A CONTRIBUIÇÃO DA PERÍCIA ODONTOLÓGICA NA IDENTIFICAÇÃO DE CADÁVERES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONTRIBUIÇÃO DA PERÍCIA ODONTOLÓGICA NA IDENTIFICAÇÃO DE CADÁVERES"

Transcrição

1 Faculdade de Medicina da Universidade do Porto A CONTRIBUIÇÃO DA PERÍCIA ODONTOLÓGICA NA IDENTIFICAÇÃO DE CADÁVERES SUSANA DO CARMO PEREIRA SILVA Abril 2007

2 Faculdade de Medicina da Universidade do Porto A CONTRIBUIÇÃO DA PERÍCIA ODONTOLÓGICA NA IDENTIFICAÇÃO DE CADÁVERES SUSANA DO CARMO PEREIRA SILVA Tese de Mestrado em Ciências Forenses Trabalho realizado sob orientação do Prof. Doutor Américo Afonso Abril 2007

3 Sumário I SUMÁRIO ÍNDICE DE FIGURAS...IV ÍNDICE DE TABELAS... V AGRADECIMENTOS...VI RESUMO... VII ABSTRACT... VIII I. INTRODUÇÃO...1 II. ENQUADRAMENTO TEÓRICO DEFINIÇÃO E OBJECTIVOS DA IDENTIFICAÇÃO Definição de identificação Reconhecimento versus identificação Identificação geral versus identificação individual Objectivos da identificação DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO Técnicas de identificação não dentárias Técnicas dentárias de identificação DADOS DENTÁRIOS ESTABELECIDOS ANTE-MORTEM Fichas dentárias Fotografias dentárias Radiografias crânio faciais e dentárias Marcação de próteses removíveis A PERÍCIA EM MEDICINA DENTÁRIA FORENSE...51 I

4 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres 5.1 Ficha dentária para a identificação forense A prova pericial em Medicina Dentária Forense RELATO DE CASOS - REVISÃO DE LITERATURA...60 III. OBJECTIVOS...65 IV. MATERIAL E MÉTODOS PARTICIPANTES METODOLOGIA Questionário Aplicação do questionário ANÁLISE ESTATÍSTICA...70 V. RESULTADOS APRESENTAÇÃO DOS DADOS AMOSTRAIS Variáveis Classificatórias, Perfil Geral da Amostra Questões que abordam as Técnicas de Identificação Utilizadas Questões que averiguam a realização de um exame da cavidade oral e de perícia odontológica Perícia Odontológica em particular Questões que determinam a Importância da Perícia Odontológica...83 VI. DISCUSSÃO...85 VII. CONCLUSÕES SÚMULA DOS RESULTADOS OBTIDOS LIMITAÇÕES DO ESTUDO LINHAS FUTURAS DE INVESTIGAÇÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS II

5 Sumário III ANEXOS III

6 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1. Variações do ângulo mandibular em função da idade Figura 2. Determinação da idade pelo desgaste da coroa Figura 3. Esquema de 4 dos 6 estágios evolutivos do desgaste dentário Figura 4. Esquema que exemplifica o cálculo da altura a partir dos dentes Figura 5 As quatro disposições fundamentais das rugosidades palatinas Figura 6 Representação modificada do diagrama utilizado pela Interpol Figura 7. Resultados das perguntas 9, 10, 11, IV

7 Índice de Tabelas ÍNDICE DE TABELAS Tabela Determinação da idade pelo ângulo mandibular Tabela Tabela 3. Gabinete/Delegação onde o perito trabalha Tabela 4. Quantidade de anos que o perito trabalha na área médico-legal Tabela 5. Nº autópsias / ano Tabela 6. Não identificados / ano Tabela 7. Casos que terminam identificação positiva Tabela 8. Técnicas de identificação utilizadas Tabela 9. Dificuldades técnicas Tabela 10. Tipo de dificuldades técnicas Tabela 11. Tipo de exame da cavidade oral realizado como rotina Tabela 12. Exame da cavidade oral em cadáveres não identificados Tabela 13. Exame da cavidade oral efectuado aos cadáveres não identificados Tabela 14. Perícia odontológica Tabela Tabela 16. Quando é requisitada a perícia odontológica Tabela Tabela 18. Quando não é requisitada a perícia odontológica Tabela 19. Perícia odontológica poderia ter alterado o resultado Tabela 20. Importância de estabelecer perícia odontológica como rotina Tabela 22 - Movimento de Tanatologia Forense Delegação (2004/ 2005) Tabela 23 - Movimento de Tanatologia dos GML (2004/2005) V

8 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres AGRADECIMENTOS Este espaço é dedicado àqueles que deram a sua contribuição para que esta dissertação fosse realizada. A todos eles deixo aqui o meu agradecimento sincero. Em primeiro lugar agradeço ao Prof. Doutor Américo Afonso a forma como orientou o meu trabalho. As notas dominantes da sua orientação foram a utilidade das suas recomendações e a amabilidade com que sempre me recebeu. Estou grata por ambas e também pela liberdade de acção que me permitiu, que foi decisiva para que este trabalho contribuísse para o meu desenvolvimento pessoal e profissional. Em segundo lugar, agradeço à Prof. Doutora Teresa Magalhães pelo incentivo amigo e por me ter disponibilizado o acesso aos peritos médico-legais para a entrega dos questionários. Deixo também uma palavra de agradecimento aos professores do Mestrado em Ciências Forenses pela forma como leccionaram o mestrado e por me terem transmitido o interesse pelas matérias forenses. São também dignos de uma nota de apreço os colegas que me acompanharam no mestrado e, em particular, a Liliana pela amizade e pela informação disponível na sua tese de mestrado. Finalmente, gostaria de deixar um agradecimento muito especial ao Rogério, aos meus pais, irmãs, cunhados e sobrinhos. VI

9 Resumo/Abstract RESUMO A identificação humana post-mortem é uma das grandes áreas de estudo e pesquisa da Medicina Dentária Forense, o que faz com que os médicos dentistas forenses sejam elementos indispensáveis de uma equipa forense. A identificação através de técnicas dentárias tem ganho cada vez maior importância em consequência do aumento progressivo da criminalidade e, sobretudo, da frequência com que ocorrem desastres, tais como acidentes rodoviários de grandes proporções, incêndios, explosões, acidentes de viação, actos de terrorismo, entre outros. O presente estudo tem por objectivo determinar quais as técnicas utilizadas pelos peritos médico-legais do Norte de Portugal na identificação de cadáveres e determinar a contribuição da Medicina Dentária Forense nesse processo. De igual modo, pretende-se avaliar o resultado das técnicas de identificação utilizadas, correlacionando-as com o estado de conservação do cadáver. No final determina-se se existe a necessidade por parte dos peritos médico-legais na introdução da perícia odontológica como procedimento de rotina nos casos atrás referidos. Para a recolha de dados recorreu-se a um questionário, feito propositadamente para o efeito deste estudo. Foram incluídos todos os peritos médicolegais da região Norte de Portugal, que trabalham na área da tanatologia. As técnicas dentárias, segundo os resultados deste estudo, somente são utilizadas como método de identificação nos cadáveres esqueletizados (28,6%) e nos putrefactos (16,7%), não sendo usadas nos cadáveres recentes. Quanto à requisição da perícia odontológica, a informação mais evidente é de que na maior parte dos casos esta não é solicitada. Quando a amostra é inquirida sobre o motivo por que não é requisitada a perícia odontológica, mais de dois terços das respostas (76,2%) indicaram que não se faz porque não existe um médico dentista ou não existe um local para reencaminhar essa perícia. De uma maneira geral, a perícia odontológica parece ter o seu lugar minimizado ou substituído pelo exame da cavidade oral. Além disso, o exame da cavidade oral realizado é simples, podendo ser considerado precário para ser utilizado no processo de identificação. Apesar disso, com base nas respostas de que a perícia odontológica poderia ter alterado o resultado (95,2%) e também, na informação de que os peritos acham importante o estabelecimento da perícia odontológica como procedimento de rotina em cadáveres não identificados (100%), demonstra-se que há interesse no aprofundamento da matéria, ou pelo menos é considerada importante. VII

10 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres ABSTRACT The human post mortem identification is one of the main study objects and research of Forensic Dentistry. This makes the forensic dentist a indispensable member of the forensic team. The identification through dental techniques has gain importance in consequence of the growth of criminality, specially the frequency of disasters, such as big proportion ferry accidents, fires, explosions, car accidents, terrorism acts, between others. The present study has the goal of determinate which techniques are used in corpses identification by the medico legal experts in North Portugal, and determinate the contribution of Forensic Dentistry in that process. Likewise, we pretend to appraise the result of the used identification techniques, and make the correlation with the corpses conservation. Finally it s determinate if there is necessity by the medico legal experts, in introducing the forensic dental skills us a routine proceeding in those cases. Were included all the medico legal experts in North Portugal that work in tanatology. The dental techniques, according to this study, are only used in skeletal remains (28,6%) and putrefaction corpses (16,7%), and are not used at all in fresh bodies. About the requisition of the forensic dental skills, the most evident information is that, in most cases, is not requested. When the sample is inquired about the motive of this event, more than two thirds (76,2%), say that there is no dentist at the moment of the autopsy, or there isn t a place to set forward the material. In general the forensic dental skills seems to have it s place minimized or replaced by the oral cavity examination. Besides, the oral examination that is done, is very simple, and may be considered precarious to be used in the identification process. The answers that the forensic dental skills could have changed the result (95,2%), and the information that medico legal experts think that it is important the establishment of forensic dental evaluation as a routine procedure in non identified corpses (100%), demonstrates that there is interest in studying in depth the subject, or at least finding it important. VIII

11 Introdução I. INTRODUÇÃO Os médicos dentistas forenses aplicam os conhecimentos específicos da Medicina Dentária à área médico-legal. Os aspectos fisiológicos e as variações adquiridas do aparelho estomatognático como reflexo da actividade socioeconómica do Homem, podem ser utilizados na Medicina Legal, abrangendo áreas que vão desde a avaliação do dano orofacial pós-traumático (no âmbito da clínica médico-legal do direito penal, civil ou do trabalho), até à identificação de indivíduos mortos ou à identificação de agressores (1). Em virtude da sua resistência (as estruturas dentárias representam os mais duros e resistentes tecidos do corpo humano (2), resistindo à putrefacção, ao calor, aos traumatismos e à acção de certos agentes químicos) e especificidade (cada dentadura é única), os dentes vieram a mostrar-se essenciais ao processo de identificação. A cavidade oral e os dentes nela presentes foi comparada à caixa negra dos aviões, graças à qual se pode saber o que sucedeu nos momentos imediatamente anteriores ao acidente aéreo (3). Esta ideia baseia-se no princípio axiomático da grande variabilidade dos elementos que constituem a cavidade oral. Não há dois indivíduos que tenham os dentes iguais, nem o conjunto da dentadura igual. É objectivo deste estudo perceber a actual contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres na Delegação do Porto do INML (Instituto Nacional de Medicina Legal) e nos Gabinetes Médico-legais por ela subordinados. Para isso necessitamos de determinar um conjunto de factores que nos dêem a conhecer, de um modo geral, o protocolo seguido actualmente nos processos de identificação nesta 1

12 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres instituição. Pretendemos saber se a perícia odontológica é utilizada na identificação post-mortem e queremos revelar, nos casos em que não é requisitada, as razões que levaram o perito a tomar esta decisão, de forma a que no futuro se possam tomar as medidas necessárias para que esta perícia se torne um procedimento de rotina. A dissertação está organizada em 7 capítulos e 2 anexos. O capítulo 1, é a apresentação da estrutura da dissertação. Este capítulo iniciase com uma secção dedicada aos Agradecimentos e outra que constitui o Resumo/Abstract. Seguidamente mostra-se o presente subcapítulo, que constitui uma introdução ao trabalho, e no qual se definem o problema e objectivos genéricos deste trabalho, se faz uma descrição dos diversos capítulos e, por fim, se apresentam as conclusões gerais. O capítulo 2 apresenta o Enquadramento Teórico da Tese, e está estruturado em 6 subcapítulos: No primeiro, Definição e objectivos da identificação, começa-se por definir identificação do ponto de vista médico-legal, passando depois à distinção entre reconhecimento e identificação, e entre identificação geral e individual. Descrevem-se também os objectivos da identificação médico-legal. No segundo, Desenvolvimento do processo de identificação, a estratégia utilizada foi a de apresentar os procedimentos a adoptar desde que chega um cadáver não identificado aos serviços médico-legais, até se conseguir um resultado positivo fazendo-se também neste ponto, a distinção entre métodos reconstructivos e comparativos. No subcapítulo seguinte, Técnicas de identificação, começámos por descrever superficialmente as principais técnicas não dentárias, passando de seguida a uma 2

13 Introdução exposição detalhada das técnicas dentárias, onde se explica de que maneira é que elas podem contribuir para a determinação da espécie, do grupo étnico, do sexo, da idade, e da altura. Também foram descritos os elementos congénitos que os dentes podem revelar, bem como alguns estigmas patológicos e traumatismos dentários. Terminouse esta exposição com referência às patologias fetais e da infância relacionadas com a cavidade oral, e aos tratamentos médico-dentários. O quarto subcapítulo, Dados dentários estabelecidos ante-mortem, apresenta elementos dentários de natureza diversa, começando-se pelas fichas clínicas, seguindo-se as fotografias, as radiografias crânio-faciais, terminando-se por uma referência à marcação de próteses removíveis. O quinto subcapítulo A perícia em Medicina Dentária Forense tem o objectivo de descrever de forma pormenorizada a perícia odontológica, desde o preenchimento da ficha dentária para identificação forense, até à execução do relatório pericial. Finalmente, o último, Relato de casos - revisão de literatura, pretende demonstrar a importância inequívoca da Medicina Dentária Forense nos processos de identificação, ao fazer um exposição de casos em que esta ciência foi determinante para a conclusão definitiva do processo em causa. O capítulo 3 Objectivos, é dedicado à definição do problema. Aqui apresenta-se o problema genérico em estudo, apresentando-se depois as questões específicas do mesmo. O capítulo 4 Material e Métodos, começa pelo subcapítulo Participantes, onde se faz a caracterização demográfica da amostra. Apresenta-se também a problemática da escolha da amostra, justificando as escolhas realizadas. No subcapítulo seguinte, Métodos, expõe-se em primeiro lugar a forma como foi construído o questionário, 3

14 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres instrumento escolhido para a recolha dos dados. Seguidamente explicam-se os procedimentos utilizados para aplicação do questionário, e por fim apresentam-se os métodos de análise estatística para os elementos obtidos. O capítulo 5 Resultados, consiste na descrição das respostas obtidas e análise descritiva dos dados. O capítulo seguinte, Discussão, pretende fazer uma análise conjunta dos resultados, correlacionado-os entre si, e também com dados recolhidos por outros autores. O capítulo 7 Conclusões, faz, em primeiro lugar, uma súmula dos resultados, seguindo-se uma abordagem às limitações do estudo, onde se faz uma resenha das presentes neste trabalho, abrangendo quer as que são específicas da forma como a tese foi conduzida, quer as que decorrem mais genericamente. Finalmente apresentam-se as linhas futuras de investigação, num subcapítulo próprio, começando por apontar aquelas recomendações que derivam directamente do estudo, mas apresentando também outras de âmbito mais alargado. O texto desta dissertação conclui-se com os 2 anexos, o anexo 1, Carta introdutória e o anexo 2, Questionário. Nos anexos apresentam-se os exemplares da carta introdutória e do questionário, tal como foram fornecidos aos elementos da amostra inquirida para preenchimento. Os resultados deste estudo estão condicionados pela amostra que, por ser uma amostra de conveniência, não permite resultados generalizáveis. Para além disso a amostra sofre de várias limitações, das quais a mais importante é, em princípio, o reduzido número de peritos. 4

15 Introdução Dos 45 questionários enviados aos Gabinetes Médico Legais do Norte de Portugal e Delegação do Porto do INML, obteve-se o retorno de 21 questionários. Em relação às técnicas de identificação mais utilizadas: no cadáver recente, o método mais frequente foi o reconhecimento visual, no cadáver putrefacto, foi mais utilizado o reconhecimento por objectos pessoais, e no cadáver esqueletizado, as técnicas mais utilizadas foram as dentárias e a análise do ADN I com a mesma taxa de utilização. As técnicas dentárias somente foram utilizadas como método de identificação nos cadáveres esqueletizados e nos putrefactos, não tendo sido usada em nenhum caso nos cadáveres recentes. Questionaram-se os peritos sobre a existência de dificuldades técnicas que atrasavam ou impossibilitavam a identificação. 81% dos peritos responderam afirmativamente, sendo que a maior dificuldade com que se deparavam era o facto de não haver dados ante-mortem para comparação. Quanto à requisição da perícia odontológica nos cadáveres não identificados, a informação mais evidente é de que na maior parte dos casos esta não é solicitada. Quando se pergunta qual é o motivo por que não é requisitada esta perícia, mais de dois terços das respostas indicaram que não se faz porque não existe um médico dentista no local ou não existe um local para reencaminhar a perícia. O exame da cavidade oral realizado por rotina na autópsia é extremamente simples, podendo ser considerado precário para ser utilizado em processos de identificação. Apesar disso, com base nas respostas de que a perícia odontológica poderia ter alterado o resultado da identificação (95,2%), e também, na resposta de que acham importante o estabelecimento da perícia odontológica como procedimento I Ácido Desoxiribonucléico 5

16 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres de rotina em cadáveres não identificados (100%), verifica-se que há interesse no aprofundamento da matéria, ou pelo menos consideram-na importante. 6

17 Enquadramento Teórico II. ENQUADRAMENTO TEÓRICO 1 DEFINIÇÃO E OBJECTIVOS DA IDENTIFICAÇÃO 1.1 Definição de identificação A identificação humana pode definir-se como sendo o resultado positivo de um exame, ou o registo de todos os dados relevantes presentes numa pessoa viva ou presentes num cadáver, de modo a poder restabelecer-se a sua identidade (4). Os dados disponíveis e pertinentes à identificação podem apresentar uma grande variabilidade conforme os casos, o que explica a existência de diferentes técnicas ou métodos de identificação e que, conforme a técnica(s) mais indicada (s), tenha de recorrer-se a peritos especializados em diferentes áreas. As circunstâncias a ter em conta no processo de identificação de cadáveres são as seguintes: a) Cadáveres recentes (a morte ocorreu num intervalo inferior ou igual a 72 horas): acidentes em massa, avião, comboio, incêndios em locais públicos, desastres colectivos (por exemplo terramotos e inundações), vítimas deformadas bombas, cremações, entre outros. b) Cadáveres putrefactos (a morte ocorreu num intervalo superior a 72 horas. 7

18 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres c) Cadáveres esqueletizados. Inicialmente, é importante que façamos algumas considerações sobre identidade. A identidade pode ser estudada nos seus aspectos, subjectivo ou objectivo (4). No aspecto subjectivo, estuda-se a noção que cada indivíduo tem de si mesmo, no tempo e no espaço, e a consciência do eu. Este auto conceito pode variar devido a estados patológicos. Já a identidade objectiva, é o conjunto de características físicas, funcionais ou psíquicas, normais ou patológicas que individualizam determinada pessoa (14). 1.1 Reconhecimento versus identificação Um aspecto importante para o objecto do nosso estudo, diz respeito à distinção entre reconhecimento e identificação. O reconhecimento pode ser entendido como uma identificação empírica, subjectiva sem rigor científico. O reconhecimento médico-legal é normalmente visual, realizado por parentes ou conhecidos da vítima, sendo muito susceptível a enganos e falhas. Estas imprecisões ocorrem, na grande maioria das vezes, não por má-fé das pessoas que fazem o reconhecimento, mas devido às próprias limitações deste método. A influência do estado emocional das pessoas responsáveis pelo reconhecimento, causada pela provável perda de um ente querido, ou mesmo pelo ambiente lúgubre dos Institutos Médico-Legais, pode levar a uma identificação errónea. Já a identificação é caracterizada pelo uso de técnicas científicas e meios propícios para se chegar à identidade (6). 8

19 Enquadramento Teórico Esta identificação pode ser realizada por técnicos especializados (identificação judiciária ou policial) tendo o seu maior exemplo na dactiloscopia, ou pode ser realizada por profissionais com conhecimentos diferenciados e específicos na área biológica (identificação médico-legal) tendo esta uma sucessão praticamente ilimitada de técnicas e meios propícios, para se chegar à identidade humana. O senso comum remete-nos a ideia de que o médico dentista forense trabalha exclusivamente em corpos carbonizados, avaliando os trabalhos dentários realizados. Esta é uma ideia que não corresponde à realidade. Na actualidade, o auxílio prestado pela Medicina Dentária Forense no processo de identificação humana, não se limita apenas ao reconhecimento de trabalhos dentários e protéticos realizados, com o fim de determinar a identidade física de um cadáver irreconhecível, ou esqueleto. Hoje, o singelo e duvidoso reconhecimento cedeu lugar ao complexo, científico e seguro processo de identificação médico-legal por técnicas dentárias (7). Tal desenvolvimento no processo de identificação humana post-mortem, trouxe como consequência, a necessidade de se organizar em graus sucessivos de complexidade, os procedimentos deste processo, fazendo com que o processo de identificação humana post-mortem fosse dividido em Geral e Individual. Entretanto, por mais que a Medicina Dentária Forense se desenvolva, e aprofunde os seus conhecimentos, o trabalho em equipa com profissionais de outras áreas das Ciências Forenses como: Medicina Legal, Direito, Farmácia, Antropologia, Informática, Fotografia, Bioquímica, entre outros, é que permitirá, que cada vez mais, a justiça tenha elementos objectivos e seguros, ou seja, elementos de prova. 9

20 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres 1.2 Identificação geral versus identificação individual Identificação geral A identificação geral trata do estudo de vários aspectos sinaléticos, que irão formar um biótipo do indivíduo. Estes estudos iniciam-se com a determinação da espécie animal, que é realizada através de estudos antropológicos. Por esta razão, todos os Institutos Médico-Legais possuem, habitualmente, um profissional responsável pelo sector de Antropologia Forense. É para este sector que são encaminhados os cadáveres putrefactos, carbonizados ou reduzidos a esqueleto, para estudo e identificação, e onde, o médico dentista forense é membro indispensável da equipa, devido aos seus conhecimentos específicos, principalmente no que respeita ao crânio humano. Outras questões passíveis de serem esclarecidas pelo médico dentista forense na identificação geral post-mortem, dizem respeito à estimativa do sexo, estimativa da idade, estimativa da estatura, determinação do grupo étnico, entre outros. Podem, também ser determinadas outras características, como o diagnóstico de manchas ou líquidos provenientes da cavidade bucal ou nela contidos (Erro! Indicador não definido.). 10

21 Enquadramento Teórico Identificação individual A identificação individual distingue-se pela necessidade da presença de elementos comparativos anteriores à morte. Este tipo de identificação ocorre, por exemplo, em corpos carbonizados onde os elementos dentários são confrontados com os dados da ficha clínica dentária anterior aos acontecimentos. Nestes casos a identidade é instituída quando há coincidências suficientes e não são encontrados aspectos discrepantes, estabelecendo-se assim a identidade absoluta de uma pessoa. A destruição do corpo pode apresentar-se, em maior ou menor grau, como consequência da putrefacção ou da acção de agentes químicos ou físicos. Também se torna particularmente difícil a identificação nas situações de homicídio em que o criminoso provoca intencionalmente mutilações que visam dificultar a identificação, ou para ocultar o corpo. A identificação individual é muito importante em Medicina Forense, tanto por razões legais como por razões humanitárias, sendo frequentemente iniciada antes mesmo de se determinar a causa da morte (8). Muitos indivíduos são vítimas de homicídio ou encontram-se desaparecidos, dependendo a investigação destes casos da correcta identificação. Desta forma, o processo de identificação passou a ser primordial para a autópsia forense. Quer na Medicina Dentária quer na Medicina Legal, o material é o mesmo, o corpo humano. O objectivo final é sempre o mesmo, ou seja, estabelecer a identidade humana. 11

22 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres 1.3 Objectivos da identificação Segundo Adão Pereira (4), quanto à intervenção médico-legal realizada no sentido de se estabelecer a identificação de cadáveres ou de ossadas não reconhecidas, os objectivos podem ser diversos e agrupam-se da maneira seguinte: Objectivos Sentimentais Quando uma pessoa é dada como desaparecida, os familiares e amigos mais próximos exigem saber, o mais rapidamente possível o que aconteceu ao seu ente querido. Em primeiro lugar querem saber se essa pessoa está viva ou morta, e nesta última hipótese desejam poder fazer-lhe o funeral e dar-lhe uma sepultura que não seja anónima Objectivos Legais e Sociais 12

23 Enquadramento Teórico Quando um corpo não é identificado, o respectivo certificado de óbito não pode ser passado, criando-se uma situação de vazio social, verificando-se a impossibilidade imediata da satisfação de requisitos da lei civil, como a transmissão do património do falecido e o estabelecimento do estado civil do cônjuge sobrevivente. Também na investigação judiciária de um crime é necessária a existência do corpo de delito (facto material em que se baseia a prova do crime). 2 DESENVOLVIMENTO DO PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO No processo de identificação devem ser utilizados todas as técnicas reconhecidas cientificamente, não esquecendo de ter em conta, a disponibilidade de recursos, a eficiência das técnicas e o treino da equipa pericial. Gustafson (14) considera que o processo de identificação humana se desenvolve em três fases principais cuja sequência lógica é a seguinte: Quando aparece um cadáver desconhecido, procede-se à observação e descrição cuidadosa de todas as suas características que possam vir a ser úteis para a sua posterior identificação. De se guida recolhem-se todas as informações dum tipo semelhante e relacionadas com a pessoa desaparecida. Finalmente, procede-se a um estado comparativo dos dados obtidos a partir do cadáver com aqueles que foram recolhidos em relação à pessoa desaparecida. Neste momento resulta importante distinguir métodos comparativos de reconstructivos. Nas técnicas de identificação humana utilizam-se diferentes 13

24 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres métodos que, de acordo com Sassouni (9), podem ser classificados em métodos comparativos e métodos reconstrutivos. A utilização de métodos comparativos pressupõe a existência de elementos altamente fiáveis estabelecidos ante-mortem, nomeadamente, impressões digitais, radiografias, fichas médicas ou dentárias, os quais servem de referência aquando do exame comparativo. Os métodos reconstructivos são utilizados quando não existem dados estabelecidos ante-mortem, uma situação que, com relativa frequência, torna muito difícil a obtenção duma identificação positiva. Em tal caso, a investigação desenvolve-se a partir das informações obtidas pela observação do cadáver e tem como finalidade a determinação tão exacta quanto possível da idade, sexo, altura, raça e profissão da pessoa a que correspondem o cadáver ou as ossadas encontradas. Obtidos estes elementos, o acesso a determinadas elementos torna-se mais fácil, sendo então possível o recurso aos métodos comparativos que, por sua vez, podem tornar exequível uma identificação positiva. Na determinação da idade, os dados dentários oferecem mais confiança do que os dados fornecidos pelo exame do esqueleto pois a cronologia do desenvolvimento dentário é menos passível de variações que o desenvolvimento ósseo. Estas são conclusões de Johansen (10), autor que considera três períodos distintos na vida dos indivíduos quanto à dentição: um primeiro período in utero, até ao nascimento, um segundo período desde o nascimento até aos 14 anos, e um terceiro período desde os 14 anos até à perda dos dentes ou até à morte do indivíduo. Geralmente, e mesmo antes que se verifique o aparecimento dos respectivos cadáveres, acontece que as autoridades policiais recolhem e arquivam todos os dados relativos às pessoas dadas como desaparecidas, o que pode vir a revelar-se muito útil 14

25 Enquadramento Teórico para efeitos de identificação. 15

26 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres 3 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO Têm sido propostas e frequentemente utilizadas diversas técnicas de identificação humana. Neste trabalho classificámo-las em dois grandes grupos: técnicas de identificação não dentárias e técnicas de identificação dentárias. 3.1 Técnicas de identificação não dentárias As técnicas de identificação não dentárias incluem as comparações morfológicas, as técnicas radiográficas, o reconhecimento visual, o reconhecimento por objectos pessoais, os métodos osteoantropométricos, a reconstrução facial, a análise documental, a análise de ADN, a dactiloscopia, entre outras. O reconhecimento visual, o reconhecimento por objectos pessoais e a análise documental não são mais do que aproximações indiciárias de uma hipotética identificação, que têm que ser comprovadas cientificamente (11,12). Diferentes técnicas não dentárias, de identificação humana, têm sido utilizadas frequentemente e desde longa data. A propósito dos métodos não dentários de identificação, utilizados no Instituto de Medicina Legal de Lisboa, Reys (13) classifica-os em métodos dactiloscópicos, osteoantropométricos, radiológicos e biológicos. Por sua vez, Gustafson (14) refere o reconhecimento visual, o reconhecimento por objectos pessoais, a identificação pelas características corporais e pelas impressões digitais. Qualquer destas técnicas têm-se revelado insuficientes, em numerosos casos, e algumas delas têm conduzido, inclusivamente, a graves erros judiciários (Erro! Indicador não definido.,erro! Indicador não definido.,15). 16

27 Enquadramento Teórico Comparações morfológicas As características corporais com interesse para efeito de identificação são constituídas, nomeadamente, por traços faciais particulares, deformidades, cicatrizes e manchas cutâneas. Compreende-se que a sua importância seja pequena ou mesmo nula quando o cadáver sofreu alterações mais ou menos profundas, em consequência de fenómenos de putrefacção ou por acção de agentes físicos ou químicos e, principalmente, quando ocorreu a sua exposição prolongada a um fogo intenso. Por outro lado, e com o intuito de dificultarem ou impossibilitarem a identificação da sua vítima, os criminosos produzem, com bastante frequência, a amputação dos membros do cadáver, da cabeça, das orelhas, do nariz ou de outros órgãos Técnicas radiográficas Os raios X são um método auxiliar para a identificação e muitas vezes definitivo para obter a prova que faz chegar a um resultado definitivo (16). Consistem essencialmente na comparação entre radiografias ante e post-mortem. Sanders et al (17), conseguiram identificar um sujeito utilizando um único osso (clavícula), que ficou depois do acidente em causa. 17

28 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres Reconhecimento visual O reconhecimento visual é um método que deve ser sempre considerado com muitas reservas pois, frequentemente, tem conduzido a erros (11,12), quer a sua aplicação tenha sido feita para identificar pessoas vivas, geralmente criminosos, quer para identificar pessoas mortas. Além de factores emocionais que podem, em certas condições, ser determinantes para uma identificação falsa, também esta pode estar relacionada, em alguns casos, com intuitos fraudulentos. O reconhecimento visual é insuficiente para que se possa estabelecer uma identificação positiva. Os seus resultados devem ser sempre comprovados por métodos científicos e através de averiguações realizadas pelas autoridades policiais. O reconhecimento visual deve ser considerado circunstancial e só ganha valor quando confirmado por outros métodos Reconhecimento por objectos pessoais Os objectos de uso pessoal encontrados no cadáver ou na sua proximidade podem constituir um indicador importante da identidade do morto. Objectos de uso pessoal como por exemplo vestuário, relógios, jóias e calçado, são, entre outros, os objectos mais frequentemente encontrados. 18

29 Enquadramento Teórico A valorização destes objectos deve ser feita com cuidado, porque estes podem não constituir características pessoais, no verdadeiro sentido do termo, podendo mesmo não ser propriedade do cadáver, ou então terem, inclusivamente, sido colocados próximo deste para induzir a uma identificação falsa. O seu interesse torna-se ainda mais limitado quando se considera que podem ser facilmente destruídos pelo fogo e pela água. Deve proceder-se à descrição pormenorizada dos objectos, tendo em atenção a cor, o desenho e as dimensões No caso do vestuário, deve-se registar o tipo de tecido e o seu estado de uso, nunca esquecendo de verificar se tem etiquetas ou qualquer marca de tinturaria. Todos os objectos encontrados junto do cadáver devem ser fotografados (14). Deve ficar correctamente assinalada a distância e a sua posição, relativamente ao cadáver, recomendando-se a realização de um desenho ou esquema. No que respeita ao calçado é muito importante que fique registado o tamanho, o modelo, a cor, o material em que foi confeccionado, as características do tacão e da sola e, ainda, o seu estado de uso. Quanto aos relógios, caso sejam encontrados, deverá registar-se a marca, o modelo, o material em que é constituído e eventuais inscrições. As jóias também podem conter importantes elementos para a identificação (inscrições, nomes, datas de acontecimentos, indicação do grupo sanguíneo, entre outros) (4). Incluem-se neste caso, por exemplo, as alianças de casamento. As características do vestuário e de certos objectos encontrados no cadáver ou na sua proximidade podem facilitar muito a identificação ou, pelo menos, constituir um indicador importante da profissão, classe social, hábitos e, inclusivamente, do país de origem da vítima. 19

30 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres Métodos osteoantropométricos O exame osteoantropométrico permite constatar o desenvolvimento geral do indivíduo a idade e o sexo do indivíduo, a sua constituição, a relação entre estatura e peso, o estado de nutrição e a apreciação de patologias que possam condicionar alterações do desenvolvimento (síndromes congénitos, doenças endócrinas, entre outras). Podem também ajudar a determinar a causa da morte (18) Reconstrução facial A reconstrução facial não é considerada uma prova conclusiva, por si só, mas indiciária. Permite obter um retrato a partir de fragmentos ósseos, que pode ser posteriormente difundido por álbuns de desaparecidos e pelos meios de comunicação social. O resultado desta difusão pode ser o aparecimento de mais pistas, que por sua vez podem levar à identificação Análise documental Passaportes, bilhetes de identidade, fotografias, cartões de visita, endereços e registos de números telefónicos, entre outros, são analisados de forma a poder 20

31 Enquadramento Teórico estabelecer-se uma relação com o cadáver Análise do ADN A prova genética é considerada por muitos, a mãe de todas as técnicas de identificação, mas só deveria ser realizada quando já se esgotaram todos os outros recursos de identificação sem sucesso, ou como meio de comprovar os resultados obtidos, quando existem dúvidas (19). Os seus custos são elevados, e os resultados que dela advêm são demorados. Importante também é referir que existe uma cadeia de custódia na recolha de amostras, que se falhar pode resultar na contaminação da amostra, e consequentemente resulta na falibilidade da técnica Dactiloscopia A identificação pelas impressões digitais constitui o método de identificação mais conhecido e também aquele que tem sido mais utilizado. Sublinhe-se, desde já, que o método apresenta importantes limitações. A integridade das polpas digitais constitui, com efeito, a primeira condição para a sua utilização. Em casos de incêndio ou de naufrágio as polpas digitais podem apresentar-se consideravelmente alteradas, o que pode tornar impossível a identificação dactiloscópica. 21

32 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres Importa referir que, em caso de incêndio, as polpas dos dedos ficam em geral mais protegidas que as outras partes do corpo porque a mão ao fechar-se comprime-as fortemente contra a região palmar. Todavia, Reys (13) refere um conjunto de circunstâncias em que a obtenção das impressões digitais a partir do cadáver é muito difícil, designadamente nos casos de: - dificuldade em abrir os dedos devido ao rigor mortis II ; - sujidades, tais como sangue, óleo, etc. nas polpas dos dedos; - exsicação post-mortem das polpas digitais; - desidratação após submersão em água por bastante tempo. - destruição por fenómenos de putrefacção, carbonização ou outros processos. 3.2 Técnicas dentárias de identificação A cavidade bucal é considerada a caixa negra do corpo humano (6). Na maioria dos casos, em que os corpos se encontram decompostos, esqueletizados, fragmentados, queimados ou mutilados por qualquer outra razão, é comum a dentição estar intacta e fornecer informações preciosas para o processo de identificação. Isto é particularmente verdadeiro no caso de vítimas de incêndios e desastres em massa (4). II Por rigors mortis deve entender-se um estado de rigidez cadavérica, constante mas, algumas vezes, pouco acentuado e fugaz, podendo o momento da sua aparição ser influenciado pela idade, causa da morte, temperatura ambiente, desenvolvimento muscular e outros factores. 22

33 Enquadramento Teórico Mesmo quando nada se tem, mesmo quando a vítima nunca realizou tratamentos (14) dentários, mesmo quando nem sequer consultou um médico dentista, as informações que se podem obter do exame dentário aos restos encontrados, podem contribuir com dados úteis para a investigação policial. Além de permitir identificar ossos e dentes da espécie humana, o mesmo estudo pode fornecer informações sobre a vítima que possibilitem a individualização, por exemplo, quando há casos de desaparecimento referenciados. Nestes casos os dentes podem oferecer elementos sobre o cadáver, como por exemplo: espécie, grupo étnico, sexo, idade, altura, elementos congénitos, estigmas resultantes da profissão e hábitos pessoais, estigmas patológicos, traumatismos dentários, tratamentos médico-dentários, entre outros Espécie É obvio que ninguém questionará o diagnóstico da espécie à qual pertencem certas peças dentárias, quando as mesmas se encontram fixadas nos respectivos alvéolos. Basta analisar superficialmente o crânio ou a mandíbula, para detectar se é ou não humano. De facto, o diagnóstico da espécie só constitui um problema quando apenas temos uma ou mais peças dentárias isoladas. O que interessa, nesses casos é saber se esses dentes pertencem ou não à espécie humana. Caso não sejam humanos, em regra, desaparece o interesse forense, a menos que existam razões supervenientes. 23

34 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres A característica morfológica fundamental, única dos dentes humanos e que os torna diferentes de quaisquer outras espécies animais, é que nos dentes humanos a coroa e a raiz encontram-se num mesmo plano, apresentando-se como segmentos de hastes rectas. Contrariamente, nos animais as raízes descrevem, habitualmente, curvas, exibindo uma grande angulação. Apenas os macacos antropóides mostram uma certa semelhança com a raça humana, particularmente nos incisivos e caninos. Nestes casos, que são bastante raros, torna-se necessário um exame mais minucioso e, por vezes, será mesmo necessário recorrer à Zoologia (anatomia comparada). Tratando-se de fragmentos de peças dentárias, o exame microscópico também se pode realizar Grupo étnico Do ponto de vista dentário e crânio-facial existem algumas características mais frequentes em determinada raça (20). Segundo alguns autores (21), a característica dentária mais útil na determinação da raça são os incisivos em forma de pá, encontrados em quase todos os Asiáticos Mongolóides, e em menos de 10% dos Caucasianos e Negróides. Entre os Negróides existem frequências altas de primeiros molares inferiores bicúspides e segundos molares inferiores tricúspides (16). O tamanho e forma dos dentes, incluindo os incisivos em forma de pá, o Tubérculo de 24

35 Enquadramento Teórico Carabelli, e a forma da polpa dentária, têm sido apontados como as características dentárias determinantes da raça (23) Sexo A determinação do sexo, num cadáver não identificado, constitui uma das primeiras e mais importantes fases para o estabelecimento da identificação do indivíduo. A determinação do sexo é fundamental para efeito de identificação. De salientar, desde já, que o desenvolvimento do esqueleto e o desenvolvimento dentário variam segundo o sexo, sendo mais precoces no sexo feminino. É do conhecimento geral que o desenvolvimento do esqueleto, nas raparigas, precede em cerca de um ano o desenvolvimento dentário, enquanto que a diferença nos rapazes em relação aos dentes é apenas de um a quatro meses. Quando a idade óssea e a idade dentária são semelhantes, o indivíduo é provavelmente do sexo masculino mas se a idade óssea for maior que a idade dentária, então o indivíduo é provavelmente do sexo feminino. Estas conclusões resultam de um estudo comparativo e dos resultados obtidos por Schours e col (24), sobre a idade dentária, e por Greulich e col (25)sobre a idade óssea. Conhecido o sexo, a determinação da idade fica obviamente facilitada. Relativamente à morfologia dos dentes, verifica-se que os incisivos superiores são as peças dentárias que exibem maior dimorfismo sexual e, por consequência, os 25

36 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres dentes que podem oferecer mais dados relacionados com o sexo de um crânio ou de uma vítima. Sabe-se que os incisivos centrais superiores são mais volumosos nos indivíduos de sexo masculino, do que nos de sexo feminino. Todavia, as diferenças são milimétricas. Outra diferenciação morfológica refere-se à relação entre o diâmetro mesio-distal do incisivo central com o do incisivo lateral, no maxilar superior. Este diâmetro é menor na mulher do que no homem, e na mulher os dentes têm uma regularidade maior do que no homem, isto é, são mais semelhantes entre si. Oliveira (26), estudando apenas mandíbulas e relacionando-as com a estimativa do sexo, desenvolveu metodologias específicas a padrões nacionais, onde as características consideradas foram: a altura do ramo mandibular e a distância entre os dois pontos médios do ângulo goníaco mandibular. Os valores foram posteriormente analisados estatisticamente, usando duas metodologias, a regressão logística e a análise discriminante, que demonstraram boa margem de sucesso, respectivamente de 77,7% e 78,33%, apresentando ainda através da regressão logística, um score de probabilidade de pertinência ao sexo feminino. No final o autor desenvolveu um programa informático para utilização de padrões métricos, de indivíduos brasileiros adultos, independentemente do grupo racial a que pertençam. 26

37 Enquadramento Teórico Idade As técnicas dentárias também podem auxiliar na estimativa da idade, quer em crianças, adolescentes ou em adultos (27,28,29). A erupção dentária começa por volta dos 6 aos 9 meses, com os dentes temporários, e pode prolongar-se até aos 30 anos, com a erupção do terceiro molar definitivo, que até pode mesmo nunca chegar a erupcionar (30). Durante o período de desenvolvimento do ser humano, os dentes vão erupcionando, com uma cronologia bastante precisa, dentro da variabilidade que pode existir dependendo da dieta, factores metabólicos, sexo, entre outros (Erro! Indicador não definido.). Numa dentição madura, a idade pode ser calculada com base na espessura do cemento, o tamanho da cavidade pulpar, o grau de abrasão dentária e o estado dos tecidos vizinhos. O desaparecimento dos dentes, tem como consequência o início do processo de reabsorção dos alvéolos o que, obviamente, produz modificações significativas nos maxilares. Nomeadamente, na mandíbula o foramen mentoniano que se encontra equidistante dos bordos superior e inferior da mandíbula, em consequência deste processo de reabsorção vai, gradualmente, aproximando-se do bordo superior. Da mesma maneira, o ângulo formado pela linha que acompanha o bordo posterior do ramo ascendente da mandíbula e a linha que acompanha o bordo inferior do ramo horizontal mandibular, aumenta paulatinamente a partir da idade adulta (31). 27

38 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres Figura 1. Variações do ângulo mandibular em função da idade. Da esquerda para direita: no recém-nascido, no adulto e no idoso. Modificado de Angle (31) Tabela 1. Determinação da idade pelo ângulo mandibular. Modificado de Lewis (31) Mínimo Máximo Médio Idade (anos) 110 º 135 º 130 º 5 a º 130 º 125 º 11 a º 125 º 120 º 16 a º 120 º 115 º 21 a º 120 º 110 º 26 a º 120 º 110º 36 a 45 28

39 Enquadramento Teórico Figura 2. Determinação da idade pelo desgaste da coroa. Indivíduos com mais de 30 anos de idade, modificado de Ponsold (Erro! Indicador não definido.) Gustafson (14) estabeleceu critérios múltiplos, que levam em consideração não só o fenómeno do desgaste a que os dentes estão sujeitos, como também as modificações estruturais e dos tecidos circunvizinhos. O mesmo autor fixou seis processos evolutivos, que devem ser considerados simultaneamente ou em conjunto. Cada um dos seis estágios propostos por Gustafson (14), em função da sua intensidade, é representado com um algarismo, de 0 a 3, com o prefixo A, S, P ou C, consoante se observa abrasão, dentina secundária, paradontose, ou cemento de aposição, respectivamente. O somatório dos pontos de cada dente, acaba por produzir um valor numérico. Mann (32), produziu uma metodologia para estimativa da idade biológica humana, através do estudo do intervalo de obliteração das suturas palatinas de trinta e seis peças ósseas conhecendo-se a idade, sexo e raça das mesmas. Este estudo atesta, o potencial que tem o exame das obliterações da suturas palatinas, para se estimar a 29

40 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres idade biológica dos indivíduos, contudo, os autores reconhecem a necessidade de novas pesquisas, utilizando-se amostras mais representativas. Figura 3. Esquema de 4 dos 6 estágios evolutivos do desgaste dentário. Modificado do esquema proposto por Gustafson (14) A-abrasão, S-dentina secundária, P-paradontose, C-cemento de aposição. 30

41 Enquadramento Teórico Tabela 2. Representação dos estágios evolutivos do desgaste dentário (cont.) Modificado do esquema de Gustafson (14) AO AI A2 A3 PO PI P2 P3 SO SI S2 S3 CO C 1 C2 C3 RO R 1 R2 R3 TO T 1 T2 T3 Ausência de desgaste. Desgaste leve atingindo o esmalte. Desgaste que atinge a dentina. Desgaste que atinge a polpa. Ausência de paradontose. Início de paradontose. A paradontose atinge mais de 1/3 da raiz. Atinge mais de 2/3 da raiz. Ausência de dentina secundária. Início de formação da dentina secundária. A dentina secundária preenche metade da cavidade pulpar. A dentina secundária preenche quase completamente a cavidade pulpar. Apenas cemento normal. Depósito de cemento maior que o normal. Grande camada de cemento. Abundante camada de cemento. Inexistência de reabsorção. Pequena reabsorção em manchas isoladas. Grau mais adiantado de reabsorção. Grande área de reabsorção de dentina e de cemento. Ausência de transparência. Transparência visível. Transparência atinge 1/3 da raiz. Transparência atinge 2/3 da raiz. 31

42 Contribuição da perícia odontológica na identificação de cadáveres Altura Existe um método de determinação matemática que permite o cálculo da altura do indivíduo a partir das dimensões dos dentes. A fundamentação deste método reside no facto de que existe proporcionalidade entre os diâmetros dos dentes e a altura do indivíduo. Este procedimento foi criado e aperfeiçoado por Carrea (33). Mede-se o arco de circunferência em milímetros, constituído pelo somatório, no arco inferior, dos diâmetros meso-distais do incisivo central, do incisivo lateral e do canino inferior A corda deste arco, geometricamente falando, é medida traçando a linha recta entre os pontos inicial e final - (bordo mesial do incisivo central até ao bordo distal do canino ipsilateral) - do arco. Carrea atribuiu a esta medida o nome de raio-corda inferior. A altura humana deve encontrar-se entre estas duas medidas, que hão-de ser consideradas proporcionais, uma máxima, à medida do arco, e outra mínima, proporcional à medida do raio-corda inferior. As fórmulas para fazer a estimativa da altura em milímetros, são as seguintes: 1. Altura máxima (em mm) = (Arco x 6 x 10 x 3,1416) / 2 2. Altura mínima (em mm) = (raio-corda x 6 x 3,1416) / 2 32

10/7/2012. Parecer médico legal

10/7/2012. Parecer médico legal Parecer médico legal São pareceres emitidos por médicos de reconhecido renome na área médica ou médico forense, mediante consulta, que serão utilizados para dirimir dúvidas Relatório médico legal É o documento

Leia mais

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA IDENTIFICAÇÃO HUMANA Identificação pelo DNA - Identificação Médico-Legal - Perícias Odontológicas VOLUME II Editora Millennium CAMPINAS/SP

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais Perguntas sobre a aplicação de Equipamento de Controlo de Assiduidade através de Tecnologia Biométrica para além de Equipamentos de Controlo de Assiduidade por Impressão Digital /Palma Perguntas: (1) Será

Leia mais

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas?

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A consultoria médico-legal e as perícias em seguros de pessoas revestem-se de grande importância na regulação dos benefícios

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL DO ENTREVISTADOR Março 2008 2

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 700 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 700 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 700 RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA Fevereiro de 2001 ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-3 OBJECTIVO 4-5 RELATÓRIO DE REVISÃO/AUDITORIA 6-21 Considerações gerais 6-10 Elementos

Leia mais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Muitas firmas comerciais de Macau solicitam o fornecimento de

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

c) Conhecimentos aprofundados da função biológica, da anatomia e da fisiologia no domínio da obstetrícia e relativamente ao recém-nascido, bem como

c) Conhecimentos aprofundados da função biológica, da anatomia e da fisiologia no domínio da obstetrícia e relativamente ao recém-nascido, bem como Directiva 80/155/CEE do Conselho, de 21 de Janeiro de 1980, que tem por objectivo a coordenação das disposições legislativas, regulamentares e administrativas relativas ao acesso às actividades de parteira

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP DEFINIÇÃO: PERÍCIAS

Leia mais

Para a disciplina de Área de Projecto. Prof.ª Ana Reis

Para a disciplina de Área de Projecto. Prof.ª Ana Reis Escola Secundária da Portela Loures Ensino Secundário Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias 12º Ano de Escolaridade Para a disciplina de Área de Projecto Prof.ª Ana Reis Relatório Individual

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Enquadramento geral O termo job shop é utilizado para designar o tipo de processo onde é produzido um elevado número de artigos diferentes, normalmente em pequenas quantidades

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS Mestrado em Ciências da Documentação e da Informação Variante de Arquivo A EXTERNALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUIVO GESTÃO E CUSTÓDIA DE DOCUMENTOS CONTRIBUTO PARA

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

Como usar perguntas filtro em pesquisas online

Como usar perguntas filtro em pesquisas online Como usar perguntas filtro em pesquisas online Muitas vezes precisamos fazer uma pesquisa em um grupo de indivíduos caracterizados por algum traço comum: que sejam consumidores de um determinado produto,

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

[Diapositivo 2] Porquê a escolha desta população?

[Diapositivo 2] Porquê a escolha desta população? 1 De que falamos quando falamos de preconceito contra a homoparentalidade: Atitudes face à competência parental e ao desenvolvimento psicossocial das crianças. Jorge Gato [Diapositivo 1] Gostava de partilhar

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

São Paulo, 8 de setembro de 1999. BOLETIM GERAL PM 171 1 - DIRETRIZES A SEREM SEGUIDAS NO ATENDIMENTO DE LOCAIS DE CRIME

São Paulo, 8 de setembro de 1999. BOLETIM GERAL PM 171 1 - DIRETRIZES A SEREM SEGUIDAS NO ATENDIMENTO DE LOCAIS DE CRIME São Paulo, 8 de setembro de 1999. BOLETIM GERAL PM 171 1 - DIRETRIZES A SEREM SEGUIDAS NO ATENDIMENTO DE LOCAIS DE CRIME Resolução SSP- 382, de 1/9/99 O Secretario da Segurança Pública Considerando que

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 25 HIISTOGRAMA Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL memartins@fc.ul.pt Emília Oliveira Escola

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA Cirurgia Oral A Cirurgia Oral é uma especialidade da Medicina Dentária que inclui o diagnóstico e o tratamento cirúrgico de patologias dos tecidos moles e tecidos duros

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS Informação ao paciente Degussa Dental Fornecido pelo seu cirurgião-dentista: Prezado(a) paciente, Mais cedo ou mais tarde acontece com cada um de nós: os primeiros

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal

memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal Nuno Gomes Cefamol Associação Nacional da Indústria de Moldes MEMMOLDE NORTE As rápidas

Leia mais

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte À PROCURA DE UM INSTRUMENTO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA SAÚDE Grupo de Trabalho da Avaliação do Impacto dos Serviços de Saúde na

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL ODONTO IDÉIAS Nº 07 As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL Nossa intenção com esta coluna é reconhecer o espírito criativo do Cirurgião Dentista brasileiro, divulgando

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

Especialidades Odontológicas

Especialidades Odontológicas Especialidades Odontológicas Urubatan Medeiros Doutor (USP) - Professor Titular do Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária (UERJ/UFRJ) - Consultor do Ministério da Saúde I - Introdução A Odontologia

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Cefaleia crónica diária

Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária O que é a cefaleia crónica diária? Comecei a ter dores de cabeça que apareciam a meio da tarde. Conseguia continuar a trabalhar mas tinha dificuldade em

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio ÍNDICE 1. Descrição da empresa 2. Descrição do problema 2.1 Subcontratação da produção 2.2 Relacionamento da empresa 2.3 Dois departamentos de qualidade 2.4 Inspecções actualmente efectuadas 2.5 Não conformidades

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º; 18º Condomínios de imóveis Processo: nº 2773, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-12-15. Conteúdo: Tendo por

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

ARTIGO 1.º DEFINIÇÕES ARTIGO 2.º OBJECTO DO CONTRATO ARTIGO 3.º INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO. SEGURO REAL VIDA Condições Gerais

ARTIGO 1.º DEFINIÇÕES ARTIGO 2.º OBJECTO DO CONTRATO ARTIGO 3.º INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO. SEGURO REAL VIDA Condições Gerais ARTIGO 1.º DEFINIÇÕES 1. Para efeitos do presente contrato entende-se por: Seguradora: a Real Vida Seguros, S.A., que subscreve com o Tomador de Seguro o presente contrato; Tomador de Seguro: A entidade

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

Instituto Superior de Ciências da Saúde - Norte

Instituto Superior de Ciências da Saúde - Norte Regulamento do concurso de acesso aos cursos ministrados pelos estabelecimentos de ensino da Cooperativa de Ensino Superior, Politécnico e Universitário, CRL. C.E.S.P.U. Instituto Superior de Ciências

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL Este manual tem por objetivo esclarecer os procedimentos relacionados à identificação criminal solicitados pelas Delegacias de Polícia, pelo Poder Judiciário e demais órgãos

Leia mais

Localização da AHBVBrasfemes Entidade Formadora

Localização da AHBVBrasfemes Entidade Formadora Localização da AHBVBrasfemes Entidade Formadora Colocar mapa de localização com coordenadas: GPS: 40.271892, -8.404848 Morada: Bombeiros Voluntários de Brasfemes Rua Antonino dos Santos, nº. 37 3020-533

Leia mais

Informações sobre a Clínica Odontológica Escolar de Arbon Schulzahnklinik

Informações sobre a Clínica Odontológica Escolar de Arbon Schulzahnklinik Informações sobre a Clínica Odontológica Escolar de Arbon Schulzahnklinik Schulzahnklinik Arbon Telefone: 071 446 65 61 Stacherholzstrasse 32 Fax: 071 446 65 67 9320 Arbon E-Mail: szk.arbon@psgarbon.ch

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 (...) tenho de observar o mundo a partir de outra óptica, outra lógica, e outros métodos

Leia mais

UNIVERSIDADE ATLÂNTICA

UNIVERSIDADE ATLÂNTICA UNIVERSIDADE ATLÂNTICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DE Investigação Radiológica em Ciências Forenses 2015-2016 1 -COORDENAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO Nome E-mail Telemóvel do (s) coordenador (es) 2 COMISSÃO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICA

Leia mais

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo À semelhança de 2005, a Administração Fiscal encontra-se a realizar um diagnóstico da sua relação com os utentes, cidadãos e empresas, com

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1980L0155 PT 31.07.2001 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B DIRECTIVA DO CONSELHO de 21 de Janeiro de 1980 que tem por objectivo a coordenação

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS E AGENTES DESPORTIVOS APÓLICE Nº 0001960563

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS E AGENTES DESPORTIVOS APÓLICE Nº 0001960563 MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS E AGENTES DESPORTIVOS APÓLICE Nº 0001960563 1 DEFINIÇÃO De acordo com as Condições Gerais da Apólice de

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Neste capítulo visamos efectuar, em primeiro lugar, uma descrição clara e sucinta do conhecimento na área das atitudes dos alunos face à inclusão de alunos com deficiência e, em segundo lugar, definir

Leia mais

Programas Referenciais do 1º ciclo do Ensino Recorrente. Programa Referencial de MATEMÁTICA INTRODUÇÃO

Programas Referenciais do 1º ciclo do Ensino Recorrente. Programa Referencial de MATEMÁTICA INTRODUÇÃO Programa Referencial de MATEMÁTICA INTRODUÇÃO 1. Finalidades A Matemática intervém, em quase todas as actividades humanas do quotidiano, quer como instrumento para resolução de situações problemáticas,

Leia mais

BIOBANCO IMM PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ)

BIOBANCO IMM PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) BIOBANCO IMM PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) Gostaria de doar sangue para apoiar a investigação médica. Como poderei fazer? Para doar uma amostra pode nos contactar (217999437 ou 965152588) ou visitar nos no

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

Análise da mortalidade em Portugal.

Análise da mortalidade em Portugal. Análise da mortalidade em Portugal. Paulo Canas Rodrigues; João Tiago Mexia (E-mails: paulocanas@fct.unl.pt; jtm@fct.unl.pt) Resumo Neste trabalho apresentam-se tabelas de mortalidade para a população

Leia mais

Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação

Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação 070112=SINFIC HM Processo Manutencao MSI.doc, Página 1 Ex.mo(s) Senhor(es): A SINFIC agradece a possibilidade de poder apresentar uma proposta

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet)

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Março 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Autoridade Tributária e Aduaneira Ministério das Finanças Classificação: 010.10.01 Rua da Prata nº

Leia mais

Deliberação n.º 762/2003

Deliberação n.º 762/2003 Deliberação n.º 762/2003 de 27 de Maio Deliberação n.º 763/2003. - Por deliberação da Secção Permanente do Senado, em reunião de 5 de Fevereiro de 2003, foi aprovada a criação do curso de Mestrado em Ciências

Leia mais

PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL PERÍCIAS COMPLEMENTARES

PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL PERÍCIAS COMPLEMENTARES PROTOCOLO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AVALIAÇÃO DO DANO CORPORAL PERÍCIAS COMPLEMENTARES Considerando que: nos termos legais e regulamentares aplicáveis, o FUNDO DE GARANTIA AUTOMÓVEL, entre outras atribuições,

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Seguro Acidentes de Trabalho

Perguntas frequentes sobre o Seguro Acidentes de Trabalho Perguntas frequentes sobre o Seguro Acidentes de Trabalho O que é um acidente de trabalho? Por acidente de trabalho, entende-se o acidente: a) Que se verifique no local de trabalho ou no local onde é prestado

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010 Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciências da Comunicação Pesquisa de Marketing Docente Raquel Ribeiro Classes sociais Ainda são importantes no comportamento

Leia mais

factos e mitos ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS

factos e mitos ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS factos e mitos ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS FACTO: Os estudos disponíveis não permitem concluir que o consumo de bebidas refrescantes não alcoólicas (independentemente

Leia mais

Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo.

Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo. 1. Registo Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo. O registo das modalidades da Propriedade Industrial, compete a todos operadores das actividades económicas que nisso

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

14 --------- Como redigir o projeto de pesquisa? 14. 1.2 Identificação

14 --------- Como redigir o projeto de pesquisa? 14. 1.2 Identificação 14 --------- Como redigir o projeto de pesquisa? 14. 1.2 Identificação Nesta primeira parte são apresentados os dados essenciais à identificação do projeto, quais sejam: a) título e subtítulo (se houver);

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado.

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. Conceitos relativos à Informação 1. Informação O que á a informação? Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. 2. Dados Em informática designa-se

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS E AGENTES DESPORTIVOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS E AGENTES DESPORTIVOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS E SERVIÇOS MÉDICOS CONVENCIONADOS SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE ATLETAS E AGENTES DESPORTIVOS 1 DEFINIÇÃO De acordo com as Condições Gerais da Apólice de Acidentes Pessoais Desporto

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) http://curriculum.degois.pt Março de 2012 Versão 1.5 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

NORMALIZAÇÃO. desenho técnico

NORMALIZAÇÃO. desenho técnico NORMALIZAÇÃO desenho técnico 2004/2005 II Formatos do papel (NP 48) Normalização No mundo actual cada vez mais é necessário haver um conjunto de regras ou normas que permitam uma uniformização, quer nos

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais