RELATÓRIO DE INTELIGÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE INTELIGÊNCIA"

Transcrição

1

2 RESUMO EXECUTIVO O levantamento topográfico (georreferenciamento) das propriedades rurais tornou-se um problema para proprietários de imóveis em todo o país. Obrigatório por lei para quem precisa fazer alterações cartoriais, o georreferenciamento precisa ser aprovado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para que o proprietário receba o Certificado de Cadastro de Imóvel Rural (CCIR). O certificado é um documento necessário para a realização de qualquer modificação cartorial de propriedade, como transações de compra e venda, desmembramento ou retificação judicial ou extrajudicial. Para não perder os prazos de georreferenciamento, estabelecidos pelo Incra e determinados conforme o tamanho da propriedade, milhares de proprietários realizaram os levantamentos topográficos e encaminharam a solicitação de certificação. Sem dispor de estrutura técnica suficiente para atender a demanda, o Incra não conseguiu dar vazão aos pedidos. O resultado foi um acúmulo de cerca de 29 mil processos aguardando parecer no final de A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), com o apoio de senadores, conseguiu convencer o Incra sobre a necessidade de modificações no processo de análise do georreferenciamento. Neste mês de dezembro, o Incra anunciou alterações que simplificam a certificação dos imóveis rurais, estabelecidas na Norma de Execução 105. Desde então, os proprietários devem apresentar uma quantidade menor de documentos e os técnicos do Incra precisam apenas conferir o código do imóvel e da análise da poligonal e memorial descritivo da propriedade. Com essas mudanças, e outras que incluem a informatização de todo o processo, espera-se maior agilidade na análise dos pedidos de certificação. Segundo estimativa do Incra, todas as solicitações represadas devem receber um parecer até o mês de abril. 2

3 Sumário INTRODUÇÃO... 4 DADOS ESTATÍSTICOS E ESTRUTURA FUNDIÁRIA... 5 CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS: LEI / PRAZOS PARA CERTIFICAÇÃO DAS PROPRIEDADES APLICAÇÃO DA LEI E QUESTIONAMENTOS LEGAIS NOVAS REGRAS PARA A CERTIFICAÇÃO: NORMA DE EXECUÇÃO Nº ENTREVISTA CONSIDERAÇÕES FINAIS FONTES ANEXO

4 INTRODUÇÃO Todos os imóveis rurais do Brasil que precisam fazer qualquer alteração cartorial de propriedade estão obrigados por lei a realizar levantamento topográfico (georreferenciamento) de suas áreas. A aprovação do georreferenciamento é uma condição para a liberação do Certificado de Cadastro de Imóvel Rural (CCIR), documento fornecido pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e que é exigido pelos cartórios para alterações de domínio, como, por exemplo, transações de compra e venda, desmembramento, parcelamento, remembramento, alienação e retificação judicial ou extrajudicial. Os prazos de certificação são definidos conforme o tamanho do imóvel. Para as áreas com mais de 500 hectares, o prazo expirou e o certificado já é uma exigência para concretizar transações junto aos cartórios de registro de imóveis. Segundo informou o Incra, em matéria publicada em seu site no mês de novembro, existem cerca de 5,5 milhões de imóveis no Sistema Nacional de Cadastro Rural (SNCR), sendo que a maior parte possui área inferior a 500 hectares. Para estes, o prazo para obtenção do certificado varia entre 2013 e As áreas entre 250 e menos de 500 hectares precisam estar certificadas até novembro de 2013, sendo que o prazo mais longo beneficia os imóveis com área inferior a 25 hectares. Nos últimos anos, milhares de proprietários rurais de todo o país realizaram o georreferenciamento e encaminharam os pedidos ao Incra. Como a autarquia não dispõe de estrutura técnica necessária para atender tantos pedidos, devido também ao processo detalhado de análise dos dados, o volume de solicitações aguardando um parecer começou a crescer e chegou a 29 mil pedidos pendentes, o que causou problemas para os proprietários rurais. Segundo levantamento do Incra, até janeiro de 2013 haviam sido certificados 42,8 mil imóveis rurais no país, com maior quantidade nos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul. Diante disso, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), com apoio de congressistas do Senado Federal, solicitou ao Incra a simplificação do processo de certificação. Segundo a presidente da CNA, senadora Kátia Abreu, a demora na certificação leva os proprietários a se valer de "meios informais de celebração dos negócios jurídicos translativos, o que provoca uma "instabilidade das relações fundiárias no campo". No final de 2012, o Incra decidiu atender a solicitação da CNA e desburocratizar o sistema de aferimento dos georreferenciamentos. Com a Norma de Execução 105, ficou determinado que os técnicos do Incra precisam apenas checar se os limites do imóvel não se sobrepõem aos das propriedades vizinhas e verificar se o memorial descritivo atende as normas legais. Com as novas regras em vigor, a expectativa da Diretoria de Ordenamento da Estrutura Fundiária do Incra é que até abril de 2013 todos os processos represados sejam analisados e recebam um parecer. Para acelerar ainda mais o processo, o Incra pretende disponibilizar na internet, a partir de fevereiro, um programa específico para o encaminhamento dos 4

5 levantamentos topográficos. DADOS ESTATÍSTICOS E ESTRUTURA FUNDIÁRIA A estrutura fundiária no Brasil costuma ser analisada a partir dos dados de duas fontes principais, os censos agropecuários do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e as estatísticas cadastrais do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Ambas as fontes apresentam problemas e nem sempre correspondem a números precisos. O Incra elabora o cadastro dos imóveis rurais através da declaração dos proprietários ou posseiros e, por isso, o imóvel pode ser uma propriedade ou uma posse. Segundo Mazucheli (2009), o sistema do Incra apresenta fragilidades porque o cadastro é abastecido com dados de natureza declaratória, sem a conferência das informações nos cartórios de registro de imóveis. Em muitos casos, a preocupação do declarador com os impostos a pagar, terras improdutivas, grilagem e interesse em obter crédito rural podem levar a uma declaração de área superior ou inferior à realidade. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) realiza censos agropecuários a cada dez anos, sendo que o último foi feito em O IBGE (2007b, p. 16) classifica como estabelecimento agropecuário toda unidade de produção dedicada, total ou parcialmente, a atividades agropecuárias, florestais e aquícolas, subordinada a uma única administração: a do produtor ou a do administrador. Para o instituto, são considerados como recenseáveis, além das unidades voltadas à produção comercial e de subsistência, os hortos, reformatórios, asilos, escolas profissionais, hotéis fazendas e locais para lazer, desde que tenham algum tipo de exploração agropecuária, florestal ou aquícola, exceto os quintais de residência com pequenos animais e hortas domésticas (HOFFMANN e NEY, 2010, p. 9). Para Mazucheli (2009), os dados do IBGE não estão totalmente livres de possíveis desvios, porém, em virtude de sua finalidade censitária, acreditamos que haja menos interesse dos produtores em fornecer informações falsas. Além disso, os dados do Censo Agropecuário apresentam problemas de comparabilidade dos dados do censo de 2006 com o de 1995/1996. Isso porque a pesquisa mais recente tem o ano civil como período de referência, ou seja, os dias de 1 de janeiro a 31 de dezembro de No entanto, o levantamento realizado em 1995/1996 considerou o ano agrícola de 1 de agosto de 1995 a 31 de julho de 1996 (HOFFMANN e NEY, 2010, p. 7). Segundo dados do Incra, apurados em fevereiro de 2012 (Anexo 1), existem no Brasil cerca de 5,4 milhões de imóveis rurais, totalizando uma área cadastrada de 605 milhões de hectares. Esse levantamento considera cinco categorias diferentes de classe de área propriedade, posse e propriedade, posse por simples ocupação, posse a justo título, posse por simples ocupação e a justo título e situação jurídica não informada. A maioria dos imóveis tem entre 10 e menos de 25 hectares. Na categoria de 5

6 propriedade, esses imóveis somam unidades, que totalizam uma área total 16,8 milhões de hectares. Na categoria de posse e propriedade, os imóveis entre 10 e menos de 25 hectares são em número de e na categoria posse por simples ocupação Já os imóveis entre 25 e menos de 50 hectares somam unidades na categoria propriedade, totalizando uma área de 21,6 milhões de hectares. Na categoria de posse e propriedade, os imóveis entre 25 e menos de 50 hectares são em número de e na categoria posse por simples ocupação Na outra ponta, os imóveis entre 2,5 mil e menos de 5 mil hectares somam, na categoria propriedade, o número de Nessa mesma categoria, existem, segundo o Incra, imóveis entre 5 mil e menos de 10 mil hectares, e 903 imóveis entre 10 mil e menos de 20 mil hectares. De acordo com o levantamento, a maior parte das propriedades rurais, ou seja, 5,2 milhões de imóveis possui menos de 500 hectares. De acordo com o IBGE, havia no Brasil, em 2006, 5,1 milhões de estabelecimentos agropecuários distribuídos em uma área total de 333,6 milhões de hectares. O maior número de estabelecimentos agropecuários está concentrado na região Nordeste, com 2,4 milhões de unidades, seguido pela região Sul (1 milhão), Sudeste (922 mil), Norte (475 mil) e Centro-Oeste (317 mil). A seguir, a Tabela 1 mostra o total de estabelecimentos agropecuários e a área total em 2006, segundo as grandes regiões e unidades da federação. 6

7 Grandes Regiões e Unidades da Federação Total de estabelecimentos Área total (ha) Brasil Norte Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Alagoas Sergipe Bahia Sudeste Minas Gerais Espírito Santo Rio de Janeiro São Paulo Sul Paraná Santa Catarina Rio Grande do Sul Centro-Oeste Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal Tabela 1: Total de estabelecimentos agropecuários e área em Fonte: IBGE (2007a), adaptado pelo autor 7

8 CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS: LEI /01 O Certificado de Cadastro de Imóvel Rural (CCIR), emitido pelo Incra, foi instituído por lei federal em A partir da lei , de 2001, o CCIR passou a ser obtido com a aprovação do processo de georreferenciamento das áreas rurais, que tem prazos definidos conforme o tamanho do imóvel. O georreferenciamento é realizado a partir da descrição da propriedade em suas características, limites e confrontações, realizando o levantamento das coordenadas dos vértices definidores dos imóveis rurais, georreferenciados ao sistema geodésico brasileiro, com precisão posicional fixada pelo Incra. Para o diretor de Ordenamento da Estrutura Fundiária do Incra, Richard Torsiano, além de aumentar a segurança jurídica do imóvel para os proprietários, o processo de certificação permite a qualificação do conhecimento e da gestão da estrutura fundiária nacional. A lei que define as regras de certificação sofreu várias alterações nas últimas décadas. A mais recente, n de 2001, foi sancionada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e regulamentada no ano seguinte pelo decreto Este, por sua vez, foi alterado pelo decreto 5.570, de A lei alterou alguns dispositivos de cinco leis anteriores, aprovadas em 1966, 1972, 1973, 1979 e A seguir, as principais normas da Lei , de 28 de agosto de 2001 (BRASIL, 2001). Em relação ao artigo 22 da lei de 1966, foram estabelecidas as seguintes modificações. - A apresentação do Certificado de Cadastro de Imóvel Rural (CCIR) ocorre sempre acompanhada da prova de quitação do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR), correspondente aos últimos cinco exercícios, ressalvados os casos de inexigibilidade e dispensa previstos no art. 20 da Lei de Dos títulos de domínio destacados do patrimônio público constará obrigatoriamente o número de inscrição do CCIR, nos termos da regulamentação desta Lei. - Nos casos de usucapião, o juiz intimará o INCRA do teor da sentença, para fins de cadastramento do imóvel rural. - Além dos requisitos previstos no art. 134 do Código Civil e na Lei n , de 18 de dezembro de 1985, os serviços notariais são obrigados a mencionar nas escrituras os seguintes dados do CCIR: 8

9 I código do imóvel; II nome do detentor; III nacionalidade do detentor; IV denominação do imóvel; V localização do imóvel. - Os serviços de registro de imóveis ficam obrigados a encaminhar ao INCRA, mensalmente, as modificações ocorridas nas matrículas imobiliárias decorrentes de mudanças de titularidade, parcelamento, desmembramento, loteamento, remembramento, retificação de área, reserva legal e particular do patrimônio natural e outras limitações e restrições de caráter ambiental, envolvendo os imóveis rurais, inclusive os destacados do patrimônio público. - O INCRA encaminhará, mensalmente, aos serviços de registro de imóveis, os códigos dos imóveis rurais, para serem averbados de ofício, nas respectivas matrículas. A lei também modifica os dispositivos dos artigos 1, 2 e 8 da lei de 1972: - As revisões gerais de cadastros de imóveis passam a ser realizadas em todo o País nos prazos fixados em ato do Poder Executivo, para fins de recadastramento e de aprimoramento do Sistema de Tributação da Terra (STT) e do Sistema Nacional de Cadastro Rural (SNCR). - Fica criado o Cadastro Nacional de Imóveis Rurais (CNIR), que terá base comum de informações, gerenciada conjuntamente pelo INCRA e pela Secretaria da Receita Federal, produzida e compartilhada pelas diversas instituições públicas federais e estaduais produtoras e usuárias de informações sobre o meio rural brasileiro. - A base comum do CNIR adotará código único, a ser estabelecido em ato conjunto do INCRA e da Secretaria da Receita Federal, para os imóveis rurais cadastrados de forma a permitir sua identificação e o compartilhamento das informações entre as instituições participantes. - Integrarão o CNIR as bases próprias de informações produzidas e gerenciadas pelas instituições participantes, constituídas por dados específicos de seus interesses, que poderão por elas ser compartilhados, respeitadas as normas regulamentadoras de cada entidade. - Ficam também obrigados todos os proprietários, os titulares de domínio útil ou os possuidores a qualquer título a atualizar a declaração de cadastro sempre que houver alteração nos imóveis rurais, em relação à área ou à titularidade, bem como nos casos de preservação, conservação e proteção de recursos naturais. 9

10 - São considerados nulos e de nenhum efeito quaisquer atos que infrinjam o disposto neste artigo não podendo os serviços notariais lavrar escrituras dessas áreas, nem ser tais atos registrados nos Registros de Imóveis, sob pena de responsabilidade administrativa, civil e criminal de seus titulares ou prepostos. As alterações também afetam os artigos 169, 176, 225 e 246 da lei de 1973: - Os registros relativos a imóveis situados em comarcas ou circunscrições limítrofes, que serão feitos em todas elas, devendo os Registros de Imóveis fazer constar dos registros tal ocorrência. - a identificação do imóvel, que será feita com indicação: a - se rural, do código do imóvel, dos dados constantes do CCIR, da denominação e de suas características, confrontações, localização e área; b - se urbano, de suas características e confrontações, localização, área, logradouro, número e de sua designação cadastral, se houver. - Nos casos de desmembramento, parcelamento ou remembramento de imóveis rurais, a identificação será obtida a partir de memorial descritivo, assinado por profissional habilitado e com a devida Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), contendo as coordenadas dos vértices definidores dos limites dos imóveis rurais, geo-referenciadas ao Sistema Geodésico Brasileiro e com precisão posicional a ser fixada pelo INCRA, garantida a isenção de custos financeiros aos proprietários de imóveis rurais cuja somatória da área não exceda a quatro módulos fiscais. - A identificação será obrigatória para efetivação de registro, em qualquer situação de transferência de imóvel rural, nos prazos fixados por ato do Poder Executivo. - Nos autos judiciais que versem sobre imóveis rurais, a localização, os limites e as confrontações serão obtidos a partir de memorial descritivo assinado por profissional habilitado e com a devida Anotação de Responsabilidade Técnica ART, contendo as coordenadas dos vértices definidores dos limites dos imóveis rurais, geo-referenciadas ao Sistema Geodésico Brasileiro e com precisão posicional a ser fixada pelo INCRA, garantida a isenção de custos financeiros aos proprietários de imóveis rurais cuja somatória da área não exceda a quatro módulos fiscais. - As averbações serão as feitas a requerimento dos interessados, com firma reconhecida, instruído com documento dos interessados, com firma reconhecida, e instruído com documento comprobatório fornecido pela autoridade competente. A alteração do nome só poderá ser 10

11 averbada quando devidamente comprovada por certidão do Registro Civil. - Tratando-se de terra indígena com demarcação homologada, a União promoverá o registro da área em seu nome. - Constatada, durante o processo demarcatório, a existência de domínio privado nos limites da terra indígena, a União requererá ao Oficial de Registro a averbação, na respectiva matrícula, dessa circunstância. - As providências deverão ser efetivadas pelo cartório, no prazo de trinta dias, contado a partir do recebimento da solicitação de registro e averbação, sob pena de aplicação de multa diária no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), sem prejuízo da responsabilidade civil e penal do Oficial de Registro. A lei de 2001 também acresce artigos na lei de 1979: - A União, o Estado, o Distrito Federal ou o Município prejudicado poderá promover, via administrativa, a retificação da matrícula, do registro ou da averbação quando a alteração da área ou dos limites do imóvel importar em transferência de terras públicas. - O Oficial do Registro de Imóveis, no prazo de cinco dias úteis, contado da prenotação do requerimento, procederá à retificação requerida e dela dará ciência ao proprietário, nos cinco dias seguintes à retificação. - Recusando-se a efetuar a retificação requerida, o Oficial Registrador suscitará dúvida, obedecidos os procedimentos estabelecidos em lei. - Nos processos de interesse da União e de suas autarquias e fundações, a apelação será julgada pelo Tribunal Regional Federal respectivo. - A apelação poderá ser interposta, também, pelo Ministério Público da União. - Verificado que terras públicas foram objeto de apropriação indevida por quaisquer meios, inclusive decisões judiciais, a União, o Estado, o Distrito Federal ou o Município prejudicado, bem como seus respectivos órgãos ou entidades competentes, poderão, à vista de prova da nulidade identificada, requerer o cancelamento da matrícula e do registro. - Nos casos de interesse da União e de suas autarquias e fundações, o requerimento será dirigido ao Juiz Federal da Seção Judiciária competente, ao qual incumbirão os atos e procedimentos cometidos ao Corregedor Geral de Justiça. - Caso o Corregedor Geral de Justiça ou o Juiz Federal não considere suficientes os elementos 11

12 apresentados com o requerimento, poderá, antes de exarar a decisão, promover as notificações previstas, observados os procedimentos neles estabelecidos, dos quais dará ciência ao requerente e ao Ministério Público competente. - Caberá apelação da decisão proferida: I pelo Corregedor Geral, ao Tribunal de Justiça; II pelo Juiz Federal, ao respectivo Tribunal Regional Federal. - É de oito anos, contados do trânsito em julgado da decisão, o prazo para ajuizamento de ação rescisória relativa a processos que digam respeito a transferência de terras públicas rurais. A lei de 1996 passa a vigorar com as seguintes alterações: - A Secretaria da Receita Federal, com o apoio do INCRA, administrará o CAFIR e colocará as informações nele contidas à disposição daquela Autarquia, para fins de levantamento e pesquisa de dados e de proposição de ações administrativas e judiciais. PRAZOS PARA CERTIFICAÇÃO DAS PROPRIEDADES decretos. Desde 2001, a Certificação de Imóveis Rurais teve novas alterações aprovadas por Em outubro de 2005, foi aprovado o decreto n , que definiu, entre outras modificações, os prazos para a identificação da área do imóvel rural exigida nos casos de desmembramento, parcelamento, remembramento e em qualquer situação de transferência de imóvel rural. O decreto fixou o prazo de cinco anos (a contar a partir de 20/11/2003, data da publicação dos atos normativos do Incra), para os imóveis com área de quinhentos a mil hectares, e oito anos, para os imóveis com área inferior a quinhentos hectares. Expirados esses prazos, o decreto estabelece que o oficial fica proibido de praticar na matrícula os registros de desmembramento, parcelamento, remembramento, alienação e retificação judicial ou extrajudicial do imóvel para propriedades não certificadas. Em novembro de 2011, o decreto n prorrogou para novembro de 2013 o prazo de georreferenciamento e a certificação no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para os proprietários de imóveis com menos de 500 hectares que precisam realizar qualquer situação de transferência da propriedade. No entanto, o prazo não mudou para as áreas superiores a 500 hectares. 12

13 Segundo o decreto, os prazos são diferenciados conforme o tamanho das propriedades e ficam dispostos da seguinte maneira (BRASIL, 2011): Imóveis com área entre 250 e menos de 500 Até 20 de novembro de 2013 hectares Imóveis com área entre 100 e menos de 250 Até 20 de novembro de 2016 hectares Imóveis entre 25 e menos de 100 hectares Até 20 de novembro de 2019 móveis com área inferior a 25 hectares Até 20 de novembro de 2023 Tabela 2: Os prazos para o georreferenciamento conforme o tamanho do imóvel. Fonte: Prorrogado (2011), elaborado pelo autor Apesar da prorrogação do prazo, outra questão preocupa proprietários rurais e a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Durante reunião da Senadora Kátia Abreu com o presidente do Incra, Carlos Guedes, realizada no início de dezembro para tratar do impasse envolvendo o georreferenciamento de propriedades rurais, a Senadora enfatizou a demora na avaliação dos pedidos de georreferenciamento, que somavam 29 mil processos pendentes no final de 2012, sendo que 19 mil deles ainda não haviam começado a ser analisados. As causas principais deste atraso seriam o excesso de burocracia no processo de certificação e a insuficiência de técnicos para avaliar os pedidos na mesma velocidade com que cresce a demanda. A Superintendência Regional do Incra em Mato Grosso do Sul, por exemplo, recebeu desde 2003 cerca de 14,8 mil pedidos de georreferenciamento. Deste total, apenas 7,6 mil foram emitidos, ou seja, pouco mais da metade dos requerimentos. Dos outros 7,2 mil processos, 3,2 mil foram pré-certificados e o restante apresentou problemas de sobreposição, de acordo com informações do Incra. O Mato Grosso do Sul é o segundo estado com maior número de pedidos de georreferenciamento deferidos, atrás apenas de São Paulo, que recebeu 9,1 mil certificados. Problemas semelhantes ocorrem em outros estados, como informa a CNA em matéria publicada no Canal do Produtor em outubro de No Tocantins, apenas um terço dos 4 mil processos foi certificado, e, no Mato Grosso, foram certificados pouco mais de 2 mil imóveis entre 9 mil processos (SUSPENSÃO, 2012). Em novembro de 2011, o Incra firmou um termo de cooperação técnica com o Exército, através do Centro de Imagens e Informações Geográficas (Cigex), para a análise dos processos de certificação de georreferenciamento que tramitam nas superintendências regionais do Incra em todo o país. O Cigex trabalha em duas grandes frentes, a produção de cartas topográficas e desenvolvimento de softwares na área de produção de dados geográficos. Para esse trabalho, o Exército selecionou cerca de 100 profissionais, por meio de processo seletivo simplificado, entre engenheiros, analistas de sistemas, técnicos em 13

14 cartografia e auxiliares administrativos. Segundo o Incra, os trabalhos tiveram início em maio de 2012 com uma previsão inicial de 16 meses de duração. O Incra também firmou um plano de ações com o Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), com o objetivo de aprimorar os trabalhos de georreferenciamento de imóveis rurais. Entre outras ações, o Confea contribui com a qualificação dos quase seis mil profissionais de engenharia credenciados no Incra. O Sistema de Certificação de Imóveis do Incra registrava propriedades certificadas até o dia 8 de janeiro de 2013, conforme mostram os gráficos a seguir. Gráfico 1: Propriedades certificadas até o dia 8 de janeiro de 2013 nas 30 superintendências regionais do Incra. Fonte: Sistema (2013) Os números do gráfico acima são referentes às 30 superintendências regionais do Incra. Os maiores volumes de certificações estão nas superintendências 8 (São Paulo), com 9.194, e 16 (Mato Grosso do Sul), com Na outra ponta, as superintendências 21 (Amapá) e 29 (Médio São Francisco) são as que receberam menor número de certificados, com nove e 26, respectivamente. 14

15 Gráfico 2: Propriedades certificadas até o dia 8 de janeiro de 2013 por unidades da federação. Fonte: Sistema (2013) Na divisão por unidades da federação, como consta no Gráfico 2, acima, os estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul são os que receberam maior número de certificados do Incra, com e 7.647, respectivamente. Amapá, Roraima e Alagoas apresentam os menores números, com oito, 18 e 20 certificados, respectivamente. APLICAÇÃO DA LEI E QUESTIONAMENTOS LEGAIS Imagem 1: Para a CNA, normas ferem o direito à propriedade previsto na Constituição Federal. Fonte: CNA (2011a) Milhares de proprietários rurais que precisam realizar alguma alteração de domínio (apenas estes são obrigados a fazer o georreferenciamento) encaminharam documentação ao 15

16 Incra para a obtenção da certificação, preocupados com a expiração do prazo determinado por decreto para o levantamento topográfico. No dia 16 de outubro de 2012, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) ajuizou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo impugnação dos artigos da lei que trata da obrigatoriedade de georreferenciamento e que atribui competência ao Incra para certificação dos registros dos imóveis rurais. No entendimento da CNA, a Lei dos Registros Públicos (Lei 6.015/73) fere o direito à propriedade, garantido pela Constituição Federal, conforme noticiado pelo STF. A ação questiona parágrafos do artigo 176 que foram introduzidos na norma pela Lei do Georreferenciamento (Lei /2001) e regulamentados pelo decreto 4.449, que também estabeleceu os prazos para o georreferenciamento. Outro questionamento refere-se ao parágrafo 5 do artigo 176 da Lei dos Registros Públicos, que foi incluído por meio da Lei /2009. A CNA argumenta que essas normas ferem o direito à propriedade, previsto na Constituição Federal no artigo 5º, inciso XXII. Na ação, a entidade afirma que a alienação, desmembramento e remembramento são "atividades que se inserem no âmbito do direito de disposição que tem o proprietário sobre seus imóveis rurais" e que as normas estabelecidas no artigo 176 da Lei dos Registros Públicos impõem restrições desproporcionais ao exercício do direito, e a demora para a certificação restringe desmesuradamente o direito fundamental à propriedade. A CNA também questiona na mesma ação a competência do Incra para certificar as alterações nos registros por conta da falta de estrutura da autarquia para atender o volume de requerimentos. A entidade alega na ação que "o acúmulo passou a acarretar meses ou anos de demora na certificação, impedindo a efetivação de toda e qualquer operação que acarrete mudança no registro de propriedade. Para a CNA, a demora na certificação leva muitos proprietários a se valerem de "meios informais de celebração dos negócios jurídicos translativos, com a utilização de contratos de gaveta' ou de outros subterfúgios que tornem despiciendo o registro". Na avaliação da CNA, a prática vem provocando uma "instabilidade das relações fundiárias no campo. 16

17 NOVAS REGRAS PARA A CERTIFICAÇÃO: NORMA DE EXECUÇÃO Nº 105 Imagem 2: A presidente da CNA, senadora Kátia Abreu, em reunião no dia 1 de novembro de 2012, em Brasília, com o presidente do Incra, Carlos Guedes. Fonte: Uma solução (2012) Em dezembro de 2012, atendendo aos pedidos da CNA e de congressistas do Senado Federal, a direção nacional do Incra alterou as regras para a certificação de georreferenciamento a partir da Norma de Execução 105. Desde então, a quantidade de documentos exigidos aos proprietários diminuiu, o que deve reduzir o tempo de tramitação dos processos. A partir de agora o processo consiste na simples conferência do código do imóvel e da análise da poligonal e memorial descritivo da propriedade e não mais de forma detalhada como era antes. O diretor nacional de Ordenamento Fundiário, Richard Torsiano, reconheceu que os funcionários do Incra faziam um trabalho que compete aos cartórios, segundo consta em matéria publicada no site do Incra (WEB, 2012). De acordo com Torsiano, agora os funcionários precisam conferir apenas o levantamento topográfico da propriedade para checar se os limites do imóvel que está sendo georreferenciado não se sobrepõem aos das propriedades vizinhas e verificar se o memorial descritivo atende a normativa. O profissional que fizer o levantamento topográfico da propriedade submeterá o trabalho a um programa que disponibilizaremos na rede mundial de computadores. A partir daí, a análise dos processos será ainda mais rápida e a emissão dos certificados também, garante Torsiano. A expectativa é de que a partir de agora o Incra consiga, em poucos meses, dar vazão aos pedidos pré-certificados e aos poucos atender a todos os requerimentos em um prazo bem mais curto. Para acelerar ainda mais o processo, a partir de fevereiro as certificações poderão ser emitidas via internet. 17

18 Imagem 3: Richard Torsiano, diretor nacional de Ordenamento Fundiário do Incra. Fonte: Prorrogado (2011) A seguir, confira em detalhes o texto da Norma de Execução 105 e as mudanças estabelecidas (INCRA, 2012b). Do cadastro do imóvel O servidor responsável pela análise conferirá somente se o código do imóvel informado no memorial descritivo consta da base de dados do Sistema Nacional de Cadastro Rural (SNCR). Se o código não estiver na base do SNCR, o requerimento será indeferido. Nos casos de desmembramento ou remembramento de imóvel rural, se o código não estiver presente no memorial descritivo, o servidor responsável pela análise deverá promover a sua inclusão no SNCR, desde que a documentação contida no processo admita essa possibilidade. Caso não haja a possibilidade de inclusão, o requerimento será indeferido. Da análise cartográfica A análise cartográfica vai verificar se a poligonal objeto do memorial descritivo não se sobrepõe a nenhuma outra constante do cadastro georreferenciado do Incra e que o memorial atende às exigências técnicas. Somente serão utilizados na análise os seguintes documentos, dispensando-se os demais constantes do processo: a) o memorial descritivo em meio analógico devidamente assinado por profissional 18

19 habilitado; e b) o arquivo digital que contenha o polígono que represente os limites do imóvel rural, doravante denominado "perímetro limpo". 1. Sobreposição O cadastro georreferenciado do Incra seguirá hierarquia quanto à precisão dos polígonos que o compõe, denominadas de classes, na seguinte forma: a) Classe 1: composta pelos polígonos já certificados e presentes na base de dados do Incra; e b) Classe 2: polígonos somente georreferenciados (Unidades de Conservação, Terras Indígenas, Assentamentos Rurais, Terras Públicas, Territórios Quilombolas, entre outros). O servidor responsável pela análise verificará se o "perímetro limpo" coincide com o memorial descritivo, comparando o valor das coordenadas de três vértices de escolha aleatória, e também o valor da área e do perímetro constante no "perímetro limpo" com aquele apresentado no memorial descritivo. Caso o "perímetro limpo" não permita a análise do perímetro definido no memorial descritivo, deverá ser tentada uma das alternativas abaixo: a) exclusão de camada do arquivo que contenha a planta digital completa a fim de se obter o perímetro limpo; ou b) a partir da planilha de cálculo analítico de área representar em formato vetorial a fim de se obter o perímetro limpo. Caso as duas alternativas não sejam passíveis de aplicação, o requerimento será indeferido. Realizado o procedimento acima descrito, o servidor responsável pela análise verificará se o "perímetro limpo" se sobrepõe a algum outro polígono da classe 1 ou da classe 2. Tratando-se de sobreposição com polígono(s) da classe 1, a poligonal não será certificada e o requerimento indeferido. Tratando-se de sobreposição com polígono(s) da classe 2, referentes a áreas sob a gestão de entidade ou órgão público federal, estadual ou municipal, este será comunicado, via ofício, para manifestar-se no prazo de trinta dias. Se não houver manifestação da entidade ou órgão público, ou se a manifestação for desfavorável à certificação, o requerimento será indeferido. Tratando-se de sobreposição com polígono(s), classe 1 ou classe 2, referentes a áreas sob a gestão do INCRA, o setor competente avaliará o caso e decidirá a respeito, deferindo ou não o requerimento. 2. Memorial Descritivo O servidor responsável, ao analisar se o memorial descritivo atende as exigências técnicas, deverá: 19

20 a) Conferir a existência dos seguintes itens no cabeçalho, independente da ordem apresentada: Imóvel; Proprietário; Município; Unidade Federativa; Matrícula(s); Código do Imóvel no Incra (SNCR); Área; Perímetro; b) Verificar se o perímetro do imóvel foi descrito por distâncias, azimutes e coordenadas, calculadas no plano de projeção UTM (observando a correta vinculação ao meridiano central de acordo com a localização geodésica do imóvel), vinculadas ao Sistema Geodésico Brasileiro - SGB; e c) Verificar se o responsável técnico que assinou o memorial descritivo está cadastrado, ativo e com o seu código válido na listagem de técnicos credenciados do Incra, bem como informou o número da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART). Da certificação Efetuada a análise e verificado o atendimento de todos os requisitos, o servidor responsável pela análise deverá: a) inserir o perímetro limpo no cadastro georreferenciado do Incra; b) emitir e assinar o documento de certificação; e c) carimbar e assinar o memorial descritivo. Da notificação Nos casos de indeferimento do requerimento, o servidor responsável pela análise notificará o requerente e o profissional credenciado uma única vez, informando todas as inconsistências encontradas. A notificação será enviada por correio eletrônico e por carta registrada. O requerente terá até 60 dias, a contar da data de recebimento da carta registrada, para manifestar-se, sob pena de arquivamento. A manifestação deverá sanar todas as inconsistências apontadas, sob pena de arquivamento. Somente será admitida mais de uma notificação quando houver falha administrativa na notificação anterior. Disposições finais A certificação da poligonal objeto do memorial descritivo pelo Incra não implicará reconhecimento do domínio ou a exatidão dos limites e confrontações indicados pelo proprietário, bem como não dispensará a qualificação registral, atribuição exclusiva do oficial de registro de imóveis. 20

21 O requerente e o profissional credenciado são responsáveis por todas as informações prestadas, inclusive pelas inconsistências que por acaso vierem a ser detectadas na poligonal certificada e por eventuais prejuízos causados a terceiros. ENTREVISTA Ciro Fernando Assis Siqueira: Consultor do Instituto CNA 1- Caso as novas regras para a certificação tenham o efeito esperado, quanto tempo estima-se necessário para a vazão dos cerca de 29 mil pedidos protocolados no Incra? Siqueira: A expectativa da diretoria de Ordenamento da Estrutura Fundiária do Incra é de que todos os processos pendentes devem ser apreciados em 4 meses, até abril de Para os proprietários de imóveis com área superior a 500 hectares a exigência do certificado já está em vigor. Quais são os prejuízos para os proprietários de terra que aguardam a certificação? Siqueira: Os imóveis cujo prazo para certificação está expirado não podem ter o domínio alterado pelos cartórios. Ou seja, caso haja uma transação de compra e venda de imóveis nessa situação o comprador não consegue concluir a transferência da terra para o seu nome no Cartório de Registro de Imóveis. Na prática, imóveis que não têm certificação não podem ser comprados ou vendidos. A maioria dos atos de compra e venda de imóveis rurais acaba acontecendo à margem do devido processo legal, o que confere insegurança jurídica ao processo. Esse ambiente de insegurança limita novos investimentos e afeta o mercado e o preço da terra. 3 - Qual seria o tempo ideal de tramitação do processo de certificação? Siqueira: O menor possível. Lembrando que depois de certificada qualquer alteração dos limites do imóvel deverá passar novamente pelo mesmo processo de certificação. Um proprietário que tenha um imóvel certificado e compre uma área do seu vizinho, ou venda uma parte do seu imóvel, deverá passar novamente pelo processo de certificação dos novos limites. Quanto mais agilidade tiver o processo, menos será seu efeito no ambiente de negócios no campo. 21

22 CONSIDERAÇÕES FINAIS A emissão do Certificado de Cadastro de Imóvel Rural (CCIR) pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) tornou-se um processo lento e problemático para proprietários de imóveis rurais em todo o país. Obrigatória desde 2001 para a realização de qualquer alteração cartorial de propriedade, a emissão do certificado depende de análise do georreferenciamento realizado nas propriedades. Para cumprir os prazos estipulados por decreto, entre eles o mês de novembro de 2013 para imóveis entre 250 e menos de 500 hectares, milhares de proprietários encaminharam documentação ao Incra, mas a autarquia não conseguiu analisar os pedidos em tempo satisfatório. Em dezembro de 2012 havia cerca de 29 mil pedidos represados a espera de parecer do Incra. Desde 2001, apenas 42,8 mil receberam a certificação, segundo dados fornecidos pela autarquia. Para resolver o problema, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), com apoio de congressistas do Senado Federal, solicitou ao Incra modificações no processo de certificação. Em dezembro de 2012, o Incra anunciou alterações na averiguação do georreferenciamento, medidas que devem acelerar o trabalho dos técnicos e reduzir o tempo necessário para o fornecimento dos pareceres. A partir da Norma de Execução 105, os técnicos do Incra deixaram de realizar tarefas que são atribuições dos cartórios. Agora eles devem somente checar se os limites do imóvel não se sobrepõem aos das propriedades vizinhas e verificar se o memorial descritivo atende as normas legais. Com isso, espera-se que em poucos meses todos os pedidos de certificação sejam atendidos. Além disso, o Incra deve disponibilizar na internet, em fevereiro, um programa específico para o encaminhamento dos levantamentos topográficos. Os pareceres também devem ser emitidos de forma informatizada. FONTES BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei n , de 28 de agosto de Altera dispositivos das Leis n , de 6 de abril de 1966, 5.868, de 12 de dezembro de 1972, 6.015, de 31 de dezembro de 1973, 6.739, de 5 de dezembro de 1979, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e dá outras providências. Brasília, 28 ago Disponível em: Acesso em: 08 jan BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto 7.620, de 21 de novembro de Altera o art. 10 do Decreto n , de 30 de outubro de 2002, que regulamenta a Lei n , de 28 de agosto de Brasília, 21 nov Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2011/decreto/d7620.htm> Acesso em: 09 jan

23 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2006 Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação segunda apuração. Censos 2007a. [Tabela 2.2.1]. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/2006_segunda_ apuracao/default_tab_pdf.shtm>. Acesso em: 09 jan IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2006: resultados preliminares. Rio de Janeiro, IBGE, Censos 2007b. 146 p. Disponível em:<http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/2006/agrop ecuario.pdf. Acesso em: 11 jan CNA entra com ação contra obrigatoriedade de georreferenciamento. Aprosoja. 01 nov. 2012a. Disponível em: <http://aprosojams.org.br/vernoticia?id=918&tit=cna-entra-coma%c3%a7%c3%a3o-contra-obrigatoriedade-de-georreferenciamento.html>. Acesso em: 09 jan CNA questiona dispositivos da Lei dos Registros Públicos. VA/AD in: Supremo Tribunal Federal. 26 out. 2012b. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/cms/vernoticiadetalhe.asp?idconteudo=222295>. Acesso em: 08 jan INCRA e Exército iniciam trabalhos para certificação de georreferenciamento. Incra. 22 mai. 2012a. Disponível em: <http://www.incra.gov.br/index.php/noticias-sala-deimprensa/noticias/12091-incra-e-exercito-iniciam-trabalhos-para-certificacao-degeorreferenciamento>. Acesso em: 08 jan INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Norma de Execução Nº 105, de 26 de novembro de Regulamenta o procedimento de certificação da poligonal objeto de memorial descritivo de imóveis rurais a que se refere o 5º do art. 176 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973, e a norma técnica para georreferenciamento de imóveis rurais. Normas de Execução. Brasília, n. 228, Seção 1, pág. 69, 2012b. Disponível em: <http://www.incra.gov.br/index.php/institucionall/legislacao--/atos-internos/normas-deexecucao/file/1406-norma-de-execucao-n > Acesso em: 09 jan INCRA atende pedido da CNA e flexibiliza regras para certificação de propriedades rurais. Canal do Produtor. 04 dez. 2012c. Disponível em: <http://www.canaldoprodutor.com.br/comunicacao/noticias/incra-atende-pedido-da-cna-eflexibiliza-regras-para-certificacao-dos-imoveis-r>. Acesso em: 08 jan HOFFMANN, Rodolfo; NEY, Marlon Gomes. Estrutura fundiária e propriedade agrícola no Brasil - grandes regiões e unidades da federação (de 1970 a 2008). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, p. Disponível em: <https://www.google.com.br/url?sa=f&rct=j&url=http://www.nead.gov.br/portal/nead/publica coes/download_orig_file%3fpageflip_id%3d &q=&esrc=s&ei=cyseuza1i4lm9atmzod ABA&usg=AFQjCNHXs1wuaWpq9mo-TnHWEAhMjmVf_w>. Acesso em: 09 jan MAZUCHELI, Claudemir. Brasil estrutura fundiária. Núcleo de Estudos, Pesquisas e projetos de Reforma Agrária - Atlas da Questão Agrária Brasileira por Eduardo Paulon Girardi in: Blog Geografia e Luta. 13 out Disponível em: <http://profcmazucheli.blogspot.com.br/2009/10/brasil-estrutura-fundiaria.html>. Acesso em: 11 jan

24 PRORROGADO prazo de georreferenciamento para imóveis rurais com menos de 500 hectares. Incra. 22 nov Disponível em: <http://www.incra.gov.br/index.php/noticias-sala-deimprensa/noticias/11283-prorrogado-prazo-de-georreferenciamento-para-imoveis-rurais-commenos-de-500-hectares>. Acesso em: 08 jan SAIBA o que é georreferenciamento. Med Geo. Tupaciguara (MG), 10 nov Disponível em: <http://georreferenciamentoincra.com.br/o-que-e-georreferenciamento/>. Acesso em: 09 jan SIQUEIRA, C. F. A. Entrevista concedida a Márcio Miranda Alves. Florianópolis, 10 jan Entrevista. SISTEMA de certificação de imóveis. Incra. Certificação de Imóveis Rurais. Brasília, Disponível em: <http:// /certifica/abertura.asp#>. Acesso em: 09 jan SCUSSEL, Alexandre. Confea e Incra firmam parceria para melhorar georreferenciamento de imóveis rurais. Equipe de Comunicação do Confea in: Mundo Geo. 23 out Disponível em: <http://mundogeo.com/blog/2012/10/23/confea-e-incra-firmam-parceria-para-melhorargeorreferenciamento-de-imoveis-rurais/> Acesso em: 09 jan SUSPENSÃO da certificação de georreferenciamento pelo Incra. Canal do Produtor. 29 out Disponível em: <http://www.canaldoprodutor.com.br/comunicacao/noticias/suspensaoda-certificacao-de-georreferenciamento-pelo-incra>. Acesso em: 08 jan UMA SOLUÇÃO para a desburocratização do georreferenciamento em 30 dias. Canal do Produtor. 01 nov Disponível em: <http://www.canaldoprodutor.com.br/comunicacao/noticias/uma-solucao-paradesburocratizacao-do-georreferenciamento-em-30-dias>. Acesso em: 07 jan WEB - Incra reduz burocracia para certificar georreferenciamento. Notícias MS in: Incra. 06 dez Disponível em: <http://www.incra.gov.br/index.php/noticias-sala-deimprensa/incra-na-midia/12537-web-incra-reduz-burocracia-para-certificargeoreferenciamento>. Acesso em: 09 jan

25 MINISTÉRIO DO DESENVLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA DIRETORIA DE ORDENAMENTO DA ESTRUTURA FUNDIÁRIA - DF NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS CADASTRAIS - NEEC TOTAL BRASIL Total de Imóveis rurais Total de área cadastrada (em hectares) ,06 CLASSE DE ÁREA PROPRIEDADE TOTAL DE IMÓVEIS TOTAL DE ÁREA (ha) POSSE E PROPRIEDADE TOTAL DE IMÓVEIS TOTAL DE ÁREA (ha) POSSE POR SIMPLES OCUPAÇÃO TOTAL DE IMÓVEIS TOTAL DE ÁREA (ha) POSSE A JUSTO TÍTULO TOTAL DE IMÓVEIS TOTAL DE ÁREA (ha) POSSE SIMPLES OCUPAÇÃO E A JUSTO TÍTULO TOTAL DE IMÓVEIS TOTAL DE ÁREA (ha) SITUAÇÃO JURÍDICA NÃO INFORMADA TOTAL DE IMÓVEIS TOTAL DE ÁREA (ha) , , , , , , Mais de 0 a menos de 1 (ha) , , , , , ,24 1 a menos de 2 (ha) , , , , , ,80 2 a menos de 5 (ha) , , , , , ,82 5 a menos de 10 (ha) , , , , , ,31 10 a menos de 25 (ha) , , , , , ,14 25 a menos de 50 (ha) , , , , , ,30 50 a menos de 100 (ha) , , , , , , a menos de 250 (ha) , , , , , , a menos de 500 (ha) , , , , , , a menos de 1000 (ha) , , , , , , a menos de (ha) , , , , , , a menos de (ha) , , , , , , a menos de (ha) , , , , , , a menos de (ha) , , , , , , a menos de (ha) , , , ,63 0 0, , a menos de (ha) , , , ,61 0 0, , a menos de (ha) ,10 0 0, , ,32 0 0, ,23 Imóveis Incosist. Excluídos , , , , , ,46 Total de Imóveis rurais inconsistentes excluídos Total de área cadastrada inconsistente excluída (em hectares) ,68 Fonte: SNCR, Apuração Especial realizada em 02/2012. quinta-feira, 26 de abril de 2012 Página 1 de 2

26 e Mais (ha) , , , ,42 0 0, ,00 Imóveis Incosist. Excluídos , , , , , ,46 Total de Imóveis rurais inconsistentes excluídos Total de área cadastrada inconsistente excluída (em hectares) ,68 Fonte: SNCR, Apuração Especial realizada em 02/2012. quinta-feira, 26 de abril de 2012 Página 2 de 2

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.449, DE 30 DE OUTUBRO DE 2002. Texto compilado Regulamenta a Lei n o 10.267, de 28 de agosto de 2001, que altera dispositivos

Leia mais

INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS

INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS Kilder José Barbosa Engenheiro Agrimensor Analista/INCRA Kilder Barbosa - Engenheiro Agrimensor Analista em Reforma e Desenvolvimento

Leia mais

CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis

CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis RIDALVO MACHADO DE ARRUDA PROCURADOR FEDERAL (PFE-INCRA/PB) ESPECIALISTA EM DIREITO REGISTRAL IMOBILIÁRIO NO DIREITO AGRÁRIO

Leia mais

NOTA TÉCNICAlINCRAlDFG/N 01/2010, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. CONSIDERANDO, a necessidade de modernização no processo de certificação de

NOTA TÉCNICAlINCRAlDFG/N 01/2010, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. CONSIDERANDO, a necessidade de modernização no processo de certificação de - PUBLICAÇÃO NOTA TÉCNICAlINCRAlDFG/N 01/2010, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010 l.~~~~~-.-:~~ Estabelece a nova metodologia de análise de processos de Certificação de Imóveis Rurais no INCRA Cuiabá, 22 de Fevereiro

Leia mais

Georreferenciamento de Imóveis Rurais SIGEF

Georreferenciamento de Imóveis Rurais SIGEF Georreferenciamento de Imóveis Rurais SIGEF O Sistema de Gestão Fundiária (SIGEF) é uma ferramenta eletrônica desenvolvida pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e pelo Ministério

Leia mais

GEO-REFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS

GEO-REFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS GEO-REFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS CARLOS ANTÔNIO DE ARAÚJO SUMÁRIO: 1. As alterações introduzidas pela Lei 10.267/01-2. O que é geo-referenciamento? - 3. Finalidade do geo-referenciamento - 4. Quando

Leia mais

Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais

Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais Diferença entre Registro, Certidão e Matrícula Diferenças entre Averbar e Registrar Necessidade de Retificar um Registro ( retificação

Leia mais

Aquisição de Imóveis Rurais por Estrangeiros

Aquisição de Imóveis Rurais por Estrangeiros INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA RIA - INCRA Aquisição de Imóveis Rurais por Estrangeiros JULHO/2008 Aquisição de Terras por Estrangeiros A QUEM ESTÁ VEDADA Pessoa física estrangeira

Leia mais

Por dentro do Manual para Certificação de Imóveis Rurais

Por dentro do Manual para Certificação de Imóveis Rurais Por dentro do Manual para Certificação de Imóveis Rurais Sistema de Gestão Fundiária (SIGEF) Desmembramento e Remembramento Cancelamentos - A pedido de outro profissional, por sobreposição - A pedido do

Leia mais

2010 O ANO DAS MUDANÇAS NO INCRA

2010 O ANO DAS MUDANÇAS NO INCRA 2010 O ANO DAS MUDANÇAS NO INCRA *Murilo Damé Paschoal *Michele Müller O ano de 2010 está chegando ao fim marcado por muitas novidades anunciadas pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 Dispõe sobre a autorização para recebimento e homologação de laudos técnico-ambientais e plantas georreferenciadas, elaborados

Leia mais

CNIR Lei 10.267 de 28 de Agosto de 2001 Decreto Regulamentador 4.449/02

CNIR Lei 10.267 de 28 de Agosto de 2001 Decreto Regulamentador 4.449/02 CADASTRO NACIONAL DE IMÓVEIS RURAIS CNIR Lei 10.267 de 28 de Agosto de 2001 Decreto Regulamentador 4.449/02 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA

Leia mais

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências INSTRUÇÃO NORMATIVA MMA Nº 4, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências A MINISTRA DE ESTADO

Leia mais

GEORREFERENCIAMENTO E CERTIFICAÇÃO

GEORREFERENCIAMENTO E CERTIFICAÇÃO GEORREFERENCIAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS Curitiba Dezembro/2013 Fábio Pagliosa Ulkowski - Engenheiro Cartógrafo Analista em Reforma e Desenvolvimento Agrário INCRA-PR SUMÁRIO 1. O Georreferenciamento

Leia mais

1º ENCONTRO REGINAL DO CORI/MG EM VARGINHA

1º ENCONTRO REGINAL DO CORI/MG EM VARGINHA 1º ENCONTRO REGINAL DO CORI/MG EM VARGINHA DAS CÉDULAS DE CRÉDITO HUMBERTO GOMES DO AMARAL RI MUZAMBINHO rimuzambinho@yahoo.com.br Telefone: 035-3571-5041 1- Cédula de Crédito Bancário Alienação Fiduciária

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 23-CNA Brasília, 23 de junho de 2006.

NOTA TÉCNICA Nº 23-CNA Brasília, 23 de junho de 2006. NOTA TÉCNICA Nº 23-CNA Brasília, 23 de junho de 2006. Autor: Anaximandro Doudement Almeida Assessor Técnico Promotor: Comissão Nacional de Assuntos Fundiários Assunto: Projeto de Lei nº 6623, de 2006.

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA DECRETO Nº 13.346, DE 24 DE JUNHO DE 2013. Regulamenta a Lei Complementar nº 4.403, de 5 de junho de 2013, que Estabelece obrigação de uso do sistema ITBI

Leia mais

Interconexão INCRA e Registro de Imóveis. Quêidimar Cristina Guzzo Rodrigues

Interconexão INCRA e Registro de Imóveis. Quêidimar Cristina Guzzo Rodrigues Interconexão INCRA e Registro de Imóveis Quêidimar Cristina Guzzo Rodrigues São Paulo, 15 de Junho de 2011 Cadastro do INCRA - SNCR SNCR instituído em novembro de 2002; Possui natureza declaratória; Utilizado,

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL

USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL DOCUMENTOS: Requerimento com a qualificação completa dos interessados, firmado por advogado devidamente constituído. Não há necessidade de reconhecimento de firma (item 2.1 da Circular

Leia mais

POR DENTRO DO NOVO SISTEMA NACIONAL DE CADASTRO RURAL

POR DENTRO DO NOVO SISTEMA NACIONAL DE CADASTRO RURAL POR DENTRO DO NOVO SISTEMA NACIONAL DE CADASTRO RURAL Ementa O que é CCIR Diferença entre CCIR, SNCR, NIRF e ITR Número do Código INCRA é o CCIR? Legislação pertinente O que é o Cadastro de Imóvel Rural

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ PROVIMENTO N 001/2003 CGJ Estabelece normas de serviço acerca dos Procedimentos de Registro de Nascimento, Casamento e Óbito de Brasileiros ocorridos em País Estrangeiro, bem como o traslado das certidões

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las! 3 Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015.

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Estabelece diretrizes e procedimentos para o cumprimento da compensação ambiental decorrente do corte e da supressão de vegetação nativa pertencente ao bioma

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL ASA Paragominas Agência de Serviços Ambientais de Paragominas COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como criá-las e como negociá-las ASA Paragominas Agência de Serviços Ambientais de Paragominas COTAS

Leia mais

I requerimento preenchido e assinado pelo requerente ou representante legal;

I requerimento preenchido e assinado pelo requerente ou representante legal; Instrução Normativa nº 006, de 30 de setembro de 2013. O Diretor Presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo- IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 35 da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica.

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica. NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/Nº 14, DE 31 DE MAIO DE 2001 (Publicação: Diário Oficial n 110-E, de 7/6/2001, seção 1, pág. 123 e Boletim de Serviço n 24, de 11/6/2001) Estabelece procedimentos técnicos e administrativos

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014.

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo - IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do

Leia mais

MANUAL PARA GESTÃO DA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS

MANUAL PARA GESTÃO DA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS MANUAL PARA GESTÃO DA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS 1ª Edição Brasília 2013 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA Diretoria

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ PROVIMENTO Nº 0060/97 O Desembargador GILBERTO DE PAULA PINHEIRO, Vice- Presidente/Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Amapá, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a Lei Federal nº 6.766,

Leia mais

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. Institui a emissão de Certidões Judiciais Cíveis e Criminais, inclusive por meio eletrônico, no âmbito da 1ª Instância do Poder Judiciário do Estado de Alagoas

Leia mais

PORTARIA Nº 144 DE 07 DE NOVEMBRO DE 2007.

PORTARIA Nº 144 DE 07 DE NOVEMBRO DE 2007. PORTARIA Nº 144 DE 07 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o modelo do Termo de Compromisso previsto no art. 129 da Lei no 10.431, de 20 de dezembro de 2006, e dá outras providências. O SECRETÁRIO DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

Serviço Público Federal Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense

Serviço Público Federal Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense 1 Serviço Público Federal Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Rio de Janeiro, em 12 de maio de 2014. Edital do Processo Seletivo para o Curso Micropolítica da Gestão e Trabalho em Saúde

Leia mais

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013.

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. Publicado no DOM n 1.528, de 14.06.2013 Dispõe sobre procedimentos para solicitações referentes ao Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU,

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las! Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental (CRAs)? O que são Cotas de Reserva Ambiental?

Leia mais

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2005 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a desburocratização dos processos de constituição, funcionamento e baixa das microempresas e empresas de pequeno porte, nos

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 6 DE AGOSTO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS

Leia mais

DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010

DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010 GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010 Introduz alterações no RICMS/ES, aprovado pelo Decreto n.º 1.090- R, de 25 de outubro de 2002. O GOVERNADOR

Leia mais

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 429, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2012. Dispõe sobre o registro de corretor e de sociedade corretora de seguros, sobre a atividade de corretagem de seguros

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural

Cadastro Ambiental Rural Cadastro Ambiental Rural E suas possíveis contribuições para a gestão de bacias hidrográficas Botucatu 28/06/2013 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos

Leia mais

Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil

Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil Companhia Nacional de Abastecimento Levantamento de Estoques Privados de Café do Brasil Data de referência: 31/03/2007 Relatório final Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da

Leia mais

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. Julgamento de Processos

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. Julgamento de Processos 1 I - PROCESSOS DE VISTAS I. I - PROCESSOS QUE RETORNAM À CÂMARA APÓS "VISTA" CONCEDIDA 2 UGI PRESIDENTE PRUDENTE Nº de Ordem 1 Processo/Interessado PR-661/2012 Relator JOÃO BATISTA PEREIRA ANTONIO MOACIR

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe sobre o registro de corretor de seguros, de capitalização e de previdência, pessoa física e pessoa jurídica,

Leia mais

CONSIDERANDO a necessidade de uniformizar os critérios para Certificação e Atualização Cadastral de Imóveis Rurais;

CONSIDERANDO a necessidade de uniformizar os critérios para Certificação e Atualização Cadastral de Imóveis Rurais; NORMA DE EXECUÇÃO INCRA/DF/ Nº 92 DE 22 DE FEVEREIROEIRO DE 2010. (Publicada no DOU, nº 42, de 4 de março de 2010, Seção I, página 81 e Boletim de Serviço nº 10, de 8 de março de 2010). Estabelece as diretrizes

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Documentação prevista na Lei Federal 12.51 de 25 de maio de 2012: 1 - identificação do proprietário ou possuidor rural; 2 - comprovação

Leia mais

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 2009 DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 Institui, no âmbito da Secretaria de Estado da Habitação Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais Cidade Legal Comitê de Regularização

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

EDITAL PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS PELO INCRA

EDITAL PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS PELO INCRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE SANTA CATARINA - SR(10)SC EDITAL PARA AQUISIÇÃO

Leia mais

Clipping. Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Clipping. Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de novembro de 2014 Veículo: Minas Gerais Data: 28/11/2014 Editoria: Diário do Executivo Página: 18 Clipping Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de

Leia mais

ATO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO: RC - Resolução do CONSAD. Resolução n. 65, de 19 de maio de 2015.

ATO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO: RC - Resolução do CONSAD. Resolução n. 65, de 19 de maio de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO Avenida Presidente Tancredo Neves, 2501 Terra Firme Cep: 66077-530 - Belém/Pará Tel.: (91)3210-5165/3210-5166

Leia mais

Cadastro adastro de Imóveis Rurais

Cadastro adastro de Imóveis Rurais MINISTÉRIO DE DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO RIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONICAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA RIA INCRA DIRETORIA DE ORDENAMENTO DA ESTRUTURA FUNDIÁRIA Coordenação de Cadastro Rural Cadastro adastro

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015 RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015 Altera os critérios e procedimentos para requerimento, emissão, revisão, extensão, suspensão e cancelamento do Credenciamento Institucional para

Leia mais

Legislação do Georreferenciamento e Certificação. Norma Técnica 3ª Edição. Manual Técnico de Limites e Confrontações. Manual Técnico de Posicionamento

Legislação do Georreferenciamento e Certificação. Norma Técnica 3ª Edição. Manual Técnico de Limites e Confrontações. Manual Técnico de Posicionamento 1. Objetivos Legislação do Georreferenciamento e Certificação 2. Norma Técnica 3ª Edição Contém as regras gerais. Expectativa de ser menos sensível a alterações. Manual Técnico de Limites e Confrontações

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PORTARIA N.º 3 DE 22 /11 /2005 Dispõe sobre a prova de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA

Leia mais

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - -

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - - UTE INFORMAÇÕES PARA CONTATO: NOME: TELEFONES: ( ) EMAIL: AGENTE FINANCEIRO DE ENCAMINHAMENTO DA PROPOSTA: ( ) BANCO DO BRASIL ( ) BANCO DO NORDESTE ( ) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL LINHA DE FINANCIAMENTO:

Leia mais

CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL

CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL INSTRUÇÃO NORMATIVA, N.º 09, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2002. Aprovada: Resolução/CD nº 37/2002 - D.O 222, de 18/11/02, seção 1, p.86 e B.S. nº 46, de 18/11/02 Define diretrizes básicas da atividade de fiscalização

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná LEI Nº 872/2009 Disciplina a dação de bens imóveis como forma de extinção da obrigação tributária no município de Juranda,, prevista no inciso XI do artigo 156 do Código Tributário Nacional, acrescido

Leia mais

Certificado de Origem

Certificado de Origem Mercadores Certificado de Origem Coletânea (Versão Histórica) Versão 2.00 - Maio de 2010 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 777, de 19 de outubro de 2007 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com www.mercadores.com.br

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE DECRETO Nº 29.720 DE 03 DE FEVEREIRO DE 2014

GOVERNO DE SERGIPE DECRETO Nº 29.720 DE 03 DE FEVEREIRO DE 2014 PUBLICADO NO D.O.E. Nº 26.912 DE 13.02.2014. Regulamenta a Lei nº 7.650, de 31 de maio de 2013, que dispõe sobre a comunicação eletrônica entre a Secretaria de Estado da Fazenda SEFAZ, e o sujeito passivo

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ Atualizado em 08/09/2015 RESOLUÇÃO STJ/GP N. 3 DE 5 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do

Leia mais

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015 Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 1 A Ouvidoria do DNPM, órgão de assistência direta e imediata ao Diretor-Geral, foi criada por meio do Decreto nº 7.9, de

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS DAS DÚVIDAS MAIS FREQUENTES SOBRE O CNIS - SEGURADO ESPECIAL

PERGUNTAS E RESPOSTAS DAS DÚVIDAS MAIS FREQUENTES SOBRE O CNIS - SEGURADO ESPECIAL PERGUNTAS E RESPOSTAS DAS DÚVIDAS MAIS FREQUENTES SOBRE O CNIS - SEGURADO ESPECIAL 1. Quando o sindicato pode começar a fazer o cadastro do segurado especial? Para fazer o cadastro, o sindicato precisa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.143 INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Caputo Bastos. Dispõe sobre pesquisas eleitorais. O Tribunal Superior Eleitoral, usando das atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 Dispõe sobre os procedimentos para cadastramento de Fundações Privadas ou Associações pela Comissão de Cadastramento de ONGs e Associações, de

Leia mais

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS João Pedro Lamana Paiva 1 O novo Código de Processo Civil (Lei nº 13.105, de 16.3.2015), sancionado em 16.3.2015, introduz na ordem jurídica brasileira,

Leia mais

Termo de Cooperação Técnica entre as Procuradorias Gerais dos Estados e do Distrito Federal

Termo de Cooperação Técnica entre as Procuradorias Gerais dos Estados e do Distrito Federal Termo de Cooperação Técnica entre as Procuradorias Gerais Termo de Cooperação Técnica celebrado entre as Procuradorias Gerais das Unidades Federais do Acre, Amazonas, Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito

Leia mais

14/06/2013. Andréa Baêta Santos

14/06/2013. Andréa Baêta Santos Tema: DIREITO REGISTRAL IMOBILIÁRIO Questões de Registro de Imóveis 14/06/2013 1. Na certidão em relatório Oficial deve sempre se ater ao quesito requerente? formulado o pelo Não, pois sempre que houver

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

PROVIMENTO Nº 36 /2013 CGJ - MT

PROVIMENTO Nº 36 /2013 CGJ - MT PROVIMENTO Nº 36 /2013 CGJ - MT Dispõe sobre a padronização dos procedimentos de averbação de georreferenciamento e registro de Títulos Definitivos de Domínio emitidos pelo Poder Público, Estadual e/ou

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR O QUE ÉO CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009.

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. Regulamenta o Capítulo VII da Lei nº 4.257, de 02 de dezembro de 2008 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

SERFAL Secretaria Extraordinária ria de Regularização Fundiária da Amazônia Legal

SERFAL Secretaria Extraordinária ria de Regularização Fundiária da Amazônia Legal SERFAL Secretaria Extraordinária ria de Regularização Fundiária da Amazônia Legal SIPAM INCRA Ministérios do Desenvolvimento Agrário e da Defesa Programa Terra Legal Em 2009: Programa Terra Legal é criado,

Leia mais

Declaração para Cadastro de Imóveis Rurais. Manual de Orientação para Preenchimento da

Declaração para Cadastro de Imóveis Rurais. Manual de Orientação para Preenchimento da Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - INCRA SISTEMA NACIONAL DE CADASTRO RURAL - SNCR Manual de Orientação para Preenchimento da Declaração para

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 15/2013 VALOR DA TERRA NUA PARA FINS DE RECOLHIMENTO DO IMPOSTO TERRITORIAL RURAL - ITR.

NOTA TÉCNICA Nº 15/2013 VALOR DA TERRA NUA PARA FINS DE RECOLHIMENTO DO IMPOSTO TERRITORIAL RURAL - ITR. NOTA TÉCNICA Nº 15/2013 Brasília, 4 de abril de 2013. ÁREA: TÍTULO: Finanças/tributação VALOR DA TERRA NUA PARA FINS DE RECOLHIMENTO DO IMPOSTO TERRITORIAL RURAL - ITR. REFERÊNCIA: Convênio de 100% do

Leia mais

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014.

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. DECRETO Nº 39680 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2014 Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

O Desembargador Fernando Luiz Ximenes Rocha, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, no exercício de suas atribuições legais, etc.

O Desembargador Fernando Luiz Ximenes Rocha, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, no exercício de suas atribuições legais, etc. ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO Nº.../2008 Dispõe sobre a implantação do controle dos selos de autenticidade pelo novo Sistema de Impressão de Guia Extrajudicial Online

Leia mais

ANEXO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPU - 001

ANEXO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPU - 001 ANEXO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPU - 001 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL A presente Instrução Normativa obedece ao disposto no 3º, art. 3º do Decreto Lei nº 2.398, de 21 de dezembro de 1987, Lei nº 5.194, de 24 de dezembro

Leia mais

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo DECRETO Nº 12.693 DE 25 DE ABRIL DE 2007 Estabelece procedimentos

Leia mais

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação!

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Para realizar sua contemplação providenciar a documentação solicitada abaixo e levar até uma loja do Magazine Luiza ou representação autorizada

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PORTARIA Nº 160, DE 5 DE MARÇO DE 2013 Dispõe sobre a habilitação das instituições privadas de ensino superior e de educação profissional técnica de nível médio e sobre a adesão das respectivas mantenedoras

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS Dispõe sobre empréstimo de valores mobiliários por entidades de compensação e liquidação de operações com valores mobiliários, altera as Instruções CVM nºs 40, de 7 de novembro de 1984 e 310, de 9 de julho

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais