10 O s í n d i o s e o B r a s i l

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "10 O s í n d i o s e o B r a s i l"

Transcrição

1 Prefácio Qual é a definição do termo índio? Quem é índio no Brasil? Quantos povos ou etnias indígenas há no país? Onde estão localizados? Como vivem? Quais são suas terras? O índio protege o meio ambiente? Os índios também vivem nas cidades? O índio é preguiçoso? O índio é brasileiro? Há preconceito contra o índio? Quantos eram e como viviam os índios no Brasil em 1500? O que aconteceu com eles? Por que os índios são contra as hidrelétricas? Que futuro existe para os índios? Tais questionamentos são feitos todos os dias, sempre quando o tema índio é foco de alguma discussão. Interesse e curiosidade são inerentes ao brasileiro a respeito dos nossos índios, mas há também, evidentemente, um largo desconhecimento sobre o assunto, ainda que muita gente fale dos índios como se soubesse muito bem quem eles são. O presente livro vai tentar responder a essas perguntas de modo que o leitor possa não somente obter e elaborar uma ideia certa acerca dos índios quem são e como vivem no Brasil, mas também se abra para o fato de que estes (que aqui estavam antes da chegada dos portugueses e em cujo território o sistema socioeconômico de Portugal foi implantado) são os habitantes originários desta terra e hoje são parte includente da nação para onde migraram europeus, africanos e depois asiáticos o Brasil. Que fique claro desde já: os índios, isto é, uma boa parte dos povos indígenas que aqui viviam em 1500, sobreviveram e hoje estão no Brasil como parte do Brasil e para ficar para todo o sempre (enquanto o país existir como nação, por suposto).

2 10 O s í n d i o s e o B r a s i l Há 25 anos escrevi um livro a respeito dos índios, sua história e sobre o fato, até então não perceptível, de que muitos povos indígenas haviam sobrevivido aos 500 anos de destruição, massacres, doenças e opressão por parte do segmento populacional dominante. Na obra, denominada Os índios e o Brasil, uma avaliação histórica e contemporânea é feita no tocante à situação dos índios, sendo a primeira a demonstrar a sobrevivência desses povos. Durante aqueles anos todos, pensava-se que os índios estavam em declínio contínuo, se acabando, vivendo seus últimos dias. Não só os velhos livros tratavam disso, mas também os jornais, os visitantes ocasionais das tribos, os missionários e os antropólogos. Estes últimos, assim como os indigenistas (que são as pessoas que mais contato próximo e profundo têm com os índios), também achavam que os índios estavam a caminho do extermínio. Grandes antropólogos, como o brasileiro Darcy Ribeiro e o francês Claude Lévi-Strauss, que haviam estudado de perto diversos povos indígenas nas décadas de 1930 a 1950, constataram e anunciaram a extinção física e cultural dos povos indígenas, sua dénouement finale. Aquém e além de desgraças, como assassinatos, massacres, epidemias ou expulsão das terras, ao entrar em contato e conviver com a sociedade brasileira (a qual, por extensão, faz parte da cultura ocidental, europeia), os índios, considerados a parte mais vulnerável dessa convivência, iriam eventualmente mudar seus modos de viver, suas culturas, além de adotar costumes, hábitos, comportamentos e atitudes cada vez mais diferentes de seus costumes originais e cada vez mais parecidos com os costumes brasileiros. Por fim, perderiam de todo seus hábitos, abandonariam as bases de suas culturas e se assimilariam completamente ao modo de ser brasileiro. Virariam todos brasileiros se quisessem se salvar como indivíduos. Para a grande maioria dos povos indígenas originários de 1500, tudo isso quase aconteceu. Porém, não com todos, nem completamente para muitos. Eis a razão de, por volta de 1987, terem sobrevivido mais de 220 povos, os quais continuavam a se ver como índios, diferentes do restante da população brasileira. Por que houve tais exceções? Essa é uma das perguntas levantadas em Os índios e o Brasil e que foi respondida extensamente pela análise que fiz da história do nosso país não só das conquistas, dos extermínios, dos massacres, das epidemias que dizimaram tantos índios, destroçaram tantos povos e diluíram tantas culturas, mas também das ambiguidades da colonização luso-brasileira, das dúvidas sobre a legitimidade do poder real português sobre os povos indígenas e das políticas portu-

3 P r e f á c i o 11 guesas claudicantes para com os índios e os negros escravos. A história do modo como se desenvolveu o catolicismo implantado no Brasil, da Igreja conservadora e oficial e da Igreja salvacionista dos missionários; do malemolente Império brasileiro, da República positivista brasileira e, sobretudo, do posicionamento de alguns nobres pensadores e homens de ação brasileiros que fizeram a diferença nessa atitude mais ou menos generalizada de se posicionar contra o índio. Nas entrelinhas da história e nas brechas dos acontecimentos mais evidentes é que se acham os motivos pelos quais os índios sobreviveram. E eles resistiram! Este livro vai recontar essa história e analisar seus fundamentos sociais de um modo diferente do que está costumeiramente registrado na historiografia brasileira. Desde que sua primeira versão foi publicada, muita coisa continua e muita coisa se passou. Uma delas é que o sentimento original da primeira edição se realizou. Antes, eu apenas timidamente sugeria que havia algo de bom nessa história do Brasil, a qual auxiliara a população de índios a crescer e ter condições de sobreviver. Agora, nos últimos anos, ficou evidente que esse sentimento e previsão tinham boas razões de ser. Com efeito, os índios que sobreviveram ao que chamei de holocausto palavra forte muito ligada ao morticínio em massa de judeus durante a era nazista, mas que podia ser transplantada, com o devido respeito, para a compreensão do caso indígena cresceram, consolidaram sua sobrevivência, tiveram suas terras demarcadas (a maioria delas, pelo menos, pois ainda há falhas imensas que serão discutidas aqui) e estão aí, procurando seu espaço na sociedade brasileira. Os índios que vivem no Brasil são brasileiros, esta é a primeira resposta que tenho para dar neste livro. Brasileiros natos e originários. Isso todos sabem, ou sentem que sabem, ou duvidam pouco mesmo aqueles cuja crença é de que os índios são preguiçosos, traiçoeiros, mal-agradecidos, privilegiados ou que têm terra demais. Enfim, quase ninguém duvida de que os índios são brasileiros, originários, de raiz. Mas o que será dessa porção de sociedades, culturas e povos indígenas tão diferentes entre si e da maioria dos brasileiros, em um país onde os cidadãos praticam majoritariamente uma cultura única, com poucas diferenças regionais? O Brasil é capaz de aceitar e viver com diferenças tão grandes entre seus habitantes? A resposta para essa questão será construída aqui, devagarzinho, à medida que os dados forem sendo analisados. Não há como responder de pronto. Eu mesmo não sei dizer tão claramente se isso é possível. Muitos brasileiros, intelectuais ou não, falando seriamente ou em con-

4 12 O s í n d i o s e o B r a s i l versa de botequim, acreditam que a cultura brasileira, embora com diferenças regionais, é tão forte, tão determinante, tão homogeneizadora, tão antropofágica (no dizer de Oswald de Andrade), que não deixa espaço para o florescimento de culturas diferentes que aqui aportam. Basta relembrar o que foi feito com as culturas dos imigrantes desde o século xix! Dos espanhóis, árabes e italianos praticamente só restaram as comidas preferidas, algumas expressões linguísticas e uma coisinha aqui e outra acolá. Os alemães, ucranianos e poloneses, exceto por suas bucólicas casas no Paraná, em Santa Catarina e na serra gaúcha, pouco se diferenciam no burburinho das cidades. Mesmo os japoneses, tão asiáticos, exceto pela consolidação de um certo estilo urbano de viver no bairro da Liberdade, em São Paulo, já misturam feijão com sushi (prato que, aliás, todo mundo aprendeu a comer e apreciar), e seus descendentes estão se casando com não nisseis, vivendo como brasileiros quaisquer, conforme as cidades, os bairros e as classes sociais a que pertencem. Coreanos, chineses e novos imigrantes da América do Sul e da África estão a caminho de serem triturados pela mó homogeneizadora da cultura brasileira. Assim pensamos muitos de nós, apesar das loas que se tecem sobre as virtudes do multiculturalismo brasileiro! E, então, será que os índios aguentarão manter suas culturas com tanta distinção? Convenhamos que será difícil. Mas, até agora, muitos as têm mantido, mesmo após anos de convivência com segmentos da sociedade brasileira. Povos indígenas contatados por sertanistas do antigo Serviço de Proteção aos Índios (spi) ou pela Fundação Nacional do Índio (Funai), a qual substituiu aquele órgão em 1967, há mais de 50, 60 e 70 anos, ainda mantêm suas culturas com todo vigor. Exemplos deles são os Xinguanos em geral (Kamayurá, Yawalapiti, Waurá etc.), os Karajá, Kayapó, Xavante, Urubu-Kaapor, Canela, Tapirapé e tantos outros que vivem nas mais diferentes condições de vida na floresta, no cerrado ou na beira dos rios. Os Guarani, seja os subgrupos Mbyá, Kaiowá e Ñandeva, que vêm dos tempos das missões jesuíticas (séculos xvii e xviii), vivem uma cultura com tradição rígida e professam uma religião exemplarmente singular, mesmo após terem absorvido elementos da religião católica. Em contrapartida, há povos indígenas que mudaram muito rapidamente, até em menos tempo. Aprenderam o português com rapidez e fluidez, adotaram elementos da sociedade brasileira e, embora a maioria habitando em suas terras, muitos dos seus líderes já vivem em cidades, se relacionam com segmentos políticos e culturais da sociedade brasileira e se posicionam como representantes de seus povos para fins de

5 P r e f á c i o 13 adaptar elementos da sociedade nacional em suas culturas. É o exemplo de povos como os Suruí e Kaxarari, de Rondônia, os Terena, de Mato Grosso do Sul, os Apurinã e diversos outros do Acre, os Makuxi e Wapixana, de Roraima, os Tikuna e até os Marubo, do Amazonas, e outros tantos, especialmente da região nordestina. Como se vê, são tantas as possibilidades de ser indígena no Brasil que só trabalhando a história das relações interétnicas no país, junto com a descrição das variadas culturas e a análise de suas adaptações à convivência amistosa, bem como suas reações e resistência aos momentos de opressão, é que poderemos formar uma ideia mais clara sobre quem são os índios, como vivem na atualidade e qual seu futuro. Precisamos reconhecer que as situações pelas quais os índios brasileiros passam são específicas. Eles estão majoritariamente instalados em suas terras, vivendo da agricultura, da caça, da pesca e da coleta, da venda de alguns produtos naturais (castanha, óleo de copaíba, peixe) ou fabricados ou catados (artesanato, farinha, ouro e pedras preciosas). Muitos já se instalaram nas cidades e vivem em condições de pobreza alguns, porém, empregados, criam seus filhos no sistema cultural dominante da sociedade brasileira, mas tentam manter sua identidade e transmiti-la com dignidade para seus filhos e descendentes. Os índios estão por quase todas as partes do Brasil, em todos os estados. No Piauí e no Rio Grande do Norte, só nesta última década, surgiram grupos de indivíduos que se autoidentificaram como índios, constituindo-se como etnias distintas. Segundo o Censo 2010, do ibge (o qual discutiremos mais adiante, com certo espírito crítico), somam cerca de 897 mil pessoas, sendo que 520 mil vivem em suas terras e 357 mil estão nas cidades. O mesmo Censo aponta 305 etnias específicas (embora aqui também tenhamos dúvidas sobre em que consiste uma etnia específica) e ao menos 274 línguas distintas (100 a mais do que sabia a Funai) são faladas na Babel indígena (mesmo que, em uns 20 casos, são pouquíssimos os falantes nativos, e em diversos outros as línguas estejam extintas algumas muito recentemente.) Em suas aldeias, em suas terras, os índios exercem sua vida social e política. Suas celeumas, suas divergências e disputas são resolvidas pelas regras e normas de conduta, pelas armas e pelos símbolos de poder tradicionais. O mais importante é defender suas terras, tanto as reconhecidas pelo Estado brasileiro quanto as que há por reconhecer. Quem tem mais parentes, quem tem melhor oratória, quem vem de linhagens e clãs com legado de poder têm mais vantagens políticas. Velhos têm precedência sobre jovens, homens sobre mulheres; guerreiros têm seu qui-

6 14 O s í n d i o s e o B r a s i l nhão de comando; chefes cerimoniais, sacerdotes, xamãs e pajés falam com voz de sabedoria. O poder é normalmente exercido com base nas tradições, ainda que novos símbolos de poder, como o dinheiro obtido por salários ou pela venda de produtos, ou a nova oratória de relacionamento com os demais brasileiros, interfiram e, às vezes, provoquem distúrbios e desavenças internas terríveis. Já nas cidades, os instrumentos e os símbolos do poder são outros. Salários fixos, empregos seguros, participação em instituições de prestígio valem mais. Aqui, jovens com discursos de protesto, com práticas de disputas, com manejo de linguagens de pressão valem mais. Nas cidades, os anciãos indígenas, com raras exceções, como Raoni, o famoso cacique Kayapó, vêm perdendo prevalência na expressão das demandas de seus povos. Porém, quem é jovem um dia fica velho, e certamente a roda da vida virará. São os jovens indígenas, em sua maioria, que vivem nas cidades, que hoje comandam o movimento indígena com forte teor político, aos moldes das organizações políticas e não governamentais brasileiras, com demandas por recursos, empregos e oportunidades educacionais, por novos espaços na sociedade brasileira, por mais respeito pessoal, pela garantia de direitos já rezados na nossa Constituição e por novos direitos. É um mundo novo, esse mundo indígena, e ele não está de cabeça para baixo, mesmo porque, na sociedade mais ampla, essas mudanças vêm ocorrendo com igual intensidade. É um mundo muito diferente daquele do passado, mesmo do passado recente. Este livro, portanto, trata do presente dos povos indígenas brasileiros, porém com revisão de seu passado (de 1500 até os dias atuais) e com vistas ao seu futuro. Tentarei demonstrar isso no texto que se segue, bem como em mapas e fotos ilustrativas. No Anexo apresento um resumo de dados gerais e concretos de quantos são os povos indígenas, suas populações e suas línguas faladas. NOTA DE ESCLARECIMENTO Informações sobre os índios, suas terras, suas culturas, sua participação no mundo atual deixaram de ser exclusivas de antropólogos, jornalistas e estudiosos. Elas se encontram facilmente na internet, em sites, blogs, ao toque de chamada no Google ou no Yahoo. No Facebook, centenas de jovens índios participam inserindo fotos de suas aldeias, discutindo assuntos políticos, compartilhando ideias, ou simplesmente

7 P r e f á c i o 15 fofocando. O site da Funai (www.funai.gov.br) contém mapas de todas as terras indígenas plotados no Google Earth e alguns sites especializados, como o do Instituto Socioambiental (www.socioambiental.org), traz informações atualizadas sobre a maioria dos povos indígenas e as notícias mais atuais. As únicas falhas ou o que fazem falta nessa massa de informações são análises dos dados e sínteses interpretativas dos temas. Eis por que livros ainda são necessários para se compreender o mundo indígena. Por sua vez, apelo para a boa vontade do leitor em duas instâncias. A primeira é pelos nomes dos povos indígenas, que variam muito no tempo, nas grafias e em função de autodenominações diferentes dos nomes mais conhecidos ou usados na literatura antropológica. A segunda é pelos momentos em que alguns temas são trazidos à discussão repetidamente, em capítulos diferentes, porém sempre em contextos de explicações distintos e com o intuito de esclarecimentos mais amplos.

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Série Movimentos Sociais Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Entre os dias 22 e 25 de abril, houve a IV Festa Nacional do Índio, na Praia da Enseada, em Bertioga. Trata-se

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS INDÍGENAS NO BRASIL Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG Conhecendo os povos indígenas Para conhecer melhor os povos indígenas, é importante estudar sua língua.

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE O Brasil é considerado um país de dimensões CONTINENTAIS, pois sua área de 8.514.876 Km² é quase igual a do Continente Oceânico. Ele é o 5º país em extensão territorial

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

Línguas indígenas brasileiras ameaçadas de extinção. Aryon Dall Igna Rodrigues (Laboratório de Línguas Indígenas, Universidade de Brasília)

Línguas indígenas brasileiras ameaçadas de extinção. Aryon Dall Igna Rodrigues (Laboratório de Línguas Indígenas, Universidade de Brasília) Línguas indígenas brasileiras ameaçadas de extinção Aryon Dall Igna Rodrigues (Laboratório de Línguas Indígenas, Universidade de Brasília) Como em outras partes do mundo, também no Brasil os povos minoritários

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo ÍNDIOS NO BRASIL Cristina Langendorf Luciana Catardo AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrissem as suas vergonhas. Traziam nas mãos arcos e setas. Historiadores

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Atividade extra Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Questão 1 O canto das três raças, de Clara Nunes Ninguém ouviu Um soluçar de dor No canto do Brasil Um lamento

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

Como o bullying contra jovens indígenas estudantes de escolas de branco perpetua estereótipo negativo do índio

Como o bullying contra jovens indígenas estudantes de escolas de branco perpetua estereótipo negativo do índio Universidade de São Paulo Glenda Carlos Ferreira de Almeida Nilbberth Pereira da Silva Orientador: Professor Doutor José Coelho Sobrinho Como o bullying contra jovens indígenas estudantes de escolas de

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. Sobre as formas de conquista e exploração do governo português, associe corretamente as colunas. a) Relações diplomáticas.

Leia mais

Palestra dado no I Congresso Brasileiro de Acadêmicos, Pesquisadores. Universidade de Brasília, Brasília D.F.

Palestra dado no I Congresso Brasileiro de Acadêmicos, Pesquisadores. Universidade de Brasília, Brasília D.F. ESSACIVILIZAÇÃONÃOTEMOQUEENSINAR PalestradadonoICongressoBrasileirodeAcadêmicos,Pesquisadores eprofissionaisindígenas,14a17dejulhode2009, UniversidadedeBrasília,BrasíliaD.F. LisioLili Eu fui convidado

Leia mais

Demográfica dos povos indígenas: Karajá, Javaé e Xambioá, no rio Araguaia, Estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso e Pará

Demográfica dos povos indígenas: Karajá, Javaé e Xambioá, no rio Araguaia, Estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso e Pará Demográfica dos povos indígenas: Karajá, Javaé e Xambioá, no rio Araguaia, Estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso e Pará 1. Marcos Clodoaldo Morais Garcia, Mestre em Ciências do Ambiente - Docente da

Leia mais

5.8) Populações Indígenas, Tradicionais e Comunidades Ribeirinhas

5.8) Populações Indígenas, Tradicionais e Comunidades Ribeirinhas 5.8) Populações Indígenas, Tradicionais e Comunidades Ribeirinhas 5.8.1) Metodologia A metodologia utilizada para o diagnóstico das populações indígenas, tradicionais e comunidades ribeirinhas considerou

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS. COLEGIADO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PATRICIA SANCHEZ PERES

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS. COLEGIADO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PATRICIA SANCHEZ PERES CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS. COLEGIADO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PATRICIA SANCHEZ PERES APRIMORAMENTO DO PROGRAMA DE ETNOTURISMO ORIENTADO NA ALDEIA

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE INDIANISTAS; EXPERIÊNCIA NO MÉDIO SOLIMÕES E AFLUENTES

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE INDIANISTAS; EXPERIÊNCIA NO MÉDIO SOLIMÕES E AFLUENTES 197 POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE INDIANISTAS; EXPERIÊNCIA NO MÉDIO SOLIMÕES E AFLUENTES DUSILEK, Alessandra 1 INTRODUÇÃO: Este relato de experiência é fruto de participação de um projeto de oferta de atendimento

Leia mais

BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO

BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT n & ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO UMA PALAVRA 11 PARTE I OS POVOS DE NOSSA TERRA UNIDADE 1 A GRANDE 1 FAMÍLIA HUMANA i CAP. 1 Milhões de anos atrás 14

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

HISTÓRIA DA MÚSICA BRASILEIRA

HISTÓRIA DA MÚSICA BRASILEIRA HISTÓRIA DA MÚSICA BRASILEIRA A Formação da música brasileira A música do Brasil se formou a partir da mistura de elementos europeus, africanos e indígenas, trazidos respectivamente por colonizadores portugueses,

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

Da formação á prática na saúde

Da formação á prática na saúde REALIZAÇÃO: GRUPO DE PESQUISA EM SOCIOLOGIA DA SAÚDE UFPR/CNPq PRROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA DA UFPR Mestrado e Doutorado em Sociologia PATROCÍNIO: APOIO: SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni 1 Guia Prático para Professores de Ensino Fundamental 1, publicação mensal da Editora Lua ( entrevista do mês da edição de abril de 2009. Ano 06, No. 62). ISBN 1679-9879. Entrevista com o antropólogo Luis

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

Desvalorização da cultura nordestina sob o olhar dos estudantes de jornalismo da Fanor 1. Anne Caroline Oliveira Lima²

Desvalorização da cultura nordestina sob o olhar dos estudantes de jornalismo da Fanor 1. Anne Caroline Oliveira Lima² Desvalorização da cultura nordestina sob o olhar dos estudantes de jornalismo da Fanor 1 Anne Caroline Oliveira Lima² Joyce Souza Pereira dos Santos³ Lucas Cavalcante Chaves 4 Viviany Vieira de Melo Malta

Leia mais

(Desigualdades de) Raça, cor, etnia. 06 e 13 de outubro

(Desigualdades de) Raça, cor, etnia. 06 e 13 de outubro (Desigualdades de) Raça, cor, etnia 06 e 13 de outubro Dias, cap. 12 Conceitos fundamentais: 1. Etnia 2. Raça/ Cor 3. Preconceito 4. Discriminação 5. Grupos minoritários 6. Exclusão, segregação Etnia Baseia-se

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Habilidades: Verificar as características dos principais grupos étnicos formadores da população brasileira: indígenas, negros e brancos.

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO Profa. Dra. Luci Bonini Desde a assinatura da Declaração Universal dos Direitos Humanos, alguns órgãos da sociedade têm se manifestado no sentido de promover as garantias

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 4.1 Conteúdo: Migração e Conflitos

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 4.1 Conteúdo: Migração e Conflitos 4.1 Conteúdo: Migração e Conflitos 4.1 Habilidades: Compreender o conceito de migração e os motivos que a causam, a partir de casos de migrações que ocorreram mundialmente. Revisão: Distribuição Geográfica;

Leia mais

A felicidade do adolescer

A felicidade do adolescer A felicidade do adolescer Clodolina Martins* Indianara Ramires Machado* Thaisa Dias* Zuleica da Silva Tiago* Desenvolvemos o projeto A felicidade do adolescer: o adolescente conhecendo a si mesmo 1, na

Leia mais

DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ

DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ Segue um relato de uma pessoa conhecida e séria, que passou recentemente em um concurso público federal e foi trabalhar em Roraima: Trata-se de um Brasil que a gente não conhece.

Leia mais

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita

Leia mais

REVISTA AVEPALAVRA WWW2.UNEMAT.BR/AVEPALAVRA

REVISTA AVEPALAVRA WWW2.UNEMAT.BR/AVEPALAVRA O INDÍGENA FAZENDO HISTÓRIA NAS RUAS DE CAMPO GRANDE Laís Rigolin Chaves 1 Talita de Almeida Paula 2 Elisângela Leal da Silva Amaral 3 Resumo Este artigo, resultado de fase inicial de pesquisa, tem como

Leia mais

Devastação e perigo nos ecossistemas terrestres

Devastação e perigo nos ecossistemas terrestres COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Lições de Língua Portuguesa, História e 4º A Troca do Livro 4º Vivência Religiosa - 4º ano quarta-feira segunda 4º B 4º C feira segunda-feira quinta-feira Leia o texto abaixo

Leia mais

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Índios Lecionando: troca de saberes 1 Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO Os vários trabalhos

Leia mais

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes Árabes Componentes: Sabrina, Lucille,Giovana, M, Lucas C, João Vitor Z, Samuel. Disciplina: Estudos Sociais, Informática Educativa, Língua Portuguesa. Professores: Uiliam Michael, Cristiane Keller, Daniele

Leia mais

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo Fichamento Texto: O Terceiro Mundo I Descolonização e a revolução transformaram o mapa politico do globo. Consequência de uma espantosa explosão demográfica no mundo dependente da 2º Guerra Mundial, que

Leia mais

A emergência da obesidade entre indígenas Teréna moradores de área urbana e rural, Mato Grosso do Sul, Brasil.

A emergência da obesidade entre indígenas Teréna moradores de área urbana e rural, Mato Grosso do Sul, Brasil. XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre 20-24 de setembro/2008. A emergência da obesidade entre indígenas Teréna moradores de área urbana e rural,

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

TEXTO 16 OS GUARANI MBYA E A ESCOLA NA ALDEIA

TEXTO 16 OS GUARANI MBYA E A ESCOLA NA ALDEIA TEXTO 16 OS GUARANI MBYA E A ESCOLA NA ALDEIA Kalna Mareto Teao 1 Esta pesquisa procura analisar as visões acerca dos Guarani Mbya do Espírito Santo sobre o papel da instituição escolar em sua comunidade.

Leia mais

07. Alternativa c. Seja PABC a pirâmide regular, com as medidas indicadas. Tem-se:

07. Alternativa c. Seja PABC a pirâmide regular, com as medidas indicadas. Tem-se: + + = = = + = = = = = = 07. Alternativa c. Seja PABC a pirâmide regular, com as medidas indicadas. Tem-se: (1) PP'A: 4 = cos60º = 1 = () PABC é regular P' é baricentro y = y = () ABC é equilátero + y =

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Política de alimentação escolar para populações indígenas

Política de alimentação escolar para populações indígenas Política de alimentação escolar para populações indígenas IV Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar 25 a 28 de novembro de 2008 Profª Dulce Ribas Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Leia mais

HOMEM E SOCIEDADE MÓDULO 8 QUEM SOMOS, QUEM SÃO ELES: ADMIRAÇÃO E PRECONCEITO NA ALDEIA GLOBAL

HOMEM E SOCIEDADE MÓDULO 8 QUEM SOMOS, QUEM SÃO ELES: ADMIRAÇÃO E PRECONCEITO NA ALDEIA GLOBAL HOMEM E SOCIEDADE MÓDULO 8 QUEM SOMOS, QUEM SÃO ELES: ADMIRAÇÃO E PRECONCEITO NA ALDEIA GLOBAL Índice 1. Quem Somos, Quem São Eles: Admiração e Preconceito na Aldeia Global...3 1.1 Globalização e Diversidade

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA SOCIOLOGIA. Conteúdo: Conflitos religiosos no mundo

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA SOCIOLOGIA. Conteúdo: Conflitos religiosos no mundo Conteúdo: Conflitos religiosos no mundo Habilidades: Reconhecer que a religião muitas vezes esconde razões políticas, econômicas e sociais de inúmeros conflitos no mundo contemporâneo; Reconhecer que a

Leia mais

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita dos maias, México.

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 Sociologia Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Antropologia Literatura Atuação política Propostas

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro

Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro (versão de 27/07/09, sujeita a alterações) apoio: São Gabriel da Cachoeira (AM), agosto de 2009 2 Projeto de formação

Leia mais

Povos Indígenas do Acre

Povos Indígenas do Acre Povos Indígenas do Acre A Biblioteca da Floresta Ministra Marina Silva disponibiliza, no Espaço Povos da Floresta, no segundo piso, exposição dedicada às nações indígenas acreanas. O visitante tem contato

Leia mais

A Questão Indígena no Brasil

A Questão Indígena no Brasil Foto: Michel Pellanders, 1987 A Questão Indígena no Brasil Lílian Nogueira Rolim Marcela Cerávolo Salomão Rafael Soares Farias Setembro/2013 Histórico da situação indígena no Brasil Origens: pré-colombianos.

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

A missão no contexto asiático

A missão no contexto asiático A missão no contexto asiático Pe. Joachim Andrade SVD Introdução O continente asiático é tão grande e tão diverso é muito difícil dar uma visão clara e contextual da missão dentro de poucos minutos. Além

Leia mais

A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA

A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA Arcenio Francisco Dias Neste artigo iremos apresentar o ensino da Língua Terena e Artes e Cultura Terena no município

Leia mais

Saúde Indígena no Brasil

Saúde Indígena no Brasil PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Saúde Indígena no Brasil Mário R. Castellani Abordarei um pouco do que estamos

Leia mais

A conquista do Sertão. Expedições de apresamento

A conquista do Sertão. Expedições de apresamento A conquista do Sertão Expedições de apresamento As bandeiras contribuíram para a expansão do território em direção ao interior, porém houve muitas mortes de nativos. O principal alvo era as missões dos

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

a) Analise a posição assumida por Ribeyrolles quanto à imigração chinesa para o Brasil.

a) Analise a posição assumida por Ribeyrolles quanto à imigração chinesa para o Brasil. HISTÓRI 1 Leia o texto a seguir. Espera-se colonizar com os chineses, os coolies, os malaios e todas essas raças degeneradas do oriente, sorte de lepra humana? Já se experimentou a espécie do Celeste Império.

Leia mais

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo 1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo A Sociologia nasceu como disciplina científica no século XIX, no contexto de formação e consolidação da sociedade capitalista. Tornou-se evidente que as

Leia mais

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento socioeconômico. Ao sul do continente, estão países

Leia mais

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80 6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º Valor: 80 1. A invasão holandesa no Nordeste brasileiro, ao longo do século XVII, está relacionada com a exploração de um produto trazido para o Brasil pelos portugueses. Que

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

Carta do Lago Caracaranã Fórum Permanente Binacional Yanomami Ye kwana Brasil/Venezuela

Carta do Lago Caracaranã Fórum Permanente Binacional Yanomami Ye kwana Brasil/Venezuela Carta do Lago Caracaranã Fórum Permanente Binacional Yanomami Ye kwana Brasil/Venezuela 02 de novembro de 2014 Durante o II Encontro Binacional Yanomami Ye kwana foi criado o Fórum Permanente Binacional

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão final: Karla Bento de Carvalho Projeto Gráfico: Fernando Selleri Silva Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Leia mais

Atualmente, há apenas dois estados brasileiros nos quais não vivem populações indígenas: Piauí e Rio Grande do Norte.

Atualmente, há apenas dois estados brasileiros nos quais não vivem populações indígenas: Piauí e Rio Grande do Norte. AS LÍNGUAS INDÍGENAS Odesenvolvimento das pesquisas de ciências como a antropologia, a etnologia e a linguística permite que tenhamos hoje informações e conhecimentos aprofundados a respeito das populações

Leia mais

GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO

GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO O que é População? População é um conjunto de pessoas que ocupam um determinado espaço em um período de tempo específico. Ela pode ser classificada segundo vários aspectos, como:

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional REGIÃO NORTE REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional GRANDE ÁREA COM PEQUENA POPULAÇÃO, O QUE RESULTA EM UMA BAIXA DENSIDADE DEMOGRÁFICA (habitantes por quilômetro

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

Aula 3 de 4 Versão Aluno

Aula 3 de 4 Versão Aluno Aula 3 de 4 Versão Aluno As Comunidades Indígenas Agora vamos conhecer um pouco das características naturais que atraíram essas diferentes ocupações humanas ao longo dos séculos para a Região da Bacia

Leia mais

O Rio Grande se vê no espelho

O Rio Grande se vê no espelho O Rio Grande se vê no espelho Fotografias reunidas em livro apresentam um Estado diferente do que é imaginado pelos visitantes O Rio Grande do Sul é, com freqüência, contraposto ao resto do Brasil como

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo?

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS NAYARA DE SOUZA ARAUJO Identidade: importância e significados Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? SÃO PAULO 2012 O que define um povo

Leia mais

EMENDA à versão original do MARCO INDÍGENA E QUILOMBOLA DO PARÁ RURAL de março de 2005. Atualização Relacionada à Reestruturação do Pará Rural em 2013

EMENDA à versão original do MARCO INDÍGENA E QUILOMBOLA DO PARÁ RURAL de março de 2005. Atualização Relacionada à Reestruturação do Pará Rural em 2013 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PROGRAMA DE REDUÇÃO DA POBREZA E GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS DO ESTADO DO PARÁ PARÁ RURAL EMENDA à versão original do MARCO INDÍGENA E QUILOMBOLA DO PARÁ RURAL de março de 2005

Leia mais

Açorianos no Rio Grande do Sul O espaço urbano no século XVIII.

Açorianos no Rio Grande do Sul O espaço urbano no século XVIII. Açorianos no Rio Grande do Sul O espaço urbano no século XVIII. Dr. Arq. Gunter Weimer Orientador Arq. Luisa Durán Rocca UFRGS- Propur, Porto Alegre Brasil l.duran@terra.com.br Este trabalho estuda a configuração

Leia mais

http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&newsid=a5268.ht...

http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&newsid=a5268.ht... http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&newsid=a5268.ht... 1 de 2 02-08-2011 16:42 Diferentes especialistas pontuam como o saber indígena contribui para a sustentabilidade Muitos e diversos.

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

Os Segredos Por Trás de Um Blog Altamente Rentável

Os Segredos Por Trás de Um Blog Altamente Rentável Os Segredos Por Trás de Um Blog Altamente Rentável OS SEGREDOS POR TRÁS DE UM BLOG ALTAMENTE RENTÁVEL Você já se perguntou por que muitos de nós trabalham 8 horas por dia com baixa produtividade, enquanto

Leia mais

Cidadania global. valores universais?

Cidadania global. valores universais? Cidadania global ou valores universais? O conceito de cidadania Direitos e liberdades do indivíduo que participa da Polis Polis: comunidade política Comunidade política baseada na ideia de soberania popular

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

Estudar as heranças formativas que caracterizam a grande maioria das festas brasileiras;

Estudar as heranças formativas que caracterizam a grande maioria das festas brasileiras; Objetivos Estudar as heranças formativas que caracterizam a grande maioria das festas brasileiras; Estruturar o profissional de eventos para compreender os mecanismos formadores da identidade festiva do

Leia mais

F-15 CIDADANIA & DIVERSIDADE

F-15 CIDADANIA & DIVERSIDADE F-15 CIDADANIA & DIVERSIDADE Promovendo a Inclusão do Conceito de Gênero na Pesca Artesanal no Brasil A PERSPECTIVA INTERNACIONAL DE DIREITOS HUMANOS Inclusão de direitos humanos e responsabilidades sociais

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

PEDAGOGIA TERENA X PEDAGOGIA URBANA: O que eu professor preciso saber da Pedagogia Terena para atuar no espaço escolar indígena multicultural.

PEDAGOGIA TERENA X PEDAGOGIA URBANA: O que eu professor preciso saber da Pedagogia Terena para atuar no espaço escolar indígena multicultural. PEDAGOGIA TERENA X PEDAGOGIA URBANA: O que eu professor preciso saber da Pedagogia Terena para atuar no espaço escolar indígena multicultural. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS

Leia mais

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA Capítulo 5 SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE Percepção de diferenças entre índios e não índios no Brasil hoje Estimulada e única, em % Base: Total da amostra (402) NÃO S/ URBANOS POPULAÇÃO NACIONAL

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

As fronteiras na atualidade. Allmaps

As fronteiras na atualidade. Allmaps As fronteiras na atualidade Allmaps Chateau de Chantilly, França Biblioteca Nacional, Paris, França O Surgimento dos estados nacionais Iniciou-se na Baixa Idade Média (a partir do século XV) Do século

Leia mais

DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: %

DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: % SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

A HISTÓRIA INDÍGENA NO ENSINO DE HISTÓRIA

A HISTÓRIA INDÍGENA NO ENSINO DE HISTÓRIA Título do artigo: A HISTÓRIA INDÍGENA NO ENSINO DE HISTÓRIA Disciplina: História Selecionadora: Antonia Terra 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador Nota 10 1 A história brasileira foi construída

Leia mais