FACULDADE SÃO BENTO DA BAHIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM HISTÓRIA SOCIAL E ECONÔMICA DO BRASIL MANOEL ANTUNES DA SILVA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE SÃO BENTO DA BAHIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM HISTÓRIA SOCIAL E ECONÔMICA DO BRASIL MANOEL ANTUNES DA SILVA"

Transcrição

1 FACULDADE SÃO BENTO DA BAHIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM HISTÓRIA SOCIAL E ECONÔMICA DO BRASIL MANOEL ANTUNES DA SILVA SENTIDOS DA CONVERSÃO: ALDEAMENTOS, CONVERSÃO E HIBRIDISMO CULTURAL ENTRE OS JESUÍTAS E OS TUPINAMBÁ ( ) Salvador 2014

2 1 MANOEL ANTUNES DA SILVA SENTIDOS DA CONVERSÃO: ALDEAMENTOS, CONVERSÃO E HIBRIDISMO CULTURAL ENTRE OS JESUITAS E OS TUPINAMBÁ ( ) Trabalho monográfico apresentado ao Curso de Pós-Graduação lato sensu em História Social e Econômica do Brasil, da Faculdade São Bento da Bahia, como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em História Social e Econômica do Brasil. Orientadora: Profª. Me. Simone Trindade Vicente da Silva Salvador 2014

3 2 RESUMO Sentidos da Conversão é um estudo do empreendimento missionário da Companhia de Jesus na América Portuguesa, no período compreendido entre 1549 e 1590, ano do início da atividade catequética da Ordem até o momento da vinda do Padre Fernão Cardim, que escreveu um texto sobre os Tupinambás e seus costumes, entre 1583 e Centralizado nas cartas escritas pelos jesuítas, o trabalho realiza uma análise histórico-antropológica do encontro catequético e cultural estabelecido no interior dos aldeamentos jesuíticos nas terras brasílicas durante o século XVI. Propõe-se, portanto, analisar os sentidos da conversão e as possíveis maneiras com que os Tupinambás se apropriaram, adaptaram e negociaram a mensagem cristã transmitida pelos jesuítas, destacando a importância da mediação e tradução cultural implicadas na ação dos inacianos, responsáveis pela realização dos distintos códigos e alteridades culturais em contato. Dessa forma, este estudo apresenta os aldeamentos jesuítas no Brasil do século XVI como espaço pertinente para o surgimento de novas formas culturais que se pode chamar de hibridismo cultural. Palavras-chave: Conversão. Jesuítas. Tupinambá. Aldeamentos. Hibridismo Cultural.

4 3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DISCUTINDO OS TUPINAMBÁS: ANTROPÓLOGOS, SOCIÓLOGOS E HISTORIADORES OS SENTIDOS DA CONVERSÃO: MISSÕES JESUÍTICAS ENTRE OS TUPINAMBÁS OS SENTIDOS DA CONVERSÃO E AS REDEFINIÇÕES IDENTITÁRIAS TUPINAMBÁ CONSIDERAÇÕES FINAIS...28 REFERÊNCIAS

5 4 1 INTRODUÇÃO O século XVI foi palco de muitos conflitos entre alteridades. De um lado, o autóctone, acostumado com suas práticas milenares, seus códigos de ética e suas crenças definidas; de outro, o invasor europeu, munido de uma perspectiva etnocêntrica, interessado em arrebanhar mais almas para seu credo. Desse antagonismo resultou o choque inevitável: os jesuítas, empenhados na conversão dos gentios, viam nos indígenas uma forma de expandir o cristianismo abalado pela Reforma Protestante; e os indígenas, abertos em sua plasticidade social, em uma mesma inconstância que não os incitavam a resistir à conversão, também não perseveravam (CUNHA, 2009). Este trabalho, portanto, objetiva compreender os embates de alteridades tão distintas entre Jesuítas e os Tupinambás e elege como temática central os sentidos da conversão e o surgimento de uma cultura híbrida no interior dos aldeamentos jesuítas a partir desse encontro cultural. A Companhia de Jesus, idealizada em 1534 por um grupo de estudiosos, liderada por Inácio de Loyola e fundada oficialmente por uma bula papal em 1540, havia surgido do pressuposto de um retorno à pureza da primitiva Igreja e da conversão dos pagãos e infiéis. Em 29 de março de 1549, chegaram à Província de Santa-Cruz os primeiros jesuítas designados à Missão do Brasil. Sobre o comando do Padre Manoel da Nóbrega, os padres Leonardo Nunes, Antônio Pires e João Azpilcueta Navarro, além dos irmãos Vicente Rodrigues e Diogo Jácome, apartaram na Bahia de Todos os Santos juntamente com Tomé de Souza, primeiro Governador-Geral da Terra de Vera Cruz (HUE, 2006). Empenhado nos sentidos da conversão dos Tupinambás (civilizá-los, afastálos dos seus maus costumes e trazê-los para os bons costumes da religião cristã), os inacianos acreditavam ter encontrado os silvícolas sem Fé, nem Lei, nem Rei, que tão facilmente quando se convertiam, esqueciam-se de tudo e voltavam novamente aos seus maus costumes caracterizados pelos jesuítas como excessos (AGNOLIN, 2007, p.331). Apesar de descrever várias cerimônias religiosas indígenas, Nóbrega e outros cronistas do século XVI não as reconheciam como uma religião e afirmavam que os índios não possuíam crenças. Na verdade, isso era visto como uma grande

6 5 vantagem, sob o ponto de vista dos sentidos da conversão, porque, desse modo, os Tupinambás estariam muito mais sujeitos e aptos a deixarem seus costumes excessivos. Dessa forma, os inacianos não percebiam que os maus costumes dos Tupinambás eram sua verdadeira religião (CASTRO, 2002). Todavia, Anchieta logo enumerava os entreves que dificultariam a conversão dos indígenas: Os impedimentos que há para a conversão e perseverar na vida cristã de parte dos índios são seus costumes inveterados [...] Como o terem muitas mulheres; seus vinhos em que são muitos contínuos e em tirar-lhos há ordinariamente mais dificuldade que em todo o mais [...] Item as guerras em que pretendem vingança dos inimigos, e tomarem nomes novos, e títulos de honra; o serem naturalmente pouco constantes no começo, e sobretudo falta-lhes limos e sujeição (ANCHIETA, 1984, p. 333). A missão de converter os Tupinambás logo se revela difícil. Segundo Castelnau-L`Estoile (2006), a conversão, cujo sentido evoca uma completa mudança de vida, implica, ao mesmo tempo, transformar os costumes dos índios e ensinarlhes os elementos essenciais do dogma cristão. Conclui a historiadora nestes termos: Os jesuítas do Brasil inventaram o aldeamento, isto é, uma aldeia de evangelização onde eram reunidos índios de origens diversas com os quais se residiam os missionários. Em decorrência da especificidade da conversão dos índios no Brasil, a missão, itinerante por definição, torna-se fixa (CASTELNAU-L`ESTOILE, 2006, p.19). O intuito deste estudo é compreender a relação entre índios e missionários a partir da ótica das diferenças cosmológicas, e respaldado no conceito cunhado por Sahlins (2003) de estrutura da conjuntura, segundo o qual essas sociedades teriam um sistema cultural aberto, isto é, capaz de ressignificar localmente as mudanças introduzidas pelas relações coloniais (SAHLINS, 2003 apud MONTERO, 2006, p.47). Dessa forma, Sahlins localiza a cosmologia nativa no centro dos processos de simbolização mobilizados pelo contato. Segundo Montero (2006, p.47), As tradições cosmológicas seriam, segundo Sahlins, a bagagem de onde os povos retirariam os traços operacionais para pensar sua relação com os outros através da construção simbólica de sinais constrastivos. Através dessas operações do pensamento cosmológico, os nativos seriam capazes de incorporar os eventos impostos pelo contexto em seus próprios termos. Partindo de Manoel da Nóbrega a Fernão Cardim, este trabalho visa ainda a analisar os sentidos da conversão para os jesuítas e focalizar as maneiras como os

7 6 indígenas incorporaram, transformaram ou rejeitaram o catolicismo transmitido pelos missionários nos aldeamentos e apreender as possíveis concepções ameríndias referentes ao encontro cultural. Influenciado pelos mais recentes estudos histórico-antropológicos preocupados em realizar uma interpretação do passado das sociedades ameríndias na América Portuguesa, o objetivo é compreender os múltiplos processos de convergência de horizontes simbólicos entre jesuítas e indígenas aldeados. Tem-se, aqui, como pressuposto, o fato de [...] que não há uma passagem temporal, analiticamente recuperável, entre uma configuração cultural e outra, a ênfase analítica deve voltar-se para a lógica das relações (políticas e simbólica) de significação e modo como produzem e reformulam alteridade (MONTERO, 2006, p. 43). Além disso, pretende-se destacar a importância da mediação cultural presente na ação dos jesuítas, responsável pela articulação dos distintos códigos simbólicos e culturais em contato nas aldeias. Dessa forma, assumir tal ponto de vista pode permitir contestar a eficácia da conversão pretendida pelos inacianos e caracterizar as missões jesuítas de Nóbrega a Cardim ( ) como um espaço propiciador de mestiçagem (GRUZINSKI, 2001) ou hibridismo (VAINFAS, 2010). O trabalho está estruturado de forma a apresentar reflexões históricas sobre os sentidos da conversão. A seção 2, Discutindo os Tupinambá apresenta as principais ideias e o debate sobre a conversão dos Tupinambá presente na literatura dos antropólogos, sociólogos e historiadores, a mais rica na temática. Na seção 3, Os sentidos da conversão, evidenciamos a construção do projeto da conversão dos Tupinambá como resultado de dois grandes movimentos religiosos: a Reforma e a Contra-Reforma, que chegariam a Terra de Santa Cruz como Missão Jesuítica e atingiriam as mentalidades dos Tupinambá. Por fim, na seção 4, As redefinições identitárias, reunimos algumas documentações históricas para demostrar que os maus costumes indígenas não foram substituídos e o que houve foi a permanência de traços culturais de ambas as partes dos envolvidos na Conversão e na formação de elementos culturais híbridos.

8 7 2 DISCUTINDO OS TUPINAMBÁ: ANTROPÓLOGOS, SOCIÓLOGOS E HISTORIADORES A temática da conversão já foi tratada por alguns antropólogos, sociólogos e historiadores de maneira séria, mas ainda de forma incipiente, sendo focalizada em demasia enquanto aspectos do projeto jesuítico para a América Portuguesa, deixando possibilidades para outras leituras. De Métraux a Agnolin houve muitos acenos e até análises detalhadas ou pormenorizadas, mas inserida em outro aspecto de natureza mais abrangente. A conversão dos Tupinambá, desse modo, aparece sempre ligada a um aspecto maior, situando-se como ponto elementar ou complementar nessas leituras. Desde 1922, o antropólogo suíço, mas naturalizado cidadão americano, Alfred Métraux (1979) tentou nos fornecer um quadro geral da cosmologia, do xamanismo e da antropofagia Tupinambá. Em seu livro A Religião dos Tupinambá e suas relações com a das demais tribos tupi-guarani, o etnólogo tem como objetivo sistematizar as fontes dos cronistas para nos fornecer de forma crítica e detalhada a religião dos tupinambá. Mas, segundo Métraux (1979), o seu estudo das ideias religiosas dos Tupinambás está longe de formar um todo completo. Segundo o mesmo autor, tais lacunas são, em parte, preenchidas pelo etnólogo alemão Curt Numuendaju. A partir de seu livro, Métraux (1979) propôs que os pormenores frequentes e, às vezes, obscuros, fornecidos a respeito dos caraíbas e da Terra Sem Mal tornaram-se mais compreensíveis quando comparados aos acontecimentos relativamente recentes que se produziram no seio de alguns grupos Guaranis do Paraguai e do sul do Brasil. Para Métraux, pode-se compreender o estudo dos movimentos messiânicos dos Tupinambá partindo-se do conhecido para o desconhecido, isto é, do exame das fontes contemporâneas para interpretação dos velhos textos. Outro grande sistematizador do material dos cronistas foi o sociólogo brasileiro Florestan Fernandes. Em seu livro Organização Social dos Tupinambá, publicado em 1948, o estudioso faz uma reconstituição da sociedade Tupinambá que esteve em contato contínuo com os europeus durante os séculos XVI e XVII. Dentre os aspectos para se compreender a religião dos Tupinambá estão as categorias de idade, essas muito rígidas e para atingi-las deveriam ser antecipadas

9 8 de rituais mágico-religiosos, e do conselho de chefes que abrangia efetivamente todos os indivíduos de determinado status: os Ava e os Thuyaae (FERNANDES, 2006). Esses aspectos sociológicos nos ajudam a confrontar as fontes quinhentistas e perceber que a conversão dos índios não aconteceria facilmente em uma sociedade estruturada e tão impregnada de rituais mágico-religiosos. Em 1951, Florestan Fernandes defendeu sua tese de doutorado e nela justificou que a guerra era uma comunicação com o sagrado. Segundo Fernandes (2006), as normas e os valores sociais que orientavam a conduta e as ações guerreiras possuíam um caráter mágico-religioso, e originavam subjetivamente como obrigações essenciais devidas pelos humanos a entidades sobrenaturais. Os escritos do antropólogo Pierre Clastres (1974) estão entre as pesquisas de antropologia política para justificar as migrações religiosas Tupi-Guarani, e podemos confirmar em sua tese sustentada nas duas coletâneas de ensaios. Segundo Clastres (2004), a busca da Terra sem Mal foi uma luta contra o Estado e contra o poder, e o aparecimento dos profetas caraíbas e do discurso que dizia a eminência do mal. Para o estudioso, o fenômeno do profetismo Tupi-Guarani deu motivo a numerosos erros de avaliação, e um deles seria interpretar o profetismo como a resposta a uma situação de grave crise consecutiva ao contato com a civilização ocidental. Conclui o antropólogo: Mas reduzir o profetismo tupi-guarani ao campo do messianismo seria desconhecer sua natureza radicalmente diferente, pela simples e irrevogável razão de que ele se originou entre esses índios bem antes da chegada dos brancos, talvez por volta de meados do século XV. Trata-se, portanto, de um fenômeno autóctone, que nada deve ao contato com o Ocidente, e que não estava, por isso mesmo, de modo algum orientado contra os brancos; trata-se claramente de um profetismo selvagem, do qual a etnografia assinalou nenhum equivalente noutros lugares (CLASTRES, 2004, p ). Outra antropóloga que se dedicou ao estudo do profetismo Tupi-Guarani foi a francesa Hélène Clastres (1975). Em seu livro Terra sem mal: o profetismo tupiguarani, publicado em 1975, desenvolve e estende, por meio de um caso particular, a tese sustentada por Pierre Clastres. A estudiosa menciona no livro a complexidade da organização social Tupi-Guarani, como: hierarquização da chefia, submissão dos vencidos em guerra, organização mágica-religioso da sociedade etc. Dessa forma, há a afirmação de que mudanças profundas estavam acontecendo na sociedade

10 9 Tupi-Guarani no século XV, a um passo do aparecimento do Estado, desencadeando o conflito entre poder político e poder religioso. Segundo Clastres, a busca da Terra sem Mal teria surgido como reação às transformações políticas internas e não com a chegada dos europeus. De modo que exceto se admitíssemos que este conjunto coerente que é a Terra sem mal pudesse ter surgido bruscamente e ao mesmo tempo, em todas as sociedades tupis-guaranis, coincidindo com a chegada dos europeus somos levados a formular a hipótese de que o profetismo gerouse na medida exata em que as sociedades se transformavam e ampliavam, como a contrapartida crítica e negadora das transformações política e raciais que se inauguravam (CLASTRES, 1975, p.59-60). Um dos grandes trabalhos dedicados à religião e aos costumes Tupinambá é o ensaio de Manuela Carneiro da Cunha (2009) em colaboração com Eduardo Viveiros de Castro, Vingança e temporalidade: os Tupinambá, publicado a primeira vez em A partir desta obra, os antropólogos analisaram a inconstância dos índios a converterem-se e perceberam que a única obstinação e indiferença da plasticidade social dos Tupinambá era a vingança. E um dos pontos mais importante da vingança é o diálogo entre o matador e a vítima [...] em um primeiro momento, qualificou-se a matança iminente como uma vingança por mortes passadas. Segundo momento do diálogo, e afirma-se a vingança será vingada: a morte presente será a razão de mortes futuras (CUNHA; CASTRO 2009). Considerando a vingança como o ponto essencial da sociedade Tupinambá, Cunha relaciona memória e vingança para explicar a vingança na temporalidade, onde a memória, cujo único conteúdo é a vingança, de que a vítima é o resultado, mas também o penhor. Resumem: O nexo da sociedade Tupinambá é a vingança. Mas a vingança não é outra coisa senão um elo entre o que foi e o que será, os mortos do passado e os mortos por ver ou, o que dá no mesmo, os vivos pretéritos e os vivos futuros. Dizer que seu nexo é a vingança é portanto dizer da sociedade tupinambá que ela existe na temporalidade, que ela se pensa a se mesmo como constituída no tempo e pelo tempo (CUNHA; CASTRO, 2009, p.93-94). Outro importante trabalho nessa área é o de Eduardo Viveiros de Castro (2002), um estudo acerca da conversão e descrença dos índios no século XVI,

11 10 publicado pela primeira vez na Revista de Antropologia, em Trata essencialmente da inconstância da alma selvagem, que ora aderia [ o selvagem ] com furor ao catolicismo jesuítas, ora, depois de convertido, retornava a seus maus costumes que tanto aterrorizavam os jesuítas sedentos de novas almas. Logo os jesuítas perceberam que os costumes Tupinambá era seu pior inimigo para a conversão, pois acreditavam que os indígenas não tinham religião. Para Castro, os missionários não viram que os maus costumes dos Tupinambá eram que verdadeira religião era o resultado da adesão profunda a um conjunto de crenças de pleno direitos religiosas (CASTRO, 2002, p.192). Carlos Fausto (2009) é um dos antropólogos que se dedicou à história e à cultura Tupinambá no seu texto publicado no livro História dos índios no Brasil, organizado por Manuela Carneiro da Cunha. No capítulo que lhe é atribuído, o objetivo principal é o de ler os cronistas a partir do material etnográfico contemporâneo ao autor. Um dos seus principais pontos de análise sobre os Tupinambá é o que diz respeito ao xamanismo e ao profetismo. Discordando de Hélène e Pierre Clastres, ele afirma que os movimentos migratórios dos indígenas em busca da Terra sem Mal foi causado pelos empactos da conquista e da colonização. Eram inúmeros os movimentos migratórios forcados e/ ou voluntários para o interior os Tupi fugiam das epidemias, da escravização, buscavam novos territórios. Esse era não há dúvidas, um contexto propício à atualização do discurso profético, e de favorecer esses aspectos da cosmologia e do xamanismo Tupinambá. Ademais, os xamãs se encontravam numa posição particularmente incômoda: as epidemias e a mortandade afetavam de forma direta sua prática de cura, bem como faziam crescer as suspeitas sobre a sua atuação como feiticeiro, como aquele que produziam a morte (FAUSTO, 2009, p.387). Outro estudo que se atém, de maneira muito específica, em aspectos da conversão e seus impactos causado na religião dos Tupinambá é o do historiador Ronaldo Vainfas(2010). Em uma análise aprofundada da Santidade de Jaguaripe, dos idos de 1585, esses rituais e os caraíbas que os protagonizavam deixavam os moradores e jesuítas perplexos, já que desde Caminha todos são unânimes em dizer que não havia religião entre os índios. Em seu livro A Heresia dos Índios: catolicismo e rebeldia no Brasil colônia, publicado em 1995, Vainfas analisa um movimento que o chamou de hibridismo cultural. Um dos pontos importantes de sua análise das particularidades do caraíba diz-se da migração religiosa objetivando a

12 11 Terra sem mal. Concordando com Carlos Fausto, sobre sua crítica às teses de Hélène e Pierre Clastres, Vainfas crê ser insustentável a ideia de que [...] o profetismo tupi-guarani incluindo a multiplicidade das cerimônias que dele resultavam não guardavam relações diretas e históricas, vale dizer com o contato com o colonialismo (VAINFAS, 2010, p.45). Para o historiador, a mudança de direção das migrações guiadas pelos caraíbas que antes visavam ao Ocidente passaram a buscar o Oriente, dessa forma, mostra de maneira convencível o quão tão decisiva foi a chegada dos moradores e jesuítas nas manifestações políticas religiosas dos Tupinambá. No início do século XXI, o estudioso da história indígena John Manuel Monteiro (2001) apresentou sua tese Tupis, Tapuias e Historiadores. Estudos da História Indígena e do Indigenismo. O pesquisador faz uma análise daquela que foi um instrumento para a conversão dos índios no Brasil: a língua geral. Segundo Monteiro, A língua geral dos jesuítas foi fruto de um longo processo de construção, começando com a chegada dos padres em 1549 e culminando com a publicação da Arte de Gramática de José de Anchieta, em 1595 e do Catecismo na Língua Brasílica, de Antônio de Araújo em 1618 (MONTEIRO, 2001, p.43). As aldeias missionárias foram o principal espaço de interação entre jesuítas e índios, respaldadas pela língua geral, que os inacianos especializaram-se para compreender os maus costumes e substituí-los pelos os bons costumes cristãos. Uma das pesquisas mais recentes sobre a conversão e contato entre jesuítas e índios é a de Cristina Pompa (2003). A premiada pesquisa Religião Como Tradução: missionários, tupi e tapuia no Brasil colonial procura reescrever a história indígena como um mundo de mudanças, adaptações, negociações e constantes redefinições identitárias no espaço do aldeamento jesuítico. Pompa focaliza no seu livro os rituais religiosos Tupinambá e nos mostra de maneira inovadora o olhar recíproco e diferenciado dos sujeitos índios que foram objetos de espanto por parte dos moradores do Velho Mundo. Buscou-se compreender os múltiplos sentidos da conversão entre os povos indígenas (WRIGTH, 1999) aldeados juntos a alteridades tão distintas à sua: os Jesuítas. Charlotte de Castelnau-L`Estoile (2006), em sua obra Operário de uma vinha estéril: os jesuítas e a conversão dos índios no Brasil , mais restrita no

13 12 espaço e no tempo, veio confirmar que a conversão dos índios no Brasil não estava dando o fruto esperado pelo geral da Companhia de Jesus, Cláudio Aquaviva, em seu longo generalato ( ). Segundo a historiadora francesa, a missão no Brasil aparece como uma vinha estéril, assim como a chama o geral da ordem, em 1582 (CASTELNAU-L ESTOILE, 2006). Em nove de maio de 1583, desembarcaram em Salvador Fernão Cardim, secretário, e Cristóvão de Gouvêa, encarregado pelo geral da ordem jesuítas de visitar a província do Brasil. Em 1585, o jovem jesuíta Fernão Cardim escreveu uma Narrativa epistolar relatando a sua visita nas aldeias indígenas, onde fariam o essencial do trabalho da conversão. A partir da descrição dos costumes indígenas presentes nos aldeamentos, podemos supor que a conversão não estava sendo como o esperado. O sociólogo Adone Agnolin (2007) marca uma das principais pesquisas relacionadas à Nova História Indígena e demonstra que, ao contrário da simples substituição dos costumes Tupinambá, o encontro entre jesuítas e indígenas estabelecidos no interior dos aldeamentos foi responsável por propiciar o surgimento de novas formações sociais e culturais. Analisando os sacramentos entre os indígenas, Agnolin percebeu que: Levando em consideração esses problemas de caráter histórico (próprios de uma perspectiva histórico-religiosa) já se entrevê quanto os instrumentos impressos ou manuscritos, que deviam servir para a apresentação da fé as novas populações do orbis Cristianus, além dos problemas de clareza doutrinal, de síntese conceitual e de traduzibilidade lingüística, determinaram um espaço para um encontro que se apresentará necessariamente repleto de equívocos e mal-entendidos. (AGNOLIN, 2007, p ) De certa forma, esses equívocos e mal-entendidos entre ambas as partes estão muito próximos da proposta aqui delimitada, uma vez que os sentidos da conversão estão entrelaçados entre duas alteridades convergentes do espaço do aldeamento jesuíticos artificializado para os Tupinambá.

14 13 3 OS SENTIDOS DA CONVERSÃO: MISSÕES JESUÍTICAS ENTRE OS TUPINAMBÁ No século XVI surgiram dois grandes movimentos religiosos que sacudiram a Europa e que levariam esses acontecimentos até às estruturas da mentalidade religiosa das populações indígenas brasileiras. A historiografia convencionou chamar esses movimentos religiosos de Reforma Protestante e de Contra-Reforma. A heresia luterana contestava abertamente os dogmas da Igreja Católica e a autoridade do Papa. Esse processo de reforma religiosa desencadeou-se pelos abusos cometidos pela Igreja Católica e a mudança na visão de mundo da população deste período, no campo das transformações intelectuais, da cultura e da arte com o surgimento do pensamento renascentista. A Igreja Católica vinha, desde o final da Idade Média perdendo sua identidade, pois gastava com o luxo e preocupações naturais, o que a levava a se desviar do objetivo católico. A Igreja havia se afastado muito de suas origens e de seus ensinamentos, como pobreza, simplicidade e sofrimento. Muitos elementos do clero estavam desrespeitando as regras religiosas, principalmente o que diz respeito ao celibato, e Padres que mal sabiam rezar uma missa e comandar os ritos católicos deixavam à população insastifeita. Pioneiro na ameaçadora heresia que pairava sobre a Europa, Martinho Lutero protestou violentamente contra o comércio de indulgência e, em 1517, fixou na porta de Igreja de Wittenberg, onde era monge e pregador, 95 teses que, dentre outras coisas, condenava a prática da venda de indulgência e criticava vários pontos da doutrina católica. Segundo Adone Agnolin (2007), em sua teologia reformada, Martinho Lutero prescreve que o fiel deve pôr-se em contato com Deus somente por meio da leitura solitária da Bíblia, dispensando a (outra) mediação do Clero dos ritos e das cerimônias da Igreja. A Contra-Reforma, ou Reforma Católica, foi uma série de atitudes tomadas e barreiras colocadas pela Igreja contra a crescente onda do protestantismo. Para enfrentar as novas doutrinas, a Igreja Católica utilizou várias precauções para conter essa ameaçadora heresia. Preocupado com tal avanço da heresia luterana e com as perdas significativas de fiéis, bispos e Papa reúnem-se em Trento, onde

15 14 promoveram o Concílio de Trento ( ). De acordo com o analista dos catecismos utilizados pelos evangelizadores dos Índios brasileiros: A fim de impermeabilizar-se contra a infiltração de uma (por nada impermeável) ruptura da coesão formal no âmbito do Catolicismo, os conturbados acontecimentos que acompanharam as conturbadas, longas e várias sessões do Concílio de Trento, encerrado no ano de 1563, acabaram por confirmar o texto da Bíblia, conhecido como Vulgata, enquanto texto oficial da Igreja e rito latino (AGNOLIN, 2007, p.49). É a partir da heresia luterana e da ação contestadora da Contra-Reforma que poderemos pensar no surgimento da ordem missionária da Companhia de Jesus. Segundo Sheila Moura Hue (2006), idealizada em 1534 por um grupo de universitários liderados por Inácio de Loyola e aprovada por bula papal em 1540, havia nascido da ideia de um retorno à pureza da primitiva Igreja e da conversão dos infiéis. Objetivando converter todos os tipos de infiéis, os soldados de Cristo ou operário da vinha do Senhor, como os inacianos se autodenominavam, dedicaramse a combater as heresias, o protestantismo e a catequizar os povos não cristãos da América. Afinal, uma das questões definidas no Concílio de Trento para combater a reforma religiosa dizia respeito à catequização dos habitantes de terras descobertas, através da ação dos inacianos, e estabeleceu-se que as crenças católicas poderiam ter dupla origem: a partir daquele momento as Sagradas Escrituras ou as Tradições Transmitidas pela Igreja, apenas esta estava autorizada a interpretar a Bíblia. Como afirma Lucien Febvre (2009, p.30), cada época fabrica mentalmente seu universo. É justamente a construção desse universo mental simbolicamente híbrido que na Terra de Santa Cruz tem seu início em Foi em 22 de abril de 1500 que os portugueses avistaram as terras brasílicas pela primeira vez. Ocorreu imediatamente o encontro entre de divergentes alteridades, portugueses e as etnias Tupi-Guarani do litoral brasileiro. A antropóloga Manuela Carneiro da Cunha (2009, p.9), referindo-se ao encontro cultural afirma que: Ao chegarem às costas brasileiras, os navegadores pensaram que aviam atingido o paraíso terreal: uma região de eterna primavera, onde se vivia comumente por mais de cem anos em perpétua inocência. A cada lugar conferiam um nome - atividade propriamente adâmica e a sucessão de nomes era também a crônica de uma gênese que se confundia a mesma viagem. A cada lugar, o nome de santo do dia: Todos os Santos, São Sebastião, Monte Pascoal. Antes de se batizarem os gentios, batizou-se a terra encontrada.

16 15 Pero Vaz de Caminha escrevendo ao rei Dom Manuel I, de Porto Seguro, em primeiro de maio de 1500, afirma que os indígenas pareciam inocentes e dispostos a abraçar a converter-se e aceitar os costumes da cristandade. Segundo John Hemminh (2007), feito a cruz, Cabral ordenou a seus homens que: [...] Nos puséssimos todos de joelhos e a beijássemos para eles [ índios] verem o acontecimento que lhe tinhamos. E assim o fizemos. E a esses dez ou doze que lá estavam, acenaram-lhes que fizessem o mesmo; e logo foram todos beija-la. (CAMINHA apud MEMMING, 2007, p.34). Hemming (2007) observa que quando finalmente a cruz foi fincada, os índios participaram da cerimônia, ajoelhando-se durante as orações e imitando os portugueses quando eles se levantaram no momento do sermão. É o que afirma Caminha nestes termos: E quando levantaram a Deus, que nos pussemos de joelho, eles se puseram todos assim como nós estávamos com as mãos levantadas, e em tal maneira sossegadas que certifico a Vossa Alteza que nos fez muita devoção (CAMINHA, apud HEMMING, 2007, p.34-35). Como todo homem do século XVI, Caminha estava impregnado de catolicismo. E ao que tudo levava a crer os esforços da catequese logo dariam os frutos desejados pela cristandade, pois a gente é boa e de boa simplicidade e gravar-se-á neles, ligeiramente, qualquer cunho que lhe queiram dar (CAMINHA, apud ROMINELLI, 1996, p.42). Tal observação de Caminha reforça a crença imediata de que os sentidos da conversão seriam fases: Parece-me gente de tal inocência que, se nós entendêssemos a sua fala e eles a nossa, seriam logo cristãos, visto que não tem nem entendem crença alguma [...] se farão cristão e hão de crer na nossa santa fé, à qual para a Nosso Senhor que os traga, porque certamente, esta gente é boa e de bela simplicidade. E imprimir-se-á facilmente nestes qualquer cunho que lhes quiserem dar, uma vez que Nosso Senhor lhes deus bons corpos e bons rostos, como a homens bons [...] E portanto Vossa Alteza, pois tanto deseja acrescentar a Santa fé católica, deve cuidar da salvação deles. E prazerá a Deus que com pouco trabalho seja asssim! (CAMINHA, apud HEMMING, 2007, p.35. Grifo nosso). A simplicidade e inocência dos Brasis do litoral que demonstravam aparentemente facilidade em converter-se em bons cristãos, logo dariam lugar a

17 16 novas expressões depreciativas, como: mutáveis, inconstantes, brutos, ingratos e principalmente maus costumes. Em 29 de março de 1549, desembarcou no Brasil Antigo a primeira missão jesuítica com seus objetivos já previstos no berço da fundação da Companhia de Jesus. Segundo o sociólogo e historiador Adone Agnolin (2006, p.460): Em 1534 o espanhol Inácio de Loyola funda, junto com seis companheiros, o primeiro núcleo da Companhia de Jesus, que pretende constituir-se como um instrumento de luta a serviço do papa contra os hereges e os infiéis. Os jesuítas tornaram-se os protagonistas da Contra-Reforma católica. Composta por seis jesuítas, João de Azpilcueta Navarro, Leonardo Nunes, Antonio Pires, e os irmãos Diogo Jacome e Vicente Rodrigues, comandados pelo padre Manuel da Nóbrega (PEIXOTO, 1988, p.47). Dessa forma, a missão jesuítica que chega ao solo Tupinambá consolida-se através do plano eclesiástico tridentino no século XVI (AGNOLIN, 2006). Temática mais problematizada durante as reuniões do Concílio de Trento ( ), a Missão era vista como forma de penetração do cristianismo nas mentalidades dos bárbaros e gentios da América. Todavia, a conquista da América trazia ao conhecimento do Velho Mundo novas alteridades que, em seu conjunto, dominaram as preocupações da Igreja e do Estado. Em 1º de junho de 1537, o papa Paulo III viu-se com a difícil tarefa de afirmar com clareza, no documento oficial Altitudo divini consilii, a plena dignidade humana das populações do Novo Mundo americano (AGNOLIN, 2006, p.478). Para o historiador, com esse reconhecimento, abriu-se um espaço fundamental e fundante para necessidade de empreender a obra de evangelização nos novos territórios (AGNOLIN, 2006, p.479). É o que conclui o estudioso da religião e evangelização nos seguintes termos: Para além das diretrizes conciliares, as forcas decisivas para a penetração do cristianismo tridentino entre as populações idólatras foram expressadas pelas ordens religiosas, e de forma expecial pelos jesuítas. Se, de fato, nas reuniões conciliares, a extirpação da idolatria foi uma função entregue aos inquisidores e aos bispos, foi graças aos missionários, atraídos pelo modelo apostólico de pregação, que o Cristianismo penetrou em profundidade. No caso brasileiro, as diretrizes da missão foram inteiramente determinados pelo pensamento jesuítico (AGNOLIN, 2006, p.479. Grifo nosso).

18 17 A primeira missão que chegou juntamente com o primeiro Governador-Geral, Tomé de Souza, irmana-se a vontade do governador para iniciar o processo de conversão. De acordo com Hue (2006, p.11), concedida pelo rei português D. João III, a missão de Tomé de Souza e do grupo jesuítas era francamente civilizatória. Munido do Regimento de 1548 que o rei D. João III mandou redigir, documento que regulamentou a criação do Governo-Geral, Tomé de Souza estava juntamente com os inacianos empenhados em fazer as reformas necessárias para desestruturar dos Brasis os seus maus costumes. Através de análise do Regimento do primeiro governador, podemos perceber o seu caráter evangelizador e civilizador. Uma das atribuições do Regimento de 1548 é categórico ao afirmar: Favorecer os Índios que sustentarem a paz e fazer guerra contra os insurretos, dando-lhes castigos que sirva de exemplo a todos; ordenar que, nas vilas e povoações, se faça feira onde os índios possam comprar e vender, em pelo menos um dia de cada semana; Evitar que pessoa alguma, de qualquer qualidade e condição, faça guerra aos índios sem sua licença ou do capitão da capitania; Proibir que pessoa alguma, de qualquer condição, dê aos índios armas e munições, sob pena de morte e perda de todos os bens e atuar para que os Índios convertidos morrem junto às povoações das capitanias (SALGADO, 1985, p Grifos nossos). Com o objetivo de incentivar a relação com os moradores e estabelecer, assim, tanto a conversão quanto a civilização, os jesuítas e o Governador uniram-se contra os maus costumes objetivando converter os Tupinambá, catequizá-los, civilizá-los e trazê-los para os bons costumes cristãos. Uma das prioridades estabelecidas para Tomé de Souza era justamente servir a deus e à fé católica e enobrecer a terra e sua gente. Para os jesuítas, os principais propósitos da missão estabelecida pela Coroa era a catequese, proteção da liberdade dos índios e a educação e aldeamento dos nativos (GAMBINI, 2000, p.48). Segundo o analista junguiano Roberto Gambini (2000, p.48), os jesuítas no Brasil deveriam ser portadores de certa moralidade ou padrão de comportamento, expresso, nesse caso, pelos princípios básicos do catolicismo. Os sentidos da conversão político-espiritual era converter os indígenas. Para o junguiano brasileiro, os jesuítas, deveriam descobrir a melhor maneira de cristianizar os índios, tratando bem, favorecendo, protegendo e defendendo os que fossem de paz

19 18 (GAMBINI, 2000). Nesse caso, os que deixassem os seus maus costumes. Aceito o batismo, os índios deveriam manter-se separados dos seus costumes excessivos, e agrupados nas proximidades das vilas de portugueses para que conversem com os cristãos e não com os gentios, e possam ser doutrinados e ensinados nas coisas dos Bons Costumes (GAMBINI, 2000, p.57). Quando os inacianos chegaram ao Brasil Antigo, o padre Manuel da Nóbrega, como chefe de missão, distribuiu os missionários, dando início o seu fervoroso projeto de conversão dos Tupinambá. Leonardo Nunes enviado à Capitania de Porto Seguro ; Diogo Jacome a Ilheos, ficando Navarro e Pires nas aldeas da Bahia (PEIXOTO, 1988, p.47). Dava-se início aos primeiros reconhecimentos da alteridade cultural indígenas entre os jesuítas. Agnolin observa que no encontro catequético-ritual: Os primeiros reconhecimentos parecem delinear-se em forma de excessos, por um lado, e de ausências, por outro. Num primeiro tempo, os excessos serão identificados com os costumes e as ausências com as crenças. No imperativo de cristianizar os indígenas, os primeiros parecem, em princípios, ter preocupado mais do que os segundos. (2006, p.185) Escrevendo da Bahia em agosto de 1549, quatro meses depois de suas visitas às aldeias indígenas, Manuel da Nóbrega logo identifica os excessos e as ausências nos costumes dos indígenas de língua Tupi: Esta gentilidade a nenhuma coisa adora, nem conhece a Deus, somente aos trovões chamam tupã, que é como quem diz coisa divina. E assim nós não temos outro vocábulo mais conveniente para trazê-los ao conhecimento de Deus que chama-lo pai tupã. Somente entre eles se fazem umas cerimônias da maneira seguinte: de certo em certo anos vêm uns feiticeiros de longes terras fingindo trazer santidade, e ao tempo de sua vinda hles mandam limpar os caminhos, e os vão receber com danças e festas segundo seu costume. E antes que o feiticeiro chegue ao lugar, andam as mulheres de duas em duas pelas casas dizendo publicamente as faltas que fizeram a seus maridos, e umas as outras, e pedindo o perdão delas. E chegando o feiticeiro, com muita festa, ao lugar, entra em uma casa escura e põe na parte mais conveniente para seus enganos uma cabeça que traz em figura humana, e mudando sua própria voz, como a de criança, junto da cabeça, diz-lhes que não cuidem de trabalhar, nem vão à roça, que o mantimento por si próprio crescerá, e que nunca hles faltará o que comer, e que por si virá a casa, que as aguilhadas se irão a cavar, e as flechas se irão ao mato caçar para seu Senhor, e que hão de matar muitos de seus contrários, e cativarão muitos para seus comeres;e promete-lhes longa vida, e que as velhas se hão de tornar moças, e as filhas que as dêem a quem quiserem, e outras coisas semelhantes lhes diz e promete, com o que lhes engana; de maneira que crêem haver dentro da cabeça alguma coisa santa e divina, que lhes diz essas coisas, nas quais crêem. E, acabado de falar o feiticeiro, começam a tremer, principalmente as mulheres, com grande

20 19 tremores pelo corpo, que parecem endemoniadas, como decerto o são, lançando-se à terra, espumando pela boca, e nisto lhes persuade o feiticeiro de que então lhes entra a santidade, e quem assim não age, tornam-lhes mal. E depois hles oferecem muitas coisas. E nas enfermidades dos gentios usam também esses feiticeiros de muitos enganos e feitiçarias. Esses são os maiores inimigos que temos aqui: algumas vezes fazem crer aos enfermos que nós lhes metemos no corpo facas, tesouras e coisas semelhantes, e que com isso os matamos (HUE, 2006, p.35-37). Apesar de descrever várias cerimônias religiosas indígenas, Nóbrega não as reconheciam como uma religião e afirmava que os Tupi do litoral não possuíam crenças. Mas logo identificou os objetos de adoração indígenas, qualificando-os como os inimigos da conversão. Agnolin, depois de analisar a negociação da fé no encontro com o outro (a diversidade cultural), chegou à seguinte conclusão: Os excessos indígenas identificavam-se, sobretudo, com o conjunto de costumes abomináveis ou maus costumes - Cauinagem, guerra, antropofagia, sexualidade desordenada, pinturas, danças etc. - que conotava um estágio (de memória aristotélica) inferior da humanidade, reveladas de uma profunda desordem social e que dificultava, ao mesmo tempo, o processo de civilização. No combate a esses institutos, assim com à instituição central da cultura tupi do Karaíba, os redutores jesuítas, serão sempre irredutíveis (AGNOLIN, 2007, p. 276). Nóbrega observa que a maior autoridade pertencia aos feiticeiros que os indígenas reconheciam como pajés e Karaíbas, esses vistos pelos jesuítas como os propagadores dos maus costumes abomináveis. Referindo-se aos costumes indígenas, vistos pelos missionários como impedimento para a conversão. Agnolin (2007) afirma que aos excessos dos Comportamentos, estão presentes algumas significativas ausências em relação à memória, à vontade e a religião. Neste sentido, se o missionário deve modificar por meio da força se necessário, o comportamento e os costumes indígenas para salva-los, ele deve igualmente fazer com que conheçam a lei de Deus (AGNOLIN, 2007, p.277). Para os sentidos da conversão, os excessos impunham a disciplina, as ausências reclamavam a doutrina. Um e outro eram, juntamente, fundamentais para realizar o processo de cristianização. Nos relatos dos jesuítas do século XVI, são frequentes as descrições aos chamados maus costumes dos gentios. O padre João de Azpilcueta Navarro,

21 20 escrevendo da Bahia em 1550, apresenta o cuidado e as dificuldades em administrar o Batismo: Os Gentios [...] Pedem muitos deles o Baptismo, sobretudo em seis ou sete aldêas onde prégo. Mas por duas causas principalmente entendo que se lhes não deve administrar o Baptismo. Uma, é não terem Rei a quem obedeçam, nem moradia certa, mudando-se de aldeã todos os annos, e as vezes mais frequentimente quando succede algum delles embriagar-se e encoterisar-se, pois em três circircunstâncias nada menos fazem do que pegarem um tição e tocarem fogo a própria casa[...] Por isso se mudam quando agente menos pensa, de modo que repetidas vezes nos logares em que prégo acontece-me não encontrar aquelles de que mais confiava (NAVARRO,1988, p.77). Tentando converter alma de outro tipo de alteridades que não compreendia, o missionário João Navarro logo achou um culpado para as dificuldades em descaracterizar a alteridade Tupinambá afirmando: Não sei se isto se dá por obra de seus feiticeiros, os quaes dizem que os vou ensinando para ter menos trabalhos em fazer-lhes sofrer quando forem feitos escravos nossos [...] Os mais velhos são tão maliciosos, em grande parte, que todo o bem que lhes digo convertem, como a aranha, em veneno (Navarro da Bahia em 28 de março de 1550, in: NAVARRO,1988, p.77). E segue explicando o segundo motivo de não poder aplicar o Santo Batismo: A outra razão, de não menos efficaz, de diferir o Baptismo é que muito arraigado está nelles o uso de comer carne humana, de sorte que, quando estão em artigo de morte, saem pedil-a, dizendo que outra consolação não levam sinão esta, de vingança de seus inimigos, e quando não lha acha que dar, dizem que si vão o mais desconsolados deste mundo (NAVARRO,1988, p.78). Todavia, empenhado nos sentidos da conversão, firmes nos propósitos de modificar os maus costumes ameríndios e transformá-los em bons costumes cristãos, Navarro é irredutível nos seus propósitos: [...] gasto grande parte do tempo em reprehender esse vício; replicam alguns que comem-na somente as velhas; outros dizem que seus antepassados comeram e que elles devem comer carne humana. (NAVARRO, 1988, p.78)

22 21 Por último, o missionário apresenta uma descrição altamente pejorativa e demoníaca da alteridade cultural ritualística da vingança e antropofagia Tupinambá: Uma vez, por estes dias, foram à guerra muitos das terras de que fallo, e que muitos foram mortos pelos inimigos, donde, para se vingarem, outra vez lá voltaram e mortos muitos contrários, trouxeram grande abundancia de carne humana, e indo eu visitar uma aldêa; vi que daquella carne cozinhavam em um grande caldeirão, e ao tempo que cheguei atiravam fóra uma porção de braços, pés e cabeça de gente, que era causa medonha de ver-se, e seis ou sete mulheres, que com trabalho se teria de pé, dançavam ao redor, espeitando o fogo, que pareciam o demônio no inferno (NAVARRO,1988, p.78) O catequista Leonardo Nunes, em uma carta de 1550 endereçada aos irmãos de Coimbra, reconhece na estranha dimensão cultural indígena a escatologia cristã, projetando nos costumes e ritos ameríndios a figura do Demônio: Todos andavam nus, como elles todos costumam, delles tintos de negro, outros de vermelho, outro cheios de pennas, e não cessavam de atirar frechadas, com grande grito, e outros tangiam nos busios, com que fazem acorde em suas guerras que parecia o mesmo Inferno (NAVARRO,1988, p.86). O padre João Navarro de Porto Seguro apresenta uma descrição dos maus costumes dos Negros d aldeia a partir de uma visão cosmológica cristã da demonologia 1, Assim chegamos a uma aldeia onde achamos os Gentios todos bêbados, porque têm elles cada uma maneira de vinho de raízes que embebeda muito, e quando elles estão assi bebados estão tão brutos e feras que não perdoam a nem-uma pessoa [...] E vendo que aquella gente não tinha discrição para vir tão asinha ao conhecimento da fé, nem estava disposto 1 Baseada na instrumentação interpretativa do demônio, a demonologia foi instrumento imprescindível para gerenciar modalidades peculiares de encontros culturais. A estrutura interpretativa demonológica constituiu, historicamente, inevitável e perturbadora imersão no mundo das culturas, autóctones, exóticas e indígenas. Ela permitiu constituir, na base desses encontros, uma nova e peculiar dimensão cultural: a cultura colonial. O demoníaco constituía-se, portanto, como rede que, em princípio, oferecia a possibilidade de entender tanto os excessos (rituais: diferentes do culto idolátrico), quanto as ausências (de crenças: que, de fato, revelava a ausência da idolatria) que caracterizava determinadas culturas. E, assim, o demoníaco começou, timidamente, a instalar-se nas primeiras descrições das alteridades indígenas. A demonologia constituiu-se, portanto, como um grau zero de religiosidade, patamar inaugural do processo evangelizador (AGNOLIN, 2006, p.475. Sobre o estudo da demonologia no Brasil Antigo, remeteremos aos livros: O Diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil Colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 2009; Inferno Atlântico: demonologia e colonização séculos XVI-XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, Ambos da historiadora da USP, Laura de Mello e Souza.

23 22 para isso, partimos para outra. Contudo, póla missericordia de Deus, nos recebeu bem e nos ouvia pela língua a doutrina Cristã e mostravam elles e todos os mais folgar muito de ouvir, mas não ousavam de o dizer por um feiticeiro lhe davam a morte e que se as disséssemos por sua bocca logo morreriam. De aquelles ministro só é usar o demônio, temendo ser d aqui destronado, como creio que o vai adivinhando (NAVARRO,1988, p.96). O catequista continua seu relato de uma visão de mundo respaldada no combate de Satã que tinha em seus representantes os feiticeiros ministros do demônio: Este mal de comerem uns aos outros onda mui danada entre elles e é tanto que os dias passados falharam a um ou dous que tinham a engordar para isso se queria que o resgatassem 2. Elles respondeu que não o vendessem porque cumpria a sua honra passar por tal morte como vontade capital. Elles não se comem uns aos outros senão por vingança. Tem o Demônio muito domínio nelles, o qual dizem que algumas vezes lhes apparecen visualmente e que lhes dá e atormenta outras vezes asperamente (NAVARRO,1988, p.97-98). O sistema de vinganças Tupinambá estava na origem dos maus costumes, pois como os indígenas eram povos sem fé, nem lei, nem rei, eram seus costumes que deveriam ser modificados para que eles se tornassem bons costumes cristãos. Depois de retratarem os indígenas como filhos ou representante do Demônio cuja única maneira de emendar os seus costumes seria por meios da água do batismo, o padre Antonio Pires, certificando-se de que os indígenas estão firmes no conhecimento do catecismo e com isso possa perseverar-se em bons costumes: Muitos dos Gentios pedem água do Bautismo; mas o padre Nóbrega há ordenado que primeiro lhes façam os catecismos e exorcismos até que conheçamos nelles firmeza,, e também que primeiro emendem seus maus costumes. São taes os bautizados que perseveram, que é muito para dar graças ao Senhor, porque, ainda que dos seus são desenvolvidos e vituperados, não deixam de perseverar em bons costumes (NAVARRO, 1988, p.102). Por sua vez, no início das missões, o interesse que os tupinambá demonstravam pela fala dos missionários a respeito de suas divindades e os 2 Resgate consistiam na troca de mercadorias por índios prisioneiros de outros índios. Nos termos do Alvará de 1574, somente os indígenas à corda, isto é, já preso e amarrados para serem mortos, poderam ser objeto de um resgate pelos moradores. Indivíduos obtidos por esse expediente tinham, segundo a lei, seu cativeiro limitado a dez anos (ALENCASTRO, 2012, p.119). Para um estudo aprofundado dos princípios da legislação indigenista no Brasil Colonial, ver o artigo: Índios Livres e Índios Escravos: os princípios da legislação indigenista do período colonial (séculos XVI a XVIII), de Beatriz Perrone-Moisés, In: CUNHA, Manuela Carneiro da. (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

24 23 pedidos de batismos feito aos padres, levavam os missionários a pensarem que a conversão seria facilmente alcançada e que os nativos, depois de convertidos, deixariam seus antigos costumes. Antonio Pires, informando como disciplinava os novos convertidos, confirma que [...] este hão de ser um fundamento grande para todos os outros se converterem. Já começam a ir pelas as aldêas com os Padres pregando a Fé, e desenganando os seus dos maus costumes em que vivem. (NAVARRO, 1988, p ). Eduardo Viveiros de Castro (2002), estudando acerca da conversão e descrença dos Índios Tupinambá no século XVI: O mármore e a murta: sobre a inconstância da alma selvagem, afirma que nos, modernos e antropólogos, concebemos a cultura sob um modo teológico, como um sistema de crença a que os indivíduos aderem, por assim dizer, religiosamente. A religião, como sistema cultural proposta pelo antropólogo Clifford Geertz 3, pressupõe uma ideia da cultura como um sistema religioso. Segundo Castro (2002, p.192), Sabemos por que os Jesuítas escolheram os costumes como inimigo principal: bárbaro de terceira classe, os Tupinambá não tinham propriamente uma religião, apenas superstição. Mas os modernos não aceitamos tal distinção etnocêntrica, e diríamos: os missionários não viram que os maus costumes dos Tupinambá eram sua verdadeira religião, e que sua inconstância era o resultado da adesão profunda a um conjunto de crenças de pleno direito religioso. (CASTRO, 2002, p.192). Os Jesuítas separaram equivocadamente, segundo o antropólogo, o sagrado do profano, não percebendo a cultura como um sistema religioso: Nós, em troca, sabemos que o costume é não só rei e lei, mas deuses mesmos. Pensando bem, talvez os Jesuítas soubessem disso, no fundo, ou não teriam logo detectado nos costumes o grande impedimento para a conversão (CASTRO, 2002, p.192). Contudo, passados os primeiros anos das missões, os padres e irmãos abandonaram o otimismo inicial ao constatarem que os Tupinambá, depois de batizados, voltavam a seus antigos costumes. 3 GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, Ver especificamente os capítulos 4, A religião como sistema cultural; e 5, Ethos, visão de mundo e a análise de símbolos sagrados.

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

As reformas religiosas do século XVI

As reformas religiosas do século XVI As reformas religiosas do século XVI Crise na Igreja: a contestação e a ruptura Prof. Nilson Urias Crises religiosas na Europa No início do século XVI, a Igreja vivia uma época de profunda crise. Século

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE MOVIMENTO DE CONTESTAÇÃO AOS DOGMAS DA IGREJA CATÓLICA, APÓS SÉCULOS DE FORTE PODER INFLUÊNCIA NA EUROPA.

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015 Crise da Igreja no séc. XVI Reforma Religiosa e Contra-Reforma Muitos Humanistas criticaram a Igreja de então devido ao comportamento dos seus membros: Os Papas estavam mais interessados no luxo e no seu

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL Ederson da Paixão (Especialista em Educação Especial: Atendimento às Necessidades Especiais Integrante do Projeto de Pesquisa Os Primeiros Dramas

Leia mais

Reformas Religiosas Monique Bilk

Reformas Religiosas Monique Bilk Reformas Religiosas Monique Bilk Contexto Início da Idade Moderna O Renascimento estimula a crítica e o livre-pensar A burguesia tem projetos que esbarram nos obstáculos que a Igreja coloca... (doutrina

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

Grandes Santos de Deus.

Grandes Santos de Deus. Grandes Santos de Deus. Grupo de da IBRVN 2010 2010 John Wyckliff (1320 31 /12/1384) A estrela Matutina da Reforma. Valoroso campeão da Verdade! Foi professor da Universidade de Oxford, teólogo e reformador

Leia mais

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO Vós ouviste o que vos disse: Vou e retorno a vós. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. João

Leia mais

No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS. Pr. Cristiano Nickel Junior

No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS. Pr. Cristiano Nickel Junior No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS Pr. Cristiano Nickel Junior O propósito é que a Igreja seja um exército com bandeiras Martyn Lloyd-Jones No princípio era aquele

Leia mais

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver.

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. Richard Baxter Contexto: Os puritanos surgiram para apoiar e desejar a reforma

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

Missões para os índios americanos

Missões para os índios americanos Missões para os índios americanos Em busca do Nobre Selvagem A história de missões ameríndias é intrigante: Iniciada pela igreja Católica; Despertou o interesse dos protestantes. Depois de muito zelo e

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA A IMPORTÂNCIA DAS OBRAS DE FÉ William Soto Santiago Cayey Porto Rico 16 de Março de 2011 Reverendo William Soto Santiago, Ph. D. CENTRO DE DIVULGAÇÃO DO EVANGELHO DO REINO http://www.cder.com.br E-mail:

Leia mais

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Igreja Nova Apostólica Internacional Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Depois de, na última edição, termos abordado os aspetos inclusivos e exclusivos no Antigo e no Novo Testamento,

Leia mais

A filha da mulher cananeia (Mateus 15:21-28). PREPARANDO MISSIONÁRIOS. O endemoniado gadareno (Marcos 5:1-20).

A filha da mulher cananeia (Mateus 15:21-28). PREPARANDO MISSIONÁRIOS. O endemoniado gadareno (Marcos 5:1-20). Lição 8-22 de agosto de 2015 O plano de Jesus era preparar primeiro o povo judeu como base para as missões para outras culturas. Não obstante, não disperdiçou as oportunidades que se apresentaram para

Leia mais

PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento) e a divisão da Igreja

PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento) e a divisão da Igreja A REFORMA RELIGIOSA A REFORMA, FOI UM MOVIMENTO RELIGIOSO EM OPOSIÇÃO À IGREJA CATÓLICA PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento)

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

5ª Lição: O que o Islam? As Crenças Essenciais do Islam

5ª Lição: O que o Islam? As Crenças Essenciais do Islam 5ª Lição: O que o Islam? As Crenças Essenciais do Islam Existem muitos aspectos da crença nos quais aquele que adere ao Islam deve ter firme convicção. Desses aspectos, os mais importantes são seis, conhecidos

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era?

A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? A Literatura no Brasil está dividida em duas grandes eras: Era Colonial Era Nacional Que parâmetros foram utilizados para estabelecer tais era? Evolução Política Evolução Econômica Essas eras apresentam

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME Toda família tem um nome, este nome é o identificador de que família pertence esta pessoa, o qual nos aqui no Brasil chamamos de Sobrenome. Então este nome além de identificar

Leia mais

(A) Regionalismo (caráter da literatura que se baseia em costumes e tradições regionais).

(A) Regionalismo (caráter da literatura que se baseia em costumes e tradições regionais). ENEM 2002 Comer com as mãos era um hábito comum na Europa, no século XVI. A técnica empregada pelo índio no Brasil e por um português de Portugal era, aliás, a mesma: apanhavam o alimento com três dedos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

Aula 24 Reforma e contrarreforma

Aula 24 Reforma e contrarreforma FB MED, M3, 3 ANO e ANUAL. Aula 24 Reforma e contrarreforma DeOlhoNoEnem H3 - Associar as manifestações culturais do presente aos seus processos históricos.(análise das diversas práticas protestantes)

Leia mais

EXISTE O INFERNO? Introdução

EXISTE O INFERNO? Introdução EVANGELISMO PESSOAL EXISTE O INFERNO 1 EXISTE O INFERNO? Introdução A. Um dos temas religiosos mais carregados de emoção é o tema do Inferno. Que sucede depois da morte física? Há algo mais além do túmulo

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Juniores aluno 7. Querido aluno,

Juniores aluno 7. Querido aluno, Querido aluno, Por acaso você já se perguntou algumas destas questões: Por que lemos a Bíblia? Suas histórias são mesmo verdadeiras? Quem criou o mundo? E o homem? Quem é o Espírito Santo? Por que precisamos

Leia mais

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante.

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante. Aula 25 Creio na Igreja Católica.1 Frei Hipólito Martendal, OFM. 1. Leitura de At 2, 1-15. Ler e explicar... Dia de Pentecostes (=Quinquagésima) é o 50º dia depois da Páscoa. Os judeus celebravam a Aliança

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA A Antropologia é o estudo do homem e seu mundo. Como ciência da humanidade, ela se preocupa em conhecer cientificamente o ser humano em sua totalidade. (MARCONI, Marina

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

Juventude e Relações Humanas

Juventude e Relações Humanas SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: / / 03 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA.º ANO/EM PROFESSOR(A): VALOR: 0,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO:

Leia mais

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 #93r Há uma grande semelhança entre a sequência dos acontecimentos do período da Tribulação, descritos no livro do Apocalipse, com relação a Mateus 24. Vamos hoje, analisar

Leia mais

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19

Apostila Fundamentos. Batismo nas Águas. batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 Apostila Fundamentos Batismo nas Águas batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo... Mt 28:19 B a t i s m o n a s Á g u a s P á g i n a 2 Batismo nas Águas Este é outro passo que está

Leia mais

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição. São Mateus Ano litúrgico A

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição. São Mateus Ano litúrgico A Evangelho de São Mateus Ano litúrgico A O Segundo Envangelho O TEMPO DE JESUS E O TEMPO DA IGREJA Este Evangelho, transmitido em grego pela Igreja, deve ter sido escrito originariamente em aramaico, a

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Hugo Goes A Bíblia é formada por duas partes: o Antigo Testamento e o Novo Testamento. Em relação ao Novo Testamento, não há nenhuma diferença entre a

Leia mais

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL 1. Analise os quesitos a seguir e assinale, nos itens I e II, a única opção correta: (1,0 ponto) I. Observe a tirinha do Hagar e o texto de Alberto Caeiro: Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS Data: 03/03/08 COMO A MORTE ENTROU NO MUNDO PECADO Significa errar o alvo, rebelião, desobediência. etc. HERMENEUTICA A arte de interpretar o sentido das palavras em leis, textos, Romanos, 5 : 12 12 Portanto,

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais

Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund*

Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund* 1 Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund* 1. Suporte para lideranças Discuta que ajuda os líderes podem necessitar para efetuar o seu papel efetivamente. Os seguintes podem fornecer lhe algumas idéias:

Leia mais

Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo... Mateus 5.

Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo... Mateus 5. Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e, como se assentasse, aproximaram-se os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo... Mateus 5.1-2 E na minha nação excedia em judaísmo a muitos da minha

Leia mais

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego.

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego. Mensagem: O HOMEM QUE ABRIU OS OLHOS PARA DEUS Pastor: José Júnior Dia: 22/09/2012 sábado AMAZON JOVENS Texto-base: Lucas 18:35-43 A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 MANTO QUE TRAZ DE VOLTA O QUE FOI PERDIDO. Orou Eliseu e disse: Jeová, abre os seus olhos, para que veja. Abriu Jeová os olhos do moço,

Leia mais

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo ÍNDIOS NO BRASIL Cristina Langendorf Luciana Catardo AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrissem as suas vergonhas. Traziam nas mãos arcos e setas. Historiadores

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

A religião popular na formação da identidade do brasileiro. A religião popular é um fenômeno presente na cultura brasileira, e é principalmente a

A religião popular na formação da identidade do brasileiro. A religião popular é um fenômeno presente na cultura brasileira, e é principalmente a A religião popular na formação da identidade do brasileiro MARIO DE SOUZA MARTINS - UNICENTRO Introdução A religião popular é um fenômeno presente na cultura brasileira, e é principalmente a Igreja Católica

Leia mais

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9 Os Legados da Reforma Protestante Sobre o Indivíduo 2/9 Criado por Pedro Siena Neto em 03/2015 O legado da reforma sobre o indivíduo o trabalho a comunidade a intervenção divina a educação a economia o

Leia mais

Teologia Bíblica de Missões SEFO 2013

Teologia Bíblica de Missões SEFO 2013 Teologia Bíblica de Missões SEFO 2013 1 ª Aula Fabio Codo Fábio Codo - http://teologiaaservicoevangelho.wordpress.com Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério Madureira Campo de Mogi das Cruzes

Leia mais

A Bíblia realmente afirma que Jesus

A Bíblia realmente afirma que Jesus 1 de 7 29/06/2015 11:32 esbocandoideias.com A Bíblia realmente afirma que Jesus Cristo é Deus? Presbítero André Sanchez Postado por em: #VocêPergunta Muitas pessoas se confundem a respeito de quem é Jesus

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

PESQUISA: A PRIMEIRA EDUCAÇÃO NO BRASIL: GÊNESE E FUNDAMENTOS.

PESQUISA: A PRIMEIRA EDUCAÇÃO NO BRASIL: GÊNESE E FUNDAMENTOS. 1 PESQUISA: A PRIMEIRA EDUCAÇÃO NO BRASIL: GÊNESE E FUNDAMENTOS. Autora: SANDRA BOTELHO CHAVES Núcleo : História e Filosofia da Educação - Mestranda: Orientador: Profº Drº José Maria de Paiva A presente

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO Charles Nascimento de SÁ charles.as@superig.com.br FTC/FACSA A escravidão no Brasil tem nos maus tratos e na violência do sistema sua principal afirmação. Ao longo das

Leia mais

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA SAGRADA Nº 8 - Mar/15 PRESTA atenção RELIGIÃO! BÍBLIA Apresentação Esta nova edição da Coleção Presta Atenção! vai tratar de um assunto muito importante: Religião. A fé é uma questão muito pessoal e cada

Leia mais

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha 7 João Desfrutando João ao máximo Pode-se resumir o fato mais relevante de toda a história em quatro palavras: Jesus Cristo é Deus! A maior declaração da Bíblia

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Lucas 7,36 8,3. O amor cura qualquer pecado!

Lucas 7,36 8,3. O amor cura qualquer pecado! Lucas 7,36 8,3 O amor cura qualquer pecado! Certo fariseu convidou Jesus para uma refeição em casa. Jesus entrou na casa do fariseu, e se pôs à mesa. Apareceu então certa mulher, conhecida na cidade como

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO

BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO 1 INTRODUÇÃO Jesus mandou seus discípulos: Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a

Leia mais

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas José Eduardo Borges de Pinho Ecumenismo: Situação e perspectivas U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 1 1 Índice Introdução 11 Capítulo Um O que é o ecumenismo? 15 Sentido

Leia mais

728DD62502. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

728DD62502. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus S/PARTIDO em 09/08/2005 Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Antes de me reportar aos senhores quero lembrar que a Igreja Universal

Leia mais

MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37

MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37 MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37 1 1. Objetivos: Ensinar que quando Moisés aproximou-se de Deus, os israelitas estavam com medo. Ensinar que hoje em dia, por causa de Jesus, podemos nos sentir perto de Deus

Leia mais

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (Mateus 6:12). Esta é uma lição importante. Fixamos as condições para o nosso próprio

Leia mais

O líder influenciador

O líder influenciador A lei da influência O líder influenciador "Inflenciar é exercer ação psicológica, domínio ou ascendências sobre alguém ou alguma coisa, tem como resultado transformações físicas ou intelectuais". Liderança

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras

Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras C A P Í T U L O 3 8 Pérola de Grande Valor Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras escrito por profetas. Há cinco partes em Pérola de Grande Valor: o livro de Moisés, o livro de Abraão, Joseph

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O ENGANADOR

Bíblia para crianças. apresenta O ENGANADOR Bíblia para crianças apresenta JACÓ O ENGANADOR Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:M. Maillot; Lazarus Adaptado por: M Kerr; Sarah S. Traduzido por: Berenyce Brandão Produzido por: Bible for Children

Leia mais

PAGINA 1 BÍBLIA PASSO A PASSO NOVO TESTAMENTO

PAGINA 1 BÍBLIA PASSO A PASSO NOVO TESTAMENTO PAGINA 1 BÍBLIA PASSO A PASSO NOVO TESTAMENTO 11. PERÍODOS DA VIDA DE JESUS 28 E a fama de Jesus se espalhou depressa por toda a região da Galiléia. Jesus cura a sogra de Pedro: 29 Logo depois, Jesus,

Leia mais

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA 1 Lição 0 Já nasceu de novo? (volte para a página 5) Perguntaram a John Wesley porque razão ele pregava várias vezes, acerca de devem nascer de novo. Ele respondeu, porque vocês devem nascer de novo! Já

Leia mais

CONSELHOS EVANGÉLICOS

CONSELHOS EVANGÉLICOS CONSELHOS EVANGÉLICOS 1- RAZÃO TEOLÓGICA 1.1. Fato de Vida na Igreja A vivência da virgindade-pobreza-obediência de Jesus Cristo é fato de vida que existe na igreja desde suas origens. O estado religioso:

Leia mais

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo 1 Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética 2 0 1 2-2 0 1 5 DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN - RS Queridos irmãos e irmãs, Com imensa alegria, apresento-lhes o PLANO DIOCESANO DE ANIMAÇÃO BÍBLICO -

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos No Antigo Testamento são citadas algumas cartas, como no 2ºMacabeus, capi.1º. Mas é no Novo Testamento que muitas cartas foram conservadas como parte integrante da revelação de Deus. No Novo Testamento

Leia mais

DAVI, O REI (PARTE 1)

DAVI, O REI (PARTE 1) Bíblia para crianças apresenta DAVI, O REI (PARTE 1) Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Sumário. Prefácio...3. 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5. 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15

Sumário. Prefácio...3. 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5. 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15 1 Sumário Prefácio...3 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15 Comunidade Presbiteriana Chácara Primavera Ministério de Grupos Pequenos Março

Leia mais

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO História CONTEÚDO: CAP 3 - Islã CAP 4 Francos e Carolíngios 6ª 3 P2 REVISÃO 1. Na Arábia pré-islâmica, uma cidade em especial se transformou num ponto de encontro,

Leia mais