boletim Normas técnicas na Rio+20

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "boletim Normas técnicas na Rio+20"

Transcrição

1 boletim ISSN ABNT Agosto 2012 volume 10 nº 120 Normas técnicas na Rio+20 A ABNT, em parceria com a ISO e o Sebrae, teve uma participação bem-sucedida na conferência mundial, demonstrando como as normas técnicas oferecem soluções para que governos e organizações de todos os portes enfrentem os desafios globais e sigam o caminho da sustentabilidade.

2 Cursos Destaques de agosto e setembro de 2012 Água de chuva - Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis - ABNT NBR 15527:2007 Requisitos São Paulo - 17/09 Manejo de águas pluviais - Parte 1 Quantidade São Paulo 18/09 Manejo de águas pluviais - Parte 2 Qualidade São Paulo 19/09 Aplicação da norma ABNT NBR 10151:2000 ao controle do ruído no meio ambiente - Conceitos, procedimentos e uso de instrumentos de medição Belo Horizonte 05 e 06/09 Padronização de livros e periódicos São Paulo - 24 e 25/09 Curto circuito, coordenação e seletividade em MT - ABNT NBR 14039:2005 e BT - ABNT NBR 5410:2004 São Paulo - 20, 21 e 22/08 Instalações elétricas de baixa tensão I - ABNT NBR 5410:2004 -Proteção e segurança São Paulo - 21, 22, 23 e 24/08 Introdução à normalização Brasília - 22/08 Responsabilidade social - ABNT NBR 16001:2012 e ABNT NBR ISO 26000:2010 São Paulo 23 e 24/08 Rio de Janeiro - 11 e 12/09 Gestão de riscos - Princípios e diretrizes - ABNT NBR ISO 31000:2009 Rio de Janeiro 23 e 24/08 São Paulo - 10 e 11/09 Gases Efeito Estufa - Princípios e requisitos para a quantificação e elaboração de relatórios de emissões e remoções de gases de efeito estufa (GEE) - ABNT NBR ISO 14064:2007 São Paulo - 23 e 24/08 Passivo ambiental em solo e água subterrânea: Investigação confirmatória - ABNT NBR :2011 São Paulo - 27 e 28/08 Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas - ABNT NBR 5419:2005 Porto Alegre - 27 e 28/08 Rio de Janeiro - 29 e 30/08 Acessibilidade a edificações mobiliário espaços e equipamentos urbanos - ABNT NBR 9050:2004 São Paulo - 29, 30 e 31/08 Porto Alegre - 26, 27 e 28/09 Política Nacional de Resíduos para a Indústria, Saúde e Setor Público São Paulo - 03 e 04/09 Atendimento ao cliente - Qualidade de serviço para pequeno comércio - Requisitos gerais - ABNT NBR 15842:2010 São Paulo 04/09 Diretrizes para a gestão da qualidade em empreendimentos - ABNT NBR ISO 10006:2006 São Paulo - 05 e 06/09 Aplicação de gerenciamento de risco a produtos para a saúde - ABNT NBR ISO 14971:2009 São Paulo 05 e 06/09 Etiquetagem de têxteis com ênfase na norma ABNT NBR NM ISO 3758:2010 São Paulo - 12 e 13/09 Trabalhos Acadêmicos São Paulo - 13 e 14/09 Implantação do plano de gerenciamento de resíduos de saúde PGRSS São Paulo 13 e 14/09 Sistema integrado de gestão (Qualidade, Meio ambiente e Saúde e segurança ocupacional) São Paulo - 17 e 18/09 Pesquisa clínica de produtos para a saúde envolvendo seres humanos - ABNT NBR ISO 14155:2004 São Paulo 17 e 18/09 Sistema de análise de perigos e pontos críticos de controle (APPCC) - ABNT NBR NM 323:2010 São Paulo 19 e 20/09 Meios de hospedagem Sistema de gestão da sustentabilidade Requisitos - ABNT NBR 15401:2006 São Paulo - 20 e 21/09 Gerenciamento de riscos de explosão - ABNT NBR 15662:2009 São Paulo 21/09 Instalações elétricas de baixa tensão II - ABNT NBR 5410: Instalações de potência São Paulo - 25, 26, 27 e 28/09 Gestão sustentável de eventos ABNT NBR ISO 20121:2012 São Paulo - 26/09 Serviços de alimentação - Requisitos de boas práticas higiênico-sanitárias e controles operacionais essenciais - ABNT NBR 15635:2008 Rio de Janeiro - 25 e 26/09 São Paulo - 27 e 28/09 Gestão para o sucesso sustentado de uma organização - ABNT NBR ISO 9004:2010 São Paulo - 27/09 Veja a programação completa no site: Informações e inscrições: Tel.: (11) / 1723

3 [ Editorial ] Soluções compartilhadas AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e a International Organization for Standardization (ISO) contribuíram com a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio+20, mostrando como as normas técnicas internacionais e a certificação ambiental oferecem respostas aos desafios globais e trazem benefícios aos negócios, à sociedade e ao meio ambiente. Milhares de pessoas vieram ao Brasil para participar do evento, que teve como objetivo debater soluções para preservar o meio ambiente, combater a pobreza e reduzir as desigualdades sociais. E mesmo em meio a discursos muitas vezes divergentes, chegou-se a um consenso: desenvolvimento sustentável se faz com a participação de todos, compartilhando responsabilidades e resultados. É esse conceito que conduz as ações da ABNT desde sua fundação. Um processo tão complexo e importante, como a elaboração de normas técnicas, deve ser realizado de forma compartilhada, levando em conta o conhecimento e a experiência de todas as partes interessadas - indústria, governo, academia, consumidores, trabalhadores, ONGs - até que se alcance o consenso. Essa dinâmica multistakeholder é um verdadeiro exercício de diálogo e tem produzido grandes resultados. Exemplo disso é a ABNT NBR ISO 26000:2010 Diretrizes sobre responsabilidade social, que se tornou um marco para a normalização internacional. Primeiro, porque veio disseminar um dos pilares da sustentabilidade, fornecendo orientações para todos os tipos de organizações. E segundo, porque resulta do consenso entre 400 especialistas de mais de 90 países e 42 organizações. Em mais uma importante ação compartilhada, durante a Rio+20, a ABNT e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) lançaram a norma ABNT NBR ISO 14005: Sistemas de gestão ambiental Diretrizes para a implementação em fases de um sistema de gestão ambiental, incluindo o uso de avaliação de desempenho ambiental. A conferência possibilitou também a divulgação dos benefícios do Rótulo Ecológico ABNT a um grande público. Em tempo, a Rio+20 tornou evidente a necessidade de optarmos por ações compartilhadas, visando à minimização dos impactos ambientais e à garantia da qualidade de vida para todos. As normas focadas na sustentabilidade comprovam que isso pode ser feito já. Bastam boa vontade e comprometimento. Para a ABNT, a conferência mundial serviu ainda de estímulo para que continuemos a desenvolver as melhores soluções aos desafios globais, levando a um público cada vez maior a importância das normas técnicas para a economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável. Ricardo Fragoso Diretor-geral

4 ISSN Capas Boletim.indd 13 03/08/12 08:13 boletim ABNT Agosto 2012 volume 10 nº 120 CONSELHO DELIBERATIVO: Presidente do Conselho Deliberativo: Dr. Pedro Buzatto Costa Vice-Presidente: Dr. Walter Luiz Lapietra São Membros Natos: MINISTÉRIO DA DEFESA Secretaria de Ensino, Logística, Mobilização e Ciência e Tecnologia Departamento de Logística, Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel (ABTCP), Confederação Nacional da indústria (CNI), Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), Sindicato da Indústria de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Estado de São Paulo (SINAEES), Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO), Petróleo Brasileiro S/A (PETROBRAS), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), SIEMENS Ltda., Sindicato da Indústria de Máquinas (SINDIMAQ), WEG Equipamentos Elétricos S/A / Sócio Coletivo Contribuinte: Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ), Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (ABINEE), Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (ABRAMAT), Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial (CTA), Instituto Aço Brasil (IABr), Schneider Eletric Brasil, Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SINDUSCON) / Sócio Contribuinte Microempresa: MÉTRON Acústica Engenharia e Arquitetura Ltda., / Sócio Colaborador: Mario William Esper / São membros eleitos pelo Conselho Técnico - Presidente do Conselho Técnico: Haroldo Mattos de Lemos - Comitês Brasileiros: ABNT/CB-03 Eletricidade, ABNT/CB-04 Máquinas e equipamentos mecânicos, ABNT/CB-18 Cimento, concreto e agregados, ABNT/CB-60 Ferramentas Manuais e de Usinagem CONSELHO FISCAL Presidente: Nelson Carneiro. São membros eleitos pela Assembléia Geral - Sócio Coletivo Mantenedor: Instituto Nacional do Plástico (INP). Sócio Coletivo Contribuinte: Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit) / Sócio Coletivo Contribuinte Microempresa: Associação das Empresas Reformadoras de Pneus do Estado de São Paulo (Aresp) / Sócio Individual Colaborador: Marcello Lettière Pilar CONSELHO TÉCNICO: Presidente: Haroldo Mattos de Lemos (ABNT/CB-38) DIRETORIA EXECUTIVA: Diretor Geral Ricardo Rodrigues Fragoso / Diretor de Relações Externas Carlos Santos Amorim Júnior / Diretor Técnico Eugenio Guilherme Tolstoy De Simone Diretor Adjunto de Negócios Odilão Baptista Teixeira ESCRITÓRIOS: Rio de Janeiro: Av. Treze de Maio, 13 28º andar Centro Rio de Janeiro/ RJ Telefone: PABX (21) Fax (21) São Paulo: Rua Minas Gerais, 190 Higienópolis São Paulo/SP Telefone: (11) Fax (11) Minas Gerais: Rua Bahia, 1148, grupo Belo Horizonte/MG Telefone: (31) Fax: (31) Brasília: SCS Q. 1 Ed. Central sala Brasília/DF Telefone: (61) Fax: (61) Paraná: Rua Lamenha Lins, Curitiba/ PR Telefone: (41) (atendimento. Rio Grande do Sul: Rua Siqueira Campos, 1184 conj Porto Alegre/RS Telefone: (51) / Fax (51) org.br) Bahia: Av. Sete de setembro, 608 sala 401 Piedadde Salvador/BA Telefone: (71) EXPEDIENTE BOLETIM ABNT: Produção Editorial: Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) / Tiragem: exemplares / Publicidade: / Coordenação, Redação e Revisão: Monalisa Zia (MTB ) / Oficina da Palavra / Colaboração: Léia Tavares (MTB ) / Assessoria de Imprensa, Redação e Revisão: Oficina da Palavra / Jornalistas Responsáveis: Denise Lima (MTB ) e Luciana Garbelini (MTB ) / Boletim ABNT: Agosto 2012 Volume 10 Nº120 / Periodicidade: Mensal / Projeto Gráfico, Diagramação e Capa: RP Diagramação / Impressão: Type Brasil. PARA SE COMUNICAR COM A REVISTA: Telefone: (11) Fax: (11) Normas técnicas na Rio+20 A ABNT, em parceria com a ISO e o Sebrae, teve uma participação bem-sucedida na conferência mundial, demonstrando como as normas técnicas oferecem soluções para que governos e organizações de todos os portes enfrentem os desafios globais e sigam o caminho da sustentabilidade. [ Sumário ] 03 [ Capa ] Normas técnicas na RIo [ Entrevista ] No caminho da sustentabilidade 14 [Institucional] Um selo de acessibilidade para a rede hoteleira Mais apoio às pequenas empresas de TI ISO discute o futuro da Normalização Internacional Universitários visitam a ABNT ABNT NBR tem nova edição 19 [Dúvidas] 20 [ Turismo e Normalização ] Brasil adota mais quatro normas ISO sobre mergulho 21 [ Consumidor ] Segurança na hora do banho 22 [ Negócios ] Capacitação em instalações elétricas Novos cursos Norma para playgrounds ABNTColeção para universidades 23 [ Normalização em Movimento ] Consulta Nacional Publicações Novas Comissões de Estudo 25 [ Notícias da Certificação ] Hemocentro de Brasília recebe certificado Aço verde para Minas Gerais 26 [ Fique por Dentro ] 28 [ Feiras e Eventos ] 28 [ Novos Sócios ]

5 [ Capa ] Representantes da ABNT e da ISO, parceiros na busca do desenvolvimento sustentável Normas técnicas na Rio+20 Durante a conferência mundial sobre sustentabilidade, a ABNT e a ISO puderam demonstrar como as normas técnicas oferecem soluções para os desafios globais. Representantes dos Estados-membros da Organização das Nações Unidas (ONU) e participantes dos mais variados segmentos da sociedade reuniram-se no Rio de Janeiro, nos dias 13 a 22 de junho, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, para debater a agenda mundial de sustentabilidade para as próximas décadas. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e a International Organization for Standardization (ISO) tiveram participação importante no evento, promovendo um amplo debate sobre as Normas Internacionais e a certificação ambiental como solução para os desafios globais e sua contribuição para desenvolvimento sustentável. Durante a Rio+20 pudemos divulgar a atuação da ABNT e mostrar os benefícios provenientes da adesão às Normas Internacionais relacionadas com a questão da sustentabilidade, afirmou o superintendente do Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental (ABNT/CB-38), Haroldo Mattos de Lemos. A rotulagem ambiental também foi tema de destaque em seminários com a participação de representantes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), da entidade internacional Global Ecolabelling Network (GEN) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a ABNT lançou a norma ABNT NBR ISO 14005:2012, Sistemas de gestão ambiental Diretrizes para a implementação em fases de um sistema de gestão ambiental, incluindo o uso de avaliação de desempenho ambiental 03 Boletim ABNT agosto 2012

6 [ Capa ] (veja box na pág. 08) e o Guia Meios de hospedagem - Sistema de gestão da sustentabilidade, um manual para a implantação da norma ABNT NBR 15401:2006. ABNT no Riocentro No espaço oficial da Rio+20, o Riocentro, ABNT e ISO realizaram em 18 de junho o seminário Normas Internacionais como solução para os desafios globais e sua contribuição para a Economia Verde. O evento teve o objetivo de mostrar que as normas técnicas internacionais, de adesão voluntária e desenvolvidas em um sistema multistakeholder (com a participação de diversas partes interessadas), são verdadeiras ferramentas para se alcançar o desenvolvimento sustentável e a economia verde. O Secretário Geral adjunto da ISO, Kevin McKinley, ressaltou o papel das normas na busca da sustentabilidade e deu exemplos do emprego das normas técnicas no dia a dia das pessoas. Ele finalizou fazendo um convite para que indústria, governo, Organizações Não Governamentais (ONG) e sociedade civil participem do processo de normalização. O presidente do Grupo de Trabalho sobre Responsabilidade Social da ISO (ISO/TMB/WG SR), Jorge Cajazeira, iniciou sua apresentação abordando a relação entre normas técnicas e sustentabilidade. Em seguida, destacou o processo de desenvolvimento da norma ABNT NBR ISO 26000: Diretrizes sobre responsabilidade social, numa parceria entre Brasil e Suécia. Ele Seminário no Riocentro: contribuindo para a economia verde 04 Boletim ABNT agosto 2012 também falou da importância da norma, ao estabelecer uma ponte entre boas intenções e ações efetivas. Haroldo Mattos de Lemos, vice-presidente do Comitê Técnico de Gestão Ambiental da ISO (ISO/TC-207), deu ênfase aos desafios das empresas com relação à sustentabilidade e apresentou as normas da série ISO Falamos ainda sobre normas internacionais importantes que estão sendo desenvolvidas agora no âmbito da ISO, tais como a de pegada de carbono (ISO 14067) e a de pegada hídrica (ISO 14046), comentou Lemos, que também é presidente do Conselho Técnico da ABNT, vice-presidente do Comitê Técnico de Gestão Ambiental da ISO (ISO/TC 207) e presidente do Instituto Brasil Pnuma, o comitê brasileiro do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. De acordo com Lemos, a ISO definirá como calcular a quantidade de carbono fóssil emitido durante a produção de um produto com base na análise de seu ciclo de vida. Por sua vez, a ISO ajudará as organizações a verificarem qual é a quantidade de água usada na fabricação de um produto e seu impacto sobre o meio ambiente. O presidente do Comitê de Critério de Sustentabilidade para Bioenergia da ISO (ISO/PC 248), Humberto Siqueira Brandi, explicou o processo que vem sendo adotado para elaboração da norma de Critérios de Sustentabilidade para a Bioenergia (ISO 13065). Ele abordou a estratégia de construção dos princípios, critérios e indicadores (PCI) da norma para cada uma das três esferas de sustentabilidade: econômica, social e ambiental. Esses seminários mostraram ao público qual o papel de uma norma técnica e quais as implicações que a existência de normas elaboradas por instituições de grande credibilidade, como a ISO e a ABNT, tem em definir parâmetros que permitam aos usuários estabelecer os níveis de sustentabilidade que desejam para os seus produtos, destacou Brandi. O especialista do Comitê Técnico de Gestão de Energia da ISO (ISO/TC 242), George Soares, mostrou a evolução e a expansão das políticas de eficiência energética, como é desenvolvido o processo de normalização e quais são os objetivos da melhoria contínua do desempenho energético. O diretor de Relações Externas da ABNT, Carlos Santos Amorim Junior, apresentou um panorama das atividades da ABNT no âmbito internacional e enfatizou a importância dos stakeholders no processo de normalização, colaborando para fortalecer e engajar a perspectiva nacional na ISO.

7 [ Capa ] Com a palavra, os stakeholders A ABNT e a ISO encerraram a apresentação no Riocentro convidando representantes da indústria, do governo, de ONGs e trabalhadores para contar suas experiências como usuários de normas técnicas e discutir sua importância como ferramenta para o desenvolvimento sustentável. Na palestra ISO e GRI - parceria para uma Economia Verde, a representante da Global Reporting Initiative (GRI), Glaucia Terreo, falou sobre os relatórios e as ferramentas disponíveis para medir o desempenho organizacional para o desenvolvimento sustentável. Ela também mostrou de que maneira os indicadores de responsabilidade social da GRI relacionam-se com as diretrizes propostas na norma internacional de responsabilidade social, a ABNT NBR ISO 26000:2010. O diretor executivo da ASEAN CSR Network, Thomas Thomas, pontuou os diversos aspectos da norma internacional de responsabilidade social sob a perspectiva dos trabalhadores e discorreu sobre o modelo atual de relacionamento trabalhista. E o coordenador de processos internacionais do Instituto Vitae Civilis, Aron Belinky, fez um panorama dos diversos trabalhos no âmbito da Rio+20 e apresentou um quadro do sistema econômico atual relacionando oportunidades e desafios. A gerente do Departamento de Sustentabilidade de Furnas, Lisangela Gnocchi da Costa Reis, apresentou a trajetória da empresa ao implementar diretrizes de responsabilidade social e de sustentabilidade, as lições aprendidas no processo de elaboração da norma ABNT NBR ISO 26000:2010 e como a abordagem multistakeholder pode aumentar a legitimidade e a credibilidade dessas normas voluntárias. Tivemos a oportunidade de dar um depoimento sob a perspectiva de uma empresa de grande porte e que adota não só normas ISO, mas também outras normas voluntárias que podem auxiliar a gestão de aspectos ambientais, sociais e econômicos, destacou a gerente. A pesquisadora tecnologista da Diretoria de Qualidade do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), Andréa Santini Henriques, falou sobre o papel das normas técnicas para uma das principais atividades da instituição, que é a Avaliação da Conformidade (AC). Ela também comentou o aumento, nas últimas décadas, da demanda por programas de AC com foco em critérios socioambientais, como o Programa de Eficiência Energética (PBE), o Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social e o Programa Brasileiro de Certificação Florestal (Cerflor). O seminário possibilitou aos participantes entenderem como as normas técnicas e a Avaliação da Conformidade estão presentes no dia a dia das pessoas e como podem facilitar as transações comerciais, as relações de consumo, a vivência na sociedade de modo mais amplo, disse a pesquisadora do Inmetro. Além do evento no Riocentro, o circuito de palestras foi replicado em diferentes locais da cidade, contando com a parceria da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) no Forte de Copacabana; Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) no Píer Mauá, e Ministério das Relações Exteriores (MRE), na Arena da Barra. Rotulagem ambiental Durante a conferência mundial, a certificação e a rotulagem ambiental também foram temas de destaque no seminário internacional A Rotulagem Ambiental como instrumento para as ações de redução dos impactos no meio ambiente, organizado pela ABNT. Nosso objetivo foi promover debates acerca da importância da Rotulagem Ambiental, bem como apresentar o projeto desenvolvido pela ABNT para gestão de gases de efeito estufa, a ser implementado junto às pequenas e médias empresas no Brasil, explicou a técnica em Certificação de Sistemas da ABNT, Andréia Mendonça. De acordo com Andréia, atender aos requisitos de conformidade ambiental para obras financiadas pelo governo e compras públicas, melhorar a qualidade ambiental para atender as exportações e incentivar a melhoria contínua de seus processos e produtos são alguns dos motivos que levam as empresas a buscar a certificação de rotulagem ambiental. Uma organização que conquista a certificação ambiental pode comprovar ao mercado e à sociedade que adota práticas destinadas a minimizar impactos negativos à preservação da biodiversidade. Em tempos de busca da sustentabilidade, esse é um diferencial relevante, ela destacou. 05 Boletim ABNT agosto 2012

8 [ Capa ] Convidado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), o gerente de Certificação de Sistemas da ABNT, Guy Ladvocat, fez palestra sobre a importância do Rótulo Ecológico da ABNT, no painel sobre Compras Públicas Sustentáveis, no dia 18 de junho. O MDIC está incentivando muito a rotulagem ambiental, por enxerga-la como uma grande oportunidade em termos de comércio internacional para as empresas brasileiras, destacou Ladvocat. Nos dias 19 e 20 de junho, na Arena da Barra e no Píer Mauá, o seminário internacional sobre rotulagem ambiental teve a participação de diversos convidados. Ladvocat apresentou o programa desenvolvido pela ABNT para sistema de gestão de gases de efeito estufa, na palestra O Fortalecimento do Ecossistema no âmbito do Mercado de Carbono no Brasil - Projeto Greenhouse Gas e as Pequenas e Médias Empresas. Guy Ladvocat explicou os objetivos, as diretrizes e as metas do projeto, que foi desenvolvido em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), com o objetivo de auxiliar pequenas e médias empresas (PME) a medir e gerenciar sua pegada de carbono. Com a iniciativa será possível elaborar um modelo de gestão de gases de efeito estufa (GEE) e obter um melhor entendimento de como criar estratégias mais efetivas para as PME no combate às mudanças climáticas. O analista de Comércio Exterior do MDIC, Antônio José Juliani, fez a palestra A Influência da Rotulagem Ambiental para as Compras Públicas Sustentáveis, destacando a importância do Programa de Rotulagem Ambiental como facilitador da inclusão das empresas certificadas nas licitações públicas, conforme Instrução Normativa n 01, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade ambiental na aquisição de bens, contratação de serviços ou obras públicas pela Administração Pública Federal. Na palestra Rotulagem ambiental no mundo, o vice-presidente da Associação Suíça para Conservação da Natureza, Johanna Sandahl, membro do Global Ecolabelling Network (GEN), mostrou como a entidade desenvolve suas atividades nos países membros, a relevância desses trabalhos no mundo. Ele também falou da participação da ABNT no GEN, como único país associado na América Latina. Fundado em 1994, o GEN é uma associação de organizações de terceira parte, sem fins lucrativos, que 06 Boletim ABNT agosto 2012 promove o reconhecimento de desempenho ambiental, a certificação e a rotulagem para incrementar, promover e desenvolver a rotulagem ambiental de produtos e serviços. O professor titular da UERJ, Júlio Domingos Nunes Fortes, abordou a importância do setor acadêmico na participação do Comitê Técnico de Certificação de Rotulagem Ambiental da ABNT (ABNT/CTC-20) e apresentou o histórico da rotulagem ambiental no Brasil e no mundo. As analistas ambientais do Ibama, Flávia Xavier e Mariana Nakashima, mostraram os benefícios da rotulagem para a redução de impactos ambientais em todo o ciclo de vida do produto e ressaltaram a importância da participação do governo na elaboração de critérios ambientais de certificação da ABNT. Na Arena da Barra, atenção à rotulagem ambiental Destacamos algumas políticas do governo federal que incentivam a rotulagem, como, por exemplo, o Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis, bem como a participação do Ibama na elaboração de critérios para a concessão do Rótulo Ecológico ABNT, comentou Mariana. Para Flávia, o debate sobre rotulagem ambiental foi proveitoso principalmente por tratar do tripé (social, econômico e ambiental) do desenvolvimento sustentável. Há um papel multiplicador importante no processo de rotulagem, o que impulsiona ainda mais este debate. A rotulagem pode atingir produtos de vários segmentos e, mesmo dentro de um único setor, gera um diferencial competitivo que acaba por ser perseguido por outros concorrentes, disse. ABNT e Sebrae No dia 23 de junho, a ABNT e o Sebrae fizeram o lançamento do Guia Meios de hospedagem - Sistema

9 [ Capa ] des de turismo no Brasil, na qual tratou da importância das normas de turismo de aventura e sustentabilidade de meios de hospedagem, conforme a ABNT NBR 15331:2005 e ABNT NBR 15401:2006. O Guia de implantação da ABNT NBR 15401:2006, Meios de hospedagem - Sistema de gestão da sustentabilidade ficará disponível para visualização e impressão no site da ABNT, com acesso irrestrito, assim como os demais guias. Saldo da Rio+20 O Pier Mauá também foi cenário de palestras de gestão da sustentabilidade, manual para a implantação da norma ABNT NBR 15401:2006. O evento aconteceu no Espaço Sebrae de Educação, no Aterro do Flamengo. O objetivo da publicação é aproximar as micro e pequenas empresas do setor de hospedagem da normalização, tornando mais acessível o conteúdo da ABNT NBR 15401, auxiliando na sua implementação. ABNT e Sebrae firmaram um convênio que, entre outras atividades, prevê o desenvolvimento de um conjunto de guias para implementação de normas técnicas para as MPE, explicou a gerente de Editoração e Acervo da ABNT, Janaína Mendonça. A ABNT ficou responsável pelo desenvolvimento dos guias, realizando a seleção dos conteudistas, a diagramação, a publicação e sua disponibilização. Ao todo serão dez guias, cinco dos quais já estão prontos e cuja temática foi estabelecida de acordo com as necessidades apontadas pelo Sebrae, informou Janaína. Durante o evento de lançamento, um dos conteudistas técnicos do Guia de implantação da ABNT NBR 15401, Alexandre Garrido, enumerou as etapas para implementação do sistema de gestão da sustentabilidade, conforme os requisitos da norma de meios de hospedagem. Compareceram ao evento alguns representantes do setor de turismo, que se mostraram animados com o Guia e com as possibilidades de fomentar o desenvolvimento de seus negócios. A ABNT esteve representada pelo diretor técnico, Eugenio Tolstoy De Simone e pelo gerente do Processo de Normalização, Claudio Guerreiro. De Simone fez um relato da importância deste programa em parceria com o Sebrae e como as normas podem impactar positivamente na gestão das micro e pequenas empresas. O gerente geral de Certificação da ABNT, Antonio Carlos Barros de Oliveira, fez a palestra A certificação como uma estratégia de desenvolvimento das ativida- Vinte anos após a Rio 92, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio+20, reforçou o anseio global pela sustentabilidade. Chefes de Estado, empresários, ONGs e sociedade civil reuniram-se para debater como conjugar crescimento econômico e social e proteção ambiental. Ao participar da Rio+20, a ABNT ofereceu a sua contribuição ao debate mundial sobre desenvolvimento sustentável. As normas técnicas são ferramentas tecnológicas essenciais, assim como os processos de certificação, para se alcançar o desenvolvimento sustentável. Desse modo, é preciso sensibilizar, disseminar e divulgar sua importância, contribuindo para as empresas aperfeiçoarem suas práticas e seus processos, destacou o consultor do Sebrae, José Augusto Pinto de Abreu. Ele também é técnico de apoio da secretaria técnica do Comitê Brasileiro do Turismo (ABNT/CB-54) e diretor da consultoria Sextante. O presidente do ISO/PC 248, Humberto Siqueira Brandi, acredita que o mais relevante foi a divulgação para a sociedade da importância da sustentabilidade, despertando grande interesse do público. O legado principal da Rio+20 é ter proporcionado aos setores formadores de opinião uma maior consciência da situação existente, disse Brandi. Para a gerente do Departamento de Sustentabilidade de Furnas, Lisangela Gnocchi da Costa Reis, o A responsabilidade social em foco no Forte de Copacabana 07 Boletim ABNT agosto 2012

10 [ Capa ] principal resultado da Rio+20 será a conscientização de um número cada vez maior de pessoas da escassez de recursos e que as sociedades precisam pactuar acordos e metas para que possam viver num planeta com menos desperdício e com mais equidade social, com garantia de direitos humanos para todos. A pesquisadora tecnologista do Inmetro, Andréa Santini Henriques, ressaltou que os seminários organizados pela ABNT trouxeram expressiva contribuição para os debates na Rio+20. Fiquei satisfeita em ver em alguns auditórios uma plateia relativamente jovem e curiosa sobre o tema. Para os participantes, foi importante constatarem que o processo de construção de normas é aberto a toda a sociedade e que elas refletem não só o estado da arte da ciência e da técnica. Quanto mais estivermos conscientes de que a sustentabilidade é crucial para todos, mais as normas contribuirão para desenvolvimento sustentável, disse. Gestão ambiental para MPE Ficou mais fácil para as micro e pequenas empresas (MPE) implementar um sistema de gestão ambiental e obter a certificação em conformidade com a ABNT NBR ISO 14001:2004. Durante a Rio+20, a ABNT e o Sebrae lançaram a ABNT NBR ISO 14005:2012, Sistemas de gestão ambiental Diretrizes para a implementação em fases de um sistema de gestão ambiental, incluindo o uso de avaliação de desempenho ambiental, norma que auxilia os empreendimentos de pequeno porte a seguir o caminho da sustentabilidade. Em evento realizado no dia 19 de junho, no Espaço Sebrae de Educação, no Aterro do Flamengo, com a participação de 100 pessoas, o presidente da entidade, Luiz Barretto, admitiu que as MPE encontravam dificuldades para adotar processos sustentáveis. A situação muda com a nova norma. A nossa meta é introduzir no dia a dia das MPE uma agenda conectada com as atuais exigências do mercado, principalmente no que diz respeito à certificação e às mudanças tecnológicas. Vamos facilitar o trabalho das empresas para que se mantenham no mercado, daremos assistência para que consigam a certificação, que será fundamental no futuro, afirmou Barreto, manifestando a expectativa de que a norma deixe um legado, uma herança positiva. O Sebrae, por meio de convênio com a ABNT, deu suporte à Comissão de Estudo responsável pela adoção da ISO 14005, em conjunto com empresários de MPE de diferentes setores. 08 Boletim ABNT agosto 2012 O Gerente de Certificação de Sistemas da ABNT, Guy Ladvocat, avaliou como extremamente positiva a participação da ABNT na Rio+20. Tivemos grande repercussão na mídia a respeito do trabalho da ABNT, do programa de rotulagem ambiental e das normas de sustentabilidade. Ao final dos eventos, muitos participantes queriam mais informações sobre nossos programas, revelou. De acordo com o gerente de Relações Internacionais da ABNT, Eduardo Campos de São Thiago, o Brasil está em uma posição de destaque quando se trata de normas para o desenvolvimento sustentável. Hoje os Comitês Técnicos da ISO mais relevantes no aspecto de desenvolvimento sustentável estão sob a liderança da ABNT, afirmou. Ele avaliou os resultados da participação da ABNT e da ISO na conferência mundial: Conseguimos realizar eventos nos principais pontos da Rio+20, para levar a importância da normalização internacional para a economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável O presidente do Sebrae avalia que as empresas sustentáveis destacam-se nos negócios, por isso a entidade não economizará esforços para conduzir as MPE em direção à competência e à eficiência. É um longo processo, e o nosso trabalho vai continuar nos próximos anos. A certificação é um predicado que será exigido cada vez mais por bancos e nas compras públicas. Espero que essa norma seja um atalho eficiente para que as MPE adotem a ABNT NBR ISO 14001, destacou Barreto. A partir da Rio+20, conforme anunciou o governo federal, as compras públicas de bens e produtos deverão ser feitas, preferencialmente, de empresas sustentáveis. Por isso, a nova norma assume maior im- O presidente do Sebrae, Luiz Barreto, entrega norma ao empresário Nairon Monteiro

11 [ Capa ] portância para as MPE, aspecto também ressaltado pelo diretor de Relações Externas da ABNT, Carlos Santos Amorim Junior. Assim como grandes empresas e governos já exigem dos fornecedores a certificação dos sistemas de gestão da qualidade, com base na ABNT NBR ISO 9001, prevê-se que também será exigida a certificação de sistemas de gestão ambiental, argumentou. Amorim ainda enalteceu a parceria produtiva entre a ABNT e o Sebrae nos últimos seis anos, levando a norma técnica como instrumento de inovação para as MPE. Ele lembrou a conferência Rio 92, que resultou na criação do Grupo de Apoio à Normalização Ambiental (Gana) e do Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental (ABNT/CB-38). A International Organization for Standardization (ISO), por sua vez, constituiu o Strategic Advisory Group on Environment (Sage) e a partir deste grupo criou o ISO/TC 207, o Comitê Técnico que desenvolve as normas da Série ISO Hoje temos oportunidade de voltar e lançar uma norma que tem muito a contribuir para o desenvolvimento das pequenas empresas. A ABNT esteve representada no evento também pelo diretor técnico, Eugenio Guilherme Tolstoy De Simone e pelo superintendente do ABNT/CB-38, Haroldo Mattos de Lemos. Pelo Sebrae compareceram, além do presidente Luiz Barreto, o presidente do Conselho Deliberativo, Roberto Simões; o diretor técnico, Carlos Alberto dos Santos e o gerente da Unidade de Acesso à Inovação e Tecnologia, Enio Pinto. O empresário Nairon da Silva Monteiro, fabricante de móveis em Alagoas, participou da Comissão de Estudo responsável pela adoção da ISO e foi o primeiro a receber um exemplar da nova norma. No mercado desde 1993, Nairon usa madeira de reflorestamento de eucalipto em seus produtos, entre outros procedimentos. É gratificante ter o trabalho reconhecido, comemorou. O diretor técnico do Sebrae, Carlos Alberto dos Santos, avaliou a nova norma: É um passo fundamental para não se confundir pequenos negócios com má gestão ou ineficiência. Este é o resultado da parceria estratégica com a ABNT e será levado a todo o Brasil. É um bom desafio, que muda o quadro dos pequenos negócios e traz desenvolvimento sustentável. Por sua vez, o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae, Roberto Simões, declarou que há muitos anos é um entusiasta das normas e da certificação. Que as MPE saiam na frente e sejam recompensadas, afirmou Palestras O superintendente do ABNT/CB-38, Haroldo Mattos de Lemos, fez a palestra magna do evento, Certificação Ambiental e Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas. Ele apresentou a evolução da gestão ambiental por décadas e ressaltou que foi nas décadas de que surgiu o conceito de responsabilidade ambiental. Instrumentos legais e incentivos econômicos implementados nos anos 90, de acordo com o palestrante, vieram atender às demandas por preservação ambiental, cujo marco foi a publicação da norma ISO Embora a conscientização tenha aumentado, o cenário atual preocupa. Estamos consumindo nosso capital natural, eliminamos recursos renováveis em velocidade maior do que eles podem se renovar. Acabou a era da abundância, estamos entrando na era da escassez, alertou Lemos. A apresentação do convênio com a ABNT ficou a cargo de Hulda Oliveira Giesbrecht, analista de Sistemas de Acesso à Inovação e Tecnologia do Sebrae. Ela explicou que o objetivo da parceria é envolver as MPE na elaboração de normas. A meta é ter MPE participando do processo de normalização e temos 10 setores prioritários, para os quais estão sendo criadas normas. José Augusto Pinto de Abreu, consultor do Sebrae que coordenou os trabalhos de elaboração da ABNT NBR ISO 14005:2012, destacou que é preciso enfrentar os grandes desafios do desenvolvimento sustentável e que as normas podem ajudar,porque estabelecem uma linguagem comum a todas as empresas. Ele explicou os objetivos da nova norma, a vantagem da implementação em etapas e aconselhou: As MPE de vem ter consciência do que fazem e começar a minimizar seus impactos ambientais 09 Boletim ABNT agosto 2012

12 [ Entrevista ] Kevin McKinley, secretário-geral adjunto da ISO No caminho da sustentabilidade Durante a Rio+20, o secretário-geral adjunto da ISO, Kevin McKinley, mostrou como as normas técnicas internacionais apresentam soluções práticas aos desafios globais e trazem benefícios aos negócios, à sociedade e ao meio ambiente. D efinitivamente, a conferência Rio 92 colocou a questão do desenvolvimento sustentável na agenda política mundial. Governos, empresas, Organizações Não Governamentais (ONG) e todos os setores da sociedade comprometeram-se a desenvolver soluções para os problemas sócio-ambientais. Presentes naquele evento e motivadas pelo mesmo ideal, a International Organization for Standardization (ISO) e a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), colocaram sua experiência em normalização a serviço da sustentabilidade. A ISO criou grupos estratégicos sobre o tema, como o Strategic Advisory Group on Environment (Sage) e depois o ISO/ TC 207, responsável atualmente pela elaboração de normas da série ISO No Brasil, por sua vez, a ABNT constituiu o Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental (ABNT/CB-38), espelho do ISO/TC 207. Vinte anos depois, a sustentabilidade tornou-se linha mestra das ações desenvolvidas pelos organismos de normalização. O acervo de quase 20 mil normas técnicas publicadas no âmbito da ISO atende de maneira expressiva ao tripé da sustentabilidade, compreendendo desde gestão de qualidade, gestão ambiental e eficiência energética até segurança alimentar, acessibilidade e responsabilidade social, só para citar alguns exemplos. Para mostrar ao mundo que é possível colocar o discurso da sustentabilidade em prática e obter resultados positivos, a ISO e a ABNT participaram da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio+20, nos dias 13 a 22 de junho, no Rio de Janeiro. 10 Boletim ABNT agosto 2012

13 Durante o seminário Normas Internacionais como solução para os desafios globais e sua contribuição para a Economia Verde, o secretário-geral adjunto da ISO, Kevin McKinley, destacou a importância desses documentos no cotidiano e de que forma eles auxiliam as organizações e a sociedade a construir um legado para as futuras gerações. A ISO esteve presente na Rio+20 para promover valiosas ferramentas práticas, medidas e abordagens para o desenvolvimento sustentável. Tivemos a oportunidade de dar exemplos do que pode ser feito, destaca o secretário-geral adjunto da ISO. No cargo desde 2003, McKinley é responsável pelas operações técnicas, políticas e questões de propriedade intelectual para as principais atividades da ISO. Nesta entrevista, ele fala sobre a parceria entre ISO e ABNT e a contribuição das normas técnicas para a efetivação da economia verde e identifica novas tendências na normalização internacional. De que forma a ISO se preparou para a Rio+20? Qual a relevância desse evento? O Conselho da ISO reconheceu a importância estratégica da sustentabilidade e em 2011 estabeleceu uma força tarefa para esclarecer e focar determinadas prioridades nesta área. O Conselho reforçou a necessidade de um guia para os normalizadores quando tratassem de assuntos relacionados à sustentabilidade; deu suporte de comunicação para as várias atividades técnicas do programa de trabalho da ISO que abordassem os aspectos ambientais, econômicos e sociais da sustentabilidade; e apoiou que a ISO promovesse suas atividades e seu papel no desenvolvimento de normas internacionais, baseado no consenso, na Rio+20. [ Entrevista ] A ISO e Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) promoveram seminários em diversos locais durante a Rio+20. Como se deu a parceria? A parceria entre a ISO e a ABNT é forte e crescente. Pessoalmente, posso dizer como foi gratificante fazer a apresentação para o público, com um expressivo grupo de líderes brasileiros que participam dos comitês da ISO relacionados a sustentabilidade, responsabilidade social, gestão de energia, bioenergia e gestão ambiental. Em sua opinião, quais foram os pontos altos dos eventos organizados pela ISO e pela ABNT durante a Rio+20? Um dos destaques para a ISO foi a participação no evento realizado no espaço oficial da Rio+20. Nosso seminário atraiu cerca de 100 participantes, e as discussões foram animadas e engajadas. Acredito que isso também reflete o desejo de governos, empresas, ONGs e outros, de fazer mais para colocar a sustentabilidade em prática e fazer algo diferente do que simplesmente focar a negociação de textos de alto nível. Foi gratificante fazer a apresentação para o público, com um expressivo grupo de líderes brasileiros que participam dos comitês da ISO Em sua palestra, o senhor abordou a contribuição das normas técnicas para a economia verde. De que forma isso ocorre? Os países precisam alavancar seu avanço para uma economia verde. Ferramentas confiáveis são necessárias para ajudar as orga nizações a medirem, controlarem, gerenciarem e aperfeiçoarem suas operações para uma melhor eficiência, desempenho ambiental e igualdade social. Normas internacionais são um caminho prático e globalmente aceito para se fazer isso. Comportamentos organizacionais que são alicerçados nas melhores práticas globais, como as normas ISO, tem um efeito viral na cadeia de valor. O desempenho sustentável torna-se a expectativa para o comércio na cadeia de fornecimento, auxiliando as organizações a elevar seu desempenho, assim como os países de economias fechadas, transformando-os em grandes players regionais e globais e, eventualmente, em economias nacionais mais verdes. O senhor afirmou que a sustentabilidade deixou de ser acessório para se tornar algo fundamental para a estratégia dos negócios. Pode explicar por quê? De acordo com uma pesquisa de julho de 2011, realizada com mais de 3 mil executivos de diferentes setores e regiões, muitas empresas estão integrando princípios de sustentabilidade em seus negócios e estão fazendo isso por perseguir objetivos que ultrapassam em muito a preocupação com a gestão de sua reputação. Economia de energia, desenvolvimento de produtos verdes, manter e motivar os empregados, tudo isso ajuda as empresas a agregar valor ao seu negócio. Praticar a sustentabilidade nos negócios não é uma atividade de caridade, que custa mais do que um negócio normal. Acredito que seja a maneira como os líderes empresariais modernos e com visão de futuro querem causar um impacto positivo no mundo. 11 Boletim ABNT agosto 2012

14 Qual avaliação o senhor faz da participação da ISO e da ABNT na Rio+20? Quais foram os resultados obtidos? Antes do evento e durante as deliberações da Organização das Nações Unidas (ONU) na Rio+20, ficou claro que os estados-membros não estavam exatamente de acordo sobre as próximas etapas que precisam ser implementadas. Creio que a ISO esteve presente para promover valiosas ferramentas práticas, medidas e abordagens para o desenvolvimento sustentável. Tivemos a oportunidade de dar exemplos do que pode ser feito. Qual será o legado da Rio +20? A Rio+20 não forneceu novas metas ou quaisquer novas direções. Expôs a complexidade das questões e realçou certos limites de processos intergovernamentais para resolver grandes desafios globais. A conferência expôs a necessidade de um novo modelo de engajamento de stakeholders e de um novo papel para empresas e sociedade civil fazerem acontecer uma mudança efetiva. A esse [ Entrevista ] respeito, normas internacionais, soluções de consenso multilateral, estão idealmente posicionadas para ajudar a fazer verdadeiros progressos rumo a um mundo mais sustentável. A Rio+20 expôs a necessidade de um novo modelo de engajamento de stakeholders e de um novo papel para empresas e sociedade civil A Norma Internacional sobre responsabilidade social foi publicada em 2010 sob o olhar e a expectativa de milhões de pessoas em todo mundo. Que resultados foram colhidos até agora? A norma ISO tornou-se uma referência amplamente respeitada, fornecendo orientação confiável sobre responsabilidade social para todas as organizações. Estamos realizando uma pesquisa para obter uma perspectiva atualizada da sua aplicação. Posso dizer que no ano passado 36 países adotaram a ISO 26000, e mais 17 planejam adotar. Aproximadamente 10 mil exemplares haviam sido vendidos e a norma estava disponível em 17 idiomas. Espero que esses números aumentem expressivamente. O senhor identifica novas tendências na normalização internacional? O que ainda falta fazer? A ISO continua a ser um foro forte e reconhecido para estabelecer soluções internacionais e abordar questões essenciais de segurança, saúde, interoperabilidade e eficiência. Normas desenvolvidas mais recentemente, tais como as de responsabilidade social, critérios de sustentabilidade para bioenergia, sustentabilidade de eventos, comunicação de pegada de carbono e metodologias de pegada de água, também mostram como o sistema ISO é o foro internacional confiável para abordar alguns dos mais complexos desafios globais. E a ISO fornece soluções que são aplicáveis, orientações práticas que e podem alavancar ações governamentais e não governamentais na direção da sustentabilidade Siga a ABNT nas redes sociais Compartilhe fotos, vídeos, comentários e fique por dentro do mundo da normalização. Facebook: Abnt Normas Técnicas Youtube:

15

16 [ Institucional ] Um Selo de Acessibilidade para a rede hoteleira Iniciativa da ABIH-SP em parceria com a ABNT será importante diferencial por ocasião dos megaeventos esportivos que acontecerão no país nos próximos anos. O presidente da ABNT, Pedro Buzatto Costa, e o presidente da ABIH, Bruno Omori, assinam acordo AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Estado de São Paulo (ABIH-SP) assinaram um acordo de cooperação e lançaram o Selo de Acessibilidade e Inclusão Social, no dia 26 de junho. A iniciativa tem o objetivo de oferecer ao mercado hoteleiro e de turismo um amplo programa de informação e orientação visando à eliminação de barreiras arquitetônicas e de comunicação nas edificações destinadas a hospedagem. A parceria, firmada durante a 3ª Feira de Negócios para o Setor Hoteleiro (Fispal Hotéis), em São Paulo, é focada em três pontos: orientar os empresários para a adequação correta das edificações; promover a sensibilização e a capacitação sobre as necessidades de funcionários e clientes com algum tipo de deficiência; e incentivar a inclusão social. O presidente do Conselho Deliberativo da ABNT, Pedro Buzatto Costa, e o presidente da ABIH-SP, Bruno Omori, assinaram o documento. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que mais de 700 milhões de pessoas no planeta tenham algum tipo de deficiência. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontavam, em 2010, a existência de cerca de 35 milhões de habitantes nessa condição. Além disso, quase 20% dos brasileiros têm idade acima dos 60 anos e 13% da população são obesos, que necessitam de estruturas especiais de acessibilidade. A partir deste cenário foi elaborado o projeto do Selo de Acessibilidade e Inclusão Social, liderado por Bruno Omori e pelo coordenador de Mobilidade e Inclusão da ABIH-SP, Edson Passafaro, focando, principalmente, a preparação da rede hoteleira para atender à demanda durante a Olimpíada de 2014 e a Copa do Mundo em Por meio do convênio, os hotéis paulistas receberão capacitação para oferecer uma estrutura acessível e serão certificados pela ABNT 14 Boletim ABNT agosto 2012

17 [ Institucional ] Mais apoio às pequenas empresas de TI A ABNT, em parceria com o Sebrae, lançou uma nova norma sobre engenharia de software. Palestrantes esclarecem dúvidas dos participantes, no final do evento OFórum Qualidade de Software e Normalização, promovido pela Regional de São Paulo do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas (Sebrae), no dia 11 de julho, foi marcado pelo lançamento da ABNT NBR ISO/IEC :2012, Engenharia de Software Perfis de ciclo de vida para micro-organizações (VSEs) Parte 4-1: Especificações de perfil: Grupo Perfil Genérico. A nova norma técnica deverá estimular a competitividade no mercado de Tecnologia da Informação (TI), ao proporcionar às micro e pequenas empresas (MPE) uma opção acessível de certificação. Paulo Marcelo Tavares Ribeiro, gerente do Sebrae-SP na Região Metropolitana, enalteceu a iniciativa. Este é um passo importante, porque a TI é prioritária para o Sebrae, declarou. Por sua vez, o Prof. Marcelo Pessôa, coordenador do curso de Pós-graduação em Gestão de Projetos em Tecnologia da Informação da Universidade de São Paulo (USP), operacionalizado pela Fundação Vanzolini, elogiou a parceria firmada entre o Sebrae e a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que possibilita a disseminação de normas de TI para as pequenas empresa. Também a coordenadora da Comissão de Estudo responsável pela adoção da norma internacional, Gisele Villas Boas, enfatizou a importância da parceria com o Sebrae, que vem se fortalecendo desde Na abertura do evento, representando a Diretoria da ABNT, ela afirmou: Esperamos que a nova norma possa auxiliar as empresas desenvolvedoras de software no aprimoramento de seu trabalho, em sintonia com os avanços da tecnologia e com as exigências de qualidade nesse mercado tão competitivo. A coordenadora de Projetos de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) do Sebrae-SP, Elderci Maria Garcia, fez a apresentação da entidade e destacou a importância do evento para o mercado de TI brasileiro, que é o sétimo do mundo, representa 4% do Produto Interno Bruto (PIB) e emprega 1,2 milhão de pessoas. Painéis Um dos painéis do Fórum Qualidade de Software e Normalização foi dedicado à apresentação da ABNT NBR ISO/IEC :2012, por Gisele Villas Boas. Integrante da Riosoft, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) que atua no fortalecimento das empresas produtoras de software, Gisele resgatou a história da série de normas desde a criação, em 2005, do Grupo de Trabalho (WG 24) formado no JTC 1/SC 7, o Subcomitê de Engenharia de Software (SC7) que faz parte do Comitê Técnico Conjunto 1 (JTC1) da International Organization for Standardization (ISO) e International Electrotechnical Commission (IEC). A Comissão de Estudo da ABNT participou de todas as reuniões da ISO e ainda fez outras em várias partes do Brasil, com mais de 40 participantes, informou a coordenadora, 15 Boletim ABNT agosto 2012

18 [ Institucional ] destacando que a forte atuação dos brasileiros garantiu ao país a liderança do WG 24. Há estimativa de que a implantação da norma levará, em média, seis meses. Após a primeira fase, de adequação dos processos de produção de software à norma, as empresas poderão ser submetidas a auditoria, visando à conquista da certificação. Além da ABNT NBR ISO/IEC :2012, já foram publicadas: ABNT ISO/IEC TR :2012, Engenharia de Software Perfis de ciclo de vida para micro-organizações (VSEs) Parte 5-1-2: Guia de engenharia e gestão: Grupo perfil genérico: Perfil básico; e ABNT NBR ISO/IEC :2012, Engenharia de Software Perfis de ciclo de vida para micro-organizações (VSEs) Parte 2: Estrutura e taxonomia. O fórum compreendeu ainda painéis sobre os seguintes assuntos: Capability Maturity Model Integration (CMMI), o modelo de referência da engenharia de software, apresentado por Mauro Spinola, da Fundação Vanzolini; e o programa Melhoria de Processos do Software Brasileiro (MPS BR), por Ana Zabeu, da ASR Consultoria. Encerrando o evento, o consultor Guilherme Witte, da empresa Sextante, fez a palestra O impacto da Normalização nas MPE, destacando o trabalho que vem sendo desenvolvido pela parceria ABNT/ Sebrae também nas áreas de apicultura, panificação, gestão ambiental e turismo de aventura ISO discute o futuro da Normalização Internacional Copyright e engajamento de stakeholders preocupam e merecem tratamento especial. AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) participou da reunião do Conselho Estratégico (CS- TRAT) da International Organization for Standardization (ISO), realizada nos dias 11 e 12 de junho, em Genebra, Suíça. O objetivo do encontro foi analisar o cenário e riscos que podem comprometer o futuro da ISO e de seus membros. Após uma profunda avaliação, com uso de metodologia própria, os participantes concluíram que as grandes preocupações estão relacionadas ao copyright das normas e ao engajamento dos stakeholders. Estes temas ameaçam a ISO como entidade e merecem um tratamento especial, com ações de curto a médio prazo por parte de todos os membros. As ações serão discutidas nas próximas reuniões do CSTRAT e do conselho da ISO, em setembro. A ABNT também deve fazer sua avaliação com relação ao impacto destas questões para o cenário local e de outras com características do ambiente no Brasil, preparando seu planejamento estratégico com medidas que possam assegurar a sua permanência como o único foro de normalização nacional Universitários visitam a ABNT Alunos da UNIRIO assistiram a uma palestra preparada pela Diretoria Técnica. AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) recebeu alunos do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) para uma palestra, no dia 4 de julho. Os universitários estavam acompanhados da professora Iris Abdallah, que já visitara a Associação com outros alunos. Coube à Diretoria Técnica a apresentação sobre a normalização, seus princípios e vantagens e sobre a fundação da ABNT e seu papel na sociedade. No final, os visitantes receberam informações sobre o serviço ABNTCatálogo e a Consulta Nacional. Sobre este último assunto, foi reiterada a sua importância e destacado que a participação é livre para qualquer cidadão. O estabelecimento da Norma Técnica por consenso e o princípio da voluntariedade foram amplamente debatidos, para ressaltar a transparência do processo da normalização nacional e internacional. Os universitários puderam perceber de pronto que as Normas Técnicas estão envolvidas no cotidiano de cada um e que a atividade de normalização vai muito além das normas para trabalhos acadêmicos que eles já conheciam. A palestra da Diretoria Técnica também foi uma oportunidade para que alguns colaboradores recentemente contratados e de outras áreas da ABNT pudessem conhecer um pouco mais a atividade de normalização 16 Boletim ABNT agosto 2012

19 [ Institucional ] ABNT NBR tem nova edição Agora, os conceitos estão alinhados aos da Norma Internacional de responsabilidade social. E ntrou em vigor, no dia 3 de agosto, a nova edição da ABNT NBR 16001:2012, Responsabilidade Social Sistemas de gestão Requisitos, destinada a fornecer às organizações os elementos de um sistema de gestão da responsabilidade social eficaz. A norma é certificável e pode ser integrada a outros requisitos de gestão, auxiliando as organizações em seus objetivos relacionados com a responsabilidade social. Esta foi a primeira revisão técnica desde a sua publicação, em O documento foi revisado para que se pudesse acrescentar as experiências com os processos de certificação e alinhar os conceitos com a ISO 26000:2010, Diretrizes sobre Responsabilidade Social. A ABNT NBR foi publicada em 2004 e muita experiência foi acumulada desde então, chegando o momento de promover uma grande melhoria na norma, afirma José Salvador da Silva Filho, coordenador da Comissão de Estudo Especial de Responsabilidade Social (ABNT/CEE-111), responsável pela revisão. No processo de revisão foram utilizadas as informações obtidas em uma pesquisa com organizações certificadas pela norma, iniciativa importante para avaliar a experiência na aplicação das suas diretrizes. Além disso, os princípios, temas e questões da responsabilidade social definidos pela ISO foram plenamente inseridos no modelo PDCA (Planejar, Fazer, Checar, Agir, do inglês Plan, Do, Check, Act) da nova ABNT NBR Outras mudanças como a melhoria do capítulo que trata de Comunicação, a inclusão de capítulo sobre tratamento de Conflitos e Desavenças e pequenos ajustes nos capítulos sobre Documentação, Controle de Registros e Ação Corretiva e Preventiva foram realizadas. A norma está mais moderna e alinhada à ISO 26000, e com isso espera-se um aumento do nível de adoção por parte das organizações em geral, conclui Salvador Um mundo de Normas Técnicas ao seu alcance Representante oficial: Entre em contato conosco e solicite um orçamento SÃO PAULO: SALVADOR: DISTRITO FEDERAL: CURITIBA: RIO DE JANEIRO: BELO HORIZONTE: PORTO ALEGRE: PENSOU NORMAS TÉCNICAS, PENSOU ABNT Anuncio 21x145cm.indd 4 PENSOU NORMAS TÉCNICAS, PENSOU ABNT 22/09/ :16:50

20 [ Institucional ]

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Horário de Funcionamento

Horário de Funcionamento Horário de Funcionamento A biblioteca estará com horário diferenciado de atendimento no período de 02 de janeiro à 17 de fevereiro de 2012: Das 9h às 12h e das 13h às 17h Contamos com a colaboração de

Leia mais

Fontes de informação para fortalecer o seu negócio. Normas Técnicas

Fontes de informação para fortalecer o seu negócio. Normas Técnicas Fontes de informação para fortalecer o seu negócio Normas Técnicas Normalizaçã Um pouco de história... A normalização é uma atividade que existe desde o início da humanidade. Foi um dos meios fundamentais

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18

A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Pré-Fabricação: O Contexto Habitacional e a Sustentabilidade A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 27 de agosto de 2009 ISO = International

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

Qualidade Ambiental ABNT

Qualidade Ambiental ABNT Qualidade Ambiental ABNT PROGRAMA ABNT DE ROTULAGEM AMBIENTAL Andreia Oliveira ABNT Fundação em 1940; Entidade privada, sem fins lucrativos e considerada de utilidade pública; Único fórum brasileiro de

Leia mais

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás Política Ambiental do Sistema Eletrobrás POLÍTICA AMBIENTAL DO SISTEMA ELETROBRÁS 5 OBJETIVO Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas do Sistema Eletrobrás em consonância com os princípios

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Dois temas centrais foram selecionados para o debate na conferência de 2012:

APRESENTAÇÃO. Dois temas centrais foram selecionados para o debate na conferência de 2012: Comércio + Sustentável APRESENTAÇÃO A Rio+20, como é chamada a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, vai ser realizada no Rio de Janeiro em junho de 2012. Exatos vinte anos

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Lançamento do relatório - Mercados Inclusivos no Brasil: Desafios e Oportunidades do Ecossistema de Negócios

Lançamento do relatório - Mercados Inclusivos no Brasil: Desafios e Oportunidades do Ecossistema de Negócios Lançamento do relatório - Mercados Inclusivos no Brasil: Desafios e Oportunidades do Ecossistema de Negócios Ana Cecília de Almeida e Nathália Pereira A Iniciativa Incluir, promovida pelo PNUD Programa

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

O que são normas internacionais?

O que são normas internacionais? APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental

ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental ABNT/CB-38 Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental ISO 14001 - Sistemas de gestão ambiental Requisitos com orientações para uso 06 /10/ 2015 www.abnt.org.br Tópicos Processo de Normalização Histórico da

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional A união faz a força O dito popular encaixa-se como uma luva quando o assunto é associativismo o assunto em pauta no meio sindical. As principais confederações patronais do País estão investindo nessa bandeira

Leia mais

ISO 26000 Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000 Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000 Diretrizes sobre Responsabilidade Social DIFERENCIAIS DA ISO 26000 O que são NORMAS? Registro da tecnologia consolidada Regras, diretrizes, características Resultado de um processo de CONSENSO

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq

Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq A Indústria de Máquinas na Era da Economia Verde Perfil geral A indústria da indústria Fundação:1937- origem de um sindicato têxtil; Possui 1.500

Leia mais

O SEBRAE NA RIO + 20 A pequena empresa como protagonista

O SEBRAE NA RIO + 20 A pequena empresa como protagonista Page 1 of 6 AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DESTAQUE: Conheça as publicações do Sebrae relacionadas à sustentabilidade. O SEBRAE NA RIO + 20 A pequena empresa como protagonista Antes, durante e depois da

Leia mais

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009 PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA PBACV OBJETIVO Estabelecer diretrizes, no âmbito do SINMETRO, para dar continuidade e sustentabilidade às ações de ACV no Brasil com vistas a apoiar o

Leia mais

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar Ambiente virtual para inovar Secti lança Portal Paraense de Inovação para conectar atores estratégicos e aumentar investimento em inovação no Pará Por Igor de Souza Ana possui uma promissora empresa de

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Nelson Pereira dos Reis Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Fiesp Vice presidente Departamento de

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP Departamento de Meio Ambiente - DMA - Divisão de Mudanças Climáticas - Seminário Gestão de Gases de Efeito Estufa Parceria ABNT - BID FIESP, São Paulo,

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais:

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais: PROJETO DA SHELL BRASIL LTDA: INICIATIVA JOVEM Apresentação O IniciativaJovem é um programa de empreendedorismo que oferece suporte e estrutura para que jovens empreendedores de 18 a 30 anos desenvolvam

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS AGENDA DE S E EVENTOS 2015 AGENDA DE S E EVENTOS 2015 CATEGORIAS DE S Introdução à Governança Primeiro passo dentro da Governança Corporativa, os cursos de Introdução à Governança fornecem uma visão de

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

Histórico do Programa Brasileiro do Design

Histórico do Programa Brasileiro do Design Histórico do Programa Brasileiro do Design 1995 Lançamento do Programa Brasileiro do Design; Exposição: "O Brasil Mostra sua Marca". 1996 Concurso da Logomarca do PBD; Estudo: "Design para a Competitividade".

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Anexo V - A Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Breve Histórico A Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do MERCOSUL RECYT, criada em 1992, realizou a sua primeira

Leia mais

AÇÕES INSTITUCIONAIS

AÇÕES INSTITUCIONAIS A ACOBAR é uma entidade de classe, sem fins lucrativos, representante da náutica de lazer em todo o país. Foi fundada em 19 de dezembro de 1975. Em seu quadro associativo possui empresas das mais variadas

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança Favor indicar o departamento no qual opera: 16% 5% Relações externas, Comunicação N=19 79% Estratégia e inovação Gestão de Risco Outros Meio Ambiente, saúde e segurança Outros: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Declaração de Apoio Continuo da Presidente 23/10/2015 Para as partes interessadas: É com satisfação que comunicamos

Leia mais

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente do ISO/TC 207 Presidente, Conselho Técnico T da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

Conheça os espaços disponíveis em nosso portal para divulgação de sua marca, serviços e produtos.

Conheça os espaços disponíveis em nosso portal para divulgação de sua marca, serviços e produtos. O relacionamento próximo e de qualidade da sua empresa com nossa mídia 100% digital é um dos mais poderosos instrumentos de competitividade para divulgação de sua marca. Nossa missão junto a esta mídia

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade?

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Meio acadêmico Sustentabilidade Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Além do maior foco na cadeia de valor e na materialidade, a quarta geração (G4)

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO Data do Evento: 19 a 21 de outubro de 2015 Local: Hotel Bourbon Cataratas Convention & Spa / Foz do

Leia mais

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações

Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Levantamento do Perfil de Responsabilidade Socioambiental nas Organizações Brasília, 19 de abril de 2011 BLOCOS TEMÁTICOS COMPROMISSO PLANEJAMENTO E GESTÃO DESEMPENHO SUSTENTÁVEL CONTRIBUIÇÃO COM O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 04) O que é uma Norma Aquilo que se estabelece como base ou medida para a realização

Leia mais

Sustentabilidade: mapeamento, engajamento e envolvimento de partes interessadas

Sustentabilidade: mapeamento, engajamento e envolvimento de partes interessadas Sustentabilidade: mapeamento, engajamento e envolvimento de partes interessadas Campinas, 24 de junho de 2015 Fernando Penedo Fundador e Sócio Diretor da Baobá Práticas Sustentáveis. Possui 14 anos de

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Almoxarifado Sustentável JBRJ: Uma Experiência de Compra Compartilhada

Almoxarifado Sustentável JBRJ: Uma Experiência de Compra Compartilhada Almoxarifado Sustentável JBRJ: Uma Experiência de Compra Compartilhada Conceito O conceito de Desenvolvimento Sustentável foi endossado pela ONU a partir do Relatório Nosso Futuro Comum: O desenvolvimento

Leia mais

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes.

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. Instituto Ethos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. MISSÃO: Mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde

Inovação, Regulação e Certificação. I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Inovação, Regulação e Certificação I CIMES 1º Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde São Paulo 11/04/2012 ABDI Criada pelo Governo Federal em 2004 Objetivo Objetivos Desenvolver ações

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Outubro/2011 Temas de Interesse Meio Ambiente Ações Sociais / Projetos Sociais / Programas Sociais Sustentabilidade / Desenvolvimento

Leia mais

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável.

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. GREEN PROJECT AWARDS BRASIL Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. CANDIDATURAS 201 INSCRIÇÕES NO PRIMEIRO ANO INSCRIÇÕES FEITAS

Leia mais

Tercera Reunión de Expertos de Gobierno sobre Consumo y Producción Sustentables de America Latina y el Caribe

Tercera Reunión de Expertos de Gobierno sobre Consumo y Producción Sustentables de America Latina y el Caribe Tercera Reunión de Expertos de Gobierno sobre Consumo y Producción Sustentables de America Latina y el Caribe Managua, Nicaragua, 3 5 de agosto de 2005 Ministério do Meio ambiente Agosto/2005 helio.lobo@mma.gov.br

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. Institui a Política de Responsabilidade Socioambiental do Senado Federal. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso da competência que lhe foi conferida pelo

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais