GT 10 Políticas Públicas e Desenvolvimento Rural

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GT 10 Políticas Públicas e Desenvolvimento Rural"

Transcrição

1 GT 10 Políticas Públicas e Desenvolvimento Rural Possibilidades do Agro-Extrativismo na Amazônia: preservação ambiental e populações assentadas Raquel Wiggers 1 Luciana Braga Silveira 2 Resumo: Este trabalho é baseado em trabalho de campo no assentamento rural Realidade, do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), modelo PDS (Projeto de Desenvolvimento Sustentável) localizado no sul do estado do Amazonas, município de Humaitá, no km 80 da BR 319. Apesar de este assentamento ter por princípio um modelo, proposto pelo Estado, de desenvolvimento sustentável, com preservação da floresta e garantia das condições de vida para as famílias assentadas, o que percebemos empiricamente é uma realidade bem diferente. Os moradores da comunidade dedicaram-se à derrubada da floresta durante o verão de 2012, provocando desmatamento e atraindo pessoas para trabalhar nas madeireiras que foram instaladas na vila. O que percebemos é que, em alguns casos, mesmo que o modelo proposto seja de preservação da floresta, esta só acontece quando as famílias assentadas tomam para si esta responsabilidade e conseguem viver dos recursos da floresta. As populações colonas assentadas em terras florestadas praticam o desmatamento como forma de ação do homem sobre a natureza, e a cobertura florestal praticamente intacta cede lugar ao desmatamento, situação comum na região do arco do desmatamento da floresta amazônica. Nestes casos, a criação de assentamentos na Amazônia colabora para que os dados oficiais sobre distribuição de terras crie uma falsa impressão de que está sendo feita a reforma agrária, quando a observação empírica demonstra uma realidade bastante diversa em que áreas de floresta são distribuídas para assentar famílias sem terra de outras regiões do Brasil. Palavras-chave Assentamentos Rurais, Amazônia, preservação ambiental, agroextrativismo Apresentação Este trabalho é baseado em pesquisa de campo no assentamento rural Realidade, do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra - Brasil), modelo PDS (Projeto de Desenvolvimento Sustentável) localizado no sul do estado do Amazonas, município de Humaitá, no km 100 da BR Doutora Professora da Universidade Federal do Amazonas 2 Doutora Professora da Universidade Federal de Lavras -

2 Apesar de este assentamento ter por princípio um modelo, proposto pelo Estado, de desenvolvimento sustentável, com preservação da floresta e garantia das condições de vida para as famílias assentadas, no ano de 2012 a principal atividade econômica da localidade era proveniente do corte de madeira em diversas madeireiras recéminstaladas na pequena vila de pouco mais de mil habitantes. Havia sido liberado um plano de manejo pelo órgão estadual responsável, que permitia a retirada de algumas árvores para fins comerciais de uma área determinada localizada no km 80 da BR 319. No entanto, a falta de controle efetivo sobre o local exato de onde se estava retirando as madeiras, e da quantidade delas, abriu as portas da floresta para madeireiros e atraiu, para a vila, homens de diversos lugares do Brasil, principalmente de Rondônia e de outros municípios do Amazonas, principalmente da região do arco do desmatamento que se estende ao Sul do Amazonas ao oeste do Pará, para trabalhar no corte de madeira. Além desses, outros homens chegavam à vila em busca de terras no assentamento recente. artigo. É sobre esta realidade, observada em agosto de 2012, que vamos discorrer neste Assentamentos Rurais do INCRA modelo PDS Em resposta às demandas de preservação ambiental das florestas entre elas a floresta amazônica à urgência de projetos de sustentabilidade, e, também, às denúncias de ser responsável pela maior parte do desmatamento na Amazônia, no ano de 2010 o Incra regulamentou a implementação de projetos de assentamento ambientalmente diferenciados, entre eles, Projeto de Assentamento Agroextrativista - PAE, Projeto de Desenvolvimento Sustentável - PDS e Projeto de Assentamento Florestal PAF 3. A modalidade de assentamentos rurais Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS), criado pelo INCRA em novembro de 1999, constitui-se num modelo para o uso e a ocupação do solo de forma sustentável. Tem como base, a gestão coletiva e cooperativista para evitar o parcelamento da terra com titulação individual Estes objetivos vêm a somar com outros 3 Norma de execução n 93, de 19 de julho de 2010.

3 De acordo com as diretrizes estabelecidas no II Programa Nacional de Reforma Agrária, implantado em 2003, a reforma agrária executada pelo Incra deve ser integrada a um projeto nacional de desenvolvimento, massiva, de qualidade, geradora de trabalho e produtora de alimentos. Deve, ainda, contribuir para dotar o Estado dos instrumentos para gerir o território nacional. O que se busca com a reforma agrária atualmente desenvolvida no País é a implantação de um novo modelo de assentamento, baseado na viabilidade econômica, na sustentabilidade ambiental e no desenvolvimento territorial; a adoção de instrumentos fundiários adequados a cada público e a cada região; a adequação institucional e normativa a uma intervenção rápida e eficiente dos instrumentos agrários; o forte envolvimento dos governos estaduais e prefeituras; a garantia do reassentamento dos ocupantes não índios de áreas indígenas; a promoção da igualdade de gênero na reforma agrária, além do direito à educação, à cultura e à seguridade social nas áreas reformadas. (www.incra.gov.br/index.php/reforma-agraria-2/questao-agraria/reformaagraria, 07/01/2012) Nosso estudo aqui apresentado é de um assentamento da modalidade PDS no sul do estado do Amazonas, região do arco do desmatamento, ou arco do fogo como define Becker (2009), que vem ocupando e desmatando as terras cada vez mais ao norte do país. Assentamento Realidade: algumas observações Realidade é um assentamento rural ás margens da BR 319, no km 100 no sentido Humaitá Manaus. A área delimitada para o assentamento fica no lado direito da estrada, há 4 km de sua margem. As terras nesta faixa de 4 km da margem da BR 319 já foram legalizadas na década de 1970 por ocasião da abertura da estrada. Atualmente a BR 319 está intransitável em muitos trechos, e o governo brasileiro com apoio do exército tem trabalhado para torná-la novamente utilizável.

4 Existe uma vila às margens da estrada e tem o mesmo nome do assentamento: Realidade. Na vila há padaria, mercearia, algumas lojas, um hotel bastante precário com restaurante, posto de saúde e escola que servem a vila e às comunidades vizinhas. Tem fornecimento de energia elétrica e água de poços artesianos servem as casas. Em agosto de 2012 muitos homens estavam chegando na vila, para trabalhar nas madeireiras, que no período de seca trabalham a todo vapor. Geralmente estes homens 4 chegam sozinhos e só depois, caso se fixem no lugar, trazem esposa e filhos. Alguns desses homens chegam em busca de terras para se estabelecer e depois trazer a família. Vêm de Rondônia e de outros assentamentos no Amazonas. Geralmente são famílias que já foram expulsas da terra no sul ou sudeste, muitos são paranaenses, e que vêm para Amazônia tentar conseguir mais terras. Os lotes delimitados pelo Incra são muito pequenos, cada família recebe pouca terra, o que impossibilita que fiquem três gerações em um mesmo lugar. A criação do assentamento foi demanda de alguns moradores nativos da região que queriam ver a pequena comunidade tornar-se uma cidade. Estes moradores juntamente com religiosos católicos fizeram esforços junto aos órgãos estatais e Incra para regularização e distribuição de terras. Ainda hoje são distribuídos terrenos na vila para construção de casas em uma grande área às margens da estrada pertencente à igreja. A área delimitada para o assentamento rural Realidade totaliza ,4051 ha, e segundo o Incra, sua capacidade é de 250 famílias, tendo sido assentadas até o momento 176 famílias em lotes do assentamento. Os moradores da vila querem que a BR 319 volte a ser transitável porque acreditam que só assim haverá desenvolvimento na vila. Pequenos comerciantes instalam seus estabelecimentos na esperança de haver maior movimentação na estrada. No ano de 2012 pudemos perceber que os todos os assentados que viviam na região moravam na vila 5 e nenhum no lote dentro do assentamento. Isto porque são cinco as vicinais, chamadas de linha, e apenas uma delas está aberta, ou seja, permite a passagem de carro ou caminhão. Segundo nos informaram, foi aberta por madeireiros. 4 Alguns homens chegam se oferecendo para fazer qualquer serviço, entre eles deixam claro que estão disponíveis para serem pistoleiros. É uma região onde os conflitos podem ser resolvidos à bala. Durante a pesquisa um homem loiro, com aproximadamente 45 anos, ofereceu seus serviços ao meu marido, com quem ficou conversando enquanto eu entrevistava o lider da comunidade. 5 Alguns assentados desistiram de morar no Realidade e foram embora, outros mudaram-se para Humaitá ou Porto Velho esperando as condições do assentamento ficarem mais propícias.

5 As outras não passam de um caminho no mato. São elas: linha 1 19 de janeiro; linha 2 Dona Geralda; linha 3 São Francisco; linha 4 17 de maio; linha 5 Santo Antônio. A representação política do assentamento se dá pela Associação Novo Progresso do PDS Realidade, mas a presidente reside na sede do município de Humaitá, somente seu vice-presidente mora atualmente na vila Realidade. A comunidade que originou a vila começou há menos de cinco anos, com a associação de produtores organizada pelo senhor Aloísio Batista, morador da vila, e que atualmente não faz mais parte da Associação. Durante as entrevistas com as pessoas assentadas no Realidade a reclamação unânime foi sobre a impossibilidade de se produzir no lote do assentamento devido a inacessibilidade, principalmente de se escoar a produção, e sobre a impossibilidade de se produzir na floresta. Um entrevistado falou veementemente é impossível se viver do mato, e esta ideia era compartilhada pelos outros assentados. Isto denota que cada assentado recebeu um lote, o que a princípio não era o objetivo do Projeto de Desenvolvimento Sustentável, como foi concebido pelos seus idealizadores. No entanto, nem os agentes locais do Incra, nem as famílias assentadas concebem o uso compartilhado das terras, ou uso sem título de propriedade individual. E muito menos concebem a possibilidade de sobrevivência a partir da exploração sustentável dos recursos naturais oferecidos pela floresta. A população assentada atualmente no PDS Realidade é uma população que veio de outras regiões do Brasil, que compartilham uma lógica colona e camponesa de produção agrícola. Para terem seu sustento garantido necessitam da terra limpa, sem árvores, em forma de campo, para produção ou criação de gado. O campesinato requer necessariamente uma relação com a cidade, baseado na relação de produção. O que percebemos empiricamente é uma realidade bem diferente do idealizado pelos proponentes do modelo PDS de assentamentos rurais, onde o foco seria no Desenvolvimento Sustentável. Os moradores da comunidade dedicaram-se à derrubada da floresta durante o verão de 2012, provocando desmatamento e atraindo pessoas para trabalhar nas madeireiras que foram instaladas na vila. E suas reivindicações eram de que se abrissem as linhas para que eles pudessem produzir nos lotes, limpando a terra.

6 Os seus relatos eram de muito sofrimento, muito trabalho perdido, porque a produção não podia ser escoada. Descreviam a situação de andar 15 km na mata, em trilhas para chegar no lote que lhe foi atribuído pelo Incra. Um assentado explicou-nos em entrevista: precisamos de uma estrada para poder produzir. Quando sair a estrada temos terra. Meu negócio é terra. Futuro é terra. Investimento. Quanto vai valorizar com trabalho. Aqui a terra é fértil, dá tudo. Esta é uma fala que representa a ideia geral dos moradores da vila que vieram morar aqui em busca de terra para plantar e viver. São agricultores expulsos de outras regiões do Brasil que vêm em busca de uma oportunidade de vida. A madeira existente no terreno recebido é pensada pelo produtor como fonte de renda para os primeiros investimentos na produção, uma vez que o Incra não paga o fomento 6 a todos os assentados, e quando o faz, demora muitos anos. A falta de apoio dos órgãos estatais para os assentados nos primeiros tempos de chegada e início de produção das famílias faz que o primeiro esforço de desmate seja feito, quando geralmente o homem vem sozinho, ficando a família na cidade de origem. Quando os primeiros benefícios são feitos na terra, estes homens buscam a família para vir morar. Durante o ano de 2012, haviam muitos homens sozinhos na vila, os assentados e, principalmente, homens atraídos pelo trabalho nas madeireiras. Estes também geralmente não trazem a família, porque é um trabalho temporário, no tempo da seca, e enquanto houver possibilidade de corte de madeira, seja pela abundância, seja pela falta de fiscalização. Quando as madeiras nobres começam a ficar escassas, ou os órgãos de controle e fiscalização começam a intervir e multar, diminuem as demandas de mão de obra nas serrarias. Esta intervenção dos órgãos controladores como Ibama e ICMbio é esporádica e pouco incisiva. E é percebida como algo muito ruim. Um assentado explicou-nos: meio ambiente só atrapalha a vida da gente. A ausência do Estado, seja como controlador, seja como fomentador e financiador da produção agrícola destas famílias assentadas, e a atividade madeireira 6 O fomento pago pelo Incra é pensado por eles como uma doação e na verdade é um financiamento e precisa ser reembolsado aos cofres da união. Acaso não façam o reembolso qualquer financiamento futuro, ou mesmo o recebimento do benefício da aposentadoria ficará comprometido.

7 irregular, fazem que haja um perigo iminente no ar. Há mortes e acidentes com serras de todo tipo. Há perigo de briga entre os homens trabalhadores. Há medo e ameaça constante o que torna o cotidiano muito tenso. Colonos e camponeses Faz-se necessário esclarecer o que estamos entendendo por colonos e camponeses, para isso recorremos a Giralda Seyferth que descreve o processo de colonização de um município de Santa Catarina, por colonos estrangeiros. Estes colonos quando chegaram receberam um lote e a missão de abrir na floresta caminhos e campos para produção agrícola. Descendentes destes colonos estrangeiros, expulsos da terra partem em direção ao norte do Brasil na expansão da fronteira agrícola para ocupar novas terras desde a década de 1960 (Velho, 1972 e 1979). Estou tomando por lógica colona camponesa de produção aquela onde a família constitui a unidade social de trabalho e de exploração da propriedade, sendo que os produtos geralmente satisfazem as necessidades essenciais da vida. As tarefas se dividem entre todos os membros do grupo doméstico, e a família assegura a subsistência de todos os membros. (Queiroz, 1973) É impossível se viver do mato A população assentada no PDS Realidade desconhece técnicas e formas de fazer extrativismo na floresta amazônica. Aquilo que denominamos extrativismo é um conjunto de técnicas baseadas em conhecimentos tradicionais, que as populações florestinas 7 (Gasche, 2012) dominam desde séculos. 7 Para tratar especificamente das populações tradicionais da região amazônica recorremos ao conceito de sociedade florestina desenvolvido por Gasché (2011), que cunhou o termo para designar o tipo de sociedade da Amazônia que possui intensa relação com os rios, floresta, roçado e áreas de várzea e que se distingue de maneira primordial da sociedade ocidental, urbana, capitalista. As características da sociedade florestina não privilegiam distinções étnicas entre comunidades e enfatizam aspectos culturais compartilhados, a forma de produção e a ênfase nas necessidades de sociabilidade e de mobilidade. O conceito de sociedade florestina é inovador e criativo e é muito interessante para pensarmos sobre as populações para as quais a classificação de camponesas não é adequada. Essa classificação enfatiza aspectos da matriz social dessas populações sua relação com a floresta e com o trabalho. Nas sociedades florestinas os critérios qualitativos valores sociais pesam frequentemente mais na motivação dos atores que critérios quantitativos. Isso requer que o gosto de trabalhar seja mais motivador do que uma esperada quantidade de pagamento como consequência do trabalho.

8 Estas técnicas e conhecimentos são ignorados pelos colonos que chegam na região. Além disso, a lógica de produção camponesa e o valor dado à terra não permite que essas pessoas compreendam e passem a fazer extrativismo. É preciso gostar da mata para viver dela. É preciso ter prazer na atividade de tirar castanha, por exemplo, para viver em uma cabana de palha precária com toda família durante os meses de chuva, recolhendo os ouriços de castanha, levando ao acampamento, quebrando-os. Para depois colocar em uma canoa e viajar dois dias para levar a produção para vender na cidade. Os colonos não compartilham este prazer e nem percebem a natureza como sua aliada. Desta forma, existe descompasso entre a ideia do projeto de desenvolvimento sustentável e a realidade cotidiana da população assentada. O que percebemos é que, em alguns casos, mesmo que o modelo proposto seja de preservação da floresta, esta só acontece quando as famílias assentadas tomam para si esta responsabilidade e conseguem viver dos recursos da floresta. Mas geralmente esta possibilidade só existe se as pessoas nasceram e cresceram em contato com a floresta e aprenderam com seus pais e avós a tarefa de extrair da floresta os seus recursos naturais. As populações colonas assentadas em terras florestadas praticam o desmatamento como forma de ação do homem sobre a natureza, e a cobertura florestal praticamente intacta cede lugar à terra nua, sem árvores, situação comum que faz que a região seja conhecida como arco do desmatamento da floresta amazônica. Considerações A criação de assentamentos na Amazônia pelo Instituto de Colonização e Reforma Agrária colabora para que os dados oficiais sobre distribuição de terras crie uma falsa impressão de que está sendo feita a reforma agrária no Brasil, quando a observação empírica demonstra uma realidade bastante diversa em que áreas de floresta são distribuídas para assentar famílias sem terra de outras regiões do Brasil. Não temos Reforma Agrária mas Colonização de novas terras, como indica o próprio nome do órgão responsável. Estas famílias de outras regiões do Brasil quando chegam na Amazônia não dominam os conhecimentos necessários para tirar seu sustento da floresta. Chegam com

9 uma lógica de uso e propriedade da terra que requer que a vegetação nativa seja retirada para plantio de espécies vegetais com rentabilidade econômica e plantio extensivo, ou ainda criação de gado de forma extensiva. O solo amazônico é rico e abundante a ponto de sustentar uma floresta tropical cuja característica é a diversidade, variedade de espécies, grandes árvores. No entanto, floresce com esta abundância em um solo arenoso cujas características de temperatura, umidade e pressão, possibilitam um alto índice de reciclagem. Ou seja, a floresta vive da camada de humos, graças à rapidez com que as folhas, galhos e frutas se degeneram e tornam-se sustentação para a vegetação farta, criando um ciclo de intensa atividade florestal. Ao se retirar a camada florestal de uma determinada área, a camada de folhas e galhos apodrecidos fornecem nutrientes às primeiras colheitas de soja, milho ou outra cultura qualquer, fazendo que haja uma impressão de terra fértil e produtiva, no entanto, depois do segundo ou terceiro ano a terra arenosa não produz mais. Temos, com respeito a este fenômeno, outro problema de ordem das concepções técnicas sobre campesinato e produção agrícola. Os agentes financiadores concebem produção agrícola campesina sem floresta uma vez que compartilham conhecimentos produzidos sobre o tema em ecossistemas de outras regiões do Brasil e do mundo. Mesmo que tenhamos elaborado conceito de extrativistas e percebamos essa categoria como produtiva, há uma imensa dificuldade de conceber as lógicas nativas necessárias para este tipo de produção. Os financiamentos para produção tomam como garantia terras limpas e sem floresta, com pastagem ou plantação, uma vez que estas são consideradas terras produtivas. Os modelos de assentamentos diferenciados, como os PAE e PDS, podem dar certo inclusive em um deles nossa pesquisa demonstra isso. Dar certo no sentido de se trabalhar na preservação da floresta e não compartimento da propriedade em lotes individuais, mas para isso é preciso necessariamente que sejam assentadas moradores florestinos. Homens e mulheres nativos da região, conhecedores dos saberes tradicionais passados de geração em geração, que têm prazer no modo de vida extrativista. Deve-se respeitar a organização social familiar, em que famílias extensas são também vizinhas. Com isso se favorece o trabalho familiar na extração dos frutos da floresta. Os órgãos governamentais devem realmente compreender que há uma lógica diferente de organização social, e que as casas precisam ser distribuídos para pessoas de

10 uma mesma família extensa. Outra necessidade é garantia de uma renda mínima por família, como bolsa floresta ou bolsa família, o que impede de se vender as madeiras nobres nos tempos de apuros econômicos. Temos que ter em mente que nossa sociedade abrangente está ávida por madeiras de lei da floresta amazônica, e que sua preservação depende do fortalecimento político e econômico destes florestinos, para que possam manter afastados a fome e as madeireiras. É preciso ter sensibilidade para as estratégias de preservação pouco convencionais que algumas comunidades assumem, como trocar de lugar placas de reservas ambientais, puxando fraudulentamente os limites de certa reserva para lugares onde querem afastar madeireiros. É preciso urgência em uma discussão do que seja atualmente, em nosso sistema capitalista de produção, Desenvolvimento Sustentável. São duas palavras que não se combinam facilmente. Principalmente quando falamos da floresta amazônica com toda sua grandiosidade, diversidade e recursos madeireiros valiosos no Brasil e no exterior. Que tipo de desenvolvimento pode ser sustentável para as pessoas e para a floresta? Referências Bibliográficas ALLEGRETTI, M. A construção social de políticas públicas. Chico Mendes e o movimento dos seringueiros. In: Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 18, p , jul./dez APPADURAI, A. El lugar de la naturaleza y la naturaleza del lugar. Disponível em: Acesso em: 22/07/2011 BECKER, B. Revisão das políticas de ocupação da Amazônia: é possível identificar modelos para projetar cenários? Disponível em: Acesso em: 13/06/2011 BERGAMASCO, S.M.P.P. A realidade dos assentamentos rurais por detrás dos números. In: São Paulo: Estudos avançados 11 (31), 1997.

11 BRASIL. Lei Política Nacional de Mudança do Clima, Disponível em: Acesso em 02/08/2011 CARRERO, G. C. Dinâmica do desmatamento e consolidação de propriedades rurais na fronteira de expansão agropecuária no sudeste do Amazonas. Dissertação (mestrado). INPA, FEARNSIDE, P. M. Desmatamento na Amazônia brasileira: história, índices e conseqüências. In: Megadiversidade. Manaus, volume 1, nº 1, p , julho de GASCHE, Jorge y Mendoza, Napoleón Vela. Sociedade Bosquesina. Ensayo de antropología rural amazónica, acompañado de una crítica y propuesta alternativa de proyectos de desarrollo. Instituto de Investigaciones de la Amazonía Peruana (IIAP), Iquitos, Consorcio de Investigaciones Económicas y Sociales (CIES), Lima, Center for Integrated Area Studies, Kyoto University (CIAS), Japón, INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA. O INCRA e o assentamento. Disponível em: Acesso em: 09/09/2011. LEITE, S. et al. Impacto dos assentamentos. Um estudo sobre o meio rural brasileiro. São Paulo: UNESP, LITTLE, P. Territórios Sociais e Povos Tradicionais no Brasil. Por uma Antropologia da Territorialidade. In: 23ª. Reunião Brasileira de Antropologia. Gramado. Mimeografado, LEAL, P.F. Colonização dirigida na Amazônia: os malabarismos do dirigismo estatal e os parceleiros em descompasso com a lei o caso do Projeto de Assentamento Rio Juma (AM). Trabalho apresentado no VIII Congresso Latinoamericano de Sociologia Rural, Porto de Galinhas, MELLO, N.A. Políticas Territoriais na Amazônia. São Paulo: Annablume, MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Terra Legal. Disponível em: Acesso em: 14/08/2011 NEVES, D. P.. O MEB Movimento de Educação de Base, a organização comunitária e a preservação ambiental. Texto apresentado no VII Congresso Latino Americano de Sociologia Rural ALASRU Quito, Ecuador, 20 a 24 de novembro de 2006.

12 NEVES, Delma Pessanha. Assentamento rural: confluência de formas de inserção social. In: Estudos Sociedade e Agricultura, 13, p. 5-28, outubro NEVES, Delma Pessanha. Desenvolvimento Social e Mediadores políticos. Porto Alegre: Ed. UFRGS: Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, PASQUIS, R. et al. Reforma agrária na Amazônia: balanço e perspectivas. In: Cadernos de Ciência & Tecnologia: Brasília, v. 22, n. 1, p , jan./abr REBOUÇAS, L. M. O planejado e o vivido: o reassentamento de famílias ribeirinhas no Pontal do Paranapanema, São Paulo, Fapesp/AnnaBlume, TOURNEAU, F.M e BURSZTYN, M. Assentamentos rurais na Amazônia: contradições entre a política agrária e a política ambiental. In: Ambiente & Sociedade: Campinas v. XIII, n. 1, p , jan.-jun VELHO, Otávio Guilherme. Capitalistmo Autoritário e Campesinato. Rio de Janeiro: Difel, VELHO, Otávio Guilherme. Frentes de Expansão e Estrutura Agrária. Rio de Janeiro: Zahar, WIGGERS, Raquel. Comunidades rurais da Amazônia: reflexões acerca das formas de organização política. Anais do VIII Congreso Latinoamericano de Sociología Rural, GT 23: Transformações sociais e projetos políticos em concorrência na América Latina: mundo rural em questão, Porto de Galinhas, ZHOURI, A. O ativismo transnacional pela Amazônia: entre a ecologia política e o ambientalismo de resultados. In: Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 12, n. 25, p , jan./jun

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Questões ambientais do Brasil

Questões ambientais do Brasil Questões ambientais do Brasil Ao longo da história do Brasil, o desmatamento esteve presente em todos os ciclos econômicos responsáveis pela construção do país, o que reduziu bastante a biodiversidade

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA)

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) Ana Karolina Ferreira Corrêa Universidade Federal do Pará anageo.correa@gmail.com

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

MOGNO BRASILEIRO. "Mogno resssurge no cerrado mineiro

MOGNO BRASILEIRO. Mogno resssurge no cerrado mineiro MOGNO BRASILEIRO A valiosa madeira mogno está sendo cultivada no norte de MG. Cresce rápido, e agricultores já a veem como futura fonte de lucro. Vejam: "Mogno resssurge no cerrado mineiro A valiosa madeira

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca SOLENIDADE DE LANÇAMENTO DO SISTEMA

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

São Paulo, 17 de julho, de 2011. Prezados,

São Paulo, 17 de julho, de 2011. Prezados, São Paulo, 17 de julho, de 2011. Prezados, Em resposta ao processo administrativo 02/2011, recebido no dia 27/06/2011, tendo como proponente o Grupo de Trabalho da Amazônia, a Suzano Papel e Celulose vem,

Leia mais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais Estrutura de projeto de Serviços Ambientais 1 Definição do escopo NOME: PAE SERINGAL MATA GRANDE - BEIRA DA BR, ESTADO DO ACRE OBJETIVOS: CONTER O DESMATAMENTO DENTRO DO PAE ATRAVÉS DE ATIVIDADES EXTRATIVISTAS

Leia mais

Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia 1

Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia 1 Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia 1 Introdução Os signatários deste documento propõem à sociedade brasileira um Pacto Nacional pela Valorização da Floresta e pelo

Leia mais

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura Proposta Movimento MAPA/ruralistas Familiar/MMA Socioambientalista Recuperação de RL: exige a Reconhecimento de Não aceitar anistia para

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Projeto Assentamentos Sustentáveis na Amazônia. Projeto Assentamentos Sustentáveis na Amazônia

Projeto Assentamentos Sustentáveis na Amazônia. Projeto Assentamentos Sustentáveis na Amazônia INFORMATIVO DO PROJETO ASSENTAMENTOS SUSTENTÁVEIS NA AMAZÔNIA (PAS) NÚMERO 1 ANO 1 Paiol rústio de secagem e armazenamento de arroz no lote do Sr. Paulo Ferreira dos Santos, PA Cristalino II, BR-163 (PA).

Leia mais

Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos. Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento

Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos. Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento Política Institucional da SEPROR QUEM SOMOS NÓS? O Amazonas possui 270 mil produtores

Leia mais

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção.

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção. INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção Edital de Seleção Março de 2015 Realização Apoio 2...esgotada a palavra de sua

Leia mais

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Painel: Inovação e Exploração de Fontes Locais de Conhecimento Bertha K. Becker Laget/UFRJ BNDES 30/11/2010 Problemática: Reconhecimento

Leia mais

Viagem ao rio Arapiuns - 05 dias Santarém, Pará, Amazônia 2010

Viagem ao rio Arapiuns - 05 dias Santarém, Pará, Amazônia 2010 Viagem ao rio Arapiuns - 05 dias Santarém, Pará, Amazônia 2010 1º dia, Santarém - Anã café da manhã no barco saída de Santarém as 06:30, em direção a comunidade de Anã (de 3 a 4 horas de navegação) chegada

Leia mais

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional REGIÃO NORTE REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional GRANDE ÁREA COM PEQUENA POPULAÇÃO, O QUE RESULTA EM UMA BAIXA DENSIDADE DEMOGRÁFICA (habitantes por quilômetro

Leia mais

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA.

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. Ana Carolina de Campos Honora 1 Presentes na região costeira dos Estados

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

30 anos da FLONA do Jamari História e desafios

30 anos da FLONA do Jamari História e desafios 30 anos da FLONA do Jamari História e desafios Porto Velho- RO Outubro/2014 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio Autarquia Federal vinculada ao MMA Missão: Proteger o patrimônio

Leia mais

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL 1. DISPENSA AOS PROPRIETÁRIOS DE ÁREAS CONSOLIDADAS DE RECOMPOSIÇÃO DA RESERVA LEGAL Art. 61 a. Área rural consolidada: é a área de imóvel rural com ocupação

Leia mais

O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MEIO RURAL O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL Luciano Gebler, MSc TESTE DE NIVELAMENTO 1 - O MEIO RURAL É : A - REGIÃO ONDE É FEITO O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES AGRÍCOLAS; B

Leia mais

IV SEMINARIO DE POVOS INDIGENA E SUSTENTABILIDADE SABERES TRADICIONAL E FORMAÇAO ACADEMICA ARLEM BARBOSA DOS SANTOS

IV SEMINARIO DE POVOS INDIGENA E SUSTENTABILIDADE SABERES TRADICIONAL E FORMAÇAO ACADEMICA ARLEM BARBOSA DOS SANTOS IV SEMINARIO DE POVOS INDIGENA E SUSTENTABILIDADE SABERES TRADICIONAL E FORMAÇAO ACADEMICA ARLEM BARBOSA DOS SANTOS DIAGNOSTICO SOCIO-ECONOMICO DA COMUNIDADE SÃO JORGE/RR: UMA EXPERIENCIA ACADEMICA Trabalho

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Floresta Amazônica e Alterações Climáticas

Floresta Amazônica e Alterações Climáticas Floresta Amazônica e Alterações Climáticas Objetivos Avaliação Objetivos da pesquisa ü Obter uma visão mais aprofundada e mais segura sobre a percepção e o grau de conhecimento, valores, atitudes e opiniões

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

O desafio de proteger a Amazônia

O desafio de proteger a Amazônia Sérgio Henrique Borges e Simone Iwanaga * Programa de Pesquisas Científicas, Fundação Vitória Amazônica (FVA, Manaus) OPINIÃO O desafio de proteger a Amazônia A criação e o gerenciamento de unidades de

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia OS RECURSOS NATURAIS E A SUSTENTABILIDADE: UM ESTUDO DOS MODOS DE VIDA NA COMUNIDADE SÃO FRANCISCO DE ASSIS - BAIXO

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

5/9/2013. Pior seca dos últimos 40 anos, o nível do rio Acre chegou a 1,57 m

5/9/2013. Pior seca dos últimos 40 anos, o nível do rio Acre chegou a 1,57 m Pior seca dos últimos 40 anos, o nível do rio Acre chegou a 1,57 m Rio Acre em Rio Branco, Acre, Brasil 1 de Setembro 2011 1 a maior inundação da história chegou a 17,64m±4cm Rio Acre em Rio Branco, Acre,

Leia mais

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo Exercícios Amazônia 1. As florestas contribuem com a fixação de parte do carbono atmosférico do planeta, amenizando o processo do aquecimento global. As queimadas realizadas nessas formações vegetais,

Leia mais

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável José Humberto Chaves Gerência de Planejamento Florestal Setembro, 2010-1 - Sumário 1. As florestas no Brasil. 2. O Setor Florestal

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA Mercedes Ferreira 1 - mercedita4@hotmail.com Maria Inês Vidal 2 Orientador: Luiz Alexandre Gonçalves Cunha

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Considerando a Diretriz 2 do Plano Nacional de Segurança Alimentar: Promoção do abastecimento e estruturação de sistemas descentralizados,

Leia mais

Política Ambiental, Movimentos Sociais e Ciência para a Amazônia Brasileira. Universidade de Chicago

Política Ambiental, Movimentos Sociais e Ciência para a Amazônia Brasileira. Universidade de Chicago Política Ambiental, Movimentos Sociais e Ciência para a Amazônia Brasileira Universidade de Chicago 5 e 6 de novembro de 2009 "Meu sonho é ver toda essa floresta protegida, porque nós sabemos que ela é

Leia mais

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011.

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Mapa Visão e Missão Funai Mapa Estratégico: Proteger e promover

Leia mais

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará Capítulo do Livro: Série Integração, Transformação e Desenvolvimento: Áreas Protegidas e Biodiversidade Fundo Vale para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro. 2012. Planejamento Turístico para

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009.

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4 a CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MEIO AMBIENTE E PATRIMÔNIO CULTURAL RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Subprocuradora

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

DADOS DE INSCRIÇÃO. ENDEREÇO: Rua José de Alencar, 445, Bairro Pereiros - Telefax: (084) 3314-7328, CEP 59600-000- Mossoró-RN

DADOS DE INSCRIÇÃO. ENDEREÇO: Rua José de Alencar, 445, Bairro Pereiros - Telefax: (084) 3314-7328, CEP 59600-000- Mossoró-RN DADOS DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: COOPERATIVA DE ASSESSORIA TÉCNICA E GERENCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR TERRA LIVRE - CNPJ: 04.023.765/0001-06 ENDEREÇO: Rua

Leia mais

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA Coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica GITE da Embrapa TULIO BARBOSA Mineiro de Guidoval TULIO BARBOSA

Leia mais

O Fluxo dos Processos de Obtenção/Implantação/Recuperação dos Projetos de Assentamento de Reforma Agrária e o Licenciamento Ambiental.

O Fluxo dos Processos de Obtenção/Implantação/Recuperação dos Projetos de Assentamento de Reforma Agrária e o Licenciamento Ambiental. Ministério do Desenvolvimento Agrário Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Incra O Fluxo dos Processos de Obtenção/Implantação/Recuperação dos Projetos de Assentamento de Reforma Agrária

Leia mais

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo?

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo? O que é o Fundo? O Fundo Terra Verde é uma fonte de financiamento para o desenvolvimento sustentável de São Félix do Xingu (SFX), no sudeste do Pará. Ele é um mecanismo privado e tem como objetivo captar,

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio Introdução A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) tem por finalidade colocar em prática ações efetivas de conservação do meio ambiente,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA

EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA Edital nº 001/2015 EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA Contratação de pessoa física ou jurídica para prestar serviços no contexto do Projeto Noroeste: Território Sustentável, conforme descrito abaixo. O Instituto

Leia mais

Proposta para a nacional 3º Conferência Estadual de Políticas Públicas para mulheres.união dos Movimentos de moradia da Grande São Paulo e Interior.

Proposta para a nacional 3º Conferência Estadual de Políticas Públicas para mulheres.união dos Movimentos de moradia da Grande São Paulo e Interior. Proposta para a nacional 3º Conferência Estadual de Políticas Públicas para mulheres.união dos Movimentos de moradia da Grande São Paulo e Interior. 1- Promover o acesso igualitário das mulheres ao programa

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL PLANO AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL - PAS SECRETARIA DE POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL PLANO AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL - PAS SECRETARIA DE POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO TERRITORIAL PLANO AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL - PAS Brasília, outubro/novembro de 2007 O QUE

Leia mais

2. ESTADO DE CONSERVAÇÃO DA ESTRADA

2. ESTADO DE CONSERVAÇÃO DA ESTRADA Relatório do Reconhecimento de Campo da BR-319, Voltado à Elaboração dos Planos de Manejo das Unidades de Conservação Federal do Interflúvio Purus-Madeira 1. INTRODUÇÃO Entre os dias 4 e 8 de novembro

Leia mais

A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL

A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL A questão da PRODUÇÃO florestal madeireira nos Sistemas tradicionais de exploração de Propriedades Rurais Paranaenses. Importância: crescente

Leia mais

Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio

Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio 10 de novembro de 2011 Por Djoni Roos* A cobertura vegetal brasileira vem desde muito tempo sendo destruída. Desde a invasão portuguesa no século

Leia mais

Curso: Formação dos Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para a promoção da Agricultura Familiar Sustentável

Curso: Formação dos Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para a promoção da Agricultura Familiar Sustentável Curso: Formação dos Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para a promoção da Agricultura Familiar Sustentável Com a aceleraça o do aquecimento global e o crescimento populacional, cada

Leia mais

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Março de 2010 TAL Ambiental (Technical Assistance to the Environmental

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Portal de Legislação

Portal de Legislação Portal de Legislação Voltar Instrução Normativa nº 65 de 27/12/2010 / INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (D.O.U. 31/12/2010) Manejo Florestal Sustentável em Projetos de Assentamento.

Leia mais

A importância do Cerrado

A importância do Cerrado A importância do Cerrado Quem vive no Cerrado mora em uma das regiões mais ricas em espécies de plantas e animais do mundo, muitas delas ainda desconhecidas pela ciência e que só existem ali. É ainda nas

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

Projeto de Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade nas Florestas de Fronteira do Noroeste de Mato Grosso. Projeto Poço de Carbono Juruena

Projeto de Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade nas Florestas de Fronteira do Noroeste de Mato Grosso. Projeto Poço de Carbono Juruena Projeto de Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade nas Florestas de Fronteira do Noroeste de Mato Grosso Projeto Poço de Carbono Juruena Oficina de Capacitação sobre Monitoramento de Carbono em

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos.

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos. PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UMA TRILHA INTERPRETATIVA NA MATA ATLÂNTICA PARA ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS RIO DO SUL Autores: Alessandra Lariza KRUG, Marcelo

Leia mais

ÍNDICE. Fotos: Greenpeace Designer Gráfico: Carol Patitucci

ÍNDICE. Fotos: Greenpeace Designer Gráfico: Carol Patitucci FSC - SECR - 0030 ÍNDICE 3 4 6 8 9 10 11 12 13 14 15 Sua empresa vai ficar fora do mercado O que é manejo florestal Resumo das Etapas do Manejo Florestal O que é Certificação Florestal Como funciona O

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL PARA A ÁREA DE INFLUÊNCIA NCIA DA RODOVIA SANTARÉM: PLANO BR-163 SUSTENTÁVEL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL PARA A ÁREA DE INFLUÊNCIA NCIA DA RODOVIA SANTARÉM: PLANO BR-163 SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL PARA A ÁREA DE INFLUÊNCIA NCIA DA RODOVIA CUIABÁ-SANTAR SANTARÉM: PLANO BR-163 SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO INTERMINISTERIAL Decreto de 15 de março de 2004

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA Ocupa mais de 5 milhões de km ²; Abrange quase toda a região Norte, centro-norte do Mato Grosso e oeste do Maranhão; É marcada pela presença da Floresta Amazônica; A Floresta

Leia mais