articulando-se nele, emergem, trazem alguma coisa que nos faz pensar.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "articulando-se nele, emergem, trazem alguma coisa que nos faz pensar."

Transcrição

1 Entrevista do professor da PUC-SP Eugênio Trivinho concedida ao jornalista Bruno de Pierro para o portal Brasilianas.org e o Blog do Luis Nassif (ano: 2012) Estamos vendo surgir uma nova modalidade de capitalismo com as redes sociais, segundo a qual as regras da comunicação não são mais ditadas pelo jornalismo. Além dos fatos que costuma abordar e perseguir, a prática jornalística está às voltas com o sobrefato, ou seja, a movimentação da sociedade dentro do espaço cibernético, da qual a produção simbólica do jornalismo é dependente. A avaliação é de Eugênio Trivinho, professor do Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC- SP) e assessor do CNPq, da CAPES e da FAPESP. Considerado um dos principais nomes do estudo sobre a cibercultura, Trivinho falou ao Brasilianas.org por duas horas sobre as transformações da comunicação nas redes sociais e a defasagem do jornalismo para lidar com a nova ordem que se impõe. Para o professor, o que acontece é um destronamento do jornalismo como instrumento de mediação simbólica da sociedade, ao mesmo tempo que o real é reportado sem a necessidade da edição, perdendo-se, assim, o monopólio do jornalismo especializado. Na conversa, Trivinho ainda explica o conceito de glocalização, em oposição à globalização. Para ele, o termo glocal pode explicar melhor o cenário estabelecido pela conexão da Internet, pois significa aquilo que une o global da rede no local de acesso. Por fim, Trivinho fala sobre como o modo de produção do saber na cibercultura tornou-se incompatível com os cânones da Ciência. Confira abaixo as principais partes da entrevista. A íntegra está disponível,em PDF, abaixo do post, ou pode ser acessada por aqui. Brasilianas.org - Qual a concepção que o senhor tem pensado, nos últimos anos, sobre as redes sociais na Internet? Eugênio Trivinho - Em primeiro lugar, a questão da categoria: redes sociais é um truísmo, uma expressão conceitual que acabou tendo bastante aceitação no campo jornalístico, no senso comum e também no campo acadêmico, por um descuido do hábito. Na realidade, o conceito é bastante pleonástico, porque não há rede que não seja social. O adjetivo entra aí quase como um qualificador em relação às redes, para redundar no óbvio. Superada essa questão do pleonasmo interno - e não deveria ser assim -, deveria ser o conceito de rede sóciotecnológica. Esse é o conceito diferencial. Mas supondo que redes sociais são aquelas, e especificamente aquelas que se incubam no ciberespaço, e,

2 articulando-se nele, emergem, trazem alguma coisa que nos faz pensar. Sobretudo porque essas redes sociais tem dimensões, que tem sempre preocupado teóricos de diversos campos do saber. Elas tem uma dimensão claramente além do societário, da sociabilidade; tem uma função claramente política; econômica; cultural, evidentemente; e moral. No campo político, as redes sociais são uma espécie de epicentro articulatório de indivíduos que, a priori, são isolados, para fazer renascer alguma forma de movimentação na sociedade. E na sociedade pode ser dentro ou fora da rede. Essa forma de fazer política pode ser, muitas vezes, tão forte e envolvente que é capaz de se mobilizar e se fazer projeção contra o próprio aparato repressivo (cavalos, gás lacrimogêneo etc.). Essas redes sociais tem um clara função econômica, de duas formas. Elas são articuladoras de novas formas de empreendedorismo. As formas de empreendedorismo que nasceram no ciberespaço, sinceramente, não estão vinculadas a certos padrões capitalistas; muitas vezes são projetos de pessoas que não vivem no mesmo local, cumprem determinadas funções, prestam serviços, a partir de lugares remotos, e são projetos que não implicam a contratação de mão de obra assalariada. E o fato de não haver contratação de mão de obra assalariada implica na recusa de certos pressupostos capitalistas, porque onde há emprego de mão de obra assalariada, há, evidentemente, produção de riqueza não repartida. Essa produção da mais-valia, que se reparte, na maior grandeza, para aquele que detém as condições de contratação, e a menor grandeza para aquele que apenas vende sua força de trabalho, sua competência cognitiva, sua habilidade profissional, a recusa e a ausência não configura, portanto, a existência daquele fio condutor que sempre animou o capitalismo, que foi a exploração de um ser humano por outro. Mas, na verdade, podemos dizer que a exploração continua, mas de forma mais sutil. As pessoas se cadastram, fornecem seus dados e viram massa para as grandes empresas do ciberespaço. Se se trata de um empreendimento vinculado à rede, em que o empreendedor contratou a mão de obra de estagiários, por exemplo, e paga salário para cada qual, com carteira assinada ou não, o lucro não é dividido entre pares e fica concentrado para aplicação da reprodução do próprio negócio, para a contratação de mais funcionários, para a ampliação de filiais. Se há esse esquema, há, evidentemente, modus operandi capitalista no sentido mais clássico. Quando não há, quando a prestação de serviço é feita por uma pessoa apenas, e ela não emprega mão de obra assalariada, então não há, evidentemente, a configuração da mais-valia. Porque tudo aquilo que é capital entrante é relacionado apenas à posse de uma pessoa. Então não há mais-valia; o que há é o pró-labore. É muito curioso que, em muitos modelos de empreendedorismo que nasceram com o ciberespaço não há configuração clássica do capitalismo. Ao contrário, o que existe são muitas práticas de empreendedorismo produtivistas, mas sob um

3 outro viés, que não implica necessariamente a contratação de funcionário que vão ganhar menos devido ao salário, em prol de alguém que vai ganhar mais, porque é o contratador. Na realidade, são formas compartilhadas de trabalho, cada qual vivendo em bases remotas, nem sempre no mesmo país, e que acabam perfazendo formas de prestação de serviços que implica, no final, a repartição assemelhada dos lucros. Isso é uma realidade muito interessante, que só foi possível com a emergência do ciberespaço. A outra dimensão que as redes sociais trazem, essa sim mais sutíl e bastante curiosa, é o fato de que diversas mega corporações, que portanto trabalham suas marcas ao nível transnacional - e que muitas vezes são redes sociais, Facebook, por exemplo - e que se valem do trabalho articulado de milhões, bilhões de pessoas ao redor do mundo, consideradas como capital humano, e que aderem a essa marca sem gastar um tostão. E justamente por isso valoram, semana a semana, mês a mês, ano a ano, a marca. Isso sim é a exploração de que falei. É a exploração que não passa como exploração. É a exploração flexivel, sutil, imperceptível, obliterada de uma marca, que se gerencia como marca, que acolhe os consumidores - eles não precisam comprar nada no mercado. Não entra o simbólico do dinheiro, certo? Não entra, não há essa troca econômica, portanto parece que a troca não existe, mas existe. Na realidade, esses que são acolhidos são justamente aqueles que concordam em ter perfis, em ativar os nichos de rede para poder se relacionar com pessoas etc. E o contexto dessas mega marcas, em termos da sua valoração no mercado - o Facebook entrou recentemente no mercado de capitais -, com marcas sendo vendidas por bilhões, por mais que haja sociabilidade livre, desinteressada e distribuída, compartilhada, há negócio como qualquer outro, do ponto de vista da economia de capitais. Então, a marca é acolhedora e aquele conjunto de milhões de pessoas, que aderem a essa marca, e que agem sem pensar que estão no terreno de um negócio, quanto mais pessoas houver para dar fomento e sustentação à marca, mais investidores haverá e mais a marca será benquista pelo capital de publicidade e que quer se vincular a ela. E, nesse caso, usuários de redes, pela interatividade, são considerados como meros objetos sem que saibam. O Flickr promove eventos em vários lugares para promover a sua marca e se vale, evidentemente, da espontaneidade, da voluntariedade autonoma - pois ninguém é coagido, todo mundo faz porque quer - das pessoas. O que se vê são pessoas que fazem isso com prazer e com bastante consciência, pois sabem o que estão fazendo, ninguém é manipulado. As pessoas vão até o evento, sabem que estão num evento promocional e querem estar lá. São, portanto, corpos-propaganda, corpos de indivíduos (sem questão de gênero, de credo, nem de faixa etária ou, muitas vezes, salarial), que vão a esses eventos, tiram fotos, colocam nos seus perfis, dizendo que estiveram lá. E não se incomodam por serem garotos e garotas

4 propaganda. Estamos vendo surgir uma nova modalidade de capitalismo com as redes sociais, e que não deixa de ser perversa. Estamos falando do âmbito individual, que se torna social. Mas falando do jornalismo, vemos transformações interessantes na forma de produção da notícia, colaboração etc. A cobertura jornalística tradicional tem sofrido muito para acompanhar o que se difunde e divulga na rede. Dois casos mais notórios dos últimos meses foram Pinheirinho, em São José dos Campos, com vídeos, fotos e textos sendo gerado in loco por pessoas que não praticam o jornalismo, e ainda assim foram fontes de notícia; e o outro, as denúncias relacionadas a Carlos Cachoeira, com muitas informações relevantes circulando apenas em blogs, e não na grande mídia. A operação das redes sociais foi uma enorme surpresa para os usuários e estudiosos do ciberespaço, uma grande surpresa histórica em termos de fenomenologia social. Nos últimos dez anos, é o fato mais significativo do ponto de vista de agrupamentos sociais tendentes à realizar alguma atividade conjunta, não digo para a superação das condições vigentes do capitalismo, mas para expressar insatisfação e para poder dizer que existem novas formas de subjetivação de mundo, com pessoas vendo o mundo de uma outra maneira, articuladas por redes, ocupando ruas, praças, elaborando novas formas de empreendimento e de criação de riqueza e assim por diante. O que você coloca a respeito da questão do jornalismo entra na dimensão cultural, e como dimensão cultural não devemos entender apenas a relação com a arte, mas àquilo que se refere à produção simbólica. E o jornalismo é uma produção simbólica, especializada e com linguagem específica e que, portanto, envolve uma técnica. E é uma produção simbólica para um consumo abstrato. O jornalismo se faz para a leitura, para a visualidade. E a leitura é um consumo abstrato; alguém fala consumo alucinatório. Não é o consumo de materiais, como comer uma fruta ou de roupas, que são para vestir, ou um apartamento no qual se habite. O consumo abstrato está proliferado, e quem o satisfaz, nessa demanda, ou seja, quem satisfaz uma sociedade midiática, fundada no consumo abstrato, é a produção simbólica. O que ocorre com o jornalismo quando emergem as redes sociais? De fato, essa surpresa provoca desafios à produção simbólica, especificamente a jornalística. E os desafios ficam por conta, primeiro, da abordagem em tempo real. O jornalismo que mais perdeu com as redes sociais, e sempre é o que mais perde, foi o jornalismo impresso diário. Porque o semanal e o mensal tem condições de assimilar mais material e fazer o que o jornalismo diário não pode fazer, o que o jornalismo televisivo não pode fazer e o que o jornalismo de Internet não pode fazer, pois eles são vocacionados ao tempo curto. Somente com o distanciamento,

5 provido pela regra do jornalismo semanal e mensal, é que há a possibilidade de se agrupar o maior conjunto de dados e fazer o monitoramento, descartando várias coisas que realmente não interessam e só ficando com alguma estrutura interessante de fatos. E você os reporta, e a partir do momento em que ele vão se apresentando, você pode espalhar um pouco mais as pautas e descartar algumas. Então, numa entrevista, no primeiro dia, ela pode ser descartada no seguinte [dia], porque os fatos ultrapassaram a palpitação, a validade dessa entrevista prevista antes. Uma vez que você não precisa traduzir num produto, numa reportagem, numa notícia, naquele dia o que está acontecendo, você tem a possibilidade de flexibilizar o modo de compreensão do que está acontecendo. Isso não é possível para quem está na linha de frente do jornalismo diário. É possível que o jornalismo televisivo também tenha sido, e é, evidentemente, bem prejudicado, porque ele precisa se organizar em dependência de determinados horários. E a unidade, que antes era o dia, do jornalismo diário - já foi semanal -, passou a ser para um conjunto de horas, quando houve a emergência do rádio e também da televisão. Mas a medida dos fatos de hoje não é mais a medida nem pelo dia, nem pela hora; é pelo minuto. O tempo real é um tempo sem medida, ele se constrangeu muito para o efeito de abordagem de fatos. E a abordagem de fatos é a regra básica que sustenta a produção jornalística. Ora, como concorrer com o jornalismo impresso e o radiofônico, que ainda vive de entradas, e o televisivo, que tem uma flexibilidade, mas nem tanto, pois já uma programação que precisa ser honrada? As redes sociais podem não produzir jornalismo, ensaísmo acadêmico, mas elas inventaram uma nova linguagem, ultra ágil, e, ao mesmo tempo, seu espelhamento é em tempo real. E aí envolve não somente uma sociabilidade, mas uma coisa que diz respeito ao confronto com as autoridades, com o aparato repressivo, e assim por diante. São pessoas altamente ativas, que fazem parte de certos grupos, nunca são isoladas, e que respondem a uma voz e a um lugar de fala, e que, portanto, precisa fazê-lo para reproduzir esse lugar de fala. E o fazem não por dinheiro, mas exclusivamente pela partilha, pelo potencial e pelo empoderamento do âmbito civil. O jornalismo está agora em outro contexto, cujas regras não foram dadas por ele, e diante de um fato que se coloca bastante curioso: o jornalismo, além dos fatos que ele aborda e que ele persegue, está às voltas com o sobrefato, que é agora o caso das redes sociais. O jornalismo, que sempre dependeu de determinadas movimentações maquinais, tecnocráticas, uma parafernalha de hardwares (satélites, televisores), agora tem a Internet. Mas o jornalismo não depende só da parte da parafernalha da Internet, ele depende de uma movimentação interessante e que é da sociedade, dentro do ciberespaço e do qual o jornalismo e sua produção simbólica depende. Assim, o jornalismo está defasado em relação ao seu próprio contexto de inserção,

6 exclusivamente relacionado ao modo de produção em tempo real. Ele precisa se adequar, espargindo as suas redes para fontes que agora não estão, senão, no universo das redes sociais. Há o exemplo interessante do Huffington Post, com um modelo próprio de jornalismo colaborativo, logística de informação. Falaremos cada vez menos do jornalismo como dono da informação, portanto? Na realidade, a questão é bastante complexa. Essa argumentação traz diversos elementos para os quais a gente não tem uma resposta ainda. Os fatos não se apresentaram de tal forma completos para nos dar uma interpretação com uma resposta convincente a todos os elementos que você põe. Primeiro é preciso considerar o que é jornalismo. Se jornalismo é o que determinadas empresas ou projetos de empreendedorismo de produção simbólica fazem conforme o padrão dominante, com uma linguagem aberta, universal e inteligível, e que possa, portanto, ser útil como prestadora de serviço, possa elevar determinadas emoções, possa até bancar determinados interesses da população, cobrar de autoridades, fazer a mediação entre problemas sociais e a política etc. Se jornalismo é isso, uma técnica profissional, dominada por profissionais, que são pagos para poder exercer essa profissão, então nós estamos às voltas com a emergência de um determinado fato, que é vultuoso, das redes sociais que operam em tempo real, e operam produzindo, reportando-se ao real e fazendo chegar uma chuva de informações diária para esse tipo de jornalismo que, em geral, tem quatro suportes básicos: impresso, radiofônico, televisivo e o converso para a Internet, aproveitando o potencial da interatividade. Se jornalismo, grosso modo, tem a ver com o modo de produção simbólica de domínio por parte de certos profissionais que, portanto, tem relação com uma linguagem específica, e que com certeza não é a linguagem que estou empregando agora, nem dos escritos acadêmicos ou do senso comum - é uma linguagem elaborada, aprendida -; se jornalismo é isso, então temos que circunscrever qual o impacto que se opera aí. Na realidade, esse jornalismo se defasou. E mesmo o jornalismo de rede precisa descobrir novas formas de articulação noticiosa, que necessariamente não se faz por contrato de trabalho, às vezes se dá por voluntariedade. Aí já estamos caindo na segunda forma de jornalismo, que é como nós podemos considerar o jornalismo de um modo mais aberto, ou seja, lato sensu. Jornalismo pode ser considerado, diferente do que acabo de dizer, como um modo de reportar o real e o social, o modo de reportar a vida. Com uma linguagem específica? Sim, mas não precisa ser única. E reportar falo em recriar, pois muitas vezes o fato nem existe. Às vezes é um factóide, criado pela própria notícia, e a notícia passa a ser o próprio fato. E as pessoas vão ler a notícia como sendo o próprio fato. É preciso deslocar a definição. E se jornalismo for reportar o real para outrem - a literatura faz isso, a poesia faz isso, o teatro faz isso -, então ele é uma modalidade de recriação desse real, para outrem, a partir de uma linguagem muito específica.

7 O modo como de constrói o texto e como se faz reportagem televisiva varia, mas já não estamos no universo do empreendedorismo, empresarial. Estamos fora da organização do capitalista da notícia. Estamos já no modo mais aberto, que pode ser feito por qualquer pessoa. O que aconteceu recentemente no Pinheirinho, que foi reportado por inúmeros celulares, inúmeras câmeras fotográficas, que se transformaram em produtos de uma determinada vocação de testemunho. E falo de produto não assalariado, produto colaborativo, e que se acabaram indo para redações de jornais e para a rede, e muitas vezes o jornalista tem que ir para a rede, para ter acesso a alguma coisa que não veio até ele. Mas esse conteúdo já foi direto para a sociedade. O jornalismo foi abolido como mediação simbólica, como escritura e re-escritura; as redes sociais fazem isso. O que ocorre é um destronamento do jornalismo como instrumento de mediação simbólica da sociedade e, ao mesmo tempo, uma forma de reportar o real, que tinha sua força, primeiro na inexistência de edição e, segundo, na colocação a público, de forma para compartilhamento, no momento em que o fato estava praticamente acontecendo. O que vimos também na Primavera Árabe e no Occupy Wall Street. Na verdade, existe algo muito interessante, porque, se as redes sociais assim compareceram, provocando um certo impacto, trazendo um certo desafio para o jornalismo organizado, e ao mesmo tempo fora desse tipo de definição as redes sociais também trouxeram algo muito interessante, que o fato de elas mesmas serem a mediação simbólica para a sociedade, aí nós temos um fator muito curioso, que entrelaça essas duas modalidades de definição. E são, grosso modo, porque há várias formas definidas no jornalismo, a quebra do monopólio. Essa negativa de partilhar, do jornalismo organizado, essa produção simbólica, é uma forma de dizer recusamos o monopólio da informação, recusamos a possibilidade de edição, que já opera uma auto-censura, e faz os produtos irem à população a partir de uma mediação reconstrutora, que pode ser uma maquiagem a respeito do que, de fato, aconteceu. Então, o fato é bruto, sem mediação, exceto aquela das maquinárias e da vontade típica das próprias redes sociais. Essa quebra de monopólio não pode ser desconsiderada como um fato que já é conhecido, que vem acontecendo há pelo menos desde a criação dos computadores pessoais, nos anos 1970, Essa quebra de monopólio tem um fato novo: o fato agora é reportado por aqueles que o fazem ou que estão muito próximos dele, e que, muitas vezes, não tem ligação com as empresas jornalísticas mediadoras e simbólicas da sociedade. Se nós considerarmos que jornalismo é produção simbólica de reportar o real, então temos que considerar fora do cânone acadêmico, universitário, técnico, que o que está acontecendo é um fato para o qual o jornalismo ainda não nasceu, ainda nem se deu conta. E mostra o quanto ele está defasado; ele está vendo a proliferação de fontes e não sabe o que faz com elas. O quanto ele está aturdido em relação a

8 isso que comparece como modo de produção simbólica espontânea, de redes sociais comprometidas não somente politicamente, mas com o fato de que é necessário produzir sobre o social, sobre a vida, algo que seja mais autêntico, mais próximo do que são os fatos, do que o próprio jornalismo tem feito. Esse é um fato muito interessante, porque envolve quebra de monopólio, emergência de novos atores mediadores da sociedade, que estão trazendo uma nova inflexão, fazendo-nos pensar de outra maneira sobre o que significa autenticidade no reportar. E também envolve a questão da auteridade, não? O índio reportando o índio; o sindicato reportando o sindicato; o agricultor reportando o setor etc. Exatamente, tem o identitário. É um falando dele mesmo, quando ele fala sobre seu próprio contexto, sem mediações. Não é o historiador, não é o etnólogo, o jornalista que foi fazer. Ao contrário, o próprio lugar de fala se colocando. Quebram-se as mediações. No caso da mediação do jornalismo, é exclusivamente a questão do monopólio da notícia. Mas não é o monopólio por parte de uma empresa; falo de um monopólio por parte de uma técnica de produção do saber. É esse monopólio que se perde, o monopólio do cânone, do especializado - o jornalista como um especializado. Mas eu não se tudo o que se faz, como produção simbólica das redes sociais, pode ser considerado como modalidade de jornalismo só porque é uma modalidade de reportar o social. Se tomarmos a Internet como o estado máximo, pelo menos até agora, do que é o paradoxo e do que é a contradição, poderiamos dizer que a importância dela, para a filosofia da ciência, é de mostrar a questão do nãológico, do indizível nesse ambiente cibernético. O senhor concorda? Sem dúvida alguma. A Internet traz um modo de produção do saber que não é, de alguma forma, compatível com aquele do cânone da ciência. O modo de produção do saber das redes sociais, e mesmo antes da web, com os modens, é o fato de que há quebra da linearidade, há uma emergência da aleatoriedade; o fato de você ter, naquele site que você citou [o Huffington Post], de repetitividade de certas expressões, e as pessoas não estão nem aí, esse é o modo aleatório de produção do saber. Você pode encontrar isso em vários lugares a mesma matéria, ou em meios diferentes, duplicadas em parte e continuadas a partir de um desenvolvimento diferenciado do que foi feito no outro dia. E aí você tem acesso a uma versão e depois você saber que existe uma outra versão mais desenvolvida, e alguém pergunta: mas você leu essa matéria?, e você responde: li, mas estava relacionada à versão prévia. Esse tipo de produção do saber - e ao mesmo tempo comprometido com uma visualidade, com apresentação despreocupada em relação à questão da logicidade, em relação a não-repetitividade e aos cânones da lógica, da ontologia - é o que acaba, no fundo, colocando para nós que estamos nos relacionando com um fenômeno, cujos horizontes são tão abertos, e nós nem começamos a explorar,

9 e em relação ao qual nós sequer temos elementos epistemológicos herdados para poder abordar. E eu falo de cátedra, pois eu pesquiso essas questões da cibercultura, que é um nome que considero importante para ser cobertura para a fase digital do capitalismo tardio. Quer dizer, eu tomo cibercultura como categoria de época. E quais as caracteristicas dessa categoria? Tudo o que vem à tona nessa fase interativa do capitalismo, financeirizado e midiático, eu tomo como objeto de apoderação, porque nos faz pensar o modo inclusive de nós conhecermos o próprio mundo. Por exemplo, eu estou com meu grupo muito interessado em estudar o híbrido. O híbrido é uma categoria terceira, que se opera a partir da junção irreversível entre duas constitutivas. E essa terceira não se reduz nem a uma, nem a outra. Por exemplo, o glocal, que não é nem global, nem local, é uma terceira coisa. Quando se diz aldeia global, em McLuhan, é algo presencial e circunscrito, e, ao mesmo tempo, global. Existe aí um paradoxo, uma anti-tese. Então você não trabalha com a ideia de globalização? Trabalho com a glocalização. O glocal, para mim, é uma via de terceira grandeza, é uma terceira fenomenologia, que já se realizou no planeta inteiro e que está para além, e muito além, das localizações, das regionalidades e das globalizações e globalidades. O glocal é aquilo que une o global da rede no local de acesso. Então, quando você liga o seu celular, alguém liga e você atende, ou quando você abre seu tablet e está conectado, e mesmo quando você liga a televisão, você está na terceira grandeza, no contexto glocal. O que isso significa? Significa que você não está nem no local, você está conectado em rede, e você não está nem na rede, porque o seu corpo está no local. Você está no híbrido, no meio. E nós não vivemos no meio. É um paradoxo. É um paradoxo, é a união entre uma coisa e a outra, sem que haja contradição. E mesmo que sejam contraditórias, elas se mesclam. Só que o paradoxo ainda não é o híbrido. O paradoxo ainda é a justaposição de coisas: é uma coisa e outra, e não ou outra. O Ocidente não formulou episteme típica para compreender o híbrido, nós não sabemos do que se trata. Quando o senhor fala em Ocidente, é porque no Oriente há esse conhecimento? A microfísica ocidental, tipicamente acadêmica, que tem pelo menos 2600 anos. Mas não sei outra cultura que pense no híbrido, por isso que falo apenas da ocidental. Meu grupo também não sabe, e estamos preocupados com isso. Mas então existem inúmeros fenômenos híbridos, e o glocal se manifesta como a rede no local. Ela é pervasiva no sentido da mistura, de modo tal irreversível, mas de modo tal que você não tem nem mídia locativa, nem mídia global. O que você tem é uma mídia que glocaliza.

10 Ela une a dimensão do global, com notícia que vem de todos os lugares, que perpassa o seu ponto de rede, e que chega no seu tablet, no seu rádio, televisão; mas que uma vez que chega até você, porque somos mercado, chega se entrelaçando com o local, e dele não se separa. De modo tal que o que vem da China, do cinturão Norte da África, de Wall Street, nos Estados Unidos, é mais íntimo para nós, quando chega em nossa tela, do que o que acontece na esquina. Então, há um fenômeno muito curioso, que é o de distanciamento do que é próximo e uma aproximação com o que é distante. Isso funciona fora da cibercultura, isto é, quando vou a uma cidade pequena, distante, e lá encontro uma lanchonete de rede de fast food famosa, o logotipo de um posto de gasolina que também tem na minha cidade? Esse é o glocal lato sensu, aberto. O glocal stricto sensu envolve a necessidade de tecnologias digitais. Mas há cem anos, quando alguém abria um jornal em New York e lia sobre a China, isso já era glocal? Não, porque o glocal envolve tempo real. E o jornalismo não é capaz de rede em tempo real; o teatro não é capaz de rede em tempo real, assim como o cinema. Você tem que ir lá e assistir a peça ou o filme. A indústria fonográfica não é capaz de tempo real, ela produz o disco para você ouvir offline. Agora, a televisão é capaz de tempo real, o rádio, o telégrafo, no final do século XIX (a primeira máquina glocal), ou seja, a produção é em tempo real. Você produz automaticamente e, em centésimos de segundos, o outro lado ouve. E isso agora está proliferado; é quase como se a rede rara do telégrafo elétrico é hoje a regra proliferada, desde o rádio amador até as redes sociais. A Física também se interessa pelo estudo do imediato. Há alguma relação de seu estudo com as abordagens da Física? Não, com essa área não. Mas o fato é que o glocal stricto sensu é o que determina o que é, hoje, a fase civilização midiática. Essa civilização não é uma sociedade, mas sim um processo civilizatório que se dá com o uso de equipamentos especificamente capazes de rede em tempo real. Quando nós falamos do celular, dos tablets etc., nós falamos de máquinas capazes de perfazer um campo, que é o campo de acesso, de retransmissão, de recebimento, campo marcado por fatos comunicacionais, de interesse do nosso desejo (como consumidor, cidadão etc.), campo este que eu chamo de contexto glocal. A proliferação no mundo inteiro de contextos glocais articula a nossa história numa única categoria: a condição glocal da existência, aquela na qual estamos, articulando, no dia-a-dia, o nosso fazer, num processo civilizatório irreversível. Amanhã podem mudar as máquinas - a televisão pode desaparecer e a Internet também -, mas o glocal, como invenção técnica tende a perdurar.

11 Mesmo sem aparato técnico? O aparato pode mudar. Ninguém sabia que podia haver o tablet e que o celular podia congregar várias coisas. Mas o glocal, como lógica, como esquema operativo de união entre o global da rede e o local veio para ficar. Isso é uma evolução da ideia de espaço público também? O espaço público, na história, por exemplo no século XVIII, com a emergência da burguesia, já disse Habermas sobre isso, acabou ganhando uma nova dimensão, foi reconfigurado com a emergência de tecnologias glocais. Ele se transformou e se perdeu. Eu tenho um texto no qual eu divido a esfera pública do século XVIII em três modalidades públicas. Não vou me lembrar mais, mas de toda forma existem a esfera pública de sociabilidade e trocas; a esfera pública de venda, de troca econômica; e a cena pública, que é a produção midiática no geral. Na esfera pública de sociabilidade, das redes sociais, com compartilhamento de vídeos etc., não dá para fazer discussão alguma em 140 caracteres, ou seja, uma discussão profunda. A discussão é feita, como Habermas pensou, de forma presencial, que permite ao outro intervir, permite ao outro ouvir, e ser ouvido. Em algumas listas de discussão, é possível. O Skype, com aquelas possibilidades de abrir várias janelas, com discussão em tempo real, com fusos horários diferentes, com um código válido para todos, é possível, desde que não se esteja sob o tacape do tempo, e que os interlocutores tenham tempo para ouvir. E nesse texto eu também testemunhei o ocaso da esfera pública de discussão. A esfera pública é interessante, ela existe em certos contextos, mas na rede eu sou cético. Nas condições glocais, a esfera pública de discussão se perdeu. O glocal foi apenas um exemplo [de hibridismo]. Dependendo do sentido é que se dá o híbrido; o glocal é uma palavra que, no significante, é mais adequado, como episteme, para abranger aquilo de que se trata. No Ocidente - estamos às voltas com neologismos - você tem que produzir neologismos que captem o híbrido no significante, e nem sempre é possível fazer isso, senão fica piegas. Por exemplo, [a relação] público-privado. Você tem público no privado, privado no público - um talk show é um exemplo, porque alguém que vai entrevistar um político, ele, a figura pública, adentra ao estúdio, que é de uma empresa particular, mas que tem platéia, e portanto é público; e tem câmeras, que já é a representação do público externo, que pode ser ao vivo, ou não. Então, na realidade, é o produto de uma empresa, que está concorrendo por audiência, como outra qualquer. Esse produto vem como privado, mas num sinal que é público - pois se trata de concessão do Estado -, e que vem para a casa dos particulares, um terreno privado. Então, público no privado e privado no público, nós não temos uma palavra específica para poder apreender isto. Mas por que é necessário ter uma palavra, se já entendemos o significado desse fenômeno?

12 [Dessa forma], nós vamos operar por categorias cartesianas, analíticas, ou seja, separadas. Por isso que o Ocidente não está preparado para o híbrido, pois ele não sabe, não tem palavras. Ele tem que operar com palavras ainda separadas. Precisamos de novas palavras sintéticas, portanto. A síntese, o sincretismo, a mestiçagem, a hibridação. Ou seja, a palavra, por si só, dizendo o que ela é. Exatamente. Por exemplo, eu vou tratar da junção do imaginário entre público e privado, mas vou abordar a partir das categorias separadas, binárias, ainda. O híbrido é, assim, a união do binário, de um modo tal que se perdem as partes, para produzir uma terceira coisa. Mas eu não tenho uma palavra para dar conta disso; então, eu preciso criar. Na China, há mais de 40 palavras para neve, de acordo com a textura, com a cor. Na realidade, eu não posso falar pubrivado, fica piegas. Não posso [simplesmente] pegar metade da palavra e juntar com outra. Mas glocal pegou. Veio do espaço corporativo, depois foi incorporado pelas ciências humanas. Esse novo espaço está exigindo da própria ciência. Estamos às voltas com uma fenomenologia diferenciada. A fenomenologia do ciberespaço, das redes, e também rádio, televisão, enfim tudo o que se refere ao glocal traz consigo uma série de desafios que são inexplicados. E o horizonte é profundo, inesgotável, não vai terminar tão cedo. E nós precisamos dar conta, de alguma forma, disso. E a área de comunicação é uma área privilegiada, porque é com os fenômenos da comunicação que tudo isso tem mudado no social, mas, ao mesmo tempo, a comunicação tem instrumentos que herdou (metodológicos e epistemológicos) da sociologia, da antropologia, da ciência política, da história, da filosofia, e, ainda assim, não está preparada para poder abarcar, com profundidade e maior extensão, o fenômeno. Será que não é porque a área da comunicação sempre se voltou para si mesma? Na realidade, a comunicação é partícipe e, ao mesmo tempo, receptáculo dessa crise de paradigma, que começa em meados do século XX, com o final da Segunda Guerra e a liberação de grandes forças tecnológicas, científicas e econômicas. Liberação em termos de aceleração completa. Estamos vivendo, agora, o estressamento dessa onda de longa duração. Ninguém aguenta mais tanta aceleração, tanta vida articulada pela lógica da velocidade. Para tudo temos que correr, qualquer produção. E nós somos julgados e avaliados em função da produtividade que fazemos em menos tempo. O jornalismo diário, e o semanal também, é uma loucura, porque você precisa dar conta do tacape do tempo. Então, a partir dessa época [meados do século XX], ocorreu o que os historiadores teóricos vem tratando como Ocaso da Modernidade e a emergência de alguma coisa que se pode chamar de pós : pós-industrial, pós-moderno, e até falaram em pós-capitalismo.

13 Aí começa uma sensação, desde o senso comum até a Ciência, passando por outras formas de produção simbólica na sociedade, e a principal delas é a jornalística, de que nós já não sabíamos mais nomear quê tipo de civilização era aquela que estavamos vivendo. E essa quebra de paradigma vinha justamente pelo fato de que já não se podia mais acreditar nas metanarrativas, nas utopias ou grandes visões de mundo, porque foram elas que nos levaram à hecatombe. Foi o liberalismo pelo capitalismo, foi o nazismo pelo Terceiro Reich, foi o comunismo stalinista, pela burocracia soviética, que nos levaram a um beco sem saída: a Segunda Guerra, que aplicou, para destruição, todos os recursos do século XVIII, ou desenvolvidos, a partir dele, para emancipar o gênero humano do obscurantismo, da miséria. A Razão, a Ciência e a Técnica foram barganhadas para a destruição massificada, inclusive depois daquela bomba, vieram outras ogivas, no ápice da Guerra Fria, capazes de destruir o planeta. Alguma coisa tinha que parar esse filme, que era o conto da carochinha do progresso tecnológico. A modernidade acabou se realizando pela sua sombra. Não foi a modernidade prevista, da liberdade, da distribuição da riqueza. Ela precisou tropeçar. Na realidade, ela [a modernidade] tropeçou e não saiu do tropeço. Alguns acreditam que se pode colocar a locomotiva no trilho; outros disseram que não há mais condições, esse caminho não tem mais volta, e é impossível retomar os ideais do século XVII, para corrigir um erro tão avassalador, que agora é planetário. Antes havia um erro que era situado: o erro se torna na França, o erro se torna em algum país da Europa. Agora, não. Agora ele é planetário, pois a modernidade acabou racionalizando o mundo todo. O ápice seria a crise de paradigmas pela qual passamos. A crise de paradigmas vem daí, mas para isso muito contribuiu a comunicação. Quando a televisão emergiu, ela emergiu capitaneando os meios de comunicação que existiam, o jornalismo mudou, o jornalismo impresso começou a ter que colocar fotos, a proliferar imagens, para concorrer com a televisão. Hoje a televisão faz links com o ciberespaço, pois está subordinado a ele. Na realidade, essa comunicação, enquanto área e campo do saber, ajudou a quebra de paradigmas, porque ela espalhou aquelas imagens de corpos mortos, corpos esquálidos, vítimas do nazismo, judeus, ciganos, negros, homossexuais, deficientes físicos. Aquilo foi avassalador e nós ainda não conseguimos superar aquilo. Naquela época, começou-se a espalhar a idéia de que toda utopia rimava com barbárie, e não o contrário. Porque elas nos fizeram crer que elas, as ideias, eram o melhor, que traziam a emancipação, que elas iam nos trazer um mundo melhor, de liberdade. A felicidade estava no depois, e isso era somente possível se houvesse revolução.

14 Houve, então, uma reversão completa. A metanarrativa, a grande visão de mundo, na verdade, acabou por trazer o contrário, a destruição completa. Bom, mas elas eram nossas salvações, elas nos davam os paradigmas para revolução, para ciência... As ciências, cada qual no seu ramo, desenvolviam-se em função de uma narrativa de emancipação, todas elas cooperavam para trazer luz, para que o ser humano pudesse, através do conhecimento, da superação das doenças, da superação da miséria, das superstições, a luz da ciência, a luz da Razão, para que a humanidade pudesse prosperar em conjunto. As ciências trabalhavam em função de uma metanarrativa; ou era o marxismo, ou era o liberalismo, ou o humanismo. De repente, perdemos os referenciais primeiros. Cada ciência começou a operar por conta própria, começou a olhar para dentro de si, e a se desenvolver segundo um método, que é desenvolver-se em congressos específicos. Uma não se comunica com a outra, e a idéia de interdisciplinaridade começou a ser bastante artificial. Mas hoje se fala muito em interdisciplinaridade, tanto em meio acadêmico, quando no empresarial. Fala-se muito... Há autores, como Edgar Morin, que falam muito desse conceito. De fato, não está ocorrendo? É possível, desde que se faça o híbrido. Porque, na realidade, se você promove a interdisciplinaridade com a ideia do inter, e não do intra, o inter significa justaposição, então você faz uma interdisciplinaridade artificial. Você chama a sociologia, a história, a antropologia a se encostarem na comunicação, e você importa o método de uma, o conceito de outra. Isso ainda é interdisciplinaridade falseada. A interdisciplinaridade autêntica, genuína, é aquela que realmente mistura as coisas. E promove um conhecimento que já não se reconhece nem da comunicação, nem da antropologia, nem da filosofia, nem das áreas conectadas. O produto do trabalho já não se vincula à área a qual você pertence. Mas isso não seria, aproveitando a expressão que foi utilizada recentemente, uma utopia? Não, é possível sim. Tanto é o fato que se você traz diversas contribuições, eu não sei se o Edgar Morin faz filosofia, entende? Ele, de alguma forma, produziu um outro conhecimento, que se trata da Complexidade, Conhecimento Complexo. Para mim, é uma outra coisa; ele pode situar na sociologia, na filosofia, em todas as áreas, mas se é de todas, é de nenhuma. De fato, é transdisciplinar. Mas é curioso, eu leio Morin e eu não me convenço de que o que ele aborda é crível, porque há misturas que somente um pensamento mais ponderado deveria, evidentemente, perfazer. Eu creio que há forçações ali. Ele produz um pensamento dito complexo, porque ele envolve dimensões diferentes da existência humana que nunca tinham sido tão articuladas e, portanto, para dizer que o conhecimento produzido, o conhecimento que devemos ter sobre essas dimensões não pode ser mecanicista, não pode funcionalista, não pode ser

15 meramente empirista; ele deve absorver a carga de complexidade, tanto de cada dimensão (biológica, econômica, psicologica etc.), quanto a complexidade das misturas. E, para isso, você tem que prover explicação muitas vezes com neologismos. Ele, Morin, está no terreno do híbrido, do tecido, que já não é nem uma coisa, nem outra - já é Pensamento Complexo. Eu acredito e aceito, mas não há explicação sobre o fenômeno em si; aquilo é apenas uma explicação explorando as dimensões complexas, viável como outra qualquer, mas como tal criada por uma reflexão individual. Nós precisamos é explorar o híbrido e verificar outras formas de narrativa, inclusive tomando esta como uma tentativa muito bem sucedida (a de Edgar Morin). Agora, a comunicação é um pivô, ao mesmo tempo beneficiária da crise de paradigma, porque quando ela, na verdade, vem com a televisão e a comunicação se espalha como regra, tudo passa a ser comunicacional, o marketing transforma política em mercadoria, surge o marketing pessoal. Um monte de coisas para dizer o quanto a comunicação articula nossa existência. Nós não acordamos sem nos preocupar com s, já está no sangue. É só verificar quando esquecemos o celular em casa. É difícil não se sentir amputado, quantas vezes não voltamos [para casa para buscar o aparelho]? Ninguém quer, mas quando ocorre uma oxidação de Winchester, e sua vida está lá, pois vida é dados, você acha que perdeu alguma coisa. Você leva para a assistência técnica, e o técnico diz que se salva só metade dos dados. Tem essa discussão sobre Nuvens, as Cloud Computing, em relação à segurança de dados públicos e privados, à diminuição do hardware, a abstração maior da tecnologia da informação. O que se acredita, mas ainda pode acontecer algo com o grande computador que armazena tudo isso. O fato é que a comunicação é muito mais do que um campo de trabalho, um campo de saber e é muito mais do que o conjunto dos aparatos da sociedade, muito mais do que a nossa intencionalidade de chegar ao outro e dizer alguma coisa. Ela é, hoje, prótese invisível do inconsciente. Ela é hoje modus vivendi. Muniz Sodré, professor da UFRJ, em um livro chamado Antropológica do Espelho, diz que comunicação é bios, gera hábitos. Então, ela faz parte e se beneficiou da quebra de paradigma, porque ela, a comunicação, desde os anos 1940, 1950, com a cibernética, acabou por se colocar como uma nova utopia. Ela se serviu do vazio deixado pelas utopias políticas e filosóficas, econômicas e religiosas, e ela se colocou como o novo religare, uma nova forma de articular a vida das pessoas. Hoje é preciso ter pela atendente bancária que haja um treinamento, de recursos humanos, para ela aprender a ter inteligencia emocional na situação de estresse e, ao mesmo tempo, sorrir. Porque isso é comunicação da marca, é comunicação da empresa. Você fala, então, de comunicação do modo mais amplo possível, certo?

16 Comunicação textual, verbal, imagética, signica, não-verbal e assim pior diante. É o associar-se, o vincular-se e o reportar-se, enfim, onde há contato há comunicação, mesmo entre duas máquinas. Por exemplo, quando a gente está na nossa máquina, e operamos o Google, quem responde é uma máquina para a sua. Você é apenas o receptor de leitura; existe aí uma conectividade, da ordem da comunicação, desde que o código partilhado seja um código que no seu terminal seja legível para você. Muitas coisas que operam entre as máquinas nós não compreendemos, mas que ocorrem para tornar a comunicação possível. Mas como e consolida esse novo modo de vida, esse novo religare? A comunicação se prevaleceu da crise de paradigma. Mas há alguma perspectiva de quando isso pode ser novamente alterado, um novo paradigma? Ou trata-se de algo definitivo, ou, pelo menos, sem previsão para encerrar? Definitivo é muito forçoso, pois não temos um compreensão para além da zona observável, nem a curto prazo. As tendências concretas que vão formar o nosso horizonte nem sempre são previsíveis, e as previsões são falíveis. Nós não podemos dizer que são definitivas jamais. um dia mudarão, porque é um movimento, vamos crer no movimento. O movimento da sociedade provoca rearranjamentos, reajustes, e funciona como uma caixa de surpresas, mas não necessariamente uma caixa de Pandora. E a história é marcada por oscilações, altos e baixos, por zonas obscuras e, ao mesmo tempo, por grandes rompantes de luminosidades, que reacendem esperanças. Essa ordem de tornar tudo iluminado e visível pela comunicação, sob o pretexto da transparência, da visibilidade, até certo ponto é positiva. Mas há características não tão positivas assim. Digamos que ela é o que é à sociedade. Como fato, a compreensão da fenomenologia do fato da sociedade, da história presente, é assim. O [filósofo Jean] Baudrillard foi um daqueles que disse que a nossa sociedade é da transparência, da visualidade, de que tudo tem que vir à tona, o segredo tem que ser profanado, tudo tem que ser transformado em imagem, em informação. Para aonde se vai, tem que voltar com fotos, vídeos. Isso acaba colocando, como você disse, em preocupação também para nós a questão: onde iremos parar? O que realmente significa essa total transparência? Alguma forma de vida está sendo colocada em baixo do tapete ou sendo excluída, porque se a sociedade é da transparência, e é disso que se trata agora, não há mais segredo, o que é impossível. Mas vamos supor que seja - segredos se guerra, de Estado -, tudo vem à tona, manchando reputações; se tudo isso é a transparência, é porque a sociedade da transparência já está excluindo novos horizontes ou outros horizontes possíveis, porque esse tipo de sociedade acaba se implantando como modelo que acaba excluindo as demais possibilidades. E todos os modelos implantados trazem consigo a regra da falibilidade, todos eles se colocam como não sendo a completude, o sistema perfeito, sempre há alguma zona, alguma

17 franja aberta, que diz respeito a uma ilogicidade e a uma desrazão, uma produção de desigualdade. Óbvio que traz uma preocupação, só precisamos saber como teorizar, porque, por ora, toda a nossa cidadania acabou por se formar, nos últimos séculos, tendente a fazer desaparecer todo tipo de segredo, para que saibamos e com eles possamos lidar. Sequer segredos de Estado, porque se o Estado é sustentado por nós, então como podem determinadas informações serem objeto de monopólio de uma casta que se acha profissionalizada para poder ocupar os cargos da política, mesmo por eleições, e então encobre, segreda, engaveta, porque acha que a população não pode saber. Com que direito? São razões de Estado, por causa das guerras possíveis, da concorrência internacional, então o segredo é estrategicamente, muitas vezes, necessário. Mas se estamos caminhando para uma sociedade da transparência completa, o que não acredito, mas se estamos caminhando para deixar no horizonte esta utopia, o que é preocupante é o fato de haver, então, a possibilidade - eu diria ilusória, imaginária - de ver instaurado, como sociedade, um contexto humano de que a maior riqueza da vida é expurgada. Justamente o segredo, o mistério. Se se trata de jogar com o instrumento da transparenciação, com todos os esquemas jornalísticos e máquinas, é jogar a transparência como máquina de guerra contra tudo aquilo que marca, e vai marcar, aquela zona a partir da qual você não sabe nada, que você não consegue identificar o que seja o que. E que é o segredo, o obscuro, o não-dito, o indizível, o sublime, o mistério. No campo da fenomenologia, você tem, aqui e agora, o campo da transcendência. A transcendência está disponível para você; o seu campo próprio se dispõe de uma transcendência que separa o que é cognoscível, de acordo com as categorias que você domina, e com o conhecimento disponível na sua época, daquilo que você não domina e não vai dominar nunca, porque o cérebro não está adaptado para essa compreensão. Houve um momento em que a ciência foi a grande desbravadora e chegou mesmo a aniquilar saberes tradicionais, antigos, mas não reconhecidos pela racionalidade, pela lógica. Podemos dizer que esse atual momento da comunicação tem exatamente esse papel, essa função que a ciência teve? Essa pergunta é perspicaz. A comunicação é um modus vivendi hoje, um habitus social. Está em todos, não é o monopólio de uma empresa, de uma indústria, de uma linha de produção simbólica ou de uma linguagem específica. A comunicação é uma práxis. Nossa sociedade exige de todos competência comunicacional - não estou falando da competência comunicativa de Habermas, mas da competência comunicacional. Você tem que ser comunicativo, para ser bom profissional nas metrópoles e cidades médias desenvolvidas você tem que se abrir para o jogo do outro, abrir-se para a avaliação e julgamento alheios, frequentemente avaliam sua qualidade, entrelaçada com competências comunicacionais. Nas entrevistas de emprego, querem saber o quão flexível você é, o quão aberto você se entrega

18 para a linguagem do outro. E o quanto daquela linguagem você pode ser manipulador ou não, e assim por diante. Quando você diz que a comunicação pode estar substituindo, ou fazendo murchar certos fenômenos que antes eram comuns, tradicionais, você tem razão. Por exemplo, a comunicação, como práxis, no cotidiano que a civilização midiática exige de nós o que eu chamo de dromoaptidão, que é a capacidade de ser veloz com equipamentos de comunicação. Se você tem essa capacidade de ser veloz, se você é um dromoapto, então você está conforme o que os valores existentes pedem de você. Se você não está, isso pode comprometer inclusive sua sobrevivência. Mas, no caso da comunicação, ela acabou não por fazer murchar a ciência ou a racionalidade científica, porque o jornalismo é racional. Algumas coberturas podem ser irracionais - o sujeito vai à guerra, e o jornalista vai, porque precisa daquilo para a carreira, mas o fato de uma empresa concordar que ele vá é seguridade zero, uma coisa meio Euclídes da Cunha. Então, na realidade, o jornalismo, como produto, trabalha com a lógica, a racionalidade, como outra ciência qualquer. Porém, vou dar um exemplo bem concreto contrário agora: estou orientando várias pessoas, e no mestrado e no doutorado já me chegaram alunos que não conseguem aprofundar. Não conseguem ter uma linguagem acadêmica, científica aprofundada. Então eu diria que na civilização da comunicação, a primeira vítima dela foi, primeiro, a profundidade e, em, segundo, a crítica, o senso crítico. A crítica que a civilização midiática promove é integrada, é uma crítica previsível; faz parte, é aquilo que em direito se fala direito ao contradito. Já está no sistema. Então o sujeito vai falar qualquer coisa, já está pressuposto que ele será ouvido, e pode, evidentemente, não ser considerado. Mas há o direito ao contradito. É quase como a esquerda e seus partidos políticos, que hoje se tornaram dóceis, domesticáveis, porque acabaram adentrando no sistema do Estado e disputando com os outros partidos do status quo o poder do Estado. E quando adentram no Estado, para disputar o Estado, cumprindo as regras do jogo democrático, do jogo do Estado burguês, é porque o potencial político deste partido já está comprometido na base. Porque ele vai falar, fazer, proceder, protocolar etc. tudo o que já é, dentro da própria regra que fabrica o status quo, contra o qual ele quer lutar, e se debate muitas vezes de modo radical, mas não consegue, porque a regra do jogo o domestica, dentro dos princípios que movem o próprio Estado de Direito. Por isso que muitos conhecimentos que se fazem na academia que não possuem relação com partido político ou nenhum utopia são mais radicais, porque não precisam e não tem necessidade de satisfazer ninguém, e cumprem o critério da liberdade de expressão no seu mais alto nível. Coisa que um programa de televisão não pode fazer, coisa que uma reportagem jornalística muitas vezes não pode fazer e às vezes até uma peça de teatro não pode fazer, porque tem que dar satisfação aos produtores.

19 Mas a ciência não faz o papel de grande narrativa social, que articula todos. Por exemplo, o marxismo fez uma ideia assim: ele articulou várias pessoas em inúmeras populações; o humanismo renascentista também. Mas você tem também movimentos científicos que mobilizaram populações, como a questão médica na saúde pública, o militarismo ligado à tecnologia. Mas aí no caso são visões de mundo, opiniões, que articulam e tal, mas não se pode dizer que é uma metanarrativa, uma grande visão de mundo, como o anarquismo, o humanismo. De repente tudo isso caiu, e a comunicação vem, de modo impessoal, porque não tem ninguém que fale por ela - é um fenômeno autopoiético, ela se põe. Quando nós achamos que estamos sendo indivíduos autônomos, fazendo aquilo que queremos, mal sabemos que estamos no jogo da reprodução do próprio processo civilizatório, que não depende de nós. Amanhã podemos morrer, e a estrutura permanece. A comunicação herda o espaço vazio e, ao mesmo tempo coloca-se de modo impessoal normalizando as relações, articulando corpos, empresas, lares, enfim, num planeta glocal. E ela, a comunicação, como procedimento e técnica, acaba matando algumas coisas. A própria comunicação em tempo real aboliu o planeta. Estamos passando por uma mutação percepcional do espaço e nem sabemos onde isso vai dar. A humanidade sempre viveu na superfície planetária relacionada a outras pessoas no contexto presencial. Se queriamos, antes do século XX, encontrar alguém, ou enviávamos um emissário, ou uma carta, enfim. Do velho mundo para o novo mundo chegaram após 36 dias de caravelas; o que dirá, por exemplo, migrações do norte da África, passando pelo Oriente, pelo Cáucaso, com grandes embarcações de mercadores árabes, que faziam as trocas econômicas. Na realidade, o que ocorre é que tinhamos que ir ao encontro da pessoa, tudo presencialmente no território geográfico, sem as grandes construções de arranhacéus, que vão nos fazendo reféns de um espaço em que o céu não aparece mais. O que acontece é que, hoje, tudo isso foi deixado para trás, existe uma morte simbólica em tudo o que era tradição nesse aspecto. A superfície planetária é abolida e com isso todas as cidades, esquinas, ruas e praças simplesmente não existem mais. Porque agora nós temos uma pessoa relacionada ao computador, a outra relacionada a outro computador, e que estão em rede, com uma, por exemplo, em São Paulo e a outra no Japão. Em tempo real, centésimos de segundos, a pessoa A está no computador da pessoa B, e esta B está em A. O que ocorre aqui é da mesma ordem daquilo que ocorre no meu celular: o outro está aqui comigo, a auteridade é espectral, é puro som (espectro sonoro). No chat, você é espectro textual; no blog, você é textual; no Youtube, você é espectro videográfico. A comunicação espectral, o espaço está morto, porque temos sinal de rede, que vai por satélite; a representação do global, que é a rede, entra no equipamento, vai a você e vice-e-versa, mas cada pessoa está num local diferente. E o fato de eu estar vinculado a uma máquina capaz de

20 rede, e estar interagindo com uma pessoa que é como se estivesse do meu lado - mas não é, pois existe a mediação do aparato tecnológico planetário -, faz com que isso não seja mais um local, a materialidade do planeta se perde, em prol da comunicação espectral. Bem, mas aí já estamos numa outra esfera, do glocal. E isso é a representação da hibridação numa coisa só, entre dois locais diversos, com o sinal e a rede que perpassam tudo. E isso aqui é a fenomenologia do glocal. A comunicação, que herdou o espaço esvaziado das metanarrativas, produziu esse tipo de coisa - o religare, que tem a ver com religião. Na verdade você tem, então, não só o religare referente à religião, mas também o religare de comunicação no social. As redes sociais perfazem um religare técnico específico, fundado no glocal. Mas tudo isso ainda segundo uma ordem escriturística, na qual o registro escrito ainda prevalece como legitimador dos discursos. O senhor concorda? Sim, a chamada veridicção: para existir eu tenho que aparecer no vídeo. Para eu lidar com o existente e como presença, ou seja a garantia de que eu existo, e até para a minha identidade e subjetividade. E não se trata só de s, escritos. Por exemplo, a foto no Flickr, do aniversário que você foi, comprovando que, de fato, você esteve lá. A veridicção se dá pelo registro e da memória tecnológica externa. Se eu quero saber se existiu, de fato, uma Segunda Guerra Mundial, eu vou até meu arquivo e pego um vídeo documentário que trata daquilo. É a comprovação de que o fato existiu, não porque ele existiu e está na memória de quem o viveu, mas porque está na memória tecnológica. E isso é um feito fenomenológico incrível: como é que uma invenção humana mata o planeta? Veja bem, as duas pessoas falando, no exemplo que dei anteriormente, precisariam de milhares de vidas para poder conhecer o que elas estão abolindo. No caso cognitivo, acadêmico, o fenômeno é de outra ordem: a comunicação mata determinados procedimentos e hábitos, por exemplo o habitus da leitura recorrente e aprofundada. Queremos tudo imediato, tudo tem que ser mais rápido, não dá para ler mais do que uma ou uma hora e meia; logo muda-se de livro. A pósgraduação stricto sensu bate de frente hoje com os hábitos dos nossos novos alunos. Eles entram em depressão, é muito comum, em crise de competência, de identidade, porque elas querem a carreira acadêmica, querem evoluir e prosperar, e de repente vê que não formou o hábito - porque a civilização midiática, junto com a família, não possibilitou que ela tivesse dias, meses, anos fechada numa sala, lendo sozinha, criando o hábito de encarar o mundo a partir do livro e escrevendo. É uma habituação, sem interferências externas. O hábito que hoje está sendo promovido não é mais compatível com pesquisas aprofundadas. O sistema escolar e familiar anterior ao século XX, uma vez que não tinha todo esse entretenimento das comunicações, era mais propenso a produzir determinado cenário de isolamento, de reflexão mais individualizada, numa biblioteca, com silêncio, e as pessoas acumulando livros na sua zona privada para poder ter autonomia de

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida alerta que o currículo escolar não pode continuar dissociado das novas possibilidades tecnológicas

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais Os desafios do Bradesco nas redes sociais Atual gerente de redes sociais do Bradesco, Marcelo Salgado, de 31 anos, começou sua carreira no banco como operador de telemarketing em 2000. Ele foi um dos responsáveis

Leia mais

A era das carreiras acabou: os sobreviventes serão orientados por projetos 23. Prevenir ainda é melhor que remediar 47

A era das carreiras acabou: os sobreviventes serão orientados por projetos 23. Prevenir ainda é melhor que remediar 47 Sumário Introdução Pauta do livro 13 1 Empregos fixos freelance Quem mexeu no nosso queijo? 17 2 Empreendedorismo A era das carreiras acabou: os sobreviventes serão orientados por projetos 23 3 Terceirização

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

análise da sequência de

análise da sequência de Laila Vanetti - Setembro de 2014 Laila Vanetti - Setembro de 2014 último encontro análise da sequência de vendas de Conrado adolpho 1º E-mail Conrado adolpho Assunto: O que fizemos aqui na Webliv... Oi,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Novo Negócio 12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Vinícius Gonçalves Equipe Novo Negócio Espero sinceramente que você leia este PDF até o final, pois aqui tem informações muito importantes e que

Leia mais

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR INTRODUÇÃO Você está cansado de falsas promessas uma atrás da outra, dizendo

Leia mais

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial Começo minha reflexão de hoje pensando um pouco na história da Administração, nos princípios de gestão e formas como as empresas hoje são geridas.

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

Compreendendo a dimensão de seu negócio digital

Compreendendo a dimensão de seu negócio digital Compreendendo a dimensão de seu negócio digital Copyright 2015 por Paulo Gomes Publicado originalmente por TBI All New, São Luís MA, Brasil. Editora responsável: TBI All New Capa: TBIAllNew Todos os direitos

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

www.poderdocoachingemgrupos.com.br

www.poderdocoachingemgrupos.com.br Pesquisa de Mercado A condução de pesquisas de mercado é uma das atividades mais eficazes e importantes que você pode fazer quando você estiver projetando seu coaching em grupo. Você vai se surpreender

Leia mais

METODOLOGIA A.I.D.A.: SIMPLES E EFICIENTE

METODOLOGIA A.I.D.A.: SIMPLES E EFICIENTE 1 Sumário METODOLOGIA A.I.D.A.: SIMPLES E EFICIENTE... 3 Passo Um: OBTER A ATENÇÃO DO COMPRADOR... 4 Passo Dois: MANTER O INTERESSE NA MENSAGEM... 8 Passo Três: DESPERTAR NO CLIENTE O DESEJO DE COMPRAR

Leia mais

Richard Uchôa C. Vasconcelos. CEO LEO Brasil

Richard Uchôa C. Vasconcelos. CEO LEO Brasil Richard Uchôa C. Vasconcelos CEO LEO Brasil O tema hoje é engajamento, vamos falar de dez maneiras de engajar o público em treinamentos a distância. Como vocês podem ver, toda a minha apresentação está

Leia mais

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Se não pode subir a montanha, torne-se uma. Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 2 ISSO ESTÁ ME GERANDO R$7.278,05 - R$10.588,38 POR SEMANA E VOCÊ PODE FAZER

Leia mais

Expectativas e desafios do jovem no mercado de trabalho:

Expectativas e desafios do jovem no mercado de trabalho: ASSUNTO em pauta Expectativas e desafios do jovem no mercado de trabalho: comunicação entre jovem e empresa Velychko 30 REVISTA DA ESPM maio/junho de 2011 O jovem quer seu espaço no mercado de trabalho.

Leia mais

Como fazer seu blog se destacar dos outros

Como fazer seu blog se destacar dos outros Como fazer seu blog se destacar dos outros Fama. Tráfego. Reconhecimento. Muito dinheiro no bolso. Esses itens certamente estão presentes na lista de desejos de quase todos os blogueiros. Afinal, ninguém

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO GUIA DO ALUNO Prezado(a) Aluno(a), O Guia do Aluno é um instrumento normativo que descreve os padrões de qualidade dos processos acadêmicos e administrativos necessários ao desenvolvimento dos cursos de

Leia mais

COMO FICAR NAS PRIMEIRAS POSIÇÕES DO GOOGLE E PAGAR MENOS QUE O CONCORRENTE.

COMO FICAR NAS PRIMEIRAS POSIÇÕES DO GOOGLE E PAGAR MENOS QUE O CONCORRENTE. COMO FICAR NAS PRIMEIRAS POSIÇÕES DO GOOGLE E PAGAR MENOS QUE O CONCORRENTE. e ainda aumentar o numero de cliques em seu anúncio Por Maurício Oliveira www.empreendernaweb.com.br M a u r í c i o O l i v

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

11 dúvidas para adquirir esse livro

11 dúvidas para adquirir esse livro 11 dúvidas para adquirir esse livro Pa gina 1 Corretor de Sementes e Grãos O Livro O autor ISAEL CARLOS MORAIS, nascido na cidade de União da Vitória Estado do Paraná vem de uma família simples e humilde.

Leia mais

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA Figura 1 - Francisco Paoliello Pimenta, professor na Universidade Federal de Juiz de Fora acervo pessoal de Francisco Paoliello Pimenta Não há separação entre o conhecimento

Leia mais

$ $ COMO A INTRANET DE SUA EMPRESA ESTÁ TE FAZENDO PERDER DINHEIRO

$ $ COMO A INTRANET DE SUA EMPRESA ESTÁ TE FAZENDO PERDER DINHEIRO COMO A INTRANET DE SUA EMPRESA ESTÁ TE FAZENDO PERDER DINHEIRO INTRODUÇÃO No mundo corporativo, talvez nenhuma expressão tenha ganhado tanto foco quanto 'engajamento'. O RH ouve isso todo dia, o time de

Leia mais

Os Segredos da Internet / John Heine http://www.ganheaki.com

Os Segredos da Internet / John Heine http://www.ganheaki.com John Heine 2011 Acesse para obter mais informações! 1 Distribua livremente Você tem agora permissão para distribuir livremente este e-book, ou seja, você pode estar vendendo, ou distribuindo livremente,

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos Cursos humanizados - A Educar e Transformar se dedica ao sonho de gerar cursos para lideranças profissionais de recursos humanos, com mentalidade de humanização na administração, cursos para líderes, motivação,

Leia mais

GANHAR DINHEIRO COM SEU SITE OU BLOG

GANHAR DINHEIRO COM SEU SITE OU BLOG GANHAR DINHEIRO COM SEU SITE OU BLOG Ganhe dinheiro com seu blog.... Aposto que você já viu isso escrito em centenas de sites ou blogs e nunca conseguir atingir esse objetivo, aqui nesse ebook iremos abordar

Leia mais

APRESENTADORES: VIVIANE VARANDAS E CRISTINA JENSEN AUTORES: VIVIANE VARANDAS E CRISTINA JENSEN

APRESENTADORES: VIVIANE VARANDAS E CRISTINA JENSEN AUTORES: VIVIANE VARANDAS E CRISTINA JENSEN APRESENTADORES: VIVIANE VARANDAS E CRISTINA JENSEN AUTORES: VIVIANE VARANDAS E CRISTINA JENSEN O DESAFIO DA AVALIAÇÃO DE COMUNICAÇÃO EM UM CONTEXTO MULTIMÍDIA Trabalho apresentado no 4º Congresso Brasileiro

Leia mais

Dos cursos de MBA, apenas 2,5% são feitos pela internet

Dos cursos de MBA, apenas 2,5% são feitos pela internet Dos cursos de MBA, apenas 2,5% são feitos pela internet Cursos de Master Business Administration (MBA) a distância são minoria no Brasil se comparados aos presenciais. Dos cerca de 4,1 mil MBAs registrados

Leia mais

Por Tiago Bastos 1. 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online

Por Tiago Bastos 1. 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online Por Tiago Bastos 1 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar Dinheiro Online Se não pode subir a montanha, torne-se uma. Por Tiago Bastos 2 3 Dicas Infalíveis Para Ganhar

Leia mais

Atividade - Sequência Conrado Adolpho

Atividade - Sequência Conrado Adolpho Atividade - Sequência Conrado Adolpho Agora, eu quero lhe apresentar os 6 e-mails do conrado adolpho para vender o 8ps. Quero que você leia está sequência com muita atenção e, depois, responda às provocações

Leia mais

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional

Um modo de ser. em educação a distância. dinâmica do meio educacional dinâmica do meio educacional 1 :: marilú fontoura de medeiros professora doutora em Educação/UFRGS Um modo de ser em educação a distância Percorrer o atual contexto da Educação a Distância é trilhar um

Leia mais

ÍNDICE. Introdução. Os 7 Segredos. Como ser um milionário? Porque eu não sou milionário? Conclusão. \\ 07 Segredos Milionários

ÍNDICE. Introdução. Os 7 Segredos. Como ser um milionário? Porque eu não sou milionário? Conclusão. \\ 07 Segredos Milionários ÍNDICE Introdução Os 7 Segredos Como ser um milionário? Porque eu não sou milionário? Conclusão 3 4 6 11 12 INTRODUÇÃO IMPORTANTE Neste e-book você terá uma rápida introdução sobre as chaves que movem

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

Criando Aplicações para Redes Sociais

Criando Aplicações para Redes Sociais Criando Aplicações para Redes Sociais Gavin Bell Novatec capítulo 1 Criando um aplicativo social Por que você está criando uma comunidade? Se você não consegue responder a essa pergunta depois de pensar

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE REDES SOCIAIS PARA EMPRESAS

ESTRATÉGIAS DE REDES SOCIAIS PARA EMPRESAS ESTRATÉGIAS DE REDES SOCIAIS PARA EMPRESAS 2005: Praça São Pedro minutos antes de anunciar o PAPA BENTO XVI 2013: Praça São Pedro minutos antes de anunciar o PAPA FRANCISCO Estratégias de Redes Sociais

Leia mais

O CRM não é software; é uma nova filosofia

O CRM não é software; é uma nova filosofia O CRM não é software; é uma nova filosofia Provavelmente todos concordam que a ferramenta da hora é o CRM, sigla em inglês para gestão de relacionamento com o cliente. No entanto, oito em cada dez tentativas

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação Sobre o Autor: Sempre fui comprometido com um objetivo de vida: TER MINHA PRÓPRIA EMPRESA. Mas assim como você, eu também ralei bastante

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

Diagnosticando os problemas da sua empresa

Diagnosticando os problemas da sua empresa Diagnosticando os problemas da sua empresa O artigo que você vai começar a ler agora é a continuação da matéria de capa da edição de agosto de 2014 da revista VendaMais. O acesso é restrito a assinantes

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

Capítulo 1 Por que Google Marketing?

Capítulo 1 Por que Google Marketing? Capítulo 1 Por que Google Marketing? O Google modificou substancialmente a maneira como o mercado lida com a informação e informação, na nossa sociedade pós terceira onda, é tudo. Do dinheiro ao eletrodoméstico,

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira Como criar um artigo em 1h ou menos Por Natanael Oliveira 1 Como escrever um artigo em 1h ou menos Primeira parte do Texto: Gancho Inicie o texto com perguntas ou promessas, algo que prenda atenção do

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

UNIDADE VI ESCREVENDO E-MAILS QUE GERAM RESULTADOS

UNIDADE VI ESCREVENDO E-MAILS QUE GERAM RESULTADOS UNIDADE VI ESCREVENDO E-MAILS QUE GERAM RESULTADOS Nessa unidade vou mostrar para você como escrever e-mails que geram resultados. Mas que resultados são esses? Quando você escreve um e-mail tem que saber

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

Shusterman insere cultura pop na academia

Shusterman insere cultura pop na academia São Paulo, quinta, 21 de maio de 1998 Shusterman insere cultura pop na academia PATRICIA DECIA da Reportagem Local O filósofo americano leva a cultura pop à academia. Em "Vivendo a Arte - O Pensamento

Leia mais

Inovação & Criatividade

Inovação & Criatividade PORTFÓLIO DE TREINAMENTOS O cursos, treinamentos e palestras da KaminskiAvalca Consultoria Empresarial possuem índice de satisfação superior a 95%. Realizados de forma dinâmica e prática, buscam utilizar

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

O SIGNIFICADO DA PESQUISA:

O SIGNIFICADO DA PESQUISA: O SIGNIFICADO DA PESQUISA: ESCRITO POR Clive de Freitas PUBLICADO Outubro 2013 como ela molda nossas vidas e cria marcas O RESUMO Como profissionais de marketing, é fácil reduzir a pesquisa para métricas

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

AULA 2: BrOffice Writer Trabalhando com imagem, bordas e cores. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de:

AULA 2: BrOffice Writer Trabalhando com imagem, bordas e cores. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: AULA 2: BrOffice Writer Trabalhando com imagem, bordas e cores Objetivo Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: Aprender a inserir e formatar figura no texto; Aprender a trabalhar com cor ou marca

Leia mais

04 Os números da empresa

04 Os números da empresa 04 Os números da empresa Além de conhecer o mercado e situar-se nele, o empreendedor tem de saber com clareza o que ocorre com os números de sua empresa. Neste capítulo conheça os principais conceitos,

Leia mais

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves Estado de Minas Março de 2001 O método criado pelo professor Fernando Dolabela ensina empreendedorismo a 40 mil alunos por ano. Fernando Dolabela da aula de como abrir um

Leia mais

Anúncio Impresso Curti ¹. Maria Luiza Petranski Arantes² Ponto Pasta³ Universidade Federal do Paraná

Anúncio Impresso Curti ¹. Maria Luiza Petranski Arantes² Ponto Pasta³ Universidade Federal do Paraná Anúncio Impresso Curti ¹ Maria Luiza Petranski Arantes² Ponto Pasta³ Universidade Federal do Paraná RESUMO Trabalho realizado para o cliente Aldeia Coworking por intermédio do projeto de extensão Ponto

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

DIMITRI YPSILANTI (Chefe da Divisão de Informação, Comunicação e Política do Consumidor da OCDE): [pronunciamento em outro idioma]

DIMITRI YPSILANTI (Chefe da Divisão de Informação, Comunicação e Política do Consumidor da OCDE): [pronunciamento em outro idioma] MESTRE DE CERIMÔNIA: A seguir, o senhor Roberto Franco, da ABERT, fará as perguntas, formuladas pelos participantes, ao palestrante, o senhor Dimitri Ypsilanti, chefe da divisão de formação, comunicação

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE Por: Alexandre Maldonado Autor do site Marketing para E- commerce www.marketingparaecommerce.com.br TERMOS DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

Email marketing: os 10 erros mais comuns

Email marketing: os 10 erros mais comuns Email marketing: os 10 erros mais comuns Publicado em: 18/02/2008 Não ter permissão dos contatos para enviar mensagens Um dos princípios fundamentais do email marketing é trabalhar apenas com contatos

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

A grande verdade é que a maioria das empresas está perdendo muito dinheiro tentando criar um negócio online.

A grande verdade é que a maioria das empresas está perdendo muito dinheiro tentando criar um negócio online. Você gostaria de aprender o que os negócios campeões em vendas online fazem? Como eles criam empresas sólidas na internet, que dão lucros por vários e vários anos? A grande verdade é que a maioria das

Leia mais

Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1

Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1 Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1 A maior Ambição do Homem é querer Colher aquilo que Não Semeou. Hebert Schiavelli (Empreendedor) Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Você já deve ter lido varias vezes sobre, Gatilhos Mentais, pois bem, hoje vamos falar sobre isso...

Você já deve ter lido varias vezes sobre, Gatilhos Mentais, pois bem, hoje vamos falar sobre isso... Olá, tudo bem?! Nesse Mini E-book eu vou lhe passar a 1º Sacada da semana, pretendo toda semana compartilhar informações com você, pois sei bem o que é ficar na internet buscando informações e nunca encontrar

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer Oque é Marca Marca é toda representação simbólica de uma entidade, individuo ou elemento. Uma pegada, uma impressão digital, ou mesmo o meu ou seu nome podem ser caracterizados como marca. Quando nos referimos

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

NADJA VLADI - Editora da revista Muito.

NADJA VLADI - Editora da revista Muito. NADJA VLADI - Editora da revista Muito. Jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Faculdade de Comunicação da UFBA. Atualmente atua como editora-coordenadora da revista Muito do

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

PASSOS INICIAIS PARA CRIAR O SEU NEGÓCIO DIGITAL. Aprenda os primeiros passos para criar seu negócio digital

PASSOS INICIAIS PARA CRIAR O SEU NEGÓCIO DIGITAL. Aprenda os primeiros passos para criar seu negócio digital PASSOS INICIAIS PARA CRIAR O SEU NEGÓCIO DIGITAL Aprenda os primeiros passos para criar seu negócio digital Conteúdo PRIMEIROS PASSOS COM BLOG:... 3 Primeiro:... 3 Segundo:... 4 Terceiro:... 5 Quarto:...

Leia mais

ENTREVISTA: "NÃO SE FAZ NOTÍCIA SÓ COM TECNOLOGIA", diz a pesquisadora Thais de Mendonça Jorge

ENTREVISTA: NÃO SE FAZ NOTÍCIA SÓ COM TECNOLOGIA, diz a pesquisadora Thais de Mendonça Jorge ENTREVISTA: "NÃO SE FAZ NOTÍCIA SÓ COM TECNOLOGIA", diz a pesquisadora Thais de INTERVIEW: DON'T MAKE NEWS ONLY WITH TECHNOLOGY, says researcher Thais de Thaisa Cristina Bueno 1 Lucas Santiago Arraes Reino

Leia mais

Os Segredos Por Trás de Um Blog Altamente Rentável

Os Segredos Por Trás de Um Blog Altamente Rentável Os Segredos Por Trás de Um Blog Altamente Rentável OS SEGREDOS POR TRÁS DE UM BLOG ALTAMENTE RENTÁVEL Você já se perguntou por que muitos de nós trabalham 8 horas por dia com baixa produtividade, enquanto

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

[conectando vozes ao mundo]

[conectando vozes ao mundo] [conectando vozes ao mundo] »VOJO [ AMPLIANDO VOZES PELO BRASIL ] O Instituto Mídia Étnica, em parceria com o Center for Civic Media, do Massachusetts Institute of Technology (MIT), vem desenvolvendo o

Leia mais

Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea

Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea Carlos Alberto Messeder Pereira 1 A primeira ideia que deve ficar clara para que possamos entender a natureza da comunicação em rede e sua dinâmica

Leia mais