CSEO: UMA FERRAMENTA PARA ANÁLISE TÉCNICA DE SEO EM PÁGINAS WEB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CSEO: UMA FERRAMENTA PARA ANÁLISE TÉCNICA DE SEO EM PÁGINAS WEB"

Transcrição

1 CSEO: UMA FERRAMENTA PARA ANÁLISE TÉCNICA DE SEO EM PÁGINAS WEB Roger Santos Stanley Loh Orientador Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Campus - Canoas Av. Farroupilha, 8001 Bairro São José CEP Canoas - RS RESUMO 30 de novembro de 2011 Este trabalho tem por objetivo apresentar a ferramenta de software CSEO desenvolvida com a finalidade de auxiliar profissionais ou interessados da área de SEO (Search Engine Optmization: otimização de conteúdo para motores de busca). Técnicas de SEO são utilizadas para posicionar sites e páginas web no topo dos resultados de mecanismos de buscas. O Software CSEO faz a análise dos códigos da página consultada através das regras de SEO on-page e apresenta dicas e orientações sobre cada aspecto da mesma através de relatórios. Palavras-chave: CSEO; Buscadores; SEO on-page. ABSTRACT Title: CSEO: A TOOL FOR TECHNICAL ANALYSIS OF SEO ON WEB PAGES The aim of this work is to present a CSEO software tool, developed in this work, whose purpose is to help professionals or other people interested in the area of SEO (Search Engine Optimization: optimization of contents for search engines). Techniques of SEO are used to position sites and web pages on the top of results of search mechanisms. The CSEO software makes the code analysis of seen page through rules of SEO on-page and presents tips and orientations on each aspect of it through reports. Key-words: CSEO; Search Engine; SEO on-page. 1 INTRODUÇÃO Hoje é mais prático e rápido buscar um restaurante, hotel ou produto a partir de duas ou três palavras em um sistema de busca, que mostrará o resultado em segundos, do que abrir um catálogo telefônico, selecionar a letra inicial do que se necessita e ficar paginando até encontrar o que se busca. Ou ainda, abrir um mapa e perder minutos atrás de uma localização necessária através de minúsculas letrinhas, gráficos etc. Analisando desta forma é fácil notar que os mecanismos de busca têm um papel fundamental no dia a dia de cada pessoa, em que cada vez mais se está adotando uma forma digital e prática de encontrar a informação desejada, pois por mais simples que ela seja, as pessoas não querem investir muito tempo ou esforços atrás dela. Em contrapartida, as empresas que desenvolvem motores de busca investem valores significativos para apresentar resultados cada vez mais relevantes a partir do menor número de palavras fornecidas pelo usuário. Estar bem posicionado nos resultados de uma busca, além de garantir uma maior visibilidade do site, também permite e estimula o tão esperado clique do usuário nos links resultantes da pesquisa. Segundo um estudo feito pela empresa Eyetrack (EYETOOLS, 2006), a ferramenta utilizada para analisar o comportamento de visibilidade do usuário da web, os percentuais de visibilidade dos resultados orgânicos de busca são os seguintes (ENGE et al., 2010, p. 35): Posição 1 100% Posição 2 100% Posição 3 100% Posição 4 85% Posição 5 60% Posição 6 50% Posição 7 50% Posição 8 30% 1

2 Posição 9 30% Posição 10 20% A conclusão sobre a pesquisa é: as primeiras seis posições são consideradas posições de ouro, pois são as que, na esmagadora maioria dos casos, são acessadas pelos usuários. Esta técnica ganhou o nome de Golden Triangle (Triângulo Dourado), pois consiste em um mapa de temperatura aplicado no site que captura as áreas mais e menos clicadas pelos usuários. A Figura 1 exemplifica o estudo realizado pela Eyetrack, salientando as áreas mais clicadas (em vermelho) e as áreas menos clicadas (em azul) em um resultado de busca orgânica no buscador Google, a partir do fornecimento das palavras digital câmera cheapest. Este estudo de pesquisa também mostrou que o posicionamento físico diferente dos resultados de busca na tela resultava em padrões diferentes no monitoramento de olhares dos usuários. Ao visualizar uma página de resultados padrão no Google, os usuários tinham a tendência a criar um padrão em forma de F com o movimento de seus olhos, concentrando-se primeiro e por mais tempo no canto superior esquerdo da tela, movendo-se verticalmente para baixo pelos dois ou três primeiros resultados; movendo-se horizontalmente sobre a página até o primeiro resultado pago; movendo-se para baixo mais alguns resultados verticais e, em seguida, mais uma vez horizontalmente até o segundo ou terceiro resultado pago. Esta forma F de visualização se repetiu até as 5º e 6º posições do estudo. (ENGE et al., 2010, p. 31) Figura 1 - Golden Triangle de um resultado de busca do site Google Quanto aos demais resultados, a conclusão dos analistas da empresa Eyetrack foi: se os usuários visualizam os resultados apresentados na parte de baixo da primeira página (leia-se resultados nas 7ª, 8ª, 9ª e 10ª posições), essas pessoas mudam para a página 2 dos resultados, as 11ª, 12ª e 13ª posições, o que não é tão 2

3 ruim, pois ainda estão dentro do Triângulo Dourado, porém com resultados menos relevantes. 33): A partir de um estudo feito pela iprospect e a Jupiter Research, notou-se que (ENGE et al., 2010, p. Os buscadores são o principal recurso que as pessoas utilizam para encontrar um site; 92% dos consumidores on-line utilizam os buscadores; 80% dos usuários não passam das 3 primeiras páginas de resultados; 62% não passam da primeira página de resultados em mecanismos de busca; Bilhões de páginas disputam as primeiras posições. Os estudos acima deixam claro que além dos buscadores serem ferramentas de extrema utilização e importância, estar no topo das buscas é o objetivo de qualquer site que almeja ser visto e visitado pelo usuário. O SEO possibilita exatamente isso: tratar um conteúdo web para que ele fique, visualmente, bem posicionado, de preferência mais ao topo do resultado possível, contendo as informações necessárias que o usuário está buscando naquele momento. Algo importante a frisar é que não existe resultado a curto prazo. SEO é uma rotina, são estudos, análises, métodos que determinarão as particularidades e o futuro de cada assunto tratado. Isso quer dizer que cada assunto, página, produto, conteúdo etc. do web site é singular e, portanto, deve ser analisado individualmente, pois por mais que se tenha produtos parecidos, de mesma marca, mesma cor, mesmo preço etc., não existem coincidências, pois aquela página que foi visitada, aquele produto que foi visto, mesmo que não tenha sido vendido, chamou a atenção por alguns instantes e, talvez por isso, e só por isso mereça uma atenção especial. Um clique em um resultado de um sistema de busca nunca é só um clique; a ação de clicar em uma simples frase ou palavra pode garantir uma compra, conquistar um novo cliente, possibilitar uma recomendação, fazer um contato, pedir um orçamento etc., pode possibilitar inúmeras condições, desde que o site, página e/ou conteúdo, juntamente com os responsáveis pelo SEO, estejam preparados para isso. Analisando o volume de informação dos sites na web e, portanto, a concorrência que existe entre eles para estarem bem posicionados em uma busca, este trabalho apresenta a CSEO, uma ferramenta de software que objetiva auxiliar profissionais ou interessados em SEO on-page a repararem falhas técnicas presentes nas páginas web, conforme os seus relatórios, a fim de deixá-las semanticamente corretas para interpretação dos buscadores e, consequentemente, um melhor posicionamento nos mesmos. Uma vez que os seus resultados são baseados em regras e comportamentos dos próprios buscadores e expertises destes profissionais, torna-se mais eficiente um resultado fundamentado em casos reais. A partir do fornecimento do endereço da página escrito pelo usuário, a CSEO se encarrega de analisar o seu código HTML (Hypertext Markup Language: linguagem de marcação de hipertexto), aplicando regras previamente inseridas pelo seu desenvolvedor a fim de relatar os problemas, informações e soluções encontradas. 2 REFERENCIAL TEÓRICO Neste capítulo é explicitado o referencial teórico que permitiu que a ferramenta CSEO fosse desenvolvida. Inicialmente é abordada uma breve explicação sobre o funcionamento dos buscadores, seus objetivos e a atuação dos mesmos, conforme estatísticas de estudos realizados por empresas mundialmente conhecidas. Ao final do capítulo são apresentados os fatores relevantes e irrelevantes utilizados pelos buscadores para determinar se um conteúdo deve ou não ser indexado e qual o seu valor para o mesmo. 2.1 Como os mecanismos de busca funcionam Os mecanismos de busca seguem dois grandes objetivos (ENGE et al., 2010): Rastrear e indexar os bilhões de documentos acessíveis na web; Responder às pesquisas dos usuários mostrando resultados relevantes. O indexamento de um conteúdo é feito através da varredura das páginas e, por conseguinte, dos seus 3

4 links. Este tipo de varredura é feita por robôs conhecidos como spiders, mas que também podem ser chamados de crawlers, bots ou robots e são ferramentas especialistas para a captura de trechos de conteúdos existentes na estrutura HTML destas páginas. Estes trechos são armazenados nos bancos de dados dos buscadores e recebem uma pontuação para concorrerem em uma melhor posição nos resultados de uma busca com conteúdos do mesmo assunto. Assim que um site é indexado por um buscador, este receberá visitas periódicas dos robôs para a captura e indexamento de novos conteúdos. Segundo afirmações reveladas pelo blog oficial do Google, em 2008 já existiam mais de 1 trilhão de páginas únicas sendo indexadas. (GOOGLE, 2008) A relevância é o primeiro passo para que uma página esteja entre os resultados de uma pesquisa. Se uma página não é relevante, ela será descartada dos resultados. A relevância de uma página é determinada pelo seu conteúdo e pela vizinhança em que se encontra (quem o referencia, quem é referenciado etc.). Em uma postagem no blog oficial do Google, Mike Cassidy, Diretor de Pesquisa e Gestão de Produto do Google disse que os resultados das redes sociais vão influenciar no ranking, conforme as ligações e influências da pessoa ou empresa pesquisada. (GOOGLE, 2011) O fato é que os buscadores possuem um número incomensurável de informação retirada dia a dia de quase toda a web, sendo que cada conteúdo, site, página etc. tem um valor específico para o sistema de busca, que está em constante mutação para a apresentação dos resultados. 2.2 Como são exibidos os resultados dos sistemas de busca Atualmente existem dois tipos de resultados em um sistema de busca: Resultados orgânicos (naturais): Também conhecidos como resultados naturais e são mostrados por inúmeros fatores como importância e relevância do conteúdo, semântica da estrutura do documento HTML, tempo de existência do domínio, aplicação de técnicas de SEO etc. Este artigo será totalmente desenvolvido em cima dos resultados orgânicos. Resultados patrocinados: Como o próprio nome sugere, são resultados que estão sendo pagos para serem exibidos de acordo com algum termo, palavra ou assunto buscado pelo usuário, que já havia sido previamente escolhido e pago pelo patrocinador. A diferença entre estes dois resultados em um sistema de busca é facilmente notada, na qual, geralmente, os resultados patrocinados ficam sempre no topo ou em uma área de destaque colorida ou com alguma borda, permitindo uma rápida e fácil visualização do retorno da busca. O melhor posicionamento em um resultado patrocinado é dado para quem investir mais capital para aquele conjunto de palavras ou frases, de modo que a concorrência é pura e simplesmente financeira. Com relação ao retorno de uma busca orgânica, os resultados são uniformes e, portanto, posicionados de acordo com a sua importância registrada no sistema de busca utilizado, sendo que quanto mais no topo mais importante. A Figura 3 exemplifica uma pesquisa através do buscador Google a partir das palavras carro novo, retornando o tipo de resultado natural (gratuito, orgânico) e pago (patrocinado) para o mesmo conjunto de palavras fornecidas. 4

5 Figura 2 - Resultados naturais (orgânicos) e pagos (patrocinados) 2.3 Fatores inerentes do SEO on-page A empresa SEOmoz, uma das referências mundiais sobre SEO realiza pesquisas anuais com os principais SEOs do mundo para determinar o que eles pensam ser os fatores de classificação mais importantes para uma época, período etc.: (SEOMOZ, 2011) Fatores on-page São aqueles fatores que estão 100% relacionados à página web em questão, ou seja, trata-se do conteúdo interno, tanto nas questões técnicas HTML quanto no próprio conteúdo que é exibido ao usuário. Significância do conteúdo da página que é exibido ao usuário (texto, imagem, anexo etc.); Título da página; Endereço da página; Uso correto de códigos HTML semânticos que auxiliam o sistema buscador; Quantidade de links; Qualidade dos links; Externalização ou globalização dos links Fatores off-page São fatores em que não se há um controle absoluto, pois dependem dos outros usuários ou sistemas que o referenciam. Podem ser citados os seguintes fatores: Quem o referencia; Qual conteúdo é referenciado; Quantos links são referenciados pelos outros usuários; Quais são os textos destes links que referenciam o conteúdo; Tempo de existência de um domínio. 5

6 Teoricamente um site ou página somente conseguirá obter um resultado off-page se pelo menos um dos fatores on-page atingir certa excelência, pois um conteúdo será referenciado se ele contiver assuntos atrativos que outros sites também tenham interesse em publicar. O que não pode ser confundido é que on ou off-page não são os únicos fatores ou mais importantes, mas sim a fatia inicial e constante de qualquer projeto SEO. A ferramenta de software CSEO proposta a este artigo será inteiramente voltada para os processos de SEO on-page. 2.4 Fatores irrelevantes do SEO on-page São fatores em que os buscadores não levam em consideração devido à complexidade ou restrições tecnológicas. Podem ser citadas: Imagens sem descrição Através de estudos atuais e aperfeiçoamentos, os buscadores estão cada vez mais próximos da interpretação de imagens, porém, ainda não há um resultado considerado satisfatório para este assunto. Estas ferramentas de busca até podem reconhecer a cor dos pixels e, a partir daí, determinar se uma imagem contém conteúdo pornográfico de acordo com a quantidade de tons de pele existentes neles. Entretanto, um mecanismo de busca não conseguirá dizer se uma determinada imagem é uma foto de Bart Simpson ou uma casa, um barco etc. Portanto, a única maneira de tornar uma imagem interpretável é através da sua descrição. (ENGE et al., 2010, p. 56) Flash Não existindo a descrição na imagem simplesmente esta será ignorada pelo buscador. Os mecanismos de busca já estão extraindo informações textuais da tecnologia Flash, conforme publicado no blog oficial do Google. (GOOGLE, 2008) Entretanto, um dos grandes problemas encontrados nos arquivos Flash é que eles são muito pictóricos, pois contém pouca ou nenhuma informação textual, fazendo, assim, com que o mecanismo procure as devidas informações dentro dos arquivos HTML que os incorpora; não as encontrando, o buscador, por conseguinte, acaba dando pouca ou nenhuma atenção para a página analisada Áudio e Vídeo Outro problema comumente encontrado no funcionamento de um motor de busca é a questão da interpretação de arquivos de áudio e vídeo. Assim como nas imagens, não é fácil analisar os dados sintaticamente; portanto, não será fácil pontuar ou extrair alguma informação destes tipos de arquivos. Existem algumas exceções, na qual os buscadores conseguem capturar dados limitados, tais como tags ID3, dentro de arquivos MP3, ou podcasts avançados em formato AAC com notas de show textuais. Entretanto, é impossível descobrir que determinado vídeo contém um jogo de futebol e não um filme caseiro. (ENGE et al., 2010, p. 57) Arquivos executados no servidor, baseados no cliente Outro tipo de informação que os buscadores não conseguem extrair é algo que seja executado diretamente no servidor, ou mais especificamente, que o código final não seja legível aos olhos humanos. Um bom exemplo a ser dado é a questão da metodologia AJAX (Asynchronous Javascript and XML: Javascript e XML assíncronos) que tem como fundamento principal entregar e receber informações de um servidor sem a necessidade do usuário atualizar todo o conteúdo da página. O problema ocorre porque o conteúdo é recuperado por um script, que é executado no computador do usuário, só depois de receber alguma ação feita pelo próprio usuário. O resultado desta negociação entre usuário e servidor é a não existência de um código HTML inicial, fato este que prejudica o trabalho do buscador que necessita analisar um código HTML inicialmente. 6

7 2.4.5 Embutimento de conteúdo externo A questão dos conteúdos externos para o HTML não são unicamente dos sites de terceiros e sim uma maneira de incluir um conteúdo, seja ele do mesmo site ou não, a partir da abertura de quadros/janelas no código HTML analisado pelo buscador. A abertura de quadros na página é uma técnica que tem por objetivo dividir o conteúdo, dando a possibilidade de incluir, em uma destas divisões, outros sites que aparentam pertencer à estrutura atual da página visitada. Os buscadores desconsideram conteúdos importados de outros sites, uma vez que, para eles, se o conteúdo foi feito por outro editor, então não deve receber créditos na estrutura atual capturada. (ENGE et al., 2010, p. 58) 3 APRESENTAÇÃO DA FERRAMENTA CSEO Neste capítulo é apresentada a ferramenta proposta, a CSEO, que objetivará entregar ao seu usuário relatórios contendo alguns elementos HTML capturados do site de interesse com seus erros, acertos e informações. Para que se pudesse chegar a resultados maduros, a CSEO foi desenvolvida sob a ótica profissional, levando em consideração o cenário de buscadores em 2011, obras do assunto tratado e profissionais da área. Teoricamente foram apresentados os fatores condizentes ao SEO on-page que devem constar em uma página HTML, levando em consideração elementos que possuem mais e menos relevância para um buscador. O fundamento de uma página web é tornar estes fatores em códigos funcionais para que os buscadores consigam interpretar e indexar de forma excelente o conteúdo tratado. A ferramenta CSEO foi desenvolvida com o intuito de auxiliar profissionais ou interessados em SEO on-page a obterem informações essenciais sobre determinada página web. Através dos seus conhecimentos prévios em web, mas especificamente na linguagem HTML, o usuário que utilizar a ferramenta CSEO poderá se beneficiar de relatórios de vários tipos de elementos, níveis e importâncias também analisadas pelos buscadores. Os relatórios gerados pela ferramenta tendem a agilizar e facilitar a extração de informações que, talvez, não estejam tão explícitas nas páginas de interesse destes usuários, auxiliando-os à tomada de novas decisões e/ou estratégias para o seu negócio. 3.1 Indicadores e técnicas de SEO on-page utilizadas pela CSEO Título da página Segundo estudos da empresa SEOmoz (SEOMOZ, 2011), o título é a única meta-informação que influencia a classificação e a relevância de um resultado, tornando-se um objeto de muita ou máxima importância para o SEO. Para a CSEO, o título é o elemento mais importante, pois é a partir dele que outros elementos serão avaliados positivamente ou negativamente. Aplicam-se algumas técnicas para o título a partir dos estudos de SEO: Existência de um título: basicamente verifica se a página analisada contém um título ou se este não está em branco. A omissão do título em uma página acarreta em um erro para um buscador, pois é a primeira informação listada no resultado da busca. Tamanho do título: 65 é o número máximo de caracteres recomendados, incluindo também os espaços. Alguns autores (MESTRESEO, 2007) e (SEOMOZ, 2011) também sugerem algo entre 60 e 70 caracteres, mas normalmente quando um título é cortado em um resultado fica nos 65. Atualmente o Google suporta até 70 caracteres. Utilização um caractere separador: a utilização de um separador de conteúdo é uma técnica muito eficiente, pois a partir de uma pesquisa os buscadores irão procurar ocorrências destas palavras em todo o corpo do documento e, principalmente, no título. As encontrando, o segundo passo é descobrir em que página elas estão incluídas. Os separadores mais recomendados para esta técnica são a barra vertical ( ) também conhecida como pipe e o hífen (-), sendo que se pode 7

8 combiná-los de acordo com a leitura desejada. (ENGE et al., 2010, p. 244) Descrição do documento As metadescrições são principalmente usadas nas três situações a seguir (ENGE et al., 2010, p. 245): Para descrever o conteúdo da página de forma precisa e sucinta; Para servir como um anúncio de texto curto nos resultados da busca; Para exibir palavras-chave direcionadas, não para fins de classificação, mas para indicar um conteúdo para os buscadores. Na CSEO são adotadas as seguintes regras: Ser sucinto: atualmente o Google exibe até 160 caracteres, o Yahoo até 165 e o Bing mais de 200. Preferencialmente, o limite é 160 caracteres para menos, incluindo os espaços. Palavras existentes no título: são comparadas palavras do título com as da descrição, a fim de reportar se as informações do cabeçalho da página estão dentro do mesmo contexto Palavras-chave (keywords) Um dos grandes problemas encontrados nos sites é a inserção de palavras-chave inconsistentes. Atualmente é fácil notar gravíssimos erros sobre este fator: Muitos webmasters mais antigos pensam que uma vez inseridas está ok e não precisa alterar; Achar que as palavras que saíram da cabeça são as melhores; Colocar as mesmas palavras-chave em todas as páginas; Não atualizar as palavras conforme os termos mais buscados; Não usar uma ferramenta (recomenda-se utilizar as ferramentas dos próprios buscadores, uma vez que eles são os detentores de todas as informações dos sites). Não se deve exagerar no número de palavras, pois quanto mais palavras mais concorrência entre elas. O recomendado é focar nas principais para cada assunto. A CSEO faz comparações das palavras existentes no título e descrição com as palavras-chave, a fim de reportar se as informações do cabeçalho da página estão dentro do mesmo contexto Links Os links, assim como o título, são fatores de importância singular para um bom indexamento e posicionamento. É através dos links que a navegação realmente acontece em um site. Quando um outro site faz referência a algum conteúdo é através de links, ou seja, é definitivamente um fator de transporte extremamente importante para o SEO. Aplicam-se as seguintes técnicas: Link vazio: os buscadores não gostam deste tipo de link, pois eles precisam continuar caminhando pelo site e estes tipos de links travam boa parte dos seus processos, pois apontam para o nada. Limitar o número de links de uma página: Matt Cutts, especialista em Qualidade de Pesquisa do Google, mencionou em um dos seus artigos a seguinte frase: Keep the links on a given page to a reasonable number (fewer than 100) (CUTTS, 2009), que pode ser traduzida para o português Mantenha os links de uma determinada página em um número razoável (preferencialmente menor que 100). Âncoras iguais com endereços diferentes: âncora é, basicamente, o conteúdo visual (texto ou imagem) que uma pessoa aciona (clica) em um link. Teoricamente, uma âncora diz respeito a um endereço (referência), portanto, se existem âncoras iguais referenciando conteúdos diferentes isto é mal interpretado pelos buscadores, uma vez que estes analisam palavras-chave do que link com o conteúdo linkado. Endereços iguais com âncoras diferentes: da mesma forma que a âncora, porém neste procedimento os endereços são idênticos, entretanto, o contexto (âncora) do link exibe informações totalmente distintas. Os buscadores podem avaliar este link de forma negativa a partir da concorrência de palavras existentes nele. 8

9 3.1.5 Cabeçalhos dos conteúdos É um recurso mal interpretado, na maioria dos casos, pelos desenvolvedores/webdesigners do HTML. Isto acontece porque muitas pessoas que desenvolvem páginas consideram os cabeçalhos textos comuns e acabam prejudicando muito a relevância de um determinado conteúdo para um buscador. Visualmente, os cabeçalhos podem ter a mesma formatação de um outro texto, porém é de forma semântica que eles realmente funcionam para o HTML e o grande ponto ganho com isso é que os buscadores também utilizam desta semântica para capturar e pontuar as informações. Existem seis níveis de cabeçalhos, sendo que os cabeçalhos com níveis 1 a 3 são os mais importantes e relevantes para a página, e os 4 a 6 são menos relevantes, porém não ignorados. A CSEO analisa os seis níveis de cabeçalhos de conteúdos Imagens As imagens são recursos visuais que, por enquanto, os buscadores não conseguem interpretar, mas, dão certa atenção, pois muitas vezes as imagens são âncoras de links. Em um conteúdo, as imagens são recursos que podem chamar a atenção, ainda mais se tiverem um fim publicitário, porém, como os buscadores são cegos, a maneira como eles interpretam o conteúdo das imagens é através do atributo ALT inserido no código HTML da imagem. Sendo assim, uma imagem para um buscador somente terá um valor caso ela possua o atributo ALT. Texto descritivo da imagem: é um atributo inserido no código da imagem que tem por objetivo descrever o conteúdo da imagem de forma textual. Esta descrição serve tanto para os buscadores interpretarem a mesma quanto para os deficientes visuais poderem navegar na página. Uma vez que este atributo não é localizado, o buscador simplesmente ignora a imagem podendo negativar a informação. A CSEO analisa todas as imagens da página procurando pelo seu atributo ALT. Não o encontrando, ela tenta localizar o texto mais próximo da mesma para salientar ao usuário se aquela informação capturada diz respeito ao seu conteúdo Frames Frame é um recurso da linguagem HTML que permite a incorporação de outros conteúdos (sejam estes do mesmo site ou não) em alguma página. Os buscadores desconsideram conteúdos importados de outros sites, uma vez que, para eles, se o conteúdo foi feito por outro editor então não deve receber créditos na estrutura atual. Seguindo as funcionalidades de um buscador, a CSEO analisa a presença de frames na página, porém não analisa o seu conteúdo importado Densidade das palavras A fim de ilustrar a quantidade de palavras presentes no documento analisado, a CSEO auxilia os profissionais ou interessados capturando as informações textuais da página, tratando-as e as exibindo para que este visualize as palavras com maior ocorrência. Os buscadores possuem algoritmos que calculam o peso das palavras-chave e outros fatores ligados aos sites armazenados em seus bancos de dados, possibilitando um melhor posicionamento nos resultados de uma busca. Um dos mais conhecidos é o PageRank da empresa Google Códigos CSS (Cascading Style Sheets: folha de estilo em cascata) São, resumidamente, códigos que possuem a formatação de uma página ou site, separando-os da camada estrutural do HTML. Os buscadores não analisam ou se deixam influenciar por códigos CSS para um melhor indexamento, entretanto, a CSEO exibe estes códigos a fim de ilustrar ao interessado questões que podem impactar o processamento da página através da quantidade ou tipo de incorporação dos mesmos no documento Códigos Javascript É uma linguagem baseada em navegador que proporciona funcionalidades ligadas às ações do usuário, 9

10 como janelas de alerta, preenchimento obrigatório de campos em um formulário entre outras. Os buscadores não analisam ou se deixam influenciar por códigos Javascript para um melhor indexamento, entretanto, a CSEO exibe estes códigos a fim de ilustrar ao interessado questões que podem impactar o processamento da página através da quantidade ou tipo de incorporação dos mesmos no documento. Um código Javascript mal escrito ou recursos AJAX podem impossibilitar a captura de informações pelos buscadores. 3.2 Desenvolvimento da Ferramenta A ferramenta de software CSEO foi desenvolvida com o intuito de auxiliar profissionais e interessados da área de SEO on-page a obterem informações essenciais sobre determinada página web, ignorando o local remoto de sua publicação, versão de código, semântica ou qualquer outro aspecto que possa influenciar na interpretação do seu código fonte, bastando simplesmente possuir acesso à internet e um navegador. Através de uma interface simplista, o usuário terá uma única tarefa que é informar o endereço da página em questão que deverá ser analisada pela ferramenta. A Figura 4 ilustra parte da tela inicial da ferramenta, salientando em vermelho a área onde é necessário informar o endereço da página que será o alvo da análise. Figura 3 - Tela inicial da ferramenta CSEO O funcionamento interno da ferramenta, tais procedimentos, módulos e tecnologias serão abordados nos capítulos subsequentes desta mesma seção do artigo. 3.3 Tecnologias utilizadas na CSEO Este capítulo aborda as tecnologias adotadas no desenvolvimento da ferramenta de software CSEO PHP 5.3 PHP: Hypertext Preprocessor é uma linguagem de programação open source dinâmica e comumente utilizada no desenvolvimento de aplicativos web. A utilização desta tecnologia na ferramenta de software CSEO proporcionou vários ganhos quanto às questões de tempo e recursos naturais da própria linguagem, que já são naturalmente direcionados para o auxílio do desenvolvimento web. Uma vez que a CSEO captura códigos HTML de um site genérico, fez-se necessário a utilização de bibliotecas que auxiliassem a entrada destes códigos na estrutura da mesma. São citadas abaixo: CURL: biblioteca desenvolvida por Daniel Stenberg (STENBERG, 2011) que permite a conexão e comunicação com tipos diferentes de servidores e também com tipos diferentes de protocolos. Na ferramenta CSEO, a biblioteca CURL foi empregada para realizar dois objetivos: - Captura do código fonte: resumidamente captura o código fonte da página inserida, analisa a sua codificação e, se necessário, a converte para o tratamento em outras etapas da ferramenta. - Análise do estado da página: para se fazer qualquer procedimento, inicialmente, é necessário identificar se a página apontada para a análise realmente existe. Basicamente verifica-se o link informado, se está on ou off line a partir do protocolo de estado 200 OK (W3C, 2011). DOM (Document Object Model): criado pelo W3C, DOM é um modelo multiplataforma que representa como as marcações HTML, XHTML e XML são organizadas e lidas pelo navegador. Uma vez interpretadas, estas marcações se transformam em elementos de uma árvore que se pode manipular via API (TABLELESS, 2011). No desenvolvimento da ferramenta CSEO foi adotada a classe de manipulação de objetos DOM, PHP Simple HTML DOM Parser (CHEN, 2011), que proporcinou alta produtividade, uma vez que a ferramenta CSEO trabalha 100% baseada em objetos DOM, esta classe auxiliou no desenvolvimento de todas as suas funcionalidades. A Figura 4 exemplifica a disposição dos elementos HTML em uma árvore DOM. 10

11 Figura 4 Exemplo de uma árvore DOM com elementos HTML. Fonte dev.opera.com 3.4 Módulos internos da ferramenta CSEO Este capítulo explana os módulos desenvolvidos para a ferramenta CSEO que estão presentes no funcionamento de cada fator (indicador) analisado pela ferramenta Módulo Checa Link Responsável por verificar se o endereço fornecido pelo usuário encontra-se em estado 200 OK (online). Seu funcionamento ocorre através da biblioteca CURL que recebe o endereço fornecido, faz a requisição do mesmo em até 10 segundos, retornando o estado do endereço. Este módulo está presente no início da análise e definirá se o restante da aplicação continuará trabalhando ou não Módulo Fonte Responsável por capturar e, se necessário, converter o charset de todo o código fonte do endereço fornecido. Seu funcionamento se dá através da biblioteca CURL que recebe o endereço fornecido, faz a requisição, captura o código fonte e por meio de técnicas de Expressão Regular (REGEXP) interpreta o seu charset, analisando se o mesmo encontra-se em latin1 (ISO ). Caso o charset capturado esteja em um formato diferente, o módulo tratará de convertê-lo para latin1. A utilização da codificação latin1 possibilita novas tarefas como a separação, tratamento e análise de palavras da língua portuguesa, que são realizadas em outros módulos da ferramenta. Este módulo está presente no início da análise pela ferramenta e torna todas as demais análises possíveis, pois armazena o código fonte tratado para que cada fator possa interpretar e relatar individualmente suas informações Módulo Html2text Responsável por converter o código fonte, previamente capturado, no formato texto, removendo todas as formatações HTML, eliminando códigos Javascript e CSS. Este módulo utiliza a classe class.html2text.inc.php desenvolvida por Jon Abernathy (ABERNATHY, 2011). Seu funcionamento ocorre através de regras de Expressão Regular configuradas para a eliminação ou substituição de códigos das tecnologias acima mencionadas. Este módulo está presente no indicador de análise de densidade das palavras, que necessita receber o documento sem formatação HTML para a separação, contagem e eliminação das palavras irrelevantes (Stop words) para este fim Módulo Palavra Responsável por capturar todas as palavras de alguns elementos analisados pela ferramenta CSEO. Seu funcionamento se dá através da regra de Expressão Regular [:alpha:]\w+ que separa somente palavras com letras presentes no alfabeto. 11

12 Este módulo está presente nos indicadores título, palavras-chave, descrição e densidade das palavras analisados pela CSEO Módulo Remove Palavra Responsável por eliminar as palavras irrelevantes dentro do documento utilizando-se de técnicas de Stop words. Seu funcionamento se faz através de regras de Expressão Regular que estão configuradas para a remoção de palavras com uma única letra (vogais e/ou consoantes), algumas preposições, conjunções e outras palavras da língua portuguesa. Sua utilização ocorre no módulo de densidade das palavras Módulo Densidade Responsável por capturar, analisar e somar palavras relevantes dentro do documento fornecido. Seu funcionamento aparece através de técnicas de Expressão Regular configuradas para separar palavras relevantes das irrelevantes e também remover informações duplicadas. 3.5 Módulos externos da ferramenta CSEO Os módulos acima listados resumem o funcionamento interno da ferramenta CSEO para uma única ou múltipla tarefa direcionada ao relatório do site ou página web apontada pelo usuário. Este capítulo exemplifica o comportamento externo (para o usuário) da ferramenta CSEO, através dos fatores mencionados no capítulo 3, com base no site ou página web que o usuário está informando na mesma. A fim de manter uma igualdade visual, quanto às questões de relatório para o usuário, foram utilizadas cores, formatos e símbolos que são universalmente conhecidos para determinados fins do mesmo. Juntamente com estes padrões são reunidas informações de profissionais da área sobre determinada explicação, de maneira que a CSEO não criou ou desenvolveu padrão algum para os seus relatórios, mas utilizou padrões e comportamentos adotados por inúmeros profissionais da área neste artigo referenciados. Estes padrões são: Alerta Reporta a omissão de uma informação ou prática de peso leve/mediano, mas não chega a ser um erro que irá prejudicar o indexamento do site pelo buscador. Entretanto, algumas práticas em excesso podem reduzir o peso de alguns fatores da página. No relatório da CSEO, um alerta tem por objetivo auxiliar com técnicas ou práticas que possibilitarão uma melhor compreensão dos buscadores para o fator por ele salientado. Na ferramenta CSEO um alerta é representado por um retângulo em amarelo com a informação relativa e também com um ícone triangular contendo o símbolo! (sinal gráfico de exclamação), comumente utilizado para este fim. A Figura 6 ilustra um alerta hipotético exibido na ferramenta CSEO Erro Figura 5 - Representação de um alerta da ferramenta CSEO Reporta a omissão de uma informação ou prática de peso grave, chegando a ser prejudicial para a eficácia no indexamento pelo buscador. No relatório da CSEO, um erro é algo que se deve levar em consideração e também ser reparado o mais rápido possível, pois além de prejudicar o elemento onde foi e encontrado o erro, também poderá prejudicar outros elementos e, certamente, a qualidade do documento na sua totalidade. Na ferramenta CSEO um erro é representado por um retângulo em vermelho com a informação relativa e também com um ícone circular contendo o símbolo X (letra xis), comumente utilizado para este fim. A Figura 7 ilustra um erro hipotético exibido na ferramenta CSEO Informação Figura 6 - Representação de um erro da ferramenta CSEO Reporta uma ou mais informações e/ou explicações sobre um mesmo elemento. Não acusa erro, alerta ou sucesso e sim dados que, talvez, sirvam para o usuário aprimorar suas técnicas. Muitos destes dados não 12

13 estão explícitos no documento e, por isso, a CSEO os salienta a fim de auxiliar e agilizar a interpretação do usuário para uma mudança ou permanência de estratégia. Uma informação na CSEO é representada por um retângulo em azul com a informação relativa e também com um ícone circular contendo o símbolo I (letra i), comumente utilizado para este fim. A Figura 8 ilustra uma informação hipotética exibida na ferramenta CSEO Sucesso Figura 7 - Representação de uma informação da ferramenta CSEO Reporta uma informação ou prática de sucesso, conformidade, auxiliando a eficácia no indexamento pelo buscador. A CSEO não se detém somente em reportar erros ou alertas, mas também etapas de sucesso, pois o usuário que a está utilizando deve ter ciência que também está caminhando na direção correta e isto torna o serviço motivador. Na ferramenta CSEO um sucesso é representado por um retângulo em verde com a informação relativa, e também com um ícone circular contendo o símbolo (símbolo gráfico de verificado, checado), comumente utilizado para este fim. A Figura 9 ilustra um sucesso hipotético exibido na ferramenta CSEO. Figura 8 - Representação de um sucesso da ferramenta CSEO Para este artigo científico foi utilizado o site oficial da Universidade Luterana do Brasil - ULBRA, tendo como base a sua página inicial (http://www.ulbra.br), que além de abrigar os conteúdos relativos a todos os seus subsites também é a landing page (página de entrada) da instituição e, por isso, deve estar preparada para todos os tipos de usuários e buscadores. A captura das telas abaixo ocorreu na data 16/11/2011, sendo que as mesmas dizem respeito aos relatórios da ferramenta CSEO baseados no código fonte da página nesta mesma data. Estas telas tornam, para este artigo, explícito o resultado final da ferramenta CSEO para um usuário e site genéricos, que, por sua vez, estão baseados no capítulo 3. Portanto, o objetivo é explicar sucintamente os resultados coletados a partir de suas telas. Título Figura 9 - Análise do título da página pela ferramenta CSEO A Figura 10 exibe o resultado da análise do título feita, sendo explicitado dois quesitos: Extensão de caracteres: total de 5 caracteres de, no máximo, 65. Retornou sucesso. Presença de um caractere separador: ausência do caractere pipe ( ) ou hífen (-). Retornou alerta, mas não prejudicial. 13

14 Descrição Figura 10 - Análise da descrição da página pela ferramenta CSEO A Figura 11 exibe o resultado da análise da descrição feita, retornando uma mensagem de erro, pois a ferramenta detectou a ausência do código da mesma na página. Palavras-chave Figura 11 - Análise das palavras-chave da página pela ferramenta CSEO A Figura 12 exibe o resultado da análise das palavras-chave feita, retornando uma mensagem de erro, pois a ferramenta detectou a ausência do código da mesma na página. Links Figura 12 - Análise dos links da página pela ferramenta CSEO A Figura 13 exibe o resultado da análise dos links feita, sendo explicitado quatro quesitos: 14

15 Total de links visíveis: total de 283 links de, no máximo, 100. Retornou alerta, podendo ser prejudicial. Este relatório possibilita listar todos os links capturados. Âncoras duplicadas: total de 8. Retornou erro. Este relatório possibilita listar todos os links com âncoras duplicadas. Endereços duplicados: total de 28. Retornou erro. Este relatório possibilita listar todos os links com endereços duplicados. Links vazios: sem links vazios. Retornou sucesso. Este relatório possibilita listar todos os links com endereços vazios. Cabeçalhos dos conteúdos Figura 13 - Análise dos cabeçalhos dos conteúdos da página pela ferramenta CSEO A Figura 14 exibe o resultado da análise dos cabeçalhos dos conteúdos feitos (feita), sendo explicitados seis elementos: H1: Total 1. Retornou sucesso. H2: Total 1. Retornou sucesso. H3: Total 3. Retornou sucesso. H4: Total 1. Retornou sucesso. H5: Total 0. Retornou alerta, mas não prejudicial. H6: Total 0. Retornou alerta, mas não prejudicial. Imagens Figura 14 - Análise das imagens da página pela ferramenta CSEO 15

16 A Figura 15 exibe o resultado da análise das imagens feita, sendo explicitados 4 quesitos: Total de imagens visíveis: total de 11. Retornou informação com todas as imagens. Este relatório possibilita listar todas as imagens capturadas. Imagens sem o atributo ALT: total de 4. Retornou erro. Este relatório possibilita listar todas as imagens sem ALT capturadas. Imagens com o atributo SRC. Retornou sucesso. Este relatório possibilita listar todas as imagens com SRC capturadas. Imagens com os atributos width e height. Retornou sucesso. Este relatório possibilita listar todas as imagens com width e height capturadas. Frames Figura 15 - Análise dos frames da página pela ferramenta CSEO A Figura 16 exibe o resultado da análise dos frames feita, retornando uma mensagem de sucesso, pois a ferramenta detectou a ausência do código do mesmo na página. Densidade Figura 16 Densidade de palavras únicas da página pela ferramenta CSEO A Figura 17 exibe o resultado da capturas de todas as palavras relevantes do documento, juntamente com o seu número de vezes que consta no mesmo. A Figura 17 não foi inserida na sua íntegra neste artigo, pois a CSEO capturou, no total, 595 palavras e, portanto, ocuparia demasiado espaço. 16

17 CSS Figura 17 - Análise de códigos CSS da página pela ferramenta CSEO A Figura 18 exibe o resultado da análise dos códigos CSS feita, retornando uma mensagem de informação, pois a ferramenta não trata de analisar internamente o funcionamento deste tipo de código, mas salienta a sua presença. Uma subanálise feita pela ferramenta nesta etapa é a verificação se estes códigos estão externos ou internos perante o documento analisado. No caso da Figura 18, a ferramenta encontrou somente 1 código CSS presente no documento e o positivou, pois notou que o mesmo está externo ao mesmo. Javascript Figura 18 - Análise de códigos Javascript da página pela ferramenta CSEO A Figura 19 exibe o resultado da análise dos códigos Javascript feita, retornando uma mensagem de informação, pois a ferramenta não trata de analisar internamente o funcionamento deste tipo de código, mas salienta a sua presença. Uma subanalise feita pela ferramenta nesta etapa é a verificação se estes códigos estão externos ou internos perante o documento analisado. No caso da Figura 19 a ferramenta encontrou 13 códigos Javascript sendo 11 códigos externos e 2 internos, marcando-os positivamente e negativamente, 17

18 respectivamente. 4 VALIDAÇÃO DA FERRAMENTA Para a validação da ferramenta e das informações geradas através desta, foram utilizados sites reais desenvolvidos e/ou administrados pelo setor de Internet da Assessoria de Comunicação Social (ACS Internet) da Universidade Luterana do Brasil. A ACS Internet atualmente administra mais de 200 sites, sendo estes, na sua maioria, sites oficiais dos cursos do campus Canoas, outras unidades Ulbra, eventos, vestibular, blogs etc. As tarefas relativas à web como um todo, neste setor, são constantes e em ascensão diariamente, portanto decidiu-se escolher um grupo onde, possivelmente, existiriam muitos tipos de testes com todos os tipos de mensagens que a ferramenta CSEO possibilita. Devido a algumas bibliotecas de tecnologia utilizadas pela ferramenta não foi possível hospedar a mesma em um local terceirizado, funcionando esta em uma máquina local do grupo ACS Internet para fins de teste e validação. Tentou-se instalar a ferramenta em dois servidores distintos da Ulbra, mas devido a algumas políticas institucionais de Firewall e Proxy do setor de TI da mesma não se pôde externalizar a ferramenta para testes em sites de outras empresas. Os testes com a ferramenta nos sites institucionais da Ulbra ocorreram no mês de novembro de 2011, sendo que estes foram feitos conforme o padrão pessoal de cada usuário, a fim de deixar livre a utilização da ferramenta para em seguida fazer a coleta de respostas para alguns questionamentos feitos pelo autor. Foram levantados os seguintes questionamentos pelo autor: 1. A ferramenta CSEO atendeu as suas expectativas? 2. Qual foi o tempo médio de entrega dos resultados? 3. A ferramenta apresentou algum erro técnico durante o seu processamento? 4. A sua interface é amigável e inteligível? 5. Os seus relatórios são inteligíveis? 6. Você usaria a CSEO como uma ferramenta profissional nas suas atividades web? 7. A CSEO contribuiu no posicionamento de algum site nos buscadores? Os questionamentos foram feitos a três setores interligados da ACS da Ulbra, sendo respondidos por 5 profissionais com distintas experiências: Daniela Dias Stiebe, coordenadora da ACS Internet; Julio Cesar Nascimento de Andrade, webdesigner da ACS Internet; Vitória Marcarini, estagiária da ACS Internet; Gabriel de Mello, jornalista da ACS Imprensa e entusiasta de serviços web; Marcos Beck, designer Gráfico da ACS Publicidade e Propaganda e entusiasta de serviços web. Em média foram colhidas as seguintes respostas para os respectivos questionamentos: % dos entrevistados disseram atender as suas expectativas % dos entrevistados disseram que o tempo de processamento estava dentro do previsto (em média 5 segundos), visto que, para todos os testes, foi utilizado serviço de internet da Ulbra % dos entrevistados disseram não ter ocorrido erro técnico da ferramenta, sendo que: 80% leram as mensagens fornecidas e compreenderam porque determinada página não pôde ser acessada; 20% leram após certo tempo as mensagens e, após, compreenderam % dos entrevistados disseram possuir uma interface amigável e de fácil compreensão, visto que é uma ferramenta % dos entrevistados disseram ter compreendido os relatórios, sendo que: 75% dos elementos analisados eram conhecidos, portanto, já conheciam uma outra técnica de SEO para este. As explicações dos relatórios só vieram a somar com as informações. 25% Desconheciam alguns elementos, entretanto, os relatórios foram muito explicativos % dos entrevistados disseram utilizar a ferramenta como um complemento profissional visto que seus relatórios são muito próximos à interpretação de um resultado de busca. 18

19 7. Sem avaliação percentual visto que foi alegado que não houve tempo hábil para notar mudanças de posicionamento após as alterações nos conteúdos. Alguns entrevistados fizeram avaliações abertas, citadas abaixo, sobre as suas interpretações da ferramenta. 5 CONCLUSÃO Em se tratando de uma ferramenta para análise de SEO on-page, sim. A ferramenta CSEO atende com adendo a este meio. (1ª pergunta) Resumidamente sim. O fato de todos os relatórios possuírem uma explicação e fontes de pesquisa tornam os relatórios mais seguros, pois navegando nas fontes referenciadas notase que nada foi inventado e sim desenvolvido a partir de estudos de profissionais consagrados da área e casos de sucesso. (5ª pergunta) Após analisar todos os relatórios e notar que a CSEO salientou muitos erros que não estavam tão explícitos para nós, certamente usaríamos a CSEO como uma ferramenta profissional, pois proporcionaria uma redução de tempo e simplicidade para técnicas que certamente levaríamos certo tempo para aplicar. (6ª pergunta) Devido ao pouco tempo de publicação após as alterações feitas, de acordo com as sugestões da ferramenta, não foi possível notar muitas diferenças de posição nos buscadores, mas notou-se que os títulos, descrições e alguns conteúdos ficaram mais claros e encontráveis para algumas palavras-chave. Acredito que após algumas semanas subiremos algumas posições visto que começamos a aparecer para alguns conjuntos de palavras que antes não aparecíamos. (7ª pergunta) Ao concluir este estudo se pôde notar a importância de um web site de apoio ao negócio e juntamente com este as suas aplicações corretas de SEO. A ferramenta proposta não foi desenvolvida com o intuito de substituir ou provar que é superior as demais do mercado, mas somar como um recurso que também atinge resultados esperados pelos seus usuários. Durante o desenvolvimento deste artigo e também da ferramenta CSEO foi possível aprofundar os conhecimentos na área e, consequentemente, contribuir para a realização de algo funcional, utilizável e conforme seus objetivos tornar prática, simples e objetiva a explicitação de informações sobre as páginas que, talvez, se levaria algum tempo para descobri-las ou analisá-las. Como toda ferramenta, tecnologia etc. a CSEO também não é uma ferramenta completa que realiza todas as funções desejadas, mas durante o seu desenvolvimento ela foi sendo adequada ao comportamento dos buscadores e novas técnicas de SEO, deixando claro que há uma necessidade contínua de atualização e estudo da área para o aperfeiçoamento de qualquer ferramenta deste e de muitos outros meios da informática. 5.1 Limitações da Ferramenta Tendo em vista o número incomensurável de páginas web com seus conteúdos, a CSEO atualmente não atinge algumas funcionalidades tais como: Análise e interpretação correta de páginas em idiomas diferentes do Português; Análise de múltiplas páginas ao mesmo tempo; Análise interna de frames presentes na página capturada; Análise correta de palavras no módulo de densidade visto que existe um número muito grande de verbos, preposições, conjunções etc. da língua portuguesa que deveriam estar presentes nas regras de palavras irrelevantes (Stop words) da ferramenta. 5.2 Trabalhos Futuros Como trabalhos futuros são sugeridas as seguintes funcionalidades: Análise de múltiplas páginas a fim de comparar os seus elementos e conteúdos; Possibilidade de interpretação e análise de páginas em outros idiomas diferentes do Português; Simulação das alterações sugeridas pela ferramenta em um resultado de busca; Fusão de recursos disponibilizados, como keywords, pelos buscadores com a ferramenta CSEO; Melhoria no módulo de Stop words como palavras da língua portuguesa e outros idiomas; 19

20 Otimização de performance e recursos da linguagem PHP. REFERÊNCIAS ABERNATHY, Jon. PHP Class: HTML to Plain Text Conversion: chuggnutt.com. Disponível em: <http://www.chuggnutt.com/html2text.php>. Acesso em: 10 jul CHEN, S. PHP Simple HTML DOM Parser. Disponível em: <http://simplehtmldom.sourceforge.net>. Acesso em: 20 jul CUTTS, Matt. How many links per page?. Disponível em: <http://www.mattcutts.com/blog/how-manylinks-per-page>. Acesso em: 25 ago ENGE, Eric; SPENCER, Stephan; FISHKIN, Rand; STRICCHIOLA, Jessie. A Arte de SEO. São Paulo, Ed. Novatec, p. 44. ENGE, Eric; SPENCER, Stephan; FISHKIN, Rand; STRICCHIOLA, Jessie. A Arte de SEO. São Paulo, Ed. Novatec, p. 56. ENGE, Eric; SPENCER, Stephan; FISHKIN, Rand; STRICCHIOLA, Jessie. A Arte de SEO. São Paulo, Ed. Novatec, p. 57. ENGE, Eric; SPENCER, Stephan; FISHKIN, Rand; STRICCHIOLA, Jessie. A Arte de SEO. São Paulo, Ed. Novatec, p. 58. ENGE, Eric; SPENCER, Stephan; FISHKIN, Rand; STRICCHIOLA, Jessie. A Arte de SEO. São Paulo, Ed. Novatec, p EYETOOLS. Eyetracking consultants and Inventors of eyetracking heatmaps. Disponível em: <http://www.eyetools.com/inpage/research_google_eyetracking_heatmap.htm>. Acesso em: 13 set GOOGLE. Official Google Blog: An update to Google Social Search. Disponível em: <http://googleblog.blogspot.com/2011/02/update-to-google-social-search.html>. Acesso em: 17 ago GOOGLE. Official Google Blog: We knew the web was big. Disponível em: <http://googleblog.blogspot.com/2008/07/we-knew-web-was-big.html>. Acesso em: 15 ago GOOGLE. Official Google Webmaster Central Blog: Improved Flash indexing. Disponível em: <http://googlewebmastercentral.blogspot.com/2008/06/improved-flash-indexing.html>. Acesso em: 3 set MESTRESEO. SEO na Title Tag - Melhore os Títulos do seu Site MestreSEO. Disponível em: <http://www.mestreseo.com.br/tags-seo/seo-na-title-tag>. Acesso em: 8 mar SEOMOZ Search Engine Ranking Factors. Disponível em: <http://www.seomoz.org/article/searchranking-factors>. Acesso em: 12 ago SEOMOZ. Title Tag SEO Best Practices - Meta Tag Optimization SEOmoz. Disponível em: <http://www.seomoz.org/learn-seo/title-tag>. Acesso em: 9 ago STENBERG, Daniel. curl and libcurl. Disponível em: <http://curl.haxx.se>. Acesso em: 30 out TABLELESS. Entenda o que é o Document Object Model e tenha o DOM. Tableless. Disponível em: <http://tableless.com.br/tenha-o-dom>. Acesso em: 20 out W3C. HTTP - Hypertext Transfer Protocol Overview. Disponível em: <http://www.w3.org/protocols>. Acesso em: 30 out

Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG

Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG Adoniran Dias Ribeiro Andrade, Renato de Freitas Bulcão Neto Instituto de Informática Universidade Federal

Leia mais

Programação para Internet I

Programação para Internet I Programação para Internet I Faculdade de Tecnologia SENAC Curso Superior de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Edécio Fernando Iepsen (edecio@terra.com.br) Vantagens da HTML 5 Código notadamente semântico;

Leia mais

Capítulo 2 Web 2.0 22

Capítulo 2 Web 2.0 22 2 Web 2.0 Uma vez que o presente trabalho está intensamente relacionado à Web 2.0 (muitas tecnologias da mesma são utilizadas pela equipe estudada, que precisam de melhorias), torna-se necessário entender

Leia mais

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Sumário HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Linguagem HTML HTML é a abreviação de HyperText Markup Language, que pode ser traduzido como Linguagem de Marcação de Hipertexto. Não é uma linguagem

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

Acessibilidade na Web Cesár Bomfim Brasília 15 de Março

Acessibilidade na Web Cesár Bomfim Brasília 15 de Março Acessibilidade na Web Cesár Bomfim Brasília 15 de Março Avaliação Passos para Site Acessível -Seguir padrões Web; -Seguir as diretrizes e recomendações de acessibilidade; -Realizar avaliação de acessibilidade.

Leia mais

SEO PARA INICIANTES Como otimizar um blog Guia passo a passo para fazer o seu blog otimizado e indexado corretamente!

SEO PARA INICIANTES Como otimizar um blog Guia passo a passo para fazer o seu blog otimizado e indexado corretamente! 1 SEO PARA INICIANTES Como otimizar um blog Guia passo a passo para fazer o seu blog otimizado e indexado corretamente! Fórmula Hotmart - www.formulahotmart.com 2 Este ebook pertence: Claudio J. Bueno

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

Usando Ferramentas de Busca

Usando Ferramentas de Busca Web Marketing Usando Ferramentas de Busca Marcelo Silveira Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br 1 Conhecendo o cenário de pesquisas na Internet Este capítulo apresenta uma visão geral sobre

Leia mais

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR MANUAL E DICAS DO ASSISTENTE VIRTUAL (AV) POR ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 ÍNDICE Introdução...3 Requisitos e Restrições do Assistente...3 Diferenças da Versão

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

MAIS CLIENTES, MAIS VENDAS SEO. Estampe sua marca na primeira página do Google

MAIS CLIENTES, MAIS VENDAS SEO. Estampe sua marca na primeira página do Google MAIS CLIENTES, MAIS VENDAS SEO Search Engine Optimization Estampe sua marca na primeira página do Google Prefácio Este e-book que apresentamos ao leitor foi desenvolvido por uma equipe especializada em

Leia mais

SEO Search Engine Optimization

SEO Search Engine Optimization SEO Search Engine Optimization 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 1 Introdução Contatos Carlos José carlos.jose.r2n@gmail.com www.carlosjose.net @carlosjoser2n SEO Introdução Atualmente

Leia mais

Introdução à Otimização de Buscas na Web. Otimização de Buscas na Web

Introdução à Otimização de Buscas na Web. Otimização de Buscas na Web Introdução à Otimização de Buscas na Web Treinamentos e Workshops PaperCliQ A PaperCliQ Comunicação e Estratégia Digital oferece treinamentos e workshops para empresas, escolas ou grupos. Os slides a seguir

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Marketing de Busca: SEM e SEO

Marketing de Busca: SEM e SEO Comércio Eletrônico Faculdade de Tecnologia SENAC Curso Superior de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular: Comércio Eletrônico Edécio Fernando Iepsen (edecio@terra.com.br) Marketing

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Imagens

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Imagens IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage SeçãodoCorpo Imagens ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger SeçãodoCorpo Imagens Índice

Leia mais

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX Bruno Simões Kleverson Pereira Marcos Santos Eduardo Barrere Associação Educacional Dom Bosco - AEDB RESUMO

Leia mais

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot Proposta Loja Virtual Schmitt Tricot Apresentação: Atualmente atuo no mercado de sites e lojas virtuais desde 2010, desenvolvendo novas ideias, trabalhando com agilidade, para sempre atender a todas as

Leia mais

E-books. Introdução ao SEO. Sebrae

E-books. Introdução ao SEO. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Introdução ao SEO Como funciona a busca orgânica do Google Como conquistar as melhores posições através de SEO Técnicas para uma boa otimização Atributos importantes para

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

REVENDEDOR. Guia de Otimização de Sites para Buscadores (SEO)

REVENDEDOR. Guia de Otimização de Sites para Buscadores (SEO) REVENDEDOR Guia de Otimização de Sites para Buscadores (SEO) ÍNDICE Porque é Importante Investir em Campanhas On-line?...2 Função dos Sites de Buscas para as Empresas...2 Funcionamento dos Sites de Buscas...2

Leia mais

HTML5. Prof. Salustiano Rodrigues de Oliveira saluorodrigues@gmail.com www.profsalu.com.br

HTML5. Prof. Salustiano Rodrigues de Oliveira saluorodrigues@gmail.com www.profsalu.com.br HTML5 Prof. Salustiano Rodrigues de Oliveira saluorodrigues@gmail.com www.profsalu.com.br HTML5 HTML5 é considerada a próxima geração do HTML e suas funcionalidades inovadoras o tornam uma alternativa

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Web Design. Prof. Felippe

Web Design. Prof. Felippe Web Design Prof. Felippe 2015 Sobre a disciplina Fornecer ao aluno subsídios para o projeto e desenvolvimento de interfaces de sistemas Web eficientes, amigáveis e intuitivas. Conceitos fundamentais sobre

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Objetivo. O objetivo da disciplina é conhecer os princípios da programação de

Leia mais

Guerreiro SEO. John I. Jerkovic. Novatec

Guerreiro SEO. John I. Jerkovic. Novatec Guerreiro SEO John I. Jerkovic Novatec Sumário Prefácio... 13 CAPÍTULO 1 Uma visão geral... 20 Benefícios da SEO... 21 Áreas nas SERPs... 21 O fator confiança... 23 Menor custo de propriedade...25 Desafios

Leia mais

Nyl Marcos Soares Barbosa. Projeto de SEO para o Portal (En)Cena

Nyl Marcos Soares Barbosa. Projeto de SEO para o Portal (En)Cena Nyl Marcos Soares Barbosa Projeto de SEO para o Portal (En)Cena Palmas TO 2014 Nyl Marcos Soares Barbosa Projeto e Implementação de Técnicas de SEO no Portal (En)Cena Projeto de Pesquisa elaborado e apresentado

Leia mais

SIEP / RENAPI. Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento. de um Site/Portal Acessível

SIEP / RENAPI. Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento. de um Site/Portal Acessível SIEP / RENAPI Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento de um Site/Portal Acessível Setembro de 2009 Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento de um Site/Portal Acessível Cuidados em geral Separar adequadamente

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução O Gmail possui duas versões distintas para seu webmail: uma mais recente, que é a versão atual utilizada pelos usuários de Gmail, e

Leia mais

ROTEIRO DE IMPLANTAÇÃO

ROTEIRO DE IMPLANTAÇÃO Implantação Framework Essential ROTEIRO DE IMPLANTAÇÃO Detalhes Imprescindíveis nessa Implantação: Importação Após criar as planilhas seguir a ordem de importação abaixo: 1) Departamentos; 2) Produtos;

Leia mais

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 2 INTRODUÇÃO Esse documento contém as instruções básicas para a utilização do TabFisc Versão Mobile (que permite ao fiscal a realização do seu trabalho

Leia mais

Palavras-chave de um site: conceitos e ferramentas 11/7/2012. Ministrante: André Rosa @andremarmota

Palavras-chave de um site: conceitos e ferramentas 11/7/2012. Ministrante: André Rosa @andremarmota Palavras-chave de um site: conceitos e ferramentas 11/7/2012 Conteúdo 1. Contexto: como o usuário pesquisa na web; 2. SEO: noções preliminares otimização de sites; 3. Escolha das palavras- 4. Ferramentas

Leia mais

Checklist para ações de E-mail Marketing

Checklist para ações de E-mail Marketing Checklist para ações de E-mail Marketing Os tópicos abordados neste checklist são úteis antes de começar e depois de concluir o desenvolvimento de uma mensagem de email marketing, pois abrange desde os

Leia mais

Manual de Boas Maneiras no E-mail Marketing

Manual de Boas Maneiras no E-mail Marketing Manual de Boas Maneiras no E-mail Marketing Conheça alguns cuidados que você precisa ter quando elaborar suas campanhas de e- mail marketing. A MailSender elaborou para você um breve manual com as melhores

Leia mais

Ao redigir este pequeno guia pretendi ser conciso, indo directamente ao essencial.

Ao redigir este pequeno guia pretendi ser conciso, indo directamente ao essencial. Introdução O referenciamento é hoje um componente indispensável para ter um site ou blog de sucesso na Internet. Porquê? Simplesmente porque se inicialmente as primeiras visitas do seu site ou blog são

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

Curso de Desenvolvimento Web com HTML5, CSS3 e jquery

Curso de Desenvolvimento Web com HTML5, CSS3 e jquery Curso de Desenvolvimento Web com HTML5, CSS3 e jquery Professor: Marcelo Ricardo Minholi CH: 32 horas anuais (4 dias de 8 horas) Umuarama - 2012 Fundamentação Teórica: HTML (acrônimo para a expressão inglesa

Leia mais

SEO. Search Engine Optimization

SEO. Search Engine Optimization SEO Search Engine Optimization Vai imprimir? Pense na sua responsabilidade com o meio ambiente. Já imprimiu? Não jogue fora: utilize o verso e recicle sempre. Nossa Empresa A Absoluto Web é uma empresa

Leia mais

SEO Search Engine Optimization

SEO Search Engine Optimization SEO Search Engine Optimization Marketshare de Search - Brasil Fonte: Serasa Experian COMO FUNCIONA O GOOGLE SERP Search Engine Results Page 1 Search Engine Optimization SEO é o trabalho de melhorar o posicionamento

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução Nesta sexta e penúltima edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos os estudos dos clientes

Leia mais

> Herbet Ferreira Rodrigues > contato@herbetferreira.com

> Herbet Ferreira Rodrigues > contato@herbetferreira.com Curso HTML & CSS > Herbet Ferreira Rodrigues > contato@herbetferreira.com Sumário > Apresentação > Introdução ao HTML História Começando a Programar > Tags em HTML Headings (Cabeçalhos) Parágrafos Formatação

Leia mais

Abaixo você conhecerá algumas técnicas de SEO utilizadas para obter grande sucesso com as postagens no WordPress.

Abaixo você conhecerá algumas técnicas de SEO utilizadas para obter grande sucesso com as postagens no WordPress. 1 TUTORIAL PARA DEIXAR POSTAGENS E PÁGINAS BEM POSICIONADAS Abaixo você conhecerá algumas técnicas de SEO utilizadas para obter grande sucesso com as postagens no WordPress. Conhecimento básico de Html

Leia mais

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas/Gerente de Projetos contato@pedrofcarvalho.com.br OCP Oracle 10g ITIL FoundationV3 PROJETO DE WEB SITE

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas/Gerente de Projetos contato@pedrofcarvalho.com.br OCP Oracle 10g ITIL FoundationV3 PROJETO DE WEB SITE PROJETO DE WEB SITE EAP Estrutura Analitica de Projeto Preparação Estudar as particularidades do serviço e do cliente; Observar projetos semelhantes (Beanchmark); Definir metas e estratégias; Elaborar

Leia mais

Checklist para ações de email marketing

Checklist para ações de email marketing Checklist para ações de email marketing Publicado em: 15/01/2008 Planejamento Quais os objetivos da campanha (atrair mais visitantes ao site, aumentar as vendas de produtos, conquistar a fidelidade dos

Leia mais

S E O PA R A I N I C I A N T E S

S E O PA R A I N I C I A N T E S SEO PARA INICIANTES QUEM SOU EU? WEB DESIGNER COM FOCO NO SEO DE QUALIDADE IDEALIZADOR DO COMSEO CEO DA MOSKO WEB DESIGNER O QUE É SEO? É O CONJUNTO DE ESTRATÉGIAS COM O OBJETIVO DE POTENCIALIZAR E MELHORAR

Leia mais

Documentação SEO EXPERT

Documentação SEO EXPERT Documentação SEO EXPERT O módulo SEO Expert ajuda você a rapidamente: Criar e personalizar URLs amigáveis Inserir metatags para páginas de produtos, posts do Facebook e cartões de Twitter em sua loja Este

Leia mais

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Aula 1 Desenvolvimento Web Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Plano de Aula Ementa Avaliação Ementa Noções sobre Internet. HTML

Leia mais

Bem vindo ao ajuda do software QUICKFISH para criação de sites.

Bem vindo ao ajuda do software QUICKFISH para criação de sites. Bem vindo ao ajuda do software QUICKFISH para criação de sites. SUMÁRIO 1 Exemplo de site criado no software QUICKFISH...02 2 Salvando Seu Site...03 3 Publicando Seu Site...03 4 Visão inicial do Software

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 RESUMO

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 RESUMO RESUMO RESUMO PESQUISA Avaliar actuais activos digitais (website, redes sociais, dinâmica de conteúdos, métricas). Identificar público alvo. Perceber o seu perfil e interesses. Definir personas Identificar

Leia mais

Por: Carlos Henrique Pires

Por: Carlos Henrique Pires 2 Por: Carlos Henrique Pires Patrocínio: Apoio: Produção: 3 Cursei duas faculdades: UFC e UEG Paixão à primeira navegada (1999) Html e Flash Especializado em blogs, páginas nos padrões XHTML e CSS, Tableless,

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

PROGRAMAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES SEJA BEM VINDO VERSÃO 1.4 10/01/2013 UDS SOLUÇÕES DIGITAIS

PROGRAMAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES SEJA BEM VINDO VERSÃO 1.4 10/01/2013 UDS SOLUÇÕES DIGITAIS VERSÃO 1.4 10/01/2013 UDS SOLUÇÕES DIGITAIS PROGRAMAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES Instruções, métodos e recomendações para desenvolvimento de sistemas na UDS. 1 Sumário Apresentação... 3 Estrutura de pastas:...

Leia mais

Home Page da Estação Automática do IF-SC

Home Page da Estação Automática do IF-SC Home Page da Estação Automática do IF-SC Ana Paula Jorge Fraga Email: anaa_fraga@hotmail.com Artur da Silva Querino E-mail: arturquerino@gmail.com Kathilça Lopes de Souza E-mail: kathii16@hotmail.com Rayana

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

MARKETING DE BUSCA: SEM E SEO

MARKETING DE BUSCA: SEM E SEO MARKETING DE BUSCA: SEM E SEO Orientação: Drª. Arlete Eni GRANERO Laís Oliveira Dal Bianco e Natássia Nayara de Andrade 1 Resumo: o objetivo deste artigo é abordar sobre o marketing de busca no cenário

Leia mais

Acessibilidade no SIEP (Sistema de Informações da Educação Profissional e Tecnológica) Módulo de Acessibilidade Virtual CEFET Bento Gonçalves RS Maio 2008 ACESSIBILIDADE À WEB De acordo com Cifuentes (2000),

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4 Sumário Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 5.988 de 14/12/73. Nenhuma parte deste livro, sem prévia autorização por escrito de Celta Informática, poderá ser reproduzida total ou parcialmente,

Leia mais

SEO E SEM. 1. Apresentação

SEO E SEM. 1. Apresentação 1. Apresentação A Construtiva Internet Software, com o objetivo de oferecer soluções completas e integradas em ambientes digitais apresenta 3 novos serviços para posicionamento online e monitoramento das

Leia mais

GOOGLE FOTÓGRAFOS. Sites e sistemas para fotógrafos www.epics.com.br. Por Evandro Rocha

GOOGLE FOTÓGRAFOS. Sites e sistemas para fotógrafos www.epics.com.br. Por Evandro Rocha GOOGLE PARA FOTÓGRAFOS Por Evandro Rocha Sites e sistemas para fotógrafos www.epics.com.br SEO Search Engine Optimization Otimização para motores de busca Como o Google funciona? Através de um robô de

Leia mais

Webdesign A tag HEAD e as Meta tags

Webdesign A tag HEAD e as Meta tags Webdesign A tag HEAD e as Meta tags Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net HEAD Como vimos anteriormente, o nosso documento HTML é

Leia mais

Av. Paulista, 171 1º andar SP 01311-000 Fone: (11) 3405-4221 ou (11) 3405-4224. Próximo à estação Brigadeiro, metrô linha verde.

Av. Paulista, 171 1º andar SP 01311-000 Fone: (11) 3405-4221 ou (11) 3405-4224. Próximo à estação Brigadeiro, metrô linha verde. ECOMMERCE SCHOOL Fundada em junho de 2007, com o objetivo de ser um centro voltado para o desenvolvimento de profissionais de Internet, reunindo parcerias com escolas de excelência e importantes centros

Leia mais

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Índice Introdução... 1 Sobre a linguagem XML... 2 O que é XML (extensible Markup Language)?... 2 Características da Linguagem...3 Sobre o seu uso...

Leia mais

XXIV SEMANA MATEMÁTICA

XXIV SEMANA MATEMÁTICA XXIV SEMANA ACADÊMICA DA MATEMÁTICA Minicurso: Produção de Páginas Web para Professores de Matemática Projeto de Extensão: Uma Articulação entre a Matemática e a Informática como Instrumento para a Cidadania

Leia mais

Aplicativos para Internet Aula 01

Aplicativos para Internet Aula 01 Aplicativos para Internet Aula 01 Arquitetura cliente/servidor Introdução ao HTML, CSS e JavaScript Prof. Erika Miranda Universidade de Mogi das Cruzes Uso da Internet http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/paginas/world-wide-web-ou-www-completa-22-anos-nesta-terca-feira.aspx

Leia mais

Treinamento para Sistema de Loja Virtual ou Catálogo Eletrônico

Treinamento para Sistema de Loja Virtual ou Catálogo Eletrônico Treinamento para Sistema de Loja Virtual ou Catálogo Eletrônico Índice Atenção: O termo utilizado loja serve para Loja Virtual ou Catálogo Eletrônico, bem como o termo produto serve para produtos ou serviços

Leia mais

A Arte de SEO. Eric Enge, Stephan Spencer, Rand Fishkin e Jessie C. Stricchiola Introdução de John Battelle. Novatec

A Arte de SEO. Eric Enge, Stephan Spencer, Rand Fishkin e Jessie C. Stricchiola Introdução de John Battelle. Novatec A Arte de SEO Eric Enge, Stephan Spencer, Rand Fishkin e Jessie C. Stricchiola Introdução de John Battelle Novatec Sumário Introdução...17 Prefácio...19 CAPÍTULO 1 Os mecanismos de busca: reflexão da consciência

Leia mais

Especializado Search Engine Marketing. Sobre o curso. Destinatários. Pré-requisitos. Web & Mobile - Web Marketing. Nível: Iniciado Duração: 72h

Especializado Search Engine Marketing. Sobre o curso. Destinatários. Pré-requisitos. Web & Mobile - Web Marketing. Nível: Iniciado Duração: 72h Especializado Search Engine Marketing Web & Mobile - Web Marketing Nível: Iniciado Duração: 72h Sobre o curso Search Engine Marketing (SEM), ou marketing em motores de pesquisa, é a área de web marketing

Leia mais

Manual WordPress. Conteúdo Índice. Capítulo 1 Introdução. Capítulo 2 Conceitos básicos do Painel. Capítulo 3 Gerenciamento de Posts ( Artigos)

Manual WordPress. Conteúdo Índice. Capítulo 1 Introdução. Capítulo 2 Conceitos básicos do Painel. Capítulo 3 Gerenciamento de Posts ( Artigos) Manual WordPress Conteúdo Índice Capítulo 1 Introdução Sobre o WordPress Características principais Capítulo 2 Conceitos básicos do Painel Logando no Painel de Controle Alterando Usuário e Senha Painel

Leia mais

Educação em marketing e empreendedorismo digitais

Educação em marketing e empreendedorismo digitais Educação em marketing e empreendedorismo digitais Formação Informação Buscas: notícias e artigos diários. Digaí TV: canal no Youtube com vídeos semanais (em breve). E-books: livros digitais com conteúdo

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 1 CDI - Curso de Webdesign - Prof. Paulo Trentin Objetivos para esta aula Debater sobre

Leia mais

e-mag Checklist de Acessibilidade Manual para Deficientes Visuais

e-mag Checklist de Acessibilidade Manual para Deficientes Visuais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Governo Eletrônico Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

Estatísticas --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente

Estatísticas --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente Estatísticas --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente www.plugin.com.br 1 ÍNDICE O que é o PlugStats:...4 Acessando

Leia mais

Índice. 3 Capítulo 1: Visão Geral do Blog. 4 Capítulo 2: SEO. 5 Capítulo 3: Backend: Como Funciona. Visão Geral Plataforma Frontend Backend

Índice. 3 Capítulo 1: Visão Geral do Blog. 4 Capítulo 2: SEO. 5 Capítulo 3: Backend: Como Funciona. Visão Geral Plataforma Frontend Backend MANUAL 1 Índice 3 Capítulo 1: Visão Geral do Blog Visão Geral Plataforma Frontend Backend 4 Capítulo 2: SEO O que é SEO? Google Configuração Inicial Ferramentas SEO 5 Capítulo 3: Backend: Como Funciona

Leia mais

Noções Básicas de SEO Dicas Para Pequenos Empresários. Por José Fernandes

Noções Básicas de SEO Dicas Para Pequenos Empresários. Por José Fernandes Noções Básicas de SEO Dicas Para Pequenos Empresários Por José Fernandes Trazido Até Si Por http://virtualmarketingpro.com/products/show_shop/josefernandes NoçõesBásicasDeSEO Dicas&Para&Pequenos&Empresários&

Leia mais

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes

Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Docente André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Introdução a Linguagem HTML Desenvolvimento de Sites com PHP e Mysql Neste roteiro é explorada a linguagem HTML. A linguagem HTML (Hypertext Markup Language) é amplamente utilizada na construção

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE

PROPOSTA DE CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE PROPOSTA DE CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE Através do presente documento, a agência ACNBRASIL tem como objetivo apresentar uma proposta de criação e desenvolvimento de Website para COOPERATIVA DE

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução Nesta quinta edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos o estudo do Windows Mail, um cliente

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 Alex de Andrade Catini¹, Tiago Piperno Bonetti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Alex.catini@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo:

Leia mais

Marke&ng de Busca SEO

Marke&ng de Busca SEO Marke&ng de Busca SEO O que é SEO? O significado de SEO é Search Engine Op.miza.on. Em português ele é conhecido como O;mização de Sites, MOB e O;mização para Buscas. O SEO nada mais é do que a o;mização

Leia mais

CURSO DE ESPECIALISTA EM GOOGLE MARKETING

CURSO DE ESPECIALISTA EM GOOGLE MARKETING ECOMMERCE SCHOOL Fundada em junho de 2007, com o objetivo de ser um centro voltado para o desenvolvimento de profissionais de Internet, reunindo parcerias com escolas de excelência e importantes centros

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

1. Objetivo do Projeto

1. Objetivo do Projeto PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VISNET - INTERNET E COMUNICAÇÃO Desenvolvimento de Site para CDL 1. Objetivo do Projeto O CDL Online é o mais novo sistema interativo especialmente projetado para criar

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

SEO Search Engine Optimization

SEO Search Engine Optimization SEO Search Engine Optimization II Semana de Atualização Tecnológica FASE 22/07/11 Felipe Augusto Pereira felipe@unu.com.br Quem sou eu? Felipe Pereira Educador Empreendedor Pesquisador Doutorando UNU Soluções

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI

Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI Manual do usuário Desenvolvendo páginas em Drupal Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI Conteúdo Primeiro Passo... 3 1.1 Login... 3 1.2 Recuperando a Senha...

Leia mais

Desenvolvedor Web Docente André Luiz Silva de Moraes

Desenvolvedor Web Docente André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Introdução a Linguagem HTML Neste roteiro é explorada a linguagem HTML. A linguagem HTML (Hypertext Markup Language) é amplamente utilizada na construção de páginas de internet e é responsável

Leia mais

3 Ferramentas de busca

3 Ferramentas de busca 3 Ferramentas de busca A Internet se transformou em um vasto repositório de informações. Podemos encontrar sites sobre qualquer assunto, de futebol a religião. O difícil, porém é conseguir encontrar a

Leia mais

Introdução ao HTML 5 e Implementação de Documentos

Introdução ao HTML 5 e Implementação de Documentos Linguagem de Programação para Web Introdução ao HTML 5 e Implementação de Documentos Prof. Mauro Lopes 1-31 20 Objetivo Iremos aqui apresentar a estrutura básica de um documento HTML e iremos também apresentar

Leia mais

Manual do Painel Administrativo

Manual do Painel Administrativo Manual do Painel Administrativo versão 1.0 Autores César A Miggiolaro Marcos J Lazarin Índice Índice... 2 Figuras... 3 Inicio... 5 Funcionalidades... 7 Analytics... 9 Cidades... 9 Conteúdo... 10 Referência...

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES Via N1 Leste s/n, Pavilhão das Metas, Praça dos Três Poderes - Zona Cívico Administrativa - CEP: 70.150-908 Telefones: (061) 3411.4246

Leia mais

#SEO #XHTML #Wordpress #Codeigniter #MySQL #Webstandards #CSS

#SEO #XHTML #Wordpress #Codeigniter #MySQL #Webstandards #CSS Cursando último semestre do Curso Superior em Tecnologia de Sistemas para Internet no If-Sul. Estudante há 2 anos de estratégias relacionadas a marketing de busca, onde tive a oportunidade de fazer um

Leia mais

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web

2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 13 2 Conceitos Gerais de Classificação de Documentos na Web 2.1. Páginas, Sites e Outras Terminologias É importante distinguir uma página de um site.

Leia mais

QUEM FEZ O TRABALHO?

QUEM FEZ O TRABALHO? Introdução a Linguagem HTML: Conceitos Básicos e Estrutura ANA PAULAALVES DE LIMA 1 QUEM FEZ O TRABALHO? Com as tagsaprendidas hoje, faça uma página HTML sobre você com as seguintes informações: Seu nome

Leia mais

Templates. Existem vários frameworks e softwares para criação de templates, sendo os mais conhecidos: Gantry, T3 e Artisteer.

Templates. Existem vários frameworks e softwares para criação de templates, sendo os mais conhecidos: Gantry, T3 e Artisteer. Templates Template ou tema, é a camada de visão de qualquer programa orientado a objetos, isto mesmo, template não é uma exclusividade do Joomla! Fim manter um padrão de nomenclatura, irei utilizar o termo

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução Nesta útima edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos os estudos dos clientes Yahoo! Mail

Leia mais

Como criar e editar Blogs. Manual Básico do. Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz

Como criar e editar Blogs. Manual Básico do. Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz Como criar e editar Blogs Manual Básico do Mario Roberto Barro Jerino Queiroz Ferreira Profª Drª Salete Linhares Queiroz São Carlos Setembro / 2008 Sumário Introdução...3 Criando um Blog no Edublogs...4

Leia mais