Leia estas instruções:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Leia estas instruções:"

Transcrição

1 Leia estas instruções: Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado. Este Caderno contém 35 questões de múltipla escolha, dispostas da seguinte maneira: 01 a 10 Língua Portuguesa; 11 a 35 Conhecimentos Específicos. Se o Caderno estiver incompleto ou contiver imperfeição gráfica que impeça a leitura, solicite imediatamente ao Fiscal que o substitua. Cada questão apresenta quatro opções de resposta, das quais apenas uma é correta. Interpretar as questões faz parte da avaliação; portanto, não adianta pedir esclarecimentos aos Fiscais. Para preencher a Folha de Respostas, fazer rascunhos, etc., use exclusivamente caneta esferográfica de tinta na cor azul ou preta. Utilize qualquer espaço em branco deste Caderno para rascunhos e não destaque nenhuma folha. Os rascunhos e as marcações que você fizer neste Caderno não serão considerados para efeito de avaliação. Você dispõe de, no máximo, três horas para responder às questões e preencher a Folha de Respostas. 10 O preenchimento da Folha de Respostas é de sua inteira responsabilidade. 11 Antes de retirar-se definitivamente da sala, devolva ao Fiscal a Folha de Respostas e este Caderno. Assinatura do Candidato: Prefeitura Municipal de Jucurutu Concurso Público 2014

2

3 Língua Portuguesa 01 a 10 As questões de 1 a 10 referem-se ao Texto 1, reproduzido a seguir. Texto 1 VICIADOS EM REDES SOCIAIS João Loes O vício em redes sociais é uma realidade e tem impactos impossíveis de ignorar. Um dos primeiros estudos a revelar a força dessa nova dependência de forma inconteste foi apresentado em fevereiro de 2012 pela Universidade de Chicago. Depois de acompanhar a rotina de checagem de atualizações em redes sociais de 205 pessoas por sete dias, os pesquisadores concluíram que resistir ao Facebook e ao Twitter é mais difícil do que dizer não ao álcool e ao cigarro. Uma consulta aos números do programa de dependênci a de internet do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (IPq-HCUSP) dá contornos brasileiros ao argumento posto pelos americanos de Chicago. Cerca de 25% dos pacientes que buscam ajuda no programa do IPq o fazem atrá s de tratamento para o vício em redes sociais. E esse percentual deve aumentar, afirma Dora Góes, psicóloga do programa. O vício em redes sociais é forte como o da dependência química. Como o viciado em drogas, que, com o tempo, precisa de doses cada vez maiores de uma substância para ter o efeito entorpecente parecido com o obtido no primeiro contato, o viciado em Facebook também necessita se expor e ler as confissões de amigos com cada vez mais frequência para saciar sua curiosidade e narcisismo. Sintom as de crise de abstinência, como ansiedade, acessos de raiva, suores e até depressão, quando há afastamento da rede, também são comuns. Atualmente, a atenção em torno do assunto é tamanha que já há setores defendendo a inclusão da dependência por redes sociais no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, da Associação Americana de Psiquiatria. O pedido mais incisivo veio de um time formado por quatro psiquiatras da Universidade de Atenas, na Grécia, que publicou um artigo na revista acadêmica European Psychiatry com uma descrição assustadora da rotina de uma paciente de 24 anos completamente viciada. Trazida à clínica pelos pais, ela passava cinco horas por dia no Facebook, havia perdido os amigos reais, o emprego, a vida social e, aos poucos, estava perdendo a saúde, pois já não dormia nem se alimentava bem. A paciente usava a internet havia sete anos e nunca tinha tido problemas, diz o artigo. A rede social é que foi o gatilho para o distúrbio do impulso. Considerando a escala potencialmente planetária desse novo candidato à doença o Facebook tem 901 milhões de usuários no mundo, sendo 46,3 milhões no Brasil, o segundo país com maior participação da Terra, o pleito é mais do que razoável. Entender as razões dessa compulsão em ascensão é um desafio. Por que usamos tanto e, às vezes, até preferimos esses canais para nos comunicar? Carlos Florêncio, coach e consultor em desenvolvimento pessoal há 20 anos, com mais de 60 mil atendimentos no currículo, tem uma teoria: Nas redes sociais, temos controle absoluto sobre quem somos, diz ele. Lá, as vidas são editadas para que só os melhores momentos, as mais belas fotos e os detalhes mais interessantes do dia a dia sejam expostos. Até os defeitos, quando compartilhados, são cuidadosamente esc olhidos. E isso tem um custo imenso. São poucas as pessoas que conseguem, de fato, viver o ideal que projetam, o que gera grande frustração. E mais: privilegiar as relações mediadas pela internet compromete as nossas habilidades sociais no mundo real. Desaprendemos a olhar no olho, interpretar os sinais corporais e dar a atenção devida a quem está ali, diante da gente, diz Dora, do IPq-HCUSP. Mas nem tudo é ruim nas teias das redes sociais. Pelo contrário. Grande parte do que elas oferecem é bom. O problema é saber dosar o uso para que as vantagens não sejam ofuscadas pelo vício que surge com os excessos. Afinal, cair no canto da sereia virtual é fácil e conveniente. As redes sociais são a cocaína da era digital e estamos todos viciados. Você não está sozinho. Disponível em <http://www.istoe.com.br/reportagens/204040_viciados+em+redes+sociais>.acesso em : 20 ago.2014.[adaptado] Prefeitura Municipal de Jucurutu Concurso Público 2014 Técnico Agrícola 1

4 01. No texto, o propósito comunicativo dominante é A) explicar a importância de o usuário de redes sociais ter autocontrole para não ficar viciado nessa ferramenta de comunicação. B) censurar o comportamento dos usuários da internet e as consequências negativas do uso compulsivo das redes sociais. C) criticar os usuários compulsivos de redes sociais, como o Facebook e o Twitter, os quais não acreditam nos malefícios dessa prática viciosa. D) defender a ideia de que o vício em redes sociais causa tanta dependência quanto outros vícios, como o álcool, o cigarro ou as drogas. 02. Em relação à ideia principal dos parágrafos do texto, é correto afirmar: A) O primeiro parágrafo trata da comparação entre o vício em redes sociais e outros vícios. B) O segundo parágrafo compara o viciado em redes sociais com o dependente químico. C) O terceiro parágrafo mostra o poder viciante do Facebook e os males que ele tem causado. D) O quarto parágrafo concentra-se nas consequências da dependência em redes sociais. 03. Para sustentar seu posicionamento, o autor cita como argumento de autoridade A) uma enumeração de sintomas advindos da dependência em redes sociais. B) um estudo apresentado em fevereiro de 2012 por pesquisadores da Universidade de Chicago. C) a apresentação do número de usuários do Facebook no mundo. D) o caso de uma paciente trazida a uma clínica psiquiátrica com dependência em redes sociais. 04. A partir da leitura do texto, pode-se afirmar que, do grupo de dependentes das redes sociais, nem autor nem leitor escapam. A opção que apresenta elementos do texto que reforçam essa afirmação é: A) Como o viciado em drogas (linha 12) e o viciado em Facebook (linha 14). B) As redes sociais são a cocaína da era digital (linha 46). C) estamos todos viciados (linha 46) e Você não está sozinho (linha 47). D) resistir ao Facebook e ao Twitter é mais difícil do que dizer não ao álcool e ao cigarro (linhas 5 e 6). 05. De acordo com as ideias presentes no texto, uma das causas para a dependência por redes sociais é: A) Nas redes sociais, a vida é editada, ou seja, cada usuário controla o que deseja expor. B) Na vida real, pode haver perda de amigos, do emprego, das relações sociais e até da saúde. C) As redes sociais garantem ao usuário o alcance de uma vida autentica mente feliz e livre de frustrações. D) A vida real reflete a perspectiva idealizada que os usuários projetam nas redes sociais. 2 Prefeitura Municipal de Jucurutu Concurso Público 2014 Técnico Agrícola

5 06. A opção em que o segundo elemento retoma o primeiro é: A) a dependência química (linhas 11 e 12) e o viciado em Facebook (linha 14). B) o Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (linha 7) e a Associação Americana de Psiquiatria (linha 20). C) o programa de dependência de internet (linhas 6 e 7) e o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (linhas 19 e 20). D) O vício em redes sociais (linha 1) e essa nova dependência (linha 2). 07. Considere o trecho a seguir: Sintomas de crise de abstinência, como ansiedade, acessos de raiva, suores e até depressão, quando há afastamento da rede, também são comuns. A opção de reescrita desse trecho que se mantém de acordo com as regras de pontuação previstas na norma culta da Língua Portuguesa é: A) Sintomas de crise de abstinência como ansiedade, acessos de raiva, suores e até depressão quando há afastamento da rede também são comuns. B) Sintomas de crise de abstinência, como ansiedade, acessos de raiva, suores e, até, depressão, quando há afastamento da rede, também, são comuns. C) Sintomas de crise de abstinência como ansiedade, acessos de raiva, suores e até depressão quando há afastamento da rede também são comuns. D) Sintomas de crise de abstinência, como ansiedade, acessos de raiva, suores e até depressão quando há afastamento da rede, também são comuns. 08. Leia o trecho a seguir: Considerando a escala potencialmente planetária desse novo candidato à doença o Facebook tem 901 milhões de usuários no mundo, sendo 46,3 milhões no Brasil, o segundo país com maior participação da Terra, o pleito é mais do que razoável. O período em destaque foi introduzido com a finalidade de A) explicar o uso da expressão escala potencialmente planetária em referência ao número de usuários das redes sociais. B) explicitar o porquê de o vício em Facebook ser um candidato à doença. C) reforçar a ideia de que o vício em redes sociais é uma doença. D) contrastar o número de usuários do Facebook com a escala potencialmente planetária de novos dependentes. 09. Considere o trecho a seguir: Atualmente, a atenção em torno do assunto é tamanha que já há setores defendendo a inclusão da dependência por redes sociais no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, da Associação Americana de Psiquiatria. Observando-se as regras de concordância verbal utilizadas na variedade culta da Língua Portuguesa, o verbo destacado pode ser substituído por A) existia. B) existe. C) existiam. D) existem. 10. Leia o trecho a seguir: Trazida à clínica pelos pais, ela passava cinco horas por dia no Facebook, havia perdido os amigos reais [...]. A exemplo do que ocorre nesse trecho, o uso do acento grave (indicativo da crase) também está correto em: A) O vício em redes sociais tem suscitado à curiosidade dos pesquisadores no mundo. B) A paciente de 24 anos chegava à passar cinco horas por dia no Facebook. C) De fato, essa moça estava perdendo inclusive à saúde. D) É dado um valor enorme à vida editada no Facebook. Prefeitura Municipal de Jucurutu Concurso Público 2014 Técnico Agrícola 3

6 C o n h e c i ment o s E specíficos 1 1 a As forrageiras da região semiárida são de diferentes portes (ervas, arbustos e árvores) e de muitas famílias e espécies. Algumas práticas vêm sendo bastante recomendadas para aumentar a produção de forragens nessas áreas. Por definição, a técnica na qual é praticado o controle de espécies lenhosas, sem valor forrageiro, para aumentar a produção do estrato herbáceo e melhorar as condições do suporte forrageiro da caatinga, para a criação de animais, é denominada de A) rebaixamento. B) raleamento. C) enriquecimento. D) organização de copa. 12. As características ambientais do semiárido nordestino são muito variáveis em termos de clima, solo, topografia, altitude e temperatura. Além desses fatores, há outros que propiciam a ocorrência de vegetação extremamente diversificada, nativa e exótica, espontânea ou cultivada. Em relação a essa diversidade de vegetação, é correto afirmar: A) Os cultivos da flor de seda e da maniçoba podem ser realizados em regiões semiáridas, porém não se recomenda o uso na alimentação de bovinos. B) A mandioca é uma alternativa para implantação em todos os tip os de solos, incluindo os de baixa fertilidade e baixa permeabilidade. C) A cultura da palma, quando plantada em áreas de elevada altitude, sofre depressão na produtividade devido à umidade relativa do ar. D) Os capins búfel e urocloa são os mais recomendados para implantação nas áreas mais secas e de solos não alagadiços. 13. Na caprinovinocultura, assim como nas demais explorações pecuárias, as anotações de controle do rebanho com fichas individuais por animal, registrando -se sua genealogia, ocorrências e desempenho, podem ser feitas de forma manual ou informatizada e recebem a denominação de A) dados de orientação. B) índices zootécnicos. C) escrituração zootécnica. D) eficiência do rebanho. 14. Alimentos grosseiros, como palhas, bagaço de cana e restos de culturas, podem ser enriquecidos, tornando-se mais digestíveis, nutritivos e palatáveis, o que resulta no aumento do seu potencial de consumo pelos animais. Vários produtos podem ser usados para o tratamento e o enriquecimento de alimentos grosseiros. Entre esses produtos, os mais recomendados são: A) bicarbonato de sódio, soda cáustica e enxofre. B) ureia, amônia e cal virgem. C) sulfato de amônio, cal virgem e bicarbonato de sódio. D) soda cáustica, ureia e sulfato de amônio. 4 Prefeitura Municipal de Jucurutu Concurso Público 2014 Técnico Agrícola

7 15. Para o sucesso da atividade pecuária, a escolha da espécie animal e das raças a serem criadas reveste-se de uma importância vital. Dentre as raças bovinas recomendadas, uma é de origem asiática, apresenta porte menor que as demais raças zebuínas criadas no Brasil, pelagem avermelhada e tem ainda dupla aptidão, com boa eficiência reprodutiva. Essa descrição corresponde à raça A) Gir. B) Guzerá. C) Sindi. D) Indubrasil. 16. Na aplicação da tecnologia do dimensionamento de pastagens, a unidade animal (UA) é fundamental para determinar a disponibilidade de forragens e a capacidade de lotação nos piquetes. Uma unidade animal (UA) corresponde a A) 450kg de peso vivo animal. B) 450kg de forragem disponível por hectare. C) 350kg de peso vivo animal. D) 350kg de forragem disponível por hectare. 17. Na bovinocultura leiteira, os assuntos relacionados ao dimensionamento das instalações têm, na evolução de rebanho, o principal instrumento para determinação de necessidades espaciais e capacidades de equipamentos. Dessa forma, basicamente, o projeto deverá determinar o porte da sala de ordenha, a necessidade de comedouros para suplementação, o dimensionamento de alojamentos para bezerras e as necessidades dos equipamentos afins para dar suporte à atividade. Nesse sentido, é correto afirmar: A) No curral de espera, os fatores ligados ao sistema fisiológico das vacas puras, de elevado padrão genético e alta produção, que, necessariamente, dependem da presença de seus bezerros para facilitar a descida do leite, deverão ser respeitados. B) No caso de produção de leite a pasto, os comedouros podem estar espalhados no campo, em piquetes ou em forma móvel, chamado também de free stall. C) O dimensionamento da necessidade de disponibilização de comedouros deverá ser feito pelo número de UA s que serão suplementadas ou alimentadas como rotina diária, na relação de 0,80m de comedouro lineares por UA. D) O mais eficiente arranjo da sala de ordenha, na relação custo benefício para produções acima de 2000 litros dia, é o balde ao pé individualizado, simplificado por tecnologia como o uso de canzis. 18. A secagem da vaca consiste na interrupção da lactação com o objetivo de proporcionar ao animal um descanso no final da gestação, a fim de que gere uma cria saudável. Em relação a esse manejo, é correto afirmar: A) O procedimento de secagem deve ser feito com as vacas que apresentam mamite. B) Embora seja um manejo positivo para a vaca, a secagem prejudica o desenvolvimento do feto. C) O pasto, no período de transição, deve ser pobre de capim, de modo a não permitir boa alimentação e nem fornecer concentrado, mas a água deve ser disponibilizada à vontade. D) Para facilitar a secagem, o ideal é deixar a vaca no local onde está acostumada com a rotina de ordenha. Prefeitura Municipal de Jucurutu Concurso Público 2014 Técnico Agrícola 5

8 19. No contexto atual em que se enfatiza a produção de alimentos saudáveis e naturais, a criação de ave caipira desponta como uma atividade rentável, devido ao valor dos alimentos produzidos sem agredir o meio ambiente, sem causar sofrimento às aves e sem util izar produtos químicos em sua criação. Em relação à criação caipira, é correto afirmar: A) A cama dos ninhos deve ser desinfetada pelo menos a cada 15 dias para maior controle de piolhos. B) Os machos e as fêmeas são criados separados para garantir maior t ranquilidade às fêmeas, melhorando sua produtividade. C) Os ovos, independente de seu uso para consumo ou para incubação, devem ser coletados uma vez por semana. D) Após a coleta, os ovos devem ser acondicionados em bandejas e comercializados ou incubados em 30 dias para melhores respostas produtivas. 20. Apiário é o nome dado ao local onde serão instaladas as colmeias para a criação racional de abelhas. Em relação à localização do apiário, considere as afirmativas a seguir. I II III IV Para evitar a contaminação dos produtos apícolas, o apiário deve ficar, no mínimo, a 3 km de engenhos, fábricas de doces e de refrigerantes. O apiário deve ficar bem distante das fontes de água para evitar contaminação dos rios. O apiário deve ficar exposto ao sol para melhorar a qualidade do mel e o desenvolvimento das crias. As colmeias devem ser instaladas sobre cavaletes individuais de 50 cm de altura, levemente inclinados para frente, para evitar que a água da chuva entre e se acumule. Das afirmativas, estão corretas A) II e III. C) I e II. B) I e IV. D) III e IV. 21. O termo despesca é utilizado, em aquicultura, para definir a operação de retirada do organismo cultivado do viveiro quando este atinge o tamanho comercial. Sobre a despesca, é correto afirmar: A) A drenagem do viveiro a ser despescado precisa começar com um ou dois dias de antecedência em relação à despesca. B) A drenagem do viveiro a ser despescado deve ser feita rapidamente, no mesmo dia da despesca, para facilitar o manejo e reduzir a mão de obra. C) Na despesca mecânica por sistema de hélices Arquimedes, que não é um método simples, os camarões são concentrados em uma gaiola tipo funil. D) Após a retirada dos camarões do viveiro, estes devem ficar expostos ao sol para melhorar a qualidade do produto. 22. No organismo de um animal homeotérmico, como o bovino, a maior parte da energia térmica presente é gerada pelos processos metabólicos, sendo a outra parte dessa energia procedente do meio ambiente, por meio da radiação. As características morfológicas e a cor do pelame de bovinos são fatores importantes que afetam diretamente as trocas térmicas de calor sensível (convecção cutânea e radiação) e as perdas de calor latente (evaporação cutânea). Quanto à influência do pelame sobre as trocas térmicas, é correto afirmar: A) Os pelames claros apresentam menor penetração da radiação solar que os escuros. B) Bovinos com pelames mais espessos e densos apresentam maior dificuldade para eliminar calor latente via evaporação cutânea, sendo mais adaptados ao clima frio. C) O bovino mais adaptado para ser criado a campo aberto em regiões tropicais deve apresentar um pelame (conjunto de pêlos) de cor escura, com pelos longos e finos. D) O pelame escuro apresenta menor absorção e maior reflexão da radiação térmica, resultando em maior estresse térmico para os animais. 6 Prefeitura Municipal de Jucurutu Concurso Público 2014 Técnico Agrícola

9 23. Na cultura do coqueiro, uma doença letal provoca sintomas externos caracterizados inicialmente pelo amarelecimento das folhas basais, que, posteriormente, tornam -se necrosadas e penduradas, presas ao estipe, ficando a plant a com aspecto de guarda-chuva fechado. Essa descrição corresponde à doença do coqueiro denominada A) Anel vermelho. C) Cercosporiose B) Antracnose. D) Murcha bacteriana. 24. Com relação ao controle das ervas daninhas, a estratégia adequada de manejo está associada à eficiência técnica e econômica do método, considerando o momento de maior suscetibilidade das plantas daninhas. Sobre essa temática, analise as afirmativas a seguir. I II III IV No controle preventivo, o objetivo principal é prevenir a introdução, o estabelecimento e/ou a disseminação de determinadas espécies de plantas daninhas em áreas não infestadas. O controle químico consiste no aproveitamento das características agronômicas da cultura comercial, com o objetivo de levar vantagem sobre as plantas daninhas. O controle mecânico consiste na utilização de práticas de controle de plantas daninhas pelo efeito físico-mecânico, como a capina manual e o cultivo mecânico. O controle cultural é o método de controle de plantas daninhas no qual se utilizam produtos químicos comerciais, devendo-se, antes da aplicação, observar as recomendações do rótulo de cada produto e seguir a orientação técnica. Das afirmações, estão corretas A) I e III. C) II e IV. B) I e II. D) III e IV. 25. Nas culturas do melão e da melancia, uma praga ataca praticamente todas as partes da planta, como folhas, brotos e, principalmente, os frutos. Neste último, abre galerias provocando a destruição e apodrecimento, tornando-os sem valor comercial. A praga responsável por esses danos é A) Broca das cucurbitáceas. C) Mosca minadora. B) Pulgão. D) Ácaros de teias. 26. O tomate (Lycopersicon esculentum) é uma planta da família das solanáceas, herbácea, com caule flexível, cujo fruto é uma baga carnosa de tamanho variável, cor amarela ou avermelhada, com polpa macia na qual estão contidas as sementes. Com relação à cultura do tomate, analise as afirmações a seguir: I II III IV O amarelo baixeiro do tomateiro é uma anomalia fisiológica que se caracteriza pelo amarelecimento das folhas inferiores com as nervuras permanecendo verdes, sendo causada pela carência de fósforo nas folhas. O lóculo aberto é uma anomalia fisiológica do tomateiro que se caracteriza pela má formação da parede do fruto durante a sua formação, sendo causada pela carência de boro ou pela ocorrência de baixas temperaturas durante a formação dos frutos. A podridão apical é uma anomalia fisiológica do tomateiro que se caracteriza por uma mancha negra, dura e seca na extremidade apical. Essa anomalia é causada pela deficiência de cálcio no fruto, resultante da falta desse mineral e do excesso de nitrogênio na adubação. A requeima é uma doença virótica do tomateiro que causa sintomas como a curvatura das folhas para baixo, nervuras das folhas arroxeadas e frutos com lesões anelares concêntricas. Das afirmações, estão corretas A) I e IV. C) III e IV. B) I e II. D) II e III. Prefeitura Municipal de Jucurutu Concurso Público 2014 Técnico Agrícola 7

10 27. As operações de aração e de gradagem visam descompactar a camada superficial do solo, preparar o solo para o plantio e incorporar corretivos e restos vegetais. A compactação do solo em camadas mais profundas, denominadas de pé de arado ou pé de grade, é r esolvida com uma operação mecânica onerosa, que exige tratores potentes e de elevado consumo de combustível. Essa operação mecânica é denominada: A) nivelamento. C) subsolagem. B) escarificação. D) sistematização. 28. Num projeto de irrigação, um técnico agrícola pode determinar o intervalo de tempo entre duas aplicações de lâmina d água se tiver o conhecimento da capacidade de água disponível no solo e da quantidade de água necessária à irrigação. Esse intervalo de tempo entre duas aplicações de lâminas d água na irrigação é denominado: A) evapotranspiração de referência. B) evapotranspiração da cultura. C) turno de rega. D) vazão ajustada. 29. O processo de desagregação, transporte e deposição das partículas de um solo é denominado de erosão do solo. Com relação à erosão do solo, analise as afirmativas a seguir. I II III IV Os principais tipos de erosão eólica são conhecidos como laminar, voçoroca e em sulcos. Os fatores que influenciam a erosão do solo são a cobertura vegetal, as características do solo, a topografia da área, o manejo do solo e a intensidade dos agentes da erosão. Técnicas de manejo do solo que visam reduzir a desagregação e o transporte das partículas do solo são conhecidas com práticas conservacionistas do solo. O terraceamento é uma prática conservacionista vegetativa, que consiste em distribuir restos de culturas em curvas de nível. Das afirmações, estão corretas A) I e II. B) I e IV. C) III e IV. D) II e III. 30. Em regiões semiáridas, onde a evapotranspiração é elevada e a precipitação pluviométrica anual é baixa, geralmente, há a formação de solos sódicos e com ph alcalino. Para corrigir esses solos, podem ser usados A) o carbonato de cálcio e o cloreto de potássio. B) o sulfato de cálcio (gesso) e o enxofre elementar. C) o nitrato de potássio e o carbonato de magnésio. D) o óxido de potássio e o hidróxido de cálcio. 8 Prefeitura Municipal de Jucurutu Concurso Público 2014 Técnico Agrícola

11 31. Os elementos nitrogênio, fósforo e potássio são, geralmente, os nutrientes usados em maior proporção na adubação das culturas, resultando, na maioria das vezes, em respostas das plantas em relação ao aumento de sua produtividade. São exemplos de adubos químicos nitrogenados, fosfatados e potássicos, respectivamente, A) gesso, bórax e molibdato de sódio. B) nitrato de amônio, superfosfato simples e cloreto de potássio. C) calcário, fritas e ureia. D) apatita, húmus de minhoca e esterco. 32. Na cultura da mangueira, uma doença causada pelo fungo Ceratocystis fimbriata causa a seca da planta, a qual é iniciada a partir dos galhos mais finos e progride lentamente em direção ao tronco da mangueira causando o anelamento e a morte da planta. Essa doença é denominada de A) Mancha de alternaria. B) Mancha angular. C) Seca-da-mangueira ou mal-do-recife. D) Cercosporiose. 33. Na experimentação agrícola, a repetição é o número de vezes que o tratamento aparece no experimento. O princípio básico da experimentação agrícola que corresponde à distribuição aleatória dos tratamentos nas parcelas é A) erro experimental. B) controle local. C) casualização. D) tratamento. 34. A melancia é uma planta anual, herbácea e, geralmente, de crescimento rasteiro, cuja atividade produtiva no Brasil apresenta um perfil predominante caracterizado pela produção familiar. São exemplos de duas cultivares de melancia: A) Casca Dura Ikeda e Yolo Wander. B) Crimson Sweet e Charleston Gray. C) Gold Mine e Orange Flesh. D) Jacarezinho e Tetsukabuto. 35. Um engenheiro agrônomo recomendou aplicar 90 kg/ha de N, 180 kg/ha de P 2 O 5 e 90 kg/ha K 2 O para a adubação de fundação da cultura do melão. A quantidade da formulação a ser aplicada por hectare, para satisfazer a referida recomendação de adubação, foi calculada por um técnico agrícola. O resultado correto do cálculo feito pelo técnico agrícola foi de A) 600kg/ha. B) 900 kg/ha. C) 800 kg/ha. D) 550 kg/ha. Prefeitura Municipal de Jucurutu Concurso Público 2014 Técnico Agrícola 9

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado. Este Caderno contém 35 questões de múltipla

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado. Este Caderno contém 35 questões de múltipla

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde

Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde. Informações sobre Adubação orgânica e Adubação Verde 1 de 5 10/16/aaaa 10:13 Adubação Orgânica Adubação Orgânica e Adubação Verde Nome Adubação Orgânica e Adubação Verde Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Adubação Orgânica Resenha

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Centro de Aquicultura - Setor de Carcinicultura Responsável: Prof. Dr. Wagner Cotroni Valenti PREPARAÇÃO DO FUNDO, ADUBAÇÃO, CALAGEM E MANEJO DO FLUXO DE ÁGUA DOS VIVEIROS

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Roberta Aparecida Carnevalli Pesquisadora Embrapa Agrossilvipastoril Cana-de-açúcar Alimentação humana xaropes sacarose Aguardente Combustível etanol energia

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado. Este Caderno contém 35 questões de múltipla escolha, dispostas

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO VESTIBULAR/2015

CONCURSO PÚBLICO VESTIBULAR/2015 ESCOLA DE GOVERNO PROFESSOR PAULO NEVES DE CARVALHO FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO Governo de Minas Gerais CONCURSO PÚBLICO VESTIBULAR/2015 2ª ETAPA Provas abertas: Matemática, História e Redação em Língua Portuguesa.

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO A Estatística Experimental tem por objetivo o estudo dos experimentos, incluindo o planejamento, execução, análise dos dados e interpretação

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

Regimento. Programa de Residência Zootécnica como formador de agentes de desenvolvimento. Regimento

Regimento. Programa de Residência Zootécnica como formador de agentes de desenvolvimento. Regimento Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Regimento Programa de Residência Zootécnica como formador de agentes de desenvolvimento territorial 2013 Embrapa Gado de Leite Juiz de Fora

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado. Este Caderno contém 35 questões de múltipla

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

Comunicado Técnico 06

Comunicado Técnico 06 Comunicado Técnico 06 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Irrigação de Pastagens Instruções Técnicas Responsáveis: André Luis Teixeira Fernandes; E-mail: andre.fernandes@fazu.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum.

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. Maria Geralda de Souza; Olívia Cordeiro de Almeida; Aparecida das Graças Claret de Souza Embrapa Amazônia Ocidental, Rodovia AM-010,

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Manejo de Solos Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Aula 3: Manejo de adubação fosfatada em pastagens 1. Características Macronutriente Móvel na planta Junto com o N e o K, são os 3 mais exigidos

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO EXPERIÊNCIAS DA MONSANTO DO BRASIL MARCIO SCALÉA ABRIL 2007 Manejo Genética Alimentação Sanidade GENÉTICA M A N E J O ALIMENTAÇÃO S A N I D A D E FASE PRODUTIVA

Leia mais

Cana-de-Açúcar + Ureia. Volumoso de baixo custo para o rebanho na seca

Cana-de-Açúcar + Ureia. Volumoso de baixo custo para o rebanho na seca Cana-de-Açúcar + Ureia Volumoso de baixo custo para o rebanho na seca Esta tecnologia é indicada para sistemas de produção intensivos e extensivos de gado de leite ou gado de corte no período da seca,

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto FCA-UNESP-FMVZ Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal-DMNA Site: www.gruponutrir.com.br diretorianutrir@gmail.com Nutrição e Manejo de Vacas de leite

Leia mais

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA*

TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* TAXA DE LOTAÇÃO EM PASTAGEM DE TIFTON 85 SOB MANEJO DE IRRIGAÇÃO E SEQUEIRO NO PERÍODO DA SECA* SENE. G. A. 1 ; JAYME. D. G.²; BARRETO. A. C. 2 ; FERNANDEZ. L. O. 3, OLIVEIRA. A. I. 4 ; BARBOSA. K. A.

Leia mais

Produção de Leite a Pasto

Produção de Leite a Pasto Produção de Leite a Pasto Levar o gado ao pasto e não o pasto ao gado Menor custo, redução da mão-de-obra Mais saúde para os animais Menor impacto ambiental Maior rentabilidade PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata).

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata). Página 41 de 83 Grama amendoim - Arachis repens / Família: Fabaceae Origem: Brasil / Tipo: Forração / Cultivo: Deve ser cultivado a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e preferencialmente enriquecido

Leia mais

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Objetivando-se uma criação rentável e tecnicamente planejada, nada mais correto que o produtor venha a preocupar-se com a disponibilidade

Leia mais

Objetivo Conteúdos Habilidades

Objetivo Conteúdos Habilidades Tema 8 Um Lugar Frio e Escuro Objetivo investigar as condições ambientais predominantes nos oceanos, com destaque para os gradientes verticais de temperatura, luz e pressão hidrostática. Conteúdos física,

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta)

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) CULTURA DA MANDIOCA (Manihot esculenta subsp esculenta) 1 - Características É um arbusto perene, pertencente à família botânica Euphorbiaceae, planta

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

Capitulo 3 Horta Orgânica

Capitulo 3 Horta Orgânica ASSOCIAÇÃO SOCIOAMBIENTALISTA SOMOS UBATUBA Conteúdo Pedagógico Capitulo 3 Horta Orgânica Organização Parceria Convênio Horta Orgânica Introdução Esta etapa é composta por atividades ligadas pelas relações

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos É Exite uma grande diversidade dos sistemas de produção de leite praticados nos vários países produtores Argentina Austrália Nova Zelândia É

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA NOVO PROTOCOLO AMBIENTAL (Única, Orplana e Secretaria do Meio Ambiente) Áreas mecanizáveis Extinção das queimadas

Leia mais

Um projeto de curral para o manejo de bovinos de corte: reduzindo os custos e melhorando o bem estar animal e a eficiência do trabalho.

Um projeto de curral para o manejo de bovinos de corte: reduzindo os custos e melhorando o bem estar animal e a eficiência do trabalho. Um projeto de curral para o manejo de bovinos de corte: reduzindo os custos e melhorando o bem estar animal e a eficiência do trabalho. Mateus J.R. Paranhos da Costa (Grupo ETCO, Departamento de Zootecnia,

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Aluno (a): Disciplina GEOGRAFIA Curso Professor ENSINO MÉDIO FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Série 1ª SÉRIE Número: 1 - Conteúdo: Domínios morfoclimáticos - estudar as interrelações

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE FRUTA DE LEITE / MG - EDITAL 12014

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE FRUTA DE LEITE / MG - EDITAL 12014 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE FRUTA DE LEITE / MG - EDITAL 1014 ESTE CADERNO DE PROVAS DESTINA-SE AOS CANDIDATOS AOS SEGUINTES CARGOS: Agente Comunitário

Leia mais

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura.

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. FUNDAÇÃO MOKITI OKADA Mokiti Okada - CPMO Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. Leandro de Almeida Amado Engenheiro Agrônomo, MSc Assistente Técnico Outubro

Leia mais

Rotação milho e soja para aumento do rendimento

Rotação milho e soja para aumento do rendimento Rotação milho e soja para aumento do rendimento Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique.

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS

ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DE EQUINOS Prof. Dr. João Ricardo Dittrich Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia ROTEIRO Particularidades anatômicas e fisiológicas. Características ambientais.

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement.

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement. O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 Depois da colheita os galhos cortados são usados para cobrir a terra. Isto protege contra erosão, guarda a humidade e melhora a terra com matéria orgânica, assim que segura

Leia mais

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente Tratamento de Água - Manual Prático e Fundamentos SNatural Meio Ambiente Rua das Orquídeas, 94 Vila Mariana SP São Paulo 04050 000 Fone: 11 5072 5452 www.snatural.com.br snatural@sti.com.br 1 Tratamento

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas BIOCOMBUSTÍVEIS Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

A irrigação à noite também não é uma boa ideia porque pode deixar as folhas molhadas durante a noite um convite ao crescimento de fungos.

A irrigação à noite também não é uma boa ideia porque pode deixar as folhas molhadas durante a noite um convite ao crescimento de fungos. MANEIRAS DE ECONOMIZAR ÁGUA NA IRRIGAÇÃO: TÓPICO I: IRRIGAÇÃO PARA PAISAGISMO RESIDENCIAL. Agora vamos iniciar as maneiras de economizar água de irrigação. 1 Se você já tem um sistema instalado: 1.1. Faça

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:32 Fruticultura Bananeira : Mal do Panamá Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações sobre a doença do mal-do-panamá

Leia mais

Informações básicas para fazer compostagem 1.

Informações básicas para fazer compostagem 1. Educação Ambiental Desenvolvimento Sustentável. www.ecophysis.com.br Informações básicas para fazer compostagem 1. COMPOSTAR para reduzir a quantidade de resíduos orgânicos 2. REUSAR os resíduos compostados

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Cerrado e caatinga. Compare estas duas fotos:

Cerrado e caatinga. Compare estas duas fotos: A UU L AL A Cerrado e caatinga Compare estas duas fotos: cerrado caatinga Observando as duas figuras, a característica que mais nos chama a atenção é que os dois ambientes parecem muito secos. Nesta aula,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

25 Dicas Para Viver Com Menos Açúcar

25 Dicas Para Viver Com Menos Açúcar 25 Dicas Para Viver Com Menos Açúcar O açúcar pode ser ótimo para o nosso humor, mas é péssimo para a nossa saúde. O excesso dele conduz à obesidade, diabetes, ao câncer, entre outros. Às vezes, muitos

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br CALAGEM, ADUBAÇÃO E DESINFECÇÃO DE VIVEIROS

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

Máquinas para Pecuária

Máquinas para Pecuária Máquinas para Pecuária Thaís Nascimento Santos 1 ; Bruno Silva Torquato 1 ; Karen Cappi do Carmo Brig 1 ; Maria Alexandra Estrela 2 Aluno (a) do Curso de Zootecnia da Faculdade de Imperatriz FACIMP, Imperatriz

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO Paulo Henrique Caramori, Armando Androcioli Filho, Francisco Carneiro Filho, Dalziza de Oliveira, Heverly Morais, Alex Carneiro Leal e Jonas Galdino.

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais