Unidade II ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade II ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA"

Transcrição

1 ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA Unidade II 5 A FORMAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA Na primeira unidade apresentamos a Antropologia e suas escolas, bem como a cultura como objeto desta ciência. Na segunda unidade, trataremos da formação da sociedade brasileira e da identidade cultural do nosso povo a partir das análises de Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Darcy Ribeiro. Mostrando como a Antropologia elaborada aqui percebe o surgimento do povo brasileiro e como resultou em nossa identidade cultural. Finalizando a unidade, com apresentação das diversas categorias culturais como: popular, erudita e de massa. 5.1 Histórico da formação da sociedade brasileira Para falar do povo brasileiro citarei alguns dos grandes autores da história das ciências sociais. Entre eles, destacamos principalmente Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Darcy Ribeiro. A compreensão da alteridade é dependente do olhar que daremos ao outro, como poderá ser percebido ao lermos sobre os intelectuais citados acima. Pois poderá perceber como cada um analisa as relações sociais, como percebem a estrutura de classe, a relação da raça com as demais dimensões das relações de trabalho tanto no período colonial como no modo de produção capitalista. Vamos conhecer um novo conceito, agora, que é muito utilizado em Antropologia: o de identidade. Porém, não estamos falando daquele documento chamado RG nem dos traços marcantes da personalidade de uma pessoa. Identidade, em Antropologia, é um conceito interligado a outros, como grupo social e cultura. A identidade dos sujeitos se forma a partir das condições históricas e culturais em que vivem condições que não escolheram, pois ao nascer tudo já estava pronto, então se deparam com um grupo familiar e social, com uma língua usada por todos e com um conjunto de regras, hábitos e tradições utilizadas. A sociedade e a cultura delimitam a nossa vida. Porém, chega um momento da vida em que a pessoa tem a possibilidade de negociar e alterar essas limitações, já que a cultura é dinâmica. Assim, a constituição das identidades é vista como processos de identificação: no cotidiano, há situações em que precisamos 49

2 Unidade II tomar decisões e escolhas quanto à conduta que vamos ter e os valores que nos cercam, tanto no plano pessoal quanto no social. Nós e os outros, os semelhantes e os diferentes: as noções que construímos socialmente de igualdade e diferença são a moeda do jogo de construção das identidades. (KEMP, 2003, p. 66). É a cultura que nos dá o referencial para desenvolver os papéis sociais. A Antropologia busca conhecer o incessante movimento de diálogo entre os símbolos que fazem parte da cultura dos diferentes sujeitos (KEMP, 2003, p. 66). Assim sendo, podemos pensar sobre as várias identidades que utilizamos para cada situação social, levando em consideração os fatores que interferem nesse processo: a idade, a participação nos grupos, a atuação de papéis socialmente reconhecidos. Por exemplo: hippie, rapper, homossexual, careca, compatriota, estrangeiro, negro, oriental, índio. A rotulação social faz parte da forma de categorizar as identidades culturais na nossa sociedade. São esses os fatores que fundamentam a identidade que cada sujeito se atribui e a que os outros reconhecem nas pessoas. Por isso, podemos possuir várias identidades como: nacional, regional, de classe, de grupo, de profissional, de gênero (feminino/masculino) etc. Segundo Alves e Barros (2007), no caso do Brasil, já que houve um período referente a um processo de colonização, a questão da raça se tornou um adjetivo que acaba por dar significado a nossa identidade, como por exemplo: trabalhadores negros, índios, operários italianos, alemães, imigrantes brancos. Essas raças se tornaram adjetivo que acabaram dando à identidade de trabalhador uma singularidade, de forma que passam a ser reproduzidas nas relações sociais de trabalho. Nesse sentido, o discurso da Antropologia aqui tem o intuito de levá-lo a perceber que as desigualdades sociais são históricas e que a naturalização da pobreza passa por uma falta de postura crítica quanto à vida desses pobres, dos seus direitos como cidadão brasileiro. Já que a constituição de identidades é decorrente do jogo simbólico, como a forma de apreensão do mundo, preste atenção na explicação de Kênia Kemp (2003, p. 83): Lembrete Manipulamos socialmente nossa identidade, e também a dos outros, para demarcar lugares. Numa sociedade com uma hierarquia complexa como a nossa, as categorias sociais movem-se o tempo todo em certos contextos, nossa identidade nos faz ser respeitados e, em outros, sofremos preconceito. A partir disso, elegemos os que consideramos diferentes simbolicamente, porém iguais em direitos e posição social e aqueles que consideramos iguais simbolicamente, porém desiguais na posição que ocupam em relação à nossa. 50 A cultura é percebida como um sistema de símbolos e significados partilhados pelos membros dessa cultura que sabem as regras existentes nas relações sociais e modos de comportamento.

3 ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA Agora vamos entender como se formou a sociedade e a cultura brasileira? A história do Brasil e do povo brasileiro coloca sempre os portugueses como a matriz de nossa etnia 3. Porém, como já foi falado, os europeus em especial, neste caso, os portugueses vinham para os novos continentes para descobrir as características culturais dos povos que ali habitavam com fins de exploração. Assim, os europeus elaboraram versões da história, de suas colonizações segundo um olhar etnocêntrico. Lembrete Uma posição etnocentrista é quando consideramos a nossa cultura como a melhor e analisamos o outro, nesse caso, o indígena, a partir de nossos valores e conhecimentos. Porém, a Antropologia, aqui, tem como objetivo mostrar este processo, de constituição do povo brasileiro, de outra perspectiva, buscando, a partir de autores brasileiros, como eles analisaram a nossa origem, como se forma nossa identidade nacional, já que a identidade não vem pronta: pelo contrário, ela é resultado de uma construção contínua. Existem interesses de legitimação do próprio grupo, ou interesses em retirar a legitimidade do outro (KEMP, 2003, p. 83). Existe uma relação de poder. Lembrete O povo que vivia no Brasil antes da colonização tinha seus costumes, hábitos, forma de se comportar, linguagem, conhecimento e religião, muito diferente do que temos hoje. A cultura deles era outra. Figura 8 Índios adaptados à cultura brasileira contemporânea 3 Significado de Etnia: Grupo social, pessoas que compartilham cultura, origens e história. Povo, raça. Disponível em: Acesso em: 01 abr

4 Unidade II Os povos indígenas que habitavam as terras brasileiras antes do encontro com os europeus eram povos autóctones 4, Isto é, havia povos, tribos diferentes entre si que viviam aqui, sendo os mesmos os mais antigos deste território. Estimativas demográficas apontam que, por volta de 1500, quando da chegada de Pedro Álvares Cabral à terra hoje conhecida como Brasil, essa região era habitada pelo menos por 5 milhões de índios. Hoje, essa população está reduzida a pouco mais de índios em todo o Brasil, segundo dados de 2001 do IBGE. A Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e a Fundação Nacional de Saúde (FUNASA) trabalham com dados ainda muito inferiores: pouco mais de índios (...) distribuídos em aldeias, pertencentes a 291 etnias e falantes de 180 línguas divididas por 35 grupos linguísticos (FUNASA, Relatório DESAI, 2002, p. 3). Dos indígenas atendidos pela FUNASA, são homens e são mulheres. Ainda segundo os dados da FUNASA, a população indígena está dispersa por todo o território brasileiro, sendo que na região Norte concentra-se o maior contingente populacional indígena, com 49%, e na região Sudeste está o menor contingente populacional indígena do país, com apenas 2%. (BANIWA, 2006, p ). Se havia 5 milhões de índios e atualmente a população é pouco maior do que , é porque muita tragédia ocorreu na vida destes, com a colonização: escravidão, guerras, doenças e massacres. Segundo Darcy Ribeiro (apud MARCONI; PRESOTTO, 1998), em 1900 havia 230 grupos tribais, que foram reduzidos, em 1957, a apenas 43. Desapareceram 187 grupos indígenas do nosso território. Muito desses habitantes eram nômades, isto é, eram pessoas que não ficavam em um lugar por muito tempo. Mudavam em busca de alimento. Além disso, viviam de caça, da pesca e coletavam alimentos da floresta e, por isso mesmo, havia uma grande disputa por território entre os povos que possuíam abundância de recursos. Índios dominadores e bons guerreiros, que falavam a língua tupi, instalaram-se pelo território brasileiro. Eles eram mais corajosos e diversificados em sua cultura que os demais. Desenvolveram muitos nomes para as coisas, objetos, animais e plantas. O que os diferenciava era o fato destes serem os primeiros a realizar a produção agrícola, isto é, domesticaram plantas e raízes, como a mandioca, o milho, a batata-doce, o cará, o feijão, o amendoim, o tabaco, a abóbora, o urucu, o algodão, o carauá, cuias e cabaças, as pimentas, o abacaxi, o mamão, a erva-mate, o guaraná, entre muitas outras plantas (RIBEIRO, 1995, p. 28), o que lhes permitiu deixar de ser nômades, podendo se estabelecer em determinado território e formar as aldeias. Os grupos indígenas eram diferentes, tinham uma ampla diversidade linguística e de origem, mas também possuíam uma série de características comuns. Cada um deles tinha a sua casa, tinha sua roça. A divisão de terras era feita com base em guerras entre povos, em laços de parentesco ou clãs (famílias). 4 Significado de Autóctone: próprio do lugar, que nasceu naquele lugar e guarda dentro de si costumes, cultura e jeitos dos costumes daquele povo que ali nasceu. Disponível em: avra=aut%f3ctone&id= Acesso em: 01 abr

5 ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA No mapa abaixo apresento as quantidades de línguas indígenas faladas no Brasil, para que você perceba a diversidade cultural indígena presente em nosso país: Figura 9 Mapa das línguas indígenas faladas atualmente no Brasil Segundo Ribeiro (1995), a autoridade dentro de um grupo indígena é exercida pelo chefe, geralmente o representante mais velho da tribo, ligada mais diretamente às tradições da cultura e à experiência do povo. Ele é uma espécie de mediador. Dentro das sociedades indígenas existem instituições e organizações culturais que se prestam à manutenção da tradição e que funcionam à base do exercício de poder. Alguns ritos de passagem envolvem mortificações e experiências extremamente dolorosas e marcantes. Ritos de passagem, rituais religiosos e papéis sociais bem definidos. A força da estrutura 53

6 Unidade II e poder das regras sociais são tão fortes que, em alguns grupos, as mulheres chegam a passar a vida inteira em entrar em determinado lugar da aldeia, reservado aos homens, sem nem saber o que se passa lá dentro. Lembrete Em nossos dias, estas mesmas divisões e instituições também fazem parte de nossas vidas. Também encontramos uma série de órgãos sociais instituídos e que servem para a manutenção da ordem e o cumprimento das regras culturais. É importante sabermos sobre as instituições sociais e, principalmente, sermos críticos quanto aos valores e regras que essas buscam manter, já que as mesmas influenciam diretamente à nossa vida cotidiana. Os índios eram povos praticamente autossuficientes. Eles se bastavam a si mesmos. Um índio sabia, antigamente, produzir tudo o que precisaria ao longo da sua vida. Suas ferramentas, suas armas, sua casa, sua roça, o plantio e a colheita, seus instrumentos de trabalho, sua canoa. Esteira, rede onde dormia, além de identificar os elementos do seu ambiente que poderiam servir para alimentação ou como medicamento. O conceito utilizado aqui é o de etnia, isto é, grupo com as mesmas características biológicas, físicas e culturais, valores, instituições etc. Lembrete Algo que talvez você já tenha se perguntado algumas vezes: Por que o índio é chamado de índio?. Pois bem, índio ou indígena é aquele que é nativo, natural de um lugar. Os índios encontrados aqui no Brasil pelos portugueses, por exemplo, são nativos da América. A partir da colonização do nosso país, em 1500, segundo Cristina Costa (2005), a cultura que será imposta a esse povo que aqui vivia será a dos europeus, trazida principalmente pelos religiosos, particularmente pelos jesuítas, que mantiveram durante três séculos o domínio da educação, do pensamento culto e da produção artística desenvolvida em nosso território. Esses religiosos elegeram o tupi como a língua geral, popular, e o latim e o português como as línguas cultas. Além disso, combinaram a exploração do trabalho indígena com o ensino religioso. Desta forma, aos poucos, destruíram a cultura nativa. A população indígena se tornou escrava e se distinguia das camadas cultas, que se dedicavam ao saber. Essa distinção social e a alienação quanto aos problemas reais da colônia marcaram profundamente a área intelectual que se formou no Brasil. 54 O que o português vinha buscar era, sem dúvida, a riqueza, mas riqueza que custa ousadia, não riqueza que custa trabalho. A mesma, em suma,

7 ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA que se tinha acostumado a lançar na Índia com as especiarias e os metais preciosos. Os lucros que proporcionou de início, o esforço de plantar a cana e fabricar o açúcar para mercados europeus, compensavam abundantemente esse esforço efetuado, de resto, com as mãos e os pés dos negros (...). (HOLANDA, 1995, p. 49). A colonização de um povo era uma iniciativa bastante grande e com alto custo. Desta forma, a coroa portuguesa não estava interessada em investir na colonização do Brasil, já que estava envolvida com a expansão e o mercado de especiarias no oriente. Em um primeiro momento, averiguou e colocou alguns representantes na terra, a partir de várias expedições exploratórias com o objetivo de mapear e trazer informações para a metrópole. Porém, com a crise do comércio na Europa da época, Portugal volta-se para a colônia em busca de pedras preciosas e outras fontes de lucro. Os portugueses (HOLANDA, 1995) tinham grande conhecimento sobre navegação e, a partir da iniciativa política e econômica, chegaram e descobriram estas terras, às quais, de início, não deram muito valor. No entanto, depois da organização de expedições para a exploração e instalação de missões jesuíticas no Brasil, vamos ter os relatos feitos pelos padres e pelos exploradores sobre as riquezas desta terra e isso era o que interessava aos portugueses. Os índios adoeceram, com as doenças trazidas pelos portugueses, e milhares morreram indefesos. Houve também o papel da religião que, nesse processo, buscava ampliar os domínios da Igreja. Por isso, foram enviados muitos religiosos para catequizar os índios, o que levou a uma grande quantidade de mortes de índios a partir da transmissão de doenças e da contaminação das águas. Os índios viviam aqui muito antes dos portugueses desembarcarem no Brasil. Eles tinham sua organização social e uma cultura com vários elementos simbólicos e os mesmos foram deixados de lado, negligenciados. A busca pela riqueza trouxe sérias consequências para a terra do Brasil, já que foi castigada pelos vastos campos latifundiários (grandes porções de terras) de monocultura (a plantação de uma única espécie) e pastagens de animais. A monocultura aconteceu porque muitos produtos que não eram produzidos na Europa passaram a ser produzidos aqui, devido ao clima quente e por estarem em alta no mercado europeu. A Europa não estava industrializada na época dos descobrimentos e produzia os bens agrários para o próprio consumo, como na produção da cana-de-açúcar para exportação. Essa colonização será marcada pela escravidão, em um primeiro momento os indígenas; em um segundo, os negros africanos. (HOLANDA, 1995, p ). Segundo Cristina Costa (2005), é a partir do século XVIII, por causa da mineração, que houve transformações sociais. Minas Gerais passa pela urbanização, contando com atividades comerciais e para exportação, mudando a organização social colonial, passando a ser dividida por dois grupos: os donos de terra e administradores e os escravos. Novas profissões começam a surgir: comerciantes, criadores de animais, artífices, funcionários administrativos para controlar a mineração e a exportação. Nesse momento, a população livre é maior do que a escrava e essa camada intermediária precisa de uma cultura que seja diferente da do escravo inculto e dedicado ao trabalho braçal. Será essa camada, as dos homens livres e sem propriedade, que irá consumir a erudição e a cultura europeia, o conhecimento 55

8 Unidade II como forma de ostentação. Em um primeiro momento, os jesuítas os ensinarão a cultura literária e a retórica. Após a expulsão destes do Brasil, as escolas régias se encarregarão do ensino. Há mudanças com a vinda da família real para o Brasil, em 1808, já que, conjuntamente com esses, vem a cultura portuguesa, trazendo modernidade. Criam a Academia de Belas-Artes, fundam a imprensa, lançam um jornal, instalam a primeira biblioteca e surgem os primeiros cursos superiores. (COSTA, 2005). Quanto à produção intelectual, Cristina Costa (2005) conta que destinava-se a descrever a colônia a partir de estudos naturalistas, com o nome de História Natural, e passaram a recrutar da classe intermediária intelectuais que estivessem dispostos a servir ao rei e às classes dominantes. Continuava a ser uma produção alienada, ditada pelos europeus, com o objetivo de organizar o saber descritivo, funcional e de ostentação. Havia um grupo que possuía conhecimento jurídico e descritivo, mas sem pensamento crítico. Era uma formação filosófica e humanística desempenhada por professores, jornalistas e funcionários públicos que eram dependentes da corte e dos donos de terras. 56 Lembrete Nessa época, ter um diploma era a mesma coisa que ter uma propriedade de terra. Somente após 1870 é que vão haver mudanças na sociedade brasileira. Com o crescimento da população, com a expansão da produção cafeeira, tem-se a implantação das ferrovias e aumenta a pressão das camadas médias urbanas para que possam participar mais da política do país. Essas mudanças vão repercutir na literatura e na crítica social nas obras de: Aluísio Azevedo, no Maranhão, Adolfo Caminha, no Ceará, Tobias Barreto, em Pernambuco, Joaquim Nabuco e Rui Barbosa, no Rio de Janeiro (...) Machado de Assis e Castro Alves, Sílvio Romero, desenvolvendo a crítica literária, e Euclides da Cunha, que traça em Os Sertões uma elaborada análise da rebelião camponesa de Canudos, explicitando o conflito de uma sociedade dividida em dois mundos aparentemente irreconciliáveis: o das cidades litorâneas, receptivas à influencia externa, e o do interior, agrário e tradicional. (COSTA, 2005, p. 149). Ao mesmo tempo, tem início o processo de desenvolvimento científico, com a criação da Escola Politécnica de Ouro Preto, em 1874, e a Escola de Engenharia de São Paulo, em 1893 (COSTA, 2005). No início do século XX, tem-se a criação dos institutos Biológico e Butantã, em São Paulo; o Agronômico, em Campinas; e o de Patologia Experimental, em Belém. O modo de pensar foi revolucionado pela atividade comercial, exportação e pela expansão do modo de produção capitalista do início do século XX, com a formação da burguesia nacional.

9 ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA Essa nova classe precisava de um pensamento mais racional e estruturado para transformar o país de colônia em uma nação capitalista. Para tal, se faz necessário chegar às camadas populares e desenvolver novos interesses de defender o comércio e a produção nacional. Para tal, rompe-se com passado e buscam acabar com o analfabetismo, homogeneizar os valores e o discurso, criar um sentimento de patriotismo que levasse a mudanças reais na estrutura social. (COSTA, 2005, p. 149). Ao término da Primeira Guerra Mundial, enquanto a crise se instala na Europa, aqui no Brasil a burguesia cresce econômica e politicamente. Além disso, o nacionalismo aflora na sociedade brasileira, buscando unir a nação. Este nacionalismo se apresentou no desejo de se conhecer o povo brasileiro, rejeitando os traços do colonialismo de atraso e de importação cultural. Esse movimento no início do século XX reorientou o pensamento social, refletindo em estudos históricos de cunho literário ou sociológico. Assim, a Sociologia e a Antropologia, como conhecimentos científicos, só surgem no século XX, na década de 1930, com a criação da Universidade de São Paulo (USP) e com a produção de intelectuais como Caio Prado Júnior, Sérgio Buarque de Holanda e Gilberto Freyre. Assim, na década de 1930, as preocupações dos intelectuais serão (COSTA, 2005): A descoberta do Brasil como realmente é (e não o que foi contado pela visão etnocêntrica europeia). A busca pelo sentimento de nacionalismo para unir as camadas sociais (levando em conta que este pensamento foi inspirador para a política e a economia como meta de proteção ao comércio e à indústria brasileira). Valorização da ciência, para explicar a nação. Um grande desejo de modernizar toda estrutura social da nossa sociedade. Neste momento, surge a chamada geração de 1930, representada por Caio Prado Júnior e Fernando de Azevedo, na Sociologia; e Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda, na Antropologia. Os estudos clássicos de Gilberto Freyre e de Sérgio Buarque de Holanda contribuíram para construir um olhar antropológico sobre a formação da sociedade brasileira. Esses estudos tiveram como principal proposta entender as características presentes na sociedade brasileira, considerando seu passado. Freyre dedicou-se à interpretação do nordeste açucareiro em obras como Casa-grande e senzala e Sobrados e mucambos, enquanto Sérgio Buarque de Holanda priorizou em suas análises o processo colonizador em sua clássica obra Raízes do Brasil. A publicação dessas obras aconteceu na década de 1930, período de intensas transformações no país, marcado pela expansão das atividades urbanas em relação ao processo de decadência das áreas rurais. A partir de agora vamos ver como Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Darcy Ribeiro pensaram o povo brasileiro. 57

10 Unidade II 6 UMA ANTROPOLOGIA DO BRASIL: OS PILARES 6.1 A perspectiva de Gilberto Freyre em Casa-grande e senzala O primeiro livro de Gilberto Freyre foi Casa-grande e senzala, e é a partir deste autor que teremos a introdução da Antropologia moderna no Brasil. Nesta obra, ele descreve a vida cotidiana nos engenhos e como acontece a formação da economia brasileira a partir da escravidão. Ao elaborar sua pesquisa a partir do cotidiano, coloca esse elemento como foco de importância para o estudo de Antropologia e Sociologia, e esse elemento é adotado, posteriormente, por outros pesquisadores. Seu livro é publicado em 1936 e, nesse momento, Gilberto Freyre representa o pensamento dessa época em Pernambuco. Teve como influência intelectual o antropólogo culturalista Franz Boas, devido a sua pós-graduação em Ciências políticas, jurídicas e sociais, realizado nos EUA, na Universidade de Columbia. O seu tema de mestrado foi sobre A vida social do Brasil no século XIX e, deste, resultou sua obra clássica Casa-grande e senzala. A forma de pesquisar do culturalismo americano vai fundamentar o antropólogo Gilberto Freyre, em Casa-grande e senzala, resultando em uma representação da Antropologia brasileira nesta linha de pesquisa. Quadro 11 Principais obras publicadas de Gilberto Freyre. Fonte: Shvoong. Ano de publicação Título 1933 Casa-grande e senzala 1935 Sobrado e mucambos 1940 O mundo que o português criou 1947 Interpretação do Brasil 1950 Quase política 1962 Arte, ciência e trópico 1979 Heróis e vilões no romance brasileiro Lembrete O culturalismo norte-americano, também chamado de difusionismo, é a linha de Franz Boas. Nesta forma de pesquisa, o antropólogo precisa buscar a particularidade de cada sociedade, precisa reconstruir a história dos povos para entender a sua cultura, entendendo que cada cultura é única. 58

11 ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA Nesse livro, Casa-grande e senzala, você notará que a cultura brasileira pode ser apreendida pela observação do universo cotidiano a partir dos detalhes das práticas sociais, a observação do micro. Freyre busca aquilo que é específico da nossa cultura e muitas vezes sua explicação se embasa nos aspectos geográficos, em outro momento pela raça e pela personalidade dos povos que formam a cultura brasileira, como também, a partir da língua utilizada. Esses aspectos são os que o levarão a formar o conceito de cultura brasileira. E são justamente esses aspectos que fazem parte da forma de se fazer pesquisa no culturalismo americano de Franz Boas. Segundo Gilberto Velho (2008), Gilberto Freyre se destaca, nesse momento, devido à ousadia na forma como vai interpretar o Brasil e os brasileiros a partir das características geográficas, das origens étnicas ou da raça, como ele usa em seu texto, buscando descrever a formação do nosso povo. Ao escrever Casa-grande e senzala, Gilberto Freyre deu início às análises da cultura brasileira de uma maneira bastante original, na medida em que viu com otimismo a miscigenação racial e as particularidades das relações sociais no Brasil. De maneira diferente dos estudos anteriores desenvolvidos no Brasil, Freyre busca compreender a relação entre raça e cultura, demonstrando que a questão genética não está acima da dimensão cultural, ou seja, a existência dos problemas sociais não estaria, necessariamente, relacionada ao caráter mestiço do povo brasileiro, demonstrando, assim, pensamento contrário ao determinismo biológico. Lembrete Determinismo biológico afirma que a cultura é resultado das características genéticas que são transmitidas pela hereditariedade. Freyre (1997) diz que a sociedade brasileira vai se organizar tanto economicamente como enquanto civilização somente depois de quase um século do contato dos portugueses com outros povos. Pois Portugal, em seu momento mercantilista, realizava suas relações comerciais com a Índia e com a África. Com o Brasil, a relação será outra: a da produção agrícola. E será justamente esta que organizará a sociedade brasileira colonial em base sólida e favorável, como você pode notar na citação retirada do livro Casa-grande e senzala, de Freyre, a caracterização da base da sociedade brasileira (1997, p. 4): a agricultura, as condições, a estabilidade patriarcal da família, a regularidade do trabalho por meio da escravidão, a união do português com a mulher índia, incorporada assim à cultura econômica e social do invasor. Percebe-se que a sociedade que toma forma aqui é agrária em sua estrutura, com a mão de obra escrava, a técnica de exploração econômica, híbrida 5 dos índios, em um primeiro momento, depois de negros. No ponto de vista de Freyre (1997), as pessoas pertencentes a essa sociedade se preocupavam menos com a questão da raça, em especial os portugueses, do que a esfera religiosa, que se desdobrava em uma 5 Híbrida significa aquele que se formou da relação do português com o índio, com o negro, isto é, o mestiço. 59

12 Unidade II fiscalização social e política. Isto não é demonstrado a partir de ações oficiais, mas em ações particulares com agressões físicas, castigos nos quais, muitas vezes, ocorria a morte da pessoa vitimada. Porém, tudo isso é dependente da organização política, econômica e jurídica que o povo português implantou na sociedade brasileira. Assim, a sociedade estava hierarquizada 6 em famílias proprietárias e autônomas, os senhores de engenho e o capelão (conhecido hoje como padre, o representante da religião) dentro da casa-grande; e os demais (índios ou negros), os que obedeciam a suas ordens, fora. São esses senhores, os donos de terras e de escravos, que defendiam a colônia politicamente; bem como seus filhos doutores, estudados, que defendiam os escravos dos abusos cometidos tanto por Portugal quanto pela Igreja. Figura 10 Construções típicas do período colonial, em Paraty, RJ Figura 11 Porta da casa dos escravos, Ilha de Gorée, Senegal Segundo Freyre (1997), a aceitabilidade dos portugueses quanto à colonização híbrida, o resultado da mistura entre eles e os índios e negros, era consequência do seu passado étnico e cultural, já que os mesmos receberam influências sexuais, alimentícias e religiosas nas suas relações com a África. A partir disto, já havia o mestiço, da relação do português com o negro, na própria África. 6 Hierarquia é a ordem ou a organização de acordo com a ordem de importância. 60

13 ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA O pensador demonstra a influência dos africanos sobre os europeus de uma forma poética e romântica. Observe: A influência africana fervendo sob a europeia e dando um acre requeime à vida sexual, à alimentação, à religião; o sangue mouro ou negro correndo por uma grande população brancarana quando não predominando em regiões ainda hoje de gente escura; o ar da África, um ar quente, oleoso, amolecendo nas instituições e nas formas de cultura as durezas germânicas; corrompendo a rigidez moral e doutrinária da Igreja medieval; tirando os ossos ao Cristianismo, ao feudalismo, à arquitetura gótica, à disciplina carônica, ao direito visigótico, ao latim, ao próprio caráter do povo. A Europa reinando, mas sem governar; governado antes a África. (FREYRE, 1997, p. 5). Lembrete O livro Casa-grande e senzala foi publicado em Assim, seu conteúdo representa o pensamento daquela época. Perceba, na citação acima, a influência da escola culturalista norte-americana, de Franz Boas, no pensamento de Gilberto Freyre, já que o mesmo afirma que as características climáticas da África levaram a mudanças das instituições e da cultura europeias. Por mais que Freyre (1997) demonstre a existência de uma forte ligação sexual entre os portugueses e seus escravos, que resultou na miscigenação e no encontro cultural, ele não deixa de demonstrar, também, que a atitude do português era a do colonizador sobre o trabalho agrícola, industrial, na forma da escravidão ou da semiescravidão dos africanos e indígenas. Assim, segundo Freyre (1997), esse contato cultural transformou o português, levando-o a não se importar com a raça. A partir disto, os traços de comportamento do português são caracterizados como vagos e imprecisos. Isto é, ao mesmo tempo que são utilitaristas, caem em sonho, saem da alegria para tristeza, alternando o amor com a aventura. Essas contradições, para Freyre (1997), são resultantes do encontro entre as duas culturas, a europeia e a africana, repercutindo na vida, na economia, na moral, na arte do povo português, que se alternam em momentos de equilíbrio ou desarmonia. É justamente esse caráter que vai formar, na sociedade brasileira, no momento da colonização, o antagonismo (ideias opostas, comportamentos opostos). Observação Veja, no parágrafo acima, a forma de análise de Gilberto Freyre, que usa as influências do ambiente geográfico (clima), personalidade e raça, para explicar ao povo brasileiro os fundamentos utilizados no culturalismo americano. Os portugueses são apresentados por Freyre (1997) como homens de condições físicas e psíquicas importantes para suas conquistas e resistências. Por exemplo, o realismo econômico, que não os 61

14 Unidade II deixou se exceder nas conquistas militares e nem religiosas na formação brasileira. Segundo ele, o desenvolvimento do povo português se deve a suas conquistas coloniais na Ásia, na África, na América, onde houve, como resultado destas conquistas, um aumento populacional de mestiços. Sendo que os portugueses que eram visto pelo Estado como homens de valor. Bons administradores e técnicos eram colocados nas colônias como peças num tabuleiro de gamão: da Ásia para a América ou daí para a África, conforme conveniências de momento ou de religião. (FREYRE, 1997, p. 9). Assim, a mistura do colonizador com os colonizados, para Freyre (1997) demonstra uma particularidade dos portugueses em relação a outros povos, porque nenhum se misturou aos colonizados tanto quanto eles. E esta, mais do que mobilidade ou mudança de posição social, foi a forma de compensarem por terem poucos habitantes portugueses em seu próprio território. Isso os levou à colonização de muitos povos e aumentaram muita sua área e sua população. As mulheres índias brasileiras, no pensar de Freyre (1997), são preferidas pelos portugueses devido ao fato destas se parecerem muito no aspecto físico com as mulheres da colônia da Península: Ao longo contato com os sarracenos deixara idealizada entre os portugueses a figura da moura-encantada, tipo delicioso de mulher morena e de olhos pretos, envolta em misticismo sexual sempre de encarnado, sempre penteando os cabelos ou banhando-se nos rios ou nas águas das fontes mal-assombradas que os colonizadores vieram encontrar parecido, quase igual, entre as índias nuas e de cabelos soltos do Brasil. Que estas tinham também os olhos e os cabelos pretos, o corpo pardo pintado de vermelho, e, tanto quanto as nereidas mouriscas, eram doidas por um banho de rio onde se refrescasse sua ardente nudez e por um pente para pentear o cabelo. Além do que, eram gordas como as mouras. Apenas menos ariscas: por qualquer bugiganga ou caco de espelho estavam se entregando, de pernas abertas, aos caraíbas gulosos de mulher. (FREYRE, 1997, p. 9-11). Figura 12 índia tomando banho na lagoa Mawaiaka. Festa do Kuarup, na aldeia Kamayurá 62

15 ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA O livro Casa-grande e senzala é criticado por apresentar uma relação social entre portugueses, índios e negros de uma maneira fantasiosa. Há intelectuais que o criticam por encontrar na obra uma mensagem de que, naquele tempo, existia uma democracia racial. Mas esse termo não é usado por Freyre em seu texto. É preciso ter claro que toda obra tem um contexto histórico que precisa ser levado em conta para sua compreensão. Para tanto, perceba que, por mais que os portugueses preferissem a mulher brasileira, assim mesmo transparece na fala de Freyre (1997, p. 10) o pré-conceito racial existente na sociedade, a partir de ditado usual: Branca para casar, mulata para f..., negra para trabalhar, esse ditado demonstra a superioridade em que é colocada a mulher branca e a inferioridade das demais. Além desses aspectos da miscigenação e da mobilidade, o que ajudou o português a conquistar novos territórios foi também a sua facilidade em se aclimatar, chamado por Freyre (1997) de aclimatabilidade. As condições geográficas de Portugal eram parecidas mais com a África do que com a própria Europa, por isso eles não sentiram tanta diferença no Brasil. Desta forma, isso os ajudará em sua fixação na formação da colônia híbrida (mestiça). Sendo que as duas regiões de grande foco de início da miscigenação é São Paulo e Pernambuco. Assim, Freyre (1997) coloca os portugueses como melhores homens em comparação a outros povos europeus, já que estes conseguiram se adaptar às condições geográficas, sociais e culturais, chegando a colocar que os portugueses superaram até a falta de pessoas brancas, a partir da miscigenação, ao se unir à mulher de cor e isso o ajudou na adaptação social. Esse fator, o clima tropical do Brasil é referido por Freyre (1997) porque o mesmo o considera um forte influenciador na formação e no desenvolvimento econômico das sociedades: a produtividade da terra, a fonte de nutrição, os recursos naturais para o povo. Além disso, devemos considerar também as doenças tropicais, que levavam os habitantes à diminuição da sua capacidade para o trabalho; ou seja, também neste aspecto o clima surge como característica fundamental em sua análise. Porém, o que chama a atenção é que Freyre percebe que a capacidade para o trabalho, a eficiência econômica dos homens e seu metabolismo são piores onde não existem higiene e engenharia sanitária. Além disso, aponta a necessidade adaptação da vida cotidiana do homem ao local onde vive, como por exemplo, a dieta, o vestuário, a habitação que tem que ser de acordo com a temperatura da região. Problemas que são resolvidos com a criação de aparelhos e tecnologias, como a navegação a vapor, ajudando no transporte mais rápido, para a melhora da qualidade e para a preservação do alimento. Outro problema enfrentado pelos portugueses foi o fato de o clima não permitir que eles desenvolvessem aqui os produtos que consumiam na Europa. Por isso, tiveram que mudar radicalmente sua alimentação, trocando, por exemplo, o trigo pela mandioca. Freyre (1997) vê a colonização como uma nova fase, já que se caracteriza a partir da plantação, com base agrícola, com a permanência do colono na terra, do ponto de vista econômico e de uma política 63

16 Unidade II social por utilizar os nativos, especialmente a mulher, no trabalho, bem como para a formação da família. A sociedade colonial brasileira se desenvolveu a partir das grandes plantações de açúcar, mas isto não se deu por causa do Estado colonizador, mas sim de iniciativas particulares, que povoaram e defenderam militarmente a terra. Assim, a partir de 1532, o que caracteriza nossa colonização perante as outras é o domínio da família rural ou semirrural. Maior que esse poder, apenas o da Igreja, com a atividade dos padres da Companhia de Jesus, sendo que a família representava a unidade produtiva do solo, das fazendas, com compra de escravos, animais, ferramentas. Foi essa força social que imperou no Brasil colônia e que atingiu a política, a aristocracia (nobreza) colonial poderosa, já que os senados de Câmara vão delimitar o poder dos reis e, depois, do imperialismo. As pessoas que vieram para colonizar o Brasil eram soldados da fortuna, aventureiros, degredados, cristão-novos fugidos à perseguição religiosa, náufragos, traficantes de escravos, de papagaios e de madeira, características não muito desejadas para o povo brasileiro. Porém, para Freyre (1997, p. 19), esses não deixaram suas características indesejadas na área econômica de nosso país. Além de não aceitar que todos fossem realmente criminosos. Quanto às características genéticas destes portugueses que chegam ao Brasil, para o autor, a única que permaneceu foram os traços de fisionomia coletiva do nosso povo. Freyre (1997, p. 19) ainda crítica Azevedo Amaral por exagero, quando o segundo considera os colonizadores como tarados, criminosos e semiloucos, pois não havia fundamento para tal opinião, já que alguns deles eram pessoas boas, porém foram categorizadas como criminosos ou de má índole, devido ao fato do direito português considerar o misticismo como delito, além do fato da religião também colocá-los como criminosos, feiticeiros. De outra perspectiva, Freyre (1997) acredita que a coroa portuguesa tenha enviado para cá homens que cometiam excessos em sua vida sexual em sua terra natal, e que isso foi uma estratégia política e econômica, já que esses viriam para cá para ficarem livres da cadeia, e também por ficarem soltos em meio às mulheres nuas, levando-os a povoar a colônia com seus filhos. Porém, segundo o autor, é a partir de 1532 que nós teremos nossa formação social, em família rural e semirrural, a partir da vinda de gente casada de Portugal ou pela união de colonos com moças caboclas, órfãs ou até de à-toa, vinda do território português pelos padres casamenteiros. A formação social do Brasil se deu a partir da família colonial, sobre a base econômica agrícola e o trabalho escravo, com variadas funções sociais e econômicas. Por exemplo, o mando político, a oligarquia (governo de poucos, de uma minoria) ou nepotismo (corrupção na qual um funcionário público, a partir de sua posição, dá cargo público para as pessoas com quem possui laços familiares). Muitos dos colonos se tornaram grandes proprietários rurais, porém os mesmos não tinham o menor amor pela terra e nem por sua cultura. Assim, o colono se desenvolveu devido às próprias características da terra e dos povos que aqui viviam, sem a menor organização comercial, restando-lhes apenas a produção rural. 64

17 ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA Saiba mais Sobre oligarquia, leia: Sobre nepotismo, leia: Segundo Freyre (1997), os portugueses eram despreocupados com a unidade ou pureza de raça. O único requisito exigido para um estrangeiro vir ao Brasil era que professasse a religião católica, chegando ao ponto de Portugal, no século XVI, mandar um frade a bordo de cada navio que vinha para o Brasil, com o objetivo de verificar se os estrangeiros eram mesmo católicos. Não só os estrangeiros vieram para o Brasil, mas com eles as doenças físicas, como sífilis e lepra. Entravam com os europeus e os negros de todos os territórios, sendo a religião católica o cimento da nossa unidade. (FREYRE, 1997, p. 30). A cana-de-açúcar foi sendo cultivada em São Vicente, em Pernambuco e, depois, na Bahia e no Maranhão, de forma que foi se formando uma tendência aristocrática (governo que fica nas mãos de poucos) e escravocrata (a produção por meio de escravos). Assim, teremos os homens com mais condições financeiras, que irão se manter na produção agrícola da cana; e os menos favorecidos, que irão para os sertões buscar escravos ou criar gado (os sertanejos ou vaqueiros). Freyre (1997) afirma que é essa a aproximação entre os interesses agrários e escravocratas, que nos séculos XVI e XVII vão predominar na colônia, dedicada à cultura do açúcar. Porém, a mesma não foi perturbada pela descoberta das minas e nem pela introdução do café. Pois o que aconteceu foi a transferência do interesse no açúcar para o ouro, depois para o café. Porém, a base se manteve: a terra e o instrumento de exploração, o trabalho escravo. Além disso, o açúcar ficou no Nordeste; o ouro, em Minas Gerais; e, em São Paulo, o café e, em todas essas regiões, a escravidão da mão de obra africana. A base da alimentação da colônia era a farinha de mandioca e o milho, alterando-se apenas por meio das especialidades das frutas e verduras de cada região. O latifúndio (grandes porções de terras, pouco usadas para agricultura), foi característico no período colonial. Assim sendo, para Freyre (1997), este contexto não permitiu que a população tivesse a oportunidade de uma alimentação equilibrada, por mais que coloquem que a inferioridade física do brasileiro é totalmente relacionada à raça, ao clima não podemos deixar de ver que o mau aproveitamento dos recursos naturais para nutrição é o que levou a essa inferioridade. 65

18 Unidade II Observação A análise realizada por Freyre destrói a teoria do determinismo biológico e a do geográfico. O povo dessa época não era bem alimentado, segundo Freyre (1997). Lembre que há uma diferença gritante quanto à quantidade de comida que os proprietários brancos das casas-grandes recebem, em comparação com a quantidade de comida que os escravos negros da senzala recebem, já que esses precisavam de mais alimento para se manter no trabalho duro. Desta forma, foi a alimentação escassa na variedade que levou o povo brasileiro a ser mais deficiente e instável do que os europeus, e não a mistura de raças e o clima, como muitos intelectuais falaram. Na formação da nossa sociedade, o mau regime alimentar decorrente da monocultura, por um lado, e por outro da inadaptação ao clima, agiu sobre o desenvolvimento físico e sobre a eficiência econômica do brasileiro no mesmo mau sentido do clima deprimente e do solo quimicamente pobre. A mesma economia latifundiária e escravocrata que tornou possível o desenvolvimento econômico do Brasil, sua relativa estabilidade em contraste com as turbulências nos países vizinhos, envenenou-o e perverteu-o nas suas fontes de nutrição e de vida. (FREYRE, 1997, p. 34) Os melhores alimentados eram os senhores e os escravos, mas não esqueça que havia homens livres, mais miseráveis, sendo mais débeis e incapazes de terem melhor alimento. Por isso, havia muitas pessoas com anemia, verminoses e outras doenças. Assim, para Freyre (1997), o problema social é o que debilita a população brasileira e não a mestiçagem, já que não é a mistura de raça que traz a debilidade a esse povo, mas a pobreza, a escassez de alimentação, o regime escravo, a química dos alimentos tradicionais que consomem, a irregularidade alimentar, a falta de higiene na conservação e distribuição dos alimentos. Não só os homens livres passam por esses problemas alimentares, mas também os senhores de engenho de Pernambuco e da Bahia, já que os mesmos comiam pouca carne de boi e, de vez em quando, poucos frutos, geralmente bichados. Além disso, raramente os legumes faziam parte de seu prato. Por isso que, os médicos atribuíam aos maus ares muitas das doenças digestivas. É dentro desse antagonismo que será formada a sociedade brasileira: de um lado, a grande lavoura, a monocultura do litoral; e, de outro, a pecuária do sertão. Porém, tanto monocultores quanto pecuaristas não tinham uma alimentação sadia. Freyre (1997) diz que durante os três séculos de colonização a vida foi difícil, pois a monocultura esterilizou a terra, os senhores rurais se endividaram, as formigas, as enchentes e as secas dificultaram a produção dos alimentos. Não havia luxo. No Norte açucareiro, as famílias mais ricas da Bahia e de Pernambuco tinham algum luxo a partir de dívidas, mas em outras localidades, eram deficientes, com as 66

19 ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA casas forradas de seda, mas com bichos caindo em suas camas. No Pará do século XVII, por exemplo, os nobres não tinham como ir para a festa de Natal da cidade, porque suas filhas não tinham o que vestir para a missa. Em contrapartida, os colonos de São Paulo, devido ao ambiente geográfico e ao clima, teve uma produção agrícola que lhes favoreceu, concedendo maior riqueza alimentar. Além disso, nessa região ocorreu tanto a produção agrícola quanto a pastoril, resultando em uma alimentação equilibrada e rica em variedades. Os negros, segundo Freyre (1997), eram bem alimentados porque os senhores de engenho queriam utilizá-los o máximo possível. Então, para os escravos nunca faltava comida, com abundância de milho, toucinho e feijão, comida forte para o trabalho duro ao qual iria se dedicar na agricultura. Apesar de toda deficiência alimentar, o escravo foi o quem melhor pôde aproveitar os nutrientes utilizados em sua dieta alimentar. E seus descendentes conservaram tal hábito, demonstrados em sua beleza física e nas expressões de vigor das mulatas, das baianas, dos crioulos, dos atletas, dos capoeiristas, dos jagunços dos sertões baianos e dos cangaceiros do Nordeste. Figura 13 Grupo de capoeira do Centro Cultural Sol Nascente da Cidade Satélite de Ceilândia (DF) Freyre (1997) crítica autores como Euclides da Cunha, por acreditarem que o caboclo-índio, advindo do índio civilizado ou do resultado da miscigenação do índio com o branco, seja a raça mais pura quanto à capacidade física, a beleza, e de resistência moral, pois para o autor, o brasileiro é resultado da união das três raças: indígenas, negros e brancos, uma vez que os negros que fugiam para os quilombos raptavam as índias ou as caboclas para com eles viverem, porque as negras dificilmente conseguiam fugir. Desta forma, espalharam em muito seu sangue em várias regiões do país, formando a sociedade brasileira com base nessas três raças. Sobretudo a partir da abolição, os negros puderam se espalhar e perpetuar sua descendência sadia e vigorosa. A doença desse período foi a sífilis, que ocorria tanto na casa-grande quanto na senzala, já que o filho do senhor contraia com as negras e com as mulatas essa doença, quando tinham entre doze e treze anos. Isso porque a marca da doença no corpo era usada para ostentação, pois quem não tinha as marcas da sífilis era donzelo, virgem. Por isso, era ridicularizado: por não ter conhecido mulher. 67

20 Unidade II Saiba mais Ainda hoje a sífilis atinge muitas pessoas. Para descobrir mais sobre esta doença, acesse: De um lado, tem-se a formação do brasileiro, um homem dos trópicos, resultado do europeu com sangue índio ou negro fornecendo-lhe energia; de outro, a sífilis, que o deformava. Freyre (1997) critica aqueles que culpam a feiura do nosso povo por causa da miscigenação das três raças, pois, para ele, a feiura é resultado dos afetados pela sífilis ou pela verminose e deveriam ter responsabilizado as doenças, no lugar de responsabilizarem a miscigenação. Segundo Freyre (1997), a deformação da beleza do povo brasileiro é resultado da má alimentação e da sífilis trazida pelos europeus (portugueses, franceses e espanhóis), que passaram a doença para as índias, a partir das relações sexuais. Muitos destes europeus acabavam tomando gosto por essa vida e eram deixados aqui. A relação do europeu com a índia foi uma relação de colonizador como possuidor de suas escravas. Essa forma de pensar e agir resultou historicamente em um sadismo dos homens brancos com mulheres em condições desfavoráveis, prosseguindo no trato da exploração do senhor com as escravas africanas. Havia também o sadismo em que o menino que acompanhava o filho senhor em suas brincadeiras e chamado de leva-pancadas e que muitas vezes foi o instrumento de iniciação sexual do menino branco. Freyre (1997) já destaca, citando Moll, que nesta época a direção tomada quanto ao impulso sexual, na criança, depende muito mais da oportunidade e das influências sociais do que da predisposição ou perversão inata. 68 Observação Você percebeu qual teoria Freyre está criticando ao dizer que a perversão não é inata? E qual teoria ele utiliza ao afirmar que o impulso sexual é resultado da oportunidade e influências sociais? Esse sadismo de menino levava ao gosto de surrar, judiar do negro, tornando-se violento e perverso no exercício de profissão elevada, na política, na administração pública; o gosto pelo mando, pelo autoritarismo. Freyre (1997) coloca o senhor na posição do sádico e o negro como o masoquista lógico que, isso se dava em função das condições econômicas, e afirma que essa relação sexual e doméstica acaba por levar-nos à nossa conhecida formação patriarcal, colocando a mulher sempre como a vítima do domínio e abuso do homem, sempre reprimida pelo pai e pelo marido. Além disso, há também o sadismo da mulher branca sobre as escravas, por inveja sexual e ciúmes.

Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA. Prof. Bruno César dos Santos

Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA. Prof. Bruno César dos Santos Unidade I ANTROPOLOGIA E CULTURA BRASILEIRA Prof. Bruno César dos Santos Objetivos 1. compreender a linguagem e a metodologia específica no que diz respeito à relação entre antropologia e cultura; 2. analisar

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO

NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO NEGROS EM SOBRAL NO SÉCULO XIX (1880-1884): UM ESTUDO SOB A ÓTICA DA HISTÓRIA E DO DIREITO Sabrina Nascimento de Carvalho, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, sabrinaerarisson@hotmail.com Rárisson

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A conquista do Sertão. Expedições de apresamento

A conquista do Sertão. Expedições de apresamento A conquista do Sertão Expedições de apresamento As bandeiras contribuíram para a expansão do território em direção ao interior, porém houve muitas mortes de nativos. O principal alvo era as missões dos

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

A CIDADE-ESTADO ESTADO GREGA ORIGEM DAS PÓLIS GREGAS Causas geomorfológicas A Grécia apresenta as seguintes características: - Território muito montanhoso; na Antiguidade, as montanhas estavam cobertas

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB Tutor: Gildásio Santana Júnior Bolsista: Iago Fernandes Botelho e Silva Resenha da

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento socioeconômico. Ao sul do continente, estão países

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira

Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio Professor: Gelson Alves Pereira É a divisão de um espaço ou território em unidades de área que apresentam características que as individualizam. A regionalização

Leia mais

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo Ciências Humanas baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS HUMANAS Elementary School 2 K5 Conteúdos Gerais Conteúdos Específicos Habilidades

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES. AULA 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Conteúdo: Formação Étnico-Cultural da População Brasileira 3.2 Habilidades: Verificar as características dos principais grupos étnicos formadores da população brasileira: indígenas, negros e brancos.

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80 6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º Valor: 80 1. A invasão holandesa no Nordeste brasileiro, ao longo do século XVII, está relacionada com a exploração de um produto trazido para o Brasil pelos portugueses. Que

Leia mais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais 1. Observe o mapa a seguir. As partes destacadas no mapa indicam: a) Áreas de clima desértico. b) Áreas de conflito. c) Áreas

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas.

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. 2 Habilidades: Observar as limitações das Guianas e suas ligações com o Brasil. 3 Colômbia 4 Maior população da América Andina. Possui duas saídas marítimas: Para o Atlântico

Leia mais

BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO

BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT n & ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO UMA PALAVRA 11 PARTE I OS POVOS DE NOSSA TERRA UNIDADE 1 A GRANDE 1 FAMÍLIA HUMANA i CAP. 1 Milhões de anos atrás 14

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

Sociologia. 1ª série SOCIOLOGIA NO BRASIL DANILO ARNALDO BRISKIEVICZ

Sociologia. 1ª série SOCIOLOGIA NO BRASIL DANILO ARNALDO BRISKIEVICZ Sociologia 1ª série SOCIOLOGIA NO BRASIL DANILO ARNALDO BRISKIEVICZ INTRODUÇÃO O desenvolvimento do pensamento sociológico no Brasil obedeceu às condições de desenvolvimento do capitalismo e da inserção

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS?

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS? EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. Sobre as formas de conquista e exploração do governo português, associe corretamente as colunas. a) Relações diplomáticas.

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê?

A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê? A EXPERIÊNCIA DO DIA-A-DIA, APRESENTA DA EM NOSSA SOCIEDADE E SUAS CONTRADIÇÕES E DESIGUALDADES. * Tais disparidades ocorrem devido a quê? DÍVIDA SOCIAL ESCRAVIDÃO E IMIGRAÇÃO FALTA DE ESTRUTURA SOCIAL

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE O Brasil é considerado um país de dimensões CONTINENTAIS, pois sua área de 8.514.876 Km² é quase igual a do Continente Oceânico. Ele é o 5º país em extensão territorial

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir!

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir! Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 2 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Relações Raciais no Brasil Características históricas para compreender

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se 1 A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se envolveram na arrumação da sociedade étnica que estava

Leia mais

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Disciplina: D 3.2 Administração Pública Brasileira (24h) (Aula 1: Patrimonialismo e Formação do Estado Brasileiro)

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Disciplina: D 3.2 Administração Pública Brasileira (24h) (Aula 1: Patrimonialismo e Formação do Estado Brasileiro) EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Disciplina: D 3.2 Administração Pública Brasileira (24h) (Aula 1: Patrimonialismo e Formação do Estado Brasileiro) Professor: Eduardo Granha Magalhães Gomes 2 a 4 de fevereiro

Leia mais

Trajetória Histórica da Enfermagem Brasileira Séc. XVI

Trajetória Histórica da Enfermagem Brasileira Séc. XVI BACHARELADO EM ENFERMAGEM HISTÓRIA E TEORIAS DA ENFERMAGEM Prof. Eurípedes Gil de França Aula 8 A Enfermagem no Brasil Trajetória Histórica da Enfermagem Brasileira Séc. XVI REFORMA PROTESTANTE Martinho

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 1 5 Nome: Data: Unidade 1 1. Leia o texto e, em seguida, responda às questões. Suas plantações são pequenas, não passando de algumas roças localizadas próximas

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias América anglo-saxônica Diferentes povos construíram duas fortes economias A América Desenvolvida Conhecido também como Novo Mundo, a América é sinônimo de miscigenação, desenvolvimento e mazelas sociais.

Leia mais

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO Charles Nascimento de SÁ charles.as@superig.com.br FTC/FACSA A escravidão no Brasil tem nos maus tratos e na violência do sistema sua principal afirmação. Ao longo das

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

7. Bibliografias... 10

7. Bibliografias... 10 1. Introdução... 03 2. Surgimento da Economia Açucareira... 04 3. Desenvolvimento da Economia Açucareira... 05 4. Desarticulação da Economia Açucareira... 07 5. Encerramento da Economia Açucareira... 08

Leia mais

População Brasileira

População Brasileira População Brasileira O QUE SOMOS? INCLASSIFICÁVEIS que preto, que branco, que índio o quê? que branco, que índio, que preto o quê? que índio, que preto, que branco o quê? que preto branco índio o quê?

Leia mais

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA Izaura Lila Lima Ribeiro 1 Maria de Lourdes Macena Filha 2 RESUMO Este artigo versa sobre o papel dos negros na

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA Profº Alexandre Goicochea História ORIGENS O mundo grego antigo ocupava além da Grécia, a parte sul da península Balcânica, as ilhas do mar Egeu, a costa da Ásia Menor, o

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional CIÊNCIAS HUMANAS (HISTÓRIA/ATUALIDADES/GEOGRAFIA) O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional das sociedades através dos tempos, observando os fatores econômico, histórico,

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo:

Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: Unidade III Produção, trabalho e as instituições I. Aula 5.2 Conteúdo: A família patriarcal no Brasil e seus desdobramentos. 2 Habilidade: Reconhecer que a ideologia patriarcal influenciou a configuração

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 5 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ROTEIRO DA UNIDADE 05 FINALIDADE: Com esta UE você terminará de estudar

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias?

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias? O Mistério dos Maias O que aconteceu com os Maias? O que aconteceu com os Maias? A cultura dos Maias do Período Clássico era muito avançada. A sociedade Maia era muito estável. Eles desenvolveram arte,

Leia mais

O continente africano

O continente africano O continente africano ATIVIDADES Questão 04 Observe o mapa 2 MAPA 2 Continente Africano Fonte: . A região do Sahel, representada

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei. Aluno: Cláudia Maria dos Santos Falco - matrícula 099990028

Universidade Federal de São João Del Rei. Aluno: Cláudia Maria dos Santos Falco - matrícula 099990028 Universidade Federal de São João Del Rei Aluno: Cláudia Maria dos Santos Falco - matrícula 099990028 Este trabalho refere-se ao término do Curso de Introdução crítica ao pensamento social brasileiro. São

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

ÍNDIA: ECONOMIA EMERGENTE. Prof.º Acácio Martins

ÍNDIA: ECONOMIA EMERGENTE. Prof.º Acácio Martins ÍNDIA: ECONOMIA EMERGENTE Prof.º Acácio Martins Aspectos gerais e físico-naturais 3º maior país da Ásia e 7º maior do mundo; 2ª Maior população do planeta; Áreas montanhosas no extremo norte (Cordilheira

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS Século XVI e XVII início da ocupação e colonização das Américas COLONIZAÇÃO definição é a ocupação e povoamento das terras americanas pelos europeus

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o :. Leia os textos e responda às questões e. Texto Na Grécia Antiga, Aristóteles (384 a.c.-3 a.c.) já defendia a ideia de que o Universo

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais