRA PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES CINEMATOGRÁFICOS VIA CINE- CLUBE BELO HORIZONTE O CINEMA ALÉM DO FILME: O PROJETO DA IGREJA CATÓLICA BRASILEIRA PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES CINEMATOGRÁFICOS VIA CINE- CLUBE BELO HORIZONTE Geovano Moreira Chaves Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Jornalismo REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Jornalismo REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamenta as Atividades Complementares do Curso de Jornalismo do Centro de Comunicação e Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Daniel de Castro Brainer Pereira PIRES 1 Thatiane Oliveira de ALENCAR 2 Alessandra Oliveira ARAÚJO 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE RESUMO

Leia mais

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing.

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing. Comunicação social Comunicação social A Comunicação Social é um campo de conhecimento académico que estuda a comunicação humana e as questões que envolvem a interação entre os sujeitos em sociedade. Os

Leia mais

EDUCAÇÃO CRISTÃ: ASPECTOS HISTÓRICOS E CONCEITUAIS

EDUCAÇÃO CRISTÃ: ASPECTOS HISTÓRICOS E CONCEITUAIS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 EDUCAÇÃO CRISTÃ: ASPECTOS HISTÓRICOS E CONCEITUAIS BASSIO JUNIOR, Édio 1 ; BIONDO, Viviane Mancin. 2 ; BUBNA, Marcio Ronaldo.

Leia mais

CONEXÃO CULTURAL. Projeto Itinerante de Teatro

CONEXÃO CULTURAL. Projeto Itinerante de Teatro CONEXÃO CULTURAL Projeto Itinerante de Teatro O teatro reflete a cultura da população. Ele permite que a sociedade tenha a possibilidade de apreciar a realidade em mudança por meio da exploração de idiomas

Leia mais

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO CIDADES EDUCADORAS A expressão Cidade Educativa, referindo-se a um processo de compenetração íntima entre educação e vida cívica, aparece pela primeira vez no Relatório Edgar Faure, publicado em 1972,

Leia mais

Ações de Mídia Cidadã Audiovisuais no Curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Regional de Blumenau (FURB)

Ações de Mídia Cidadã Audiovisuais no Curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Regional de Blumenau (FURB) Ações de Mídia Cidadã Audiovisuais no Curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Regional de Blumenau (FURB) Rafael José BONA 1 Cynthia Morgana Boos de QUADROS 2 Fabrícia Durieux ZUCCO 3 Universidade

Leia mais

MARATONA SCALABRINIANA - 2013. QUESTÕES PARA o 1º. Ano A e B - EF

MARATONA SCALABRINIANA - 2013. QUESTÕES PARA o 1º. Ano A e B - EF MARATONA SCALABRINIANA - 2013 QUESTÕES PARA o 1º. Ano A e B - EF 1. Qual a data de nascimento de Scalabrini e em qual país ele nasceu? Resposta: Scalabrini nasceu no dia 08 de Julho do ano 1839, na Itália.

Leia mais

9º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET Produções Cinematográficas Patrocínio PETROBRAS MINISTÉRIO DA CULTURA

9º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET Produções Cinematográficas Patrocínio PETROBRAS MINISTÉRIO DA CULTURA 9º ENCONTRO NACIONAL DE CINEMA E VÍDEO DOS SERTÕES Realização ESCALET Produções Cinematográficas Patrocínio PETROBRAS MINISTÉRIO DA CULTURA De 05 a 09 de novembro de 2014 Floriano/PI e Barão de Grajaú/MA

Leia mais

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO GEORGE DE CERQUEIRA LEITE ZARUR Consultor Legislativo da Área XV Educação, Desporto, Bens Culturais,

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2011 ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. APRESENTAÇÃO Este documento apresenta um conjunto geral de normas e orientações sobre as Atividades Complementares dos Cursos da FAECE (Faculdade

Leia mais

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES 7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES Autor(es) CHRISTINE BARBOSA BETTY Orientador(es) BRUNO PUCCI 1.

Leia mais

NÚCLEO CONSTRUÇÃO E CIDADANIA DO SICEPOT-MG

NÚCLEO CONSTRUÇÃO E CIDADANIA DO SICEPOT-MG NÚCLEO CONSTRUÇÃO E CIDADANIA DO SICEPOT-MG SICEPOT-MG CONSTRUINDO UM MUNDO MELHOR O Núcleo Construção e Cidadania foi criado em 1995 para coordenar, planejar e executar as ações de Responsabilidade Social

Leia mais

Centro Comunitário Vila Gaúcha. Projeto Experimental II

Centro Comunitário Vila Gaúcha. Projeto Experimental II Centro Comunitário Vila Gaúcha Projeto Experimental II Apresentação da Empresa O Centro Comunitário Vila Gaúcha presta atendimento regular em Educação Infantil, Serviço de Apoio Sócio Educativo, Trabalho

Leia mais

PDI DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFPI

PDI DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFPI Ministério da Educação Universidade Federal do Piauí Biblioteca Comunitária Jornalista Carlos Castello Branco Campus Universitário Ministro Petrônio Portella, Bairro Ininga, Teresina, Piauí, Brasil; CEP

Leia mais

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res 97 A INSTRUÇÃO NOS JORNAIS, RELATÓRIOS E MENSAGENS DOS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA E DE ESTADO NA PARAÍBA (1889-1910). Algumas palavras iniciais: Michelle Lima da Silva Bolsista CNPQ/PIBIC/UFPB (graduanda)

Leia mais

DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005

DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005 DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005 Número total de Programas 1 e seus respectivos projetos vinculados, público atendido

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 004 /2008

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 004 /2008 DELIBERAÇÃO Nº 004 /2008 REGULAMENTA AS S ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UERJ. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe atribui o artigo

Leia mais

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico Biblioteca UPIS 1 SUMÁRIO 1. Biblioteca... 3 2. Infra-Estrutura... 3 2.1 Espaço físico... 3 Campus I... 3 Instalações para estudos individuais... 3 Instalações para estudos em grupo... 3 3. Acervo Bibliográfico...

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE LICENCIATURAS DA FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - FFP

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE LICENCIATURAS DA FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - FFP UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES SÃO GONÇALO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE LICENCIATURAS DA FACULDADE

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 31 Rio Pesquisa - nº 18 - Ano V SAÚDE Conhecer o passado para cuidar do

Leia mais

Lei de incentivo do Paraná Decreto 5.570 de 2002

Lei de incentivo do Paraná Decreto 5.570 de 2002 DECRETO 5.570, DE 15 DE ABRIL DE 2002. Regulamenta a Lei nº. 13.133, de 2001, que cria o Programa Estadual de Incentivo à Cultura, institui a Comissão Estadual de Desenvolvimento Cultural e adota outras

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais