APRESENTAÇÃO A EXPROPRIAÇÃO DAS TERRAS INDÍGENAS E AS VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTAÇÃO A EXPROPRIAÇÃO DAS TERRAS INDÍGENAS E AS VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS"

Transcrição

1 ASF BRASIL ADVOGADOS SEM FRONTEIRAS BRASIL DÉBORA PINTER MOREIRA TESOUREIRA MEMBRO COLETIVO DA UNIÃO INTERNACIONAL DE ADVOGADOS APRESENTAÇÃO A EXPROPRIAÇÃO DAS TERRAS INDÍGENAS E AS VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS 1- RETROSPECTIVA HISTÓRICA No Brasil, os povos indígenas Guarani Kaiowá e Guarani Ñandéva, falantes da língua guarani, integrantes da família linguística Tupi-Guarani e do tronco Tupi, habitam predominantemente no Mato Grosso do Sul, ocupando o sul do estado e somando, aproximadamente, pessoas (Funasa, 2011), que se distribuem em 33 localidades, entre terras indígenas e acampamentos. 1 Os Guarani denominam os lugares que ocupam de tekoha. Trata-se do lugar físico terra, mato, campo, águas, animais, plantas, remédios etc. onde se realiza o teko, o modo de ser, o estado de vida guarani. Engloba a efetivação de relações sociais de grupos macro familiares que vivem e se relacionam em um espaço físico determinado, no qual a terra ganha outro significado, inscrito na tradição cosmológica e na historicidade do povo Guarani. 2 Idealmente, este espaço deve incluir, necessariamente, o ka aguy (mato), elemento apreciado e de grande importância na vida desses indígenas como fonte para coleta de alimentos, matéria-prima para construção de casas, produção de utensílios, lenha para fogo, remédios etc. Igualmente indispensáveis são as áreas para plantio da roça familiar ou coletiva e a construção de suas habitações, bem como lugares para atividades religiosas. Portanto, deve ser um lugar que reúna condições físicas (geográficas e ecológicas) e estratégicas que 1 Fundação Nacional do Índio (FUNAI). Relatório Circunstanciado de Identificação e Delimitação da Terra Indígena Iguatemipegua I. SILVA, Alexandra Barbosa da (coord.).publicado em: Diário Oficial da União, 08 de janeiro de 2013, seção 1, p ISA. Instituto Socioambiental (ISA). Terras Indígenas: Guarani-Kaiowa. Disponível em: Acesso em 30 de janeiro de 2013.

2 permitam compor, a partir da relação entre famílias extensas, uma unidade político-religiosa-territorial, inscrita na tradição cosmológica e na historicidade. 3 Desde o período colonial, o povo Guarani já se encontrava em meio a uma disputa territorial já que, na disputa do território brasileiro entre portugueses e espanhóis, quem mais sofreram as consequências foram eles, tendo sido em grande número dominados e escravizados. Com a criação do Serviço de Proteção aos Índios (SPI) em 1910, que em 1967 se transforma em Fundação Nacional do Índio (FUNAI), o Estado brasileiro passa a ter um organismo específico para executar sua política frente às populações indígenas do país. Até aproximadamente 1925, período que coincidiu com a tomada de medidas para consolidar seu território, o governo brasileiro cancelou as concessões de terras para estrangeiros e procurou levar a civilização para a região, dando início a um processo de formação de reservas, com a tomada de terras das populações indígenas e colonização da região com não-índios. 4 Esse processo dá início ao saque das terras tradicionais dos Guaranikaiowá que vivem no atual Mato Grosso do Sul, causando a sua desterritorialização e restringindo-os a viverem em reservas. É importante salientar a diferença entre os tekohas, ou terras tradicionais dos Guarani-Kaiowá e as reservas indígenas para onde foram enviados durante o processo de expulsão promovidos pelo Estado durante quase a totalidade do século XX. De acordo com a documentação existente nos arquivos da FUNAI, nas décadas de 1910 e 1920 o Serviço de Proteção aos Índios (SPI) definiu 8 lotes, com superfície de ha (légua em quadra) cada, para serem reservados aos Kaiowa e aos Ñandeva, sempre no Cone Sul do estado. A demarcação dessas áreas deu-se, na prática, com extensões inferiores aos ha e correspondem às T.I.s Benjamim Constant (2.429 ha) e Limão Verde (660 ha), em Amambai; Caarapó (3.594 ha), em Caarapó; Dourados (3.475 ha), em Dourados; Takuapery (1.886 ha), em Coronel Sapucaia; Porto Lindo (1.649 ha), em Japorã; Pirajuy (2.118 ha), em Paranhos, e Sassoró (1.923 ha), em Tacuru. Verifica-se, portanto, que essas reservas abrangeram somente fragmentos de tekoha, sem levar em conta a especificidade da dinâmica territorial dos Kaiowá e dos Ñandeva Ibidem. Ibidem. Op. cit. FUNAI, 2013.

3 Os critérios e a escolha das áreas onde seriam implantados os Postos Indígenas para os Guarani no Mato Grosso do Sul, foram definidos por funcionários do SPI. Nos lotes, situados próximo a centros urbanos, vieram a ser instalados postos administrativos, com a atração de indígenas de diferentes tekoha, com vistas a integrá-los ao modo de vida classificado como civilizado, liberando assim vastas extensões territoriais para a colonização. O resultado disso é que a aldeia torna-se uma unidade administrativa, sob controle de funcionários federais. Esse projeto de colonização, assim, impôs aos indígenas um processo paulatino de expropriação (esbulho) territorial. As reservas indígenas criadas pelo governo funcionavam como verdadeiras prisões, chegando a ser chamadas de chiqueiros 6 por muitos indígenas, devido ao caráter coercitivo e involuntário das migrações forçadas impostas, comparável a uma forma de animalização. No centro dessas políticas, para ocupar as matas vazias do oeste brasileiro, o Estado criou a Fundação Brasil Central, órgão que objetivava coordenar um projeto de desenvolvimento e ocupação de terras desabitadas no Centro-Oeste. Entre as medidas tomadas nessa época encontra-se a criação da CAND Colônia Agrícola Nacional de Dourados-MS (1943), que gerou uma forte atração populacional para a região sul do Mato Grosso do Sul e exerceu forte pressão sobre os territórios indígenas tradicionais. 7 Nos governos posteriores, de 1950 a 1970, o processo de colonização se intensificou. O fluxo migratório passou a aumentar com colonos vindos de estados mais próximos como São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, para explorar a nova fronteira agrícola, sobretudo para a plantação de soja e cana-de-açúcar. A política desenvolvimentista, que perdurou muitas décadas, entendia a cultura e os costumes indígenas como um atraso para o desenvolvimento do pais. Por este motivo é que, nas reservas, os índios eram obrigados a aprender a língua do branco, a aderir a cultura dos não-índios, foram sendo aculturados e misturados a outras etnias, em um claro processo de desarticulação das famílias e das lideranças que eram divididas em diferentes reservas para evitar a sua organização. Na década de 80, essa migração forçada atingiu o seu ápice, motivada pelas novas condições que se estabeleceram com a divisão estadual e criação do Estado do Mato Grosso do Sul, até então pertencente ao Mato Grosso. A par da 6 Em português coloquial, local confinado onde se criam porcos. 7 LIMA, Salvadora Caceres Alcântara. Espaço Guarani Mato-grossense: Ocupação e Confinamento. In. XIII Encontro Internacional Humboldt: América Latina como Geografia: perspectivas de desenvolvimento nacional?. Dourados-MS

4 expansão da fronteira agrícola, ocorria a expropriação das terras indígenas. Enquanto suas terras eram tomadas, as famílias Guarani-Kaiowá eram confinadas em reservas juntamente com os Guarani Ñandeva e os Terena. Depois de haverem sido desterritorializados, passaram a ser também destituídos de seus símbolos, costumes e tradições. Esse processo de retirada dos povos originários de suas terras tradicionais e confinamento nas reservas não ocorreu sem resistência e derramamento de sangue pois, quando descobertos, os índios, ou eram expulsos imediatamente ou após a utilização de sua força de trabalho na formação da fazenda. A expulsão podia vir precedida de avisos e ameaças de uso de força; se ineficazes, visitas sinistras de homens armados com eventuais espancamentos e humilhações, atestavam a veracidade das intenções. Em caso de resistência procedia-se à expulsão: indivíduos não raro armados, constrangiam e forçavam homens, mulheres e crianças aos caminhões que os despejariam nas proximidades de algum Posto Indígena ou na beira de estradas. No Mato Grosso do Sul, não obstante a prática de constrição em espaços estabelecidos pelo Estado, inúmeros grupos macro familiares envidaram esforços para permanecerem nas áreas de florestas não raro nos fundos de fazendas que toleram sua presença. 8 Os indígenas fora das reservas, passaram a ser considerados pelo organismo indigenista oficial como desaldeados, a se deslocarem continuamente, fugindo de áreas ecologicamente descaracterizadas e da hostilidade do branco. Foi um momento de extremo sofrimento do povo Guarani Kaiowá, que passou a viver confinado. Como resultado, a população indígena diminuiu, os Guarani-Kaiowá foram reduzidos a condições de mendicância dependendo do auxílio do órgão estatal de proteção ao índio, vivendo de doações e cestas básicas, pois já não podiam mais caçar ou pescar, tendo em vista que as terras nas reservas não eram suficientes para essas atividades. Em fins da década de 1970, já com exíguas matas onde pudessem manterse isolados, não foi mais possível evitar conflitos frontais com os brancos que os queriam expulsar para as áreas de Postos Indígenas, o que levou Ñandeva e Kaiowá a se organizarem e reivindicar espaços territoriais perdidos. Os Guarani- Kaiowá perceberam que não deveriam esperar pela compreensão e bondade do Estado. Contavam apenas com as suas próprias forças e resolveram tomar o destino em suas mãos: passaram a organizar-se para reocupar suas terras Op. cit. ISA, Ibidem.

5 Passa a observar-se iniciativas coletivas de recuperação dos espaços territoriais expropriados, sob a forma de acampamentos, restando comprovado que a colonização não foi capaz de destruir o vínculo indissolúvel que essas famílias mantêm com o tekoha, o qual continua a estruturar sua visão de mundo e organização sociopolítica. Acamparam na beira das estradas e retomaram terras tradicionais que estavam servindo de fazendas. Onde antes havia mata e animais, encontraram soja, gado e cana-de-açúcar, terras contaminadas e desgastadas pelo uso de agrotóxicos. Rios que outrora serviram de fontes de água para o seu povo, agora aparecem como fontes de doenças. Mesmo assim, se dispuseram a ocupar e resistir. Tal processo traduz-se, em síntese, num processo de luta pelo simples direito ao existir. Certamente essa atitude dos Guarani-kaiowá não ocorreu sem que houvesse reação por parte dos proprietários rurais, que responderam por meio da contratação de grupos de segurança privados armados ou milícias, comumente denominado de pistoleiros pelos indígenas. Estabelece-se, portanto, um novo conflito por terras na região. De um lado, os legítimos e originários habitantes destas terras, o povo Guarani-Kaiowá, que vivia nesta região desde antes da chegada do homem branco; e, de outro os proprietários rurais, que receberam terras doadas pelos governos, grilaram ou as compraram e lhes foram agregando os lotes das pequenas propriedades de colonos que receberam essas terras do Estado. Os Guarani-Kaiowá retomaram diversas terras que reivindicam como terras ancestrais. Porém, sem a demarcação e a homologação das mesmas, acabam vivendo em partes muito menores que as reivindicadas: porções da terra que podem ocupar e conseguem nelas resistir, geralmente espaços destinados à reserva legal, pequenas matas próximas ao curso dos rios e cercados pelo mar de soja, de cana-de-açúcar e pelo gado. Dos fatos citados decorre que governo brasileiro é diretamente responsável pela atual situação de insegurança sofrida pelos Guarani-Kaiowá, uma vez que levou a cabo diversos processos de migrações forçadas em massa, bem como de venda ilegal das terras tradicionais dos Guarani-Kaiowá. Tal como a Corte IDH decidiu no Caso Comunidade Indígena Xákmok Kásek Vs Paraguai, a demora na demarcação de terras dos povos indígenas e a falta de garantia de direitos econômicos, sociais e culturais gera a responsabilidade internacional do Estado no âmbito do direito internacional dos direitos humanos.

6 2- DO CONTEXTO ATUAL CONFLITOS TERRITORIAIS E VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS Embora a CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA DE 1988 garanta aos indígenas em seu artigo 231 o direito à posse permanente das terras tradicionalmente ocupadas e usufruto exclusivo dos rescursos naturais, a morosidade dos órgãos estatais em efetivar o reconhecimento, a demarcação e a homologação das terras indígenas devido, sobretudo, aos conflitos de interesses fez com que a luta pela terra se acirrasse no Mato Grosso do Sul e, como consequência, diversas mortes de lideranças indígenas passaram a ser registradas. Cumpre assinalar que, na última década, cerca de 20 lideranças do povo Guarani-Kaiowá foram mortas. Dezenas de outras lideranças sofrem ameaças de mortes constantes. Conforme informações da Aty Guasu ( Grande Assembleia dos Povos Kaiowá e Ñandeva), todas as lideranças Guarani-Kaiowá estão ameaçadas no presente momento. As comunidades Guarani-Kaiowá também sofrem ameaças constantes. Somente nos últimos meses (janeiro, fevereiro e março de 2013), ao menos quatro aldeias Guarani-Kaiowá no Mato Grosso do Sul sofreram atentados. Segundo os indígenas das comunidades Guaiviry, Takuara e Laranjeira Nhanderu, fazendeiros, pistoleiros (seguranças armados privados) ou arrendatários de propriedades que incidem sobre os territórios reivindicados pelos indígenas são os responsáveis pelos ataques, que tem como pano de fundo o contexto da luta pela terra. 10 Como se não bastassem os assassinatos, há ocorrência também de atropelamentos na beira da estrada, alguns acidentais e outros propositais, bem como a morte por envenenamento por agrotóxicos, visto que as águas que abastecem as aldeias recebem, regularmente, uma grande carga de agrotóxicos utilizados na plantação de soja e, muitas vezes, jogado propositalmente no rio e nas ocas onde vivem os Guarani Kaiowa, o que retrata uma forma de extermínio que não consta em estatísticas. O caso mais recente foi o envenenamento propostial das águas do córrego Ypo i Paranhos, na aldeia Ypoí, ocorrido em 14 de novembro de Essa aldeia 10 SPOSATI, Ruy. CIMI, Regional MS. 2013: Três comunidades Kaiowá sob ameaça. Disponível em: Acesso em 01 de fevereiro de 2013.

7 já havia, anteriormente, sido submetida a mais de 100 (cem) dias de isolamento verdadeiro cárcere privado pelos fazendeiros de seu entorno. Além disso, no passado, houve o assassinato de dois professores indígenas por grupos privados armados e também, em 2010, foi assassinado o indígena Teodoro Recalde a golpes de facão por seguranças privados a serviço de proprietários rurais. O envenenamento da única fonte de água potável que abastecia a comunidade marca a mais recente tentativa de extermínio dessa população: "[...]Nós seguimos a trilha do riacho até a fazenda, onde vimos dois tambores grandes. Não sabemos o que era. A gente foi pra tirar foto, mas fomos recebidos a bala. Começaram a atirar pra cima e saímos correndo". Para a comunidade, esta foi uma ação deliberada dos proprietários das fazendas que incidem sobre a área indígena Kaiowá. "Agora não é época de passar veneno. Veneno se usa na época de colheita. E do outro lado é gado, e com gado não se usa veneno. Isso não foi um acidente", afirmam os indígenas. Os Kaiowá de YPo'i - "rio estreito", em guarani. [ ] A contaminação do rio seria uma continuação de um recado dado pelos fazendeiros aos indígenas. Na semana passada, o fazendeiro comunicou a comunidade que nós não poderíamos mais cruzar [a saída da aldeia] pela plantação de soja pra sair pra Paranhos. [...] 11 Apesar da recente mobilização da opinião pública no Brasil e de algumas medidas adotadas pelo goveno brasileiro, como o envio da Força Nacional à região, os indígenas ainda estão inseguros sobre seu futuro e lideranças seguem sendo perseguidas e ameaçadas. A Advogados Sem Fronteiras Brasil recebeu diversos relatos de lideranças nos quais relatam ameaças de morte recentes, como o depoimento do Cacique Genito Gomes (ver vídeo gravado em anexo), no qual informa receber constantemente ameaças por telefonemas. Essa também é a constatação da última reunião do Conselho da Aty Guasu Grande Assembleia do Povos Guarani do Mato Grosso do Sul ocorrida recentemente entre os dias 24 e 26 de janeiro de 2013: Mais uma vez, nessa reunião apresentamos as situações de nossas vidas e as demandas das comunidades Guarani e Kaiowá de tekoha em conflito. Por meio deste documento vimos resumir que todas as comunidades Guarani e Kaiowá das Tekoha Guasu em conflito e da margem da estrada, em janeiro de 2013, continuam sendo vítima de genocídio, pois, estão isolados e ameaçados de morte, se encontram em 11

8 situações de misérias, passando fome e tentando sobreviver, não conseguem mais viver de forma digna como humano. Assim, evidenciamos que em todos os acampamentos indígenas não há assistências à saúde, educação escolar adequada entre outros. Por exemplo, em primeiro lugar, constatamos que os duzentos (200) Guarani e Kaiowá (crianças, adultos, idosos) de Pyelito kue/mbarakay estão sobrevivendo de forma desumana em espaço de (01) um hectare de terra, cercado de brejo e rio onde eles estão isolados há mais de um ano onde não podem plantar nada. 12 O conflito do Povo Guarani-Kaiowá com fazendeiros do Estado Federativo do Mato Grosso do Sul somado ao abandono e descaso por parte do Estado Brasileiro evidenciam grave violação dos Direitos e Garantias Fundamentais consagrados na Constituição Federal de 1988 e em diversos Tratados e Acordos Internacionais, em especial aqueles que versam sobre Direitos Humanos e a Proteção de Minorias Étnicas, os quais destacamos a Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas (2007) e a Convenção n. 169 da OIT sobre Povos Indígenas e Tribais (1989), ratificada pelo Brasil em 2002 e promulgada pelo Decreto n de 19 de abril de A violação objeto dessa solicitação de medida cautelar à CIDH pode ser apresentada em dois grandes cenários concêntricos: 1) abandono e ausência do Estado somada à prática criminosa por parte de fazendeiros da região; 2) e ao cerceamento do acesso à justiça, ao contraditório e à ampla defesa por parte do Estado acrescida à violência das polícias. Em segundo lugar, cumpre evidenciar que em outros tantos casos é o Estado Brasileiro o autor das violações diretas aos direitos e garantias fundamentais quando, não bastasse o abandono, cerceia o acesso à justiça, ao contraditório e à ampla defesa. Corroboram com os relatos e denúncias a elaboração de Relatórios e Estudos que demonstram que por força do abandono do Estado, da violência perpetrada contra os Guarani Kaiowá e da situação de pobreza e miséria é evidente a submissão intencional a condições de existência capaz de ocasionarlhes a destruição física ou total, caracterizando um etnocídio. 12 Documento final da Aty Guasu das Lideranças de Tekoha Guasu em Litígio/Conflito do Cone Sul de Mato Grosso do Sul. Tekoha Guasu Guarani e Kaiowá Pyelito Kue/ Mbarakay, Iguatemi-MS, 26 de janeiro de Disponível em: _ameacas_de_morte_a_guaranikaiowas_no_mato_grosso_do_sul. Acesso em 01 de fevereiro de 2013.

9 Nesse sentido, a ASF-Brasil se posiciona a favor de que sejam assegurados os direitos e garantias fundamentais dos povos Guarani e Kaiowá e, na qualidade de amicus curiae, pretende demonstrar que há iminente ameaça à vida das lideranças indígenas, além das graves violações à integridade do povo, em decorrência da insegurança jurídica e morosidade nos processos demarcatórios de seus territórios tradicionais. 3- DO ENTENDIMENTO JURISPRUDENCIAL DA CORTE IDH E DA CIDH SOBRE OS DIREITOS TERRITORIAIS, DIREITO À VIDA E À INTEGRIDADE DOS POVOS INDÍGENAS A luta pelo tekoha é, para os Guarani-kaiowá, o que determina, objetiva e subjetivamente, sua existência enquanto povo, traduzindo em uma luta pelo direito a existir à sua maneira. Entende-se, portanto, que o direito à terra ancestral está intrinsecamente ligado ao direito à vida e à dignidade. No que concerne à jurisprudência da Corte IDH, o Caso de la Comunidad Mayagna (Sumo) AwasTingni vs. Nicaragua (Sentença de 1º de fevereiro de 2000) se revela como um precedente histórico em âmbito internacional na luta dos povos indígenas pelos seus direitos coletivos (territoriais). No caso citado, a CIDH solicitou que a Corte IDH declarasse que o Estado deve estabelecer um procedimento jurídico que permita a pronta demarcação e o reconhecimento oficial dos direitos de propriedade da Comunidade Mayagna, assim como absterse de outorgar qualquer concessão para o aproveitamento de recursos naturais nas terras usadas e ocupadas por Awas Tingni. Cumpre ressaltar a posição da CIDH, no precedente jurisprudencial da Corte IDH, Caso YakyeAxa Vs. Paraguai. Sentença de 06 de fevereiro de 2006, caso em que se reconhece a violação do direito a vida (art. 4.1 CADH), dos direitos às garantias judiciais e à proteção judicial, o direito à propriedade (art.21) e 1.1 e 2 da CADH. Em 2003, a Comissão alegou que o Estado não garantiu o direito de propriedade ancestral da Comunidade Yakye Axa e seus membros, já que desde 1993 se encontrava em tramitação à solicitação de reivindicação territorial da citada Comunidade, sem que houvesse uma solução satisfatória. A ausência de propriedade e posse de seu território, implicou em estado de vulnerabilidade alimentícia, médica e sanitária que ameaça de forma contínua a sobrevivência dos membros da Comunidade e integridade da mesma. (CIDH, 2003).

10 Destacamos ainda os trechos abaixo do voto dissidente dos Juízes Alirio Abreu Burelli, Antônio A. Cançado Trindade e Manuel E. Ventura Robles: Ao nosso juízo, a Corte deveria ter tratado mais a fundo sobre o direito fundamental a vida, como o fez em relação ao direito a propriedade (de terras ancestrais). Ao fim, o direito à vida é um direito inderrogável - estabelece a Convenção, enquanto o direito a propriedade não o é. No presente caso, este último adquire especial relevância precisamente por estar relacionado diretamente com o pleno gozo do direito à vida abarcando às condições de uma vida digna. [...] A identidade cultural tem raízes históricas, e, nas circunstâncias do presente caso da Comunidade Indígena Yakye Axa, encontra-se vinculada a terra ancestral. A identidade cultural é um componente ou agregado do próprio direito à vida lato sensu, assim, afetando a identidade cultural, se afeta inevitavelmente o próprio direito à vida dos membros da referida comunidade indígena. (Corte IDH, Caso YakyeAxa Vs. Paraguai. Sentença de 06 de fevereiro de 2006) No caso da Comunidad Moiwana Vs. Suriname. CIDH, Sentença de 15 de junho de 2005, destacamos o voto fundamentado do Juiz A. A. Cançado Trindade. Nesse sentido, podemos trazer as lições apreendidas para o caso em questão. Diante de ameaça iminente de danos materiais e imateriais, morais e espirituais e violações do direito à vida dos povos Guarani Kaiowá e Guarani Ñandeva e de suas lideranças, além do direito a um projeto de vida, esses povos também possuem o direito a um projeto de pós-vida, o que revela uma nova categoria de dano, compreendendo o princípio da humanidade em uma dimensão temporal, incluindo os vivos em relação aos seus antepassados e os ainda não nascidos, as futuras gerações. Logo, deve-se garantir o direito de permanência dos Guarani-Kaiowá em seus Tekoha, garantindo a proteção das lideranças ameaçadas, para que possam seguir com seu direito de resistência, ao reivindicar o direito à terra tradicional e aos recursos naturais necessários para sua subsistência. O trâmite dos processos demarcatórios e homologatórios das terras indígenas dos Guarani-Kaiowá deverão seguir em caráter de urgência, garantindo a segurança, a vida e a integridade física dos indígenas.

11 Nesse sentido, a Convenção n. 169 da Organização Internacional do Trabalho - OIT sobre Povos Indígenas e Tribais 13 dispõe que deverão ser reconhecidos os direitos de propriedade e posse dos povos sobre as terras que tradicionalmente ocupam (artigo 14). Conforme a Convenção n. 169 (artigo 13), os governos deverão respeitar a importância especial que para as culturas e valores espirituais dos povos interessados possui a sua relação com as terras ou territórios, ou com ambos, segundo os casos, que eles ocupam ou utilizam de alguma maneira e, particularmente, os aspectos coletivos dessa relação. E que a utilização do termo "terras" na Convenção deverá incluir o conceito de territórios, o que abrange a totalidade do habitat das regiões que os povos interessados ocupam ou utilizam de alguma outra forma. Bem como devem ser especialmente protegidos os direitos dos povos interessados aos recursos naturais existentes nas suas terras. Esses direitos e conservação dos recursos (artigo 15 1). A Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, em seu art. 26, dispõe que os povos indígenas têm direito às terras, territórios e recursos que possuem e ocupam tradicionalmente. E ainda: Os povos indígenas têm o direito de possuir, utilizar, desenvolver e controlar as terras, territórios e recursos que possuem em razão da propriedade tradicional ou de outra forma tradicional de ocupação ou de utilização, assim como aqueles que de outra forma tenham adquirido. Os Estados assegurarão reconhecimento e proteção jurídicos a essas terras, territórios e recursos. Tal reconhecimento respeitará adequadamente os costumes, as tradições e os regimes de posse da terra dos povos indígenas a que se refiram. Deve ser observado, sobretudo, o artigo 32.1 da Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas, pois esses povos têm o direito de determinar e de elaborar as prioridades e estratégias para o desenvolvimento ou a utilização de suas terras ou territórios e outros recursos. Do mesmo modo prevê a Convenção 169 da OIT (artigo 7º): Os povos interessados deverão ter o direito de escolher suas, próprias prioridades no que diz respeito ao processo de 13 Ratificada pelo Brasil em 2002, promulgada pelo Decreto n de 19 de abril de 2004.

12 desenvolvimento, na medida em que ele afete as suas vidas, crenças, instituições e bem-estar espiritual, bem como as terras que ocupam ou utilizam de alguma forma, e de controlar, na medida do possível, o seu próprio desenvolvimento econômico, social e cultural. Além disso, esses povos deverão participar da formulação, aplicação e avaliação dos planos e programas de desenvolvimento nacional e regional suscetíveis de afetá-los diretamente. O art. 3º da Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas trata do direito à livre determinação dos povos indígenas, determinando livremente sua condição e buscando livremente seu desenvolvimento econômico e cultural. No art. 4º é declarado o direito à autonomia ou ao autogoverno nas questões relacionadas a seus assuntos internos e locais. Nesse sentido, não é demais lembrar que os direitos culturais e étnicos, porque indissociáveis do princípio da dignidade da pessoa humana, têm o status de direito fundamental. 14 Os direitos dos grupos étnicos e grupos culturais são protegidos com o status de direitos humanos, protegendo os direitos coletivos se protegem os direitos dos indivíduos, membros dos grupos e comunidades. Em suma, reconhecer as territorialidades culturais é também reconhecer os direitos fundamentais dos povos tradicionais, extraindo-os da invisibilidade política e jurídica. Em consonância com o artigo 40 da Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, os povos indígenas têm direito a procedimentos justos e equitativos para a solução de controvérsias com os Estados ou outras partes e a uma decisão rápida sobre essas controvérsias, assim como a recursos eficazes contra toda violação de seus direitos individuais e coletivos, sendo considerados os costumes, as tradições, as normas e os sistemas jurídicos dos povos indígenas interessados e as normas internacionais de direitos humanos. 4- ATUAÇÃO DA ASF BRASIL A preocupação da ASF-Brasil com a questão das Comunidades Indígenas Guarani-Kaiowá (Passo Pirajú, Kurussu, Ambá, Y poí) e Terena (Cachoeirinha) e 14 DUPRAT, Deborah. O Direito sob o marco da plurietnicidade/multiculturalidade. In: Duprat, Deborah (org.). Pareceres Jurídicos: Direito dos Povos e Comunidades Tradicionais. Manaus: UEA, 2007.

13 suas lideranças manifesta-se tanto no plano interno quanto internacional. Nesse sentido, a ASF-Brasil passou a contar internamente com um grupo de trabalho voltado exclusivamente à análise dos procedimentos policiais, judiciais e políticos relativos às Comunidades Indígenas Guarani-Kaiowá (Passo Pirajú, Kurussu, Ambá, Y poí) e Terena (Cachoeirinha) e suas lideranças, bem como dos depoimentos de pessoas das comunidades a cuja proteção se destinam as medidas solicitadas, além do estudo de reportagens jornalísticas e de seu cotejo com as informações a que a ASF-Brasil teve acesso. Em confirmação ao interesse da ASF-Brasil em atuar na causa, entre os dias 26 e 29 de novembro de 2012, representantes da ASF-Brasil estiveram nas Comunidades Indígenas Guarani-Kaiowá, acompanhando representantes do Ministério Público Federal (MPF) 15. Foram realizadas visitas às Comunidades Indígenas de Arroio Korá e Y poí, no Município de Paranhos, e à Comunidade Pyelito Kue, em Iguatemi. O objetivo da visita foi o de verificar in loco a situação das Comunidades Indígenas em conflitos com proprietários de terra, de forma a ter conhecimento real dos fatos até então divulgados, em especial no que tange às ameaças e maus tratos a que se encontram submetidas as Comunidades Indígenas Guarani-Kaiowá (Passo Pirajú, Kurussu, Ambá, Y poí) e Terena (Cachoeirinha) e suas lideranças. Com base neste objetivo foram também realizados contatos com os principais atores envolvidos no conflito, tendo a ASF-Brasil acesso à petição que fundamenta o presente caso. Da visita realizada, os representantes da ASF-Brasil concluíram pela ocorrência de graves violações aos Direitos Humanos das Comunidades supramencionadas. A partir desse contato e constatadas tais violações, diversas lideranças locais outorgaram a representantes da ASF-Brasil procurações com a finalidade precípua de proteger seus interesses perante mecanismos nacionais e internacionais de proteção aos Direitos Humanos, acostadas em anexo 16. Ainda que tais procurações destinem-se, especialmente, à atuação da ASF- Brasil perante órgãos administrativos e judiciais nacionais, sua existência demonstra que ASF-Brasil encontra-se em permanente contato com tais lideranças, demonstrando, portanto, seu conhecimento amplo e específico acerca Doc nº 02, Relatório Oficial de Visita da ASF-Brasil. Doc. n 03, Procurações Recebidas pela ASF-Brasil.

14 das condições locais e justificando seu específico interesse em fornecer elementos adicionais sobre o caso para uma melhor tomada de decisão. Aproveitando o momento em que várias lideranças políticas e espirituais Guarani e Kaiowá estariam presentes no Seminário A Cosmociência dos Guarani, Mbya e Kaiowá e o reconhecimento acadêmico de seus intelectuais, promovido pelo Museu do Índio e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), na cidade de Belo Horizonte-MG, a ASF-Brasil convocou uma audiência pública, realizada em 14 de dezembro de 2012, na Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), a fim de dar maior visibilidade política aos depoimentos e reivindicações dos representantes do povo Guarani e Kaiowá, ameaçados no Mato Grosso do Sul, em virtude dos conflitos territorais. 17 Logo, não restam quaisquer dúvidas acerca da possibilidade e, mais ainda, da pertinência de manifestar-se, de modo que a ASF-Brasil redige Amicus curiae, no sentido de reforçar a necessidade e urgência de medidas cautelares à CIDH. 17 Doc. n 04 Ata e transcrições taquigráficas da Audiência Pública na Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), realizada em 14 de novembro de 2012.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Meu nome é Elizeu Lopes, Ava Kuarahy, sou Guarani-Kaiowá, representante da

Meu nome é Elizeu Lopes, Ava Kuarahy, sou Guarani-Kaiowá, representante da Sra. Presidente do Fórum Permanente 2015 Sra. Relatora Especial para nós povos indígenas. Mba'éichapa!!! Meu nome é Elizeu Lopes, Ava Kuarahy, sou Guarani-Kaiowá, representante da Grande Assembleia Aty

Leia mais

Ref.: Ataque à comunidade Guarani e Kaiowá Ñande Ru Marangatú e assassinato do jovem Semião Vilhalva.

Ref.: Ataque à comunidade Guarani e Kaiowá Ñande Ru Marangatú e assassinato do jovem Semião Vilhalva. Goiânia e Heidelberg, 02 de setembro de 2015 Senhora Dilma Rousseff Presidenta da República Federativa do Brasil Palácio do Planalto, Praça dos Três Poderes, Brasília DF Ref.: Ataque à comunidade Guarani

Leia mais

Campo Grande, 08 de outubro de 2015

Campo Grande, 08 de outubro de 2015 Campo Grande, 08 de outubro de 2015 Deus enxugará toda a lágrima de seus olhos, pois nunca mais haverá morte, nem luto, nem clamor, e nem dor haverá mais. Sim! As coisas antigas se foram! (Ap. 21.4) Nhanderu

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Política de alimentação escolar para populações indígenas

Política de alimentação escolar para populações indígenas Política de alimentação escolar para populações indígenas IV Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar 25 a 28 de novembro de 2008 Profª Dulce Ribas Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente,

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente, ** Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 05/06/2013. MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, No dia

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

IHRLG na América Latina

IHRLG na América Latina IHRLG na América Latina Defesa dentro do Sistema Interamericano de Direitos Humanos O IHRLG, nos seus 24 anos de história, há estado envolvido em numerosos casos, tanto na defesa, como pleiteando perante

Leia mais

AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS: A COMUNIDADE INDÍGENA TEKOHA YHOVY LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA- PR

AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS: A COMUNIDADE INDÍGENA TEKOHA YHOVY LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA- PR AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS: A COMUNIDADE INDÍGENA TEKOHA YHOVY LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA- PR Gisele Kava 1 Natália Raquel Niedermayer 2 RESUMO: O trabalho

Leia mais

Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas

Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas A Assembléia Geral, Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas Tomando nota da recomendação que figura na resolução 1/2 do Conselho dos Direitos Humanos, de 29 de junho de 2006,

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Os Kaiowá e Guarani no Mato Grosso do Sul: os conflitos de terra e as marcas do SPI

Os Kaiowá e Guarani no Mato Grosso do Sul: os conflitos de terra e as marcas do SPI Os Kaiowá e Guarani no Mato Grosso do Sul: os conflitos de terra e as marcas do SPI Eranir Martins de Siqueira 1 Orientador: Antônio Jacó Brand. 2 Introdução. O presente trabalho centra-se na análise de

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS INDÍGENAS NO BRASIL Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG Conhecendo os povos indígenas Para conhecer melhor os povos indígenas, é importante estudar sua língua.

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos GEOGRAFIA Gabarito Final - Questão 1 A) Dentre os fatores que justificam a expansão da cana-de-açúcar no Brasil, destacam-se: Aumento da importância do álcool ou etanol na matriz energética brasileira;

Leia mais

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS 6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS Somos os guardiões das origens, somos os conhecedores das tradições

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios;

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; CTA na indústria e instituições de pesquisa; Propriedade industrial e

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas DECLARAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE OS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS Perguntas e Respostas I - Introdução O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, comemora a adoção da Declaração dos Direitos dos

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

QUESTIONÁRIO Formas de discriminação que limitam o exercício pleno dos direitos econômicos, sociais e culturais das mulheres

QUESTIONÁRIO Formas de discriminação que limitam o exercício pleno dos direitos econômicos, sociais e culturais das mulheres QUESTIONÁRIO Formas de discriminação que limitam o exercício pleno dos direitos econômicos, sociais e culturais das mulheres Este questionário foi preparado como parte do plano de trabalho da Relatoria

Leia mais

INDÍGENAS RESERVA DO VOTOURO E CHARRUA

INDÍGENAS RESERVA DO VOTOURO E CHARRUA INDÍGENAS RESERVA DO VOTOURO E CHARRUA Reserva com 210 famílias Escola com 280 alunos Todos os professores são formados ou estão se formando no ensino superior Há alunos do Município de Faxinal que estudam

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 39 DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Introdução A dinâmica das relações de caráter econômico ou não no contexto mundial determinou a criação de

Leia mais

O caso trata da situação de trabalho forçado e servidão por dívidas na Fazenda Brasil Verde, situada no norte do Estado do Pará.

O caso trata da situação de trabalho forçado e servidão por dívidas na Fazenda Brasil Verde, situada no norte do Estado do Pará. 4 de março de 2015 Ref.: Caso Nº 12.066 Trabalhadores da Fazenda Brasil Verde Brasil Senhor Secretário: Em nome da Comissão Interamericana de Direitos Humanos tenho honra de dirigir-me a Vossa Excelência

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ GASODÁ SURUI TURISMOLOGO E COORDENADOR DE CULTURA PAITER NA ASSOCIAÇÃO METAREILA DO POVO INDIGENA SURUI.

Leia mais

MANIFESTO PÚBLICO CONTRA A PEC 215/2000

MANIFESTO PÚBLICO CONTRA A PEC 215/2000 MANIFESTO PÚBLICO CONTRA A PEC 215/2000 Brasília (DF), junho de 2015. No dia 19 de maio de 2015, na Câmara dos Deputados, organizações e movimentos sociais, indígenas, indigenistas e ambientalistas, junto

Leia mais

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau XII CONGRESSO BRASILEIRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE MEIO AMBIENTE PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau FUNDAMENTOS

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos

Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Tema: Planos de manejo para as epécies ameaçadas no Rio Grande do Sul e no Brasil. Dinâmica: Questões dirigidas aos grupos Bibliografia: Ministério do Meio Ambiente. Espécies ameaçadas de extinção: recomendações

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Saúde Indígena no Brasil

Saúde Indígena no Brasil PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Saúde Indígena no Brasil Mário R. Castellani Abordarei um pouco do que estamos

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO

PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO UNHCR ACNUR QUEM SOMOS ACNUR O ACNUR foi criado para proteger e assistir às vítimas de perseguição, da violência e da intolerância. Desde então, já ajudou mais de 50

Leia mais

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, RECOMENDAÇÃO 190 SOBRE PROIBIÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL E AÇÃO IMEDIATA PARA SUA ELIMINAÇÃO Aprovadas em 17/06/1999. No Brasil, promulgada pelo Decreto 3597de 12/09/2000. A Conferência

Leia mais

Rastreabilidade da Matriz de Indicadores Comitê Gestor Indígena do PBA-CI

Rastreabilidade da Matriz de Indicadores Comitê Gestor Indígena do PBA-CI Rastreabilidade da Matriz de Indicadores Comitê Gestor Indígena do -CI Rastreabilidade da Matriz de Indicadores - COMITÊ GESTOR INDÍGENA DO -CI - IMPACTOS IMPACTOS E FONTE EXPECTATIVAS Participação indígena

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Os Estados Partes do presente Protocolo, Observando que na Carta das Nações Unidas se reafirma a

Leia mais

LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS

LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS LINHA DIRETA ASSISTÊNCIA AOS JORNALISTAS EM MISSÕES PERIGOSAS Em conformidade com o Direito Internacional Humanitário, os jornalistas que estiverem em missão em áreas de conflitos armados devem ser respeitados

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Série Movimentos Sociais Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Entre os dias 22 e 25 de abril, houve a IV Festa Nacional do Índio, na Praia da Enseada, em Bertioga. Trata-se

Leia mais

Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas!

Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas! Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas! Os povos indígenas Kaingang, Guarani, Xokleng, comunidades Quilombolas do Rio Grande

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta 13/12/2015 - Copyleft Ameaçado o primeiro Assentamento Agroecológico do Rio de Janeiro O mais grave é que o laudo do MPF nega a possibilidade de permanência das famílias e ignora a potencialidade ambiental

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina ÍNDICE Encontro de Mulheres Guarani do Litoral Norte do Estado de São Paulo Organização: Selma A. Gomes Projeto gráfico: Irmãs de Criação Fotos: Carlos Penteado Publicado com o apoio da CAFOD Novembro

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui.

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui. Em 22 de maio de 2014 eu, Rebeca Campos Ferreira, Perita em Antropologia do Ministério Público Federal, estive na Penitenciária de Médio Porte Pandinha, em Porto Velho RO, com os indígenas Gilson Tenharim,

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA Adoptada pela Resolução No. 44/25 da Assembleia Geral das Nações Unidas em 20 de Novembro de 1989 PREÂMBULO Os Estados Partes da presente Convenção, Considerando

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

Estratégias e programas para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada

Estratégias e programas para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada I Seminário Estadual da Rede-SANS Desafios e estratégias para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária no Estado de São Paulo Estratégias e programas para a garantia do Direito Humano à

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que:

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO INTERNACIONAL 1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: A) O Direito Internacional Público tem como um de seus pilares

Leia mais

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA PR RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA À ALDEIA TEKOHA GUARANI

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA PR RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA À ALDEIA TEKOHA GUARANI PRM-GUA-PR-00002864/2013 RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA À ALDEIA TEKOHA GUARANI Aos sete dias do mês de Junho de dois mil e treze foi realizada visita técnica à Aldeia Indígena Tekoha Guarani, localizada

Leia mais

Aula 3 de 4 Versão Aluno

Aula 3 de 4 Versão Aluno Aula 3 de 4 Versão Aluno As Comunidades Indígenas Agora vamos conhecer um pouco das características naturais que atraíram essas diferentes ocupações humanas ao longo dos séculos para a Região da Bacia

Leia mais

Seminário: Políticas de sustentabilidade nas terras indígenas

Seminário: Políticas de sustentabilidade nas terras indígenas Seminário: Políticas de sustentabilidade nas terras indígenas de Mato Grosso do Sul Os tópicos que seguem expressam algumas conclusões a que chegaram os participantes do SenÜnário, notadamente os representantes

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

FSC Forest Stewardship Council

FSC Forest Stewardship Council FSC Forest Stewardship Council Título: Código de referência do documento: FSC-POL-01-004 V2-0 EN Política de Associação de Empreendimentos com o FSC Escopo: Internacional Aprovação: Parte I: julho de 2009

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

DECLARAÇAO DE NYÉLÉNY FÓRUM MUNDIAL PELA SOBERANIA ALIMENTAR

DECLARAÇAO DE NYÉLÉNY FÓRUM MUNDIAL PELA SOBERANIA ALIMENTAR DECLARAÇAO DE NYÉLÉNY FÓRUM MUNDIAL PELA SOBERANIA ALIMENTAR Nyéléni, Selingue, Malí Quarta-feira 28 de fevereiro de 2007 Nós, mais de 500 representantes de mais de 80 paises, de organizações camponesas,

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, Presidência da RepúblicaCasa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.051, DE 19 DE ABRIL DE 2004. Promulga a Convenção n o 169 da Organização Internacional do Trabalho - OIT sobre Povos Indígenas

Leia mais

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional?

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional? Dúvidas e pontos polêmicos levantados na discussão sobre o Anteprojeto de Lei de Acesso ao Material Genético e seus Produtos, de Proteção aos Conhecimentos Tradicionais Associados e de Repartição de Benefícios

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Para saber mais! Nações sem Território IDH. 8ºANO Expedição 1 Professora Bruna Andrade

Para saber mais! Nações sem Território IDH. 8ºANO Expedição 1 Professora Bruna Andrade Para saber mais! Nações sem Território IDH 8ºANO Expedição 1 Professora Bruna Andrade 1. Nações sem Território ma NAÇÃO é formada por um grupo de indivíduos que apresenta características históricas, culturais,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

EIXO TEMÁTICO I: HISTÓRIAS DE VIDA, DIVERSIDADE POPULACIONAL E MIGRAÇÕES.

EIXO TEMÁTICO I: HISTÓRIAS DE VIDA, DIVERSIDADE POPULACIONAL E MIGRAÇÕES. EIXO TEMÁTICO I: HISTÓRIAS DE VIDA, DIVERSIDADE POPULACIONAL E MIGRAÇÕES. Tema 1: Histórias de vida, diversidade populacional (étnica, cultural, regional e social) e migrações locais, regionais e intercontinentais

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA Convenção 135 SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho

Leia mais

Segurança Alimentar e Nutricional

Segurança Alimentar e Nutricional Segurança Alimentar e Nutricional Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição/ DAB/ SAS Ministério da Saúde Afinal, o que é Segurança Alimentar e Nutricional? Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

F-15 CIDADANIA & DIVERSIDADE

F-15 CIDADANIA & DIVERSIDADE F-15 CIDADANIA & DIVERSIDADE Promovendo a Inclusão do Conceito de Gênero na Pesca Artesanal no Brasil A PERSPECTIVA INTERNACIONAL DE DIREITOS HUMANOS Inclusão de direitos humanos e responsabilidades sociais

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Federativa do Brasil Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial A SEPPIR CRIAÇÃO A Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org FSM 2009: ENCONTRO SEM FRONTEIRAS AMAPÁ/SURINAME/GUIANAS TEMA: MIGRAÇÕES HUMANAS & DIREITOS HUMANOS

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede)

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede) ESTATUTOS Artigo 1º (Nome e Sede) O nome da associação é A Rocha Associação Cristã de Estudos e Defesa do Ambiente e a sua sede é na Cruzinha, Mexilhoeira Grande, em Portimão. Artigo 2º (Natureza e Fins)

Leia mais

Documento Final do Seminário

Documento Final do Seminário Documento Final do Seminário Gestão de Acervos Culturais em Centros de Formação, de Documentação, de Cultura e Museus Indígenas no Brasil Entre os dias 17 e 20 de setembro de 2013, um grupo de 30 pessoas,

Leia mais

Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL

Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, convocada em S. Francisco pelo conselho de administração

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais