Entrópion em canídeos e felídeos 71 casos clínicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Entrópion em canídeos e felídeos 71 casos clínicos"

Transcrição

1 Entrópion em canídeos e felídeos 71 casos clínicos Entropion in dogs and cats 71 clinical cases E. Delgado, S. Borrego e J. Sales Luís Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Técnica e Lisboa, CIISA, Av da Universidade Técnica, Lisboa, Portugal Resumo: O entrópion, ou a inversão da margem palpebral, é uma patologia relativamente frequente em oftalmologia veterinária. Os autores abordam o tratamento cirúrgico do entrópion reportando-se a 71 casos clínicos, 66 canídeos e 5 felídeos. A raça mais frequentemente afectada foi a Shar Pei com 27% dos casos. A idade dos canídeos na altura em que foi diagnosticado o problema era inferior ou igual a 1 ano em 76% dos casos, sendo que, destes animais, 66% tinham idade inferior a 6 meses. As técnicas cirúrgicas utilizadas foram a Hotz-Celsus, Hotz-Celsus modificada para o entrópion lateral superior e inferior, a Hotz- Celsus modificada para o entrópion medial inferior, a cantoplastia lateral de Wyman, a técnica de Stades e a colocação de pontos de suporte temporários. Em 83% dos animais os resultados foram considerados bons, tendo o entrópion e os seus inconvenientes sido ultrapassados. Summary: Entropion, or inward rolling of eyelid margin, is a relatively common condition in the dog, and surgical treatment is necessary. The authors present the surgical treatment of 71 clinical cases, 66 dogs and 5 cats. The Chinese Shar Pei was the more frequent breed affected with 27% of the cases. The animals were less than 1 year old in 76% of the cases, and of these 66% were less than 6 months old. The surgical methods used to treat entropion were the Hotz-Celsus Procedure, modification of the Hotz- Celsus method for the lateral canthal entropion, the modification of the Hotz-Celsus method for the medial entropion, the lateral cantoplasty by Wyman, the Stades combined entropion-trichiasis procedure and the tacking procedure. In 83% of the cases the results were considered good, with the resolution of entropion and its clinical signs was achived. Introdução O entrópion, ou a inversão da margem palpebral, é uma patologia relativamente frequente em oftalmologia veterinária. Geralmente afecta a porção lateral da pálpebra inferior, mas pode afectar qualquer segmento palpebral. Os pêlos faciais e as pestanas, ao entrarem em contacto com a córnea e conjuntiva, podem ocasionar irritação severa e conduzir ao autotraumatismo. Os sinais clínicos variam, incluindo epífora, blefarospasmo, fotofobia, conjuntivite e queratite acompanhada por vezes de ulceração corneana. Quando ocorre contaminação bacteriana secundária observa-se a presença de corrimento ocular purulento. Os animais podem apresentar diminuição da capacidade visual em consequência do encerramento da fenda palpebral por dor e blefarospasmo devido a estimulação do nervo trigémio ou devido a opacidades ou úlceras corneanas secundárias (Nasisse, 1997). O entrópion pode ser classificado como primário, espástico ou cicatricial. O entrópion primário (Ramsey, 2001) também pode ser designado por congénito ou de desenvolvimento (Gelatt e Gelatt, 2001) ou conformacional (Nasisse, 1997), e resulta de uma anomalia estrutural da pálpebra ao nível do tarso. É o tipo de entrópion mais frequente nos animais de companhia. Existe predisposição genética nas seguintes raças: Chow-Chow, Shar Pei, S. Bernardo, Springer Spaniel Inglês, Cocker Spaniel Inglês e Americano, Bulldog Inglês, Caniche Anão e Miniatura, Grande Dinamarquês, Rottweiler e Bullmastiff (Gelatt e Gelatt, 2001). Slatter (1992) refere também o Setter Irlandês e o Retriever do Labrador como raças predispostas. Na maioria das vezes cada raça tem segmentos específicos das pálpebras que são afectados. O Caniche Anão e o Miniatura podem apresentar entrópion medial inferior, o que é um factor predisponente para a característica epífora (Bedford, 1999). Áreas adjacentes de pele da face da região frontal e nasal podem complicar o entrópion em certas raças, como no Shar Pei e no Chow-Chow (Gelatt e Gelatt, 2001) (Figura 1). O entrópion espástico é causado por uma resposta de espasmo do músculo orbicular das pálpebras à dor ou irritação ocular crónica, que estimulam o blefarospasmo (Slatter, 1992). Ocorre triquíasis secundária, e os pêlos em contacto com a córnea causam ainda maior irritação. O entrópion espástico por vezes corrige-se quando se elimina a etiologia, outras vezes, quando persiste por um longo período de tempo, pode tornar- se cicatricial devido à existência de fibrose do tarso. A componente espástica consegue-se abolir com a instilação de uma gota de anestésico local, e a quantidade de entrópion que permanece é primário e terá de ser resolvido cirurgicamente. O entrópion cicatricial pode resultar de um traumatismo e consequente cicatrização, de um entrópion espástico crónico ou de uma blefaroplastia anterior. É a 211

2 Figura 1 Entrópion na pálpebra inferior esquerda acompanhado de blefarofimose em Delgado, E. et al. rottweiler, fêmea, 2 anos (original). Figura 1 Entrópion na pálpebra inferior esquerda acompanhado de blefarofimose em rottweiler, fêmea, 2 anos (original). variedade menos frequente e a mais difícil de corrigir (Ramsey, 2001). Existe ainda um entrópion senil, que se deve à atrofia do músculo frontal decorrente da idade e que ocorre nos cães das raças Cocker Spaniel Inglês, Cocker Americano e nas raças gigantes como por exemplo o Montanha dos Pirinéus. Este tipo de entrópion corrige-se recorrendo a um «face-lift» (Bedford, 1999). Alguns métodos não cirúrgicos foram anteriormente utilizados para tratar esta patologia. Um deles consistia em administrar injecções de parafinina, antibióticos ou óleo mineral ao nível das pálpebras para proporcionar eversão da margem palpebral e alívio da triquíasis e do blefarospasmo. Outro método consistia na electrocauterização da pele e do músculo orbicular das pálpebras mas conduzia a cicatrizes inestéticas e a uma fibrose imprevisível (Gelatt e Gelatt, 2001). Actualmente estes métodos estão completamente contra-indicados, recorrendo-se sempre a técnicas cirúrgicas. Existem muitos procedimentos descritos para a correcção desta patologia, embora alguns sejam apenas variantes de técnicas. É importante não esquecer que qualquer cirurgia de pálpebras deve ter em atenção que é necessário preservar o encerramento da fenda palpebral, não deixar suturas ou pêlos em contacto com o globo ocular, preservar a secreção das glândulas de Meibomian e respeitar as vias de drenagem lacrimal (Gelatt e Gelatt, 2001). casos era unilateral. No que diz respeito às pálpebras envolvidas, de um total de 121 olhos afectados, 69% (84/121) apresentavam ambas as pálpebras afectadas, 31% (37/121) só apresentavam entrópion ao nível da pálpebra inferior, e nenhum dos olhos apresentava entrópion exclusivamente ao nível da pálpebra superior. A idade dos canídeos na altura em que foi diagnosticado o problema era inferior ou igual a 1 ano em 76% (50/66) dos casos, sendo que destes animais 66% (33/50) tinha idade inferior a 6 meses. Dos restantes animais, 13% (9/66) tinham idade compreendida entre 1 e 2 anos, 4% (3/66) entre 2 e 3 anos e os restantes 6% (4/66) entre 3 e 6 anos. Ainda no que se refere à idade, os cachorros da raça Shar Pei geralmente manifestam entrópion antes dos 6 meses de idade, embora em alguns casos mais graves o manifestem assim que abrem as pálpebras. Por oposição a esta raça, os cães da raça Rottweiler geralmente só o manifestam na idade adulta, entre 1 e 2 anos de idade (Figura 1). No caso dos cães das raças Grande Dinamarquês, Braco Alemão e S. Bernardo (Figura 2), o entrópion manifestou-se entre os 4 e os 14 meses de idade. No caso dos felídeos, 60% (3/5) tinham idade inferior ou igual a 1 ano, e 40% (2/5) tinham idade compreendida entre 1 e 2 anos (Figura 11). Em relação às raças de canídeos afectadas, o Shar Pei lidera a tabela com 27% dos casos (19/71), em segundo lugar surge o Rottweiler com 11% (8/71) dos casos e em terceiro o Chow-Chow (Figura 3) com 10% (7/71) dos casos. Seguem-se o S. Bernardo com 8% (5/66) dos casos, o Cocker Spaniel, Golden Retriever e Bulldog Inglês com 6% (4/66) dos casos cada raça, o Grande Dinamarquês com 4% (3/66) dos casos, o Dogue de Bordéus e Cão de Água do Algarve com 3% (2/66) cada e, finalmente, o Braco Alemão, Retriever do Labrador, Husky Siberiano, Perdigueiro Português, Montanha dos Pirinéus, Bull Terrier e raça indeterminada com 2% (1/66) dos casos cada raça. No caso dos felídeos, 3 pertenciam à raça Europeu comum e 2 à raça Persa. Em 41% (29/71) dos casos o entrópion foi conside- Figura 2 - «Diamond-eye» com edema e tecido de gra Bernardo, macho, 8 m (original). Materiais e métodos Os autores abordam o tratamento cirúrgico do entrópion reportando-se a 71 casos clínicos. Destes, 34 canídeos apresentaram-se à consulta no Instituto Veterinário do Parque entre 1993 e 2003, enquanto que 37 animais, 32 canídeos e 5 felídeos, se apresentaram à consulta externa na Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa em 2002 e Do total dos animais 41% (29/71) eram fêmeas e 59% eram machos (42/71). Em 70% (50/71) dos casos o entrópion era bilateral e em 30% (21/71) dos 12 Figura 2 - «Diamond-eye» com edema e tecido de granulação na córnea num S. Bernardo, macho, 8 m (original). 212

3 Figura 3 Entrópion pronunciado sendo visível o blefarospasmo e a epífora em Chow- Delgado, E. et al. Chow, macho, 1 ano (original). Figura 3 Entrópion pronunciado sendo visível o blefarospasmo e a epífora em Chow-Chow, macho, 1 ano (original). rado muito pronunciado (blefarospasmo severo, nítida inversão de 5 mm ou mais de margem palpebral e lesões corneanas extensas), em 49% (35/71) pronunciado (blefarospasmo evidente, inversão de 2 a 5 mm de margem palpebral e lesões corneanas moderadas) e em 10% (7/71) dos animais discreto (blefarospasmo menos marcado, inversão inferior ou igual a 2 mm de margem palpebral e ausência de lesões corneanas). Todos os animais foram submetidos a blefaroplastia correctiva sob anestesia geral. A indução anestésica foi realizada com pentobarbital de sódio a 2,5% (8-10 mg/kg) ou com propofol (4-7 mg/kg) e a anestesia foi mantida com isoflurano. A técnica cirúrgica mais utilizada foi a técnica modificada de Hotz-Celsus para o entrópion lateral superior e inferior em 64% dos casos (71 olhos operados de um total de 121) Em segundo lugar surge a técnica de Hotz-Celsus aplicada em 26% dos casos (31 olhos operados de um total de 121) e em terceiro as técnicas de Stades e a Cantoplastia lateral de Wyman usadas em 3% (4/121) dos olhos. Em quarto lugar surge a Colocação de pontos de suporte temporários aplicada em 2% (3/121) dos casos e em quinto a técnica de Hotz-Celsus modificada para o entrópion medial inferior utilizada em 2% dos olhos (2/121). Em relação à prática cirúrgica, a tricotomia deve ser cuidadosa para evitar lesões cutâneas que potenciem o autotraumatismo. Utiliza-se uma solução de lavagem de povidona iodada diluída a 1-50, evitando que ela entre em contacto com o globo ocular. Não se deve esfregar a pele exageradamente. Irriga-se o saco conjuntival com soro fisiológico estéril. De preferência deve ter-se acesso a um meio de aumento, lupa ou microscópio cirúrgico. O cirurgião está sentado, com os antebraços apoiados para permitir uma maior precisão de movimentos. O animal está em decúbito lateral, com a cabeça apoiada sobre um saco de areia para um melhor posicionamento. Os instrumentos cirúrgicos devem ser delicados, podendo utilizar-se os instrumentos de macrocirurgia de menores dimensões ou instrumentos de microcirurgia. É importante a trouxa cirúrgica conter uma pinça de Bishop-Harmon para a pele e conjuntiva, um cabo de bisturi nº 4 para estabilizar a pele durante a incisão e um cabo de bisturi nº 3 para lâmina nº 15 para a realização da incisão. Além disso é útil possuir uma tesoura de tenotomia de Stevens para efectuar uma dissecção precisa, bem como um porta-agulhas de microcirurgia para permitir a manipulação delicada da agulha do fio 6-0 (Figura 4). Recomenda-se o uso de colar isabelino. A pele palpebral cicatriza muito rapidamente devido à sua abundante vascularização, e os pontos são retirados entre os 8 e os 10 dias. A medicação pós-operatória consiste em antibiótico tópico sob a forma de colírio colocado 3 a 4 x por dia sobre os pontos, e no dia da cirurgia administra-se carprofen 4 mg/kg SC. No período pós-operatório imediato é normal parecer que se realizou uma correcção excessiva, devido ao grande edema que caracteriza todas as intervenções cirúrgicas palpebrais. No entanto, à medida que o edema vai desaparecendo, é possível avaliar o resultado estético da intervenção realizada, e aos 8 dias após a cirurgia já se pode concluir se foi bem sucedida. No que diz respeito às técnicas utilizadas, serão feitas breves considerações de ordem prática. A técnica de Hotz-Celsus consiste na exérese de uma fatia de pele com o formato de meia-lua, e para tal usa-se um cabo de bisturi nº 4 colocado por debaixo da pálpebra para a estabilizar. Pode-se delinear a quantidade de pele a excisar esmagando-a com uma pinça hemostática, mas esse procedimento traumatiza os tecido e aumenta o edema. É preferível usar uma pinça de Allis para esse efeito, embora os autores prefiram não usar nenhum dos tipos. A hemorragia que se segue a seguir ao corte é controlada por pressão digital ou com pinças hemostáticas. Não se pode utilizar electrocautério nem bisturi eléctrico devido ao risco de fibroses ou cicatrizes secundárias. A primeira incisão é paralela à margem palpebral a 2 mm de distância, o que ajuda a everte-la. A segunda incisão é em forma de crescente, devendo nas extremidades reunir-se com a primeira. A meia-lua de tecido retira-se com disseção cuidadosa, não atingindo a conjuntiva. Geralmente utiliza-se seda como fio de sutura por ser maleável e atraumático para a córnea. Figura 4 Material microcirúrgico. Da direita para a es tesoura de córnea de Castroviejo, pinça de Utrata, tesou pinça Collibri, pinça de Bishop-Harmon e porta-agulhas de 14 Figura 4 Material microcirúrgico. Da direita para a esquerda: cabo de bisturi nº 3, tesoura de córnea de Castroviejo, pinça de Utrata, tesoura de tenotomia de Stevens, pinça Collibri, pinça de Bishop-Harmon e portaagulhas de Castroviejo (original). 213

4 Delgado, E. et al. Figura 6 Técnica de Stades para correcção de entrópio fêmea, 9 m (original). Usa-se um fio 4-0 a 6-0, consoante o tamanho do animal, e do tipo atraloc, para obter uma cicatriz o mais imperceptível possível. O primeiro ponto é colocado no meio da incisão para distribuir a pele de modo igualitário. Os pontos realizados são do tipo «split-thickness», ou seja, a agulha entra na pele a 1-2 mm do bordo da ferida, sai ao nível da junção derme-epiderme, entra ao nível da junção derme-epiderme e sai a 1-2 mm do bordo da ferida. Os pontos ficam afastados 2 a 3 mm entre si, de forma a possibilitar uma cicatrização perfeita e evitar cicatrizes inestéticas. Na técnica de Hotz-Celsus modificada para o entrópion lateral superior e inferior a incisão prolonga-se para além do canto lateral, ficando com o formato duma seta, o que lhe confere a designação de «arrowhead» pelos anglosaxónicos (Figura 5). O encerramento da incisão vai corrigir a blefarofimose, devendo o primeiro ponto ser colocado no extremo lateral da incisão em forma de seta, e seguem-se os mesmos procedimentos que para a técnica de Hotz-Celsus simples. Na blefaroplastia de Stades para o Shar Pei realiza-se a exérese de uma fatia de pele de 10 a 15 mm de largura com origem ao nível do tarso, fazendo mesmo a ablação das pestanas. A incisão começa a 2 a 4 mm do canto medial, prolonga-se ao longo de toda a pálpebra superior e termina a 5 a 10 mm do canto lateral (Figura 6). A fatia de pele resultante é retirada com a ajuda de tesoura de tenotomia de Stevens. Sutura-se com um fio reabsorvível a cerca de 2-3 mm da margem palpebral, utilizando um fio de ácido poliglicólico 3-0 com agulha atraumática. O restante tecido cicatriza por segunda intenção, o que ajuda a everter a margem palpebral. Esta técnica também pode ser utilizada para a resolução de distiquíases exuberantes. No caso de cães de raças gigantes, a presença duma fenda palpebral em forma de losango confere-lhes a designação de «diamond eye». Nestes olhos a um entrópion superior e inferior lateral associa-se uma instabilidade do ligamento cantal e a presença de um ectrópion inferior. Daí que se recorra a várias técnicas que possibilitam a suspensão do ligamento cantal lateral, nomeadamente a cantoplastia de Wyman, na qual se Figura 6 Técnica de Stades para correcção de entrópion pronunciado em Shar Pei, fêmea, 9 m (original). efectua a dissecção de dois pedículos de músculo orbicular das pálpebras, um superior e outro inferior, que se suturam ao periósteo do arco zigomático. Aproveitam-se as incisões cutâneas para a correcção do entrópion pela técnica de Hotz-Celsus. Devido à dissecção adicional, os animais apresentam maior edema no pósoperatório. Utiliza-se um fio de nylon 2-0 para suturar os pedículos de músculo orbicular das pálpebras, para que não seja reabsorvido e para que a consequente reacção de fibrose ajude a criar mais tensão ao nível do ligamento cantal. Utiliza-se seda 4-0 a 6-0 como fio de sutura para encerrar a pele (Figuras 2,7,8 e 9). A colocação de pontos de suporte temporários é designada por tacking pelos anglosaxónicos. Esta técnica é utilizada nos cachorros Shar Pei, nos quais por vezes o entrópion se manifesta assim que os cachorros abrem as pálpebras (Figura 10 e 11), efectuando-se pontos de Lembert interrompidos na pele das pálpebras, para evitar lesões corneanas e dar tempo ao animal para que a cabeça atinja a conformação definitiva, adiando a cirurgia correctiva para os 6 meses de idade ou mais próximo da idade adulta, se possível. Esta técnica também pode ser aplicada aos casos de entrópion espástico para aliviar a dor ocular, quebrando o ciclo blefarospástico. Realizam-se estes pontos de sutura com seda 2-0, em número de 3 ou 4 em cada Figura 5 - Blefaroplastia de Hotz-Celsus «arrowhead» Figura 7 para Mesmo correcção animal de da entrópion figura 2. Notar a grave le superior e inferior lateral e blefarofimose em Shar Pei, fêmea, 8 m (original). tecido de granulação exuberante (original). Figura 5 - Blefaroplastia de Hotz-Celsus «arrowhead» para correcção de entrópion superior e inferior lateral e blefarofimose em Shar Pei, fêmea, 8 m (original). Figura 7 Mesmo animal da figura 2. Notar a grave lesão corneana com edema e tecido de granulação exuberante (original). 214

5 Figura 9 Mesmo animal da figura 2, 6 e 7. Aspecto f Figura 8 Mesmo animal da figura 2 e 4. Cantoplastia (original). de Wyman com a criação de Delgado, E. et al. dois flaps de músculo orbicular das pálpebras (original). Figura 8 Mesmo animal da figura 2 e 4. Cantoplastia de Wyman com a criação de dois flaps de músculo orbicular das pálpebras (original). Figura 9 Mesmo animal da figura 2, 6 e 7. Aspecto final com leucoma da córnea (original). pálpebra (Figura 10), tentando proporcionar uma correcção excessiva uma vez que eles têm tendência para ir saindo, deixando-os permanecer o máximo tempo possível. Geralmente não é necessário colar isabelino. Se for possível, o animal deve ser afastado da mãe e dos outros membros da ninhada, porque eles vão tentar arrancar-lhe os pontos. Por vezes estes animais não precisam de blefaroplastia correctiva quando atingem o tamanho adulto. Resultados Em 83% (59/71) dos animais os resultados foram bons, tendo o entrópion e os seus inconvenientes sido ultrapassados, em 11 % (8/71) dos casos observaramse recidivas ou a permanência de um grau menor de entrópion, e em 6% (4/71) detectou-se um grau moderado de ectrópion cicatricial no canto lateral da pálpebra inferior ( follow-up compreendido entre 1 mês e 7 anos, média de três anos e meio). Discussão A incidência foi maior em canídeos jovens com idade inferior a 1 ano, 50/66 (76%) casos e destes 66% tinham idade inferior a 6 meses, o que está de acordo com o que aparece descrito na literatura (Gellat e Gellat, 2001). Deve-se aguardar pelo menos até aos 6 meses para corrigir o entrópion congénito, aplicando medidas de controlo temporárias, tais como pontos de suporte ou lubrificantes tópicos, uma vez que com o crescimento alguns animais deixam de precisar de blefaroplastia definitiva (Bedford, 1999). A área mais frequentemente afectada é a porção lateral da pálpebra inferior, e este tipo de entrópion deve ser diferenciado do entrópion lateral que se deve ao deficiente desenvolvimento do músculo retractor do ângulo do olho (Slatter, 1992). No nosso estudo aparecem ambas as pálpebras afectadas na maioria dos casos, e cremos que seja por a maior parte dos animais serem casos referenciados e mais pronunciados. O Shar Pei foi a raça mais frequentemente afectada (27%), seguida da Rottweiler (11%) e da Chow-Chow (10%). Estes dados estão de acordo com o que vem referido na literatura (Gelatt e Gelatt, 2001), no entanto as percentagens podem estar afectadas pelo facto de muitos do animais serem referidos por outros médicos veterinários que eventualmente podem resolver os casos menos graves, mas referem os animais das raças Shar Pei Pei e Chow-Chow. (original). Figura 11 Mesmo animal da figura 9. Colocação de ponto Figura 10 Pregas de pele faciais excessivas em Shar Pei, macho, 2 meses (original). 19 Figura 10 Pregas de pele faciais excessivas em Shar Pei, macho, 2 meses (original). Figura 11 Mesmo animal da figura 9. Colocação de pontos de suporte temporários em Shar Pei (original). 215

6 Figura 12 Entrópion inferior unilateral em Figura gato Europeu 13 Entrópion comum, inferior macho, bilateral 2 anos com componente Delgado, E. et al. (original). comum, macho, 1 ano (original). Figura 12 Entrópion inferior unilateral em gato Europeu comum, macho, 2 anos (original). Figura 13 Entrópion inferior bilateral com componente espástico em gato Europeu comum, macho, 1 ano (original). Nos felídeos pensa-se que seja hereditário nos persas e secundário a queratites herpéticas nas outras raças, tendo uma componente de entrópion espástico (Figura 12). O facto de existirem raças predispostas confirma a hereditariedade, logo não se devem reproduzir estes animais e não são aceites em exposições (Ramsey, 2001). O modo de hereditariedade é desconhecido, mas pensa-se que seja poligénico, estando os genes implicados relacionados com a conformação da cabeça e da face (Rose, 2002). Os factores predisponentes sob controle genético incluem a presença de uma órbita muito dimensionada e de um globo ocular pequeno que não suporta as pálpebras, defeitos no desenvolvimento ou nas inserções do músculo orbicular das pálpebras com a presença de um canto lateral arredondado, aberturas palpebrais muito grandes ou muito pequenas e/ou a presença de pregas faciais em quantidade excessiva (Miller, 1997). Segundo Bedford (1999), pensa-se que o entrópion seja hereditário segundo um gene autossómico recessivo com penetração completa nalgumas raças, enquanto que noutras a ocorrência é esporádica e com um modo de hereditariedade difícil de perceber. Nalgumas raças de cães de caça o segmento lateral da pálpebra inferior é o mais frequentemente afectado, enquanto que nas raças grandes ou gigantes todo o canto lateral aparece afectado (Bedford, 1999). Nalguns casos toda a fenda palpebral está afectada, como no caso do Shar Pei que pode apresentar um entrópion de 360º aos dias de idade (Bedford, 1999). De acordo com o presente estudo, as cinco técnicas referenciadas permitiram resolver os vários casos clínicos apresentados, embora existam outras técnicas que podem ser utilizadas separadamente ou associadas. A eleição da técnica depende da localização e da severidade do entrópion e da raça do animal afectado. A técnica de Hotz Celsus modificada arrowhead foi a usada na maioria dos casos (64%). Segundo alguns autores, a técnica mais frequentemente utilizada é a de Hotz-Celsus (Slatter, 1992; Nasisse, 1997), e no nosso estudo esta poderá não ocupar o primeiro lugar porque a maioria dos casos são referenciados, sendo geralmente casos de entrópion pronunciado. Existe controvérsia acerca da necessidade de retirar ou não mús- Figura 14 Mesmo animal da figura 12. Após Figura correcção 15 do Mesmo entrópion animal pela das técnica figuras de12 e 13. Notar a per Hotz-Celsus modificada para o entrópion lateral de (original). entrópion inferior unilateral direito (original). Figura 14 Mesmo animal da figura 12. Após correcção do entrópion pela técnica de Hotz-Celsus modificada para o entrópion lateral (original). 23 Figura 15 Mesmo animal das figuras 12 e 13. Notar a permanência de um grau menor de entrópion inferior unilateral direito (original). 216

7 Delgado, E. et al. culo orbicular das pálpebras. Segundo Nasisse (1997) e Slatter (1992) não é necessário retirar, e segundo Gelatt e Gelatt (2001) e Peterson-Jones (1993) é necessário retirar fibras do músculo orbicular das pálpebras. Neste trabalho, os 34 canídeos que se apresentaram à consulta no Instituto Veterinário do Parque foram operados realizando a exérese parcial de músculo orbicular das pálpebras, enquanto que os 37 animais que se apresentaram à consulta externa na Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa, 32 canídeos e 5 felídeos, foram operados sem realizar a exérese de músculo orbicular das pálpebras. Na convicção dos autores, com ambas as variantes da técnica se podem obter bons resultados desde que se respeitem regras básicas de cirurgia oftálmica para evitar cicatrizes inestéticas, e se avalie preoperatoriamente a quantidade de pele a excisar para evitar correcções excessivas ou insuficientes. Todas as blefaroplastias de correcção de entrópion têm de respeitar princípios básicos de cirurgia das pálpebras, que são semelhantes aos princípios básicos da cirurgia plástica (Hamilton, 1999). Deve ter-se um cuidado especial na tricotomia uma vez que a pele palpebral é muito fina, móvel e altamente vascularizada e pode ocorrer um grande edema se for lesionada (Hamilton, 1999). O fio de sutura da pele deve ser não reabsorvível seda ou nylon 4 a 6/0. A seda é mais maleável, os nós são mais seguros, no caso de tocar na córnea não é tão irritante e é menos provável estar contaminada com Staphylococcus epidermis do que o nylon (Hamilton, 1999). O nylon é preferido por alguns cirurgiões por causar menor reacção tissular (Hamilton, 1999). Do cálculo da quantidade de pele a retirar depende muito do sucesso da cirurgia. Esta previsão deve ter em consideração que existe 0.5 a 1 mm de retracção cicatricial que ajuda a everter a margem palpebral (Gelatt e Gelatt, 2001). Se for necessário uma segunda intervenção cirúrgica, deve esperar-se 4 a 6 semanas para que ocorra toda a retração cicatricial. Aquando do planeamento de uma cirurgia de correcção de entrópion, devemos certificar-nos de que corrigiremos apenas a componente anatómica ou conformacional, uma vez que é mais simples efectuar uma segunda cirurgia de correcção de entrópion (Figura 13,14 e 15) do que corrigir um ectrópion iatrogénico. O animal não deve estar sedado, e pode colocar-se uma gota de anestésido tópico para abolir em parte a componente espástica e quebrar o ciclo vicioso do blefarospasmo, tornando mais fácil quantificar a componente anatómica. Bibliografia Bedford, P. (1999). Diseases and surgery of the canine eyelid. In Veterinary Opthalmology, 3rd edition, editor K. N. Gellatt, Lippincott Williams & Wilkins, Baltimore, U.S.A., pp Gellat, K e Gellat, J. (2001). Surgical procedures for entropion. In: Small Animal Ophthalmic Surgery : Practical Techniques for the Veterinarian, Elsevier Science, Edinburgh, pp Hamilton, H., Whithey, R., McLaughlin, S. e Swaim, S. (1999). Basic blepharoplasty techniques. Compendium on Continuing Education for the Practicing Veterinarian, 21 (10), pp Miller, P. (2001) Eyelids. Proceedings of the Waltham/OSO Symposium, Small Animal Opthalmology. Nasisse, M. (1997). The Veterinary Clinics of North America Small Animal Practice. Surgical Management of Ocular Disease. 27(5): Peterson-Jones, S. (1993). Conditions of the eyelid and nictitating membrane. In Manual of Small Animal Ophthalmology, Ed. Peterson-Jones, S. e Crispin, S., British Small Animal Veterinary Association, KCO, West Sussex. Ramsey, D. (2001). Conditions of eyelids and ocular adnexa in dogs and cats. Proceedings of the Waltham/OSO Symposium, Small Animal Opthalmology. Rose, M.. (2002). Chirurgie des paupières paupi res et membrane nictitante. 8º Encontro da Secção Regional do Sul Oftalmologia, 19 e 20 de Outubro, Albufeira. Slatter, D. (1992). Párpados. In Fundamentals of Veterinary Ophthalmology Second Edition, W. B. Saunders Co., Philadelphia, pp

8

Recolocação cirúrgica da glândula da membrana nictitante em canídeos pela técnica de bolsa conjuntival - 23 casos clínicos

Recolocação cirúrgica da glândula da membrana nictitante em canídeos pela técnica de bolsa conjuntival - 23 casos clínicos RPCV (2005) 100 (553-554) 89-94 Recolocação cirúrgica da glândula da membrana nictitante em canídeos pela técnica de bolsa conjuntival - 23 casos clínicos Surgical replacement of the third eyelid gland

Leia mais

ATENDIMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA

ATENDIMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA ATENDIMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA ANDRADE 1, Ana de Fátima de Souza BEZERRA 2, Karla Priscila Garrido BOPP 3, Simone DANTAS 1, Emmanuel Freire TALIERI 4, Ivia Carmem Departamento

Leia mais

TÉCNICA CIRÚRGICA DE ENUCLEAÇÃO REVISÃO DE LITERATURA SURGICAL TECHNIQUE ENUCLEATION - REVIEW OF LITERATURE

TÉCNICA CIRÚRGICA DE ENUCLEAÇÃO REVISÃO DE LITERATURA SURGICAL TECHNIQUE ENUCLEATION - REVIEW OF LITERATURE TÉCNICA CIRÚRGICA DE ENUCLEAÇÃO REVISÃO DE LITERATURA SURGICAL TECHNIQUE ENUCLEATION - REVIEW OF LITERATURE GOES, Larissa Desan RISSETI, Rafaela Mastrangelo Discentes da Associação Cultural e Educacional

Leia mais

18/06/2012. Magnificação. Postura PRINCÍPIOS DA MICROCIRURGIA OCULAR

18/06/2012. Magnificação. Postura PRINCÍPIOS DA MICROCIRURGIA OCULAR PRINCÍPIOS DA MICROCIRURGIA OCULAR Dr. João Alfredo Kleiner MV, MSc Vetweb Oftalmologia Veterinária www.vetweb.com.br Magnificação Desde 1960 teve uma enorme influência nos avanços do ato cirúrgico e instrumentação.

Leia mais

TÉCNICAS BÁSICAS EM OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA VÍDEOS E ARTIGOS DISPONÍVEIS NO SITE: WWW. VETWEB. COM. BR

TÉCNICAS BÁSICAS EM OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA VÍDEOS E ARTIGOS DISPONÍVEIS NO SITE: WWW. VETWEB. COM. BR TÉCNICAS BÁSICAS EM OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA MINISTRADAS PELO DR. JOÃO ALFREDO KLEINER MV, MSc DURANTE AULAS PRÁTICAS NOS CURSOS DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA. VÍDEOS E ARTIGOS DISPONÍVEIS NO SITE: WWW.

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 PÁLPEBRAS - 1 Pálpebras Formações musculomembranosas -finas -móveis -adaptadas à parte anterior dos olhos Função protecção contra agressões externas,

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE. Rodolfo Uriel de Castro Moraes

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE. Rodolfo Uriel de Castro Moraes UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE Rodolfo Uriel de Castro Moraes CIRURGIAS RECONSTRUTIVAS DE TECIDOS MOLES EM PEQUENOS ANIMAIS COM ÊNFASE NAS AFECÇÕES PALPEBRAIS

Leia mais

GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO

GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO Introdução Glaucoma de Ângulo Fechado é um tipo de glaucoma que actualmente é designado Glaucoma por Encerramento do Ângulo. Não é o tipo de glaucoma mais frequente na Europa,

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

DISPLASIA DA ANCA. VETSET Hospital Veterinário

DISPLASIA DA ANCA. VETSET Hospital Veterinário VETSET Hospital Veterinário DISPLASIA DA ANCA Fig.1- Anca ou Articulação coxo-femoral 1- Bacia 2- Fémur 3- Acetábulo 4- Cabeça do fémur 5- Ligamento redondo 6- Cápsula articular 7- Fluído sinovial A articulação

Leia mais

HIPERFLEXÃO DO CARPO EM CÃO ADULTO RELATO DE CASO

HIPERFLEXÃO DO CARPO EM CÃO ADULTO RELATO DE CASO 1 HIPERFLEXÃO DO CARPO EM CÃO ADULTO RELATO DE CASO JULIANO MORELLI MARANGONI¹, RICARDO LIMA SALOMAO 2, ELZYLENE LÉGA PALAZZO 3, PAULA FERREIRA DA COSTA 3, PATRICIA NADJA DE OLIVEIRA REY 4, MARINA LAUDARES

Leia mais

Displasia coxofemoral (DCF): o que é, quais os sinais clínicos e como tratar

Displasia coxofemoral (DCF): o que é, quais os sinais clínicos e como tratar Displasia coxofemoral (DCF): o que é, quais os sinais clínicos e como tratar A displasia coxofemoral (DCF) canina é uma doença ortopédica caracterizada pelo desenvolvimento inadequado da articulação coxofemoral.

Leia mais

estimação tem diabetes?

estimação tem diabetes? Será que o seu animal de estimação tem diabetes? Informação acerca dos sinais mais comuns e dos factores de risco. O que é a diabetes? Diabetes mellitus, o termo médico para a diabetes, é uma doença causada

Leia mais

IV Encontro de Formação OMV, Lisboa 2013

IV Encontro de Formação OMV, Lisboa 2013 Ana Margarida Oliveira, DVM, MsC, Dip ECVD IV Encontro de Formação OMV, Lisboa 2013 Objectivosdo tratamento 1 Eliminar as infecções. 2 Identificar e corrigir factores predisponentes, causas primárias e

Leia mais

BLEFAROPLASTIA (cirurgia plástica das pálpebras)

BLEFAROPLASTIA (cirurgia plástica das pálpebras) BLEFAROPLASTIA (cirurgia plástica das pálpebras) Fatores como: idade, textura da pele, distúrbios da acuidade visual, problemas emocionais, etc., poderão deixar como conseqüência sua marca no território

Leia mais

ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Suspensão oftálmica estéril de gatifloxacino (3 mg/ml) e acetato de prednisolona (10 mg/ml), contendo frasco plástico conta-gotas de 3 ml e 6 ml APRESENTAÇÕES

Leia mais

Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço SÍNTESE CIRÚRGICA Walber Mendes Fortaleza, 02 de julho de 2013

Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço SÍNTESE CIRÚRGICA Walber Mendes Fortaleza, 02 de julho de 2013 SÍNTESE CIRÚRGICA Walber Mendes Fortaleza, 02 de julho de 2013 Imagem disponível em: http://coral.ufsm.br/tielletcab/hvfwork/apoptcv/cap7.htm.data de acesso: 27/06/2013 OBJETIVOS Objetivos o Entender o

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia AFECÇÕES CIRÚRGICAS DO ESÔFAGO Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos DIAGNÓSTICO DA DOENÇA ESOFÁGICA SINAIS CLÍNICOS Regurgitação Disfagia, dificuldade de preensão Ptialismo Tosse, estertores Dispnéia

Leia mais

para que serve. Transplante de funciona essa cirurgia. delee que a luz funcionando, ruim. visão vai ficar O transplante que essa córnea são:

para que serve. Transplante de funciona essa cirurgia. delee que a luz funcionando, ruim. visão vai ficar O transplante que essa córnea são: Transplante de Córnea: O que é e serve. para que O Transplante de Córnea é o transplante de órgãos mais realizado no mundo e também o de maior sucesso. Vamos aqui explicar o que é e como funciona essa

Leia mais

Floxedol destina-se a ser utilizado em adultos e crianças com idade igual ou superior a um ano de idade.

Floxedol destina-se a ser utilizado em adultos e crianças com idade igual ou superior a um ano de idade. FOLHETO INFORMATIVO FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR floxedol 3 mg/ml Gel oftálmico Ofloxacina Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento. - Conserve este folheto.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula

VALIDAÇÃO: Enf 1 e 2, CIPE, Ambulatório Central, COMPOPE Graciete S. Marques, Fernanda R. Rodrigues, Priscila Almeida, Paula Revisão: 01 PÁG: 1 CONCEITO Consiste no procedimento de remoção dos fios cirúrgicos com técnica asséptica, o qual pode ser retirada pode ser total ou alternada. FINALIDADE Oferecer a limpeza da incisão

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE PAPEL DE FILTRO MELLITA COMO ALTERNATIVA PARA AVALIAÇÃO DO TESTE DE SCHIRMER EM CÃES

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE PAPEL DE FILTRO MELLITA COMO ALTERNATIVA PARA AVALIAÇÃO DO TESTE DE SCHIRMER EM CÃES Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE PAPEL DE FILTRO MELLITA COMO ALTERNATIVA PARA AVALIAÇÃO DO TESTE DE SCHIRMER EM

Leia mais

CORREÇÃO CIRURGICA DAS HIPERTROFIAS DO LÓBULO DA ORELHA

CORREÇÃO CIRURGICA DAS HIPERTROFIAS DO LÓBULO DA ORELHA CORREÇÃO CIRURGICA DAS HIPERTROFIAS DO LÓBULO DA ORELHA DR. LINNEU M. SILVEIRA Cirurgião do Asilo-Colonia Pirapitingui'. Assistente da cadeira de Técnica Operatória e Cirurgia Experimental da Escola Paulista

Leia mais

HIPERPLASIA DA GLÂNDULA DA TERCEIRA PÁLPEBRA EM CÃES DOMÉSTICOS. Denise Cláudia Tavares

HIPERPLASIA DA GLÂNDULA DA TERCEIRA PÁLPEBRA EM CÃES DOMÉSTICOS. Denise Cláudia Tavares 1 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇAO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO "LATO SENSU" EM CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS HIPERPLASIA DA GLÂNDULA DA

Leia mais

Dr. Fábio Luiz Frade CIRURGIA PLÁSTICA

Dr. Fábio Luiz Frade CIRURGIA PLÁSTICA BLEFAROPLASTIA (CIRURGIA DAS PÁLPEBRAS) A cirurgia estética das pálpebras tem por objetivo remover os excessos de pele, bolsas de gordura e parte das rugas desta região que fazem o olhar apresentar um

Leia mais

Dr. Renato Neves CATARATA

Dr. Renato Neves CATARATA Dr. Renato Neves CATARATA O cristalino é uma lente natural localizada no interior dos olhos, atrás da íris, e, juntamente com a córnea, é responsável pela convergência dos raios de luz para retina, formando

Leia mais

II Encontro de Formação OMV Oftalmologia/Cirurgia Oftalmológica ABORDAGEM ÀS NEOPLASIAS OCULARES A ENUCLEAÇÃO É SOLUÇÃO?

II Encontro de Formação OMV Oftalmologia/Cirurgia Oftalmológica ABORDAGEM ÀS NEOPLASIAS OCULARES A ENUCLEAÇÃO É SOLUÇÃO? II Encontro de Formação OMV Oftalmologia/Cirurgia Oftalmológica ABORDAGEM ÀS NEOPLASIAS OCULARES A ENUCLEAÇÃO É SOLUÇÃO? Esmeralda Delgado 1 1 CIISA, Departamento de Clínica, Faculdade de Medicina Veterinária,

Leia mais

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO

A Estética da Mama CLÍNICA FERNANDO BASTO A Estética da Mama A estética da mama responde a costumes étnicos, sociais e culturais. Há não muitos anos, no Brasil as mulheres solicitavam a diminuição do volume do seio, quando a aspiração do inconsciente

Leia mais

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA PILOCARPINA ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril cloridrato de pilocarpina 1% / 2% / 4% BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas

Leia mais

A consulta foi analisada pela Câmara Técnica de Oftalmologia do CFM, que emitiu seu parecer, o qual adoto na íntegra:

A consulta foi analisada pela Câmara Técnica de Oftalmologia do CFM, que emitiu seu parecer, o qual adoto na íntegra: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 24/13 PARECER CFM nº 17/13 INTERESSADO: Dr. F.J.M.C ASSUNTO: Cirurgia bilateral no mesmo ato cirúrgico RELATOR: Cons. José Fernando Maia Vinagre EMENTA: Não há elementos definitivos

Leia mais

CIRURGIA DO NARIZ (RINOPLASTIA)

CIRURGIA DO NARIZ (RINOPLASTIA) CIRURGIA DO NARIZ (RINOPLASTIA) Anualmente milhares de pessoas se submetem a rinoplastia. Algumas destas pessoas estão insatisfeitas com a aparência de seus narizes há muito tempo; outras não estão contentes

Leia mais

ENDOFTALMITE uma complicação grave da cirurgia de catarata

ENDOFTALMITE uma complicação grave da cirurgia de catarata MANUELA BERNARDO ENDOFTALMITE uma complicação grave da cirurgia de catarata A perda de visão pode ser severa e irreversível Este trabalho foi elaborado seguindo as recomendações da ESCRS 2013 INCIDÊNCIA

Leia mais

Um olhar rumo ao futuro da oftalmologia veterinária

Um olhar rumo ao futuro da oftalmologia veterinária Um olhar rumo ao futuro da oftalmologia veterinária Linha Oftálmica Labyes Primeira Linha Oftálmica com Sulfato de Condroitina Labyes foi o primeiro laboratório do mundo a desenvolver uma linha oftálmica

Leia mais

Primeiros Socorros Volume III

Primeiros Socorros Volume III Manual Primeiros Socorros Volume III um Manual de Agosto de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Manualnão pode

Leia mais

Cefaleia crónica diária

Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária O que é a cefaleia crónica diária? Comecei a ter dores de cabeça que apareciam a meio da tarde. Conseguia continuar a trabalhar mas tinha dificuldade em

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR ESTÁGIO DE MATURAÇÃO DAS CATARATAS DE CÃES ATENDIDOS NO SERVIÇO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL TANISE CARBONI DA SILVA 1, MAÍRA HAASE PACHECO 1, MELINA BARBBARA

Leia mais

ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO

ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO ILUVIEN GUIA DE ADMINISTRAÇÃO dirigido aos médicos oftalmologistas Este Guia destina-se a prestar informação acerca da correta técnica de administração e riscos de segurança que decorrem da inserção do

Leia mais

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE CIRURGIA PLÁSTICA HU/UFSC DISCIPLINA DE TÉCNICA OPERATÓRIA E CIRURGIA EXPERIMENTAL - TOCE Úlceras de pressão Profº. Jorge Bins-Ely

Leia mais

ANESTÉSICO ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. cloridrato de tetracaína 1% cloridrato de fenilefrina 0,1%

ANESTÉSICO ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. cloridrato de tetracaína 1% cloridrato de fenilefrina 0,1% ANESTÉSICO ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril cloridrato de tetracaína 1% cloridrato de fenilefrina 0,1% BULA PARA O PACIENTE anestésico cloridrato de tetracaína 1% cloridrato

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

Introdução. Graduanda do Curso de Medicina Veterinária UNIVIÇOSA. E-mail: isapvet@hotmail.com. 2

Introdução. Graduanda do Curso de Medicina Veterinária UNIVIÇOSA. E-mail: isapvet@hotmail.com. 2 HEMIVÉRTEBRA EM CÃES - REVISÃO Isabella de Paula Valeriano 1, Ronaldo Oliveira Silveira 2, João Paulo Machado 3, Waleska de Melo Ferreira Dantas 4, Paula Piccolo Miatan 5 Resumo: A hemivértebra é uma malformação,

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO PROPICIA APRENDIZADO E BEM-ESTAR ANIMAL EM TEMPO DE PARALISAÇÃO ACADÊMICA

PROJETO DE EXTENSÃO PROPICIA APRENDIZADO E BEM-ESTAR ANIMAL EM TEMPO DE PARALISAÇÃO ACADÊMICA 1 PROJETO DE EXTENSÃO PROPICIA APRENDIZADO E BEM-ESTAR ANIMAL EM TEMPO DE PARALISAÇÃO ACADÊMICA NILVA MARIA FRERES MASCARENHAS ¹, CARMEN LÚCIA SCORTECCI HILST ¹, FERNANDO DE BIASI ¹, ANGELITA ZANATA RÉIA

Leia mais

DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE UMA FRATURA TIBIAL: ESTUDO ANATÔMICO E MULTIDISCIPLINAR 1

DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE UMA FRATURA TIBIAL: ESTUDO ANATÔMICO E MULTIDISCIPLINAR 1 DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE UMA FRATURA TIBIAL: ESTUDO ANATÔMICO E MULTIDISCIPLINAR 1 SILVA, Pedro Ducatti de Oliveira e 1 ; GUIMARÃES, Nilo Borges 2 ; LUIZ, Carlos Rosemberg 3 ; BENETTI, Edson José 4 ; FIUZA,

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO

FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO REFRESH álcool polivinílico 1,4% povidona 0,6% FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Via de administração tópica ocular Caixa com 32 flaconetes plásticos para aplicação

Leia mais

Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica. Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera Dourados

Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica. Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera Dourados Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera Dourados MATERIAIS CIRÚRGICOS Conjunto de objetos, instrumentos e equipamentos que entram em contato

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO DUCTO PAROTÍDEO EM CÃES Autor: Dr. João Alfredo Kleiner MV, MSc

TRANSPOSIÇÃO DO DUCTO PAROTÍDEO EM CÃES Autor: Dr. João Alfredo Kleiner MV, MSc TRANSPOSIÇÃO DO DUCTO PAROTÍDEO EM CÃES Autor: Dr. João Alfredo Kleiner MV, MSc Resumo: O filme lacrimal pré-corneano é constituído por três fases distintas. A camada mais externa é formada de lipídios,

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães Ciro José Sousa de Carvalho 1, Sâmmya Roberta Barbosa 2, Francisco Assis Lima Costa 3, Silvana Maria Medeiros

Leia mais

Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes: cetrimida 0,1 mg (conservante), sorbitol, edetato dissódico e hidróxido de sódio.

Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes: cetrimida 0,1 mg (conservante), sorbitol, edetato dissódico e hidróxido de sódio. VISCOTEARS carbômer 2 mg / g Lágrima artificial Forma farmacêutica e apresentação Gel líquido oftálmico: tubo de 10 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes:

Leia mais

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CATARATA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO Esta indicada em portadores de opacidade do cristalino que, mesmo com melhor correção óptica,

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA O DOENTE PORQUE É IMPORTANTE A HIGIENE PALPEBRAL EM CASO DE DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS DE MEIBOMIUS?

INFORMAÇÃO PARA O DOENTE PORQUE É IMPORTANTE A HIGIENE PALPEBRAL EM CASO DE DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS DE MEIBOMIUS? INFORMAÇÃO PARA O DOENTE PORQUE É IMPORTANTE A HIGIENE PALPEBRAL EM CASO DE DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS DE MEIBOMIUS? ÍNDICE PERGUNTAS E RESPOSTAS O QUE É A DGM?...3 O QUE SÃO AS LÁGRIMAS?.....................................................................................4

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde. Departamento de Clínica Cirúrgica

Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde. Departamento de Clínica Cirúrgica Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Saúde Departamento de Clínica Cirúrgica OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS DIÉRESE, HEMOSTASIA E SÍNTESE Edevard J de Araujo eja2536@gmail.com OPERAÇÕES

Leia mais

HIPERPLASIA DA GLÂNDULA DA CAUDA FELINA Relato de Caso

HIPERPLASIA DA GLÂNDULA DA CAUDA FELINA Relato de Caso ANAIS DA III SEPAVET SEMANA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA E DO II SIMPÓSIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA DO CENTRO OESTE PAULISTA FAMED FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DA FAEF ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

RINOPLASTIA Cirurgia Plástica no Nariz

RINOPLASTIA Cirurgia Plástica no Nariz RINOPLASTIA Cirurgia Plástica no Nariz O que é a Rinoplastia? A rinoplastia, ou cirurgia do nariz, é um procedimento estético que corrige a forma e a funcionalidade do nariz, melhorando tanto o aspecto

Leia mais

Anatomia e Histologia do Limbo

Anatomia e Histologia do Limbo Anatomia e Histologia do Limbo Introdução: O limbo é a zona intermediária anular com cerca de 1,5mm de largura que fica entre a córnea transparente e a esclera opaca. Sua relativa opacidade se explica

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LACRIL ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril álcool polivinílico 1,4% BULA PARA O PACIENTE Lubrificante Ocular APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico O seu médico recomendou uma cirurgia para tratar doença do refluxo gastroesofágico. Mas o que isso realmente significa? Seu diafragma é um músculo que separa o tórax de seu abdômen e o ajuda

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br H00-H59 CAPÍTULO VII : Doenças do olho e anexos H00-H06 Transtornos da pálpebra, do aparelho lacrimal e da órbita H10-H13 Transtornos da conjuntiva H15-H19 Transtornos da esclera e da córnea H20-H22 Transtornos

Leia mais

tobramicina GERMED FARMACÊUTICA LTDA Solução oftálmica estéril 3 mg/ml

tobramicina GERMED FARMACÊUTICA LTDA Solução oftálmica estéril 3 mg/ml tobramicina GERMED FARMACÊUTICA LTDA Solução oftálmica estéril 3 mg/ml I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO tobramicina 3 mg/ml solução oftálmica estéril Medicamento Genérico, Lei n 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO

Leia mais

O que é Avançada técnica cirúrgica com excimer laser que possibilita a correção refrativa da visão.

O que é Avançada técnica cirúrgica com excimer laser que possibilita a correção refrativa da visão. PRK O que é Avançada técnica cirúrgica com excimer laser que possibilita a correção refrativa da visão. Técnica Cirurgia realizada na superfície da córnea, sem a necessidade de corte. Indicação Correção

Leia mais

LACRIFILM (carmelose sódica)

LACRIFILM (carmelose sódica) LACRIFILM (carmelose sódica) União Química Farmacêutica Nacional S.A. solução oftálmica 5 mg/ml LACRIFILM carmelose sódica Solução oftálmica estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES

Leia mais

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional I juliana.pinheiro@kroton.com.br DEFINIÇÃO A anatomia é a ciência que estuda o corpo animal no que se refere á sua

Leia mais

Observação Microscópica de células

Observação Microscópica de células ESCOLA SECUNDÁRIA/3 MORGADO MATEUS Biologia e Geologia (Ano I) Relatório da Actividade Experimental Observação Microscópica de células Professora: Sónia Leandro Trabalho elaborado por: Joana Pires, nº14-10ºb

Leia mais

CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO

CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO Conjuntivite Olho seco Hemorragia subconjuntival Blefarite Erosão córnea e corpos estranhos córnea Pós trauma Episclerite Uveite anterior Queimaduras químicas Esclerite

Leia mais

LUMIGAN RC ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

LUMIGAN RC ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LUMIGAN RC ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril bimatoprosta 0,01% BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas contendo 3 ml ou 5

Leia mais

A síndrome ocorre em cerca de um para cada 100 a 160 mil nascimentos. Especialistas atribuem o acidente genético à idade avançada dos pais.

A síndrome ocorre em cerca de um para cada 100 a 160 mil nascimentos. Especialistas atribuem o acidente genético à idade avançada dos pais. Síndrome de Apert O que é Síndrome de Apert? A síndrome de Apert é uma desordem genética que causa desenvolvimento anormal da caixa craniana. Bebês com síndrome de Apert nascem com a cabeça e a face com

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA

MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA MAMOPLASTIA REDUTORA E MASTOPEXIA A mastoplastia (mastoplastia) redutora é uma das cirurgias mais realizadas em nosso país, abrangendo uma faixa etária a mais variada possível, desde a adolescência até

Leia mais

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA Questões associadas à aplicação dos lasers na Medicina Princípios Físicos e aspectos técnicos do equipamento Interacção da luz laser com os tecidos: fotocoagulação, fotovaporização,

Leia mais

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças Miopia Miopia patológica, pseudomiopia e miopia nocturna Miopia elevada, associada a mudanças as degenerativas ou patológicas do pólo p posterior do olho. Comprimento axial excessivo Progressiva Alterações

Leia mais

Tesoura Mayo Curva e Reta. Tesoura Metzenbaum curva e reta

Tesoura Mayo Curva e Reta. Tesoura Metzenbaum curva e reta TESOURAS Tesoura Mayo Curva e Reta Tesoura Metzenbaum curva e reta Bisturi LÂMINAS DE BISTURI Pinça Halsted Pinça Crile Pinça Hemostática Kelly Pinça Hemostática Kocher Curva Pinça Hemostática Kocher Reta

Leia mais

Implante Suspensor Palpebral de Silicone para Correção da Blefaroptose Severa

Implante Suspensor Palpebral de Silicone para Correção da Blefaroptose Severa Implante Suspensor Palpebral de Silicone para Correção da Blefaroptose Severa Henri Friedhofer! Cristina Pires Camargo- Marcus Castro Ferreira" 1] Doutor em Medicina, Médico Assistente da Divisão de Cirurgia

Leia mais

LÁBIO LEPORINO EM PEQUENOS ANIMAIS REVISÃO DE LITERATURA HARELIP IN SMALL ANIMALS - LITERATURE REVIEW

LÁBIO LEPORINO EM PEQUENOS ANIMAIS REVISÃO DE LITERATURA HARELIP IN SMALL ANIMALS - LITERATURE REVIEW LÁBIO LEPORINO EM PEQUENOS ANIMAIS REVISÃO DE LITERATURA HARELIP IN SMALL ANIMALS - LITERATURE REVIEW DIAS, Fernanda Gosuen Gonçalves Graduação em Odontologia Veterinária e Mestre em Cirurgia de Pequenos

Leia mais

ESTABILIZAÇÃO DA ARTICULAÇÃO FEMOROTIBIOPATELAR EM CÃES POR MEIO DA UTILIZAÇÃO DOS IMPLANTES TIGHTROPE

ESTABILIZAÇÃO DA ARTICULAÇÃO FEMOROTIBIOPATELAR EM CÃES POR MEIO DA UTILIZAÇÃO DOS IMPLANTES TIGHTROPE ESTABILIZAÇÃO DA ARTICULAÇÃO FEMOROTIBIOPATELAR EM CÃES POR MEIO DA UTILIZAÇÃO DOS IMPLANTES TIGHTROPE Bruna Yumi Sakamoto 1 ; Lisiane Zaniboni 1 ; Claudia Russo 2 RESUMO: A ruptura do ligamento cruzado

Leia mais

LASTACAFT ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

LASTACAFT ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LASTACAFT ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril Alcaftadina (0,25%) BULA PARA O PACIENTE Bula para o Paciente - CCDS 2.0 Nov2014 Pág. 1 de 6 APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril

Leia mais

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES Veruska Martins da Rosa 1, Caio Henrique de Oliveira Carniato 2, Geovana Campanerutti Cavalaro 3 RESUMO: O hiperadrenocorticismo

Leia mais

VISÃO NOS CÃES. Sensibilidade à luz

VISÃO NOS CÃES. Sensibilidade à luz VISÃO NOS CÃES Todos nós amantes dos cães, profissionais do meio ou não, já nos perguntamos um dia como os cães enxergam o mundo. Várias são as situações nas quais essa pergunta aparece: brincando com

Leia mais

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite 3267-4303 Orientações para Colheita e Remessa de Material para Exames Laboratoriais VOLUME 1 Histopatologia Citologia Necropsia www.petimagem.com PET IMAGEM - Diagnósticos Veterinários foi criado em abril

Leia mais

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO Profª Ana Cláudia Reis Pedroso AUDIÇÃO O ÓRGÃO DA AUDIÇÃO: A ORELHA O órgão responsável pela audição é a orelha (antigamente denominado ouvido), também chamada órgão vestíbulo-coclear

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 CURATIVO BIOCOMPATÍVEL COM GELATINA COMESTÍVEL PARA PREENCHIMENTO DE CAVIDADE ANOFTÁLMICA APÓS EXENTERAÇÃO DE BULBO OCULAR EM UM PUMA (Puma concolor) RELATO DE CASO BIOCOMPATIBLE DRESSING WITH EDIBLE

Leia mais

4º par craneano - nervo troclear

4º par craneano - nervo troclear 4º par craneano - nervo troclear O 4º par craneano é responsável pela inervação do músculo oblíquo superior, tendo este como principal acção a infraducção do olho, principalmente quando este se encontra

Leia mais

Cirurgia de catarata

Cirurgia de catarata 1 O que é catarata? Quando se menciona a palavra catarata, as pessoas imaginam que seja uma película que cobre o olha fazendo com que elas vejam embaçado. Entretanto, a catarata fica dentro do olho e não

Leia mais

Objetivo: O objetivo deste trabalho é estabelecer diretrizes baseadas em evidências científicas para Cirurgia Refrativa.

Objetivo: O objetivo deste trabalho é estabelecer diretrizes baseadas em evidências científicas para Cirurgia Refrativa. Diretriz de Cirurgia Refrativa Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Participantes: Dr Renato Ambrosio

Leia mais

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas.

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Cartilha Doenças e Complicações de Verão Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Devido às condições climáticas, diversas são as doenças

Leia mais

APMVEAC Associação Portuguesa de Médicos Veterinários Especialistas em Animais de Companhia Programa de Controle da DISPLASIA DA ANCA

APMVEAC Associação Portuguesa de Médicos Veterinários Especialistas em Animais de Companhia Programa de Controle da DISPLASIA DA ANCA APMVEAC Associação Portuguesa de Médicos Veterinários Especialistas em Animais de Companhia Programa de Controle da DISPLASIA DA ANCA Regras para submissão das radiografias Preços de leitura das radiografias

Leia mais

TRATAMENTO CONSERVATIVO E CIRÚRGICO DE HÉRNIA DE DISCO (TIPO I) TORACOLOMBAR GRAU V EM CÃO RELATO DE CASO

TRATAMENTO CONSERVATIVO E CIRÚRGICO DE HÉRNIA DE DISCO (TIPO I) TORACOLOMBAR GRAU V EM CÃO RELATO DE CASO 1 TRATAMENTO CONSERVATIVO E CIRÚRGICO DE HÉRNIA DE DISCO (TIPO I) TORACOLOMBAR GRAU V EM CÃO RELATO DE CASO LYS DE BARROS FOGAGNOLI 1, MILTON MIKIO MORISHIN FILHO 2. 1- Graduanda Medicina Veterinária Universidade

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão DRENOS CONCEITO É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão ou podem estar ali presentes. OBJETIVOS DOS DRENOS Permitem

Leia mais

DOENÇA DE LEGG-CALVÉ- PERTHES EM HAMSTER SÍRIO (MESOCRICETUS AURATUS) - RELATO DE CASO

DOENÇA DE LEGG-CALVÉ- PERTHES EM HAMSTER SÍRIO (MESOCRICETUS AURATUS) - RELATO DE CASO 1 RAPHAEL DE CARVALHO CLÍMACO 1, MAÍRA SANTOS SEVERO CLÍMACO 2, JÉSSICA SOUZA DIAS 3, CAMILA CAROLINE CARLINI 3, WEMERSON DE SANTANA NERES 3, DANIELA DOS SANTOS 3 1 Médico Veterinário Autônomo, Centro

Leia mais

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LATISSE ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Tópica Estéril bimatoprosta 0,03% BULA PARA O PACIENTE Bula para o Paciente - CCDS 7.0 Nov 2012 Pág. 1 de 9 APRESENTAÇÕES Solução Tópica Estéril Caixa

Leia mais

Sondagem nasolacrimal em crianças: resultados com mais de 14 anos de follow-up

Sondagem nasolacrimal em crianças: resultados com mais de 14 anos de follow-up Oftalmologia - Vol. 37: pp.245-250 Artigo Original Sondagem nasolacrimal em crianças: resultados com mais de 14 anos de follow-up Mariana Seca 1,4, Vasco Miranda 2,4, Ricardo Parreira 2,4, Pedro Menéres

Leia mais

CONJUNTIVO-MÜLLERECTOMIA NO TRATAMENTO CIRÚRGICO DA PTOSE PALPEBRAL SUAVE

CONJUNTIVO-MÜLLERECTOMIA NO TRATAMENTO CIRÚRGICO DA PTOSE PALPEBRAL SUAVE RTIGO DE REVISÃO Conjuntivo-müllerectomia no tratamento cirúrgico da ptose palpebral suave CONJUNTIVO-MÜLLERECTOMI NO TRTMENTO CIRÚRGICO D PTOSE PLPERL SUVE Müller muscle-conjunctiva resection for treatment

Leia mais

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda BANDAGEM FUNCIONAL Prof. Thiago Y. Fukuda INTRODUÇÃO (BANDAGEM) Refere-se à aplicação de algum tipo de fita protetora que adere à pele de determinada articulação. A bandagem quando aplicada corretamente,

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇOES INICIAIS. Art. 3º O projeto mencionado nos artigos 1º e 2º desta Lei é destinado, prioritariamente, nesta ordem:

TÍTULO I DAS DISPOSIÇOES INICIAIS. Art. 3º O projeto mencionado nos artigos 1º e 2º desta Lei é destinado, prioritariamente, nesta ordem: LEI Nº 2.511, de 17 de setembro de 2015. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO PARA O CONTROLE POPULACIONAL DE ANIMAIS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE CATANDUVAS/SC QUE ESPECIFICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS Gisa Aparecida

Leia mais

CERATOCONE. A palavra ceratocone se deriva de duas palavras gregas : karato que significa córnea e konos que significa cone.

CERATOCONE. A palavra ceratocone se deriva de duas palavras gregas : karato que significa córnea e konos que significa cone. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira CERATOCONE QUE É CERATOCONE? O ceratocone, ou córnea cônica é uma desordem não inflamatória, na qual

Leia mais

TÉCNICA DE TIGHTROPE MODIFICADA NO TRATAMENTO DA RUPTURA DO LIGAMENTO CRUZADO CRANIAL EM CÃO - RELATO DE CASO

TÉCNICA DE TIGHTROPE MODIFICADA NO TRATAMENTO DA RUPTURA DO LIGAMENTO CRUZADO CRANIAL EM CÃO - RELATO DE CASO TÉCNICA DE TIGHTROPE MODIFICADA NO TRATAMENTO DA RUPTURA DO LIGAMENTO CRUZADO CRANIAL EM CÃO - RELATO DE CASO JOSÉ ARTHUR DE ABREU CAMASSA 1, LEONARDO AUGUSTO LOPES MUZZI 2, FERNANDO YOITI KITAMURA KAWAMOTO

Leia mais