Dieta Africana. Palavras-chave: Dieta Africana, Africa, Tempero.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dieta Africana. Palavras-chave: Dieta Africana, Africa, Tempero."

Transcrição

1 Nome do Pesquisador(Aluno): Antônio Sidnei; Bruna Bassetto; Cristina Tarso; Evelyn Nomura; Maitê Aranda; Maria Fernanda de Pirolo Nome do Orientador: Leandro Magalhães Titulação do Orientador: Doutorado Dieta Africana. O impressionante da dieta africana são suas particularidades que dão uma característica única a sua imagem. Seus temperos, sabores e ingredientes tem história pela maneira como são associados e até adquiridos, e as suas crenças interferem na maneira de se alimentar. O mais curioso é como essa raça conseguiu, depois de tantos anos, manter características quase sem influências européias.a Europa levou seus costumes, suas técnicas e suas preferências para a cozinha africana mas tudo isso foi pouco absorvido e hoje, quase não aparenta mais. Os africanos tem mesmo uma maneira deles de usar os elementos que foram levados de fora para dentro do seu país.os africanos tratados como escravos aqui no Brasil eram sempre bem alimentados pois seus senhores precisavam de sua força para trabalho árduo, e ainda lhe daria prejuízo o perecer de um africano já que esses eram escravos um tanto mais caros em suas trocas.seus hábitos eram um tanto quanto diferentes para nós da atualidade, comiam larvas, vegetais, formigas, mas eram admiradores de carne crua e quente, sem contar na paixão pela pimenta, essas, eles comiam cruas, amassadas no meio de qualquer refeição e aos punhados. Um de seus ingredientes mais conhecidos e usados são os inhames, deles eram feitos assados, cozidos, e até farinhas para bolos. Outro ingrediente bastante conhecido e utilizado pelos africanos era o arroz.era comum o consumo de peixe, cães e animais um tanto quanto exóticos (e de carnes estragadas ), pois os bois eram em sua maioria para o sacrifício conforme suas crenças. A áfrica era considerado o país da caça.na áfrica, usa-se muita farinha de mandioca, arroz e de milho (pois essas plantas eram facilmente e abundantemente cultivadas) para a confecção de bolos que servem como pães, bolos e acompanhamento pra carnes e peixes.até as bebidas apreciadas pelos negros africanos eram fabricadas de diversas plantas, como mel e milho fermentado, ou o licor provido da seiva da palmeira. É de fácil percepção que o milho e a farinha de mandioca eram abundantemente utilizados nas preparações africanas, e o trigo, tão predominante na Europa, não tem tal importância na áfrica.o amendoim é um condimento bastante apreciado na áfrica, dele se origina o azeite-de-dendê que é praticamente água nas preparações tipicamente africanas.então, a dieta africana é bem temperada, e tem uma característica única daquele povo que guarda em cada prato, ingrediente e modo de preparo um pouco da história dessa nação. Palavras-chave: Dieta Africana, Africa, Tempero.

2 Nome do Pesquisador(Aluno): Carolina Ayres de Almeida;Eduardo Guerra do Carmo; Diego Titulação do Orientador: DIETA AFRICANA. O presente trabalho fala sobre a dieta africana, citada no livro História da Alimentação no Brasil de Luís da Câmara Cascudo.Jamais saberemos o número exato e as origens certas dos africanos embarcados para o Brasil. Todas as populações adensadas do Senegal ao Gabão, nas regiões do Congo de Angola e pela Contra-Costa, Moçambique, tiveram representantes nos engenhos de açúcar, na mineração e lavouras brasileiras.esses africanos tiveram seus padrões alimentares, preferências e simpatias, fórmulas de preparar a carne da caça ou no animal capturado sem dificuldade, cereais, vinhos, gulodices, farnel de viagem e expedição bélica, possivelmente distantes dos tipos amerabas brasileiros.não tinham a mandioca, o milho americano, o amendoim. Mas tinham o inhame, a cana-de-açúcar, a bananeira, o azeite-de-dendê. A carne usual era dos animais de caça e não a do gado. A caça era o ofício, o divertimento, o orgulho. Caçavam normalmente elefantes, búfalos, gazelas, antílopes, cabras, carneiros, lebres e cães. Essas caças eram assadas, tostadas, cozidas.utilizavam muito a pimenta, de todos os tipos e de todos os jeitos, pura, mastigada na comida ou esmagada no caldo da carne ou do peixe. Entre todos esses alimentos, podemos destacar dois: O cuscus, ou kuz-kuz e o leite de coco. Dentre as importâncias do leite de coco, podemos destacar a utilização frequente desse "novo" ingrediente na cozinha para fazer pratos doces e salgados e também pratos tipicos africanos. O prato mais famoso e antigo que se faz, utilizando o leite de coco, é o arroz-de-coco, que é considerado o prato costumeiro e trivial. O cuscuz, é o prato nacional dos mouros na África. Mas no Brasil, perdeu toda sua individualidade, pois aqui ele se fez de milho e molhou-se no leite de coco.todas essas misturas de ingredientes, modos de preparo e costumes, criaram o que é, hoje, nossa cozinha brasileira, com muita diversidade de alimentos, de preparações e de pratos típicos. O mesmo prato tem vários modos de preparo em diferentes regiões do país, isso só prova o quanto nossa cozinha é rica e diferenciada, mas lógico, sem perder o nosso jeitinho brasileiro. Palavras-chave: Cuscuz, leite-de-coco, Africanos

3 Nome do Pesquisador(Aluno): Angela Maria Constancio;Bruna Santana da Silva;Eduardo Akira Tokushima;Felipe Mateus Veiga;Maria Beatriz Fuentes;Regina A. Teixeira Oliveira Titulação do Orientador: Doutor Instituição: Centro Universitário Filadélfia-UniFil Instalação da Cozinha Portuguesa no Brasil O presente trabalho tem como objetivo demonstrar a influência da cozinha portuguesa na culinária brasileira, a partir de pesquisa realizada com base nas informações e conceitos expostos no livro História da Alimentação no Brasil, de Luís da Câmara Cascudo. No desenvolvimento serão esmiuçados vários aspectos históricos do período da colonização do Brasil, com o intuito de explicar como Portugal enquanto agente explorador procedeu para introduzir sua culinária na nova terra descoberta, promovendo a inserção de novos ingredientes, receitas, costumes e práticas, típicos da sua cozinha, que foram incorporados à cultura brasileira e ajudaram profundamente a moldá-la. No que tange à culinária, Portugal sempre teve ligação estreita com o este universo, sendo conhecido como uma terra onde se tem prazer em comer. Desde o período quinhentista, inúmeras passagens, versos e referências da literatura lusitana, antes e durante a colonização do Brasil, citam componentes típicos da culinária portuguesa expoentes famosos como Gil Vicente, Luis de Camões, Gregório Afonso, entre outros, destacavam em suas poesias as várias delícias que mais tarde viriam para cá. Conforme a abordagem realizada, será possível identificar a intensidade de tal influência com base em todas as práticas, dos procedimentos básicos até a infinidade de receitas antigas e adaptadas, instauradas pelos portugueses e que aqui serão citados. Nesse contexto, pretende-se tornar claro e ratificar como o legado da cozinha de Portugal constitui-se como a base sólida da chamada culinária brasileira, tão aclamada por sua riqueza e diversidade. Aborda-se, também, o grande êxito da colonização portuguesa no tocante à sua influência sobre a culinária brasileira: ajustar os novos ingredientes às condições da fauna e flora locais com o intuito de agradar ao paladar dos aborígenes e povos sucessores. Por acepção, o que não era brasileiro acabou tornado-se brasileiro; através do uso contínuo, vários alimentos portugueses foram incorporados à cultura local e hoje são aclamados no Brasil. Entre tantos outros, o exemplo mais forte do legado lusitano é a introdução e aproveitamento amplo do açúcar e do sal na alimentação diária, que somada à diversidade de combinações com os alimentos brasileiros, são as contribuições mais importantes dos portugueses para essa cozinha. Em suma, o trabalho tratará exatamente dessa influência, que alterou o imaginário e os costumes brasileiros ligados à alimentação, o surgimento e disseminação de toda a noção de sabores doces e salgados que compõem a vasta diversidade de elementos da culinária nacional. Palavras-chave: Influência, Cozinha Portuguesa, Culinária do Brasil

4 Nome do Pesquisador(Aluno): Angela Maria Constancio;Bruna Santana Silva;Eduardo Akira Tokushima;Felipe Mateus Veiga;Maria Beatriz Fuentes;Regina A.Teixeira Oliveira Titulação do Orientador: Doutor Instituição: Centro Universitário Filadélfia - Unifil Instalação da Cozinha Portuguesa no Brasil. O presente trabalho tem como objetivo demonstrar a influência da cozinha portuguesa na culinária brasileira, a partir de pesquisa realizada com base nas informações e conceitos expostos no livro História da Alimentação no Brasil, de Luís da Câmara Cascudo. No desenvolvimento serão esmiuçados vários aspectos históricos do período da colonização do Brasil, com o intuito de explicar como Portugal enquanto agente explorador procedeu para introduzir sua culinária na nova terra descoberta, promovendo a inserção de novos ingredientes, receitas, costumes e práticas, típicos da sua cozinha, que foram incorporados à cultura brasileira e ajudaram profundamente a moldá-la. No que tange à culinária, Portugal sempre teve ligação estreita com o este universo, sendo conhecido como uma terra onde se tem prazer em comer. Desde o período quinhentista, inúmeras passagens, versos e referências da literatura lusitana, antes e durante a colonização do Brasil, citam componentes típicos da culinária portuguesa expoentes famosos como Gil Vicente, Luis de Camões, Gregório Afonso, entre outros, destacavam em suas poesias as várias delícias que mais tarde viriam para cá. Conforme a abordagem realizada, será possível identificar a intensidade de tal influência com base em todas as práticas, dos procedimentos básicos até a infinidade de receitas antigas e adaptadas, instauradas pelos portugueses e que aqui serão citados. Nesse contexto, pretende-se tornar claro e ratificar como o legado da cozinha de Portugal constitui-se como a base sólida da chamada culinária brasileira, tão aclamada por sua riqueza e diversidade. Aborda-se, também, o grande êxito da colonização portuguesa no tocante à sua influência sobre a culinária brasileira: ajustar os novos ingredientes às condições da fauna e flora locais com o intuito de agradar ao paladar dos aborígenes e povos sucessores. Por acepção, o que não era brasileiro acabou tornado-se brasileiro; através do uso contínuo, vários alimentos portugueses foram incorporados à cultura local e hoje são aclamados no Brasil. Entre tantos outros, o exemplo mais forte do legado lusitano é a introdução e aproveitamento amplo do açúcar e do sal na alimentação diária, que somada à diversidade de combinações com os alimentos brasileiros, são as contribuições mais importantes dos portugueses para essa cozinha. Em suma, o trabalho tratará exatamente dessa influência, que alterou o imaginário e os costumes brasileiros ligados à alimentação, o surgimento e disseminação de toda a noção de sabores doces e salgados que compõem a vasta diversidade de elementos da culinária nacional. Palavras-chave: Influência, Cozinha Portuguesa, Culinária do Brasil

5 Nome do Pesquisador(Aluno): VITOR HUGO TSURU; MARIELLA BEGGIATO MEZZAROBA; JULIANE FERNANDA GOMES CERANTO; ALEXSANDRO DOS SANTOS ; ARETA ERMELINDA DE MELO; HUMBERTO KATSUHIRO KAGUE. Titulação do Orientador: Doutor Cardápio Indígena. A chegada dos portugueses e africanos iniciou um processo de aculturação dos indígenas, gerando uma mistura de etnias. Mas, não se pode omitir o legado que os nativos deixaram para a cozinha nacional. A miscigenação dos povos europeus e indígenas originou os costumes alimentares brasileiros. Muitas das técnicas de preparo e ingredientes são de origem indígena, sendo adaptado por parte dos escravos e dos portugueses, utilizando-os nas receitas tradicionais.o alimento base era a mandioca, na forma de farinha e beijus, além de frutas, pescado, caça, milho, batata e pirões. Os nativos conheciam o fogo e o utilizavam para o aquecimento, rituais e cozinhar. O preparo básico da carne era: assar em panela de barro sobre três pedras (trempe); em forno subterrâneo (biaribi); em espetos de madeira; numa armação de madeira para secagem e conservação (moquém). A carne cozida servia para o preparo de pirões, mistura de farinha de mandioca, água e caldo de carnes. Sendo cozido, o caldo é misturado com a farinha aos poucos até ganhar consistência adequada, ou escaldado, simplesmente misturam-se os dois, resultando em um pirão mais mole. Ao lado da farinha e do beiju, a caça vinha em segundo lugar. As principais eram porco-do-mato, paca, veado, macaco e anta, e preparados inteiros, as vísceras eram retiradas após o cozimento. A pesca de frutos do mar era feita com arco a curtas distâncias. Os maiores eram assados ou moqueados e os menores cozidos para fazer pirão. Secavam os peixes e socavam até virar farinha para ser transportada em viagens e caçadas. A paçoca era similar, pilando a carne com a farinha.o tempero era pimenta amarela e vermelha, ou uma mistura delas com sal (ionquet). Acrescentado após o preparo colocando a comida e da mistura na boca. Sal obtido pela secagem da água do mar ou das cinza de vegetais. Entre os alimentos líquidos destaca-se o tacacá, o tucupi, a canjica e a pamonha. O primeiro feito do sumo da mandioca cozida (manipueira), misturado com caldo de peixe ou caça e condimentos, e o segundo pela fervura prolongada do mesmo sumo. A canjica, uma pasta de milho puro até receber o leite, o açúcar e a canela dos portugueses. A pamonha, um bolo grosso de milho ou arroz envolvido em folhas de bananeira. O milho era presente, mas não determinante como a mandioca e a macaxeira. Fabricavam também bebidas alcoólicas para reuniões sociais ou religiosas.com seus ingredientes e métodos, a culinária indígena é a base da culinária brasileira. Palavras-chave: cardápio indígena, mandioca, moquém, colonização.

6 Nome do Pesquisador(Aluno): Sidney Mendes; Juliano Sávio; André Aquino; JomarJoel; Rafael Lima; HigorPelizer Nome do Orientador: Leandro Magalhães Titulação do Orientador: Professor Doutor Instituição: Centro Universitário Filadélfia - Unifil Dieta Africana. Introdução: O trabalho mostra a visão de Luís da C. Cascudo no livro História da Alimentação no Brasil. Inegável a influência africana em nossa alimentação. Mesmo em condição escravocrata uniram sua tecnologia a portugueses e índios. Neste sincretismo formaram nossa cultura religiosa, alimentar e social.resumo: Desde o século XVI em número e etnias incontáveis, espalharam-se por lavouras e engenhos. Como mercadoria sua qualificação era servidão vitalícia. Portos em Angola, Moçambique e Guiné eram exportadores de nativos. Guiné era sinônimo de escravos nos séculos XVI e XVII. A Guiné Portuguesa era a Babel Africana. Culturas desenvolvidas com atividade comercial,teciam e trabalhavam metais. Muitos eram nobres. Em 1510 houve uma grande inflação no mercado de escravos. Começam trocas entre africanos, europeus e americanos com leite de coco, óleo de palma e azeite de dendê, mais tarde milho e amendoim embarcariam para a África. Arroz é uma constante e o feijão temperado veio completar o clássico feijão com arroz. Na Nigéria surgem volumes culinários apresentados a nobres clientes, algo que demorou a acontecer aqui. Pratos populares não faziam frente a europeus, mas o tempo criou tradições. As bebidas comuns eram o Hidromel e o vinho de palma, extraído diretamente da seiva, consumido após a coleta ou fermentado. Surgem feijões com óleo de palma e arroz com leite de coco. Também com leite de coco o cuscuz com milho era consumido pela manhã e tarde por 95% da população. Certo é que os portugueses e africanos vieram para o Brasil conhecendo o Cuscuz. Aqui é que ele se fez de milho e molhou-se no leite de coco. Em 1656 o Instituto do Açúcar e Álcool publicou A História do Açúcar II, Livro de Contas do Engenho Sergipe do Conde. Descrevendo classes sociais e fixando um panorama da alimentação e preço de insumos. Para o senhor de engenho a alimentação era investimento, direta pelos insumos fornecidos ou indireta dando liberdade para caça, pesca e cultivo da terra. Vale citar os cajueiros ricos em vitamina C para medicar escravos doentes de escorbuto pela viagem. Esta história transformou nosso país em um grande produtor de açúcar, milho, mandioca e mais tarde café, cacau e outros produtos. Nesse forrobodó surgimos com nosso feijão bem temperado, pirão apimentado, cuscuz molhado e carne fumada. Brancos, índios e negros juntos, unindo bananas com farinha e carne seca, assimilando diferenças ao cardápio de Orixás, Pajés, Deuses e Santos, criando uma cultura única. Palavras-chave: História Gastronomia

7 Nome do Pesquisador(Aluno): Ana Marly M Jóia; Ana Paula Fujiwara; Gabriela Kamura; Leonardo Rodrigues; Marcelle Batista Titulação do Orientador: Doutor Dieta Africana Um olhar sobre a contribuição dos povos africanos e seus descendentes à gastronomia brasileira. Palavras-chave: Alimentação, africana, brasileira

8 Nome do Pesquisador(Aluno): Mirian Cristina Maretti, Mariana Ferreira Martelli Nome do Orientador: Mirian Cristina Maretti Titulação do Orientador: Doutor AS VÁRIAS FORMAS DE EXPRESSÃO DA ARTE EM GASTRONOMIA: A CONSTRUÇÃO DE MANDALAS DE GRÃOS. Esta proposta de trabalho teve o objetivo de desenvolver de maneira prática, uma das formas de expressão da arte em Gastronomia, através da construção de mandalas de grãos pelos acadêmicos do primeiro ano, do curso de Tecnologia em Gastronomia do Centro Universitário Filadélfia - UniFil. Buscou-se com o desenvolvimento deste trabalho, explorar a simetria, o abstrato, a variação de cores e formas e principalmente a capacidade de criação e criatividade pessoais. A metodologia utilizada consistiu em cada acadêmico escolher o desenho que quisesse desenvolver, utilizando uma base de madeira como quadros e bandejas ou papel e papelão na forma de pratos, além de materiais como cola, pincel, verniz, vidro, grãos e/ou sementes variados, cujos formatos e cores foram escolhidos pelos alunos. Os grãos e as sementes foram colados na base, ordenados de forma simétrica, observando a coordenação de cores bem como a harmonia de tamanho e forma do material utilizado. Para finalizar, dependendo da peça produzida, utilizou-se verniz ou vidro para melhor fixação e acabamento das mesmas. A palavra Mandala significa círculo em sânscrito. Símbolo universal, cultuado desde a antigüidade, caracteriza-se por traçados ao redor de um ponto central, obedecendo a eixos em simetria. Seu contorno exterior não é necessariamente circular, mas dá idéia de irradiar-se de um centro ou mover-se em direção a ele. Em algumas culturas, são instrumentos usados para um aprofundamento interior, um caminhar para o auto-conhecimento através da meditação. As mandalas tibetanas, construídas usando grãos de areia, mármore branco pulverizado e colorido, são conhecidas pela sua beleza e significado. Na arquitetura, as mandalas ocupam um lugar importante, constituindo o desing básico de muitas cidades antigas, como Roma. Aplicada no curso de Tecnologia em Gastronomia, a técnica das mandalas de grãos como manifestação da arte interior, foi avaliada positivamente pelos alunos como forma de desenvolver as habilidades manuais, coordenação motora, harmonia de cores e formas, escolha de materiais, capacidade de criação artística e senso crítico, além de levar a concentração, organização, dedicação, tolerância e paciência, características estas que foram despertadas e podem ser exploradas pelos acadêmicos em seus futuros trabalhos profissionais. Palavras-chave: criação artística, habilidades manuais, criatividade, cores, sementes.

9 Nome do Pesquisador(Aluno): Bruna Andrade de Faria, Daiana Viana Pontes, Maria Luisa C. C. dos Santos, Matheus A. de L. Bruno. Raquel Braga, Sônia Maria de Oliveira Dantas e Remilton Viana da Paixão Titulação do Orientador: Professor Doutor Cardápio Indígena. Este trabalho tem por objetivo apresentar a forma como o autor Luis da Câmara Cascudo pensou a contribuição indígena para a constituição de uma cozinha brasileira. O autor afirma que o primeiro depoimento sobre a alimentação indígena no Brasil é a carta de Pero Vaz de Caminha de 1 de maio de O cardápio tupiniquim constava de mandioca confundida pelos portugueses com inhame, peixes, frutos do mar e outras sementes encontradas na natureza, pois eles não plantavam nem criavam animais. Em suas preparações não usavam condimentos, o sabor dos alimentos era considerado insosso pelos exploradores. Os métodos de cocção usados pelos indígenas era o moquém e o biaribi. Os índios durante muitos anos e até hoje utilizam a mandioca que alimenta os nativos e escravos, permanecendo atualmente nas mesas brasileiras. Nessa época faziam pirão e mingau para as crianças e doentes, com farinha de mandioca. O pirão legítimo feito de farinha de mandioca só se come no Brasil. O milho também era importante na alimentação, mas não tanto quanto a mandioca. Os indígenas conhecem a banana vinda da África, não as comiam cru, mas cozida, assada, tomadas com bebidas e caldos. As cunhãs conhecem com as portuguesas os temperos de suas hortas. Um deles é a pimenta vermelha e amarela que comiam com peixes e farinha. Não havia temperos nas panelas indígenas, os condimentos eram posteriores ao cozimento. Os indígenas não conheciam sal, mas sabiam como tirar sal das flores das palmeiras. Não usavam o óleo das palmeiras na panela, só usavam no preparo de remédios e para se embelezar. Indígenas e negros eram fanáticos por pimenta, substituíam até mesmo o sal por elas. Faziam suas próprias bebidas com folhas de mandiocas e raízes maceradas que mascavam e colocavam novamente no pote para fermentar, estas bebidas eram servidas em dia de festas. No cardápio não haviam incluídas muitas espécies vegetais. A presença dos europeus no Brasil provocou uma transformação imensa, pois introduziram a agricultura, a pecuária, a produção de leite de vacas, cabras, ovelhas que não foram muito apreciados. A carne das galinhas não era apreciada pelos nativos porque não comiam seus animais de estimação. Quanto a seus ovos algumas tribos achavam-nos repugnantes, mas comiam ovos de jacaré. Conclui-se que herdamos dos indígenas a base da nutrição popular, os complexos alimentares a mandioca, milho, batata, feijão dentre outras, decisivas na alimentação brasileira. Palavras-chave: portugueses, mandioca e pimenta

10 Nome do Pesquisador(Aluno): João Vitor Hideki Nakagawa Nome do Orientador: Prof LEANDRO HENRIQUE MAGALHAES Titulação do Orientador: História da Gastronomia Ementa Portuguesa. INTRODUÇÃO: Este material tem como objetivo falar sobre a ementa portuguesa, maneira de como se alimentavam, a diferença de classes sociais dentro da gastronomia, forma de armazenamento da comida durante as navegações. Baseada no texto sobre a ementa portuguesa de Luís da Câmara.RESUMO: Os portugueses chegaram para mudar e construir uma gastronomia brasileira, aonde só se comia carne de animais selvagens e pescados que foram aperfeiçoados devido a mistura da alimentação portuguesa com as comidas indígenas. O sal, novidade entre os nativos era marcante na conservação dos peixes em Portugal, o açúcar evidente em doces e gulodices, carnes de animais nunca vistas servidas de modo a impressionar escravos e índios, animais recheados com especiarias e aromáticos substituindo as vísceras, os ovos foram usados para grande parte da gastronomia brasileira, deram ênfase nas fritadas, doces e bolos, as frutas eram vistas como sobremesa dos mais pobres, a sobremesa real eram os doces de açúcar. Sobre a alimentação dos portugueses existem registros que eles comiam muito. Com as navegações, especiarias e o livro A arte de cozinha a gastronomia dos nobres portugueses mudou. O cardápio popular é permanente na cultura humana. Sempre depois da refeição teria de adoçar o paladar, e o mel era a fonte de açúcar. O mel era tão valioso que servia para pagar impostos. Mas depois que o açúcar surgiu, a população teve acesso em geral. Os doces sempre foram melhores nos conventos, pois era obrigatório o exercício de confeitaria. Nas navegações eles não se importavam muito com o valor nutricional, mas sim para a sobrevivência. A bordo só consumiam alimentos em conserva ou em salmoura e muito biscoito. Uma carga importante era a água, usada para cozinhar e beber, muitos marinheiros morriam por causa do escorbuto, e outras doenças. Depois de regularizado o tráfico entre Brasil e Portugal, entre 1570 a 1584, a farinha de mandioca e os beijus tornaram-se parte dos mantimentos dos marinheiros. Mais tarde, em 1629, a tripulação recebia outro tipo de alimentação, que foi por porções, que era composto por biscoito, manteiga e um pouco de vinagre e tinha duas vezes por semana de carne. O jantar de João Semana (1863) e a ceia d Os velhos (1879) valem como depoimentos da realidade coletiva portuguesa. Já no Brasil da mesma época sente-se a distancia diferenciada dos regimes alimentares de Portugal e Brasil. Palavras-chave: Alimentação, Portugal e Brasil.

11 Nome do Pesquisador(Aluno): Gabriel Azevedo Coelho, Sergio Luis Vieira Filho, Vinicius Mafra Coelho, Rafaela Perim, Yuri Auzzy, Daniel Silva Titulação do Orientador: Professor Doutor Instituição: Centro Universitário Filadélfia- Unifil Cardápio Indígena. Trabalho tem por objetivo apresentar a influência européia na cultura gastronômica no Brasil, especificamente nos povos indígenas, que com isso, contribuiram para a constituição de uma cozinha brasileira. O autor afirma que a cultura européia foi forte sobre os povos nativos indígenas da época, e com isso, os indígenas levaram a diante, esta influencia.o primeiro contato dos índios com a comida européia, por sinal não os agradou. O europeu trouxe diversos alimentos para o Brasil, porem, os indígenas mantiveram sua cultura. Os negros, dês de o inicio tiveram influencia em sua gastronomia no Brasil. No Brasil há uma grande variedade de raízes, confundindo os leigos que vinham de fora, pois quem aqui morava não se confundia. O inhame, por exemplo, vindo da África, era facilmente confundido pelo cará ou outras raízes. As palmeiras também foram confundidas por bananeiras pelos europeus. Nas tribos Brasileiras havia o conhecimento do fogo, usado para o preparo de alimentos, defesa, aquecimento e rituais. Os moquéns era uma espécie de grelha onde a carne ficava mais macia, foram muito apreciados, pois seguravam bem o calor nos alimentos. Em região de pouca influência européia, os indígenas começam a fabricar a farinha. Preparavam o beiju com a farinha de mandioca. A mandioca e o seu registro a todos os cronistas ajudaram a ser o alimento regular aos nativos e aos recém chegados da Europa. Há registros de preparo de farinhas, mingaus, beijus, caldos, bolos com a mandioca. A mandioca dominou o paladar português, os europeus no Brasil ampliaram as roçarias de mandioca. Das raízes mascadas era feito bebida fermentada, muito apreciada pelos nativos, Naquele tempo as bebidas alcoólicas feitas por nativos eram somente consumidas em grupos. Alem desta bebida, muitas outras foram criadas, com poupa de frutas mascadas ou prensadas surgindo tanto bebidas quanto caldos e molhos condimentados. As matérias-primas mais usadas para as bebidas eram: mandioca, milho, arroz, açaí. O destilado foi trazido pelo branco. O brasileiro em seus princípios só colhia o que a natureza oferecia, não havia provisões de alimentos com exceção da batata, mandioca, milho e outro alimentos de base. Com os europeus novos sabores, plantas e animais foram introduzidos, o consumo de diferentes frutas em diferentes estações agora era mais vasto. Os indígenas assavam a carne em moquéns ou folhas de bananeiras. Palavras-chave: Indígenas, Europeus, Portugueses

12

CULINÁRIA QUILOMBOLA: A BUSCA PELO RESGATE DA IDENTIDADE GASTRONÔMICA ALAGOANA.

CULINÁRIA QUILOMBOLA: A BUSCA PELO RESGATE DA IDENTIDADE GASTRONÔMICA ALAGOANA. CULINÁRIA QUILOMBOLA: A BUSCA PELO RESGATE DA IDENTIDADE GASTRONÔMICA ALAGOANA. Isabela Maria Pereira Barbosa. 1 RESUMO O presente trabalho propõe a busca por uma identidade gastronômica em Alagoas, onde

Leia mais

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL?

COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? O Ministério da Saúde está lançando a versão de bolso do Guia Alimentar para a População Brasileira, em formato de Dez Passos para uma Alimentação Saudável, com o objetivo

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

Clique aqui http://emagrecaki.com.br/medotof

Clique aqui http://emagrecaki.com.br/medotof Clique aqui http://emagrecaki.com.br/medotof Clique aqui http://emagrecaki.com.br/emagrecimentom Clique aqui http://emagrecaki.com.br/medotof ÍNDICE Pasta & Feijões 3 Perú 4 O Roti Saudável 5 Massa De

Leia mais

Receitas de sobremesas do programa SESI Cozinha Brasil fazem sucesso no verão

Receitas de sobremesas do programa SESI Cozinha Brasil fazem sucesso no verão http://portaldaindustria.com.br/agenciacni/ 03 FEV 2014 Receitas de sobremesas do programa SESI Cozinha Brasil fazem sucesso no verão Já pensou em tomar sorvete de mandioca? E doce de casca de maracujá?

Leia mais

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES.

A PIRÂMIDE QUE SEGUE ABAIXO É A BRASILEIRA, ADAPTADA POR SÔNIA TUCUNDUVA PHILIPPI AOS NOSSOS HÁBITOS ALIMENTARES. PARA SABERMOS COMO A ALIMENTAÇÃO DEVE SER EQUILIBRADA, PRECISAMOS CONHECER A PIRÂMIDE ALIMENTAR, QUE É A REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS ALIMENTOS E SUAS QUANTIDADES QUE DEVEM ESTAR PRESENTES EM NOSSA DIETA

Leia mais

Receitas Deliciosas de Aproveitamentos APRESENTAÇÃO EVITANDO O DESPERDÍCIO. Receitas deliciosas com talos, folhas e sementes

Receitas Deliciosas de Aproveitamentos APRESENTAÇÃO EVITANDO O DESPERDÍCIO. Receitas deliciosas com talos, folhas e sementes APRESENTAÇÃO A alimentação e tão necessária ao nosso corpo quanto o ar que precisamos para a nossa sobrevivência, devem ter qualidade para garantir a nossa saúde. Quando falamos em alimentação com qualidade

Leia mais

SOBRAS REQUINTADAS REAPROVEITE RESTOS ALIMENTARES NA PREPARAÇÃO DE RECEITAS ORIGINAIS E SABOROSAS REDUZA O SEU DESPERD ÍCIO ALIMENTAR

SOBRAS REQUINTADAS REAPROVEITE RESTOS ALIMENTARES NA PREPARAÇÃO DE RECEITAS ORIGINAIS E SABOROSAS REDUZA O SEU DESPERD ÍCIO ALIMENTAR SOBRAS REQUINTADAS REAPROVEITE RESTOS ALIMENTARES NA PREPARAÇÃO DE RECEITAS ORIGINAIS E SABOROSAS REDUZA O SEU DESPERDÍCIO ALIMENTAR Legumes cozidos ( ± 0,5 kg, variados) 250 gr de farinha 2dl de leite

Leia mais

Almoços Saudáveis Para Uma Semana De Moura

Almoços Saudáveis Para Uma Semana De Moura Índice Índice Massa & Feijões Perú O Roti Saudável Almoço Mexicano Pizza Saudável Vegetais Grelhados Almoços Saudáveis Para Uma Semana De Moura Massa & Feijões Este prato saudável combina feijão que enchem

Leia mais

Nome: 5º ano (4ª série): AVALIAÇÃO DE ATIVIDADES DO CONTEÚDO DO GRUPO V 2º BIMESTRE PERÍODO DA TARDE

Nome: 5º ano (4ª série): AVALIAÇÃO DE ATIVIDADES DO CONTEÚDO DO GRUPO V 2º BIMESTRE PERÍODO DA TARDE Vila Velha, de de 01. Nome: 5º ano (4ª série): AVALIAÇÃO DE ATIVIDADES DO CONTEÚDO DO GRUPO V º BIMESTRE PERÍODO DA TARDE Eixo temático: Sabor de tradição regional Total de pontos Média Pontos obtidos

Leia mais

Segredo do Emagrecimento Rápido http://www.coisasqueemagrecem.com.br/segredoemagrecimentorapido

Segredo do Emagrecimento Rápido http://www.coisasqueemagrecem.com.br/segredoemagrecimentorapido ÍNDICE Pasta & Feijões 3 Perú 4 O Roti Saudável 5 Massa De Gergelin Com Frango 7 Almoço Mexicano 8 Pizza Saudável 9 Vegetais Grelhados 10 Imformações importantes! Este Ebook não pode ser modificado / editado,

Leia mais

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima Profª. Nensmorena Preza ALIMENTO Toda substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido, pastoso ou qualquer

Leia mais

Alimentação saudável. Nídia Braz Outubro, 2012

Alimentação saudável. Nídia Braz Outubro, 2012 Alimentação saudável Nídia Braz Outubro, 2012 A alimentação tradicional portuguesa é variada, usa matérias primas diversas, preparadas de modos muito variado, quer pela indústria quer em casa. 2 Nídia

Leia mais

PORTUGUÊS 2 o BIMESTRE

PORTUGUÊS 2 o BIMESTRE Sistema de Ensino Unidade Portugal Série: 5 o ano (4 a série) Período: TARDE Data: 25/6/2008 AVALIAÇÃO DE CONTEÚDO DO GRUPO VI PORTUGUÊS 2 o BIMESTRE Nome: Turma: Valor da prova: 3,5 Nota: Eixo temático

Leia mais

NÚMERO. Alimentação: Sustentável. Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. CHICO SARDELLI DEPUTADO ESTADUAL PV

NÚMERO. Alimentação: Sustentável. Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. CHICO SARDELLI DEPUTADO ESTADUAL PV Alimentação: Sustentável NÚMERO 3 Receitas deliciosas. O seu dia a dia muito mais saboroso. Risoto de casca de Abóbora Cascas de 2kg de abóbora (ralada ) 3 xicaras de arroz cozido 1 cebola grande (picada)

Leia mais

VEGANISMO. Ideias Receitas Anticapitalismo

VEGANISMO. Ideias Receitas Anticapitalismo VEGANISMO Ideias Receitas Anticapitalismo O que é Veganismo? Veganismo é uma palavra que foi criada para diferenciar o Vegetarianismo Estrito, dieta contínua em que não se consome nada de origem animal,

Leia mais

RECEITAS SEM GLÚTEN ALERGIAS ALIMENTARES RECEITAS

RECEITAS SEM GLÚTEN ALERGIAS ALIMENTARES RECEITAS RECEITAS Souflê de brócolis (4 - Porção(ões) - 120 - Caloria(s)) Ingredientes: 100 g de queijo minas ou tofu 1 xícara de leite ou extrato de soja 2 ovos 1 colher de sopa de amido de milho (maisena) 1 pitada

Leia mais

Receita. Fundo (caldo) 2L de água Pedaços de cebola, cenoura, salsão e outros legumes que aprecie. Risoto

Receita. Fundo (caldo) 2L de água Pedaços de cebola, cenoura, salsão e outros legumes que aprecie. Risoto s Feira Fika Risoto de calabresa com limão siciliano Fundo (caldo) 2L de água Pedaços de cebola, cenoura, salsão e outros legumes que aprecie Risoto 4 dentes de alho 1 cálice pequeno de vinho branco Azeite

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Uma alimentação equilibrada proporciona uma quantidade correcta

Leia mais

Uma autêntica refeição italiana é uma verdadeira experiência culinária: um enriquecimento aos olhos e ao paladar.

Uma autêntica refeição italiana é uma verdadeira experiência culinária: um enriquecimento aos olhos e ao paladar. Uma autêntica refeição italiana é uma verdadeira experiência culinária: um enriquecimento aos olhos e ao paladar. Os italianos desfrutam de várias e prazerosas refeições ao longo do dia, com uma grande

Leia mais

ANEXO A.1 Formulário Dietético

ANEXO A.1 Formulário Dietético ANEXO A.1 Formulário Dietético I) As dietas abaixo referidas deverão cumprir com as especificações do anexo A.2 (Capitações dos alimentos de refeições confecionadas e preparações culinárias) e do anexo

Leia mais

ALIMENTARSE LOCALMENTE

ALIMENTARSE LOCALMENTE ALIMENTARSE LOCALMENTE ALIMENTAR-SE LOCALMENTE Que nos alimentamos localmente é relativamente óbvio. E, para a maior parte de nossos alimentos, isso é verdade também. Porém, há algumas tendências que levam

Leia mais

1 O número concreto. Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número

1 O número concreto. Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número Página 1 de 5 1 O número concreto Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número Como surgiu o número? Alguma vez você parou para pensar nisso? Certamente você

Leia mais

linha de sais gourmet SAC 11 4718-6436 www.linhavidagourmet.com.br

linha de sais gourmet SAC 11 4718-6436 www.linhavidagourmet.com.br linha de sais gourmet Os sais da linha VIDA GOURMET são produtos de alta qualidade com opções ilimitadas de uso. Você perceberá uma grande diferença no preparo de diversos pratos. Realce o sabor de carnes,

Leia mais

As matérias-primas alimentares frescas (após a colheita, a captura, a produção ou o abate)

As matérias-primas alimentares frescas (após a colheita, a captura, a produção ou o abate) As matérias-primas alimentares frescas (após a colheita, a captura, a produção ou o abate) são conservadas pela indústria alimentar, de modo a aumentar a sua estabilidade e o seu tempo de prateleira. 1

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR AMBROSIA PRIMAVERA ARROZ DOCE ESPECIAL PVT 10g 57g 15ml 04g Canela em pó 0,5g Arroz Água 70ml 30ml Custo médio estimado: R$ 0,13 Energia:264 Kcal. Proteína:6 g. Hidratar e escorrer o PVT; Colocar o açúcar

Leia mais

10 dicas para. comer macarrão de maneira saudável. Piccola Italia Bangu Culinária italiana saudável, feita à mão

10 dicas para. comer macarrão de maneira saudável. Piccola Italia Bangu Culinária italiana saudável, feita à mão 10 dicas para comer macarrão de maneira saudável Piccola Italia Bangu Culinária italiana saudável, feita à mão Tradicional prato da culinária brasileira, o macarrão não é geralmente considerado um bom

Leia mais

ENTRADA Salada Requintada

ENTRADA Salada Requintada ENTRADA Salada Requintada Rendimento: 6 porções (1 pires = 75 g) 1 pé de alface americana pequeno lavado 1 maço pequeno de rúcula lavado 100 g de peito de peru defumado em tiras 100 g de queijo minas em

Leia mais

Aprenda como fazer frituras de um modo mais saudável Qua, 28 de Novembro de 2012 17:04 - Última atualização Qua, 28 de Novembro de 2012 17:11

Aprenda como fazer frituras de um modo mais saudável Qua, 28 de Novembro de 2012 17:04 - Última atualização Qua, 28 de Novembro de 2012 17:11 Alimentos fritos costumam ser mais gostosos que os assados, mas também são mais calóricos e contêm gorduras que fazem mal à saúde. Por isso, o Bem Estar desta quarta-feira, 28, ensinou opções melhores

Leia mais

Misturar todos os ingredientes. Fazer bolinhas e fritar em óleo quente. Escorrer em papel toalha e servir.

Misturar todos os ingredientes. Fazer bolinhas e fritar em óleo quente. Escorrer em papel toalha e servir. 1 BOLINHO DE JACARÉ I 1 kg. de carne de jacaré moída 100 g. de farinha de milho ou farinha de mandioca flocada 3 ovos inteiros 3 dentes de alho, picadinhos pimenta-do-reino e salsinha e cebolinha bem picadinhas

Leia mais

Saúde Bucal (Cartilha)

Saúde Bucal (Cartilha) SAÚDE BUCAL 2014. Secretaria de Saúde do Estado da Bahia- SESAB. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta o bra, desde que citada a fonte e que não seja para venda

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DO EXCELENTÍSSIMO DEPUTADO FERNANDO DE FABINHO SOBRE O DIA DO PADEIRO E DO PANIFICADOR SRAS. DEPUTADAS, SRS. DEPUTADOS, SR.

PRONUNCIAMENTO DO EXCELENTÍSSIMO DEPUTADO FERNANDO DE FABINHO SOBRE O DIA DO PADEIRO E DO PANIFICADOR SRAS. DEPUTADAS, SRS. DEPUTADOS, SR. PRONUNCIAMENTO DO EXCELENTÍSSIMO DEPUTADO FERNANDO DE FABINHO SOBRE O DIA DO PADEIRO E DO PANIFICADOR SRAS. DEPUTADAS, SRS. DEPUTADOS, SR. PRESIDENTE Nossa intenção hoje, dia 08 de julho, é a de homenagear

Leia mais

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós

Trabalho elaborado por: 5/29/2007 USF Valongo. Enf. Anabela Queirós Trabalho elaborado por: Enf. Anabela Queirós O que é a diabetes? Uma doença que dura toda vida Provocada pela ausência ou perda de eficácia da insulina; Provoca a subida de açúcar no sangue A diabetes

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg I - CHOCOLATES 1.1 Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg 1704.90.10 1.2 Chocolates contendo cacau, em embalagens de conteúdo inferior 1806.31.10 ou igual a 1kg 1806.31.20

Leia mais

JANTAR CUBANO - JAMANTARIA

JANTAR CUBANO - JAMANTARIA JANTAR CUBANO - JAMANTARIA Em: 27/06/2009 Local: Chácara Recanto Feliz França Sejam Bem Vindos Vinhos da Degustação ão Degustação a cegas Três varietais História de Cuba versus comida e bebida típicast

Leia mais

Tabule Rendimento 4 porções

Tabule Rendimento 4 porções Tabule Rendimento 4 porções - 4 tomates picados - 1 xícara (chá) de trigo para quibe - 1 cebola picada - 1 pepino com casca picado em cubos - 1/2 xícara (chá) de salsinha picada - 1/4 xícara (chá) de cebolinha

Leia mais

TÍTULO: ALIMENTAÇÃO DA POPULAÇÃO NEGRA E INDIGENA EM LONDRINA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A CULTURA ALIMENTAR LONDRINENSE CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: ALIMENTAÇÃO DA POPULAÇÃO NEGRA E INDIGENA EM LONDRINA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A CULTURA ALIMENTAR LONDRINENSE CATEGORIA: CONCLUÍDO TÍTULO: ALIMENTAÇÃO DA POPULAÇÃO NEGRA E INDIGENA EM LONDRINA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A CULTURA ALIMENTAR LONDRINENSE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: HISTÓRIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

CONCURSO DOS ESTABELECIMENTOS

CONCURSO DOS ESTABELECIMENTOS CONCURSO DOS ESTABELECIMENTOS REGULAMENTO 2015 O Concurso Gastronômico, uma das atrações do Festival Gastronômico da Pipa, tem como objetivos o aprimoramento das técnicas gastronômicas e o incentivo à

Leia mais

Orientações para o preparo da papinha.

Orientações para o preparo da papinha. Orientações para o preparo da papinha. Olha o aviãozinho... As primeiras refeições são muito importantes para o bebê. Quando começa a comer outros alimentos além do leite materno, ele descobre novos sabores,

Leia mais

Grande Diploma. Diploma de Cozinha. Diploma de Confeitaria. Certificado de Cozinha Básica. Certificado de Confeitaria Básica

Grande Diploma. Diploma de Cozinha. Diploma de Confeitaria. Certificado de Cozinha Básica. Certificado de Confeitaria Básica Duração 2 anos Grande Diploma Valor $57.000 A taxa de diploma inclui Ingredientes, uniformes, conjunto de facas Wüsthof e 2 livros Diploma de Cozinha Diploma de Confeitaria Horas por semana 18 Certificado

Leia mais

Grande Diploma. Diploma de Cozinha. Diploma de Confeitaria. Certificado de Confeitaria Básica. Certificado de Cozinha Iniciante

Grande Diploma. Diploma de Cozinha. Diploma de Confeitaria. Certificado de Confeitaria Básica. Certificado de Cozinha Iniciante 1 ano Grande Diploma 5.525.000 Diploma de Cozinha Diploma de Confeitaria Certificado de Cozinha Iniciante Certificado de Cozinha Básica Certificado de Confeitaria Básica Certificado de Confeitaria Intermediária

Leia mais

10 Alimentos importantes para sua saúde.

10 Alimentos importantes para sua saúde. 10 Alimentos importantes para sua saúde. 10 Alimentos importantes para sua saúde. Os alimentos funcionais geram inúmeros benefícios para o organismo. Como muitas patologias se desenvolvem por deficiência

Leia mais

Anexo A. Descrição e especificação dos tipos de dietas de refeições confeccionadas

Anexo A. Descrição e especificação dos tipos de dietas de refeições confeccionadas Anexo A Descrição e especificação dos tipos de dietas de refeições confeccionadas I) As dietas abaixo referidas deverão cumprir com as especificações do anexo B (Capitações máximas dos alimentos de refeições

Leia mais

CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO

CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a alimentação apresentação Uma boa saúde é, em grande parte, resultado de uma boa alimentação. Há muita verdade no dito

Leia mais

20 Receitas Econômicas e Nutritivas

20 Receitas Econômicas e Nutritivas 20 Receitas Econômicas e Nutritivas 1. ALMEIRÃO COM SOBRAS DE ARROZ 1 maço de almeirão 1 cebola picada 1 dente de alho 2 xícaras (chá) de arroz cozido 1 e 1/2 colher (sopa) de óleo Escolha e lave bem o

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 LISTA DE EXERCÍCIOS 01 01 - (Unicamp 2014) Desde o período neolítico, os povos de distintas partes do mundo desenvolveram sistemas agrários próprios aproveitando as condições naturais de seus habitats

Leia mais

Amadora Sintra ALIMENTAÇÃO

Amadora Sintra ALIMENTAÇÃO Amadora Sintra ALIMENTAÇÃO no 1º ano de vida INÍCIO DA DIVERSIFICAÇÃO A diversificação pode ser iniciada após os 4 meses. Substituir uma refeição de leite por: Papa sem glúten ou caldo de legumes (antes

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

A diversificação não deve ser iniciada antes dos 4 meses nem depois dos 6 meses

A diversificação não deve ser iniciada antes dos 4 meses nem depois dos 6 meses Início da Diversificação A diversificação não deve ser iniciada antes dos 4 meses nem depois dos 6 meses Substituir uma refeição de leite por: Papa sem glúten ou sopa de legumes (antes dos 6 meses) Papa

Leia mais

DIÁRIO DO CHOCOLATE: Receitas

DIÁRIO DO CHOCOLATE: Receitas Chocolate &... As notas a seguir são relativas a com chocolate puro e não com sobremesas de chocolate. A busca pelo encontro perfeito com uma sobremesa de chocolate irá requerer a análise de todos os contidos,

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA!

GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA! GUIA DE BOLSO Outono combina Com SOPA! Sumário Introdução Composição da sopa Benefícios da sopa Que quantidade de sopa devo comer por dia? Sopa no início ou depois do prato principal? Receitas de sopas

Leia mais

Modo de fazer RECEITAS PARA PESSACH CHAROSSET. Ingredientes. 2 xícaras de maçã ralada. ½ xícara de amêndoas. ½ xícara de nozes

Modo de fazer RECEITAS PARA PESSACH CHAROSSET. Ingredientes. 2 xícaras de maçã ralada. ½ xícara de amêndoas. ½ xícara de nozes RECEITAS PARA PESSACH CHAROSSET 2 xícaras de maçã ralada ½ xícara de amêndoas ½ xícara de nozes ½ xícaras de uvas passas 2 colheres (sopa) de açúcar ½ colher (chá) de canela em pó vinho tinto Picar as

Leia mais

1 lata de abóbora em calda, 2 xícaras de açúcar, 4 ovos, 4 colheres de açúcar, 2 colheres de maisena, 1 litro de leite, 1 copo de leite

1 lata de abóbora em calda, 2 xícaras de açúcar, 4 ovos, 4 colheres de açúcar, 2 colheres de maisena, 1 litro de leite, 1 copo de leite ABÓBORA COM CREME 1 lata de abóbora em calda, 2 xícaras de açúcar, 4 ovos, 4 colheres de açúcar, 2 colheres de maisena, 1 litro de leite, 1 copo de leite 1 Leve as 2 xícaras de açúcar em uma panela ampla

Leia mais

A conquista do Sertão. Expedições de apresamento

A conquista do Sertão. Expedições de apresamento A conquista do Sertão Expedições de apresamento As bandeiras contribuíram para a expansão do território em direção ao interior, porém houve muitas mortes de nativos. O principal alvo era as missões dos

Leia mais

Gomas de mascar com ou sem açúcar. Bebidas prontas à base de mate ou chá. Preparações em pó para a elaboração de bebidas

Gomas de mascar com ou sem açúcar. Bebidas prontas à base de mate ou chá. Preparações em pó para a elaboração de bebidas Abrangência: operações interestaduais entre contribuintes situados em São Paulo e contribuintes situados em Sergipe. Produto: alimentícios. Conteúdo: relação de Margem de Valor Agregado. Base Legal: Protocolo

Leia mais

( ) As cavalhadas e procissão do fogaréu são as representações culturais mais populares.

( ) As cavalhadas e procissão do fogaréu são as representações culturais mais populares. COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Troca do livro LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA - 5 ano 5 ano A e B Semana de 2 a 6 de junho de 2014. quarta-feira Texto para as lições de Português. A diversidade cultural

Leia mais

www.academiaesaude.com

www.academiaesaude.com INDICE Lanche Ao Acordar 2 Maça 2 Melância 2 Panquecas 2 Barra De Energia Matinal 8 Omelete 10 Muesli 2 SANDUICHE AO ACORDAR Você vai querer acordar para este sanduíche na manhã café da manhã. Ingredientes

Leia mais

Hábitos alimentares das primeiras civilizações à atualidade. Profª Patrícia Ceolin Grassi

Hábitos alimentares das primeiras civilizações à atualidade. Profª Patrícia Ceolin Grassi Hábitos alimentares das primeiras civilizações à atualidade Profª Patrícia Ceolin Grassi Influências na alimentação Brasileira Ao decorrer dos tempos houveram inúmeras variações, desde ingredientes,

Leia mais

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement.

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement. O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 Depois da colheita os galhos cortados são usados para cobrir a terra. Isto protege contra erosão, guarda a humidade e melhora a terra com matéria orgânica, assim que segura

Leia mais

treinofutebol.net treinofutebol.net

treinofutebol.net treinofutebol.net Alimentação do Desportista A alimentação pode influenciar positiva ou negativamente o rendimento dum atleta, devendo consequentemente ser orientada no sentido de não só melhorar a sua capacidade desportiva,

Leia mais

PROGRAMA DE TREINO DE COMPETÊNCIAS DE GESTÃO DOMÉSTICA ECONOMIA ALIMENTAR

PROGRAMA DE TREINO DE COMPETÊNCIAS DE GESTÃO DOMÉSTICA ECONOMIA ALIMENTAR de formação PROGRAMA DE TREINO DE COMPETÊNCIAS DE GESTÃO DOMÉSTICA ECONOMIA ALIMENTAR 16 HORAS Página 1 de 11 INTRODUÇÃO O Programa de Treino de Competências Básicas de Gestão Doméstica Economia Alimentar

Leia mais

Receitas MENOS SAL MAIS SABOR A VIDA. Fazer bem está na nossa NATUREZA.

Receitas MENOS SAL MAIS SABOR A VIDA. Fazer bem está na nossa NATUREZA. Receitas Uma iniciativa Com o apoio Fazer bem está na nossa NATUREZA. Menos Sal, Mais Sabor a Vida é a iniciativa da sua Unidade de Saúde Familiar pensada para apontar novos caminhos para a sua saúde cardiovascular.

Leia mais

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0116-4/99 Cultivo de outras

Leia mais

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL GUIA ALIMENTAR COMO TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL A promoção da alimentação saudável é uma diretriz da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e uma das prioridades para a segurança alimentar e nutricional

Leia mais

ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1. * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010.

ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1. * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010. ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1 * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010. NAS OPERAÇÕES COM PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Acrescentado pelo DECRETO nº 26.258 de 30.12.2009 DOE: 30.12.2009

Leia mais

Guia Alimentar para a População Brasileira

Guia Alimentar para a População Brasileira Guia Alimentar para a População Brasileira Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Departamento de Atenção Básica Secretaria de Atenção à Saúde Ministério da Saúde Revisão do Guia Alimentar para a

Leia mais

ÍNDICE TORTA DE BATATA COM CARNE... 01 ISCAS À MODA CHINESA... 02 FRANGO COM ABOBRINHA... 03 BIFE GRELHADO... 04 FRANGO COM PEPINO À CHINESA...

ÍNDICE TORTA DE BATATA COM CARNE... 01 ISCAS À MODA CHINESA... 02 FRANGO COM ABOBRINHA... 03 BIFE GRELHADO... 04 FRANGO COM PEPINO À CHINESA... RECEITUÁRIO-PADRÃO ÍNDICE TORTA DE BATATA COM CARNE... 01 ISCAS À MODA CHINESA... 02 FRANGO COM ABOBRINHA... 03 BIFE GRELHADO... 04 FRANGO COM PEPINO À CHINESA... 05 CAÇAROLA MEXICANA DE PEIXE... 06 CARNE

Leia mais

Livro de Receitas. Receitas do. Chef César Santos

Livro de Receitas. Receitas do. Chef César Santos Livro de Receitas Receitas do Chef César Santos Camarão com arroz de coco Ingredientes: 400 g de filé de camarão 10 quiabos médios 50 g de pimentão verde 50 g de pimentão amarelo 50 g de pimentão vermelho

Leia mais

Cafè da Manhã Saudável Para 5 dias da Semana www.vidabemestar.com

Cafè da Manhã Saudável Para 5 dias da Semana www.vidabemestar.com Cafè da Manhã Saudável Para 5 dias da Semana www.vidabemestar.com INDÍCE Maçã 3 Melância 4 Panquêca 5 Barra De Energia Matinal 6 Omelete 8 Acesse o Site Para ficar por dentro das novidades www.vidabemestar.com/

Leia mais

Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014

Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014 Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014 PRODUTOS Jan-Jun 2013 Jan-Jun 2014 Crescimento 2013/2014 Outras frutas de casca rija e outras sementes, preparadas ou

Leia mais

Sugestão de Editorial

Sugestão de Editorial Sugestão de Editorial Cresce a demanda por produtos vegetais alternativos ao leite Este movimento de substituição já é global As bebidas vegetais, uma alternativa aos produtos lácteos, estão entre os itens

Leia mais

Praça do Município, Posto de Turismo 5470-214 Montalegre Tel: 276-510-200 Fax: 276-510-201 Correio electrónico: fernandopreira@iol.

Praça do Município, Posto de Turismo 5470-214 Montalegre Tel: 276-510-200 Fax: 276-510-201 Correio electrónico: fernandopreira@iol. Praça do Município, Posto de Turismo 5470-214 Montalegre Tel: 276-510-200 Fax: 276-510-201 Correio electrónico: fernandopreira@iol.pt 1 2 Boaventura Silva Mendes Moura Manuel João Soeira de Moura Germano

Leia mais

Sugestões de refeições para o Dia de S. Valentim. Inclui receitas

Sugestões de refeições para o Dia de S. Valentim. Inclui receitas Sugestões de refeições para o Dia de S. Valentim Inclui receitas Ficha Técnica Título: Sugestões de refeições para o Dia de S. Valentim Concepção: Mariana Barbosa Corpo redactorial: Mariana Barbosa Revisão:

Leia mais

Massa Cozida. Ingredientes. Modo de Preparo

Massa Cozida. Ingredientes. Modo de Preparo Massa Cozida 5 kg de farinha de trigo (fique atento à umidade da farinha) 9 a 9,5 litros de água 300gr margarina 80% de lipídio 50 ml de óleo Sal e caldo de galinha a gosto 1. Ferver em fogo alto a água,margarina

Leia mais

RECEITAS JUNINAS 2º 2 a º no n D Professora Juliana n 20 2 11

RECEITAS JUNINAS 2º 2 a º no n D Professora Juliana n 20 2 11 RECEITAS JUNINAS 2º ano D Professora Juliana 2011 INTRODUÇÃO Através de pesquisas de receitas típicas de festa junina, o grupo Reciclar selecionou algumas para digitar e ilustrar e assim construir um caderno

Leia mais

Limite máximo (g/100g ou g/100ml) Legislação. Mistela composta R 04/88

Limite máximo (g/100g ou g/100ml) Legislação. Mistela composta R 04/88 INS 100i CÚRCUMA, CURCUMINA Função: Corante Amargos e aperitivos Cereja em calda (para reconstituição da cor perdida durante processamento) Queijos (exclusivamente na crosta) Iogurtes aromatizados Leites

Leia mais

Receitas com farinhas e sucos de frutas

Receitas com farinhas e sucos de frutas Farofa de farinha de banana verde 150 g de farinha de mandioca 150g de farinha de banana verde 4 unidades de tomates picados em quadrados pequenos 1 unidade média de abobrinha verde picada em quadrados

Leia mais

AULA VIVÊNCIANDO O BRASIL - RECEITAS

AULA VIVÊNCIANDO O BRASIL - RECEITAS Caldo de feijão branco Feijão branco Paio cortado em cubos pequenos Bacon cortado em cubos pequeno Cebola cortada em cubos pequenos Alho amassado Azeite Água Quanto baste Louro fresco Sal Quanto baste

Leia mais

A roda dos alimentos. A antiga roda dos alimentos

A roda dos alimentos. A antiga roda dos alimentos Ano: 2010/2011 Disciplina: Educação Física Professora: Rita Marques Trabalho realizado por: Andreia Cipriano Catarina Silva Jéssica Pereira Mónica Algares Patrícia Martinho A roda dos alimentos Para se

Leia mais

10 Receitas de Sobremesas Lights. www.empazcomabalanca.com.br

10 Receitas de Sobremesas Lights. www.empazcomabalanca.com.br 10 Receitas de Sobremesas Lights GELATINA COM MOUSSE DE LEITE CONDENSADO Tempo de preparo: 30 minutos; Dificuldade: Simples Mão na massa Ingredientes 3 iogurtes desnatados; 1 copo de leite desnatado; 8

Leia mais

Segredo do Emagrecimento Rápido http://www.coisasqueemagrecem.com.br/segredoemagrecimentorapido

Segredo do Emagrecimento Rápido http://www.coisasqueemagrecem.com.br/segredoemagrecimentorapido 1 INDICE Sanduiches Ao Acordar 2 Maça 3 Melância 4 Panquecas 5 Barra De Energia Matinal 7 Omelete 9 Muesli 11 Imformações importantes! Este Ebook não pode ser modificado / editado, vendido, mas pode ser

Leia mais

Chef Cristiane Corrêa

Chef Cristiane Corrêa Chef Cristiane Corrêa Bem Casado Tradicional Ingredientes: Massa 6 ovos ½ xícara de açúcar 1 e ½ xícara de farinha de trigo 1 colher de chá (rasa) de fermento em pó 50ml de óleo Recheio 1 lata de creme

Leia mais

A exposição Mesas Regionais Brasileiras é uma oportunidade cultural deliciosa para sua cidade, escola,empresa,etc.

A exposição Mesas Regionais Brasileiras é uma oportunidade cultural deliciosa para sua cidade, escola,empresa,etc. Exposição Mesas Brasileiras Um passeio pela gastronomia regional do Brasil. Uma exposição dos principais pratos que representam o melhor da tradição culinária brasileira. Uma oportunidade única para se

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 4, DE 30 DE MARÇO DE 2012

PROTOCOLO ICMS 4, DE 30 DE MARÇO DE 2012 PROTOCOLO ICMS 4, DE 30 DE MARÇO DE 2012 Publicado no DOU de 09.04.12 Altera o Protocolo ICMS 28/09, que dispõe sobre a substituição tributária nas operações com produtos alimentícios. Os Estados de Minas

Leia mais

Alimentação na Antiguidade Clássica Greco-Romana

Alimentação na Antiguidade Clássica Greco-Romana Problematização Alimentação na Antiguidade Clássica Greco-Romana O que distingue a civilização da barbárie, o homem civilizado do bárbaro e do selvagem? Ementa de um Banquete Romano Aperitivos Tetas de

Leia mais

Receitas colesterol. Pizza marguerita de berinjela - Mariana e Priscila Ingredientes

Receitas colesterol. Pizza marguerita de berinjela - Mariana e Priscila Ingredientes Receitas colesterol Pizza marguerita de berinjela - Mariana e Priscila Ingredientes 2 berinjelas grandes (870g); 6 claras levemente batidas (180g); 2 dentes de alho grandes (15g); 12 colheres (sopa) de

Leia mais

Caldeirada de Peixe. Bolinho de Siri. Ingredientes: Modo de preparo: Ingredientes:

Caldeirada de Peixe. Bolinho de Siri. Ingredientes: Modo de preparo: Ingredientes: Caldeirada de Peixe - 4 cebolas médias -8 dentes de alho - 6 tomates médios - 1/2 pimentão verde - 1/2 pimentão vermelho - 1/2 pimentão amarelo - 3 folhas de louro - salsa - coentro - 1,5kg batata - 2kg

Leia mais

18 RECEITAS FÁCEIS E SAUDÁVEIS PARA O SEU DIA A DIA. Fabiana Nanô

18 RECEITAS FÁCEIS E SAUDÁVEIS PARA O SEU DIA A DIA. Fabiana Nanô 18 RECEITAS FÁCEIS E SAUDÁVEIS PARA O SEU DIA A DIA Fabiana Nanô O que você encontrará neste ebook? Este ebook contém 18 receitas deliciosas para você fazer no dia a dia. São receitas fáceis de se preparar

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade: Curso: NUTRIÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE Disciplina: INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO Carga horária: Teórica 40 Prática 40 Semestre: 1 Turno:

Leia mais

BRIGADERIA VEGANA APRESENTAÇÃO

BRIGADERIA VEGANA APRESENTAÇÃO BRIGADERIA VEGANA APRESENTAÇÃO UM SONHO Nascido de um Sonho de promover, para o público vegano, o doce mais brasileiro do mundo: o Brigadeiro Gourmet! Com ingredientes nobres e selecionados, proporcionamos

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Receitas Salgadas Molho Básico de Carne Moída Arroz Vitaminado Brasileirinho Sopa de Feijão com Macarrão, Legumes e Carne Baião

Leia mais

de Cacau COOKIE FIT Modo de Preparo Ingredientes

de Cacau COOKIE FIT Modo de Preparo Ingredientes RECEITAS Fitness COOKIE FIT de Cacau 1 xícara (chá) de farinha de amêndoas* 2 colheres de sopa de manteiga ghee ou óleo de coco 1 ovo 1/4 de xícara de chá de cacau em pó 1 colher de sopa de essência ou

Leia mais

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Projecto Celeiro da Vida Album Seriado Manual de Facilitação de Práticas Agrárias e de Habilidades para a Vida Para os Facilitadores das Jffls Galinhas saudáveis

Leia mais

Fundada em 1880 em Florença, Itália, sempre importando suas especiarias diretamente de seus países originários.

Fundada em 1880 em Florença, Itália, sempre importando suas especiarias diretamente de seus países originários. Origem: Itália Fundada em 1880 em Florença, Itália, sempre importando suas especiarias diretamente de seus países originários. Benefícios: Produto 100% italiano, De A a Z com ampla variedade de especiarias

Leia mais

LIVRO DE RECEITAS. 3ª Edição

LIVRO DE RECEITAS. 3ª Edição LIVRO DE RECEITAS 3ª Edição Os produtos Purinha vêm mais uma vez presentear você com um novo livro de receitas. Esta é a terceira edição de uma coleção com sabores incríveis conseguidos a partir das combinações

Leia mais

livro de RECEITAS festa do milho

livro de RECEITAS festa do milho livro de RECEITAS festa do milho JACI - SÃO PAULO Índice Pg. 03 Pg. 04 Pg. 05 Pg. 06 Pg. 07 Pg. 08 Pg. 09 Pg. 10 Pg. 11 Pg. 12 Pg. 13 Pg. 14 Pg. 15 Pg. 16 Pg. 17 Pg. 18 Pg. 19 Pg. 20 Pg. 21 Curau Tradicional

Leia mais

Alimentação. no primeiro ano de vida

Alimentação. no primeiro ano de vida Alimentação Trv. Noronha, nº5 A Lisboa Telef: 21 394 73 10 Fax: 21 394 73 18 Email: usf.arco@arslvt.minsaude.pt no primeiro ano de vida A diversificação alimentar deve ser iniciada entre os 4-6 meses de

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais