Boletim Informativo SCMM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim Informativo SCMM"

Transcrição

1 Junho de 2009 Nº 1 Boletim Informativo SCMM Santa Casa de Misericórdia de Mogadouro Notícias e Actualidades da SCMM Jardim de Infância aposta em novas tecnologias Destaques SCMM: Remodelação do Lar São João de Deus Assinatura do MASES Criação das Empresas de Inserção: Cheche Jardim de Infância: Pioneiro na implementação do Computador Magalhães. O Jardim de Infância da Santa Casa da Misericórdia de Mogadouro, foi pioneiro na implementação do computador Magalhães, no contexto pré-escolar. A Iniciativa aponta para uma nova experiência repleta de interactividade, dinamismo e oportunidades para as nossa crianças. "O fornecimento dos computadores Magalhães é uma aposta inovadora, da nova Direcção, nas novas tecnologias, que vai contribuir certamente, para uma melhoria da qualidade pedagógica das actividades lectivas, bem como promover o sucesso educativo de todas as crianças." O MAGALHÃES veio para ficar, e foi acolhido com grande entusiasmo por todas crianças do Jardim de Infância da Santa Casa de Misericórdia de Mogadouro!!! Visita do Primeiro-Ministro Eng. José Sócrates à UCCI Nesta edição: Notícias e Actualidades 1 Respostas Sociais 2, 3 Restauro das Pinturas laterais da Igreja da SCMM 4 MASES 4 Formação 4 A visita do Primeiro-ministro, Engenheiro José Sócrates, teve como principal objectivo a inauguração da Resposta Social: Unidade de Cuidados Continuados Integrados. A UCCI de Mogadouro integra a rede nacional de Cuidados Continuados. Na cerimónia estiveram presentes entre outros o Ex Provedor, João Lopes da Silva, o actual Provedor, João Henriques, bem como o Presidente da Câmara de Mogadouro, António Moraes Machado A UCCI dispõe de 24 camas e nessa altura 23 já estavam atribuídas. Respostas Sociais: Remodelações em curso... Criação de empresas de inserção 5 Creche SCMM 5 Mensagem do Provedor 6 Nova entrada do Lar São João de Deus. Nova pintura do CATL. Rua 5 de Outubro Mogadouro / Tel:

2 Boletim Informativo SCMM Página 2 Actividades Tempos Livres (CATL) O CATL e o J a r d i m d e Infância Estão abertos 12 meses no ano. O CATL da SCM é uma extensão criada a pensar especialmente nas crianças. No decorrer deste ano lectivo foram efectuadas obras de remodelação e pinturas no ATL, dando-lhe assim a dignidade que as nossas crianças merecem. Visto que cada criança é um ser único e com diferentes potencialidades, faz parte das nossas valias honrar essa personalidade e singularidade. Com isto, queremos que as crianças se sintam bem e pratiquem aprendizagens com definição e conteúdo. As actividades do ATL são acompanhadas por por 5 profissionais, sendo: 3 Professoras 1 Animadora Sociocultural 1 Auxiliar de acção escolar. Desta forma possibilita-se a formação de 4 espaços de trabalhos individualizados, compostos por cerca de 12 alunos cada. Assim o acompanhamento dos alunos é qualificado e altamente eficaz. Possuímos ainda uma sala de polivalente recreativa para os alunos após as actividades didácticas, bem como espaço ao ar livre. * TPC, Leituras; * Artes Plásticas, Pinturas, Molduras * Passeios, Convívios; * Espaço internet (férias); * Piscinas (férias); * Visionamento de DVD s; * Música, Jogos * Inglês, Informática; Jardim de Infância Horário de funcionamento: de segunda a sexta feira, das 8h às 20h. Cada criança é única e cada uma tem potencialidades muito próprias. Faz parte dos nossos valores respeitar essa individualidade e unicidade. As nossas instalações foram pensadas e construídas com um único objectivo: dar o melhor aos vossos filhos. No decorrer deste ano lectivo foram adquiridos computadores que permitem que cada aluno o utilize de forma individual. Queremos que a criança se sinta bem, se sinta confiante para que cresça com autonomia e realize aprendizagens com significado. Neste sentido beneficiam de: * Educação musical; * Educação física; * Inglês; * Informática; * Frequência das piscinas exteriores (Férias de Verão) * Almoço; * Lanche; * Hora de descanso (crianças de 3 e 4 anos) A SCMM dispõe ainda na área da educação de: * Creche familiar (amas sociais); Apoio Domiciliário O Apoio Domiciliário, que t a m b é m integra o ADI (Apoio Domiciliário Integrado),dispõe de uma cozinha com capacidade p/ 600 refeições diárias, servindo os refeitórios de várias Respostas Sociais da Vila. Uma equipa especializada atende cerca de 100 Utentes no Concelho de Mogadouro. Lar e Centro de Dia de Bruçó O Lar de Bruçó tem por objectivo r e s p o n d e r solidariamente às carências das pessoas da terceira idade que necessitam de assistência e apoio adequados, contribuindo assim para a estabilização ou retardamento do processo de envelhecimento.

3 Boletim Informativo SCMM Página 3 Lar e Centro de Dia de Mogadouro É objectivo do Lar São João de Deus: Contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos indivíduos e famílias; Contribuir para a estabilização ou o retardar do processo de envelhecimento ou de dependência; Promover a integração social e os direitos de cidadania, estimular o espírito de solidariedade e entreajuda dos utentes. Neste momento o LAR encontra-se num enorme processo de remodelação avaliado em cerca de Meio Milhão de Euros. Actividades no Lar: * Artes plásticas; * Viagens; * Festas; * Educação física; * Educação musical; * Costura; * Jardinagem; * Pinturas; * Escrita; * Leitura; Obra em curso Quarto em remodelação Nova Sala de Convívio Unidade de Cuidados Continuados Integrados - UCCI A Unidade de Cuidados Continuados integrados (UCCI) é uma resposta de cuidados globais a pessoas que, independentemente da sua idade, se encontrem em situação de dependência. Objectivos da UCCI: Promover autonomia; Promover a reabilitação/ readaptação; Reintegração das pessoas idosas e cidadãos em situação de dependência; Reforçar a participação e co-responsabilização dos seus familiares no processo de cuidados do doente. Os Cuidados Continuados exigem um trabalho em equipa que integra vários grupos profissionais. Nestas Unidades a equipa constituída por diferentes profissionais dá o seu melhor para cuidar de si e o apoiar com todo o seu saber e experiência. A nossa unidade conta com: 1 Médico 1 Médico Fisiatra (tempo parcial) 8 Enfermeiros 1 Assistente Social 1 Fisioterapeuta 1 Animadora Social 1 Terapeuta da Fala (tempo parcial) 9 Auxiliares de Acção médica e de Apoio e Vigilância 1 Administrativo 2 Recepcionistas E Ainda... A M i s e r i c ó r d i a a p r e s e n t o u u m a candidatura para a construção de um novo lar ao programa POPH, em terreno cedido pela Câmara Municipal de Mogadouro, junto ao Complexo Desportivo. O Projecto é concebido para 45 utentes e a ser aprovado rondará os 2 milhões de euros, criando mais de 20 postos de trabalho.

4 Boletim Informativo SCMM Página 4 Restauro das Pinturas laterais da Igreja da Misericórdia A intervenção foi executada pelos técnicos do IGESPAR e beneficiou toda a parte cultural do Concelho de Mogadouro. A Obra de restauro das pinturas das paredes internas da Igreja da Misericórdia de Mogadouro, teve total apoio do IGESPAR, Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, que disponibilizou milhares de euros para esta intervenção. Paredes da Igreja após o restauro: Ao IGESPAR cabe a missão de conservar, preservar, salvaguardar e valorizar o património arquitectónico português, incluindo-se neste universo o conjunto de bens imóveis de especial valor histórico. MASES Medida de Apoio à Segurança dos Equipamentos Sociais MASES: 328 mil euros para obras de remodelação do Lar São João de Deus. SEGURANÇA CONFORTO, HIGIENE E DIGNIDADE Assinatura do protocolo 26/11/08 na Foto: O provedor da SCMM, João Henriques, O vogal do conselho de administração do Instituto de Segurança Social, Engº Luis Menezes e a Directora do Centro Distrital de Bragança da Segurança Social, Drª Teresa Barreira. A MASES disponibiliza, numa primeira fase, 25 milhões de euros que estão a ser distribuídos pelos 18 distritos do país. Somente para o distrito de Bragança foram disponibilizados cerca de 1 milhão de euros. Para o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Mogadouro, João Henriques, este programa "vem ajudar a resolver os problemas que os relatórios da Segurança Social permanentemente apontam ao lar de idosos" daquela instituição. O provedor concorda que "não se podem ter idosos naquelas circunstâncias", com cinco utentes a partilharem um quarto. Formação A SCMM candidatou-se e foi apoiada com um projecto que irá Valor por Anos: assegurar a formação de todos os funcionários nos próxi2008: ,80 mos anos. 2009: Valor Global do Investimento: , : ,52 Valor Comparticipado a fundo perdido: ,65 Volume de Formação: horas Com a assinatura deste projecto a SCMM terá em mãos 328 mil euros dos cerca de 500 mil euros necessários para a obra de remodelação, que se iniciou no 1º trimestre do presente ano. Destas obras constam, entre outras, a transformação de todos os quartos de tal forma que fiquem exclusivamente com um ou dois Utentes e casa de banho privativa. Destas obras também se prevê a criação, em simultâneo, de uma sala de convívio e actividades socioculturais com cerca de 100 m2.

5 Boletim Informativo SCMM Página 5 Criação das Empresas de Inserção LAVADOURO - Lavandaria Valor Global do Investimento: ,00 Valor Comparticipado a fundo perdido: ,00 Valor do Subsídio reembolsável: ,00 80% Valor dos encargos com pessoal durante 7 anos Criação de 6 postos de trabalho Capacidade de lavagem: 1 Tonelada / Dia Prevê-se o início do funcionamento até o final do corrente ano. QUINTA DA AVÓ - Estufa de Produtos Hortícolas Valor Global do Investimento: ,00 Valor Comparticipado a fundo perdido: ,00 Valor do Subsídio reembolsável: ,00 80% Valor dos encargos com pessoal durante 7 anos Criação de 6 postos de trabalho Prevê-se o início do funcionamento no inicio do corrente ano. Apoio através do Centro de Emprego de Macedo de Cavaleiros CRECHE SCMM Valor Global da Obra: ,00 Valor Comparticipado através do PARES: ,00 Financiamento próprio: ,00 Impacto Social: Creche SCMM Capacidade para 33 Crianças Criação de aproximadamente 10 postos de trabalho Previsão de funcionamento: Inicio de de Julho de 2009 Actualmente a Lavandaria já se encontra em pleno funcionamento, o que permite cuidar não só do vestuário (da roupa de cama, casa de banho, entre outras) de todas as Respostas Sociais da Instituição, mas também de prestar este tipo de serviços para os cidadãos mogadourenses que pretendam estes serviços. Com esta empresa de inserção foram criados 6 postos de trabalho,. Em termos de custos, a Lavandaria situa-se nos 143 mil euros e a Estufa ronda os 165 mil euros.

6 Mensagem do Provedor O tempo passa, estamos a comemorar os 450 anos da Santa Casa da Misericórdia de Mogadouro e as mudanças vãonos transformando numa instituição com maior qualidade na prestação de serviços aos nossos utentes. O inicio é sempre a descoberta dos interesses dos Utentes, dos familiares e amigos que procuram manter uma relação de proximidade com a Equipa Técnica seleccionada para apoiar os nossos idosos. É a eles que devemos todas as alterações no quotidiano, todos os momentos de alegria, diversão, transmissão de conhecimentos, mas também de aprendizagem entre as diversas gerações. A aposta em encontros intergeracionais que se realiza diversas vezes entre as diferentes respostas sociais, têm sido fundamentais no desenvolvimento de relações saudáveis entre os mais novos e os mais idosos. A Creche Familiar tem oferecido um conjunto de actividades muito apreciadas pelas crianças e respectivos pais, nas quais o empenho da Educadora Responsável e Equipa de Amas tem sido notório, pelo que os familiares felicitam com frequência o trabalho desenvolvido pela Instituição. O Jardim de Infância tem revelado empenho na organização do Plano Anual de Actividades, diversificando a oferta gratuita de áreas de aprendizagem para todas as crianças em termos de aulas de Informática (Computadores Magalhães), de Inglês, Educação Física e Educação Musical. As férias das crianças do CATL de 2009 foram planeadas a pensar nos mais novos, permitindo-lhe usufruir de um conjunto de actividades lúdicas e pedagógicas direccionadas para as suas idades, mas introduzindo diversos aspectos relacionados com a Formação Cívica das mesmas. Acreditamos que desta forma estamos a fomentar valores como o respeito pelos mais velhos, a partilha de pequenos gestos de afectividade, a experiência de ouvir histórias e/ou contar episódios do dia-a-dia Tem um sabor especial observar e participar nos jogos de roda, no canto, na dança, na pintura e artes plásticas, na jardinagem, entre outras Só quem assiste a estes momentos se pode deliciar com estas dinâmicas! Os Serviços de Apoio Domiciliário sofreram também reestruturação, na qual se criaram 4 circuitos de distribuição de refeições, permitindo assim uma melhoria na qualidade das mesmas uma vez que chegam à residência dos Utentes num mais curto espaço de tempo. Para tal adquirimos mais uma viatura para facilitar o trabalho destas equipas. Não nos poderíamos esquecer da Equipa que presta os cuidados de Higiene Pessoal, Higiene habitacional e Cozinha que revelam muito empenho na prestação de serviços que proporcionam todos os dias aos nossos utentes. Estes serviços têm como base a Vila de Mogadouro e Bruçó. As obras de remodelação do Lar São João de Deus são a intervenção mais profunda a levar a cabo pela SCMM nos próximos meses. Acreditamos que com o esforço, compreensão e paciência da Equipa desta Instituição, dos utentes, dos familiares e amigos será menos complicado ultrapassar um período de tantas transformações inerentes a este processo de remodelação. Estas obras de remodelação e substituição de equipamentos têm um valor aproximado de meio milhão de euros. A construção da Creche será muito importante para a população de Mogadouro, uma vez que as famílias poderão entregar as suas crianças a uma Equipa que prestará os cuidados de forma a proporcionar bemestar, conforto, aprendizagem e um dia-a-dia repleto de surpresas. As crianças poderão usufruir de um espaço único, onde serão devidamente estimuladas para a aprendizagem precoce, para dinâmicas de grupo, para um desenvolvimento adequado para cada faixa etária. Desta forma, poderá realizar-se um trabalho de detecção precoce de necessidades educativas especiais. É uma obra que depois de equipada, terá um custo de cerca de ,00. A criação de duas Empresas de Inserção, uma Lavandaria (Lavadouro) e uma Estufa (Quinta da Avó) são também objectivos a concretizar ao longo de 2009, para ser possível oferecer aos nossos utentes qualidade. Actualmente a Lavandaria já se encontra em pleno funcionamento, o que permite cuidar não só do vestuário (da roupa de cama, casa de banho, entre outras) de todas as Respostas Sociais da Instituição, mas também de prestar este tipo de serviços aos cidadãos que pretendam deles usufruir. Em termos de custos, a Lavandaria situa-se nos 143 mil euros e a Estufa ronda os 165 mil euros. A elaboração de Planos de Actividades de todas as Respostas Sociais definiu-se como prioridade para criar dinâmicas que envolvam os Utentes, crianças e idosos da SCMM. A Equipa Multidisciplinar desloca-se frequentemente ao Lar de Bruçó para levar uma lufada de ar fresco, apresentando desafios na realização de tarefas, na participação em passeios, visitas e outros eventos realizados pela Instituição aos nossos utentes. Todos os Colaboradores da Instituição estão a frequentar diversas Acções de Formação disponibilizadas pela SCMM, com o intuito de formar profissionais qualificados que possam melhorar no quotidiano o seu desempenho como responsáveis pelas funções que lhe foram incumbidas. O número de irmão foi mais do que duplicado. O voluntariado será uma meta a considerar nos próximos tempos, permitindo um maior envolvimento da população de Mogadouro, cidadãos e Entidades Parceiras que pretendam apoiar a Instituição. A abertura e disponibilidade da SCMM aos munícipes será um objectivo fundamental para permitir a todos os que tenham tempo disponível e vontade de se sentirem úteis, possam ser seleccionados para colaborar no trabalho da Instituição. O conhecimento da realidade que se vive numa Instituição como é esta é fundamental para que as pessoas possam avaliar justamente todos aqueles que se esforçam diariamente para proporcionar um dia a dia com qualidade aos nossos Utentes. O objectivo máximo definido pela Direcção é a Certificação da Qualidade da SCMM, sendo esta a principal motivação das Equipas de Trabalho que se preocupam em envolver todos os Colaboradores, solicitando ajuda na definição de objectivos, inserindo-os neste processo. É com este dinamismo que a Instituição tem trabalhado durante este primeiro ano e meio, no qual se pretendeu instituir um conceito de envelhecimento activo para os nossos idosos. (João Manuel dos Santos Henriques, Dr.) Santa Casa de Misericórdia de Mogadouro

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014

MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014 CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MOGADOURO 28-10-2013 MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL

Leia mais

Teatro com Teias e Histórias

Teatro com Teias e Histórias Teatro com Teias e Histórias 3 em Pipa Associação de Criação Teatral e Animação Cultural Organização de um grupo de voluntários que, integrados num projecto comunitário de vertente artística, actuam junto

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se! Uma mão, um amigo Casa do Povo de Relíquias Através da realização de atividades lúdicas, visitas domiciliárias, apoio na alimentação e acompanhamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

1 ENTIDADES PARCEIRAS PROMOTORAS DE VOLUNTARIADO Se tem uma sugestão de ação voluntária, uma competência especial ou específica

1 ENTIDADES PARCEIRAS PROMOTORAS DE VOLUNTARIADO Se tem uma sugestão de ação voluntária, uma competência especial ou específica Data última atualização: 05 Novembro de 2012 Índice 1 - Entidades parceiras promotoras de voluntariado 2- Projetos específicos de voluntariado 1 ENTIDADES PARCEIRAS PROMOTORAS DE VOLUNTARIADO Se tem uma

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

beneficiando da localização privilegiada do equipamento. Número de utentes: Lar 30 utentes Número de postos de trabalho a criar: 22

beneficiando da localização privilegiada do equipamento. Número de utentes: Lar 30 utentes Número de postos de trabalho a criar: 22 CASA DE SARRAZOLA Caracterização do imóvel: Edificação datada dos anos sessenta do séc. XIX, com cerca de 313 m2 de área coberta e 1638 m2 de quintal, doada a esta Misericórdia pela senhora drª Glória

Leia mais

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado O Programa de Voluntariado do Centro Solidariedade e Cultura de Peniche pretende ir ao encontro do ideário desta instituição, numa linha da

Leia mais

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira Projectos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

Ficha de Inscrição e identificação do Voluntário PND

Ficha de Inscrição e identificação do Voluntário PND Ficha de Inscrição e identificação do Voluntário PND Dados de Identificação: Nome Completo: Data de nascimento: / / Local: Sexo: F M Estado Civil: Numero de BI ou Cartão de Cidadão Segurança Social: Numero

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO):

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): GRUPO DE TRABALHO: ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE VALE DA PEDRA PAULA FERREIRA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ANA OLIVEIRA ASSOCIAÇÃO OPERAÇÃO SAMARITANO CARINA CRENA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

Casa do Povo de Porto Judeu Instituição Particular de Solidariedade Social Contribuinte n.º 512 007 136

Casa do Povo de Porto Judeu Instituição Particular de Solidariedade Social Contribuinte n.º 512 007 136 Contribuinte n.º 512 007 136 PLANO DE ACTIVIDADES ANO DE 2009 I INTRODUÇÃO A Casa do Povo de Porto Judeu, como instituição de solidariedade social, e com algum peso no desenvolvimento desta freguesia no

Leia mais

. Protocolo de Cooperação 2011-2012.. Programa de Emergência Alimentar. Centro Distrital de Viseu Março de 2012

. Protocolo de Cooperação 2011-2012.. Programa de Emergência Alimentar. Centro Distrital de Viseu Março de 2012 . Protocolo de Cooperação 2011-2012. Programa de Emergência Alimentar Centro Distrital de Viseu Março de 2012 Celebrado em 17 de Janeiro 2012 entre o Ministério da Solidariedade e Segurança Social e as

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016 Associação Sénior de Odivelas A Universidade Sénior de Odivelas é um projecto inovador que tem por base a promoção da qualidade de vida dos seniores de Odivelas, fomentando

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1

NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO. Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 NORMAS DE FUNCIONAMENTO PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO Programa Viver Solidário/ Normas Página 1 PROGRAMA VIVER SOLIDÁRIO NORMAS DE FUNCIONAMENTO 1.INTRODUÇÃO A prática de actividades de animação regular e sistemática,

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário Porto, 2015 Índice Introdução 2 Serviço de Apoio Domiciliário SAD 3 Princípios/regras

Leia mais

Creche Pré-Escolar 1º Ciclo

Creche Pré-Escolar 1º Ciclo Creche Pré-Escolar 1º Ciclo A NOSSA MISSÃO É O NOSSO COMPROMISSO... Contribuir para o desenvolvimento integral dos nossos Alunos. Ser uma escola que marca a diferença fazendo melhor. Ensinar com amor.

Leia mais

Entidades Promotoras de Voluntariado Lourinhã

Entidades Promotoras de Voluntariado Lourinhã Entidades Promotoras de Voluntariado Câmara Municipal da Casa do Povo da Casa Pia de Lisboa Centro Social e Paroquial da ADAPECIL Associação Juvenil Tá a Mexer GEAL Junta de Freguesia de Ribamar LOURAMBI

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação

Projeto Pedagógico e de Animação Projeto Pedagógico e de Animação 1 - Memória Descritiva 2 Identificação e Caracterização da Instituição Promotora 3 - Objetivos Gerais 4 - Objetivos Específicos 5 - Princípios educacionais 6 Metodologias

Leia mais

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO Entidade Actividade a Desenvolver Freguesia Público Alvo Santa Casa da Misericórdia de - Elaboração de cabazes e distribuição dos bens do Banco Alimentar (no armazém da Santa Casa). População em geral

Leia mais

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto Eventos Eixo I Emprego, Formação e Qualificação Acção: Bom Porto - Gabinete de Empregabilidade e Empreendedorismo: Uma das acções do projecto consiste na criação de um Gabinete de atendimento na área da

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

Centro Paroquial do Estoril. Funchal, Junho, 2012

Centro Paroquial do Estoril. Funchal, Junho, 2012 Centro Paroquial do Estoril Funchal, Junho, 2012 Índice Quem Somos Como Estamos Organizados Recursos Mais Informação Quem Somos IPSS da Paróquia de Santo António do Estoril, no Concelho de Cascais Visão:

Leia mais

Centro de Dia. Direcção-Geral da Acção Social. Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação. Catarina Bonfim Maria Eugénia Saraiva

Centro de Dia. Direcção-Geral da Acção Social. Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação. Catarina Bonfim Maria Eugénia Saraiva Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Catarina Bonfim Maria Eugénia Saraiva Centro de Dia (Condições de localização, instalação e funcionamento) Lisboa, Dezembro de

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Loja Social de Paredes de Coura Regulamento Preâmbulo A pobreza e a exclusão social têm fortes efeitos no desenvolvimento da comunidade local e implicam o empobrecimento de

Leia mais

ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS

ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS ASCUDT VOLUNTARIADO REGULAMENTOS ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO LEGAL 3 2- PRINCÍPIOS DO VOLUNTARIADO 3 3- ESTATUTO DE VOLUNTÁRIO 4 4- DIREITOS DO VOLUNTÁRIO 4 5- DEVERES DO VOLUNTÁRIO 6 6- ÂMBITO DE ACÇÃO 6

Leia mais

10. Equipamentos e Serviços Sociais

10. Equipamentos e Serviços Sociais 68 10. Equipamentos e Serviços Sociais A rede de equipamentos e serviços sociais existentes no concelho de Vidigueira constitui uma realidade resultante do esforço e envolvimento de entidades de diversa

Leia mais

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MIRANDELA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE INFÂNCIA O MIMINHO 1 º A Creche têm por fim satisfazer as necessidades das crianças nas diferentes etapas do seu desenvolvimento, entre os quatro meses de idade e 3 anos.

Leia mais

Misericórdia em Movimento Distribuição Gratuita

Misericórdia em Movimento Distribuição Gratuita EDIÇÃO Nº 01 Julho Agosto Setembro 2012 Boletim Informativo Distribuição Gratuita FICHA TÉCNICA Redação: Mesa Administrativa e colaboradores Periodicidade: Trimestral Impressão: Gráfica Santiago Lda Tiragem:

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO. outubro 2014 a agosto 2015. Realizado em: 02.10.2014. Aprovado pela Direção em: 09.10.

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO. outubro 2014 a agosto 2015. Realizado em: 02.10.2014. Aprovado pela Direção em: 09.10. PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO outubro 2014 a agosto 2015 Realizado em: 02.10.2014 Aprovado pela Direção em: 09.10.14 Índice Introdução... 3 Linhas orientadoras... 3 Objetivos estratégicos...

Leia mais

Regulamento da Raízes para o voluntariado

Regulamento da Raízes para o voluntariado Regulamento da Raízes para o voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do voluntariado, nas actividades desenvolvidas

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Verão com desafios 2015 Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - Município de Loures 1 a) O programa de Ocupação de Tempos Livres Verão com Desafios é promovido

Leia mais

Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho

Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho O Programa do XVII Governo prevê o lançamento de uma nova geração de políticas locais e de políticas sociais de proximidade, assentes em passos decisivos e estruturados

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINS ARTIGO 1º Definição 1. O Centro de Dia, situado na Quinta das Acácias, é uma das respostas sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO Dra. Paula Lima Breve apresentação da CERCIMARCO MISSÃO Desenvolver respostas ajustadas às necessidades das pessoas com deficiência ou com problemas de inserção

Leia mais

EDP Solidária Barragens 2010

EDP Solidária Barragens 2010 Menção Honrosa Entidade: LÉRIAS ASSOCIAÇÃO CULTURAL Escola de Música Tradicional a música que nos pertence formar 70 jovens em música tradicional do concelho de Miranda do Douro e divulgar as tradições

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital Parte 6.1.1 Equipamentos sociais no contexto distrital (Carta social / Reapn - Bragança) Apresentam-se seguidamente

Leia mais

MUNICÍPIO DE PALMELA CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE PALMELA CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE PALMELA CÂMARA MUNICIPAL EDITAL Nº 09/DAF-DAG/2009 ----- ANA TERESA VICENTE CUSTÓDIO DE SÁ, na qualidade de Presidente da Câmara Municipal de Palmela: --------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

plano anual de educação ambiental

plano anual de educação ambiental plano anual de educação ambiental 2009/2010 complexo de educação ambiental da quinta da gruta PROGRAMA FAMÍLIAS Grelha Resumo por Sector Sector Rios/Espaços Verdes Animais Dias comemorativos Férias Datas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

QUADRO DE TRANSFERÊNCIA DE COMPETÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS EM MATÉRIA DE EDUCAÇÃO

QUADRO DE TRANSFERÊNCIA DE COMPETÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS EM MATÉRIA DE EDUCAÇÃO QUADRO DE TRANSFERÊNCIA DE COMPETÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS EM MATÉRIA DE EDUCAÇÃO APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 144/2008, DE 28 DE JULHO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - Lei n.º 3-B/2010, de 28 de

Leia mais

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições O que é uma instituição? Estabelecimento de utilidade pública, organização ou fundação Organização

Leia mais

Centro Social de Amareleja PLANO DE ATIVIDADES

Centro Social de Amareleja PLANO DE ATIVIDADES Centro Social de Amareleja PLANO DE ATIVIDADES Página 1 de 18 Índice Conteúdo Introdução... 3 Missão, Visão e Valores... 4 As respostas sociais... 5 Estrutura Residencial para pessoas idosas... 5 Serviço

Leia mais

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Natal na desportiva 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO CML/DRIC/2015 Alvará 694 I. Apresentação e objetivos 1. Entidade Promotora e Organizadora - Município de Loures 1 a) O Programa de Ocupação de Tempos Livres

Leia mais

BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VISEU

BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VISEU BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME DE VISEU A NOSSA MISSÃO Lutar contra o desperdício, recuperando excedentes alimentares, para os levar a quem tem carências alimentares, mobilizando pessoas e empresas que

Leia mais

EDITAL Nº 21/10. Regulamento

EDITAL Nº 21/10. Regulamento MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 21/10 Regulamento - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna público que, por deliberação deste órgão

Leia mais

Escola Sénior do Mundo Rural - 2006

Escola Sénior do Mundo Rural - 2006 Escola Sénior do Mundo Rural - 2006 A Escola Sénior do Mundo Rural (ESMR), insere-se no âmbito da actividade 6 - "Apoio ao Movimento Associativo", do projecto ParticipAR. Tendo como objectivo principal

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

ÍNDICE 1. A ORGANIZAÇÃO 2. O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 3. REDE DE PROCESSOS 1.1 NOTA INTRODUTÓRIA DA DIRECÇÃO 1.2 O CENTRO SOCIAL E A SUA ACÇÃO

ÍNDICE 1. A ORGANIZAÇÃO 2. O SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 3. REDE DE PROCESSOS 1.1 NOTA INTRODUTÓRIA DA DIRECÇÃO 1.2 O CENTRO SOCIAL E A SUA ACÇÃO MANUAL DA QUALIDADE ÍNDICE 1. A ORGANIZAÇÃO 1.1 NOTA INTRODUTÓRIA DA DIRECÇÃO 1.2 O CENTRO SOCIAL E A SUA ACÇÃO 1.3 VISÃO, MISSÃO E VALORES 1.4 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1.4.1 RESPONSABILIDADES E AUTORIDADES

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

CENTRO DE DIA REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE DIA REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA REGULAMENTO INTERNO 1 - ADMISSÃO Os utentes são admitidos no Centro de Dia pelo responsável da área social do Lar e Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de Machico, em conformidade

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Viver Saudável

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Viver Saudável Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Viver Saudável 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Viver Saudável Promotor(es): Médicos do Mundo Sigla Viver Saudável Morada Avenida de Ceuta (Sul),

Leia mais

Campos de Férias. Férias Escolares 2011

Campos de Férias. Férias Escolares 2011 Campos de Férias Férias Escolares 2011 1. A Praznik Somos uma empresa licenciada pelo Instituto Português da Juventude - alvará nº 319 - para organizar e dinamizar Campos de Férias, atribuições que incluem

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS 2008 CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS SERVIÇO DE TRANSPORTE ADAPTADO A PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA Normas de Funcionamento As pessoas com mobilidade condicionada debatem-se diariamente com sérios problemas

Leia mais

1 Apresentação... 3. 2 - Resenha Histórica... 4. 3 - Objetivos... 5. 4 - Entidades envolvidas... 5. 5 - Planificação das atividades...

1 Apresentação... 3. 2 - Resenha Histórica... 4. 3 - Objetivos... 5. 4 - Entidades envolvidas... 5. 5 - Planificação das atividades... Projeto ÁGUA É VIDA Índice 1 Apresentação... 3 2 - Resenha Histórica... 4 3 - Objetivos... 5 4 - Entidades envolvidas... 5 5 - Planificação das atividades... 5 6 - Orçamento... 6 7 - Conclusão... 6 Página

Leia mais

CASA PIA DE LISBOA, I.P. Gabinete da Presidente do Conselho Directivo

CASA PIA DE LISBOA, I.P. Gabinete da Presidente do Conselho Directivo 1 CARTA DE MISSÃO Ministério: Trabalho e Solidariedade Social Serviço/Organismo: Casa Pia de Lisboa, I.P. Cargo e Titular: Presidente do Conselho Directivo Período da Comissão de Serviço: de 15 de Maio

Leia mais

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO IRMANDADE DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO Regulamento Interno para o Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA O VOLUNTARIADO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação

Leia mais

EDITORIAL OUTUBRO 2015. Serviço de Medicina Intensiva tem novas instalações 2. ULS Nordeste é das melhores do país 3

EDITORIAL OUTUBRO 2015. Serviço de Medicina Intensiva tem novas instalações 2. ULS Nordeste é das melhores do país 3 Serviço de Medicina Intensiva tem novas instalações 2 ULS Nordeste é das melhores do país 3 1,2 milhões de euros para investimentos 3 Sessões musicais na Unidade de Cuidados Paliativos 4 UCC de Mirandela

Leia mais

Rácios de pessoal para Estrutura Residencial para Pessoas Idosas

Rácios de pessoal para Estrutura Residencial para Pessoas Idosas Área dos Idosos Rácios de pessoal para Serviço de Apoio Domiciliário Portaria nº38/2013, 30 de janeiro Número de Percentagem de Diretor técnico a) 1 50% 60 a) Diretor técnico pode ser comum às restantes

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa Santa Casa da Misericórdia de Lisboa Gabinete de Promoção do Voluntariado Diretora Luísa Godinho EVOLUÇÃO HISTÓRICA VOLUNTARIADO na SCML 1498 Fundação Compromisso assumido por 100 homens bons 1998 Publicação

Leia mais

ESPAÇO SOLIDÁRIO. Normas de Funcionamento. Preâmbulo. A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de

ESPAÇO SOLIDÁRIO. Normas de Funcionamento. Preâmbulo. A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de ESPAÇO SOLIDÁRIO Normas de Funcionamento Preâmbulo A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de protecção social, tem vindo a implementar um conjunto de medidas de apoio às

Leia mais

Manual de Acolhimento do Utente Lar de Idosos

Manual de Acolhimento do Utente Lar de Idosos Manual de Acolhimento do Utente Lar de Idosos 2009 Ficha Técnica Obra: Manual de Acolhimento do utente em Lar de Idosos Autor: Ana Maria L. Gandarez (Gerontóloga) Edição: Centro Social Paroquial Santa

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo 1 INTRODUÇÃO O Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas em colaboração com o Secretariado Entreculturas elaborou esta brochura

Leia mais

Anexo A. Organização do edifício de Creche

Anexo A. Organização do edifício de Creche Anexo A. Organização do edifício de Creche Rés-do-chão: Berçário Copa do leite Sala de atividades Refeitório para crianças Casa de banho para crianças Casa de banho para adultos Refeitório para adultos

Leia mais

Manual de Acolhimento. Lar de Idosos. Santa Casa da Misericórdia de Angra do Heroísmo

Manual de Acolhimento. Lar de Idosos. Santa Casa da Misericórdia de Angra do Heroísmo Santa Casa da Misericórdia de Angra do Heroísmo Manual de Acolhimento Lar de Idosos da Santa Casa da Misericórdia de Angra do Heroísmo Rua Professor Augusto Monjardino 9700-020 Angra do Heroísmo Telefone:

Leia mais

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Aprovado em Reunião de Câmara de 24 de Janeiro de 2001 Índice 1º. Introdução 2º. Objectivos 3º. Áreas de Acção 4º. Tipos de Apoio 5º. Metodologia da Apresentação

Leia mais

Apoio a crianças e jovens em situação de risco

Apoio a crianças e jovens em situação de risco Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Parceria Acordo de Parceiros de 20.12.05 Gabinete para a Cooperação do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal Gabinete do Ministro do Trabalho,

Leia mais

O grupo das. empresas da família. Janz resultaram da. Bruno Janz Herdeiros. SA fundada em 1915. pelo Engº Bruno Janz.

O grupo das. empresas da família. Janz resultaram da. Bruno Janz Herdeiros. SA fundada em 1915. pelo Engº Bruno Janz. O grupo das empresas da família Janz resultaram da Bruno Janz Herdeiros SA fundada em 1915 pelo Engº Bruno Janz. Prestação de serviços na área dos Recursos Humanos, da Contabilidade e Gestão Finaceira

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas com Deficiência

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

Lic. Marketing e Publicidade. Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral

Lic. Marketing e Publicidade. Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral Lic. Marketing e Publicidade Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral Trabalho realizado por: Maria Marques, 7005 Docente: Dr. Fernando Gaspar SANTARÉM Licenciatura em Marketing & Publicidade 1 de 10 2007/2008

Leia mais

Gabinete para a Expansão e Desenvolvimento da Educação Pré-Escolar Ministério da Educação Ministério da Solidariedade e Segurança Social 1998

Gabinete para a Expansão e Desenvolvimento da Educação Pré-Escolar Ministério da Educação Ministério da Solidariedade e Segurança Social 1998 Educação Pré-Escolar - Perguntas e Respostas Gabinete para a Expansão e Desenvolvimento da Educação Pré-Escolar Ministério da Educação Ministério da Solidariedade e Segurança Social 1998 ARGUMENTÁRIO O

Leia mais

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Responsabilidade Social Como estratégia de Sustentabilidade a Responsabilidade Social das Organizações, tornou-se de vital importância para o Terceiro Sector,

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

Regulamento. Sorriso Solidário

Regulamento. Sorriso Solidário Regulamento Sorriso Solidário 0 Introdução A Santa Casa da Misericórdia de Mirandela, tem desenvolvido ao longo dos tempos, diversas iniciativas no sentido de criar condições que favoreçam o bem-estar

Leia mais

Castelo de Vide ACTA Nº. 1/2009

Castelo de Vide ACTA Nº. 1/2009 ACTA Nº. 1/2009 Reunião do Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide, realizada no dia três de Fevereiro de dois mil e nove - - - - Aos três dias do mês de Fevereiro do ano

Leia mais

REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO

REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO Artigo 1 (Objecto) 1 - Pelo presente Regulamento é constituída e regulado o funcionamento da Escola de Música Municipal de Mondim de Basto. 2 - A Escola

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR

CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR Documento orientador de integração de Praticantes Critérios de financiamento às Federações Desportivas 2014/2015 O Centro de Alto Rendimento do Jamor (CAR Jamor) é uma

Leia mais

Cap. I Disposições Gerais

Cap. I Disposições Gerais 1 Cap. I Disposições Gerais Art.º 1 Âmbito de Aplicação 1. A Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim é uma Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos, cujos estatutos se encontram

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2014/2015. Associação Sénior de Odivelas

PLANO DE ATIVIDADES 2014/2015. Associação Sénior de Odivelas PLANO DE ATIVIDADES 2014/2015 Associação Sénior de Odivelas A Universidade Sénior de Odivelas é um projecto inovador que tem por base a promoção da qualidade de vida dos seniores de Odivelas, fomentando

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Plano de Ação. Benéfica e Previdente

Plano de Ação. Benéfica e Previdente Plano de Ação 2015 Benéfica e Previdente Mensagem da Administração Objetivos Estratégicos para 2015 Plano de Ação 2015 Desenvolvimento Associativo Apoio ao Associado Lazer Abrigo da Geira Residências de

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016. Revisão: Data: 24 Junho 2013. Página 1 de 8

PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016. Revisão: Data: 24 Junho 2013. Página 1 de 8 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016 Revisão: Data: 24 Junho 2013 Elaborado por: Grupo SGQ Aprovado por: Mesa Administrativa Página 1 de 8 Índice 1. Introdução 3 2. Caracterização da Organização..3 3. Análise SWOT/FOFA..3

Leia mais

FUNÇÕES DA AJUDANTE DE LAR E CENTRO DE DIA

FUNÇÕES DA AJUDANTE DE LAR E CENTRO DE DIA FUNÇÕES DA AJUDANTE DE LAR E CENTRO DE DIA COZINHA Colabora na tarefa da alimentação, nomeadamente na preparação de refeições ligeiras e distribuição de dietas do regime geral e terapêutico: Confecção

Leia mais

Schulleiterbrief. Herbst 2010. Carta do Director

Schulleiterbrief. Herbst 2010. Carta do Director Schulleiterbrief Herbst 2010 Carta do Director Outono 2010 1 Índice: 1. Prefácio:... 3 2. Informações gerais... 4 2.1. Regulamento de entrada e controlo dos acessos... 4 2.2. Saída das instalações do colégio

Leia mais