O curso de Mestrado em Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: uma nova realidade do ensino superior náutico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O curso de Mestrado em Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: uma nova realidade do ensino superior náutico"

Transcrição

1 O curso de Mestrado em Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: uma nova realidade do ensino superior náutico 1. Introdução No passado número 218 da revista O Propulsor, publiquei o artigo intitulado A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Adaptação ao Processo de Bolonha [1], no qual descrevi as principais características do novo curso de licenciatura em Engenharia de Máquinas Marítimas, em consequência da adaptação dos cursos da ENIDH ao Processo de Bolonha [2]. Nesse artigo, fiz referência ao facto de ter sido igualmente submetido à apreciação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) a proposta de criação de um segundo ciclo de estudos em Engenharia de Máquinas Marítimas que, de acordo com a nova legislação sobre graus académicos (decreto-lei nº 74/2006, de 24 de Março), conferia o grau académico de mestre. Este novo ciclo de estudos constitui uma novidade no ensino politécnico, visto que, na anterior legislação, a atribuição deste grau académico estava restringida apenas ao ensino universitário. Podemos recordar sucintamente alguns dos objectivos gerais da Declaração de Bolonha [3], que são: o aumento da competitividade do sistema europeu de ensino superior e a promoção da mobilidade e empregabilidade dos diplomados do ensino superior no espaço europeu. A realização destes objectivos globais pressupõe a adopção de um sistema assente essencialmente em dois ciclos de estudos, ou seja: Um primeiro ciclo, que conduz ao grau de licenciado (em Portugal), com um papel relevante para o mercado de trabalho europeu, e com uma duração compreendida entre seis e oito semestres; Um segundo ciclo, que conduz ao grau de mestre, com uma duração compreendida entre três e quatro semestres. Deste modo, o Departamento de Máquinas Marítimas (DMM) propôs duas ofertas formativas de acordo com o estipulado no Processo de Bolonha, tendo o primeiro ciclo de licenciatura entretanto aprovado pela Tutela já sido objecto de análise no artigo anterior. Mais recentemente, em Dezembro de 2007, a Direcção Geral do Ensino Superior (DGES), autorizou a proposta de criação do curso de mestrado em Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH (Processo n.º B 1953/2007, de 14 de Dezembro). Esta decisão da Tutela, dado tratar-se do primeiro curso de mestrado aprovado para a ENIDH, constitui um aconte cimento extremamente positivo para o prestígio da Engenharia de Máquinas Marítimas (EMM) e da própria Escola. Deste modo, vamos abordar nas secções seguintes, alguns dos aspectos mais relevantes da proposta de curso de mestrado em EMM de modo a dar a conhecer aos leitores da revista esta nova oferta formativa da ENIDH. 2. O Curso de Mestrado em Engenharia de Máquinas Marítimas O curso de mestrado em Engenharia de Máquinas Marítimas (EMM) enquadra-se na rede de cursos do ensino superior politécnico público, e destina-se a formar Oficiais de Máquinas Marítimas ao nível da gestão para o sector dos transportes marítimos (nacional e internacional), sendo a única oferta formativa a nível nacional destinada a este sector de actividade. A ENIDH, conforme estatuído na sua lei orgânica (Decreto-Lei nº16/2002, de 29 de Janeiro) é definida como um estabelecimento do ensino superior que visa formar Oficiais da Marinha Mercante e outros quadros superiores para o sector marítimo e portuário e áreas afins, dotando-os de profissionais altamente qualificados, bem como promover a investigação e o desenvolvimento tecnológico inerentes aquela área de actividade, e a difusão dos conhecimentos adquiridos na prossecução das suas competências. Deste modo, o curso de mestrado em EMM visa contribuir para a formação de quadros de engenharia altamente qualificados para o sector dos transportes marítimos, área considerada estratégica pelo governo para o desenvolvimento sustentável da economia nacional. 18 Novembro/Dezembro N.º 221 Ano 37.º Revista Técnica de Engenharia

2 2.1. Objectivos do curso A formação de Oficiais da Marinha Mercante é historicamente uma formação estruturada em dois níveis de formação, por força de normativos internacionais, de que são exemplos mais recentes os parâmetros de formação estabelecidos na Convenção IMO-STCW 95. De facto, pode afirmar-se que, no nosso país, a Escola Náutica foi percursora no ensino estruturado em dois ciclos, na medida em que essa estrutura de organização do ensino já existia muito antes do aparecimento das conhecidas licenciaturas bi-etápicas. De acordo com a Convenção, o primeiro ciclo de estudos (curso de licenciatura em Engenharia de Máquinas Marítimas com a duração de três anos lectivos já em funcionamento no corrente ano lectivo), deve satisfazer os requisitos mínimos obrigatórios estabelecidos no parágrafo 2.3 da regra III/1 do anexo à Convenção IMO-STCW 95 para a obtenção dos certificados de competência para oficiais de máquinas chefes de quarto numa casa da máquina em condução atendida ou oficiais de máquinas, de serviço numa casa da máquina em condução desatendida. O segundo ciclo de formação deve satisfazer os requisitos mínimos obrigatórios para a obtenção dos certificados de competência para chefes de máquinas e segundos oficiais de máquinas de navios cuja máquina principal tenha uma potência propulsora igual ou superior a 3000 kw, conforme previsto no parágrafo 2.2 da regra A-III/2 do anexo à Convenção IMO-STCW 95. A prossecução destes objectivos implica a necessidade de criação de um curso de mestrado nesta abrangente e interdisciplinar área do conhecimento. Deste modo, o curso de mestrado em EMM foi criado com a finalidade de dar cumprimento aos seguintes objectivos: Adaptar o Ensino Náutico no que diz respeito à formação de Oficiais de Máquinas da Marinha Mercante ao nível de gestão e às alterações da lei de Bases do Sistema Educativo Nacional, com base nos conceitos preconizados no processo de Bolonha (decreto-lei nº 74/2006 de 24 de Março) e Lei nº 49/2005 de 25 de Agosto que alterou a lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/1986, de 14 de Outubro) alterada pela Lei nº 115/1997 de 19 de Setembro; Satisfazer aos requisitos obrigatórios para certificação de Segundos Oficiais de Máquinas e Chefes de Máquinas, conforme previsto no parágrafo 2.2 da Regra A-III/2 do anexo à Convenção Internacional sobre Normas de For - mação e Certificação e de Serviço de Quartos STCW 95 (Decreto do Presidente da República nº 42/98, de 13 de Outubro, e Resolução da Assembleia da Repú blica nº 45/98, de 13 de Outubro), bem como possibilitar a obtenção dos respectivos certificados de competência; Criar uma estrutura curricular que esteja adaptada ao novo quadro legislativo, contemplando a formação de diplomados com o grau académico de mestre, de acordo com o Processo de Bolonha, de modo a responder aos novos desafios que se colocam ao sector dos transportes marítimos. Esta área é considerada estratégica para o desenvolvimento sustentável da economia nacional, conforme referido no Relatório da Comissão Estratégica dos Oceanos de 15 de Março de 2004 [4] e no Livro Verde da Comissão das Comunidades Euro - peia Para uma futura política marítima da União Uma visão europeia para os oceanos e os mares (COM(2006) 275 7/ ) [5]; Rentabilizar os meios recursos humanos e bens materiais disponíveis na ENIDH. Refira-se que o Departa - mento de Máquinas Marítimas possui um corpo docente altamente qualificado e que, em virtude dos investimentos que se têm vindo a fazer na Escola desde há vários anos, o curso de EMM dispõe de um conjunto de laboratórios e meios informáticos de elevada qualidade Adequação da organização do ciclo de estudos A estrutura curricular do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em EMM pretende reflectir uma mudança de atitude de todos os participantes no processo formativo perante a sociedade. Estas mudanças culturais têm vindo a verificar-se ao longo dos últimos anos pelo que existe a necessidade de antecipar algumas das tendências que se avizinham, tais como: A constante evolução tecnológica das instalações de máquinas marítimas e os novos desafios colocados pela preservação do meio marinho; A existência de meios informáticos adequados (hardware e software) capazes de analisar e tratar problemas de engenharia de máquinas marítimas com complexidade crescente e em áreas onde, tradicionalmente, não eram geralmente utilizados. Estas tendências incluem a passagem de um modelo de ensino baseado na transmissão de conhecimentos pelos docentes para um ensino baseado no desenvolvimento de competências, em que os alunos são encorajados a desenvolver uma atitude mais activa e com uma componente de auto-aprendizagem mais acentuada. Ao nível da mudança de atitude por parte dos alunos, pode - mos destacar: Tendo em conta que o sector dos transportes marítimos está em constante mudança, onde os conhecimentos adquiridos hoje poderão estar desactualizados num futuro próximo, os alunos devem ser estimulados a desenvolver competências que lhes permitam efectuar uma aprendiza- 19 Revista Técnica de Engenharia Novembro/Dezembro N.º 221 Ano 37.º 19

3 gem ao longo da vida, de modo autónomo, com o objectivo de manterem-se actualizados e de possuírem uma visão alargada sobre os diferentes domínios da engenharia de máquinas marítimas e áreas afins; O incremento da comunicação, o trabalho em equipa, a criatividade e a experiência prática/laboratorial dos alunos, embora assegurando uma forte componente científica; Os alunos devem ter mais flexibilidade e mobilidade para ajustar a sua formação, antecipando as necessidades do mercado de trabalho marítimo-portuário. Esta mudança requer alterações profundas na forma de ensinar e organizar as unidades curriculares e de as alicerçar em metodologias de estudo mais adequadas. Estes aspectos podem nem sempre ser directamente mensuráveis nos conteúdos das unidades curriculares do curso de mestrado, na medida em que, em muitos casos reflectem apenas diferentes formas de pensar, ensinar e aprender que devem ser incorporadas pelos alunos e, principalmente, pelos docentes afectos ao curso. A interdisciplinaridade da engenharia de máquinas marítimas, por exemplo, não se repercute facilmente num plano de estudos constituído por unidades curriculares tradicionalmente estanques. Para atingir os objectivos preconizados pela Declaração de Bolonha, os docentes afectos ao curso de mestrado em EMM terão que ter em consideração a necessidade de alargar os horizontes de aplicação das matérias leccionadas e introduzir trabalhos de natureza predominantemente interdisciplinar e integradora Estrutura do curso O curso de mestrado em EMM, está organizado com base na engenharia de máquinas marítimas, com especial incidência nas áreas de mecânica aplicada, instalações térmicas, controlo de sistemas e de disciplinas específicas inerentes ao exercício da actividade de Segundo Oficial de Máquinas e de Chefe de Máquinas de Máquinas da Marinha Mercante, conforme preconizado pela Convenção IMO- STCW 95 (ver figuras 1 e 2). O plano de estudos do curso de mestrado em EMM contempla 120 unidades de créditos ECTS [6] distribuídas por quatro semestres lectivos. É composto na sua quase totalidade por unidades curriculares obrigatórias, sendo apenas duas de opção. Tal facto deve-se, fundamen - talmente, à necessidade de dar cumprimento a normas nacionais e internacionais aplicáveis à actividade marítima. Estas normas não permitem a existência de um leque alargado de disciplinas de opção, tendo em consideração os objectivos técnico-científicos e profissionais a atingir pelo curso. Deste modo, podemos caracterizar o curso da seguinte forma: É constituído por 4 semestres lectivos; No primeiro ano, cada semestre é constituído por 6 unidades curriculares (cinco obrigatórias e uma de opção). O modelo de organização pedagógica baseia-se em 24 horas de contacto docente/aluno por semana; As disciplinas obrigatórias do primeiro ano, têm como finalidade proporcionar uma formação especializada, e constituem a base do curso. As disciplinas de opção, permitem aos alunos optarem por um carácter mais preferencial da formação especializada, tendo em vista o seu interesse particular; O segundo ano é constituído por dois semestres lectivos, sendo essencialmente dedicados à realização da dissertação/projecto/relatório em regime não presencial. No caso específico do segundo ano curricular do curso de mestrado em EMM, os dois semestres destinam-se à realização de: Unidade curricular Instalações e Equipamentos de Navios. Esta disciplina, à qual são atribuídos 12 créditos, é orientada por um docente (tutor) e tem como finalidade a elaboração em contexto de trabalho de um relatório técnico-científico, versando o estudo e análise de um sistema marítimo ou industrial. Neste relatório, o aluno deverá evidenciar a capacidade efectiva de integração de conceitos e metodologias não apenas entre unidades curriculares mas, se possível, entre as diferentes áreas de conhecimento adquiridas nos módulos curriculares leccionados durante o curso; Unidade curricular Dissertação/Projecto/Relatório, à qual estão atribuídos 48 créditos e que abrange os dois semestres lectivos. Esta unidade curricular deverá ser elaborada com base no disposto na alínea b) do nº 1 do Art.º 20 do Decreto-Lei nº74/2006, de 24 de Março. Esta alínea define que o curso de mestrado deve integrar Uma dissertação de natureza científica ou um trabalho de projecto, originais e especialmente realizados para este fim, ou um estágio de natureza profissional objecto de relatório final, consoante os objectivos específicos visados, nos termos que sejam fixados pelas respectivas normas regulamentares, a que corresponde um mínimo de 35% do total dos créditos do ciclo de estudos. 1 - ECTS (European Credit Transfer System): sistema de créditos que se baseia no trabalho global, medido em número de horas de actividade, que o estudante deve efectuar para ser aprovado nas várias unidades curriculares do curso. Este novo sistema é oposto ao anterior, no qual os créditos estavam associados ao número de horas de docência para cada tipo de aulas (teóricas, práticas ou teórico-práticas). Um ano de trabalho a tempo inteiro corresponde a 60 créditos ECTS. 20 Novembro/Dezembro N.º 221 Ano 37.º Revista Técnica de Engenharia

4 O plano de estudos do curso de mestrado em EMM, que se apresenta no Quadro nº 1, é constituído por unidades curriculares de ciências de engenharia (CE), ciências da Quadro 1 especialidade (CES), de formação complementar (FC), e por uma dissertacão/projecto/relatório com características integradoras. Deste modo, tem-se: 1º ANO HC 2 ECTS HC ECTS Análise Energética de Sistemas Marítimos 4 6 Motores Diesel Marítimos 4 6 Instrumentação e Controlo 4 6 Sist. Eléctricos e Electrónicos de Navios 4 6 Vibrações e Ruído 4 6 Fractura e Dano 4 6 Hidrodinâmica e Propulsão Refrigeração e Climatização Gestão Técnica de Navios Regulamentos e Direito Marítimo Opção M1 Opção M2 Totais Totais Opção M1 Opção M2 Estruturas Navais Materiais Compósitos Cuidados Avançados de Saúde Bases de dados e Redes Optimização Modelação e Simulação de Sistemas Equipamentos Térmicos Automação e Robótica Sistemas Digitais e Microprocessadores Aplicações com Microprocessadores 2º ANO HC ECTS HC ECTS Instalações e Equipamentos de Navios (*) 3 12 Introdução ao Trabalho de Dissertação/Projecto/Relatório (*) 30 (*) 18 Dissertação / Projecto / Relatório Totais 30 Totais 30 Disciplinas de ciências de engenharia (CE), as quais se consideram como sendo aplicações das ciências de base a modelos gerais (Instrumentação e Controlo, Vibra ções e Ruído, Fractura e Fadiga, etc ); Disciplinas da ciências da especialidade (CES), as quais se consideram como uma aplicação directa das matérias à resolução de problemas reais, podendo diferir das disciplinas de ciências de engenharia pelo facto de procederem à aplicação concreta à respectiva actividade profissional (Análise Energética de Sistemas Marítimos, Hidrodinâmica e Propulsão, Motores Diesel Marítimos, etc.); Disciplinas de formação complementar (FC), as quais, sendo importantes, o seu conteúdo programático não se insere na linha científica principal da especialidade do curso (Gestão Técnica de Navios e Regulamentos e Direito Marítimo). Relativamente à distribuição das disciplinas por grupos, verifica-se uma distribuição equilibrada, de acordo com os objectivos a atingir e com as recomendações para os cursos de engenharia, nomeadamente as da Ordem dos Engenheiros para os processos de acreditação de cursos. Em face do exposto, o peso relativo dos diferentes tipos de unidades curriculares do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em EMM, é o seguinte: Ciências de engenharia (25%) Ciências da especialidade (25%) Formação complementar (10%) Dissertação/Projecto/Relatório (40%) 2 - HC: Horas de contacto docente/aluno. 3 - Nestes casos, as horas de contacto são ministradas sob a forma de orientação tutorial. Revista Técnica de Engenharia Novembro/Dezembro N.º 221 Ano 37.º 21

5 a) b) a) b) c) d) Fig.2. Exemplos de aulas laboratoriais do curso de EMM. a) Aula de informática. b) Ensaio prático de controlo de condição. c) Ensaio prático de permutadores de calor. d) Ensaio prático de sistemas de controlo automático Certificação marítima Para a atribuição de certificação marítima aos alunos do curso de mestrado em EMM, foram considerados em particular os seguintes artigos do decreto-lei sobre graus académicos (n.º74/2006 de 24 de Março): Artigo 18.º Ciclo de estudos conducente ao grau de mestre 1 O ciclo de estudos conducente ao grau de mestre tem 90 a 120 créditos e uma duração normal compreendida entre três e quatro semestres curriculares de trabalho dos alunos. 4 No ensino politécnico, o ciclo de estudos conducente ao grau de mestre deve assegurar, predominantemente, a aquisição pelo estudante de uma especia - lização de natureza profissional. Novembro/Dezembro N.º 221 Ano 37.º 5 A obtenção do grau de mestre referido nos números anteriores, ou dos créditos correspondentes ao curso de especialização referido na alínea a) do n.º 1 do artigo 20.º do presente decreto-lei, pode ainda habilitar ao acesso a profissões sujeitas a requisitos especiais de reconhecimento nos termos legais e institucionais previstos para o efeito. Artigo 20.º Estrutura do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre 1 O ciclo de estudos conducente ao grau de mestre integra: a) Um curso de especialização, constituído por um conjunto organizado de unidades curriculares, deno minado curso de mestrado, a que corresponde um mínimo de 50% do total de créditos do ciclo de estudos... De acordo com o exposto no Quadro n.º1, o primeiro ano do curso de mestrado em EMM integra um conjunto de unidades curriculares com um total de 60 créditos, ou seja 50% do número total de créditos do curso de mestrado (120 créditos). Assim, e de acordo com o estipulado na alínea a) do n.º 1 do artigo 20.º, o primeiro ano curricular do curso de mestrado irá corresponder um curso de Especialização em Engenharia de Máquinas Marítimas. Deste modo, tendo Revista Técnica de Engenharia

6 ainda em consideração o estipulado nos pontos 4 e 5 do artigo n.º18 com o curso de especialização em EMM, estabeleceu-se que, em termos de certificação marítima, e independentemente de outras exigências estabelecidas por lei, a obtenção dos créditos correspondentes ao curso de especialização em Engenharia de Máquinas Marítimas satisfaz os requisitos obrigatórios para a obtenção do Certificado de Competência para Segundo Oficial de Máquinas e Chefe de Máquinas, em embarcações com potência propulsora igual ou superior a 3000 kw, conforme previsto no parágrafo 2.2 da regra A-III/2 do anexo à Convenção IMO-STCW 95. Acresce que, independentemente de outras exigências estabelecidas por lei, a conclusão com aproveitamento da unidade curricular de opção M1 - Cuidados Avançados de Saúde, satisfaz os requisitos obrigatórios para a obtenção do certificado de responsável pelos cuidados de saúde a bordo das embarcações (tabela A-V1/4-2 do STCW 95) Saídas profissionais As saídas profissionais proporcionadas pelo curso de mestrado em EMM, inserem-se nos domínios da engenharia de gestão da manutenção de instalações e equipamentos marítimos e industriais. Deve notar-se que no sector dos transportes marítimos, quer a nível interno quer no espaço comunitário, o mercado de trabalho está actualmente bastante carenciado deste tipo de profissionais devido ao decréscimo de interesse por parte dos candidatos em frequentar cursos de vertente marítima, nomeadamente na área da engenharia. Deste modo, podem salientar-se as seguintes saídas profissionais: Segundo Oficial de Máquinas (Second Engineer Officer) e Chefe de Máquinas (Chief Engineer Officer); Quadros superiores para chefia e gestão no sector dos transportes marítimos, operações portuárias, inspecção naval, superintendência, administrações portuárias, esta leiros de construção e reparação naval e sectores afins; Quadros superiores para chefia e gestão na área da enge - nharia de manutenção nos sectores de produção e distribuição de energia, ramos petrolífero, automó vel, refrigeração e de climatização; Quadros superiores para chefia e gestão na área da engenharia de manutenção em empresas dos ramos me - talomecânico, automação, controlo industrial e hotelaria. 3. Análise comparativa com cursos congéneres do Espaço Europeu Ciente das rápidas transformações tecnológicas, económicas e sociais das últimas décadas, a ENIDH tem vindo a participar em diversos projectos internacionais que envolvem o ensino náutico. Destes projectos, pode referir-se a título de exemplo o METNET (Thematic Network on Maritime Education, Training and Mobility of Seafarers) [7]. Das conclusões finais do projecto METNET (Overview of the recomendations) [8], transcrevem-se as seguintes recomendações no que diz respeito à qualidade e benefícios esperados das propostas de formação avançada para oficiais da marinha mercante:. Quality To highlight the role of shippers in the improvement of quality and their support of best practice should be encouraged. Conversely, their use of sub-standard tonnage and focus upon lowest prices needs to be more openly discussed and publicly deplored. The enrichment of the maritime studies, will have to done through an improvement in quality but also through a change of subjects or educational aspects, enlargement in order to teach a more ample knowledge spectrum than that represented by the minimum STCW 95. To eliminate the bachelor level and to concentrate (in line with Bologna declaration) in a four maximum years careers in which a License degree will be got. Covering in excess the STCW 95 minima. The competency for all the students coming from a non university career should be understood as a way to get the limited certificates by the sailing distance off the coast or the number of GT or output kw. It will mean a professional level furnished by skippers. Once finished the academic period, pass to the compulsory period of practices in order to get a competency certificate. Once there, the professional path will remain as today. The possibility to offer a second cycle, that should be understood in a superior academic step that is not going to be chosen by all the students. The second cycle, is going to be divided in two possibilities: 1) MSc degree that is going to be covered by only one more year of studies, and 2) Doctorate degree, covered by more than one year of studies. The PhD path is going to be taken by all those who are interested in research and teaching, the MSc in Maritime Affaires postgraduate studies, is considered an appropriate possibility for MET graduates, seeking additional qualifications though further education. The MSc program will be designed for European sea- Revista Técnica de Engenharia Novembro/Dezembro N.º 221 Ano 37.º 23

7 farers who have already obtained the BSc or unique university academic level at a MET institution and a certificate of competency. The initial program on MSc should be easily adopted in countries where the studies are already surmounted by a university degree, such as Belgium, France, Nether - lands, Norway, Portugal, Spain, Sweden and Germany. Two different curricula should be developed within the mentioned MSc, one with commercial bias and one with a technical one. The MSc could be defined in a rotational sense among different institutions in Europe, where the students go on to learn certain specific subjects. The MSc program should address to fill a void in the academic MET environment, since there exists no programs of this kind yet, increasing the career opportunities for seafarers in the shore-based maritime industry and administration. Quadro 2 INSTITUIÇÕES DE ENSINO Universidad de Cádiz, Espanha Facultad de Ciencias Náuticas Universidad Politécnica da Catalunha, Espanha Facultad de Nautica de Barcelona Gdynia Maritime University, Polónia Faculty of Szczecin Maritime University, Polónia Vestfold University College, Noruega Faculty of Maritime Studies Kalmar Maritime Academy, Suécia CURSOS CONGÉNERES Engenharia Naval Engenharia Naval Expected benefits The academic degree in MET studies, will act as a catalyst to increase the attraction of a seafaring career, as this is not considered as a one way road anymore that will end on board ships. The academic degree also attracts more women students into the career as open more possibilities to them, and not only to limited opportunities on board ships. The new structure proposed for MET enters fully in the future structure of all university studies in Europe, providing a standard level for the studies. The academic degree for the seafarers, give them more opportunities when looking for jobs on shore and puts in a better position to access in better conditions. The seafarers could access to administrative jobs where a university degree is required and further they can decide and influence the future regulations that will affect the working and living conditions of the own seafarers. The proposed structure will ensure that all the students wanting to pass the second cycle or MSc/PhD must go to sea at least for one year in order to get the minimum competency certificates. This, together with improved future conditions at sea, could enlarge the periods that graduates spent at sea and may partially fill the void of young European officers. The rotational character of the MSc, can also afford changes in the centres of excellence responsible for each module teaching. These centres should be res - ponsible for coordinating the creation of the course material for the specific subjects. Alland Polythecnic, Finlândia Alland Polythecnic, Finlândia Constanta Maritime University, Roménia University of Southampton School of Engineering Sciences Norwegian University of Science and Technoloy (NTNU) Faculty of Engineering Science and Technology Technical University of Delft Faculty of Mechanical, Maritime and Materials Engineering Maritime Engineering Science Marine Technology Marine Technology Also there should be a rotation of the courses to MET institutions in other countries to increase the mutual involvement of West and East; promoting mobility among all these countries as a measure the reduce the lack of professionals in the shipping industry.. As preocupações com a qualidade da formação marítima no espaço europeu estão igualmente expressas em diversos docu - mentos da União Europeia, de que é exemplo 24 Novembro/Dezembro N.º 221 Ano 37.º Revista Técnica de Engenharia

8 a acta da 2695.ª Sessão do Conselho dos Transportes, Telecomuni cações e Energia, que decorreu em Bruxelas, de 1 a 5 de Dezembro de 2005 [9]. Tendo em consideração as necessidades de formação avançada na área de máquinas marítimas, o DMM pretendeu com este novo curso de mestrado, contribuir para a criação de condições que suportem o desenvolvimento de uma estratégia a longo prazo que vá ao encontro das necessidades de formação avançada para o sector dos transportes marítimos, no espaço europeu. No caso específico dos cursos de formação de oficiais da marinha mercante no espaço europeu, verifica-se que a sua adaptação ao Processo de Bolonha, está ainda numa fase embrionária, o que tem dificultado até ao momento eventuais harmonizações entre cursos congéneres. Deste modo, e embora o Projecto METNET tenha terminado antes de se ter iniciado a implementação do Processo de Bolonha no espaço europeu, o relatório final relativo ao plano de estudos em máquinas marítimas (Marine Engineering) constituiu um bom documento de orientação para a elaboração do presente curso de mestrado em EMM. Deve notar-se que as recomendações do Projecto METNET referem explicitamente que um curso de mestrado poderá facilmente ser implementado em países como Portugal, que já possui uma estrutura de ensino superior náutico consolidada, e um corpo docente bastante qualificado. Deste modo, propõese que sejam criados cursos de mestrado (MSc Master of Sciense) para os alunos de cursos de oficiais, que tenham obtido o grau de licenciado (BSc Bachelor of Sciense) e adquirido o respectivo certificado de competência. Conforme referido anteriormente, a adaptação dos cursos de ensino náutico no espaço europeu ao Processo de Bolonha está ainda numa fase inicial, pelo que se torna prematuro estar a prever as suas principais tendências. No entanto, tendo em conta elementos recolhidos através de uma pesquisa exaustiva na Internet e as informações obtidas junto de docentes de algumas instituições de referência do ensino náutico no Espaço Europeu, existem boas perspectivas de os alunos do curso de mestrado em EMM poderem vir a frequentar unidades curriculares de cursos homólogos nalgumas dessas escolas, de modo a incrementar a mobilidade de alunos e docentes, conforme preconizado pelo Processo de Bolonha. A título de exemplo, apresenta-se na Quadro n.º 2 uma lista de escolas superiores europeias de referência na área marítima, que possuindo cursos semelhantes ao de EMM, ou em vias de os criar, poderão, caso sejam criadas as condições necessárias, assegurar a mobilidade de alunos e docentes do curso de mestrado em EMM no espaço europeu. 4. Conclusões Neste artigo, descreveu-se de uma forma sucinta o novo curso de mestrado em engenharia de máquinas marítimas da ENIDH, recentemente aprovado pela Direcção Geral do Ensino Superior do MCTES. Esta decisão da Tutela, dado tratar-se do primeiro curso de mestrado aprovado para a ENIDH, constitui um acontecimento extremamente positivo para o prestígio da Engenharia de Máquinas Marítimas e da própria Escola. Por fim, deve salientar-se que à medida que a Escola for tomando decisões concretas relativamente à entrada em funcionamento do novo curso de mestrado em EMM, irão sendo publicadas informações aos potenciais interessados no sítio da Escola (http://www.enautica.pt). Referências [1]. Luís Filipe Baptista, A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Adaptação ao Processo de Bolonha, revista O Propulsor, nº 218, edição de Maio/Junho de 2007 [2]. O Processo de Bolonha, Direcção Geral do Ensino Superior [3]. Declaração de Bolonha: declaração conjunta dos ministros da educação europeus, assinada em na cidade de Bolonha, Itália [4]. Relatório da Comissão Estratégica dos Oceanos - O Oceano: Um Desígnio Nacional para o Século XXI, Presidência do Conselho de Ministros, Lisboa, /8C1F00F FDF-B0FC-9209A1291C5/0 /Relatorio_Oceanos_I.pdf [5]. Livro Verde da Comissão da Comunidade Europeia Para uma futura política marítima da União: Uma visão europeia para os oceanos e os mares (COM(2006) 275 7/06/2006) [6]. ECTS: European Credit Transfer System, Direcção Geral do Ensino Superior Linhas+de +Acção/ECTS/ [7]. Relatório final de Task 5.2: Creation of a syllabus for MET (Marine Engineering), Projecto METNET, Universidade Marítima Mundial, Setembro de SectionId=864 [8]. Recomendações finais do Projecto METNET Thematic Network on Maritime Education, Training and Mobility of Seafarers, Novembro de [9]. Acta da 2115ª Sessão do Conselho Transportes, Teleco - municações e Energia, 15 de Junho de 2003, Luxemburgo. Luis Filipe Baptista Professor Adjunto do Departamento de Máquinas Marítimas Escola Náutica Infante D. Henrique Revista Técnica de Engenharia Novembro/Dezembro N.º 221 Ano 37.º 25

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares Luis Filipe Baptista 1 No artigo apresentado no número anterior da revista, com o título A Engenharia de Máquinas Marítimas na

Leia mais

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique.

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Um mar de oportunidades Mestrado em Gestão Portuária Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique A ENIDH é a Escola Superior pública portuguesa que assegura a formação de

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

O Sistema de Créditos ECTS

O Sistema de Créditos ECTS O Sistema de Créditos ECTS Isabel Nunes Gabinete de Estudos e Planeamento Coord. Marta Pile Maio 2001 Índice 1. O Sistema de Créditos ECTS 1 1.1. ECTS/Sistema em vigor 1 1.2. Declaração de Bolonha 2 1.3.

Leia mais

4928-(5) c) Os n. os 3.1 e 3.2 do anexo III.B (mestrados); d) O n.º 1 do anexo III.C (ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre).

4928-(5) c) Os n. os 3.1 e 3.2 do anexo III.B (mestrados); d) O n.º 1 do anexo III.C (ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre). N.º 65 31 de Março de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 4928-(5) Despacho n. o 7287-B/2006 (2. a série). O regime jurídico dos graus académicos e diplomas do ensino superior prevê que os estabelecimentos

Leia mais

FARMÁCIA ESTAÇÃO COMBOIOS

FARMÁCIA ESTAÇÃO COMBOIOS FARMÁCIA ESTAÇÃO COMBOIOS DMM 2º piso Laboratórios Presidente DMM 2º piso Oficinas Silo mergulho VTS Piscina Edifício II ITN Secretaria Edifício Social Parque incêndios Pavilhão Refeitório PRAIA Entrada

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH:

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: A Engenharia de Ma?quinas Mari?timas da ENIDH:Layout 1 07/06/2 1:1 Page 7 A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Adaptação ao Processo de Bolonha 1. O Processo de Bolonha O chamado Processo de Bolonha

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

Suplemento ao Diploma

Suplemento ao Diploma Suplemento ao Diploma 1. INFORMAÇÃO SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO 1.1 Apelido(s): XXXXXXx 1.2 Nome(s) próprio(s): XXXXXXXXXXXXX O presente Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Cursos e Certificados do Ensino Superior em Todo o Mundo

Cursos e Certificados do Ensino Superior em Todo o Mundo Cursos e Certificados do Ensino Superior em Todo o Mundo País/ Região Certificados / Diplomas / Graus Especificações Interior da Certificado de Curso Profissional I. Cursos com Certificado de Curso Profissional

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

Departamento de Engenharia Mecânica Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra

Departamento de Engenharia Mecânica Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Mecânica Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra Plano de transição da Licenciatura em Engenharia Mecânica para o Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Setembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

Infante D. Henrique. MESTRADOS Pilotagem. LICENCIATURAS Pilotagem. escola superior náutica. enautica.pt CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CET

Infante D. Henrique. MESTRADOS Pilotagem. LICENCIATURAS Pilotagem. escola superior náutica. enautica.pt CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CET MESTRADOS Pilotagem Engenharia de Máquinas Marítimas Sistemas Eletrónicos Marítimos Gestão Portuária LICENCIATURAS Pilotagem escola superior náutica Infante D. Henrique Engenharia de Máquinas Marítimas

Leia mais

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro 1.a. Descrição

Leia mais

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Uma proposta de reflexão para o Conselho Académico da Universidade do Minho António Sérgio Pouzada Moisés Martins Cândida Lucas Dolores Cabral Jorge

Leia mais

Qualificação Profissional e Organização da Profissão

Qualificação Profissional e Organização da Profissão XVIII CONGRESSO A Engenharia no Século XXI Qualificação, Inovação e Empreendedorismo Aveiro, 4-6 Novembro de 2010 Qualificação Profissional e Organização da Profissão JOSÉ MANUEL PEREIRA VIEIRA Sumário

Leia mais

Projecto de Lei n.º 54/X

Projecto de Lei n.º 54/X Projecto de Lei n.º 54/X Regula a organização de atribuição de graus académicos no Ensino Superior, em conformidade com o Processo de Bolonha, incluindo o Sistema Europeu de Créditos. Exposição de motivos

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO Grupo Parlamentar Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO O chamado processo de Bolonha não é, por essência, negativo, particularmente se for adoptado numa óptica de estímulo

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac - Cooperativa De Formação E

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E

Leia mais

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS RELATÓRIO DE ANÁLISE AOS INQUÉRITOS DE INGRESSO DOS NOVOS ALUNOS

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares (ECTS - european credit transfer system) no IPS

Regulamento de Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares (ECTS - european credit transfer system) no IPS INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares (ECTS - european credit transfer system) no IPS Nos termos do artigo 11º do Decreto-Lei nº 42/2005, de

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / /

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões REGULAMENTO GERAL DE CURSOS NÃO CONFERENTES DE GRAU Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Lisboa 2007 2 Regulamento Geral de Cursos não Conferentes

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA De acordo com o art. 14 da Lei de Bases do Sistema Educativo e ao abrigo do Capítulo III do Decreto-Lei 74/2006, e para aprovação pelo Conselho

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação pela Arte Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de 31 de Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

ANEXO C DESPACHO DO ALMIRANTE CHEFE DO ESTADO-MAIOR DA ARMADA, N.º 38/13, DE 7 DE NOVEMBRO: ATRIBUIÇÃO DO GRAU DE MESTRE A OFICIAIS DOS CURSOS DA ESCOLA NAVAL A adequação do Processo de Bolonha às antigas

Leia mais

A função dos Estabelecimentos de Ensino Superior na formação em ITED e ITUR

A função dos Estabelecimentos de Ensino Superior na formação em ITED e ITUR A função dos Estabelecimentos de Ensino Superior na formação em ITED e ITUR António Vilas Boas WORKSHOP PARA FORMADORES SOBRE A ATUALIZAÇÃO DOS REGIMES ITED E ITUR ANACOM - Fundação Cupertino de Miranda,

Leia mais

Mestrado Construção Civil. Edital 3ª Edição 2011-2012

Mestrado Construção Civil. Edital 3ª Edição 2011-2012 Mestrado Construção Civil Edital 3ª Edição 2011-2012 Barreiro, Maio de 2011 ENQUADRAMENTO O curso de Mestrado em Construção Civil da Escola Superior de Tecnologia do Barreiro do Instituto Politécnico de

Leia mais

O Processo de Bolonha:

O Processo de Bolonha: O Processo de Bolonha: Mudanças e desafios António Fragoso, Universidade do Algarve Origens do Processo de Bolonha Declaração de Bolonha (19/06/1999) declaração conjunta dos ministros da Educação Europeus

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

NCE/09/00492 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/09/00492 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/09/00492 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/09/00492 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA SUPLEMENTO AO DIPLOMA (versão em português) A estrutura do suplemento ao diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. Tem por objetivo fornecer

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS. Normas Regulamentares

CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS. Normas Regulamentares CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS Normas Regulamentares PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares do Ciclo de Estudos

Leia mais

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS João Vinagre Santos A ESTBarreiro/IPS Criação em Julho de 1999, pelo Ministro da Educação Prof. Marçal Grilo 4ª Escola do IPS, 2ª Escola de Tecnologia, 1ª Escola

Leia mais

Proposta de Decreto Legislativo Regional

Proposta de Decreto Legislativo Regional Proposta de Decreto Legislativo Regional Regulamenta na Região Autónoma dos Açores, os aspectos relativos à realização, em escolas da rede pública, do estágio pedagógico das licenciaturas em ensino e dos

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL Considerando que, nos termos do n 3 do artigo 45. do Decreto -Lei n 74/2006, de 24 de margo, alterado pelos Decretos-Lei n

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Aviso (extracto) n.º 23548/2011 Nos termos do disposto no n.º 6 do artigo 12.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ANO LECTIVO 2008/2009 O Presidente do Conselho Directivo da Escola Náutica Infante D. Henrique,

Leia mais

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos)

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) http://www.dges.mcies.pt/bolonha/ ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) A razão de um novo sistema de créditos académicos Um dos aspectos mais relevantes

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre

Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre O presente regulamento procura dar unidade e consistência lógica ao regime a que devem obedecer

Leia mais

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Algarve A.1.a.

Leia mais

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Ese

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO)

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO) SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO) 1 Principal(ais) área(s) de estudo da qualificação: Engenharia Civil - Planeamento Urbanístico Engenharia Civil

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA Normas Regulamentares PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares do Ciclo de Estudos de Mestrado em Genética Molecular

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A

PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A Processo de Bolonha: Sistema de Graus do Ensino Superior 1- Introdução O designado por Processo de Bolonha

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

A conferência da IMO de Manila:

A conferência da IMO de Manila: Miolo 237:Layout 1 10/09/20 11:58 Page 30 A conferência da IMO de Manila: Principais alterações à Convenção e ao Código STCW Sumário Neste artigo descrevem-se sucintamente alguns aspectos da Convenção

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS)

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) (Ratificado pelo Conselho Científico em 20 de Abril de 2006) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1.º Objecto Em conformidade

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS Versão 1.1 Setembro 2013 1. Critérios (mínimos) de referência quanto à qualificação do corpo docente para a acreditação

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA (Edição 2015-2017) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. Gestão Logística

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. Gestão Logística Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação Gestão Logística Edital 1ª Edição 2012 1 Enquadramento Tem vindo a ser reconhecida, por políticas governamentais

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Regulamento de Creditação de Formação e de Experiência Profissional Preâmbulo O n.º 1 do artigo 45.º-A do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, prevê

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS DE ESTUDOS DOS CURSOS ADEQUADOS AO PROCESSO DE BOLONHA I Calendário e carga horária 1. O ano escolar tem início em Setembro e termina em

Leia mais

Gustavo Ribeiro Alves

Gustavo Ribeiro Alves Formação em Engenharia no Mundo Um olhar sobre a Europa Gustavo Ribeiro Alves Instituto Politécnico do Porto (IPP) Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) Centro de Inovação em Engenharia e Tecnologia

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE INFORMAÇÃO PESSOAL. João Alfredo Tavares Amaro Rua Frei Amador Arrais 39 - r/c Ap. 104 7801-902 Beja PORTUGAL CURRICULUM VITÆ

M ODELO EUROPEU DE INFORMAÇÃO PESSOAL. João Alfredo Tavares Amaro Rua Frei Amador Arrais 39 - r/c Ap. 104 7801-902 Beja PORTUGAL CURRICULUM VITÆ M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITÆ INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Institucional João Alfredo Tavares Amaro Rua Frei Amador Arrais 39 - r/c Ap. 104 7801-902 Beja PORTUGAL Telefone (+351) 284 311 311 Fax

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial CURSO Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial (2.º Ciclo) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10 Artigo 1º Objectivo e âmbito O Regulamento do Curso de Pós-Graduação em Coordenação de Unidades de Saúde, adiante designado por curso, integra a organização, estrutura curricular e regras de funcionamento

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação

Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação Mestrado em Conservação e Restauro 1 Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação Artigo 1º Criação A Universidade Nova de Lisboa (UNL),

Leia mais

Deliberação n.º 762/2003

Deliberação n.º 762/2003 Deliberação n.º 762/2003 de 27 de Maio Deliberação n.º 763/2003. - Por deliberação da Secção Permanente do Senado, em reunião de 5 de Fevereiro de 2003, foi aprovada a criação do curso de Mestrado em Ciências

Leia mais

MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS

MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS PROCEDIMENTOS E REGRAS A ADOPTAR PARA A FIXAÇÃO DOS CRÉDITOS A OBTER EM CADA ÁREA CIENTÍFICA E A ATRIBUIR POR CADA UNIDADE CURRICULAR (de acordo com Dec.- Lei nº 42/2005)

Leia mais