Técnico de Organização de Eventos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Técnico de Organização de Eventos"

Transcrição

1 CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Organização de Eventos PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Produção Técnica de Eventos Escolas Proponentes / Autores ETIC Escola Técnica de Imagem e Comunicação Dr. José Pacífico (Coordenador) ANQ Agência Nacional para a Qualificação 2008

2 Parte I Orgânica Geral Índice: Página 1. Caracterização da Disciplina Visão Geral do Programa Competências a Desenvolver Orientações Metodológicas / Avaliação Elenco Modular Bibliografia

3 1. Caracterização da Disciplina A disciplina de Produção Técnica tem uma carga horária total de 350 horas, que serão distribuídas ao longo dos três anos do curso. É uma disciplina que privilegia a aquisição de conhecimentos teóricos sobre as diversas técnicas e práticas da organização de eventos. Para reforço das aprendizagens, integra sessões de carácter teórico-prático complementando-se com a disciplina de Marketing e Comunicação, Gestão e Produção de Eventos e Criatividade e Metodologias. Esta disciplina será ministrada em paralelo com as disciplinas acima referidas, de modo a facultar uma formação mais interactiva e dinâmica, dotando os alunos de uma visão mais completa e abrangente. 2. Visão Geral do Programa Pretende-se que o aluno desenvolva as capacidades cognitivas e teóricas que servirão de suporte às diversas actividades técnicas. Simultaneamente os alunos deverão desenvolver a capacidade de pesquisa. Esta disciplina apresenta-se estruturada em módulos, que irão desenvolver competências no domínio teórico e prático das ferramentas gerais (digitais e não digitais) e dos recursos necessários ao desempenho das funções exigidas a um Técnico de Organização de Eventos qualificado. Com esta disciplina pretende-se que os alunos adquiram um conjunto de conhecimentos e competências que lhes permitam operacionalizar a produção de eventos. 3. Competências a Desenvolver Conhecer as ferramentas de planeamento tendo em conta os objectivos de cada evento; Conhecer as ferramentas de orçamentação na gestão de eventos; Conhecer e aplicar as leis que regem a actividade de organização de eventos e as actividades que lhe são paralelas; Desenvolver técnicas de utilização eficiente dos recursos técnicos e humanos; Desenvolver a capacidade de gerir e lidar com os públicos que frequentam os vários tipos de eventos; Compreender as normas de segurança inerentes à gestão de públicos; Pesquisar e sistematizar informação; Desenvolver o espírito crítico; Desenvolver métodos de trabalho eficazes; 2

4 Fomentar o trabalho em equipa; Desenvolver o sentido ético; Desenvolver a capacidade de comunicação oral e escrita, de forma clara e adequada; Desenvolver a autonomia e responsabilidade. Promover hábitos de trabalho individual e em grupo; Fomentar a capacidade de apresentar e fundamentar os seus pontos de vista, respeitando as ideias dos outros. Participar conscientemente e sustentadamente na comunidade global; 4. Orientações Metodológicas / Avaliação Esta disciplina, de carácter teórico-prático, tem como objectivo sensibilizar e aplicar as ferramentas básicas de Produção Técnica inerentes ao desenvolvimento da actividade de Técnico de Organização de Eventos. Os métodos de trabalho a aplicar destinam-se a promover e a orientar para um estudo mais aprofundado das ferramentas e recursos técnicos disponíveis para o desenvolvimento da actividade de um organizador de eventos. Pretende-se que, na disciplina de Produção Técnica, o desenvolvimento pessoal e experimental sejam factores de motivação. A teoria e a prática complementam-se de forma interactiva, sendo a abordagem dos conteúdos programáticos, feita com recurso a diversos meios e com a aplicação de técnicas activas de formação, com vista à dinamização dos participantes e à aquisição do saber-fazer. De modo a fomentar a aproximação da escola ao mundo do trabalho, as metodologias e materiais utilizados deverão ser adequados à realidade em vigor nesta área de trabalho tão específica. A exposição de conceitos estará aliada à transmissão de experiências profissionais. Todo o trabalho desenvolvido deve assentar, por um lado no desenvolvimento curricular, e por outro nas competências e atitudes, conducentes ao perfil de um Técnico de Organização de Eventos. Os conhecimentos a adquirir serão de carácter inicial sendo necessário desenvolver as aptidões inatas em cada aluno. Os exercícios a realizar devem corresponder a situações reais, que se aplicam posteriormente em contexto de trabalho. Os trabalhos individuais ou em grupo deverão ser avaliados utilizando os instrumentos adequados, podendo avaliar-se a aquisição dos conhecimentos através de testes teóricos ou práticos. A avaliação é sumativa, de natureza qualitativa e quantitativa. Dependendo da natureza de cada módulo, a avaliação poderá privilegiar factores de ordem mais qualitativa, no caso de trabalhos mais práticos com um carácter mais responsabilizante, ou mais quantitativo no caso de módulos mais 3

5 teóricos. Contudo em qualquer dos casos é essencial que, no início de cada módulo, o docente determine, junto dos alunos, quais os critérios específicos de avaliação que pretende para o trabalho concreto que irão realizar. Deverá existir, também, uma avaliação qualitativa visando os aspectos comportamentais, considerados fundamentais numa relação profissional, procurando-se deste modo incutir um sentido de responsabilidade, e preparar os alunos para a inserção no mercado de trabalho. 5. Elenco Modular Número Designação Duração de referência (horas) 1 Ferramentas de planeamento 25 2 Legislação 25 3 Recursos técnicos 25 4 Logística 25 5 Recursos humanos 25 6 Contratação de recursos 25 7 Gestão de públicos 25 8 Ferramentas de orçamentação 50 9 Iluminação Som Projecção Direcção de cena, estruturas Catering e animação Bibliografia Livros de natureza técnica Arijon, Daniel (1982). Grammar of the film language. Los Angeles: Silman-James Press. B. Maddux, Robert (1991). Avaliação de Desempenho. Lisboa: Monitor Bancaleiro, José (2003). Estórias Vividas 12 Casos de Gestão de Recursos Humanos. Lisboa: RH Editora Bell, D. (1994). Getting the Best Score for your Films. Los Angeles: Silman-James Press. 4

6 Bond, Daniel (1991). The Stage Management, a gentle art. London: A&C Black. Brown, Blain (2002). Cinematography, theory and practice: image making for cinematographers, directors and videographers. Boston: Focal Press. Cabral, C. (2003). Manual de Iluminação. Lisboa: Inatel. Cabral, Carlos, (2004) Manual de Técnicas de Palco. Lisboa: Inatel. Caetano, António (1996). Avaliação de Desempenho. Metáforas, Conceitos e Práticas. Lisboa: RH Editora Ceitil, Mário (2002), O Carro de Jagrená: A Gestão das Pessoas nos Contextos da Modernidade. Lisboa: Sílabo Chandler, Gael (2004). Cut by Cut: Editing Your Film or Video. Studio City: Michael Wise Productions. Chiavenato, Idalberto (1981), Administração de Recursos Humanos. 5.ª ed. São Paulo: Atlas Chion, Michel (1997). Músicas, Media e Tecnologias. Lisboa: Edições Piaget. Cook, Pam (ed.) (1994). The Cinema Book. Londres: BFI. Copley, Soozie (2001). Killner, Philippa, Stage Management, Wiltshire: Crowood Press. Dancynger, Ken (2002). The Technique of Film and Video Editing, History, theory and practice (3rd Edition). Boston: Focal Press. Duarte Dias, José (2006), Criar Valor através das Pessoas. Lisboa: Sílabo Essig, L. (1996). Lighting and the Design Idea. Londres: Thomson Learning. Geuens, Jean-Pierre (2000). Film Production Theory. Albany: SUNY Press. Grilo, João M. (1997). A Ordem no Cinema: Vozes e Palavras de Ordem no Estabelecimento do Cinema de Hollywood. Lisboa: Relógio d Água. Grilo, João Mário (2007). As Lições do Cinema: Manual de Filmologia. Lisboa: Colibri. Henriques, L. (2002). Acústica Musical. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. Ionazzi, Daniel (1992). The Stage Management Handbook, Cincinnati: Betterway Books. Ionazzi, Daniel (1996). The Stagecraft Handbook, Cincinnati: Betterway Books. Jorge, Eduardo (2001). Som ao Vivo. Lisboa: Plátano Edições. Lowell, R. (2002). Matters of Light and Depth. Nova Iorque: Loweel-Light Manufacturing. Lyver, D.; Swainson, G. (1999). Basics of Video Lighting. Boston: Focal Press. MacDonald, Ronan (2004). Home Recording Handbook. London: Flame Tree publishing. Mazzoleni, Arcangelo (2005). O ABC da Linguagem Cinematográfica. Avanca: Cineclube de Avanca. Mielziner, Jo (1969). Theatre Check List, Middletown: Wesleyan University Press. Moura, Edgar (1999). Luz, Câmera e Ação. S. Paulo: Senac. Nisbett, Alec. (1995). The Sound Studio. London: Focal Press. Pereira de Almeida, Paulo & Glória Rebelo. A Era da Competência. Lisboa: RH Editora Pinto, L. M. V., Vasconcelos, J. F.(1990). A Utilização da Electricidade com toda a Segurança, Porto: Edições ASA. Rego, Arménio (2003). Comportamento Organizacional e Gestão - Casos Portugueses e exercícios. Lisboa: RH Reid, Francis (1995). The Staging Handbook. London: A&C Black. 5

7 Reid, Francis (1996). The Stage Lighting Handbook. Nova Iorque: Routledge. Rumsey, F. (1996). The Audio Workstation Handbook. London: Focal Press. Silva, L. (2004). Conceitos Básicos de Iluminação. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas. Solmer, Antonino (1999). Manual de Teatro, Lisboa: IPAE. Southern, Richard (1979). Manual sobre a montagem teatral para amadores e profissionais. Trad. Mário Jacques e Berta Jacques, Lisboa: Moraes Editores. Thomas, Terry (1985). Create your own Stage Sets, London: A&C Black. Willart Bellman, (s.d.) Scene design, stage lighting, sound, costume and makeup, a scenographie approach, New York: Harpper&Row Publichers, Winslow, Colin (1991). The Oberon Glossary of Theatrical Terms. London: Oberon Books. Jornais e Revistas Executive Digest Exame Diário económico Pessoal Sítios Associação Portuguesa dos Gestores e Técnicos dos Recursos Humanos Film-Philosophy (site) Bibliotheque du Film (site) L art du cinéma (revista) Film Comment (revista) Coagula (revista) Postmodern Culture (revista) Ctheory (revista) The Resource Center for Cyberculture Studies (site) Critical Inquiry (revista) Wired (revista) 6

8 Parte II Módulos Índice: Página Módulo 1 Ferramentas de planeamento 8 Módulo 2 Legislação 9 Módulo 3 Recursos técnicos 11 Módulo 4 Logística 13 Módulo 5 Recursos humanos 14 Módulo 6 Contratação de recursos 17 Módulo 7 Gestão públicos 19 Módulo 8 Ferramentas de orçamentação 21 Módulo 9 Iluminação 23 Módulo 10 Som 25 Módulo 11 Projecção 27 Módulo 12 Direcção de cena, estruturas 29 Módulo 13 Catering e animação 31 7

9 MÓDULO 1 Ferramentas de Planeamento Duração de Referência: 25 horas 1. Apresentação Neste módulo de carácter prático serão apresentadas ao aluno as principais ferramentas de planeamento, capacitando-o para a utilização das mesmas na óptica da organização de eventos. 2. Objectivos de Aprendizagem Explicar a importância da utilização de ferramentas de planeamento na actividade de organização de eventos; Definir os princípios básicos de funcionamento das ferramentas informáticas de planeamento; Utilizar aplicações informáticas de planeamento na organização de eventos. 3. Âmbito dos Conteúdos 1. Inserção de actividades; 2. Sequência das actividades; 3. Inserção de recursos; 4. Afectar recursos a actividades; 5. Utilização da técnica PERT e CPM; 6. Verificação do custo e prazo do projecto; 7. Controlo de custos e prazos; 8. Utilização da técnica de controlo da performance do projecto EVM; 9. Inserção de fórmulas e indicadores gráficos; 10. Personalização do documento; 11. Criação de relatórios. 4. Bibliografia / Outros Recursos A propor pelo formador para além dos recursos propostos na Parte I do programa. 8

10 MÓDULO 2 Legislação Duração de Referência: 25 horas 1. Apresentação Neste módulo de carácter teórico pretende-se que o aluno reconheça a importância das boas práticas de organização de eventos e das actividades que lhe são transversais, por um lado, e por outro, que saiba utilizar, em benefício da concepção, desenvolvimento e implementação de eventos, as normas associadas às políticas culturais nacionais e europeias. Será também fundamental dotar o aluno de conhecimentos relativos à legislação em vigor no que respeita à organização de empresas, acordos comerciais e contratos, transporte, segurança, ambiente e comunicação publicitária, para que este esteja apto a gerir, operacionalizar e organizar eventos. 2. Objectivos de Aprendizagem Identificar as responsabilidades inerentes à liberdade pessoal em democracia; Assumir direitos e deveres laborais enquanto cidadão activo; Identificar os standards internacionais que podem afectar os projectos de organização de eventos; Identificar os diferentes tipos de códigos de conduta, leis e standards nacionais e locais que podem afectar projectos de organização de eventos na União Europeia; Explicar a lei do mecenato e as implicações da mesma na organização de eventos; Identificar as normas associadas às políticas culturais nacionais e europeias; Aplicar a legislação em vigor no âmbito dos contratos comerciais, contratação de recursos humanos, transporte, segurança, ambiente e comunicação publicitária. 3. Âmbito dos Conteúdos 1. Cidadão / Estado; 2. Comunidade global; 3. Standards internacionais; 4. Códigos de conduta, leis e standards nacionais e locais; 5. Lei do Mecenato; 6. Normas associadas às politicas culturais nacionais e europeias; 7. Leis relativas à contratação de recursos humanos, contratos comerciais, transporte, segurança, ambiente e comunicação publicitária. 9

11 Módulo 2: Legislação 4. Bibliografia / Outros Recursos A propor pelo formador para além dos recursos propostos na Parte I do programa. 10

12 MÓDULO 3 Recursos Técnicos Duração de Referência: 25 horas 1. Apresentação Neste módulo de carácter teórico-prático pretende-se que o aluno adquira os conhecimentos básicos que lhe permitam identificar os recursos técnicos disponíveis para todas as actividades inerentes à organização de eventos, e que os saiba utilizar de forma adequada. 2. Objectivos de Aprendizagem Analisar e identificar os recursos técnicos necessários para a organização de eventos. Operar com equipamentos e sistemas técnicos em contextos profissionais, identificando e compreendendo as normas de boa utilização e os seus impactos nas organizações. Interagir com instituições em situações diversificadas, Solucionar questões de teor técnico para a reparação ou melhor utilização de equipamentos e sistemas técnicos. Identificar e utilizar as transformações nos equipamentos e sistemas técnicos em seu benefício. Produzir especificações detalhadas para os recursos necessários. 3. Âmbito dos Conteúdos 1. Enquadramento do planeamento de recursos 1.1. Diferentes tipos de recursos necessários para a organização de eventos Locais para a realização de eventos Alojamento Materiais Equipamento 2. Especificação dos requisitos 2.1. Objectivação dos requisitos, para satisfazer Necessidades do evento Necessidades da organização Requisitos legais Códigos de conduta relevantes 2.2. Identificação das necessidades de recursos Recursos existentes que podem ser utilizados para o evento Recursos que terão de ser adquiridos para o evento 11

13 Módulo 3: Recursos Técnicos 2.3. Especificação dos requisitos Obtenção do melhor negócio Maximização dos recursos Elaboração das especificações dos recursos 4. Bibliografia / Outros Recursos A propor pelo formador para além dos recursos propostos na Parte I do programa. 12

14 MÓDULO 4 Logística Duração de Referência: 25 horas 1. Apresentação Este módulo de carácter teórico-prático incidirá sobre conhecimentos técnicos e operacionais relativos às etapas de desenvolvimento e implementação de eventos. Promover-se-á a aplicação de soluções de optimização logística, tendo em vista a melhoria do desempenho e o aumento da produtividade do técnico de organização de eventos. 2. Objectivos de Aprendizagem Definir o conceito de logística Explicar a importância da logística como factor de competitividade Identificar ferramentas para a gestão logística eficiente Definir e optimizar estratégicas logísticas na área da organização de eventos 3. Âmbito dos Conteúdos 1. Introdução à logística conceitos e aplicações 2. Pesquisa operacional aplicada à logística 3. Planeamento, programação e controlo 4. A logística nas várias fases de desenvolvimento e implementação de eventos 5. Os intervenientes no processo logístico da organização de eventos 6. Tecnologias de informação aplicadas à logística 4. Bibliografia / Outros Recursos A propor pelo formador para além dos recursos propostos na Parte I do programa. 13

15 MÓDULO 5 Recursos Humanos Duração de Referência: 25 horas 1. Apresentação Neste módulo de carácter teórico-prático pretende-se que o aluno entenda a importância da gestão de recursos humanos na prática da organização de eventos, como um factor de competitividade e excelência. Para tal, será necessário que o aluno adquira os conceitos e as técnicas que lhe permitam gerir de forma eficiente os recursos humanos envolvidos na concepção, desenvolvimento e implementação de eventos. 2. Objectivos de Aprendizagem Detectar necessidades de recrutamento; Definir processos de recrutamento e selecção; Coordenar equipas e comités de projecto; Gerir de forma eficiente famílias de competências alinhadas com os objectivos estratégicos do evento; Atribuir as competências adequadas a determinadas funções, pessoas ou projectos; Definir e avaliar competências orientadas para a gestão por objectivos; Criar e implementar técnicas de motivação; Estruturar as várias áreas da organização por níveis de responsabilização; Identificar falhas de competências e gerar planos de desenvolvimento individual; Avaliar planos de desempenho individuais e de grupo, utilizando o conceito 360º Utilizar diferentes métodos de avaliação. 3. Âmbito dos Conteúdos 1. Introdução aos recursos humanos 1.1. Conceitos e aplicações 2. Liderar comités e equipas de projecto 2.1. Características especiais dos projectos de organização de eventos 2.2. Uma organização de projectos como forma de organização de um evento 2.3. A gestão de projecto como um método adequado de gestão de eventos 14

16 Módulo 5: Recursos Humanos 3. Requisitos das relações de trabalho produtivas na organização de projectos/liderança de equipas 3.1. Funções e responsabilidade de cada elemento no trabalho da equipa 3.2. Funções e responsabilidades dos colegas/contactos externos 3.3. Âmbito e limites da autoridade no relacionamento com contactos externos 3.4. Desenvolvimento de relações construtivas com colegas internos e externos 3.5. Pesquisa, troca e fornecimento de informação com colegas/contactos externos 3.6. Gestão de desacordos e conflitos 3.7. O modo de motivar os outros 3.8. As consequências de uma consulta e interacção deficiente 3.9. Estrutura de equipas de projecto Comités Coordenação do trabalho dos diferentes comités 4. A eficácia na relação com os contactos externos 5. A eficácia na relação com pessoas exteriores à organização 6. Liderança de reuniões 6.1. Objectivos 6.2. Preparação 6.3. Liderança 6.4. Avaliação 7. Recrutamento 7.1. Necessidades 7.2. Selecção 4. Bibliografia / Outros Recursos B. Maddux, Robert (1991). Avaliação de Desempenho. Lisboa: Monitor Bancaleiro, José (2003). Estórias Vividas 12 Casos de Gestão de Recursos Humanos. Lisboa: RH Editora Caetano, António (1996). Avaliação de Desempenho. Metáforas, Conceitos e Práticas. Lisboa: RH Editora Ceitil, Mário (2002). O Carro de Jagrená: A Gestão das Pessoas nos Contextos da Modernidade. Lisboa: Sílabo Chiavenato, Idalberto (1981). Administração de Recursos Humanos, 5.ª ed. São Paulo: Atlas Duarte Dias, José (2006). Criar valor através das Pessoas. Lisboa: Sílabo Pereira de Almeida, Paulo & Glória Rebelo, A Era da Competência. Lisboa: RH Editora Rego, Arménio (2003). Comportamento Organizacional e Gestão Casos Portugueses e exercícios. Lisboa: RH 15

17 Módulo 5: Recursos Humanos Jornais e Revistas Executive Digest Exame Diário económico Pessoal Sítios Associação Portuguesa dos Gestores e Técnicos dos Recursos Humanos 16

18 MÓDULO 6 Contratação de Recursos Duração de Referência: 25 horas 1. Apresentação Neste módulo de carácter teórico-prático o aluno deverá perceber a importância dos contratos na gestão comercial. Desenvolver-se-á a noção de contrato em geral e do contrato de transporte em particular, bem como a identificação dos seus intervenientes. Dado que cada vez mais se utiliza o comércio electrónico, será também de analisar os contratos das relações comerciais daí resultantes. 2. Objectivos de Aprendizagem Elaborar propostas para o fornecimento de bens, serviços e licenças necessárias para projectos de eventos; Escolher fornecedores que proporcionem um equilíbrio adequado entre qualidade e custos; Contratar o fornecimento de bens e serviços; Elaborar informações para os fornecedores, de modo a garantir o fornecimento de bens e serviços com qualidade. 3. Âmbito dos Conteúdos 1. Fornecedores 1.1. Identificação dos recursos necessários 1.2. Diferentes factores que afectam a obtenção de recursos Requisitos legais Requisitos a nível de seguros e seguradoras Requisitos organizacionais 1.3. Utilização das especificações de recursos e modo de elaboração 1.4. Termos e condições de fornecimento e repercussões na obtenção de recursos 1.5. Definição do negócio mais rentável e os diferentes factores a considerar 2. Propostas 2.1. Definição de proposta 2.2. Diferentes métodos de convite 2.3. Diferentes fases do processo de obtenção de propostas Definição dos critérios de avaliação das propostas Anúncio aos proponentes Divulgação de informações Visitas ao local 17

19 Módulo 6: Contratação de Recursos Recepção das propostas Pré-selecção e obtenção de referências Entrevistas Selecção Adjudicação do contrato 3. Contratos de fornecimento 3.1. Resumo do fornecimento, quando deve ser usado e sua relevância 3.2. Acordo de fornecimento Definição Conteúdo Adequação de contratos de fornecimento por escrito 4. Obtenção de licenças 4.1. Diferentes tipos de licenças e respectivas utilizações Bebidas alcoólicas Espectáculos públicos Segurança contra incêndios Angariação de fundos 4.2. Locais e procedimentos de obtenção de licenças 5. Monitorização dos fornecimentos 5.1. Processo 5.2. Momentos de monitorização 5.3. Responsáveis pela monitorização 5.4. Procedimentos em caso de falta de conformidade com o acordo de fornecimento 5.5. Organização e arquivo dos registos 4. Bibliografia / Outros Recursos A propor pelo formador para além dos recursos propostos na Parte I do programa. 18

20 MÓDULO 7 Gestão de Públicos Duração de Referência: 25 horas 1. Apresentação Neste módulo de carácter teórico-prático pretende-se sensibilizar o aluno para a importância da área de gestão de públicos, no contexto global da produção de eventos, como factor primordial para o sucesso dos mesmos. No essencial, deverão ser abordados aspectos como a segurança, o bem-estar e a prestação de serviços e produtos tal como os métodos de reserva e inscrição. Deverá ser incutida no aluno a capacidade de gerir, inovar, criar e desenvolver ideias e novas formas de organização e gestão de públicos. 2. Objectivos de Aprendizagem Enumerar requisitos; Planear e implementar medidas de segurança; Identificar os diferentes tipos de procedimentos no que respeita a questões de segurança; Elaborar planos para monitorização da implementação das medidas de segurança; Identificar as funções e competências de um gestor de venue; Identificar as variáveis que influenciam o comportamento do público; Identificar os diferentes métodos de fazer reservas e inscrições; Elaborar procedimentos e documentos de inscrição; Criar procedimentos para o pagamento e processamento das inscrições. 3. Âmbito dos Conteúdos 1. O gestor de venue 1.1. Funções e competências 2. Levantamento de requisitos 2.1. Cliente 2.2. Público 2.3. Responsabilidades 3. Crowd management 3.1. Planeamento da operacionalização do evento de forma a garantir todas as condições de segurança 3.2. Condições técnicas, logísticas, imputação de recursos materiais e humanos 3.3. Prevenção das longas filas e ajuntamentos de pessoas 3.4. Discrição e eficiência na concretização do produto final 19

21 Módulo 7: Gestão de Públicos 4. Crowd control 4.1. Tipos de medidas correctivas 4.2. Controlo e alteração de comportamentos indesejáveis resolvendo problemas 4.3. Preparação do público para a aplicação de medidas correctivas 5. Segurança 5.1. Segurança de recintos Segurança de pessoas Técnicas de socorro e prevenção de acidentes em eventos Segurança de bens móveis e imóveis 5.5. Mecanismos de monitorização 5.6. Mecanismos de intervenção 6. Métodos de reserva e inscrição 6.1. Delegados Internet /correio electrónico Telefone/fax Correio normal 6.2. Visitantes Convites pessoais (VIP, altas individualidades e órgãos de comunicação social) Convite aberto (público em geral, órgãos de comunicação social) 7. Documentação 7.1. Delegados Antes do evento Durante o evento Após o evento 7.2. Visitantes Antes do evento Durante o evento Após o evento 4. Bibliografia / Outros Recursos A propor pelo formador para além dos recursos propostos na Parte I do programa. 20

22 MÓDULO 8 Ferramentas de Orçamentação Duração de Referência: 50 horas 1. Apresentação Neste módulo de carácter prático apresentam-se ao aluno as principais ferramentas de orçamentação, dotando-o da capacidade de as utilizar na óptica da organização de eventos. 2. Objectivos de Aprendizagem Descrever a importância da utilização de ferramentas de orçamentação na actividade de organização de eventos; Enumerar os princípios básicos de funcionamento das ferramentas informáticas de orçamentação; Utilizar aplicações informáticas de orçamentação na organização de eventos. 3. Âmbito dos Conteúdos 1. Folha de cálculo conceitos gerais 1.1. Conceitos básicos 1.2. Elementos de uma folha de cálculo 1.3. Ambiente de folha de cálculo 2. Ficheiros e folhas de cálculo 2.1. Abertura de ficheiros 2.2. Gravação de ficheiros 2.3. Utilização simultânea de ficheiros 2.4. Acesso aos últimos ficheiros utilizados 2.5. Alteração do nome e da posição de uma folha 3. Células 3.1. Inserção e edição de texto em células 3.2. Selecção de um conjunto de células 3.3. Movimentação rápida de células 3.4. Inserção de células 3.5. Cópia e eliminação de células 3.6. Preenchimento automático 3.7. Comando anular 3.8. Formatação do texto das células 21

23 Módulo 8: Ferramentas de Orçamentação 4. Formatação de linhas e colunas 4.1. Selecção, inserção e eliminação de linhas e colunas 4.2. Largura de coluna e da altura de linha 4.3. Omissão e visualização de colunas 5. Fórmulas 5.1. Referências absolutas e relativas 5.2. Fórmulas associadas a cálculos 6. Impressão de folhas de cálculo 6.1. Definição da área a imprimir 6.2. Pré-visualização da impressão 6.3. Cabeçalho e rodapé 6.4. Margens 7. Funções 7.1. Funções financeiras 7.2. Funções estatísticas 7.3. Edição de funções 8. Gráficos 8.1. Tipos de gráficos 8.2. Inserção de dados para gráficos 8.3. Edição de gráficos 9. Desenho 9.1. Criação de desenhos e caixas de texto 9.2. Movimentação e reunião de objectos 10. Análise de dados em tabelas e listas Criação, ordenação e filtragem de dados em listas Formulários 11. Macro Macro pré-definida Macros de personalização das barras de ferramentas Atribuição de uma macro a um botão Gravação e execução de macros Eliminação de macros 4. Bibliografia / Outros Recursos A propor pelo formador para além dos recursos propostos na Parte I do programa. 22

24 MÓDULO 9 Iluminação Duração de Referência: 25 horas 1. Apresentação Neste módulo de carácter teórico-prático pretende-se desenvolver com o aluno conceitos e técnicas de iluminação, assim como a sua aplicação no contexto da organização de eventos. 2. Objectivos de Aprendizagem Descrever as estruturas, utilizando as linguagens específicas e as diversas tecnologias de iluminação; Definir os principais conceitos envolvidos na criação de ambientes com iluminação natural e artificial; Distinguir as diferentes tecnologias e equipamentos de iluminação, os modos operacionais e de segurança; Reconhecer as funções profissionais e criativas, no domínio da iluminação, na produção de espectáculos e eventos; Participar colaborativamente no trabalho em equipa, assumindo o seu papel no contexto do projecto de iluminação, compreendendo a dimensão colectiva da criação de ambientes através da iluminação. 3. Âmbito dos Conteúdos 1. Noções gerais sobre iluminação. 2. Sistemas de iluminação. 3. Equipamentos. 4. Software e robótica. 5. Efeitos especiais. 6. Desenho de luz. 7. Planeamento técnico. 8. Preparação, montagem, e desmontagem. 9. Operação de luz e efeitos. 10. Noções gerais de electricidade. 11. Sistemas de distribuição de energia. 12. Quadros e instalações técnicas. 13. Segurança e normas. 23

25 Módulo 9: Iluminação 4. Bibliografia / Outros Recursos Cabral, C. (2003). Manual de Iluminação. Lisboa: Inatel. Essig, L. (1996). Lighting and the Design Idea. Londres: Thomson Learning. Lowell, R. (2002). Matters of Light and Depth. Nova Iorque: Loweel-Light Manufacturing. Lyver, D.; Swainson. G. (1999). Basics of Video Lighting. Boston: Focal Press. Moura, Edgar (1999). Luz, Câmera e Ação. S. Paulo: Senac. Pinto, L. M. V., Vasconcelos, J. F. (1990). A Utilização da Electricidade com toda a Segurança, Porto: Edições ASA. Reid, Francis (1996). The Stage Lighting Handbook. Nova Iorque: Routledge. Silva, L. (2004). Conceitos Básicos de Iluminação. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas. 24

26 MÓDULO 10 Som Duração de Referência: 25 horas 1. Apresentação Neste módulo de carácter teórico-prático pretende-se desenvolver com o aluno conceitos e técnicas associados ao som e a sua aplicação no contexto da organização de eventos. 2. Objectivos de Aprendizagem Assimilar um conhecimento teórico dos actuais procedimentos de trabalho em torno da questão do som; Dominar a terminologia técnica usada na área do som; Utilizar qualificadamente os principais equipamentos existentes para o trabalho na área do som; Utilizar os conhecimentos adquiridos de modo a solucionar problemas que surjam no decorrer da implementação de eventos; Revelar criatividade no trabalho a realizar. Descrever a importância do som, nas suas várias vertentes, enquanto meio extremamente profícuo num processo de comunicação. 3. Âmbito dos Conteúdos 1. Noções gerais sobre som. 2. Acústica de espaços. 3. Sistemas áudio e sua operação: 3.1. Captação e gravação Monição e amplificação Microfones, monitores, mistura e processamento, ligações Captação de instrumentos e voz Monição de palco Som de frente Operações de mistura e processamento. 25

27 Módulo 10: Som 4. Bibliografia / Outros Recursos Bell, D. (1994). Getting the Best Score for your Films. Los Angeles: Silman-James Press Chion, Michel (1997). Músicas, Media e Tecnologias. Lisboa: Edições Piaget. Estabelecimento do Cinema de Hollywood. Lisboa: Relógio d Água. Grilo, João M. (1997). A Ordem no Cinema: Vozes e Palavras de Ordem no Estabelecimento do Cinema de Hollywood. Lisboa: Relógio d Água. Henriques, L. (2002). Acústica Musical. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.. Jorge, Eduardo (2001). Som ao Vivo. Lisboa: Plátano Edições. MacDonald, Ronan (2004). Home Recording Handbook. London: Flame Tree publishing. Nisbett, Alec. (1995). The Sound Studio. London: Focal Press. Rumsey, F. (1996). The Audio Workstation Handbook. London: Focal Press. 26

28 MÓDULO 11 Projecção Duração de Referência: 25 horas 1. Apresentação Neste módulo de carácter teórico-prático pretende-se desenvolver com o aluno conceitos e técnicas associados à projecção e à sua aplicação no contexto da organização de eventos. 2. Objectivos de Aprendizagem Explicar os principais conceitos teóricos e técnicos envolvidos nas obras audiovisuais. Distinguir as especificidades das diferentes tecnologias e suportes particularmente, os que dizem respeito à tecnologia digital - e explicar as lógicas de transferência e migração das imagens e dos sons entre eles. Descrever a especificidade dos sistemas de interacção humana no campo da criação cinematográfica e videográfica. Reconhecer as funções profissionais e criativas no processo de produção cinematográfico e videográfico. 3. Âmbito dos Conteúdos 1. Principais conceitos teóricos e técnicos o argumento, a realização, a produção, a pós-produção 2. Os profissionais e as funções no campo da produção audiovisual 3. As tecnologias de suporte 3.1. Montagem de imagem 3.2. Efeitos especiais e de imagem Vídeo e multimédia (captação e projecção) Formatos e sinal de vídeo Captação e gravação vídeo: câmara e VTRs Régies e gravação/emissão multicâmara: configurações 3.7. Vídeo e equipamentos de projecção/ transmissão 27

29 Módulo 11: Projecção 4. Bibliografia / Outros Recursos Arijon, Daniel (1982). Grammar of the film language. Los Angeles: Silman-James Press. Brown, Blain (2002). Cinematography, theory and practice: image making for cinematographers, directors and videographers. Boston: Focal Press. Chandler, Gael (2004). Cut by Cut: Editing Your Film or Video. Studio City: Michael Wise Productions Cook, Pam (ed) (1994). The Cinema Book. Londres: BFI. Dancynger, Ken (2002). The Technique of Film and Video Editing, History, theory and practice (3rd Edition). Boston: Focal Press. Geuens, Jean-Pierre (2000). Film Production Theory. Albany: SUNY Press. Grilo, João Mário (2007). As Lições do Cinema: Manual de Filmologia. Lisboa: Colibri. Mazzoleni, Arcangelo (2005). O ABC da Linguagem Cinematográfica. Avanca: Cineclube de Avanca. Moura, Edgar (1999). Luz, Câmera e Ação. S. Paulo: Senac. Sítios Film-Philosophy (site) Bibliotheque du Film (site) L art du cinéma (revista) Film Comment (revista) Coagula (revista) Postmodern Culture (revista) Ctheory (revista) The Resource Center for Cyberculture Studies (site) Critical Inquiry (revista) Wired (revista) 28

30 MÓDULO 12 Direcção de Cena, Estruturas Duração de Referência: 25 horas 1. Apresentação Neste módulo de carácter teórico-prático pretende-se desenvolver com o aluno os conceitos e técnicas associados à direcção de cena e a sua aplicação no contexto da organização de eventos. 2. Objectivos de Aprendizagem Identificar as tipologias e características técnicas dos espaços de espectáculos e eventos; Identificar as tipologias e características técnicas das estruturas e equipamentos de espectáculos e eventos; Identificar as funções de um director de cena e da sua equipa; Elaborar um roteiro de direcção de cena de espectáculos e eventos. 3. Âmbito dos Conteúdos 1. Glossário de termos técnicos; 2. Tipologias e características técnicas de espaços para espectáculos e eventos; 3. Tipologias e características técnicas de equipamentos para espectáculos e eventos; 4. Direcção Técnica: funções e tarefas; 5. Direcção de Cena (Stage Management): funções e tarefas; 6. Planeamento, montagens, ensaios e evento; 7. Decorrer do evento: direcção técnica e de cena; 8. Armazenamento de material; 9. Procedimentos de segurança; 10. Organização: horários e tabelas; 11. Roteiro de direcção de cena. 4. Bibliografia / Outros Recursos Bond, Daniel (1991). The Stage Management, a gentle art, London: A&C Black. Cabral, Carlos, (2004). Manual de Técnicas de Palco, Lisboa: Inatel. Copley, Soozie (2001). Killner, Philippa, Stage Management, Wiltshire: Crowood Press. Ionazzi, Daniel (1992). The Stage Management Handbook, Cincinnati: Betterway Books. 29

31 Módulo 12: Direcção de Cena, Estruturas Ionazzi, Daniel (1996). The Stagecraft Handbook, Cincinnati: Betterway Books Mielziner, Jo, (1969).Theatre Check List, Middletown: Wesleyan University Press Reid, Francis (1995). The Staging Handbook, London: A&C Black. Solmer, Antonino (1999). Manual de Teatro, Lisboa: IPAE. Southern, Richard (1979). Manual sobre a montagem teatral para amadores e profissionais, Trad. Mário Jacques e Berta Jacques, Lisboa: Moraes Editores. Thomas, Terry (1985). Create your own Stage Sets, London: A&C Black. Willart Bellman, (s.d.) Scene design, stage lighting, sound, costume and makeup, a scenographie approach, New York: Harpper&Row Publichers, Winslow, Colin (1991). The Oberon Glossary of Theatrical Terms, London: Oberon Books. 30

32 MÓDULO 13 Catering e Animação Duração de Referência: 25 horas 1. Apresentação Neste módulo de carácter teórico-prático pretende-se desenvolver com o aluno conceitos e técnicas associados ao catering e animação e a sua aplicação no contexto da organização de eventos. 2. Objectivos de Aprendizagem Catering Identificar os tipos de evento em que se utiliza catering; Elaborar menus de acordo com os objectivos do evento; Reconhecer vários tipos de mise-en-place consoante o menu e o tipo de evento; Elaborar fichas técnicas e inventários; Respeitar as regras de segurança alimentar. Animação Identificar as fontes e as áreas de intervenção da animação, no contexto da organização de eventos; Reconhecer tendências e especificidades interventivas em animação, em função do seu contexto societário. Elaborar um plano de animação em função dos objectivos do evento e do público a que se destina. 3. Âmbito dos Conteúdos 1. Catering 1.1. Tipos de evento em que se utiliza o catering 1.2. Timings 1.3. Os menus 1.4. O mise-en-place 1.5. Etiqueta e normas de procedimento 1.6. Os intervenientes 1.7. Os fornecedores 1.8. Fichas técnicas e inventários 1.9. Planeamento Segurança alimentar 31

33 Módulo 13: Catering e Animação 2. Animação 2.1. Conceito de animação 2.2. Áreas de intervenção 2.3. Tendências e especificidades 2.4. Os intervenientes 2.5. Planeamento 4. Bibliografia / Outros Recursos A propor pelo formador para além dos recursos propostos na Parte I do programa. 32

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 10º C. Planificação de. Curso Profissional de Técnico de Secretariado Escola Básica e Secundária de Velas Planificação de TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Curso Profissional de Técnico de Secretariado 10º C MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO Microsoft Excel Conteúdos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO Técnico de Eletrotecnia e Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos / 2015/2018 DISCIPLINA: Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE MANUEL DA FONSECA Curso Profissional: Técnico de Gestão e Equipamentos Informáticos PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS GRUPO 550 CICLO DE FORMAÇÃO 2012/2015 ANO LECTIVO 2012/2013 DISCIPLINA:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) Ano Letivo de 2014/2015 MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) Ano Letivo de 2014/2015 MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO Ensino Regular Diurno Disciplina: T.I.C. Professores: Margarida Afonso Curso Profissional - Técnico de Auxiliar de Saúde Ano: 10.º Turma(s): TAS MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO OBJECTIVOS Indicar as principais

Leia mais

Escola Secundária de Camarate

Escola Secundária de Camarate Escola Secundária de Camarate Ano Lectivo 2014/2015 Planificação da Disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde e Técnico de Restauração e Bar

Leia mais

0777 Processador de Texto

0777 Processador de Texto 0777 Processador de Texto Objectivo (s) Utilizar aplicações informáticas de processamento de texto. Processador de texto conceitos gerais Criação de um documento Abertura de documentos Gravação de documentos

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Abrantes

Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Curso Curso de Comunicação Social Ano Lectivo 2008/2009 Ficha da Unidade Curricular Unidade Curricular Área Científica TECNOLOGIAS

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Organização de Eventos Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDAS

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 Domínios de referência Competências Conteúdos Calendarização Conceitos Essenciais e

Leia mais

Produção Multimédia Interactiva

Produção Multimédia Interactiva Produção Multimédia Interactiva Candidaturas 2012/13 secretaria@ipa.univ.pt http://pmi.ipa.univ.pt www.ipa.univ.pt IPA Instituto Superior Autónomo de Estudos Politécnicos No IPA prosseguimos os seguintes

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36 Plano de Formação 2009 ACÇÃO DE FORMAÇÃO Competências em TIC : Curso A nível 1 CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO Área de Formação Domínio de Formação Tecnologias de Informática e Comunicação Utilização e/ou Manutenção

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL - Planear, dirigir e controlar as actividades de produção e de serviço de alimentos

Leia mais

Aplicações Informáticas B

Aplicações Informáticas B Prova de Exame Nacional de Aplicações Informáticas B Prova 703 2008 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspecção-Geral

Leia mais

MÓDULO 1 - Folha de Cálculo

MÓDULO 1 - Folha de Cálculo ANUAL ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Curso Profissional de Técnico de Restauração Cozinha - Pastelaria Disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Engenharia Licenciatura Engenharia e Gestão Industrial Unidade Curricular Gestão de Projectos Semestre: 6 Nº ECTS: 6 Regente Alípio Paulo da Cunha Aguiar Assistente

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de ENERGIAS RENOVÁVEIS PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Organização Industrial Escolas Proponentes / Autores Escola Profissional de

Leia mais

FACILITIES MANAGEMENT

FACILITIES MANAGEMENT MINI MBA Potencialize a sua qualificação profissional Incremente a eficácia e rentabilidade da sua unidade de trabalho Eficiência operacional e redução de custos em FACILITIES MANAGEMENT Mini MBA Mais

Leia mais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S C T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS GESTÃO COMERCIAL E DE MARKETING ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Instalações Eléctricas PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Desenho Esquemático Escolas Proponentes / Autores E P de Vouzela E P de

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Fotografia PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Técnicas de Comunicação Escolas Proponentes / Autores ETIC José Pacífico (Coordenador)

Leia mais

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO 9º ANO

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO 9º ANO TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO 9º ANO Ano Lectivo 2008/2009 TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO Em nenhuma época histórica o homem teve tantas possibilidades de transportar e comunicar ideias. Francisco Gutierrez Na

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Gestão de Equipamentos PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Instalação e Manutenção de Equipamentos Escolas Proponentes / Autores ETAP

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Planificação Anual da Disciplina de TIC Módulos 1,2,3-10.ºD CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Ano Letivo 2015-2016 Manual adotado:

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Multimédia PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Projecto e Produção Multimédia Escolas Proponentes / Autores Direcção-Geral de Formação

Leia mais

curso de especialização em gestão

curso de especialização em gestão F OR M A Ç Ã O A V A N Ç A D A curso de especialização em gestão FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS Enquadramento O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

luanda 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development

luanda 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development luanda www.letstalkgroup.com 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE - GESTÃO DA FORMAÇÃO LOCAL EPIC SANA LUANDA HOTEL DATAS 14 A 23 JULHO 2014 Mastering People Development 4ª EDIÇÃO MASTER COURSE Gestão da Formação 14

Leia mais

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública 4º Congresso Nacional da Administração Pública 2 e 3 Novembro de 2006 José Alberto Brioso Pedro Santos Administração Pública Contexto Perspectiva

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Engenharia Licenciatura Engenharia e Gestão Industrial Unidade Curricular GESTÃO DA PRODUÇÃO Semestre: 5 Nº ECTS: 6, Regente João Paulo Oliveira Pinto Assistente

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS DE ESTUDOS DOS CURSOS ADEQUADOS AO PROCESSO DE BOLONHA I Calendário e carga horária 1. O ano escolar tem início em Setembro e termina em

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação Práticas de Gravação I Área Científica Som Som e Imagem Ciclo de Estudos 1º Ciclo - Licenciatura Carácter: Semestre 3º ECTS 6 Tempo de Trabalho:

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Engenharia Licenciatura Engenharia e Gestão Industrial Unidade Curricular Logística Industrial Semestre: 6 Nº ECTS: 6,0 Regente João Paulo Pinto Assistente Carga

Leia mais

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade Planificações 2012/2013 Tecnologias da Informação e Comunicação C E F Apoio à Família e à Comunidade 2ºAno Escola Básica Integrada de Pedome Grupo Disciplinar de Informática Planificação a Longo Prazo

Leia mais

Porque garantir o sucesso dos seus projectos não é opcional!

Porque garantir o sucesso dos seus projectos não é opcional! MBA EM GESTÃO DE PROJECTOS IMOBILIÁRIOS Porque garantir o sucesso dos seus projectos não é opcional! Introdução A ESAI é a única escola que se dedica exclusivamente ao ensino das actividades imobiliárias

Leia mais

ESCOLA DE PROTOCOLO COMUNICAÇÃO E ARTES www.epcamadeira.com geral@epcamadeira.com Tel: 291 098 305 Tm: 966 389 170

ESCOLA DE PROTOCOLO COMUNICAÇÃO E ARTES www.epcamadeira.com geral@epcamadeira.com Tel: 291 098 305 Tm: 966 389 170 ESCOLA DE PROTOCOLO COMUNICAÇÃO E ARTES www.epcamadeira.com geral@epcamadeira.com Tel: 291 098 305 Tm: 966 389 170 A Escola de Protocolo, Comunicação e Artes da Madeira (EPCA) surgiu para ir ao encontro

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

9º Ano. 1º Período. . Conhecer os conceitos básicos relacionados com a Tecnologias Da Informação e Comunicação (TIC);

9º Ano. 1º Período. . Conhecer os conceitos básicos relacionados com a Tecnologias Da Informação e Comunicação (TIC); 1º Período UNIDADE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 1. Conceitos Básicos 2. Áreas de Aplicação das TIC 3. Introdução á estrutura e funcionamento de um sistema Informático 4. Decisões fundamentais

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular (UC)

Ficha da Unidade Curricular (UC) Impressão em: 03-01-2013 16:13:42 Ficha da Unidade Curricular (UC) 1. Identificação Unidade Orgânica : Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso : [IS] Informática para a Saúde Tipo de Curso : UC/Módulo

Leia mais

CET. Gestão Administrativa de Recursos Humanos Secretariado de Direção e Comunicação Empresarial Técnicas de Turismo Ambiental Gestão Comercial

CET. Gestão Administrativa de Recursos Humanos Secretariado de Direção e Comunicação Empresarial Técnicas de Turismo Ambiental Gestão Comercial CET Cursos de Especialização Tecnológica Gestão Administrativa de Recursos Humanos Secretariado de Direção e Comunicação Empresarial Técnicas de Turismo Ambiental Gestão Comercial GESTÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016. Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu

T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016. Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016 Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA REPÚBLICA PORTUGUESA UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

Leia mais

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas PLANIFICAÇÃO AGRUPAMENTO ANUAL - DE TECNOLOGIAS ANO ESCOLAS LECTIVO DR. VIEIRA DE CARVALHO 9º ANO 2008/2009 DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Tecnologias 1º Período Conceitos Sistema da informação e comunicação

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR

PLANIFICAÇÃO MODULAR Direção Regional de Educação Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA ESCOLA SECUNDÁRIA/3º DR.ª M.ª CÂNDIDA ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO POR MÓDULOS Curso Profissional em funcionamento no âmbito

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014 Curso Profissional Técnico Multimédia Planificação Disciplina: Design, Comunicação e Audiovisuais Ano: 11º Conteúdos Objetivos Estratégias/Atividas

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO ADOBE MUSE: CRIE E PUBLIQUE O SEU SITE EDIÇÃO Nº 01/2012

FICHA TÉCNICA DO CURSO ADOBE MUSE: CRIE E PUBLIQUE O SEU SITE EDIÇÃO Nº 01/2012 FICHA TÉCNICA DO CURSO ADOBE MUSE: CRIE E PUBLIQUE O SEU SITE EDIÇÃO Nº 01/2012 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Adobe Muse: crie e publique o seu site 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Acesso a novas oportunidades:

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Data 3 de Novembro a 15 de Dezembro de 2015 Ação de formação Área temática Cód. Ref. Formadores Horário INTRODUÇÃO À ARQUIVÍSTICA Gestão Documental S16 Helena Neves / Rui

Leia mais

UNIDADE 1. TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO

UNIDADE 1. TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO UNIDADE 1. TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO Conteúdos Competências Gerais Competências essenciais (X 45 min) Capacidade de diálogo e de organização. Considerações gerais sobre a disciplina e

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

Criação de Páginas Web

Criação de Páginas Web MÓDULO 3 Criação de Páginas Web Duração de Referência: 33 horas 1 Apresentação Neste módulo, procura dar-se uma primeira ideia instrumental de como criar, a partir de aplicativos próprios, a organização

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO GUIA DO ALUNO DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS DO CURSO DE TURISMO DISCIPLINA: Organização e Gestão de Empresas

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO F O R M A Ç Ã O A V A N Ç A D A CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS ENQUADRAMENTO O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho L DE PESSOAS IDERANÇA E GESTÃO Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho Coordenadores e Chefias Intermédias Adquirir técnicas de Liderança, de

Leia mais

Planificação Anual de Operações Técnicas em Empresas Turísticas OTET 12.º Ano

Planificação Anual de Operações Técnicas em Empresas Turísticas OTET 12.º Ano ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE AMORA Curso Profissional de Técnico de Turismo Planificação Anual de Operações Técnicas em Empresas Turísticas OTET 12.º Ano Componente de Formação Técnica Ano Letivo

Leia mais

BE POSITIVE LEAVE YOUR MARK. ege. Programa de Especialização em Gestão Empresarial

BE POSITIVE LEAVE YOUR MARK. ege. Programa de Especialização em Gestão Empresarial BE POSITIVE LEAVE YOUR MARK ege Programa de Especialização em Gestão Empresarial Edição Centro 2014 É melhor ter muitas ideias e algumas estarem erradas do que nunca errar por falta de ideias. Edward de

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO. Prof. Doutora Maria José Silva

COORDENAÇÃO DO CURSO CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO. Prof. Doutora Maria José Silva COORDENAÇÃO DO CURSO Prof. Doutora Maria José Silva PORQUÊ O CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO? Numa realidade onde a transposição do conhecimento científico e tecnológico gerado

Leia mais

Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais

Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais Competências de Gestão para Dirigentes e Técnicos de Associações Empresariais Curso de Formação 2011 Índice PROPOSTA FORMATIVA... 3 Introdução... 3 Objectivo geral... 3 Estrutura... 3 Metodologias... 3

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Área Formação Académica Cargo/Nível Vaga. Licenciatura: Engenharia de Informática, Ciências da Computação, Informática de Gestão.

ANÚNCIO DE CONCURSO. Área Formação Académica Cargo/Nível Vaga. Licenciatura: Engenharia de Informática, Ciências da Computação, Informática de Gestão. ANÚNCIO DE CONCURSO O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública (DGAP), de acordo com os novos procedimentos no regulamento de concursos, com o objectivo

Leia mais

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL PROGRAMA Tronco Comum SESSÃO 1 Apresentação do Workshop e Introdução à Linguagem Audiovisual 3 horas Apresentação dos intervenientes (formador e formandos). Apresentação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO À GESTÃO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO À GESTÃO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO À GESTÃO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Empresa 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE COMUNICAÇÃO MARKETING,RELAÇÕES PÚBLICAS E PUBLICIDADE. Planificação anual

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE COMUNICAÇÃO MARKETING,RELAÇÕES PÚBLICAS E PUBLICIDADE. Planificação anual CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE COMUNICAÇÃO MARKETING,RELAÇÕES PÚBLICAS E PUBLICIDADE Planificação anual Disciplina: Comunicação Gráfica Audiovisual - 2ºL Professor: Rui Calmeiro - Estrutura da disciplina

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação Projecto Design Multimédia II Área Científica Design de Multimédia Ciclo de Estudos Obrigatório Carácter: Obrigatório Semestre 4º ECTS 12 Tempo

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular FINANÇAS Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Gestão 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular FINANÇAS

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Unidade Curricular Designação Tecnologias Vídeo Área Científica Design Multimédia Ciclo de Estudos 1º Ciclo - Licenciatura Carácter: Semestre 2º ECTS Obrigatório Docente

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Design 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

PROGRAMA. Unidade Curricular: Informática Docente: Mestre José Avelino Moreira Victor

PROGRAMA. Unidade Curricular: Informática Docente: Mestre José Avelino Moreira Victor Unidade Curricular: Informática Docente: Mestre José Avelino Moreira Victor PROGRAMA Objetivos: Avaliar a consciencialização dos alunos das capacidades e limitações das tecnologias de informação, perspectivando

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

CTSP e Pós-Graduações THE MARKETING SCHOOL. porto. aveiro. lisboa

CTSP e Pós-Graduações THE MARKETING SCHOOL. porto. aveiro. lisboa CTSP e Pós-Graduações THE MARKETING SCHOOL porto. aveiro. lisboa LICENCIATURA & MESTRADO THE MARKETING SCHOOL Somos uma escola vocacionada essencialmente para as empresas e mercados. Queremos qualificar

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação GESÃO E PRODUÇÃO DOS MÉDIA Área Científica Ciências Sociais e Humanas Ciclo de Estudos 1º Ciclo Licenciatura Ramo de Vídeo e Ramo de Som Carácter:

Leia mais

Protocolo.com.pt. Acção de Formação para a ASP. 17 de Maio de 2008. Cristina Fernandes Susana Casanova http://protocolopt.blogspot.

Protocolo.com.pt. Acção de Formação para a ASP. 17 de Maio de 2008. Cristina Fernandes Susana Casanova http://protocolopt.blogspot. Acção de Formação para a ASP 17 de Maio de 2008 17 de Maio de 2008 Imagem Duração: 1 dia (7h) Carga horária: 09H30-13H00 14H30-18H00 17 de Maio de 2008 A importância da Imagem Uma imagem positiva é a soma

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Informação - Prova de Equivalência à Frequência da disciplina de Aplicações Informáticas B

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Informação - Prova de Equivalência à Frequência da disciplina de Aplicações Informáticas B Prova 303 2015 Informação - Prova de Equivalência à Frequência da disciplina de Aplicações Informáticas B 12º Ano de Escolaridade Despacho normativo n.º 6-A/2015 1. Introdução O presente documento visa

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Recursos Humanos

Leia mais

O 1º Ciclo do Ensino Básico é um espaço privilegiado onde se proporcionam aos alunos aprendizagens mais ativas e significativas,

O 1º Ciclo do Ensino Básico é um espaço privilegiado onde se proporcionam aos alunos aprendizagens mais ativas e significativas, O 1º Ciclo do Ensino Básico é um espaço privilegiado onde se proporcionam aos alunos aprendizagens mais ativas e significativas, pois este é um dos meios de socialização e da aquisição das primeiras competências

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Competências Básicas em Informática

Competências Básicas em Informática Competências Básicas em Informática DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 2ª, 3ª e 5ª, das 19h00 às 23h00 ou Sábado, das 9h00 às 13h00 e das 14h00

Leia mais

RH: QUALIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

RH: QUALIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Designação da Ação Paralisia Cerebral (varias abordagens) Definição implementação de PI Qualidade do Serviço e Satisfação do Cliente Suporte Básico de Vida Comunicação e Relacionamento Interpessoal Trabalho

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Maio de 2011 PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Esta Pós-Graduação resulta da parceria entre a APEL

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais