andança de seu povo. Foi com um líder espiritual e através de suas visões que no século

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "andança de seu povo. Foi com um líder espiritual e através de suas visões que no século"

Transcrição

1 Relatos de Iniciação Científica Idosos Indígenas e Comunicação: olhares e aproximações DOS SANTOS, Scheila 1 TORRES-MORALES, Ofelia Elisa 2 Resumo: Este projeto pretende analisar a tradicional forma de transmissão do conhecimento indígena Guarani, a oralidade, através do idoso originário pertencente ao grupo Guarani - Mbyás, da comunidade Yynn Morati Wherá 3 do município de Biguaçu, em Santa Catarina. O texto discute também o jornalismo na construção do discurso midiático sobre os idosos indígenas. Palavras-chave: Idoso; Indígena; Jornalismo; Oralidade; Cultura Guarani 1 Pajé, Karaí: O Elo entre gerações Entre a história e as estórias há diferenças. Qual é a que marca a legitimidade da existência dos povos originários na América Latina? A milenar cultura da Nação Guarani está relacionada com o saber viver dos povos, com a terra, com a natureza, os animais e a disponibilidade de aprender com outras culturas, no movimento de troca, onde se aprende e se ensina. A sociabilidade do Guarani pode ser entendida na medida que utilizam a língua de outros povos para se comunicarem. 1 Acadêmica do Curso de Jornalismo do Instituto Blumenauense de Ensino Superior IBES. Contato: ; 2 Professora-orientadora do Curso de Jornalismo do Instituto Blumenauense de Ensino Superior IBES. Doutora em Jornalismo pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Contato: ; 3 Águas Limpas, ou claras Tradução para a língua portuguesa do nome da aldeia. O nome foi traduzido por Geraldo, membro da aldeia através de entrevista de campo realizada no dia 08 de setembro de

2 Mas, quantos de nós da sociedade nacional 4 sabemos o idioma Guarani? Eis então um ponto da sociabilidade dos povos originários. O máximo expoente da cultura guarani está na essência do membro mais velho de cada comunidade indígena. A sobrevivência da cultura Guarani, ágrafa por natureza, depende da oralidade dos membros da família, em especial dos idosos da comunidade. Os povos originários construíram a história através da memória. Através da oralidade dos mais velhos que, por meio de relatos sobre o passado da etnia, revela e cria um vínculo entre os jovens e sua história. Fato significativamente importante para a expansão idiomática e a preservação cultural. O relacionamento dos mais velhos com os mais jovens, propõe um círculo de amizade e respeito mútuo. Buscam juntos, novos e antigos conhecimentos em estreita harmonia com a dinâmica da vida, sem perder a identidade Guarani. A partir dos 40 anos 5 o membro da comunidade Yynn Morati Wherá é considerado idoso. Que não tem haver com a idade cronológica, como na sociedade nacional, mas pelo conhecimento acumulado da comunidade em que vive. Este pode aconselhar e orientar em caso de ser solicitado para esta tarefa. Entretanto há um membro que imprime o passado e o futuro das gerações Guarani: o Pajé ou Karai 6. Os mais velhos da comunidade contam com um valor especial por serem os fios condutores da cultura, da língua, dos costumes, dos rituais. Destes últimos, os Pajés são líderes religiosos que oralmente transmitem os conhecimentos de seu povo para os mais jovens. Respeitados por sua sabedoria diante das inquietudes dos mais jovens, são consultados enquanto líderes sobre as mais variadas situações políticas e estruturais como a andança de seu povo. Foi com um líder espiritual e através de suas visões que no século XIX, os Guaranis deixaram seu passado com os colonizadores para encontrar a Terra sem Males. Em sua expedição foram guiados por um líder. 4 Sociedade nacional: termo utilizado pela FUNAI, entre outras entidades, para designar os não indígenas ou brancos. 5 Para o povo guarani, aproximadamente aos 40 anos se atinge a sabedoria sobre seu povo conforme é detalhado no Relatório de Produção. 6 Líder religioso da aldeia. Além do conhecimento físico da nação originária, é por ele que os membros estabelecem a comunicação entre o céu e a terra, entre o visível o invisível. È consultado também em questões políticas da comunidade. A diferença dos outros membros idosos da comunidade é o conhecimento e experiência da vida espiritual que o faz um guia. 2

3 Na comunidade Yynn Morati Wherá, localizada próximo a Biguaçu, em Santa Catarina, o líder religioso chama-se Alcindo Wherá Moreira, de 96 anos. A comunidade está organizada como uma grande família, como sempre foi de costume dos Guaranis, a organização através de grandes grupos familiares. Atualmente conta com aproximadamente 32 famílias descendentes do Pajé Alcindo que somam 124 pessoas 7. O contexto social dos membros da comunidade se divide em grupos e atividades profissionais que se relacionam com as tradições e uma visão macro do mundo. Alguns membros são profissionais e trabalham para empresas e outros ofícios. Mas, Alcindo, o pajé, cuida da plantação. A colheita é distribuída entre todos. Inclui uma alimentação rica em milho, feijão e mandioca, que sempre fizeram parte da dieta guarani. O relacionamento íntimo com a natureza permanece como nas origens. Apenas pescam se necessário, da terra tomam o que lhes servirá para consumo sem desperdícios. A terra teve e terá, para as comunidades indígenas, um sentido vital para a sobrevivência sendo elas parte da natureza, e não ao contrário, tal como nas sociedades que priorizam a acumulação de bens, onde em nome da expansão, a natureza atrapalha o desenvolvimento. 2 Imagens Guaranis e Jornalismo A soma dos esforços e da recepção da comunidade Guarani para a academia será representada por este trabalho que, quando entregue à sociedade, como parte do que histórica e politicamente lhes é negado, pretenderá esclarecer parte de uma injustiça estrutural. Porém, gostaríamos de deixar um ponto de questionamento para salientar e multiplicar futuros encontros entre a acadêmica de Comunicação Social junto à comunidade, na tentativa de aproximar e promover o entendimento das diversas culturas através da compreensão do modo de vida, neste caso do grupo étnico Guarani. A motivação surge a partir do Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros o qual preconiza, no Art. 6 parágrafo I, a necessidade em divulgar todos os fatos que sejam de interesse público. Nesse sentido, será de interesse público que os povos originários 7 A contagem nos foi informada por Geraldo, membro da comunidade em pesquisa de campo realizada em 08 de setembro, na comunidade em Biguaçu. 3

4 continuem a ser desalojados de seu ambiente natural, em prol do crescimento das cidades? Considera-se relevante para o jornalismo e para a comunidade em geral saber das formas de pensamento Guarani, a fim de romper com pré-conceitos relacionados à cultura e forma de vida da comunidade. De forma que possamos repensar na própria diversidade culturalétnica. Embora, o público não se reconheça diante da multiplicidade das raças (índios, negros, mulatos, brancos, mestiços) comportamento herdado da tentativa de branqueamento da pele. Nosso trabalho, embora não seja inédito, trata de um tema especifico: a transmissão do conhecimento através da oralidade do idoso indígena. Entretanto, consideramos esse tema relevante para as áreas das ciências sociais, a preservação do conteúdo cultural de um povo através do idoso, da memória e da oralidade, registrados senão por instantes, que o idoso originário preserva através da comunicação oral. Os indígenas são observados pela ciência das diversas áreas, e ao público lhe chama atenção, ao diferente e, através da imprensa, o interesse ao diferente é legitimado nas mais diferentes discursos das ciências sociais. Desde a época em que tiveram que se deslocar das matas para encontrar a Terra Sem Males, é que a Nação Guarani vive em luta pela reintegração de posse e alguns grupos vivem em permanente migração em todo litoral brasileiro e região sul. Os descendentes da nação Guarani Yynn Moroti Wherá de Biguaçu mantêm a tradição nômade de seu povo e alguns membros se transladam a outras comunidades Guarani, orientados pelo Pajé. A grande família que vive na comunidade retratada na presente pesquisa descende dos Carijós, que habitavam a ilha de Santa Catarina, e de lá foram expulsos pela colonização. Conforme relato oral 8 do Cacique Milton Moreira Wherá Mirim, mais ou menos por volta de índios e mulheres e crianças habitavam a Ilha de Santa Catarina. Nesta época ainda não tinham muito contato com homens brancos: 8 Relato oral ao jornalista, Ozias Alves Jr. Disponível: 4

5 A comunidade indígena Yynn Moroti Wherá está assentada as margens da BR 101 a dezesseis anos. O direito de reintegração das terras ainda não chegou para outras comunidades Guaranis, como a de Morro dos Cavalos, em Palhoça. 2.1 Comunicação: outro jornalismo é possível O jornalismo é uma ferramenta dentro do sistema de comunicação, que pretende trazer o que está oculto, na macro visão, da sociedade para a sociedade. Conforme Dines (apud Duarte, 2004, p.25), o jornalismo é a busca das circunstancias. Técnica que se destina, antes de tudo, ao estudo e tratamento dos fatos. É dinâmica porque lida com material mutante. O material mutante ao que se refere Dines, tem relação com a sociedade, as pessoas, a comunidade, portanto ele tem características dinâmicas. Entretanto, há outros aspectos fundamentais do jornalismo, como a checagem de fontes, o compromisso com a informação qualificada que, segundo Duarte (2004, p.25), vão além do compromisso ético com a notícia. O jornalismo implica responsabilidade, abordagem a partir de vários ângulos sobre uma mesma informação, mas também a valorização das histórias humanas. As histórias humanas nos interessam, não com a parcialidade de uma notícia factual, como meros números e gráficos, que exemplificam a existência humana e suas falências. Nos interessam as histórias humanas como a mostra de novas possibilidades para uma comunicação popular, que não limite as condições humanas expostas como flagelos. Mas outras possibilidades de encontros sociais utilizando o Jornalismo Popular como dispositivo para outro diálogo social. Seria a mídia agente de controle social? A mídia consiste em um aglomerado de veículos de comunicação, sejam impressos (jornal, revista), ou eletrônicos (televisão, rádio). O cinema é um fio condutor propagador de culturas e a internet um meio com possibilidades de acesso mais democrático de divulgação das informações globais. Nessa linha, Duarte (2004) revela que: Os principais meios de comunicação do país são controlados por seis redes privadas de TV (Globo, SBT, Record, Bandeirantes, Rede TV, CNT) que, com seus 138 grupos filiados, controlam 667 veículos (emissoras de rádio e TV e jornais diários), atingindo 87% dos domicílios em 98% dos municípios do país. 5

6 Alguns diálogos estão sendo revistos através, de muitas lutas de pedidos de concessão das rádios comunitárias, que tratam de utilizar o jornalismo como um órgão emissor de cultura, educação e de exercício de cidadania. Para Duarte, (2004, p.24)os veículos comunitários observam a comunidade e as necessidades utilizando uma linguagem acessível e de forma reconhecível. Com pauta escrita sobre e com a comunidade, tornam-se meios de visibilidade de conflitos de fundo popular até então ocultos pela malha editorial dos grandes veículos de massa. Segundo Amaral (2006, p.133), o jornalismo popular, para que tenha qualidade viável nos moldes das empresas jornalísticas, deve levar em consideração à posição econômica, social e cultural do leitor. Por isso, o jornalismo popular de um determinado ponto de vista; expõe necessidades individuais das pessoas para servir de gancho para àquelas necessidades de interesse público. O jornalismo popular representa às pessoas do povo de forma digna, é composto de notícias de interesse público, relatadas de forma humanizada. Utilizar ferramentas do jornalismo popular como forma de ampliar visão dos comunicadores sociais, torna-se fundamental, em um continente onde a miséria promove atos bárbaros em nome da democracia, desde a classe opressora aos oprimidos do sistema político econômico imposto por países dominantes da prática do sistema econômico capitalista. O comunicador social tem a obrigação de promover através do seu trabalho, seja em veículos de comunicação de massa ou alternativos, outras linguagens que possam libertar pensamentos hegemônicos, contra os fatos, que inviabilizam o desenvolvimento intelectual de transformação. Arbex Jr (2001) 9, aposta na justa medida da funcionalidade do papel do comunicador social e os direitos humanos, através da mídia alternativa, espaço que se constrói com pautas a partir de e com a sociedade e, fundamentalmente com os movimentos sociais e de fundo popular. Nesse sentido, Arbex Jr. (2001) dispensa a especulação de qual veículo dirá a maior verdade mais ou menos absoluta. Não é jogo de poder. Trata-se de dar 9 Organizador do texto Pluralismo, Democracia e Direitos Humanos extraído do Manual de Mídia e Direitos Humano e editor da revista Caros Amigos. 6

7 voz e vez a um público presente em pautas policiais e distantes da pautas sociais que interpretariam de certa forma a carência social e democrática do referido público. A mídia alternativa ou independente permite a ruptura, ainda que em pequena escala, do edifício comunicativo hegemônico construído pelas grandes corporações. Permite que discursos e linguagens ofereçam as mais variadas perspectivas; que pautas sejam produzidas com uma preocupação não orientada pelo lucro. O comportamento intelectual do jornalista e do comunicador social não apenas desprende a falácia de sistemas políticos, mas pretende alertar para as tentativas das sociedades para novos rumos de cooperação entre as nações. Povos das mais diversas e ricas formas de vida (índios, negros, crianças, idosos) que constroem sistemas de reformulação cultural, embora não participem ativamente na construção política dos sistemas no país de origem. Contudo, esses povos não encontram geralmente na mídia convencional o seu lugar de discussão. Duarte (2004, p. 24) demarca esse território onde o povo da babel Brasílis não se vê: Hoje a grande maioria da população não esta representada nos grandes veículos de massa. Os 50 milhões de brasileiros que vivem abaixo do nível de pobreza, por exemplo, quando aparecem na imprensa, quase sempre estão vinculados à criminalidade e à violência. Existem também outras populações presidiários, prostitutas, portadores de necessidades especiais, comunidades negras e tantos outros cuja história deixa de ser registrada. Neste rol entram, ainda, grupos que adotam estratégias de combate à pobreza, à exclusão, ao preconceito e à degradação da natureza, que igualmente têm perdido espaço na chamada grande imprensa. O espetáculo da notícia mede-se através do tratamento em que uma comunidade em conflito com o poder social pode ser mantida em capa de jornal, ou se o bandido ou assassino era de tal ou qual favela. E mais ainda, se houverem cenas espetaculares para serem divulgadas, elas serão emitidas e re-vistas inúmeras vezes, como forma de exploração do sofrimento humano. Estes comportamentos mediáticos são fixados entre o público como se fosse um fetiche coletivo. Onde as imagens retratam um fato isolado, parte de uma verdade, que nunca será absolutas más, momentâneas. Conforme afirma Sontag (2003, p 21) sobretudo na forma como as câmaras registram, o sofrimento explode, é compartilhado por muita gente e depois desaparece de vista. Um exemplo de cenas de violência e intolerância re-exibidas com normalidade pelos veículos eletrônicos, ou jornais, são os conflitos do Oriente Médio que com freqüência são 7

8 mal interpretadas pela população ocidental. As imagens demonstram a limpeza étnica, promovida nestes países em nome da religião e de tentativas de demarcações milenares de porções de terras. Entretanto nós do Ocidente frente a tal atrocidade humana, não compreendemos como povos são capazes de matar ou morrer, em prol de controle dos territórios, um dos motivos seria a imprensa que não contextualiza a história, e seguimos vendo imagens e realizando julgamentos sem mesmo conhecer as histórias dos povos. Seguimos descontextualizados, por décadas e décadas, cena após cena. Sem entender as resistências. Nesse sentido o desconhecimento amarra os pensamentos na ignorância de analfabetos funcionais. E assim descobre-se o Brasil dos múltiplos preconceitos. 2.2 Mídia e Sociedade: o que se mostra e o que se entende O jornal Cruzeiro do Vale da cidade de Gaspar, com tiragem semanal de quatro mil exemplares, apresentou na edição 932, p. 5, ano XVIII, dos dias 07 a 10 de setembro de 2007, a seguinte Manchete Decretos podem impedir vinda de índios a Gaspar 10. A matéria trata de cinco terrenos localizados na cidade, e que foram declarados de utilidade pública por parte do governo local, na tentativa de impedir a vinda de indígenas Guarani do município de Palhoça. A Fundação Nacional de Proteção aos povos Indígenas - FUNAI pretendia assentar cerca de 10 famílias em cinco terrenos na cidade. A notícia gerou manifestações por parte da sociedade local. O procurador do município, Aurélio Marcos de Souza no jornal que fazemos referência afirma que: Quando foi realizado o plano diretor, a comunidade analisou que aquela área não poderia ser habitada, por isso escolhemos esta área para criar o Horto Florestal. Aurélio Marcos de Souza, procurador do município. Nosso personagem, o Pajé Alcindo, nos informou da improdutividade das terras em que estão assentados os Guarani-Mbya em Palhoça, muito cascalho, difícil para plantar. Ora, sabe-se que a agricultura é uma tradicional forma de subsistência da sociedade Guarani, ao não poder plantar, devem buscar recursos governamentais para viver. Ou utilizar seu artesanato como produto comercial. Entretanto, hostilizado pela sociedade 10 Os depoimentos foram extraídos da matéria Decretos podem impedir vinda de índios a Gaspa. 8

9 branca, que interpreta este bem cultural indígena como se fossem transeuntes esmoleiros. A terra para o povo indígena deve ser próspera para a agricultura, facilitando sua adaptação, e promovendo a prosperidade da comunidade em seu ambiente natural. Por outro lado, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Ivanilde Rampelotti 11, afirmou: Os índios possuem cultura muito diferente da nossa, não condiz com nossa realidade. Se eles vierem, em pouco tempo vamos ver os índios vendendo cestas pelas ruas e pedindo esmolas. Não queremos isso, queremos políticas de apoio aos agricultores, que trabalham e merecem apoio. Os indígenas não necessitam estar integrados à estrutura macro-econômica do país, mas precisam sim, serem reconhecidos como o povo que deu origem as muitas florestas do país, através de suas andanças, semeando arvores e sementes em todo o território habitado por eles no país. Não precisam de inclusão social, porque possuem sua cultura própria, em liberdade, cada membro entende sua tarefa dentro da comunidade. Sem ordens, entretanto entendendo que para a vida seguir cada um precisa realizar uma tarefa específica. Muitos deles falam a língua portuguesa? A maioria. E quantos de nós falamos a língua guarani? Precisamos nos integrar, precisamos conhecer e entender essa sociedade que respeitou a natureza bem mais do que a nossa consciência progressista poderia sonhar. Eles são o que utopicamente imaginamos ser. O colunista do Jornal 12, Gilberto Schmitt, comentou: A polêmica sobre a vinda dos índios para Gaspar vai dar muito pano para a manga. Sinceramente sou contra a vinda deles. Não tenho nada contra os índios, mas a nossa realidade é bem diferente e os próprios índios, aqui, não estarão no seu habitat natural. Nossa cultura é outra e não estamos preparados para recepcioná-los. Os próprios índios serão motivo de chacota e as brincadeiras já estão correndo soltas pelo município. Não nos surpreende que um colunista possa realizar de forma pública este comentário, e em um veículo de comunicação. O que deveria ser uma observação crítica torna-se uma crítica maliciosa. O comentário jocoso com relação aos indígenas torna-se inconveniente, já que o público não compra o jornal para saber das suas ladainhas preconceituosas, dotadas de incitações a intolerância racial. 11 Decretos podem impedir vinda de índios a Gaspar, p Decretos podem impedir vinda de índios a Gaspar, p.3. 9

10 Nesse sentido, Ribeiro (1995, p.215) afirma: Uma pesquisa que fiz realizar sobre as condições de existência das camadas urbanas e rurais das várias regiões do Brasil nos dá nítido perfil das condições de vida dessas populações. O perfil melhor é o de Ibirama, em Santa Catarina, região granjeira que praticamente integrou toda a população, de descendentes alemães, ao sistema produtivo, dando-lhe melhores condições de vida. Isso porque sucessivos governos, querendo atrair imigrantes europeus, inclusive para melhorar a raça, a eles deu lotes de terra e ajuda econômica. Coisa que nunca se fez, e até se proibiu fazer, para os brasileiros. Na edição de 14 a 17 de setembro de 2007, as manifestações continuaram. O jornal, entretanto publica as notas enviadas a redação sobre o assunto, de forma que os leitores possam ler as divergências sobre ao tema, e construir a partir das diferenças seu ponto de vista. Roberto Sombrio de Gaspar 13, afirmou: Corretíssima a atitude do prefeito Adilson Schmitt determinando por decreto, de utilidade pública, a área de interesse da FUNAI para assentar dez famílias indígenas Guaranis. Tribos indígenas são nações independentes inseridas em outra nação o Brasil. Seria interessante poder refletir o quanto o nosso pensamento nos leva aos confins dos planos de achamamento do Brasil. Quando nos convém legitimamos atitudes políticas de interesse de apenas uns poucos ainda que para isso tenhamos que continuar com os processos civilizacionais arcaicos e pouco humanistas. Conforme aponta Darcy Ribeiro, em relação à bula Inter Coetera do 4 de maio de 1493, o Vaticano dispõe sobre os povos do Novo Mundo, que é legítimo que eles possam ser escravizáveis por quem os subjugasse, assim como seriam donos das terras achadas e por achar. Estas terras seriam entregues ao domínio de Espanha e Portugal. E na dominação incluíam-se cidades, fortalezas lugares, vilas direitos, jurisdições e todas as pertenças, como assim também os moradores e habitantes nessas terras, aos que achassem e depois aos herdeiros e sucessores. Ribeiro (1995, p.41) afirma que: É preciso reconhecer que essa é, ainda hoje, a lei vigente no Brasil. É o fundamento sobre o qual se dispõe, por exceção, a dação de um pequeno território a um povo indígena, ou também, ou, por exceção, a declaração episódica de que a gente de tal tribo não era escravizavel. É o fundamento ainda do direito latifundiário à terra que lhe foi uma vez outorgada, bem como o comando de todo o povo como uma mera força de trabalho, sem próprio destino, cuja função era servir ao senhorio oriundo daquelas bulas. 13 Decretos podem impedir vinda de índios a Gaspar p.3. 10

11 Uma das poucas vozes discordantes com o discurso que hegemonicamente foi representado no jornal pelos leitores foi o de Michela Breda 14 :... é desanimador perceber que a geração futura, esta que estamos educando hoje, ainda tenha que conviver com o preconceito, com a segregação sua e escancarada, oriunda de uma sociedade, diga-se de passagem, com hábitos e raízes estrangeiras, formada mais especificamente por imigrantes oriundos de terras bem distantes destas INICIALMENTE HABITADAS POR POVOS INDÍGENAS. Apesar da edição dos comentários no presente memorial, eles seguem na íntegra na parte dos Anexos desse relatório. Manifestações por parte da comunidade Guarani do Morro dos Cavalos nos meios eletrônicos seguem também em anexo, sobre o preconceito na cidade de Gaspar, Santa Catarina 15. Esta é apenas uma mostra de recentes de publicações sobre assentamento de famílias indígenas na região e manifestações de uma sociedade mestiça sobre as famílias originárias. Outra mostra jornalística sobre a intolerância racial teve desta vez de abrangência nacional, foi realizada pela revista mensal Brasileiros 16, de grandes reportagens; com tiragem mensal de cinqüenta mil exemplares. Sob o título Preconceito: uma praga que divide o Brasil, edição número 1 julho de 2007, traz na foto de capa como personagem do preconceito o ator Lázaro Ramos, que diz não ter sido vítima de preconceito pelo tom negro de sua pele. Na página 41 da revista, a reportagem de Chico Silva, aponta números, e gráficos que são estimulados as vistas do leitor são consagrados pela pesquisa IBOPE/BRASILEIROS. A revista demonstra através da pesquisa que os brasileiros assumem intolerância étnica, sexual e social. E, segundo a revista, pode haver algo de positivo neste ataque de sinceridade da sociedade. A revista tem o perfil de grande reportagem, sai do feijão com arroz da imprensa factual, daquelas noticias que são pílulas de fatos sociais. Pretende aprofundar questões 14 Decretos podem impedir vinda de índios a Gaspar p A Carta de Manifestação Pública, realizada pela comunidade indígena Guarani, do Morro dos Cavalos do município de Palhoça, Florianópolis, pelo fim do preconceito, refere-se às matérias do jornal Cruzeiro do Vale. Segue nos anexos I e II. Disponível: 16 A revista Brasileiros na edição número 1 de julho de 2007, trouxe na capa foto do ator Lazaro Ramos, com a manchete Preconceito uma praga que divide o Brasil. A reportagem segue nos anexos I e II. 11

12 culturais e sociais de forma abranger áreas multidisciplinares do conhecimento. O diretor de redação Hélio Campos Mello escreveu no mesmo exemplar sobre a revista: Como o País, Brasileiros é uma revista plural. Não é chapa branca não esta aqui para bajular este ou aquele governo -, nem é chapa preta não tem como missão promover o apocalipse a qualquer custo e a qualquer prêmio...brasileiros, uma revista que faz questão de ser influente... Crê ser possível recuperar valores como ética e justiça social, conceitos que foram banalizados e perderam significado. Nesse sentido, o código de ética 17 dos jornalistas brasileiros preconiza no Art. 6, que é dever do jornalista: Opor-se ao arbítrio, ao autoritarismo e a opressão, bem como defender princípios expressos na Declaração Universal dos Direitos Humanos. O código de ética de cada profissão são normas estabelecidas como marco regulamentar para o exercício profissional. Deveria de ser desta forma, porém, na mídia o desconhecimento destas normas ficam evidentes através da exposição imediata do produto jornalístico e do profissional responsável pela matéria. O jornalista José Edward 18 publicou na Revista Veja 19 n do dia 14 de março 2007, a seguinte matéria: Made in Paraguai A Funai tenta demarcar área de Santa Catarina para índios paraguaios, enquanto os do Brasil morrem de fome. No corpo da matéria o repórter por diversas vezes se refere aos Guarani-Mbyas como embiás, referência aos descendentes Guaranis como Paraguaios e Argentinos, e na primeira parte do corpo da matéria termina com a frase: Para brasileiro pagar e paraguaio (e argentino) usufruir. - escreve sobre a possibilidade de reintegração de posse das terras aos Guaranis. Refere-se, no quarto parágrafo da matéria, aos Guaranis de hermanos, de forma jocosa e adjetivada, imperdoável em texto jornalístico de qualidade. Conforme aponta Barbosa (2003, p.113): 20, a prática midiática deve, em princípio, apurar os fatos, checar as fontes, considerar as versões conflitantes e contrapor opiniões 17 - O código de ética do jornalista não é apenas uma normativa para os profissionais. Deveria ser sim um guia de conduta para a profissão que trata de histórias humanas e de um ambiente dinâmico. Está vigente desde 1987, e foi atualizado em Segue nos anexos I e II. 18 José Edward Lima, é repórter da Revista Veja. 19 Revista com publicação semanal. Tiragem, com tiragem média de Total de leitores Perfil do leitor: 62% entre 18 e 49 anos; sendo 47% homens e 53% mulheres; classe social: A 32%, B37%, C23%. Fonte: Projeção Brasil de Leitores com base nos estudos Marplan Consolidado Professor da Universidade Estadual de Maringá, PR (UEM). Integrante do Grupo de Estudos de Análise do Discurso de Araraquara (GEADA). 12

13 divergentes; tomar uma distância tal que possa ter uma visão geral e, ao mesmo tempo, profunda dos fatos. No sexto e último parágrafo da matéria um erro mais grave que prova o desconhecimento dos desmembramentos da cultura Guarani e suas ramificações genealógicas, chama os Guarani-Kaiowá de caiovás em caixa baixa. Entre os erros ortográficos intoleráveis na profissão, o mais grave está no desconhecimento sobre o tema da matéria, a falta de pesquisa e abstenção do código de ética que da profissão, na falta de ética pessoal. A imparcialidade no texto é o alicerce para a informação. Quem deveria tirar as conclusões é o público e não o profissional de informação. Pago para informar, em base a verdade dos fatos, das pessoas envolvidas, e de profissionais qualificados no tema tratado na reportagem, matéria ou qualquer outro produto jornalístico. O Estatuto do Índio 21 foi criado em 1973 em um período onde os povos da floresta viviam sobre a constante ameaça de grileiros entre outros latifundiários. Em 1988, a Constituição da República Federativa do Brasil 22 reconheceu a diversidade e especificidade dos índios no país e mudou algumas concepções ideológicas. Mesmo que informações oficiais sobre os grupos étnicos brasileiros estejam disponíveis nos meios eletrônicos, e que são dominados por porta vozes da sociedade como os jornalistas, é possível ler em meios impressos de veiculação massiva a divulgação de errôneas informações. Que deixam a responsabilidade ética à margem e promovem a cultura do espetáculo e a desinformação sobre as plurais identidades que constituem o patrimônio cultural do país. 3 Mídia e Velhice: Recorte Latino O Estatuto do Idoso 23 preconiza no artigo 24 que: os meios de comunicação manterão espaços ou horários especiais voltados aos idosos, com finalidade informativa, educativa, artística e cultural, e ao público sobre o processo de envelhecimento. O artigo é claro, e não deveria passar desapercebido pelos veículos de comunicação, e nem sequer 21 Disponível em:<http:// Acesso em: 20 set Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituiçao.htm Acesso em:20 set Lei XXX sancionada no dia 01 de outubro de

14 pelos profissionais da informação, pagos para serem porta-vozes da sociedade: os jornalistas. Embora seja um assunto abordado na mídia, ele não contempla, geralmente, as necessidades de informações interdisciplinares sobre o assunto, velhice, envelhecimento e idoso. Um cidadão passa a ser considerado idoso no país a partir dos 60 anos conforme preconiza o Estatuto do Idoso no Brasil. O processo de conscientização sobre as políticas públicas sobre a condição do idoso no país, e isso incluí políticas publicas de saúde, políticas sociais e culturais deve ser um compromisso de discussão de cada cidadão. Em todo o mundo, conforme a mensagem do secretário-geral da ONU, Kofi Annam, por ocasião do Dia Internacional das Pessoas Idosas 24, há 600 milhões de pessoas idosas no mundo, das quais ele se considera uma delas e oportunamente fez um apelo: Todas as comunidades para que trabalhem em prol de políticas e programas suscetíveis de permitir que as pessoas idosas vivam num ambiente que melhore as suas capacidades, promova a sua independência e lhes proporcione apoio e cuidados adequados, à medida que vão envelhecendo. As gerações devem estar interligadas, como o fazem nas comunidades originárias, onde os mais velhos têm seu lugar privilegiado dentro da sociedade indígena pela sabedoria, entre outros fatores já citados neste trabalho. Mas os jovens participam ativamente das decisões, contribuem com as novas experiências que fazem em sua caminhada fora da aldeia, e ambos refletem para as mudanças sociais do ambiente. O encontro das duas gerações não é importante tão somente sob o olhar social, mas também pode ser interpretado como uma ferramenta de exercício mental para o idoso, e saudável sob o aspecto de políticas públicas de saúde. Conforme afirma Kofi Annam (2006): Todos podemos ajudar a construir pontes entre as gerações, aproveitando todas as competências das pessoas idosas, quer nos assuntos comunitários e relacionados com a família, quer na agricultura e empresas urbanas, na educação, na tecnologia, nas artes, no combate à pobreza ou na consolidação da paz. Com a expansão de novas tecnologias, como a internet, as possibilidades dos jornalistas que trabalham para o terceiro setor aumentam e as publicações se multiplicam. O jornalista Guto Paschoal, publicou matéria no site (2007), sobre 24 O tema desenvolvido no Dia Internacional das Pessoas Idosas em 2006 foi Melhorar a qualidade de vida das pessoas idosas: promover as estratégias mundiais da ONU. 14

15 a transmissão de conhecimento através do idoso indígena sob o título: Anciãos transmitem cultura indígena. O jornalista realizou uma pesquisa etnográfica junto às comunidades indígenas e, com embasamento em profissionais de antropologia, pode traçar um mapa das questões, urbanas e tribais sob o aspecto da oralidade e a importância dos idosos nas comunidades. O lingüista e divulgador científico, Rodrigo Bastos Cunha também publicou no site um artigo sobre a importância resgate da cultura através dos índios mais velhos. Mas o sentido de velhice na mídia é tratado de forma jocosa a fim de legitimar a juventude e o poder através das imagens dos idosos. Os programas onde mostram idosos, realizando longas caminhadas, na praia, divertindo-se com jogos de areia, ou realizando atividades que às vezes sequer durante a juventude foram praticadas, não consolida um aspecto essencial de velhice, mas legitima o poder da juventude. Como afirma Nívea Leite, historiadora, arqueóloga e divulgadora cientifica, em seu artigo O Idoso na Mídia, expõe alguns dispositivos midiáticos, que utilizam da imagem do idoso para legitimar a juventude. Conforme Leite (2007); o estudo de Nogueira, por exemplo, enfatizou a análise do vocabulário utilizado para designar a velhice no jornal Folha de S. Paulo ( ). A autora concluiu que o sentido construído para a velhice no discurso jornalístico é o sentido da não velhice, ou seja, o discurso da Folha é heterogêneo, ora enfatizando a velhice como fase de decadência, ora como fase de rejuvenescimento. As publicidades voltadas ao retardamento físico do envelhecimento, os discursos de produtos da indústria farmacêutica relacionadas à terceira idade, oferecem uma ampla visão negativa sobre o idoso e o envelhecimento. O que deveria ser natural passa a ser encarado como um problema a ser combatido, com todas as armas possíveis, sem considerar a condição humana do idoso, e sem pensar em sua própria condição humana. Desde a década de setenta o México percebeu um considerável aumento da população idosa com muita rapidez que permitia desenhar uma transición demográfica não grata às políticas públicas do país. Crises econômicas dos cofres públicos por conta das pensões previdenciárias e do sistema público de saúde nesse país, demandam preocupação por parte das autoridades pela magnitude da quantidade de recursos não previstos nos cofres públicos. Com enfoque antropológico de Orozco Mares (2006) realizou uma análise 15

16 quantitativa sobre a temática, mostrando de que se faz necessária uma abordagem sobre o envelhecimento na sociedade de forma consciente e sistemática. Os trabalhos constroem marcos de produção acadêmicas interdisciplinares que incluem, conceitos demográficos, de saúde, economia, previdência e não menos importante também, os âmbitos familiares e relações com a sociedade. Orozco Mares (2006) toma depoimentos dos idosos da área urbana de Veracruz no México, para tentar colaborar com o conceito que os idosos têm de si mesmos, e sobre a condição de velhice na sociedade. A entrevistada Esperanza de 86 anos comentou sobre a sua condição como idosa na sociedade: Ser anciano es que ya no sirve uno, que ya esta uno inservible, ya no acata las cosas como debe uno ser, no sé como explicarle. Ya no compreende uno bien las cosas y se hace compreender uno mal. Como no Brasil, o México também tem muitas denominações para a velhice, velhos, idosos, tercera edad, cierta edad, personas mayores, viejos o ancianos. Meras reformulações que não colaboram para o devido sentido da velhice, do velho, e do processo de envelhecimento. O fato é que o envelhecimento não retarda a população nem as torna em populações desnecessárias, mas aponta outras possibilidades de contribuição à sociedade, um caminho que ainda nos falta multidisciplinariamente percorrer. Como afirma Imelda Orozco Mares (2006,): Pasar de niño a adolescente tiene la recompensa, una vez resuelta la crises, de pasar a la adultez y con ello gozar de todos los atributos positivos de esta etapa, como el de entrar al grupo productivo y ser capaz de tomar decisiones propias, situación que no sucede en la vejez, pues ésta magnifica aceptar vivir la última etapa de la vida y la cercania a la muerte; es decir, la vejez supone dejar atrás el crecimiento y desarrollo personal y social de las etapas previas. No México, os idosos não contam com o apoio familiar devido às condições econômicas e desapego familiar, entre outras causas. Rejeitados pelo sistema como membros produtivos, eles procuram a assistência social, que conta com uma série de programas voltados para o idoso, entretanto, eles concorrem com os menores de idade que também são beneficiados em programas assistenciais. E o apoio privilegia os menores bem mais que os idosos. Por uma questão cronológica e lógica de produção. 16

17 5 Referências ARBEX. Jr. Pluralismo, Democracia e Direitos Humanos. Disponível em: s_humanos_2001.pdf> Acesso em: 28 ago ANNAM, K. Mensagem do secretário-geral da ONU. Disponível em: <:http://www.nossosaopaulo.com.br/reg_sp/barra_escolha/onu_pessoasidosas.htm> Acesso em: 29 out BAUDRILLARD, J. A arte da desaparição. Rio de Janeiro. UFRJ, 1997 BARBOSA, Navarro P. O Papel da Imagem e da Memória na escrita jornalística da história do tempo presente In: GREGOLIN, M. Discursos e Mídia, a cultura do espetáculo. São Carlos: Clara Luz, FREIRE, J. Tradição oral e memória indígena: a canoa do tempo in América: Descoberta ou invenção º Colóquio UERJ. Rio de Janeiro: Imago Editora, FOUCAULT, M A Pintura Fotogênica (1975) em BARROS DA MOTTA, M, (org) Ditos e Escritos III Estética: Literatura, e Pintura, Música e Cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, LADEIRA, M. História, nomes e lugares Disponível em: <http://www.socioambiental.org/pib/epi/guaranimbya/hist.shtm.> Acesso em: 29 out LEITE, N. O Idoso na Mídia. Disponível em: <http://www.techway.com.br/techway/revista_idoso/cultura/cultura_nivea2.htm> Acesso em: 29 out MAMOLENI, G. Evangelização e Tradições Indígenas: O Caso Guarani. Disponível em: <http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_26/rbcs26_05.htm> Acesso em: 28 out PASCHOAL. G. Anciãos transmitem cultura indígena. Disponível em Acesso em: 29 out RIBEIRO, D. O povo brasileiro. A formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, SCHMITZ, Pedro Ignácio. El Guaraní en Rio Grande do Sul: la colonización del Monte y los frentes de expansión. São Leopoldo: Unisinos, SILVA, L. Mirada sobre la vejez. El Colégio de la Frontera Norte.1ªed. Tijuana: Baja California, SONTAG, Susan. Diante da dor dos outros. São Paulo: Companhia das Letras, TRAQUINA, Nelson. O Estudo do Jornalismo no Século XX. São Leopoldo: Unisinos,

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C.

Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C. Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C. Declaração de Princípios Quem Somos Somos uma organização não-governamental dedicada à promoção da liderança juvenil e da participação da cultura da juventude

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras adotada em 12 de novembro de 1997 pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Extensão universitária. Direitos sociais. Cidadania.

PALAVRAS-CHAVE Extensão universitária. Direitos sociais. Cidadania. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA AS LICENCIATURAS NA AMAZÔNIA: NÃO HÁ ENSINO SEM PESQUISA E PESQUISA SEM ENSINO Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Leia mais

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br IDOSOS NO BRASIL: Vivências, Desafios e Expectativas na 3 a. Idade Pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abramo em parceria com SESC Nacional e SESC São Paulo Considerações Para viabilizar a pesquisa

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DIREITO À IGUALDADE, SEM DISTINÇÃO DE RAÇA RELIGIÃO OU NACIONALIDADE Princípio I - A criança desfrutará

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

ESCOLA RUMO A UM FUTURO SUSTENTÁVEL

ESCOLA RUMO A UM FUTURO SUSTENTÁVEL ESCOLA RUMO A UM FUTURO SUSTENTÁVEL Izelia Mayara Maia CASTELLAIN 1, Vitória Imai AMORIM 1, Professora coordenadora Michele C. AREND 2 Identificação autores: 1 Aluna Bolsista PIBIC-EM/CNPq IFC-Campus Camboriú,

Leia mais

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO ADILSON DE ANGELO Desde a sua criação, o MST assegurou na sua agenda política a luta pela educação e por uma escola mais significativa para a família

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem. ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / "Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável ele espera que seja." (Rick Warren) LÍDER:

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas e as representações subjetivas sobre os conceitos estudados.

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES

ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES ESCOLA PROFESSOR AMÁLIO PINHEIRO ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO EQUIPE MULTIDISCIPLINAR CULTURA AFRO-DESCENDENTES JUSTIFICATIVA Este projeto tem como objetivo maior: Criar mecanismos para efetivar a implementação

Leia mais

Carta dos Povos da Terra

Carta dos Povos da Terra Carta dos Povos da Terra Primeira Proposta Janeiro 2011 Para contribuir no debate e enriquecer esta proposta de Carta, pode se inscrever enviando um e-mail para carta@forums.rio20.net www.rio20.net Um

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS 1 CARTA DA TERRA A Carta da Terra é uma declaração de princípios fundamentais para a construção de uma sociedade que seja justa, sustentável e pacífica. Ela diz o que devemos fazer para cuidar do mundo:

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

Curso: Formação dos Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para a promoção da Agricultura Familiar Sustentável

Curso: Formação dos Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para a promoção da Agricultura Familiar Sustentável Curso: Formação dos Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para a promoção da Agricultura Familiar Sustentável Com a aceleraça o do aquecimento global e o crescimento populacional, cada

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa Meio Ambiente 4 0 a O - fu dame tal Cuidar da vida também é coisa de criança Justificativa PROJETOS CULTURAIS Na idade escolar, as crianças estão conhecendo o mundo (Freire, 1992), sentindo, observando,

Leia mais

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade: Desafios para uma cultura de compromisso social O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Comunicação: instrumento de formação

Leia mais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL CIRCULO DE ESTUDOS IPOG - INSTITUTO DE PÓSGRADUAÇÃO MBA AUDITORIA, PERÍCIA E GA 2011 Princípios Desafios Sugestões 01

Leia mais

Projeto de Lei n.º 36/2013-L

Projeto de Lei n.º 36/2013-L Projeto de Lei n.º 36/2013-L AUTORIZA A CRIAÇÃO DE UMA CASA DE PASSAGEM PARA MULHERES NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BARRA BONITA. Art. 1º Fica o Executivo autorizado a criar no âmbito

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg)

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Jornada de Aprendizado Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Promovendo os microsseguros: Educação Financeira Conteúdo

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CHAMADA PÚBLICA 1ª EDIÇÃO DA REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE JUVENTUDE SECRETARIA NACIONAL DE JUVENTUDE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE 1. Apresentação da Chamada: A Revista Juventude

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Ser humano, sociedade e cultura

Ser humano, sociedade e cultura Ser humano, sociedade e cultura O ser humano somente vive em sociedade! Isolado nenhuma pessoa é capaz de sobreviver. Somos dependentes uns dos outros,e por isso, o ser humano se organiza em sociedade

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE Evelyn Nunomura* Isadora Fernanda Rossi* Gilberto Hildebrando* Sonia Maria de Oliveira Dantas* Leandro Henrique Magalhães** Mirian Cristina Maretti** *Acadêmicos

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais