Os usos das redes sociais na narrativa jornalística: um breve estudo no telejornalismo brasileiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os usos das redes sociais na narrativa jornalística: um breve estudo no telejornalismo brasileiro"

Transcrição

1 Os usos das redes sociais na narrativa jornalística: um breve estudo no telejornalismo brasileiro Renata Rezende 1 Resumo: Esse artigo faz parte de uma pesquisa mais ampla sobre os usos das redes sociais da Internet como fonte de informação para o jornalismo nas mídias consideradas tradicionais. Verificamos como os perfis dos usuários das redes sociais digitais são utilizados como fonte de pesquisa e informação, especificadamente em matérias sobre violência. Essa análise, em particular, trata-se de uma parcela de nossa pesquisa realizada nos principais telejornais abertos do país e a relação da produção de notícias a partir do uso de redes sociais digitais como o Orkut, o Facebook e o Twitter. Palavras-chave: Tecnologia; Redes Sociais; Fontes de Informação; Narrativa Jornalística; Telejornalismo; 1. Contexto tecnológico no panorama comunicacional As relações entre os homens, a sociedade e o seu próprio desenvolvimento cognitivo dependem incessantemente da metamorfose de dispositivos informacionais de todos os tipos. Escrita, leitura, visão, audição cada vez mais os sentidos são capturados pelas tecnologias. A incidência da técnica sobre todos os aspectos da vida obriga a reconhecê-la como um dos temas mais importantes de nosso tempo, na medida em que uma revolução tecnológica (CASTELLS, 1999), concentrada principal- 1 Professora do Curso de Comunicação Social da UFES. Doutora em Comunicação pela UFF. Mestre em Novas Tecnologias da Informação. Pesquisadora do grupo Sociedade Midiatizada e Práticas Comunicacionais Contemporâneas (UFES), onde desenvolve a pesquisa Narrar a si e narrar o outro : a morte, a constituição da memória e os usos narrativos das redes sociais nas mídias tradicionais.

2 mente na informação, transformou a base material da sociedade em um ritmo acelerado. Os sistemas de mídia, principalmente, encontram-se cada vez mais hibridizados por infinitas redes de relação, por espaços de fluxos. Para Castells (1999), tais espaços integram modalidades escritas, oral e audiovisual da comunicação humana em uma rede global. Os meios de comunicação transformam-se, então, segundo uma complexa combinação de necessidades a partir das inovações tecnológicas. A reorganização dos meios de comunicação de massa embalada pelo campo fértil da expansão da Internet coincide com uma profunda crítica ao funcionamento do campo jornalístico, segundo apontou Bourdieu (1997). Desde o seu surgimento, o jornalismo presenciou grandes mudanças que acabaria por influenciar o modo de fazê-lo, como a invenção e o desenvolvimento de novas tecnologias e novos canais de comunicação e momentos históricos diversos. Em cada caso, foi preciso encontrar uma forma de se adaptar a essas mudanças, tanto na técnica, quanto na própria narrativa. Em meio à crise evidente das formas tradicionais de jornalismo diante da circulação de informação através da Internet em tempo real e fluxo contínuo (SODRÉ, p.23), o jornalismo precisou se adaptar. Para Cardoso (2007, p.197), o contexto gerado pela inovação tecnológica da internet num momento de crítica particularmente acesa sobre a evolução do jornalismo e da organização do sistema de mídia condicionou o desenvolvimento de dois cenários, revolucionário e evolucionário (HEINONEN apud CARDOSO, 2007, p.197), relacionados ao efeito da internet na prática e a evolução mesma do jornalismo. A inclinação revolucionária, segundo o autor, é que a internet, bem como o que ela agrega enquanto comunicação digital, meio interativo, acessibilidade em escala global, etc, marca um momento de transformação no desenvolvimento histórico do jornalismo. No que diz respeito à parte evolucionária, a internet introduz mudanças no jornalismo enquanto organização socioeconômica, bem como prática profissional. Mas, para Cardoso, o jornalismo continuará a ser desenvolvido de um modo relativamente

3 convencional (2007, p.197), e, enquanto mediadores, os jornalistas continuarão a ser fundamentais para assegurar um processo de credibilização das notícias (p.198). Desta forma, para Cardoso, em vez de substituição, as novas tecnologias possibilitaram complementar o acesso, por parte da audiência, aos produtos desenvolvidos pela prática jornalística. Ou seja, as notícias foram complementadas com as informações que, agora, podem ser acessadas diretamente em fontes primárias, em agências de informação, além do acesso aos acervos de opiniões em weblogs e blogs. O que nos interessa, particularmente, não é apenas a ampliação das possibilidades de leitura de notícias por parte da audiência, mas, principalmente, a produção noticiosa, que foi redefinida com o uso dos novos dispositivos tecnológicos. A internet alterou a forma de fornecimento das informações para os jornalistas, na medida em que comporta um conjunto de inúmeras possibilidades de fontes. A comunicação em rede permitiu uma infinidade de dados que podem ser acessados e compartilhados em qualquer tempo, de qualquer parte do mundo. Diante, desse cenário, em que a internet se tornou um grande acervo, onde é possível consultar, buscar dados, formular enquentes, entre outros, as redes sociais ocupam cada vez mais espaço como fonte de informações para jornalistas que buscam saber mais sobre os personagens a serem citados em matérias e reportagens, particularmente quando tais sujeitos estão relacionados à temática da violência. Pela característica de suas conexões, as redes sociais digitais conectam vários u- suários, possibilitando uma plataforma que agrega pessoas e/ou organizações que partilham valores e objetivos, segundo as intenções desejadas. Das transformações advindas da Internet, uma das mais significativas é a possibilidade de expressão e sociabilização através das ferramentas de comunicação mediada pelo computador (CMC). Para Recuero (2009), tais ferramentas proporcionaram aos usuários a possibilidade de se construírem, interagirem e se comunicarem com outros atores, deixando, na rede de computadores, rastros que permitem o reconhecimento dos padrões de suas conexões e a visualização de suas próprias redes. A rede é uma metáfora para observação de padrões de conexão de um grupo social, que se estabelece a partir de conexões estabelecidas por diversos atores (RECUERO, 2009).

4 A facilidade de acessar a rede e manuseá-la fez do público um produtor de conteúdo, que pode vir a ser, ou não, jornalístico. Fotos, textos, áudios e vídeos produzidos em um contexto particular, se tornam públicos quando colocados na rede, sendo uma possível fonte para as mídias tradicionais como a televisão, que aos poucos utiliza cada vez mais esses conteúdos advindos da Internet, mais especificamente das redes sociais. A produção de conteúdo nas redes sociais Nas redes sociais, os usuários, ao criarem um perfil, criam uma narrativa identitária, através da imagem que constroem de si mesmos, como uma autobiografia, um self digital, disponibilizando, inclusive, um perfil pessoal, profissional e outros interesses, além de fotos, vídeos, depoimentos e o que mais desejarem. Nessa espécie de diário virtual, o participante agrega amigos, familiares e outros conhecidos(ou desconhecidos), conforme sua vontade. Também participa de comunidades variadas, criadas por outros usuários, como comunidades de filmes, músicas, celebridades, etc. Todo esse conteúdo narrativo criado pelo usuário, ao ser disponibilizado na rede, torna-se aberto a variadas interpretações, na medida em que é acessado e capturado por outros usuários, entre eles, os jornalistas, que têm utilizado as redes sociais como fontes de informação na apuração e no desenvolvimento de matérias e reportagens, principalmente quando a temática é a violência cotidiana, muito explorada no jornalismo diário. Em nossa pesquisa 2, percebemos que os jornalistas têm utilizado as redes sociais, em grande parte, para descobrir mais informações sobre as vítimas de violência e/ou de suspeitos e acusados em diferentes crimes, como homicídios, assaltos, tráfico de drogas, além de acidentes de trânsito. Percebemos que muitas matérias, além de trazerem in- 2 Nossa pesquisa Narrar a si e narrar o outro : a morte, a constituição da memória e os usos narrativos das redes sociais nas mídias tradicionais é realizada com alunos de graduação do curso de Jornalismo do Departamento de Comunicação Social que pertencem ao Programa de Iniciação Científica da Universidade Federal do Espírito Santo. A análise aqui desenvolvida contou com a participação efetiva da aluna Mariana Anselmo Barbosa bolsista PIIC/UFES FAPES.

5 formações retiradas das redes sociais digitais, utilizam imagens, como fotografias e vídeos dessas plataformas. A utilização cada vez mais explícita 3 das redes sociais como fonte de informações na produção jornalística vem transformando o modo de fazer jornalismo. Para Pena (2005), a fonte de qualquer tipo de informação é subjetiva e a visão sobre determinado assunto depende de diversos fatores, inclusive de interesses pessoais. Cardoso (2007) afirma que, com a internet, o papel do jornalista é redefinido com o uso de novas questões éticas por causa da pressão comercial e, assim, faz sentido falar de um novo jornalismo. Tal questionamento ético surge das características básicas que a internet coloca à disposição de quem pretende produzir conteúdos nesse meio, isto é, hipertextualidade, interatividade, multimídia, interligação em rede e usabilidade (CARDOSO, 2007, p.200). O acesso dos jornalistas a arquivos pesquisáveis, banco de dados e outras fontes, como as redes sociais, trouxe inúmeras possibilidades à produção de notícias, principalmente por se tratar de fontes gratuitas. Por outro lado, a utilização de dispositivos como as redes sociais, muitas vezes trazem informações que não podem ser comprovadas, já que muitos usuários criam os chamados fakes, perfis falsos que são utilizados com diversos propósitos, desde a possibilidade de o usuário poder navegar sem ser reconhecido naquele ambiente, até com finalidades mais específicas, ou ainda criminosas, como forjar informações. Além do mais, o usuário pode inserir uma característica em seu perfil que não corresponde à realidade, cabendo a quem busca a informação acreditar ou não no que encontra. No contexto jornalístico, isso deve ser ainda mais acentuado, na medida em que a narrativa está ancorada, entre outros aspectos, no conceito de credibilidade. No universo do jornalismo, permeado por fontes oficiais, testemunhais e oculares, a Internet é capaz de gerar uma imensidão de links sobre quaisquer assuntos. No entanto, acredita Pena (2005), arrisca mais a credibilidade jornalística, na medida em que possibilita uma diversidade de fontes ocultas ou indeterminadas que podem tornar 3 Explícita, aqui, se refere quando a rede social é citada na reportagem, ou aparece, visivelmente, como fonte de informação na notícia, não deixando dúvidas quanto a seu uso. No entanto, sabemos que a utilização das redes sociais na apuração da notícia é ainda maior, porque muitas vezes as mesmas não são citadas no produto final.

6 uma matéria pouco confiável. No ciberespaço, a relação com as fontes complica-se muito, pois elas também podem ser produtoras diretas de conteúdo, sendo, portanto, informantes com potencial incalculavelmente multiplicado (PENA, 2005, p. 62). A internet é utilizada na apuração da notícia, muitas vezes, sem que o leitor perceba. Na divulgação de dados, pesquisas, números, detalhes que o jornalista recorre a esse espaço multimídia, geralmente sem citar que o fez. Na preparação para uma entrevista, por exemplo, o repórter estuda a vida do entrevistado e o assunto a ser tratado na internet e formula suas perguntas a partir dessa pesquisa. Além desse tipo de utilização, o que se tem percebido, atualmente, é o uso mais explícito das ferramentas do ciberespaço para a construção da narrativa jornalística. Essa midiatização passou a implicar uma qualificação particular da vida, um novo modo de presença do sujeito no mundo, em que o próprio indivíduo tende a se converter em realidade midiática, tornando-se imagem e medium e investindo em uma imersão virtual na esfera significativa das regras do jogo da visibilidade pública vigentes na contemporaneidade. No telejornalismo, particularmente, isso começa a ser notado a partir da participaçao dos telespectadores que, com os usos de cameras digitais e aparelhos celulares produzem conteúdo e enviam às redaçoes para que os mesmos possam ser veiculados. Segundo Castells (1999), essa é uma característica desse novo sistema de comunicação, baseado na integração em rede digitalizada de múltiplos modos, ou seja, a capacidade de incluir e abranger diferentes as expressões culturais. Em razão de sua diversidade, o sistema é capaz de abarcar múltiplas formas de expressão, bem como a variedade de interesses, valores, imaginações e conflitos, ainda que a adaptação à sua lógica inclua linguagem, codificação e decodificação próprios. Para Castells (1999), a inclusão da maior parte das expressões culturais no sistema de comunicação integrado, como a Internet (baseado na produção, distribuição e intercâmbio de sinais eletrônicos digitais) tem consequências importantes para os processos sociais. Primeiramente porque enfraquece consideravelmente o poder simbólico dos emissores tradicionais e depois porque transforma o espaço e o tempo, dimensões fundamentais da vida. Religião, moralidade, autoridade, ideologia políti-

7 ca, valores tradicionais, quase que por exigência, passam a ser recodificados a partir do novo sistema, onde as sociedades ficam final e verdadeiramente desencantadas porque todos os milagres estão on line e podem ser combinados em mundos de imagens autoconstuídas (CASTELLS,1999, p. 397). Esse processo resulta em uma mediação tecnológica exacerbada, na medida em que os sujeitos são solicitados a viverem no interior de ambientes tecnocomunicacionais, onde a interatividade e a conectividade são permanentes e a mídia torna-se espaço autônomo e privilegiado por atuar diretamente na construção do real. Fatos e coisas passam a ser reapresentados a partir de um tempo vivo e a simulação torna-se uma representação apresentativa. No telejornalismo, em particular, isso se dá mais efetivamente pela característica própria do meio, ancorado na imagem. As redes sociais, nesse sentido, estendem as possibilidades dos usos das imagens, ao mesmo tempo em que promovem a visibilidade dos sujeitos configurados naquela plataforma. Com a finalidade de identificar os usos de algumas redes sociais no telejornalismo brasileiro, propusemos uma breve análise em alguns telejornais do país. Uma parte de nossos resultados, segue a seguir. As redes sociais como fontes de informação no telejornalismo Em nossa pesquisa 4, escolhemos as três emissoras abertas de maior destaque no país, de acordo com pesquisa do Ibope publicada no Almanaque Ibope 5 : Rede Globo, SBT e Rede Record. De cada uma delas, foi selecionado um jornal de âmbito nacional, sendo eles: Jornal Nacional, Jornal do SBT, Jornal da Record. 4 Pesquisa realizada com a participação efetiva da aluna Mariana Anselmo Barbosa, bolsista do Programa de Iniciação Científica da Universidade Federal do Espírito Santo PIIC/FAPES, que desenvolveu em nosso grupo de estudo, o subprojeto sobre usos das redes sociais, especificadamente no telejornalismo. 5 Disponível em Acesso em: 20/07/2010.

8 Já as redes sociais escolhidas foram o Orkut 6, o Facebook 7 e o Twitter 8. A pesquisa objetivou analisar, além da recorrência das redes sociais nos telejornais, a editoria a qual estavam ligadas, o bloco do telejornal em que a reportagem foi apresentada, as redes sociais mais utilizadas e o contexto em que apareceram. Ao todo, foram quatro meses de acompanhamento dos telejornais, no segundo semestre do ano de 2010, divididos da seguinte maneira: o Jornal Nacional, da Rede Globo, foi analisado durante o mês de agosto, o Jornal da Record foi analisado no mês de setembro, o Jornal do SBT foi analisado no mês de outubro. Durante o mês de novembro todos os três telejornais foram analisados comparativamente. A pesquisa consistiu em assistir aos telejornais diariamente e verificar as matérias em que os sites de relacionamento, considerados redes sociais, apareceram como fonte de informação identificada na matéria, sendo citada na notícia, ou por meio da i- dentificação de sua marca. Verificamos também alguns pontos supracitados: o contexto, a editoria em que apareceu, em que rede social foi citada e em qual bloco do telejornal foi veiculada a notícia. Todas as informações foram catalogadas em tabelas e, após a produção dos quadros informativos dos telejornais, realizamos uma análise geral dos dados obtidos. Em quatro meses de análise, verificamos 156 matérias, sendo 52 edições de cada telejornal, Jornal Nacional, Jornal da Record e Jornal do SBT. Dentre todas as edições, encontramos 10 que se referiram a alguma das três redes sociais selecionadas (Orkut, Facebook ou Twitter) enquanto fonte de informação. Em cada uma dessas dez edições, os sites de relacionamento apareceram em uma única reportagem. 6 O Orkut é uma rede social que reúne perfis e comunidades virtuais. Criada em janeiro de 2004, os perfis são criados pelas pessoas ao se cadastrarem e indicam também quem são seus amigos. Disponível em: Acesso em: 14 de julho de O Facebook também se trata de uma rede social e funciona através de perfis, grupos e comunidades. Em cada perfil é possível acrescentar módulos de aplicativos (jogos, ferramentas, etc). Disponível em: Acesso em 14 de julho de O Twitter é um site em que são escritos pequenos textos de até 140 caracteres. É estruturado com seguidores e pessoas a seguir. Disponível em: Acesso em: 14 de julho de 2011.

9 No Jornal da Record, durante o mês de setembro, três edições do telejornal levaram ao ar uma reportagem contendo informações retiradas do Orkut e o uso da rede social ficou explícito na matéria. O Jornal do SBT levou ao ar reportagens que utilizaram informações do Orkut e do Facebook. O Jornal Nacional, da Rede Globo, não utilizou, de forma explícita, as redes sociais na produção de conteúdo no período analisado. No mês de novembro, quando todos os telejornais foram analisados, o Jornal da Record apresentou uma reportagem em interface com o Facebook e o Twitter este último ainda não havia aparecido na pesquisa, nos meses anteriores. A rede social Facebook em uso conjunto com a rede Twitter apareceram na mesma matéria com a função de sustentar a denúncia feita pela reportagem do Jornal da Record. Nesse mesmo mês (novembro) o mesmo telejornal utilizou o Orkut como fonte de informação, com a mesma conotação. Também em novembro o Jornal do SBT também veiculou uma matéria que usou o Orkut como fonte de informação. Todas as 10 reportagens que utilizaram as redes sociais como fonte de informação na produção da notícia estavam ligadas à editoria de Polícia, tanto em casos que envolviam violência, golpes realizados pela internet, ou ainda para a disseminação de pensamentos e ideais preconceituosos. Esse dado parece revelar um indício de que as redes sociais podem se tornar fonte de informação não apenas para os jornalistas, como também para a própria polícia. As redes sociais se tornam, nesse sentido, um banco de dados onde tudo o que está disponível pode se tornar uma prova que incrimine o próprio autor do perfil. É daí que notamos a recorrência do uso das redes sociais nas reportagens de cunho policial: muitos jornalistas utilizam essas redes para formar um perfil do criminoso, ou mesmo obter i- magens. O mesmo é realizado com perfis de vítimas. Com relação ao bloco dos telejornais, nas quais eram exibidas as reportagens, verificamos que na maior parte das vezes, as notícias apareciam no segundo ou terceiro bloco do telejornal (seis delas no segundo bloco e cinco no terceiro), intercaladas com reportagens sobre economia, política e serviço.

10 A rede social que mais apareceu nos telejornais foi o Orkut e isso se deve, acreditamos, pela popularidade do site no país. Liderando o ranking de países com mais perfis no site seguido pela Índia, o Brasil possuía até agosto de 2010, 52 milhões de usuários, contra cerca de 40 milhões no Twitter e 5,3 milhões no Facebook. Além do grande número de usuários, outro fator importante é o tempo de permanência da rede no país, que é maior do que o Twitter e o Facebook. O Orkut, criado no ano de 2004, chegou ao Brasil nesse mesmo ano. Isso o torna uma fonte mais antiga, agregando um maior número de usuários e de informações. Comunidades e perfis que existem desde então há cerca de seis anos, possuem um acervo de textos e imagens entre fotografias e vídeos que se tornam um grande acervo para o jornalismo. Usar as redes sociais como suporte para as reportagens jornalísticas é um fator novo na produção da notícia e ainda está em processo de adaptação e, de certa forma aceitação. Os números, apesar de ainda pouco representativos, demonstram que as redes sociais digitais estão sendo utilizadas como fontes de informação pelos jornalistas, inclusive de forma clara. A interface entre as chamadas mídias tradicionais e as novas tecnologias da comunicação ainda é recente, mas a tendência é que esse hibridismo se torne mais corriqueiro, configurando novos usos. As histórias dos sujeitos disponibilizadas em ambientes digitais são reconstruídas e reatualizadas em novas narrativas, evidenciando o processo de como as identidades ou suas múltiplas possibilidades são reinventadas em um circuito próprio de produção, articulado aos meios de comunicação e à apropriação de traços da cultura contemporânea. Referências BARBOSA, Mariana. REZENDE, Renata. Os usos narrativos das redes sociais no telejornalismo. Artigo. Anais do XVI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste realizado de 12 a 14 de maio de São Paulo: Intercom, CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, CARDOSO, Gustavo. A mídia na Sociedade em Rede. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

11 BOURDIEU, Pierre. Sobre a Televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, PENA, Felipe. Teoria do Jornalismo. São Paulo: Contexto, RECUERO, Raquel. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre, Sulina, SODRÉ, Muniz. A narração do fato: notas para uma teoria do acontecimento. Rio de Janeiro. Vozes, 2009.

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

APOLO NEWS: um novo meio de aproveitar tudo o que a internet oferece 1

APOLO NEWS: um novo meio de aproveitar tudo o que a internet oferece 1 APOLO NEWS: um novo meio de aproveitar tudo o que a internet oferece 1 Igor Samuel de Oliveira PRADO 2 Juscelino Ribeiro de OLIVEIRA Júnior 3 Shaianna da Costa ARAÚJO 4 Orlando Maurício de Carvalho BERTI

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

Portal Toque da Ciência: jornalismo científico em diferentes linguagens 1

Portal Toque da Ciência: jornalismo científico em diferentes linguagens 1 Portal Toque da Ciência: jornalismo científico em diferentes linguagens 1 Lydia Rodrigues SOUZA 2 Aline Ferreira PÁDUA 3 Gabriela Vanni ARROYO 4 Angela Maria Grossi de CARVALHO 5 Juliano Maurício de CARVALHO

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Classes Funcionais 21

Classes Funcionais 21 Classes Funcionais 21 3 Classes Funcionais Em todo trabalho de classificação funcional é necessário determinar quais serão as classes funcionais utilizadas. Esta divisão não se propõe a ser extensiva,

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

A ERA DO BIG DATA NO CONTEÚDO DIGITAL: OS DADOS ESTRUTURADOS E NÃO ESTRUTURADOS

A ERA DO BIG DATA NO CONTEÚDO DIGITAL: OS DADOS ESTRUTURADOS E NÃO ESTRUTURADOS A ERA DO BIG DATA NO CONTEÚDO DIGITAL: OS DADOS ESTRUTURADOS E NÃO ESTRUTURADOS Pedro Henrique Tessarolo¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pedrotessarolo@gmail.com,

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

Ano IX, n. 09 Setembro/2013 1

Ano IX, n. 09 Setembro/2013 1 As transformações da Revista na Era Digital 1 Rackel Cardoso Santos GUIMARÃES 2 Luciellen Souza LIMA 3 Antônio FAUSTO NETO 4 Resumo Este trabalho é resultado de uma pesquisa inicial para dissertação no

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Redes Sociais e Jornalismo: A utilização de Fan Page para a divulgação da TV Brasil 1

Redes Sociais e Jornalismo: A utilização de Fan Page para a divulgação da TV Brasil 1 Redes Sociais e Jornalismo: A utilização de Fan Page para a divulgação da TV Brasil 1 Gabriela Helena dos Santos SILVA 2 Iluska Maria da Silva COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais,

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Mídias Sociais e Marketing Digital: um novo modelo de comunicação entre empresa e consumidor 1

Mídias Sociais e Marketing Digital: um novo modelo de comunicação entre empresa e consumidor 1 Mídias Sociais e Marketing Digital: um novo modelo de comunicação entre empresa e consumidor 1 Anadelly Fernandes Pereira ALVES 2 Universidade de Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN RESUMO O artigo

Leia mais

Programa Anexo 1. Resumo

Programa Anexo 1. Resumo Programa Anexo 1 Bruno LIMA 2 Carolina RIBEIRO 3 Lara MARQUES 4 Elga MÓL 5 Elisa FRANÇA 6 Ana AMORIM 7 Michelle BASTOS 8 Soraya VIEIRA 9 Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, MG Resumo Este trabalho

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1

INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1 INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1 Laís Tolentino Muniz CAMPOS 2 Fernanda Gabriela Gadelha Romero 3 Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB RESUMO

Leia mais

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS Programa Sonora Eletrônica 1 Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS RESUMO O uso e a produção áudio-visual no jornalismo hoje, não depende mais exclusivamente

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM INTRODUÇÃO/DESENVOLVIMENTO Bruna Vieira de Oliveira Ricardo Rigaud Salmito 1 Esta pesquisa pretende analisar se a criação do site da rádio São Francisco

Leia mais

FACULDADE SATC CURSO DE JORNALISMO PROJETO EDITORIAL PORTAL SATC

FACULDADE SATC CURSO DE JORNALISMO PROJETO EDITORIAL PORTAL SATC FACULDADE SATC CURSO DE JORNALISMO PROJETO EDITORIAL PORTAL SATC 1. Contexto A transmissão e o acesso às informações é uma preocupação constante do ser humano. Ser bem informado e informar bem são, portanto,

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

Apresentação do Website Diário Manezinho: Notícias sobre a Ilha e a região 1

Apresentação do Website Diário Manezinho: Notícias sobre a Ilha e a região 1 Apresentação do Website Diário Manezinho: Notícias sobre a Ilha e a região 1 Ana Carolina Fernandes MAXIMIANO 2 Bruno da SILVA 3 Rita de Cássia Romeiro PAULINO 4 Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

Mídia kit CanaOnline 2014 2015. revista digital do setor sucroenergético. sucroenergético.

Mídia kit CanaOnline 2014 2015. revista digital do setor sucroenergético. sucroenergético. Mídia kit Mídia CanaOnline 2014 2015 revista digital AA revista digital do setor sucroenergético sucroenergético. O jornalismo mais premiado do setor sucroenergético Clivonei Roberto e Luciana Paiva recebem

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores Ingresso Janeiro 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO: Como

Leia mais

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO

GfK Audience Measurements & Insights MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV E VÍDEO Em nenhum momento de toda a história dos meios de comunicação modernos houve tantas mudanças fundamentais na distribuição e mensuração da mídia. Com o surgimento da transmissão

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 93/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Jornalismo, Bacharelado,

Leia mais

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Valor total do Projeto: R$ 2.283.138,52 Apresentação: O jornal A Gazeta foi comprado por Cásper Líbero em 1918. Produziu

Leia mais

HASHTAGS: ROMPIMENTOS COM DIZERES SEDIMENTADOS* Autora: Vânia Lúcia Coelho- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- FFCLRP/USP

HASHTAGS: ROMPIMENTOS COM DIZERES SEDIMENTADOS* Autora: Vânia Lúcia Coelho- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- FFCLRP/USP 1 HASHTAGS: ROMPIMENTOS COM DIZERES SEDIMENTADOS* Autora: Vânia Lúcia Coelho- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- FFCLRP/USP RESUMO: Há muito que áreas como a Biblioteconomia e

Leia mais

TV Digital no Brasil e o Middleware Ginga. Luiz Eduardo Cunha Leite

TV Digital no Brasil e o Middleware Ginga. Luiz Eduardo Cunha Leite TV Digital no Brasil e o Middleware Ginga Luiz Eduardo Cunha Leite 1 Sistema de TV Digital no Brasil 3G 1 Seg 2 PTSN, Internet, etc. Nível de Transporte TCP / IP -SI -Carrossel de Dados e Objetos -MPE

Leia mais

Relatório de Gestão Setorial 2010

Relatório de Gestão Setorial 2010 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial 2010 Cruz das Almas BA 2010 ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO RELATÓRIO DE ATIVIDADES Período: Janeiro

Leia mais

a marca A SEGUIR, VOCÊ DESCOBRE COMO FAZER PARTE DE TUDO ISSO.

a marca A SEGUIR, VOCÊ DESCOBRE COMO FAZER PARTE DE TUDO ISSO. a marca A Cabelos&cia é referência em conteúdo sobre beleza profissional há 19 anos. E agora toda sua excelência está atualizada, repaginada e muito mais acessível com o portal Cabelos&cia. Direcionado

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA NO AUXILIO A EDUCAÇÃO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MOTORA E MENTAL

REALIDADE AUMENTADA NO AUXILIO A EDUCAÇÃO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MOTORA E MENTAL 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

O ANews está baseado em três importantes pilares: a mobilidade, a comunicação eficiente e a facilitação do fluxo de trabalho.

O ANews está baseado em três importantes pilares: a mobilidade, a comunicação eficiente e a facilitação do fluxo de trabalho. ANews é o que você precisa O ANews chegou ao mercado para inovar. Não é mais um programa, é o software que os jornalistas precisavam e não existia. É muito mais que um simples programa, é um sistema que

Leia mais

OS GRANDES VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO NA ERA DA INTERNET: O PORTAL RPC 1

OS GRANDES VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO NA ERA DA INTERNET: O PORTAL RPC 1 1 OS GRANDES VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO NA ERA DA INTERNET: O PORTAL RPC 1 RESUMO José Barone O presente trabalho analisa textos jornalísticos publicados em portais de notícias brasileiros. O Portal RPC,

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis)

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) Moema Gomes Moraes Universidade Estadual de Goiás (UEG)/ CEPAE-UFG

Leia mais

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 Patrícia Marques da Silva 2 ; Aline Cardoso Militão 3 ; Sônia Cristina Soares Dias Vermelho

Leia mais

A voz do público nas redes sociais: como se dá a interação e participação através da página do Repórter Brasil no Facebook

A voz do público nas redes sociais: como se dá a interação e participação através da página do Repórter Brasil no Facebook A voz do público nas redes sociais: como se dá a interação e participação através da página do Repórter Brasil no Facebook Roberta BRAGA 1 Allana MEIRELLES 2 Iluska COUTINHO 3 Resumo: Este trabalho faz

Leia mais

Novas Mídias e Nutrição: uma proposta de intervenção na sociedade 1

Novas Mídias e Nutrição: uma proposta de intervenção na sociedade 1 Novas Mídias e Nutrição: uma proposta de intervenção na sociedade 1 Jonathan Cesar Farias Bezerra 2 Rafaela Almeida de Souza 3 Renan Marcel Santos da Silva 4 Sara Naftali Cardoso 5 Andrea Ferraz Fernandez

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DE DIVULGAÇÃO DO PORTAL COMUNITÁRIO

A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DE DIVULGAÇÃO DO PORTAL COMUNITÁRIO 8 CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: COMUNICAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DE DIVULGAÇÃO DO PORTAL COMUNITÁRIO MATSUKI, Edgard 1 BECKER, Maria Lúcia 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 Bruna Mayara de Lima Cibotto 2 ; Patrícia Marques da Silva Prado 2 ; Ana Paula Machado Velho 3. RESUMO: O presente

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online?

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? Edgar Marcucci Reis 1 Jéssica Naiara dos Santos Batista 2 Resumo: O artigo apresenta uma visão sobre os ambientes online encontrados

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA Relembrando a nossa matéria de Arquitetura de Computadores, a arquitetura de Computadores se divide em vários níveis como já estudamos anteriormente. Ou seja: o Nível 0

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

Jordana Fonseca BARROS 2 Marco Antônio GEHLEN 3 Universidade Federal do Maranhão, Imperatriz, MA

Jordana Fonseca BARROS 2 Marco Antônio GEHLEN 3 Universidade Federal do Maranhão, Imperatriz, MA www.imperatriznoticias.com.br Um Webjornal Muldisciplinar 1 Jordana Fonseca BARROS 2 Marco Antônio GEHLEN 3 Universidade Federal do Maranhão, Imperatriz, MA RESUMO O projeto de extensão denominado Jornal

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

Internet, ensino de jornalismo e comunidade

Internet, ensino de jornalismo e comunidade Internet, ensino de jornalismo e comunidade Paulo Roberto Botão Mestre em Comunicação Social pela Umesp Instituto Superior de Ciências Aplicadas (Isca Faculdades) Limeira/SP Universidade Metodista de Piracicaba

Leia mais

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos referentes

Leia mais

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Juliana Paul MOSTARDEIRO 2 Rondon Martim Souza de CASTRO 3 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. RESUMO O Projeto Jornalismo

Leia mais

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 Isabela LOURENÇO 2 Caio Cardoso de QUEIROZ 3 Francisco José Paoliello PIMENTA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo

TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo Anissa Ayala CAVALCANTE 1 - UFMA Jessica WERNZ 2 - UFMA Márcio CARNEIRO 3 - UFMA

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 79, de 2004 (nº 708, de 2003, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei da Câmara

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada 9 MATERIAIS DIDÁTICOS - Com base no conhecimento adquirido nas reuniões anteriores, o professor deve preparar uma proposta dos materiais que pretende produzir para o seu curso/disciplina. - É importante

Leia mais

PROCESSO DE COLABORAÇÃO NO TWITTER E OS NOVOS PADRÕES DE INTERATIVIDADE DA WEB

PROCESSO DE COLABORAÇÃO NO TWITTER E OS NOVOS PADRÕES DE INTERATIVIDADE DA WEB PROCESSO DE COLABORAÇÃO NO TWITTER E OS NOVOS PADRÕES DE INTERATIVIDADE DA WEB Denise Cristina Silva Santos 1 As mídias sociais possibilitam a participação e contribuição do cidadão comum na produção da

Leia mais

Redes sociais como ferramentas de divulgação da informação das empresas de assessoria de imprensa em Santa Cruz do Capibaribe - PE 1

Redes sociais como ferramentas de divulgação da informação das empresas de assessoria de imprensa em Santa Cruz do Capibaribe - PE 1 Redes sociais como ferramentas de divulgação da informação das empresas de assessoria de imprensa em Santa Cruz do Capibaribe - PE 1 José Ferreira ARAGÃO 2 Magali OLIVEIRA 3 Tenaflae LORDELO 4 Resumo Este

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

Monitoramento de Redes Sociais

Monitoramento de Redes Sociais Monitoramento de Redes Sociais O QlikBrand é uma ferramenta profissional para monitoramento de mídias sociais e o primeiro "Social Mídia Discovery" com Qlikview. Localiza menções nas mídias sociais, interage

Leia mais

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte...

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte... ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3 Acervo... 3 Meus Livros... 4 Livros em destaque... 7 Fórum... 7 Notícias... 8 Ajuda... 9 Suporte... 9 POR QUE USAR... 10 EQUIPE RESPONSÁVEL... 12 CONTATO... 13 O

Leia mais

ROTEIRO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA A PARTIR DOS PRESSUPOSTOS DA HIPERMÍDIA

ROTEIRO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA A PARTIR DOS PRESSUPOSTOS DA HIPERMÍDIA ROTEIRO PARA A TV DIGITAL INTERATIVA A PARTIR DOS PRESSUPOSTOS DA HIPERMÍDIA Fortaleza, CE, Maio 2011 Liádina Camargo i, Universidade de Fortaleza, liadina@unifor.br Setor Educacional Educação Continuada

Leia mais

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O Prêmio OAB-GO de Jornalismo é um concurso jornalístico instituído pela Seção de Goiás da Ordem dos Advogados do Brasil para premiar matérias

Leia mais

AULA 6.2 Conteúdo: Suportes de gêneros contemporâneos / Redes Sociais INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

AULA 6.2 Conteúdo: Suportes de gêneros contemporâneos / Redes Sociais INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 6.2 Conteúdo: Suportes de gêneros contemporâneos / Redes Sociais Habilidades: Distinguir os gêneros de linguagem cibernética e apropriar-se dessas ferramentas de mídias sociais. REVISÃO O Internetês Grafolinguística:

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

Resenha. Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO 1

Resenha. Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO 1 Resenha As redes sociais na internet: instrumentos de colaboração e de produção de conhecimento (Redes Sociais na Internet. Raquel Recuero. Porto Alegre: Sulina, 2009) Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO

Leia mais

EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação. Porto Alegre 2012

EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação. Porto Alegre 2012 EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação Porto Alegre 2012 Jacqueline Gomes de Aguiar jacqueaguiar@smed.prefpoa.com.br Profª de Educação Infantil, alfabetizadora, de Língua e Literatura,

Leia mais

Sua visão se tornará clara somente quando você olhar para dentro do seu coração. Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, acorda.

Sua visão se tornará clara somente quando você olhar para dentro do seu coração. Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, acorda. Sua visão se tornará clara somente quando você olhar para dentro do seu coração. Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, acorda. Carl Jung #Mídia Kit REVISTA MANDALA /2014 Índice A Revista Mandala

Leia mais

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Hardware Processo Informação Codificação Armazenamento Decodificação Informação Modelo computacional

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Blog NoRascunho 1. Andrew Philip Saldanha de FRANÇA 2 Melissa Cirne de Lucena 3 Universidade Potiguar, Natal, RN

Blog NoRascunho 1. Andrew Philip Saldanha de FRANÇA 2 Melissa Cirne de Lucena 3 Universidade Potiguar, Natal, RN Blog NoRascunho 1 Andrew Philip Saldanha de FRANÇA 2 Melissa Cirne de Lucena 3 Universidade Potiguar, Natal, RN RESUMO Como forma de registrar acontecimentos ligados a área da comunicação com um foco em

Leia mais

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries

MEDIA KIT. http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries MEDIA KIT http://boxdeseries.com.br contato@boxdeseries.com.br @boxdeseries 2 CONTEÚDO BREVE HISTÓRICO...03 MINICURRÍCULO DA EQUIPE...04 SOBRE O SITE...05 EDITORIAS...06 SOBRE O PODCAST...06 ESTATÍSTICAS

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) 4º Processo Seletivo do PCI/IBICT de 2014

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) 4º Processo Seletivo do PCI/IBICT de 2014 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) 4º Processo Seletivo do PCI/IBICT de 2014 O INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA (IBICT), Unidade de Pesquisa do Ministério da Ciência,

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

cpfl cultura programa cultural da cpfl energia ciesp/sorocaba, 27 de maio de 2011

cpfl cultura programa cultural da cpfl energia ciesp/sorocaba, 27 de maio de 2011 cpfl cultura programa cultural da cpfl energia ciesp/sorocaba, 27 de maio de 2011 cpfl cultura conexões cpfl cultura e cpfl energia Energia essencial ao bem estar das pessoas e ao desenvolvimento da sociedade;

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL 2ª Edição - Jovem Jornalista: Um furo de notícia

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL 2ª Edição - Jovem Jornalista: Um furo de notícia REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL 2ª Edição - Jovem Jornalista: Um furo de notícia 1. O Concurso: 1.1 Será realizado pela Empresa Editora A TARDE, a Rua Prof. Milton Cayres de Brito, nº 204 - Caminho das Árvores,

Leia mais

Edital de Produção Audiovisual Escola de Ciências Sociais FGV/CPDOC Núcleo de Audiovisual e Documentário

Edital de Produção Audiovisual Escola de Ciências Sociais FGV/CPDOC Núcleo de Audiovisual e Documentário Edital de Produção Audiovisual Escola de Ciências Sociais FGV/CPDOC Núcleo de Audiovisual e Documentário O Núcleo de Audiovisual e Documentário do CPDOC convida alunos inscritos regularmente em cursos

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO INTRODUÇÃO: As mídias sociais estão cada vez mais presentes no dia-a-dia das pessoas, oferecendo soluções e transformando as relações pessoais e comerciais.

Leia mais

EDITAL Nº 03/2013-PPGCOM/CCE/UFPI

EDITAL Nº 03/2013-PPGCOM/CCE/UFPI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR MARIANO DA SILVA NETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO (PPGCOM)-

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS CTCH Centro de Teologia e Ciências Humanas CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS Cíntia dos Santos Gomes, 1 Rosália Maria Duarte. 2 Departamento de Educação PUC-RIO 2007 1 Aluno de Graduação

Leia mais