Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro"

Transcrição

1 Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Pretende se com este questionário conhecer a sua opinião sobre o (Ensino do) Português no Estrangeiro. Não existem respostas certas ou erradas. No tratamento dos dados obtidos, garante se a confidencialidade. O preenchimento deste questionário durará cerca de 15 minutos. Página 1: ecrã de entrada 1. Selecione o país em que se encontra a maior parte do ano. (lista roll de países) 2. Selecione a situação que melhor o caracteriza atualmente: (lista roll com as seguintes opções: Membro da Comunidade Portuguesa no País indicado anteriormente Membro da Comunidade de outro país de língua oficial portuguesa Encarregado de Educação Docente de Português no Estrangeiro (Ensino Básico e Secundário) Docente de outras disciplinas no Estrangeiro (Ensino Básico e Secundário) Docente de Português (Ensino Superior) Docente de outras disciplinas (Ensino Superior) Leitor/a (do Instituto Camões ou de outra instituição) Estudante Universitário Aluno (Ensino Básico e Secundário) Outro. Qual? Página 2: Perfil pessoal e profissional (questões por grupo alvo) Membros da Comunidade Lusófona e Encarregados de Educação 1 Idade Sexo F M 2. Selecione o seu país de origem Angola Brasil Cabo Verde Guiné Bissau Portugal Moçambique São Tomé e Príncipe Timor Leste 1

2 3. Há quanto tempo reside no Estrangeiro? Há menos de 1 ano. Entre 1 e 5 anos. Entre 5 e 10 anos. Mais de 10 anos. Nasci no estrangeiro. 4. Pretende regressar ao seu país de origem? Sim, o mais depressa possível. Sim, mas a longo prazo. Não. Ainda não pensei nisso. 5. Caso regresse será (selecione o principal motivo): Porque sente saudades. Por razões familiares. Por razões económicas. Por falta de condições de trabalho. Porque atingiu a idade da reforma. Porque não se consegue adaptar no país em que se encontra. Porque o ensino lá é melhor. Outra. Qual? 6. Qual o ramo em que exerce a sua atividade atualmente? Agricultura Comércio Construção Civil Ensino Profissional Liberal Prestação de serviços ( ) Outra. Qual? 7. A sua escolaridade foi completada (pode assinalar mais do que uma opção): No seu país de origem. No país em que reside atualmente. Noutro país. Qual? Roll de países 8. Qual o seu nível de escolaridade? 2

3 Até à 4ª classe (até 4 anos de escolaridade). Da 5ª à 6ª classe (entre 5 e 6 anos de escolaridade). Do 7º ao 9º anos (entre 7 e 9 anos de escolaridade). Ensino Secundário Incompleto (entre 10 e 11 anos de escolaridade). Ensino Secundário Completo (12º ou 13º ano completos). Licenciatura. Mestrado. Doutoramento. Pós Doutoramento. Docentes de Português do Ensino Básico e Secundário 1. Idade Sexo F M 2. Selecione o seu país de origem Angola Brasil Cabo Verde Guiné Bissau Portugal Moçambique São Tomé e Príncipe Timor Leste Outro: (roll list) 3. Motivações para exercer funções no estrangeiro Sem motivo especial. É economicamente mais rentável. Desemprego no seu país. Necessidade de novas experiências profissionais. Razões familiares. Motivos pessoais. Outro. Qual? 4. Há quanto tempo leciona no Estrangeiro? Há menos de 1 ano. Entre 1 e 5 anos. Entre 5 e 10 anos. Mais de 10 anos. Sempre lecionou no estrangeiro. 3

4 5. Pretende regressar ao seu país de origem? Sim, o mais depressa possível. Sim, mas a longo prazo. Não. Ainda não pensei nisso. 6. Caso regresse será (selecione o principal motivo): Porque sente saudades. Por razões familiares. Por razões económicas. Por falta de condições de trabalho. Porque atingiu a idade da reforma. Porque não se consegue adaptar no país em que se encontra. Porque o ensino lá é melhor. Outra. Qual? 7. Em que tipo de ensino exerce atualmente a sua atividade? Integrado numa escola com currículo standard, enquanto disciplina obrigatória. Integrado numa escola com currículo standard, enquanto disciplina opcional. Integrado numa escola com currículo standard, enquanto oferta extra curricular. Integrado no currículo de numa escola bilingue. Integrado no currículo de uma escola com prática de diferentes línguas e culturas. Paralelo. Ambos. 8. Qual o nível da sua formação académica? Licenciatura. Formação pós graduada. Mestrado. Doutoramento. Pós Doutoramento. 9. A sua escolaridade foi completada (pode selecionar mais do que uma opção): no seu país de origem. no país em que reside atualmente. Noutro país. Qual? Roll de países 10. Fez a sua profissionalização em serviço/estágio integrado? Sim. Não. 4

5 11. Tem habilitações para exercer a sua função docente em que nível de ensino? Primeiro Ciclo. Segundo Ciclo. Segundo e Terceiro Ciclos. Terceiro Ciclo e Ensino Secundário. Ensino Universitário. 12. Qual é a entidade responsável pelo seu contrato de trabalho? O Instituto Camões. O Ministério da Educação do país em que me encontro. Uma Associação Portuguesa. Outra. Qual? Docentes de outras disciplinas do Ensino Básico e Secundário 1. Idade Sexo F M 2. Selecione o seu país de origem Angola Brasil Cabo Verde Guiné Bissau Portugal Moçambique São Tomé e Príncipe Timor Leste Outro: (roll list) 3. Indique a(s) disciplina(s) que leciona atualmente. Biologia Desporto Geografia História Música Outra. Qual? 4. Motivações para exercer funções no estrangeiro Sem motivo especial. É economicamente mais rentável. Desemprego no seu país. Necessidade de novas experiências profissionais. 5

6 Razões familiares. Motivos pessoais. Outra. Qual? 5. Há quanto tempo leciona no Estrangeiro? Há menos de 1 ano. Entre 1 e 5 anos. Entre 5 e 10 anos. Mais de 10 anos. Sempre lecionei no estrangeiro. 6. Pretende regressar ao seu país de origem? Sim, o mais depressa possível. Sim, mas a longo prazo. Não. Ainda não pensei nisso. 7. Caso regresse será (indique o principal motivo): Porque sente saudades. Por razões familiares. Por razões económicas. Por falta de condições de trabalho. Porque atingiu a idade da reforma. Porque não se consegue adaptar no país em que se encontra. Porque o ensino lá é melhor. Outro. Qual? 8. Em que tipo de ensino exerce atualmente a sua atividade? Integrado numa escola com currículo standard, enquanto disciplina obrigatória. Integrado numa escola com currículo standard, enquanto disciplina opcional. Integrado numa escola com currículo standard, enquanto oferta extra curricular. Integrado no currículo de numa escola bilingue. Integrado no currículo de uma escola com prática de diferentes línguas e culturas. Paralelo. Ambos. 9. Qual o nível da sua formação académica? Licenciatura. Formação pós graduada. Mestrado. Doutoramento. 6

7 Pós Doutoramento. 10. A sua escolaridade foi completada (pode selecionar mais do que uma opção): no seu país de origem. no país em que reside atualmente. noutro país. Qual? Roll de países 11. Fez a sua profissionalização em serviço/estágio integrado? Sim. Não. 12. Tem habilitações para exercer a sua função docente em que nível de ensino? Primeiro Ciclo. Segundo Ciclo. Segundo e Terceiro Ciclos. Terceiro Ciclo e Ensino Secundário. Ensino Universitário. 13. Qual é a entidade responsável pelo seu contrato de trabalho? O Instituto Camões. O Ministério da Educação do país em que me encontro. Uma Associação Portuguesa. Outra. Qual? Docente de Português do Ensino Superior e Leitor/a 1. Idade Sexo F M 2. Selecione o seu país de origem Angola Brasil Cabo Verde Guiné Bissau Portugal Moçambique São Tomé e Príncipe Timor Leste Outro: (roll list) 3. Motivações para exercer funções no estrangeiro (selecione a principal motivação) 7

8 Sem motivo especial É economicamente mais rentável Desemprego no seu país Necessidade de novas experiências profissionais Razões familiares Motivos pessoais Outra. Qual? 4. Há quanto tempo leciona no Estrangeiro? Há menos de 1 ano. Entre 1 e 5 anos. Entre 5 e 10 anos. Mais de 10 anos. Sempre lecionei no estrangeiro. 5. Pretende regressar ao seu país de origem? Sim, o mais depressa possível. Sim, mas a longo prazo. Não. Ainda não pensei nisso. 6. Caso regresse será (selecione o principal motivo): Porque sente saudades. Por razões familiares. Por razões económicas. Por falta de condições de trabalho. Porque atingiu a idade da reforma. Porque não se consegue adaptar no país em que se encontra. Porque o ensino lá é melhor. Outra. Qual? 7. Qual o nível da sua formação académica? Licenciatura. Formação pós graduada. Mestrado. Doutoramento. Pós Doutoramento. 9. A sua escolaridade foi completada (pode seleccionar mais do que uma opção): no seu país de origem. no país em que reside atualmente. 8

9 noutro país. Qual? Roll de países 10. Fez a sua profissionalização em serviço/estágio integrado? Sim. Não. 11. Tem habilitações para exercer a sua função docente em que nível de ensino? Primeiro Ciclo. Segundo Ciclo. Segundo e Terceiro Ciclo. Terceiro Ciclo e Ensino Secundário. Ensino Universitário. 12. Qual é a entidade responsável pelo seu contrato de trabalho? O Instituto Camões. A Universidade em que leciono. Outra. Qual? Docente de outras disciplinas do Ensino Superior 1. Idade Sexo F M 2. Selecione o seu país de origem Angola Brasil Cabo Verde Guiné Bissau Portugal Moçambique São Tomé e Príncipe Timor Leste Outro: (roll list) 3. Área de estudos em que lecciona: 4. Motivações para exercer funções no estrangeiro (selecione a pricipal motivação): Sem motivo especial. É economicamente mais rentável. Desemprego no seu país. 9

10 Necessidade de novas experiências profissionais. Razões familiares. Motivos pessoais. Outra. Qual? 5. Há quanto tempo leciona no Estrangeiro? Há menos de 1 ano. Entre 1 e 5 anos. Entre 5 e 10 anos. Mais de 10 anos. Sempre lecionei no estrangeiro. 6. Pretende regressar ao seu país de origem? Sim, o mais depressa possível. Sim, mas a longo prazo. Não. Ainda não pensei nisso. 7. Caso regresse será (selecione o principal motivo): Porque sente saudades. Por razões familiares. Por razões económicas. Por falta de condições de trabalho. Porque atingiu a idade da reforma. Porque não se consegue adaptar no país em que se encontra. Porque o ensino lá é melhor. Outra. Qual? 8. Qual o nível da sua formação académica? Licenciatura. Formação pós graduada. Mestrado. Doutoramento. Pós Doutoramento. 9. A sua escolaridade foi completada (pode selecionar mais do que uma opção): no seu país de origem. no país em que reside atualmente. noutro país. Qual? Roll de países 10. Fez a sua profissionalização em serviço/estágio integrado? 10

11 Sim. Não. 11. Tem habilitações para exercer a sua função docente em que nível de ensino? Primeiro Ciclo. Segundo Ciclo. Segundo e Terceiro Ciclos. Terceiro Ciclo e Ensino Secundário. Ensino Universitário. 12. Qual é a entidade responsável pelo seu contrato de trabalho? O Instituto Camões. A Universidade em que leciono. Outra. Qual? 1. Idade Sexo F M Estudante Universitário 2. A sua família descende de algum país de língua oficial portuguesa? Sim. Qual? (Lista de países lusófonos) Não. 3. Pretende trabalhar em Portugal ou noutro país de língua oficial portuguesa? Sim. Não. Ainda não pensei nisso. 4. No país em que se encontra, considera se um estudante: Nacional Estrangeiro 5. Se respondeu estrangeiro, indique: ao abrigo do programa Erasmus. ao abrigo de outro programa ou protocolo de cooperação internacional. por motivos de mobilidade/emigração da família ou de familiares. Outro. Qual? 11

12 6. A sua escolaridade foi, até agora, completada (pode selecionar mais do que uma opção): no seu país de origem. no país em que reside atualmente. noutro país. Qual? Roll de países 7. Está a aprender Português? Sim. Não. Já não. Ainda não, mas pretendo iniciar. 8. Qual o nível da sua formação académica até ao momento? Licenciatura. Formação pós graduada. Mestrado. Doutoramento. Pós Doutoramento. 1. Idade Sexo F M Aluno do Ensino Básico e Secundário 2. A sua família descende de algum país de língua oficial portuguesa? Sim. Qual? Roll de países de língua oficial portuguesa Não. 3. A sua escolaridade foi, até agora, completada (pode assinalar mais do que uma opção): no seu país de origem. no país em que reside atualmente. noutro país. Qual? Roll de países 4. Está a aprender Português? Sim. Não. Já não. Ainda não, mas pretendo iniciar. 12

13 Outro. 1. Idade Sexo F M 2. Selecione o seu país de origem Angola Brasil Cabo Verde Guiné Bissau Portugal Moçambique São Tomé e Príncipe Timor Leste Outro: (roll list) 3. Há quanto tempo reside no Estrangeiro? Há menos de 1 ano. Entre 1 e 5 anos. Entre 5 e 10 anos. Mais de 10 anos. Nasci no estrangeiro. 4. Pretende regressar ao seu país de origem? Sim, o mais depressa possível. Sim, mas a longo prazo. Não. Ainda não pensei nisso. 5. Caso regresse será (selecione o principal motivo): Porque sente saudades. Por razões familiares. Por razões económicas. Por falta de condições de trabalho. Porque atingiu a idade da reforma. Porque não se consegue adaptar no país em que se encontra. Porque o ensino lá é melhor. Outra. Qual? 6. Qual o ramo em que exerce a sua atividade atualmente? 13

14 Agricultura Comércio Construção Civil Ensino Profissional Liberal Prestação de serviços ( ) Outra. Qual? 7. A sua escolaridade foi completada (pode assinalar mais do que uma opção): No seu país de origem. No país em que reside atualmente. Noutro país. Qual? Roll de países 8. Qual o seu nível de escolaridade? Até à 4ª classe. Da 5ª à 6ª classe. Do 7º ao 9º anos. Ensino Secundário Completo (12º ou 13º ano). Ensino Secundário Incompleto. Licenciatura. Mestrado. Doutoramento. Pós Doutoramento. 9. Está a aprender Português? Sim. Não. Já não. Ainda não, mas pretendo iniciar. Página 3: Perfil Linguístico (questões comuns a todos os participantes) 1. Selecione a(s) sua(s) Língua(s) Materna(s). Lista de línguas 2. Seleccione as Línguas Estrangeiras que domina. Lista de línguas 14

15 3. Selecione as Línguas com as quais contacta regularmente. Lista de línguas 4. Qual das seguintes designações melhor define a sua relação com a Língua Portuguesa? Português é a minha Língua Materna. a Língua Materna dos meus pais. a Língua Materna do meu pai OU da minha mãe. a Língua Materna de familiares. uma das Línguas Oficiais do meu país. a primeira Língua Estrangeira que estudei. uma das Línguas Estrangeiras que estudei. uma língua que conheço e aprendi sem nunca a ter estudado. Outra designação não mencionada anteriormente: 5. Diria que o seu Português é: o Português de Angola. o Português do Brasil. o Português de Cabo Verde. o Português da Guiné Bissau. o Português de Moçambique. o Português de Portugal. o Português de Timor Leste. o Português de S. Tomé e Príncipe. uma mistura das diferentes variantes que aprendi. Quais? Outro. Qual? 6. Como avalia as suas competências em Língua Portuguesa? Iniciação (A) Intermédio (B) Avançado (C) Domínio da compreensão oral compreensão escrita expressão oral expressão escrita interação verbal, conversação (1= iniciação à língua; 2= algumas competências básicas; 3= com competências suficientes; 4= com bastante competência; 5= com competências próximas do falante nativo; 6= nível de falante nativo) Página 4: Imagens do Português (questões comuns a todos os participantes) 1. Preencha os espaços com três palavras que associa à Língua Portuguesa. 15

16 2. Preencha os espaços com três palavras que associa aos falantes de Português. 3. O Português é uma língua (posicione a sua opinião com um X, conforme se aproxime de uma ou de outra característica): Feia Bonita Pobre culturalmente Rica culturalmente Sem poder político Com poder político Sem poder económico Com poder económico Desconhecida internacionalmente Conhecida internacionalmente Inútil Útil Difícil Fácil Antiquada Moderna Distante Próxima 4. Se pretender, apresente outras descrições que faz da língua portuguesa: 5. A aprendizagem do Português: É importante para si. Não é importante para si. (apenas se assinalar que é importante) 5.1. Aprender português é importante para si porque (pode selecionar até duas opções): Pode comunicar com os seus pais e familiares. Pode comunicar com os falantes de Português quando viaja (em trabalho ou em férias). Terá mais hipóteses de arranjar emprego (valorização em termos de currículo). Contribui para a sua formação multicultural. Contribui para a sua formação pessoal e humana. É uma língua muito conhecida internacionalmente. Facilita a aprendizagem de outras línguas estrangeiras. Outro. Especifique: 6. Avalie o grau de facilidade dos seguintes aspetos da aprendizagem da Língua Portuguesa: Aspetos 1 (Muito 2 (Fácil) 3 (Nem 4 (Difícil) 5 (Muito 16

17 ortografia fonética e pronúncia ordem das palavras na frase conjugação dos verbos léxico e vocabulário distinção entre classes de palavras (nomes, adjetivos, advérbios, ) proposições pontuação acentuação das palavras comparação com outras línguas aprendidas Outro: Outro: fácil) fácil nem difícil) difícil) Página 5: Imagens do Ensino Português (questões por grupo alvo) Membros da Comunidade Lusófona e Encarregados de Educação 1. Tem filhos em idade escolar? Sim Não 2. Os seus filhos frequentam ou frequentaram aulas de Português? Sim Não 3. Se respondeu sim, em que regime? Integrado numa escola com currículo standard, enquanto disciplina obrigatória. Integrado numa escola com currículo standard, enquanto disciplina opcional. Integrado numa escola com currículo standard, enquanto oferta extra curricular. Integrado no currículo de numa escola bilingue. Integrado no currículo de uma escola com prática de diferentes línguas e culturas. Paralelo. Ambos. Não sabe (Se respondeu paralelo, abre esta opção) Matricularia o seu filho numa escola em que o Português fosse uma das línguas ensinadas (em vez de outras línguas estrangeiras)? 17

18 Sim, para que a aprendizagem fosse mais valorizada pelo seu filho (ao nível da avaliação, em termos profissionais, em termos de identidade, ). Não, porque quer que o seu filho aprenda as outras línguas da escola. Não sabe. 4. Como classifica a vontade demonstrada pelo seu educando para a frequência das aulas de Português? Enorme vontade Alguma vontade Pouca vontade Nenhuma vontade (é obrigado). 5. O seu filho/educando frequenta (ou frequentou) as aulas de português porque (assinale a principal motivação): Quer aprender a língua ou aperfeiçoar competências já adquiridas. Faz parte do currículo da escola que frequenta. Precisa de comunicar, usando esta língua. É obrigado pelos pais. É uma maneira de passar o tempo. O professor sabe cativar para a aprendizagem. Os seus amigos também aprendem português. Gosta da língua e das culturas lusófonas. 6. Selecione a razões para ter inscrito o seu educando nas aulas de Português: Porque ele pediu. Porque, apesar de não ser português, pretende que ele aprenda a língua materna dos pais. Pretende que aprenda a língua do seu país de origem. Pretende que aprenda a língua dos restantes familiares. Para comunicar em casa com a família. Para comunicar os familiares quando vão de férias. Para ter mais hipóteses de vir a arranjar um bom emprego num país de língua oficial portuguesa. Para ter mais hipóteses de vir a arranjar um bom emprego no país em que se encontram. 7. Quem é ou era a entidade responsável pelas aulas de Português? O Instituto Camões. O Governo Português. O Governo do País de Acolhimento. As associações de emigrantes portugueses. Outra. Qual? 18

19 Não sei. 8. Qual a sua opinião acerca dos conhecimentos adquiridos pelo seu educando nas aulas de Português? Irrelevantes e sem importância. Pouco relevantes e importantes. Muito relevantes e importantes. Fundamentais e muito importantes. Não tem opinião. Não acompanha a vida escolar do seu educando. 9. Assinale o seu grau de satisfação face aos cursos de Língua Portuguesa frequentados pelo seu educando (posicione a sua opinião, sendo que o número 1 representa o menor grau de satisfação e o 5 o maior grau de satisfação): O horário. O professor designado para o curso/ a turma. A comunicação com o professor. A comunicação com a Coordenação de Ensino. Número de alunos por turma. As condições logísticas das escolas. A distância até à escola. A regularidade das aulas. Os conteúdos abordados nas aulas. Os materiais didáticos (ex: manual). As actividades/tarefas e formas de trabalho propostas A avaliação. Outro: Outro: Indique até três aspectos que alteraria no funcionamento do Ensino Português no Estrangeiro. Docentes de Português do Ensino Básico e Secundário 1. Como classifica a vontade/motivação demonstrada pelos seus alunos para a frequência das aulas de Português? 19

20 Enorme vontade Alguma vontade Pouca vontade Nenhuma vontade. 2. Os seus alunos frequentam (ou frequentaram) as aulas de português porque (assinale a principal motivação): Querem aprender a língua ou aperfeiçoar competências já adquiridas. Faz parte do currículo da escola que frequentam. Precisam de comunicar, usando esta língua. Foram/São obrigados pelos pais. É uma maneira de passar o tempo. O professor sabe cativar para a aprendizagem. Os amigos também aprendem português. Gostam da língua e das culturas lusófonas. Outro. Qual? 3. Selecione as razões pelas quais pensa que os seus alunos frequentam as aulas de Português: Porque pedem aos pais. Porque querem aprender uma Língua Estrangeira mais exótica. Pretendem aprender a língua dos seus pais Pretendem aprender a língua dos seus familiares. Para comunicar em casa com a família. Para comunicar com os familiares quando vão de férias. Para ter mais hipóteses de vir a arranjar um bom emprego num país de língua oficial portuguesa. Para ter mais hipóteses de vir a arranjar um bom emprego no país em que em que se encontram. Outro. Qual? 4. Quem é ou era a entidade responsável pelas aulas de Português que leciona? O Instituto Camões. O Governo Português. O Governo do País de Acolhimento. As associações de emigrantes portugueses. Outra. Qual? Não sei. 5. Qual a sua opinião acerca dos conhecimentos adquiridos pelos seus alunos nas aulas de Português? Irrelevante e sem importância. Pouco relevantes e importantes. 20

21 Muito relevantes e importantes. Fundamentais e muito importantes. Não tenho opinião. 6. Assinale o seu grau de satisfação em relação aos seguintes aspetos da sua atividade docente (posicione a sua opinião, sendo que o número 1 representa o menor grau de satisfação e o 5 o maior grau de satisfação): O horário. Número de alunos por turma. Os conhecimentos prévios em Português dos alunos. As condições logísticas das escolas. A distância até à(s) escola(s). A distância entre cursos. A dispersão dos cursos. A regularidade das aulas. Os conteúdos abordados nas aulas. Os materiais didáticos de apoio disponíveis (ex: manuais). As modalidades de trabalho adotadas em sala de aula. Os documentos orientadores da prática letiva (ex: legislação, documentos de apoio à implementação do QUAREPE). Os contactos com a Tutela. Os contactos com a Coordenação de Ensino. Os contactos com as Associações de Pais. Os contactos com as Comunidades Portuguesas. O intercâmbio de experiências com os colegas. As atividades não letivas associadas à função docente. O processo de avaliação de desempenho. O vencimento auferido. Outro: Outro: Não se aplica 7. Indique até 3 aspetos que alteraria no funcionamento do Ensino Português no Estrangeiro: 21

22 Docentes de outras disciplinas do Ensino Básico e Secundário 1. Como classifica a vontade/motivação demonstrada pelos seus alunos para a frequência das suas aulas? Enorme vontade Alguma vontade Pouca vontade Nenhuma vontade. 2. Os seus alunos frequentam (ou frequentaram) as suas aulas porque (assinale a principal motivação): Querem aprender a língua ou aperfeiçoar competências já adquiridas. Faz parte do currículo da escola que frequentam. Foram/São obrigados pelos pais. É uma maneira de passar o tempo. O professor sabe cativar para a aprendizagem. Os amigos também estão matriculados. Gostam da matéria ensinada. Outro. Qual? 3. Selecione as razões pelas quais pensa que os seus alunos frequentam as suas aulas: Porque pedem aos pais. Porque querem aprender uma Língua Estrangeira mais exótica, através da aprendizagem de outros conteúdos. Para ter mais hipóteses de vir a arranjar um bom emprego num país de língua oficial portuguesa. Para ter mais hipóteses de vir a arranjar um bom emprego no país em que em que se encontram. Outro. Qual? 4. Quem é ou era a entidade responsável pelas suas aulas? O Instituto Camões. O Governo Português. O Governo do País de Acolhimento. As associações de emigrantes portugueses. Outra. Qual? Não sei. 22

23 5. Qual a sua opinião acerca dos conhecimentos adquiridos pelos seus alunos nas suas aulas? Irrelevantes e sem importância. Pouco relevantes e importantes. Muito relevantes e importantes. Fundamentais e muito importantes. Não tenho opinião. 6. Assinale o seu grau de satisfação em relação aos seguintes aspetos da sua atividade docente (posicione a sua opinião, sendo que o número 1 representa o menor grau de satisfação e o 5 o maior grau de satisfação): O horário. Número de alunos por turma. Os conhecimentos prévios em Português dos alunos. As condições logísticas das escolas. A distância até à(s) escola(s). A distância entre cursos. A dispersão dos cursos. A regularidade das aulas. Os conteúdos abordados nas aulas. Os materiais didáticos de apoio disponíveis (ex: manuais). As modalidades de trabalho adotadas em sala de aula. Os documentos orientadores da prática letiva (ex: legislação, programas, ). Os contactos com a Tutela. Os contactos com a Coordenação de Ensino. Os contactos com as Associações de Pais. Os contactos com as Comunidades Portuguesas. O intercâmbio de experiências com os colegas. As atividades não letivas associadas à função docente. O processo de avaliação de desempenho. O vencimento auferido. Outro: Outro: Não se aplica 7. Indique até 3 aspetos que alteraria no funcionamento do Ensino Português no Estrangeiro: 23

24 Docente de Português do Ensino Superior e Leitor 1. Como classifica a vontade/motivação demonstrada pelos estudantes que frequentam as aulas de Português? Enorme vontade Alguma vontade Pouca vontade Nenhuma vontade. 2. Os seus estudantes frequentam (ou frequentaram) as aulas de português porque (assinale a principal motivação): Querem aprender a língua ou aperfeiçoar competências já adquiridas. A língua faz parte integral do currículo académico do curso escolhido. É uma opção do currículo académico do curso escolhido. Foram/São obrigados pelos pais. Os amigos também aprendem português. Têm amigos e/ou familiares portugueses. São lusodescendentes. Gostam da língua e das culturas lusófonas. Pretendem ingressar numa carreira académica relacionada com o Português. Pretendem ingressar numa carreira profissional relaciona com o Português. 3. Quem é ou era a entidade responsável pelas aulas de Português que leciona? O Instituto Camões. O Governo Português. O Governo do País de Acolhimento. Outra. Qual? Não sei. 4. Qual a sua opinião acerca dos conhecimentos adquiridos pelos estudantes nas aulas de Português? Irrelevantes e sem importância. Pouco relevantes e importantes. Muito relevantes e importantes. Fundamentais e muito importantes. Não tenho opinião. 24

25 5. Assinale o seu grau de satisfação em relação aos seguintes aspetos da sua atividade docente (posicione a sua opinião, sendo que o número 1 representa o menor grau de satisfação e o 5 o maior grau de satisfação): O horário. Número de alunos por turma. Os conhecimentos prévios em Português dos alunos. As condições logísticas da universidade/do departamento. A distância até à(s) universidade(s). A distância entre universidades em que leciona. A dispersão dos cursos. A regularidade das aulas. Os conteúdos abordados nas aulas. Os materiais didáticos de apoio disponíveis (ex: manuais). As modalidades de trabalho adotadas nas aulas. Os documentos orientadores da prática letiva (ex: legislação, documentos de apoio à implementação do QUAREPE). Os contactos com a Tutela. Os contactos com a Coordenação de Ensino. Os contactos com as Associações de Pais. Os contactos com as Comunidades Portuguesas. O intercâmbio de experiências com outros profissionais da mesma área. As atividades não letivas associadas ao ensino universitário. O processo de avaliação de desempenho. O vencimento auferido. Outro: Outro: Não se aplica 6. Indique até 3 aspetos que alteraria no funcionamento do Ensino Português no Estrangeiro: Docente de outras disciplinas do Ensino Superior 25

26 1. Como classifica a vontade/motivação demonstrada pelos estudantes que frequentam as suas aulas? Enorme vontade Alguma vontade Pouca vontade Nenhuma vontade. 2. Os seus estudantes frequentam (ou frequentaram) as suas aulas porque (assinale a principal motivação): Querem aprender a língua a língua ou aperfeiçoar competências já adquiridas. Faz parte integral do currículo académico do curso escolhido. É uma opção do currículo académico do curso escolhido. Foram/São obrigados pelos pais. Os amigos estão matriculados na mesma disciplina. São lusodescendentes. Gostam dos conteúdos abordados. Pretendem ingressar numa carreira académica relacionada com esta área. Pretendem ingressar numa carreira profissional relaciona com esta área. 3. Quem é ou era a entidade responsável pelas aulas que leciona? O Instituto Camões. O Governo Português. O Governo do País de Acolhimento. Outra. Qual? Não sei. 4. Qual a sua opinião acerca dos conhecimentos adquiridos pelos estudantes nas suas aulas? Irrelevantes e sem importância. Pouco relevantes e importantes. Muito relevantes e importantes. Fundamentais e muito importantes. Não tenho opinião. 5. Assinale o seu grau de satisfação em relação aos seguintes aspetos da sua atividade docente (posicione a sua opinião, sendo que o número 1 representa o menor grau de satisfação e o 5 o maior grau de satisfação): O horário. Número de alunos por turma Não se aplica 26

27 Os conhecimentos prévios dos alunos. As condições logísticas da universidade/do departamento. A distância até à(s) universidade(s). A distância entre universidades em que leciona. A dispersão dos cursos. A regularidade das aulas. Os conteúdos abordados nas aulas. Os materiais didáticos de apoio disponíveis (ex: manuais). As modalidades de trabalho adotadas na sala de aula. Os documentos orientadores da prática letiva (ex: legislação, documentos de apoio à implementação do QUAREPE). Os contactos com a Tutela. Os contactos com a Coordenação de Ensino. Os contactos com as Associações de Pais. Os contactos com as Comunidades Portuguesas. O intercâmbio de experiências com outros profissionais da mesma área. As atividades não letivas associadas ao ensino universitário. O processo de avaliação de desempenho. O vencimento auferido. Outro: Outro: 6. Indique até 3 aspetos que alteraria no funcionamento do Ensino Português no Estrangeiro: Estudante Universitário 1. Como classifica a sua vontade/motivação na frequência das aulas de Português? Enorme vontade Alguma vontade Pouca vontade Nenhuma vontade. 2. Frequenta (ou frequentou) as aulas de Português porque (assinale a principal motivação): 27

28 Quer aprender a língua ou aperfeiçoar competências já adquiridas. Faz parte integral do currículo académico do curso escolhido. É uma opção do currículo académico do curso escolhido. Os amigos também aprendem português. Tem amigos e/ou familiares portugueses. É lusodescendente. Gosta da língua e das culturas lusófonas. Pretende ingressar numa carreira académica relacionada com o Português. Pretende ingressar numa carreira profissional relaciona com o Português. 3. Quem é ou era a entidade responsável pelas aulas de Português que frequenta/frequentou? O Instituto Camões. O Governo Português. A universidade. Outra. Qual? Não sei. 4. Qual a sua opinião acerca dos conhecimentos adquiridos aulas de Português? Irrelevante e sem importância. Pouco relevantes e importantes. Muito relevantes e importantes. Fundamentais e muito importantes. Não tenho opinião. 5. Assinale o seu grau de satisfação face à disciplina de Língua Portuguesa (posicione a sua opinião, sendo que o número 1 representa o menor grau de satisfação e o 5 o maior grau de satisfação): O horário. O Professor designado para a disciplina de Português. A comunicação com o Professor. Número de alunos por turma. Os conhecimentos prévios em Português dos restantes colegas de curso. As condições logísticas da universidade/do departamento. A distância até à(s) universidade(s). A regularidade das aulas. Os conteúdos abordados nas aulas. Os materiais didáticos de apoio disponíveis (ex: Não se aplica 28

29 manuais). As tarefas/actividades e as modalidades de trabalho propostas. O intercâmbio de experiências com colegas da mesma área. A avaliação. Outro: Outro: 6. Indique até 3 aspetos que alteraria no funcionamento das suas aulas de Português: Aluno do Ensino Básico e Secundário 1. Frequenta ou frequentou aulas de Português? Sim Não 2. Se respondeu sim, em que regime? Integrado numa escola com currículo standard, enquanto disciplina obrigatória. Integrado numa escola com currículo standard, enquanto disciplina opcional. Integrado numa escola com currículo standard, enquanto oferta extra curricular. Integrado no currículo de numa escola bilingue. Integrado no currículo de uma escola com prática de diferentes línguas e culturas. Paralelo. Ambos. Não sabe (Se respondeu paralelo, abre esta opção) Preferia estar matriculado numa escola em que o Português fosse uma das línguas ensinadas (em vez de outras línguas estrangeiras)? Sim, para que a aprendizagem do Português fosse mais valorizada (em termos de avaliação, em termos profissionais, em termos de identidade, ). Não, porque também quer aprender as outras línguas da escola. Não sabe. 3. Como classifica a sua vontade de frequentar as aulas de Português? Enorme vontade 29

30 Alguma vontade Pouca vontade Nenhuma vontade (é obrigado). 4. Frequenta (ou frequentou) as aulas de português porque (assinale a principal motivação): Quer aprender a língua ou aperfeiçoar competências já adquiridas. Faz parte do currículo da escola que frequenta. Precisa de comunicar, usando esta língua. É obrigado pelos pais. É uma maneira de passar o tempo. O professor sabe cativar para a aprendizagem. Os seus amigos também aprendem português. Gosta da língua e das culturas lusófonas. Outra razão. Qual? 5. Selecione as razões para se ter inscrito nas aulas de Português (assinale o principal motivo): Pediu aos pais/ encarregado de educação. Porque, apesar de não ser português, pretende aprender a língua materna dos pais. Pretende aprender a língua do seu país de origem. Pretende aprender a língua dos restantes familiares. Para comunicar em casa com a família. Para comunicar os familiares quando vão de férias. Para ter mais hipóteses de vir a arranjar emprego num país de língua oficial portuguesa. Para ter mais hipóteses de vir a arranjar emprego no país em que se encontra. 6. Quem é ou era a entidade responsável pelas aulas de Português? O Instituto Camões. O Governo Português. O Governo do País de Acolhimento. As associações de emigrantes portugueses. Outra. Qual? Não sei. 7. Qual a sua opinião acerca dos conhecimentos adquiridos nas aulas de Português? Irrelevante e sem importância. Pouco relevantes e importantes. Muito relevantes e importantes. Fundamentais e muito importantes. Não tem opinião. 30

31 8. Assinale o seu grau de satisfação face aos cursos de Língua Portuguesa (posicione a sua opinião, sendo que o número 1 representa o menor grau de satisfação e o 5 o maior grau de satisfação): O horário. O professor designado para o curso/ a turma. A comunicação com o professor. Número de alunos por turma. As condições das escolas. A distância até à escola. A regularidade das aulas. Os conteúdos dados nas aulas. Os materiais didáticos (ex: manual). As tarefas/atividades e as formas de trabalho propostas A avaliação. Outro: Outro: Indique até três aspectos que alteraria no funcionamento do curso de Português que frequenta/frequentou. 31

32 Página final: Comentários e sugestões Deixe os seus comentários e sugestões acerca da temática deste questionário o (ensino do) Português. Agradecemos a sua colaboração Sílvia Melo Pfeifer CEPE/ ALEMANHA Maria José Veiga CEPE/ REINO UNIDO 32

Habilitações literárias * (assinale o último nível de educação concluído e certificado)

Habilitações literárias * (assinale o último nível de educação concluído e certificado) MIGRAÇÕES QUALIFICADAS/ Emigrantes Este questionário faz parte de uma investigação, sobre profissionais portugueses com qualificação superior que se encontram a trabalhar, na respectiva área, fora do seu

Leia mais

[Aprender Português / Portugiesisch lernen]

[Aprender Português / Portugiesisch lernen] [Aprender Português / Portugiesisch lernen] Sabias que segundo a última edição do livro The Ethnologue: languages of the world, o número de línguas faladas no mundo é de 6912. 1. Analisa o seguinte ranking

Leia mais

PROJETO GUIA GESTÃO UNIVERSITÁRIA DO ABANDONO ESCOLAR

PROJETO GUIA GESTÃO UNIVERSITÁRIA DO ABANDONO ESCOLAR PROJETO GUIA GESTÃO UNIVERSITÁRIA DO ABANDONO ESCOLAR Questionário sobre as causas do abandono e decisões do estudante relativas ao abandono dos estudos no ensino superior Versão on-line para Portugal

Leia mais

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ESTUDO IMIGRANTES E IDENTIDADES

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ESTUDO IMIGRANTES E IDENTIDADES 1 INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ESTUDO IMIGRANTES E IDENTIDADES O presente inquérito por questionário foi elaborado no âmbito do Estudo Imigrantes e Identidades, que está a ser desenvolvido pela Divisão de

Leia mais

INQUÉRITO AOS ESTUDANTES DO IST QUE REALIZARAM UM PERÍODO DE ESTUDOS FORA DA ESCOLA. Área de Estudos e Planeamento (AEP) Alexandra Sevinate Pontes

INQUÉRITO AOS ESTUDANTES DO IST QUE REALIZARAM UM PERÍODO DE ESTUDOS FORA DA ESCOLA. Área de Estudos e Planeamento (AEP) Alexandra Sevinate Pontes INQUÉRITO AOS ESTUDANTES DO IST QUE REALIZARAM UM PERÍODO DE ESTUDOS FORA DA ESCOLA INQUÉRITOS AOS ESTUDANTES EM MOBILIDADE histórico Designação interna Objetivos População alvo Serviço Modalidade Responsável

Leia mais

Objeto de avaliação. Compreensão. Funcionamento da Língua Inglesa INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS

Objeto de avaliação. Compreensão. Funcionamento da Língua Inglesa INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS abril de2015 PROVA 06 2015 Modalidade ESCRITA /ORAL -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AOS ALUNOS. A Motivação no Ensino Aprendizagem. Questionário sobre as aulas de Inglês

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AOS ALUNOS. A Motivação no Ensino Aprendizagem. Questionário sobre as aulas de Inglês Anexo 2 INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AOS ALUNOS A Motivação no Ensino Aprendizagem Questionário sobre as aulas de Inglês O objectivo deste questionário é ajudar-te a teres um conhecimento melhor de ti próprio

Leia mais

BOLETIM DE MATRÍCULA

BOLETIM DE MATRÍCULA BOLETIM DE MATRÍCULA Educação Pré-Escolar ANO LETIVO DE 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS OLIVEIRA JÚNIOR Inscrição nº S. João da Madeira Processo nº Inscrição em / / Admissão em / / Renovação em / / Renovação

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

DGAE Direção-Geral da Administração Escolar CONTRATAÇÃO DE ESCOLA E BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA. Maio/Junho 2015

DGAE Direção-Geral da Administração Escolar CONTRATAÇÃO DE ESCOLA E BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA. Maio/Junho 2015 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA E BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA Maio/Junho 2015 CONCURSO DOCENTES 2015/2016 (Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27/06, na redação conferida pelo Decreto-Lei n.º 83- A/2014, de 23/05, retificado

Leia mais

Exposição de motivos

Exposição de motivos Exposição de motivos Hoje, Portugal é uma sociedade onde vivem e convivem muitas culturas e etnias diferentes. Muitos são os imigrantes que aqui vivem, de diversas nacionalidades, e com um papel fundamental

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

Questionário do Professor

Questionário do Professor [cole aqui a etiqueta de identificação] (105 x 35 mm) Pesquisa Internacional da OCDE sobre Ensino e Aprendizagem (TALIS) Questionário do Professor Versão Pesquisa (MS-12-01) [Português, Brasil] Coordenação

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood

Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood As Escolas Públicas de Norwood acolhem estudantes de diversas origens e experiências culturais. Nós estamos atualmente prestando

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Instrumentos de Avaliação

Instrumentos de Avaliação Instrumentos de Avaliação 7 Questionário de expectativas Atendendo à integração do Curso "Formação de eformadores" no Projecto etrainers, que tem como objectivo a testagem de metodologias e ambientes inovadores

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo 1 INTRODUÇÃO O Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas em colaboração com o Secretariado Entreculturas elaborou esta brochura

Leia mais

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 O apoio educativo abrange todos os ciclos, níveis de ensino e cursos do Agrupamento. No 1.º e 2.º ciclos o apoio educativo é

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

O Segredo do Nosso Insucesso

O Segredo do Nosso Insucesso Escola Básica de 2º e 3º Ciclos José Maria dos Santos Pinhal Novo O Segredo do Nosso Insucesso Professor Jorge Pires ( Subcoordenador do Departamento de Línguas ) Na sequência da solicitação do presidente

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016 GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Em conformidade com os programas e respectivas orientações e processos de operacionalização da disciplina de Inglês procurou-se

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

Questionário. Desenvolvimento Profissional dos Professores

Questionário. Desenvolvimento Profissional dos Professores Questionário Desenvolvimento Profissional dos Professores Com este questionário pretende-se contribuir para o conhecimento de algumas dimensões do desenvolvimento profissional dos professores portugueses,

Leia mais

Anexo 1. Guião da conversa informal exploratória com as docentes de Língua Estrangeira I Inglês

Anexo 1. Guião da conversa informal exploratória com as docentes de Língua Estrangeira I Inglês ANEXOS Anexo 1 Guião da conversa informal exploratória com as docentes de Língua Estrangeira I Inglês 1. Situação profissional 2. Tempo de serviço no exercício de funções docentes 3. Distância casa/escola

Leia mais

Inglês 1ª / 2ª Fase 2014

Inglês 1ª / 2ª Fase 2014 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês 1ª / 2ª Fase 2014 Prova 06 2014 6.º Ano de Escolaridade - 2.º Ciclo do Ensino Básico PROVA ESCRITA 50% 1. Objeto de avaliação, caraterísticas e estrutura

Leia mais

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Projeto de Formação de Professores do Ensino Básico Seleção de Agentes de Cooperação (Língua Portuguesa)

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Projeto de Formação de Professores do Ensino Básico Seleção de Agentes de Cooperação (Língua Portuguesa) MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Projeto de Formação de Professores do Ensino Básico Seleção de Agentes de Cooperação (Língua Portuguesa) (DÍLI / TIMOR LESTE) Posto Condições Datas para receção de candidaturas

Leia mais

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação. Metas COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação. Metas COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Informação Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de: 2ª Fase 2015 6º Ano de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE, COORDENAÇÃO E CURSO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE, COORDENAÇÃO E CURSO RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE, COORDENAÇÃO E CURSO CURSOS GRADUAÇÃO - PSC 1º SEMESTRE - 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL DO ENTREVISTADOR Março 2008 2

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

Modularização de Competências Académicas Multilingues e Multiculturais ao nível de Licenciaturas e Mestrados

Modularização de Competências Académicas Multilingues e Multiculturais ao nível de Licenciaturas e Mestrados 2011 2014 Project Number N 517575 LLP 1 2011 1 CH ERASMUS EMCR AGREEMENT N 2011 3648 / 001 001 Modularização de Competências Académicas Multilingues e Multiculturais ao nível de Licenciaturas e Mestrados

Leia mais

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico)

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico) Guião para a autoavaliação Ciclo de estudos em funcionamento (Ensino Universitário e Politécnico) Guião ACEF 2014/2015 PT (Revisão aprovada em 26.03.2014) Caracterização do pedido A1. Instituição de ensino

Leia mais

CURSOS E EXAMES DE ALEMÃO

CURSOS E EXAMES DE ALEMÃO CURSOS E EXAMES DE ALEMÃO Outubro 2015 Fevereiro 2016 Goethe-Institut Lisboa Sprache. Kultur. Deutschland. Cursos de alemão Aprenda alemão com profissionais: O Goethe-Institut em Lisboa oferece uma vasta

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO

DIAGNÓSTICO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO DIAGNÓSTICO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO Este questionário enquadra-se no âmbito do Diagnóstico de Necessidades de Formação do CIEBI/BIC da Beira Interior para a realização do seu plano de formação para

Leia mais

Edital Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos 2013/2014

Edital Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos 2013/2014 Edital Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos 2013/2014 1. Curso Encontram-se abertas inscrições para a realização das provas especiais de acesso e ingresso no

Leia mais

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos)

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) http://www.dges.mcies.pt/bolonha/ ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) A razão de um novo sistema de créditos académicos Um dos aspectos mais relevantes

Leia mais

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º 135471 Escola Básica de Moura nº 1 (EB23) código n.º 342294 REGULAMENTO

Leia mais

Concursos de Educadores de Infância e 2012-2013. 11 de abril de 2012. Direção de Serviços de Recrutamento de Pessoal Docente

Concursos de Educadores de Infância e 2012-2013. 11 de abril de 2012. Direção de Serviços de Recrutamento de Pessoal Docente Concursos de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário 2012-2013 11 de abril de 2012 Direção de Serviços de Recrutamento de Pessoal Docente ETAPAS CONTRATAÇÃO INICIAL (abril)

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE COMPLEXO MUNICIPAL DE PISCINAS DE LAMEGO

CARTA DE QUALIDADE COMPLEXO MUNICIPAL DE PISCINAS DE LAMEGO CARTA DE QUALIDADE COMPLEXO MUNICIPAL DE PISCINAS DE LAMEGO O COMPLEXO O Complexo Municipal de Piscinas de Lamego é uma infra-estrutura do Concelho de Lamego, cuja mais recente obra se reflete na construção

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE E AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM GRADUAÇÃO PRESENCIAL

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE E AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM GRADUAÇÃO PRESENCIAL RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE E AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM GRADUAÇÃO PRESENCIAL 2º SEMESTRE 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA

Leia mais

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Programa de Apoio Educativo Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Ano Letivo 2013/2014 Índice 1- Fundamentação Legal 2 2- Definição de Programa de Apoio Educativo 2 3- Finalidades. 2 4- Destinatários.

Leia mais

6 - Prazo de duração do contrato será o período compreendido entre a data de assinatura do contrato e o termo do ano escolar.

6 - Prazo de duração do contrato será o período compreendido entre a data de assinatura do contrato e o termo do ano escolar. AVISO n.º 3/2015-16 Contratação por tempo determinado, na modalidade de contrato de trabalho a termo resolutivo certo, a tempo parcial, para as atividades de enriquecimento curricular (AEC) 1. Nos termos

Leia mais

Programa de Extensão Núcleo de Desenvolvimento Lingüístico: primeiras experiências Concepção

Programa de Extensão Núcleo de Desenvolvimento Lingüístico: primeiras experiências Concepção Programa de Extensão Núcleo de Desenvolvimento Lingüístico: primeiras experiências Marcello de Oliveira Pinto (UERJ) Márcia Magarinos (UERJ) Marina Dias O presente trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estágio dos estudantes de Licenciatura

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Questionário Parte I: Informação Pessoal Parte II: Utilização das Tecnologias Educativas (TE)

Questionário Parte I: Informação Pessoal Parte II: Utilização das Tecnologias Educativas (TE) Questionário Este questionário destina-se a avaliar, a nível nacional, as atitudes e perceções dos professores e formadores de cursos de Nível Secundário sobre a utilização de recursos computacionais na

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

NOTA INFORMATIVA BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA (CANDIDATURA)

NOTA INFORMATIVA BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA (CANDIDATURA) NOTA INFORMATIVA BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA (CANDIDATURA) 1. A Bolsa de Contratação de Escola (BCE) é constituída pelos Agrupamentos de Escolas/Escola Não Agrupada (AE/ENA) TEIP e/ou com Contrato de

Leia mais

Assunto: Candidatura a eventual vaga no Aldeamento Pedras del Rei

Assunto: Candidatura a eventual vaga no Aldeamento Pedras del Rei Assunto: Candidatura a eventual vaga no Aldeamento Pedras del Rei Tavira, 17 de Julho de 2012 Exmo/a Sr/a do Departamento de Recursos Humanos Acabo de me Licenciar no curso de Gestão, na Escola Superior

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FLÁVIO GONÇALVES PÓVOA DE VARZIM Critérios Específicos de Avaliação DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ANO LETIVO 2014/15 Critérios de avaliação específicos da disciplina de

Leia mais

Concursos e mobilidade. 5/6 de junho de 2014

Concursos e mobilidade. 5/6 de junho de 2014 Concursos e mobilidade 5/6 de junho de 2014 Regime de seleção, recrutamento e mobilidade do PD A satisfação das necessidades de pessoal docente das escolas é suprida através dos concursos: interno e externo

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE UTA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE UTA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE UTA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO 2011 FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA FACINTER COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA RELATÓRIO GERENCIAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015)

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT Desde já, agradecemos a sua participação nesta nova etapa do Projecto de Tutoria a Estudantes ERASMUS versão OUT. Com este inquérito, pretendemos

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 2

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 2 Sexo Idade Grupo de docência Feminino 40 Inglês (3º ciclo/secundário) Anos de Escola serviço 20 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Inglês, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o

Leia mais

Questionário Linha de Base: Educadores Estado: Cidade: Nome Pesquisador: Sala N : Professor N : [Estes dados devem ser preenchidos pelo pesquisador] Boas vindas Caro(a) Educador(a): O objetivo deste questionário

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE ANEXO IV RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE GRUPO ANO LETIVO 2013/2014 I.- CARATERIZAÇÃO DO GRUPO DISCIPLINAR Coordenadora do grupo disciplinar de Francês e Espanhol: Ana Cristina Bernardes Tavares Fazem

Leia mais

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível.

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível. MODELO DE PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 1 FICHA DE INSTRUÇÕES A proposta deste questionário é conhecer as pessoas que trabalham na empresa, analisar suas necessidades e insatisfações, e tornar a organização

Leia mais

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico De Setúbal

Leia mais

Habilidades de trabalhar com alunos inclusos;

Habilidades de trabalhar com alunos inclusos; ANEXO I MODELO DE CURRICULO Número do edital: Cargo pretendido: DADOS PESSOAIS Nome Completo: Nº de filho: Data de Nascimento: / / Estado Civil: Local de Nascimento: Identidade: Órgão emissor/uf: CPF:

Leia mais

Questionário para Estudantes de Pós- Graduação na modalidade a distância

Questionário para Estudantes de Pós- Graduação na modalidade a distância Questionário para Estudantes de Pós- Graduação na modalidade a distância Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto-avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA Avaliação Interna Questionário aos Pais Encarregados de Educação Reconhece-se a importância da família e da sua colaboração no processo educativo. Com este questionário

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

Inquérito à Aprendizagem ao Longo da Vida

Inquérito à Aprendizagem ao Longo da Vida Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei n.º 6/89, de 15 de Abril), de resposta obrigatória. Registado no INE sob o n.º 9477. Válido até 31-12-2003. DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS

Leia mais

Curso de Formação. Liderança e Gestão de Equipas (Data de início: 13/11/2014 - Data de fim: 15/12/2014)

Curso de Formação. Liderança e Gestão de Equipas (Data de início: 13/11/2014 - Data de fim: 15/12/2014) Curso de Formação Liderança e Gestão de Equipas (Data de início: 13/11/2014 - Data de fim: 15/12/2014) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

APRENDER A ESTUDAR Ano letivo 2011/2012 0

APRENDER A ESTUDAR Ano letivo 2011/2012 0 APRENDER A ESTUDAR Ano letivo 2011/2012 0 O Projeto Contextualização Nos diversos momentos de avaliação inerentes à vida escolar do Agrupamento, tem vindo a ser apontada, como principal causa para o insucesso

Leia mais

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014 Reitoria despacho RT-55/2014 A Universidade do Minho tem vindo a atrair um número crescente de estudantes estrangeiros, que hoje representam um importante contingente da sua comunidade estudantil. Com

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Inquérito aos Estabelecimentos de Ensino: TIC e Educação MANUAL DO COORDENADOR ESCOLAR

Inquérito aos Estabelecimentos de Ensino: TIC e Educação MANUAL DO COORDENADOR ESCOLAR Inquérito aos Estabelecimentos de Ensino: TIC e Educação MANUAL DO COORDENADOR ESCOLAR European Schoolnet Service d Approches Quantitatives des faits éducatifs Índice Introdução... 2 1. VISÃO GERAL DA

Leia mais

Relatório de Trabalho Estatístico Laboratório de Estatística DEST- CCE - UFES

Relatório de Trabalho Estatístico Laboratório de Estatística DEST- CCE - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA LABORATÓRIO DE ESTATÍSTICA Av. Fernando Ferrari, S/N - Goiabeiras 29060-900 - Vitória ES Brasil E-mail: lestat@cce.ufes.br Fone: (27) 3352470 Fax:

Leia mais

THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE!

THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE! Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: 9.302 THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE!

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Prova de Equivalência à Frequência de Língua Estrangeira I Inglês Escrita e Oral Prova 06/ 2013 Despacho normativo nº 5/ 2013, de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CAMPUS UNISULVIRTUAL EDITAL DE TRIAGEM Nº 08/05/2013

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CAMPUS UNISULVIRTUAL EDITAL DE TRIAGEM Nº 08/05/2013 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CAMPUS UNISULVIRTUAL EDITAL DE TRIAGEM Nº 08/05/2013 A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA - UNISUL, Campus UnisulVirtual, nos termos deste edital, torna

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

CURRICULUM VITAE UNIÃO DAS FREGUESIAS DE GONDOMAR (S. COSME), VALBOM E JOVIM

CURRICULUM VITAE UNIÃO DAS FREGUESIAS DE GONDOMAR (S. COSME), VALBOM E JOVIM UNIÃO DAS FREGUESIAS DE GONDOMAR (S. COSME), VALBOM E JOVIM Componentes de um Curriculum Vitae Regras para a elaboração Regras para a utilização Diferentes tipos de Curriculum Vitae Qual o tipo de Curriculum

Leia mais

IV - Contribuir para a implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação da área da saúde;

IV - Contribuir para a implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação da área da saúde; Edital G.D.G. 041/2013 Edital para Seleção de Bolsistas Monitores e Alunos Não Bolsistas Colaboradores do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde PET- VIGILÂNCIA EM SAÚDE - PET/VS - 2013/2015 da

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CIENTIFICO HUMANÍSTICO

ENSINO SECUNDÁRIO CIENTIFICO HUMANÍSTICO Escola Secundária Dr. Solano de Abreu Abrantes ENSINO SECUNDÁRIO CIENTIFICO HUMANÍSTICO DISCIPLINA: Espanhol Iniciação ANO: 10º ANO LETIVO 2012/2013 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 2. José Luís Forneiro Pérez (coordenador) João Ribeirete Márlio da Silva

FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 2. José Luís Forneiro Pérez (coordenador) João Ribeirete Márlio da Silva FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA LINGUA PORTUGUESA 2 José Luís Forneiro Pérez (coordenador) João Ribeirete Márlio da Silva GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE

Leia mais

ERASMUS+ (KA1) - AÇÃO-CHAVE 1

ERASMUS+ (KA1) - AÇÃO-CHAVE 1 ERASMUS+ (KA1) - AÇÃO-CHAVE 1 mobilidade para a aprendizagem - uma ponte para o futuro - 1. o que é o Erasmus+? ação-chave 1 mobilidade individual para fins de aprendizagem ação-chave 2 cooperação para

Leia mais

3 - Seleccionar e responder a Anúncios de Emprego ou redigir uma Carta de Candidatura Espontânea.

3 - Seleccionar e responder a Anúncios de Emprego ou redigir uma Carta de Candidatura Espontânea. Mercado de Emprego Etapas a Percorrer 1 - Estabelecer o Perfil Profissional Fazer a avaliação de si mesmo: - Competências - Gostos - Interesses Elaboração de uma lista do tipo de empregos que correspondem

Leia mais

AVALIE ENSINO MÉDIO 2013 Questionário do Estudante

AVALIE ENSINO MÉDIO 2013 Questionário do Estudante AVALIE ENSINO MÉDIO 2013 Questionário do Estudante Caro Estudante, O Projeto Avalie pretende conhecer melhor o perfil do estudante do Ensino Médio da Bahia, por isso a sua participação representa a garantia

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6-A/2015 de 5 de março Disciplina: INGLÊS Código: 06 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira I, Nível

Leia mais

Especialização em Atendimento Educacional Especializado

Especialização em Atendimento Educacional Especializado Especialização em Atendimento Educacional Especializado 400 horas Escola Superior de Tecnologia e Educação de Rio Claro ASSER Rio Claro Objetivos do curso: De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases, especialmente

Leia mais

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Portugiesisch A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Informação para os pais Objectivos e linhas gerais A escola obrigatória oficial, no Cantão de Zurique, é obrigada a respeitar os valores fundamentais

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05 Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES DE PÓS-LICENCIATURA (Mestrados e Doutoramentos) DSAS- Direcção

Leia mais

A Inclusão de Alunos com NEE s

A Inclusão de Alunos com NEE s A Inclusão de Alunos com NEE s Atitudes e Dificuldades dos Professores Introdução O presente questionário insere-se numa investigação que tem como objetivo primordial o conhecimento das atitudes e das

Leia mais