CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE (QUESTÕES DE 01 A 15)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE (QUESTÕES DE 01 A 15)"

Transcrição

1 Questão 01 (Peso 0,50) CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE (QUESTÕES DE 01 A 15) é o estudo sistemático das dimensões morais - incluindo visão moral, decisões, conduta e políticas - das ciências da vida e atenção à saúde, utilizando uma variedade de metodologias éticas em um cenário interdisciplinar (REICH, 1995, XXI). A alternativa que melhor preenche a lacuna apresentada no texto é: A) Utopia B) Bioética C) Deontologia D) Tecnociência E) Ética em saúde Questão 02 (Peso 0,75) Avedis Donabedian, um grande estudioso da temática sobre avaliação de serviços de saúde, propôs sete pilares da qualidade, que são utilizados com frequência por pesquisadores e profissionais que trabalham com gestão da qualidade assistencial. Tendo em vista as definições propostas por Donabedian, numere a segunda coluna de acordo com a primeira. (1) Eficácia ( ) É o quanto o cuidado se adapta aos desejos, às expectativas e aos valores dos pacientes. (2) Efetividade ( ) É o resultado do cuidado obtido na situação real. ( ) É o que é justo ou razoável na distribuição dos cuidados e de seus (3) Eficiência benefícios. (4) Aceitabilidade ( ) É o resultado do cuidado obtido na melhor situação possível. ( ) Inclui o conceito de custo. Se duas medidas são igualmente (5) Equidade eficazes e efetivas, a mais eficiente é a de menor custo. A alternativa que apresenta a sequência correta, de cima para baixo, é: A) B) C) D) E) Questão 03 (Peso 0,75) Segundo Donabedian (1980), a sistematização da avaliação da qualidade está fundamentada em três aspectos: a estrutura dos serviços, os processos que caracterizam os cuidados em saúde e os resultados alcançados. Neste sentido, é correto afirmar que A) o resultado envolve recursos físicos, humanos, materiais, financeiros e equipamentos necessários para a assistência médica. B) a estrutura corresponde ao produto final da assistência prestada, considerando a saúde, a satisfação dos padrões e as expectativas dos usuários. C) o processo se refere às atividades envolvendo os profissionais da saúde e os usuários, além de incluir o diagnóstico, o tratamento e os aspectos éticos da relação entre o médico, a equipe de saúde e o paciente. D) a estrutura fundamenta-se no princípio de que, ao fazer aquilo que à luz do conhecimento atual é considerado certo, é mais provável que o resultado seja melhor do que se o processo correto não for aplicado. E) a abordagem de processo diz respeito ao alcance ou não dos objetivos do cuidado em saúde definidos. Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1

2 Questão 04 (Peso 0,75) Fonte: A figura acima faz alusão às dificuldades e desafios enfrentados atualmente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O SUS é um sistema de saúde público e universal criado a partir da Constituição Federal Brasileira de 1988, que foi regulamentado pela Lei Federal nº 8080/90. Sobre a Lei nº 8080/90, é correto afirmar que: A) Dispõe sobre as condições para a prevenção, proteção e tratamento da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes, e dá outras providências. B) Dispõe sobre a reorientação do modelo de atenção à saúde no País, por meio do apoio à Atenção Básica. C) Regula, em todo o território nacional, as ações e serviços de saúde executados isolada ou conjuntamente, em caráter permanente ou eventual, por pessoas naturais ou jurídicas de direito público ou privado. D) Dispõe sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde, e dá outras providências. E) Estabelece normas para a definição, alteração e suspensão dos valores do limite financeiro global do Município, Estado e Distrito Federal. Questão 05 (Peso 0,75) Com base nos fundamentos da Vigilância Epidemiológica, analise as afirmativas abaixo e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas. ( ) O Brasil vem acumulando importantes vitórias na área de vigilância epidemiológica, prevenção e controle de doenças, a exemplo da erradicação da poliomielite e do sarampo. ( ) Tem-se observado profundas mudanças no perfil epidemiológico das populações, no qual se verifica declínio das taxas de mortalidade por doenças infecciosas e parasitárias, crescente aumento das mortes por causas externas e doenças crônico-degenerativas. ( ) As competências de cada nível do sistema de saúde (municipal, estadual e federal) abarcam todo o espectro das funções de vigilância epidemiológica, porém com graus de especificidades variáveis. ( ) A notificação corresponde à comunicação da ocorrência de determinada doença ou agravo à saúde feita à autoridade sanitária somente por profissionais de saúde. A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é: A) F F V V B) V F V F C) V V F F D) F V V F E) F V F V Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 2

3 Questão 06 (Peso 0,50) A Portaria nº 687, de 30 de março de 2006, aprova a Política de Promoção da Saúde. Sobre esta política, é correto afirmar que: A) Apresenta como objetivo geral promover a qualidade de vida, aumentando a vulnerabilidade e riscos à saúde relacionados aos seus determinantes e condicionantes. B) Reconhece no tratamento da saúde uma parte fundamental da busca da equidade, da melhoria da qualidade de vida e de saúde. C) Promove o entendimento da concepção de saúde como ausência de doença entre os trabalhadores de saúde. D) Busca valorizar e ampliar a cooperação do setor saúde com outras áreas de governos, setores e atores sociais para a gestão de políticas públicas. E) Não prevê ações voltadas para a preservação do meio ambiente. Questão 07 (Peso 0,75) Sobre a Seção II (Da Saúde), situada no Capítulo II (Da Seguridade Social) e no Título VIII (Da Ordem Social), da Constituição Federal de 1988, analise as afirmativas abaixo, identificando com V as verdadeiras e com F as falsas. ( ) O Sistema Único de Saúde será financiado com recursos do orçamento da seguridade social, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, além de outras fontes. ( ) É permitida a destinação de recursos públicos para auxílios ou subvenções às instituições privadas com fins lucrativos, desde que previstos em lei. ( ) Não compete ao Sistema Único de Saúde participar da formulação da política e da execução das ações de saneamento básico. ( ) As instituições privadas poderão participar de forma complementar do Sistema Único de Saúde, segundo diretrizes deste, mediante contrato de direito público ou convênio, tendo preferência as entidades filantrópicas e as sem fins lucrativos. A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é: A) V F V F B) V F F V C) F F V V D) F V F V E) V V F F Questão 08 (Peso 0,75) Analise as assertivas abaixo sobre as disposições da Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990 e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas. ( ) O Sistema Único de Saúde (SUS) contará, em cada esfera de governo, sem prejuízo das funções do Poder Legislativo, com as seguintes instâncias colegiadas: Conferência de Saúde e Conselhos Intergestores. ( ) Os recursos do Fundo Nacional de Saúde (FNS) alocados como cobertura das ações e serviços de saúde a serem implementados pelos Municípios, Estados e Distrito Federal destinar-se-ão a investimentos na rede de serviços, às coberturas assistencial, ambulatorial e hospitalar e às demais ações de saúde. ( ) Para receberem os recursos de que trata esta lei, os Municípios, os Estados e o Distrito Federal deverão contar somente com: Fundo de Saúde, Plano de Saúde e Comissão de elaboração do Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS). ( ) Os Municípios não poderão estabelecer consórcio para execução de ações e serviços de saúde. A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é: A) F V F F B) V V V F C) F V V V D) F F F V E) V F F F Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 3

4 Questão 09 (Peso 0,75) O Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011, regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. De acordo com as disposições deste decreto, numere a segunda coluna de acordo com a primeira. (1) Comissões Intergestores ( ) Serviços de atendimento inicial à saúde do usuário no SUS. ( ) Serviços de saúde específicos para o atendimento da (2) Portas de Entrada pessoa que, em razão de agravo ou de situação laboral, necessita de atendimento especial. ( ) Conjunto de ações e serviços de saúde articulados em (3) Rede de Atenção à Saúde níveis de complexidade crescente, com a finalidade de garantir a integralidade da assistência à saúde. ( ) Espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades (4) Serviços Especiais de culturais, econômicas e sociais e de redes de comunicação Acesso Aberto e infraestrutura de transportes compartilhados, com a finalidade de integrar a organização, o planejamento e a execução de ações e serviços de saúde. ( ) Instâncias de pactuação consensual entre os entes (5) Região de Saúde federativos para definição das regras da gestão compartilhada do SUS. Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta, de cima para baixo. A) B) C) D) E) Questão 10 (Peso 0,50) O (A) consiste no processo de identificação, formulação e priorização de problemas em uma determinada realidade. Seu objetivo é permitir a identificação dos problemas e orientar a definição das medidas a serem adotadas. No âmbito do Sistema de Planejamento do SUS, compreende um momento para elaboração do Plano de Saúde. A alternativa que melhor preenche a lacuna apresentada no texto é: A) Gestão em saúde B) Análise situacional C) Relatório de gestão D) Levantamento de problemas E) Formulação dos objetivos, diretrizes e metas Questão 11 (Peso 0,50) A constitui-se no conjunto de ações e serviços que proporcionam o conhecimento e a detecção de fatores de risco do meio ambiente que interferem na saúde humana. O sistema integra informações e ações de diferentes setores com o objetivo de prevenir e controlar os fatores de risco de doenças e de outros agravos à saúde, decorrentes do ambiente e das atividades produtivas. Tais ações e serviços são prestados por órgãos e entidades públicas e privadas (BRASIL, 2002). A alternativa que melhor preenche a lacuna apresentada no texto é: A) Vigilância Sanitária B) Auditoria em Saúde C) Vigilância Epidemiológica D) Atenção Primária em Saúde E) Vigilância Ambiental em Saúde Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 4

5 Questão 12 (Peso 0,75) Fonte: A figura acima faz referência ao importante papel de fiscalização do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária. Analise as assertivas abaixo e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas. ( ) A fiscalização sanitária atua sobre o mercado de produtos oferecidos à população de maneira a identificar problemas e tomar ações que evitem ou minimizem os riscos à saúde ( ) A responsabilidade pela fiscalização é somente do componente nacional do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária. ( ) Ações como a retirada do mercado de produtos sem registro, com desvio de qualidade ou comercializados por empresas sem autorização da Agência, só podem ser realizadas com a autorização dos Conselhos Nacionais de Saúde. ( ) O Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária (Notivisa) é uma ferramenta informatizada que permite que queixas técnicas sobre produtos e empresas sejam registradas e encaminhadas para todos os órgãos de vigilância sanitária do país. A alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo, é: A) V V F F B) V F V F C) F F V V D) V F F V E) F V F V Questão 13 (Peso 0,75) O Ministério da Saúde tem desenvolvido diversas ações em prol da segurança do trabalho em saúde. Em 2006, publicou o protocolo de notificação de acidentes do trabalho fatais, graves e com crianças e adolescentes. Analise as assertivas abaixo e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas. ( ) Acidente de trabalho fatal é aquele que leva a óbito imediatamente após sua ocorrência ou que venha a ocorrer posteriormente, a qualquer momento, em ambiente hospitalar ou não, desde que a causa básica, intermediária ou imediata da morte seja decorrente do acidente. ( ) Acidente de trabalho mutilante (grave) é aquele que acarreta mutilação, física ou funcional, e o que leva à lesão cuja natureza implique comprometimento extremamente sério, que pode ter consequências nefastas ou fatais. ( ) Acidente de trabalho com crianças e adolescentes é aquele que acomete trabalhadores com menos de 10 anos de idade, na data de sua ocorrência. ( ) A investigação dos casos poderá ser feita em conjunto com outros órgãos públicos afins, como o Ministério do Trabalho, a Polícia Militar e Civil e o Ministério Público. A alternativa que apresenta a sequência correta, de cima para baixo, é: A) F F F V B) V V F V C) F V F F D) V F V V E) V V V F Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 5

6 Questão 14 (Peso 0,75) O Pacto pela Saúde é um conjunto de reformas institucionais do SUS pactuado entre as três esferas de gestão - União, Estados e Municípios. Analise as assertivas abaixo e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas. ( ) O Pacto de Gestão do SUS expressa os compromissos dos gestores do SUS com a consolidação do processo da Reforma Sanitária Brasileira e articula as ações que visem qualificar e assegurar o SUS como política pública. ( ) O Pacto em Defesa do SUS valoriza a relação solidária entre gestores, definindo suas diretrizes e responsabilidades, contribuindo para a centralização da gestão em cada unidade da federação. ( ) O Pacto pela Vida reforça no SUS o movimento da gestão pública por resultados, estabelece um conjunto de compromissos sanitários considerados prioritários, pactuado de forma tripartite, a ser implementado pelos entes federados. ( ) O Pacto pela Saúde tem como objetivo promover a melhoria dos serviços ofertados à população e, bem assim, a garantia de acesso a todos. Sua adesão constitui um processo de cooperação permanente entre os gestores e negociação local, regional, estadual e federal. A alternativa que apresenta a sequência correta, de cima para baixo, é: A) V F F V B) F F V V C) F V V F D) V F V F E) F V F V Questão 15 (Peso 0,50) Sobre a Política Nacional da Atenção Básica, é correto afirmar que: A) A Política Nacional de Atenção Básica tem na Unidade Básica de Saúde sua estratégia prioritária para expansão e consolidação da atenção básica. B) A Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011, aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Secundária. C) A longitudinalidade do cuidado pressupõe a descontinuidade da relação clínica, desprivilegiando a construção de vínculo e a responsabilização entre profissionais e usuários. D) A Atenção Básica é desenvolvida com o mais alto grau de centralização, utilizando tecnologias de cuidado pouco complexas. E) A Portaria nº 648/GM/MS, de 28 de março de 2006, foi revogada pela Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS DA GRADUAÇÃO-NUTRIÇÃO (QUESTÕES DE 16 A 35) Questão 16 (Peso 1,00) Sobre a avaliação nutricional e a dietoterapia do paciente com Insuficiência Renal Crônica (IRC) em tratamento dialítico, é correto afirmar que A) dentre os objetivos do cuidado nutricional nesses pacientes, impedir o balanço nitrogenado negativo é um aspecto de menor importância no tratamento deles. B) anorexia, hipercatabolismo, perda de nutrientes no processo dialítico e doenças intercorrentes são fatores que contribuem para a deterioração do estado nutricional desses pacientes. C) a restrição proteica é uma conduta no tratamento dialítico, uma vez que não se verificam perdas durante este processo. D) não se recomenda ingestão proteica diária superior a 0,8 a 1,0 g/kg de peso seco/dia para pacientes submetidos a tratamento dialítico. E) as vitaminas lipossolúveis A, E e K, assim como a vitamina D, necessitam ser suplementadas, pois suas perdas são consideráveis pelo processo dialítico. Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 6

7 Questão 17 (Peso 0,75) Em relação às Neuropatias, é correto afirmar que: A) As doenças neurológicas têm pouco potencial como causa de distúrbios alimentares, que, quando ocorrem, se limitam a dificuldades na deglutição dos alimentos. B) Distúrbios no controle da fome e da saciedade são comuns após lesões neurológicas, uma vez que regiões do cérebro associadas com a regulação do apetite, como o hipotálamo ventromedial e o lobo temporal, podem ser afetadas. C) Dentre os sintomas neurológicos relacionados com a alimentação, a disfagia é o menos frequente, estando presente em pequeno percentual com distúrbios nos pacientes neurológicos. D) A abordagem nutricional dos pacientes com distúrbios neurológicos não guarda relação com a doença básica e com a localização da lesão, de modo que se pode traçar um plano de cuidado nutricional único para tais pacientes. E) A nutrição enteral é desaconselhada como alternativa para os pacientes que são tratados com terapia de reabilitação, mesmo que a ingestão alimentar se dê em quantidade insuficiente para atender às necessidades nutricionais destes indivíduos. Questão 18 (Peso 1,00) Na insuficiência respiratória aguda com apresentação grave, como a que ocorre nos portadores da síndrome da angústia respiratória do adulto (SARA), submetidos à ventilação mecânica, a desnutrição instala-se abruptamente, também de forma aguda. Já na insuficiência respiratória crônica, a desnutrição se estabelece de maneira lenta e progressiva, agravando diretamente a doença de base, criando uma série de complicações que comprometem o estado nutricional do paciente. Em face ao exposto, em relação às Pneumopatias, é correto afirmar que: A) Nos casos agudos, o suporte nutricional adequado diminui a dependência dos pacientes no que se refere aos respiradores mecânicos, através da melhoria da força muscular respiratória. B) Na doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), a qualidade de vida do paciente pouco ou quase nada pode ser alterada em função da melhoria do estado nutricional do mesmo. C) Nos pacientes portadores de insuficiência respiratória, verificamos uma diminuição das necessidades energéticas inerente à própria doença. D) Na terapia nutricional do paciente com insuficiência respiratória, o aporte excessivo de carboidratos não resultará num grande aumento de CO 2, não tendo, portanto, implicação no aumento do trabalho respiratório para a manutenção da PCO 2 dentro de limites toleráveis. E) A diminuição da ingestão alimentar devido à hiporexia somada ao aumento das necessidades energéticas promovem um aumento do anabolismo proteico, como forma de obtenção de energia através da gliconeogênese. Questão 19 (Peso 1,00) Considerando os conhecimentos atuais sobre a importância da terapia nutricional no paciente cirúrgico, analise as proposições abaixo e assinale com V as verdadeiras e com F as falsas. ( ) O suporte nutricional pré-operatório, num período de 7 a 15 dias, traz inúmeros benefícios ao paciente, especialmente o fortalecimento do sistema imunológico e a manutenção e recuperação funcional dos múltiplos órgãos. ( ) A nutrição enteral é um recurso a ser utilizado em pacientes cirúrgicos, tanto no pré quanto pós-operatório, sempre que houver risco de desnutrição, não se fazendo indicação, portanto, da nutrição parenteral em tais pacientes. ( ) A terapia nutricional em cirurgia é recomendada como recurso para prevenir complicações e diminuir a mortalidade pós-operatória em pacientes desnutridos ou em risco de desnutrição. A sequência correta, de cima para baixo, é encontrada na alternativa: A) V V V B) V V F C) V F V D) F F V E) F V F Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 7

8 Questão 20 (Peso 0,75) No que diz respeito à avaliação nutricional e terapia nutricional no paciente séptico, diversas questões são levantadas. Analise as assertivas e assinale com V as verdadeiras e com F as falsas. ( ) São situações típicas, nesses pacientes, a intensa e acelerada proteólise, o aumento da excreção de nitrogênio e o balanço nitrogenado negativo. ( ) A disfunção de múltiplos órgãos é uma consequência direta do intenso catabolismo proteico, devendo a terapia nutricional buscar reverter tal evento o mais precocemente possível. ( ) Como resultado do aumento da gliconeogênese hepática e da diminuição da captação de glicose pelos tecidos dependentes de insulina, temos como resultado um constante estado de hiperglicemia. A alternativa que apresenta a sequência correta, de cima para baixo, é: A) V F F B) F V V C) V V F D) V V V E) F F V Questão 21 (Peso 0,75) Dentre as alternativas abaixo, aquela que está correta no que diz respeito à terapia nutricional enteral é: A) As fórmulas administradas, via sondas enterais e gástricas, em sua totalidade, podem ser consideradas hipercalóricas. B) A alimentação via sonda gástrica apresenta menor risco de refluxo e de aspiração pulmonar em comparação com aquela via sonda enteral. C) O uso de fórmulas poliméricas e a progressão mais rápida do volume da dieta infundido são mais fáceis de serem alcançados por via de jejunostomia em comparação com a via nasogástrica. D) O uso de dieta artesanal só apresenta vantagens em comparação com as dietas industrializadas, sendo que ambas podem ser administradas livremente, sem levar em conta a velocidade de infusão. E) A nutrição enteral apresenta diversas vantagens em relação à nutrição parenteral, dentre as quais a presença dos nutrientes no trato digestivo, estimulando o trofismo e mantendo a integridade intestinal. Questão 22 (Peso 0,75) O estado nutricional adequado é o somatório do equilíbrio entre a ingestão balanceada de alimentos, fontes de nutrientes e o consumo de energia necessário para manter as funções vitais do organismo. Na existência de algum fator que interfira em qualquer das etapas desse equilíbrio, os riscos de desnutrição são iminentes. No que diz respeito à desnutrição, é correto afirmar que: A) O metabolismo do paciente, quase sempre, pode ser alterado pela presença de doenças, ao passo que o tratamento efetuado tem pouca ou nenhuma responsabilidade por estas alterações. B) A desnutrição pode ser consequência de fatores diversos, como a diminuição da ingestão de nutrientes, o aumento das necessidades energéticas e proteicas, bem como de uma utilização alterada desses nutrientes, redundando em desequilíbrio metabólico. C) A avaliação nutricional do paciente hospitalizado passa a ter importância secundária no tratamento e prevenção da desnutrição, uma vez que tais pacientes por se encontrarem quase sempre acamados, dificultam ou limitam o emprego da antropometria e de exames físicos adequados. D) Os pacientes hospitalizados desnutridos apresentam basicamente as mesmas chances de complicações na sua evolução clínica, quando comparados àqueles não desnutridos. E) Os diversos fenômenos orgânicos deletérios são consequência da desnutrição, esta afeta praticamente todos os órgãos e sistemas, ficando o trato gastrointestinal livre de maiores transtornos. Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 8

9 Questão 23 (Peso 0,50) No que diz respeito ao aleitamento materno e à alimentação do lactante, assinale com V as afirmativas verdadeiras e com F as falsas. ( ) O leite humano atende às necessidades nutricionais básicas da criança, tem reconhecida atividade imunomoduladora, promovendo proteção contra infecções e alergias, estimulando o desenvolvimento do sistema imunológico e o desenvolvimento da microbiota intestinal. ( ) Não se conhecem situações em que o aleitamento materno seja contraindicado; esta modalidade sempre será a melhor opção quando comparada ao aleitamento artificial. ( ) Ao se comparar o perfil proteico do leite materno com o leite de vaca, verificam-se diferenças estruturais e quantitativas significativas, sendo que o percentual de lactoalbumina e de caseína é maior no leite de vaca em comparação com o leite materno. A sequência correta, de cima para baixo, é encontrada na alternativa: A) V V V B) V F V C) V F F D) F V V E) F F V Questão 24 (Peso 0,75) Analise as assertivas a seguir e assinale com V as verdadeiras e com F as falsas. ( ) As necessidades proteicas na infância e na adolescência são maiores do que aquelas verificadas no adulto, visto que acompanham o período de rápido crescimento corporal. ( ) A infância e a adolescência são períodos da vida em que as necessidades energéticas estão relacionadas ao metabolismo, ao crescimento e à atividade física. ( ) Por ser um período de rápido e intenso crescimento, a infância é uma fase crucial no desenvolvimento futuro do indivíduo, portanto deve-se estar atento, primeiramente, ao adequado aporte de energia, ficando a oferta proteica num segundo plano de importância. ( ) Na fase chamada de primeiro estirão, entre dois e seis anos de idade, há um menor ganho de altura em comparação com o ganho de peso. Aponte a alternativa que apresenta a sequência considerada verdadeira: A) F F V V B) F V F V C) V V V F D) V V F F E) V F V F Questão 25 (Peso 0,75) Analise as assertivas a seguir e assinale com V as verdadeiras e com F as falsas. ( ) A maior biodisponibilidade do ferro no leite humano em comparação com a encontrada no leite de vaca é um importante fator protetor contra anemia em crianças em aleitamento materno durante os primeiros meses de vida. ( ) A absorção do ferro não heme pode ser prejudicada pela presença de substâncias que formam compostos insolúveis, por exemplo, os fosfatos, oxalatos e taninos. ( ) Normalmente, pequenas quantidades de ferro são transferidas da mãe para o feto no final da gestação, garantindo reservas suficientes nos nascidos a termo, até por volta dos nove meses de vida. A alternativa que apresenta a sequência correta, de cima para baixo, é: A) V V F B) V V V C) V F V D) F V V E) F F V Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 9

10 Questão 26 (Peso 1,00) Sobre as alergias alimentares, é correto afirmar que A) O desenvolvimento da alergia alimentar pouco tem a ver com fatores ambientais relacionados à exposição a proteína alimentar, sendo que a predisposição genética tem papel preponderante. B) A alergia alimentar é caracterizada por reações imunológicas alteradas, desencadeadas por antígenos alimentares específicos, mediadas ou não por anticorpos IgE. C) Nos lactentes com alergia alimentar que estão em aleitamento materno exclusivo, o desmame precoce e rápido deve ser a primeira conduta adotada. D) A proteína do leite de vaca é o alérgeno alimentar mais estudado em pediatria, sendo que a fração beta-lactoglobulina possui menor poder de sensibilização quando comparada à albumina. E) As manifestações clínicas da alergia à proteína do leite de vaca ocorrem com maior frequência no trato respiratório, quando comparadas com as observadas no trato digestivo. Questão 27 (Peso 0,50) Analise as assertivas e identifique a alternativa correta. A) As necessidades nutricionais aumentam muito pouco na adolescência. B) Na puberdade, é frequente verificar uma estabilização do peso, visto que precede o estirão da adolescência. C) Os bons hábitos alimentares devem ser estimulados na criança, sendo que na adolescência, por ser um período de vida de intensas transformações biológicas e psicossociais, tornam-se dispensáveis maiores preocupações com a alimentação. D) A adolescência é um período de poucas transformações corporais, de modo que a avaliação nutricional nesta fase da vida não apresenta maior complexidade. E) A adolescência é um período da vida de acelerado crescimento; cerca de 50% do peso e por volta de 25% da altura do indivíduo adulto são adquiridos nesta fase. Questão 28 (Peso 0,75) Sobre a vitamina A, em seus estados carenciais e quadro clínico, é correto afirmar que A) a hipovitaminose A é resultado da deficiência dietética desta vitamina, geralmente não estando associada à desnutrição proteico-calórica. B) as manifestações oculares da hipovitaminose A são as mais conhecidas, porém se mostram menos graves e mais precoces. C) o diagnóstico da hipovitaminose A é realizado clinicamente nos indivíduos que apresentam sinais e sintomas da deficiência, sem associação com a história dietética. D) a deficiência desta vitamina pode ocorrer de forma secundária devido a alterações na sua absorção. E) o tratamento da hipovitaminose A é feito com a oferta de alimentos ricos em vitamina A préformada de origem vegetal. Questão 29 (Peso 0,50) No que diz respeito à abordagem do paciente queimado, é correto afirmar que A) O grau de hipermetabolismo é proporcional à gravidade da lesão, sendo o gasto energético dependente do percentual da superfície corporal afetada. B) Nos pacientes gravemente queimados, a elevação da Taxa de Metabolismo Basal (TMB) é estimada, aproximadamente, em uma vez e meia do seu valor normal. C) A nutrição enteral deve ser desencorajada nesses pacientes. A gravidade da lesão e o consequente hipermetabolismo são claras contraindicações desta via de alimentação. D) O tratamento clínico e nutricional deve levar em conta apenas a gravidade das lesões, sendo que doenças crônicas associadas têm importância secundária nesses pacientes. E) A fórmula de Harris-Benedict não se mostra viável para a determinação das necessidades energéticas desses pacientes. Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 10

11 Questão 30 (Peso 1,00) No que diz respeito às alterações nutricionais, metabólicas, morfológicas e à terapia nutricional do paciente com HIV/Aids, identifique com V as afirmativas verdadeiras e com F as falsas. ( ) Aumento do gasto energético, alterações nas proteínas e lipídios são alterações metabólicas encontradas nesses pacientes. ( ) Anorexia e perda de peso podem ser consequentes de alterações gastrintestinais como náuseas, vômitos e diarreia. ( ) O tratamento medicamentoso tem pouca influência sobre o apetite e a ingestão alimentar, não trazendo, desta maneira, consequências nutricionais negativas. ( ) Diminuição de LDL-colesterol e de VLDL-colesterol com aumento de triglicerídeos são encontrados frequentemente nesses pacientes. ( ) O peso é um dos parâmetros de maior importância na antropometria do paciente com HIV/Aids. A sequência correta, de cima para baixo, é encontrada na alternativa: A) V V V V F B) F V V F V C) V V F F V D) F F V V F E) V F V V V Questão 31 (Peso 0,75) O organismo de uma gestante sadia e bem nutrida passa por diversas adaptações fisiológicas com o objetivo de se garantir o crescimento e o desenvolvimento fetais, além de permitir a formação de reservas biológicas necessárias ao período da lactação. Em relação à nutrição das gestantes e nutrizes, é correto afirmar que: A) As necessidades nutricionais de gestantes e nutrizes não são muito diferentes daquelas observadas em mulheres não grávidas, podendo por vezes estar diminuídas. B) O aumento da massa de eritrócitos e o desenvolvimento fetal; o aumento dos tecidos mamário, uterino e placentário são os responsáveis pela elevação das necessidades de ferro no período gestacional. C) Não há evidências de que a ingestão inadequada de folato tenha relação com nenhuma condição associada à gestação. D) O ferro proveniente de fontes alimentares de origem vegetal, ferro heme, é menos absorvido do que aquele proveniente de alimentos de origem animal. E) A transferrina é a principal proteína de armazenamento do ferro no organismo humano. Questão 32 (Peso 0,75) Sobre os cuidados nutricionais de gestantes, identifique com V as afirmativas verdadeiras e com F as falsas. ( ) As recomendações nutricionais para gestantes com diabetes pré-gestacional ou gestacional devem basear-se em uma completa avaliação nutricional; esta deve contemplar aspectos alimentares, monitoramento da glicemia, cetonúria, apetite e ganho de peso, dentre outros. ( ) O IMC pré-gestacional, nas gestantes diabéticas, não tem grande importância, uma vez que o controle glicêmico deve ser o foco principal de atenção. ( ) O total de peso adquirido durante a gestação é mais importante do que o padrão deste, portanto rápido ganho ponderal não passa a ser problema nas gestantes, desde que ao final do período se observe um ganho adequado. A sequência correta, de cima para baixo, é encontrada na alternativa: A) V V V B) V F F C) V V F D) F F V E) F V V Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 11

12 Questão 33 (Peso 0,75) No que diz respeito aos níveis de pressão arterial de gestantes, a pré-eclâmpsia é uma condição que pode ser definida como o aumento da pressão arterial associada com perda de proteína na urina em idade gestacional superior a 20 semanas. A gravidade da pré-eclâmpsia pode ser estabelecida quando se observam alguns achados clínicos e laboratoriais, tais como: A) Proteinúria superior a 5 g/dia e pressão arterial igual o maior que 160x110 mmhg. B) Ureia sérica superior a 80 mg/dl e gestação gemelar. C) Primeira gestação e pressão sistólica superior a 120 mmhg. D) Creatinina superior a 1,8 mg/dl e oligúria (diurese inferior a 1500 ml/dia). E) Gestação gemelar e pressão sistólica superior a 90 mmhg. Questão 34 (Peso 0,50) O Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) é um valioso instrumento de apoio às ações de promoção da saúde que o Ministério da Saúde oferece aos profissionais e gestores do Sistema Único de Saúde (SUS) visando aumentar a qualidade da assistência à população. Sobre o SISVAN, é correto afirmar que A) é um programa de intervenção. B) promove o registro adequado de dados relativos ao estado nutricional individual e coletivo. C) tem como objetivo divulgar as informações e ações básicas a serem implementadas apenas pelos municípios. D) os sujeitos das ações básicas do SISVAN são apenas as crianças e os adolescentes. E) a fonte de dados do SISVAN é restrita aos formulários e protocolos do Ministério da Saúde. Questão 35 (Peso 0,50) O Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) é uma estratégia inovadora que tem por objetivo apoiar e aperfeiçoar a atenção e a gestão da saúde na atenção básica e saúde da família. Sobre o NASF, é correto afirmar que A) O apoio matricial é a proposta central do NASF: ele apresenta a dimensão assistencial que produz ações clínicas e técnico-pedagógicas, com ações de apoio educativo. B) O perfil de atendimento do nutricionista no NASF é exclusivamente individual. C) O NASF se constitui em porta de entrada do sistema de saúde. D) O acolhimento ao usuário e sua humanização não fazem parte das ações do nutricionista do NASF. E) O nutricionista da equipe do NASF não tem envolvimento com ações de vigilância sanitária nos eventos de promoção da alimentação saudável. CONHECIMENTOS BÁSICOS NA ÁREA DE APROFUNDAMENTO DO PROGRAMA E DA GRADUAÇÃO (QUESTÕES DE 36 A 50) Questão 36 (Peso 1,00) No que diz respeito à avaliação nutricional do paciente hospitalizado, é correto afirmar que A) O índice creatinina-altura (ICA) é utilizado para a avaliação da perda de volume muscular, sendo amplamente utilizado nos pacientes com insuficiência renal. B) A contagem total de linfócitos mede as reservas imunológicas do momento, tendo relação com os mecanismos de defesa celular do organismo. C) A avaliação do consumo alimentar, no paciente hospitalizado, é de pouca utilidade, uma vez que estes pacientes estão sob influência negativa do ambiente hospitalar. D) O exame físico é um método para se detectar sinais associados à desnutrição, não sendo utilizado na detecção de sintomas. E) Os marcadores bioquímicos empregados na avaliação do estado nutricional podem ser utilizados isoladamente para o estabelecimento de um diagnóstico nutricional. Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 12

13 Questão 37 (Peso 1,00) A Organização Mundial da Saúde (OMS, 2006; 2007) estabelece parâmetros para o crescimento e o desenvolvimento infantil. Uma criança pode ser diagnosticada com obesidade na seguinte situação: A) A relação altura/idade encontra-se acima do percentil 95. B) A relação IMC/Idade encontra-se acima do percentil 97. C) A relação IMC/Idade encontra-se entre os percentis 50 e 85. D) A relação peso/idade acima no percentil 90. E) A relação peso/estatura encontra-se entre os percentis 50 e 95. Questão 38 (Peso 1,00) Paciente, sexo masculino, 50 anos de idade, hipertenso, dislipidêmico, com história familiar de diabetes. Dados Antropométricos: Altura: 1,70 m; Peso: 95 kg; Circunferência da cintura: 105 cm. De acordo com o índice de massa corporal (IMC), este paciente deve ser classificado como: A) Eutrófico. B) Bem nutrido. C) Obesidade grau I. D) Sobrepeso. E) Obesidade grau II. Questão 39 (Peso 1,00) Quando se analisa a terapia nutricional enteral (TNE) pode-se estabelecer algumas vantagens e desvantagens do uso de sondas enterais em comparação com as sondas gástricas e vice versa. Assinale abaixo a alternativa que apresenta uma clara vantagem do uso da sonda na posição enteral em comparação com a sonda na posição gástrica: A) Posicionamento mais fácil. B) Maior tolerância a fórmulas com osmolaridade elevada. C) Tolerância melhor a fórmulas poliméricas. D) Menor risco de broncoaspiração. E) Melhor tolerância a volumes elevados de dieta. Questão 40 (Peso 1,00) A osmolaridade das fórmulas utilizadas em terapia de nutrição enteral é determinada pela composição delas. Dentre os nutrientes, aqueles que mais contribuem para o aumento da osmolaridade nestas fórmulas são: A) Vitaminas. B) Minerais. C) Glicose. D) Proteínas. E) Lipídios. Questão 41 (Peso 1,00) O rastreamento nutricional é um processo que estabelece as características relacionadas a problemas e distúrbios nutricionais permitindo identificar pacientes em risco nutricional ou desnutridos. Podemos considerar como sendo de risco nutricional os pacientes que apresentam as seguintes características abaixo: A) Perda voluntária ou ganho de peso maior ou igual a 10% do peso habitual em um período de 6 meses. B) Perda voluntária ou ganho de peso maior ou igual a 5% do peso habitual em 3 meses. C) Ganho de peso voluntário superior a 10% do peso habitual em 12 meses. D) Inadequada ingestão calórica e proteica por mais de 7 dias. E) Índice de massa corporal (IMC) de 24 kg/m 2. Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 13

14 Questão 42 (Peso 1,00) No que diz respeito aos indicadores bioquímicos do estado nutricional, podemos afirmar como sendo verdadeira a seguinte alternativa: A) Em pacientes com doenças hepáticas, a albumina tende a ser um ótimo marcador do estado nutricional, pois reflete o grau de comprometimento deste órgão. B) O balanço nitrogenado (BN) é uma medida efetiva do catabolismo proteico muscular. C) A transferrina é uma proteína de armazenamento de ferro mais sensível a mudanças agudas no estado nutricional dos indivíduos. D) A albumina pode ser considerada um ótimo marcador do estado nutricional por ser pouco influenciada por patologias. E) A proteína ideal para ser um marcador do estado nutricional deve ter uma síntese rápida, pequeno pool corporal, meia vida curta, rápida taxa de catabolismo e poucos fatores envolvidos na sua distribuição e metabolismo. Questão 43 (Peso 1,00) Em relação à obesidade, é correto afirmar: A) É uma condição clínica determinada exclusivamente por fatores genéticos e metabólicos. B) A obesidade pode ser considerada um fator de risco independente para a doença cardiovascular. C) O ganho de peso na vida adulta aumenta o risco de doença cardiovascular, sendo dependente do peso inicial e da presença de outros fatores de risco. D) Educação nutricional não faz parte do tratamento dos indivíduos obesos, sendo o foco principal a dietoterapia. E) A obesidade não está associada à gênese da resistência à insulina verificada no diabetes do tipo 2. Questão 44 (Peso 1,00) Sobre o estudo e tratamento da obesidade e do diabetes tipo 2, é correto afirmar que A) Obesidade central, com acúmulo de gordura visceral abdominal, associada à resistência à insulina é um importante fator de risco para o surgimento do diabetes tipo 2. B) Obesidade pode ser definida de forma resumida como o aumento de peso corporal. C) Dietoterapia e atenção nutricional padrão tendem a ser medidas mais efetivas no tratamento da obesidade. D) Perda de peso moderada mostra-se eficaz na redução da dislipidemia e no controle da hipertensão, porém é pouco eficiente na redução da hiperglicemia. E) Os níveis de lipídios séricos não apresentam grande importância nos indivíduos obesos e portadores de diabetes do tipo 2. Questão 45 (Peso 1,00) Sabe-se do papel das dislipidemias como fator de risco para as doenças cardiovasculares, especialmente, a doença arterial coronariana. A respeito das dislipidemias, é correto afirmar que A) As dislipidemias podem ser classificadas em primárias, quando derivam de outras doenças, e secundárias, quando relacionadas a alterações genéticas e ambientais. B) Na hipoalfalipoproteinemia, há uma redução isolada do HDL-colesterol, sempre sem associação com alterações do LDL-colesterol e dos triglicerídeos. C) Dentre os fatores de risco para as doenças cardiovasculares, podemos considerar a obesidade e o sedentarismo como secundários. D) Na hipercolesterolemia familiar, verifica-se o aumento nos níveis de colesterol total e de LDLcolesterol. E) Os ácidos graxos de cadeia curta, como o cáprico e o esteárico, são considerados saturados e estão diretamente envolvidos na elevação do colesterol sérico. Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 14

15 Questão 46 (Peso 1,00) Sobre a terapia nutricional na hipercolesterolemia, analise as proposições abaixo: ( ) Os ácidos graxos EPA e DHA são encontrados em peixes de água fria e profunda, quando ingeridos em quantidades apreciáveis, podem levar à redução dos níveis de triglicerídeos plasmáticos pelo mecanismo de inibição da secreção de VLDL. ( ) Os ácidos graxos monoinsaturados ômega-9 têm como fontes principais o azeite de oliva, óleo de canola, oleaginosas e o abacate. Os principais efeitos destes ácidos graxos, no organismo humano, são a redução do colesterol total e do LDL-colesterol, além dos efeitos antitrombóticos e de inibição da agregação plaquetária. ( ) O consumo de ácidos graxos trans, encontrados amplamente nos óleos e gorduras hidrogenadas utilizados na indústria alimentícia, traz, como complicações metabólicas a elevação do LDL-colesterol e do VLDL-colesterol sem, contudo, alterar os níveis sanguíneos de HDL-colesterol. A alternativa que traz a sequência correta, de cima para baixo, é: A) F V F B) V V V C) V V F D) F F V E) V F V Questão 47 (Peso 1,00) No que diz respeito aos aspectos nutricionais em crianças, analise as proposições abaixo e identifique com V as verdadeiras e com F as falsas. ( ) A cardiopatia congênita pode levar, como consequência dos defeitos estruturais, à ICC. Esta traz limitações na ingestão alimentar com consequente déficit de crescimento e de desenvolvimento. ( ) Pode haver comprometimento da motilidade gástrica e da função absortiva em consequência de hipoxemia e da congestão, típicas da ICC. ( ) A ocorrência de déficit de estatura para a idade em crianças é indicativo de desnutrição crônica. A alternativa que traz a sequência correta, de cima para baixo, é: A) V F V B) V V F C) F V V D) V V V E) F F V Questão 48 (Peso 1,00) A avaliação nutricional faz parte da rotina de cuidados dos pacientes pediátricos. A identificação de risco nutricional possibilita a intervenção precoce e a adequação da dieta no pré e no pós-operatório. Com base nos conhecimentos acerca dos aspectos nutricionais e cirúrgicos em pediatria, marque a alternativa verdadeira: A) O estado nutricional inadequado nestes pacientes tem como consequência aumento da incidência de infecções hospitalares, cicatrização mais lenta de feridas operatórias e aumento do tempo de internação hospitalar. B) O estresse cirúrgico, presente nas intervenções de grande porte, diminui o catabolismo proteico. C) As crianças, com maior grau de déficit nutricional, tendem a permanecer internadas por menos tempo. D) A avaliação antropométrica, no momento da internação, não contribui para identificar pacientes em risco nutricional. E) A intervenção nutricional precoce, visando à melhor recuperação pós-operatória, não deve fazer parte da rotina de cuidados em pacientes cirúrgicos pediátricos. Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 15

16 Questão 49 (Peso 1,00) A orientação nutricional faz parte da alta hospitalar dos pacientes internados. No que diz respeito à afirmação anterior, podemos apontar como verdadeira a alternativa: A) A UL é um nível recomendado para a ingestão de determinado nutriente, sendo especialmente útil seu emprego no planejamento de dietas para a alta de pacientes hospitalizados. B) A pirâmide alimentar representa um guia padronizado e de pouca flexibilidade, não permitindo adaptações quanto à idade, sexo e atividade física. C) As recomendações dietéticas são utilizadas para o fornecimento de dietas equilibradas, sem levar em conta as necessidades nutricionais individuais. D) A ingestão recomendada de fibra alimentar segundo a Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição é de 30 a 35 g/dia. E) O uso das pirâmides alimentares permite apresentar os alimentos em grupos, tornando mais fácil a compreensão pelo indivíduo das orientações e recomendações nutricionais. Questão 50 (Peso 1,00) Marque a alternativa correta. A) Os fatores econômicos apresentam grande influência na escolha dos alimentos, sendo de extrema importância a orientação nutricional sobre a melhor forma de utilizar e preparar os alimentos disponíveis. B) A avaliação nutricional para a alta hospitalar deve levar em conta apenas os dados antropométricos do paciente, e as orientações nutricionais serão baseadas no diagnóstico nutricional que estes permitem. C) As orientações de alta devem ser dadas de forma mais complexa possível, permitindo uma compreensão subjetiva e trazendo informações padronizadas acerca da alimentação adequada. D) Na indicação de dietas especiais, apenas as doenças devem ser levadas em conta. Situações como prevenção de carências nutricionais, crenças religiosas e estilo de vida, não devem influenciar a escolha destas. E) Os princípios de uma dieta equilibrada são semelhantes em indivíduos sadios e doentes, sendo os requerimentos de energia, macro e micronutrientes únicos, não baseados em demandas específicas causadas pelas doenças e seus tratamentos. Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 16

CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE (QUESTÕES DE 01 A 15)

CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE (QUESTÕES DE 01 A 15) Questão 01 (Peso 0,50) CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE (QUESTÕES DE 01 A 15) é o estudo sistemático das dimensões morais - incluindo visão moral, decisões, conduta e políticas - das ciências da vida e atenção

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias

5.1 Doenças do esôfago: acalasia, esofagite, hérnia hiatal, câncer de cabeça e pescoço, câncer de esôfago, cirurgias MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1-Absorção, digestão, energia, água e álcool 2-Vitaminas e minerais 3-Proteínas, lipídios, carboidratos e fibras 4-Cálculo das necessidades energéticas 5-Doenças do aparelho digestivo

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica PANCREATITE AGUDA ETIOLOGIA Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÃO CLÍNICA CRITÉRIOS PROGNÓSTICOS Ranson Na admissão: Idade > 55 anos Leucócitos > 1600 N uréico aumento

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1 CONHECIMENTOS GERAIS SOBRE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (QUESTÕES 01 a 30) Questão 01 (Peso 1) A saúde, através do Sistema Único de Saúde, é desenvolvida através de uma política social e econômica que visa,

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

NOTA TÉCNICA 26 /2013

NOTA TÉCNICA 26 /2013 NOTA TÉCNICA 26 /2013 Institui a Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no Sistema Único de Saúde (SUS) - Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil. Brasília,

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ Rita de Cássia Felix

Leia mais

Prescrição Dietética

Prescrição Dietética Prescrição Dietética Quantitativo Cálculo de Dietas Cálculo de dietas estimar as necessidades energéticas de um indivíduo (atividade física, estágio da vida e composição corporal) Necessidades energéticas

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

068) CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE (QUESTÕES DE 01 A

068) CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE (QUESTÕES DE 01 A CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE (QUESTÕES DE 01 A 15) Questão 01 (Peso 0,75) A Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012, aprovou as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos.

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia Diabetes Mellitus É concebido por um conjunto de distúrbios metabólicos, caracterizado por hiperglicemia resultando de defeitos na secreção de insulina e/ou na sua atividade Report of Expert Committe on

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

A Deficiência de Vitamina A

A Deficiência de Vitamina A Oficina de trabalho: Carências Nutricionais: Desafios para a Saúde Pública A Deficiência de Vitamina A O QUE É VITAMINA A A vitamina A é um micronutriente que pode ser encontrado no leite materno, alimentos

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*)

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*) ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*) Redefine as diretrizes para a organização

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br ANS - Nº 34.388-9 0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br Março 2007 Programa de Atenção ao Diabetes O que é diabetes? AUnimed-BH preocupa-se com a saúde e o bem-estar dos seus clientes, por isso investe em

Leia mais

Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico.

Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico. III CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM NUTRIÇÃO PARENTERAL E ENTERAL ADULTO/PEDIATRIA Estado nutricional: métodos de avaliação, diagnóstico e significado prognóstico. Nut. Eduila Couto eduilacouto@hotmail.com Estado

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE NUTRIÇÃO GRADE (2009).

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE NUTRIÇÃO GRADE (2009). EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE NUTRIÇÃO GRADE (2009). ABASTECIMENTO E CUSTOS EM NUTRIÇÃO 1593 C/H 68 Conceito, processo e classificação de custos. Custos de mão-de-obra. Custos diversos. Política,

Leia mais

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus ERRATA Secretaria de Saúde do DF AUXILIAR EM saúde - Patologia Clínica Sistema Único de Sáude - SUS Autora: Dayse Amarílio D. Diniz Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais

Leia mais

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde Patrícia Constante Jaime CGAN/DAB/SAS/MS Encontro sobre Qualidade na Formação e Exercício Profissional do Nutricionista Brasília,

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Alimentação na Gestação

Alimentação na Gestação ESPAÇO VIDA Nut. Fabiane Galhardo Unimed Pelotas 2012 Alimentação na Gestação 1 GESTAÇÃO PERÍODO MÁGICO DE INTENSA TRANSIÇÃO, ONDE A NATUREZA MODIFICA O CORPO E A MENTE PARA TRANSFORMAR MULHER EM MÃE A

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos?

Módulo 4: NUTRIÇÃO. Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Como monitorar o crescimento dos recém-nascidos? Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 4: NUTRIÇÃO Por que a boa nutrição é importante para o bebê? Qual o melhor leite para eles? Q Quais uais são são as as necessidades

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

PARECER CRN-3 PRESCRIÇÃO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS

PARECER CRN-3 PRESCRIÇÃO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS PARECER CRN-3 PRESCRIÇÃO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS INTRODUÇÃO O Conselho Regional de Nutricionistas da 3º Região, no cumprimento de suas atribuições de orientar e disciplinar a prática profissional dos

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE PORTARIA No- 1.600, DE 7 DE JULHO DE 2011 Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

PARECER COREN-SP 021/2013 CT. PRCI n 100.555. Ticket nº 249.826

PARECER COREN-SP 021/2013 CT. PRCI n 100.555. Ticket nº 249.826 PARECER COREN-SP 021/2013 CT PRCI n 100.555 Ticket nº 249.826 Ementa: Indicação e prescrição pelo Enfermeiro de leite artificial e outras fórmulas. 1. Do fato Enfermeira informa que colabora na formulação

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

NOTA TÉCNICA 42 /2012

NOTA TÉCNICA 42 /2012 NOTA TÉCNICA 42 /2012 Atualiza as diretrizes para organização da prevenção e do tratamento do sobrepeso e obesidade como linha de cuidado prioritária da Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças

Leia mais

Fisiologia da Nutrição na saúde e na Doença da Biologia Molecular ao Tratamento de R$389,00 por R$233,00

Fisiologia da Nutrição na saúde e na Doença da Biologia Molecular ao Tratamento de R$389,00 por R$233,00 Abordagem clínica e nutricional nas Doenças do Esôfago e Estômago Gastroenterologia e Nutrição de R$181,00 por R$108,00 Avaliação e Rastreamento Nutricional na Saúde e na Doença Avaliação Nutricional Aspectos

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico.

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico. Nota Técnica Processo n º Solicitante: Dra. Daniele Viana da Silva Juíza da Comarca de Ervália - Mg Data: 07/12/2012 Medicamento/ Dieta Material Procedimento Cobertura x TEMA: Dieta enteral de soja para

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

Nutrição. Diana e Silva, Marta Rola

Nutrição. Diana e Silva, Marta Rola Outras dimensões Nutrição Diana e Silva, Marta Rola Hospital Pediátrico Integrado/ Centro Hospitalar São João Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto Suporte Nutricional

Leia mais

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil Maria Rita Marques de Oliveira 1- MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO DE ALIMENTOS 2- ACESSO AOS ALIMENTOS 3- ALIMENTO SEGURO 4- PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Janeiro/2009 1. Introdução A introdução de alimentos na dieta da criança após os seis meses de idade tem a função de complementar as

Leia mais

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional I FÓRUM DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional Ações do Ministério da Saúde Brasília-DF, 17/10/06 Educação Alimentar

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

PROVA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM CANCEROLOGIA CLINICA EM ÃREA DA SAÚDE: NUTRIÇÃO PROCESSO SELETIVO Nº 01/2014 DATA: 17/02/2014 HORÁRIO:

PROVA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM CANCEROLOGIA CLINICA EM ÃREA DA SAÚDE: NUTRIÇÃO PROCESSO SELETIVO Nº 01/2014 DATA: 17/02/2014 HORÁRIO: PROVA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM CANCEROLOGIA CLINICA EM ÃREA DA SAÚDE: NUTRIÇÃO PROCESSO SELETIVO Nº 01/2014 DATA: 17/02/2014 HORÁRIO: das 8h30min às 11h30min INSTRUÇÕES CADERNO DE QUESTÕES 1-

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Nutrição 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Nutrição 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Nutrição 2011-1 USO DE PREBIÓTICOS NA ABSORÇÃO DE FERRO EM CIRURGIA BARIÁTRICA Acadêmico: MAIA,

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 10

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 10 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 10 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde

PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012. Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde PORTARIA Nº 2.304, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 (SUS). Institui o Programa de Mamografia Móvel no âmbito do Sistema Único de Saúde O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

regionalização e contratos organizativos de ação pública.

regionalização e contratos organizativos de ação pública. A Regulamentação da Lei 8.080/90: A Regulamentação da Lei 8.080/90: regionalização e contratos organizativos de ação pública. Seminário Nacional PRÓ Saúde e PET Saúde Brasília, 19 de outubro de 2011.,

Leia mais

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 Região de Saúde [...] espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Polí%ca Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e Estratégia Intersetorial de Prevenção e Controle da Obesidade

Polí%ca Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e Estratégia Intersetorial de Prevenção e Controle da Obesidade Polí%ca Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e Estratégia Intersetorial de Prevenção e Controle da Obesidade Seminário Frutas e Hortaliças Florianópolis/SC 07 de agosto de 2014 Câmara Intersetorial

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Porto Alegre/RS, agosto de 2011 Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio

compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio MINISTÉRIO DA SAÚDE Nutrição na Atenção Básica B : compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio 11ªCongresso Mundial de Saúde Pública Rio de Janeiro, 25/08/06, COORDENAÇÃO GERAL

Leia mais

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS

ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS COAP 06/13 ORIENTAÇÕES E ESCLARECIMENTOS 1.0 O que é o Contrato Organizativo da Ação Pública - COAP? O COAP é um acordo de colaboração firmado entre os três entes federativos, no âmbito de uma Região de

Leia mais

Organização Regional da Linha de Cuidado do Sobrepeso e da Obesidade na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Organização Regional da Linha de Cuidado do Sobrepeso e da Obesidade na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA E TEMÁTICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ATENÇÃO ÀS PESSOAS COM DOENÇAS CRÔNICAS Organização Regional da Linha de Cuidado

Leia mais

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO II CICLO DE DEBATES DESNUTRIÇÃO HOSPITALAR A EPIDEMIOLOGIA DA DESNUTRIÇÃO NO BRASIL NA EPIDEMIA DE OBESIDADE A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO Edilaine Maria Stella da Cruz Instituto do Câncer Arnaldo

Leia mais

Resposta Técnica 02/2015

Resposta Técnica 02/2015 Resposta Técnica 02/2015 Data: 10/02/2015 Solicitante: Dr. Sérgio Henrique Cordeiro Caldas Fernandes Juiz de direito da 23ª Vara Cível Comarca de Belo Horizonte Processo: 1682880-83.2014.8.13.0024 Ré:

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais