East Timor Agriculture Network and Virtual Library Rede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "East Timor Agriculture Network and Virtual Library Rede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste"

Transcrição

1 East Timor Agriculture Network and Virtual Library Rede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste Esboço Histórico do Sândalo no Timor Português Documento:TA001 Author: Rui Cinatti Date: 1950 Published by: JUNTA DE INVESTIGAÇÕES COLONIAIS Summary History of Sandal in Portuguese Timor This is an important work about one of the greatest natural resources that Timor has had: Sandal wood. Written in a poetic style, by Rui Cinati. The text refers the importance of forestry in the colony of Timor and in this connection relates the history of the exploitation of sandalwood (Santalum album L.) from 1514 to Long before the Portuguese reached Timor and settled there the island was already known and visited by the Chinese and Arab merchants who came to obtain the «salutary and scented wood» of which Camões speaks. From its centre of origin in Timor and the neighbouring islands the species spread to India and other nearly regions and it is not surprising to hear that great happenings have been influenced by sandalwood which has even been the motive of wars and political upheavals. This precious essence is today only found in a small area of our territory of Timor due to the arbitrary cutting carried out over along period, frequent fires and a complete ignorant of methods of cultivation and propagation. The vigorous measures of protection taken by the Governors Celestino da Silva and Filomeno da Câmara have proved of little use. In 1913 the export of sandalwood reached 907 tons. In 1925 it was prohibited as the natural reserves had been exhausted.

2 The necessary time - given the ecological conditions- for the sandal tree to reach the state of complete development is thirty to forty years. In the adult phase, it reaches about 10 to 20 m hight and a diameter, at the breast height, of 0.50 m.; the bark, green initially - greyish and smooth, becomes brown and cracked longitudinally. Taking into account this last characteristic, the tree is ready to be cut, unless for another reason, such as disease, which would cause this to be carried out sooner. The bark of a 30 year old tree is perfumed, heavy and yellow. Even in the last quarter of the 19th century, sandal occupied a quite large area, and its presence around Dili attracted the attention of A.R. Wallace, the naturalist to whom the first studies about the dividing fauna and flora lines of the archipelago are due. Describing the vegetation of the north coast, in the regions that he visited, he says: The lower ranges of the hills are everywhere covered with scrubby eucalyptus which only occasionally grows into lofty forest trees. Mingled with these in smaller quantities are acacias and the fragrant sandalwood. This was the cas e in 1861, when coffee plantations were beginning to develop. Governor Celestino da Silva, in a circular dated 16th of September 1901, announced: Since the exportation of sandal cut on the north cost of this district has been very large, and available trees, which can be used are becoming rare, and are largely being knocked down very young during their growth: Cutting of sandal trees is strictly forbidden in areas of military command of Btugadé, Liquiça, Maubára, Mothael, Centeral West of Aileu, Ermera, Remexio, Manatuto and Baucau. During the period of governor Teófilo Duarte the ban continued. Until today, since 1910, the export of sandal, wood and root, is contained in the following quantities:

3 It was then that, in one of the books that were offered to me by the Australian Council in Dili, I gathered the following information: «OTHER PLANTS RICH IN CHLOROPHYLL, BUT WHICH RELY VERY LARGELY ON OTHER PLANTS FOR THEIR SUPPLIES OF WATER AND MINERAL SALTS ARE SOME, IF NOT ALL, OF THE SANDALACEAE, AMONG THE MEMBERS OF WHICH KNOWN TO BE SO PARASITIC ARE THE KNOWN SANDALWOODS (Santalum spp.)» Later, in one of my visits to the interior, I noticed some feet of sandal growing together with various herbaceous of Stachyarp lteta group. I did not hesitate in uprooting the group of plants, having confirmed, upon taking the roots to a nearby brook, the previously defined parasite: the roots of the sandal went through the roots of the mentioned herbaceous. Another time, on the enclave of Ocussi, along the road that leads to the administrative headquarters, I was shown, next to a magnificent example of Cassia Siamea, a sandal tree in development. The road works had exposed and deeply wounded some of its surface roots. From these roots, which at first sight seemed to be dead, vigorous shootings of new sandal were growing, thus proving the possibility of vegetative propagation of the species. ECOLOGICAL RECOGNITION 1. In Portuguese Timor, sandal is, at present, contained to the Ocussi enclave and some patches surrounding Cova Lima and Bobonaro. Also, some remains of its existence can be found in various locations along the north coast. These are in secondary forests of deciduous foliage (monsoon forest), at an altitude varying between 50 to 800 m. In conjunction, it takes the place of dominated species. Its distribution is related to the ambulatory movements of

4 local vegetable gardens, finding in these places the best conditions for development. It appears in groups or isolated. The dissemination of seeds is done by birds. 2. It grows in porous land, preferably sloped. The climatic requirements vary according to exposure, but they find their best in areas that combine the dryness of the littoral with the starting humidity of the mountain. 1,000 to 2,000 mm. of rain is enough, with the condition of having rain during the dry season. This is why some samples are sometimes found at 1,200m. 3. The Parasitism of Sandal is an indisputable fact, and it is curious that only now and only through personal curiosity the Portuguese have come to know it. However the preferred host can not be determined, only indicating the preference for leguminous (specially Leucoena glauca). The experiments performed are associated with the Crotalaria, Leucoena, Chrysanthemum, Zea, Helianthus and Sesbania species. The observation selected the species of Acacia, Cassia, Albizzia, Bambusa, Casuarina, Gossypium, Mallotus, Melia, Morinda, Wrigthia, Ziziphus, Capsicum and Exocarpus types as likely hosts. CULTIVATION NORMS 1. Open trenches, in shrubbery areas, as much as possible according to elevation lines, with a width of 1m. and separated from each other 3m. In these intervals, cut all the vegetation heigher than 1.5m. and plant fast growing shrub legumes (Leucoena glauca). 2. Weed out all herbaceous vegetation in the midline of the trenches (30cm. Wide) and plant, one meter apart, in coves, some sandal seeds intermittent, with the same distance from other coves of «Turis» (Sesbania grandiflora). Cover the rest of the space of the trench with «Ai manas» (Capsicum sp.) seeds. It is convenient that some of the seeds of this species be thrown together with the sandal in the same cove. One of the starting cultural operations is the sheltering shrub and the distance of 2m between the sandal feet and the «Turis» feet. 3.The shrub vegetation which has in the meantime developed should not overshadow too much the small sandals. After three years, dark shadows should be avoided. As a rule the «Turis» dies in the seventh or eighth year, when the radical development of the sandal disposes of the conditioned hosts. 4. If it is not possible to follow these norms, it seems to me that the criteria of planting the sandal in abandoned indigenous gardens, together with corn (only in the first year), is most recommendable, from all points of view, including the economical one.

5 Resumo Este é uma obra prima sobre um dos maiores riquezas naturais que Timor já teve: O Sândalo. Escrito num estilo poético, próprio do Rui Cinati. O texto refere a importância das florestas na colónia de Timor e relata a história da exploração do sandâlo (Santalum album L.) de 1514 a Muito antes dos Portugueses chegarem a Timor e lá se instalarem, a ilha já era conhecida e visitada pelos comerciantes Chineses e pelos Arabes que vinham buscar a madeira salutar (saudável) e perfumada do sândalo), da qual o Camões fala. Do seu centro de origem em Timor e ilhas vizinhas, a espécie se espalhou a India e outras regiões vizinhas, e não é surpreendente ouvir que grandes acontecimentos foram influenciados pelo sândalo, que até foi razão para guerras e distúrbios políticos. Esta essência preciosa hoje só é encontrada em pequenas áreas do nosso território de Timor devido ao corte arbitrários (sem razão) durante um longo períodos, fogos frequentes e uma ignorância completa dos métodos de cultivo e propagação. As medidas vigorosas de protecção tomadas (feitas) pelo Governadores Celestino da Silva e Filomeno da Câmara têm tido pouca utilidade. Em 1913, a exportação do sândalo atingiu 907 toneladas. Em 1925 foi proibido porque as reservas naturais estavam esgotadas (terminadas). Trinta a quarenta anos é o tempo necessário para que reunidas as condições ecológicas a arvore do sândalo atinja o estado de completo desenvolvimento. Na fase adulta, chega a ter cerca de 10 a 20 m. de altura e um diâmetro a altura do peito de 0,50 m.; a casca, a principio verde -acinzentada e lisa, torna-se acastanhada e fende longitudinalmente. Quando se nota esta ultima característica, a arvore esta pronta a ser cortada, a não ser que outro motivo, como seja doença, leve a efectuar a operação mais cedo. O cerne de uma árvore com 30 anos de idade é cheiroso, pesado e amarelo. O sândalo ocupava ainda no ultimo quartel do século XIX, uma área bastante extensa, e a sua presença nos arredores de Dili chamava a atenção de A. R. Wallace, o naturalista à quem se devem os primeiros estudos sobre as linhas divisórias da fauna e da flora do arquipélago. Ao descrever a vegetação da costa norte, nas regiões que visitara, diz que: A base das montanhas estão cobertas por todo o lado com eucaliptos que só ocasionalmente crescem ao ponto de ficarem grandes árvores florestais. Misturados com estas árvores, mas em número menos estão as acacias e o sândalo fragoso (cheiroso) Isto passavase em 1861, data que em plantações de café se começavam a desenvolver.

6 Governador Celestino da Silva anuncia numa circular datada de 16 de Setembro de 1901: Como tem sido muito grande a exportação de sândalo cortado na costa norte deste distrito, e rareando já as arvores em estado de serem aproveitadas se estão derrubando na maior parte ainda muito novas e susceptíveis de crescimento: Fica expressamente proibido o corte de arvores de sândalo nas arcas dos comandos militares de Batugadé, Liquiçá, Maubára, Mothael, Central de Oeste Aileu, Ermera, Remexio, Manatuto e Baucau. Durante o período do governo de Teófilo Duarte manteve-se a proibição. Até esta data, desde 1910, a exportação do sândalo pau e raiz cifra-se nas seguintes quantidades: Foi então que, num dos livros que me foram oferecidos pelo cônsul da Australia em Dili, pude colher a seguinte informação: outras plantas ricas em clorofila, mas que dependem grandemente de outras plantas para lhe fornecerem água e sais minerais, são alguns, se não todos, os Sandalaceae. Entre os membros desta família sabe-se que o Sândalo (Santalum spp.) é parasita (vai buscar comida de outras plantas). Mais tarde, numa das minhas visitas ao interior, deparei com alguns pés de sândalo crescendo de mistura com várias herbáceas do género Stachyarplteta. Não hesitei em desenterrar o conjunto das plantas, tendo visto confirmado, ao lavar as raízes num riacho próximo, o parasitismo determinado antecipadamente: as raízes dos pequenos sândalos atravessavam as raízes da herbácea referida. De outra vez, no enclave de Ocussi, à beira da estrada que conduz à sede da administração, mostraram-me, junto a um magnífico exemplar Cassia siamea, uma árvore de sândalo em pleno desenvolvimento.

7 Os trabalhos da estrada tinham posto a descoberto e ferido profundamente algumas das suas raízes superficiais. Dessas raízes, que à primeira vista pareciam estar mortas, brotavam, vigorosos, os lançamentos de novos sândalos, provandose, assim, a possibilidade de propagação vegetativa da espécie. RECONHECIMENTO ECOLÓGICO 1. No Timor Português, o sândalo está, actualmente, circunscrito ao enclave de Ocussi e a algumas manchas nas circunscrições de Cova Lima e de Bobonaro. Encontram-se também vestígios da sua existência em várias localidades da costa norte. Ocorre em florestas secundárias de folha caduca (floresta das monções), a uma altitude variável entre 50 e 800 m. Na associação, ocupa o lugar de espécie dominada. A sua distribuição está intimamente relacionada com os movimentos ambulatórios das hortas indígenas, encontrando nestes locais as melhores condições de desenvolvimento. Aparece em grupos ou isolado. A disseminação das sementes é feita pelos pássaros. 2. Cresce em terrenos porosos, de preferência inclinados. As necessidades climatéricas variam conforme a exposição, mas encontram o seu óptimo nas zonas que combinam a secura do litoral com as primeiras humidades da montanha a mm. de chuva são suficientes, com a condição de haver precipitações durante a estação seca. É por isso que se encontrara às vezes exemplares a m. 3. O Parasitismo do sândalo é um facto indiscutível, sendo para estranhar que só nesta data e a título de curiosidade pessoal os Portugueses dele tenham tomado conhecimento. Não pude, todavia, determinar qual o hospedeiro preferido, indicando, apenas, a preferência pelas leguminosas (Leucoena glauca, em especial). As experiências realizadas associaram-no com espécies de Crotalaria, Leucoena, Chrysanthemum, Zea, Helianthus e Sesbania. A observação seleccionou como prováveis hospedeiros espécies dos géneros: Acacia, Cassia, Albizzia, Bambusa, Casuarina, Gossypium, Mallotus, Melia, Morinda, Wrigthia, Ziziphus, Capsicum, Exocarpus. NORMAS DE CULTIVO 1. Abrir faixas, nas zonas arbustivas, tanto quanto possível segundo as linhas de nível, com 1 m. de largura e intervaladas à distância de 3 m. Nesses intervalos, cortar toda a vegetação com mais de 1,5 m. de altura e semear leguminosas arbustivas de crescimento rápido (Leucoena glauca). 2. Mondar toda a vegetação herbácea no troço médio das faixas (30 cm. de largura) e semear de metro a metro, em covachos, algumas sementes de

8 sândalo intercaladas à mesma distância por outros tantos covachos de «Túris» (Sesbania grandijlora). Cobrir o espaço restante da faixa com uma sementeira de «Aimanas» (Capsicum. sp.), sendo conveniente que algumas sementes desta espécie sejam lançadas conjuntamente com o sândalo no mesmo covacho. Uma das operações culturais de começo será a monda que obrigue e um compasso de 2 m. entre os pés de sândalo e os pés de «Túris». 3. A vegetação arbustiva que entretanto se desenvolveu não deve sombrear demasiado os pequenos sândalos. Devem evitar-se, a partir dos três anos, as sombras escuras. Em regra a «Túris» morre no sétimo ou oitavo ano, quando o desenvolvimento radicular do sândalo prescinde de hospedeiros condicionados. 4. No caso de não haver possibilidade de se seguirem estas normas, parece-me que o critério de se semear o sândalo nas hortas indígenas abandonadas, conjuntamente com o milho (só no primeiro ano), é dos mais aconselháveis sob todos os pontos de vista, inclusive o económico. Rezumu Ai-kameli hanesan obra prima husi rikusoin rain nian iha Timór. Rui Cinati eskritór ida ne ebé hakerek ho estilu poezia ida kona-ba ai-kameli iha Timór. Testu ida-ne e hakerek kona-ba importánsia husi servisu floresta nian iha tempu kolonializmu no nia relasaun ho istória kona esplorasaun ai-kameli (Santalum album ) husi tinan 1514 to o Iha momentu bainhira ema Portugés sira seidauk deskobre illa Timór, iha tempu ne ebá, Timór koñesidu tiha ona no hetan ona vizita husi ema komersiante Xinés ho Árabe, ne ebé mai buka madeira di ak ka (ai ne ebé di ak no morin mak naran ai-kameli), Ninia orijen husi illa Timór no illa viziñu no haklekar iha Índia ho rejiaun viziñu seluk tan, ita la admira katak akontesimentu barak mak hetan influénsia husi ai ne e, ne ebé hanesan atu funu no perturbasaun polítiku. Asidente sira-ne e agora daudaun só iha de it iha fatin balun iha territóriu ne e, tanba iha ema balun mak halo esplorasaun ho razaun ne ebé la forte durante períodu ne ebé naruk, no mós hanesan sunu ba beibeik no la iha métodu ida atu halo divulgasaun. Medida sira forte no vigór kona-ba protesaun halo tiha ona husi governadór Celestino da Silva ho Filomeno da Câmara, maibé ladún uza iha prátika. Esportasaun ai-kameli iha tinan 1913 to o tonelada 907. Iha tinan 1925 hapara tiha tanba rezerva naturál ne ebé iha besik hotu ona. Bainhira idade ai-kameli to o ona tolunulu ka haatnulu, entaun aikameli to o ona ba faze ne ebé kompletu iha nia prosesu dezenvolvimentu. Iha faze adultu ai-kameli nia aas bele to o ona metru 10 ka 20, no nia diámetru altura nian to o iha hirus-matan (dap, diameter setinggi dada), bele to o metru 0,50; aikameli nia kulit iha prinsípiu ho kór matak-malahok (sinzentu) no lisa hodi sai kór-malahok (abu-abu) lonjitudinamente loke ona. Bainhira ita fó nota husi nia karakterizasaun ikus ne e, ai-kameli bele taa ona, se iha motivu seluk hanesan moras, ka buat seluk tan entaun ita bele halo operasaun sedu. Bainhira to o ona idade 30 (tolunolu), ai nia isin hahú morin maka as, todan no ho kór-kinur. Iha sékulu XIX, ai-kameli okupa fatin ne ebé boot tebes iha territóriu ne e, nia prezensa hale u Dili fó atensaun ba A. R. Wallace, naturalista ne ebé sai

9 nu udar ema dahuluk be halo estudu sira kona-ba liña ne ebé fahe ba flora ho fauna husi arkipélagu. Nia deskreve kona-ba vejetasaun husi kosta norte, iha rejiaun ne ebé nia vizita, nia hateten katak Iha foho-lolon, iha fatin hotu nakunu hela ho ai eukaliptu (ai-bubur), ne ebé moris no sai ai-laran. Ai barak mak kahor hela ho nia, maibé ho númeru ne ebé ki ik, hanesan ai-kasi no aikameli fragozu ka morin Ne e hahú muda iha tinan 1861, data bainhira plantasaun kafé hahú dezenvolve ona. Governadór Celestino da Silva fó anúnsiu data sirkulár ida hasai iha loron 16 fulan-septembru 1901: Tanba kosta norte sai nu udar distritu ida ne ebé halo esportasaun ba ai-ka meli iha kuantidade ne ebé boot, no ai barak mak destrui tiha ona liuliu balu sei nurak hela no iha faze kresimentu. No fó mandatu ba komandu militár sira Batugede, Liquisa, Maubara, Motael, Sentrál no Oeste husi Aileu, Ermera, Remexio, Manututo no Baucau atu bele hapara no bainhira ema ruma taa aikameli. Durante períodu iha governu Teófilo Duarte mantein nafatin Proibisaun ne e,. To o data ida-ne e, tuirmai ne e fó valór ne ebé konkreto kona-ba kuantidade esportasaun ai-kameli dezde 1910, Iha livru ida ne ebé oferese tiha husi konsuladu Autrália sira mai ha u, bele foti informasaun ida tuirmai ne e: ai-horis ne ebé riku ho klorofila, maibé nia depende maka as ba ai-horis seluk atu bele fornese ba nia bee no sais minerál sira, la ós espésie hotu husi família Sandalacea, só balu de it, entre espésie sirane e só Ai-kameli de it mak parasita (tanba presiza ai-han husi ai-horis sira seluk) Ikusliu, husi ha u-nia vizita ne ebé liubá, ha u haree iha ai-kameli balun ne ebé kahor hela ho espésie ai herbaceas balun hanesan Stachyarplteta. Háu foti rai ne ebé laran liu besik ai-kameli no herbaceas sira-ne e, fase no halo observasaun ida ba ai-kameli nia abut, no hatudu duni parasitizmu, tanba aikameli abut atravesa hela hesbaceas abut. Ba dala ida tan, iha enklave Ocussi husi biera estrada nian, besik sede administrasaun, fó-hatudu ba ha u ezemplu ida tan hanesan ai Cassia siamea ho ai-kameli ne ebé dezenvove an hela. Servisu balu hanesan loke tan estrada, iha hela abut iha rai leten,. Abut sira-ne e bainhira ha u haree ba dala uluk hanesan abut ne ebé mate, maibé nia abut nakfera hela hodi hahú forma ona ai-oan, husi ida-ne e fó evidénsia ne ebé di ak katak iha duni posibilidade atu halo divulgasaun vejetativa ba espésie ida-ne e.

10 REKOÑESIMENTU EKOLÓJIKU 1.º Iha tempu Timór Portugés, ai-kameli atualmente sirkula de it iha enklave Ocussi, balun sirkula iha Covalima no Bobonaro. Hasoru restu balun ne ebé eziste hela iha fatin barak husi norte nian. Sai hanesan floresta sekundária ho tahan ne ebé monu iha tempu balu, (floresta tempu udan nian), ho altitude ka aas (ketinggian tempat) variavel entre 50 a 800 m husi tasi. Iha asosiasaun sai hanesan espécie sira ne ebé domina. Ai-kameli nia distribuisaun sei relasiona hela ho movimentu la fiksu husi to os naturál, iha fatin ida-ne e sei hetan kondisaun ne ebé di ak atu dezenvolve. No moris ho grupu ka balun izoladu. Propagasaun ba ai-kameli musan liuhusi manu-fuik. 2.º Moris iha rai ne e porozu ka permeavel, no prefere rai-kle an. Presiza klima ne ebé varia konforme ninia espozisaun, maibé nia zona ne ebé di ak liu mak zona ne ebé kombina zona litorál ne ebé maran ho presiza umidade foho nian. Udan-been varia 1000 ba 2000 mm no presiza udan ne ebé natoon no ho kondisaun ne ebé la iha udan durante tempu bailoro, Ne e duni dala ruma aikameli balun bele moris iha altitude ka aas 1200m. 3.º Parasistizmu husi ai-kameli hanesan fatu ne ebé loos duni, mezmu ema barak admiradu, maibé data ho títulu ida-ne e hanesan kuriozidade pesoál husi portugés sira mak iha koñesimentu kona-ba ida-ne e. Maibé la bele deside ba ospedeiru ida ne ebé adapta liu ho ai-kameli, husi idane e nia halo esperiénsia ida ho espésie leguminoza sira hanesan ai-kafé (Leucaena glauca). Esperiénsia sira -ne e mós realiza hamutuk ho espésie sira seluk hanesan Crotalaria, Leucaena, Chrysanthemum, Zea, Helianthus no Sesbania. Iha observasaun ne e selesiona tiha ba espésie ospedeiru provavel husi jéneru: Acasia, Cassia, Albizzia,. Bambusa, Casuarina, Gossypium, Mallotus, Melia, Marinda, Wigthia, Ziziphus, Capsicum,Exocarpus. NORMA ATU KUDA 1.º Ke e rai-kuak, iha zona arbustiva, (alang-alang) se bele liuhosi liña ne ebé niveladu (liu liña kontur) ho luan metru ida no intervalu distánsia (nia dook) metru 3, iha intervalu ida-ne e ita taa ai ki ik ka vejetasaun ho liu metru 1,5 ne ebé bele permite ba ai-kafé (leucaena glauca) ka espésie leguminoza sira seluk nia moris. 2.º Hasai ka hamoos herbaceas hanesan du ut ka seluk tan, bainhira atu prepara rai-kuak, (30 cm nia luan), kuda iha metru ba metru ida, iha rai-kuak balu kuda ai-kameli musan no iha intermedioka nia klaran kuda ai-turi (sesbania grandiflora). Kuda ai-manas iha kuak balun ho Ai-manas musan (Capsicum sp), ai-manas musan balun bele mós kuda hamutuk ho ai-kameli iha kuak ida. Operasaun kulturál ida ne ebé kuda ho nia dook metru 2, ba ai-kameli ho ida seluk no ai-turi. 3.º Ba vejetasaun arbustiva ne ebé dezenvolve iha palantasaun nia leet la bele fó mahon ba ai-kameli oan. Kuidadu ai-kameli oan no evita ai ne ebé fó mahon ka impede nia moris durante tinan tolu nia laran. Tuir regra ai-turi mate iha tinan hitu ka ualu, bainhira ai-kameli nia abut dispensa ona espésie ospedeiru (ai ne ebé fó suporta (fó bee ho sais minerál)) ba ai-kameli. 4.º Iha kasu ne ebé la iha posibilidade aplika métodu ka norma sira- ne e, parese ba ha u hanesan kritériu ida-ne e kuda ai-kameli iha to os naturál no abandonadu, hamutuk ho batar (maibé só iha tinan 1º), ida-ne e hotu konvense ba pontudevista ba parte hotu inkluzivu ekonómiku.

11 Disclaimer: The availability of a digital version of this document does not invalidate the copyrights of the original authors. This document was made available freely in a digital format in order to facilitate its use for the economic development of East Timor. This is a project of the University of Évora, made possible through a grant from the USAID, East Timor. info:

12 Esboço histórico do sândalo no Timor Português MINISTÉRIO DAS COLÓNIAS JUNTA DE INVESTIGAÇÕES COLONIAIS ESBOÇO HISTÓRICO DO SÂNDALO NO TIMOR PORTUGUÊS RUY CINATTI VAZ MONTEIRO GOMES Engenheiro agrónomo LISBOA 1950

13 Ruy Cinatti Vaz Monteiro Gomes ESBOÇO HISTÓRICO DO SÂNDALO NO TIMOR PORTUGUÊS Ali também Timor que o lenho manda Sândalo salutífero e cheiroso CAMÕES Timor foi, e será sempre, uma possessão ultramarina com características vincadamente agrícolas e florestais. Desse facto se apercebem todos os que um dia chegaram àquela ilha e por lá se demoraram. Ainda hoje, o exemplo da Sociedade Agrícola Pátria e Trabalho atesta de maneira flagrante a proposição enunciada. Fatu-Béssi é a região de Timor onde o esforço do Homem conseguiu realizar uma obra duradoira com base na agricultura e na rearborização condicionada. A história do sândalo ilustra, pela sua complexidade, a importância das árvores num território que a km. de distância da metrópole se mantém português há três séculos e meio. Ao abrir as páginas dos nossos poetas, cronistas e viajantes, que das paragens luminosas da Insulíndia trouxeram, com a experiência, o conhecimento das utilidades e outras maravilhosas descobertas, logo se nos depara o que, a modo de conclusão, se pode resumir no seguinte: as árvores e Timor são como as premissas de um silogismo em que o terceiro termo é Portugal. Por carta endereçada a D. Manuel, a 6 de Janeiro de 1514, Rui de Brito dá conta dos navios que de Malaca haviam partido para Java, Sunda, Bengala, Paleacate e Timor, que «he hûa Mia Ylha alem de Java. Tem muitos sândalos, muito meti, muita cera...» Duarte Barbosa refere-se ao «sândalo branco e cor de limão que nasce em uma ilha chamada Timor». Também Tomé Pires, na SUMA ORIENTAL, diz o seguinte: «Entre as ilhas de Bíma e de Solor se faz um canal grande por onde vão às ilhas dos Sândalos. Todas as ilhas de Java para diante se chamam Timor, porque na linguagem da terra Timor quer dizer levante, como se dissessem as ilhas do levante. Por principal se chamam as ilhas de Timor estas duas donde vêm os sândalos». Mas é na HISTÓRIA DE S. DOMINGOS, destinada a perpetuar a acção dos dominicanos, que se encontra uma passagem que é de considerar definitiva, no que toca ao estabelecimento dos portugueses em Timor. Com exemplo a, diz-se o seguinte: «É de saber que crescendo a cidade de Malaca, entre as fazendas que mais requestadas acharam nela, foi o sândalo de Timor, porque se servem dele para infinitos usos todas as províncias do Oriente. E como os naturais de. Malaca faziam viagens a buscá-lo, não tardaram também os portugueses a m andarem suas embarcações ao mesmo. Era o interesse muito grosso. Porque

14 Esboço histórico do sândalo no Timor Português O sândalo é um género de árvores que criam os montes daquela ilha em não menos abundância que o mato ordinário das nossas terras... E como lhes levam (aos nativos de Timor) coisas que hão mistério para o uso quotidiano, ainda a que muito vis sejam, dão liberalmente pelo troco, grande cópia do seu pau fazendo conta que lhes não pode faltar nunca, por muito que dêem. Porque a ilha é tão grande que pode cinquenta léguas de ponta à ponta. Corriam os portugueses de Malaca ao barato. E acontecia, andando o tempo, juntarem-se tantos navios de várias partes em Timor, que era forçoso tardarem muito em fazer sua carga. Oito ou nove dias antes da mudança da monção começam a soar no mar, da parte donde há-de ventar, uns espantosos roncos, que os mareantes têm por aviso tão certo, que sendo do sul, no mesmo ponto se fazem à vela todas, e desandando vinte e cinco léguas do golfo, que tantas há de Timor às ilhas do Solor, se recolhem a elas, e aí no reduto ou enseada do triângulo que entre si fazem as três ilhetas, acham estância, abrigo e seguro, enquanto duram as tormentas. Assim fica servindo Solor, como de estgagem e refugio a todos os mercadores de sândalo. Era este o estado de Solor o conhecimento que dele tivemos no tempo antigo. Andando os anos core o a navegação dos portugueses de Malaca continuava e crescia para Timor, e pela mesma razão era força valerem-se sempre dos portos de Solor, veio a continuação a criar amizade e familiaridade entre os navegantes e naturais da ilha. De sorte alcançara os nossos mercadores sitio junto da sua povoação para edificarem aposentos, onde pudessem residir, sem moléstia da terra, enquanto os detivesse a força da monção, na ida ou na volta. De pois vieram a estender o pensamento a negócio mais alto». Este negócio mais alto não tardou, com a andança dos anos, a efectuar-se. Em 1593, os religiosos de S. Domingos conseguem estabelecer-se em Timor, alcançando dos régulos e rainhas licença para erigirem «uma cristandade>) e a concessão aos Portugueses de «muitas graças e facilidades». Referindo-se à acção de Frei António de S. Jacinto em Timor, narra um documento da época: «fez concertos com as rainhas de Mena e Lifau que davam a El-rei de Portugal as minas de oiro e cobre que estavam nos seus reinos, porque neles também as há, contanto que El-rei os tomasse debaixo da sua protecção e amparo para os defender dos seus adversários que não são mais que os macassares, ficando-lhes só o sândalo para o venderem livremente por ser o com que se hão-de sustentar». Nada se sabe de positivo quanto à personalidade dos primeiros capitães que foram investidos nas funções legais do governo, dizendo-se apenas que um mestiço de origem portuguesa servira nas armadas da índia, com satisfação e merecimento, e que «em paga dos seus serviços, obtivera a

15 Ruy Cinatti Vaz Monteiro Gomes patente de capitão-mor de Timor, sendo este o motivo pelo qual Sua Magestade se no meão Senhor da ilha de Timor». É incontestável que a ilha de Timor era, então, a principal origem do sândalo de comércio. De entre todas as provas a favor desta certeza, além das apresentadas, é de estacar a que cabe ao escossês Alexander Hamilton, pelas relações directas que teve com o desenvolvimento da colonização portuguesa. Depois de descrever a ilha de Timor, onde estivera em 1704, menciona em A NEW ACCOUNT OF TIIE EAST INDIES, Edinburgh 1727: «the product of the island is sandalwood, the best and the largest in the World, which is a great commodity in China». Modernamente, Skottsberg, in TIIR GEOGRAPIIICAL DISTRIBUTION OF TIIE SANDAL WOODS AND ITS SIGNIFICANCE, dá científicamente por definitiva a origem timorense da Santalum album. A fama do «salutífero e cheiroso lenho» já muito antes se tinha espalhado pela Europa, sendo objecto de muitas e variadas considerações por parte dos espíritos curiosos das novidades do Mundo. António Musa, «o bem entendido» farmacêutico italiano, dizia que «o sândalo aos Portugueses o devemos», esquecendo-se de que muito antes era o lenho precioso objecto do comércio dos mercadores que por terra o traziam até à Europa. Duarte Barbosa, Linschoten, Tomé Pires, D, Acosta, os infatigáveis cronistas da HISTÓRIA DE S. DOMINGOS e muitos outros, que, mantenedores da Fé e do Império ou simplesmente mercadores, fixaram pela escrita os acontecimentos mais importantes da época, esmeram-se em memorar as excelências da essência florestal. Garcia da Orta dedica-lhe um dos seus colóquios, onde, a par de anotações históricoliterárias, traça com mão de mestre o quadro pitoresco da vida e da morte do sândalo. Deste e doutros escritos iremos agora extrair o essencial para, com processos clássicos, delinear o esboço monográfico da espécie, mostrando, também, como naquele tempo os Portugueses se interessavam vivamente por assuntos deste género e os estudavam com método, probidade c acerto pouco vulgares. ESPÉCIE: «SÂNDALO BRANCO OU CITRINO, «O arvore do sândalo he tamanho corno huma nogueira; e a folha he feita como a da aroeira; deita frol azul escura e dá uma fruta verde do tamanho de cereja, e cai azinha, e he primeiro verde, e depois preta e sem sabor» (Garcia da Orta).

16 Esboço histórico do sândalo no Timor Português Os escritores antigos distinguiam «três maneiras» de sândalo, das quais duas delas o branco e o citrino não passam de ser o lenho de uma mesma espécie, cortado em regiões ou em idades diferentes do tronco. «O citrino», mais carregado em cor, pesado e aromático, é, simplesmente, o cerne perfeito de alguns troncos. Garcia da Orta, que, no princípio do seu colóquio, os confunde, diz mais adiante: «posto que falando o outro dia com um mercador, que sabe bem essas terras, me disse, que na parte que é mais descoberta do sol há muito sândalo amarelo (ou citrino), e mais ambas as maneiras do sândalo têm os arvores semelhantes, que nós não conhecemos a diferença que ha entre os arvores». Estas ((duas maneiras» correspondem exactamente à espécie Santalum álbum «e mais ambas as maneiras têm os arvores semelhantes», sendo de notar desde já, como factor importante a considerar na coloração do lenho, o grau de exposição aos raios solares. A terceira maneira, mais conhecida pelo nome de «Sândalo vermelho», pertence à família das Leguminosas e à espécie Pterocarpus santalinus, oriunda da Índia e, possivelmente, ocorrente em Timor. DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA a) «As ilhas de Timor são de reis gentios; nestas duas ha grande soma de sândalos brancos; valem muito barato porque os matos não têm outra madeira. Dizem os malaios mercadores que Deus criou Timor de sândalos, Banda de maças e as de Maluco de cravo, e que no mundo não é sabido outra parte em que estas mercadorias hajam, somente nestas. E enquiri diligentemente se estas mercadorias haviam em outra parte e todos dizem que não» (Tomé Pires). b) «O sândalo nasce acerca de Timor onde ha a maior cantidade» (Garcia da Orta). c) «O melhor, quer branco, quer amarelo vem da ilha de Timor, perto de Java. Vêem-se ali florestas inteiras de sândalo branco e amarelo, que de lá se importa, e de que ha grande comercio para toda a Índia» (Linschoten). d) «...onde em distancia de sete leguas do mar estava a ilha de Timor, a maior de todas a que chamam Solor, a nobreza dos mais, com grande navegação e comercio, por respeito do excelente pau de sândalo que ela só tem)) (Frei Luís de Sousa).

17 Ruy Cinatti Vaz Monteiro Gomes Desde remotas eras, porém, foi o sândalo transportado para a índia, onde o seu cultivo se generalizou. Além de Timor, a essência florestal encontra o seu centro de origem na ilha de Sumba, também conhecida pelos mercadores ingleses do século XVII por «Sandalwood island». OCORRÊNCIA EM TIMOR. ECOLOGIA a) «Nascem e crescem as árvores de sândalo em Timor donde é a maior quantidade; e são matas que não se acabam de gastar, assim de uma banda da ilha como da outra» (Garcia da Orta). b) «Porque o sândalo é um género de arvores que criam os montes daquela ilha em não menos abundância que o mato ordinário das nossas terras)) (Frei Luís de Sousa). c) «E tornando a dizer donde nasce o sândalo, digo que em Timor (à qual ilha tem muitas partes de uma banda e de outra); e digo que o de Metia, que é um porto, é o melhor de todos, e tem menos pau que os outros; e Matomea que é outro porto, tem um sândalo amarelo mas tem muito pau. E digo ter muito pau, ter pouco cerne, porque no cerne está o cheiro; e o outro porto dito Camanace tem ruim sândalo, porque é de muito pau e de pouco cerne, ou amaguo; e desta maneira é o sândalo de Cerviaguo (outro porto assim chamado)» (Garcia da Orta). Outros portos além destes Manatuto e Batugadé são mencionados por autores diversos, sendo a maior parte deles situados na costa norte, e alguns ainda hoje existentes. Lifau, primeiro estabelecimento português, era também um porto donde o comércio do sândalo se realizava, servindo a região de Ocussi das melhores, como produtora de sândalo. CARACTERÍSTICAS SILVICULTURAIS «É notável o segredo da sementeira do sândalo. Comem os pássaros nesta ilha uma fruta que ha nela, pouco menos que a baga do louro e do mesmo feitio. Tem um caroço dentro, que lançam os pássaros por escremento e, sem mais cultura que cair na terra, rebenta dele a arvore)) (Frei Luís de Sousa). Esta característica tem o valor de ser hoje amplamente confirmada pelos técnicos que ao estudo da cultura do sândalo têm dado os seus melhores esforços. No capítulo: «Santalaceae», da

18 Esboço histórico do sândalo no Timor Português obra THE SILVICULTURE OF INDIAN TREES, é mencionada por Troup a seguinte característica: «Outside its natural habitat the tree often shows a marked tendency to spread naturally by the agency of birds». APLICAÇÕES a) «Os índios fizeram desta madeira as imagens dos seus pagodes, com o fim de as tornar mais valiosas» (Linschoten). b) «O branco e amarelo são muito procurados na Índia pelos índios, mouros, judeus e pagãos, que o trituram, reduzem a pó muito fino, fazendo uma espécie de pasta para com ela untarem o corpo, porque refresca e espalha pelo ar um aroma excelente que os índios gostam de sentir» (Linschoten). c) «... e os corpos muito sandolados com sândalo moído com cheiros» (Gaspar Correia). d) É o sândalo muito necessário, por ser muito cordial» (Garcia da Orta). O sândalo servia e serve para o fabrico de colunatas, de móveis, cofres, pequenos utensílios de adorno. Tem, como já se viu, emprego na medicina e perfumaria, quer reduzido a pó fino, quer como essência, que vulgarmente é extraída das raízes, além de ser utilizado nas cremações dos indianos de posição social elevada como sucedeu há pouco tempo a Gandhi. EXPLORAÇÃO Já então o modo como se exploravam as florestas de sândalo dava que pensar aos espíritos argutos da época. Os cortes desordenados conduziam a devastações totais, em pouco tempo, dos vastos arvoredos do litoral. Tanto europeus como nativos procediam atrabiliàriamente, como se deduz de comentários criteriosos dos interessados na prevenção do futuro, sem que essas palavras conduzissem, pelos séculos sucessivos, a uma prudente exploração. Embora desconhecendo a identidade específica do são «branco c amarelo», Garcia da Orta contribui para uma análise das condições em que a exploração se efectuava. Ao significar a diferença, nos «cheiros», entre o sândalo «branco» e «amarelo», vai dizendo que «o mais estimado e o de melhor cheiro é o amarelo, mas na parte onde o sândalo é melhor, que é em Timor, há pouco do amarelo; e vem entre 50 paus um». Noutro lugar, comenta-se ser preciso «cortar-lhe» o pau, e ficar

19 Ruy Cinatti Vaz Monteiro Gomes mais no cerne», para que se possa vender passado um ano de derruba. Estas duas transcrições sublinham a ignorância dos comerciantes e exploradores, que indiscriminadamente cortavam árvores novas e velhas. A exploração defeituosa conduzia, por sua vez, a falsificações: ((E quanto é a deitar a metade do vermelho e a metade do branco, não é ser citrino; antes é melhor deita-lo todo branco porque o branco é mais chegado à natureza do citrino; pois ambos se acham em uma mesma terra, e o vermelho é muito longe donde nasce o branco». Numa carta para D. Pedro II, o vice-rei António da Câmara Coutinho, ao enumerar as riquezas de Timor, escrevia que «além de tudo isto se dá nas ditas ilhas (Timor) o sândalo de que se segue um grande interesse tanto a elas como a de Macau, e ainda que nesta tenha havido grandes cortes, contudo como a terra naturalmente o produz poder-se-à melhorar esta desordem não só com o benefício do tempo, mas também com o cuidado, zelo e desinteresse de quem as for governar para consistir nesta direcção o aumento e conservação delas». Muitos anos antes já se dizia que os nativos de Timor cortavam o sândalo ((fazendo conta que lhes não pode faltar nunca...». Acompanhando as vicissitudes da colonização portuguesa de Timor, a exploração e o comércio do sândalo, se davam ocasião a grandes lucros, não podiam, simultânea mente, deixar de provocar grandes males. Se por um lado activou nos Portugueses o desejo de manter a soberania em Timor, por outro contribuiu para que as perturbações de ordem interna e externa se fizessem sentir sob as formas mais variadas de intrigas, cobiças e disputas, entre os nacionais e destes com os estrangeiros. Frei Lucas de Santa Catarina refere-se a todas estas glórias e misérias com um pormenor que não permite dúvida. «É o sândalo diz ele uma das melhores drogas daquele Oriente, como fazenda e sem risco de corrupção, e até na água salgada recebe melhoria. Assim é tão estimado de toda a gentilidade que em todas as suas preciosidades usam dele. Para a China é tão grande a saca, que ficando anos atraz a cidade de Macau com a perda d6 comércio do Japão, e reduzida a grande necessidade por falta de prata, para resgatar o mantimento (que sem ela não o dá a China) ainda assim foram buscar o sândalo, feitas encarecidas suplicas ao capitão-general, e ao padre Frei António de S. Jacinto, vigario-mor daquelas cristandades, para conseguirem dois navios com aquela carga, que foi único remédio do seu aperto. Assim é este pau a droga mais requestada de todo o Oriente, e tão suspirada da ambição da Holanda, que por muitas vezes importunou o rei de Macassár, para que só com ela fizesse contrato

20 Esboço histórico do sândalo no Timor Português de todo o sândalo, que viesse do seu reino, excluindo os nossos, que em naus da Inglaterra e Dinamarca, buscavam aquele porto para essa comerciaria». Estava na ordem natural dos acontecimentos a decadência económica de Timor, provocada pelo comércio anárquico do sândalo e que se arrastaria até aos princípios deste século. Os povoamentos iam sendo cerceados impiedosamente; não se renovavam nem se dava à Natureza o tempo necessário para os refazer. Uma vez cortados os troncos do sândalo, empilhavam-se nos armazéns dos portos, à espera de que os navios os levassem além do mar. A exploração da Natureza cedia, depois, o passo à exploração comercial; os interesses multiplicavam-se na medida em que os navios de diversas bandeiras surgiam à vista da ilha, para logo debandarem, carregados, com destino às paragens de Macau, de Macassar, Ratávia e outros portos da China e da índia. Eram os Holandeses que, ora nos faziam guerra, ora comerciavam pacificamente, para logo depois se apoderarem de Cupão, a pretexto de aliança com os indígenas; eram os Ingleses, os Chinas e os Malaios. Portugueses, havia-os ao serviço de todas as nações estrangeiras, inclusive como secretários do rei de Macassar, nosso inimigo, a quem tínhamos tirado a soberania sobre Timor. Por detrás das razões de ordem diplomática, militar, social e económica, moviam-se tenebrosamente os títeres humanos, sujeitos, mais do que nunca, a esse deus incarnado num toro de madeira. Na INFORMAÇÃO DADA POR UMA PESSOA PRÁTICA E DE LARGA EXPERIÊNCIA NAS TERRAS E PARTES DO SUL E PARTICULARMENTE DAS ILHAS DE SOLOR E TIMOR (1691), encontra-se o seguinte passo: (Assistia naquelas partes Francisco Vieira que pela mercancia logrou grossos cabedais, a quem o vice-rei António de Mello e Castro honrou, com patente de General do Sul, debaixo do domínio do qual cabia também a ilha de Timor, e para capitão-mor dela mandou o dito vice-rei patente ao dito António Hornay, a petição do dito Francisco Vieira, os quais unidos ambiciosamente intentaram fazer estanque para seus interesses do sândalo da ilha de que se originou levantar-se um capitão da gente preta chamado Mateus da Costa, o que pela força das armas fez sair da dita ilha o dito António Hornay. O António Hornay se refere um memorial do ano de 1697: «0 sândalo que era nesta ilha o principal comércio, está quase de todo estancado pela grande cresta que no fim da sua vida lhe deu António Hornay). Quando, em Agosto de 1702, o capitão-geral da cidade de Macau expunha ao Senado as condições precárias em que se encontrava Timor quanto à soberania, lembrava que, sem o trato com Timor, Macau havia de perecer, pois da ilha tirava o Senado (a maior parte ou quase todas as suas contribuições e despesas». Esse trato baseava-se principalmente no comércio do sândalo, pois,

21 Ruy Cinatti Vaz Monteiro Gomes segundo afirma Frei Miguel Rangel, na sua RELAÇÃO DAS CHRIS-TANDADES E ILHAS DE SOLOR, «os ganhos destes anos de sândalo de Solor (e de Timor) na China chegavam a duzentos por cento). O preço do sândalo fora, aliás, sempre muito elevado, pois já em 1590 o bispo de Cochim dizia num parecer: «é tão estimado (o sândalo) na China que sendo seu ordinário preço 20 patacas cada pico, em alguns anos que faltaram barcos de Timor, em a cidade de Macau se vendeu por 150 patacas cada pico. Vendido em primeira mão ganham os que os vão buscar cento por cento para os lucros que levam de Macau para Timor.». Lucros tão grandes haviam de acarretar toda a espécie de corrupção, que, como já vimos, não isentava pessoas da categoria social mais elevada, quer no estado civil, quer, ainda, no estado religioso. A distância da metrópole, as viagens longas e difíceis, sempre ameaçadas pelo poderio crescente da Holanda, as instruções atrasadas do Governo da índia, faziam, de cada indivíduo, senhor das leis e dos haveres, quando não da consciência colectiva. Cada entidade defendia os seus interesses, nem sempre sancionados pelas razões legais. Às exigências de Macau opunham-se os governadores de Timor, com uma avidez de quem defende o que é seu. António Coelho Guerreiro acusava os portugueses de Macau nos seguintes termos: «...a gente de Macau são os mais indignos vassalos que V. Majestade tem em todas as suas conquistas e que merecendo tão pouco, são os que logram maiores isenções, por lhes não abrangerem nenhum género de tributos». Todas as alterações da ordem que se produziam em Timor e em Solor eram tomadas à conta de Macau pelo governador de Timor: «...assim por terem sido os fomentadores das alterações das ilhas de Timor e de Solor, como incitarem e darem arbitrores para se conservar nelas o mau governo dos rebeldes» (1702). Estes pareceres baseavam-se, aliás, nos acontecimentos passados 27 anos antes, quando informações sobre o estado precário da praça de Macau levaram os vice-reis a autorizarem que os negociantes de Macau fizessem, por sua conta e risco, a viagem a Timor e comerciassem fora da alçada do Estado. Coelho Guerreiro indignava-se justamente contra Macau, quando o Senado desta cidade requeria ainda mais que lhe fosse dado o comércio do sândalo em monopólio. Se as intrigas e lutas entre os Governos das duas colónias afectavam o prestígio da nossa soberania, já muito abalada por causas externas, estes dois motivos, somados à desordem interna, não podiam deixar de se fazer sentir em toda a trama da administração. Os capitães de navios que, por conta própria, transportavam o sândalo de Timor para Macau mudavam de rumo, comerciavam por sua conta, arrecadando os benefícios pertencentes à Fazenda Real. Em Batávia e em Macassar, os Holandeses, nossos inimigos, pagavam mais caro pelo sândalo, como ainda hoje fazem com o café. A sociedade holandesa de Batávia falava o português e degenerava em costumes portugueses.

22 Esboço histórico do sândalo no Timor Português O sândalo produzia os perfumes, lasqueava-se em leques e guarda--jóias e, em fumo esbranquiçado, ia dissipando o cheiro de corpos mal lavados. A data em que Macau enviava, por conta própria, os mercadores a Timor, na mira de resolver melhor as dificuldades inadiáveis em que se encontrava, dizia-se que o comércio de Timor «acabou por consentimento de António Hornay e expirou já de uma vez por gosto do seu irmão Francisco Hornay que o confirmou, tudo pela franqueza com que carregavam as chalupas e gontins que a Timor iam de Batávia; a esta cresta e quantidade tirada ha dez ou doze anos a esta parte, que se havia de seguir senão sem dilação a destruição da ilha, o abatimento do sândalo, e a perda de Macau, que é pior de tudo» (1697). Por sua vez, em Timor, não era melhor a situação. Quanto menores eram os recursos em sândalo, maiores eram as cobiças. Sem remuneração do Estado, o cargo de capitão-mor de Solor usufruía, como. era de prever, o melhor que a terra dava. Tributos, castigos e outras penalidades traduziam-se em paus de sândalo: «...e por qualquer pequena culpa que fazem ou lhes impõem, os condenam em sândalo e por via destas. Condenações tiram os ditos capitães-mores e outros seus ministros em cada ano acima de oito bares de sândalo e cada bar tem seis picos...». Não escapavam a esta orientação os próprios religiosos, que, trocando os lucros espirituais pelas temporalidades, ora se mancomunavam coar os capitães-mores, ora os combatiam, conforme o interesse suscitado por benefícios que os preceitos da Ordem condenavam. Em carta (datada de 13 de Dezembro de 1645, mandava el-rei ao vice-rei da índia a informação seguinte: «Frei Miguel da Cruz, vigário geral da província de S. Domingo: (desse Estado, me aviza que os capitães de Solor fazem injustiças e forças aqueles naturais, de maneira que puzeram aquela cristandade em grande risco». «A mesma diminuição sou informado que ha nas ilhas de Solor e de Timor escrevia o vice-rei Martim Afonso de Castro (1605) que estão a cargo dos religiosos de S. Domingos, por falta de ministros de zelo e por se ocuparem mais nas temporalidades que nos materiais da sua obrigação...». Por tudo isto se poderá fazer uma leve ideia da influência que o sândalo teve na história de Timor. Os anos foram passando, e o comércio do sândalo decresceu, como era de esperar. Nas instruções n. 82, enviadas pelo conde de Sarzedas, em 1811, ao capitão-de-mar-e-guerra Cunha Gusmão, nomeado governador das ilhas de Solor e Timor, lê-se o seguinte: «A este o governador precedente) sucedeu António de Mendonça Corte Real que deu conta de se terem diminuído os rendimentos pela pouca extracção do sândalo ocasionado pela guerra que o Sonobai fez ao reino de Oculosi e porque os ingleses que costeiam toda a ilha para a pesca das baleias apresavam todas as embarcações que a ela vão comerciar holandesas, mouras, macassares e chinas», Se nos séculos

23 Ruy Cinatti Vaz Monteiro Gomes XVI e XVII tínhamos sofrido o poder militar e naval da Holanda, a ponto de, para poder comerciar, nos servirmos das naus inglesas e dinamarquesas, agora, com o mar aberto e as novas ilhas descobertas, éramos presa fácil de toda a pirataria mundial. No século XVIII e princípios do XIX, na época em que os botânicos franceses, ingleses e holandeses desciam às praias de Timor para enriquecerem os herbários dos seus países, o comércio do sândalo diminuía, por impossibilidade de tráfico seguro, por esgotamento dos povoamentos litorais e, além das outras causas já apontadas, porque a fama e o préstimo da Santalu album cediam, temporariamente, ao descobrimento de outras espécies, em ilhas recentemente exploradas. A China continuava a ser a grande compradora de sândalo, e aos seus portos chegavam os veleiros arregados, vindos da Nova Guiné, da Austrália, das Fiji, Nova Caledónia e da longínqua Hawai A história comercial da Santalum papuanum, da S. lanceolatum, S. Yasi, S. insulara, S. Freycinetianum, etc., é semelhante à história da S. album, com a diferença de que em breve se verificou serem aquelas espécies de qualidade inferior e, portanto, fracos substitutos da espécie timorense. Além disso, Introduzida pelos Portugueses na Índia, Santalum album prosperava por toda a costa do Malabar, sendo cultivada pelo seu valor económico e sentimental. Eram ainda os Portugueses, mais práticos e experimentados, que tomavam conta da exploração, descendo esse conhecimento a pormenores técnicos referentes aos diferentes valores que as diversas partes da árvore comportavam. Veja-se o que a este respeito se diz no BOTANICAL MAGAZINE do ano de 1833: «Dr. Hamilton (Buchanan) in his travels in Mysore has in different parts of that important work, given many interesting particulars respecting the sandalwood. He learned from a Portuguese Agent of the Commercial Resident at Mangalore, that the trees ought to be felled in the wane of the moon; the bark should be taken off immediately, and the tree cut into billets two feet long. These should be then buried in a piece of dry ground for two months, during which time, the white ants will eat away all the outer wood, with out touching the heart, which is the Sandal; the billets ought them to be taken up and smoothed, and, according to their size sorted into three kinds. The deeper the colour, the higher is the perfume; and hence the merchants sometimes divide Sandal into red, yellow and white; but these are all various shades of the same colour, and do not arise from any different a species in the tree. The nearer the root, in general, the higher is the perfume; and care should be taken, by removing the earth, to cut as low as possible. The billet next the root, when this has been done is commonly called root--sandal, and is of superior quality. In smoothing the billets, chips of the sandal are of course cut off; so are also fragments in squarring their ends. The chips and

East Timor Agriculture Network and Virtual Library Rede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste

East Timor Agriculture Network and Virtual Library Rede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste East Timor Agriculture Network and Virtual Library Rede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste Documento:TA074 III PLANO DE FOMENTO PROGRAMA DE EXECUÇÃO PARA 1971 Author: PRESIDÊNCIA DO CONSELHO

Leia mais

East Timor Agriculture Network and Virtual Library Rede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste

East Timor Agriculture Network and Virtual Library Rede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste East Timor Agriculture Network and Virtual Library Rede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste Documento:TA076 III Plano de fomento Programa de execução para 1973 Author: Presidência do Conselho

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOKUSAUN SUA EXCELÊNCIA PRIMEIRO-MINISTRO KAY RALA XANANA GUSMÃO NIAN IHA OKASIAUN BA TOMADA DE POSSE FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS FOUN 01 Jullu

Leia mais

Husi almamater ida, ho neon ida, hamutuk nu udar roman ba Timór-Leste

Husi almamater ida, ho neon ida, hamutuk nu udar roman ba Timór-Leste ALUMNI Husi almamater ida, ho neon ida, hamutuk nu udar roman ba Timór-Leste Departamento de Estudantes, Alumni e Empregabilidade I. Perfíl Alumni Universidade Nacional Timor Lorosa e (UNTL) nu udar Universidade

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

- Fernão, mentes? - Minto!

- Fernão, mentes? - Minto! Na etapa 3, leste um excerto do primeiro capítulo da Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, numa adaptação de Aquilino Ribeiro. Nesta etapa, vais ler um excerto do último capítulo do original, Peregrinação,

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

RIBEIRINHA DAS ORIGENS À ACTUALIDADE

RIBEIRINHA DAS ORIGENS À ACTUALIDADE RIBEIRINHA DAS ORIGENS À ACTUALIDADE Por Carlos Faria Dia da Freguesia e de apresentação do símbolos heráldicos 21 de Setembro de 2009 1. DAS ORIGENS DA RIBEIRINHA NATURAIS A Freguesia da Ribeirinha situa-se

Leia mais

III LEGISLATURA 3.ª SESSÃO LEGISLATIVA

III LEGISLATURA 3.ª SESSÃO LEGISLATIVA Terça-feira, 04 de Agosto de 2015 I Série-A AR JORNAL do Parlamento Nacional III LEGISLATURA 3.ª SESSÃO LEGISLATIVA (2014-2015) COMISSÃO PERMANENTE REUNIÃO DE 04 DE AGOSTO DE 2015 Presidente: Ex. mo Sr.

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

0,39 0,98. Apêndice 1 APÊNDICES. 1- Imagine que você vai à feira comprar algumas frutas e legumes. MILHO VERDE BAND.

0,39 0,98. Apêndice 1 APÊNDICES. 1- Imagine que você vai à feira comprar algumas frutas e legumes. MILHO VERDE BAND. APÊNDICES Apêndice 1 Sondagem Nome: RGA: Data: 1- Imagine que você vai à feira comprar algumas frutas e legumes. MILHO VERDE BAND. LIMÃO TAITI KG 0,39 0,98 2 kg (quilos) de uva Itália; 1 kg (quilos) de

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

East Timor Agriculture Network and Virtual Library Rede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste

East Timor Agriculture Network and Virtual Library Rede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste East Timor Agriculture Network and Virtual Library Rede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste Documento:TA085 Relatório da Execução do II Plano de Fomento- 1959-1964 Author: Secreatariado do Conselho

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

A lenda do café. Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos)

A lenda do café. Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos) A lenda do café Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos) Provavelmente já se questionou como é que o café foi descoberto. A história parece ser universal, já que tudo aponta para a Lenda de Kaldi,

Leia mais

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação. O Led Zeppelin sempre foi complicado. Esse era o problema inicial deles. Os shows deles sempre tinham violência masculina. Isso foi um desvio nos anos 1970, que foi uma época muito estranha. Era uma anarquia

Leia mais

ID: 61245534 03-10-2015

ID: 61245534 03-10-2015 ID: 61245534 03-10-2015 Tiragem: 29592 País: Portugal Period.: Diária Pág: 17 Cores: Cor Área: 15,92 x 30,00 cm² Corte: 1 de 1 A1 Sapo Moçambique Online Visitas diárias: 2119 País: MZ OCS: Sapo Moçambique

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

Educação Ambiental em Timor-Leste. Manual para Professores de Estudo do Meio

Educação Ambiental em Timor-Leste. Manual para Professores de Estudo do Meio 5 Educação Ambiental em Timor-Leste Manual para Professores de Estudo do Meio Agradecimentos / Agradesimentu O Ministério da Educação e a UNICEF agradecem o apoio das seguintes pessoas e organizações no

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA A nível mundial, o primeiro papel moeda surgiu na China, no séc. VII, na dinastia Tang, para facilitar aos comerciantes o transporte de grandes quantidades de moeda de metal,

Leia mais

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache CAPÍTULO I Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache Aos dezessete dias do mês de junho de 1527 partiu do porto de San Lúcar de Barrameda 1 o governador Pánfilo de Narváez, 2 com poder e mandato de Vossa

Leia mais

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante?

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Do you know how to ask questions in English? Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Note que tanto

Leia mais

MATADALAN BA ANTEPROJECTO DO REGIME ESPECIAL PARA A DEFINIÇÃO DA TITULARIDADE DE BENS IMÓVEIS (LEI DE TERRAS) VERSAO PARA KONSULTA PUBLICA

MATADALAN BA ANTEPROJECTO DO REGIME ESPECIAL PARA A DEFINIÇÃO DA TITULARIDADE DE BENS IMÓVEIS (LEI DE TERRAS) VERSAO PARA KONSULTA PUBLICA MATADALAN BAANTEPROJECTODOREGIMEESPECIALPARA ADEFINIÇÃODATITULARIDADEDEBENSIMÓVEIS (LEIDETERRAS) VERSAOPARAKONSULTAPUBLICA DOKUMENTUNE ELA OSOFISIAL 12DEJuñode2009/Idane esuratparareferênsiade it/la OSDOKUMENTOOFISIÁL

Leia mais

Estudar a chuva que não se vê

Estudar a chuva que não se vê Estudar a chuva que não se vê O trabalho do seu estágio científico da licenciatura em Biologia ganhou, recentemente, uma menção honrosa no VIII Congresso Nacional da Água. Aluno da UMa, Celso Figueira

Leia mais

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos Incêndio A propagação de um incêndio depende das condições meteorológicas (direcção e intensidade do vento, humidade relativa do ar, temperatura), do grau de secura e do tipo do coberto vegetal, orografia

Leia mais

Terça-feira, 01 de Setembro de 2015 JORNAL III LEGISLATURA 3.ª SESSÃO LEGISLATIVA (2014-2015) COMISSÃO PERMANENTE REUNIÃO DE 01 DE SETEMBRO DE 2015

Terça-feira, 01 de Setembro de 2015 JORNAL III LEGISLATURA 3.ª SESSÃO LEGISLATIVA (2014-2015) COMISSÃO PERMANENTE REUNIÃO DE 01 DE SETEMBRO DE 2015 Terça-feira, 01 de Setembro de 2015 I Série-A AR JORNAL do Parlamento Nacional III LEGISLATURA 3.ª SESSÃO LEGISLATIVA (2014-2015) COMISSÃO PERMANENTE REUNIÃO DE 01 DE SETEMBRO DE 2015 Presidente: Ex. mo

Leia mais

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo.

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. JOÁS, O MENINO REI Lição 65 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 11; 2 Crônicas 24.1-24 (Base bíblica para a história

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2

FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 FLORESTA AMAZÔNICA F 5 M A 2 Editora F-5MA2 Rua Floriano Peixoto Santos, 55 Morumbi CEP 05658-080 São Paulo - SP Tel.: (11) 3749 3250 Apresentação A população crescendo, florestas sumindo, calor aumentando,

Leia mais

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano Pedagogia Professor Edson Fasano História da Educação O Brasil cresceu isolado do mundo, apenas convivendo com aquele pobre e retrógrado Portugal que não permitiu a criação de um sistema escolar de ensino

Leia mais

A colonização espanhola e inglesa na América

A colonização espanhola e inglesa na América A colonização espanhola e inglesa na América A UU L AL A MÓDULO 2 Nas duas primeiras aulas deste módulo, você acompanhou a construção da América Portuguesa. Nesta aula, vamos estudar como outras metrópoles

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

Terça-feira, 15 de setembro de 2015 I Série-A 01 JORNAL III LEGISLATURA 4.ª SESSÃO LEGISLATIVA (2015-2016) REUNIÃO PLENÁRIA DE 15 DE SETEMBRO DE 2015

Terça-feira, 15 de setembro de 2015 I Série-A 01 JORNAL III LEGISLATURA 4.ª SESSÃO LEGISLATIVA (2015-2016) REUNIÃO PLENÁRIA DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 Terça-feira, 15 de setembro de 2015 I Série-A 01 JORNAL do Parlamento Nacional III LEGISLATURA 4.ª SESSÃO LEGISLATIVA (2015-2016) REUNIÃO PLENÁRIA DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 Presidente: Ex. mo Sr. Vicente

Leia mais

Um brevíssimo olhar sobre a Literatura de Timor

Um brevíssimo olhar sobre a Literatura de Timor Um brevíssimo olhar sobre a Literatura de Timor Texto de João Paulo T. Esperança, publicado em duas partes no Várzea de Letras, Suplemento Literário mensal do jornal Semanário, nº 3 [4] e nº 4 [5], Junho

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

III LEGISLATURA 3.ª SESSÃO LEGISLATIVA

III LEGISLATURA 3.ª SESSÃO LEGISLATIVA Terça-feira, 14 de julho de 2015 I Série-A AR JORNAL do Parlamento Nacional III LEGISLATURA 3.ª SESSÃO LEGISLATIVA (2014-2015) REUNIÃO PLENÁRIA DE 14 DE JULHO DE 2015 Presidente: Ex. mo Sr. Vicente da

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

«PRESENÇA DO BNU NA GUINÉ»

«PRESENÇA DO BNU NA GUINÉ» «PRESENÇA DO BNU NA GUINÉ» Abertura da primeira Agência em 1902, em Bolama. A história do Banco Nacional Ultramarino, fundado em 1864, está também indiscutivelmente ligada ao último século da presença

Leia mais

A ÁGUA FACTOR DE CIVILIZAÇÃO

A ÁGUA FACTOR DE CIVILIZAÇÃO ÁREA ESCOLA HISTÓRIA 1992/1993 MEMÓRIAS DOS ALUNOS E PROFESSORES DO 7º ANO QUE ESTIVERAM ENVOLVIDOS NO PROJECTO A ÁGUA FACTOR DE CIVILIZAÇÃO INDICE 1 PROJECTO 2 TEXTO MOTIVAÇÃO 3 SOCIEDADES RECOLECTORAS

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

Cadernos BC Série Educativa. O que são os bancos?

Cadernos BC Série Educativa. O que são os bancos? Cadernos BC Série Educativa O que são os bancos? Cadernos BC Série Educativa O que são os bancos? Banco Central do Brasil Editada em dezembro de 2002. Com certeza, você já foi alguma vez a um banco e

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com Clínica Maló Paulo Maló CEO www.clinicamalo.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram em linguagem

Leia mais

Escapadinha em Luanda

Escapadinha em Luanda Anoitecer em Luanda Tive a oportunidade de me deslocar em trabalho a Luanda, entre 20 de Abril e 3 de Maio de 2006. Não sendo propriamente um destino onde se vai frequentemente (aliás, pode mesmo ter sido

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Tema: Comemoração do Dia da Conservação do Solo Destinatários: Crianças dos 6 aos 10 anos - 1º ciclo Objectivo: Pretende-se que no final das actividades as crianças

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*)

ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) ESPAÇAMENTO DAS MUDAS DE CAFÉ NA COVA (*) HÉLIO JOSÉ SCARANARI Engenheiro-agrônomo, Divisão de Agronomia, Instituto Agronômico RESUMO Quatro distâncias entre as mudas na mesma cova foram estudadas, com

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Três importantes invenções

Três importantes invenções Três importantes invenções Por Pedro Varanda Para mim o fogo foi a maior conquista do ser humano na pré-história. A partir desta conquista o homem aprendeu a utilizar a força do fogo em seu proveito, extraindo

Leia mais

LIÇÃO 2 Esteja Preparado

LIÇÃO 2 Esteja Preparado LIÇÃO 2 Esteja Preparado Lembra-se do dia em que começou a aprender a ler? Foi muito difícil, não foi? No princípio não sabemos nada sobre leitura. Depois ensinaramlhe a ler as primeiras letras do alfabeto.

Leia mais

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram GPS Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram ferramentas importantes para nos localizarmos com mais facilidade. Agora imagine que você pudesse ter um GPS que, além de lhe fornecer

Leia mais

ECONOMIA E AGRONEGÓCIO: A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS NO SETOR SUCROALCOOLEIRO

ECONOMIA E AGRONEGÓCIO: A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS NO SETOR SUCROALCOOLEIRO ECONOMIA E AGRONEGÓCIO: A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS NO SETOR SUCROALCOOLEIRO 61 Ana Caroline Veiga Universidade do Oeste Paulista, Curso de Administração, Presidente Prudente, SP. Email:

Leia mais

REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9)

REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9) REGRAS DE JOGO POOL (8) e (9) Introdução 1. Elementos intervenientes 1. 1. Um delegado 1. 2. Um árbitro 1. 3. Dois Jogadores (Conforme a competição), equipados de acordo com o estipulado pelo Bilhar Clube

Leia mais

Como dizer quanto tempo leva para em inglês?

Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Você já se pegou tentando dizer quanto tempo leva para em inglês? Caso ainda não tenha entendido do que estou falando, as sentenças abaixo ajudarão você a entender

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

COMO TRABALHAR COM BLOCOS LÓGICOS

COMO TRABALHAR COM BLOCOS LÓGICOS I. Descrição do Material: COMO TRABALHAR COM BLOCOS LÓGICOS Material criado por Dienes. Constitui-se de 48 peças, que combinam quatro atributos em cada uma sendo: Tamanho (grande e pequeno) Cor (amarelo,

Leia mais

East Timor Agriculture Network and Virtual Library Rede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste. Variability of Rainfall in East Timor

East Timor Agriculture Network and Virtual Library Rede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste. Variability of Rainfall in East Timor East Timor Agriculture Network and Virtual Library ede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste Documento:TA044 VAIABILIDADE DAS CHUVAS EM TIMO Author: Manuel Alberto Lopes da costa Alves Date: 1973

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

POR QUE INVESTIR EM LISBOA? ESPECIALISTA IMOBILÁRIO EUROPEU

POR QUE INVESTIR EM LISBOA? ESPECIALISTA IMOBILÁRIO EUROPEU POR QUE INVESTIR EM LISBOA? ESPECIALISTA IMOBILÁRIO EUROPEU Introdução Portugal está começando a emergir da crise financeira. Nos últimos anos, o governo reestabeleceu suas estruturas organizacionais e,

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

JPN I SÉRIE A AR (14-07-2015) SUMÁRIO

JPN I SÉRIE A AR (14-07-2015) SUMÁRIO JPN I SÉRIE A AR (14-07-2015) Antes ordem do dia Sr. Presidente loke sessão plenária iha tuku 10 liu minuto 3 no halo leitura ba agenda trabalho iha período ordem do dia ho ordem do dia. Sr. Manuel de

Leia mais

Terceira Onda (Alvin Toffler)

Terceira Onda (Alvin Toffler) Terceira Onda (Alvin Toffler) O objetivo principal do trabalho meu e de minha mulher, Dra. Heidi Toffler, nos últimos trinta anos, tem sido tentar compreender o fenômeno das mudanças. Esse trabalho foi

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

ATIVIDADES DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D

ATIVIDADES DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D Nome: n.º 3ª série Barueri, / / 2009 Disciplina: ESTUDOS SOCIAIS 2ª POSTAGEM ATIVIDADES DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D QUEM DESCOBRIU O BRASIL? Foi Pedro Álvares Cabral no dia 22 de abril de 1500!

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

"Ajuntai tesouros no céu" - 3

Ajuntai tesouros no céu - 3 "Ajuntai tesouros no céu" - 3 Mt 6:19-21 Como já vimos nas mensagens anteriores, Jesus queria que os seus discípulos tivessem seus valores alinhados aos valores do seu Reino, ou seja, os discípulos de

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE O MAR TERRITORIAL E A ZONA CONTÍGUA. Os Estados partes na presente Convenção acordaram nas disposições seguintes:

CONVENÇÃO SOBRE O MAR TERRITORIAL E A ZONA CONTÍGUA. Os Estados partes na presente Convenção acordaram nas disposições seguintes: Decreto-Lei n.º 44490 Convenção sobre o mar territorial e a zona contígua, aprovada na 1.ª Conferência de Direito do Mar, realizada em Genebra em 1958, e assinados em 28 de Outubro do mesmo ano Usando

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

Sugestões de avaliação. Geografia 9 o ano Unidade 8

Sugestões de avaliação. Geografia 9 o ano Unidade 8 Sugestões de avaliação Geografia 9 o ano Unidade 8 Nome: Unidade 8 Data: 1. Sobre a Oceania, marque V (verdadeiro) ou F (falso) nas sentenças a seguir. ( ) a colonização da Oceania promoveu o domínio da

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente Diário da Sessão n.º 070 de 18/03/03 Presidente: Passamos ao ponto seguinte da nossa ordem de trabalhos Proposta de Decreto Legislativo Regional que aplica à Região Autónoma dos Açores o Decreto-Lei nº

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental Leia atentamente o texto 1 e responda às questões de 01 a 12 e 18, assinalando a única alternativa correta. Texto 1 O pote vazio 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24

Leia mais

PORTUGUÊS 2 o BIMESTRE

PORTUGUÊS 2 o BIMESTRE AVALIAÇÃO DE CONTEÚDO DO GRUPO VI Unidade Portugal Série: 4 o ano (3 a série) Período: MANHÃ Data: 29/6/2011 PORTUGUÊS 2 o BIMESTRE Nome: Turma: Valor da prova: 3,5 Nota: Eixo temático Proteção ao meio

Leia mais

«BANCO DE BARCELOS» É de realçar que os bancos regionais em 1875, acomodavam 41% dos bancos instituídos em todo o Portugal.

«BANCO DE BARCELOS» É de realçar que os bancos regionais em 1875, acomodavam 41% dos bancos instituídos em todo o Portugal. «BANCO DE BARCELOS» O ano de 1919, foi um ano caraterizado por um grande alargamento da rede de agências do Banco Nacional Ultramarino. O aumento de redes operou-se por todo o continente português, incluindo

Leia mais

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola: Básica de Custóias (sede) Ano: 8º ano Turma:

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

Verbs - Simple Tenses

Verbs - Simple Tenses Inglês Prof. Davi Verbs - Simple Tenses Simple Present Simple Past Simple Future Simple Present - Formação Infinitivo sem o to Ausência do auxiliar (usa-se to do ) Inclusão de s na 3ª pessoa do singular

Leia mais

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS Século XVI e XVII início da ocupação e colonização das Américas COLONIZAÇÃO definição é a ocupação e povoamento das terras americanas pelos europeus

Leia mais

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração VICTOR HUGO SANTANA ARAÚJO ANÁLISE DAS FORÇAS DE PORTER NUMA EMPRESA DO RAMO FARMACÊUTICO:

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO Alocução de Sua Excelência Kay Rala Xanana Gusmão Primeiro-Ministro da República Democrática de Timor-Leste por ocasião da Primeira Conferência

Leia mais

A indústria da editoria pode exercer-se,

A indústria da editoria pode exercer-se, Fernando Pessoa A indústria da editoria pode exercer-se, A indústria da editoria pode exercer-se, e efectivamente se exerce, de duas maneiras: ou isoladamente, ou em conjunção com o comércio de livraria.

Leia mais