um francês nos trópicos Francis de Castelnau: o olhar de um viajante no século xix

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "um francês nos trópicos Francis de Castelnau: o olhar de um viajante no século xix"

Transcrição

1 um francês nos trópicos Francis de Castelnau: o olhar de um viajante no século xix

2

3 um francês nos trópicos Francis de Castelnau: o olhar de um viajante no século xix Apresentação e organização Maria Elizabeth Chaves de Mello Prefácio Roger Chartier

4 2015 Maria Elizabeth Chaves de Mello Direitos desta edição reservados a Viveiros de Castro Editora Ltda. Este livro segue as normas do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, adotado no Brasil em Coordenação editorial: Isadora Travassos Produção editorial: Eduardo Süssekind, Rodrigo Fontoura, Victoria Rabello Tradução: [v. 1] Carlos Eduardo do Prado, Flávia Lúcia Espíndola Silva, Maria Elizabeth Chaves de Mello, Maria Ruth Machado Fellows, Maria Zuleide Pires Killer, Sandra Regina Guimarães; [v. 2] Maria Elizabeth Chaves de Mello, Maria Ruth Machado Fellows; [v. 3] Maria Elizabeth Chaves de Mello; [v. 4 e 5] Maria Elizabeth Chaves de Mello, Mônica Fiuza Bento de Faria Colaboradores: Alessandra Fontes Carvalho da Rocha, Carlos Eduardo do Prado, Flávia Lúcia Espíndola Silva, Maria Ruth Machado Fellows, Maria Zuleide Pires Killer, Mônica Fiuza, Bento de Faria, Patrícia Souza Lima, Sandra Regina Guimarães F885 cip-brasil. catalogação-na-fonte sindicato nacional dos editores de livros, rj Um francês nos trópicos : Francis de Castelnau: o olhar de um viajante no século XIX / organização Maria Elizabeth Chaves de Mello ed. - Rio de Janeiro : 7Letras, il. isbn Castelnau, Francis, comte de, Escritos de viajantes europeus. I. Mello, Maria Elizabeth Chaves de cdd: cdu: 913(81) Ilustração de capa: Carte du cours du rio Madeira [Cartográfico]: depuis son embouchure jusqu au rio Mamoré, Francis de Castelnau, Acervo da Fundação Biblioteca Nacional Brasil, impressa sob permissão. Ilustrações: Acervo da Fundação Biblioteca Nacional Brasil, impressas sob permissão. A editora agradece a atenção e a gentileza de todos os funcionários da Fundação Biblioteca Nacional, com um agradecimento especial a Claudia Mayrink, do setor de Obras Raras Viveiros de Castro Editora Ltda. Rua Visconde de Pirajá, 580/sl. 320 Ipanema Rio de Janeiro rj cep Tel. (21)

5 Sumário Prefácio 9 Roger Chartier O desafio de construir uma antologia: Francis de Castelnau e o seu relato de viagem 13 Maria Elizabeth Chaves de Mello Tomo 1 Introdução 23 Expedição às partes centrais da América do Sul Capítulo 1 partida da frança goreia rio de janeiro 37 Capítulo 2 estadia no rio de janeiro excursões botânicas nos arredores 40 Capítulo 3 geologia estabelecimentos públicos estado moral dos habitantes agricultura 54 Capítulo 4 partida do rio de janeiro para o interior chegada a minas gerais 60 Capítulo 5 de paraibuna a ouro preto 69 Capítulo 6 visita às minas inglesas sabará pitangui 78 Capítulo 7 do rio são francisco ao rio paranaíba chegada ao são francisco 87 Capítulo 8 da vila de catalão a goiás 92 Capítulo 9 estadia em goiás 100 Capítulo 10 de goiás a salinas 109 Capítulo 11 a descida do araguaia os furos 125 Capítulo 12 descida do araguaia os xambioás 138 Capítulo 13 descida do araguaia as quedas d água 156

6 Tomo 2 Capítulo 14 o forte de são joão das duas barras subida do tocantins 161 Capítulo 15 retorno a goiás pelos desertos dos xavantes 182 Capítulo 16 história de goiás dificuldades da navegação do tocantins e do araguaia 189 Capítulo 17 descrição da província de goiás 193 Capítulo 18 viagem de goiás ao rio grande 194 Capítulo 19 viagem do rio grande a cuiabá 203 Capítulo 20 cuiabá diamantino de mato grosso 213 Capítulo 21 nascentes do paraguai e do rio tapajós minas de diamantes volta a cuiabá 221 Capítulo 22 descida dos rios cuiabá e são lourenço 228 Capítulo 23 descida do paraguai corumbá, albuquerque, nova coimbra 232 Capítulo 24 viagem ao paraguai forte bourbon 238 Capítulo 25 retorno a albuquerque miranda 253 Tomo 3 Capítulo 26 subida do paraguai até vila maria pântano de xarayes 269 Capítulo 27 de vila maria a mato grosso 282 Capítulo 28 de mato grosso à fronteira da bolívia 293 Capítulo 29 história e geografia da província de mato grosso rio arinos ou tapajós 303 Capítulo 30 continuação do capítulo anterior descrição do rio madeira forte bragança 307 Capítulo 31 viagem do dr. weddell de vila maria a cuiabá e retorno excursão no rio cabaçal 309

7 Capítulo 32 país de chiquitos monte grande 320 Capítulo 33 rio grande santa cruz de la sierra 329 Capítulo 34 de santa cruz de la sierra a chuquisaca 335 Capítulo 35 chuquisaca 340 Capítulo 36 potosi 343 Capítulo 37 de potosi a la paz 345 Capítulo 38 la paz tiahuanaco desaguadero 349 Capítulo 39 chegada ao peru puno, lago de chucuyto, arequipa, islay 355 Capítulo 40 ilhas do guano, callao 366 Tomo 4 Capítulo 41 vestimentas de lima; as saias lutas de touros 369 Capítulo 42 zoologia e geologia dos arredores de lima 373 Capítulo 43 história da cidade de lima sua administração; seus monumentos 374 Capítulo 44 resumo histórico do peru 376 Capítulo 45 população; agricultura; comércio; receita e despesas; dívida pública; exército; posição dos empregados; correios; situação da escravidão 376 Capítulo 47 partida de lima cerro de pasco produtos das minas do novo mundo minas de mercúrio de huancavelica pirâmide de curumbá ponte suspensa de apurimac 383 Capítulo 48 monumentos de cuzco pesquisas sobre a raça vermelha 392 Capítulo 49 urubamba ruínas de ollyantay-tambo vale de santa ana cultura da coca echaratê 402 Capítulo 50 cascata de urubamba 409

8 Capítulo 51 descida do uyacale pampa del sacramento 423 Capítulo 52 sabayacu padre plaza geografia da região 432 Capítulo 53 história do pampa del sacramento 446 Capítulo 54 pesca no entorno de sarayacu descida do ucayale até o amazonas nauta 446 Tomo 5 Capítulo 55 descida do amazonas, de nauta a pebas 455 Capítulo 56 de pebas a tabatinga 458 Capítulo 57 de tabatinga à barra do rio negro 462 Capítulo 58 pesquisas geográficas sobre os rios do solimões 463 Capítulo 59 da barra do rio negro ao pará considerações gerais sobre o rio amazonas 465 Capítulo 60 excursões na guiana francesa, caiena mana 472 Capítulo 61 guiana holandesa organização política; geografia; comércio 477 Capítulo 62 guiana inglesa barbados santa lúcia guadalupe retorno à frança 478 Anexo o assassinato do sr. d osery 483

9 Prefácio Roger Chartier Collège de France Nos anos de 1850 e 1851, o livreiro-editor P. Bertrand, estabelecido à rua Saint-André-des-Arts, propõe aos leitores os seis primeiros volumes de uma imponente publicação, que finalmente conterá quatorze, no momento de sua conclusão. Esta coleção tem como objetivo publicar os resultados de uma ambiciosa expedição científica realizada entre 1843 e 1847 no Brasil, Bolívia e Peru. Sob a direção do conde Francis de Castelnau, a empreitada, apoiada por Guizot e vários membros eminentes da Academia das Ciências, tinha como objetivo principal o estudo da bacia do Amazonas e deveria apresentar observações astronômicas e meteorológicas, registros cartográficos e descrições da flora e fauna americanas. Para assumir essas múltiplas tarefas, Castelnau uniu-se a um médico botânico, o doutor Hugh Weddell, um naturalista, Emile Deville, funcionário do Museu de História Natural, e um engenheiro de minas, o visconde Victor Eugène Hulot d Osery. A publicação dos resultados da expedição não foi fácil. Os acontecimentos de 1848 só contribuíram para adiá-la, assim como o péssimo estado de saúde de Castelnau. Mas, sobretudo, grande parte dos documentos produzidos ao longo da viagem perdeu-se quando o visconde d Osery, que havia se separado de seus companheiros, foi assassinado e roubado por remadores da embarcação em que navegava no rio Maranhão. Desapareceram, dessa forma, seu diário pessoal, o diário oficial da expedição, registros de observações sobre os astros e o clima, bem como os cadernos de notas sobre a zoologia. Assim que começa a redação do relatório da empreitada, Castelnau só pode fazê-lo a partir das informações que, como ele escreve em seu prefácio, escaparam do desastre que causou a perda completa de mais de quatro anos de trabalhos contínuos : ou seja, os manuscritos que ele havia endereçado à sua família, os relatórios enviados aos ministros, os diários de Deville e Weddell e 9

10 rascunhos, por exemplo, de um caderno de delimitações geográficas. É com a tristeza da perda que Castelnau começa a publicação dos resultados da expedição, com a Histoire du voyage, esses seis volumes dos quais Maria Elizabeth Chaves de Mello e seus colaboradores apresentam aqui longas passagens traduzidas em português. A expedição iniciada em 1843 não era a primeira do conde de Castelnau na América. Entre 1837 e 1841, ele havia percorrido grande parte da América do Norte. Reunira suas observações de geógrafo e entomologista (em 1832, havia sido membro fundador da Sociedade de Entomologia da França) em três obras, todas publicadas por P. Bertrand: em 1840, Expédition dans les parties centrale de l Amérique. Histoire naturelle des insectes coléoptères; em 1842, Vues et souvenirs de l Amérique du Nord; e em 1843, Essai sur le système silurien de l Amérique septentrionale. A expedição de 1843 possui ambições maiores, embora seu título, presente desde o primeiro volume do relato de viagem, aproxime-se do livro de 1840: Expédition dans les parties centrales de l Amérique du Sud, de Rio de Janeiro à Lima, et de Lima au Para. A empreitada científica, desde o começo, coloca-se sob o signo da autoridade política, por ele desejada, visto que o título menciona que ela fora executada por ordem do Governo Francês, nos anos de 1843 a No momento em que redige seu relato, Castelnau reside em Salvador, na Bahia, onde foi nomeado cônsul da França, em 1848 (cargo que ocupará por quatorze anos, antes de terminar sua carreira diplomática na Austrália). Um texto redigido um pouco depois de ter se instalado no Brasil demonstra sua curiosidade geográfica e etnográfica, assim como a capacidade de fazer relações entre os continentes. Publicado em Paris, em 1851, por Bertrand, ele tem como título Renseignements sur l Afrique centrale et sur une nation d hommes à queue qui s y trouveraient. Começa com essas palavras: O pequeno trabalho que submeto, neste momento, ao público, é composto de informações que pude obter dos negros escravos da Bahia. Pouco depois de minha chegada a esta residência, não demorei a perceber que vários dentre eles sabiam ler e escrever em árabe e líbico, o que me fez pensar que, em tal multidão vinda de todos os pontos da África, seria possível encontrar indivíduos capazes de me dar informações sobre as partes ainda desconhecidas desse vasto continente. O primeiro objeto da pesquisa é a existência de homens de rabo, confirmada por uma dúzia de escravos interpelados por Castelnau, na qual ele não crê, 10

11 embora, diz ele, o naturalista sabe que a teoria científica mais plausível pode, às vezes, ser derrubada por uma única observação. Mas o essencial está em outro lugar: nas indicações geográficas sobre a África, fornecidas por seus informantes, provenientes das onze nações africanas, das quais os escravos são originários. Ao final da obra, Castelnau propõe um mapa do Sudão segundo os negros escravos da Bahia e, também, uma compilação dos vocabulários de diversas línguas do Sudão. A partir dos relatos dos escravos, ele cruza as descrições das instituições, dos hábitos e costumes africanos, ao mesmo tempo em que, brevemente, oferece a leitura dos relatos de vida, captura e servidão no Brasil. Em sua última página da obra, um anúncio publicitário indica os títulos das diferentes partes da Expédition dans les parties centrales de l Amérique du Sud, que deverão ser publicados antes de A segunda parte, Vues et scènes, será acompanhada de um atlas de sessenta estampas; a terceira, Antiquités des Incas et autres peuples anciens, terá, também, um atlas de sessenta estampas; a quarta, Itinéraires et coupe géologique à travers le continent de l Amérique du Sud, apresentará setenta mapas em gravuras coloridas; e a quinta, Géographie des parties centrales de l Amérique du Sud, outros trinta mapas em gravuras coloridas. Todas essas obras serão vendidas em seis fascículos (salvo a quarta parte, dividida em onze fascículos). Todas essas partes da Expédition serão publicadas entre 1852 e Mas, como o demonstram as coleções conservadas na Biblioteca Nacional da França ou na Biblioteca da Academia Brasileira de Letras, duas outras partes foram adicionadas ao conjunto: uma sexta, Chloris andina, consagrada à flora da região alpina das Cordilheiras da América do Sul (dois tomos em um volume, publicados em 1855 e 1857) e uma sétima parte consagrada à zoologia (oito partes em três volumes, publicados entre 1855 e 1859). 1 Trazer à lembrança a dimensão fundamentalmente científica da expedição, e dos volumes que dela dão prova, permite situar sua primeira parte, o relato de viagem, na tensão sinalizada por Maria Elizabeth Chaves de Mello, entre, de um lado, a objetividade das observações que estão inscritas, desde os primeiros volumes, no projeto científico que 1 Encontra-se uma primeira descrição do conjunto dos volumes da Expédition em Anatole Garraux, Bibliographie brésilienne. Catalogue des ouvrages français et latins relatifs au Brésil ( ). Paris: Chadenat, p

12 comanda toda a empreitada, erudita e editorial, e, de outro, o caráter romântico de uma escrita que gostaria de restituir o espanto, o encantamento, quem sabe o êxtase produzido pelo espetáculo da natureza americana. Cada página da Histoire du voyage escrita por Castelnau está tomada por essa dupla e, às vezes, contraditória intenção que entrelaça as observações topográficas e as descrições antropológicas (particularmente as das populações indígenas encontradas, ameaçadoras ou pacíficas), com a lembrança do espetáculo da natureza, frequentemente qualificado de magnífico. A publicação desta antologia de longas passagens dos seis volumes dessa Histoire é uma magnífica realização. É preciso agradecer a seus autores. Primeiramente, porque eles permitem fazer o resgate de uma expedição menos conhecida do que muitas outras, mesmo na França, ainda que por sua ambição e seus resultados, ela tenha sido uma contribuição decisiva para se conhecer cientificamente a América do Sul. 2 Em seguida, porque ela permite aos leitores brasileiros obterem a justa medida do relato de viagem de Castelnau, parcialmente traduzido antes deste grande trabalho, 3 com longas passagens dos capítulos consagrados ao Paraguai, à Bolívia e ao Peru, e daquelas que narram a descida do Amazonas. Enfim, e sobretudo, porque ela permite uma reflexão sobre o próprio gênero do relato de viagem. O texto de Castelnau é, ao mesmo tempo, um relatório de expedição, voltado para a construção e a comunicação de conhecimentos inéditos, e um relato em primeira pessoa, no qual se expressa um subjetivismo literário, atravessado de emoções, mitos e nostalgias. Tradução: Maria Ruth Machado Fellows 2 Cf. o título do ensaio de Michel P. Bajon, Une expédition méconnue en Amérique du Sud: la mission Castelnau In: Les naturalistes français en Amérique du sud XVIe-XIXe siècles, sous la direction d Yves Laissus. Paris, Comité des Travaux Historiques et scientifiques, p A tradução de Olivério M. Oliveira Pinto, Francis Castelnau, Expedição às regiões centrais da América do Sul (São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1949, 2 volumes), contém apenas os vinte e oito primeiros capítulos da Histoire du voyage e omite o prefácio. Ver também Antônio Porro, Índios e brancos do rio Amazonas em Páginas de Castelnau inéditas em português, traduzidas e anotadas, Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, 56, 2013, p

13 O desafio de construir uma antologia: Francis de Castelnau e o seu relato de viagem Maria Elizabeth Chaves de Mello Escrever é sempre reescrever, não difere de citar. A citação, graças à confusão metonímica a que preside, é leitura e escrita, une o ato de leitura ao de escrita. Ler ou escrever é um ato de citação. antoine compagnon Em 2011, ganhei o prêmio de cientista do nosso estado, da Faperj, com o projeto de pesquisa intitulado Traduzir e construir antologias: tradução, memória, imaginário e diálogo de culturas. A primeira obra que selecionei para a tarefa é a que apresento, agora, ao leitor brasileiro. Trata-se da antologia do relato de Francis de Castelnau, viajante que esteve no Brasil entre 1843 e 1847, e, para narrar a sua viagem, escreveu Expédition dans les parties centrales de l Amérique du Sud, de Rio de Janeiro à Lima, et de Lima au Para, exécutée par ordre du gouvernement français pendant les années 1843 à 1847, sous la direction de Francis de Castelnau. Esse texto me chegou às mãos na Bibliothèque de l Arsenal, em Paris, por ocasião do meu pós-doutorado, realizado com a colaboração do professor Roger Chartier, na École des Hautes Études en Sciences Sociales. Bolsista do CNPq, eu procurava viajantes franceses no Brasil que fossem desconhecidos do público de Letras e Ciências Sociais. Deparei-me com o texto de Francis de Castelnau e, desde então (2008), dediquei-me a construir esta antologia, recortando os textos, selecionando-os, traduzindo-os, com a ajuda de alunos e ex-alunos, do grupo de pesquisa O passado no presente: releituras da modernidade. Foi um trabalho árduo e muito agradeço aos meus colaboradores: Alessandra Fontes Carvalho da Rocha, Carlos Eduardo do Prado, Flávia Lúcia Espíndola da Silva, Maria Ruth Machado Fellows, Maria Zuleide Pires Killer, Mônica Fiúza Bento de Faria, Patrícia Souza 13

14 Lima, Sandra Regina Guimarães, sem os quais nada poderia ter sido feito. Agradeço principalmente ao professor Roger Chartier, do Collège de France, pela acolhida em Paris e pelas boas sugestões para este trabalho. Sem a sua colaboração, nada teria sido possível, também. Contendo seis volumes, o texto descreve grande parte do Brasil e de alguns países da América do Sul, discorrendo sobre a flora, a fauna, os minerais, o clima, a latitude e longitude e muitos outros temas que interessam aos colegas das áreas de ciências naturais, zootecnia, paisagismo, biologia etc. Mas lá também encontramos descrições preciosas da sociedade brasileira da primeira metade do século XIX, seus hábitos e costumes, que muito podem interessar às ciências humanas e sociais. Dada a vastidão de assuntos tratados, bem como a extensão do texto, assim como o pouco conhecimento desse autor no Brasil, a seleção de trechos da obra tornou-se preciosa para o trabalho que desenvolvemos, das relações entre o Brasil e a França. O trabalho de organização de uma antologia sobre um relato de viagem pode suscitar várias questões e, para abordá-las, torna-se importante estabelecermos algumas considerações. A narrativa de viagens apodera-se do ritmo e da técnica do episódio e do relato histórico, assegurando a cor local, através de um olhar testemunha, subjetivo. A tradução desse relato, em princípio, também deveria dar conta disso. Mas como, se o tradutor não vivenciou o que é relatado e, ainda por cima, vive em outra época? Neste trabalho, lendo, selecionando e traduzindo textos do relato de viagem de Francis de Castelnau, apresenta-se-nos a ocasião de refletir sobre em que medida um objeto editorial pode nos levar a pensar sobre o que é a literatura, interrogação que permanece na base de todas as nossas pesquisas. Constatamos, assim, que a antologia pode constituir um observatório do fato literário, pois sua evolução é inseparável de uma reflexão do conjunto dos textos, do seu modo de atuação e transmissão, bem como do ato de traduzir. Organizar uma antologia, mantendo a narratividade, é um grande desafio. Quando falamos em narrativa, supõe-se que se saiba o que é narrar. Não seria a relação entre o narrador e sua matéria uma relação artesanal? Segundo Walter Benjamin, o narrador sabe dar conselhos que servem para muitos casos, pois dispõe da experiência (cf. Benjamin, 1994, p. 210). Seu dom é poder contar alguma coisa e contá-la por inteiro. Por outro lado, a memória é a mais épica de todas as faculdades. 14

15 Mas, se estivermos nos referindo ao relato de viagem, a situação se complica, pois, além da memória, surge a questão do ficcional, do imaginário e do fictício. É preciso, então, estabelecer algumas considerações. Numa narrativa, é necessária uma organização temporal, uma ordem na desordem do diverso, irregular e acidental. Essa ordem seria concomitante ao ato de escrever. No entanto, ao organizarmos um relato de viajante, isso não seria, também, nos inserirmos na narratividade? Aliás, como um texto em prosa, crítico ou literário, se relaciona com a narrativa? Estará sempre ligado a ela, de uma maneira ou de outra? Monsieur Jourdain, personagem de Molière na peça Le bourgeois gentilhomme, descobre, a um dado momento, que fala em prosa, sem ter disso consciência. Não estaríamos nós, ao organizarmos uma antologia a partir de textos de um relato de viagem, adotando a mesma atitude do personagem, usando a narrativa sem o saber? O termo literatura de viagem suscita ambiguidade, dando ao relato um status de gênero, que merece ser problematizado. O escritor viajante é, antes de tudo, um jornalista em missão, afirma François Moureau (cf. 2005, p. 12). Por outro lado, é a viagem que faz o escritor. Mas não basta ser um escritor e viajar, para sentir a necessidade de passar da situação de espectador para a de narrador. Na verdade, a literatura de viagem parece não interessar muito, nem ao ficcionista, nem à narrativa memorialista. Enquanto escritor, Rousseau, por exemplo, não nos conta grande coisa de suas viagens. Em compensação, o memorialista das Confessions pinta com exagero o que vê e se apresenta como herói em contextos e cenários que o valorizam. O que dizer, então, sobre a narrativa de viagens? Ela surge junto com a imprensa e trata, inicialmente, da única coisa que valia a pena ser narrada, aos olhos renascentistas, pós-medievais: as peregrinações, as cruzadas, as viagens à Terra Santa. Marco Polo, mais ou menos na mesma época, impregna os seus relatos de fictício e imaginário, seduzindo os europeus para as viagens a novas terras e o encontro com novos povos. Há quem diga que ele nem sequer esteve na China, o que torna mais interessante, ainda, a sua narrativa, pois liberta-a da memória, passando a figurá-la nos domínios do fictício e imaginário. A partir dos Descobrimentos, os jesuítas foram os primeiros a divulgarem os relatos de suas missões, ad majorem Dei gloriam. O velho mundo é sacudido nas suas certezas, surge a Utopia de Thomas Morus, em 1516, dando conta das mudanças que ocorriam na concepção dos europeus, 15

16 diante da descoberta do outro. Durante séculos, o relato de viagem estará ligado à ficção utópica... Dois franceses escrevem primeiro, no século XVI, sobre o Brasil: André Thevet e Jean de Léry. A baía de Guanabara, berço do sonho de Villegagnon, torna-se, segundo os relatos dos dois viajantes, cenário de guerras de religião, importadas da Europa, e de lutas sangrentas com os índios canibais. Segundo Maria Helena Rouanet, há três aspectos fundamentais nos escritos desses viajantes: ver, descrição completa e pormenorizada de tudo o que se viu e publicação, visando preservar a memória (cf. Rouanet, 1991, p. 82). Esses três aspectos serão fundamentais, a partir daí, na literatura de viagem sobre o Brasil, na França, sendo responsáveis pela tensão do olhar francês sobre o país, que ora vê a natureza e o povo nativo com um sinal positivo, ora com pessimismo e pavor. Em 1558, André Thevet publica Les singularitez de la France Antarctique as primeiras impressões sobre a tentativa francesa de colonização do Brasil. Padre católico, Thevet acusa os protestantes do fracasso da empreitada. Anos mais tarde, para responder ao autor, o protestante Jean de Léry escreve l Histoire d un voyage fait en la terre du Brésil, autrement dit Amérique, uma das obras-primas da literatura de viagem francesa no século XVI. Nela, Léry narra a sua viagem de cerca de um ano na França Antártica, na baía de Guanabara, cujos habitantes, os Tupinambás, são descritos, nos seus costumes e modos de vida. A Histoire d un voyage só é publicada vinte anos após o retorno do seu autor à França, tempo mais do que suficiente para os franceses terem sido obrigados a deixar o Brasil, e para as guerras de religião explodirem em toda parte, na Europa. A apresentação que Léry faz dos índios interessa, entre outros elementos, pela questão da narrativa, pois ele apresenta, logo no início, a necessidade de pôr ordem na desordem da memória. Afinal, o texto é publicado vinte anos depois do seu retorno à França: Em primeiro lugar, portanto (para que, começando pelo principal, eu possa continuar na ordem), os selvagens da América, habitantes da terra do Brasil, chamados de Tupinambás, com os quais vivi e frequentei familiarmente durante cerca de um ano... (Léry, 1994, p ). Lendo esses textos, podemos afirmar que, no século XVI, os projetos de França Equinocial e França Antártica, a fascinação pelo pau-brasil e pelos costumes indígenas, fazem do Brasil o avesso da Europa. O Brasil é e tem tudo o que a Europa não é, ou tudo o que ela não tem. Diante dos 16

17 índios brasileiros levados a Rouen e exibidos na corte como selvagens e exóticos, Montaigne se inspira e escreve uma das páginas mais importantes sobre o homem natural: o ensaio Os canibais, em que ele questiona o epíteto de selvagens, dado a esses índios, e afirma sua superioridade sobre o europeu, dito civilizado. Estavam lançadas as bases das teorias sobre a bondade natural do homem, o bon sauvage. Após o fracasso da colonização no Brasil, durante muito tempo a França voltará o seu olhar sobre o hemisfério norte. É o tempo dos aventureiros na América do Norte, da colonização na América Central e na África. O Brasil é constantemente saqueado por piratas franceses e ingleses, mas só retomará um lugar no imaginário francês durante o século das luzes. De fato, no final do século XVIII, a Europa tornara-se maníaca pelas viagens, pelo encontro com o outro, alargando a cada dia o seu objeto de interesse, estudo e reflexão. Ora, entre essas novas possibilidades que se ofereciam ao Velho Mundo, a América era um dos lugares preferidos para a difusão das luzes, o lugar de prática das doutrinas sobre o homem primitivo e a sociedade civilizada. Assim, a França lança-se às missões científicas, que, sob pretexto de explorações do solo, do clima, da latitude e longitude, do estudo dos povos, da fauna e da flora, vão muito mais longe, no sentido de buscarem garantir a irradiação das ideias do Iluminismo. Cumpre lembrar que esses cientistas viajavam todos, ou quase todos, em missão do governo, com o compromisso de publicarem os seus relatos, de retorno à metrópole. Esses textos, escritos na volta à França, reforçavam a utopia do homem natural, representado pelo indígena. Mas o mito do bon sauvage é ambíguo, servindo tanto a religiosos quanto a ateus: aos primeiros, como base de crítica à moral da civilização do século XVIII, apresentando-lhe o selvagem como isento de todos os vícios e defeitos dessa sociedade; por sua vez, os cientistas livres pensadores, não religiosos, servem-se também dos índios para provarem a superioridade do homem natural, baseada no instinto e na razão. Acrescente-se a isso um outro elemento, pois alguns viajantes falam de seres repulsivos, antropófagos e ferozes, e teremos o selvagem ora bom, ora mau, dando respaldo a agnósticos e religiosos, e o Brasil torna-se, ao mesmo tempo, um paraíso natural a ser preservado e um mundo primitivo que deve ser civilizado. Por outro lado, nessa época, um certo subjetivismo literário, se podemos chamá-lo assim, começa a tomar o lugar do academicismo clássico, 17

18 na Europa, dando origem a gêneros como o diário íntimo, ou as memórias. Embora esses gêneros já sejam frequentes na literatura ocidental há muito mais tempo, é no final dos setecentos que eles passarão a ser impregnados do eu, associando memória, fictício e imaginário, como nunca antes. Surge, então, a categoria do escritor viajante, com uma dupla função: ser um olhar que escreve e, ao mesmo tempo, um escritor, longe da sua mesa de trabalho, e em permanente ação. Para esse autor, a escrita está diretamente vinculada ao olhar. Ele se distingue de outra categoria, surgida, também, na mesma época: o turista, que viaja por prazer e não escreve, ou escreve apenas cartões e/ou cartas curtas, quase sempre apoiado por um manual de viagem, texto anônimo e impessoal, que lhe fornece pronto o roteiro dos prazeres que busca. Ora, o viajante de que falamos aqui não viaja por prazer. Ao contrário, sua viagem deve ser útil, justificada, bem no espírito do Iluminismo. A América do Sul é vista por esse viajante como o avesso da Europa, na descrição de uma natureza paradisíaca, grandiosa e inacessível, afastada da civilização, diferente da europeia, um lugar do novo e do desconhecido, onde vive o novo homem, representante desse novo mundo. Nessa mesma época, é escrita a Histoire philosophique et politique des Établissements et du Commerce des Européens dans les deux Indes, do abade Raynal. Esta obra, publicada em 1770 e posteriormente modificada por Diderot, é considerada o primeiro clássico francês anticolonialista. Trata dos efeitos negativos dos descobrimentos sobre as civilizações nativas, com muita desconfiança em relação às narrativas de viagem. Raynal descreve os índios brasileiros de antes das descobertas como um povo de ateus felizes, hospitaleiros, sociáveis. Percebe-se, aí, já um conflito interessante entre o código da natureza e a civilização europeia, de tanta importância para o estudo de autores como Rousseau e o próprio Diderot, no Supplément au Voyage de Bougainville. O livro, nos seus trinta primeiros capítulos, narra a maneira pela qual Portugal impôs modelos imperialistas, adaptados e adotados, posteriormente, por outras nações europeias. Além do mais, descreve a ascensão e decadência de um povo (o português), esta última devida, principalmente, à política econômica fundada na busca do ouro, com o consequente abandono da agricultura e da indústria. A obra narra, também, a luta dos portugueses contra as outras nações predatórias do Brasil (França e Holanda) e mostra os 18

19 indígenas brasileiros muito próximos dos habitantes do Taiti, descritos por Bougainville e idealizados por Diderot: bons sauvages, mais próximos da natureza do que da civilização europeia corrompida; generosos, sem religião (ou adeptos de uma religião da natureza), praticantes da poligamia, enfim, livres e puros. A obra foi censurada em Portugal e na Espanha e proibida pela Inquisição, mesmo na França. Mas há estudos que provam que l Histoire des deux Indes teve repercussões no Brasil, tanto na Revolta dos Alfaiates, na Bahia, quanto na Conjuração Mineira, ambas de Fica evidente, no que estamos vendo até agora, essa oscilação, ou tensão, entre imagem positiva e negativa do homem americano, no olhar francês. Tensão que persiste no século XIX, como se pode constatar nos textos de Francis de Castelnau, que trazemos ao leitor brasileiro de hoje. O naturalista percorreu o Brasil e a América do Sul de 1843 a 1847, e retorna, posteriormente, como cônsul na Bahia, onde escreve o seu relato. A narrativa de sua viagem contém seis volumes Expédition dans les parties centrales de l Amérique du Sud, de Rio de Janeiro à Lima, et de Lima au Para, exécutée par ordre du gouvernement français pendant les années 1843 à 1847, sous la direction de Francis de Castelnau. O texto percorre grande parte do Brasil, discorrendo sobre a população, seus hábitos e costumes, assim como sobre os índios e os escravos, a condição da mulher, a cidade e o campo, a mata, os animais, as relações do Brasil com a Europa naquele momento, o imperador, a aristocracia urbana e rural etc. O entusiasmo e interesse de Castelnau pela América do Sul é evidenciado em muitos dos seus textos, tais como este: Poucos lugares se apresentam à imaginação com tanto prestígio quanto a América do Sul; enquanto a parte setentrional desse continente perde cada dia mais o seu caráter primitivo, substituindo-o pelas maravilhas da indústria moderna, a parte Sul, ao contrário, conserva ainda hoje o selo da natureza virgem: aí, nada de estradas de ferro, nem de canais, nem, na maioria das vezes, estrada nenhuma; mas, em toda parte, admiráveis florestas virgens, rios cujas extensões não têm limites, montanhas cujos picos gelados se perdem acima das nuvens, nações selvagens, que desconhecem até o nome da Europa (CASTELNAU, 1850, v. I, p. 42). Estamos diante da presença da natureza virgem, propícia a desencadear o imaginário do viajante... Mas também se pode observar a ambiguidade do discurso sobre o homem americano do sul, ao mesmo tempo apresentado como selvagem, ignorando a civilização europeia, e, por outro 19

20 lado, mantendo-se mais próximo da natureza, ao recusar imitar o modelo industrial europeu. Castelnau, embora vivesse em meados do século XIX, era ainda um homem do Iluminismo francês, leitor de Rousseau e Montesquieu, o que se evidencia por esse paradoxo nos seus textos sobre o brasileiro. A América do Sul, especialmente o Brasil, seria mais interessante do que a América do Norte, principalmente porque está mais próxima da natureza, prestando-se mais a ser um laboratório de provas sobre as questões da natureza x cultura, do bon sauvage, e, por isso mesmo, oferecendo mais condições ao trabalho do imaginário. Embora guardando ainda traços dos philosophes, homem do seu século, Castelnau se encanta com a paisagem e oferece muito material de reflexão teórica sobre o romantismo, nos inúmeros momentos em que pretende descrever a natureza deslumbrante que percebe. Por outro lado, confessa não encontrar palavras para a sua narrativa e lamenta não ser um grande pintor para dar conta do que vê. Seus relatos se prestam a muitas discussões, entre as quais a da impossibilidade da linguagem escrita de reproduzir os sentimentos e as ideias. E, efetivamente, o autor desenha o que vê, como o provam as inúmeras ilustrações e gravuras na sua obra, na esperança de que a narratividade do desenho transmita o que ele não consegue com a linguagem verbal. Muito haveria a dizer sobre várias passagens do texto, mas gostaríamos de enfatizar o seu caráter romântico, em que o autor se mostra consciente do trabalho do imaginário diante do real, chegando até a ter alucinações sobre os gelos dos polos, a partir de uma paisagem da natureza tropical. Essa relação entre realidade e ficção atravessa todo o texto de Castelnau, e leva-nos a concluir sobre a literariedade do texto, mesmo se admitirmos que o gênero narrativa de viagens não é muito prestigiado enquanto literatura. Além disso, nesses relatos, encontramos muitas informações sobre os costumes e a vida quotidiana no Brasil, tanto na cidade, quanto no campo. Trata-se de verdadeiras crônicas dessa época sobre o país. Castelnau é muito consciente das funções do imaginário, da memória e do esquecimento nos seus textos, ao contrário da maioria dos autores viajantes, que, normalmente, recusam o caráter ficcional de suas narrativas, que eles consideram como meros documentos. O autor está na contramão do seu tempo, legando-nos um texto bem curioso e rico de 20

21 elementos que podem interessar aos pesquisadores de teoria da literatura, de história e de literatura comparada. Ao oferecer a leitura de Francis de Castelnau ao leitor brasileiro, resta-nos reforçar o que já vinha sendo anunciado desde o início do texto: que o Brasil é, desde o Renascimento, um mito paradoxal para os franceses, ponto de partida de crítica à moral da civilização europeia, pelo fato de oferecer o espetáculo da superioridade do homem natural. Mito de um mundo novo, que deve ser preservado, mas, ao mesmo tempo, um mundo primitivo, que precisa ser civilizado... Essas constatações nos permitem estudar o papel e a função que esses viajantes escritores tiveram na formação do conceito de identidade nacional, tanto no Brasil, quanto na América do Sul. Além de farto material para a reflexão sobre o conceito de nação que aqui se elaborava, com a ajuda desse imaginário estrangeiro, cumpre reafirmar que a grande maioria dos viajantes da modernidade negava a literariedade de suas narrativas, por serem cientistas, savants, que olhavam as literaturas e as artes com desprezo. Assim, a discussão sobre o fictício e o imaginário, a partir desses textos, bem como o papel das narrativas de viagem na formação da literatura brasileira e do conceito de Brasil visto pelos brasileiros, podem ser o ponto de partida para novos aprofundamentos nos estudos sobre o Iluminismo e o Romantismo, no cotejo desses relatos com a literatura desses dois movimentos, tanto na França, quanto no Brasil. E onde há sempre lugar para o imaginário... referências bibliográficas BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Obras escolhidas i: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, CASTELNAU, Francis de. Expédition dans les parties centrales de l Amérique du Sud, de Rio de Janeiro à Lima, et de Lima au Para exécutée par ordre du gouvernement français, pendant les années 1843 et 1847, sous la direction de Francis de Castelnau. Paris: Chez P. Bertrand, Libraire-Editeur, v. DAHER, Andrea. O Brasil francês: as singularidades da França Equinocial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, DIDEROT, Denis. Supplément au voyage de Bougainville. Paris: Flammarion,

22 DUCHET, Michèle. Diderot et l Histoire des deux Indes ou l écriture Fragmentaire. Paris: A.G. Nizet, LESTRINGANT, Frank. Le Brésil de Montaigne: le Nouveau Monde des Essais. Paris: Chandeigne, MOUREAU, François. Le théâtre des voyages. Paris: PUF, ROUANET, Maria Helena. Eternamente em berço esplêndido. São Paulo: Siciliano,

23 Tomo 1 Introdução A história de viagens sempre foi para mim objeto de uma paixão dominante: quando criança, os relatos de Cook e de Levaillant substituíam, em minhas mãos, os contos de fadas; na juventude, meu sono era frequentemente perturbado pelo pensamento em aventuras longínquas e pelas maravilhas que nos apresentam as grandes cenas da natureza. O estudo das ciências naturais, de mestres como Cuvier, Geoffroy Saint-Hilaire, Brongniart, Élie de Beaumont, de Jussieu, de Blainville, Desfontaines, Duméril, Latreille etc., logo veio acrescentar um novo e bem poderoso incentivo a essas disposições aventureiras. Enfim, quando cheguei à idade em que a liberdade de ação não tem mais controle, não pude mais resistir muito tempo a esse ímã que me arrastava para longe do meu país, longe dos meus, longe das doçuras da civilização; fiquei, muito tempo, buscando o lugar para o qual dirigiria minha corrida incerta. O desconhecido sempre teve, para mim, uma atração irresistível: ora, seguindo os traços de Burns, queria me dirigir aos planaltos da Ásia Central, onde a civilização de nossa raça teve seu começo; ora, seduzido pelos relatos dos Munge-Park, dos Long, dos Lyon, dos Clapperton, dos Denham, dos Caillé, sonhava apenas em penetrar no meio dos desertos ardentes do interior da África, cuja geografia, até hoje, é muito pouco conhecida; mais frequentemente ainda, sentia-me atraído por esse Egito antigo, por essa misteriosa Etiópia, onde o homem aprendeu a balbuciar a ciência. Que encantamento não encontrava só em pensar em me perder no meio desses obeliscos que viram a grandeza dos faraós e as explorações dos Sesóstris? Nessas pirâmides, em cujos degraus choraram os filhos de Israel? Enfim, minha imaginação delirante me fazia ler os hieróglifos das primeiras eras, e a história de um mundo novo brotava através do granito 23

24 e se desvendava como um vasto panorama para o meu espírito doente. Outras vezes, ainda, sonhava em seguir, com as Escrituras na mão, a marcha dos judeus através dos desertos da Palestina, vendo os lugares que ainda falam de Moisés, visitando a cidade de Baal, buscando os restos da suntuosa Nínive. Mas, de repente, a grande figura de Colombo vinha, como um espectro imenso, exigir o meu respeito; apoiando-se em Cortez e Pizzarro, ela parecia me repreender pelo abandono no qual eu deixava esse continente inventado pelo seu gênio. Então, o resto do mundo era esquecido, o Niágara, o Mississípi, a Amazônia absorviam completamente os meus pensamentos; errar com os selvagens nos lagos outrora franceses do Canadá, perseguir bisões nas pradarias do Oeste, visitar as minas de prata do México e de Potosí e as formações auríferas do Brasil, estudar esses seres anormais que se escondem entre as árvores tão variadas dos trópicos, esse era o sonho ao qual me abandonava. Oh! Nesse momento, minha cabeça se perdia, e eu ficava louco de felicidade e ávido de curiosidade. Uma oportunidade de visitar a América do Norte se apresentou, enfim, e, mesmo sempre tendo sentido uma predileção particular pelas regiões equatoriais, eu a agarrei prontamente. Cinco anos de viagem me fizeram percorrer todos os Estados da União-Americana, o Texas e o Canadá; as produções dessas vastas paragens e as leis desse povo, que se chama americano por excelência, tornaram-se o objeto de longos mas atraentes estudos. Antes de minha partida, havia publicado várias obras de zoologia; quando retornei, publiquei minhas Vues et souvenirs de l Amérique du Nord e meu Essai sur le système silurien de l Amérique septentrionale. Durante minha permanência nos Estados Unidos, tive contatos frequentes com grande parte dos eminentes homens de Estado que essa jovem e enérgica república produziu, e eles, desejando facilitar para mim uma viagem às partes equatoriais da América, que sabiam ser meu maior desejo, propuseram-me, em nome do governo da União-Americana, ir a Lima cumprir funções diplomáticas. Apesar de ter ficado bastante comovido com essa marca de estima, só pude aceitar com a condição de primeiramente retornar à França, para solicitar a autorização do Governo de meu país. Quando cheguei à Europa, fui recebido com a maior generosidade, por um príncipe que havia confessado um interesse tão grande quanto esclarecido pelas ciências geográficas; ele me censurou pelo que 24

25 chamava de minha deserção e quis me propor dirigir uma expedição científica que o Governo francês sonhava, sob seus auspícios, enviar às regiões mais centrais e menos conhecidas da América do Sul. Inútil dizer que aceitei, com profundo reconhecimento, semelhante missão que iria, enfim, me permitir visitar essas paragens que o sol jamais abandona e onde a natureza apresenta todas as suas maravilhas luxuriantes. Sempre me pareceu que, devido apenas a um efeito estranho da civilização, as mais belas regiões do globo estão hoje negligenciadas pelos homens e entregues aos tigres e aos répteis gigantescos. A raça humana, abandonando a caça para buscar recursos mais seguros na cultura do solo, e sentindo a necessidade de escapar dessa inebriante moleza que, sob os trópicos, vem destruir nossas forças e amortecer todas as nossas faculdades, fez então o sacrifício voluntário de uma parte de seu bem-estar, para ir buscar nos climas frios e variáveis a energia do corpo, que se tornava necessária à sua nova maneira de viver. Assim avança a civilização e se desenvolvem as raças; mas também é certo que, mesmo contra a vontade, nossos pensamentos se voltam para essas zonas onde abundam as palmeiras, que gozam de uma perpétua primavera e cujo solo produz sem exigir trabalho. Impossível duvidar que esse fosse o berço da raça humana, pois uma região semelhante se apresenta uniformemente à mente, como sendo o paraíso terrestre da cosmogonia universal dos povos; observa-se também que os animais que mais se aproximam de nossa raça, os quadrúpedes quadrúmanos (os macacos), mais sábios que nós, talvez, permaneceram fiéis a essas belas paragens, o que lamentamos sempre. Hoje, a América só conservou de sua população aborígene as tribos errantes de homens de cor acobreada e ligeiramente avermelhada, que se organizam em pequenas famílias no meio de florestas sem demarcação, têm línguas infinitamente diversificadas, estão em guerra permanente uns contra os outros e parecem ser instrumentos cegos de um decreto misterioso dessa providência que destrói, por milhares de meios, tudo o que se tornou inútil a seus fins. Dessa forma, assim que um novo broto se lança forte e ativo, os velhos ramos secam e se decompõem, pois a natureza, assim como protege a conservação da espécie, trata com indiferença tudo o que diz respeito à individualidade. Para aquele que estuda profundamente essa raça, ela só é representada hoje por alguns indivíduos de cada uma das mil nações que a compunham no passado. Essa 25

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram GPS Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram ferramentas importantes para nos localizarmos com mais facilidade. Agora imagine que você pudesse ter um GPS que, além de lhe fornecer

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 109 Discurso na cerimónia de comemoração

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO Gisela Morena de Souza 1 Universidade Federal de Ouro Preto RESUMO: QUANDO FUNDADA EM 1876, A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO FEZ

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 LISTA DE EXERCÍCIOS 01 01 - (Unicamp 2014) Desde o período neolítico, os povos de distintas partes do mundo desenvolveram sistemas agrários próprios aproveitando as condições naturais de seus habitats

Leia mais

E Deus viu que tudo era bom

E Deus viu que tudo era bom E Deus viu que tudo era bom Nunca pensei que fosse assim O Livro do Gênesis é o livro mais fascinante da Bíblia e o mais complicado. Foi escrito milhares de anos depois dos fatos que ele narra. Foram vários

Leia mais

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

Agora é só com você. Geografia - 131

Agora é só com você. Geografia - 131 Geografia - 131 3 Complete: O espaço da sala de aula é um domínio delimitado por um(a)..., que é sua fronteira. Ainda em grupo faça o seguinte: usando objetos como lápis, palitos, folhas e outros, delimite

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar as informações, antes é preciso

Leia mais

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Habitados Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Jesus referiu-se em algum momento de suas pregações à existência de outros mundos habitados? Qualquer pessoa que pensa, ao

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Mapa. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Mapa CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal por onde

Leia mais

ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS

ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS Francisco de Assis CARVALHO 1 Desde que o homem existe é que ele nomeia os lugares e os espaços.

Leia mais

A amizade abana o rabo

A amizade abana o rabo RESENHA Leitor iniciante Leitor em processo Leitor fluente ILUSTRAÇÕES: Marina relata, nessa história, seu encontro com cães especiais, que fazem parte de sua vida: Meiga, Maribel e Milord. A história

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2 Ficava intrigado como num livro tão pequeno cabia tanta história. O mundo ficava maior e minha vontade era não morrer nunca para conhecer o mundo inteiro e saber muito da vida como a professora sabia.

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

A Hora Legal Brasileira e o sistema de fusos horários Sabina Alexandre Luz

A Hora Legal Brasileira e o sistema de fusos horários Sabina Alexandre Luz A Hora Legal Brasileira e o sistema de fusos horários Sabina Alexandre Luz Estamos certamente acostumados a ouvir a indicação horário de Brasília quando a hora é anunciada na rádio. Esta indicação refere-se

Leia mais

OITO PASSOS PARA ELIMINAR A ENXAQUECA, RECUPERANDO A AUTOESTIMA

OITO PASSOS PARA ELIMINAR A ENXAQUECA, RECUPERANDO A AUTOESTIMA OITO PASSOS PARA ELIMINAR A ENXAQUECA, RECUPERANDO A AUTOESTIMA OITO PASSOS PARA ELIMINAR A ENXAQUECA, RECUPERANDO A AUTOESTIMA Fátima Borges Silva 1ª Edição 2014 OITO PASSOS PARA ELIMINAR A ENXAQUECA,

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC. 2014-09a-20s-tg-09 Trabalho de Geografia Eu no Mundo

Sistema de Ensino CNEC. 2014-09a-20s-tg-09 Trabalho de Geografia Eu no Mundo TRABALHO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA Aluno: n o Data para entrega: _11/07/ Créditos distribuídos: 6 pontos / Créditos obtidos: 4º ano do Ensino Fundamental Turma: 1-09a-20s-tg-09 Trabalho de Geografia Eu no

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Meu olhar sobre o Peru

Meu olhar sobre o Peru Meu olhar sobre o Peru Aldina Geraldes Meu olhar sobre o Peru 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2013 Edição de texto Noga Sklar Editoração: KBR Capa KBR sobre foto da autora Fotos do miolo acervo pessoal da

Leia mais

PROVA DE HISTÓRIA 2 o TRIMESTRE 2012

PROVA DE HISTÓRIA 2 o TRIMESTRE 2012 PROVA DE HISTÓRIA 2 o TRIMESTRE 2012 PROFa. FLÁVIA N ME N o 6 o ANO Nos anos 80 quando esta professora tinha a sua idade! passava na televisão um seriado chamado Viajantes do Tempo. A ideia do seriado

Leia mais

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Português A2 Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Direção de Serviços de Língua e Cultura Composição Gráfica: Centro Virtual Camões

Leia mais

Como mudar sem Stress

Como mudar sem Stress Como mudar sem Stress Dicas para uma mudança tranquila Christina Klüppel Costa Se quiser receber uma planilha resumo com check list para facilitar a organização e verificação de todos os passos, ou ainda

Leia mais

(A) Regionalismo (caráter da literatura que se baseia em costumes e tradições regionais).

(A) Regionalismo (caráter da literatura que se baseia em costumes e tradições regionais). ENEM 2002 Comer com as mãos era um hábito comum na Europa, no século XVI. A técnica empregada pelo índio no Brasil e por um português de Portugal era, aliás, a mesma: apanhavam o alimento com três dedos

Leia mais

Juniores aluno 7. Querido aluno,

Juniores aluno 7. Querido aluno, Querido aluno, Por acaso você já se perguntou algumas destas questões: Por que lemos a Bíblia? Suas histórias são mesmo verdadeiras? Quem criou o mundo? E o homem? Quem é o Espírito Santo? Por que precisamos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Lançamento do Programa «Pólos Florestais»

Leia mais

Cartão postal. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Cartão postal. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Cartão postal CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO

ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Dirlene A. Costa Gonçalves Professora Escola para Surdos Dulce de Oliveira, Uberaba-MG. dirlenecosta12@hotmail.com

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens Jean Baptiste Debret nasceu em Paris, na França, em 18 de abril de 1768. Formado pela Academia de Belas Artes de Paris, Debret foi um dos membros da Missão

Leia mais

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Este ponto é aqui. É a nossa casa. Somos nós, numa imagem tirada a partir de 6 mil milhões de quilómetros da Terra pela sonda Voyager

Leia mais

Nós temos muitas aves e outros animais. Hà alguns meses atrás, eu vi uma irara próximo à nossa fazenda. Era bem cedo pela manhã e eu fui até a

Nós temos muitas aves e outros animais. Hà alguns meses atrás, eu vi uma irara próximo à nossa fazenda. Era bem cedo pela manhã e eu fui até a Olá, eu sou Alex. Na verdade, meu nome é Tito Alexander, mas todos me chamam de Alex. Eu vivo em São Miguelito, nas montanhas do oeste de El Salvador, próximo do Parque Nacional O Impossível. O parque

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

PROVA de HISTÓRIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006. Questão 01 II) Leia, atentamente, o trecho abaixo e responda ao que se pede:

PROVA de HISTÓRIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006. Questão 01 II) Leia, atentamente, o trecho abaixo e responda ao que se pede: PROVA de HISTÓRIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006 (cada questão desta prova vale até cinco pontos) Questão 01 Leia, atentamente, o trecho abaixo e responda ao que se pede: Para o filósofo grego Platão, nenhuma

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

..::10 A equação matemática que garante o sucesso financeiro da viagem

..::10 A equação matemática que garante o sucesso financeiro da viagem 1 2 ..::10 A equação matemática que garante o sucesso financeiro da viagem Quanto mais viajamos e entendemos a dinâmica da estrada, mais fácil se torna encontrar formas de economizar e juntar dinheiro

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES. Resumo. Introdução

RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES. Resumo. Introdução RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES Resumo Angelita Ribeiro da Silva angelita_ribeiro@yahoo.com.br O tema do trabalho foi Raios, Relâmpagos e Trovões. Os alunos investigaram como se dá a formação dos três fenômenos.

Leia mais

iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, do estado palestino judeu e do estado palestino árabe.

iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, do estado palestino judeu e do estado palestino árabe. 1 iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, decretada no ano de 1948 após uma decisão da assembléia geral da onu de 1947, presidida pelo brasileiro osvaldo

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 25 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL Ederson da Paixão (Especialista em Educação Especial: Atendimento às Necessidades Especiais Integrante do Projeto de Pesquisa Os Primeiros Dramas

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

A lenda do café. Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos)

A lenda do café. Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos) A lenda do café Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos) Provavelmente já se questionou como é que o café foi descoberto. A história parece ser universal, já que tudo aponta para a Lenda de Kaldi,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor.

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor. OSVALDO Bom dia! Meu nome é Osvaldo, tenho 15 anos, sou de Santa Isabel SP (uma cidadezinha próxima à Guarulhos) e, com muito orgulho, sou bolsista ISMART! Ingressei no ISMART este ano e atualmente estou

Leia mais

00.035.096/0001-23 242 - - - SP

00.035.096/0001-23 242 - - - SP PAGINA 1 O CARÁTER CRISTÃO 7. O CRISTÃO DEVE TER UMA FÉ OPERANTE (Hebreus 11.1-3) Um leitor menos avisado, ao ler o texto pode chegar à conclusão de que a fé cria coisas pelas quais esperamos. A fé não

Leia mais

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957.

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. FORMAÇÃO

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Professora Áurea Santos, com o grupo de estudantes do Instituto Federal do Piauí pioneiro no intercâmbio com Espanha e a Portugal: A experiência

Leia mais

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo RELATÓRIO DE ARTES 1º Semestre/2015 Turma: 7º ano Professora: Mirna Rolim Coordenação pedagógica: Maria Aparecida de Lima Leme 7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo Sinto que o 7º ano

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

Série 6 o ANO ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 3º BIMESTRE / 2011

Série 6 o ANO ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 3º BIMESTRE / 2011 Disciplina LINGUA PORTUGUESA Curso ENSINO FUNDAMENTAL II Professor MARIANA Série 6 o ANO ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 3º BIMESTRE / 2011 Aluno (a): Número: 1 - Conteúdo: Substantivos: comum

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 8. POLÍTICA INTERNACIONAL Majestade

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais