DIALOGANDO SOBRE CÂNCER DE PULMÃO E MEDIDAS DE PREVENÇÃO: SUBSÍDIOS PARA A ENFERMAGEM NA PROMOÇÃO DA SAÚDE¹

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIALOGANDO SOBRE CÂNCER DE PULMÃO E MEDIDAS DE PREVENÇÃO: SUBSÍDIOS PARA A ENFERMAGEM NA PROMOÇÃO DA SAÚDE¹"

Transcrição

1 DIALOGANDO SOBRE CÂNCER DE PULMÃO E MEDIDAS DE PREVENÇÃO: SUBSÍDIOS PARA A ENFERMAGEM NA PROMOÇÃO DA SAÚDE¹ CARMO, Dilce Rejane Peres do², FONSECA, Graziele Gorete Portella da³; NUNES, Simone 4 ; PARCIANELLO, Márcio Kist 5 ; ZAMBERLAN, Cláudia 6. 1 Estudo reflexivo. ² Enfermeira, Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Maria-RS (UFSM), membro do Grupo de Estudo e pesquisa: Gerenciamento Ecossistêmico na Enfermagem/Saúde (GEES). Professora convidada pelo Dep. De Enfermagem-UFSM no Projeto: Centro Regional de Referencia de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas- (CRR). ³ Enfermeira. Especialista em Enfermagem do Trabalho pelo Sistema Educacional Galileu (SEG), e Pós-Graduanda em Gestão de Organização Pública em Saúde Pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil. Membro do Grupo de Estudo e Pesquisa: Gerenciamento Ecossistêmico em Enfermagem/Saúde (GEES) da Universidade Federal do Rio Grande FURG/RS, Brasil. 4 Enfermeira, Mestre em Geomática pela Universidade Federal de Santa Maria. Docente do Curso de Enfermagem do centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil. 5 Enfermeiro. Membro do Grupo de Estudo e Pesquisa: Gerenciamento Ecossistêmico em Enfermagem/Saúde (GEES) da Universidade Federal do Rio Grande FURG/RS, Brasil Enfermeira, Doutoranda em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Docente do curso de Enfermagem da UNIFRA, Enfermeira Assistencial da Unidade de Cardiologia Intensiva do Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM). Membro do Grupo de Estudo e Pesquisa: Gerenciamento Ecossistêmico em Enfermagem/Saúde (GEES) da Universidade Federal do Rio Grande FURG/RS, Brasil. RESUMO Trata-se de um artigo reflexivo sobre a incidência, aspectos epidemiológicos e funcionais do câncer de pulmão e o papel do enfermeiro na prevenção desse agravo, atrelada à promoção de saúde. Dessa forma, é possível contribuir com profissionais de saúde em geral, bem como oferecer subsídios à equipe de enfermagem na abordagem dos indivíduos, otimizando intervenções e ações desses profissionais para o controle do câncer. O câncer representa atualmente a segunda causa de morte no mundo. Assim, é indubitavelmente um problema de saúde pública. O enfermeiro não deve perder a oportunidade de abordar os indivíduos, aproveitando as situações cotidianas da assistência de enfermagem, na perspectiva da promoção da saúde e detecção precoce de agravos, no sentido de orientá-los sobre os fatores de risco e medidas de prevenção relativa ao câncer de pulmão. Assim como, identificar a presença ou não desses fatores e buscar sinais e sintomas que possam indicar alterações relacionadas. Palavras-chave: Neoplasias Pulmonares; Epidemiologia; Prevenção de doenças; Detecção Precoce de Câncer; Enfermagem. 1. INTRODUÇÃO O câncer representa atualmente a segunda causa de morte no mundo. Assim, é indubitavelmente um problema de saúde pública, tanto nos países desenvolvidos, como nos

2 países em desenvolvimento, principalmente porque a prevenção pode reduzir a ocorrência em 30% dos casos (INCA, 2010). A incidência do câncer cresce no Brasil, como em todo o mundo, decorrente de vários fatores, podendo ser genéticos, ambientais e de modos e hábitos de vida, como tabagismo, inatividade física, alimentação inadequada, excesso de peso, consumo excessivo de álcool, exposição a radiações ionizantes e a agentes infecciosos específicos (INCA, 2008). Dessa forma, a efetividade dos programas de prevenção atrelada à promoção de saúde é dependente de diversos fatores, como o conhecimento público do assunto, a disponibilidade de recursos financeiros e tecnológicos, mas o papel do profissional enfermeiro é um dos principais determinantes do sucesso. Segundo Zamboni; Carvalho (2005), o principal agente etiológico do câncer de pulmão é o tabagismo, com um longo período de latência entre o início e o surgimento do câncer, em torno de trinta anos. Outros fatores etiológicos estão relacionados, como certos agentes químicos (como o arsênio, asbesto, berílio, cromo, radônio, níquel, cádmio, encontrados principalmente no ambiente ocupacional), fatores dietéticos (baixo consumo de frutas e verduras), doença pulmonar obstrutiva crônica (enfisema pulmonar e bronquite crônica), fatores genéticos e história familiar de câncer de pulmão. No Brasil, o tabagismo é considerado um problema de saúde pública, pois contribui para o aumento da incidência de câncer de pulmão, e outros tipos de câncer, tais como laringe, esôfago, boca e faringe (BRASIL, 2006). Câncer ou neoplasia maligna ou carcinoma é uma doença caracterizada por uma população de células que crescem e se dividem sem respeitar os limites normais, invadem e destroem tecidos adjacentes, e podem se espalhar para lugares distantes no corpo, através de um processo chamado metástase. Estas propriedades malignas do câncer o diferenciam dos tumores benignos, que são auto-limitados em seu crescimento e não invadem tecidos adjacentes (embora alguns tumores benignos sejam capazes de se tornarem malignos). O câncer pode afetar pessoas de todas as idades, mas o risco para a maioria dos tipos de câncer aumenta com o acréscimo da idade (WHO, 2009). O termo câncer é utilizado genericamente para representar um conjunto de mais de 100 doenças, incluindo tumores malignos de diferentes localizações. Importante causa de doença e morte no Brasil. Esse estudo justifica-se pelo fato de o câncer de pulmão ser a neoplasia mais incidente no mundo desde 1985, contando com 1,61 milhões de novos casos diagnosticados em 2008, o que representa 12,7% do total de casos novos. Em função de sua agressividade, também é a causa de morte por câncer mais comum, com 18,2% de óbitos entre todos os tipos de câncer em O número de casos novos de câncer do pulmão

3 estimado para o Brasil, no ano de 2012, foi entre homens e nas mulheres. Esses valores correspondem a um risco aproximado de 18 casos novos a cada 100 mil homens e 10 a cada 100 mil mulheres (INCA, 2011). Diante do exposto o propósito do presente estudo é apresentar uma reflexão sobre a incidência, aspectos epidemiológicos e funcionais do câncer de pulmão e o papel do enfermeiro na prevenção desse agravo, atrelada à promoção de saúde. Dessa forma, é possível contribuir com profissionais de saúde em geral, bem como oferecer subsídios à equipe de enfermagem na abordagem dos indivíduos, otimizando intervenções e ações desses profissionais para o controle do câncer. 2. METODOLOGIA O estudo trata-se de uma reflexão teórica, por meio de uma analogia com autores que trabalham e discutem o câncer de pulmão, incidência, aspectos epidemiológicos e funcionais e a prevenção desse agravo atrelada a promoção de saúde. Assim, foi possível problematizar como o enfermeiro carece otimizar sua assistência à saúde, num contexto ampliado. Nessa conjuntura salientou-se que, espaços de fomento à promoção da saúde podem ser promovidos em todos os âmbitos de atuação do profissional enfermeiro. O que é pertinente na abordagem aos indivíduos no sentido de orientá-los sobre os fatores de risco e medidas de prevenção relativas ao câncer de pulmão, além de identificar a presença ou não de sinais e sintomas que possam indicar alterações relacionadas à patologia. O estudo foi realizado no período de julho a agosto de A INTERFCE DOS FATORES DE RISCO, ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS E FUNCIONAIS DO CÂNCER DE PULMÃO Os cânceres de pulmão originam-se a partir de uma única célula epitelial, transformada nas vias áreas traqueobrônquicas. Um carcinógeno (fumaça de cigarro, gás radônio, outros agentes ocupacionais e ambientais) liga-se ao DNA de uma célula e a lesiona. Essa lesão resulta em alterações celulares, crescimento celular anormal e, mais adiante, em uma célula maligna. Como o DNA lesionado é transmitido para as células-filhas, o DNA sofre alterações adicionais e fica mais instável. Com o acúmulo de alterações genéticas, o epitélio pulmonar sofre transformação maligna a partir do epitélio normal para o carcinoma invasivo, mais adiante (SMELTZER et al., 2005). A classificação histológica do câncer de pulmão mais aceita pela literatura mundial é a da Organização Mundial de Saúde (OMS). Os quatro tipos histológicos principais que

4 abrangem 95% dos casos são: carcinoma espinocelular, adenocarcinoma, carcinoma indiferenciado de pequenas células e carcinoma indiferenciado de grandes células. O diagnóstico diferencial mais importante é distinguir o carcinoma indiferenciado de pequenas células dos outros três tipos, que são conhecidos como carcinoma de não pequenas células, pois diferem quanto, ao tipo de tratamento, de forma radical. Patologistas experientes podem fazer a distinção em 85 a 90% das vezes. Os tipos mais comuns de neoplasia de pulmão são o carcinoma espinocelular e o adenocarcinoma, representando 30 e 40%, respectivamente, o carcinoma indiferenciado de pequenas células varia de 15 a 20%, e o carcinoma indiferenciado de grandes células, aproximadamente 10%. Outros tipos histológicos incluem tumores mistos, tumores carcinóides, mesoteliomas e sarcomas (UEHARA; JAMNIK; SANTORO, 2000). Vários fatores foram associados ao desenvolvimento do câncer de pulmão, entre eles o tabagismo, tabagismo passivo, exposição ambiental e ocupacional, sexo, genética, déficits nutricionais. Outros fatores que foram associados ao câncer de pulmão incluem a predisposição genética e outras doenças respiratórias subjacentes, como a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e a tuberculose. O risco de câncer de pulmão na população de fumantes é dezessete (17) vezes maiores nos homens e onze (11) vezes maiores nas mulheres, quando comparados com não fumantes. O método eficaz para redução da incidência da neoplasia de pulmão é estimular as pessoas não fumantes a continuarem não fumando e aos fumantes a pararem de fumar. O risco de câncer de pulmão diminui em ex-fumantes, sendo que, cinco anos após cessar o tabagismo, o risco cai pela metade, e, após dez (10) anos, cai a 1,4. Sabe-se que, mesmo quinze (15) anos após parar de fumar, o ex-fumante ainda tem um risco para câncer de pulmão de 1,4 e 4 vezes maior que o não fumante (RACHEL, 2010). O risco de não fumantes, expostos a fumaça de cigarro, para câncer de pulmão é de 1,2 a 1,5 maior que o do não fumante não exposto ao fumo dos seus pais ou cônjuges. A exposição de não fumantes à fumaça do tabaco, em ambiente de trabalho, é difícil de ser determinada (SMELTZER et al., 2005; UEHARA; JAMNIK; SANTORO, 2000; INCA, 2009). Diversos carcinógenos foram identificados na atmosfera, inclusive as emissões por veículos motorizados e poluentes originários de refinarias e indústrias. A evidência sugere que a incidência de câncer de pulmão é maior em áreas urbanas em consequência do acúmulo de poluentes (SMELTZER et al., 2005). Trabalhadores expostos ao asbesto têm risco quadruplicado para câncer de pulmão e mesotelioma, que é ainda maior, quando associado ao hábito tabágico. Outras substâncias químicas industriais, associadas ao câncer de pulmão, são: arsênico, berílio, cádmio, clorometila-éter, hidrocarbonetos, gás mostarda e níquel (INCA, 2009).

5 O risco pessoal para câncer de pulmão é aumentado mais que cinco (5) vezes, se pelo menos um dos pais morreu de câncer de pulmão. Tal susceptibilidade pode ser dependente da interação gene-enzima competitiva, que afeta a ativação de pró-oncogenes e níveis de formação de apresentação do DNA. Observa-se polimorfismo do DNA no citocromo P450A1, relacionado ao carcinoma espinocelular, e pessoas com esta susceptibilidade genotípica tiveram risco relativo de 7,3, após ajuste para sua história tabágica. Algumas pesquisas demonstram que os fumantes que ingerem uma dieta pobre em frutas e vegetais tem risco aumentado para desenvolver o câncer de pulmão. Ainda não foram determinados os agentes ativos reais em uma dieta rica em frutas e vegetais. Considera-se a hipótese de que os carotenoides, principalmente, o caroteno e a vitamina A, podem ser importantes (SMELTZER et al., 2005; INCA, 2009; ZAMBONI; CARVALHO, 2005). Como mais de 85% dos pacientes com câncer de pulmão morrem nos primeiros cinco anos pós-diagnóstico, a importância do diagnóstico precoce, em estádio inicial, onde a sobrevivência é de 60 a 90% com o tratamento cirúrgico, deve ser realçada. A presença de sintomas é sinal de mau prognóstico. Observa-se 25% de sobrevida em cinco (5) anos para pacientes com neoplasia de pulmão, sintomáticos, enquanto que foi de 56% para os assintomáticos. Em teoria, um indivíduo com câncer de pulmão começa com uma única célula maligna e a divisão celular se segue em uma razão constante de duplicação. Assim, um (1) centímetro do tumor representa trinta (30) duplicações e um (1) bilhão de células. A identificação, neste volume celular, é difícil, porque Rx de tórax, raramente, detecta tumores com menos de um (1) centímetro. Portanto, no estágio inicial da doença, raramente o indivíduo apresentará sintomas (SMELTZER et al., 2005; INCA, 2009). A presença de sintomas na época do diagnóstico varia de 40% a 98%, podendo ser causados por extensão local, metástases e efeitos paraneoplásicos ou sistêmicos (INCA, 2009). Os sintomas mais comuns são: tosse, hemoptise, dor torácica, sibilos e dispneia. Neste estudo (INCA, 2009) 54% dos pacientes referiram a tosse como sendo a manifestação inicial. A incidência de hemoptise está entre 27 a 57%. A hemoptise maciça é pouco frequente, mas foi observada que em alguns casos 20% tem carcinoma broncogênico e destes 50% morrem, estes óbitos foram atribuídos à asfixia. A dor torácica está presente em 27% a 49% dos casos de neoplasias de pulmão. O tipo de dor é frequente do lado do tumor, observa-se neste caso a persistência da dor devido à extensão para mediastino, pleura ou parede torácica. Sibilos localizados sugerem obstrução do brônquio, enquanto que grande obstrução da via aérea produz estridor. A dispneia precoce ou desconforto respiratório, neste caso são acometidos 60% dos pacientes no momento do diagnóstico. As

6 causas da dispneia estão relacionadas com obstrução da grande via aérea como doença pulmonar obstrutiva crônica e insuficiência cardíaca. 4. O PAPEL DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO DO CÃNCER DE PULMÃO A prevenção do câncer de pulmão deve ser prioritária pelo combate ao tabagismo e adoção de dieta rica em vegetais verdes e frutas, bem como redução do consumo de álcool e a prática de atividades físicas regulares (BARROS, 2006). Para prevenir o câncer a população deve ser informada pelos profissionais de saúde sobre os comportamentos de risco, os sinais de alerta e a frequência de prevenção. Mas, além disto, é importante a capacitação dos recursos humanos que atuam nesta área, buscando uma reorientação para a cultura do câncer e consequentemente mudanças na práxis destes profissionais (INCA, 2011). Nesse sentido, entende-se que o alcance da equidade depende não apenas do conhecimento da população sobre o tema, ou do papel do enfermeiro como elemento mediador da prevenção do câncer, mas, sobretudo de uma gestão empenhada em dispor dos recursos humanos, financeiros e tecnológicos, além da responsabilização dos gestores pelos resultados. Torna-se imprescindível, em relação ao câncer de pulmão, que o enfermeiro informe corretamente a medida preventiva comprovadamente eficaz, que é a cessação do tabagismo. Meredith et al. (2005) realizaram estudo que avaliou a atitude dos tabagistas frente à cessação do tabagismo no cenário de atenção primária. Os autores constataram que a taxa de sucesso na cessação do hábito é diretamente proporcional à consistência e à frequência em que os profissionais de saúde recomendam a cessação. O aconselhamento verbal sem a utilização de medicamentos é a maneira mais utilizada de incentivo à cessação do tabagismo. Entretanto, as evidências apontam para maior eficácia com o uso concomitante de medicação no abandono do tabagismo. Assim, torna-se cada vez mais evidente que os patamares já alcançados e os desafios ainda a serem enfrentados dependem do envolvimento de todos os atores sociais, governamentais e não-governamentais, pois o tabagismo é uma doença cujo controle não depende da existência de vacinas, antibióticos ou quimioterápicos, e sim da vontade e envolvimento de toda a sociedade. O profissional de saúde precisa ter em mente que a prevenção refere-se a toda e qualquer ação voltada para a redução da exposição da população a fatores de risco da doença, tendo como objetivo reduzir a sua ocorrência, por meio da promoção da saúde e proteção específica.

7 No entanto, a prevenção consiste nas ações de promoção da saúde e nas ações de proteção específicas contra fatores de risco para o câncer, sendo que a promoção da saúde se relaciona às medidas inespecíficas da prevenção como: luta contra o tabagismo, orientações sobre uma dieta saudável e proteção solar, enquanto que proteção específica refere-se às ações mais diretas, como a vacinação, e exames (MISER, 2007). Logo, o Instituto Nacional do Câncer (2010) considera a prevenção como a melhor alternativa quando comparada ao diagnóstico ou mesmo ao tratamento do câncer. Visto que apesar de os profissionais serem incapazes de mudar a predisposição genética, pode-se ter a possibilidade de intervenção para prevenir exposições e os fatores causais do câncer. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Enfim, frente ao estudo apresentado acredita-se que o enfermeiro não deve perder a oportunidade de abordar os indivíduos, aproveitando as situações cotidianas da assistência de enfermagem, na perspectiva da promoção da saúde e detecção precoce de agravos, no sentido de orientá-los sobre os fatores de risco e medidas de prevenção relativas ao câncer de pulmão. Assim como, identificar a presença ou não desses fatores e buscar sinais e sintomas que possam indicar alterações relacionadas. Considera-se que para haver uma redução do número de casos novos e dos óbitos causados pelo câncer de pulmão, será necessário o desenvolvimento de programas eficazes, para o controle do tabagismo e campanhas de incentivo para que a população tenha uma alimentação saudável, e dessa forma, é possível ter um controle dos fatores de risco que levam a progressão acelerada da incidência do câncer e sua mortalidade. Diante do exposto, sugere-se que os profissionais de saúde, nos diferentes ambientes de cuidado incentivem a população a aderir, cada vez mais, hábitos saudáveis, bem como à adesão de programas de promoção da saúde e prevenção do câncer. REFERÊNCIAS BARROS, A. J. et al. Diagnóstico precoce do câncer de pulmão: o grande desafio. Variáveis epidemiológicas e clínicas, estadiamento e tratamento. J. Bras. Pneumologia. São Paulo, v. 32, n. 3, Maio/Jun, Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Ações de enfermagem para o controle do câncer: uma proposta de integração ensino-serviço. 3ª ed. Rio de Janeiro: INCA, Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2010: incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer. Rio de Janeiro: INCA, 2009.

8 BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigitel Brasil Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília, Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, MEREDITH, L. S. et al. Primary care provider attitudes are associated with smoking cessation counseling and referral. Med. Care. V. 43, n. 9, September, BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2010: Incidência de Câncer no Brasil: Introdução. Rio de Janeiro: INCA, MISER, W. F. Cancer screening in the primary care setting: the role of the primary care physician in screening for breast, cervical, colorectal, lung, ovarian, and prostate cancers. Prim Care. V. 34, n. 1, Março, UEHARA, C.; JAMNIK, S.; SANTORO, I. Câncer de pulmão. Medicina. Ribeirão Preto, v. 31, n. 1, RACHEL, M.; M.; RAMOS, S. G. Carcinoma epidermoide: variante pequenas células VS. carcinoma de pequenas células do pulmão: Diagnóstico diferencial em material de biópsia. J. Bras. Patol.Med. Lab. Rio de Janeiro, v.46, n. 2, Abril, SMELTZER, S. et al. Tratado de enfermagem medico-cirúrgica. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, TONANI, M.; CARVALHO, E. C. Cancer Risk and preventive behavior: persuasion as an intervention strategy. Rev. Lat. Am. Enfermagem. São Paulo, v.16, n. 5, Set./Out, World Health Organiztion. World Cancer Report, Lyon: International Agency for Research on Câncer, ZAMBONI, M.; CARVALHO, W. Câncer de pulmão. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2005.

Qual é a função dos pulmões?

Qual é a função dos pulmões? Câncer de Pulmão Qual é a função dos pulmões? Os pulmões são constituídos por cinco lobos, três no pulmão direito e dois no esquerdo. Quando a pessoa inala o ar, os pulmões absorvem o oxigênio, que é levado

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva A situação do câncer no Brasil Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva O Brasil no Cenário do Câncer no Mundo Principais fatores determinantes Situação do Câncer no Brasil 1 Urbanização

Leia mais

4. Câncer no Estado do Paraná

4. Câncer no Estado do Paraná 4. Câncer no Estado do Paraná Situação Epidemiológica do Câncer Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Estado do Paraná Uma das principais causas de morte nos dias atuais, o câncer é um nome genérico

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça. Coordenação de Prevenção e Vigilância

20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça. Coordenação de Prevenção e Vigilância Seminário de 20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça Coordenação de Prevenção e Vigilância Magnitude do problema Câncer é a segunda causa de morte no Brasil. Mortalidade por câncer vem aumentando,

Leia mais

E A SAÚDE DO HOMEM, COMO VAI?

E A SAÚDE DO HOMEM, COMO VAI? 146 E A SAÚDE DO HOMEM, COMO VAI? Camila S. T. da Cunha 1 Pedro H. de C. Schluga 1 Priscila Granemann 1 Thayzi A. C. de Souza 1 Ursula Virginia Coelho 2 Leide da Conceição Sanches 3 RESUMO Os altos índices

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Segundo recente relatório da Agência Internacional para Pesquisa em Câncer (IARC) /OMS (World Cancer Report 2008), o impacto global do câncer mais que dobrou em 30 anos. Estimou-se que, no ano de 2008,

Leia mais

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3.

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. CONHECIMENTO ESPECÍFICO SOBRE O CÂNCER NÃO AUMENTA CONSCIENTIZAÇÃO. Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisadora Orientadora

Leia mais

Você conhece esta doença?

Você conhece esta doença? Você conhece esta doença? Mesotelioma Definição: O Mesotelioma é uma neoplasia do mesotélio, tecido de origem mesodérmica. Ele cresce preferencialmente sobre as superfícies serosas e atinge mais frequentemente

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO (Carcinoma de Pulmão)

CÂNCER DE PULMÃO (Carcinoma de Pulmão) 11 CÂNCER DE PULMÃO (Carcinoma de Pulmão) INTRODUÇÃO O pulmão é local freqüente de infecções, metástases e tumores benignos e malignos. Aproximadamente 90 a 95% dos tumores pulmonares são carcinomas broncogênicos,

Leia mais

Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo?

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? BIOLOGIA Cláudio Góes Fundamentos de oncologia 1. Introdução Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? Nesta unidade, você verá que o termo câncer refere-se a uma variedade de

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A IMUNOEXPRESSÃO DO PCNA, KI-67 E CICLINA B1 SPÍNDULA FILHO, José Vieira de ;

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE AG. CARCINOGÊNICOS (International Agency Research Cancer)

CLASSIFICAÇÃO DE AG. CARCINOGÊNICOS (International Agency Research Cancer) CÂNCER OCUPACIONAL Localização Os tumores associados ao trabalho freqüentemente são observados nos órgãos em contato direto (portas de entrada e/ou eliminação)de diversos agentes carcinogênicos, por sua

Leia mais

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia História

Leia mais

Fonoaudiologia Oncológica Introdução

Fonoaudiologia Oncológica Introdução Fonoaudiologia Oncológica Introdução M.Sc. Profª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar da UVA Chefe da Equipe

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1 AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1 MOURA, Deise Silva de 2 ; BLASI, Tereza Cristina²; BRASIL, Carla Cristina Bauermann 3 ; COSTA

Leia mais

Saúde Bucal no Programa de Saúde da Família De Nova Olímpia - MT. Importância da Campanha de. Nova Olímpia MT.

Saúde Bucal no Programa de Saúde da Família De Nova Olímpia - MT. Importância da Campanha de. Nova Olímpia MT. Saúde Bucal no Programa de Saúde da Família De Nova Olímpia - MT Importância da Campanha de câncer bucal no Município de Nova Olímpia MT. Autores: - CD Fabrício Galli e - CD Michelle Feitosa Costa. Com

Leia mais

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial.

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial. Tipos de Câncer Saber identifi car sinais é essencial. O QUE É CÂNCER É uma doença cuja característica principal é o crescimento acelerado e desordenado das células, as quais têm grande potencial para

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

O câncer: algumas informações, crenças e atitudes

O câncer: algumas informações, crenças e atitudes O câncer: algumas informações, crenças e atitudes Áderson L. Costa Junior 1 Universidade de Brasília & Sílvia Maria G. Coutinho 2 Hospital de Apoio de Brasília O que é câncer O câncer, termo derivado do

Leia mais

Situação Epidemiológica

Situação Epidemiológica 9. Tabagismo Situação Epidemiológica Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Estado do Paraná O tabagismo é a segunda maior causa de morte no planeta, responsável por 8,8% do total de óbitos. São cerca

Leia mais

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos CARTA DE PRAGA Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos A Associação Europeia de Cuidados Paliativos (EAPC), a Associação Internacional

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA. Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão

Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA. Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão 1 Alguns factos históricos da epidemia tabágica Consumo de cigarros raro em 1900 (EUA: 54 cig/pessoa/ano)

Leia mais

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata.

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR Novembro Azul Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. NOVEMBRO AZUL Mês de Conscientização,

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

A EQUIPE DE ENFERMAGEM VISLUMBRANDO QUALIDADE DE VIDA AOS PORTADORES DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA¹

A EQUIPE DE ENFERMAGEM VISLUMBRANDO QUALIDADE DE VIDA AOS PORTADORES DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA¹ A EQUIPE DE ENFERMAGEM VISLUMBRANDO QUALIDADE DE VIDA AOS PORTADORES DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA¹ FONSECA, Graziele Gorete Portella da²; ZAMBERLAN, Cláudia³; PARCIANELLO, Márcio Kist 4 ; CARMO, Dilce

Leia mais

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015 UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES ONCOGÊNESE O QUE É O CÂNCER Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células

Leia mais

Vamos falar sobre câncer?

Vamos falar sobre câncer? Vamos falar sobre câncer? O SIEMACO sempre está ao lado dos trabalhadores, seja na luta por melhores condições de trabalho, lazer e educação ou na manutenção da saúde, visando a promoção e ascensão social.

Leia mais

Histórico. O Outubro Rosaéum movimento popular dedicado a alertar as mulheres para a importância da prevenção e da detecção precoce do câncer de mama.

Histórico. O Outubro Rosaéum movimento popular dedicado a alertar as mulheres para a importância da prevenção e da detecção precoce do câncer de mama. Histórico O Outubro Rosaéum movimento popular dedicado a alertar as mulheres para a importância da prevenção e da detecção precoce do câncer de mama. Iniciado na década de 90 nos EUA, a campanha derrubou

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

ESTUDO DE PREVALÊNCIA DE TABAGISMO EM PACIENTES COM CÂNCER DE PULMÃO PREVALENCE OF SMOKING STUDY IN PATIENTS WITH LUNG CANCER

ESTUDO DE PREVALÊNCIA DE TABAGISMO EM PACIENTES COM CÂNCER DE PULMÃO PREVALENCE OF SMOKING STUDY IN PATIENTS WITH LUNG CANCER Iniciação Científica CESUMAR Jan./Jun. 2007, v. 09, n.01, p. 39-44 MANTOVANI, J. et al 39 ESTUDO DE PREVALÊNCIA DE TABAGISMO EM PACIENTES COM CÂNCER DE PULMÃO Fabiana Magalhães Navarro* Carla Adriane Pires

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca:

atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca: atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca: Nós temos atitude, e você? O Câncer do Intestino pode ser prevenido com um teste simples e indolor que pode ser realizado em sua casa. O teste é GRATUITO oferecido

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, relativos ao risco cirúrgico. Julgue os itens subsequentes, acerca do quilotórax. UnB/CESPE INCA 41 Os elementos para avaliação do risco cirúrgico são

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal.

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 31 Rio Pesquisa - nº 18 - Ano V SAÚDE Conhecer o passado para cuidar do

Leia mais

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação?

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e Hospital Dom Vicente Scherer Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

NOVEMBRO. NAO SE ESCONDA ATRaS DOS SEUS PRECONCEITOS CUIDAR DA SAUDE TAMBEM e COISA DE HOMEM

NOVEMBRO. NAO SE ESCONDA ATRaS DOS SEUS PRECONCEITOS CUIDAR DA SAUDE TAMBEM e COISA DE HOMEM NOVEMBRO AZUL NAO SE ESCONDA ATRaS DOS SEUS PRECONCEITOS CUIDAR DA SAUDE TAMBEM e COISA DE HOMEM O movimento internacional, conhecido como Novembro Azul, é comemorado em todo o mundo, quando teve início

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC. Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357

Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC. Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Pneumologista A doença pulmonar

Leia mais

O fígado e a deficiência de alfa-1. antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION

O fígado e a deficiência de alfa-1. antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION O fígado e a deficiência de alfa-1 antitripsina (Alfa-1) 1 ALPHA-1 FOUNDATION O que é deficiência de alfa-1 antitripsina? Alfa-1 é uma condição que pode resultar em graves doenças pulmonares em adultos

Leia mais

Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva).

Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva). 1 Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva). 2 O câncer surge de uma única célula que sofreu mutação, multiplicou-se por mitoses e suas descendentes

Leia mais

OUTUBRO ROSA UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA SOFIS TECNOLOGIA

OUTUBRO ROSA UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA SOFIS TECNOLOGIA C A R T I L H A OUTUBRO ROSA UMA CAMPANHA DE CONSCIENTIZAÇÃO DA SOFIS TECNOLOGIA OOUTUBRO ROSA é um movimento mundial pela prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama. Com suas ações especialmente

Leia mais

IV ENCONTRO BRASILEIRO DE PORTADORES DE CÂNCER VIII ENCONTRO CATARINENSE DA MULHER MASTECTOMIZADA

IV ENCONTRO BRASILEIRO DE PORTADORES DE CÂNCER VIII ENCONTRO CATARINENSE DA MULHER MASTECTOMIZADA IV ENCONTRO BRASILEIRO DE PORTADORES DE CÂNCER VIII ENCONTRO CATARINENSE DA MULHER MASTECTOMIZADA Luiz Alberto Silveira Oncologia Clínica www.oncologiaclinicafpolis.com.br Fonte de informações técnicas

Leia mais

TUMORES DA FARINGE SERVIÇO DE CABEÇA E PESCOÇO HUWC

TUMORES DA FARINGE SERVIÇO DE CABEÇA E PESCOÇO HUWC TUMORES DA FARINGE SERVIÇO DE CABEÇA E PESCOÇO HUWC Mário Sérgio Rocha Macêdo TUMORES DA FARINGE Embriologia e Anatomia Embrião 4 semanas Faringe Embrionária TUMORES DA FARINGE Embriologia e Anatomia TUMORES

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

E R R E C B N Â C SOR FALAS O VAM

E R R E C B N Â C SOR FALAS O VAM VAMOS FALAR SOBRE CÂNCER Câncer O que é? O câncer tem como principal característica o crescimento desordenado das células do corpo. O que diferencia os tipos de câncer, entre maligno e benigno, é a velocidade

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 7 nº 1 Março 2006 MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Com o aumento da expectativa de vida,

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital S ão São José São Paulo

Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital S ão São José São Paulo Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital São José São SoPaulo uo Caso 1 Paciente com 70 anos, fumante crônico 20 cig/d/42 anos,,p parou há 11 anos, tosse há 3 meses Rx de tórax: massa em LIE

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON

PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON PATOLOGIAS DO TÓRAX - PNEUMONIA - CÂNCER DE PULMÃO - TUBERCULOSE - BRONQUIECTASIA - ABESTOSE PROFESSORA KAROLINE RIZZON SISTEMA RESPIRATÓRIO A respiração é a troca de substâncias gasosas entre o ar que

Leia mais

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Caso 1 Paciente fumante crônico, 61 anos, bom estado geral. Diagnosticado tumor de LSD de 3,7 cm,

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho

CÂNCER DE BOCA. Disciplina: Proteção Radiológica. Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho CÂNCER DE BOCA Disciplina: Proteção Radiológica Docente: Karla Alves Discentes: André Luiz Silva de Jesus Paloma Oliveira Carvalho OBJETIVOS Descrever o processo carcinogênico geral e específico para o

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E PREVALÊNCIA DO CÂNCER DE PÊNIS.

CARACTERÍSTICAS E PREVALÊNCIA DO CÂNCER DE PÊNIS. CARACTERÍSTICAS E PREVALÊNCIA DO CÂNCER DE PÊNIS. Kamylla Sejane Pouso Freitas; Ângela karina da Costa Silva; Arinah Lopes; Núbia Aguiar Marinho; Mônica de Oliveira Santos (mosbio@hotmail.com) FACULDADE

Leia mais

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER Próstata Sobre o Câncer Sintomas Diagnóstico e exame Tratamento Recomendações O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho

Leia mais

O desafio em ajudar o paciente a parar de fumar TABAGISMO 03/07/2012. Prevalência de Tabagismo no Brasil

O desafio em ajudar o paciente a parar de fumar TABAGISMO 03/07/2012. Prevalência de Tabagismo no Brasil O desafio em ajudar o paciente a parar de fumar Fernanda Miranda de Oliveira Pneumologista TABAGISMO O tabagismo é uma doença crônica, gerada pela dependência física e psicológica da nicotina. Todos os

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

FEIRA DA SAÚDE: A PREVENÇÃO NA POLÍCIA MILITAR DE CASCAVEL

FEIRA DA SAÚDE: A PREVENÇÃO NA POLÍCIA MILITAR DE CASCAVEL FEIRA DA SAÚDE: A PREVENÇÃO NA POLÍCIA MILITAR DE CASCAVEL Área Temática: Saúde Palavras-chave: prevenção, saúde, polícia militar Adriane de Castro Martinez Martins 1 (Coordenador ) Keila OkudaTavares

Leia mais

O EMPODERAMENTO DO USUÁRIO SUBMETIDO À LARINGECTOMIA TOTAL 1. RESUMO

O EMPODERAMENTO DO USUÁRIO SUBMETIDO À LARINGECTOMIA TOTAL 1. RESUMO O EMPODERAMENTO DO USUÁRIO SUBMETIDO À LARINGECTOMIA TOTAL 1. FARÃO, Elaine Miguel Delvivo 2 ; SOARES, Rhéa Silvia de Ávila 3 ; SAUL, Alexandra Micheline Real 4 ; WEILLER, Terezinha Heck 5 ; ENGEL, Rosana

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEMCAMT01-P CONHECIMENTO E PRÁTICA DOS DISCENTES DO QUARTO PERÍODO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SOBRE O AUTO-EXAME DAS MAMAS Ericka Vilar Brandão (1) ; Cleide Rejane Damaso de Araújo (3) Centro de Ciências

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS DOENÇAS DA PRÓSTATA Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho de uma noz, e se localiza abaixo da bexiga, envolvendo a uretra masculina.

Leia mais