DE PERI A MUNDURUKU: A INSERÇÃO DO INDÍGENA NO CONTEXTO LITERÁRIO BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DE PERI A MUNDURUKU: A INSERÇÃO DO INDÍGENA NO CONTEXTO LITERÁRIO BRASILEIRO"

Transcrição

1 DE PERI A MUNDURUKU: A INSERÇÃO DO INDÍGENA NO CONTEXTO LITERÁRIO BRASILEIRO Érica Fernandes Costa Duarte¹ RESUMO O nativo brasileiro, após anos seguidos de humilhação e barbaridades, vem, aos poucos, sendo reconhecido como produtor de uma cultura única, bela e genuinamente brasileira. Tendo como ponto de partida a Constituição de 1988, que garantiu direitos mínimos de cidadania aos povos indígenas, um processo de resgate cultural pôde ser iniciado, abrindo caminho para a produção de um material direcionado de autolegitimação. A literatura de autoria indígena vem marcando presença de forma eficiente na reconquista de um espaço outrora perdido, servindo como porta-voz desse grupo excluído, exterminado, minoritário. Cercado por beleza e ludismo, o discurso literário produzido pelo nativo brasileiro tem caráter emocional, filosófico e, acima de tudo, político. Palavras-chave: Grupos Minoritários. Literatura Indígena. Autolegitimação. ABSTRACT The Brazilian native, after years and years of humiliation and atrocities, has being slowly recognized as producing an unique, beautiful, and authentic Brazilian culture. A truly cultural revival could be done, from the 1988 Brazilian Constitution, opening ways for a self identity material production. The native literature is nowdays reconquering its space, speaking by this minority group. Rounded by beauty and joy, the indigenous literary work has a deeply emotional, philosophical and political meaning. Key words: Minority groups. Indigenous literature. Self identity. INTRODUÇÃO O nativo brasileiro vem sendo, desde 1500, Mestranda em Letras pelo CES/JF. Artigo escrito sob orientação da Profª Drª Nícea Helena de Almeida Nogueira. 77

2 78 desconsiderado e maltratado, sofrendo preconceitos que tiveram origem com os colonizadores portugueses e foi continuado pelos que destes descenderam, ou seja, a maior parte da população brasileira. Pela ação direta ou indireta do homem branco, que perseguiu, escravizou e transmitiu todo tipo de doenças e males, o índio brasileiro acabou se tornando um grupo minoritário. Nações indígenas numerosas foram dizimadas ao longo dos anos, línguas e culturas próprias de cada tribo foram se apagando, morrendo junto com os nativos. O grito de socorro do indígena não era ouvido ou, simplesmente, era ignorado. Esses povos, verdadeiros fundadores de uma cultura genuinamente brasileira, eram levados, pelo descaso e pelo preconceito, a ter vergonha de ser índio, renegando sua própria condição. Com a Constituição de 1988, o indígena finalmente começou a ser valorizado, sua língua foi reconhecida e, a partir dessa data, foi garantido o direito de a criança indígena ser alfabetizada dentro de sua própria tradição lingüística. Monitores bilíngües e os próprios índios passaram então a trabalhar em prol de uma nova visão da educação indígena. Com essa nova proposta para a educação indígena, a necessidade de material didático direcionado virou uma realidade, criando, desta forma, a necessidade de se escrever o que até então só era contado. Deste fato, começaram a surgir os primeiros livros indígenas, feitos por índios para índios. Juntamente com as cartilhas bilíngües usadas na alfabetização das crianças indígenas, começou a ser escrito e publicado outro tipo de material literário indígena, voltado para a literatura infantil ou adulta. Pouco a pouco, esse material vem mostrando sua beleza e qualidade e vem disputando espaço nas livrarias com o literário tradicional, fato considerado impossível há até bem pouco tempo atrás. Nomes de indígenas importantes, como os de Daniel Munduruku e Eliane Potiguara, dentre outros, têm levado a história de seus povos pelo Brasil e exterior, numa tentativa de resgate das suas tradições, bem como uma homenagem a esses que só sobreviveram por determinação e coragem. Este artigo tem por objetivo apresentar a literatura indígena e seus principais representantes. Dados históricos CES Revista

3 sobre o período do descobrimento e eventos atuais, relacionados a mulheres indígenas de destaque, também serão utilizados a fim de traçar um panorama sobre o mundo indígena e sua contribuição para a Literatura e a Cultura brasileiras. NA ERA DOS DESCOBRIMENTOS Cristóvão Colombo, ao sair da Espanha com destino às Índias, acabou descobrindo a América e chamou de índios os que nesta terra habitavam, por acreditar que havia chegado ao seu destino pretendido. De acordo com a maioria dos livros didáticos de História, o Brasil foi descoberto em 22 de abril de 1500 pelo almirante português Pedro Álvares Cabral, não se levando em conta o fato de que os nativos já vinham habitando aquela região há cerca de quinhentos anos. A terra onde aportaram as naus européias era chamada de Pindorama (DEMARQUET, 1986, p.37) por seus habitantes. Muitos eram esses povos no século XVI. Os Tupi-guaranis (cerca de 85 mil) ocupavam quase todo o litoral do Brasil. Os Tupinambás (que somariam por volta de 100 mil), ocupavam desde a margem direita do São Francisco até o Recôncavo Baiano. Além destas tribos mais numerosas, pode-se citar também outras de grande importância na formação do povo brasileiro: Potiguar, Tremembé, Tabajar, Kaeté (os deglutidores do Bispo Sardinha), Tupinambá, Aimoré, Tupiniquim, Temiminó, Goitacá, Tamoio e Carijó (BUENO, 2003, p.19). Neste período, os que aqui habitavam foram chamados de negros, por não serem brancos como os europeus e por lembrarem os africanos. Na Bahia, onde foram escravizados ou aliciados para que fizessem a retirada do pau-brasil, ficaram conhecidos como brasis ou brasilienses (JECUPÉ, 2000, p.15). Com o passar do tempo, apesar de apresentarem diferentes línguas, costumes, aparência e tradições, o termo índio passou a ser usado de forma generalizada, para nomear todos os nativos e até hoje nivela e iguala em uma única categoria dezenas de povos distintos. O nativo, no início da colonização, seduzido por espelhos e contas, exerceu o papel de colaborador do 79

4 português, ajudando-o a fixar residência e a se adaptar ao novo ambiente. Aprender o tupi foi uma maneira eficaz de aproximação. A aprendizagem da língua pelos colonizadores não representava uma aceitação da mesma, pelo contrário, foi falando tupi que os jesuítas começaram o processo de catequização dos índios. Com inigualável preparo intelectual, os jesuítas aprenderam rapidamente a nova língua e deram a ela, de forma eficaz, uma estrutura gramatical, passando a ensiná-la a todos os índios. Dessa forma, surgiu em pouco tempo uma língua geral que substituiu os modos particulares de fala de muitas tribos, o que facilitou a conversão dos nativos ao catolicismo e a sua descaracterização enquanto grupos diferenciados. Os nativos, encarados pelos portugueses com desprezo e preconceito, considerados como povos inferiores, eram levados a crer pelos missionários que somente se deixassem de lado seus hábitos e costumes tradicionais atingiriam a condição de homem. Após a desestruturação das suas tribos e respectivas culturas, o nativo oferecia menos resistência, servindo como mão-de-obra na extração do pau-brasil. GRUPO MINORITÁRIO: EXCLUSÃO E PRECONCEITO 80 O Brasil possui dimensões continentais. Sua superfície mede, aproximadamente, km. Banhado pela maior bacia hidrográfica do mundo, a amazônica, o país apresenta uma pluralidade no que se refere a seu povo e, por conseguinte, sua cultura. Essas diferenças deveriam ser respeitadas e principalmente valorizadas, já que, ao procurar-se o verdadeiro significado do que seja o homem brasileiro, encontrar-se-á um tipo mesclado, não genérico, de conceituação complexa e difícil. A cultura no Brasil não pode ser encarada, portanto, de maneira linear e uniforme, pois o meio ambiente e os seus recursos (incluindo qualidade de vida) facilitam ou dificultam a sobrevivência do ser humano e essas experiências podem influenciar, de maneira direta ou indireta, a produção cultural dos mesmos. Dessa forma, no Brasil, não se pode falar em uniformidade cultural e, sim, em valorização da multiplicidade cultural (CASCUDO, 1967, p.10). CES Revista

5 O colonizador, ao chegar ao Brasil, olhou o nativo que aqui vivia com o mesmo preconceito com que encarava o negro. Para eles, o nativo era um selvagem e, como tal, precisava ser domado. Seus costumes, língua e religião foram desprezados, já que, para o europeu, o que de útil poderia apresentar um povo tão inferior como eram os primeiros habitantes do Brasil? Por conta de um preconceito arraigado, o negro e o índio foram, por anos a fio, encarados como não civilizados, incapazes de produzir algo realmente importante, de valor cultural reconhecido. O estigma de inferioridade que acompanha os descendentes desses grupos desde os primórdios permanece até hoje, renegando todo um processo de formação cultural brasileira. Além desses dois grupos já mencionados, a mulher e o homossexual também foram vitimados ao longo dos anos por fugirem a um padrão considerado ideal pela sociedade. A mulher era vista como utensílio doméstico, só preparada para os cuidados da casa e dos filhos (GATAI, 1995, p.13), incapacitada para quaisquer outras funções que não fossem estas. O homossexual, por sua vez, era considerado um desvio da natureza, portador de alguma doença mental que o fazia agir de uma maneira fora dos padrões sociais considerados convencionais. Exposto de modo vexatório, sendo perseguido, julgado e condenado por não se adequar a um comportamento imposto por uma sociedade conservadora, o homossexual jamais poderia ser aceito como produtor de cultura. Esses grupos reduzidos, perseguidos e marcados por estereótipos, acabaram encontrando na literatura um caminho que serviu tanto como veículo de valorização cultural, como também de porta-voz de denúncias raciais e preconceito. A obra literária produzida por eles tem a intenção, portanto, de trazer um retrato fiel do que vem a ser a sua cultura, proporcionando ao leitor um exercício de reflexão sobre identidades culturais e raciais e permitindo que seus acervos histórico-culturais sejam conhecidos, mantidos e, principalmente, valorizados. Os grupos minoritários encontraram na literatura um campo fecundo onde puderam assumir e defender suas diferenças culturais. Ter direito à voz própria, desfrutar da sua própria cultura, praticar sua própria religião e usar sua própria língua são direitos defendidos por tratados internacionais, 81

6 porém pouco reconhecidos e, muito menos, exercidos plenamente. Apesar da evolução cultural em que o mundo se encontra, muitos críticos não levam em consideração a qualidade cultural dos trabalhos produzidos por esses grupos, simplesmente porque fogem do que é considerado tradicional. No caso da literatura indígena em particular, o material produzido chega até mesmo a ser encarado como subliteratura (SOUZA, 2001, p.69), oriunda do popularesco e destinada somente a ele. LITERATURA INDÍGENA Segundo Jecupé (2000, p.20) antes de existir a palavra índio para designar todas as nações indígenas, já existia o espírito índio espalhado em centenas de tons. Os tons foram se dividindo por afinidades, formando clãs, que formaram tribos, aldeias, e constituíram nações. De modo que o índio é uma qualidade de espírito posta em uma harmonia de forma. 82 Estudos a respeito da população indígena apontam para, aproximadamente, 206 povos nativos no Brasil, cada qual com seus costumes e língua própria. É possível, segundo os antropólogos que realizaram esses estudos, que alguns deles jamais tenham se encontrado. A tradição oral indígena foi, desde 1500, desconsiderada e inutilizada. O povo que já habitava o Brasil antes de Pedro Álvares Cabral possuía uma arte verbal muito rica e diversificada, denominada poemúsica. Nessa perspectiva, portanto, a poesia dos índios seria o início da criação textual em nossos trópicos (RISÉRIO, 1993, p.50). É provável que essa desconsideração européia para com a cultura ágrafa indígena, não permitindo que já naquela época os textos indígenas fossem codificados para a linguagem escrita, tenha dado início ao preconceito até hoje arrastado pela literatura produzida por esse grupo, ainda considerada por muitos críticos como inferior, ou até mesmo inexistente. Dentro do Cânone literário, podem-se citar dois movimentos que trouxeram a presença do índio de forma CES Revista

7 bastante diferente. O romantismo de José de Alencar trouxe a figura do índio idealizado, o mito do bom selvagem, personificado na figura do índio Peri (COUTINHO, 2001, p. 40). Já o índio Macunaíma, criado por Mário de Andrade no Modernismo, era um herói sem nenhum caráter (ANDRADE, 2000), registrando uma possível identidade do povo brasileiro, uma mistura de vários povos, como numa colagem cubista. Com o Manifesto Antropofágico e o Manifesto da Poesia Pau-Brasil, Mário e Oswald de Andrade, aliados aos participantes da Semana de 22, convocaram o Brasil a reconhecer seus símbolos locais e a ouvir novos ritmos e sons. Pode-se considerar este movimento como um início da ruptura com o nosso passado literário, que só valorizava o que era estrangeiro. Somente com a Constituição de 1988, as línguas nativas foram reconhecidas oficialmente, abrindo espaço para a educação bilíngüe no Brasil, o que permitiu o estudo da cultura indígena em seu próprio habitat, isto é, dentro das escolas localizadas em meio às tribos. Até essa data as mesmas eram obrigadas a seguir o currículo nacional brasileiro de educação, fato que em muito contribuía para a desestabilização da cultura e da auto-estima desses grupos. O aspecto lingüístico, bastante complexo e variado, passou a ser encarado como representação própria de cada tribo indígena. O ensino passou então a ser feito, levando-se em consideração essas realidades únicas e suas heranças culturais, dando início a um processo de resgate histórico. A constituição representa, portanto, o grande marco no que se refere à retomada dos valores indígenas, tão subestimados e esquecidos. Com essa nova visão da educação indígena, os nativos puderam participar da elaboração dos planos e programas educacionais voltados para a sua tribo, e melhor que isso, puderam transmitir, oralmente ou por escrito, suas lendas e mitos, bem como desenhar ilustrações para seus livros. O papel do idoso se mostrou fundamental no processo de narração das histórias. Esses povos possuem uma forte tradição oral e é tarefa do homem mais velho da comunidade contar aos mais novos as histórias que foram contadas a ele por seus antepassados e que devem permanecer vivas na voz de seus sucessores. Percebe-se nesse fato uma grande contradição entre o nativo e o branco. 83

8 Enquanto aquele, considerado inferior sabe reconhecer a importância do idoso, o homem dito civilizado, que se considera superior, renega e abandona o mais velho, por acreditar na falta de capacidade do mesmo. Os monitores bilíngües passaram então a representar um papel de fundamental importância no trabalho com o povo indígena. Não bastando apenas dominar uma técnica de ensino especial, o monitor bilíngüe passou a patrocinar uma nova forma de educação, com a intenção de levar a criança índia a crescer sob uma consciência crítica da importância de seu povo no panorama nacional (SANTOS; WIELEWICKI, 2005, p.285). Essa nova forma de encarar a educação indígena permitiu que as crianças pudessem aprender a ler em sua própria língua, tendo o português como uma segunda língua, preparando-a para o futuro, porém, sem negligenciar seu passado. PRINCIPAIS REPRESENTANTES 84 O ensino das crianças indígenas, baseado em suas próprias leis, costumes e cultura, gerou um movimento em prol da criação de livros que atendessem ao principal objetivo desta nova visão da educação: livros escritos pelos próprios nativos e que abordassem fatos de sua realidade, bem como marcos importantes de seu passado. Esse material oriundo das representações indígenas vem de forma tímida ocupando as prateleiras das livrarias e conquistando, aos poucos, um público sensível, que encara a literatura indígena como especial, despindo-se de qualquer preconceito para apreciá-la e entender a importância cultural e social da mesma. O leitor desse material é brindado com histórias seculares, recheadas de lirismo e beleza. Dentre os escritores indígenas que vêm surgindo no panorama atual, citar-se-ão, nesse artigo, alguns que, por estarem mais presentes na mídia, representam a produção literária indígena como um todo, vencendo preconceitos e conquistando espaços. O escritor Daniel Munduruku nasceu no Pará e é índio da nação Munduruku. É formado em Filosofia pelas Faculdades Salesianas de Lorena, licenciado em História e Psicologia e mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal de CES Revista

9 São Paulo. Preside o Instituto Indígena para Propriedade Intelectual (INBRAPI) e participa ativamente de atividades ligadas à defesa das causas e das tradições indígenas. Munduruku é autor de livros como História de índio (1996), obra dividida em três partes que traz crônicas, depoimentos, informações sobre povos indígenas, além de um glossário da língua munduruku; Kabá darebü (2002), direcionado a crianças em início de alfabetização, trata sobre as possibilidades do conhecer de uma criança nativa criada dentro de sua cultura e O segredo da chuva (2003), uma narrativa que em muito lembra os mitos indígenas, tendo como personagem principal o menino Lua, cuja missão é defender a aldeia e a floresta, contando com a ajuda de um macaco, uma onça e uma capivara. Daniel Munduruku foi o primeiro autor brasileiro a receber a menção honrosa da Unesco de literatura infantojuvenil sobre tolerância entre os povos por seu livro Meu avô Apolinário. Um mergulho no rio da (minha) memória (1996). Este é um livro de caráter memorialístico, que aborda a cultura munduruku a partir da narrativa de Apolinário, avô do autor. Segundo Munduruku (2006) [...] histórias moram dentro da gente, lá no fundo do coração. Elas ficam quietinhas num canto. Parecem um pouco com a areia no fundo do rio: estão lá, bem tranqüilas, e só deixam sua tranqüilidade quando alguém as revolve. Aí elas se mostram [...]. Kaká Werá Jecupé é filho de pais tapuias, ou txucarramães. Nasceu em Parelheiros, na periferia de São Paulo, onde ainda sobrevive um agrupamento de índios e se transformou num educador, com a intenção de difundir valores universais da cultura indígena, como o respeito ao próximo, à natureza e ao conhecimento dos antigos. (DIMENSTEIN, 2003). Jecupé publicou seu primeiro livro Oré awé roiru a ma no ano de Esta obra narra a história de um jovem índio que presencia o crescimento desenfreado da cidade de São Paulo e a ameaça que este progresso representa para uma tribo Guarani vizinha a sua casa, abordando fatos relacionados à interferência nos costumes e na qualidade de vida daquela 85

10 comunidade. No ano de 1996, o escritor pronunciou-se sobre a religiosidade indígena em Oxford (Inglaterra) e, em 1997, a convite da Universidade de Stanford (Estados Unidos), discursou sobre a religiosidade ancestral indígena, em um encontro inter-religioso que reuniu cerca de duzentos líderes de todo o mundo. Além da obra acima citada, o autor publicou também Tupã Tenonde (2000), onde revela os ensinamentos secretos da nação Guarani, antes só divulgados aos pajés, numa tentativa de valorização da diversidade cultural brasileira e A Terra dos Mil Povos (2004), obra biográfica onde o autor relembra os valores indígenas contados pelos ancestrais de sua tribo, ressaltando a importância de se preservar o espírito. Segundo Jecupé (2002, p.12) [...] Há tribos que começam a sua história desde quando o clã eram seres do espírito das águas. Outras trazem a sua memória animal como início da história, assim como há aquelas que iniciam a sua história a partir da árvore que foram. 86 Yaguarê Yamã é um índio pesquisador que nasceu na selva amazônica. Ele pertence ao povo Saterê Mawé que vive na área indígena Andirá-Maráw, na fronteira entre os estados do Amazonas e do Pará, numa região de floresta. Yamã é professor, palestrante de temática indígena pelo Brasil e escritor de vários livros, como Sehay ka at haría: O caçador de histórias (2004), obra que resgata a memória cultural mawé através de relatos da infância do escritor; Urutópiag: a religião dos pajés e dos espíritos da selva (2004), que traz um relato do autor a respeito dos preceitos e conhecimentos de uma tradicional religião indígena; Puratig: O remo sagrado (2005), livro composto por oito contos, sendo que um deles trata do mito do guaraná, pertencente às tradições dos Saterê Mawé, conhecidos como o povo do guaraná. Sobre esta última obra, o autor comentou que via no livro a esperança de difusão da memória ancestral de seu povo (YAGUARÊ, 2006). Olívio Jecupé é índio da nação guarani. Publicou oito livros, dentre os quais se pode destacar: Iarandu: o cão Falante CES Revista

11 (2002) onde figuram como personagens principais um curumin e seu cão falante; Xerekó Arandu, a morte de kretã (2002), narrativa sobre um nativo conhecido por sua determinação no que se referia à defesa dos direitos de seu povo e Verá: O contador de histórias (2005) que traz como narrador um indiozinho Guarani contador de histórias repletas de fantasia e imaginação. Em um texto intitulado Os velhos são nossos mestres, publicado na Bay-Universidade Indígena, Jecupé também chama a atenção sobre a importância dos idosos na transmissão da cultura indígena, referindo-se aos idosos como os grandes responsáveis pela transmissão, manutenção e imortalidade das histórias de seus povos. Eliane Potiguara é uma escritora indígena da nação Potiguar, formada em Letras (Português-Literatura) e licenciada em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É Conselheira do Instituto Indígena de Propriedade Intelectual (INBRAPI), Coordenadora da Rede de Escritores Indígenas na Internet e também de um grupo voltado para a informação das nativas (GRUMIN) que moram tanto nas aldeias quanto nas cidades. Pela criação deste último, por ter trabalhado pela educação e integração da mulher indígena no processo social, político e econômico do país, bem como na elaboração da Constituição Brasileira, Eliane foi nomeada uma das Dez Mulheres do Ano de 1988, pelo Conselho das Mulheres do Brasil. Em 1992, foi Co-Fundadora/Pensadora do Comitê Inter- Tribal 500 Anos (kari-oka), por ocasião da Conferência Mundial da ONU sobre Meio-Ambiente, junto com Marcos Terena, Idjarruri Karajá e muitos outros líderes indígenas do país, além de ter participado de dezenas de assembléias indígenas em todo o país. Ainda no final de 1992, por seu espírito de luta, traduzido em seu livro A terra é a mãe do índio (1989), foi premiada pelo Pen Club da Inglaterra, ao mesmo tempo em que estava sendo citada na lista dos Marcados para Morrer, anunciados no Jornal Nacional (Rede Globo de Televisão) para todo o Brasil, por ter denunciado esquemas duvidosos e violação dos direitos humanos e indígenas. Eliane já participou de, aproximadamente, 56 fóruns 87

12 internacionais e mais de 100 nacionais sobre direitos humanos, além de ter feito parte do Comitê Consultivo do Projeto Mulher, 500 anos atrás dos panos, que culminou no Dicionário Mulheres do Brasil (2000), e da elaboração da Declaração Universal dos Direitos Indígenas, na ONU, em Genebra. Por seu empenho, recebeu em 1996 o título de Cidadania Internacional, concedido pela doutrina religiosa Baha i, entidade que trabalha pela implantação da Paz Mundial. Além de A terra é a mãe do índio, a escritora publicou outras obras, como Akajutibiró: terra do índio potiguara (1994), livro apoiado pela Unesco que serve como uma cartilha no processo de alfabetização de crianças e adultos e Metade cara, metade máscara (2005). Essa última obra é um romance que narra a história de amor de um casal indígena, que ao se separar na época da colonização brasileira e viajar por cinco séculos em busca um do outro, conhecem todas as Américas e suas histórias. Além da história de amor, o livro trata também de relações humanas, paz, identidade, história de vida, mulher, ancestralidade, família e a luta do movimento indígena, inclusive internacional. Essa escritora é um exemplo de força, garra e determinação já que enfrenta preconceitos duplos, por ser mulher e índia e conhece de perto todos os preconceitos gerados a partir dessas condições. Por esses motivos, a mulher indígena é retratada de forma especial nessa última obra citada. A autora fala sobre o papel fundamental destas mulheres no contexto cultural e da sua real contribuição na sociedade brasileira. Ela se faz porta-voz das dores destas mulheres (inclusive dela própria) e de seus desejos mais íntimos: 88 [...] Sou uma mulher de fibra, porque eu me reconstruí por mim mesma, depois de dançar desvairadamente na vida com meu iludido sapatinho vermelho. Quase perdi os meus pés, as ervas daninhas enrolaram neles pra que nunca mais caminhasse pelas estradas do saber, da consciência e do mais alto grau da espiritualidade indígena, mas pude dominá-los e arrancar esses malditos sapatinhos vermelhos das chamadas MULHERES E MÃES BOAS DEMAIS"!!!!!! [...](POTIGUARA, 2005, p. 86). CES Revista

13 militante política altamente engajada em prol dos direitos humanos que envolvem a causa dos povos indígenas e representante literária mais árdua de sua classe, pode ser considerada como o maior nome feminino envolvido nesse processo. A escrita indígena conta ainda com uma contribuição infantil de grande importância. A curumin Kerexu Mirim publicou, aos nove anos, seu primeiro livro, intitulado A índia voadora (2003) onde ela narra, em uma história bilíngüe, a realização de seu grande sonho: andar de avião. A menina, cujo nome significa flor pequena em Guarani, é filha do escritor Olívio Jecupé e vem aprendendo com o pai a importância de se valorizar suas tradições e seu povo. A produção literária de uma criança nativa serve como resposta no que se relaciona à validade e à importância do resgate cultural que vem sendo feito junto aos povos indígenas. GRANDES MULHERES INDÍGENAS Além de Eliane Potiguara, outras mulheres indígenas vêm se destacando em áreas diversas, trabalhando em prol de um reconhecimento cultural de seus povos, na tentativa de combater e, quem sabe, num futuro próximo, exterminar o preconceito existente contra as populações indígenas. Joênia Batista de Carvalho Wapichana é assessora jurídica do Conselho Indigenista de Roraima (CIR) e uma das principais lideranças na defesa dos direitos territoriais dos povos indígenas da região de Roraima. Por sua atuação em defesa de vítimas de tortura, discriminação racial e ameaça de morte, Joênia foi uma das finalistas do prêmio Cláudia 2004, entregue em São Paulo, na categoria Trabalho Social (ISA, 2004). A índia Karipuna Vitória Santos dos Santos, da Aldeia Santa Isabel, município de Oiapoque-Amapá, foi empossada em agosto de 2005 como a nova titular da Secretaria Extraordinária dos Povos Indígenas de seu estado. A escolha de seu nome para assumir o posto foi indicação dos próprios povos indígenas da região. Ela é a segunda indígena no Brasil a assumir tal cargo. O primeiro foi Francisco da Silva Pinhatã, da etnia Ashaninka (PORTAL AMAZÔNIA, 2005). A nativa pernambucana Maria das Dores Pankararu il 89

14 defendeu, em abril de 2006, em Alagoas, sua tese de Doutorado em Lingüística. A FUNAI (Fundação Nacional do Índio) não tem registro de outro índio que tenha chegado ao mais alto grau acadêmico do país. Durante seu doutorado, Maria pesquisou a língua indígena Ofayé, atualmente falada somente por 11 pessoas de uma comunidade localizada em Brasilândia (Mato Grosso do Sul), portanto, em risco de extinção. O trabalho da pesquisadora, em parceria com a professora ofayé Marilda de Souza, consistiu na execução de uma cartilha destinada a ensinar o idioma para as crianças da comunidade e criar uma correlação entre as línguas oral e escrita, de modo a facilitar o aprendizado ( BERNSTEIN, 2006). O nome de Joicelene Cruz Mandulão apareceu no topo da lista de aprovados do primeiro vestibular de graduação específico para indígenas do Brasil em Ela é da etnia Macuxi, de Roraima e foi aprovada junto com mais nove pessoas para cursar medicina na Universidade de Brasília (UnB). (COELHO, 2006). ORGANIZAÇÕES EM PROL DA CULTURA INDÍGENA 90 A população indígena brasileira vem se mobilizando para propagar sua cultura e, dessa forma, preservá-la. Representados por índios que saíram de suas comunidades em busca de estudo, de oportunidade de falar de seu povo, ou amparados por instituições de ensino de vanguarda, muitos grupos têm surgido, focados unicamente na defesa dos interesses indígenas. O INBRAPI é o Instituto Indígena Brasileiro para a Propriedade Intelectual. É uma organização nãogovernamental sem fins lucrativos. Dentre seus principais objetivos, pode-se destacar: promover a defesa de bens e direitos sociais, coletivos e difusos, relativos ao meio ambiente e ao patrimônio intelectual dos povos indígenas; realizar e divulgar pesquisas, estudos, organizar documentos referentes ao tema da propriedade intelectual etc... O Instituto Arapoty foi fundado por Kaka Werá Jecupê em Arapoty significa renascimento ou reflorescimento, em guarani. O Instituto Arapoty dedica-se à CES Revista

15 divulgação dos valores culturais e éticos dos povos ancestrais do Brasil, à criação de condições de subsistência e geração de renda, além de realizar ações educativas e ecológicas. O GRUMIN foi criado em 1987 e promove o acesso de nativos e suas organizações a informações preciosas para eles, influenciando-os na formação de opiniões, além de desenvolver consciências críticas, mobilizando indivíduos e organizações ao empoderamento, buscando o exercício dos direitos humanos para o desenvolvimento sócio-político-econômico do presente e do futuro de suas tradições e culturas. (GRUMIN, 2006). Esta organizaçao posssui uma comunidade on line no Orkut, que conta com membros, e um grupo de discussão na Internet (Yahoo grupos), composta por 341 membros. Ambos são liderados por Eliane Potiguara. De uma parceria entre o GRUMIN e o NEI (Núcleo de Escritores Indígenas do INBRAPI) será lançado o primeiro e-book (livro eletrônico) indígena na Internet. Participam da coletânea que compõe o livro diversos escritores e autores indígenas. A Bay - Universidade Indígena é um dos projetos desenvolvidos pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) que tem como objetivos estabelecer contatos de respeito e conhecimento entre a populações indígenas e as outras culturas e favorecer o entrosamento das mesmas, através de um dialogo intercultural, que engrandeça todos os envolvidos, tanto no campo educacional quanto no das relações antropológicas. No dia 04 de junho de 2004, a UFMG lançou a e-bay, revista indígena eletrônica criada para divulgar a educação indígena. Esse primeiro exemplar é fruto do trabalho de uma equipe de 80 pessoas da Universidade e de 110 índios de todas as etnias de Minas Gerais e contém trabalhos produzidos por representantes dos povos indígenas, que passaram por oficinas de literatura, gravura, música, antropologia, além de reflexões teóricas junto aos pesquisadores da Universidade. As oficinas foram oferecidas pela UFMG em (OLIVEIRA, 2005). A UFMG coordena também a produção e a edição de livros indígenas, em parceria com o projeto Brasil Alfabetizado, do Ministério da Educação (MEC), além de promover seminários e debates sobre a realidade da educação e da 91

16 Em setembro de 2005, foi aprovada a licenciatura para professores indígenas na UFMG. Esses professores poderão ingressar na Instituição no Curso de Formação Intercultural de Professores, licenciatura especial que atende aos educadores que já atuem em suas comunidades indígenas. CONCLUSÃO 92 Conforme descrito ao longo deste artigo, a população indígena brasileira foi desde a conquista européia sendo exterminada não só fisicamente, mas também em sua moral e sua cultura. O indígena, primeiro desbravador das terras brasileiras, foi, ao longo de nossa história, tratado como escravo, tachado de preguiçoso e ignorante. Seus costumes foram interpretados de forma desrespeitosa e irônica e somente seria salvo pelo Deus do branco colonizador se renunciasse a seus costumes e entregasse sua alma à catequese, ato que o transformaria no bom selvagem. (BOSI, 1994, p.91). Essas populações tão massacradas e esquecidas conseguiram manter suas histórias vivas através do relato oral dos anciãos das tribos, que as transmitiam de geração em geração, possibilitando o trabalho de resgate cultural e memorialístico que hoje vem sendo feito. Com a pós-modernidade, o indivíduo passou a não ter certeza de nada e a se questionar quanto à qualidade e à eleição dos cânones literários, considerados verdade absoluta em termos de Literatura até então. Essa nova visão do indivíduo pós-moderno deu abertura para que novos grupos fora do Cânone literário se manifestassem. Pelo espaço aberto pelo pósmoderno no mundo contemporâneo adentraram os grupos minoritários, sua visão de mundo e suas experiências relatadas através de sua literatura. O pós-modernismo permite uma fragmentação da realidade, uma mistura de estilos, uma ruptura. A literatura indígena, antes excluída e até mesmo desacreditada, passou a ter espaço, embora pequeno se relacionado a sua qualidade, nas prateleiras de algumas livrarias pelo país. Pouco a pouco, seus autores vêm conquistando leitores e prêmios (até mesmo no exterior), derrubando mitos e CES Revista

17 ocupando lugares de destaque. Nomes como o de Daniel Manduruku e de Eliane Potiguara, dentre outros, representam pelo mundo a beleza do relato indígena. O reconhecimento da importância do nativo pela população mundial e pela brasileira, em especial, é um início importante no que se refere à valorização do lastro cultural desses povos tão singulares. A produção literária indígena, arte genuinamente brasileira, emoldurada em beleza e lirismo, ressurge, em meio às cinzas do preconceito, só que dessa vez mais fortificada e guerreira, portanto, pronta para a batalha. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE, Mário de. Macunaíma. São Paulo: Villa Rica, BERNSTEIN. Tony. Maria das Dores Pankararu recebe o primeiro título de doutor concedido a indígena. Disponível em: < com.br/horizontais/noticias_cidadao/anteriores/anterior0014.htm >. Acesso em: 10 mai BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, BUENO, Eduardo. O Brasil indígena. In:. Brasil: uma história. São Paulo: Ática, CALDEIRA, Jorge. Primeiros encontros. In:. História do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, CASCUDO, Luis da Câmara. História da alimentação no Brasil: cardápio Indígena, dieta africana, ementa portuguesa. São Paulo: Nacional, COELHO, Mário. UnB divulga lista de índios aprovados. MEC. Disponível em: < publicacao/engine.wsp?tmp.area=8&tmp.templ=noticia&tm p.noticia=105>. Acesso em 12 mai

18 COUTINHO, Afrânio. A Literatura no Brasil. Era Romântica. São Paulo: Global, DE ESTÓRIA À HISTÓRIA: a escrita indígena no Brasil. Revista da Biblioteca Mário de Andrade. São Paulo: Mimeo DEMARQUET, Sonia de Almeida. A Questão Indígena. Belo Horizonte: Vigília, DIMENSTEIN, Gilberto. A oca-escola de Kaká Werá. Folha online. Disponível em: < folha/sinapse/ult1063u696.shtml>. Acesso em: 12 mai GATAI, Zélia. Crônica de uma namorada. Record, Rio de Janeiro: ÍNDIA karipuna assume Secretaria dos Povos Indígenas do Amapá. Disponível em : < &idlingua=1>. Acesso em: 12 mai Cadernos TV Escola. Índios no Brasil. Brasília: Ministério da Educação, JECUPÊ, Kaká Werá. A terra dos mil povos: história Indígena brasileira contada por um Índio. São Paulo: Petrópolis, JOÊNIA Wapichana, exemplo de resistência. Disponível em: < Acesso em: 11 mai OLIVEIRA. Alice Bicalho de. Relatório da produção e atualização da revista eletrônica nos nos de 2004 e Disponível em: < > Acesso em: 10 mai O QUE é o Grumin de mulheres? Disponível em: CES Revista

19 < >. Acesso em: 15 mai SANTOS, Célia Regina dos; WIELEWICKI, Vera Helena Gomes. Literatura de autoria de minorias étnicas e sexuais. In: BONNICI, Thomas; ZOLIN, Lúcia Osana. Teoria literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. Maringá: UEM, SHENIPABU Miyui: UFMG, História dos antigos. Belo Horizonte: VILLAS BOAS, Orlando Cláudio. Xingu: os índios, seus mitos. Rio de Janeiro: Zahar, YAGUARÊ Yamã. Disponível em: < >. Acesso em: 07 out

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

Notas sobre a escolarização indígena no Brasil 1. Clarice Cohn DCSo/UFSCar

Notas sobre a escolarização indígena no Brasil 1. Clarice Cohn DCSo/UFSCar Notas sobre a escolarização indígena no Brasil 1 Clarice Cohn DCSo/UFSCar A educação escolar indígena tem uma longa história, tão longa quanto é o contato entre índios e europeus. Desde sempre, a alfabetização

Leia mais

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 157 A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 Somos a continuação de um fio que nasceu há muito tempo atrás... Vindo de outros lugares... Iniciado por outras pessoas...

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Setembro/2015. Novas Doações do Prof. Charles Bicalho!

Setembro/2015. Novas Doações do Prof. Charles Bicalho! Setembro/2015 Novas Doações do Prof. Charles Bicalho! PRÊMIO Culturas Indígenas. Brasília: Ministério da Cultura; São Paulo: Sesc SP, 2007- v. MÕGMÕKA yõgkutex. Belo Horizonte: INCTI (Instituto de Inclusão

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão final: Karla Bento de Carvalho Projeto Gráfico: Fernando Selleri Silva Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL Por: Daniela Borges Lima de Souza1 e Bruno Mourão Paiva2 Francês, nascido em 1924, o professor Pierre Weil é escritor, educador e psicólogo

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS INDÍGENAS NO BRASIL Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG Conhecendo os povos indígenas Para conhecer melhor os povos indígenas, é importante estudar sua língua.

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão final: Karla Bento de Carvalho Projeto Gráfico: Fernando Selleri Silva Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Leia mais

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Série Movimentos Sociais Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Entre os dias 22 e 25 de abril, houve a IV Festa Nacional do Índio, na Praia da Enseada, em Bertioga. Trata-se

Leia mais

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014.

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. DEDICATÓRIA Para todas as crianças negras e de classes populares que são vítimas das atrocidades

Leia mais

COSTUMES INDÍGENAS 7

COSTUMES INDÍGENAS 7 COSTUMES INDÍGENAS 7 Silva, Wanderlúcia Araújo. Aluna da Universidade Federal do Pará Curso de História Bacharelado/Licenciatura RESUMO - Este artigo implica na reflexão a cerca dos costumes indígenas,

Leia mais

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana)

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana) Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros (textos e fotos Maurício Pestana) Responsável pelo parecer do Conselho Nacional de Educação que instituiu, há alguns anos, a obrigatoridade do ensino

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

Áreas de conhecimento: Língua Portuguesa, História e Temas Transversais.

Áreas de conhecimento: Língua Portuguesa, História e Temas Transversais. Projeto Bolsa Escola pública e Universidade na Alfabetização Faculdade Morumbi Sul E.E. Prof.ª Maria JAnnuzzi Mascari Série: 4ª série H PIC Professor Responsável: Tiago Aquilano Aluna Pesquisadora: Milena

Leia mais

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO 1 LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO Vanuza Oliveira do Carmo (UFS) 1- INTRODUÇÃO Presenciamos atualmente muitas discussões acerca da Lei 10.639 aprovada em janeiro

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&newsid=a5268.ht...

http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&newsid=a5268.ht... http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&newsid=a5268.ht... 1 de 2 02-08-2011 16:42 Diferentes especialistas pontuam como o saber indígena contribui para a sustentabilidade Muitos e diversos.

Leia mais

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6

Índios Lecionando: troca de saberes 1. Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Índios Lecionando: troca de saberes 1 Rassendil BARBOSA 2 Letícia FRANÇA 3 Michelle JÚNIA 4 Laura MÁXIMO 5 Christiane PITANGA 6 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO Os vários trabalhos

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual

A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual A Psicologia na garantia da Diversidade Sexual Audiência Pública: CSSF da Câmara dos Deputados, 06/11/2012 Apresentação Toni Reis Especialista em Sexualidade Humana Mestre em Filosofia, na área de ética

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA

A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA 1 A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA EM IRACEMA E MACUNAÍMA Isaac Santos Cajé (UNIT) INTRODUÇÃO Os estudos recentes da literatura portuguesa alargaram as fontes, possibilitando um novo olhar para velhos

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

Projeto Meu Brasil Brasileiro

Projeto Meu Brasil Brasileiro 1 Projeto Meu Brasil Brasileiro 1.0 - APRESENTAÇÃO O presente projeto será realizado pelos estudantes da Escola Carpe Diem de forma transdisciplinar, sob a orientação do corpo docente como objeto de estudo

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação

18/3/2011 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE. Temas Principais. Tema 5: Sexualidade em sala de aula Tema 6: Religiosidade e Educação Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

INDÍGENAS NO BRASIL DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA

INDÍGENAS NO BRASIL DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA Capítulo 14 EDUCAÇÃO INDÍGENA Conhecimento sobre o recebimento e adequação da educação regular (parâmetros nacionais de educação) nas aldeias indígenas Estimulada e única, em % MACRO REGIÕES PROXIMIDADE

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS VANESSA COUTO SILVA A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula SÃO PAULO 2012 Introdução Este trabalho buscará uma problematização

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema 7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema TÍTULO JUSTIFICATIVA Pontes da Leitura por Ravel Andrade de Sousa As atividades descritas neste projeto foram por mim realizadas na Sala de Leitura, a partir do

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Urbis, Peri, peri-urbano

Urbis, Peri, peri-urbano Urbis, Peri, peri-urbano Aquela cidade que você habita, aquilo que foi tomado como sonho de progresso, de civilidade. As tensões e interações intersocietárias. Aquele idealizado que está em busca de um

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 RELATÓRIO: JUVENTUDE NEGRA: PRECONCEITO, VIOLÊNCIA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL MARIA DO SOCORRO SILVA

Leia mais

LITERATURA DE CORDEL

LITERATURA DE CORDEL LITERATURA DE CORDEL O cordel como Gênero Textual Ela pode ser conceituada como poesia de cunho/teor popular, construída, linguisticamente, com base na cultura da raça humana. (FONSÊCA; FONSÊCA, 2008)

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro.

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Prof.ª Sonia Helena Carneiro Pinto Justificativa: Este projeto

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

OFICINAS CULTURAIS E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA: PET (Re) CONECTANDO E PREVESTI.

OFICINAS CULTURAIS E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA: PET (Re) CONECTANDO E PREVESTI. OFICINAS CULTURAIS E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NEGRA: PET (Re) CONECTANDO E PREVESTI. Sabrina Silveira Silva Universidade Federal de Uberlândia\FACIP sabrinasilveiramgsasa@hotmail.com Luciane Ribeiro Dias

Leia mais

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO VIANA, Valdecir Lopes Universidade Federal de Minas Gerais Valdecir_viana@yahoo.com.br RESUMO Este texto integra as reflexões

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

PRÁTICA ESCRITURAL INDÍGENA: LÍNGUA E LITERATURA FORTALECENDO A IDENTIDADE E A CULTURA

PRÁTICA ESCRITURAL INDÍGENA: LÍNGUA E LITERATURA FORTALECENDO A IDENTIDADE E A CULTURA 1 PRÁTICA ESCRITURAL INDÍGENA: LÍNGUA E LITERATURA FORTALECENDO A IDENTIDADE E A CULTURA Érika Bergamasco GUESSE UNESP - Faculdade de Ciências e Letras - Campus Araraquara erikabg@fclar.unesp.br Resumo:

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

informações em documentos.

informações em documentos. C O L É G I O L A S A L L E EducaçãoInfantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000- Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL:

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS A CHEGADA DOS PORTUGUESES A AMÉRICA E AS VIAGENS MARÍTIMAS Projeto apresentado e desenvolvido

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

Desenvolvimento sustentável: o que é e como alcançar? 1. Marina Silva 2

Desenvolvimento sustentável: o que é e como alcançar? 1. Marina Silva 2 Desenvolvimento sustentável: o que é e como alcançar? 1 Boa tarde a todos e a todas! Marina Silva 2 Quero dizer que é motivo de muita satisfação participar de eventos como esse porque estamos aqui para

Leia mais

DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS, NELSON P

DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS, NELSON P DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS, NELSON P. SIROTSKY, NO 3º ENCONTRO DAS CORTES SUPREMAS DO MERCOSUL BRASÍLIA, 21 DE NOVEMBRO DE 2005 A Associação Nacional de Jornais, que tenho

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas

Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Atividade extra Fascículo 2 História Unidade 4 Sociedades indígenas e sociedades africanas Questão 1 O canto das três raças, de Clara Nunes Ninguém ouviu Um soluçar de dor No canto do Brasil Um lamento

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares CADERNO DE PROVA 2.ª FASE Nome do candidato Nome do curso / Turno Local de oferta do curso N.º de inscrição Assinatura do candidato Coordenação de Exames Vestibulares I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM ATENÇÃO

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

REDAÇÃO I N S T R U Ç Õ E S

REDAÇÃO I N S T R U Ç Õ E S REDAÇÃO I N S T R U Ç Õ E S 1. Confira o número do(a) candidato(a), o local, o setor, o grupo e a ordem indicados na folha oficial de redação, a qual NÃO deverá ser assinada. 2. Leia e observe atentamente

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão final: Karla Bento de Carvalho Projeto Gráfico: Fernando Selleri Silva Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Leia mais

Retomando o fio da meada: a história dos métodos de alfabetização no Brasil

Retomando o fio da meada: a história dos métodos de alfabetização no Brasil Retomando o fio da meada: a história dos métodos de alfabetização no Brasil Marlene Coelho Alexandroff Analisando o panorama educacional do Brasil desde o final do século XIX, percebese que, ao se falar

Leia mais

Prova bimestral. Língua portuguesa. 2 o Bimestre 4 o ano. 1. Leia o texto.

Prova bimestral. Língua portuguesa. 2 o Bimestre 4 o ano. 1. Leia o texto. Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 2 o Bimestre 4 o ano Língua portuguesa Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia o texto. Daniel Wiedemann/shutterstock

Leia mais

Questões Ambientais. em tirinhas. Francisco Caruso & Cristina Silveira

Questões Ambientais. em tirinhas. Francisco Caruso & Cristina Silveira Questões Ambientais em tirinhas Francisco Caruso & Cristina Silveira Oficina de Educação Através de Histórias em Quadrinhos e Tirinhas CBPF / Coordenação de Documentação e Informação / Biblioteca Q5 Questões

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT

EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT 269 EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT Joilda Bezerra dos Santos (UFT) joildabezerra@uol.br 1 Raylon da Frota Lopes (UFT) railonfl@hotmail.com 2

Leia mais

Convivência. Revista do PEN Clube do Brasil. 2ª Fase - 1º Semestre 2012 - Número 2 - Rio de Janeiro Brasil / ISSN 1518-9996 ESPECIAL

Convivência. Revista do PEN Clube do Brasil. 2ª Fase - 1º Semestre 2012 - Número 2 - Rio de Janeiro Brasil / ISSN 1518-9996 ESPECIAL Convivência Revista do PEN Clube do Brasil 2ª Fase - 1º Semestre 2012 - Número 2 - Rio de Janeiro Brasil / ISSN 1518-9996 ESPECIAL PEN CLUBE DO BRASIL: 76 ANOS (1936-2012) Cláudio Aguiar O sentido de qualquer

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Dia Internacional da Paz

Dia Internacional da Paz DIA INTERNACIONAL DA PAZ PORTO ALEGRE/RS 21 de setembro de 2015 Dia Internacional da Paz O Dia Internacional da Paz é celebrado em 21 de setembro, fruto de uma iniciativa mundial da ONU estabelecida em

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais