PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES"

Transcrição

1 DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE MUNIZ FREIRE ES); E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso das atribuições que lhe são conferidas em lei, e tendo em vista o disposto nos arts. 80, inciso I e 82 aos 100 da Lei Municipal nº 1.132, de 02 de julho de 1990 (Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Muniz Freire ES), D E C R E T A Art. 1º- A concessão de licenças para tratamento de saúde aos servidores públicos municipais de Muniz Freire ES, constantes do inciso I do art. 80 da Lei Municipal nº 1.132, de 02 de julho de 1990 (Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Muniz Freire ES), obedecerá ao estabelecido neste Decreto. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 2º- Para os efeitos deste Decreto, nos termos da Lei Municipal nº 1.132, de 02 de julho de 1990 (Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Muniz Freire ES), considera-se:

2 I- Servidor Público: a pessoa legalmente investida em cargo público, podendo ser efetivo ou comissionado; II- Junta Médica Oficial: equipe de três médicos ou de três cirurgiões dentistas, permanente ou designada para o caso específico por ato do Chefe do Executivo Municipal; III- Perito Oficial Singular: profissional médico ou cirurgião dentista, permanentes ou designado para o caso por ato do Chefe do Executivo Municipal; IV- Serviço Municipal de Saúde e Segurança do Trabalho: serviço instituído através do Decreto nº 4.638/2009 com o objetivo de desenvolvimento de ações de promoção, prevenção e assistência à saúde dos servidores públicos municipais; V- INSS: Instituto Nacional de Previdência Social. CAPÍTULO II DAS LICENÇAS Art. 3º - As licenças para tratamento de saúde serão concedidas ao servidor público, a pedido ou ex-ofício, podendo ser: I- Licenças de até 03 (três) dias; II- Licenças de 04(quatro) a 30(trinta) dias; e, III- Licenças acima de 30 (trinta) dias. Seção I Das Licenças de até 03 (três) dias Art. 4º - Serão concedidas licenças de até 03 (três) dias ao servidor público, devendo, para tanto, apresentar original do atestado médico ou odontológico. 1º O atestado deverá ser apresentado ao superior imediato no prazo máximo de 01 (um) dia, contado da data do início do afastamento do servidor. 2º No atestado a que se refere o caput deste artigo, deverão constar a identificação do servidor, carimbo do profissional emitente com registro no respectivo conselho de classe, informações relativas ao quadro patológico em

3 curso, com o código da Classificação Internacional de Doenças (CID) ou diagnóstico, o tempo provável de afastamento e a assinatura do profissional emitente. 3º Caberá à Área de Recursos Humanos a verificação dos atestados quanto às exigências contidas no 2º deste artigo. 4º Ao servidor é assegurado o direito de não autorizar a especificação do diagnóstico ou CID em seu atestado, hipótese em que deverá submeter-se à perícia oficial singular, ainda que a licença não exceda o prazo de 03 (três) dias. 5º Aplica- se o disposto no parágrafo anterior aos casos em que os atestados expedidos não apresentarem a indicação do CID ou diagnóstico. Art. 5º- Será dispensada a perícia oficial singular para a concessão de licenças, desde que: I - não ultrapassem o período de 03 (tres) dias corridos; e II - somadas a outras licenças para tratamento de saúde, gozadas nos doze meses anteriores, sejam inferiores 15 (quinze dias). Parágrafo único - A dispensa da perícia oficial singular fica condicionada à apresentação de atestados médico ou odontológico que atendam aos requisitos contidos no 2º do artigo anterior, que serão recepcionados e incluidos no Cadastro Funcional do Servidor Atestados e Licenças; Art. 6º- A não apresentação do atestado no prazo estabelecido no 1º do art. 4º, salvo por motivo justificado, caracterizará falta ao serviço, nos termos do art. 115, inciso I, da Lei nº 1.132, de 02 de julho de 1990 (Estatutos dos Servidores do Município de Muniz Freire ES). Art. 7º- A Área de Recursos Humanos deverá encaminhar o original dos atestados ao Serviço Municipal de Saúde e Segurança do Trabalho para registro dos dados indispensáveis no prontuário do servidor, observadas as normas vigentes de preservação do sigilo e da segurança das informações. Parágrafo Único - A Área de Recursos Humanos deverá lançar os atestados nos registros do servidor, devendo arquivar cópia na sua respectiva ficha funcional.

4 Art. 8º - Ainda que configurados os requisitos para a dispensa da perícia oficial singular, previstos nos incisos I e II do art. 5º, o servidor poderá ser submetido a avaliação pericial a qualquer momento, mediante recomendação do Perito Oficial Singular, a pedido da chefia do servidor ou da Área de Recursos Humanos. Seção II Das Licenças de 04 (quatro) a 30 (trinta) dias Art. 9º - Serão concedidas licenças de 04 (quatro) a 30 (trinta) dias ao servidor público, mediante perícia oficial singular, no caso de não excederem o prazo de 30 (trinta) dias no período de 12 (doze) meses, a contar do primeiro dia de afastamento. 1º As licenças constantes do caput deste artigo deverão ser requeridas pelo servidor no prazo máximo de 03 (três) dias, contados da data de início do seu afastamento, através de procedimento administrativo protocolado na Prefeitura Municipal, conforme modelo constante do Anexo I. 2º Ao requerimento deverá ser anexado o original do atestado médico ou odontológico, bem como todos os laudos, exames, receituários médicos e outros documentos e informações, caso existam. 3º- No atestado a que se refere o 2º deste artigo, deverão constar a identificação do servidor, carimbo do profissional emitente com registro no respectivo conselho de classe, informações relativas ao quadro patológico em curso, com o código da Classificação Internacional de Doenças (CID) ou diagnóstico, o tempo provável de afastamento e a assinatura do profissional emitente. 4º - Ao servidor é assegurado o direito de não autorizar a especificação do diagnóstico ou CID em seu atestado, hipótese em que deverá submeter-se à perícia oficial singular. 5º O requerimento, após protocolado, deverá ser encaminhado à Área de Recursos Humanos, que subsidiará o processo com informações funcionais, inclusive Ficha Funcional e Relatório Geral de Licenças para Tratamento de Saúde do servidor 6º Caberá à Área de Recursos Humanos a verificação dos atestados médicos quanto às exigências contidas no 3º deste artigo. 7º - Atendidas as exigências contidas nos parágrafos anteriores deste artigo, deverá ser agendada perícia oficial singular junto ao Serviço Municipal de

5 Saúde e Segurança do Trabalho, sendo o servidor devidamente e oficialmente comunicado quanto ao dia e horário do agendamento. 8º - O não comparecimento do servidor à perícia oficial singular agendada, configurará descumprimento do dever funcional de observar as normas legais e regulamentares vigentes. 9º- Após perícia oficial singular, o processo deverá retornar à Área de Recursos Humanos para oficialização e concessão da licença para tratamento de saúde O processo deverá ser encaminhado ao Secretário Municipal de Administração ou ao Prefeito Municipal, conforme o caso, para autorização da licença e emissão da Portaria respectiva. Art. 10- Quando as licenças, a que se referem o caput do art. 9º, ultrapassarem 15 (quinze) dias, a Área de Recursos Humanos deverá agendar perícia no Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), no 16º (décimo sexto) dia das referidas licenças. 1º- Nos primeiros 15 (quinze) dias consecutivos de afastamento da atividade por motivo de doença ou acidente, incumbe ao Município o pagamento da remuneração do servidor. 2º- O servidor deverá ser comunicado oficialmente do agendamento da Perícia Médica junto ao INSS. 3º- Deverá ser disponibilizado ao servidor o original do Atestado Médico, bem como o laudo da perícia médica realizada pelo Perito Oficial Singular, permanecendo cópia dos mesmos no procedimento administrativo. 4º- Caso a licença concedida seja de prazo superior a 15 (quinze) dias e o Benefício Previdenciário seja indeferido mediante Perícia Médica do INSS, o servidor deverá recorrer, imediatamente, após Comunicação de Decisão pelo INSS. 5º- No caso previsto no parágrafo anterior deste artigo, o servidor deverá comunicar-se com a Área de Recursos Humanos no primeiro dia útil após ter recebido a comunicação de indeferimento, feita pelo INSS, apresentando cópia da Comunicação de Decisão do INSS, que será juntada ao procedimento administrativo. 6º- A Área de Recursos Humanos, após ter sido notificada pelo servidor, agendará, imediatamente, Pedido de Reconsideração de Decisão junto ao INSS, devendo, ato contínuo, o servidor ser comunicado do agendamento.

6 7º- Caso o Pedido de Reconsideração de Decisão apresentado pelo servidor seja indeferido, através de perícia médica realizada pelo INSS, deverá ser apresentado, no prazo concedido pelo INSS, Recurso à Junta de Recursos da Previdência Social. 8º- No caso previsto no parágrafo anterior, o servidor deverá comunicarse com a Área de Recursos Humanos no primeiro dia útil após ter recebido a comunicação de indeferimento, feita pelo INSS, apresentando a Comunicação de Decisão do INSS, cuja cópia será juntada ao procedimento administrativo. 9º- A Área de Recursos Humanos, após ter sido notificada pelo servidor do indeferimento do Pedido de Reconsideração de Decisão, agendará, imediatamente, perícia oficial junto ao Serviço Municipal de Saúde e Segurança do Trabalho para avaliação do caso, devendo, ato contínuo, o servidor ser comunicado do agendamento. 10- A perícia oficial será realizada por Perito Oficial Singular caso não sejam ultrapassados os 30 (trinta) dias de licença ou, através de avaliação pela Junta Médica Oficial, em casos de licenças acima de 30 (trinta) dias. 11- Após a perícia oficial junto ao Serviço Municipal de Saúde e Segurança do Trabalho, restando concluída em laudo expedido pelo Perito ou Junta Médica Oficial a necessidade do servidor permanecer afastado de suas atividades laborais, deverá ser apresentado Recurso à Junta de Recursos da Previdência Social; 12- A apresentação de Recurso à Junta de Recursos da Previdência Social a que se refere o parágrafo anterior deverá ser efetuada pela Área de Recursos Humanos, subsidiada pelo laudo expedido pelo Perito ou Junta Médica Oficial. Seção II Das Licenças acima de 30 (trinta) dias Art. 11- Serão concedidas licenças acima de 30 (trinta) dias ao servidor público, mediante perícia oficial realizada através de avaliação pela Junta Médica Oficial, em casos de excederem o prazo de 30 (trinta) dias. 1º As licenças constantes do caput deste artigo deverão ser requeridas pelo servidor no prazo máximo de 05 (cinco) dias, contados da data de início do seu afastamento, através de procedimento administrativo protocolado na Prefeitura Municipal.

7 2º Ao requerimento deverá ser anexado o original do atestado médico ou odontológico, bem como todos os laudos, exames, receituários médicos e outros documentos e informações, caso existam. 3º- No atestado a que se refere o 2º deste artigo, deverão constar a identificação do servidor, carimbo do profissional emitente com registro no respectivo conselho de classe, informações relativas ao quadro patológico em curso, com o código da Classificação Internacional de Doenças (CID) ou diagnóstico, o tempo provável de afastamento e a assinatura do profissional emitente. 4º - Ao servidor é assegurado o direito de não autorizar a especificação do diagnóstico ou CID em seu atestado, hipótese em que deverá submeter-se à perícia oficial. 5º O requerimento, após protocolado, deverá ser encaminhado à Área de Recursos Humanos, que subsidiará o processo com informações funcionais, inclusive Ficha Funcional e Relatório Geral de Licenças para Tratamento de Saúde do servidor. 6º Caberá à Área de Recursos Humanos a verificação dos atestados médicos quanto às exigências contidas no 3º deste artigo. 7º - Atendidas as exigências contidas nos parágrafos anteriores deste artigo, e após agendada a perícia oficial, os autos deverão ser encaminhados ao Serviço Municipal de Saúde e Segurança do Trabalho, para avaliação pela Junta Médica Oficial, sendo o servidor devidamente e oficialmente comunicado quanto ao dia e horário do agendamento. 8º - O não comparecimento do servidor à perícia oficial agendada pela Junta Médica Oficial, configurará descumprimento do dever funcional de observar as normas legais e regulamentares vigentes. 9º- Após avaliação pela Junta Médica Oficial, o processo deverá retornar à Área de Recursos Humanos para oficialização e concessão da licença para tratamento de saúde O processo deverá ser encaminhado ao Secretário Municipal de Administração ou ao Prefeito Municipal, conforme o caso, para autorização da licença e emissão da Portaria respectiva. Art. 12- A Área de Recursos Humanos deverá agendar perícia médica no INSS, após transcorridos os 15 (quinze) primeiros dias das licenças a que se referem o art.11 do presente Decreto.

8 1º- Nos primeiros 15 (quinze) dias consecutivos de afastamento da atividade por motivo de doença ou acidente, incumbe ao Município o pagamento da remuneração do servidor. 2º- O servidor deverá ser comunicado oficialmente do agendamento da Perícia Médica junto ao INSS. 3º- Deverá ser disponibilizado ao servidor o original do Atestado Médico, bem como o laudo da perícia realizada pela Junta Médica Oficial, permanecendo cópia dos mesmos no procedimento administrativo. 4º- Caso o Benefício Previdenciário seja indeferido, mediante perícia médica realizada pelo INSS, o servidor deverá recorrer, imediatamente, após Comunicação de Decisão pelo INSS. 5º- No caso previsto no parágrafo anterior deste artigo, o servidor deverá comunicar-se com a Área de Recursos Humanos no primeiro dia útil após ter recebido a comunicação de indeferimento, feita pelo INSS, apresentando cópia da Comunicação de Decisão do INSS, que será juntada ao procedimento administrativo. 6º- A Área de Recursos Humanos, após ter sido notificada pelo servidor, agendará, imediatamente, Pedido de Reconsideração de Decisão junto ao INSS, devendo, ato contínuo, o servidor ser comunicado do agendamento. 7º- Caso o Pedido de Reconsideração de Decisão apresentado pelo servidor seja indeferido, através de perícia médica realizada pelo INSS, deverá ser apresentado, no prazo concedido pelo INSS, Recurso à Junta de Recursos da Previdência Social. 8º- No caso previsto no parágrafo anterior, o servidor deverá comunicarse com a Área de Recursos Humanos no primeiro dia útil após ter recebido a comunicação de indeferimento, feita pelo INSS, apresentando a Comunicação de Decisão do INSS, cuja cópia será juntada ao procedimento administrativo. 9º- A Área de Recursos Humanos, após ter sido notificada pelo servidor do indeferimento do Pedido de Reconsideração de Decisão, agendará, imediatamente, perícia oficial junto ao Serviço Municipal de Saúde e Segurança do Trabalho para avaliação do caso, devendo, ato contínuo, o servidor ser comunicado do agendamento. 10- A perícia oficial será realizada através de avaliação pela Junta Médica Oficial. 11- Após a perícia oficial junto ao Serviço Municipal de Saúde e Segurança do Trabalho, restando concluída em laudo expedido pela Junta Médica Oficial a necessidade do servidor permanecer afastado de suas atividades

9 laborais, deverá ser apresentado Recurso à Junta de Recursos da Previdência Social; 12- A apresentação de Recurso à Junta de Recursos da Previdência Social a que se refere o parágrafo anterior deverá ser efetuada pela Área de Recursos Humanos, subsidiada pelo laudo expedido pela Junta Médica Oficial. CAPÍTULO III DA PERÍCIA OFICIAL Art. 13- A Perícia Oficial é a avaliação técnica presencial, com o objetivo de fundamentar as decisões da administração pública municipal no tocante ao disposto no presente Decreto, podendo ser: I- Perícia Oficial Singular: perícia oficial realizada por apenas um médico ou um cirurgião dentista; II- Avaliação por Junta Médica Oficial: perícia oficial realizada por equipe de três médicos ou de três cirurgiões dentistas. Art. 14- As licenças que dependam de perícia oficial, serão concedidas pelo prazo máximo indicado nos atestados médico ou odontológico, ou nos laudos firmados pela Perícia Oficial. 1º Findo o prazo das licenças, haverá nova perícia e o atestado ou o laudo médico ou odontológico concluirá pelo retorno ao serviço, pela prorrogação da licença ou pela aposentadoria, sendo o caso, nesta última alternativa, encaminhado ao INSS. 2º Na ocasião da perícia, o servidor poderá apresentar atestados ou laudos expedidos por especialistas, bem como outros documentos e informações pertinentes, para melhor apreciação da perícia oficial. 3º As perícias realizadas por médico ou cirurgião dentista ou pela Junta Médica Oficial, bem como os exames que forem exigidos para subsidiarem as avaliações, não incorrerão em qualquer ônus para o servidor, devendo ser integralmente custeadas pela municipalidade.

10 Art. 15- Na impossibilidade de locomoção do servidor, a avaliação pericial será realizada no estabelecimento hospitalar onde ele se encontrar internado ou em seu domicílio. Art. 16- Serão designados, por ato do Chefe do Executivo Municipal, um médico do quadro funcional da Secretaria Municipal de Saúde, em caráter permenente e um cirurgião dentista, para os casos específicos que porventura surgirem, para exercerem as atribuições respectivas de Perito Oficial Singular. Art. 17- Será designado, por ato do Chefe do Executivo Municipal, especificamente, para os casos que surgirem, um grupo de três médicos ou cirurgiões dentista para formarem a Junta Médica Oficial. Art. 18- Inexistindo perito oficial qualificado para casos específicos, a Prefeitura Municipal celebrará acordo de cooperação com outro órgão ou entidade da administração estadual ou federal, ou firmará convênio com unidade de atendimento do sistema público de saúde ou com entidade da área de saúde, sem fins lucrativos, declarada de utilidade pública, para atendimento às demandas respectivas. Parágrafo único- Na impossibilidade de aplicação do disposto no caput deste artigo, o que deverá ser devidamente justificado, a administração municipal promoverá a contratação da prestação de serviços por pessoa jurídica. Art. 19- O laudo pericial, emitido mediante avaliação pericial oficial, deverá conter a conclusão, o(s) nome(s) do(s) perito(s) oficial(is) e respectivo(s) registro(s) no(s) conselho(s) de classe, mas não se referirá ao nome ou natureza da doença, salvo quando se tratar de lesões produzidas por acidente em serviço, doença profissional ou qualquer das doenças especificadas no art. 99 da Lei Municipal n de 02 de julho de 1990 (Estatruto dos Servidores Públicos do Município de Muniz Freire ES). Art. 20- As perícias oficiais para concessão de licenças para tratamento de saúde, nas hipóteses em que abranger o campo de atuação da odontologia, serão efetuada por cirurgiões-dentistas. CAPÍTULO IV DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

11 Art. 21- As Licenças para Tratamento de Saúde que se referem os incisos II e III do art. 3º serão concedidas mediante expedição de Portarias, publicadas no placar de publicações de atos públicos da Prefeitura Municipal de Muniz Freire ES. 1º O total de dias de afastamento será o constante do Atestado expedido por médico ou cirugião dentista, após avaliação feita por perícia médica oficial, a qual poderá alterar o total de dias de afastamento. 2º As licenças de que tratam o caput deste artigo serão concedidas aos Secretários, ao Chefe de Gabinete, aos Assessores, bem como a todos os demais Cargos Comissionados, através de Portaria do Prefeito Municipal. 3º Nos demais casos, as licenças serão concedidas através de Portaria do Secretário Municipal de Administração. Art. 22- As licenças de até 03 (tres) dias serão publicadas no placar de publicações de atos públicos da Prefeitura Municipal de Muniz Freire ES, através de Edital, expedido pelo Encarregado da Área de Recursos Humanos. Parágrafo único. O Edital, a que se refere o caput deste artigo, poderá ser expedido mensalmente, tornando público a relação de todas as licenças concedidas no mês anterior, desde que conste do mesmo o nome do servidor, matrícula, quantidade de dias da licença, bem como a data do atestado. Art. 23- É de responsabilidade exclusiva do servidor comunicar à sua chefia imediata a necessidade de afastamentos das atividades laborais, bem como entregar ao mesmo, ou no setor de trabalho, no prazo de 01(um) dia após a data de início do afastamento, os atestados médicos ou odontológicos; bem como, nos casos específicos, e no prazo de 03(tres) dias após a data do afastamento, requerer as licenças para tratamento de saúde junto ao setor competente da Prefeitura Municipal. Art. 24 Em casos de acidentes de trabalho, os responsáveis pelo setor onde o servidor estiver atuando, ou ainda, quaisquer outros servidores públicos, inclusive o próprio acidentado, deverão comunicar o fato imediatamente à Área de Recursos Humanos, até o primeiro dia útil seguinte ao de sua ocorrência, para competente expedição da Comunicação de Acidente do Trabalho (CAT.

12 1º Na ausência de expedição da CAT pela Área de Recursos Humanos, a mesma poderá ser emitida pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais do de Muniz Freire, pelo médico assistente, pelo próprio servidor acidentado ou seus familiares. 2º Também deverão ser emitidas CAT no caso de diagnóstico comprovado doenças ocupacionais ou relacionadas ao trabalho. Art. 25- Todos os atestados, laudos médicos e odontológicos, exames e avaliações das perícias oficiais e outros documentos relacionados às licenças para tratamento de saúde a que se referem o art. 80, inciso I da Lei Municipal nº de 02 de julho de 1990 (Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Muniz Freire ES), e que tenham relação com o requerimento inicial das mesmas, deverão fazer parte do procedimento administrativo inicial. Parágrafo único- os processos administrativo de licenças, após concluidos, deverão ser arquivados no Serviço Municipal de Saúde e Segurança do Trabalho. Art. 26- No período que o servidor estiver de licença para tratamento de saúde e que não houver deferimento por parte do INSS, o pagamento dos seus vencimentos serão feitos pela Prefeitura Municipal, desde que o mesmo esteja sendo avaliado, perodicamente, pelo Serviço Municipal de Saúde e Segurança do Trabalho, através de perícias realizadas pelo Perito Oficial Singular ou pela Junta Médica Oficial, conforme o caso. Art. 27- Nenhuma licença para tratamento de saúde deverá ser concedida pelo prazo superior de 120 (cento e vinte) dias. Art. 28- As licenças para tratamento de saúde de que tratam este Decreto, poderão ser prorrogadas ex ofício ou a pedido do servidor. 1º O pedido de prorrogação deverá ser apresentado com 05 (cinco) dias úteis de antecedência para as licenças especificadas no inciso II, e com 15 (quinze) dias úteis de antecedência para as licenças especificadas no inciso III do art. 3º do presente Decreto. 2º Se a prorrogação da licença for indeferida, contar-se-á como licença o período compreendido entre a data do término e a do conhecimento oficial do despacho, desde que cumprido o disposto no parágrafo anterior.

13 3º Deverá constar da Portaria que concedeu a licença que a mesma poderá ser prorrogada, desde que requerida com antecedência mínima, nos termos do 1º deste artigo. Art. 29- O servidor não poderá permanecer de licença por mais de 24(vinte e quatro) meses, salvo no caso de moléstias previstas no art. 99 da Lei Municipal nº de 02 de julho de 1990 (Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Muniz Freire ES). Parágrafo único- Expirado o prazo máximo, constante do caput deste artigo, o servidor será submetido a nova perícia médica oficial realizada pela Junta Médica Oficial e, se for julgado inválido para o serviço público em geral, deverá ser requerida apoentadoria por invalidez permanente. Art. 30- O Secretário Municipal de Administração expedirá Portaria normatizando o presente Decreto, bem como aprovando modelos próprios de formulários para cumprimento do presente regulamento. Art. 31- Este Decreto entrará em vigor à partir de 02 de janeiro de Art Revogam-se as disposições em contrário. Muniz Freire, 31 de outubro de PAULO FERNANDO MIGNONE PREFEITO MUNICIPAL

PORTARIA Nº 2.113, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.113, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.113, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2010 O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições legais e, CONSIDERANDO o disposto no Decreto nº 7003,

Leia mais

Brasília, 16 de julho de 2015. Boletim de Serviço da FUNAI Ano 28 Número 07. SUMÁRIO Presidência... 01 Coordenações Regionais...

Brasília, 16 de julho de 2015. Boletim de Serviço da FUNAI Ano 28 Número 07. SUMÁRIO Presidência... 01 Coordenações Regionais... p. 1 SUMÁRIO Presidência... 01 Coordenações Regionais...05 PORTARIA Nº 659/PRES, de 15 de julho de 2015. PRESIDÊNCIA Dispõe sobre a regulamentação quanto à concessão de licença por motivo de doença em

Leia mais

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 20/2011 Disciplina a concessão de licenças-médicas aos servidores em exercício neste Regional e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas

Leia mais

REGULAMENTO/DIGEP Nº 003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. considerando o Decreto nº 7.003/2009, de 9 de novembro de 2009;

REGULAMENTO/DIGEP Nº 003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. considerando o Decreto nº 7.003/2009, de 9 de novembro de 2009; REGULAMENTO/DIGEP Nº 003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece orientações sobre a LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE E RESSARCIMENTO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR dos servidores do Instituto Federal

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e, DECRETO N.º 2297 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Dispõe sobre procedimentos para concessão de licenças médicas para os servidores públicos

Leia mais

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná DECRETO N 526 DE 30 DE MAIO DE 2011 SÚMULA: Dispõe sobre a concessão de licença para tratamento de saúde do servidor e para o acompanhamento

Leia mais

Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e

Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e Orientações aos servidores do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) quanto aos procedimentos relativos à perícia médica e odontológica através da UNIDADE SIASS/INSS, de que trata

Leia mais

SIASS SISTEMA INTEGRADO DE ATENÇÃO A SÁUDE DO SERVIDOR LEGISLAÇÃO REFERENTE A LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE JUNHO 2015

SIASS SISTEMA INTEGRADO DE ATENÇÃO A SÁUDE DO SERVIDOR LEGISLAÇÃO REFERENTE A LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE JUNHO 2015 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE SIASS 0261 SISTEMA INTEGRADO DE ATENÇÃO A SÁUDE DO SERVIDOR LEGISLAÇÃO REFERENTE A LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE JUNHO 2015 PROGEP

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE AFASTAMENTOS DE SAÚDE

ORIENTAÇÕES SOBRE AFASTAMENTOS DE SAÚDE ORIENTAÇÕES SOBRE AFASTAMENTOS DE SAÚDE É direito do servidor ausentar-se, se, sem prejuízo da remuneração a que fizer jus, por motivo de tratamento da própria saúde ou de pessoa de sua família, enquanto

Leia mais

Os procedimentos a seguir estão baseados na nova configuração legal (alteração do art. da Lei nº

Os procedimentos a seguir estão baseados na nova configuração legal (alteração do art. da Lei nº FLUXOGRAMA DE PROCEDIMENTO PARA ENTREGA DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL Vigência a partir de 02/Jan/2012 Os procedimentos a seguir estão baseados na nova configuração legal (alteração do art. da Lei nº

Leia mais

DECRETO Nº 2.108/2009

DECRETO Nº 2.108/2009 DECRETO Nº 2.108/2009 Súmula: Estabelece Procedimentos e critérios para os atestados médicos dos Servidores Públicos Municipais. O Prefeito Municipal de Colombo, no uso de suas atribuições que lhe são

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 01/2013 Dispõe sobre LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, LICENÇA PARA

Leia mais

DECRETO Nº 093/2014 DE 18 DE MARÇO DE 2014.

DECRETO Nº 093/2014 DE 18 DE MARÇO DE 2014. DECRETO Nº 093/2014 DE 18 DE MARÇO DE 2014. Regulamenta a forma de apresentação e prazo de atestados médicos para afastamento dos serviços pelos servidores. O PREFEITO MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado

Leia mais

TIRA-DÚVIDAS DE PERÍCIA. Ajudando o Servidor. Unidade SIASS UFMA

TIRA-DÚVIDAS DE PERÍCIA. Ajudando o Servidor. Unidade SIASS UFMA TIRA-DÚVIDAS DE PERÍCIA Ajudando o Servidor Unidade SIASS UFMA Prof. Dr. Natalino Salgado Filho Reitor Prof. Dr. Antonio José Silva Oliveira Vice-Reitor Maria Elisa Cantanhede Lago Braga Borges Pró-Reitora

Leia mais

CAPITULO I Disposições Preliminares

CAPITULO I Disposições Preliminares Portaria Unesp nº 499, de 06 de novembro de 2006. Estabelece normas relativas a Exames Médicos de Saúde Ocupacional, Exames Médico-Periciais e Exames de Juntas Médicas, de observância no âmbito da Universidade

Leia mais

INFORMATIVO AOS FUNCIONÁRIOS DE PARNAMIRIM

INFORMATIVO AOS FUNCIONÁRIOS DE PARNAMIRIM ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE PARNAMIRIM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E DOS RECURSOS HUMANOS COORDENADORIA DE GESTÃO DE PESSOAS INFORMATIVO AOS FUNCIONÁRIOS DE PARNAMIRIM

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA PORTARIA Nº 173, DE 5 DE MARÇO DE 2015. Revogada pela Portaria PGR/MPF nº 239, de 31 de março de 2015. Regulamenta a avaliação pericial administrativa

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual, DECRETO N.º 2299 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Regulamenta o estágio estudantil no âmbito do Poder Executivo Estadual e dá outras providências.

Leia mais

Portaria nº. 275/2012 de 20 de Julho de 2012.

Portaria nº. 275/2012 de 20 de Julho de 2012. Portaria nº. 275/2012 de 20 de Julho de 2012. Dispõe sobre procedimentos a serem adotados com relação aos atestados para os Servidores Público Municipais. O Secretário de Administração e Recursos Humanos

Leia mais

DECRETO Nº 1040, DE 28 DE ABRIL DE 2015

DECRETO Nº 1040, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 1040, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Regulamenta as Atividades de Treinamento e Desenvolvimento de Pessoal e o Adicional de Incentivo à Profissionalização. O PREFEITO DE GOIÂNIA,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MPR-008/SGP Revisão 00 Assunto: Aprovada por: LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE E LICENÇA POR MOTIVO DE DOENÇA EM PESSOA DA FAMÍLIA Portaria nº 2531, de 19 de novembro de 2012,

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL Nº 01/2015 SEMED (Prazo: 30 dias) Processo Seletivo para a concessão de licença para qualificação profissional

Leia mais

PORTARIA UNESP N O 499 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2006

PORTARIA UNESP N O 499 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2006 PORTARIA UNESP N O 499 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2006 Estabelece normas relativas a Exames Médicos de Saúde Ocupacional, Exames Médico-Periciais e Exames de Juntas Médicas, de observância no âmbito da Universidade

Leia mais

Orientações sobre conduta em caso de acidente em serviço ou do trabalho

Orientações sobre conduta em caso de acidente em serviço ou do trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PROGEPE PRO REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS CASQ COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DPVS DIVISÃO DE PROMOÇÃO E VIGILÂNCIA DA SAÚDE STSO SEÇÃO DE SEGURANÇA

Leia mais

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia PROCEDIMENTOS E ROTINAS AO DARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Título: Instrução Normativa nº. 001/2012. Ementa: Recomenda procedimentos para o Departamento de Recursos Humanos dos Órgãos da Administração Direta

Leia mais

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014.

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo - IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Município de Venâncio Aires DECRETO Nº 5.672, DE 02 DE ABRIL 2015 Dispõe sobre as inspeções de saúde física e mental no Poder Executivo Municipal. AIRTON LUIZ ARTUS, PREFEITO MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31/2012

RESOLUÇÃO Nº 31/2012 RESOLUÇÃO Nº 31/2012 Fixa normas e condições de afastamento de docentes da UFES para aperfeiçoamento em instituições nacionais ou estrangeiras em nível de pósgraduação de natureza presencial. O CONSELHO

Leia mais

Art. 2º Poderão se beneficiar deste Projeto as famílias privadas de sua moradia, nas seguintes hipóteses:

Art. 2º Poderão se beneficiar deste Projeto as famílias privadas de sua moradia, nas seguintes hipóteses: LEI Nº 3.444, DE 29/06/2011. DISPÕE SOBRE O PROJETO ALUGUEL SOCIAL E REVOGA O ART.4º DA LEI 1863, DE 27/09/1995. O PREFEITO MUNICIPAL DA ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS;

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL INSTRUÇÃO NORMATIVA /SEPLAG/SCAP/Nº. 01/2012 Dispõe sobre o exercício de funções temporárias nos órgãos e entidades das Administrações Direta e Indireta

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 008, DE 10 DE JULHO DE 2007 (Publicada no Diário Oficial do Espírito Santo em 11 de julho de 2007)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 008, DE 10 DE JULHO DE 2007 (Publicada no Diário Oficial do Espírito Santo em 11 de julho de 2007) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 008, DE 10 DE JULHO DE 2007 (Publicada no Diário Oficial do Espírito Santo em 11 de julho de 2007) Estabelece procedimentos administrativos e critérios técnicos referentes à Declaração

Leia mais

CARTILHA DO USUÁRIO. Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (Progepe)

CARTILHA DO USUÁRIO. Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (Progepe) Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (Progepe) CARTILHA DO USUÁRIO Centro Integrado de Assistência ao Servidor (CIAS) Subsistema Integrado de Atenção à Saúde do Servidor Público Federal (SIASS) Unidade CEFET-MG

Leia mais

Município de Montes Claros MG Procuradoria Jurídica

Município de Montes Claros MG Procuradoria Jurídica PORTARIA Nº 01, de 15 de janeiro de 2007. Estabelece critérios visando à convocação para contratação de pessoal, por excepcional interesse público, na composição do Quadro de Pessoal das Unidades Municipais

Leia mais

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema?

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Saber é poder definir. Quando duas pessoas discutem, devem saber primeiro sobre o que discutem.

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

ATO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO: RC - Resolução do CONSAD. Resolução n. 65, de 19 de maio de 2015.

ATO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO: RC - Resolução do CONSAD. Resolução n. 65, de 19 de maio de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO Avenida Presidente Tancredo Neves, 2501 Terra Firme Cep: 66077-530 - Belém/Pará Tel.: (91)3210-5165/3210-5166

Leia mais

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados:

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados: Abono de faltas e a acreditação na avaliação médica. A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de abono de faltas mediante atestado médico: Constituem motivos justificados:

Leia mais

NORMA DE EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS - NOR 325

NORMA DE EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS - NOR 325 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS COD: NOR 325 APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 240, de 04/06/2012 NORMA DE EXAMES OCUPACIONAIS E ATESTADOS MÉDICOS - NOR

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1524/2009 Altera a Lei Municipal nº 1032 de 29 de Junho de 1998 e a Lei Municipal nº 1030 de 29 de Junho de 1998 e dá outras providências: Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS Nº 31, DE 10 DE SETEMBRO DE 2008

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS Nº 31, DE 10 DE SETEMBRO DE 2008 INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS Nº 31, DE 10 DE SETEMBRO DE 2008 Dispõe sobre procedimentos e rotinas referentes ao Nexo Técnico Previdenciário, e dá outras providências. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Lei nº 8.212, de

Leia mais

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014.

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. DECRETO Nº 39680 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2014 Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

Licença para Tratamento de Saúde

Licença para Tratamento de Saúde Licença para Tratamento de Saúde Parecer n o 11/03-CRTS Senhora Procuradora-Geral, Ementa: Direito de Pessoal. Licença para Tratamento de Saúde. Arts. 88 e seguintes do Estatuto dos Servidores Municipais.

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL INSTRUÇÃO NORMATIVA /SEPLAG/SCAP/Nº 02/2011 Dispõe sobre o exercício de funções temporárias nos órgãos e entidades das Administrações Direta e Indireta

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 26/2010 10/09/2010

PARECER CREMEC Nº 26/2010 10/09/2010 PARECER CREMEC Nº 26/2010 10/09/2010 PROCESSO-CONSULTA Protocolo CREMEC nº 2041/10 INTERESSADO: Dr. Kleiber Marciano Lima Bomfim CRM 7084 ASSUNTO: Competência para a emissão do relatório de alta definitiva

Leia mais

RESOLUÇÃO PRÓ-REITORIA EPE Nº 04 DE 09 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO PRÓ-REITORIA EPE Nº 04 DE 09 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO PRÓ-REITORIA EPE Nº 04 DE 09 DE OUTUBRO DE 2014 Ratifica as disposições da Resolução DAC nº 01 de 01/02/2014, que estabelece as disposições sobre a Frequência nos cursos de graduação do CENTRO

Leia mais

www.cuiaba.mt.gov.br

www.cuiaba.mt.gov.br www.cuiaba.mt.gov.br COLABORADORES DA PERÍCIA MÉDICA SETOR MÉDICO: Dr. george salvador brito alves lima - assessor téc. em perícia médica dr. jaime pereira frank - assessor téc. em perícia médica SETOR

Leia mais

ADICIONAL DE PERICULOSIDADE

ADICIONAL DE PERICULOSIDADE 1 - DEFINIÇÃO Adicional salarial a que fazem jus os servidores que trabalham em contato permanente sob condições de risco acentuado em determinadas atividades ou operações classificadas como perigosas

Leia mais

ORIENTAÇÃO INTERNA INSS/DIRBEN Nº 138, DE 11 DE MAIO DE 2006 - REVOGADA. Revogada pela RESOLUÇÃO INSS/PRES Nº 271, DE 31/01/2013

ORIENTAÇÃO INTERNA INSS/DIRBEN Nº 138, DE 11 DE MAIO DE 2006 - REVOGADA. Revogada pela RESOLUÇÃO INSS/PRES Nº 271, DE 31/01/2013 ORIENTAÇÃO INTERNA INSS/DIRBEN Nº 138, DE 11 DE MAIO DE 2006 - REVOGADA Revogada pela RESOLUÇÃO INSS/PRES Nº 271, DE 31/01/2013 Alterada pela ORIENTAÇÃO INTERNA INSS/DIRBEN Nº 164, DE 26 /03/2007 Dispõe

Leia mais

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009.

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. Regulamenta o Capítulo VII da Lei nº 4.257, de 02 de dezembro de 2008 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 Disciplina o afastamento de servidores docentes e técnico-administrativos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre o recebimento de documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da União. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS DA PERÍCIA MÉDICA

MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS DA PERÍCIA MÉDICA MANUAL DE ROTINAS E PROCEDIMENTOS DA PERÍCIA MÉDICA UNIDADE SIASS/UFPR SIASS O QUE É? É um Subsistema Integrado de Atenção à Saúde do Servidor SIASS tem por objetivo desenvolver ações conjuntas nos campos

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA-GERAL DE MATO GROSSO DO SUL

DEFENSORIA PÚBLICA-GERAL DE MATO GROSSO DO SUL RESOLUÇÃO DPGE N.º 015/2007, DE 29 DE OUTUBRO DE 2007. Regulamenta o parágrafo único do artigo 59 da Lei n. 3.156, de 27 de dezembro de 2005, dispõe sobre o pagamento de diárias para indenização de despesas

Leia mais

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.*

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* Estabelece orientação sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

Comissão do Jovem Advogado

Comissão do Jovem Advogado REGULAMENTO DO PROGRAMA MEU PRIMEIRO ESTÁGIO Estabelece normas para acompanhamento das atividades do programa meu primeiro estágio, da Comissão da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Acre OAB/AC.

Leia mais

PAUTA NOVO REGULAMENTO LEGISLAÇÃO CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA NOVOS FLUXOS

PAUTA NOVO REGULAMENTO LEGISLAÇÃO CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA NOVOS FLUXOS PERÍCIA MÉDICA PAUTA NOVO REGULAMENTO LEGISLAÇÃO CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA NOVOS FLUXOS PERÍCIA MÉDICA ADMINISTRATIVA Responsável pelas atividades médico- -periciais inerentes ao sistema

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC. Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC. Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários APRESENTAÇÃO DE ATESTADO À CHEFIA IMEDIATA As licenças

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 11, de 21 de maio de 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 11, de 21 de maio de 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 11, de 21 de maio de 2012. INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA CARAGUAPREV Regulamenta as atribuições do Serviço de Saúde Ocupacional da Divisão de Medicina e

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTÂNCIA VELHA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTÂNCIA VELHA DECRETO MUNICIPAL N.º 102/2014, de 11 de dezembro de 2014. REGULAMENTA PROCEDIMENTOS, RELATIVOS A AIDOF, NOTAS FISCAIS DE SERVIÇO, ESCRITURAÇÃO FISCAL E REQUERIMENTOS E APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS FISCAIS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 16/INSS/PRES, DE 27 DE MARÇO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 16/INSS/PRES, DE 27 DE MARÇO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 16/INSS/PRES, DE 27 DE MARÇO DE 2007 Dispõe sobre procedimentos e rotinas referentes ao Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário NTEP, e dá outras providências. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO Dispõe sobre a concessão de folgas compensatórias e o gozo de Licença-Prêmio por Assiduidade dos servidores do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei. (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. LEI Nº 3.545, DE 17 DE JULHO DE 2008. Publicada

Leia mais

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 2, DE 2013.

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 2, DE 2013. ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 2, DE 2013. Regulamenta o controle do cumprimento da jornada e do horário de trabalho pelos servidores do Senado Federal, nos termos do Ato da Comissão Diretora nº 7, de 2010. O

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

Orientação Básica e Dúvidas Comuns sobre Licenças para Tratamento de Saúde 1ª Edição

Orientação Básica e Dúvidas Comuns sobre Licenças para Tratamento de Saúde 1ª Edição Orientação Básica e Dúvidas Comuns sobre Licenças para Tratamento de Saúde 1ª Edição Belo Horizonte 2015 Introdução O material aqui apresentado foi baseado na legislação e orientações de serviço vigentes

Leia mais

Edital de Credenciamento 003/2012

Edital de Credenciamento 003/2012 1/5 Edital de Credenciamento 003/2012 1 DO OBJETO: 1.1. O presente Termo tem por objetivo o credenciamento de Instituições Financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, para prestação

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

DECRETO Nº 2923, DE 02 DE SETEMBRO DE 2015 DECRETA:

DECRETO Nº 2923, DE 02 DE SETEMBRO DE 2015 DECRETA: DECRETO Nº 2923, DE 02 DE SETEMBRO DE 2015 Regulamenta o Sistema de Readaptação de Função prevista no artigo 22 da Lei Complementar nº 42 de 20 de junho de 2006, e dá outras providências. OTAVIANO OLAVO

Leia mais

PORTARIA RIOPREVIDÊNCIA Nº. 148 DE 09 DE FEVEREIRO DE 2009.

PORTARIA RIOPREVIDÊNCIA Nº. 148 DE 09 DE FEVEREIRO DE 2009. PORTARIA RIOPREVIDÊNCIA Nº. 148 DE 09 DE FEVEREIRO DE 2009. ALTERA O MODELO DE CERTIDÃO DE TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO - CTC, DISCIPLINA PROCEDIMENTOS QUANTO À SUA EXPEDIÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PRESIDENTE

Leia mais

DECRETO Nº 39.842, DE 19 DE SETEMBRO DE 2013. CONSIDERANDO o disposto no inciso XII do art. 91 da Lei nº 6.123, de 20 de julho de 1968, e alterações;

DECRETO Nº 39.842, DE 19 DE SETEMBRO DE 2013. CONSIDERANDO o disposto no inciso XII do art. 91 da Lei nº 6.123, de 20 de julho de 1968, e alterações; DECRETO Nº 39.842, DE 19 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta a participação dos servidores efetivos, civis e militares, e empregados públicos em cursos de capacitação e eventos de natureza científi ca e técnica,

Leia mais

GILMAR LUIZ ELY, Prefeito Municipal em Exercício de Almirante Tamandaré do Sul, Estado do Rio Grande do Sul.

GILMAR LUIZ ELY, Prefeito Municipal em Exercício de Almirante Tamandaré do Sul, Estado do Rio Grande do Sul. 1 GILMAR LUIZ ELY, Prefeito Municipal em Exercício de Almirante Tamandaré do Sul, Estado do Rio Grande do Sul. Faço saber que o Legislativo aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: LEI MUNICIPAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 248/2009

RESOLUÇÃO Nº 248/2009 RESOLUÇÃO Nº 248/2009 PROCESSO Nº 07588/2009-000-07-00-0 TIPO: Processo Administrativo PARTE 1: PROPOSIÇÃO DO PRESIDENTE DO TRT 7ª REGIÃO PARTE 2: TRIBUNAL PLENO Vistos, relatados e discutidos os presentes

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 Regulamenta a Lei Complementar n 975/2013 que dispõe sobre a criação do Programa ISS Tecnológico, que institui benefícios

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 Dispõe sobre o reajuste, direitos e deveres dos empregados do Conselho Federal de Psicologia. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais, estatutárias

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a capacitação de Pessoal Técnico-

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 253 DE 4 DE OUTUBRO DE 2000

RESOLUÇÃO Nº 253 DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 RESOLUÇÃO Nº 253 DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 Estabelece procedimentos para a concessão do benefício do Seguro-Desemprego ao Empregado Doméstico. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador CODEFAT,

Leia mais

APROVAR as normas para concessão de afastamento para pós-graduação aos servidores do IF-SC. CAPÍTULO I DOS TIPOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

APROVAR as normas para concessão de afastamento para pós-graduação aos servidores do IF-SC. CAPÍTULO I DOS TIPOS DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO N o 019/2012/CDP Florianópolis, 03 de maio de 2012. A PRESIDENTE DO DO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Regimento Geral do IF-SC e pelo

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014 O Município de Vale do Sol, RS, através do Prefeito Municipal. Sr. Clécio Halmenschlager, comunica aos interessados que está procedendo ao CREDENCIAMENTO de pessoas

Leia mais

SALÁRIO MÍNIMO NOVO VALOR A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 DECRETO Nº 8.381 - DOU de 30.12.2014

SALÁRIO MÍNIMO NOVO VALOR A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 DECRETO Nº 8.381 - DOU de 30.12.2014 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Informativo 01/2015 SALÁRIO MÍNIMO NOVO VALOR A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 DECRETO Nº 8.381 - DOU de 30.12.2014 Foi publicado no Diário Oficial da

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba O futuro em nossas mãos LEI N.º 10.737

Câmara Municipal de Uberaba O futuro em nossas mãos LEI N.º 10.737 LEI N.º 10.737 Dispõe sobre a reorganização da prestação de serviços em regime de plantão junto à Secretaria Municipal de Saúde, autoriza extensão da jornada de trabalho para os cargos e funções da Secretaria

Leia mais

1º Excetuam-se da remuneração integral as vantagens indenizatórias, eventuais e transitórias.

1º Excetuam-se da remuneração integral as vantagens indenizatórias, eventuais e transitórias. DECRETO Nº 1.863, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013 Regulamenta o afastamento do servidor público efetivo para frequentar curso de pós-graduação e estabelece outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

a.1.4) Em caso de Associação Civil, a aceitação de novos associados, na forma do estatuto;

a.1.4) Em caso de Associação Civil, a aceitação de novos associados, na forma do estatuto; CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 002/2014 QUALIFICAÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL NA ÁREA DE SAÚDE O Município de Fontoura Xavier, Estado do Rio Grande do Sul, pessoa jurídica

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA JUCESP Nº 06, DE 11 DE MARÇO DE 2013 Disciplina a integração do serviço público de registro empresarial ao processo do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica. O PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO

Leia mais

EXPEDIENTE. Prefeitura Municipal de Fortaleza. Prefeito: Roberto Cláudio Rodrigues Bezerra. Vice-Prefeito Gaudencio Gonçalves de Lucena

EXPEDIENTE. Prefeitura Municipal de Fortaleza. Prefeito: Roberto Cláudio Rodrigues Bezerra. Vice-Prefeito Gaudencio Gonçalves de Lucena 1 EXPEDIENTE Prefeitura Municipal de Fortaleza Prefeito: Roberto Cláudio Rodrigues Bezerra Vice-Prefeito Gaudencio Gonçalves de Lucena Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão Secretário: Philipe

Leia mais

PERÍCIA OFICIAL EM SAÚDE

PERÍCIA OFICIAL EM SAÚDE PERÍCIA OFICIAL EM SAÚDE MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA UNIDADE SIASS/UFSC/SC SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO À SAÚDE UNIDADE SIASS/UFSC O QUE É siass? O Subsistema Integrado de Atenção

Leia mais

PORTARIA PGR/MPU Nº 577 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA PGR/MPU Nº 577 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 PORTARIA PGR/MPU Nº 577 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 Regulamenta o processo de Gestão do Desempenho no Estágio Probatório dos servidores ocupantes de cargos de provimento efetivo no âmbito do Ministério Público

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL JUNTO ao IFC

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL JUNTO ao IFC ORDEM DE SERVIÇO CONJUNTA Nº 01/GR/PF-IFC, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE E O PROCURADOR-CHEFE DA PROCURADORIA FEDERAL JUNTO AO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

Aposentadoria por invalidez pressupõe a existência de uma incapacidade total e definitiva para o trabalho

Aposentadoria por invalidez pressupõe a existência de uma incapacidade total e definitiva para o trabalho A. Aposentadoria por invalidez Decreto Federal nº 3.048, de 06 de maio de 1999 (Regulamento da Previdência Social), que regulamentou a Lei Federal nº 8.122, de 24 de julho de 1991 (Lei Orgânica da Seguridade

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO Cód.: LAS Nº: 78 Versão: 5 Data: 08/09/2014 DEFINIÇÃO Licença concedida, com a remuneração integral, em decorrência de acidente em serviço ocorrido no exercício do cargo,

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO O QUE É É o que ocorre pelo exercício da atividade a serviço da empresa ou pelo exercício do trabalho, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou perda ou redução, permanente

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE FIGUEIRÓPOLIS D OESTE

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE FIGUEIRÓPOLIS D OESTE LEI Nº 587/2013 13 DE FEVEREIRO DE 2013. Súmula: Autoriza o transporte de mudança e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Figueirópolis D Oeste - Estado de Mato Grosso, o Exmo. Sr. Lino Cupertino

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas

Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas Cartão de Ponto O

Leia mais

DELPHOS INFORMA PUBLICAÇÃO DA RESOLUÇÃO INSS/PR/Nº 307- PUBLICADA NO D.O.U. Nº 209, DE 31/10/95 INTEIRO TEOR DA RESOLUÇÃO

DELPHOS INFORMA PUBLICAÇÃO DA RESOLUÇÃO INSS/PR/Nº 307- PUBLICADA NO D.O.U. Nº 209, DE 31/10/95 INTEIRO TEOR DA RESOLUÇÃO DELPHOS INFORMA PUBLICAÇÃO DA RESOLUÇÃO INSS/PR/Nº 307- PUBLICADA NO D.O.U. Nº 209, DE 31/10/95 Ementa: Disciplina o uso por parte do Instituto Nacional de Seguro Social - INSS do modelo da declaração

Leia mais