Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais"

Transcrição

1 Campus São Cristóvão II Coordenador Pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 6º ano. TURMA: NOME: nº ARTE INDÍGENA Enquanto a América ainda não tinha sido ocupada pelos europeus, aqui no Brasil já existia a arte indígena: adornos feitos de plumas multicoloridas, pintura corporal e cerâmica decorada com motivos geométricos. Em 1500 quando os colonizadores portugueses chegaram aqui, encontraram as novas terras habitadas por indígenas. Eles estavam organizados em tribos, onde seu modo de vida apresentava muitas características comuns, inclusive a arte. Quando os colonizadores portugueses chegaram ao Brasil, havia aproximadamente, 3 milhões de índios. Hoje em dia, eles não chegam a 200 mil. Ao longo desse tempo, nossa cultura sofreu muita influência dos indígenas. Alguns dos hábitos por nós adquiridos são o de dormir em redes (muito comum no Nordeste), de tomar banhos diários (novidade para os portugueses), além da prática do cultivo do milho, da mandioca, do mate, feijão etc. Na sociedade indígena não há escolas. Não há, assim, distinção entre fazer arte, ciência ou religião. Entre nós, isso é diferente, já que cada uma dessas atividades acontece em determinado momento e lugar. Entre os indígenas, tudo é vivenciado em conjunto e naturalmente. Os mais velhos ensinam os mais jovens nas experiências comuns do dia-a-dia e nos rituais onde o saber e as tradições são passadas oralmente. Dessa forma, os rituais envolvem, muitas vezes, explicações sobre a origem da tribo e até sobre a origem do mundo, através de encenações, onde entram a dança, a música, vestimentas, ornamentos, pinturas corporais e comidas típicas. Quando falamos em arte indígena, consideramos, como tal, objetos utilitários, a pintura corporal, a cestaria, as máscaras, a cerâmica, a arte plumária e arquitetura. É importante lembrar que os índios não fazem esses objetos com uma finalidade puramente artística (como, geralmente nós fazemos com a arte em nossa sociedade). Esses utensílios fazem parte de seu dia-a-dia e estão presentes a todo o momento. A primeira questão que se coloca em relação à arte indígena é defini-la ou caracterizá-la entre as muitas atividades realizadas pelos índios. Para eles, o objeto precisa ser mais perfeito na sua execução do que sua utilidade exigiria. Nessa perfeição para além da finalidade é que se encontra a noção indígena de beleza. Profª Dra. Ana Céli Pimentel

2 A tendência indígena de fazer objetos bonitos para usar na vida tribal pode ser apreciada principalmente na cerâmica, no trançado e na tecelagem. Outro aspecto importante a ressaltar: a arte indígena é mais representativa das tradições da comunidade em que está inserida é por isso que os estilos da pintura corporal, do trançado e da cerâmica variam significativamente de uma tribo para outra. A situação dos índios brasileiros, hoje em dia, é muito ruim. Com o desmatamento, os animais sumiram e eles já não caçam, mas ainda coletam cipós e madeira nas matas que restaram com os quais produzem o seu artesanato samburás, peneiras, gamelas, cestos que são comercializados nas cidades e vilas vizinhas. Porém, muitos índios não conseguem sobreviver apenas com os recursos naturais e as atividades desenvolvidas nas terras indígenas, passando a vender sua mão-de-obra desqualificada e desvalorizada no mercado regional. Diante da atual degradação ambiental das terras indígenas e da política do governo, o futuro dos indígenas é incerto. As artes indígenas mais notáveis: Profª Dra. Ana Céli Pimentel

3 1 Pintura Corporal: Essa atividade varia de tribo para tribo com inúmeras diferenças entre elas. Os homens sempre se enfeitam mais que as mulheres e alguns deles fazem tatuagens, como os Carajás. Serve para expressar a vaidade pessoal do índio, distinguir ou destacar sua posição dentro da tribo, usada em festas ou rituais religiosas, para guerras ou receber visitantes.. As cores mais usadas pelos índios para pintar seus corpos são: o vermelho muito vivo do urucum, o negro azulado da tintura do suco de jenipapo, o branco da argila tabatinga e o preto da fuligem de certas madeiras queimadas. A escolha dessas cores é importante, porque o gosto pela pintura corporal está associado ao esforço de transmitir ao corpo a alegria contida nas cores vivas e intensas. As cores são extraídas das sementes, frutos, barro, terra ferruginosa, etc e são fixados com seivas de certas plantas como o babaçu. As tintas são aplicadas com os dedos, pequenas varetas, penas finas, com a mão toda e com carimbos de madeira usando como tema desenhos geométricos e abstratos. Envolvido pela natureza, o indígena se inspira em formas como o cipó entrelaçado na mata, a carapaça do jabuti, o favo de mel da abelha etc, fazendo abstrações geométricas que cobrem o corpo. Profª Dra. Ana Céli Pimentel

4 São os Kadiwéu que apresentam uma pintura corporal mais elaborada. Os desenhos são geométricos, complexos e revelam um equilíbrio e uma beleza que impressionam o observador. Os primeiros registros dessa pintura datam de 1560, pois ela impressionou o colonizador e os viajantes europeus. Mais tarde foi analisada também por vários estudiosos, entre os quais Lévi-Strauss, antropólogo francês que esteve entre os índios brasileiros em De acordo com Lévi-Strauss, as pinturas do rosto conferem, de início, ao indivíduo, sua dignidade de ser humano; Em seguida, diferentes quanto ao estilo e à composição segundo as castas, elas exprimem, numa sociedade complexa, a hierarquia dos status. Elas possuem assim uma função sociológica. Profª Dra. Ana Céli Pimentel

5 2 Arte Plumária: Esta é uma arte muito especial porque não está associada a nenhum fim utilitário, mas apenas à pura busca da beleza. É usada como adorno no diaa-dia e nos rituais. Existem dois grandes estilos na criação das peças de plumas dos indígenas brasileiros. As tribos dos cerrados fazem trabalhos majestosos e grandes. As tribos silvícolas fazem peças mais delicadas, sobre faixas de tecidos de algodão. A maior preocupação é com o colorido e a combinação dos matizes. As penas são sobrepostas em camadas, como nas asas dos pássaros. Graças à variedade de nossa fauna, a arte plumária é bastante Cocar desenvolvida nas várias tribos brasileiras. Ela revela a criatividade indígena e um perfeito senso artístico. Colar r Os indígenas confeccionam artefatos como colares, pulseiras, cocares, mantos, leques, usando as penas ou, simplesmente, colocando-as sobre a pele uma camada de resina. A maior preocupação é com o colorido e com a combinação das cores, sendo as penas, geralmente, sobrepostas em Profª Dra. Ana Céli Pimentel

6 camadas, como nas asas dos pássaros. Os arranjos são feitos presos a cordões ou colocados com resina. As penas também podem ser usadas na ornamentação do próprio corpo do indígena. 3 Arte em Pedra: machado Pontas de lança. Os indígenas faziam instrumentos de pedra como: machados, clavas, panelas, cuias e esculturas de aves, peixes ou mamíferos. clava Para certos rituais importantes eles utilizam instrumentos de pedra herdados de seus antepassados. 4 Arte em Madeira: Os trabalhos em madeira são muito variados. É costume cada um fazer seus objetos de uso pessoal: Profª Dra. Ana Céli Pimentel

7 - utensílios e objetos de uso geral da tribo colheres, pilão, raladores, grelha, cuias, pentes. pilão pente - instrumentos musicais maracá (chocalho de sementes), assobios, bastões de ritmo, etc. - máscaras decorativas (de madeira) e anatômicas (entrecasca de árvores) com função religiosa, mágica e decorativa. Profª Dra. Ana Céli Pimentel

8 - esculturas de homens e animais, bastões para danças rituais, colares Zoomórficos, licocós (bonecos Karajás). - armas arcos, flechas, clava, tacape, lanças, zarabatanas, etc. Arco e flecha - remos de madeira resistente e decorado. zarabatana - ocas e malocas armação de madeira coberta com palha para uma família ou toda tribo. - canoas usadas para locomoção fluvial e para pesca. A canoa é um trabalho que serve para toda a comunidade, portanto é feita em equipe. 5 Arte em Cerâmica: Há milênios o homem utiliza-se do barro endurecido pelo fogo para fazer objetos utilitários e decorativos. As peças de cerâmica que se conservaram testemunham muitos costumes dos diferentes povos indígenas e uma linguagem artística que ainda nos impressiona. São assim, por Profª Dra. Ana Céli Pimentel

9 exemplo, as urnas funerárias lavradas e pintadas de Marajó, a cerâmica decorada com desenhos impressos por incisão dos Kadiwéu, as panelas zoomórficas dos Waurá e as bonecas de cerâmica dos Karajás. Seus objetos são decorados com desenhos geométricos ou figurativos. Urna funerária Marajoara Bonecas de cerâmica dos Karajás Panelas zoomórficas dos Waurá O trabalho oleiro é de enorme importância para determinadas tribos, muito apreciado comercialmente e sempre executado por mulheres e meninas aprendizes. Além de objetos de uso pessoal geral como as tigelas, as indígenas também fazem urnas funerárias, vasos, bonecos, jarros, cachimbos e chocalhos. Profª Dra. Ana Céli Pimentel

10 Aqui no Brasil, por sua originalidade, destacam-se as cerâmicas indígenas Marajoara, Tapajós (Pará) e Maracá (Amapá). Os mais divulgados destes utensílios estão na Ilha de Marajó, no Pará (cerâmica Marajoara) e constituem peças de confecção apropriada e de grande beleza pela presença de estilizações geométricas. As cerâmicas mais famosas: Marajoara Santarém 6 Arte em Trançados: A partir de materiais presentes em seu dia-a-dia como folhas, palmas, cipós, talos e fibras, os indígenas produzem uma grande variedade de utensílios: peneiras, cestos, abanos, redes, esteiras etc. Usam, para isso, a tecelagem que é a técnica de trançar estas fibras. Em alguns casos, selecionam folhas claras e escuras (tingidas) entrelaçando-as para obter um efeito geometrizado. Profª Dra. Ana Céli Pimentel

11 As meninas desde cedo, aprendem a fiar, tecer e trançar. 7 Máscaras: Para os indígenas, as máscaras têm um caráter duplo: ao mesmo tempo em que são adornos produzidos por um homem comum, são as figuras vivas do ser sobrenatural que representam. Elas são feitas com troncos de árvores, cabaças e palhas de buriti e são usadas geralmente em danças cerimoniais como, por exemplo, quando representam heróis que mantém a ordem do mundo. Máscara do sobrenatural Profª Dra. Ana Céli Pimentel

12 8 Arquitetura: No caso dos indígenas brasileiros, a aldeia (taba) é formada por pequenos núcleos dispersos pela área, composta por duas ou mais casa. As moradias abrigam famílias nucleares (pais e filhos), que são parentes de quase todos os outros membros da aldeia. As casas (ocas e malocas) têm, em média, 3m de largura por 4m de comprimento e 2m de altura. As paredes são construídas com estacas de madeira dispostas lado a lado e, em alguns casos, recebem uma cobertura de barro. A amarração é feita com cipós e a cobertura de esteiras de taquara, sapés ou palha, geralmente em feitio arredondado. Eles fazem vários tipos de arquitetura: Profª Dra. Ana Céli Pimentel

13 Profª Dra. Ana Céli Pimentel

14 Contribuições Indígenas Fazem parte da cultura humana: os costumes, os hábitos alimentares, as vestimentas, os idiomas, as religiões, as artes, como por exemplo: música, dança, literatura, pintura, escultura, arquitetura, etc. São as diversas trocas entre as diferenças culturais dos povos que enriquecem e aproximam os homens. Nossa cultura sofreu muita influência da cultura indígena. Eles nos ensinaram a cultivar: o milho, o mate, a mandioca, o fumo. Graças a ele conhecemos: o algodão, o cacau, o guaraná, o palmito e a batata (hoje chamada de batata inglesa). Além dos hábitos alimentares nossa língua também foi muito influenciada com inúmeras palavras indígenas, tais como: carioca, Janaína, Itacoatiara, Tijuca que são palavras de origem Tupi-Guarani. O hábito de dormir em redes e de tomar banho diariamente nós adquirimos dos indígenas. Profª Dra. Ana Céli Pimentel

CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA. Anexo 5 27 Projeto revitalização cultura Arara

CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA. Anexo 5 27 Projeto revitalização cultura Arara CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA Anexo 5 27 Projeto revitalização cultura Arara Projeto Resgate do Artesanato Arara do Laranjal Consultor responsável: Francisco Fortes

Leia mais

Aula 3 de 4 Versão Aluno

Aula 3 de 4 Versão Aluno Aula 3 de 4 Versão Aluno As Comunidades Indígenas Agora vamos conhecer um pouco das características naturais que atraíram essas diferentes ocupações humanas ao longo dos séculos para a Região da Bacia

Leia mais

A REPRESA CAIGUAVA E OS INDIOS GUARANI DA ALDEIA ARAÇA-I. Mario Sergio Michaliszyn Antropólogo Universidade Positivo

A REPRESA CAIGUAVA E OS INDIOS GUARANI DA ALDEIA ARAÇA-I. Mario Sergio Michaliszyn Antropólogo Universidade Positivo A REPRESA CAIGUAVA E OS INDIOS GUARANI DA ALDEIA ARAÇA-I Mario Sergio Michaliszyn Antropólogo Universidade Positivo Áreas de Proteção Ambiental APAs OBJETIVOS: Conciliar o desenvolvimento econômico e a

Leia mais

Arte africana & Arte indígena. Histórias, mitos, crenças e filosofias

Arte africana & Arte indígena. Histórias, mitos, crenças e filosofias Arte africana & Arte indígena Histórias, mitos, crenças e filosofias ARTE AFRICANA Asartes das sociedades da África foram, antes, rotuladas no singular,porterem sido chamadas de "arte primitiva" ou "selvagem

Leia mais

ATIVIDADES PARA O DIA DO ÍNDIO 19 DE ABRIL

ATIVIDADES PARA O DIA DO ÍNDIO 19 DE ABRIL ATIVIDADES PARA O DIA DO ÍNDIO 19 DE ABRIL Pintura facial pg. 02 Saia indígena pg. 02 Dança indígena pg. 02 Passeio pela floresta pg. 02 Modelo de cocar para o do livro Natureza e Sociedade 5 anos pg.

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita

Leia mais

SIMULADO DE ARTES FUNDAMENTAL

SIMULADO DE ARTES FUNDAMENTAL NOME: DATA DE ENTREGA: / / SIMULADO DE ARTES FUNDAMENTAL 1) Há algum tempo atrás, os livros, as revistas, os jornais, as fotografias, o cinema e a televisão eram em preto e branco. Hoje as cores fazem

Leia mais

Os primeiros habitantes da Amazônia foram divididos em 5 grandes grupos:

Os primeiros habitantes da Amazônia foram divididos em 5 grandes grupos: Os primeiros habitantes da Amazônia foram divididos em 5 grandes grupos: 01. Caçadores-coletores Pré-cêramicos. (10.000-1.000 a.c.) Viviam da caça de animais de pequeno e médio portes e da coleta de frutos

Leia mais

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOHLER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA PROJETO: Arte Popular Professora Orientadora: Graciele Moreira Turma: 7ª

Leia mais

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas

TURMA 601. Aula 07. Formas Geométricas TURMA 601 Aula 07 Formas Geométricas As figuras geométricas sempre chamaram a atenção dos artistas plásticos. As composições com figuras geométricas é um trabalho de buscar o equilíbrio entre as formas.

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 LISTA DE EXERCÍCIOS 01 01 - (Unicamp 2014) Desde o período neolítico, os povos de distintas partes do mundo desenvolveram sistemas agrários próprios aproveitando as condições naturais de seus habitats

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão HISTÓRIA DA ARTE Aluno (a): Professor: Lucas Salomão Data: / /2015 9º ano: A [ ] B [ ] ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA Há milhares de anos os povos antigos já se manifestavam artisticamente. Embora ainda não conhecessem

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

ARTE Arte Indígena - Rituais, Música e Dança. adyart.wordpress.com

ARTE Arte Indígena - Rituais, Música e Dança. adyart.wordpress.com ARTE Arte Indígena - Rituais, Música e Dança ARTE INDÍGENA Adereços Pintura corporal Arte Plumária Cestaria Grafismo Máscara indígena Artesanato cerâmica Danças rituais Música Instrumentos musicais Totem

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL 2 A PROJETO ARCA DE NOÉ INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL 2 A PROJETO ARCA DE NOÉ INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL 2 A PROJETO ARCA DE NOÉ INTRODUÇÃO Foram dois os fatores que contribuíram para a formação do projeto Arca de Noé. O interesse das crianças da sala do infantil 2 A por animais

Leia mais

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita dos maias, México.

Leia mais

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino Arte Africana 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino África O Brasil é um país mestiço, nossa cultura é composta de uma mistura de etnias. Parte relevante de nossa raiz cultural é o povo africano,

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador Pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 6º ano. TURMA 603 NOME: nº ARTE DA PRÉ-HISTÓRIA As primeiras manifestações artísticas

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO I A GRUPO I B GRUPO I C GRUPO I D I

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

Junto com todos os povos da Terra nós formamos uma grande família. E cada um de nós compartilha a responsabilidade pelo presente e pelo futuro

Junto com todos os povos da Terra nós formamos uma grande família. E cada um de nós compartilha a responsabilidade pelo presente e pelo futuro para crianças Junto com todos os povos da Terra nós formamos uma grande família. E cada um de nós compartilha a responsabilidade pelo presente e pelo futuro bem-estar da família humana e de todo o mundo

Leia mais

MODOS DE FAZER. Viola de Cocho

MODOS DE FAZER. Viola de Cocho MODOS DE FAZER Viola de Cocho A Viola de Cocho, é um instrumento musical já reconhecido como patrimônio imaterial, típico do Pantanal mato-grossense nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, intrinsecamente

Leia mais

Aula 10.2 Conteúdo: Os esportes indígenas na cultura não indígena. DINÂMICA LOCAL INTERATIVA APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA

Aula 10.2 Conteúdo: Os esportes indígenas na cultura não indígena. DINÂMICA LOCAL INTERATIVA APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA A A Aula 10.2 Conteúdo: Os esportes indígenas na cultura não indígena. 2 A A Habilidades: Reconhecer os jogos com heranças indígenas. 3 A A O esporte indígena na cultura não indígena: A cultura brasileira

Leia mais

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda;

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda; ARTE PRÉ-HISTÓRICA PALEOLÍTICO INFERIOR aproximadamente 5.000.000 a 25.000 a.c.; controle do fogo; e instrumentos de pedra e pedra lascada, madeira e ossos: facas, machados. PALEOLÍTICO SUPERIOR instrumentos

Leia mais

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS 1 CARTA DA TERRA A Carta da Terra é uma declaração de princípios fundamentais para a construção de uma sociedade que seja justa, sustentável e pacífica. Ela diz o que devemos fazer para cuidar do mundo:

Leia mais

A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA

A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA Arcenio Francisco Dias Neste artigo iremos apresentar o ensino da Língua Terena e Artes e Cultura Terena no município

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim II

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim II EDUCAÇÃO INFANTIL Maceió, 05 de outubro de 2015. GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim II Senhores pais ou responsáveis Seguem abaixo os temas, objetivos, atividades e evento de culminância dos projetos

Leia mais

MUSEU DO ÍNDIO/FUNAI NORMAS E DIRETRIZES PARA SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS ANO 2010

MUSEU DO ÍNDIO/FUNAI NORMAS E DIRETRIZES PARA SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS ANO 2010 MUSEU DO ÍNDIO/FUNAI AÇÃO DE PROMOÇÃO DAS CULTURAS INDÍGENAS NORMAS E DIRETRIZES PARA SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS ANO 2010 A Fundação Nacional do Índio - FUNAI, através do Museu do Índio, torna público

Leia mais

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO 1 Nome: nº Data: / /2012 ano bimestre Profa.: Denise Lista de Recuperação de Arte 6º ANO Nota: 1) A arte fez parte da vida do homem desde a pré-história ( período anterior ao surgimento da escrita ) que

Leia mais

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo ÍNDIOS NO BRASIL Cristina Langendorf Luciana Catardo AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrissem as suas vergonhas. Traziam nas mãos arcos e setas. Historiadores

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro As festas juninas fazem parte da tradição católica, mas em muitos lugares essas festas perderam essa característica.

Leia mais

B3-208 Capacitação e formação de grupos artesanais para produtoras da agricultura agroecológica do Agreste Paraibano

B3-208 Capacitação e formação de grupos artesanais para produtoras da agricultura agroecológica do Agreste Paraibano B3-208 Capacitação e formação de grupos artesanais para produtoras da agricultura agroecológica do Agreste Paraibano Josilda de França Xavier 1; Maria José Santos 2 ; Maria da Conceição Jerônimo 3 1 Bióloga,

Leia mais

PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA

PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA PRÉ-HISTÓRIA: EDUCAÇÃO PARA SOBREVIVÊNCIA Augusto Pereira da Rosa¹ Ester Miriane Zingano² RESUMO A educação durante a Pré-História tem como objetivo a sobrevivência do grupo. Embora sem ter consciência

Leia mais

As bonecas de papel são brinquedos que estimulam a imaginação e a criatividade das crianças. Foram muito usadas no século XIX e até meados do século

As bonecas de papel são brinquedos que estimulam a imaginação e a criatividade das crianças. Foram muito usadas no século XIX e até meados do século As bonecas de papel são brinquedos que estimulam a imaginação e a criatividade das crianças. Foram muito usadas no século XIX e até meados do século passado, quando faziam as delícias de muitas das nossas

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

3.1.2 Localização: Rua Júlio de Castilhos, n 457 Centro. Telefone para contato: 55 3354-1138 ou 9999-9459.

3.1.2 Localização: Rua Júlio de Castilhos, n 457 Centro. Telefone para contato: 55 3354-1138 ou 9999-9459. 3 Missões: Recursos de Interesse Patrimonial ARTESANATO Porto Xavier 3.1 Aspectos Gerais 3.1.1 Identificação: Cirlei Ledur Minosso 3.1.2 Localização: Rua Júlio de Castilhos, n 457 Centro. Telefone para

Leia mais

I MOSTRA DE ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E INDÍGENA

I MOSTRA DE ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E INDÍGENA I MOSTRA DE ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E INDÍGENA CURADORES: Joselene de Souza Pinto Rubem Pereira de Àvila O Objetivo desta primeira edição da I Mostra de Arte e Cultura Afro-Brasileira e Indígena

Leia mais

Pré história. Criação: Ana Cláudia B.Sanches

Pré história. Criação: Ana Cláudia B.Sanches Pré história Pré-história Paleolítico inferior 500.000 a.c. Paleolítico superior 30.000 a.c. Idade da pedra lascada / cortante Primeiras manifestações artísticas Pedra lascada Paleolítico 30.000 a.c. Idade

Leia mais

Educação Patrimonial: Conhecer, Resgatar e Fortalecer a Cultura Guarani através do Estudo da Cerâmica Arqueológica

Educação Patrimonial: Conhecer, Resgatar e Fortalecer a Cultura Guarani através do Estudo da Cerâmica Arqueológica Educação Patrimonial: Conhecer, Resgatar e Fortalecer a Cultura Guarani através do Estudo da Cerâmica Arqueológica Marcia Andreia Facio Silva 1 Lidiane Robalo Barboza Ribas 2 INTRODUÇÃO, Entendemos que

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

Arte da Pré-História

Arte da Pré-História ALUNO(A) Nº SÉRIE: 6º. Ano TURMA: DATA: / /2013 Profª Ana Lúcia Leal - DISCIPLINA: ARTE Ficha de Aula - III Trimestre Arte da Pré-História As primeiras expressões artísticas As mais antigas figuras feitas

Leia mais

42ª Semana do Índio de Tupã De 22 a 26/4/2014

42ª Semana do Índio de Tupã De 22 a 26/4/2014 42ª Semana do Índio de Tupã De 22 a 26/4/2014 Trata-se de um evento para aproximar as culturas indígenas das não indígenas, demonstrando que tanto o Brasil, quanto a região oeste de São Paulo e a cidade

Leia mais

Refletir sobre a data comemorativa do natal.

Refletir sobre a data comemorativa do natal. NATAL ducação Infantil Justificativa O ano está acabando e o natal está chegando. É fundamental ressaltar o verdadeiro significado desta data: o natal não é mera troca de presentes, é momento de confraternização,

Leia mais

NOTÍCIAS CURRÍCULO B TECNOLOGIA PROPORCIONA NOVAS APRENDIZAGENS ATIVIDADES E EVENTOS 1º SEMESTRE AULA DE INFORMÁTICA 1 AULA PRÁTICA EM ALDEIA INDÍGENA

NOTÍCIAS CURRÍCULO B TECNOLOGIA PROPORCIONA NOVAS APRENDIZAGENS ATIVIDADES E EVENTOS 1º SEMESTRE AULA DE INFORMÁTICA 1 AULA PRÁTICA EM ALDEIA INDÍGENA NOTÍCIAS CURRÍCULO B TECNOLOGIA PROPORCIONA NOVAS APRENDIZAGENS ATIVIDADES E EVENTOS 1º SEMESTRE AULA DE INFORMÁTICA 1 AULA PRÁTICA EM ALDEIA INDÍGENA 2 VISITA AO AQUÁRIO 2 Alunos do 4º ano nas aulas de

Leia mais

ENTRELAÇAMENTO DO CURRÍCULO DE CONHECIMENTOS

ENTRELAÇAMENTO DO CURRÍCULO DE CONHECIMENTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULÍNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ENTRELAÇAMENTO DO CURRÍCULO DE CONHECIMENTOS O foco do trabalho com conhecimentos o é o aluno entender a sociedade em que vive. Assim,

Leia mais

ENSINO PRÉ-ESCOLAR. Visitas orientadas À descoberta do MCCB

ENSINO PRÉ-ESCOLAR. Visitas orientadas À descoberta do MCCB Serviço educativo 2014 2015 ENSINO PRÉ-ESCOLAR Visitas orientadas À descoberta do MCCB 1h00 2.50 * Conhecem a história da Batalha? Com esta visita, percorreremos os caminhos da história desta terra e destas

Leia mais

Michel Giacometti : 80 anos, 80 imagens

Michel Giacometti : 80 anos, 80 imagens I Paisagem e Arquitectura 684/01 Vista Parcial Meã, Parada de Ester, Castro d Aire Agosto 1963 A aldeia da Meã, localizada na Serra de Montemuro, à beira do Rio Paiva, remonta as suas origens à Alta Idade

Leia mais

O uso de máscaras frente às necessidades

O uso de máscaras frente às necessidades Máscaras Os textos apresentados falam sobre a presença das máscaras em diversos contextos e épocas, seja para assumir um caráter religioso, artístico ou social. Tendo como base tais textos e seus conhecimentos

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Dezembro 2014

Atividades Pedagógicas. Dezembro 2014 Atividades Pedagógicas Dezembro 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO I A GRUPO I B GRUPO I C GRUPO I D

Leia mais

A PRÉ-HISTÓRIA. Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita.

A PRÉ-HISTÓRIA. Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita. A PRÉ-HISTÓRIA Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita. PERÍODO PALEOLÍTICO OU IDADE DA PEDRA LASCADA No começo de sua trajetória, o homem usou sobretudo a pedra (além do

Leia mais

I Introdução. II Desenvolvimento

I Introdução. II Desenvolvimento I Introdução Nos tempos primitivos não havia documentos escritos sobre a vida nem sobre o homem. Esse período é chamado de pré-história e o que se conhece a seu respeito baseia-se nos objetos que restam

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Lindo e Triste Brasil

Lindo e Triste Brasil SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 07 / / 0 II AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF UNIDADE: ALUNO(A): Nº: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 0,0 MÉDIA:

Leia mais

HISTÓRIA PRÉ-HISTÓRIA

HISTÓRIA PRÉ-HISTÓRIA Grupo 1 Universo A Pré-História Professor Carlos HISTÓRIA PRÉ-HISTÓRIA Para começarmos é importante saber como os historiadores conceituam a Pré-História: A Pré-História é conceituada como o período que

Leia mais

BRINQUEDOS INDÍGENAS NA AMAZÔNIA. Texto Maria das Graças Santana da Silva. Ilustrações Rosilda F. Vasco Guilherme Henriques de A.

BRINQUEDOS INDÍGENAS NA AMAZÔNIA. Texto Maria das Graças Santana da Silva. Ilustrações Rosilda F. Vasco Guilherme Henriques de A. BRINQUEDOS INDÍGENAS NA AMAZÔNIA Texto Maria das Graças Santana da Silva Ilustrações Rosilda F. Vasco Guilherme Henriques de A. Nogueira FICHA TÉCNICA Governo do Brasil Presidente da República Luiz Inácio

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: A América antes de Colombo As primeiras civilizações da Mesoamérica Aula 2: Os Maias Os Astecas Os Incas FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: Aula 1: A América antes de Colombo As primeiras civilizações da Mesoamérica Aula 2: Os Maias Os Astecas Os Incas FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA INTERATIVA I Conteúdo: Aula 1: A América antes de Colombo As primeiras civilizações da Mesoamérica Aula 2: Os Maias Os Astecas Os Incas CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO

Leia mais

Clarissa é uma mulher apaixonada pela beleza e sua Sala de Estar. não poderia deixar de ser um local onde fotos e quadros de arte

Clarissa é uma mulher apaixonada pela beleza e sua Sala de Estar. não poderia deixar de ser um local onde fotos e quadros de arte Clarissa é uma mulher apaixonada pela beleza e sua Sala de Estar não poderia deixar de ser um local onde fotos e quadros de arte estivessem presentes. A Sala de Estar de Clarissa, vamos entrar? sala de

Leia mais

Viagem ao rio Arapiuns - 05 dias Santarém, Pará, Amazônia 2010

Viagem ao rio Arapiuns - 05 dias Santarém, Pará, Amazônia 2010 Viagem ao rio Arapiuns - 05 dias Santarém, Pará, Amazônia 2010 1º dia, Santarém - Anã café da manhã no barco saída de Santarém as 06:30, em direção a comunidade de Anã (de 3 a 4 horas de navegação) chegada

Leia mais

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES Ver nunca é um ato inocente. Ver é sempre um aprendizado. Diante de um quadro, uma foto, uma escultura ou um edifício, nosso corpo e nosso olhar informam a cena, isto é, tomam parte nela e leem cada um

Leia mais

Cores, para que te quero?

Cores, para que te quero? Cores, para que te quero? Maria Helena da Silva LEAL Resumo O trabalho foi desenvolvido na Escola Estadual Marilene T. Longhim, com 36 crianças da 2ª série do ensino fundamental, com idades entre 7 e 9

Leia mais

1 O número concreto. Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número

1 O número concreto. Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número Página 1 de 5 1 O número concreto Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número Como surgiu o número? Alguma vez você parou para pensar nisso? Certamente você

Leia mais

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS INDÍGENAS NO BRASIL Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG Conhecendo os povos indígenas Para conhecer melhor os povos indígenas, é importante estudar sua língua.

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê

Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê Lição 14 Ezequiel Mede o Templo Restaurado (Ezequiel 40:1-42:20) Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê o templo restaurado. Nesta lição, vamos considerar alguns

Leia mais

Notas sobre a organização religiosa e social dos índios kaingang Curt Nimuendajú Abril/1913

Notas sobre a organização religiosa e social dos índios kaingang Curt Nimuendajú Abril/1913 Notas sobre a organização religiosa e social dos índios kaingang Curt Nimuendajú Abril/1913 O mito de origem diz que os primeiros desta etnia sairam do chão, por isso tem a cor da terra. Chefiados por

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 11 por

Leia mais

INCENTIVO A PRODUÇÃO DE ARTESANATO NA COMUNIDADE TABA LASCADA, CANTÁ, RR

INCENTIVO A PRODUÇÃO DE ARTESANATO NA COMUNIDADE TABA LASCADA, CANTÁ, RR INCENTIVO A PRODUÇÃO DE ARTESANATO NA COMUNIDADE TABA LASCADA, CANTÁ, RR Valdélia Cruz Cadete Acadêmica do Curso de Gestão Territorial Indígena Instituto Insikiran de Formação Superior Indígena Universidade

Leia mais

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias?

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias? O Mistério dos Maias O que aconteceu com os Maias? O que aconteceu com os Maias? A cultura dos Maias do Período Clássico era muito avançada. A sociedade Maia era muito estável. Eles desenvolveram arte,

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

1. Você já conhecia o Theatro Municipal? sim 16 não 16

1. Você já conhecia o Theatro Municipal? sim 16 não 16 1. Você já conhecia o Theatro Municipal? sim 16 não 16 Não 50% Sim 50% 2. Você já conhecia o Museu do Theatro Municipal? sim 4 não 28 sim 12% não 8 3. Você já tinha assistido a uma ópera antes? sim 12

Leia mais

Pré-história prof. Emerson Guimarães. José Adolfo S. de Campos Observatório do Valongo

Pré-história prof. Emerson Guimarães. José Adolfo S. de Campos Observatório do Valongo Pré-história prof. Emerson Guimarães José Adolfo S. de Campos Observatório do Valongo Período Paleolítico (~ 2 milhões a ~ 8000 a.c.) Vivia em cavernas Fogo, Facas Tacapes Caça Segurança Habitação Alimentação

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina ÍNDICE Encontro de Mulheres Guarani do Litoral Norte do Estado de São Paulo Organização: Selma A. Gomes Projeto gráfico: Irmãs de Criação Fotos: Carlos Penteado Publicado com o apoio da CAFOD Novembro

Leia mais

Acolhida Memorial/Prazer de Casa Equipes Problematização Vídeo Leitura de Imagem. Livro Texto Atividades complementares Interatividades

Acolhida Memorial/Prazer de Casa Equipes Problematização Vídeo Leitura de Imagem. Livro Texto Atividades complementares Interatividades PAUTA DO DIA Acolhida Memorial/Prazer de Casa Equipes Problematização Vídeo Leitura de Imagem PAUTA DO DIA Livro Texto Atividades complementares Interatividades MEMORIAL 1 Elabore uma lista com as mudanças

Leia mais

Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 10.2 Conteúdo Sociedades indígenas da Amazônia antiga

Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 10.2 Conteúdo Sociedades indígenas da Amazônia antiga Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 10.2 Conteúdo Sociedades indígenas da Amazônia antiga Habilidades: Compreender as principais características dos povos originais da Amazônia

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

VERDADEIROS FALSOS CORRETA

VERDADEIROS FALSOS CORRETA Arte Pré-Histórica Questão 01 A religiosidade é um item de bastante relevância no estudo da arte na pré-história. Que alternativa abaixo marca CORRETAMENTE fatos que atestam esta realidade? a) ( ) As pinturas

Leia mais

/ / JEITOS DE APRENDER. Índios Yanomami, Roraima

/ / JEITOS DE APRENDER. Índios Yanomami, Roraima / / JEITOS DE APRENDER Índios Yanomami, Roraima Ao longo de toda vida as pessoas passam por muitos aprendizados. Aprende-se dos mais diferentes jeitos e em vários momentos. O que se aprende e com quem

Leia mais

PROJETO ANUAL. Tema Central: Mãe Terra, o que deixaremos para os nossos filhos?

PROJETO ANUAL. Tema Central: Mãe Terra, o que deixaremos para os nossos filhos? PROJETO ANUAL Tema Central: Mãe Terra, o que deixaremos para os nossos filhos? I TRIMESTRE Turmas: Maternal ao 5º ano Enfatizando: Maternal e jardim I: O Circo {A magia do riso] Levar os alunos a compreender

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2013

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2013 Pedagogia: Aut. Dec. nº 93110 de 13/08/86 / Reconhecido Port. Nº 717 de 21/12/89/ Renovação Rec. Port. nº 3.648 de 17/10/2005 Educação Física: Aut. Port. nº 766 de 31/05/00 / Rec. Port. nº 3.755 de 24/10/05

Leia mais

Ser humano, sociedade e cultura

Ser humano, sociedade e cultura Ser humano, sociedade e cultura O ser humano somente vive em sociedade! Isolado nenhuma pessoa é capaz de sobreviver. Somos dependentes uns dos outros,e por isso, o ser humano se organiza em sociedade

Leia mais

Design Popular do Jalapão. Manejo comunitário sustentável

Design Popular do Jalapão. Manejo comunitário sustentável Design Popular do Jalapão Manejo comunitário sustentável pôr-do-sol no Jalapão dunas da Serra do Espírito Santo - Parque Estadual do Jalapão Rio Formiga artesanato de capim dourado chegou ao Jalapão em

Leia mais

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 Editora F-5MA2 Rua Floriano Peixoto Santos, 55 Morumbi CEP 05658-080 São Paulo - SP Tel.: (11) 3749 3250 Apresentação A população crescendo, florestas sumindo, calor aumentando,

Leia mais

A soma será feita da seguinte forma:

A soma será feita da seguinte forma: TESTE VOCACIONAL Teste sua vocação Testes vocacionais não fazem milagres, não têm poder de apontar uma única profissão a ser seguida, mas são um bom norte acerca de aptidões e interesses. O questionário

Leia mais

Apresentação do projeto:

Apresentação do projeto: Apresentação do projeto: Este projeto tem o intuito do conhecimento global do ser humano: conhecendo seu corpo, ampliando conceitos de higiene e saúde, descobrindo que o indivíduo está presente em todas

Leia mais

1. Pateo do Collegio conhecia não conhecia não responderam 16 18 0. 1. Pateo do Collegio gostei não gostei não responderam 33 0 1

1. Pateo do Collegio conhecia não conhecia não responderam 16 18 0. 1. Pateo do Collegio gostei não gostei não responderam 33 0 1 1. Pateo do Collegio conhecia conhecia 16 18 0 1. Pateo do Collegio gostei gostei 33 0 1 Pateo do Collegio 3% Pateo do Collegio gostei 0% conhecia 53% conhecia 47% gostei 97% Por quê? Aprendi mais sobre

Leia mais

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA

ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA ARTE E CULTURA AFRO-BRASILEIRA Cultura afro-brasileira é o resultado do desenvolvimento da cultura africana no Brasil, incluindo as influências recebidas das culturas portuguesa e indígena que se manifestam

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 7º ano. TURMA: NOME: nº ARTE PÁLEO-CRISTÃ OU DAS CATACUMBAS Surgiu com os primeiros

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

CONTATOS: FASHION TEEN

CONTATOS: FASHION TEEN CONTATOS: FASHION TEEN End: QI 13 Bloco E Loja 08 Lago Sul Brasília DF Tel: + 55 61.3366.2277/ 61.8533.2515 E-mail: contato@fashionteen.com.br Web: www.fashionteen.com.br APRESENTAÇÃO CURSO FASHIONTEEN

Leia mais

E-MAIL: alexandre@medfibicuitinga.com.br

E-MAIL: alexandre@medfibicuitinga.com.br Escola de Ensino Médio Professora Maria Edilce Dias Fernandes Rua Capitão Manuel Antônio 1044 Centro - C.E.P.: 62.955-000 - Ibicuitinga Ceará Telefone: (88) 3425-1000 BANCO DE QUESTÕES - ARTE PROF.: ALEXANDRE

Leia mais

«ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU»

«ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU» «ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU» No espólio museológico da CGD A partir do século XVI Macau tornou-se um ponto central na comunicação e divulgação entre a Civilização Europeia e Chinesa, uma fronteira

Leia mais

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03 PROJETO RECICLAGEM 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza

Leia mais

Nº 06. sistema agroflorestal

Nº 06. sistema agroflorestal EMEIO AMBIENT Nº 06 sistema agroflorestal Em uma sala de aula na zona rural... Bom dia! Bom dia, professor! Hoje vamos falar sobre o futuro do planeta! O senhor disse que iríamos estudar agricultura e

Leia mais