A APLICAÇÃO DO FAZER ANTROPOLÓGICO: UM OLHAR SOBRE A ELABORAÇÃO DE LAUDOS PARA O RECONHECIMENTO DE COMUNIDADES REMANESCENTES DE QUILOMBOS NA AMAZÔNIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A APLICAÇÃO DO FAZER ANTROPOLÓGICO: UM OLHAR SOBRE A ELABORAÇÃO DE LAUDOS PARA O RECONHECIMENTO DE COMUNIDADES REMANESCENTES DE QUILOMBOS NA AMAZÔNIA"

Transcrição

1 A APLICAÇÃO DO FAZER ANTROPOLÓGICO: UM OLHAR SOBRE A ELABORAÇÃO DE LAUDOS PARA O RECONHECIMENTO DE COMUNIDADES REMANESCENTES DE QUILOMBOS NA AMAZÔNIA Erika Giuliane Andrade Souza Beser1 Raquel Araújo Amaral2 INTRODUÇÃO A região do Baixo Amazonas paraense abriga diversas comunidades remanescentes das comunidades de quilombos que romperam com sua condição social ao fugirem dos cacoais, das fazendas de criar, das propriedades dos senhores de Óbidos, Santarém, Alenquer, mesmo de Belém e outros centros urbanos. Parte destas comunidades, especialmente nos municípios de Santarém e Óbidos já obtiveram título definitivo de suas terras outras detém apenas a Certidão de Autoreconhecimento fornecida pela Fundação Cultural Palmares. Conforme dados obtidos no Serviço Quilombola do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária INCRA (SR30), atualmente há 23 comunidades quilombolas certificadas no Baixo Amazonas com procedimentos administrativos instaurados para titulação como território quilombola. A Constituição Federal de 1988, no artigo 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias garante aos remanescentes das comunidades de quilombos que estejam ocupando suas terras a emissão, pelo Estado brasileiro, do respectivo título de propriedade. A partir deste dispositivo constitucional outras legislações emergiram objetivando instrumentalizar os procedimentos administrativos que assegurassem esta garantia constitucional (Decreto 4.887/2003 e Instrução Normativa 57/2009 do INCRA). Na historiografia oficial o termo quilombo foi popularizado no período colonial da história brasileira como lugar de escravo fugido, na atualidade corresponde a uma estratégia de territorialização étnica acionada por grupos negros descendentes de africanos, como resposta a processos continuados de dominação e expropriação material e simbólica (LEITE, 2008). As comunidades quilombolas ao requererem a regularização de suas terras contam com forte oposição de grupos políticos representantes da bancada ruralista, de madeireiros, pecuaristas, especuladores de terras, de grupos ligados ao agronegócio e de pessoas cuja única motivação para ser oposição é a ausência de informação e o preconceito. Esta aversão à implementação do direito de regularização fundiária dos remanescentes de quilombos, tem um 1 Doutoranda no Programa de Pós-Graduação Sociedade, Natureza e Desenvolvimento Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) e Analista em desenvolvimento e reforma agrária especialista em antropologia do INCRA. 2 Cientista Social e Analista em desenvolvimento e reforma agrária especialista em antropologia do INCRA.

2 efeito negativo sobre a construção da identidade, etnicidade e habitus destes povos, que possuem uma história de vida marcada pelo sofrimento e expropriação. A comunidade quilombola Arapucu é habitada por, aproximadamente, 150 famílias. Devido à relativa proximidade da sede municipal esta comunidade tem sido alvo do processo de expansão urbana, nela tem se fixado diversos novos moradores, fato que tem contribuído para aumentar o nível de oposição ao processo de regularização quilombola, que encontra-se aberto no INCRA de Santarém, desde 2006, sob o número / , a requerimento da Associação Remanescente de Quilombos da Comunidade Arapucu ARQUICA. Como estratégia para contenção dessa oposição ao processo de regularização, a escola municipal de Arapucu desenvolve a cada bimestre, eixos temáticos voltados para o debate de temas peculiares à causa quilombola e à diversidade cultural. No ano de 2013 foram abordados temas como: meio ambiente, cultura quilombola, identidade e cultura quilombola e consciência negra.paralelo a esta ação, através da educação não-formal, as associações quilombolas ARQMOB e ARQUICA desenvolvem ações objetivando o respeito e a promoção da diversidade cultural e o fortalecimento da identidade quilombola na comunidade A comunidade do Arapucu, localizada no município de Óbidos, este município está inserido na região do Baixo Amazonas, estado do Pará. Arapucu, dista 17 km do município de Óbidos. O trajeto entre a comunidade Arapucu é Óbidos geralmente é feito de canoa ou rabeta (embarcação pequena com motor). IDENTIDADE E CONFLITO Durante o trabalho de campo para coleta de dados com finalidade de elaboração do laudo antropológico, colocamos algumas reflexões como antropólogas do INCRA que tem como função a identificação e delimitação de territórios quilombola da região oeste do Pará. O processo de reconhecimento é iniciado com uma solicitação da comunidade para seu reconhecimento identitário e territorial, acompanhado do reconhecimento oficial como comunidade remanescente de quilombo da Fundação Palmares. Até então, são nomes, cópias de documentos e formalização de um pedido de uma garantia jurídica. A primeira vez que estivemos na comunidade foi para dar início ao RTID, sendo geralmente esse momento marcado por uma reunião para abertura e apresentação geral do trabalho, para tanto, escolhemos a data e horário juntamente com o presidente da associação da comunidade remanescente de quilombo. O presidente da associação, por sua vez, comunicou a data e horário da reunião com todos os moradores do bairro. Assim, não compareceram apenas os interessados a favor do trabalho de identificação da comunidade quilombola. Ao contrário, a maioria das pessoas

3 que estavam nessa reunião se posicionaram contra o início dos trabalhos, expondo o seguinte: em nossa região não há pessoas remanescentes de quilombo, aqui sempre foi uma comunidade indígena por isso não aceitamos que nosso bairro seja reconhecido como quilombo. (Figura 2) Foto durante exposição da antropóloga Raquel Amaral na comunidade Arapucu/PA. A antropóloga Raquel ao perceber que as pessoas ali estavam majoritariamente se posicionando contra o trabalho de reconhecimento quilombola, perguntou se ali, estavam presentes as pessoas que fizeram o cadastro realizado pelo INCRA meses anteriores a reunião, justamente com a finalidade de mapear a quantidade de famílias interessadas. As pessoas se alvoroçaram e um clima tenso se instaurou. Como muitos falavam ao mesmo tempo, foi preciso dar um tempo até que cada pessoa pudesse falar ordenadamente. Assim, ouvimos as seguintes falas: sou professora aqui há quase trinta anos e nunca vi nenhum traço de remanscente de quilombo aqui. Inclusive o nome da comunidade é de língua indígena ; assinei esse documento sem saber o que estava sendo cadastrado, só sabia que era para benefício do governo. Após um período ouvimos essas falas em diferentes vozes e perguntei ao presidente da associação onde estavam no salão as pessoas interessadas. Ele me apontou com certo desanimo

4 poucas pessoas no salão. Então, resolvi perguntar para todos que levantassem as mãos quem ali estava interessado no reconhecimento, as poucas pessoas, ali presentes, esclareceram que não tinha sido possível que todos os interessados estivem na reunião por motivo de trabalho. A fala dessas pessoas dizia o seguinte: Nós não estamos obrigando ninguém a se reconhecer como quilombo, mas queremos respeito pela nossa opção em nos reconhecer!. Após o termino da reunião, a equipe do INCRA retornou para o hotel na cidade. Retornamos para a comunidade passados quase três meses, quando foi liberado orçamento para marcar viagem à campo. Nessa nova visita, ficamos instalados na residência da família da secretária da associação. Visitamos algumas residências e também fomos visitados. Inicicou-se o trabalho de campo com tudo o que se tem direito, trocas entre antropólogas e inforamnetes, de afetos, de curiosidades e anthropological blues3 também. Logo que chegamos, mostramos ao presidente da associação uma lista de cadastro realizado anteriormente, por outra equipe do INCRA, para que fosse apontado os atuais associados. Percebi que ao mostrar a lista o presidente e as pessoas que estavam em volta manifestaram desejo em ter acesso a tal documento. Entre um café e outro, conversando na cozinha, deixei a lista de cadastro de famílias interessadas, junto ao meu caderno de campo, e quando retornei, a lista estava sendo analisada pelas pessoas que eu estava entrevistando. Dai surgiram as seguintes falas: Ah! Agora vamos saber quem é quem! dizia um homem que se diz a favor da identificação quilombola. Por sua vez, a tesoureira da associação falava: esse aqui nunca pagou uma mensalidade, provavelmente não é a favor. As pessoas que estão a favor se baseam nos seguintes discursos: traz melhorias para a comunidade, quem não quer está perdendo benefícios, somos bem recebidos onde vamos, em Santarém, secretarias do governo, hospital. BASE TEÓRICA E O OLHAR SOBRE O TRABALHO DE CAMPO A comunidade atualmente está dividida, e apesar da pesquisa ainda estar em fase inicial, nos remete a um problema analisado pelo antropólogo Maurício Arruti, no livro Mocambo (2005), onde descreveu o processo de divisão social que seu uma comunidade rural em Sergipe, que parte se identificou como indígenas etnia Xocó, e outra parte se identificou como descendentes de negros quilombolas tomou nome de Mocambo. Essa comunidade apesar dessa divisão, possui estreitas relações de parentesco e cooperação. Nessa perspectiva, apresentamos propomos uma discussão sobre como é a prática do fazer antropólogico na elaboração de laudo para órgão estatal. 3 Referência ao termo utilizado por Roberto DaMatta ao se referir aos multiplos sentimentos em situação de trabalho de campo onde o pesquisador está disntante de sua comunidade originária, tendo que se familiarizar com o exótico.

5 A Instrução Normativa nº57/2008 do INCRA conceitua: Art.3 - Consideram-se remanescentes das comunidades dos quilombos os grupos etnicosraciais, segundo critérios de auto-definição, com trajetória histórica própria, dotados de relações territoriais específicas, com presunção de ancestralidade negra relacionada com a resistência a opressão histórica sofrida. Art. 4 - Consideram-se terras ocupadas por remanescentes das comunidades de quilombo toda a terra utilizada para a garantia de sua reprodução física, social,econômica e cultural. Partindo desses conceitos objetivos é que o antropológo deve elaborar o laudo sobre a comunidade. Nesse ponto, buscamos dialogar com o texto da antropologa Eliano Cantarino O'Dwyer (2010), onde a autora criticou a Instrução Normativa n 49/2008, por o relatório antropológico estar subordinado a critérios estranhos à disciplina, fundamentando o relatório em elementos ditos subjetivos aos olhos do Direito, porém esses mesmos itens só fazem sentido quando englobados em uma prática disciplinar da Antropologia. Dessa maneira, como o antropólogo pode realizar um laudo antropólogico que possa atender as determinações jurídicas, e ao mesmo tempo, praticar antropólogia baseada em seu metódo específico? Tomando outra perspectiva teórica sobre os dados empíricos apresentados, refletimos sobre o texto da antropológa Paula Monteiro (2012) onde a autora dialóga com Arruti (2005) e French (2009) sobre o complexo processo social e político que diferenciou etnicamente os Xocó dos Mocambos embora tenham permanecido muito semelhantes em todos os aspectos relativos ao seu modo de vida. Os Xocó foram se tornando índios ao serem colocados, nos anos 1980, sob o guardachuva institucional da Fundação Nacional do Índio (FUNAI) ( ), e os Mocambos foram reconhecidos, anos mais tarde, descendentes de escravos sob o guarda-chuva institucional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). Nesse sentindo, perguntamos se o auto-reconhecimento é construído para atender uma formalização jurídica? Se sim, como se consideram essas pessoas? Se é índio quem se sente índio, quem se sente o quê é quilombola? Durante esse processo de construção identitária, qual é o papel do antropólogo?

6 Para o laudo antropológico é importante captar esse tipo de dado, pois é objetivo capaz de atender os critérios determinados na IN 57/2009. Porém, como encaixar nos critérios desse normatização identidades que não estão de acordo com o texto legal? As comunidades remanescentes de quilombo na Amazônia possuem dinâmica específica de acordo com a sazonalidade. Essa situação ecológica diferenciada também não se encaixa nos parâmetros do texto normativo da IN 57/2009 pois a construção de território também não é delimitada de forma objetiva. Para Nugent (1997), apesar das grandes diferenças entre as sociedades não-urbanas contemporâneas da Amazônia, os índios são absorvidos pela representação da Amazônia como um ecossistema tropical, os camponeses históricos representam um esforço não sucedido de integração nacional com o passado, e os neocamponeses são excluidos do projeto desenvolvimentista das insdústrias extrativistas altamente capitalizadas, sendo essas populações invisíveis para o Estado. Como diz Geertz: As interconexões entre normas e acontecimentos em algum tipo de manual pode ser uma forma não de gerenciar as diferenças, mas de eliminá-las por uma uniformidade jurídica que se sobrepõe a outros saberes e tradições (1999:323,325). A questão principal é se os grupos étnicos e sociais, mediante o Direito e a Antropologia, poderão reproduzir e recriar formas organizacionais e padrões culturais que possam na prática ser por eles vividos(o'dwyer, 2010). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALMEIDA, Alfredo W. Berno de. Os quilombos e as novas etnias, In: O DWYER, Eliane Cantarino (org.). Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, ARRUTI, José Maurício. Mocambo. Antropologia e história do processo de formação quilombola. São Paulo: Anpocs, FRENCH, Jan Hoffman. Legalizing identities. Becoming Black or Indian in Brazil s Northeast. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, GEERTZ, Clifford. O saber local. Novos Ensaios em Antropologia Interpretativa. 2. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

7 LEITE, Ilka Boaventura. O projeto político quilombola: desafios, conquistas e impasses atuais. Estudos feministas, 16 (3), MONTEIRO, Paula. Multiculturalismo, Identidades discursivas e espaço Público. In: Sociologia&Antropologia.Vol.02/ O'DWYER, Eliane Cantarino. O papel social do antropólogo. Aplicação do fazer antropológico e do conhecimento disciplinar nos debates públicos do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Epapers,2010.

Edição: Centro de Cultura Luiz Freire - Aldenice Teixeira Instituto Sumaúma - Maria das Dores Barros. Revisão: Fotos:

Edição: Centro de Cultura Luiz Freire - Aldenice Teixeira Instituto Sumaúma - Maria das Dores Barros. Revisão: Fotos: Expediente Edição: Centro de Cultura Luiz Freire - Aldenice Teixeira Instituto Sumaúma - Maria das Dores Barros Coordenação de Edição: Texto: Revisão: Fotos: Rogério Barata Projeto gráfico e Diagramação:

Leia mais

Fortalecimento da Identidade Quilombola em Comunidades Costeiras do Baixo-Sul/ BA.

Fortalecimento da Identidade Quilombola em Comunidades Costeiras do Baixo-Sul/ BA. Fortalecimento da Identidade Quilombola em Comunidades Costeiras do Baixo-Sul/ BA. Jussara Rêgo Coordenadora Técnica do Projeto Semeie Ostras jussararego@gmail.com Naiara Maria Neves Santana Bolsista de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - IGC GERSON DINIZ LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - IGC GERSON DINIZ LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - IGC GERSON DINIZ LIMA AGRICULTURA CAMPONESA EM TERRITÓRIOS DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS RURAIS NO ALTO

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2008. (Do Sr. Geraldo Resende)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2008. (Do Sr. Geraldo Resende) 1 REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2008. (Do Sr. Geraldo Resende) Requer informações ao Senhor Gilberto Passos Gil Moreira, Ministro de Estado da Cultura - MinC, sobre a Certificação de Auto-reconhecimento

Leia mais

DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES:

DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES: Projeto BRA 13/019: Implementação da Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas Edital nº 003/2014 Processo Seletivo Simplificado O Diretor Nacional do Projeto BRA/13/019 torna

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS

EDUCAÇÃO ESCOLAR EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS EDUCAÇÃO ESCOLAR EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS Willivane Ferreira de Melo SEMED, Santarém-PA willivane@gmail.com INTRODUÇÃO O município de Santarém está situado na região oeste do Estado do Pará, área que

Leia mais

A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA

A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA Moura (2001) nos traz um desafio preocupante, não só a partir do debate sobre a melhoria estrutural das escolas em comunidades quilombola, da qualificação continuada dos professores,

Leia mais

#TerraDemarcadaTituladaJa #MineracaoNao

#TerraDemarcadaTituladaJa #MineracaoNao Luisa Girardi/Iepé Demarcação/Titulação Já! O processo de regularização fundiária da Terra Indígena KaxuyanaTunayana iniciou-se na primeira década de 2000 e, desde abril de 2013, os índios aguardam a assinatura

Leia mais

PRÁTICAS DE CUIDADO EM SAÚDE NOS QUILOMBOS DE GOIÁS

PRÁTICAS DE CUIDADO EM SAÚDE NOS QUILOMBOS DE GOIÁS PRÁTICAS DE CUIDADO EM SAÚDE NOS QUILOMBOS DE GOIÁS Renata Carvalho dos SANTOS; Maria Sebastiana SILVA; Suzana de Santana MARTINS; Jéssica Félix Nicácio MARTINEZ Faculdade de Educação Física renathacarvalho@hotmail.com

Leia mais

SOM DE TAMBORES DE UM NOVO PALMARES: REFLEXÕES SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS QUILOMBOLAS NA PARAÍBA

SOM DE TAMBORES DE UM NOVO PALMARES: REFLEXÕES SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS QUILOMBOLAS NA PARAÍBA SOM DE TAMBORES DE UM NOVO PALMARES: REFLEXÕES SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA OS QUILOMBOLAS NA PARAÍBA Josivan Soares Ferreira 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) josivansoares@yahoo.com.br Francinete

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

5.8) Populações Indígenas, Tradicionais e Comunidades Ribeirinhas

5.8) Populações Indígenas, Tradicionais e Comunidades Ribeirinhas 5.8) Populações Indígenas, Tradicionais e Comunidades Ribeirinhas 5.8.1) Metodologia A metodologia utilizada para o diagnóstico das populações indígenas, tradicionais e comunidades ribeirinhas considerou

Leia mais

3.1 Os recursos do Crédito Implantação poderão ser usados nas seguintes modalidades:

3.1 Os recursos do Crédito Implantação poderão ser usados nas seguintes modalidades: * INSTRUÇÃO NORMATIVA/INCRA/Nº 26, DE 22 DE JUNHO DE 1.998 Dispõe sobre a concessão de crédito - implantação aos beneficiários dos projetos de reforma agrária criados em imóveis de domínio dos Estados.

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

Período: 13/09/2013 a 31/12/2013. Publico Alvo: 51 Gestores Governamentais

Período: 13/09/2013 a 31/12/2013. Publico Alvo: 51 Gestores Governamentais Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral Unidade de Apoio a Projetos Especiais Projeto de Inserção dos Gestores Governamentais Programa de Qualificação Profissional para os Gestores Governamentais

Leia mais

Política de alimentação escolar para populações indígenas

Política de alimentação escolar para populações indígenas Política de alimentação escolar para populações indígenas IV Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar 25 a 28 de novembro de 2008 Profª Dulce Ribas Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Leia mais

EMENDA à versão original do MARCO INDÍGENA E QUILOMBOLA DO PARÁ RURAL de março de 2005. Atualização Relacionada à Reestruturação do Pará Rural em 2013

EMENDA à versão original do MARCO INDÍGENA E QUILOMBOLA DO PARÁ RURAL de março de 2005. Atualização Relacionada à Reestruturação do Pará Rural em 2013 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PROGRAMA DE REDUÇÃO DA POBREZA E GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS DO ESTADO DO PARÁ PARÁ RURAL EMENDA à versão original do MARCO INDÍGENA E QUILOMBOLA DO PARÁ RURAL de março de 2005

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

Edital 02/2015 Saldo Remanescente

Edital 02/2015 Saldo Remanescente Edital 02/2015 Saldo Remanescente EDITAL Nº 02/2015 CMDCA EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO NO ANO DE 2015 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente CMDCA, no

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 1.193/2015 AUTOR: MESA DIRETORA SÚMULA: CRIA O CONSELHO E O FUNDO MUNICIPAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ, ESTADO DE MATO GROSSO, E

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE RODOVIAS NO ÂMBITO DAS COMUNIDADES REMANESCENTES DE QUILOMBOLOS: LEGISLAÇÃO E ÁREA DE INTERFERÊNCIA DO EMPREENDIMENTO

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE RODOVIAS NO ÂMBITO DAS COMUNIDADES REMANESCENTES DE QUILOMBOLOS: LEGISLAÇÃO E ÁREA DE INTERFERÊNCIA DO EMPREENDIMENTO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE RODOVIAS NO ÂMBITO DAS COMUNIDADES REMANESCENTES DE QUILOMBOLOS: LEGISLAÇÃO E ÁREA DE INTERFERÊNCIA DO EMPREENDIMENTO Daniela Satie Maekawa (*), Hudson Jorge de Souza Santos,

Leia mais

PANORAMA QUILOMBOLA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: TERRA, EDUCAÇÃO E CULTURA.

PANORAMA QUILOMBOLA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: TERRA, EDUCAÇÃO E CULTURA. PANORAMA QUILOMBOLA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: TERRA, EDUCAÇÃO E CULTURA. Alunas: Alessandra Pereira. Camila de Souza Ferreira. Orientador: José Maurício Arruti. Introdução O campo semântico em torno

Leia mais

Seminário Áreas Protegidas Escudo das Guianas

Seminário Áreas Protegidas Escudo das Guianas I SAPEG Seminário Áreas Protegidas Escudo das Guianas O Objetivo do I SAPEG é dar início a um processo de Gestão Territorial para a região do Escudo das Guianas. Esta CARTA ABERTA é um dos produtos do

Leia mais

ANÁLISE DA POLÍTICA PÚBLICA DE RECONHECIMENTO QUILOMBOLA: O CASO DA COMUNIDADE DE CONCEIÇÃO DO IMBÉ, RJ

ANÁLISE DA POLÍTICA PÚBLICA DE RECONHECIMENTO QUILOMBOLA: O CASO DA COMUNIDADE DE CONCEIÇÃO DO IMBÉ, RJ ANÁLISE DA POLÍTICA PÚBLICA DE RECONHECIMENTO QUILOMBOLA: O CASO DA COMUNIDADE DE CONCEIÇÃO DO IMBÉ, RJ Priscila Neves da Silva Graduada em Geografia e mestranda em Políticas Sociais Universidade Estadual

Leia mais

OFICINA Observatório Litoral Sustentável. Gestão da orla, regularização fundiária e os bens da União

OFICINA Observatório Litoral Sustentável. Gestão da orla, regularização fundiária e os bens da União OFICINA Observatório Litoral Sustentável Gestão da orla, regularização fundiária e os bens da União Cristiane Siggea Benedetto Coordenação Geral de Habitação e Regularização Fundíária Secretaria Nacional

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais Bárbara Duarte de Arruda Universidade Federal Fluminense barbara.dda@gmail.com A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

1 - Documentos para matrícula e para comprovação das políticas de ações afirmativas

1 - Documentos para matrícula e para comprovação das políticas de ações afirmativas 1 - e para comprovação das políticas de ações afirmativas 1.1 - Ampla concorrência: Histórico Escolar do Ensino Médio (original e cópia); 1.2 - Vagas reservadas - Lei nº 12.711/2012: Candidatos com renda

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO São Paulo, 12 de março de 2015. No consenso de nossas concepções, dos movimentos sociais do campo e das florestas, inclusive pactuadas no Encontro

Leia mais

DOT Educação Infantil trabalho com profissionais e traça as diretrizes politicas de educação infantil no município. Diretrizes das Politicas publicas:

DOT Educação Infantil trabalho com profissionais e traça as diretrizes politicas de educação infantil no município. Diretrizes das Politicas publicas: Registro Reunião Ampliada Grupo de Trabalho em Educação Rede Nossa São Paulo Tema: Políticas públicas em Educação Infantil Data: 06/12/2014 Local: Câmara Municipal de São Paulo GT de Educação Rede Nossa

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014

PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014 PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014 RELATÓRIO FINAL ATIVIDADE SOBRE DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Leia mais

Consultoria para avaliar a atividade de monitoramento e implementação do Programa Brasil Quilombola

Consultoria para avaliar a atividade de monitoramento e implementação do Programa Brasil Quilombola Consultoria para avaliar a atividade de monitoramento e implementação do Programa Brasil Quilombola 1. Programa: Atividade do Programa Interagencial para a Promoção da Igualdade de Gênero, Raça e Etnia.

Leia mais

LUTA POR RECONHECIMENTO E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO SUL DO BRASIL

LUTA POR RECONHECIMENTO E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO SUL DO BRASIL LUTA POR RECONHECIMENTO E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO SUL DO BRASIL Resumo Processo de produção do conhecimento: Aplicações Profissionais GT 28: Interculturalidade: povos originários,

Leia mais

Implantação de Sistema Integrado de Gerenciamento da Execução da Reforma Agrária e Agricultura Familiar

Implantação de Sistema Integrado de Gerenciamento da Execução da Reforma Agrária e Agricultura Familiar Programa 0139 Gestão da Política de Desenvolvimento Agrário Objetivo Coordenar o planejamento e a formulação de políticas setoriais e a avaliação e controle dos programas na área de desenvolvimento agrário

Leia mais

A BUSCA POR CIDADANIA NA LUTA DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS

A BUSCA POR CIDADANIA NA LUTA DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS A BUSCA POR CIDADANIA NA LUTA DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS LESSA, Simone Narciso 1 FRAGA, Sara Ferreira 2 Introdução A Constituição Federal de 1988 foi nomeada por muitos como a Constituição Cidadã, porquanto

Leia mais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais Momento do Tipo de Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Desenvolvimento Social e Erradicação da Miséria Valor de Referência para Individualização de Projetos em Iniciativas Esferas Fiscal

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC

NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC NO VIÉS DA MEMÓRIA: IDENTIDADE E CULTURA DOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS DE SÃO ROQUE- PRAIA GRANDE/ SC Giovana Cadorin Votre 1, Talita Daniel Salvaro 2, Elisandro Raupp Prestes 3 1 Aluna do 2 o ano do curso

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 14. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 14. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 14 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua MECANISMOS LEGAIS E INSTITUCIONAIS QUANTO A GÊNERO GENERO Programa Assistência Integral à Saúde da Mulher (PAISM) Central de Atendimento à

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

Programa: Programa Interagencial para a Promoção da Igualdade de Gênero e Raça

Programa: Programa Interagencial para a Promoção da Igualdade de Gênero e Raça TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA ACOMPANHAR O SEMINÁRIO - REFERÊNCIAS CURRICULARES PARA A LEI 10.639/03, REGISTRAR E SISTEMATIZAR AS CONTRIBUIÇÕES E PROPOSIÇÕES LEVANTADAS DURANTE

Leia mais

INDÍGENAS RESERVA DO VOTOURO E CHARRUA

INDÍGENAS RESERVA DO VOTOURO E CHARRUA INDÍGENAS RESERVA DO VOTOURO E CHARRUA Reserva com 210 famílias Escola com 280 alunos Todos os professores são formados ou estão se formando no ensino superior Há alunos do Município de Faxinal que estudam

Leia mais

O regime das titularidades das terras quilombolas em área urbana: o Quilombo da Sacopã.

O regime das titularidades das terras quilombolas em área urbana: o Quilombo da Sacopã. O regime das titularidades das terras quilombolas em área urbana: o Quilombo da Sacopã. Aluna: Elisiane Soares Gomes Orientadora: Daniela Vargas Introdução Foi feito um estudo sobre o motivo histórico

Leia mais

O MOVIMENTO QUILOMBOLA NO OESTE DO PARÁ

O MOVIMENTO QUILOMBOLA NO OESTE DO PARÁ Direitos Humanos e Desenvolvimento no Oeste do Pará: combate a extrema pobreza através da educação em direitos humanos Realização: DIREITOS QUILOMBOLAS Apoio: CONVÊNIO Nº 028632/2011 O MOVIMENTO QUILOMBOLA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural

Cadastro Ambiental Rural Cadastro Ambiental Rural E suas possíveis contribuições para a gestão de bacias hidrográficas Botucatu 28/06/2013 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO 1 GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR INSTRUMENTO DE CHAMADA PÚBLICA Nº 01 /2015 GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DA AGRICULTURA FAMILIAR Chamada Pública

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

CURSO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE COMUNIDADES REMANESCENTES DE QAUILOMBO

CURSO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE COMUNIDADES REMANESCENTES DE QAUILOMBO CURSO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE COMUNIDADES REMANESCENTES DE QAUILOMBO Integra o Catálogo der cursos proposto pela Secadi Coordenadora:. Candida Soares da Costa Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário Ministério do Desenvolvimento Agrário MISSÃO Promover a política de desenvolvimento do Brasil rural, a democratização do acesso à terra, a gestão territorial da estrutura fundiária, a inclusão produtiva

Leia mais

OBJETO DA CONTRATAÇÃO

OBJETO DA CONTRATAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA Título do Projeto Designação funcional Tipo de contrato Duração do contrato Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de Gênero, Raça e Etnia (F079) Consultora SSA 5 meses Data

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

CME BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA PREFEITURA MUNIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CME BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA PREFEITURA MUNIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CME BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA PREFEITURA MUNIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIAS ENCONTRO DE CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS

Leia mais

APRESENTAÇÃO. O Programa Leite de Todos tem como objetivo:

APRESENTAÇÃO. O Programa Leite de Todos tem como objetivo: APRESENTAÇÃO Com o Programa Leite de Todos, o Governo do Estado busca reduzir as deficiências nutricionais das populações carentes, com prioridade para crianças, gestantes e nutrizes, diária e gratuita

Leia mais

MODELOS REFERIDOS NO ROTEIRO

MODELOS REFERIDOS NO ROTEIRO MODELOS REFERIDOS NO ROTEIRO 1 MODELO 01 (matrícula imprópria para o registro de loteamento por ferir o princípio da especialidade subjetiva e objetiva) Obs. Deverá o imóvel estar perfeitamente descrito

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Pró-Reitoria de Extensão Projeto de Extensão Direitos Humanos e Inclusão NÚCLEO UNIV SERRO CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROE-2012/7300-1S A LUTA POR RECONHECIMENTO

Leia mais

SOMOS QUILOMBOLAS: A ORGANIZAÇÃO DE MULHERES NEGRAS RURAIS EM SANTA RITA DE BARREIRAS

SOMOS QUILOMBOLAS: A ORGANIZAÇÃO DE MULHERES NEGRAS RURAIS EM SANTA RITA DE BARREIRAS SOMOS QUILOMBOLAS: A ORGANIZAÇÃO DE MULHERES NEGRAS RURAIS EM SANTA RITA DE BARREIRAS Profª Esp. Maria Albenize Farias Malcher 1 Resumo Neste artigo daremos visibilidade a organização de mulheres negras

Leia mais

Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas!

Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas! Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas! Os povos indígenas Kaingang, Guarani, Xokleng, comunidades Quilombolas do Rio Grande

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

Associações de Comunidades Quilombolas: questão fundiária. 1 Ângela Conceição Beltrame 2

Associações de Comunidades Quilombolas: questão fundiária. 1 Ângela Conceição Beltrame 2 Associações de Comunidades Quilombolas: questão fundiária. 1 Ângela Conceição Beltrame 2 RESUMO Neste relato pude identificar claramente a problemática que envolve a questão fundiária no Brasil, e os conflitos

Leia mais

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios;

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; CTA na indústria e instituições de pesquisa; Propriedade industrial e

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS

INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS INOVAÇÕES NO GEORREFERENCIAMENTO E NA CERTIFICAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS Kilder José Barbosa Engenheiro Agrimensor Analista/INCRA Kilder Barbosa - Engenheiro Agrimensor Analista em Reforma e Desenvolvimento

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 A Direção da revista PERSPECTIVAS SOCIAIS, do PPGS/UFPEL, torna público a CHAMADA DE TRABALHOS ACADÊMICOS, para a edição 1/2015,

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal.

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. Para que serve o Cadastro Único? O Cadastro Único serve para que as famílias de baixa renda possam participar

Leia mais

COMUNIDADES TRADICIONAIS: QUILOMBOLAS E A LUTA POR TERRITÓRIOS

COMUNIDADES TRADICIONAIS: QUILOMBOLAS E A LUTA POR TERRITÓRIOS COMUNIDADES TRADICIONAIS: QUILOMBOLAS E A LUTA POR TERRITÓRIOS OLIVEIRA, Mariani Bandeira Cruz OLIVEIRA, Luciano de INTRODUÇÃO Percebe-se na atualidade a recorrência de debates sobre os quilombolas bem

Leia mais

Direcionalidade do Programa de Reforma Agrária

Direcionalidade do Programa de Reforma Agrária Programação Operacional ano - 2005 Direcionalidade do Programa de Reforma Agrária Política de Governo II Plano Nacional de Reforma Agrária Assentamento Novas Famílias Regularização Fundiária Recup. E Qualificação

Leia mais

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências INSTRUÇÃO NORMATIVA MMA Nº 4, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências A MINISTRA DE ESTADO

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE GABINETE DA MINISTRA PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 419, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta a atuação dos órgãos e entidades da Administração Pública Federal envolvidos no licenciamento

Leia mais

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul -III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul EM DEFESA DA AMAZÔNIA "ambientes sociais e físicos que destroem ou promovem

Leia mais

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O espaço escolar e as diferenças étnico culturais Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O presente resumo questiona o preconceito étnico racial numa escola estadual a partir do olhar de uma coordenadora

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

SELEÇÃO INTERNA PARA GRATIFICAÇÃO DE DEDICAÇÃO EXCLUSIVA AO MAGISTÉRIO GDEM - PARA ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO INTEGRAL.

SELEÇÃO INTERNA PARA GRATIFICAÇÃO DE DEDICAÇÃO EXCLUSIVA AO MAGISTÉRIO GDEM - PARA ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO INTEGRAL. SELEÇÃO INTERNA PARA GRATIFICAÇÃO DE DEDICAÇÃO EXCLUSIVA AO MAGISTÉRIO GDEM - PARA ATUAÇÃO NOS PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO INTEGRAL. O Secretário de Educação, no uso de suas atribuições, instaura o processo

Leia mais

QUILOMBO: da ilegalidade à cidadania

QUILOMBO: da ilegalidade à cidadania QUILOMBO: da ilegalidade à cidadania Maria Ester Santana Silveira Nascimento Mestranda do curso de Pós-Graduação da Universidade Estadual de Montes Claros msantanasn@hotmail.com RESUMO Nos últimos anos

Leia mais

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO FUNAI, no uso das atribuições que lhes são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n. 4.645, de 25 de

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

Formulário PB4 O que é?

Formulário PB4 O que é? Formulário PB4 O que é? O PB4 é resultado de um acordo firmado em 1969 entre o Brasil e Portugal (e outros países, como Espanha, Grécia, Itália, Cabo Verde e Chile), no qual todo beneficiário do INSS tem

Leia mais

COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU

COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU COTIDIANO QUILOMBOLA EM MITUAÇU Felipe Agenor de Oliveira Cantalice Universidade Estadual da Paraíba/CH Orientador: Prof. Dr. Waldeci Ferreira Chagas Neste trabalho analisamos o cotidiano dos moradores

Leia mais

O papel da agricultura familiar no desenvolvimento rural sustentável nos próximos 10 anos. Carlos Mielitz PGDR-UFRGS

O papel da agricultura familiar no desenvolvimento rural sustentável nos próximos 10 anos. Carlos Mielitz PGDR-UFRGS O papel da agricultura familiar no desenvolvimento rural sustentável nos próximos 10 anos Carlos Mielitz PGDR-UFRGS ANTECEDENTES E TRAJETÓRIA RECENTE DA AGRICULTURA FAMILIAR - PÓS 1964, Projeto Nacional,

Leia mais

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PARA A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PARA A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PARA A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. INTRODUÇÃO A democratização da economia, as frequentes mudanças que se processam

Leia mais

NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4. Introdução

NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4. Introdução NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4 Introdução Conforme deliberado na 13 o reunião do Comitê Gestor do Programa Municípios Verdes COGES/PMV,

Leia mais

informações em documentos.

informações em documentos. C O L É G I O L A S A L L E EducaçãoInfantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000- Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL:

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

Plano Estadual de Educação está disponível para consulta pública

Plano Estadual de Educação está disponível para consulta pública Veículo: Portal Agência Alagoas Data: 15/05/2015 Coluna/Editoria: EDUCAÇÃO Página: On-line Agência Alagoas Plano Estadual de Educação está disponível para consulta pública Documento está disponível no

Leia mais

PAIOL DE TELHAS: MEMÓRIA E CONSTITUIÇÃO TERRITORIAL QUILOMBOLA EM GUARAPUAVA, PARANÁ

PAIOL DE TELHAS: MEMÓRIA E CONSTITUIÇÃO TERRITORIAL QUILOMBOLA EM GUARAPUAVA, PARANÁ PAIOL DE TELHAS: MEMÓRIA E CONSTITUIÇÃO TERRITORIAL QUILOMBOLA EM GUARAPUAVA, PARANÁ Adriana Ribas Adriano Cararo Jeferson Cararo (co-autor) Robson Laverdi (orientador) Alessandra Isabel de Carvalho (co-orientadora)

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006.

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n o 4.645, de 25 de

Leia mais

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA Izaura Lila Lima Ribeiro 1 Maria de Lourdes Macena Filha 2 RESUMO Este artigo versa sobre o papel dos negros na

Leia mais

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda

Prova bimestral. história. 1 o Bimestre 5 o ano. 1. Leia o texto a seguir e responda Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 1 o Bimestre 5 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia o texto a seguir e responda Na

Leia mais

Edital de Convocação nº 01/2015. Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais

Edital de Convocação nº 01/2015. Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais Edital de Convocação nº 01/2015 Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais A Presidente do CMAS Conselho Municipal de Assistência Social de Cáceres, no uso de suas atribuições

Leia mais

EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO

EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO O projeto deve ser elaborado no formulário em WORD, disponível para download

Leia mais