MOTIVAÇÕES INDONÉSIAS PARA INVASÃO DO TIMOR-LESTE ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MOTIVAÇÕES INDONÉSIAS PARA INVASÃO DO TIMOR-LESTE (1974-1975)"

Transcrição

1 DOI: /4cih.pphuem.368 MOTIVAÇÕES INDONÉSIAS PARA INVASÃO DO TIMOR-LESTE ( ) Maurício Aurélio dos Santos Professor do Programa de Pós-Graduação em História da UDESC O Timor-Leste é o mais novo país do mundo, primeiro país independente do terceiro milênio, ex-colônia portuguesa no Sudeste asiático, que conquistou sua autodeterminação em 2002, depois de quatro séculos de dominação portuguesa, de ver o seu território desrespeitado durante a Segunda Guerra Mundial (quando Austrália e Japão usaram o país como palco de guerra) e de uma sangrenta invasão pela Indonésia, que impôs uma perversa dominação a um povo e a uma nação por 24 anos. Ainda hoje o Timor-Leste é um país dividido, fruto de sua herança histórica e de uma política de perseguição e descriminação, cujo território é parte da ilha do Timor. A ilha do Timor está dividida entre Timor-Leste (antigo Timor Português) - parte Oriental e Timor Ocidental - que pertence a República Indonésia. Antes da dominação portuguesa, encontram-se três referências escritas sobre o Timor. A primeira data de 1225, na literatura chinesa, a segunda de 1365, na literatura javanesa e a terceira de 1488, na literatura árabe. As possessões portuguesas no Sudeste asiático tiveram inicio em 1511, com a tomada de Malaca, quando devem ter iniciado as visitas dos portugueses a ilha do Timor. Entretanto, segundo MENEZES (2006:122) somente em 1515 é que foram encontrados os dois primeiros registros da presença portuguesa em Timor: 1 o - Atlas de Francisco Rodrigues (1513 ou 1514), que se encontra reproduzido na Portugaliae e Manumenta Cartographica, inclui entre as de ilhas de Banda, Timor cuja forma e esboço são relativamente aproximados da realidade; 2 o Em 1514, Rui de Brito, em carta dirigida a D. Manuel, em 6 de Janeiro, informa acerca dos navios que, de Malaca, tinham partido para Java, Sunda, Bengala, Paleacata e Timor, relatando acerca deste he hua Ylha alem de Java. Tem muytos sândalos, muyto mell, muyta cêra. Nom tem juncos para navegar. Entretanto, Timor-Leste, diferente das demais ocupações portuguesas, foi exclusivamente em um primeiro momento (mas por um grande período) cristã e missionária. Esse processo teve início em 1556, com a chegada do primeiro missionário. Os missionários

2 390 fundaram conventos, criaram seminários e se dedicaram à educação dos filhos dos diversos régulos 1 que reinavam na ilha do Timor. Cada uma dessas instituições era um centro de irradiação cultural, e a instrução era mais um meio eficiente para a catequização 2. O primeiro representante do Rei de Portugal só foi enviado à ilha em Em 1703 chegou ao Timor António Coelho Guerreiro, como primeiro governador, elevando a Praça de Lifau à categoria de capital e dando patentes militares aos régulos e chefes autóctones, política mantida pelos seus sucessores. Entretanto, a ilha só passou a ser Distrito Autônomo e não depender mais da Índia ou Macau, do ponto de vista administrativo, a partir de 15 de Outubro de O abandono de Timor-Leste, dispensado por Portugal, não mudou com a presença de um governador e nem mesmo com a condição de Distrito Autônomo, como pode ser medido pela fraca presença de portugueses de Portugal no Timor-Leste e pela ausência do estado português. Um bom exemplo é o fato de que a primeira Escola Pública em Timor-Leste, criação do governo português, só ocorreu em Assim também como nunca houve a preocupação de Portugal em criar quadros timorenses para assumir as funções de estado. Por força desse abandono, o fato mais importante na vida política de Portugal para o timorense ocorreu somente em 1974, mais precisamente dia 25 de abril, quando a ditadura salazarista (Estado Novo) é derrubada pela Revolução dos Cravos, ocasião em que Portugal reconheceu o direito às antigas colônias africanas e ao Timor-Leste de exercerem o seu direito à autodeterminação. A partir daí são criados os partidos políticos em Timor-Leste e as movimentações à invasão indonésia começam a ganhar corpo. Antecedentes históricos da invasão indonésia. A Indonésia é formada por um arquipélago de ilhas com povos e culturas distintas, sendo as mais importantes Java e Sumatra. Essas ilhas foram desde o século XVII colônia dos Países Baixos. Entretanto todas passaram para o mesmo domínio, o holandês. A história da Companhia Majestática Holandesa das Índias Orientais é uma história de conquistas territoriais pela força. O próprio Timor sofreu com aquilo que MENEZES (2006:124) chamou de usurpação castelhana e a constante beligerância dos Holandeses Note-se que, apesar de tudo, os holandeses que não pouparam esforços e usaram até de meios pouco leais, como suborno e aliciamento dos chefes e ataques de surpresa para se apoderarem da ilha, não conseguiram tomar a Província de Servião conquistada por via espiritual pelos Dominicanos, não se estendendo o domínio holandês por mais duma légua para além de Cupão. (MENEZES 2006:124).

3 391 O Brasil também foi invadido duas vezes pela Holanda, pela Companhia das Índias Ocidentais. A primeira em 1624, na Bahia, e a segunda em 1630, em Pernambuco 4. Já a primeira grande conquista holandesa na ilha do Timor se deu no século seguinte, em 1769, obrigando o governador António José Teles de Menezes a transferir a capital do Timor para Díli, pois se viu sitiado em Lifau sem víveres e com comunicações marítimas cortadas por barcos de holandeses e de rebeldes aliciados por eles. Mas as conquistas não param por aí. Em 1818 a Holanda conquista Atapupo, obrigando Portugal a enviar o 1 a batalhão português para a região. Em 1851 Flores e a demais ilhas de Solor passaram para o domínio holandês, ficando o Timor no domínio português. Essas possessões holandesas foram conquistas da Companhia Majestática Holandesa das Índias Orientais, que formaram (não sem conflitos, revoltas e regime de força) a República da Indonésia 5 a 17 de Agosto de 1945, logo depois do fim da Segunda Guerra. O principal líder da independência foi Ahmed Sukarno, reconhecido como governante em 1949, quando terminou a guerra com a Holanda pela independência, declarada em Ele instalou uma ditadura, chamada por ele de democracia dirigida, realizou uma aproximação com a China e fez uma a aliança com Partido Comunista Indonésio (PKI), o que não agradou aos EUA e a seus aliados. Em 1965, em um golpe militar, o general Suharto 6, com o apoio dos EUA (com o objetivo de submeterem a Indonésia aos seus interesses geopolíticos e econômicos 7 ), tomou o poder sob o pretexto de evitar a penetração comunista, mantendo Ahmed Sukarno nominalmente no governo. Em 1967, o general Suharto afastou Ahmed Sukarno e assumiu oficialmente a chefia do Estado, abandonando a política nacionalista, aliando-se à economia capitalista ocidental, entregando, por exemplo, as companhias petrolíferas a corporações internacionais, aos novos aliados. Motivações a invasão. Pode-se dividir as motivações para a invasão e ocupação do Timor-Leste pela Indonésia em motivações de ordem externa e de ordem interna, muito embora elas só possam estar separadas para efeitos didáticos. Outra característica dessas motivações é o fato de que algumas delas foram fabricadas ou superdimensionadas para tentar justificar a invasão e ocupação e para justificar o apoio de seus aliados, como os Estados Unidos da América, a Austrália e a Grã-Bretanha.

4 392 Motivação de ordem interna Quanto à situação interna da República Indonésia, os problemas ligados aos movimentos separatistas e à unidade territorial é o que entra em tela na questão do Timor. A República Indonésia se construiu submetendo aproximadamente 300 grupos étnicos (e mais de 500 línguas e dialetos) das mais de dez mil ilhas espalhadas ao longo do Nordeste do oceano Índico, que foram as forças integradas à República Indonésia. Não foram poucos os movimentos separatistas na Indonésia desde o fim da guerra, pela independência em Uma das províncias estáveis é a de Papua. Outra província que luta por sua independência é a do Aceh, com uma população com cerca de 4 milhões de habitantes, rica em petróleo, situada na ponta do extremo Oeste da ilha de Sumatra. Aceh é palco de uma violenta rebelião independentista, dirigida contra o poder central indonésio pelo movimento fundamentalista muçulmano Aceh Merdeka (Aceh Livre). Em 1989 o Aceh Merdeka tinha já conseguido o apoio de grande parte dos setores da população, especialmente do nordeste. Contudo as operações contrarevolucionárias/insurreição, realizadas entre 1989 e 1993 resultaram na morte de mais de 2000 civis e na redução dramática do espaço de manobra do grupo nas zonas rurais, enfraquecendo dessa forma a sua posição militar. As execuções sumárias ou arbitrárias levadas a cabo pelas forças governamentais surgiram quando dos primeiros ataques do Aceh Merdeka em 1989, e continuaram a surgir relatos de execuções em massa durante 1990, após o Presidente ordenar o destacamento de 6000 soldados de unidades de contra-insurreição para Aceh, tal como uma vaga de assassinatos misteriosos da qual resultou a morte de centenas de civis. (...) Enquanto por um lado negam formalmente a responsabilidade por estas mortes arbitrárias, o governo e as autoridades militares têm feito declarações no sentido de conivência ou mesmo ao incitamento das execuções extrajudiciais em operações de contra-insurreição. Em dezembro de 2002, quando as mortes na luta pela independência já somavam cerca de 10 mil pessoas dos dois lados do conflito, o governo indonésio e os rebeldes do Movimento Aceh Livre assinaram em Genebra um acordo de paz. O acordo estabelecia um cessar imediato de hostilidades, assim como uma etapa de observação do cessar-fogo de três meses, iniciada com a chegada de observadores internacionais. O acordo foi obtido com a mediação, desde janeiro de 2000, da ONG suíça Centro Henry Dunant para o Diálogo Humanitário. O acordo previa um status de ampla autonomia para a Província de Aceh, assim como eleições provinciais em 2004 e a instalação de um governo eleito democraticamente. Mas os descumprimentos por ambas as partes do tratado de cessar-fogo incluído no acordo, além de outros pontos, levaram ao enfraquecimento e abandono do plano de paz. 8 Em Maio de 2003 os militares da indonésia lançaram ataques contra bases do Movimento Aceh Livre, muito parecido com o ataque a Díli em As imagens dos soldados paraquedistas indonésios nos céus da Província separatista de Banda Aceh poderiam muito bem ser confundidas com as vistas em Timor-Leste por ocasião da invasão em 1975.

5 393 Houve igualmente o desembarque de fuzileiros. Assim como na questão do Timor, os EUA estão envolvidos até a medula nas operações de contra-insurreição, sem deixar de aproveitar qualquer oportunidade para fazerem prevalecer os seus interesses na região, como ocorreu em 2005, por ocasião do tsunami. De facto, até as forças armadas indonésias que estão envolvidas em operações de contra-insurreição no Aceh ficaram surpreendidas quando o governo levantou uma proibição de entrada de estrangeiros e permitiu às forças armadas dos EUA que organizassem operações de ajuda [quando do tsunami] O exército australiano, que sempre representou um importante papel em todas as operações de contrainsurreição na Indonésia, também está a rondar o Aceh. A intervenção militar no Aceh estava a ser coordenada entre os três países por tele-conferência. Vemos assim que, sob o patrocínio dos EUA, o Grupo Central, incluindo a Índia, tentou utilizar a tragédia para os seus desígnios geo-políticos em geral e particularmente para os objectivos de contra-insurreição contra os movimentos de libertação nacional dos povos tamil e do Aceh. A postura de grande-nação dos governantes indianos durante o tsunami foi apoiada pelos EUA que procuram usá-los militarmente como um bastião no Sul e no Sudeste da Ásia. 9 Como o Timor-Leste divide com a Indonésia a ilha do Timor, esta temia que a independência do Timor Português fortalecesse os inúmeros movimentos autonomistas em seu território, reacendesse as chamas do comunismo (se a Fretilin assumisse o controle do estado), provocasse embaraços econômicos e geopolíticos, não só para a Indonésia como também para seus aliados, especialmente EUA e Austrália. Motivações de ordem externa Além dos movimentos separatistas, questões ligadas ao contexto da Guerra-Fria, como o avanço do comunismo no Sudeste Asiático, questões de ordem econômica e geopolítica motivaram a Indonésia a invadir e a ocupar o Timor-Leste, com o apoio dos EUA, Grã- Bretanha e Austrália. As motivações geopolíticas O mar territorial do Timor-Leste, além de sua importância piscosa, de sua riqueza em petróleo e gás natural, é de vital importância para a Austrália e seus aliados, pois possui o único corredor de águas profundas para os submarinos australianos passarem para o Norte, ou seja, para o Sudeste asiático. Outro fator importante é a posição estratégica da Indonésia, que está situada no centro do sistema marítimo do Sudeste asiático, portanto de grande importância geopolítica para os Estados Unidos, a Austrália e o Japão. No contexto da

6 394 Guerra-Fria era primordial manter a Indonésia e o Timor-Leste longe da URSS e da China: dos comunistas. Essa conjugação de fatores: riqueza petrolífera, potencialidade estratégica e possibilidade de ascensão ao poder por um partido de esquerda, fez a questão do Timor-Leste extrapolar os muros da própria nação. Qualquer opção política que não se constituísse em subserviência àqueles que se impunham como os donos do mundo foi sempre visto como ameaça. Não é sem razão que na véspera da consolidação da invasão indonésia ao Timor- Leste, em 7 de dezembro de 1975, Henry Kissinger, secretário de estado norte-americano, esteve em Jacarta para dar permissão a invasão e que Gough Whitlan, primeiro ministro da Austrália, em visita à Indonésia, em Setembro de 1974, declarou que o Timor deveria tornarse parte da Indonésia e que o Timor independente seria inviável e uma ameaça em potencial para a região. 10 Os interesses econômicos Os interesses geopolíticos quase sempre estão acompanhados de interesses econômicos, até pelo fato de que alguns produtos, como os energéticos, representam interesses econômicos, mas são também estratégicos, pela importância que têm na vida econômica de um país. Suas localizações devem ser preservadas sob o controle do bloco de poder, transformando-se também em uma questão geopolítica. O petróleo é o melhor exemplo. A questão do Timor perpassa por esta esfera, afinal o petróleo e o gás natural são as maiores riquezas em seu território, e também em seu mar territorial. O petróleo do Timor despertou igualmente interesses da Indonésia e de países como os Estados Unidos, Austrália e Grã-Bretanha. Logo após a invasão, a Austrália assinou com a Indonésia alguns acordos que lhes permitiam explorar o petróleo timorense. Avanço do Comunismo As tentativas de conter a ameaça comunista, não só no Sudeste asiático, estiveram sempre capitaneadas pelos EUA. Lembremos que a própria Indonésia foi refém dos EUA, em uma estratégia política que além de afastar o Partido Comunista Indonésio (PKI) da possibilidade de ascensão ao poder, colocou o país na condição subserviente à potência capitalista. A possibilidade de ver o Timor-Leste governado por um partido comunista causou as mesmas preocupação nos países alinhados ao chamado bloco capitalista.

7 395 No Timor-Leste esta possibilidade teve início logo depois da Revolução dos Cravos (25/04/1974), quando os timorenses começaram a organizar os seus partidos políticos. Surgiu assim, em 11 de Maio, a UDT (União Democrática Timorense), a 20 de Maio a ASDT (Associação Social-Democrática Timorense), que depois veio a transformar-se na FRETILIN (Frente Revolucionária de Timor-Leste Independente), a 27 de Maio, a APODETI (Associação Popular Democrática Timorense); KOTA (Klibur Oan Timor Aswain Tétum) 11 ; e o Partido Trabalhista 12. Entre os três partidos mais importantes (UDT, FRETILIN e APODETI) havia grandes diferenças. A UDT fora criada por uma elite timorense, formada por funcionários mais graduados do estado colonial em Timor Português, por professores, comerciantes, e contava com a simpatia da Igreja Católica. Defendia uma autonomia progressiva, dirigida por Portugal, até a independência. A FRETILIN, que defendia uma independência quase que imediata, fora formada, na maioria, por jovens de Díli. A partir de Setembro, passou a contar em seus quadros com estudantes timorenses com tendências marxistas que interromperam os seus estudos em Portugal e voltaram ao Timor para participarem do momento histórico que seu país vivia. Os mais empenhados mantinham contactos com o MRPP (Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado) de Portugal, que continuou depois a fornecer-lhes publicações e proporcionou contactos com a China. Foi nessa altura que a ASDT passou a chamar-se FRETIN (MATTOSO (2005:43). A FRENTILIN contava também com o apoio de oficiais de esquerda do Movimento das Forças Armadas de Portugal, como os majores Francisco Mota e Costa Jónatas, da Comissão de Descolonização do Timor e colaboradores do Tenente Coronel Lemos Pires, governador do Timor Português. A APODETI era anti-portugal e pró-integração à Indonésia. Apesar de receber um pequeno apoio popular, tornou-se o 3º partido mais importante, sobretudo pelo apoio que sempre recebeu da Indonésia, inclusive pecuniário, pelo Cônsul da Indonésia em Díli e do serviço secreto indonésio, entre outros. A FRETILIN, que representava a ameaça aos interesses do bloco capitalistas na região, vinha crescendo na simpatia popular, fruto de sua militância bem mais aguerrida, de um discurso que premiava a busca de solução às misérias da grande maioria dos timorenses. Confiando na força das massas desenvolveu ações que aumentavam ainda mais o seu prestígio. A FRETILIN (...) iniciou, logo em Janeiro de 1975, uma campanha de alfabetização, enviando os seus adeptos às aldeias, o que lhe trouxe de imediato o alargamento da

8 396 sua base social de apoio; além disso, tornava-se a força política mais influente no seio da juventude por meio da formação da UNETIM (União Nacional dos Estudantes Timorenses). (MATTOSO 2005:43) No dia 21 de Janeiro de 1975, a FRETILIN e a UDT assinam o acordo de uma coligação que se apoiava na única coisa comum até então, o fato de serem contra a integração à Indonésia. Buscava-se assim, colocar freios às aspirações indonésias e ao eventual crescimento da APODETI, seu representante. Entretanto, a Indonésia conseguiu infiltrar seus agentes, dando fim à coligação. Em 11 de Agosto de 1975 a UDT deu um golpe de estado com o apoio da polícia e dos seus comandantes portugueses. A demonstração de força incluiu a prisão de bastantes adeptos da FRETILIN (MATTOSO 2005:48) e assumiu o poder em Timor-Leste, produzindo com isto três fatos: o contragolpe da FRETILIN, a guerra civil e o abandono de Portugal. Era tudo que a Indonésia precisava para justificar a invasão. Como se não esperassem por outra coisa, os portugueses começaram a abandonar o território logo no dia 12 de Agosto. Primeiro embarcaram as mulheres e crianças, dirigindo-se a Darwin no navio australiano Macdili, que parecia estar à espera desta ocasião. Os homens foram evacuados, também para a Austrália, numa segunda viagem do mesmo navio, em 27 de Agosto, e noutra barco, o Lloyd Bakke. Com eles foram também os professores portugueses da Escola Canto Resende. A administração portuguesa, com Lemos Pires, refugiou-se na ilha de Ataúro. (MATTOSO 2005:49) Este golpe contou com o apoio da Igreja e de parte da população, que temia o avanço do comunismo no Sudeste asiático. O apoio da igreja dava-se nas pregações das missas 13, como pode ser observado pelo registro feito por SOUSA (2003:13), em seu diário/livro Olobai 75, onde ele relata que no dia 17 de agosto de 1975, poucos dias após o golpe, Tivemos a Missa de manhã celebrada pelo Sr. Padre Silva. Falou muito da situação que atravessamos presentemente e o papel que um grupo de comunistas quer desempenhar em Timor. Todos deveriam estar com precaução, estar unidos para trabalhar pelo progresso de Timor. É preciso tomar cuidado com o Comunismo e não se deixar levar pelas idéias materialistas trazidas por aquele grupo de estudantes que vieram de Lisboa A reação da FRETILIN ao golpe dado pela UDT veio a 20 de Agosto, pelo contragolpe, dado com o apoio de militares timorenses. No mesmo dia, a FRETILIN cria a Força Armada de Libertação Nacional de Timor-Leste FALINTIL, que assume a defesa do contragolpe, quando se estabelece em Díli um conflito muito sangrento, entre as forças da UDT e as da FRETILIN. Em 27 de Agosto de 1975, depois da saída de quase todos os portugueses, o governador português do Timor, Lemos Pires, abandona Díli, retirando-se para a ilha de

9 397 Ataúro, com as forças militares portuguesas, mais tarde é evacuado pela marinha portuguesa para Darwin, Norte da Austrália. Além do apoio da APODETI e da Igreja Católica, a Indonésia através da rádio Ramelau, instalada em Cupão, na fronteira da Indonésia com o Timor-Leste, criou uma programação especial para o povo timorense, defendendo a integração do Timor-Leste à Indonésia. Segundo relata SOUSA (2003:33), em 15 de Setembro de 1975 (em plena guerra civil, entre simpatizantes da UDT e os da FRETILIN), a referida rádio transmitia normalmente sua programação de apoio a APODETI, atacando a UDT, a FRETILIN e o governo português. Já em Setembro, logo depois da retirada do governador português para Ataúro, começa a violação da fronteira timorense pela Indonésia em Suai, próximo a fronteira com o Timor indonésio, adentrando Outubro e Novembro de 1975 por outras localidades próximas a fronteira, até a invasão de 7 de Dezembro, em Díli, quando se configura a ocupação. No dia primeiro de Outubro, relata SOUSA (2003:37) que A situação continua instável. Internacionalmente as coisas parecem não se resolver com muita facilidade. Ontem à noite pela primeira vez ouvi pela voz da América que soldados na fronteira fizeram baixas a FRETILIN. Não disseram o número exacto das baixas. Esta manhã, a mesma emissora citou a mesma notícia. Outra notícia importante era que a emissora japonesa deu a notícia de que a Indonésia não aceitava a FRETILIN como único partido para as conversações. Em Setembro alguns integrantes da UDT se retiraram para a fronteira e procuraram asilo político em Timor Ocidental. Muito embora a Indonésia já estivesse violando a fronteira do Timor-Leste somente em Outubro que as Forças Armadas da República da Indonésia começam a fazer incursões mais sistemáticas, pois entendiam que já estavam autorizadas. Todavia, o seu recurso [de membros da UDT] só foi aceito na condição de os seus dirigentes assinarem uma petição formal dirigida ao Presidente Soeharto apelando à integração de Timor-Leste na Indonésia. Tendo cedido a esta exigência, foram autorizados a entrar como refugiados a 24 de Setembro. A partir deste momento, os Indonésios, contando também com a posição da APODETI, favorável à integração, já podiam dizer que tinham invadido Timor-Leste a pedido dos próprios Timorenses. Em 28 de Novembro de 1975, a FRETELIN declarou a independência do país na esperança de ver o Timor-Leste reconhecido como país independente, e por fim a invasão do seu território pela Indonésia, como se pode ver no livro/relato de experiências dos padres FELGUEIRAS e MARTINS (2006:40): Respirava-se o ambiente de uma invasão iminente, adiantou-se proclamando unilateralmente a independência de Timor Leste, numa cerimônia frente ao palácio do governo, descendo a bandeira portuguesa e hasteando a bandeira da FRETELIN, na esperança desta independência ser reconhecida no foro internacional.

10 398 A estratégia não logrou êxito, e em 7 de Dezembro de 1975 a Indonésia lançou um grande ataque na capital, Díli, no dia 10 em Baucau, segunda maior cidade do país, e em seguida em Ataúro e Manatuto. Em Díli foi usado como estratégia, o ataque pelo ar e mar, com desembarque de tanques e marinas e o uso de paraquedistas. Os padres FELGUEIRAS e MARTINS (2006:45/46) afirmam que As forças da FRETELIN ainda dominavam Díli e por isso responderam com as suas armas ao aparecimento dos paraquedistas no ar. Muitos caíram mortos, outros ficaram dependurados nos fios elétricos ou arvoredo. (...) Contemplando, a partir de Dare, a baía de Díli, naquela manhã de 7 de Dezembro, ficávamos aterrados ao contar cerca de 22 navios de guerra e transportes de barcos de apoio. Frente à praia dos coqueiros, na zona de Comoro, começaram a desembarcar das barcaças tanques anfíbios, disparando canhões à medida que se aproximavam da terra avançando sobre a cidade de Díli. Entretanto, vários batalhões de marines invadiam Díli. Foi a partir deste momento que começou a grande carnificina, matando quase indiscriminadamente membros da população que não eram rapidamente identificados, ou simplesmente mortos à rajada; sobretudo quando constatavam que nas mediações aparecia morto algum paraquedista, (...) e a muitos populares de bairros como Ailoklaram. Assistimos de Dare ao incêndio das casas desde Comoro até Caicoli. Alguns paraquedistas, após terem aterrado, foram à prisão da Comarca libertar alguns elementos da APODETI. As lojas e os armazéns dos comerciantes chineses foram completamente saqueados. Foram 24 anos de uma ocupação violenta, com massacres, torturas, prisões arbitrárias, violações, quando foram exterminados mais de 200 mil timorenses (50% da população) apenas nos primeiros 5 anos de ocupação. Segundo FELGUEIRAS e MARTINS (2006:69) Alguém afirmou que a tragédia do povo de Timor terá sido o maior genocídio depois da segunda guerra mundial, proporcionalmente ao número de habitantes. Tudo foi pilhado: café, sândalo, outras madeiras nobres, tudo foi passado para as mãos dos militares invasores. Não existe em Timor-Leste uma única família sem que uma mulher não tenha sido violada (algumas defronte o marido ou os filhos) ou que um dos seus membros não tenha sido torturado. Para indonesiar o Timor-Leste, além do massacre da população timorense, a Indonésia proibiu o uso do idioma português e o uso da língua indonésia era obrigatório. Transplantou o seu sistema de ensino e trouxe os professores indonésios para lecionar. O animismo (crença timorense) não era considerado religião. Como para eles, quem não tinha religião era comunista, obrigou os timorenses aos ritos aos quais a maioria não estava completamente familiarizada. Removeu a população nativa dos seus locais como estratégia de cortar raízes culturais. Para ocupar essas terras, promoveu a transmigração de mais de 130 mil indonésios de outras ilhas para o Timor-Leste e levou timorenses para outras ilhas indonésias. Construiu campos de concentração, desrespeitando o território dos diferentes grupos éticos,

11 399 como a vila das viúvas. Adotou o uso do anticonceptivo Depo Provera para toda a mulher timorense que fizesse uso do sistema de saúde, sem o conhecimento e a autorização das mesmas. Além disso, fez todo o esforço possível para fechar o Timor à comunidade internacional. O bloqueio a qualquer comunicação com a comunidade internacional era a estratégia para ocultar o monstruoso massacre do povo de Timor. Mesmo a Cruz Vermelha não conseguia chegar ao Timor Tumor, nome dado pela Indonésia depois da invasão. A estratégia da FRETILIN de declarar a independência de Timor-Leste na esperança de se ver reconhecido pela comunidade internacional e de obter o apoio de países amigos, sobretudo das antigas colônias portuguesas e de organismos internacionais, não surtiu o efeito esperado. Apesar de a ONU ter aprovado, em 12 de Dezembro de 1975, a Resolução 3485, que definiu o direito inalienável de Timor à autodeterminação e independência, lamentou a invasão militar do exército indonésio e apelou à sua retirada (MATTOSO, 2005:57), o povo timorense só conseguiu a sua autodeterminação em 2002, como se pretende mostrar em estudos futuros. Considerações finais As motivações geopolíticas e econômicas para invasão e ocupação indonésia do Timor-Leste sempre existiram, mas nunca foram fontes de grandes preocupações para a Austrália, a Grã-Bretanha, os Estados Unidos ou a Indonésia, pois aquele território estava sob o domínio de Portugal e de sua ditadura salazarista. Entretanto, foi só ocorrer a democratização de Portugal, para que o bloco de poder que controlava parte do Sudeste asiático se sentisse ameaçado. - O Timor-Leste representava os mesmos perigos que o Viet Nam? Interesses econômicos que aguardavam a oportunidade para exploração, como o petróleo e o gás natural do Timor, passaram a ser prementes, e o controle político daquela pequena nação, que estava prestes a conseguir a sua liberdade do colonialismo português, já estava ameaçado. - O controle do sistema marítimo do Sudeste asiático também? Antes mesmo que os timorenses pudessem organizar seus partidos políticos os indonésios já se organizavam para anexar o território timorense. Para isto contaram, no âmbito externo, com o apoio da Austrália, Estados Unidos e Grã-Bretanha. O apoio se manteve durante os 24 anos de ocupação, mesmo com todo o genocídio e com as mais de 10 sanções da ONU à Indonésia por conta da situação do Timor. Nada abalava o apoio, e como brinde a Austrália pilhava o petróleo do Timor e os demais aliados forneciam tudo que a

12 400 Indonésia precisava para aniquilar com os timorenses. Quem sairia ganhando com a morte de uma nação? Para aprofundar o presente estudo ficam ainda as outras perguntas: Quais são os valores que estão sendo defendidos por governos como os que estiveram envolvidos no episódio do Timor-Leste? Onde vamos chegar com esse tipo de relações internacionais? O poder e a riqueza de poucas nações justificam o genocídio e a morte de uma nação? O que fizeram as entidades ligadas aos direitos humanos e os organismos internacionais durante a invasão e ocupação do Timor-Leste pela Indonésia? A ONU tem conseguido cumprir o seu papel? Espera-se poder responder a essas questões no aprofundamento dess estudo. Notas 1 Segundo MENEZES (2006) A população do Timor está dividida em três classes sociais fundamentais: os nobres, o povo e os escravos. Os régulos ou liurais (nobres) são detentores de cargos políticos (...) consideravam-se de origem divina, sendo os régulos e a sua descendência tidos por filhos do Sol (...). Este aspecto de divinização dos régulos dava a estes, poderes quase absolutos. (...) são como deuses, porque tudo o que querem, fazem (...). A crença na origem divina dos régulos era tal, que mesmo depois de mortos, acreditavam que apenas estavam a dormir, ficando os cadáveres às vezes colocados em cobertos altos ou expostos em cima de árvores para não deixarem de ver o Sol. 2 MENEZES (2006) 3 MENEZES (2006) 4 As duas invasões holandesas no Brasil se deram durante o período em que Portugal estava sob o domínio espanhol ( ). A Holanda também esteve sob o domínio da Espanha até 1579, quando declarou a sua independência. A Espanha não reconheceu a independência e as duas nações estiveram em guerra até A Espanha, como represalia, decretou embargo comercial à Holanda, que passou a ter grandes prejuízos, pois ela era quem comercialização o açúcar brasileiro nos mercados europeus. Em 1602, fora criada a Companhia das Índias Orientais para exploração mercantil das colônias espanholas na África e Ásia, e a Companhia das Índias Ocidentais, em 1621, para exploração mercantil das colônias espanholas da América, principalmente do Brasil. No oriente, a Companhia das Índias Orientais dominou o comércio nas ilhas Maurício e Molucas e nas ilhas que hoje compõem a Indonésia. 5 A Indonésia é o maior país muçulmano do mundo e o maior arquipélago do planeta. São mais de dez mil ilhas espalhadas no nordeste do oceano Índico. É o quarto país mais populoso do mundo, com mais de 237 milhões de habitantes (estimativa de 2008), na maioria islâmicos. A maioria da população trabalha na agricultura, mas a economia é baseada na exportação de petróleo e gás natural liquefeito. 6 Hadji Mohamed Suharto, considerado o governante mais corrupto dos tempos modernos, nasceu em Kemusuk, em 8 de Junho de Governou com mão-de-ferro a Indonésia entre 1967 e 1998, depois de um golpe de estado orquestrado pela Inteligência Secreta Americana (CIA). Foi responsável por uma campanha de repressão em contra o Partido Comunista, democratas indonésios e seus aliados, que resultou em um massacre de entre 500 mil a um milhão de indonésios. As forças armadas de Suharto cometeram numerosos abusos dos direitos humanos, assassinatos de ativistas estudantis e opositores ao regime nas províncias de Aceh, Papua e Timor Leste. Ele deixou o poder em maio de 1998 sob a pressão das manifestações contra seu governo, quando a crise econômica asiática lançou o caos social, levando os indonésios à democracia. Quando Suharto foi tirado do poder, ele e a sua mulher e associados tinham passado por quase todos os setores da economia indonésia. Eram donos da companhia de aviação, hotéis, postagens, estações de televisão e rádio, e eram ponte para qualquer estrangeiro que quisesse fazer negócios na Indonésia. Suharto sofria de problemas de saúde desde que saiu do poder, morrendo em 27/01/2008 aos 86 anos. 7 (...) Para isso, os Estados Unidos procuraram primeiro desestabilizar o regime existente. Uma política enquadrada por uma directiva do Conselho de Segurança Nacional de 1953, que apelou a uma acção adequada, em colaboração com outros países amigos, a fim de impedir um controlo permanente dos comunistas na Indonésia. A directiva NSC 171/1 previu ao mesmo tempo apoiar guerrilheiros [maquis] separatistas e treinar quadros do exército indonésio a fim de criar uma tensão que permitiria aumentar a influência estado-unidense e fazer recuar os comunistas. (...) Se a estratégia da tensão instaurada por Washington funcionou bem a nível político, dado que os militares tomaram gradualmente um lugar preponderante na vida do país, o apoio à guerrilha não permitiu a esta obter os sucessos militares esperados. A partir de 1 Agosto de 1958, a CIA constatou este malogro e iniciou um programa de assistência militar maciça à Indonésia, num montante avaliado em 20 milhões de dólares anuais. O objectivo era sempre o mesmo, de acordo com um memorando do Estado-maior interarmas de 1958: tratava-se de ajudar o exército indonésio enquanto única força não-comunista (...) que tem a capacidade de estorvar (...) o Partido Comunista Indonésio - PKI. (...) Por pequenos toques sucessivos, Washington irá assim aplicar na Indonésia a doutrina de guerra revolucionária elaborada pelos militares franceses de regresso da Indochina ou, mais tarde, da Argélia. Uma prática militar fundada sobre a deslocação de populações a grande escala, cadastro sistemático, a criação de milícias de autodefesa, a acção psicológica, as operações de controlo de zonas delimitadas e as hierarquias paralelas [5]. (...) Homens, mulheres e crianças suspeitos de estar próximos dos comunistas

13 401 foram massacrados um pouco por todo o país. (...) O golpe de Estado e os massacres que se seguiram permitiram aos Estados Unidos tirar partido do país, e nomeadamente dos seus recursos petrolíferos e minerais. (...) Mas para lá deste sucesso económico, a chegada ao poder de Suharto estabeleceu sobretudo um modelo estratégico a seguir pelos Estados Unidos, que o vão aplicar em seguida em numerosas outras zonas geográficas. Será o caso no Vietname, com a operação Phoenix, depois no Chile e na América Latina com a Operação Condor. A analogia com a chegada ao poder de Pinochet é perturbante: tal como na Indonésia, o general chileno pretextou a existência de uma conspiração dos comunistas o famoso plano Z para organizar em reacção um golpe de Estado preventivo e tomar o controlo do país, apoiando-se no exército. Nos dois casos, a existência de uma conspiração inicial é posta fortemente em dúvida pelos elementos materiais recolhidos pelos historiadores. [5] Patrick de Saint-Exupéry, L inavouable. La France au Rwanda, Les Arènes, Março Ver igualmente a tese de Gabriel Périès sobrea guerra revolucionária: De l action militaire à l action politique, impulsion, codification et application de la doctrine de la guerre révolutionnaire ( ), Université de Paris I. LABARIQUE, Paul & Réseau VOLTAIRE. 1965: A Indonésia, laboratório da contra-insurreição, in.: SUHARTO MORREU AOS 86 ANOS Disponível em acesso em Indonésia lança ofensiva militar contra Província de Aceh, 20 de MAIO de Disponível em acesso em 05/08/ A militarização da ajuda após o tsunami na Ásia do Sul. 21 de Fevereiro de Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar. Disponível em acessado em 05/08/ Segundo o jornalista John Pilger em seu documentário A morte de uma nação: a conspiração de Timor. 11 Segundo CARRASCALÃO (2006:32) o KOTA era um denotado defensor dos usos e costumes timorenses e das tradições monárquicas ligadas aos régulos, mas por inépcia dos seus líderes, pouco apoio conseguiu. 12 Segundo CARRASCALÃO (2006:32), um defensor do status-quo. 13 Apesar de a Igreja Católica ter feito propaganda contra a Fretilin durante as missas, como demonstrou SOUSA (2003), ela teve igualmente papel importante na resistência timorense, por ocasião da ocupação indonésia, sobretudo de padres e freiras não indonésios. Pode-se até remeter, em certa medida, as críticas ao comunismo e a Fretilin como uma oposição ao papel que o partido inaugurava, com a campanha de alfabetização, atividade quase que exclusiva da Igreja em Timor Português. De qualquer forma a temática exige de nós estudos futuros. Bibliografia Referências CARRASCALÃO, Mario Viegas. Timor Antes do Futuro. Díli (Timor-Leste), Mau Huran Printing, FELGUEIRAS, João, S. J. & MARTINS, José Alves, S. J. Nossas Memórias de vida em Timor. Braga (Portugal), Editorial A.O., MATTOSO, José. A Dignidade: Konis Santana e a Resistência Timorense. Rio de Mouro - Lisboa (Portugal), Ed. Circulo de Autores e Leitores, MENEZES, Francisco Xavier de. Encontro de Culturas em Timor-Leste. Díli (Timor- Leste), Ed. Crocodilo Azul, SOUSA, Domingos de Jesus de. OLOBAI 75. Baucau (Timor-Leste), Gráfica Diocesana Baucau, SOUSA, Domingos de Jesus de. COLIBERE, um herói timorense...lisboa (Portugal), Libel Edições Técnicas, Ltda., Web fonte:

14 402 A militarização da ajuda após o tsunami na Ásia do Sul. 21 de Fevereiro de Serviço Noticioso Um Mundo A Ganhar. Disponível em acessado em 05/08/2009. Indonésia lança ofensiva militar contra Província de Aceh, 20 de Maio de Disponível em acesso em 05/08/2009. Reivindicações separatistas. Disponível em em 05/08/2009. Suharto morreu aos 86 anos. Disponível em acesso em Documentário cinematográfico: PILGER, John. A morte de uma nação: a conspiração de Timor, 1994.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Uma década de independência

Uma década de independência TIMOR-LESTE Uma década de independência O principal desafio tem sido construir um estado a partir do zero. A dez anos de distância, quem acompanhou o processo de autodeterminação timorense afirma que o

Leia mais

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do p. 110 A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do México até sua independência a partir de 1823; Em 1839 tornam-se independentes fracasso da

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana GUERRA DO VIETNÃ Após o fim da Guerra da Indochina (1954), Vietnã é dividido na altura do paralelo 17: Norte: república

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE.

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE. FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE Nova Odessa SP Maio / 2014 1 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA FELIPE CARCELIANO

Leia mais

A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem

A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem QUESTÃO IRLANDESA A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem cerca de 1,8 milhão de habitantes,

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. 25 de janeiro de 1835, ao amanhecer o dia na cidade de Salvador, 600 negros entre libertos e escravos levantaram-se decididos

Leia mais

Guerra Fria e o Mundo Bipolar

Guerra Fria e o Mundo Bipolar Guerra Fria e o Mundo Bipolar A formação do Mundo Bipolar Os Aliados vencem a 2.ª Guerra (1939-1945). Apesar de na guerra lutarem lado a lado, os EUA e a URSS vão afastar-se a partir de 1945. Guerra Fria

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Período pré-colonial

Período pré-colonial CHILE Período pré-colonial O navegador português Fernão de Magalhães, a serviço do rei da Espanha, foi o primeiro europeu a visitar a região que hoje é chamada de Chile. Os mapuches, grande tribo indígena

Leia mais

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE A FORMAÇÃO DOS ESTADOS LATINO- AMERICANOS OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA FORMARAM-SE A PARTIR DA INDEPENDÊNCIA DA ESPANHA E PORTUGAL. AMÉRICA

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético.

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. A operação Barbarossa A operação Barbarossa era a invasão da União

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

TIMOR LESTE E A INVASÃO INDONÉSIA Laura Dias Prestes 1. Resumo

TIMOR LESTE E A INVASÃO INDONÉSIA Laura Dias Prestes 1. Resumo TIMOR LESTE E A INVASÃO INDONÉSIA Laura Dias Prestes 1 Resumo O Timor Leste possui uma história de formação de seu estado nacional bastante conturbada. Localizado no oceano índico é o segundo país mais

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

Israel e o mundo Árabe

Israel e o mundo Árabe Israel e o mundo Árabe Leonardo Herms Maia¹ Regina Cohen Barros² Para uma compreensão espacial e econômica deste assunto, irei abordar temas principais que nos mostram como Israel se tornou uma grande

Leia mais

Descolonização Afroasiática

Descolonização Afroasiática Aula 50 Descolonização Afroasiática 1 Fatores Setor 1602 2 Casos Nacionais 3 China ealvespr@gmail.com Objetivo da aula Analisar o quadro geral da descolonização afroasiática após a Segunda Guerra Mundial.

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Geografia. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor:

Geografia. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Geografia Questão 1 Em 1967, por ocasião da Guerra dos Seis Dias, Israel ocupou de seus vizinhos árabes uma série de territórios, entre eles a Península do

Leia mais

Oriente Médio Oceania

Oriente Médio Oceania 1 Fonte: Para viver juntos: Geografia, 9º ano: ensino fundamental. São Paulo: Edições SM, 2008, p. 206. O mapa acima nos mostra uma região que tem sido motivo de disputas e conflitos entre os europeus

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

E.E. Dr. João Thienne Geografia

E.E. Dr. João Thienne Geografia E.E. Dr. João Thienne Geografia INTRODUÇÃO O presente trabalho é sobre conflitos no Cáucaso, mais concretamente o caso da Chechênia. São objetivos deste trabalho adquirir conhecimentos sobre o assunto,

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

Dossiê Tibete: análise dos conflitos sino-tibetanos.

Dossiê Tibete: análise dos conflitos sino-tibetanos. Dossiê Tibete: análise dos conflitos sino-tibetanos. Ana Paula Lopes Ferreira 1 RESUMO Os conflitos entre China e Tibete vêm de um longo processo histórico e desde 1949, quando ocorre a ocupação chinesa

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

Transferência da Corte portuguesa. D. João VI no Brasil

Transferência da Corte portuguesa. D. João VI no Brasil Transferência da Corte portuguesa D. João VI no Brasil A Corte no Brasil? Desde o século XVII, o governo de Portugal cogitava, eventualmente, transferir a sede do Império Português para a colônia na América.

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

Frente contra as guerras e intervenções imperialistas

Frente contra as guerras e intervenções imperialistas Pelo Socialismo Questões político-ideológicas com atualidade http://www.pelosocialismo.net Publicado em: http://inter.kke.gr/news/news2011/2011-05-04-eliseo-artho Tradução do inglês de MF Colocado em linha

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Portugal na Grande Guerra de 1914-1918. o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1

Portugal na Grande Guerra de 1914-1918. o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1 Portugal na Grande Guerra de 1914-1918 Nuno Lemos Pires o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1 Portugal participou na Grande Guerra em cinco grandes

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola: Básica de Custóias (sede) Ano: 8º ano Turma:

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

Guerra da Coreia: 1950-53

Guerra da Coreia: 1950-53 Guerra da Coreia: 1950-53 Esteve dominada pelo Japão durante a segunda guerra e foi dívida entre norteamericanos e soviéticos em 1945, na conferência de Yalta, pelo paralelo 38. Essa divisão era provisória

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

Síria: Possível intervenção armada internacional após alegado ataque com armas químicas

Síria: Possível intervenção armada internacional após alegado ataque com armas químicas Síria: Possível intervenção armada internacional após alegado ataque com armas químicas Introdução Nos últimos dias, vários governos assinalaram a intenção de intervir militarmente contra o governo Sírio,

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX Estados Unidos da América Aula I Da colonização ao século XIX As Teorias: Corrente asiática Estreito de Bering (beríngia). Malaio Polinésia Corrente australiana Ocupação do Continente Americano: Principais

Leia mais

Venezuela: Caracas e Lisboa assinaram nove novos acordos de cooperação - RTP Not...

Venezuela: Caracas e Lisboa assinaram nove novos acordos de cooperação - RTP Not... Venezuela: Caracas e Lisboa assinaram nove novos acordos de cooperação - RTP Not... http://ww1.rtp.pt/noticias/?article=362973&visual=26&tema=4 Page 1 of 2 Economia Venezuela: Caracas e Lisboa assinaram

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO 2ªRevolução Industrial HOLDING TRUSTE CARTEL Empresas financeiras que controlam complexos industriais a partir da posse de suas ações. Formação de grandes conglomerados

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz

Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz Caros Amigos e Camaradas da Paz, Como é do vosso conhecimento, o nosso mundo encontra-se numa conjuntura

Leia mais

República Popular Chinesa (1912-1949)

República Popular Chinesa (1912-1949) China atual Revolução Chinesa Primeiro momento (1911): revolução nacionalista contra neocolonialismo, liderada por SunYat-sen e fundador do Kuomitang (Partido Nacionalista) Segundo momento (1949): revolução

Leia mais

Descolonização e Lutas de Independência no Século XX

Descolonização e Lutas de Independência no Século XX Descolonização e Lutas de Independência no Século XX A Independência da Índia (1947) - Antecedentes: Partido do Congresso (hindu) Liga Muçulmana Longa luta contra a Metrópole inglesa - Desobediência pacífica

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

Conflito do Tibete. Resenha Segurança

Conflito do Tibete. Resenha Segurança Conflito do Tibete Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 1 de abril de 2008 Conflito do Tibete Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 1 de abril de 2008 O Tibete voltou a ser palco de conflitos

Leia mais

Palestina - em defesa da nação oprimida

Palestina - em defesa da nação oprimida Palestina - em defesa da nação oprimida Que o Hamas entregue armas à população! Derrotar a ofensiva sionista com o levante das massas palestinas! Unidade dos explorados do Oriente Médio para enfrentar

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas.

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. 2 Habilidades: Observar as limitações das Guianas e suas ligações com o Brasil. 3 Colômbia 4 Maior população da América Andina. Possui duas saídas marítimas: Para o Atlântico

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

A questão da Irlanda do Norte

A questão da Irlanda do Norte A presença de vários grupos étnicos e religiosos num determinado país pode desencadear conflitos internos, principalmente quando um desses grupos aspira à conquista de sua autodeterminação política. Enquadraram-se

Leia mais

A formação do Estado de Israel

A formação do Estado de Israel A formação do Estado de Israel 1946: 500 mil judeus na Palestina querem a independência de Israel do domínio britânico Aumento da tensão entre israelenses e ingleses: centenas de ataques de judeus a britânicos

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos

Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos Brasileira percorre 7 mil quilômetros para contar histórias de refugiados africanos por Por Dentro da África - quarta-feira, julho 29, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/brasileira-percorre-7-mil-quilometros-para-contar-historias-derefugiados-africanos

Leia mais

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Franceses, Ingleses e Holandeses Prof. Alan Carlos Ghedini O princípio: competição nos mares Portugal e Espanha chegaram primeiro à corrida das Grandes

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS

CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS Um assunto que volta e meia ocupa as manchetes de jornais do mundo inteiro há décadas é a questão sobre o conflito entre israelenses e palestinos

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram GPS Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram ferramentas importantes para nos localizarmos com mais facilidade. Agora imagine que você pudesse ter um GPS que, além de lhe fornecer

Leia mais

Folha Informativa nº 135

Folha Informativa nº 135 Folha Informativa nº 135 VISITA DA AACDN AO MUSEU DO AR EM SINTRA No seguimento do XII Congresso da AACDN, teve lugar, no dia 27 de Outubro, uma visita às instalações do Museu do Ar, situado na Base Aérea

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

O Golfo em debate com Mohamed Benbouta

O Golfo em debate com Mohamed Benbouta DEBATE O Golfo em debate com Mohamed Benbouta DUARTE CALVÃO A guerra do Golfo eclodiu há cerca de um ano. Nessa altura esteve em Lisboa o professor Mohamed Benbouta, economista, cientista político, docente

Leia mais

BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO

BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO BENEDITO/.PREZIA EDUARDO HOORNAERT n & ESTA 1ERRA 1MHA DONO CEHILA POPULAR - CIMI FTO UMA PALAVRA 11 PARTE I OS POVOS DE NOSSA TERRA UNIDADE 1 A GRANDE 1 FAMÍLIA HUMANA i CAP. 1 Milhões de anos atrás 14

Leia mais

Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra.

Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra. Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra. No início de agosto de 1914, as potências europeias desencadearam um conflito militar que ficou conhecido, entre os contemporâneos,

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais