POR UMA REDE DE FORMAÇÃO EM ORGANIZAÇÃO DA CULTURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POR UMA REDE DE FORMAÇÃO EM ORGANIZAÇÃO DA CULTURA"

Transcrição

1 POR UMA REDE DE FORMAÇÃO EM ORGANIZAÇÃO DA CULTURA Antonio Albino Canelas Rubim Hoje vivemos no mundo. Não apenas um local do planeta, mas de algum modo temos uma experiência planetária. Nossa vivência foi ampliada a tudo o que acontece na Terra. Hoje, a distância entre as pessoas não é mais medida em quilômetros, mas em número de conexões 1 : os fluxos financeiros, de informação, conhecimento viajam por todo o planeta em segundos, ainda que em condições marcadas por profundas desigualdades. Nos dias atuais, não é apenas concebível, mas possível, a multidão instantânea (flash mob 2 ). Em suma, como cantou Gilberto Gil: Antes a mundo era pequeno, porque a terra era grande. Hoje o mundo é grande, porque a terra é pequena. As revoluções dos transportes e das comunicações criaram redes que conectaram o mundo e nossa vida, configurando uma sociedade-rede no dizer de Manuel Castells 3. A revolução pela qual passa a sociedade contemporânea afeta pessoas, empresas e mesmo nações. Na base dessa profunda mutação, as redes tecnológicas possibilitam a interconexão glocal e revitalizam o conceito de interdependência, relativizando o poder de atores isolados. Em resposta, como assinala Ana Cristina Fachinelli 4 :...uma dinâmica potente de construção de redes de atores: indivíduos, empresas e organizações tecem laços flexíveis que os tornam coletivamente mais inteligentes, ou seja, mais ágeis no processo de adaptação antecipada ou na resposta às diferentes contingências contextuais. Desnecessário dizer que as redes ocupam todo o âmbito do espectro social: temos redes de relacionamentos, nos organizamos em redes sociais, trabalhamos e nos divertimos através de computadores ligados em rede(s). Enfim, elas transformam, remodelam, re-significam nosso modo de vida. Ainda segundo Castells: 1 Cabe lembrar o experimento liderado por Duncan Watts, da Columbia University, conhecido como Seis Graus de Separação, no qual usuários de tentaram, através de suas redes pessoais, conseguiram conectar-se a 18 pessoas em 13 países. Os alvos foram atingidos através de uma média de cinco a sete conexões. 2 Flash Mob pode ser traduzido como 'Multidão Instantânea'. É um rápido encontro de um grupo de pessoas que são convocadas por para realizar uma performance instantânea e depois dispersar. Há quem se refira a este acontecimento como uma espécie de 'festa surpresa' ou 'multidões inexplicáveis'. 3 CASTELLS, Manoel. La sociedad red. Madrid, Alianza Editorial, FACHINELLI, Ana Cristina. A prática da gestão de redes: uma necessidade estratégica da Sociedade da Informação. In: Revista Com Ciência, Disponível em Acesso em 31/10/

2 Como tendencia histórica, las funciones y los procesos dominantes en la era de la información cada vez más se organizan en redes. Éstas constituyen la nueva morfología social de nuestras sociedades y la difusión de su lógica de enlace modifica de forma sustancial la operación y los resultados de los procesos de producción, la experiencia, el poder y la cultura 5. Ao destacar como a radicalidade transformadora das redes afeta a cultura, Manoel Castells expõe uma relação intrincada. Se, por um lado, podemos afirmar que a cultura é o ambiente das redes, na medida em que são elementos culturais comuns que as tornam possíveis; podemos também dizer que, dada sua horizontalidade e nãolinearidade, as estruturas em rede são, por excelência, o locus de renovação, transmissão e hibridização de culturas. É esta dinamicidade, este movimento de troca, construção e desconstrução próprio das redes que mantém as culturas vivas, ou melhor, que as revitaliza ininterruptamente. Afinal, no dizer de Panikkar: las culturas son el resultado de una continua fecundación mutua. La tarea de cooperación cultural consiste precisamente en esta fecundación mutua 6. O que são Redes? Não existe ainda um conceito de rede amplamente aceito e compatível com a diversidade de organizações e contextos em que o termo é utilizado. Embora este seja o tempo das redes, muito pouco conhecimento foi organizado e difundido sobre a morfologia, as possibilidades e os limites dessas novas formas de organização social. Como resultado, muitas redes hoje existentes acabam recebendo outras denominações: fóruns, coletivos, movimentos, consórcios, comitês, articulações são alguns exemplos. O inverso também é verdadeiro: muitas das redes atuais não são nada além de velhas organizações com nova roupagem ou mesmo simples conjuntos de elementos. Embora a forma seja um fator decisivo, o desenho da rede não é suficiente para explicá-la ou caracterizá-la como um sistema de propriedades e um modo de 5 CASTELLS, Manoel. Ob. cit. p PANIKKAR, Raimon. Cultura y desarollo. In: Papeles Iberoamericanpos: Cooperación Cultural Euroamericana - I Campus Euroamericano de Cooperación Cultural. Barcelona: Organización de los Estados Iberoamericanos / Fundación Interarts, p

3 funcionamento específico (...) se identificarmos a existência de ligações, tudo seria efetivamente rede, como esclarece Martinho 7. Já Ana Cristina Fachinelli anota: Uma agenda de endereços, não mais que um anuário de diplomados, não constitui uma rede, mas sim uma matéria-prima relacional. Para que a rede ganhe corpo, é necessário que um projeto concreto, coletivo, voluntário, proporcione uma dinâmica específica às relações pré-existentes. Ao supor um objetivo coletivo, um projeto deliberado de organização humana (Martinho, 2003) é possível traçar uma distinção clara entre as redes sociais e as redes pessoais, de relacionamentos e interesse privado. Esta diferença de natureza terá reflexos nas formas de participação e no engajamento das pessoas em uma ou em outra rede. Antes de prosseguir, é necessário fazer ainda outra distinção importante: quando falamos de rede social, não falamos de apenas uma, mas, geralmente, de duas redes. Esta é uma simbiose própria dos novos tempos, pois a quase totalidade das redes sociais está estruturada sobre redes de comunicação. Um dos mais significativos desdobramentos das tecnologias da informação e da comunicação (as chamadas TICs), as redes comunicacionais são constituídas de infraestrutura tecnológica e programas (hardwares e softwares) que permitem o trânsito dos fluxos de informação, o compartilhamento de dados e o desenvolvimento de novas formas de interação entre pessoas, grupos de pessoas, organizações etc. As redes comunicacionais reorganizam as forças de produção, os serviços e a economia, rearticulam a política e modelam a cultura 8. A diversidade de funções e aplicações para essas redes 9 é de tal forma abrangente que este é um universo em aberto, no qual uma nova frente emerge a cada dia, para o espanto de muitos e o delírio dos mercados de ações 10. Entretanto, um dos aspectos mais interessantes das redes comunicacionais é a sua invisibilidade: estamos cada vez mais enredados nas redes comunicacionais e mal 7 MARTINHO, Cássio. Redes uma introdução às dinâmicas da conectividade e auto-organização. Brasília: WWF Brasil, Disponível em Acesso em 31/10/ TRIVINHO, Eugênio. Redes: obliterações no fim de século. São Paulo: Annablume, FAPESP: 1998, p Um detalhamento possível (e, ainda, conservador) para algumas das aplicações das redes comunicacionais encontra-se em Trivinho, E. (1998, p.22). 10 Caso emblemático, as ações da empresa Google Inc., responsável pelo mais utilizado mecanismo de busca da Internet, que ultrapassaram por volta de 2005 o valor de US$ 47,9 bilhões. Para efeito de comparação, este montante é quase o dobro do valor da General Motors. 3

4 nos damos conta disso. Para a geração que nasce, o embalar dessas redes será tão essencial e invisível como uma segunda natureza. A disseminação em larga escala das redes sociais, assim, só ocorreu devido à existência das redes comunicacionais. Mais que isso: na medida em que disponibilizam, constantemente, formas inovadoras de interação, as redes comunicacionais conformam o funcionamento e os modos de atuação das redes sociais. Como ensina McLuhan 11, os meios também condicionam a ação. Assim, o termo simbiose, usado anteriormente para descrever o encontro entre as redes comunicacionais e as redes sociais, é provavelmente o mais correto. Características das redes sociais O centro está em toda parte e a circunferência em parte alguma 12. Nicolau de Cusa não seria capaz de imaginar que, ao se posicionar sobre geocentrismo e heliocentrismo em plena Idade Média, estaria trazendo elementos para explicar um fenômeno social oito séculos mais tarde. A assertiva do pensador renascentista nos conduz a um dos maiores diferenciais das redes em relação às outras formas de organização social: a sua horizontalidade potencial. A horizontalidade contrapõe-se às estruturas hierarquizadas. A ausência de um centro ordenador, que por determinação prévia concentre as decisões e responsabilidades da rede, pode estimular o pluralismo de idéias e ações; distribuir eqüitativamente direitos e deveres; desburocratizar as atividades; permitir trocas diretas entre os membros e reforçar o projeto coletivo instaurador da rede. As eventuais centralidades, que seguem a lógica do envolvimento e do reconhecimento, emergem durante processos e atividades, e serão substituídas por outras, na medida em que diminua a sua capacidade de resposta. Assim, cada elemento da rede pode ser um centro, dependendo do momento e do ponto de vista. 11 O canadense Marshall McLuhan ( ), autor dos livros Os Meios de Comunicação como Extensão do Homem, O Meio é a Mensagem e da noção de Aldeia Global, considerado por alguns o oráculo da Era Eletrônica. 12 Nicolau de Cusa, Século XIII. Apud Martinho,

5 Ao prever relacionamentos baseados mais fortemente na qualidade das relações que em qualidades intrínsecas dos membros das redes, horizontalidade confunde-se com conectividade, outra característica essencial das redes. É o fenômeno de produção contínua de conexões, a conectividade, que estabelece uma dinâmica de rede, como observa Martinho: Isso porque são as conexões que fazem a rede. Um conjunto de elementos dispersos no espaço (...) não representa nada se não houver alguma conexão entre eles. É o relacionamento entre os pontos que dá qualidade de rede ao conjunto. Esta questão é particularmente significativa na medida em que todas as conexões são voluntárias. Em outras palavras: a participação numa rede é uma adesão ao projeto que a rede representa. Cada conexão, portanto, simboliza e recupera o compromisso original que mantém a rede viva. Além disso, a participação voluntária, enquanto précondição para a existência de qualquer rede, é um grande obstáculo a qualquer tentativa de hierarquização dessa forma da organização social. As conexões com novos membros também qualificam a rede: cada ponto novo significa a adição de toda uma rede 13, na medida em que o ponto conecta-se a outros pontos que também têm conexões ou, pelo menos, de novos caminhos dentro da rede preexistente. Assim, cada conexão é a possibilidade de novas conexões, o que possibilita que as redes cresçam exponencialmente 14. É preciso observar que um mesmo nó pode ser um vértice para o qual convergem várias redes. Essa multidimensionalidade, ou seja, a possibilidade de um indivíduo ou organização participar simultaneamente de várias redes, cria campos de diálogos e intercâmbio pouco prováveis em estruturas mais tradicionais, tornando cada ponto um mediador dos fluxos das diversas redes em que participa. A dinâmica de suas conexões, por sua vez, não segue ou estabelece padrões, ocorre de forma não-linear, o que dá às redes uma configuração rizomática. A nãolinearidade incorpora o acaso e o não-previsto, aproximando as organizações em rede das dinâmicas da vida. Assim, os caminhos entre um ponto e outro da rede normalmente 13 Este fato relaciona-se, novamente, com a já citada experiência dos seis graus de separação, na medida em que, para chegar até alguém usamos as redes das redes daqueles que conhecemos. 14 Podem ilustrar esta questão os modelos de empresas como a Herbalife e a Amway, cujos vendedores ganham sobre a quantidade produtos vendidos por outros profissionais a eles associados. 5

6 podem ser percorridos de muitas formas, variando, inclusive, de acordo com o tempo. Como num caleidoscópio, cada nova perspectiva é novo arranjo de caminhos e posições. Una estructura social que se base en las redes es un sistema muy dinámico y abierto, susceptible de innovarse sin amenazar su equilibrio 15. Uma rede, enfim, é uma arquitetura plástica, não-linear, aberta, descentralizada, plural, dinâmica, horizontal e capaz de auto-regulação, conforme Martinho (2003). Breve trajetória do conceito de rede As redes constituem um fenômeno atual que não pode ser ignorado. Em um mundo cada vez mais glocalizado e perpassado por intensos fluxos migratórios, monetários e financeiros, mercantis, informacionais e culturais, (...) a rede tornou-se uma forma privilegiada de representar a realidade contemporânea 16. Por conseguinte, o conceito de rede hoje está presente em inúmeras disciplinas científicas e áreas multidisciplinares de conhecimento: da Comunicação à Engenharia; da Administração à Antropologia; da Física à Sociologia; da Biologia à Matemática; da Economia aos Estudos de Saúde; da Ecologia aos Estudos de Cultura, etc. A noção de rede tornou-se onipresente e, bem mais que isto, parece mesmo onipotente, pois aparece como uma chave universal para tudo explicar e mover. O uso amplo e indiscriminado da noção de rede tem como conseqüência sua sobrecarga semântica, com a introdução e o acionamento de uma infinidade de significações diferenciadas para o termo. Cabe, de imediato, desenvolver uma visitação que busque construir um conceito, através da elucidação rigorosa de seus sentidos. A idéia de rede é antiga. Na mitologia grega, o mito do Minotauro já indicava um possível delineamento do conceito de rede, através da metáfora do fio de Ariadne emblematizando as imagens que tecem por entre a malha intrincada de corredores que constitui o labirinto. Na Antiguidade, a concepção de rede ganha paradigmática associação com o corpo humano, quando Hipócrates concebe o corpo como uma 15 CASTELLS, M. ob. cit. p DIAS, Leila Christina. Os sentidos da rede: notas para discussão. In: DIAS, Leila Christina e SILVEIRA, Rogério Leandro Lima da. Redes, sociedades e territórios. Santa Cruz do Sul, EDUNISC, 2005, p.12. 6

7 gigantesca via de comunicação entre veias e órgãos. Por séculos, a noção de rede permaneceu identificada à morfologia do corpo humano. Somente na virada do século XVIII para o século XIX, o conceito extrapola tais limites ao sair das fronteiras do corpo e passar a ser utilizado como representação de fenômenos sociais. Através do empreendimento teórico de Claude Henri de Saint- Simon ( ), o conceito de rede começa a ganhar sua versão moderna, qual seja uma estrutura artificial de gestão do espaço e do tempo que extrapola o corpo e torna-se um artefato superposto a um território, anamorfoseando-o 17. Lançando mão do pressuposto do organismo-rede, ou seja, da idéia de que o corpo se mantém vivo pela circulação, o projeto filosófico do pensador francês baseavase na possível construção de uma comunhão religiosa, no sentido etimológico de religare, entre os homens, tendo na comunicação o caminho por excelência da manutenção deste vínculo. Como observa Leila Dias, sustentado nos princípios do socialismo utópico, o projeto político-filosófico de Saint-Simon tinha como objetivo a construção de relações sociais mais equânimes. Tal meta seria alcançada por meio de um engenhoso projeto de edificação de redes de comunicação sobre o território francês de modo a assegurar uma ampla malha de circulação de todos os fluxos econômicos, sociais, políticos e culturais, o que garantiria a melhoria na condição de vida da população. Se Saint-Simon utilizou o conceito de rede para pensar a mudança social, tomando as redes de comunicação como mediadores técnicos de tal mudança, para Pierre Musso, foram os epígonos simoneanos os responsáveis pela inversão epistemológica e pela corrupção do conceito. Pensadores, como Michel Chevalier, identificam o desenvolvimento das redes com uma revolução política. Assim, nas palavras de Pierre Musso: Diferentemente de Saint-Simon, Chevalier transforma a rede em objeto-símbolo: a rede técnica produz, por ela mesma, mudança social 18. Nesse momento, segundo Pierre Musso, o conceito está corrompido. Ao sair do corpo, as redes, em sua versão moderna se materializam e se sobrepõem aos territórios, criando infinitas teias de circulação de pessoas e coisas. O 17 MUSSO, Pierre. A filosofia da rede. In: PARENTE, André (org.). Tramas da rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas de comunicação. Porto Alegre, Sulina, 2004, p MUSSO, Pierre. ob. cit. p.28. 7

8 desenvolvimento extraordinário das redes de transportes e de comunicações, a partir do século XIX e sua potencialização no século seguinte, através das redes informáticas, criam um ambiente propício para que o conceito corrompido de rede possa se vulgarizar e, deste modo, superestimar o poder de mudança social das redes: consideradas como aparatos tão somente técnicos. Aprisionado neste panorama, diversas operações são realizadas para construir um paradigma pretensamente científico, objetivando a compreensão das redes. Elas são logo coisificadas. Isto é, transformadas em coisas que, apartadas do social, adquirem vida própria, porque, na aparência, independem das relações sociais nas quais estão obrigatoriamente inscritas. Aqui se está claramente no reino da reificação, como foi analisado por Karl Marx, Georg Lukács, Lucien Goldmann e Karel Kosik. Depois esta coisa chamada rede passa a definir, por si mesma, as mudanças societárias. Chega-se assim facilmente ao reino do determinismo tecnológico. Coisificação e determinismo tecnológico são operações que marcam muitos dos estudos acerca das redes no mundo recente. As ilusões sobre as redes não se esgotam aí. A atribuição de um conjunto de qualidades imanentes às redes, como se elas estivessem fora da sociedade capitalista onde nasceram e se desenvolveram, faz aportar mais outras ilusões aos discursos sobre o tema. Como os exemplos são quase infindáveis, cabe eleger alguns representativos. Raúl Motta escreve...una red es por definición, no jerárquica. Es un tejido de conexión entre iguales 19. Martinho, em um texto mais abrangente, afirma: A rede é um padrão organizacional que prima pela flexibilidade e pelo dinamismo de sua estrutura; pela democracia e descentralização na tomada de decisão; pelo alto grau de autonomia de seus membros; pela horizontalidade das relações entre seus elementos. (...) a rede opera por meio de um processo de radical desconcentração. 20 Ainda que se tenha concordância com todos estes (belos) dispositivos, fica difícil imaginar que as redes possam se constituir em um espaço social, onde todos eles estejam assegurados, de antemão. Inseridas em um contexto societário capitalista, que não prima pela prevalência de nenhuma destas expectativas igualitárias, não é evidente 19 MOTTA, Raúl. Las redes sociales informales y la búsqueda de la ecuación interactiva entre la toma de decisiones locales y la responsabilidad de la governabilidad global. In: DABAS, Elina e NAJMANOVICH, Denise (orgs.) Redes. El lenguaje de los vínculos. Buenos Aires, Paidós, 2002, p MARTINHO, C. apud DIAS, Leila. ob. cit. p.18/19. 8

9 que tal ocorrência possa se dar. Para que isto acontecesse, as redes só poderiam ser pensadas como externas a este contexto ou totalmente impermeáveis aos seus desígnios. Ambas as alternativas não são plausíveis. Para não desqualificar as expectativas de melhoria do convívio e vínculo sociais, resta formular uma alternativa que incorpore tais dispositivos sem assumir as ilusões de que eles estão já assegurados pelo padrão organizacional mesmo. Nesta perspectiva, um itinerário perspicaz seria propor que tais dispositivos sejam entendidos como potencialidades inscritas, mas não asseguradas, no modelo organizacional rede ou assumir o caráter normativo de tais prescrições, como modelo ideal a ser buscado. Assim, fica descartada a efetivação automática dos dispositivos inscritos nas redes. Tais ideais passam a ter a sua realização sempre condicionada às dinâmicas históricas provenientes das relações de poder presentes nas diferentes sociedades. Nesta perspectiva, a instigante proposta de Manoel Castells 21 de considerar que as redes constituem a nova morfologia social de nossas sociedades talvez produzisse menos polêmica Redes: caracterização, componentes e sociabilidade Pode-se tomar como referência as noções de rede definidas por Michel Serres uma pluralidade de pontos (picos) ligados entre si por uma pluralidade de ramificações (caminhos), onde o pico é a interseção de vários caminhos e, reciprocamente, um caminho põe em relação vários picos e por Pierre Musso 23 : a rede é uma estrutura de interconexão instável, composta de elementos em interação, e cuja variabilidade obedece a alguma regra de funcionamento. Elas são definições abrangentes e assinalam os indicadores necessários para pensar as redes, em sua atual tessitura social; hoje, sem dúvida, sobredeterminada pela explosão das redes, em especial das informatizadas. 21 CASTELLS, Manoel. A sociedade em rede. São Paulo, Paz e Terra, 1999, p SERRES, Michel apud MUSSO, Pierre. ob. cit. p MUSSO, Pierre. ob. cit. p.31. 9

10 Decerto, as idéias de ramificações, interseções, interconexões, interações e regras de funcionamento são vetores significativos que constituem o conceito de rede, mas outros dados podem ainda ser acionados para dar uma mais rigorosa concretude à noção de rede. Alejandro Piscitelli, enfrentando a questão das mutações das propriedades das redes sob o impacto das novas tecnologias informáticas, afirmou que as novas formas das redes sociais: Comparten con las redes físicas tradicionales todos sus aspectos básicos comunidad de intereses, objetivos acotados, interacción periódica, intensidad afectiva etcétera pero inyectan a estas propiedades otras específicas de la comunicación electrónica a distancia, tales como las relaciones intensas de cuerpo ausente, la trascendencia de barreras geográficas, la prescindencia del parecer en el ser, etcétera. 24 Podem ser acrescidas a esta lista de propriedades, por certo, a idéia de adesão voluntária à rede e a existência de um projeto compartilhado, como sugere Fachinelli 25, ainda que tal solicitação possa já estar incorporada nas expressões: comunidad de intereses ou objetivos acotados. Ilse Scherer-Warren propõe que três dimensões de análise das redes devem ser consideradas: a temporalidade, a espacialidade e a sociabilidade 26. As redes, acionadas as possibilidades tecnológicas atuais, podem funcionar em tempo real e também aproximam entes submetidos a temporalidades culturais distintas. No registro da espacialidade, as redes tornam frágeis as fronteiras, permitindo interações entre o local e o global. Indo além, Alejandro Piscitelli 27 fala que as redes não só nos conectam com espaços globais e locais, mas que constituem mesmo um outro espaço social: Las redes ya no son meramente herramientas a través de las cuales nos teleconectamos sino que son espacios donde nos teleencontramos: mundos-redes (networlds). Em trabalhos anteriores de um dos autores do presente texto, encontra-se a proposição de que vivemos hoje uma sociedade complexa, na qual a sociabilidade torna-se necessariamente compósita, pois conjuga: espaços geográficos e midiáticos; 24 PISCITELLI, Alejandro. Enredados. Ciudadanos de la cibercultura. In: DABAS, Elina e NAJMANOVICH, Denise (orgs.) ob. cit. p.80/ FACHINELLI, Ana. Cristina et alli. A prática da gestão de redes: uma necessidade estratégica da Sociedade da Informação. In: Revista Com Ciência, Disponível em Acesso em 31/10/ SCHERER-WARREN, Ilse. Redes sociais: trajetórias e fronteiras. In: DIAS, Leila Christina e SILVEIRA, Rogério Leandro Lima da. ob. cit. p PISCITELLI, Alejandro. ob. cit. p

11 convivências e televivências; fluxos locais e globais, expressos na precisa noção de glocal; e, enfim, realidade contígua e telerrealidade, porque vivida à distância 28. Transita-se assim para a dimensão analítica de sociabilidade, imanente às redes. Neste horizonte, outros dados podem ser agregados a esta nova sociabilidade. Fala-se em um espaço ampliado e um tempo reduzido: em uma experiência planetária em tempo real. Roberto Martinez Nogueira assinala que a pluralidade de redes permite que os indivíduos, no contemporâneo, se integrem a múltiplas redes e pertenceram simultaneamente a diversas comunidades 29. Ilse Scherer-Warren propõe as formas de sociabilidade das redes possam ser investigadas e nomeadas de acordo com as seguintes categorias analíticas: reciprocidade, solidariedade, estratégia e cognição. Antes de concluir este itinerário acerca da noção de rede, buscando dar sentido ao conceito, cabe um retorno às questões da adesão e da participação nas redes, que se considera vital para o ângulo de análise deste texto. Roberto Martinez Nogueira lista diferentes modalidades de participação, sempre voluntária, nas redes: específica, cognitivamente orientada, circunstanciada e estratégica Cada uma destas modalidades de participação implica em envolvimentos diferenciados e modos distintos de assumir o compartilhamento do poder, inerente à rede, como a qualquer organização social. Sandra Fernández assinala que: Un elemento constitutivo de la intervención en red es la existencia de un dispositivo que posibilita la negociación. Todos os actores intervinientes estaban efectivamente presentes, portadores de sus respectivas cuotas de poder. 30 Chega-se, portanto, a uma constatação essencial para pensar as redes em sua complexidade. Elas sempre estão compostas por uma coletividade de entes que: aderem de modo voluntário; fazem parte de uma comunidade de interesses; partilham objetivos e projetos; compartilham algum envolvimento afetivo e emocional; encontram-se interconectados e periodicamente interagem. Tudo isto pode acontecer de modo presencial e dentro de fronteiras geográficas ou transcender os limites físicos do espaço e do corpo, como é bem mais comum nos dias de hoje. Mais que isto: os entes são 28 Por exemplo: RUBIM, Antonio Albino Canelas. Comunicação e política. São Paulo, Hacker, NOGUEIRA, Roberto Martinez. Redes sociales. Más allá del individualismo y del comunitarismo. In: DABAS, Elina e NAJMANOVICH, Denise (orgs.) ob. cit. p FERNÁNDEZ, Sandra. La red como alternativa de desarrollo comunitário. In: DABAS, Elina e NAJMANOVICH, Denise (orgs.) ob. cit. p

12 solicitados a negociar continuamente suas modalidades de atuação na rede, a partir das cotas de poder que dispõem e que estão inseridas nas relações de poder que organizam a rede. Como se viu, os resultados deste processo não estão definidos de antemão, mas as condições de interdependência e de compartilhamento estão dadas pelo perfil e pelo caráter desta modalidade de organização chamada rede. Claro que evocar noções de democracia, flexibilidade, horizontalidade, descentralização e outras como balizadoras para a definição da categoria rede, sem considerar as dimensões de poder inerentes a toda e qualquer relação social, esteriliza o conceito. Mas ele pode ser acionado como utopia, como metáfora para imaginar novas modalidades de convivência, que permitam alternativas desejáveis de construção de novos mundos, compartilhados. Políticas públicas de cultura e redes Anotadas as potencialidades e também os equívocos acerca das redes, cabe avançar e empreender uma rápida análise que explicite as vantagens do recurso às redes no desenvolvimento de políticas públicas e, mais especificamente, em políticas públicas de cultura. De imediato, é preciso explicitar o que se entende por políticas públicas. Elas não podem ser, sem mais, identificadas com meras políticas estatais. Na perspectiva das políticas públicas, a complexa governança da sociedade contemporânea, transcende o estatal, impondo a negociação como procedimento usual para incorporar atores e diversificar procedimentos envolvidos na definição e na implantação de políticas. Por conseguinte: somente políticas submetidas ao debate e crivo públicos podem ser consideradas substantivamente políticas públicas de cultura 31. Deste modo para que uma política seja definida como efetivamente pública ela deve possibilitar momento(s) de debate público, que viabilize(m) a participação de múltiplos atores sociais, e processo(s) público(s) de deliberação, que permita(m) a 31 Sobre o tema, ver: RUBIM, Antonio Albino Canelas. Políticas culturais: entre o possível e o impossível. In: NUSSBAUMER, Gisele Marchiori (Org.) Teorias e políticas da cultura. Visões multidisciplinares. Salvador: EDUFBA, 2007, p

13 incorporação de propostas destes atores. Assim, a política pública resultante pode ser reconhecida como elaboração compartilhada, mesmo que acionando graus distintos de interferência. Tal negociação, é sempre bom lembrar, acontece entre atores que detêm poderes desiguais e encontram-se instalados de modo diferenciado no campo de forças que é a sociedade capitalista contemporânea 32. As políticas públicas de cultura, portanto, podem ser desenvolvidas por uma pluralidade de atores político-sociais - não somente o Estado, ainda que ele seja um ator privilegiado neste campo - desde que tais políticas sejam submetidas obrigatoriamente a alguma regulação e controle sociais, através de crivos e procedimentos, tais como discussões e deliberações públicas. Nesta perspectiva, as políticas públicas aparecem como essenciais para pensar uma nova modalidade de Estado, que não seja estranho à sociedade, porque imposto como Estado todo poderoso ou ausente como Estado mínimo. Mas um novo Estado, radicalmente democratizado, que interaja continuamente com a sociedade (civil). Por óbvio, que apenas o recurso às políticas públicas não basta para democratizar o Estado na sociedade capitalista, marcada por profundas desigualdades econômicas, sociais, culturais e de poder. Entretanto não resta dúvida que o compromisso com a realização de efetivas políticas públicas pode ser um passo relevante no longo e complexo processo de democratização do Estado. A ativação de políticas públicas não só colabora na redefinição democrática do Estado e de seu papel, mas viabiliza a incorporação plural de novos atores, provenientes da sociedade civil, e a construção de parcerias entre o Estado e a sociedade civil. Por sua vez, tais parcerias podem simultaneamente: socializar o poder do Estado; empoderar a sociedade civil; inaugurar vínculos e dispositivos inusitados entre Estado e sociedade e qualificar a formulação e execução das próprias políticas públicas. Considerando as potencialidades antes anunciadas, as redes na contemporaneidade emergem como um dos organismos mais adequados para viabilizar estas parcerias entre Estado e sociedade (civil). Elas podem, por exemplo, ser: democráticas: flexíveis; ágeis; possuir capilaridade e agregar competências. Entretanto para que tais potencialidades sejam preservadas e promovidas é imprescindível ter cuidados extremos na constituição e no funcionamento das redes. Para garantir isto, 32 Sobre políticas públicas ver também: PARADA, Eugenio Lahera. Introducción a las políticas públicas. Santiago, Fondo de Cultura Econômica,

14 torna-se necessário um pacto de constituição e funcionamento acordado de modo cristalino entre Estado e parceiros da sociedade civil. Porque construir uma rede de formação em organização da cultura A fundamentação desenvolvida permite apresentar a proposta de constituição da rede nacional de formação em organização da cultura. Utiliza-se a noção de organização da cultura, inspirada em Antonio Gramsci, porque ela permite identificar englobando um conjunto de atividades imanentes à estruturação do campo e dos eventos culturais, a exemplo de: formulação e desenvolvimento de políticas; gestão; produção; animação; promoção; administração; programação; curadoria 33. A organização da cultura aparece como um dos momentos imanentes do fazer cultural, pois um sistema cultural efetivamente complexo exige um conjunto de momentos, todos eles imprescindíveis ao movimento cultural: 1. Criação, inovação e invenção; 2. Difusão, divulgação e transmissão; 3. Circulação, cooperação, intercâmbios, trocas; 4. Análise, crítica, estudo, investigação, reflexão, pesquisa; 5. Fruição, consumo e públicos; 6. Conservação e preservação; 7. Organização, gestão, legislação e produção da cultura 34. Análises da história das políticas culturais no Brasil têm enfatizado o descuido delas com o tema da formação de pessoal para o campo cultural, em especial, para a área que estamos designando como organização da cultura. Mesmo com a inauguração das políticas culturais no Brasil da década de 30, através dos experimentos de Mário de Andrade no Departamento de Cultura da Cidade de São Paulo e de Gustavo Capanema no Ministério da Educação e Saúde, o Estado nacional, durante todos estes anos, nunca demonstrou preocupação sistemática em formar pessoal qualificado para o campo e, mais especificamente, para as instituições que foram sendo constituídas na área cultural pública. 33 Sobre o tema, consultar: RUBIM, Albino; BARBALHO, Alexandre e COSTA, Leonardo. Formação em organização da cultura: apontamentos iniciais. Texto inédito, RUBIM, Antonio Albino Canelas e RUBIM, Lindinalva. Organizadores da cultura: delimitação e formação. In: Comunicação & Educação. São Paulo, 14(2):15-22, maio/agosto de

15 Com o lugar agigantado ocupado pelas leis de incentivo no país a partir dos anos 80, quase substituindo as políticas de cultura e de financiamento, tal preocupação foi ainda mais esquecida, pois a prevalência das leis de incentivo estimulou apenas uma das faces da organização da cultura: os chamados produtores culturais, quase integralmente associados à lógica de marcado. A retomada vigorosa das políticas culturais no país a partir de 2003 e a redefinição, ainda em curso, do lugar ocupado pelas leis de incentivo na constelação das políticas de cultura e de financiamento, recolocam a questão da formação em organização da cultura com todo vigor. A construção de políticas culturais de Estado - que transcendem os meros mandatos governamentais expressa de modo substantivo no Plano Nacional de Cultura e, principalmente, com no Sistema Nacional de Cultura reforçam sobremaneira a exigência de que atenção especial seja dada a esta zona prejudicada das políticas culturais. Este novo cenário das políticas públicas e de Estado da cultura no país e inúmeras demandas provenientes de conferências e encontros; associações e atores culturais; instituições e gestores; universidades e acadêmicos sensibilizaram o Ministério da Cultura a dar especial atenção a este tema. Deste modo, no âmbito da construção do Sistema Nacional de Cultura, o Ministério efetua um mapeamento nacional das instituições que atuam na área de formação em organização da cultura. Tal mapeamento, para além de produzir um conhecimento rigoroso deste relevante universo da cultura no Brasil, possibilita a constituição de uma rede nacional de instituições formadoras em organização da cultura, que efetive a parceria entre o Ministério e tais instituições, com objetivo de formular e desenvolver no país um programa nacional de formação em cultura, para de uma vez por todas superar a deficiência crônica de formação e atualização no campo cultural. 15

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

Educação a distância: desafios e descobertas

Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: Desafios e descobertas Conteudista: Equipe Multidisciplinar Campus Virtual Cruzeiro do Sul Você na EAD Educação a distância: desafios

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

A Metáfora da Rede na Construção de Sistemas Dinâmicos e Competitivos Emmanuel Paiva de Andrade Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia

A Metáfora da Rede na Construção de Sistemas Dinâmicos e Competitivos Emmanuel Paiva de Andrade Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia IV Seminário Rio-Metrologia Rio de Janeiro, 20 de abril de 2006 A Metáfora da Rede na Construção de Sistemas Dinâmicos e Competitivos Emmanuel Paiva de Andrade Universidade Federal Fluminense Escola de

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Vitor Cleton Viegas de Lima 1 Cristiane Camargo Aita 2 Daniele Pinto Andres 3 Resumo: este artigo tem por objetivo levantar

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

Centros Juvenis de Ciência e Cultura Documento-Base

Centros Juvenis de Ciência e Cultura Documento-Base Documento-Base 1. Contexto Garantir educação de qualidade é um dos grandes desafios deste início de século para a Bahia e para o Brasil. No ensino médio, a Bahia tem encontrado dificuldades para avançar

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário. O que é e para quem é o Comércio Justo e Solidário?

Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário. O que é e para quem é o Comércio Justo e Solidário? Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário Este é um documento que objetiva apresentar a proposta do Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário, sua importância, benefícios

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA

SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA SEMIPRESENCIAL 2014.2 MATERIAL COMPLEMENTAR I DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA/TUTORA: MONICA ROCHA Gestão de Carreira Gestão de Carreira é um dos temas que mais ganhou destaque nesta última década,

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO Aristides Pereira Lima Green 1 Frederico Cavadas Barcellos 2 Deborah Moreira Pinto 3 I. Introdução As regiões semi-áridas se

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Dinâmica do Trabalho em Rede de Educação Ambiental

Dinâmica do Trabalho em Rede de Educação Ambiental Dinâmica do Trabalho em Rede de Educação Ambiental Elaboração CÁSSIO MARTINHO Realização Adaptação Simone Mamede REDES EM TODO LUGAR Malhas rodoviária e ferroviária Sistema de energia elétrica Sistemas

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Fórum ONG/AIDS RS COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Paulo Giacomini Porto Alegre, 30 de Outubro de 2014. Comunicação 1. Ação de comunicar, de tornar comum (à comunidade) uma informação (fato, dado, notícia); 2. Meio

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Simone Cristina de Oliveira (1) Engenheira Agrônoma (UFV), Mestre em Sociologia (UNESP), Gerente de Gestão Ambiental do DAAE

Simone Cristina de Oliveira (1) Engenheira Agrônoma (UFV), Mestre em Sociologia (UNESP), Gerente de Gestão Ambiental do DAAE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO FERRAMENTA PARA O PLANEJAMENTO DA GESTÃO DO SANEAMENTO TEMA VII.c: EDUCAÇÂO AMBIENTAL Simone Cristina de Oliveira (1) Engenheira Agrônoma (UFV), Mestre em Sociologia (UNESP), Gerente

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso 9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso Mesa de debate: O papel das instituições de ensino superior do ABC no desenvolvimento regional. Centro Universitário Fundação Santo André

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05. Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes

RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05. Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes RESENHA CADERNO PENSAR ESTADO DE MINAS 09/04/05 Universidade, Globalização e a Ecologia dos Saberes Leonardo Avritzer O Professor Boaventura de Sousa Santos é autor de uma obra que tem se tornado uma das

Leia mais

A ARTICULAÇÃO DE REDE EM PROJETOS DE JUSTIÇA RESTAURATIVA

A ARTICULAÇÃO DE REDE EM PROJETOS DE JUSTIÇA RESTAURATIVA Cristina Telles Assumpção Meirelles Cecília Assumpção Célia Bernardes Heloise Pedroso Marta Marioni Monica Cecília Burg Mlynarz Violeta Daou Vania Curi Yazbek - Coordenadora da Equipe ARTICULAÇÃO DE REDES

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE Como Associação que abarca as instituições de educação superior públicas tendo como finalidade o desenvolvimento da educação a distância, a UniRede apresenta abaixo as considerações relativas aos três

Leia mais